Livro: A Energia do Brasil 2ªed

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Livro: A Energia do Brasil 2ªed"

Transcrição

1 Livro: A Energia do Brasil 2ªed CAPÍTULO I A QUESTÃO GLOBAL DA ENERGIA Visão da energia no mundo Antecedentes Longo domínio do petróleo Suprimento de energia primária e consumo de energia final Recursos energéticos e sua dispersão geográfica Substituição da energia por informação Meio ambiente e qualidade de vida CAPÍTULO II A ERA DA LENHA NO BRASIL (ATÉ 1915) Antecedentes Início do século XX Mantém-se o domínio da lenha Carvão mineral importado Primeiros passos da energia elétrica A pesquisa do petróleo desperta pouco interesse Deslocam-se as posições relativas CAPÍTULO III DA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL ATÉ A CRISE ( ) Guerra, industrialização e petróleo Política e manifestações nacionalistas Acelera-se a expansão da energia elétrica Carvão nacional vinculado à siderurgia Timidez em matéria de petróleo Continua perdendo terreno o carvão CAPÍTULO IV A ERA VARGAS ( ) Revolução na política nacional O governo federal intervém na energia elétrica Debates iniciais sobre a política do petróleo Renovado interesse pelo carvão nacional Álcool como combustível Matriz energética de 1941 CAPÍTULO V O PÓS-GUERRA ( ) Fim da guerra e advento da arma atômica Ação direta do Estado, como agente econômico, na energia elétrica Da discussão à ação no domínio do petróleo Primeiro plano global para o carvão nacional Início da era nuclear Consumo de energia entre 1940 e 1955 CAPÍTULO VI DESENVOLVIMENTISMO E CRISE ( ) Mudanças sucessivas no quadro político Energia elétrica no centro do processo de desenvolvimento Novos tumultos no petróleo Revisão e prorrogação do plano do carvão Energia nuclear toma impulso moderado Produção de minério de urânio no Brasil O petróleo ultrapassa a lenha CAPÍTULO VII REFORMA ECONÔMICA ( ) Governos militares

2 Reformulação da energia elétrica Itaipu e suas conseqüências Código de Águas e regularização do rio Paraíba do Sul Equilíbrio financeiro das empresas de energia elétrica Reconhecimento global dos recursos naturais no território nacional A plataforma continental Realizações no campo da pesquisa de petróleo Rediscussão dos conceitos do petróleo A proposta de 1970 para reformulação da política do petróleo Missões externas Constituição da CPRM e nova fase do carvão nacional Primeira usina nuclear Constituição da Companhia Brasileira de Tecnologia Nuclear Prospecção de minerais nucleares Capacidade de construção de equipamentos nucleares Novo Código Florestal e incentivos ao reflorestamento Recursos humanos e tecnologia Matriz energética de 1970 CAPÍTULO VIII OS DOIS CHOQUES DO PETRÓLEO E SUAS SEQÜELAS ( ) Brasil tenta manter crescimento econômico Petrobras vai para a plataforma continental Petrobras pesquisa no exterior Contratos de risco, versão de 1975 Petrobras investe mais no acessório Consolida-se a tecnologia da exploração do xisto A contenção e a equalização tarifárias A estrutura das tarifas e o custo marginal O Plano 1990 da Eletrobrás Itaipu e Tucuruí Compra da Light Vicissitudes da usina Angra I Gigantesco programa nuclear Programa autônomo de tecnologia nuclear Água pesada continua em segundo plano Ampliação das reservas de urânio Capacitação profissional e tecnológica Política de substituição de petróleo e de conservação de energia Eletrotermia Reativa-se o carvão nacional Multiplicação do Programa do Álcool Complica-se o incentivo ao reflorestamento Novos balanços energéticos na década de 1980 CAPÍTULO IX TRANSIÇÃO PARA UMA NOVA REPÚBLICA ( ) Grandes mudanças políticas e econômicas Consuma-se a destruição financeira do setor elétrico Modifica-se o quadro institucional da energia elétrica Surge com força a questão ambiental As usinas hidráulicas no cenário ambiental Conservação da energia Sucesso na exploração de petróleo no mar Os medíocres resultados econômicos da Braspetro Dificuldades do programa nuclear Suspende-se o incentivo ao reflorestamento Termina o Proálcool como programa de benefícios e incentivos Mercado livre de carvão

3 Destruição do Plano de Formação e Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior no âmbito do MME Balanço energético no início da década de 1990 CAPÍTULO X REFORMA INSTITUCIONAL E ECONÔMICA ( ) Deterioração e recuperação do Estado Nova política econômica e reformas administrativas Situação dos setores de energia Antecedentes do processo de planejamento e operação do sistema elétrico Revisão dos debates sobre o setor de energia elétrica Conceitos essenciais sobre o sistema elétrico brasileiro Papel das térmicas Concepção do novo modelo Privatização Licitação de aproveitamentos hidrelétricos e de linhas de transmissão Instituição e organização do mercado Operador Nacional do Sistema Mudanças estruturais Eletrobrás Métodos de otimização Prática e contabilização das operações Implementação do Modelo de Energia Elétrica com Alto Risco Hidrológico Colapso físico do sistema elétrico Racionamento Crise paralela no mercado MAE Conseqüências financeiras Lições da crise de suprimento de energia Entrada do gás natural Breve histórico Acordo Brasil Bolívia Implantação do programa do gás Gás natural na matriz energética Preço do gás e taxa de câmbio Abertura no setor de petróleo e gás Execução do plano de privatização no âmbito da Petrobras Investimentos e sucesso na exploração de petróleo e gás Entrada da Petrobras na geração de energia elétrica Aventura das termelétricas a gás Termelétricas a carvão nacional Derivados da cana-de-açúcar Maturidade na produção e uso do álcool Programa nuclear Retrospecto Tratado de não-proliferação Usinas termelétricas Angra II e Angra III Reservas e mineração de urânio Reservas e mercado internacional de urânio Ciclo do combustível nuclear Conselho Nacional de Política Energética Iniciativas no começo do século XXI Balanço energético CAPÍTULO XI PARTIDA PARA O NOVO SÉCULO ( ) Transição pacífica e contradição intrínseca do novo governo Reforma da reforma na energia elétrica Discussão e adaptação da proposta Debate no Congresso Essência da reforma aprovada Planejamento e otimização da operação interligada Implementação do modelo Carga tributária na energia elétrica

4 Expansão do sistema elétrico e dependência externa Crise de identidade na Petrobras Licitação de blocos para exploração Continua o sucesso nos trabalhos essenciais na busca de petróleo Dependência externa em petróleo e derivados Gás de Urucu Investimentos em outras atividades essenciais Iniciativas dispersivas Internacionalização da Petrobras Nó cego no gás natural Regulação do mercado do gás natural Segurança e flexibilidade no suprimento de gás no mundo Segurança e flexibilidade no suprimento de gás no Brasil Gás na América do Sul Gás na Argentina Gás na Bolívia Gás na Venezuela Gás natural liquefeito Turbulência nuclear Energia renovável e universalização da oferta Conta do Desenvolvimento Energético e Proinfa Cana-de-açúcar Continuidade e inovações Biodiesel Iniciativas de caráter dominantemente social Estrutura empresarial do setor energético brasileiro Estrutura financeira do setor energético Comportamento do setor privado no ambiente energético Itaipu Binacional Empreendimento singular O setor energético na estrutura do governo federal Balanço energético Fatores de equivalência e abrangência Balanço energético do Brasil até 2004 CAPÍTULO XII EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E MEIO AMBIENTE Sentido deste capítulo Cresce a preocupação com o meio ambiente Mudança climática Água Desertificação Bases do quadro institucional no Brasil Conama e Ibama Agência Nacional de Águas Meio ambiente e energia Licenciamento ambiental Usinas hidrelétricas e meio ambiente Licenciamento de usinas hidrelétricas Eficiência na produção e no uso da energia Tecnologia e inovação Diversidade das energias novas Célula a combustível e economia do hidrogênio Biomassa Cana-de-açúcar Biomassa Lenha Reflorestamento Lixões urbanos Aperfeiçoamento das instalações de combustão externa Eficiência energética no sistema de transportes Novas baterias Qualidade dos combustíveis

5 Biodiesel Uso eficiente da eletricidade e do gás domiciliar Qualidade da eletricidade Expansão nuclear em compasso de espera Preocupação com a Amazônia Visão externa da Amazônia Utilização do espaço geográfico do Brasil CAPÍTULO XIII PERSPECTIVAS DA ENERGIA NO MUNDO E NO BRASIL Base física e econômica População como ponto de partida Tendências da economia mundial Relação entre energia e renda Perspectivas de crescimento do uso da energia no mundo Recursos energéticos não-renováveis Recursos energéticos renováveis Especulações sobre o balanço energético mundial Perspectivas de mudanças climáticas Economia e energia no Brasil Crescimento econômico comparado com o dos Estados Unidos Perspectiva da demanda e das fontes de suprimento de energia no Brasil Plano Nacional de Energia Elétrica Planos Estratégico e de Negócios da Petrobras Plano Nacional de Energia 2030 Projeções de energia com ênfase na mudança climática CAPÍTULO XIV OPÇÕES ESTRATÉGICAS NACIONAIS O Brasil no contexto econômico e energético internacional Tradição de comando estatal Duas reformas Pensando no futuro Opções estratégicas possíveis Palavras Finais APÊNDICES DOCUMENTOS INÉDITOS DE POLÍTICA ENERGÉTICA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS E SIGLAS LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS

SEGUNDA EDIÇÃO REVISTA EATUALIZADA D) CO. D f ANTÓNIO DIAS LEITE PRÉMIO JABUTI 1998 CAMPUS ELSEVIER

SEGUNDA EDIÇÃO REVISTA EATUALIZADA D) CO. D f ANTÓNIO DIAS LEITE PRÉMIO JABUTI 1998 CAMPUS ELSEVIER SEGUNDA EDIÇÃO REVISTA EATUALIZADA ANTÓNIO DIAS LEITE D) CO IL D f PRÉMIO JABUTI 1998 ELSEVIER CAMPUS CAPÍTULO I - A QUESTÃO GLOBAL DA ENERGIA Visão da energia no inundo 34 Antecedentes 35 Longo domínio

Leia mais

Ministério de Minas e Energia

Ministério de Minas e Energia PLANO NACIONAL DE ENERGIA HORIZONTE 2030 Altino Março Ventura de 2007 Filho Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético SPE/MME LAS / ANS SYMPOSIUM 2008 SETOR ENERGÉTICO PROCESSO DE PLANEJAMENTO

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012 O Planejamento Energético deve considerar: Segurança Energética Sustentabilidade Ambiental

Leia mais

Crítica ao Plano Decenal de Expansão da Energia 2008-2017

Crítica ao Plano Decenal de Expansão da Energia 2008-2017 Crítica ao Plano Decenal de Expansão da Energia 2008-2017 Introdução No dia 23 de dezembro de 2008, o Ministério de Minas e Energia abriu para consulta pública a nova versão do Plano Decenal de Expansão

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS INTERLIGADOS À REDE ELÉTRICA EM DIFERENTES CENÁRIOS DE GERAÇÃO

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS INTERLIGADOS À REDE ELÉTRICA EM DIFERENTES CENÁRIOS DE GERAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EMERSON SHINJI IKUTA JÚNIOR FERNANDO TAKEO GOYA ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA DE

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Engenharia, Meio Ambiente, Matéria e Energia Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Lei da Conservação da Matéria Em qualquer sistema, físico ou químico,

Leia mais

Não Renovável. Renovável. Ondas. Ondas. Solar. Solar. Petróleo. Petróleo. Gás Natural Biomassa. Gás Natural. Biomassa. Nuclear. Hídrica.

Não Renovável. Renovável. Ondas. Ondas. Solar. Solar. Petróleo. Petróleo. Gás Natural Biomassa. Gás Natural. Biomassa. Nuclear. Hídrica. Fontes de Energia Ondas Solar Ondas Solar Biomassa Renovável Hídrica Geotérmica Eólica Petróleo Gás Natural Biomassa Nuclear Hídrica Geotérmica Eólica Carvão Petróleo Gás Natural Não Renovável Nuclear

Leia mais

Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro

Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro Manaus, 14 de junho de 2006 Eduardo Martins Antecedentes e Pressupostos O aumento da demanda por energia influenciará a consolidação dos países emergentes

Leia mais

3) A imagem a seguir representa nitidamente, entre outros, dois problemas atuais:

3) A imagem a seguir representa nitidamente, entre outros, dois problemas atuais: 1) A seguinte frase faz uma crítica aos grandes centros urbanos. Os grandes centros urbanos são, em sua maioria, um formigueiro onde trabalhamos incessantemente para promover o regresso da humanidade.

Leia mais

Canal Jornal da Bioenergia 15/12/2014 Caminhos para a segurança energética

Canal Jornal da Bioenergia 15/12/2014 Caminhos para a segurança energética Canal Jornal da Bioenergia 15/12/2014 Caminhos para a segurança energética Proximidade do fim do potencial de exploração de novas grandes hidrelétricas impõe o desafio de diversificar a matriz Protagonistas

Leia mais

Os grandes balizamentos estabelecidos para condução dos negócios estão descritos a seguir:

Os grandes balizamentos estabelecidos para condução dos negócios estão descritos a seguir: O Plano Estratégico 2015-2030 Em setembro de 2012, a Medida Provisória 579/12, convertida na Lei 12.783, de 11/01/2013, estabeleceu a forma de prorrogação dos contratos de concessão de geração, transmissão

Leia mais

Pesquisa, Inovação e Capacitação em Energia a experiência da FGV. Paulo César Cunha FGV Energia

Pesquisa, Inovação e Capacitação em Energia a experiência da FGV. Paulo César Cunha FGV Energia Pesquisa, Inovação e Capacitação em Energia a experiência da FGV Paulo César Cunha FGV Energia Há 70 anos a FGV nasceu com o objetivo de preparar pessoal qualificado para a administração pública e privada

Leia mais

Combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás natural*) Hidroelétricas Energia nuclear Solar Eólica Biomassa

Combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás natural*) Hidroelétricas Energia nuclear Solar Eólica Biomassa Combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás natural*) Hidroelétricas Energia nuclear Solar Eólica Biomassa São substâncias de origem compostos de carbono mineral, formados pelos São originados

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Fontes de Energia Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 5min 58seg Habilidades: H.47, H.49 e H.50 (Ensino

Leia mais

2ºs anos Material de apoio Geografia

2ºs anos Material de apoio Geografia 2ºs anos Material de apoio Geografia Renováveis Não renováveis HIDRELÉTRICAS As usinas hidrelétricas (ou hidroelétricas) são sistemas que transformam a energia contida na correnteza dos rios, em

Leia mais

SMES Segurança, Meio Ambiente, Eficiência Energética e Saúde

SMES Segurança, Meio Ambiente, Eficiência Energética e Saúde Segurança, Meio Ambiente, Eficiência Energética e Saúde Eficiência Energética e Redução de Emissões atividades da Petrobras Conselho de Meio Ambiente da CNI Painel Energia 29 de agosto de 2011 Eduardo

Leia mais

Uma Visão do Balanço Energético da Bahia

Uma Visão do Balanço Energético da Bahia SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA Uma Visão do Balanço Energético da Bahia Aplicação como Instrumento de Planejamento Balanço Energético da Bahia 2011 Resultados Balanço Energético Instrumento de Planejamento

Leia mais

Inovação na Geração de Energia Elétrica a partir do Bagaço de Cana

Inovação na Geração de Energia Elétrica a partir do Bagaço de Cana Universidade do Brasil - UFRJ - Instituto de Economia Grupo de Estudos do Setor Elétrico GESEL Grupo Sistemas Agroindustriais, Inovação e Competitividade 1 o Workshop do InfoSucro Inovação na Geração de

Leia mais

Planejamento Desenvolvimento Políticas Públicas. Ministério do Planejamento

Planejamento Desenvolvimento Políticas Públicas. Ministério do Planejamento Planejamento Desenvolvimento Políticas Públicas PPA 2012-2015 Agenda 1. O PPA 2012-2015 2. Princípios 3. Dimensões do Plano 4. Principais Mudanças 5. Estrutura e Conceitos 6. Elaboração do PPA 1. O PPA

Leia mais

O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP.

O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP. O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP. SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015 INTRODUÇÃO Há três iniciativas simultâneas

Leia mais

Estrutura do Ministério

Estrutura do Ministério Biocombustíveis: Geopolítica e Sustentabilidade MMA UnB USP Ministério do Meio Ambiente MMA Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental SMCQ Estrutura do Ministério Departamento de Licenciamento

Leia mais

as em algumas políticas e procedimentos de planejamento

as em algumas políticas e procedimentos de planejamento Geração de energia elétrica no Brasil necessidade de mudanças as em algumas políticas e procedimentos de planejamento Sergio Valdir Bajay Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético NIPE Universidade

Leia mais

3-Para a produção de energia elétrica, faz-se necessário represar um rio, construindo uma barragem, que irá formar um reservatório (lago).

3-Para a produção de energia elétrica, faz-se necessário represar um rio, construindo uma barragem, que irá formar um reservatório (lago). Principais fontes de energia - Energia hidráulica é a mais utilizada no Brasil em função da grande quantidade de rios em nosso país. A água possui um potencial energético e quando represada ele aumenta.

Leia mais

Segurança e seus custos: aspectos legais. Márcio Pina Marques Coordenador do Núcleo de Tarifa e Mercado Procuradoria Federal na ANEEL

Segurança e seus custos: aspectos legais. Márcio Pina Marques Coordenador do Núcleo de Tarifa e Mercado Procuradoria Federal na ANEEL Segurança e seus custos: aspectos legais Márcio Pina Marques Coordenador do Núcleo de Tarifa e Mercado Procuradoria Federal na ANEEL Segurança e seus custos: aspectos legais Marco normativo da segurança

Leia mais

Leilão de energia de reserva: razões, funções e perspectivas 1

Leilão de energia de reserva: razões, funções e perspectivas 1 Leilão de energia de reserva: razões, funções e perspectivas 1 Nivalde J. de Castro 2 O setor elétrico brasileiro (SEB) encontra-se em fase de transição de uma matriz predominantemente hidrelétrica para

Leia mais

Ref.: Contribuições do Greenpeace Brasil para aprimoramento da proposta apresentada para o Plano Decenal de Expansão de Energia - PDE 2024

Ref.: Contribuições do Greenpeace Brasil para aprimoramento da proposta apresentada para o Plano Decenal de Expansão de Energia - PDE 2024 Greenpeace Brasil Rua Fradique Coutinho, 352 São Paulo - SP - 05416-000 Ao Ministério de Minas e Energia pde2024@mme.gov.br São Paulo, 7 de outubro de 2015 Ref.: Contribuições do Greenpeace Brasil para

Leia mais

Usina Térmica Agreste Alagoano

Usina Térmica Agreste Alagoano Usina Térmica Agreste Alagoano Descrição Implantação e operação de usina termelétrica a gás natural de médio porte (entre 100MW e 200MW) em local que atenda à expansão do mercado de energia elétrica e

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS DAC N 02/2010 ANEXO I PROJETO BÁSICO

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS DAC N 02/2010 ANEXO I PROJETO BÁSICO 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 02/2010 ANEXO I PROJETO BÁSICO 2 ÍNDICE I PERFIL DA EMPRESA...3 II CONTEXTO...4 III SERVIÇOS...4 IV -

Leia mais

Tabelas... 15 Figuras... 20 Prefácio à terceira edição brasileira... 21

Tabelas... 15 Figuras... 20 Prefácio à terceira edição brasileira... 21 Sumário Tabelas... 15 Figuras... 20 Prefácio à terceira edição brasileira... 21 Parte I: Perspectiva histórica 1. Introdução e aspectos gerais... 25 Cenário físico e demográfico... 27 Recursos naturais...

Leia mais

I Ciclo de Conferências: HIDROGÊNIO E O FUTURO ENERGÉTICO SUSTENTÁVEL DO ESTADO DO CEARÁ. O Programa do Hidrogênio na ITAIPU Binacional

I Ciclo de Conferências: HIDROGÊNIO E O FUTURO ENERGÉTICO SUSTENTÁVEL DO ESTADO DO CEARÁ. O Programa do Hidrogênio na ITAIPU Binacional I Ciclo de Conferências: HIDROGÊNIO E O FUTURO ENERGÉTICO SUSTENTÁVEL DO ESTADO DO CEARÁ O Programa do Hidrogênio na ITAIPU Binacional Fortaleza, março de 2011 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ITAIPU 1.ITAIPU

Leia mais

Sistema Brasileiro de cap-and-trade no Setor Elétrico

Sistema Brasileiro de cap-and-trade no Setor Elétrico Cap-and-Trade no Brasil Sistema Brasileiro de cap-and-trade no Setor Elétrico Osvaldo Soliano Pereira, Ph.D. Centro Brasileiro de Energia e Mudança do Clima - CBEM Rio de Janeiro Agosto 2010 Conteúdo Setor

Leia mais

O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY. IV Fórum da Reforma do Estado - São Paulo Set. 2005

O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY. IV Fórum da Reforma do Estado - São Paulo Set. 2005 O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY A Importância de Serviço Civil Estruturado Bens e Serviços Públicos Governança Reforma da Política Econômica Gasto Público Sustentabilidade Fiscal Fonte:

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia

Fontes Alternativas de Energia UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Química DQM Curso de Engenharia de Produção e Sistemas Fontes Alternativas de Energia DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas

Leia mais

Combustíveis fósseis. Carvão mineral e petróleo no Brasil

Combustíveis fósseis. Carvão mineral e petróleo no Brasil Combustíveis fósseis Carvão mineral e petróleo no Brasil Carvão mineral formação Carvão mineral Brasil Carvão mineral Aquecimento Perda de água, enxofre e impurezas COQUE Problemas veios Brasil: 2008 importação

Leia mais

Potencial eólico - uma matriz elétrica sustentável

Potencial eólico - uma matriz elétrica sustentável AMCHAM Brasil São Paulo Comitê Estratégico de Energia Potencial eólico - uma matriz elétrica sustentável Osvaldo Soliano Pereira, Ph.D. São Paulo Agosto 2009 Energias Renováveis Vantagens Recurso Abundante

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade 1. OBJETIVO Esta Política de Sustentabilidade ( Política ) tem por objetivo estabelecer os princípios e diretrizes que norteiam as práticas socioambientais da Fibria Celulose S.A. ( Fibria ou Companhia

Leia mais

Os investimentos do BNDES nas áreas de infraestrutura, logística e energia

Os investimentos do BNDES nas áreas de infraestrutura, logística e energia Os investimentos do BNDES nas áreas de infraestrutura, logística e energia Quando analisamos de perto os investimentos do BNDES nos itens de infraestrutura, logística e energia, fica evidente que há uma

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME Unidade de Destilação Atmosférica na Refinaria Landulfo Alves - RLAM São Francisco do Conde BA PETROBRAS - Petróleo Brasileiro

Leia mais

BNDES. Financiamento de Infra-estrutura Roberto Timotheo da Costa BUENOS AIRES, 15 DE ABRIL DE 2004. www.bndes.gov.br 1

BNDES. Financiamento de Infra-estrutura Roberto Timotheo da Costa BUENOS AIRES, 15 DE ABRIL DE 2004. www.bndes.gov.br 1 BNDES Financiamento de Infra-estrutura Roberto Timotheo da Costa BUENOS AIRES, 15 DE ABRIL DE 2004 www.bndes.gov.br 1 INVESTIR EM INFRA-ESTRUTURA, PARA QUE? Para melhorar a atual infra-estrutura nacional,

Leia mais

2523-00-ETB-RL-0001-00 MINAS PCH

2523-00-ETB-RL-0001-00 MINAS PCH 2523-00-ETB-RL-0001-00 MINAS PCH ÍNDICE 2. Abrangência do Estudo... 1/5 2.1 - Contextualização... 1/5 2.2 - Área de Estudo... 4/5 1. Índice 1/1 2523-00-ETB-RL-0001-00 MINAS PCH 2. ABRANGÊNCIA DO ESTUDO

Leia mais

Autoprodução e a Matriz Elétrica Brasileira. Mário Menel Presidente

Autoprodução e a Matriz Elétrica Brasileira. Mário Menel Presidente Autoprodução e a Matriz Elétrica Brasileira Mário Menel Presidente ASSOCIADOS Grandes Autoprodutores Alcoa Alumínio S.A. Belgo Grupo Arcelor Braskem S.A. Camargo Corrêa Energia S.A. Companhia Vale do Rio

Leia mais

Aula 16 assíncrona Conteúdo:

Aula 16 assíncrona Conteúdo: Aula 16 assíncrona Conteúdo: Fontes alternativas de energia: eólica e nuclear. Fontes alternativas de energia: Solar e biogás Habilidade: Valorizar os progressos da química e suas aplicações como agentes

Leia mais

Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima PNMC e dá outras providências.

Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima PNMC e dá outras providências. C Â M A R A D O S D E P U T A D O S REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 18-A DE 2007 Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima PNMC e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SANEAMENTO AMBIENTAL

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SANEAMENTO AMBIENTAL EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SANEAMENTO AMBIENTAL Rio de Janeiro - Março 2013 Sumário 1 - Panorama Brasileiro 2 - Panorama do Setor de Saneamento 3 - Procel Sanear 4 - Procel Sanear Objetivos 5 - Procel Sanear

Leia mais

DESAFIOS DA EXTENSÃO RURAL NA NOVA MATRIZ ENERGÉTICA

DESAFIOS DA EXTENSÃO RURAL NA NOVA MATRIZ ENERGÉTICA DESAFIOS DA EXTENSÃO RURAL NA NOVA MATRIZ ENERGÉTICA 2º Fórum Brasileiro sobre Energias Renováveis veis Biocombustíveis Belo Horizonte Outubro 2007 O QUE É EXTENSÃO RURAL É um instrumento de política pública

Leia mais

Energia Solar Torsten Schwab GIZ Fontes Renováveis e Eficiência Energética Rio de Janeiro Rio de Janeiro, 6 de Setembro de 2012 10.09.

Energia Solar Torsten Schwab GIZ Fontes Renováveis e Eficiência Energética Rio de Janeiro Rio de Janeiro, 6 de Setembro de 2012 10.09. Energia Solar Torsten Schwab GIZ Fontes Renováveis e Eficiência Energética Rio de Janeiro Rio de Janeiro, 6 de Setembro de 2012 10.09.2012 Seite 1 1 Fontes e Formas de Energia 10.09.2012 Seite 2 2 Fontes

Leia mais

Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas

Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas Professora Suzana Kahn Professora da COPPE-UFRJ; Vice Presidente do Grupo de Trabalho III do IPCC; Coordenadora Executiva

Leia mais

ENASE 2007 TRANSMISSÃO DE ENERGIA: CENÁRIO ATUAL E EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO

ENASE 2007 TRANSMISSÃO DE ENERGIA: CENÁRIO ATUAL E EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO ENASE 2007 A EXPANSÃO DA OFERTA E A SEGURANÇA DO ABASTECIMENTO TRANSMISSÃO DE ENERGIA: CENÁRIO ATUAL E EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO SETEMBRO DE 2007 SEGMENTO DA TRANSMISSÃO Dois mundos: Expansão / novas instalações

Leia mais

Indústria e Industrialização. Prof. Melk Souza

Indústria e Industrialização. Prof. Melk Souza Indústria e Industrialização Prof. Melk Souza A Evolução da Indústria Indústria é a atividade por meio da qual os seres humanos transformam matéria-prima em produtos semi acabado (matéria-prima para outros

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: QUESTÕES EMERGENTES NA ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: QUESTÕES EMERGENTES NA ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: QUESTÕES EMERGENTES NA ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS Oscar de Moraes Cordeiro Netto 1 ; Carlos Eduardo Morelli Tucci; Dalci Maria dos Santos & Marcio de Miranda Santos INTRODUÇÃO

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Processo de seleção para Analistas Temáticos A SPI está reestruturando sua atuação, buscando reforçar

Leia mais

Sumário PARTE I INTRODUÇÃO 1 PARTE II FERRAMENTAS ANALÍTICAS 41. Capítulo 1 O que é economia ambiental? 2

Sumário PARTE I INTRODUÇÃO 1 PARTE II FERRAMENTAS ANALÍTICAS 41. Capítulo 1 O que é economia ambiental? 2 PARTE I INTRODUÇÃO 1 Capítulo 1 O que é economia ambiental? 2 Análise econômica 2 A importância dos incentivos 4 Incentivos: um exemplo residencial 5 Incentivos e o aquecimento global 7 A criação de políticas

Leia mais

Texto Base Grupo Temático 1 REDUÇÃO DAS CAUSAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Texto Base Grupo Temático 1 REDUÇÃO DAS CAUSAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Texto Base Grupo Temático 1 REDUÇÃO DAS CAUSAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS O aumento populacional, o modo de produção atual dependente primariamente de combustível fóssil e o estilo de consumo moderno se baseiam

Leia mais

1. As fontes de energia

1. As fontes de energia 1. As fontes de energia Qual é o elemento em comum das imagens? O consumo de energia no mundo América do Sul Brasília e Goiânia São Paulo e Rio de Janeiro Ligados pela rodovia Dutra. Manaus Salvador EUROPA

Leia mais

Fontes alternativas de energia

Fontes alternativas de energia Fontes alternativas de energia Leia com atenção o texto a seguir: As reservas de energia como o petróleo e o gás natural vão acabar. Só resta saber quando. As previsões variam: uns falam em 40 anos; há

Leia mais

A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc

A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc VII Encontro de Logística e Transporte São Paulo, 21 de maio 2012 Transporte Sustentável Deve atender as necessidades de mobilidade da

Leia mais

O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I, do 2º, do Art. 8º do seu Regimento

O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I, do 2º, do Art. 8º do seu Regimento Resoluções RESOLUÇÃO/conama/N.º 016 de 07 de dezembro de 1989 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I, do 2º, do Art. 8º do seu Regimento Interno

Leia mais

Um novo modelo de desenvolvimento para a Amazônia

Um novo modelo de desenvolvimento para a Amazônia Um novo modelo de desenvolvimento para a Amazônia por Efraim Neto Urge preveni-los do muito que se poderia fazer, com apoio no saber científico, e do descalabro e pequenez do que se está fazendo Darcy

Leia mais

(A) o petróleo é um recurso energético renovável a curto prazo, em razão de sua constante formação geológica.

(A) o petróleo é um recurso energético renovável a curto prazo, em razão de sua constante formação geológica. Aluno: Série: Turma: Data: Questão 1 Para compreender o processo de exploração e o consumo dos recursos petrolíferos, é fundamental conhecer a gênese e o processo de formação do petróleo descritos no texto

Leia mais

Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal. Carlos Almeida Diretor Geral da DGEG

Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal. Carlos Almeida Diretor Geral da DGEG Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal Carlos Almeida Diretor Geral da DGEG Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal Estoril, 3 dezembro 2015 O consumo de energia em

Leia mais

3. CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO E O PROCESSO DE PLANEJAMENTO

3. CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO E O PROCESSO DE PLANEJAMENTO 34 3. CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO E O PROCESSO DE PLANEJAMENTO 3.1 CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO A cadeia de suprimentos do petróleo envolve todas as atividades logísticas relacionadas a um bom

Leia mais

Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas

Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas São Paulo, 26 de Junho de 2015 1 Emissões de GEE do Setor Energia, (2013) 2 Milhões de toneladas de CO2e 250 200 150 100 50 Transportes Industrial Geração de

Leia mais

Visão Global do Programa Veículo Elétrico

Visão Global do Programa Veículo Elétrico Visão Global do Programa Veículo Elétrico 26 de junho de 2013 Diretoria Geral Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável Histórico do Programa VE Itaipu/KWO Acordo de cooperação tecnológico ITAIPU -KWO

Leia mais

QUESTÕES OBJETIVAS. Fonte: PRESS, Frank et al. Para entender a Terra. Porto Alegre: Bookman, 2006. p. 37.

QUESTÕES OBJETIVAS. Fonte: PRESS, Frank et al. Para entender a Terra. Porto Alegre: Bookman, 2006. p. 37. QUESTÕES OBJETIVAS 1) Observe a figura. Fonte: PRESS, Frank et al. Para entender a Terra. Porto Alegre: Bookman, 2006. p. 37. Todas as partes do nosso planeta e todas as suas interações, tomadas juntas,

Leia mais

Unidade IV ECONOMIA E NEGÓCIOS. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade IV ECONOMIA E NEGÓCIOS. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade IV ECONOMIA E NEGÓCIOS Prof. Maurício Felippe Manzalli Antecedentes da globalização Década de 1970 Período de crises e ajustes: Crise da inflação Ajustes monetários e produtivos Economia política

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SOL FUNDAÇÃO AUGUSTO MAZZON

UNIVERSIDADE DO SOL FUNDAÇÃO AUGUSTO MAZZON São Manuel, 31 de agosto de 2005. À Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Mediação Administrativa Setorial A/c Sr. José Augusto da Silva Assunto: Audiência Pública N. 021/2005

Leia mais

Avaliação de Impactos Ambientais

Avaliação de Impactos Ambientais Avaliação de Impactos Ambientais Conceitos e História Meio-ambiente: Habitat abrigo, morada, propriedade Recursos Naturais e Energéticos Assimilação de Rejeitos Equilíbrio planetário Meio-ambiente: Sistema

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 3: Reajuste Tarifário Anual das Concessionárias de Distribuição S u b m ó d u l o 3. 4 E N C A R G O S S E T O R I A I S Revisão 1.0

Leia mais

ENERGIA SUSTENTÁVEL PARA TODOS

ENERGIA SUSTENTÁVEL PARA TODOS ENERGIA SUSTENTÁVEL PARA TODOS Edmundo Montalvão 1 Ivan Dutra Faria 2 Introdução A sustentabilidade do desenvolvimento é um conceito baseado na conciliação de três aspectos: o econômico, o social e o ambiental.

Leia mais

1. Abrangência do programa de incentivo a geração distribuída para sistemas de geração e cogeração qualificada movidos a gás natural.

1. Abrangência do programa de incentivo a geração distribuída para sistemas de geração e cogeração qualificada movidos a gás natural. POSICIONAMENTO DA CIA. DE GÁS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SULGÁS - RELATIVO A CONSULTA PÚBLICA Nº15/2010, DE 10/09/2010 Nota Técnica nº 0043/2010 SRD ANEEL Posicionamento Enviado para a ANEEL Agência

Leia mais

Campus UFSCar de Sorocaba Experiências em Sustentabilidade

Campus UFSCar de Sorocaba Experiências em Sustentabilidade Colóquio Sustentabilidade, Educação Ambiental e Eficiência Energética: um desafio para as instituições de ensino e para a sociedade. CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Secretaria Especial do

Leia mais

PLANO DE MINERAÇÃO DO ESTADO DO PARÁ - 2013-2030

PLANO DE MINERAÇÃO DO ESTADO DO PARÁ - 2013-2030 Secretaria de INDÚSTRIA COMÉRCIO E MINERAÇÃO - SEICOM PLANO DE MINERAÇÃO DO ESTADO DO PARÁ - 2013-2030 1º Plano de Mineração do Estado do Pará 2013-2030 1. O Pará no cenário da mineração 2. A mineração

Leia mais

O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E A ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL A Lei 12.651/12 e a MP 571/2012 frente à Constituição de 1988

O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E A ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL A Lei 12.651/12 e a MP 571/2012 frente à Constituição de 1988 O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E A ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL A Lei 12.651/12 e a MP 571/2012 frente à Constituição de 1988 PAPEL DO MPF - Produção do trabalho O Novo Código Florestal e a Atuação do

Leia mais

2 O Mercado de Gás Natural

2 O Mercado de Gás Natural 2 O Mercado de Gás Natural 2.1 Reservas e Oferta de Gás Natural Em 2004, as reservas provadas de gás natural ficaram em torno de 326,1 bilhões m³, um aumento de 32,9% em relação a 2003, e serão expandidas,

Leia mais

Os investimentos do BNDES nas áreas de infraestrutura, logística e energia

Os investimentos do BNDES nas áreas de infraestrutura, logística e energia Os investimentos do BNDES nas áreas de infraestrutura, logística e energia Quando analisamos de perto os investimentos do BNDES nos itens de infraestrutura, logística e energia, fica evidente que há uma

Leia mais

A Política e a Estratégia Nacional do Ar em Portugal

A Política e a Estratégia Nacional do Ar em Portugal A Política e a Estratégia Nacional do Ar em Portugal Qualidade do Ar: um caso de jurisprudência para Portugal Filomena Boavida 19 maio 2015 Regulamentação da política do ar Recuperação do vapor da gasolina,

Leia mais

Agradecimentos FETAG-RS

Agradecimentos FETAG-RS Agradecimentos FETAG-RS SECRETARIA DE MINAS E ENERGIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Plano Energético do Rio Grande do Sul 2016/2025 Estado do Rio Grande do Sul José Ivo Sartori Governador Secretaria de

Leia mais

Conceitos e Unidades de Energia Compra de Energia. Hugo Calisto DEM-UA 2007

Conceitos e Unidades de Energia Compra de Energia. Hugo Calisto DEM-UA 2007 Conceitos e Unidades de Energia Compra de Energia Hugo Calisto DEM-UA 2007 O que é a Energia? A Energia é a capacidade de causar mudanças... A Energia tem quantidade, mas também qualidade... A Energia

Leia mais

Classificação dos recursos naturais

Classificação dos recursos naturais O que são recursos naturais? Painéis solares. Pesca. Diamantes. Água. Plataforma petrolífera. O que são recursos naturais? Matéria ou energia presentes na Natureza essenciais ou úteis para o Homem. Os

Leia mais

Curso de Capacitação de Gestores Municipais para Inventário de GEE e Ações de Mudanças Climáticas

Curso de Capacitação de Gestores Municipais para Inventário de GEE e Ações de Mudanças Climáticas Curso de Capacitação de Gestores Municipais para Inventário de GEE e Ações de Mudanças Climáticas Plano de Ação Municipal em Mudanças Climáticas e Monitoramento dos Resultados Florence Karine Laloë Gerente

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 688, DE 18 DE AGOSTO DE 2015.

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 688, DE 18 DE AGOSTO DE 2015. MEDIDA PROVISÓRIA Nº 688, DE 18 DE AGOSTO DE 2015. Dispõe sobre a repactuação do risco hidrológico de geração de energia elétrica, institui a bonificação pela outorga e altera a Lei n o 10.848, de 15 de

Leia mais

I - Objetivos do INOVA MINERAL

I - Objetivos do INOVA MINERAL CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO FINEP/BNDES DE DESENVOLVIMENTO, SUSTENTABILIDADE E INOVAÇÃO DO SETOR DE MINERAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO MINERAL INOVA MINERAL I - Objetivos do INOVA MINERAL O Inova Mineral é

Leia mais

S u m á r i o. Fontes e formas de energia INTRODUÇÃO...03 DESENVOLVIMENTO...05 AVALIAÇÃO...20 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 23

S u m á r i o. Fontes e formas de energia INTRODUÇÃO...03 DESENVOLVIMENTO...05 AVALIAÇÃO...20 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 23 FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FUNDAÇÃO CECIERJ / CONSÓRCIO CEDERJ PROFESSOR/CURSISTA: VERA INÊS ALVARES SILVA LINS COLÉGIO: COLÉGIO ESTADUAL FRANCESCA CAREY TUTOR (A): Maria

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 5.354, DE 2009 (Do Sr. Inocêncio Oliveira)

PROJETO DE LEI N.º 5.354, DE 2009 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 5.354, DE 2009 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) Disciplina a distribuição dos royalties e da participação especial sobre a produção de petróleo e gás natural no país.

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇAO E TECNOLOGIA 2012. PROJETO: Utilização de Gás LP em Churrasqueiras. CATEGORIA: Aplicações do Gás LP

PRÊMIO GLP DE INOVAÇAO E TECNOLOGIA 2012. PROJETO: Utilização de Gás LP em Churrasqueiras. CATEGORIA: Aplicações do Gás LP PRÊMIO GLP DE INOVAÇAO E TECNOLOGIA 2012 PROJETO: Utilização de Gás LP em Churrasqueiras CATEGORIA: Aplicações do Gás LP AUTOR(ES): Comitê de Inovação da Fogás 1. Breve Histórico 2. Problemas e oportunidades

Leia mais

Energy Storage e a Nova Matriz Elétrica Março de 2016

Energy Storage e a Nova Matriz Elétrica Março de 2016 Energy Storage e a Nova Matriz Elétrica Março de 2016 0 Cenário Mundial - demanda elétrica e energias renováveis intermitentes Crescimento da Demanda de 3% a.a. nas últimas 4 décadas Crescimento de 2%

Leia mais

SOBREPOSIÇÕES COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES MINERÁRIAS

SOBREPOSIÇÕES COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES MINERÁRIAS Ricardo Carneiro SOBREPOSIÇÕES COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES MINERÁRIAS AMÉRICO PISCA-PISCA O REFORMADOR DO MUNDO Monteiro Lobato O REGIME CONSTITUCIONAL DE USO DOS

Leia mais

desenvolvimento sócioeconômico, interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana.

desenvolvimento sócioeconômico, interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana. POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE: Uma visão crítica A Política Nacional do Meio Ambiente tem por objetivo a preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida, visando assegurar,

Leia mais

A QUEIMA DE GÁS NATURAL NO BRASIL. Superintendência de Comercialização e Movimentação de Gás Natural

A QUEIMA DE GÁS NATURAL NO BRASIL. Superintendência de Comercialização e Movimentação de Gás Natural A QUEIMA DE GÁS NATURAL NO BRASIL Superintendência de Comercialização e Movimentação de Gás Natural Abril, 2002 Nota Técnica n o 010/02/SCG Rio de Janeiro, 30 de abril de 2002 Assunto: A QUEIMA DE GÁS

Leia mais

ENGENHARIA DE MINAS 1. INTRODUÇÃO.

ENGENHARIA DE MINAS 1. INTRODUÇÃO. 1. INTRODUÇÃO. ENGENHARIA DE MINAS A Engenharia de Minas é um dos ramos da engenharia que envolve a ciência, a tecnologia e a prática da extração e do processamento dos minérios oriundos de jazidas existentes

Leia mais

Volney Zanardi Junior Presidente do Ibama

Volney Zanardi Junior Presidente do Ibama Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Seminário sobre Licenciamento Ambiental do Conama Volney Zanardi Junior Presidente do Ibama Brasília,

Leia mais

Matriz de Referência de GEOGRAFIA - SAERJINHO 5 ANO ENSINO FUNDAMENTAL

Matriz de Referência de GEOGRAFIA - SAERJINHO 5 ANO ENSINO FUNDAMENTAL 5 ANO ENSINO FUNDAMENTAL H01 MATRIZ DE REFERÊNCIA SAERJINHO GEOGRAFIA 5 ANO HABILIDADE Descrição Identificar a posição de objetos em relação a outros objetos utilizando as referências de esquerda, direita,

Leia mais

Marcelo Mesquita Secretário Executivo

Marcelo Mesquita Secretário Executivo P&D e Eficiência Energética Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética Marcelo Mesquita Secretário Executivo Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética Consumo Nacional e o PIB Quando

Leia mais

A implantação da unidade de pesquisa e extensão agroambiental (UPEA) do CEFET Campos

A implantação da unidade de pesquisa e extensão agroambiental (UPEA) do CEFET Campos A implantação da unidade de pesquisa e extensão agroambiental (UPEA) do CEFET Campos Vicente de Paulo Santos de Oliveira * Jefferson Manhães de Azevedo ** Luiz Augusto Caldas Pereira *** É crescente a

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE COOPERAÇÃO EM ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO NA CPLP JUNHO DE 2015

PLANO ESTRATÉGICO DE COOPERAÇÃO EM ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO NA CPLP JUNHO DE 2015 PLANO ESTRATÉGICO DE COOPERAÇÃO EM ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO NA CPLP JUNHO DE 2015 1 Índice 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 3 2. OBJETIVOS E PRINCÍPIOS ORIENTADORES... 5 2.1 Objetivos Globais... 5 2.2 Objetivos

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS CNAG SAAS ELECTRA ASSOC. AGRIC. AGUABRAVA

CONSELHO DE MINISTROS CNAG SAAS ELECTRA ASSOC. AGRIC. AGUABRAVA Praia, 22 e 23 de Janeiro de 2010 O Sector da Água em Cabo Verde : Pontos Fortes e Fracos António Pedro B. BORGES Presidente do INGRH Estrutura da apresentação: Arquitectura do sector da água; Historial

Leia mais

NEGOCIAÇOES COLETIVAS NO BRASIL

NEGOCIAÇOES COLETIVAS NO BRASIL \;... jiitiiw NEGOCIAÇOES COLETIVAS NO BRASIL 50 ANOS DE APRENDIZADO COLABORADORES Amyra Moyzes Sarsur André Luiz Fischer Fausto Augusto Junior Marcus Vinicius Gonçalves da Cruz Miguel Huertas Neto SÃO

Leia mais

Capacitações - PrevFogo - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renov

Capacitações - PrevFogo - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renov Capacitações - PrevFogo - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renov Curso de Formação de Brigadas de Incêndios Florestais Prevenção e Combate aos Objetivo e Público-Alvo:

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TRANSPORTE METROPOLITANO EM SÃO PAULO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TRANSPORTE METROPOLITANO EM SÃO PAULO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TRANSPORTE METROPOLITANO EM SÃO PAULO Secretaria dos Transportes Metropolitanos Coordenadoria de Planejamento e Gestão CPG Rio de Janeiro - nov/14 Estrutura da Apresentação:

Leia mais

Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata

Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata Prof. Francisco Mariotti CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 Microeconomia. 1.1 Demanda do Consumidor.1.1.1 Preferências. 1.1.2 Equilíbrio do consumidor.

Leia mais