informa tributário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Abril de 2014 ICMS/SP - AQUISIÇÃO DE ATIVOS POR GERADORAS DE ENERGIA Nesta edição:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "informa tributário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Abril de 2014 ICMS/SP - AQUISIÇÃO DE ATIVOS POR GERADORAS DE ENERGIA Nesta edição:"

Transcrição

1 Abril de 2014 informa tributário Nesta edição: Alterações da Legislação Tributária e Decisões em Matéria Tributária do mês de março de 2014 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Esta seção divulga as principais alterações na legislação tributária ocorridas no mês O Boletim Informa Tributário é uma publicação mensal das principais alterações da legislação tributária e decisões administrativas e judiciais em matéria tributária. Destina-se aos clientes e integrantes do Souza, Cescon, Barrieu & Flesch Advogados. Este Boletim não tem por objetivo prover aconselhamento legal sobre as matérias aqui tratadas e não deve ser interpretado como tal. ICMS/SP - AQUISIÇÃO DE ATIVOS POR GERADORAS DE ENERGIA Por meio do Decreto nº , o Regulamento do ICMS de São Paulo aumentou a lista dos contribuintes geradores de energia que poderão se valer da suspensão do ICMS na importação de ativo fixo sem similar nacional ou do crédito integral nas operações de aquisição internas, ao invés da aplicação da regra de 1/48. A partir de agora, poderão se valer dos benefícios acima não só as empresas que gerem energia elétrica ou térmica a partir de gás, mas também as geradoras de energia a partir de (i) biogás ou biometano; (ii) fonte solar fotovoltaica; e (iii) resíduos sólidos urbanos não perigosos. Também poderão usufruir de tal incentivo os estabelecimentos que produzam ou processem biogás e biometano. Vale mencionar que, para fins do aproveitamento do tratamento tributário acima descrito, o contribuinte deverá estar em situação regular perante o fisco bem como não poderá possuir débitos fiscais decorrentes do ICMS não garantidos. Roberto Barrieu Hugo Barreto Sodré Leal Rafael Macedo Malheiro Ramon Castilho

2 CONFAZ AUTORIZA NOVOS PARCELAMENTOS DE ICMS Por meio dos Convênios ICMS nºs 21, 24, 26 e 31, o Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ) autorizou o Distrito Federal e os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Goiás e Tocantins a concederem parcelamentos incentivados do ICMS para contribuintes com dívidas cujos fatos geradores tenham ocorrido até Para os contribuintes que aderirem ao parcelamento do ICMS nos Estados do Tocantins, Goiás e Distrito Federal, os descontos sobre os valores das penalidades e dos juros poderão chegar a 100% caso o pagamento seja feito à vista. Já os Convênios relacionados aos Estados de São Paulo, Mato Grosso e Rio de Janeiro preveem que os descontos máximos aplicáveis às penalidades no pagamento à vista sejam de 75% e de 60% sobre os juros. Vale notar que a implementação dos referidos parcelamentos do ICMS depende da edição, por cada Estado concedente, de regulamentação dos programas. PORTARIA CONJUNTA ESCLARECE CÁLCULO DA PRIMEIRA PARCELA DO REFIS Os contribuintes que optaram por usar créditos decorrentes de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa da CSLL para extinguir débitos incluídos no REFIS relativos ao IRPJ e à CSLL incidentes sobre lucros de controladas e coligadas no exterior têm até o dia para regularizar sua situação junto ao Fisco. Pelo fato de existirem questionamentos quanto à forma de cálculo da primeira parcela para adesão ao programa, foi publicada, em , a Portaria Conjunta nº 4, esclarecendo a maneira como esta parcela deve ser calculada e abrindo prazo para que os contribuintes que fizeram o pagamento a menor possam recolher a diferença devida e evitar sua exclusão do referido parcelamento. A Portaria prescreve que as parcelas devem ser apuradas da seguinte maneira: (i) determina-se o valor consolidado dos débitos na data do pedido; (ii) sobre os valores apurados no item (i) faz-se a amortização dos créditos decorrentes de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa da CSLL, sendo que os valores de multa e juros poderão ser totalmente amortizados, enquanto o valor do principal somente será amortizado em 30%; e (iii) sobre o valor resultante da amortização aplica-se o percentual de 20%, que equivalerá à primeira parcela, dividindo-se o saldo restante pelo número de prestações restantes. 2

3 DECISÕES DO PODER JUDICIÁRIO Esta seção contém decisões relevantes do Poder Judiciário em matéria tributária CORTE ESPECIAL DO STJ AFASTA A INCONSTITUCIONALIDADE DOS ARTIGOS 10 E 11 DA LEI Nº /09 Em julgamento de Arguição de Inconstitucionalidade decorrente da Questão de Ordem suscitada pela 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a Corte Especial analisou a constitucionalidade dos artigos 10 e 11, I, segunda parte, da Lei nº /09, que determinam, respectivamente, a conversão em renda da União dos depósitos judiciais relativos a débitos parcelados ou pagos pela sistemática da referida lei, bem como a obrigatoriedade de manutenção da penhora já constituída em execuções fiscais (AI no REsp nº ). A discussão relaciona-se à suposta ofensa aos princípios da isonomia e da igualdade tributária, pois o contribuinte executado ou o contribuinte que apresentou uma garantia teriam situação menos favorável do que aquele que não sofreu a execução ou não garantiu o débito. Ademais, o imediatismo da conversão em renda da União em caso de existência de depósitos judiciais forçaria o pagamento a vista e impossibilitaria o parcelamento do crédito tributário; a determinação da subsistência da garantia nos casos de execuções fiscais com penhora já realizada impediria seu levantamento durante o decorrer do parcelamento. O STJ, no entanto, entendeu que os comandos contidos na Lei nº /09 não afrontam aos comandos constitucionais, pois a lei em comento estabelece efetiva distinção objetiva entre as espécies existentes de devedores, sendo que o contribuinte que possui, contra si, processo de execução com penhora realizada, se mostrou mais resistente ao adimplemento da obrigação tributária do que aquele que não chegou a ser acionado, o que justifica, portanto, maior cautela no tratamento da garantia já constituída. Ademais, entenderam os Ministros que as situações fáticas e juridicamente díspares, autorizam a instituição de tratamentos diferenciados quanto às suas consequências, sem que tal comportamento importe em ofensa aos princípios da isonomia e da igualdade tributária. Segundo seu entendimento, o contribuinte que já tenha garantido o crédito tributário em processo executivo não possui idêntico direito àquele que ainda não foi citado ou ainda não tenha oferecido a garantia. Dessa forma, rejeitou-se a Arguição de Inconstitucionalidade suscitada e, consequentemente, foi reconhecida a constitucionalidade dos artigos 10 e 11, I, 2ª parte da Lei nº /2009, determinando-se o retorno do processo à 1ª Turma do STJ para prosseguimento do julgamento do Recurso Especial. STJ AFASTA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE SALÁRIO PAGO NAS FÉRIAS A 1ª Seção do STJ manteve decisão tomada em abril do ano passado para afastar a incidência de contribuição previdenciária sobre o salário pago ao trabalhador durante o período de férias. A decisão, unânime, foi proferida no julgamento dos Embargos de Declaração apresentados pela Fazenda Nacional nos autos do REsp nº No julgamento iniciado em 2013, a Corte já havia se manifestado a favor do contribuinte, que pleiteava o afastamento das contribuições previdenciárias sobre os salários pagos durante o período de férias, tendo a Fazenda Nacional apresentado, naquela oportunidade, Embargos de Declaração solicitando a suspensão do julgamento em razão da existência de recurso repetitivo pendente de apreciação versando sobre temas similares ao discutido no REsp nº , como a incidência das contribuições previdenciárias sobre o terço constitucional de férias. O recurso em repetitivo apontado nos Embargos (REsp nº ) foi julgado em pela Primeira Seção do STJ, conforme noticiado em nosso Informa Tributário de março de 2014, que decidiu pela não incidência da contribuição previdenciária nos pagamentos a título de aviso prévio indenizado, terço constitucional de férias e valores 3

4 pagos nos quinze dias que antecedem o auxílio doença, mantendo a incidência sobre os valores de salário maternidade e paternidade. Apesar do recurso repetitivo não tratar exatamente da mesma matéria discutida nos autos do REsp , o STJ aplicou os fundamentos adotados em tal precedente para afastar a incidência das contribuições previdenciárias sobre as férias gozadas. STJ - RECEITAS DECORRENTES DA VENDA DE IMÓVEIS COMPÕEM BASE DE CÁLCULO DO PIS E DA COFINS A Segunda Turma do STJ manteve o entendimento do Tribunal Regional Federal da 4ª Região para determinar a inclusão na base de cálculo do PIS e da COFINS dos valores referentes a receitas, juros e correção monetária advindos dos contratos de alienação de imóveis (REsp nº ). Os contribuintes alegavam que os juros e correção monetária incidentes sobre os contratos de alienação de imóveis não deveriam sujeitar-se à incidência do PIS e da COFINS por tratarem-se de receitas financeiras, as quais não deveriam integrar o conceito de faturamento restrito às receitas derivadas da venda de bens e prestação de serviços. Entretanto, no entendimento da Corte, tais receitas são derivadas do exercício da atividade empresarial principal do contribuinte e, portanto, devem ser adicionadas à base de cálculo das referidas contribuições. De acordo com o voto do Relator, a correção monetária corresponde à mera atualização dos valores dos próprios contratos de alienação de imóveis, enquanto os juros deveriam ser compreendidos como acessórios do contrato de alienação devendo seguir o rumo do principal (i.e., receita da alienação de imóveis). Sendo assim, o desfecho do caso foi desfavorável aos contribuintes, mantendo-se a impossibilidade de exclusão de tais receitas da base de cálculo do PIS e da COFINS. STJ AFASTA NECESSIDADE DE DEVOLUÇÃO DE VALORES PAGOS A TÍTULO DE BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO EM RAZÃO DE DECISÃO JUDICIAL A Corte Especial do STJ proferiu acórdão no qual reconheceu pela impossibilidade de exigência de valores recebidos de boa-fé em decorrência de decisão judicial, confirmada pelo Tribunal de Origem, mas reformada por Tribunal Superior em julgamento do Recurso Especial (EREsp nº ). No caso, o autor propôs ação na qual objetivou o restabelecimento de pensão militar por morte e a compensação por danos morais, a qual foi julgada parcialmente procedente, para restabelecer o pagamento da pensão, o que foi confirmado pelo TRF da 4ª Região. Em face desse acórdão, a União interpôs Recurso Especial, que foi provido, julgando improcedente o pedido de restabelecimento da pensão militar, ressalvando todavia que não poderia ser exigida a devolução dos valores recebidos. Tendo essa decisão sido confirmada pela 6ª Turma do STJ, a União opôs Embargos de Divergência apontando a dissonância entre tal decisão e acórdão proferido pela 1ª Turma do STJ, que teria entendido pela possibilidade de devolução dos valores pagos indevidamente por decisão ainda não transitada em julgado. Ao analisar o caso, a Ministra Nancy Andrighi, relatora do caso, embora reconhecendo que a Primeira Seção tenha alterado seu entendimento para entender ser devida a restituição ao Erário dos valores a título de benefício previdenciário, por força de antecipação de tutela posteriormente revogada, ponderou que no julgamento daquele caso foi afastada a boa-fé objetiva do beneficiário que não poderia presumir que os valores correspondentes se incorporariam definitivamente ao seu patrimônio, ainda que reconhecida a boa-fé subjetiva decorrente da legitimidade do pagamento por ordem judicial. No caso examinado, ao contrário do que ocorrido no recurso julgado pela Primeira Seção, o autor da ação teve restabelecido o benefício por força de sentença, a qual foi confirmada pelo tribunal, fator esse que gerou a estabilidade da decisão de primeira instância e, consequentemente, a expectativa legítima de titularidade do direito, caracterizando a boa-fé objetiva do autor. 4

5 STJ AFASTA O REDIRECIONAMENTO DE DÉBITOS NÃO TRIBUTÁRIOS A SÓCIOS E ADMINISTRADORES EM CASO DE DISSOLUÇÃO IRREGULAR A 3ª Turma do STJ afastou a pretensão de, em razão de dissolução irregular de pessoa jurídica, desconsiderar a personalidade jurídica de empresa de responsabilidade limitada para incluir sócios e administradores no polo passivo de execução em caso de débitos de natureza não tributária (REsp nº ). De acordo com o entendimento erigido, a criação de uma sociedade personificada de quotas limitadas visa limitar os riscos das atividades econômicas. Trata-se de verdadeira garantia aos empresários, incentivando, assim, o empreendedorismo e a geração de recursos. O Tribunal entendeu ainda que o artigo 50 do Código Civil admite a desconsideração da personalidade jurídica apenas quando há desvirtuamento da atividade empresarial, por meio de desvio de finalidade ou confusão patrimonial, de forma que a dissolução irregular não constitui, por si só, fundamento para a inclusão dos sócios e administradores como codevedores em execuções. Para a desconsideração da personalidade jurídica não basta ocorrer a dissolução irregular, mas deve-se comprovar que o esvaziamento do patrimônio societário foi ardilosamente provocado pelos sócios e administradores. A mera insuficiência de bens para a satisfação das dívidas não consiste em pressuposto para a desconsideração da personalidade jurídica, mas para a decretação da falência. É importante ressaltar que esse entendimento é contrário à jurisprudência da 1ª e da 2ª Turma do STJ a qual inclusive restou sumulada no SJT no Enunciado nº 435. Segundo o referido Enunciado, se presume dissolvida irregularmente a empresa não localizada no endereço constante dos registros oficiais, o que legitimaria o redirecionamento da execução fiscal para os sócios e administradores. Assim, diante da divergência de interpretações entre as Seções, caberá à Corte Especial do STJ unificar a jurisprudência sobre o tema. TRF DA 1ª REGIÃO AFASTA A INCIDÊNCIA DE CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE O 1/3 DE FÉRIAS PAGO AOS SERVIDORES PÚBLICOS Em decisão recente, a 8ª Turma do TRF da 1ª Região decidiu que não há incidência de contribuição previdenciária sobre os valores recebidos pelos servidores públicos a título de adicional de um terço de férias, ante o caráter indenizatório deste tipo de remuneração (Apelação/Reexame Necessário nº ). Os desembargadores fundamentaram a decisão no inciso X da Lei nº /2004 (cuja redação foi dada pela Lei nº /12), o qual dispõe expressamente que o adicional de férias não está sujeito à incidência de contribuição previdenciária. Ademais, apontaram que a inclusão do inciso X na referida Lei teve como objetivo dar cabo a qualquer discussão jurisprudencial acerca da matéria, ainda que tal entendimento já estivesse pacificado. Tal entendimento se coaduna ao esposado pelo STJ noticiado em nosso Informa Tributário do mês de março de 2014, julgado sob a sistemática repetitiva, o qual, embora tenha sido julgado em relação aos empregados regidos pela CLT, entendeu, dentre outros aspectos, que o terço constitucional de férias (gozadas e indenizadas) são remunerações com caráter de reparação ou compensação, não se sujeitando, portanto, à incidência de contribuição previdenciária. 5

6 ISS - TJ/SP AFASTA ISS SOBRE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS CONTRATADA COM OUTROS SERVIÇOS O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ/SP) afastou a cobrança de ISS sobre a locação de bens móveis contratada junto com a prestação de serviços nos autos do Processo nº No caso em questão, as autoridades fiscais pretendiam cobrar o ISS sobre a totalidade das receitas auferidas por contribuinte que prestava serviços de monitoramento de vias e também realizava a locação de radares. Embora o precedente tenha sido julgado em favor dos contribuintes, a sua fundamentação não está consistente, pois foi reconhecido que as atividades de locação de radares seriam atividades-meio à prestação dos serviços de monitoramento, o que deveria levar à conclusão de que o ISS incidiria sobre a totalidade do valor do contrato e, ao mesmo tempo, foi considerado que a locação de bens móveis não está sujeita ao tributo municipal. Tendo em vista a incoerência presente na fundamentação do acórdão, é possível que o texto seja objeto de reforma. DECISÕES DOS TRIBUNAIS ADMINISTRATIVOS Esta seção contém decisões relevantes dos Tribunais Administrativos em matéria tributária CARF AUTORIZA A APRESENTAÇÃO DE LAUDO DE AVALIAÇÃO CONFIRMATÓRIO DO ÁGIO PAGO A 2ª Turma da 1ª Câmara do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF) se posicionou acerca da questão da contemporaneidade do laudo emitido para fins de demonstração do ágio pago na aquisição de investimento (Acórdão nº ). A fiscalização glosou o ágio amortizado sob a alegação de inexistência de laudo contemporâneo à aquisição do investimento. No entendimento do Fisco, o laudo de avaliação apresentado pela contribuinte seria extemporâneo, já que fora elaborado aproximadamente dois anos após a transação, e, desse modo, não teria sido observada a formalidade legal específica. elaborados internamente, contemporâneos ao pagamento do ágio e que o laudo preparado por empresa especializada posteriormente teria caráter meramente confirmatório das informações da época. Dentre o conjunto probatório apresentado, destaca-se o fato relevante divulgado pelo adquirente apenas três dias após a conclusão da transação, que confirmava as premissas do negócio adotadas na elaboração do laudo. Os julgadores entenderam que não há exigência legal de que a comprovação se dê por laudo, mas por qualquer forma de demonstração, contemporânea aos fatos, que indique a razão do pagamento do sobrepreço. O CARF acolheu a argumentação apresentada pelo contribuinte que demonstrou que possuía documentos, 6

7 CARF VALIDA APROVEITAMENTO DE ÁGIO EM CASOS ENVOLVENDO EMPRESA VEÍCULO O CARF proferiu duas recentes decisões favoráveis ao contribuinte em casos envolvendo o aproveitamento de ágio (Acórdãos e ). O primeiro caso envolveu a aquisição de uma participação minoritária remanescente de uma sociedade (Adquirida) com ágio baseado em rentabilidade futura por meio de uma Holding. A aquisição de parte das ações da Adquirida foi financiada por meio de um empréstimo contraído pela Holding junto à própria Adquirida e parte das ações foi financiada por meio de um empréstimo bancário, garantido pela Adquirida. Após a aquisição, a Adquirida incorporou a Holding e passou a amortizar o ágio. A fiscalização glosou o ágio amortizado pelo contribuinte, pois entendeu que a Adquirida teria comprado suas próprias ações, com recursos próprios e com um empréstimo bancário e que a Holding seria uma empresa veículo, com duração efêmera e sem qualquer estrutura, de forma que sua existência não se justificaria. Ao analisar o caso, todavia, o CARF, por maioria, posicionouse de forma favorável ao contribuinte sob o argumento de que a operação não poderia ser qualificada como um resgate de ações tendo em vista que a Adquirida não possuía saldo de reserva de lucros. Esse fato, portanto, justificaria a criação da Holding. Argumentou-se ainda que o ágio teria sigo pago a terceiros, de forma que não haveria qualquer óbice na legislação vedando seu aproveitamento. O segundo caso envolve a constituição de uma Holding por três sócios pessoas físicas (Alienantes) mediante a contribuição da participação societária detida na sociedade objeto do negócio (Adquirida). Após a criação da Holding, duas sociedades (Adquirentes) compraram as quotas da Holding, com ágio baseado em expectativa de rentabilidade futura. Após a aquisição, a Holding foi cindida e o acervo líquido foi incorporado pelas Adquirentes, que passaram a amortizar o ágio. A fiscalização entendeu que as Adquirentes teriam se valido de uma reorganização societária envolvendo uma terceira empresa, denominada veículo, para se enquadrar na regra do artigo 386 do Regulamento do Imposto que permite a amortização do ágio pago na aquisição de investimentos. Na análise do caso, o CARF entendeu que a empresa criada não era propriamente uma empresa veículo, pois essa surgiu anteriormente à operação de alienação. O Tribunal considerou que, embora os fatos evidenciassem que a constituição da Holding teria sido previamente acordada entre os Adquirentes e os Alienantes, a existência do ágio e seu efetivo pagamento não seria discutível. A constituição da sociedade veículo não teria afetado a operação, uma vez que os efeitos tributários seriam os mesmos, ainda que a Holding não tivesse sido constituída, de forma que o caso foi julgado de forma favorável aos contribuintes. NOVA DECISÃO DO CARF PELA NÃO INCIDÊNCIA DE CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE HIRING BONUS O CARF proferiu mais uma decisão favorável ao contribuinte em um caso que envolve a ausência de recolhimento da contribuição previdenciária sobre os valores pagos pela empresa a potenciais futuros empregados a título de bônus de contratação (hiring bonus) (Acórdão no ). Segundo a fiscalização, os pagamentos efetuados pela empresa a título de gratificação de admissão a determinados empregados não representavam um ganho eventual, desvinculado do salário, de modo que estariam sujeitos à incidência da contribuição previdenciária. No julgamento da questão, o CARF reconheceu que para integrar o salário de contribuição tributável, a remuneração, independentemente do título, deve ter as seguintes características: (i) não eventualidade; (ii) pagamento pelo trabalho; (iii) integração ao patrimônio do trabalhador; e (iv) pagamento pelos serviços efetivamente prestados ou pelo tempo à disposição do empregador. A verba de hiring bonus, ainda que tenha sido paga de forma não eventual, não possui as demais características, pois não se configura como uma contraprestação pelo trabalho 7

8 ou pelo tempo de serviço do empregado à disposição do empregador, razão pela qual não estaria sujeita à incidência da contribuição previdenciária. O CARF já havia se manifestado favoravelmente acerca do assunto pelo menos duas outras vezes, conforme noticiado em nosso Informa Tributário nos meses de novembro de 2012 e de CARF - CRÉDITOS DE PIS E COFINS SOBRE INSUMOS Reafirmando o posicionamento que tem sido adotado mais recentemente, o CARF continua proferindo decisões favoráveis aos contribuintes, ampliando o alcance do conceito de insumo para fins do aproveitamento de créditos do PIS e da COFINS, afastando-o daquele adotado pela legislação do IPI e aproximando-o do conceito de custo previsto na legislação do imposto de renda. Em acórdãos publicados recentemente (Acórdãos , e ), o CARF considerou que o conceito de insumo a ser adotado com vistas ao desconto de créditos do PIS e da COFINS deveria corresponder ao conceito de custo de produção, assim entendido o valor da despesa com bens e serviços essenciais ao processo produtivo da empresa. Em duas decisões (Acórdãos e ), os contribuintes conseguiram que as despesas incorridas no transporte de matérias-primas entre os seus estabelecimentos industriais fossem consideradas insumos e, portanto, passíveis de gerarem o respectivo aproveitamento de créditos de PIS e COFINS. Em ambos os casos, o CARF considerou o transporte das matériasprimas essencial para a produção das mercadorias a serem comercializadas. No terceiro caso (Acórdão ), o CARF analisou o caso de uma agroindústria que, além de produzir papel para comercialização, também era responsável pela produção de sua principal matéria-prima (celulose) através do cultivo de eucaliptos em estabelecimentos agrícolas próprios. Nesse caso, os conselheiros partiram do conceito de agroindústria, que compreende a atividade de industrialização da matéria-prima de produção própria, para sustentar que não poderia a autoridade fiscal seccionar o processo produtivo para impedir o cálculo do crédito de PIS e COFINS com relação aos custos incorridos na fase agrícola. Dessa forma, foram considerados como custo de produção os valores correspondentes às despesas incorridas no cultivo de eucaliptos para a produção de celulose, por configurarem custo de produção do papel, produto acabado fabricado pelo contribuinte. CARF JULGA NOVAMENTE DEDUTIBILIDADE DE JCP RETROATIVO A 1ª Turma Ordinária da 2ª Câmara do CARF se pronunciou acerca da possibilidade de se deduzir da base de cálculo do Lucro Real valores pagos a título de Juros Sobre o Capital Próprio (JCP) referentes a exercícios passados (Acórdão ) No caso, a empresa recorrente havia deliberado em assembleia pelo pagamento de JCP aos acionistas tanto no exercício corrente, à época, quanto de exercícios passados, nos quais não havia sido deliberado nada nesse sentido. Foi lavrado auto de infração, então, para cobrança de IRPJ e CSLL sobre valores pagos a título de JCP que teriam sido indevidamente deduzidos. Pelo voto de qualidade, foi decidido que, como os valores a título de JCP não haviam sido contabilizados em seus respectivos períodos, as despesas correspondentes não poderiam ser contabilizadas no exercício em que ocorreu o seu pagamento, pois isso feriria o regime de competência. Consignou-se que a remuneração sobre o capital próprio constitui uma faculdade que, à falta de sua opção tempestiva (ou seja, no período corrente), implica em renúncia do direito de deliberar pelo pagamento de JCP. Dessa forma, nos termos do acórdão, não seria possível admitir-se o pagamento de JCP com base no patrimônio líquido de exercícios anteriores, pelo que a autuação foi mantida. 8

9 TIT ANULA AUTO DE INFRAÇÃO QUE OBTEVE DADOS DE OPERADORES DE CARTÃO DE CRÉDITO/DÉBITO DE FORMA ILÍCITA Em recente acórdão publicado, a 16ª Câmara Julgadora do Tribunal de Impostos e Taxas do Estado de São Paulo (TIT) deu provimento ao recurso ordinário de empresa para anular o auto de infração por suposta falta de recolhimento de imposto decorrente de saídas tributadas omitidas ao Fisco (Processo DRTC-I ). O auto de infração foi lavrado com base em informações obtidas pelo Fisco estadual junto a operadoras de cartões de crédito e débito antes de iniciado o procedimento de fiscalização. Pelo voto de qualidade, o Presidente da 16ª Câmara Julgadora reconheceu a nulidade do lançamento fiscal, tendo em vista que, quando da obtenção das provas, não havia processo administrativo instaurado, ou procedimento administrativo em curso, nem tampouco ato administrativo autorizando a execução de procedimento fiscal. De acordo com o voto vencedor, a Portaria CAT nº 87/2006, que teria dado fundamento ao lançamento de ofício, extrapolou os limites do artigo 5º da Lei Complementar nº 105/2001 e do artigo 75, X, da Lei Estadual nº 6.374/89, os quais, respectivamente, não condicionou aos Estados a requisição de informações periódicas das administradoras de cartões de crédito e de débito, mas sim a prestação de informações por estas empresas à prévia notificação escrita do Fisco Estadual, o que não ocorreu no caso. Assim, prevaleceu o entendimento de que o levantamento fiscal foi obtido sem observância do devido processo legal para a quebra do respectivo sigilo de dados e informações do contribuinte, vale dizer, que as provas foram colhidas de forma ilícita, viciando o auto de infração e tornando-o nulo. TIT EXIGE LAUDO ESPECÍFICO SOBRE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA PARA FINS DE CREDITAMENTO A 8ª Câmara Ordinária do TIT afastou o creditamento do ICMS por ocasião da entrada de energia elétrica em uma das lojas de uma rede de supermercados pela falta de apresentação de demonstrativo que comprovasse o real consumo da energia elétrica utilizada em cada área ou departamento, nos termos da Decisão CAT nº 1/2001 (Processo DRTC-I-92884/2011). O contribuinte alegou, em sede de Recurso Ordinário, que desempenhava atividades industriais em áreas da sua loja (padaria e açougue), fazendo assim jus ao crédito decorrente da energia elétrica utilizada nesse processo. Em seu voto, o Relator do caso apontou a necessidade de apresentação de laudo técnico que comprovasse o real consumo de energia elétrica utilizado em cada área ou departamento, conforme preconiza a Decisão Normativa CAT nº 01/2001. A empresa apresentou laudo técnico relativo a outro estabelecimento, mas esse documento não foi considerado válido para legitimar o creditamento. Os julgadores entenderam que, embora o estabelecimento autuado tivesse sido construído sob a mesma forma daquele que serviu de base para o laudo, diversos outros fatores influenciariam o consumo, como, por exemplo, a localização diferente e o atendimento de público diverso. Dessa forma, diante da ausência de demonstrativo individualizado do efetivo consumo energético do estabelecimento autuado, foi mantida integralmente a autuação. 9

10 TIT AFASTA JUROS DE MORA DO ESTADO DE SÃO PAULO SUPERIORES À TAXA SELIC Recentemente, a 10ª Câmara Julgadora do TIT reconheceu a inaplicabilidade da taxa de juros de mora prevista na Lei Estadual nº /2009, tendo em vista que a taxa em questão seria superior à taxa SELIC estabelecida em lei federal e, portanto, não poderia ser prevista em lei ordinária (Processo DRTC-III ). A decisão, que se coaduna com a jurisprudência firmada pelo Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo (Arguição de Inconstitucionalidade n.º ), é isolada no âmbito administrativo e diverge da atual jurisprudência da Câmara Superior do TIT/SP que tem se posicionado desfavoravelmente aos contribuintes. O argumento da Câmara Superior é no sentido de que o afastamento da taxa de juros determinada pela legislação estadual corresponderia a decidir pela inconstitucionalidade da lei, o que é vedado aos órgãos administrativos de julgamento. são Paulo rio de janeiro belo horizonte Brasília salvador 10

INFORMA TRIBUTÁRIO. ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Esta seção divulga as principais alterações na legislação tributária ocorridas no mês

INFORMA TRIBUTÁRIO. ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Esta seção divulga as principais alterações na legislação tributária ocorridas no mês INFORMA TRIBUTÁRIO Principais alterações da legislação tributária, decisões do Poder Judiciário, decisões dos Tribunais Administrativos e notícias de interesse dos contribuintes ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO

Leia mais

informa tributário DECISÕES DO PODER JUDICIÁRIO Março de 2015 ICMS - STF E ESTORNO PROPORCIONAL DE CRÉDITOS Nesta edição:

informa tributário DECISÕES DO PODER JUDICIÁRIO Março de 2015 ICMS - STF E ESTORNO PROPORCIONAL DE CRÉDITOS Nesta edição: Março de 2015 informa tributário Nesta edição: Alterações da Legislação Tributária e Decisões em Matéria Tributária do mês de fevereiro de 2015 DECISÕES DO PODER JUDICIÁRIO O Boletim Informa Tributário

Leia mais

informa tributário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA nº 13 / setembro de 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA ALTERA REGRAS SOBRE COMPENSAÇÃO E RESSARCIMENTO

informa tributário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA nº 13 / setembro de 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA ALTERA REGRAS SOBRE COMPENSAÇÃO E RESSARCIMENTO nº 13 / setembro de 2010 informa tributário Nesta edição: Alterações da Legislação Tributária Decisões do Poder Judiciário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Esta seção divulga as principais alterações

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO GESTÃO TRIBUTÁRIA NOTÍCIAS - 2013 Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO A presidente Dilma Rousseff sancionou o projeto de lei de conversão resultante

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

informa tributário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Junho de 2014 REDUZIDO PRAZO MÉDIO MÍNIMO DOS EMPRÉSTIMOS EXTERNOS Nesta edição:

informa tributário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Junho de 2014 REDUZIDO PRAZO MÉDIO MÍNIMO DOS EMPRÉSTIMOS EXTERNOS Nesta edição: Junho de 2014 informa tributário Nesta edição: Alterações da Legislação Tributária e Decisões em Matéria Tributária do mês de maio de 2014 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Esta seção divulga as principais

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG.

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. Como amplamente noticiado nestes últimos dias, o Supremo Tribunal Federal, em decisão

Leia mais

Paulo Caliendo Doutor PUC/SP e Professor PUC/RS

Paulo Caliendo Doutor PUC/SP e Professor PUC/RS Do conceito de insumo e da jurisprudência do CARF relativo aos créditos de PIS e COFINS na sistemática não cumulativa Paulo Caliendo Doutor PUC/SP e Professor PUC/RS CONCEITO CONSTITUCIONAL 12. A lei definirá

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 61, ANO VI JANEIRO DE 2014 I DEFINIÇÃO SOBRE A ALÍQUOTA REDUZIDA DO ICMS SOBRE BENS DE CAPITAL EM SÃO PAULO Após muitos anos, o Fisco

Leia mais

INFORMA TRIBUTÁRIO. ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Esta seção divulga as principais alterações na legislação tributária ocorridas no mês

INFORMA TRIBUTÁRIO. ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Esta seção divulga as principais alterações na legislação tributária ocorridas no mês INFORMA TRIBUTÁRIO Principais alterações da legislação tributária, decisões do Poder Judiciário, decisões dos Tribunais Administrativos e notícias de interesse dos contribuintes dos meses de junho e julho.

Leia mais

EXCLUSÃO DA TAXA DE ADMINSTRAÇÃO DE CARTÃO DA BASE DE CÁLCULO DO PIS/COFINS

EXCLUSÃO DA TAXA DE ADMINSTRAÇÃO DE CARTÃO DA BASE DE CÁLCULO DO PIS/COFINS EXCLUSÃO DA TAXA DE ADMINSTRAÇÃO DE CARTÃO DA BASE DE CÁLCULO DO PIS/COFINS PIS Programa de Integração Social criado pela Lei Complementar n. 7/70 Contribuintes: PJ de direito privado exceções (simples);

Leia mais

Para acessar diretamente o texto referente a cada um desses temas, clique:

Para acessar diretamente o texto referente a cada um desses temas, clique: Prezados Leitores: A publicação Nota Tributária # Tribunal de Impostos e Taxas do Estado de São Paulo tem por objetivo atualizar nossos clientes e demais interessados sobre os principais assuntos que estão

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO 1I MAIO DE 2010 1 LUCRO IMOBILIÁRIO E O IMPOSTO DE RENDA A incidência do Imposto de Renda sobre o ganho de capital na venda de

Leia mais

Princípio da legalidade e nulidades do lançamento: revisão por erro de fato, erro de direito e mudança de critério jurídico

Princípio da legalidade e nulidades do lançamento: revisão por erro de fato, erro de direito e mudança de critério jurídico Princípio da legalidade e nulidades do lançamento: revisão por erro de fato, erro de direito e mudança de critério jurídico Aurora Tomazini de Carvalho Doutora PUC/SP e Professora UEL - Que se entende

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS ACÓRDÃO N o : 110/2011 RECURSO VOLUNTÁRIO N o : 7.968 PROCESSO N

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PORTARIA CONJUNTA Nº 900, DE 19 DE JULHO DE 2002. Disciplina o pagamento ou parcelamento de débitos de que trata o art. 11 da Medida Provisória nº 38, de 14 de maio de 2002.

Leia mais

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO INFORMATIVO TRIBUTÁRIO RECENTES DESTAQUES LEGISLAÇÃO FEDERAL 1. REPORTO regulamentação A Instrução Normativa nº 1.370 de 28.06.2013, publicada no DOU de 01.07.2013 regulamentou as regras para habilitação/aplicação

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 07, ANO III JULHO DE 2011 1 EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA - EIRELI Não há mais necessidade de 2 sócios para abrir empresa

Leia mais

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Tributário

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Tributário VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Tributário Peça GABARITO COMENTADO O Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) é imposto de competência municipal, cabendo à lei complementar estabelecer

Leia mais

i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll

i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll sajfâu PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 397 ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAC>PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll Vistos,

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP PLR: pressupostos para caracterização conforme jurisprudência do CARF e a tributação dos planos de stock option Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP A TRIBUTAÇÃO DOS PLANOS DE STOCK OPTION Hipótese

Leia mais

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A TRIBUTÁRIO 16/11/2015 ICMS - Regulamentação do Programa Especial de Parcelamento do Estado de São Paulo PEP Reduções Com base na autorização do Convênio ICMS 117/2015, de 07 de outubro de 2015, no último

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 03, ANO 1I MARÇO DE 2010 1 ACABA EM JUNHO O PRAZO PARA RECUPERAR TRIBUTO INDEVIDO DOS ÚLTIMOS DEZ ANOS STJ já julgou Lei Complementar

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 pela IN 1.515/14 Julio Chamarelli Sócio de Consultoria Tributária da KPMG jcepeda@kpmg.com.br Sergio André Rocha Professor Adjunto de Direito Financeiro

Leia mais

INFORMA TRIBUTÁRIO. ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Esta seção divulga as principais alterações na legislação tributária ocorridas no mês

INFORMA TRIBUTÁRIO. ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Esta seção divulga as principais alterações na legislação tributária ocorridas no mês INFORMA TRIBUTÁRIO Principais alterações da legislação tributária, decisões do Poder Judiciário, decisões dos Tribunais Administrativos e notícias de interesse dos contribuintes do mês de agosto ALTERAÇÕES

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Abrangência: Esse programa abrange:

Abrangência: Esse programa abrange: Condições a serem observadas para adesão ao programa de recuperação fiscal que concede condições especiais para o pagamento à vista e o parcelamento de débitos de qualquer natureza (Portaria Conjunta PGFN/RFB

Leia mais

IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010

IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010 IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010 Rinaldo Maciel de Freitas * Nas operações de comércio exterior, é preciso entender a existência de duas modalidades de

Leia mais

BETINA TRIEGER GRUPENMACHER DOUTORA EM DIREITO TRIBUTÁRIO PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ;

BETINA TRIEGER GRUPENMACHER DOUTORA EM DIREITO TRIBUTÁRIO PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ; BETINA TRIEGER GRUPENMACHER MESTRE EM DIREITO TRIBUTÁRIO PELA PUC/SP; DOUTORA EM DIREITO TRIBUTÁRIO PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ; PÓS-GRADUADA PELA UNIVERSIDADE DE SALAMANCA, NA ESPANHA, PÓS-GRADUADA

Leia mais

PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO

PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO Depósitos Judiciais (REsp. 1.251.513/PR) e a conversão do depósito pela Fazenda Pública José Umberto Braccini Bastos umberto.bastos@bvc.com.br CTN ART. 151 o depósito é uma das

Leia mais

informa tributário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Janeiro de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.515 CONSOLIDA REGRAS DO IRPJ, CSLL, PIS E COFINS

informa tributário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Janeiro de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.515 CONSOLIDA REGRAS DO IRPJ, CSLL, PIS E COFINS Janeiro de 2015 informa tributário Nesta edição: Alterações da Legislação Tributária e Decisões em Matéria Tributária do mês de dezembro de 2014 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Esta seção divulga as

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

informa tributário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Maio de 2014 ICMS/SP - NOVO PROGRAMA ESPECIAL DE PARCELAMENTO Nesta edição:

informa tributário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Maio de 2014 ICMS/SP - NOVO PROGRAMA ESPECIAL DE PARCELAMENTO Nesta edição: Maio de 2014 informa tributário Nesta edição: Alterações da Legislação Tributária e Decisões em Matéria Tributária do mês de abril de 2014 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Esta seção divulga as principais

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos os autos deste Processo, etc...

Vistos, relatados e discutidos os autos deste Processo, etc... Processo nº 0126452009-3 Acórdão nº 059/2012 Recurso HIE/VOL/CRF-427/2010 1ª RECORRENTE: GERÊNCIA EXECUTIVA DE JULGAMENTO DE PROCESSOS FISCAIS GEJUP 1ª RECORRIDA: LOJAS PRIMAVERA COMÉRCIO DE MÓVEIS LTDA.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Município Beta instituiu por meio de lei complementar, publicada em 28 de dezembro de 2012, Taxa de Iluminação Pública (TIP). A lei complementar previa que os proprietários

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES JUNTA DE REVISÃO FISCAL

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES JUNTA DE REVISÃO FISCAL PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 20/07/2010 Fls. 08 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 08 de dezembro de 2009 PRIMEIRA CÂMARA RECURSO Nº - 36.007 (26.807) ACÓRDÃO

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

Informativo Tributário

Informativo Tributário LEGISLAÇÃO EDIÇÃO Nº 11 ABRIL 2015 Decreto Municipal, SP, nº 55.828/2015 Em abril de 2015, encerrar-se-á o prazo para a adesão ao PPI-2014 Portaria PGFN/RFB nº 1/2015 Altera a Portaria Conjunta PGFN/RFB

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 14.784/02/2 a Impugnação: 40.010105525-11 Impugnante: Gafor Ltda. Proc. do Suj. Passivo: João Batista Julião/Outro PTA/AI: 01.000138918-70 Inscrição Estadual: 518.058253.00-10 Origem: AF/III/Poços

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.263/11/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000170049-08 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.263/11/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000170049-08 Impugnação: 40. Acórdão: 20.263/11/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000170049-08 Impugnação: 40.010130113-59 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Reipel Comercial Ltda IE: 702765776.00-10 Luciomar Alves de Oliveira/Outro

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS. Apesar de ter apresentado a declaração, não efetuou o recolhimento do crédito

Leia mais

Gestão do Malha Fina GMF - Procedimentos Gerais

Gestão do Malha Fina GMF - Procedimentos Gerais Gestão do Malha Fina GMF - Procedimentos Gerais O sistema eletrônico de cruzamento de dados, denominado Gestão do Malha Fina foi instituído, no âmbito da Secretaria da Fazenda, considerando a necessidade

Leia mais

PIS-COFINS: receita bruta - o debate entre o direito e o fato contábil - Lei 12.973/14. Classificação contábil de imóveis e suas repercussões

PIS-COFINS: receita bruta - o debate entre o direito e o fato contábil - Lei 12.973/14. Classificação contábil de imóveis e suas repercussões PIS-COFINS: receita bruta - o debate entre o direito e o fato contábil - Lei 12.973/14 Classificação contábil de imóveis e suas repercussões Lei das S/A - 1976 - Circulante - Realizável a longo prazo ATIVO

Leia mais

Portfólio de serviços - 1

Portfólio de serviços - 1 Portfólio de serviços - 1 www.valortributario.com.br { C om experiência de quem há mais de 12 anos oferece soluções empresariais para os mais diversos segmentos, a VALOR TRIBUTÁRIO destaca-se como uma

Leia mais

TributAção. Novembro de 2013 Edição Extraordinária. MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT

TributAção. Novembro de 2013 Edição Extraordinária. MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT TributAção Novembro de 2013 Edição Extraordinária MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT Passados quase cinco anos da convergência das regras contábeis brasileiras ao padrão internacional contábil

Leia mais

GoVERNO 00 EsTADO DO CEARÁ Secretaria da Fazenda,

GoVERNO 00 EsTADO DO CEARÁ Secretaria da Fazenda, I. IJ GoVERNO 00 EsTADO DO CEARÁ Secretaria da Fazenda, CONTENCIOSOADMINSTRATIVO TRIBUTARIO CONSELHODE RECURSOSTRIBUTÁRIOS RESOLUÇÃO W (I' 12011 1 a. CÂMARADEJULGAMENTO 53 a SESSÃOORDINÁRIAEM22/0312011

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS NA. Formas de Redução Marco Aurélio Carvalho Gomes

TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS NA. Formas de Redução Marco Aurélio Carvalho Gomes TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Formas de Redução Marco Aurélio Carvalho Gomes I Da Exclusão do ISSQN da Base de Cálculo do PIS/COFINS Conforme prescrito nas Leis Complementares nº`s 07/70

Leia mais

Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br

Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br JUROS E CORREÇÃO MONETÁRIA DECORRENTES DE SENTENÇA Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br Qualquer débito decorrente de decisão judicial, incide juros ainda que

Leia mais

Desembargador JOSÉ DIVINO DE OLIVEIRA Acórdão Nº 373.518 E M E N T A

Desembargador JOSÉ DIVINO DE OLIVEIRA Acórdão Nº 373.518 E M E N T A Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 6ª Turma Cível Processo N. Agravo de Instrumento 20090020080840AGI Agravante(s) POLIMPORT COMÉRCIO E EXPORTAÇÃO

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

Loddi & Ramires ADVOGADOS

Loddi & Ramires ADVOGADOS São Paulo 30/09/2010 LEGISLAÇÃO Decreto nº 7.300/2010 O Decreto em referência, publicado em 14 de setembro de 2010, alterou o Decreto nº 7.237/10, que regulamentou o processo de certificação das Entidades

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 Maio de 2012 NOVIDADE NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA "GUERRA DOS PORTOS" - ICMS NAS IMPORTAÇÕES - RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 13, DE 26 DE ABRIL DE 2012 DECISÕES JUDICIAIS PARTICIPAÇÃO

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12

TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12 TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12 Dezembro de 2012 / Janeiro 2013 NOVIDADES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA IOF - OPERAÇÕES DE CÂMBIO - EMPRÉSTIMO EXTERNO - ALÍQUOTA - ALTERAÇÃO DO PRAZO MÉDIO MÍNIMO - DECRETO Nº

Leia mais

A responsabilidade tributária na dissolução das sociedades. Cristiano Carvalho Pós-Doutor U.C. Berkeley e Livredocente

A responsabilidade tributária na dissolução das sociedades. Cristiano Carvalho Pós-Doutor U.C. Berkeley e Livredocente A responsabilidade tributária na dissolução das sociedades Cristiano Carvalho Pós-Doutor U.C. Berkeley e Livredocente USP Responsabilidade Limitada Origens na Roma antiga; Desenvolvimento na Europa medieval/renascentista

Leia mais

MONTEIRO E MONTEIRO ADVOGADOS ASSOCIADOS

MONTEIRO E MONTEIRO ADVOGADOS ASSOCIADOS MONTEIRO E MONTEIRO ADVOGADOS ASSOCIADOS RECUPERAÇÃO TRIBUTÁRIA REUNIÃO CMI - RJ Expositor: Samuel Soares Nossa Estrutura Recuperação Tributária Novos Benefícios Fiscais Aplicáveis ao Segmento da Construção

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL A equivalência patrimonial é o método que consiste em atualizar o valor contábil do investimento ao valor equivalente à participação societária da sociedade investidora no patrimônio

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 22/12/2015 ATENÇÃO 1 Declaração de Imunidade Tributária Municipal deve ser enviada até 31.12.2015 Nos termos da Instrução Normativa nº 07/2015 da Secretaria

Leia mais

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia A advocacia foi inserida no Simples Nacional por meio da Lei Complementar

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 26 de outubro de 2005

SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 26 de outubro de 2005 PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 01 /12 /2005 Fls. Processo nº: E04/261.891/1998 Data: 11/09/1998 Fls. SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 26 de outubro de 2005

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA 252 CC02/C03 Fls. 254 MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES TERCEIRA CÂMARA Processo nº 10380.006008/2004-48 Recurso nº 129.720 Matéria Acórdão nº 203-12.203 PIS. AUTO DE INFRAÇÃO. Sessão

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. Assunto: Desconto da Contribuição Sindical previsto no artigo 8º da Constituição Federal, um dia de trabalho em março de 2015.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA. Processo nº 10950.000992/2007-74. Recurso nº 148.951

MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA. Processo nº 10950.000992/2007-74. Recurso nº 148.951 MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA Processo nº 10950.000992/2007-74 Recurso nº 148.951 Matéria IOF - Base de Cálculo e Decadência Acórdão nº 201-81.317 Sessão de 08

Leia mais

Loddi & Ramires ADVOGADOS

Loddi & Ramires ADVOGADOS São Paulo 18/05/2012 Parecer Normativo nº 1/2012 - Aplicação das Regras do Preço de Transferência em 2009 e 2010 Foi publicado no Diário Oficial da União de 08 de maio de 2012, o Parecer Normativo nº 1

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em março de 2014, o Estado A instituiu, por meio de decreto, taxa de serviço de segurança devida pelas pessoas jurídicas com sede naquele Estado, com base de cálculo

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

QUESTÕES CONTROVERSAS SOBRE O DESCONTO DE CRÉDITOS DAS CONTRIBUIÇÕES PIS E COFINS - CONCEITO DE INSUMOS

QUESTÕES CONTROVERSAS SOBRE O DESCONTO DE CRÉDITOS DAS CONTRIBUIÇÕES PIS E COFINS - CONCEITO DE INSUMOS QUESTÕES CONTROVERSAS SOBRE O DESCONTO DE CRÉDITOS DAS CONTRIBUIÇÕES PIS E COFINS - CONCEITO DE INSUMOS CRÉDITOS DE PIS E COFINS - PANORAMA LEGISLATIVO Constituição Federal: Estabelece que alguns setores

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.424 - PE (2013/0315610-5) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : SANTANDER LEASING S/A ARRENDAMENTO MERCANTIL ADVOGADO : ANTÔNIO BRAZ DA SILVA E OUTRO(S) RECLAMADO : SEXTA

Leia mais

LUIZ ANTONIO SOARES DESEMBARGADOR FEDERAL RELATOR

LUIZ ANTONIO SOARES DESEMBARGADOR FEDERAL RELATOR Apelação Cível - Turma Espec. II - Tributário Nº CNJ : 0100686-34.2014.4.02.5006 (2014.50.06.100686-0) RELATOR : LUIZ ANTONIO SOARES APELANTE : PARANÁ GRANITOS LTDA ADVOGADO : EDGAR LENZI E OUTROS APELADO

Leia mais

Soluções de Consulta TAX

Soluções de Consulta TAX SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 174 de 04 de Dezembro de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº 12.546, DE 2011). BASE DE

Leia mais

Desobrigado do Recurso Hierárquico, na expressão do artigo 730, 1, inciso II, do RICMS, aprovado pelo Decreto nº 18.930/97.

Desobrigado do Recurso Hierárquico, na expressão do artigo 730, 1, inciso II, do RICMS, aprovado pelo Decreto nº 18.930/97. Processo nº 1049402010-5 Acórdão 041/2013 Recurso HIE/CRF- nº 143/2011 RECORRENTE : GERÊNCIA EXEC. DE JULG. DE PROC. FISCAIS GEJUP RECORRIDA : TRANSPORTES REAL LTDA. PREPARADORA: RECEBEDORIA DE RENDAS

Leia mais

Alterações tributárias na lei nº 13.097/2015

Alterações tributárias na lei nº 13.097/2015 Alterações tributárias na lei nº 13.097/2015 Foi publicada no Diário Oficial da União de 20/01/2015 a lei federal nº 13.097/15, decorrente da conversão da MP nº 656/14. A nova lei cuida de diversas matérias,

Leia mais

O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA

O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA Agosto de 2007 Tópicos da Apresentação Questões tributárias já decididas pelo Judiciário Questões tributárias pendentes de apreciação

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA. BAURUCAR AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS LTDA. DRJ em São Paulo - SP

MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA. BAURUCAR AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS LTDA. DRJ em São Paulo - SP CC02/C01 Fls. nfls txtfls182 Old MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA Processo nº 10825.000305/2003-22 Recurso nº 135.656 Matéria PIS/Pasep Acórdão nº 201-81.013 Sessão

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 608-A, DE 2013 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 14 DE 2013 Dispõe sobre crédito presumido apurado com base em créditos decorrentes de diferenças temporárias oriundos de

Leia mais

Legal Letter. Destaques. Justiça invalida multas em pedidos. Confaz autoriza estados a excluir. Estado não pode vedar crédito de

Legal Letter. Destaques. Justiça invalida multas em pedidos. Confaz autoriza estados a excluir. Estado não pode vedar crédito de Legal Letter New York USA Destaques Justiça invalida multas em pedidos de restituição junto à SRFB Confaz autoriza estados a excluir gorjetas da base do ICMS Estado não pode vedar crédito de ICMS em casos

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial.

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, 2013 - COMPLEMENTAR Estabelece normas gerais sobre o processo administrativo fiscal, no âmbito das administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

Dívidas não parceladas anteriormente

Dívidas não parceladas anteriormente Débitos abrangidos Dívidas não parceladas anteriormente Artigo 1º da Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 6, de 2009 Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições dos arts.

Leia mais

Identificação e recuperação de créditos

Identificação e recuperação de créditos www.pwc.com Identificação e recuperação de créditos Outubro/ 2014 Conteúdo Descrição Pág. Posicionamentos nos Tribunais Superiores quanto à não incidência de contribuição previdenciária sobre determinados

Leia mais

informa tributário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Fevereiro de 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA REGULAMENTA IRRF SOBRE PLR Nesta edição:

informa tributário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Fevereiro de 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA REGULAMENTA IRRF SOBRE PLR Nesta edição: Fevereiro de 2014 informa tributário Nesta edição: Alterações da Legislação Tributária e Decisões em Matéria Tributária do mês de janeiro de 2014 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Esta seção divulga

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-2219-65.2011.5.03.0139. A C Ó R D Ã O (5ª Turma) GMCB/jar

PROCESSO Nº TST-RR-2219-65.2011.5.03.0139. A C Ó R D Ã O (5ª Turma) GMCB/jar A C Ó R D Ã O (5ª Turma) GMCB/jar RECURSO DE REVISTA COMISSÕES. BASE DE CÁLCULO. VENDA COM CARTÕES DE CRÉDITO. TAXA PARA A ADMINISTRADORA. "REVERSÃO". NÃO PROVIMENTO. A prática realizada pela reclamada

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 704.881 - RS (2004/0126471-0) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN AGRAVANTE : TRANSPORTADORA DE CARGAS MERCOSUL LTDA ADVOGADO : CLÁUDIO LEITE PIMENTEL E OUTRO(S) AGRAVADO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.084.748 - MT (2008/0194990-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : AGRO AMAZÔNIA PRODUTOS AGROPECUÁRIOS LTDA : DÉCIO JOSÉ TESSARO E OUTRO(S) :

Leia mais

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS Page 1 of 14 IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS A Lei 6.404/76 (também chamada Lei das S/A), em seu artigo 8 º, admite a possibilidade de se avaliarem os ativos

Leia mais

INFORMATIVO. Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95

INFORMATIVO. Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95 INFORMATIVO Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95 Este informativo tem o propósito de orientar as associadas sobre as principais questões atinentes aos procedimentos

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 19/2014 ANO XI (07 de julho de 2014)

BOLETIM INFORMATIVO Nº 19/2014 ANO XI (07 de julho de 2014) BOLETIM INFORMATIVO Nº 19/2014 ANO XI (07 de julho de 2014) 01. PIS E COFINS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE 23/06/2014 - Operadora de planos de saúde não deve contribuição sobre faturamento total dos planos

Leia mais

A indevida contribuição de 10% sobre o FGTS

A indevida contribuição de 10% sobre o FGTS Informe Jurídico - nº I - 2014 A indevida contribuição de 10% sobre o FGTS De acordo com o artigo 1º da Lei Complementar nº 110, de 29 de junho de 2001, em caso de demissão de empregado sem justa causa,

Leia mais