ORÇAMENTO E SEGURANÇA PÚBLICA Um Estudo de Caso do Fundo Nacional de Segurança Pública

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORÇAMENTO E SEGURANÇA PÚBLICA Um Estudo de Caso do Fundo Nacional de Segurança Pública"

Transcrição

1 Bruno César Grossi de Souza ORÇAMENTO E SEGURANÇA PÚBLICA Um Estudo de Caso do Fundo Nacional de Segurança Pública Monografia apresentada ao Núcleo de Pesquisa em Políticas Públicas da Universidade de Brasília e à Associação Brasileira de Orçamento Público como requisito parcial à obtenção do Título de Especialista em Orçamento e Políticas Públicas. Brasília DF 2004

2 Agradecimentos Ao longo da elaboração deste trabalho, contei com o apoio e amizade de algumas pessoas. Ainda que algumas possam ser esquecidas, não posso deixar de agradecer ao Arthur, pela ajuda e incentivo constante ao longo de sua elaboração; à Célia, pela paciência e colaboração; ao Fabiano, ao José Roberto Faria e ao professor Paulo Calmon, pela disponibilidade e atenção nos encontros e s trocados. Também contei com o apoio do Núcleo de Pesquisa em Políticas Públicas e da Associação Brasileira de Orçamento Público, que propiciaram um ambiente importante de reflexão e de discussão sobre finanças e políticas públicas. Por fim, este trabalho não seria possível sem o incentivo e ajuda da Lúcia e de minha esposa Letícia, a quem dedico esta monografia. 2

3 Resumo Este trabalho trata de um marco na história do combate à violência no País: o Plano Nacional de Segurança Pública - PNSP. Criado em 2000 pelo Governo Federal, o PNSP foi instituído em conjunto com o Fundo Nacional de Segurança Pública - FNSP. Ambos representam um claro esforço em garantir a efetividade da atuação governamental na prevenção e no combate à insegurança crescente que o País vivia. Tais instrumentos contam exclusivamente com recursos oriundos dos Orçamentos da União, porém, na sua grande maioria, são operacionalizados com o apoio dos Estados e Municípios. Neste contexto de dualidade de recursos e operacionalização, e da ambigüidade na definição da competência legal para tratar do assunto, é que se desenvolve a presente monografia. Visando demonstrar a situação, é desenvolvida ao longo do trabalho uma análise dos orçamentos de 1992 a 2003, com especial atenção para os convênios firmados pelo FNSP, desde sua criação. 3

4 4

5 Sumário Introdução 8 1 Aspectos Conceituais 11 Federalismo 11 A Figura do Fundo 13 Convênios 18 2 Segurança Pública Orçamentos da União 22 Universo Trabalhado 22 Classificações Orçamentárias anteriores a Classificações Orçamentárias posteriores a Equivalência nas Classificações Orçamentárias 24 Gastos com Segurança Pública Todas as Despesas 29 Gastos com Segurança Pública Exceto Pessoal 31 3 O Plano Nacional de Segurança Pública e o Fundo Nacional de Segurança Pública 34 Evolução do Papel do Ministério da Justiça 34 O Início dos Trabalhos 37 Evolução dos Dispêndios 38 O Ano O Ano

6 O Ano O Ano Estrutura Programática do Fundo 47 4 Conclusão 50 Anexos Tabelas Completas dos Dados Utilizados 56 Tabela 1 - Demonstrativo dos Dispêndios por Função e Grupo de Natureza de Despesa a Dados Correntes a Preços Médios de Tabela 2 - Demonstrativo dos Dispêndios da Função Segurança Pública por Órgão e Grupo de Natureza de Despesa Dados Correntes a Preços Médios de Tabela 3 - Demonstrativo dos Dispêndios do Ministério da Justiça por Função e Grupo de Natureza de Despesa a Dados Correntes a Preços de Tabela 4 - Demonstrativo dos Dispêndios do Ministério da Justiça, por Unidade Orçamentária, Grupo de Natureza de Despesa e Modalidade de Aplicação a Dados Correntes a Preços de Tabela 5 Índices Utilizados na Atualização de Valores - IGP-DI 84 Tabela 6 - Convênios Firmados pelo Fundo Nacional de Segurança Pública em 2000 (valores correntes) 85 Tabela 7 - Convênios Firmados pelo Fundo Nacional de Segurança Pública em 2001 (valores correntes) 92 6

7 Tabela 8 - Convênios Firmados pelo Fundo Nacional de Segurança Pública em 2002 (valores correntes) 104 Tabela 9 - Convênios Firmados pelo Fundo Nacional de Segurança Pública em 2003 (valores correntes) 113 Bibliografia 120 Sites Pesquisados na Internet 122 7

8 Introdução Em 20 de junho de 2000, o Governo Federal anunciou a implantação do Plano Nacional de Segurança Pública. Mais do que uma resposta a um acontecimento isolado ocorrido no Rio de Janeiro, o Plano visava dar maior efetividade às políticas governamentais de combate e prevenção à violência no território nacional. As medidas lançadas pelo governo pretendiam atuar em duas vertentes: de caráter repressivo e de caráter preventivo. Neste contexto, mediante destinação de recursos da União, foi instituído o Plano, de características estratégicas, que enfatizava o esforço na integração, na operacionalidade, na intolerância ao delito, na sobreposição de ações coordenadas e na agilidade da troca de informações, buscando a eficiência do trabalho conjunto e preservando a autonomia das unidades da Federação. Em conjunto com o Plano, por intermédio da Medida Provisória n o 2.045, de 28/06/2000, foi criado o Fundo Nacional de Segurança Pública, cujos objetivos primordiais eram garantir o reequipamento das polícias estaduais, o treinamento das polícias e guardas municipais e o aprimoramento da polícia técnico-científica. A mudança foi significativa, e o Plano realmente representou um marco na atuação federal para com o tema segurança pública pois, em boa medida, chamou para si certas responsabilidades que até então não estavam sob sua atuação direta. 8

9 A partir desses instrumentos, e tendo o Fundo sob sua responsabilidade, a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça iniciou seus trabalhos de parcerias com os Estados e Municípios, contando com a colaboração de um Conselho Gestor, constituído por Portaria do Ministro, e contando com representantes de outras Pastas. Considerando estes aspectos, procurou-se através deste trabalho analisar as ações e dispêndios do Governo Federal na área de segurança pública no período de 1992 a Ademais, a análise enfatiza o período de atuação do Fundo, em especial a seus convênios firmados com Estados e Municípios. O importante a ressaltar na análise desenvolvida ao longo deste trabalho é que todas as informações pesquisadas são de domínio público, ou seja, são frutos de informações e dados prestados ou disponibilizados por vários órgãos da administração pública federal. Esta, na verdade, foi uma estratégia utilizada de maneira a verificar, não somente a eficácia e eficiência das ações do governo, mas também analisar a transparência que se deu ao tema. Assim, este trabalho se divide em três capítulos e a conclusão. O primeiro capítulo se destina a apresentar alguns conceitos que serão utilizados ao longo do trabalho. O capítulo seguinte analisa os dispêndios realizados com a função segurança pública entre 1992 e 2003, e possibilita uma comparação entre esta função e os grupos de natureza de despesa. O terceiro capítulo, por sua vez, analisa o caso específico do Fundo Nacional de 9

10 Segurança Pública, nos anos de 2000 a 2003, com relação aos seus gastos e convênios firmados. 10

11 1 Aspectos Conceituais O objetivo deste capítulo é apresentar alguns conceitos importantes que irão ajudar na compreensão dos capítulos seguintes, e que também comporão a conclusão final. Desta forma, procurou-se fazer a divisão entre três blocos de conceitos principais: o primeiro relata a questão federativa, especialmente no que diz respeito à dualidade de competências entre União e Estados, na área de segurança pública; o segundo visa a demonstrar a conceituação do Fundo e sua importância na condução de uma política pública; por fim, o terceiro traz algumas definições e práticas utilizadas nos acordos firmados entre a União e os Estados e Municípios, chamados de convênios. Federalismo O federalismo brasileiro, mais do que um dispositivo expresso na Constituição Federal, deve ser visto como a busca pela autonomia, em especial, dos Estados. O federalismo brasileiro teve como referência o modelo norte-americano. Entretanto, na sua formação, ele foi construído de forma bem diferente. Como ressalta Abrucio e Costa 1, isto ocorreu por duas razões básicas: a) no momento da constituição do federalismo brasileiro, passou-se de um Estado centralizador para um modelo descentralizado de poder; e b) o federalismo brasileiro foi motivado apenas pela questão da autonomia dos Estados. A falta de uma distribuição igualitária de poder entre os Estados acabaria por gerar várias situações de desigualdades, propiciando até a formação de várias coalizões de uns contra os outros. 1 ABRUCIO, Fernando Luiz e COSTA, Valeriano Mendes Ferreira. Reforma do Estado e o Contexto Federativo Brasileiro. Fundação Konrad-Adenauer-Stiftung. São Paulo,

12 Com a promulgação da Constituição de 1988, houve algumas alterações importantes neste jogo federativo: a) as receitas que a União detinha foram reduzidas frente a uma elevação da participação dos Estados e Municípios; e b) houve crescimento das atribuições do Legislativo frente ao Executivo, o que, por sua vez, fortaleceu a representação dos Estados no contexto político nacional, acentuando ainda mais a idéia de independência e autonomia. No caso específico da segurança pública, a Constituição vigente não assegurou como competência da União, seja privativa ou não, tratar ou dispor sobre o tema. Apesar disso, é importante observar o que diz o 1 o do art. 25: Art. 25. Os Estados organizam-se e regem-se pelas Constituições e leis que adotarem, observados os princípios desta Constituição. 1º São reservadas aos Estados as competências que não lhes sejam vedadas por esta Constituição. A partir deste ponto, o tema segurança pública veio a ter sua competência remetida aos Estados; competência esta que, não possuindo regulamentação estadual específica, passaria aos Municípios. O que se observa a partir de 1988 é que este tema passou a figurar na maioria das Constituições Estaduais como um dos objetivos a serem perseguidos pela atuação local. A partir daí, cada unidade da federação, considerando suas peculiaridades, empreendeu ações específicas no combate aos crimes e na condução da política de segurança pública. 12

13 O Plano Nacional de Segurança Pública, criado em 2000, tem por objetivo principal reduzir e reprimir a criminalidade. Muitas das ações e metas contidas no Plano dependem de várias iniciativas, as quais não se restringem exclusivamente à área federal, envolvendo também outras esferas do Poder Público, os governos estaduais e municipais, além da própria sociedade civil. Justamente nesse ponto reside a maior dificuldade de implementação de uma política única de segurança pública. A situação poderia ser resumida da seguinte forma: a União formulou um Plano Nacional e, para isso, abriu uma linha de recursos sob a égide do Fundo Nacional de Segurança Pública, também instituído em 2000; a partir daí, os Estados e Municípios formularam seus planos de segurança e os submeteram à apreciação do Governo Federal, por intermédio do Ministério da Justiça. O problema é que a constituição do Fundo não trouxe consigo obrigações ou condicionantes que não fossem o respeito estrito aos aspectos legalistas, como por exemplo, a instituição nos Estados de uma política única de segurança, o que, por sua vez, só veio a reforçar a idéia de autonomia que os Estados historicamente detêm. A Figura do Fundo Na história brasileira, a figura do fundo aparece no Império, por volta de1891, quando existia o Fundo de Emancipação, que se destinava à libertação dos escravos. Entretanto, nessa época, o fundo não significava um instrumento de programação. Na República, o primeiro fundo, criado pelo Decreto n o 4.382, de 08/04/1902, chamava-se Fundo de Amortização dos Empréstimos Internos ; o segundo fundo só veio a aparecer em 1932, com a instituição do Fundo Naval. 13

14 Mesmo assim, a constituição dos fundos não condicionou, como bem lembra Machado Júnior 2, a sistematização do planejamento das ações governamentais no País. Considerando este aspecto, as Constituições de 1946 e 1967 incluíram vários dispositivos que vinculavam parte das receitas de certos fundos a determinadas ações do governo. Ainda assim, o conceito de Fundo só veio a ser mais bem explicitado nos art. 71 a 74 da Lei n o 4.320, de 17 de março de 1964, relatados a seguir: Art. 71. Constitui fundo especial o produto de receitas especificadas que, por lei, se vinculam à realização de determinados objetivos ou serviços, facultada a adoção de normas peculiares de aplicação. Art. 72. A aplicação das receitas orçamentárias vinculadas a fundos especiais far-se-á através de dotação consignada na Lei de Orçamento ou em créditos adicionais. Art. 73. Salvo determinação em contrário da lei que o instituiu, o saldo positivo do fundo especial apurado em balanço será transferido para o exercício seguinte, a crédito do mesmo fundo. Art. 74. A lei que instituir fundo especial poderá determinar normas peculiares de controle, prestação e tomada de contas, sem, de qualquer modo, elidir a competência específica do Tribunal de Contas ou órgão equivalente. 2 MACHADO JÚNIOR, José Teixeira. Fundos e Receitas Vinculadas. Brasília, Revista da Associação Brasileira de Orçamento Público, volume 5, número 2, maio/agosto de

15 O importante a ressaltar nestes artigos é a constituição dos fundos, que a partir de então passou a ser feita por receitas especificadas e, por lei, relacionadas diretamente à realização de objetivos ou serviços. Posteriormente, o Decreto-Lei n o 200, de 25/02/1967, estabeleceu em seu art. 172, 2 o, a autorização para o Poder Executivo instituir Fundos Especiais de Natureza Contábil. Apesar de ter criado esta categoria de fundos, não houve uma caracterização clara desse instrumento. Para os juristas da época, a criação deste tipo de fundo tinha por objetivo criar um instrumento de flexibilidade operacional para os entes da administração direta que eram responsáveis por atividades específicas. Além destes, também figuram até a data de hoje os Fundos Constitucionais, que se destinam a distribuir recursos às outras unidades governamentais, conferindo assim certo grau de racionalidade à administração e partilha das receitas federais. Vários autores consideram a instituição do Decreto-Lei n o 200, de 1967, como um marco divisor. Após sua edição, a figura dos fundos se proliferou na administração pública, sobretudo nos Estados da região Sul e Sudeste, o que perdurou até Só para se ter uma idéia, de 1967 a 1988, foram instituídos 50 novos fundos na esfera federal. Em 1988, a Constituição Federal utilizou em vários artigos a figura do fundo, dos quais se destacam os pontos a seguir: I) Confirmação da questão da distribuição das receitas federais para Estados e Municípios, objetivando promover o equilíbrio sócio-econômico (art.159); 15

16 II) Os fundos seriam considerados como parte integrante da Lei Orçamentária (art.165); III) Confirmação da vedação na vinculação de receita de impostos aos fundos. Entretanto, há ressalva à repartição de receitas federais, incluindo, a partir de então, a destinação de recursos para as ações e serviços públicos de saúde, para manutenção e desenvolvimento do ensino, para realização de atividades da administração tributária e na prestação de garantias às operações de crédito por antecipação de receita (art. 167); IV) A uma Lei Complementar, remeteu-se a instituição e o funcionamento dos fundos (art. 165); V) A instituição de qualquer fundo sem prévia autorização legislativa foi vedada (art. 167); e VI) Criou-se a necessidade de ratificação dos fundos existentes em 1988, no prazo de dois anos, sob pena da sua extinção, exceto os resultantes de isenções fiscais que passasem a integrar patrimônio privado e os que interessassem à defesa nacional (art.36 do ADCT). Apesar de a Constituição estabelecer a necessidade de ratificação dos fundos num prazo máximo de dois anos, poucos tiveram a edição de uma lei específica determinando sua ratificação. Ao invés disso, o que veio a ocorrer foi o aproveitamento da edição da Lei n o 8.173, de 1991 (PPA ) para a recriação dos fundos extintos em outubro de

17 Conjugado a estes preceitos Constitucionais, é importante observar o que diz Machado Júnior e Reis 3 : O fundo por sua vez não detém personalidade jurídica, e também não se configura em órgão ou unidade orçamentária, representando tão somente um tipo de gestão financeira de recurso ou conjunto de recursos vinculados. Em termos da execução orçamentária, a existência de um fundo apresenta as seguintes vantagens: Garantia de certa linha de recursos, via vinculação de receitas; Descentralização da consecução dos objetivos de um programa para um determinado gestor; Possibilidade de se obter melhores avaliações dos resultados pretendidos; Maior controle entre as receitas vinculadas e os objetivos estipulados; e Garantia da destinação dos recursos à finalidade proposta, ainda que em exercício seguinte à sua arrecadação ou destinação. Em oposição, alguns fatores são considerados negativos para a execução orçamentária por intermédio dos fundos: Rigidez na definição das ações de governo, tendo em vista suas destinações de recursos; Possibilidade de formação de centros de poder para administrar cada um; Elevação dos custos operacionais, ligados à sua manutenção; e 3 JÚNIOR MACHADO, José Teixeira e REIS, Heraldo da Costa. A Lei Comentada. Rio de Janeiro, IBAM,

18 Possibilidade de duplicação de esforços para a solução de um mesmo problema. Por fim, vale lembrar que, para a Lei Orçamentária de 2003, existem 52 fundos distribuídos entre os orçamentos fiscal e da seguridade social da União. Convênios A possibilidade de execução dos orçamentos de forma descentralizada veio a ser consagrada no art.10 do Decreto-Lei n o 200, de 1967, que assim dispunha: Art. 10 A execução das atividades da Administração Federal deverá ser amplamente descentralizada. 1 o A descentralização será posta em prática em três planos principais: a) dentro dos quadros da Administração Federal, distinguindo-se claramente o nível de direção do de execução; b) da Administração Federal para a das suas unidades federadas, quando estejam devidamente aparelhadas e mediante convênio; c) da Administração Federal para a órbita privada, mediante contratos ou concessões. Desta forma, ao se estabelecer uma parceria com os governos estaduais e municipais, haveria a necessidade de se formalizar estes acordos por meio de convênios. Convênios podem ser conceituados como acordos firmados por entidades públicas de qualquer 18

19 espécie, ou entre estas e organizações particulares, para realização de objetivos de interesse comum dos partícipes 4. A única exceção para formalização de convênios está expressa na Instrução Normativa n o 01, de 15/01/1997, que assim dispõe: A obrigatoriedade de celebração de convênio não se aplica aos casos em que lei específica discipline a transferência de recursos para execução de programa em parceria do Governo Federal com governos estaduais e municipais, que regulamente critérios de habilitação, montante e forma de transferência e a forma de aplicação dos recursos recebidos. A edição desta Instrução Normativa representa um marco na conceituação e regulamentação do processo de convênios, pois é nela que estão expressos os conceitos e requisitos para formalização, execução e prestação de contas dos recursos utilizados sob esta modalidade. Formalizados estes acordos, o órgão federal passa a se chamar concedente (ou repassador), enquanto que o governo estadual ou municipal (ou outro órgão que vier a representar estes governos) é denominado convenente (ou beneficiado). Estes convenentes podem fazer constar ou não, no ato do convênio, alguma parcela de contrapartida, que consiste no montante de recursos à conta de suas próprias expensas. Com a edição da Lei de Responsabilidade Fiscal, em maio de 2000, adicionou-se à figura do convênio um conceito extremamente relevante, que viria afetar até as classificações orçamentárias, denominado transferência voluntária. Apesar de a Constituição já ter 4 MEIRELES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 19a. ed. Atual. São Paulo: Malheiros, 1994, p

20 mencionado este termo, sua caracterização veio a ser mais bem explicitada na LRF, reproduzida a seguir: Art. 25 Para efeito desta Lei Complementar, entende-se por transferência voluntária a entrega de recursos correntes ou de capital a outro ente da Federação, a título de cooperação, auxílio ou assistência financeira, que não decorra de determinação constitucional, legal ou os destinados ao Sistema Único de Saúde. Apesar de o artigo ter caracterizado a transferência voluntária, ele abriu uma exceção preocupante. Se a entrega de recursos depender ou estiver condicionada a uma Lei, não estaremos falando de transferências voluntárias e, portanto, algumas exigências impostas a elas, como a utilização dos recursos para o pagamento de pessoal, estariam dispensadas. Ainda neste mesmo artigo, são colocadas uma série de exigências no caso de uma transferência voluntária. Destaca-se a necessidade dotação orçamentária específica, previsão orçamentária de contrapartida e o cumprimento dos limites constitucionais para as áreas da saúde e educação. Outro ponto que se deve levar em conta é que, nem todo convênios celebrado representa uma transferência voluntária. A assinatura de um convênios pode ser decorrente de uma simples execução descentralizada. Talvez a maior dificuldade contida neste assunto, seja estabelecer de qual Ente Federado é a responsabilidade constitucional ou legal para execução de uma determinada política pública. Este é o limiar principal para um 20

21 diferenciação entre uma execução descentralizada e uma transferência voluntária, lembrando que ambos os casos devem utilizar a figura do convênio. 21

22 2 Segurança Pública Orçamentos da União Universo Trabalhado Primeiramente, a análise delimitou-se aos dados da União, considerando seus Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social. A série estudada abarcou os anos de 1992 a 2003 devido a duas razões: a) necessidade de se trabalhar com uma série de dados anterior a 2000 (Criação do Plano Nacional de Segurança Pública); e b) dificuldades associadas ao alinhamento dos dados orçamentários, em especial, aqueles anteriores a Classificações Orçamentárias anteriores a 2000 No âmbito das classificações orçamentárias, pode-se dizer que os anos de 1999 e 2000 representaram um divisor de águas. Até 1999, as classificações eram agregadas em Funções de Governo, estabelecidas pela Lei n o 4.320, de 17/03/1964, que se desdobravam em programas e subprogramas. Esta classificação, chamada de Funcional- Programática, foi implantada por intermédio da Portaria n o 9, de 28 de janeiro de 1974, da então Secretaria de Planejamento da Presidência da República. A função representava o maior nível de agregação das ações do Governo nos diversos setores. Os programas, desdobramento das funções, representavam os meios e instrumentos de ação, e guardavam ligação entre si, de maneira a alcançar os objetivos traçados pelo Governo, representando a ligação entre o planejamento de longo e médio prazos e o orçamento anual. Os subprogramas, por sua vez, tratados como desdobramento dos programas, representavam os objetivos parciais que poderiam ser identificados em cada programa. 22

23 Ainda nesta mesma classificação existiam os projetos e atividades, que retratavam a materialização das metas e objetivos contidos nos programas e subprogramas, sendo, portanto, considerados seus instrumentos efetivos. Procurou-se introduzir também, nesta classificação, o conceito de tipicidade, onde cada programa era típico de uma determinada função, e cada subprograma, típico de um programa determinado. Entretanto, a fim de classificar melhor certas ações, um programa específico poderia ser utilizado por mais de uma função, regra que também valia para os subprogramas. Isto acabaria por melhorar a classificação existente até então, pois tornaria possível transformar o orçamento num instrumento efetivo de programação. Classificações Orçamentárias posteriores a 1999 Com o intuito de introduzir normas para elaboração do Plano Plurianual PPA , foi editado o Decreto n o 2.829, de 29/10/1998, que estabelecia logo em seu art. 1 o que...a partir do exercício financeiro de 2000, toda a ação finalística do Governo Federal deverá ser estruturada em Programas orientados para a consecução dos objetivos estratégicos para o período do Plano. Este Decreto, fixou ainda, a necessidade de rever a classificação funcional-programática (art. 3 o ), de realizar o inventário de ações do Governo Federal antes da elaboração do Plano e de recadastrar todas as atividades e projetos (art. 12 ). Assim, em abril de 1999, com a edição da Portaria n o 42, do então Ministério do Orçamento e Gestão, a estrutura funcional-programática foi revista, passando a ter duas classificações distintas. Na primeira, a classificação funcional passou a englobar as funções que ficaram sujeitas à divisão por subfunções. Para as funções, utilizou-se o 23

24 conceito do maior nível de agregação das diversas áreas de despesa que competem ao setor público; já para subfunções, entendeu-se que estas visam a agregar determinado subconjunto de despesa. Foi mantida, entretanto, a possibilidade de combinação ou matricialidade das funções e subfunções, ou seja, estas continuariam podendo ser combinadas com funções diferentes daquelas a que estão vinculadas. Já na classificação programática ou, como se convencionou chamar, na Estrutura Programática, ficaram inseridos os Programas e suas Ações, que se subdividem conforme sua peculiaridade, em atividades, projetos ou operações especiais. Atualmente, o programa reflete um instrumento de organização da ação de governo que tem por objetivo atender a uma demanda da sociedade ou disponibilizar algum serviço, sendo mensurado por meio de indicadores estabelecidos no PPA. Ainda em relação a esta Portaria, é importante ressaltar seus efeitos para os Estados e Municípios, pois todos deveriam aplicar estas classificações, como forma de unificá-la em todos os níveis de Governo. O prazo estabelecido para tal era a partir de 2000 para os Estados e Distrito Federal, e a partir de 2002, para os Municípios. Equivalências nas Classificações Orçamentárias Feito este retrospecto conceitual, importante para o entendimento da organização dos dados analisados, procurou-se estabelecer uma correlação entre a classificação existente até 1999 e a mudança ocorrida em Nela, a menor unidade da classificação funcional-programática existente até 1999 (subprograma) só foi utilizada quando necessário, a fim de se obter uma interligação mais forte com a classificação vigente desde Assim, quando houver necessidade de utilizar este detalhe, ter-se-á 24

25 precedência sobre outra classificação mais agregada, a saber: função e programa. Por exemplo, algumas programações que estavam classificadas no programa 030 Segurança Pública e subprograma 0015 Custódia e Reintegração Social, ao serem correlacionadas com 2000, foram agregadas à função 14 Direitos da Cidadania, haja vista a existência da subfunção 421, de mesma denominação do subprograma. Partindo deste pressuposto, e considerando a mudança gerencial dos orçamentos promovida em 1999, foi necessário construir uma espécie de tabela de conversão de forma a alinhar a estrutura funcional-programática existente até aquele ano, com a classificação funcional adotada a partir de Classificação Funcional-Programática utilizada até 1999 Portaria n o 09, de Funções / Programas / Subprogramas 01 Legislativa 001 Processo Legislativo 002 Fiscalização Financeira e Orçamentária Externa 02 Judiciária Processo Judiciário 0013 Ação Judiciária 0014 Defesa do Interesse Público no Processo Judiciário 06 Defesa Nacional e Segurança Pública 026 Defesa Aérea 027 Defesa Naval 028 Defesa Terrestre 06 Defesa Nacional e Segurança Pública 029 Serviços de Informações 030 Segurança Pública 13 Saúde e Saneamento 077 Proteção ao Meio-Ambiente 0455 Defesa Contra Erosão Classificação Funcional utilizada a partir de 2000 Portaria n o 422, de Funções / Subfunções 01 Legislativa Ação Legislativa 032 Controle Externo 02 Judiciária 061 Ação Judiciária 062 Defesa do Interesse Público no Processo Judiciário 05 Defesa Nacional 151 Defesa Aérea 152 Defesa Naval 153 Defesa Terrestre 06 Segurança Pública 181 Policiamento 182 Defesa Civil 183 Informação e Inteligência 25

26 0457 Defesa Contra as Secas 0458 Defesa Contra Inundações 12 Relações Exteriores 072 Política Exterior 0410 Relações Diplomáticas 0411 Cooperação Internacional 15 Assistência e Previdência 081 Assistência 0483 Assistência ao Menor 0485 Assistência à Velhice 0486 Assistência Social Geral 0487 Assistência Comunitária 15 Assistência e Previdência 082 Previdência 13 Saúde e Saneamento 075 Saúde 14 Trabalho 078 Proteção ao Trabalhador 080 Relações do Trabalho 08 Educação e Cultura Educação da Criança de 0 a 6 anos 042 Ensino Fundamental 043 Ensino Médio 044 Ensino Superior 045 Ensino Supletivo 047 Assistência a Educandos 049 Educação Especial 08 - Educação e Cultura 048 Cultura 02 Judiciária 015 Custódia e Reintegração Social 15 Assistência e Previdência 081 Assistência 0484 Assistência ao Silvícola 10 Habitação e Urbanismo 058 Urbanismo 059 Regiões Metropolitanas 060 Serviços de utilidade Pública 16 Transporte 091 Transporte Urbano 10 Habitação e Urbanismo 057 Habitação 13 Saúde e Saneamento 076 Saneamento 07 Relações Exteriores 211 Relações Diplomáticas 212 Cooperação Internacional 08 Assistência Social 241 Assistência ao Idoso 242 Assistência ao Portador de Deficiência 243 Assistência à Criança e ao Adolescente 244 Assistência Comunitária 09 Previdência Social 10 Saúde 11 Trabalho 331 Proteção e Benefícios ao Trabalhador 332 Relações de Trabalho 12 Educação 361 Ensino Fundamental 362 Ensino Médio 363 Ensino Profissional 364 Ensino Superior 365 Ensino Infantil 366 Educação de Jovens e Adultos 367 Educação Especial 13 Cultura 14 Direitos da Cidadania 421 Custódia e Reintegração Social 423 Assistência aos Povos Indígenas 15 Urbanismo 451 Infra-Estrutura Urbana 452 Serviços Urbanos 453 Transportes Coletivos Urbanos 16 - Habitação 17 - Saneamento 26

PORTARIA N o 42, DE 14 DE ABRIL DE 1999 (ATUALIZADA) (*) (Publicada no D.O.U. de 15.04.99)

PORTARIA N o 42, DE 14 DE ABRIL DE 1999 (ATUALIZADA) (*) (Publicada no D.O.U. de 15.04.99) PORTARIA N o 42, DE 14 DE ABRIL DE 1999 (ATUALIZADA) (*) (Publicada no D.O.U. de 15.04.99) Atualiza a discriminação da despesa por funções de que tratam o inciso I do 1 o do art. 2 o e 2 o do art. 8 o,

Leia mais

Curso: Administração Disciplina: Administração Pública Prof: Carlos Henrique CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL -PROGRAMÁTICA

Curso: Administração Disciplina: Administração Pública Prof: Carlos Henrique CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL -PROGRAMÁTICA 1 Curso: Administração Disciplina: Administração Pública 6º Semestre Prof: Carlos Henrique CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL -PROGRAMÁTICA Na verdade, o que existe é a junção de duas classificações distintas: a

Leia mais

Desejo a todos que realizem uma excelente preparação para esse e outros concursos.

Desejo a todos que realizem uma excelente preparação para esse e outros concursos. ..FUNDOS ESPECIAIS Amigos e amigas estudantes do Ponto dos Concursos! Com a aproximação do concurso do TCU, estamos programando três cursos on line específicos para esse certame: Contabilidade Pública,

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

EIXO 3 ADMINISTRÇÃO PÚBLICA. D 3.4 Planejamento e Gestão Orçamentária e Financeira (24h) Professor: James Giacomoni. Aula 5

EIXO 3 ADMINISTRÇÃO PÚBLICA. D 3.4 Planejamento e Gestão Orçamentária e Financeira (24h) Professor: James Giacomoni. Aula 5 EIXO 3 ADMINISTRÇÃO PÚBLICA D 3.4 Planejamento e Gestão Orçamentária e Financeira (24h) Professor: James Giacomoni Aula 5 17 a 19, 21 a 25, 28 e 29 de novembro de 2011 Classificações orçamentárias Despesa

Leia mais

Brasília, 27 de maio de 2013.

Brasília, 27 de maio de 2013. NOTA TÉCNICA N o 20 /2013 Brasília, 27 de maio de 2013. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Fundo para Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal n o 4.320, de 17 de março de 1964 Constituição

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 SENADO FEDERAL Gabinete do Senador JOSÉ SERRA PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 Altera a Lei nº 11.314, de 3 de julho de 2006, que dispõe sobre o prazo referente ao apoio à transferência definitiva

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

NOTA TÉCNICA 50 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS

NOTA TÉCNICA 50 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS NOTA TÉCNICA 50 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS Brasília, 18 de novembro de 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.620 DE 14 DE MAIO DE 2001. (publicada no DOE nº 91, de 15 de maio de 2001) Institui o Programa de Garantia

Leia mais

Lei de Responsabilidade Fiscal

Lei de Responsabilidade Fiscal AOF Lei de Responsabilidade Fiscal PLANEJAMENTO Lei de Diretrizes Orçamentárias Lei Orçamentária Anual Execução Orçamentária e do Cumprimento das Metas RECEITA PÚBLICA Previsão e da Arrecadação Renúncia

Leia mais

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle 4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle Luís Eduardo Vieira Superintendência de Gestão Técnica SGT Financeira e Controle. Introdução A transparência

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA CLASSIFICAÇÃO DAS DESPESAS Atualizado em 14/10/2015 CLASSIFICAÇÕES DA DESPESA ESFERA ORÇAMENTÁRIA A classificação por esfera orçamentária tem por finalidade identificar

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI: 01/2014 Versão nº: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 074/2014. Unidade Responsável: Departamento Financeiro da Secretaria Municipal de Finanças

Leia mais

NOTA TÉCNICA 34 2013. Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS

NOTA TÉCNICA 34 2013. Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS NOTA TÉCNICA 34 2013 Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS Brasília, 24 de agosto de 2013 I NTRODUÇÃO NOTA TÉCNICA 34 2013 Nesta Nota Técnica vamos analisar a proposta do

Leia mais

CAPITULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DO COOPERATIVISMO.

CAPITULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DO COOPERATIVISMO. LEI Nº 1.827/2009. EMENTA: Institui a política de apoio e incentivo ao desenvolvimento do Cooperativismo no âmbito do município de Santa Cruz do Capibaribe/PE e dá outras providências. A MESA DIRETORA

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.653, DE 7 ABRIL DE 2008. Mensagem de veto Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2008/2011. seguinte Lei: O PRESIDENTE

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

Execução Orçamentária e Financeira

Execução Orçamentária e Financeira Execução Orçamentária e Financeira Introdutório aos cursos dos Sistemas de Contabilidade e Gastos Públicos Setembro / 2008 Administração Pública Classifica-se, conforme a CF/88 em: Administração Direta

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.823, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora Gustavo Justino de Oliveira* Consoante documento 1 elaborado pela Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento,

Leia mais

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra TEXTO: FINANCIAMENTO (MECANISMOS E INSTRUMENTOS) Diretrizes Orçamentárias, Plano Integrado e Orçamento Público da União, Estados, Distrito Federal e Municípios: conhecer para exigir, exigir para incluir,

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba Sua Confiança. Nosso Trabalho. LEI N.º 9.623

Câmara Municipal de Uberaba Sua Confiança. Nosso Trabalho. LEI N.º 9.623 Sua Confiança. Nosso Trabalho. LEI N.º 9.623 Estima a receita e fixa a despesa do Município de Uberaba para o exercício de 2005, e contém outras disposições. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.340, DE 1º DE DEZEMBRO DE 2010. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Defesa Civil - SINDEC, sobre as transferências de recursos

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Altera a Portaria Interministerial nº 127/MP/MF/CGU, de 29 de maio de 2008,

Leia mais

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 Estabelece medidas administrativas temporárias para contenção e otimização de despesas, no âmbito do Poder Executivo, cria o Conselho Gestor para Eficiência Administrativa

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/artigos/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

RECEITAS DE CAPITAL 88.883.221 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 59.214..075 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL 29.669.146 TOTAL 1.136.493.735

RECEITAS DE CAPITAL 88.883.221 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 59.214..075 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL 29.669.146 TOTAL 1.136.493.735 LEI Nº 16.929 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DA PREFEITURA DO RECIFE PARA O EXERCÍCIO DE 2004. O POVO DA CIDADE DO RECIFE, POR SEUS REPRESENTANTES, DECRETA E EU, EM SEU NOME,

Leia mais

ESCOLA DE GOVERNO ORÇAMENTO E FINANÇAS PÚBLICAS

ESCOLA DE GOVERNO ORÇAMENTO E FINANÇAS PÚBLICAS ESCOLA DE GOVERNO ORÇAMENTO E FINANÇAS PÚBLICAS 13/10/2015 Natalina Ribeiro ORÇAMENTO PÚBLICO O Orçamento Público é um dos principais instrumentos de planejamento das políticas de governo. Histórico do

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS - DMU DESTINAÇÃO DA RECEITA PÚBLICA - APLICÁVEL PARA O EXERCÍCIO DE 2012 CODIFICAÇÃO UTILIZADA PARA CONTROLE DAS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Conversão da MPv nº 173, de 2004 Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Alocação de Recursos e Regionalização no SUS

Alocação de Recursos e Regionalização no SUS Alocação de Recursos e Regionalização no SUS Áquilas Mendes Professor Doutor Livre-Docente de Economia da Saúde da FSP-USP e do Departamento de Economia da PUC-SP ABRES Encontro Alocação de Recursos e

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 Dispõe sobre a destinação dos recursos recuperados por meio de ações judiciais para o Fundo Nacional de Saúde e o Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

o Povo do.município de Fruta de Leite, por seus representantes

o Povo do.município de Fruta de Leite, por seus representantes Projeto de Lei N.o Çl1- /2015 "Estima a Receita e Fixa a Despesa do Município de Fruta de Leite para o Exercício Financeiro de 2016 e dá outras Providências". o Povo do.município de Fruta de Leite, por

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar - PNATE e o Programa de Apoio

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais Lei nº 2677 BENEDITO PEREIRA DOS SANTOS, Prefeito do Município de Itajubá, Estado de Minas Gerais, usando das atribuições que lhe são conferidas por Lei, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 PREMISSAS LEGAIS: CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTATUTO DA METRÓPOLE (LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE

TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE Salvador, 21 e 22 de julho de 2010 CONVÊNIOS EQUIPE: Alessandro Chaves de Jesus Ana Lucia Alcântara Tanajura Cristiane Neves de Oliveira

Leia mais

Assunto: RECOMENDAÇÃO CONJUNTA MPC/MPE/MPF Portais da Transparência.

Assunto: RECOMENDAÇÃO CONJUNTA MPC/MPE/MPF Portais da Transparência. Ofício PG N.º /2014 Maceió, 22 de julho de 2014. Assunto: RECOMENDAÇÃO CONJUNTA MPC/MPE/MPF Portais da Transparência. Senhor Gestor, 1. O Ministério Público de Contas, o Ministério Público Estadual e o

Leia mais

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS ILUMEXPO 2014 3ª Exposição e Fórum de Gestão de Iluminação Pública Luciana Hamada Junho 2014 IBAM, MUNICÍPIO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2014 para aplicação em obras de ampliação e construção de entidades

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.898/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.898/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.898/2014 Referência : Correio eletrônico, de 17/9/2014. Protocolo AUDIN-MPU nº 1693/2014.

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

QUEM PODE HABILITAR-SE NO SICONV?

QUEM PODE HABILITAR-SE NO SICONV? O QUE É SICONV? Criado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, o SICONV Sistema de Convênio, tem como uma das finalidades, facilitar as apresentações de projetos aos programas ofertados pelo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 368, de 2012, da Senadora Ana Amélia, que altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor

Leia mais

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 NORMATIZA A SOLICITAÇÃO PARA INCLUSÃO, NOS

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013 Deliberação Normativa nº 016, de 28 de maio de 2013. Reedita, com alterações, a Deliberação Normativa nº 014, de 11 de setembro de 2012, que aprovou a implantação do PROGRAMA CASA PAULISTA APOIO AO CRÉDITO

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI O Processo de Construção do SNC Teresina-PI 04/Dez/2012 A Importância Estratégica do SNC Após os inúmeros avanços ocorridos nos últimos anos no campo da cultura

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 3. Apresentação. Definição de Receita Pública. Receita Pública. Classificação da Receita Pública

Contabilidade Pública. Aula 3. Apresentação. Definição de Receita Pública. Receita Pública. Classificação da Receita Pública Contabilidade Pública Aula 3 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Definição de Receita Pública Um conjunto de ingressos financeiros com fonte e fatos geradores próprios e permanentes, oriundos da ação

Leia mais

LEI Nº 213/1994 DATA: 27 DE JUNHO DE 1.994. SÚMULA: INSTITUI O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. CAPITULO I DOS OBJETIVOS

LEI Nº 213/1994 DATA: 27 DE JUNHO DE 1.994. SÚMULA: INSTITUI O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. CAPITULO I DOS OBJETIVOS LEI Nº 213/1994 DATA: 27 DE JUNHO DE 1.994. SÚMULA: INSTITUI O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. O Sr. Ademir Macorin da Silva, Prefeito Municipal de Tapurah, Estado de Mato Grosso, no

Leia mais

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social Associação Fundação Privada Associação Sindical Partidos Políticos (1) renúncia fiscal Subvencionada 1 Entidades

Leia mais

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF Selene Peres Peres Nunes 03/8/2015 Por que avaliação de custos no setor público? possível realocação orçamentária (uso no orçamento) onde podem ser realizados

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc.

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. LEI N. 084/91 Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. Faço saber que a Câmara

Leia mais

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Administração Pública Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 A seguir veremos: Novas Modalidades de Administração no Brasil; Organização da Administração Pública; Desafios da Administração Pública.

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015.

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MORMAÇO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Departamento DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde www.aids.gov.br Maio/2014

Leia mais

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS COAP 06/13 ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS 1.0 O que é o Contrato Organizativo da Ação Pública - COAP? O COAP é um acordo de colaboração firmado entre os três entes federativos, no âmbito de uma Região de

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 16 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 16 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 16 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL Índice 1. A lei de responsabilidade fiscal...3 2. A integração entre o planejamento e o orçamento...3 3. Execução orçamentária

Leia mais

Restos a Pagar: O impacto dos artigos 41 e 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal na gestão orçamentária e financeira.

Restos a Pagar: O impacto dos artigos 41 e 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal na gestão orçamentária e financeira. Restos a Pagar: O impacto dos artigos 41 e 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal na gestão orçamentária e financeira. Autor: Nelson Machado Doutorando pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade

Leia mais

LEI Nº 3.262/07 DE 13/12/07

LEI Nº 3.262/07 DE 13/12/07 LEI Nº 3.262/07 DE 13/12/07 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE CAMPOS NOVOS PARA O EXERCÍCIO DE 2008 Cirilo Rupp, Prefeito em exercício do Município de Campos Novos, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária (Prof. Paulo Bijos)

Administração Financeira e Orçamentária (Prof. Paulo Bijos) Administração Financeira e Orçamentária (Prof. Paulo Bijos) Aula 11 2010 Exercícios Funções de Governo (alocativa, distributiva e estabilizadora) CESPE ACE-TCU 2008. (E) A teoria de finanças públicas consagra

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA GESTÃO

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA GESTÃO RELATÓRIO DE ANÁLISE DA GESTÃO A Assessoria de Controle Interno do Tribunal de Justiça do Estado do Acre ASCOI, em cumprimento às determinações legais, apresenta o Relatório de Análise da Gestão Orçamentária,

Leia mais

Receita Orçamentária: conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: conceitos, codificação e classificação 1 Receita Orçamentária: conceitos, codificação e classificação 1 Para melhor identificação dos ingressos de recursos aos cofres públicos, as receitas são codificadas e desmembradas nos seguintes níveis:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI N Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC, altera as Leis n. 7.998, de 11 de janeiro de 1990, n. 8.121, de 24 de julho de 1991 e n. 10.260, de 12 de julho

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA Regulamenta o inciso VIII do artigo 206 da Constituição Federal, para instituir o piso salarial profissional

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO Seção I Da Educação Art. 208. O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais