OBSERVAÇÕES: EXERCÍCIOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBSERVAÇÕES: EXERCÍCIOS"

Transcrição

1 OBSERVAÇÕES: 1. Esta lista de exercícios poderá ser resolvida individualmente ou em grupos de 2 pessoas. 2. A lista possui 25 exercícios, destes você deve responder os 5 primeiros exercícios e os outros 10 podem ser escolhidos livremente entre os exercícios de número 6 ao Caso você ache que falta algum detalhe nas especificações, você deverá fazer as suposições que julgar necessárias e escrevê-las com as suas respostas. Pode acontecer também de algum enunciado conter dados e/ou especificações supérfluas para a solução de alguma pergunta específica. Utilize sua capacidade de julgamento para separar o supérfluo do necessário. 4. A data final para entrega desta lista de exercícios é o dia 11/07/2013, no início da aula. 5. A solução dessa lista de exercícios deverá ser manuscrita e não digital. 6. Listas plagiadas serão desconsideradas, sendo atribuída nota 0 (zero) a todos os envolvidos. 7. O valor dessa lista de exercícios é 2 pontos. EXERCÍCIOS 1) Para cada uma das afirmações abaixo, justifique formalmente (usando definições, manipulações algébricas e implicações) se for verdade ou dê um contraexemplo se for falso. a) 2 n + 1 = O (2 n ) b) 2 2n = O (2 n ) c) Se f(n) = O (u(n)) e g(n) = O (v(n)), então f(n) - g(n) = O (u(n)) - O (v(n)) d) Se f(n) = O (g(n)) e g(n) = O (h(n)), então f(n) = O (h(n)) e) Se f(n) = O (h(n)) e g(n) = O (h(n)), então f(n) = g(n) As questões das letras a, b, c foram retiradas do livro do Nívio Ziviani [ZIV]. 2) Demonstre as seguintes propriedades da notação Big O. a) f(n) = O (f(n)) b) c * O (f(n)) = O (f(n)), onde c é uma constante c) O (f(n)) + O (f(n)) = O (f(n)) d) O (f(n)) * O (g(n)) = O (f(n) * g(n)) e) f (n) * O(g(n)) = O (f(n) * g(n)) 3) Analise a complexidade dos códigos abaixo. Para cada código calcule: 1. a quantidade total de operações executadas 2. identifique a operação elementar/básica. Justifique sua escolha.

2 3. estabeleça uma soma que indique quantas vezes a operação elementar/básica foi executada. Considere o pior caso. 4. defina uma função de complexidade e expresse sua ordem de complexidade. Justifique sua resposta. a) soma <- 0; para j de 1 ate n faça soma <- soma + 1; b) soma1 <- 0; para j de 1 ate i faça soma1 <- soma1 + 1; c) soma2 <- 0; para j de 1 até n faça para i de 1 ate j faça soma2 <- soma2 + 1; d) para i de 1 até n-1 faça para j de i+1 ate n faça para k de 1 ate j faça alguma instrução executa com complexidade O(1) e) x <- 0; para j de 1 até i faça para k de 1 até j faça x <- x + 1; 4) [CLRS- Exercício 2.2-4] Como podemos modificar praticamente qualquer algoritmo para ter um bom tempo de execução no melhor caso? Você acha que analisar um algoritmo pelo seu melhor caso é uma boa escolha? Justifique sua resposta. 5) [CLRS- Exercício 3.1-3] Explique por que a afirmação: O consumo de tempo do algoritmo A é pelo menos O(n²) não faz sentido.

3 6) Suponha que estamos estudando o desempenho de um algoritmo em função do tamanho n das instâncias de um problema. Considere as seguintes afirmações: 1. o consumo de tempo do algoritmo é O(n²) no pior caso; 2. o consumo de tempo do algoritmo é O(n²) para toda instância do problema. Qual a diferença entre as afirmações 1 e 2? 7) [CLRS- Exercício 1.2-3] Qual é o menor valor de n tal que um algoritmo A cujo tempo de execução é 100 n² é mais rápido que um algoritmo B com tempo de execução igual a 2 n numa mesma máquina? 8) Suponha um algoritmo com complexidade O(n*lg n) para todas as instâncias do problema. Considere que para N = , o tempo necessário para executar o programa equivalente a este algoritmo é de 8 segundos. Assuma que exista memória suficiente para executá-lo quando N = Qual o tempo de execução desse programa para N = ? Dê sua resposta em segundos e em horas. Obs: lg representa o logaritmo na base 2. 9) Suponha que um processador possa executar operações por segundo. Assuma a existência de dois algoritmos, denominado A e B, para testar se um número é primo. O algoritmo A executa 100*n 2 operações para testar se um número de n dígitos decimais é primo. O algoritmo B executa 2 n operações para testar se um número de n dígitos decimais é primo. Usando o algoritmo A, quanto tempo, em segundos, esse processador gastará para determinar se um número de dígitos decimais é primo? Usando o algoritmo B, quanto tempo, em segundos, esse processador gastará para determinar se um número de dígitos decimais é primo? 10) [ZIV- Exercício 1.5] Qual algoritmo você prefere: um algoritmo que requer n 5 passos ou um que requer 2 n passos. Justifique sua resposta. 11) [ZIV- Exercício 1.2] O que significa dizer que g(n) é O (f(n)). 12) Uma métrica para avaliar algoritmos é a métrica empírica. Ela consiste em escolher um critério de análise e um conjunto de entradas variadas. Após tais decisões implementa-se o algoritmo numa linguagem de programação. Finalmente executa-se o programa com as entradas e faz-se uma análise dos resultados. Esse procedimento pode ser utilizado para comparar dois algoritmos ou mais programas. Critique essa métrica. 13) Por muitas vezes damos atenção apenas à análise do pior caso dos algoritmos. Explique o porquê. 14) Um algoritmo A com tempo de execução O(n*lg n), onde n é o tamanho da sequencia de entrada, é sempre mais rápido que um algoritmo B com tempo de execução O(n²)?

4 15) Faça um algoritmo que verifique se os elementos de um vetor estão ordenados de forma ascendente. Qual a complexidade de pior, melhor e caso médio do seu algoritmo? 16) Considere um algoritmo para percorrer uma lista não ordenada para encontrar um número inteiro. a) Qual é o melhor caso desse algoritmo? b) Qual é o pior caso desse algoritmo? c) O que deve ser levado em conta no cálculo do caso médio? d) Os cálculos realizadas nas alternativas a, b, c seriam diferentes se o número procurado não estivesse presente na lista? Justifique sua resposta. 17) Considere o problema de percorrer um vetor não ordenado para encontrar um determinado elemento. Calcule a complexidade assintótica do caso médio nas seguintes condições: a) o elemento procurado encontra-se no vetor e a probabilidade de encontrá-lo em quaisquer posição do vetor é a mesma e igual 1/n; b) o elemento procurado encontra-se no vetor e a probabilidade de encontrá-lo na primeira posição do vetor é ½, a probabilidade de encontrá-lo na segunda posição é ¼ e a probabilidade de encontrá-lo em quaisquer das outras posições é a mesma e igual a 1/(4n-8); c) o elemento procurado encontra-se no vetor em 50% das vezes e a probabilidade de encontrá-lo em quaisquer posições vetor é a mesma e igual 1/n; 18) [ZIV- Exercício 1.1] Dê o conceito de: a) algoritmo; b) tipos de dados; c) tipo abstrato de dados; 19) Conceitue estrutura de dados. 20) [ZIV- Exercício 1.3] O que significa dizer que um algoritmo executa em tempo proporcional a n? 21) [ZIV- Exercício 1.4] Explique a diferença entre O(1) e O(2). 22) [ZIV- Exercício 1.6] Prove que n 2 = n 3 /3 + O(n 2 ). 23) [CLRS- Exercício 1.1-2] Além da velocidade, que outras medidas de eficiência poderiam ser usadas em uma configuração real? 24) [CLRS- Exercício 1.1-3] Selecione uma estrutura de dados que você já tenha visto e discuta seus pontos fortes e suas limitações.

5 25) Considere que existam dois algoritmos, denominados A e B, para resolver um determinado problema. O algoritmo A exige 10 8 *n operações e o algoritmo B exige 10*n 2. a) Calcule a complexidade assintótica de cada um desses algoritmos b) Pode-se afirmar que o algoritmo A é sempre melhor que o algoritmo B? c) Que conclusões este exemplo lhe permite tirar a respeito do uso da complexidade assintótica e da notação Big O na análise da complexidade de algoritmos. Bibliografia: [ZIV] ZIVIANI, Nivio. Projeto de Algoritmos Com implementação em Pascal e C. 3. ed. Revisada e Ampliada. São Paulo: Cengage Learning, [CLRS] CORMEN, T. et al. Algoritmos: Teoria e Prática. Editora Campus, 2002.

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Lista de Exercícios - 04 Algoritmos e Linguagens de Programação Professor: Edwar Saliba Júnior Estruturas de Repetição O que são e para que servem? São comandos que são utilizados

Leia mais

Teoria dos Grafos. Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada. antunes@ibilce.unesp.br, socorro@ibilce.unesp.

Teoria dos Grafos. Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada. antunes@ibilce.unesp.br, socorro@ibilce.unesp. Teoria dos Grafos Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada antunes@ibilce.unesp.br, socorro@ibilce.unesp.br Grafos e Algoritmos Preparado a partir do texto: Rangel, Socorro.

Leia mais

Aula 01 Introdução Custo de um algoritmo, Funções de complexidad e Recursão

Aula 01 Introdução Custo de um algoritmo, Funções de complexidad e Recursão MC3305 Algoritmos e Estruturas de Dados II Aula 01 Introdução Custo de um algoritmo, Funções de complexidad e Recursão Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 2Q-2015 1 Custo de um algoritmo

Leia mais

Primeira Prova de Análise e otimização de Código - DCC888 -

Primeira Prova de Análise e otimização de Código - DCC888 - Primeira Prova de Análise e otimização de Código - DCC888 - Ciência da Computação Nome: Eu dou minha palavra de honra que não trapacearei neste exame. Número de matrícula: As regras do jogo: A prova é

Leia mais

Complexidade de Algoritmos

Complexidade de Algoritmos MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008 Objetivo de estudar complexidade de algoritmos Por que analisar a complexidade dos algoritmos? A preocupação com a complexidade de algoritmos é fundamental para projetar

Leia mais

Aula Extra. Depurador Code::Blocks. Monitoria de Introdução à Programação

Aula Extra. Depurador Code::Blocks. Monitoria de Introdução à Programação Aula Extra Depurador Code::Blocks Monitoria de Introdução à Programação Depurador - Definição Um depurador (em inglês: debugger) é um programa de computador usado para testar outros programas e fazer sua

Leia mais

Programação de Computadores I Estruturas de Repetição PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Estruturas de Repetição PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Estruturas de Repetição PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução Existem situações onde é necessário repetir um determinado trecho de um programa um certo número de vezes. Assim,

Leia mais

MOQ-14 PROJETO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS LISTA DE EXERCÍCIOS 3

MOQ-14 PROJETO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS LISTA DE EXERCÍCIOS 3 MOQ-14 PROJETO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS LISTA DE EXERCÍCIOS 3 1. Chapas de uma liga metálica de mesma procedência foram submetidas, de forma aleatória, a três diferentes tratamentos térmicos: A, B e C.

Leia mais

a) 2 b) 3 c) 4 d) 5 e) 6

a) 2 b) 3 c) 4 d) 5 e) 6 Recordando operações básicas 01. Calcule as expressões abaixo: a) 2254 + 1258 = b) 300+590 = c) 210+460= d) 104+23 = e) 239 54 = f) 655-340 = g) 216-56= h) 35 x 15 = i) 50 x 210 = j) 366 x 23 = k) 355

Leia mais

Análise de algoritmos. Parte II

Análise de algoritmos. Parte II Análise de algoritmos Parte II 1 Análise de algoritmos Existem basicamente 2 formas de estimar o tempo de execução de programas e decidir quais são os melhores Empírica ou teoricamente É desejável e possível

Leia mais

Avaliação e Desempenho Aula 1 - Simulação

Avaliação e Desempenho Aula 1 - Simulação Avaliação e Desempenho Aula 1 - Simulação Introdução à simulação Geração de números aleatórios Lei dos grandes números Geração de variáveis aleatórias O Ciclo de Modelagem Sistema real Criação do Modelo

Leia mais

Algoritmo e Pseudo-código

Algoritmo e Pseudo-código Departamento de Sistemas de Computação Universidade de São Paulo Algoritmo e Pseudo-código Responsável Prof. Seiji Isotani (sisotani@icmc.usp.br) Objetivos do Curso Desenvolver o Pensamento Computacional

Leia mais

PUC-Rio Desafio em Matemática 15 de novembro de 2008

PUC-Rio Desafio em Matemática 15 de novembro de 2008 PUC-Rio Desafio em Matemática 5 de novembro de 2008 Nome: Assinatura: Inscrição: Identidade: Questão Valor Nota Revisão.0 2.0 3.0 4.0 5a.0 5b.0 6a.0 6b.0 7 2.0 Nota final 0.0 Instruções Mantenha seu celular

Leia mais

Linguagens de Programação:

Linguagens de Programação: Capítulo I : Noções Gerais 11 Linguagens de Programação: Como comunicar com o computador? Linguagem Máquina: Conjunto básico de instruções, em código binário, características de cada computador, correspondentes

Leia mais

Metodologias de Programação

Metodologias de Programação Metodologias de Programação Bloco 1 José Paulo 1 Formador José António Paulo E-mail: questoes@netcabo.pt Telemóvel: 96 347 80 25 Objectivos Iniciar o desenvolvimento de raciocínios algorítmicos Linguagem

Leia mais

2 Limites e Derivadas. Copyright Cengage Learning. Todos os direitos reservados.

2 Limites e Derivadas. Copyright Cengage Learning. Todos os direitos reservados. 2 Limites e Derivadas Copyright Cengage Learning. Todos os direitos reservados. 2.7 Derivadas e Taxas de Variação Copyright Cengage Learning. Todos os direitos reservados. Derivadas e Taxas de Variação

Leia mais

Resolução de sistemas de equações lineares: Método de eliminação de Gauss

Resolução de sistemas de equações lineares: Método de eliminação de Gauss Resolução de sistemas de equações lineares: Método de eliminação de Gauss Marina Andretta ICMC-USP 21 de março de 2012 Baseado no livro Análise Numérica, de R L Burden e J D Faires Marina Andretta (ICMC-USP)

Leia mais

Ordenação e Pesquisa de Dados. Aula 07 Insertion Sort e Bubble Sort

Ordenação e Pesquisa de Dados. Aula 07 Insertion Sort e Bubble Sort Ordenação e Pesquisa de Dados Aula 07 Insertion Sort e Bubble Sort Felipe S. L. G. Duarte felipelageduarte+fatece@gmail.com Algoritmos de Ordenação A partir de agora iremos estudar os seguintes algoritmos

Leia mais

Introdução à Programação. Funções e Procedimentos. Prof. José Honorato F. Nunes honoratonunes@gmail.com

Introdução à Programação. Funções e Procedimentos. Prof. José Honorato F. Nunes honoratonunes@gmail.com Introdução à Programação Funções e Procedimentos Prof. José Honorato F. Nunes honoratonunes@gmail.com RESUMO DA AULA SUB-ROTINAS: Procedimentos Funções Escopo de variáveis Parâmetros Prof. José Honorato

Leia mais

7. Funções de Lógica Combinacional. 7. Funções de Lógica Combinacional 1. Somadores Básicos. Objetivos. Objetivos. Circuitos Digitais 03/11/2014

7. Funções de Lógica Combinacional. 7. Funções de Lógica Combinacional 1. Somadores Básicos. Objetivos. Objetivos. Circuitos Digitais 03/11/2014 Objetivos 7. Funções de Lógica Combinacional Fazer distinção entre meio-somadores e somadores-completos Usar somadores-completos para implementar somadores binários em paralelo Explicar as diferenças entre

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados II. Introdução

Algoritmos e Estruturas de Dados II. Introdução Algoritmos e Estruturas de Dados II Introdução Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br http://www.dcc.ufmg.br/~loureiro UFMG/ICEx/DCC Algoritmos e Estruturas de Dados II 1 Algoritmos, estruturas

Leia mais

Programação de Aulas 1º Ano 3º Bimestre De 07/08 a 20/09

Programação de Aulas 1º Ano 3º Bimestre De 07/08 a 20/09 Programação de Aulas º Ano 3º Bimestre De 07/08 a 0/09 Data Assunto Geral Assunto Específico 07/08 Função Eponencial Introdução Revisão Potência e Radical 07/08 Definição - Gráfico 08/08 Função e 4/08

Leia mais

ATIVIDADE DE MATEMÁTICA (PARA CASA) Data de entrega 18/04/2012

ATIVIDADE DE MATEMÁTICA (PARA CASA) Data de entrega 18/04/2012 OSASCO, DE DE 01 NOME: PROF. 8º ANO ATIVIDADE DE MATEMÁTICA (PARA CASA) Data de entrega 18/04/01 1. Deseja-se fixar o comprimento e a largura de uma sala de modo que a sua área seja 36 m. a) Se a largura

Leia mais

CAPÍTULO 4. 4 - O Método Simplex Pesquisa Operacional

CAPÍTULO 4. 4 - O Método Simplex Pesquisa Operacional CAPÍTULO 4 O MÉTODO SIMPLEX 4 O Método Simplex caminha pelos vértices da região viável até encontrar uma solução que não possua soluções vizinhas melhores que ela. Esta é a solução ótima. A solução ótima

Leia mais

Professor: André Rabelo Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Lógica Digital Período: 3º Data Entrega: 21/03/2012 Valor: 15 pts Objetivos:

Professor: André Rabelo Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Lógica Digital Período: 3º Data Entrega: 21/03/2012 Valor: 15 pts Objetivos: Professor: André Rabelo Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Lógica Digital Período: 3º Data Entrega: 21/03/2012 Valor: 15 pts Objetivos: Pesquisar e aprofundar os conhecimentos em Lógica Digital

Leia mais

=...= 1,0 = 1,00 = 1,000...

=...= 1,0 = 1,00 = 1,000... OPERAÇÕES COM NÚMEROS DECIMAIS EXATOS Os números decimais exatos correspondem a frações decimais. Por exemplo, o número 1,27 corresponde à fração127/100. 127 = 1,27 100 onde 1 representa a parte inteira

Leia mais

Aula 1 Conjuntos Numéricos

Aula 1 Conjuntos Numéricos 1 Tecnólogo em Construção de Edifícios Aula 1 Conjuntos Numéricos Professor Luciano Nóbrega 2 SONDAGEM Inicialmente, façamos uma revisão: 1 Calcule o valor das expressões abaixo. Dê as respostas de todas

Leia mais

Bases Matemáticas. Daniel Miranda 1. 23 de maio de 2011. sala 819 - Bloco B página: daniel.miranda

Bases Matemáticas. Daniel Miranda 1. 23 de maio de 2011. sala 819 - Bloco B página:  daniel.miranda Daniel 1 1 email: daniel.miranda@ufabc.edu.br sala 819 - Bloco B página: http://hostel.ufabc.edu.br/ daniel.miranda 23 de maio de 2011 Elementos de Lógica e Linguagem Matemática Definição Uma proposição

Leia mais

Exercícios de Fixação Aulas 05 e 06

Exercícios de Fixação Aulas 05 e 06 Disciplina: TCC-0.0 Prog. de Computadores III Professor: Leandro Augusto Frata Fernandes Turma: E- Data: / / Exercícios de Fixação Aulas 0 e 0. Construa um algoritmo (pseudocódigo e fluxograma) que determine

Leia mais

Árvores de Decisão Matemática Discreta

Árvores de Decisão Matemática Discreta Bruno Duarte Eduardo Germano Isolino Ferreira Vagner Gon Árvores de Decisão Matemática Discreta 28/04/2011 Serra IFES Definição de Árvores de Decisão: Arvore de Decisão é uma árvore em que seus nós internos

Leia mais

1. Noção de algoritmo

1. Noção de algoritmo 1. Noção de algoritmo Em português, a palavra algoritmo quer dizer operação ou processo de cálculo, entre outras definições possíveis (Dicionário Brasileiro de Língua Portuguesa, Mirador Internacional,

Leia mais

Teste de Hipótese e Intervalo de Confiança. Parte 2

Teste de Hipótese e Intervalo de Confiança. Parte 2 Teste de Hipótese e Intervalo de Confiança Parte 2 Questões para discutirmos em sala: O que é uma hipótese estatística? O que é um teste de hipótese? Quem são as hipóteses nula e alternativa? Quando devemos

Leia mais

OpenPDV: Sistema aberto para gerenciamento de restaurantes

OpenPDV: Sistema aberto para gerenciamento de restaurantes Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE5638 Introdução a Projetos Orientador: José Eduardo de Lucca OpenPDV: Sistema aberto para gerenciamento de restaurantes

Leia mais

Unidade 10 Análise combinatória. Introdução Princípio Fundamental da contagem Fatorial

Unidade 10 Análise combinatória. Introdução Princípio Fundamental da contagem Fatorial Unidade 10 Análise combinatória Introdução Princípio Fundamental da contagem Fatorial Introdução A escolha do presente que você deseja ganhar em seu aniversário, a decisão de uma grande empresa quando

Leia mais

Prática. Exercícios didáticos ( I)

Prática. Exercícios didáticos ( I) 1 Prática Exercício para início de conversa Localize na reta numérica abaixo os pontos P correspondentes aos segmentos de reta OP cujas medidas são os números reais representados por: Exercícios didáticos

Leia mais

Lista 4 Introdução à Programação Entregar até 07/05/2012

Lista 4 Introdução à Programação Entregar até 07/05/2012 Lista 4 Introdução à Programação Entregar até 07/05/2012 1. Um vendedor necessita de um algoritmo que calcule o preço total devido por um cliente. O algoritmo deve receber o código de um produto e a quantidade

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I. Recursividade. Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I. Recursividade. Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I Recursividade Pedro O.S. Vaz de Melo Problema Implemente uma função que classifique os elementos de um vetor em ordem crescente usando o algoritmo quicksort: 1. Seja

Leia mais

Exercícios: comandos de repetição

Exercícios: comandos de repetição UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Lista de exercícios de programação em linguagem C Exercícios: comandos de repetição 1) Elabore um programa que faça leitura de vários números inteiros, até que se digite

Leia mais

Matemática - Módulo 1

Matemática - Módulo 1 1. Considerações iniciais Matemática - Módulo 1 TEORIA DOS CONJUNTOS O capítulo que se inicia trata de um assunto que, via-de-regra, é abordado em um plano secundário dentro dos temas que norteiam o ensino

Leia mais

Vírgula flutuante Aula 6

Vírgula flutuante Aula 6 Vírgula flutuante Aula 6 17 de Março de 2005 1 Estrutura desta aula Números em vírgula flutuante Formatos dos números em vírgula fixa e em vírgula flutuante A norma IEEE 754 Normalizações, expoentes, zeros

Leia mais

Algoritmos. Prof. Jonatas Bastos

Algoritmos. Prof. Jonatas Bastos Algoritmos Prof. Jonatas Bastos 1 Algoritmo Definições p p p p p p Algoritmo é uma sequência finita de passos que levam a execução de uma tarefa. Que levam a resolução de determinado problema. Podemos

Leia mais

Complexidade Assintótica de Programas Letícia Rodrigues Bueno

Complexidade Assintótica de Programas Letícia Rodrigues Bueno Complexidade Assintótica de Programas Letícia Rodrigues Bueno Análise de Algoritmos 1. Introdução; Análise de Algoritmos 1. Introdução; 2. Conceitos básicos; Análise de Algoritmos 1. Introdução; 2. Conceitos

Leia mais

Medida do Tempo de Execução de um Programa

Medida do Tempo de Execução de um Programa Medida do Tempo de Execução de um Programa Livro Projeto de Algoritmos Nívio Ziviani Capítulo 1 Seção 1.3.1 http://www2.dcc.ufmg.br/livros/algoritmos/ Comportamento Assintótico de Funções O parâmetro n

Leia mais

Comandos de Desvio 1

Comandos de Desvio 1 Programação de Computadores I UFOP DECOM 2014 1 Aula prática 3 Comandos de Desvio 1 Sumário Resumo Nesta aula você irá resolver problemas que requerem uma decisão com base em um teste, ou condição. Para

Leia mais

MÉTODO SIMPLEX QUADRO SIMPLEX

MÉTODO SIMPLEX QUADRO SIMPLEX MÉODO SIMPLEX QUDRO SIMPLEX O Método Simplex é um procedimento matricial para resolver o modelo de programação linear na forma normal. omeçando com X, o método localiza sucessivamente outras soluções básicas

Leia mais

O PENSAMENTO ALGÉBRICO

O PENSAMENTO ALGÉBRICO NOME: ANO: 8º ENSINO: FUNDAMENTAL TURMA: DATA: / / PROF(ª): GREGORIO TOMAS GONZAGA LÓGICA E MATEMÁTICA - APOSTILA (2º BIMESTRE) IMPORTANTE 1 Organize-se, guardando cada lista de exercícios que receber

Leia mais

EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS PARA AS DISCIPLINAS INTRODUTÓRIAS DA MATEMÁTICA

EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS PARA AS DISCIPLINAS INTRODUTÓRIAS DA MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIDADE ACADÊMICA DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL TUTOR: Prof. Dr. Daniel Cordeiro de Morais Filho BOLSISTA: Tiago Alves

Leia mais

Lista de Exercícios 5: Soluções Teoria dos Conjuntos

Lista de Exercícios 5: Soluções Teoria dos Conjuntos UFMG/ICEx/DCC DCC Matemática Discreta Lista de Exercícios 5: Soluções Teoria dos Conjuntos Ciências Exatas & Engenharias 2 o Semestre de 206. Escreva uma negação para a seguinte afirmação: conjuntos A,

Leia mais

Um pouco da História dos Logaritmos

Um pouco da História dos Logaritmos Um pouco da História dos Logaritmos Os logaritmos, como instrumento de cálculo, surgiram para realizar simplificações, uma vez que transformam multiplicações e divisões nas operações mais simples de soma

Leia mais

Lista de Exercícios - Adição

Lista de Exercícios - Adição Nota: Os exercícios desta aula são referentes ao seguinte vídeo Matemática Zero 2.0 - Aula 4 - Adição - (parte 1 de 2) Endereço: https://www.youtube.com/watch?v=ss7v8dgjz34 Gabaritos nas últimas páginas!

Leia mais

Algoritmos APRENDENDO A PROGRAMAR COM C#

Algoritmos APRENDENDO A PROGRAMAR COM C# Algoritmos APRENDENDO A PROGRAMAR COM C# Alô Mundo AULA 01 Conhecendo o ambiente O objetivo principal desse programa não é mostrar a mensagem Alo Mundo. O objetivo é apresentar o ambiente de desenvolvimento

Leia mais

Prof. Adilson Gonzaga. Interface com Displays

Prof. Adilson Gonzaga. Interface com Displays Prof. Adilson Gonzaga Interface com Displays Interface com Displays de 7 Segmentos 2 Um Display de 7 segmentos é formado por 7 LED s (a,b,c,d,e,f,g) que são previamente encapsulados e conectados de duas

Leia mais

2) Escreva um algoritmo que leia um conjunto de 10 notas, armazene-as em uma variável composta chamada NOTA e calcule e imprima a sua média.

2) Escreva um algoritmo que leia um conjunto de 10 notas, armazene-as em uma variável composta chamada NOTA e calcule e imprima a sua média. 1) Inicializar um vetor de inteiros com números de 0 a 99 2) Escreva um algoritmo que leia um conjunto de 10 notas, armazene-as em uma variável composta chamada NOTA e calcule e imprima a sua média 3)

Leia mais

Determinantes. Matemática Prof. Mauricio José

Determinantes. Matemática Prof. Mauricio José Determinantes Matemática Prof. Mauricio José Determinantes Definição e Conceito Matriz de ordem 1 Dizemos que um determinante é um resultado (numérico) de operações que são realizadas em uma matriz quadrada.

Leia mais

Exercícios: Vetores e Matrizes

Exercícios: Vetores e Matrizes Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C Exercícios: Vetores e Matrizes 1 Vetores 1. Escreva um programa que leia 10 números

Leia mais

Ciclo com Contador : instrução for. for de variável := expressão to. expressão do instrução

Ciclo com Contador : instrução for. for de variável := expressão to. expressão do instrução Métodos de Programação I 2. 27 Ciclo com Contador : instrução for identificador downto for de variável := expressão to expressão do instrução UMA INSTRUÇÃO (SIMPLES OU COMPOSTA) Neste caso o ciclo é repetido

Leia mais

Apostila de Matemática 16 Polinômios

Apostila de Matemática 16 Polinômios Apostila de Matemática 16 Polinômios 1.0 Definições Expressão polinomial ou polinômio Expressão que obedece a esta forma: a n, a n-1, a n-2, a 2, a 1, a 0 Números complexos chamados de coeficientes. n

Leia mais

Semana 7 Resolução de Sistemas Lineares

Semana 7 Resolução de Sistemas Lineares 1 CÁLCULO NUMÉRICO Semana 7 Resolução de Sistemas Lineares Professor Luciano Nóbrega UNIDADE 1 2 INTRODUÇÃO Considere o problema de determinar as componentes horizontais e verticais das forças que atuam

Leia mais

Maratona de Programação - Dicas Para Iniciantes

Maratona de Programação - Dicas Para Iniciantes Sumário Maratona de Programação - Dicas Para Iniciantes Prof. Josué Pereira de Castro Universidade Estadual do Oeste do Paraná Curso de Bacharelado em Informática Cascavel, 2009 Sumário Sumário 1 Conceitos

Leia mais

Capítulo 4 Inferência Estatística

Capítulo 4 Inferência Estatística Capítulo 4 Inferência Estatística Slide 1 Resenha Intervalo de Confiança para uma proporção Intervalo de Confiança para o valor médio de uma variável aleatória Intervalo de Confiança para a variância de

Leia mais

Lista de Exercícios - Subtração

Lista de Exercícios - Subtração Nota: Os exercícios desta aula são referentes ao seguinte vídeo Matemática Zero 2.0 - Aula 5 - Subtração - (parte 1 de 2) Endereço: https://www.youtube.com/watch?v=eedxautqdaa Gabaritos nas últimas páginas!

Leia mais

T1: T2: T3: T4: T5: T6: T7: T: P: TEÓRICA

T1: T2: T3: T4: T5: T6: T7: T: P: TEÓRICA T1: T2: T3: T4: T5: T6: T7: T: P: Arquitectura de Computadores I - 2002/03 TEÓRICA As questões devem ser respondidas na própria folha do enunciado. As questões 1 a 4 são de escolha múltipla, e apenas uma

Leia mais

MATEMÁTICA ENSINO FUNDAMENTAL

MATEMÁTICA ENSINO FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP PARABÉNS!!! VOCÊ JÁ É UM VENCEDOR! Voltar a estudar é uma vitória que poucos podem dizer que conseguiram. É para você, caro aluno, que desenvolvemos esse material.

Leia mais

Introdução à Algoritmos. Aula 11

Introdução à Algoritmos. Aula 11 Introdução à Algoritmos Aula 11 Um programa de computador é um produto resultante da atividade intelectual. Essa atividade depende de um treinamento prévio em abstração e modelagem de problemas, bem como

Leia mais

Lista de Exercícios Critérios de Divisibilidade

Lista de Exercícios Critérios de Divisibilidade Nota: Os exercícios desta aula são referentes ao seguinte vídeo Matemática Zero 2.0 - Aula 10 - Critérios de - (parte 1 de 2) Endereço: https://www.youtube.com/watch?v=1f1qlke27me Gabaritos nas últimas

Leia mais

Lista de Exercícios 04 Estruturas de Dados Homogêneas - Vetores

Lista de Exercícios 04 Estruturas de Dados Homogêneas - Vetores Instituto de Ciências Eatas e Biológicas ICEB Lista de Eercícios 04 Estruturas de Dados Homogêneas - Vetores 1) Escreva um programa que armazene em um vetor todos os números inteiros de 0 a 50. Após isso,

Leia mais

Menino ou menina? Exercício 1 Vamos lembrar então o que são genes e cromossomos. Volte à Aula 20 e dê as definições: a) Gene... b) Cromossomo...

Menino ou menina? Exercício 1 Vamos lembrar então o que são genes e cromossomos. Volte à Aula 20 e dê as definições: a) Gene... b) Cromossomo... A UU L AL A Menino ou menina? Quando um casal descobre que vai ter um filho, a primeira curiosidade é saber se nascerá um menino ou uma menina. Mas será que os futuros pais, ou mesmo as pessoas que não

Leia mais

Usando potências de 10

Usando potências de 10 Usando potências de 10 A UUL AL A Nesta aula, vamos ver que todo número positivo pode ser escrito como uma potência de base 10. Por exemplo, vamos aprender que o número 15 pode ser escrito como 10 1,176.

Leia mais

MC-102 - Teste de Mesa e Comandos Repetitivos

MC-102 - Teste de Mesa e Comandos Repetitivos MC-102 - Teste de Mesa e Comandos Repetitivos Elaborado por Raoni Teixeira e Editado por Danillo Roberto Pereira Instituto de Computação Unicamp Primeiro Semestre de 2013 Introdução Introdução Pode acontecer

Leia mais

A Dança do Embaralhamento. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Introduzir a noção de grupo de permutação; 2. Mostrar uma aplicação de MMC.

A Dança do Embaralhamento. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Introduzir a noção de grupo de permutação; 2. Mostrar uma aplicação de MMC. A Dança do Embaralhamento Série Matemática na Escola Objetivos 1. Introduzir a noção de grupo de permutação; 2. Mostrar uma aplicação de MMC. A dança do embaralhamento Série Matemática na Escola Conteúdos

Leia mais

Seqüências. George Darmiton da Cunha Cavalcanti CIn - UFPE

Seqüências. George Darmiton da Cunha Cavalcanti CIn - UFPE Seqüências George Darmiton da Cunha Cavalcanti CIn - UFPE Introdução Uma seqüência é uma estrutura discreta usada para representar listas ordenadas. Definição 1 Uma seqüência é uma função de um subconjunto

Leia mais

Sistemas Digitais II. Interface com o mundo analógico. Prof. Marlon Henrique Teixeira Abril/2014

Sistemas Digitais II. Interface com o mundo analógico. Prof. Marlon Henrique Teixeira Abril/2014 Sistemas Digitais II Interface com o mundo analógico Prof. Marlon Henrique Teixeira Abril/2014 Objetivos Compreender a teoria de funcionamento e as limitações dos circuitos de diversos tipos de conversores

Leia mais

1. Escreva um programa em Pascal que leia três valores inteiros e mostre-os em ordem crescente. Utilize seleção encadeada.

1. Escreva um programa em Pascal que leia três valores inteiros e mostre-os em ordem crescente. Utilize seleção encadeada. Universidade Estadual Vale do Acaraú Curso: Engenharia Civil Disciplina: Programação de Computadores Prof. Hudson Costa Instruções: as equipes de cinco componentes (ou elementos) deverão fazer apenas 30

Leia mais

Introdução a Programação Aula 01

Introdução a Programação Aula 01 Introdução a Programação Aula 01 Prof. Bruno Crestani Calegaro Curso de Sistemas de Informação ELC1064 Lógica e Algoritmo 1 O que é um computador? Máquina programável genérica Constituído por: Processador

Leia mais

Interface com Displays de 7 Segmentos. Interface com Displays

Interface com Displays de 7 Segmentos. Interface com Displays Interface com Displays de 7 Segmentos Interface com Displays Um Display de 7 segmentos é formado por 7 LED s (a,b,c,d,e,f,g) que são previamente encapsulados e conectados de duas maneiras: f e a g b c

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação Sistemas Numéricos Conversão entre Bases PROFESSORA CINTIA CAETANO

Introdução a Ciência da Computação Sistemas Numéricos Conversão entre Bases PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução a Ciência da Computação Sistemas Numéricos Conversão entre Bases PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução Sistemas Numéricos Sistema Decimal Concebido pelos hindus cerca de 2000 anos atrás. Posteriormente

Leia mais

Circuito Decodificador BCD para Display de Sete Segmentos

Circuito Decodificador BCD para Display de Sete Segmentos Prática 5 Linguagem VHDL Prof. Cesar da Costa Circuito Decodificador BCD para Display de Sete Segmentos Um dos métodos mais simples para apresentação de dígitos alfanuméricos, em circuitos digitais, é

Leia mais

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo A UA UL LA Frações e números decimais Introdução Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos de um bolo se dividirmos esse bolo em cinco partes iguais e tomarmos

Leia mais

XXXII Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

XXXII Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase XXXII Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível Segunda Fase Parte A PARTE A Na parte A serão atribuídos 4 pontos para cada resposta correta e a pontuação máxima para essa

Leia mais

Calculando seno(x)/x com o interpretador Hall.

Calculando seno(x)/x com o interpretador Hall. Calculando seno(x)/x com o interpretador Hall. Problema Seja, por exemplo, calcular o valor do limite fundamental f(x)=sen(x)/x quando x tende a zero. Considerações Fazendo-se a substituição do valor 0

Leia mais

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo A UA UL LA Frações e números decimais Introdução Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos de um bolo se dividirmos esse bolo em cinco partes iguais e tomarmos

Leia mais

Pagamento de complemento de salário-maternidade, considerando que este valor deve ser deduzido da guia de INSS, pois é pago pelo INSS.

Pagamento de complemento de salário-maternidade, considerando que este valor deve ser deduzido da guia de INSS, pois é pago pelo INSS. Complemento Salarial Licença Maternidade Abaixo estão descritas as regras do sistema para cálculo do complemento de salário-maternidade, no complemento salarial e na rescisão complementar por Acordo/Convenção/Dissídio:

Leia mais

INF1005: Programação I. Algoritmos e Pseudocódigo

INF1005: Programação I. Algoritmos e Pseudocódigo INF1005: Programação I Algoritmos e Pseudocódigo Tópicos Principais Definição de Algoritmo Exemplos Básicos Formas de representação Condicionais Exemplos com Condicionais Repetições Exemplos com Repetições

Leia mais

Definição de determinantes de primeira e segunda ordens. Seja A uma matriz quadrada. Representa-se o determinante de A por det(a) ou A.

Definição de determinantes de primeira e segunda ordens. Seja A uma matriz quadrada. Representa-se o determinante de A por det(a) ou A. Determinantes A cada matriz quadrada de números reais, pode associar-se um número real, que se designa por determinante da matriz Definição de determinantes de primeira e segunda ordens Seja A uma matriz

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 1. Curso de Teoria dos Números - Nível 3. Divisibilidade 1. Carlos Gustavo Moreira e Samuel Barbosa Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 1. Curso de Teoria dos Números - Nível 3. Divisibilidade 1. Carlos Gustavo Moreira e Samuel Barbosa Feitosa Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 3 Carlos Gustavo Moreira e Samuel Barbosa Aula 1 Divisibilidade 1 Teorema 1. (Algoritmo da Divisão) Para quaisquer inteiros positivos

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU Departamento Matemática Disciplina Matemática I Curso Gestão de Empresas Ano 1 o Ano Lectivo 2007/2008 Semestre 1 o Apontamentos Teóricos:

Leia mais

1 O que é árvore de decisão

1 O que é árvore de decisão Curso de Data Mining Sandra de Amo Aula 9 - Classificação utilizando Arvores de Decisão 1 O que é árvore de decisão Uma árvore de decisão é uma estrutura de árvore onde : cada nó interno é um atributo

Leia mais

Apontamentos de matemática 5.º ano - Múltiplos e divisores

Apontamentos de matemática 5.º ano - Múltiplos e divisores Múltiplos e divisores (revisão do 1.º ciclo) Os múltiplos de um número inteiro obtêm-se multiplicando esse número pela sequência dos números inteiros. Exemplos: Alguns múltiplos de 6 são: 0, 6, 12, 18,

Leia mais

BCC202 - Estrutura de Dados I

BCC202 - Estrutura de Dados I BCC202 - Estrutura de Dados I Aula 14: Ordenação: QuickSort Reinaldo Fortes Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP Departamento de Computação, DECOM Website: www.decom.ufop.br/reifortes Email: reifortes@iceb.ufop.br

Leia mais

Teoria da computabilidade Indecidíveis Decidíveis

Teoria da computabilidade Indecidíveis Decidíveis Bacharelado em Ciência da Computação Disciplina: Algoritmos e Estruturas de Dados I Professor: Mário Luiz Rodrigues Oliveira Teoria da computabilidade Indecidíveis Decidíveis Teoria da complexidade Intratáveis:

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CENTRO DE ENGENHARIA DA MOBILIDADE

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CENTRO DE ENGENHARIA DA MOBILIDADE CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA Fatoração Equação do 1º Grau Equação do 2º Grau Aula 02: Fatoração Fatorar é transformar uma soma em um produto. Fator comum: Agrupamentos: Fatoração Quadrado Perfeito Fatoração

Leia mais

Aula 1 Oficina de Programação e Laboratório Apresentação. Profa. Elaine Faria UFU - 2016

Aula 1 Oficina de Programação e Laboratório Apresentação. Profa. Elaine Faria UFU - 2016 Aula 1 Oficina de Programação e Laboratório Apresentação Profa. Elaine Faria UFU - 2016 Dados do Professor Elaine Ribeiro de Faria Paiva Email: elaine@ufu.br Sala: 1B137 Horário de atendimento (agendado

Leia mais

Que algarismos devem ser colocados nos pontinhos da conta abaixo? ... 34 x 41... O. IS x 12 = 180 300-180 = 120

Que algarismos devem ser colocados nos pontinhos da conta abaixo? ... 34 x 41... O. IS x 12 = 180 300-180 = 120 Que algarismos devem ser colocados nos pontinhos da conta abaixo?... 34 x 41... O Invente um problema que tenha como solução os cálculos abaixo: IS x 12 = 180 300-180 = 120 Em diversas situações do nosso

Leia mais

Exercícios: Recursão

Exercícios: Recursão UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Lista de exercícios de programação em linguagem C Exercícios: Recursão 1) Faça uma função recursiva que calcule e retorne o fatorial de um número inteiro N. 2) Faça uma

Leia mais

Universidade Federal do ABC Disciplina: Natureza da Informação Lista de Exercícios 02 Códigos e conversão A/D Prof. João Henrique Kleinschmidt

Universidade Federal do ABC Disciplina: Natureza da Informação Lista de Exercícios 02 Códigos e conversão A/D Prof. João Henrique Kleinschmidt Universidade Federal do ABC Disciplina: Natureza da Informação Lista de Exercícios 02 Códigos e conversão A/D Prof. João Henrique Kleinschmidt A lista é individual e deve ser escrita à mão. 1) Uma importante

Leia mais

PROGRAMAÇÃO LINEAR. Formulação de problemas de programação linear e resolução gráfica

PROGRAMAÇÃO LINEAR. Formulação de problemas de programação linear e resolução gráfica PROGRAMAÇÃO LINEAR Formulação de problemas de programação linear e resolução gráfica A programação linear surge pela primeira vez, nos novos programas de Matemática A no 11º ano de escolaridade. Contudo

Leia mais

Elabore um algoritmo na Linguagem de Programação do VisuAlg usando a estrutura de repetição PARA que satisfaça as seguintes condições:

Elabore um algoritmo na Linguagem de Programação do VisuAlg usando a estrutura de repetição PARA que satisfaça as seguintes condições: ESTRUTURA DE REPETIÇÃO - PARA Exercícios de Fixação nº1 estrutura de repetição PARA que satisfaça as seguintes condições: Considerar apenas os números positivos > 0 Listar os 10 primeiros múltiplos do

Leia mais

Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Linguagem de Montagem Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO 1 Introdução Independente da linguagem de programação utilizada, todo programa

Leia mais

Calculando o comprimento de peças dobradas ou curvadas

Calculando o comprimento de peças dobradas ou curvadas Calculando o comprimento de peças dobradas ou curvadas A UU L AL A Vamos supor que você seja dono de uma pequena empresa mecânica e alguém lhe encomende 10.000 peças de fixação, que deverão ser fabricadas

Leia mais

Algoritmos e Programação : Conceitos e estruturas básicas. Hudson Victoria Diniz

Algoritmos e Programação : Conceitos e estruturas básicas. Hudson Victoria Diniz Algoritmos e Programação : Conceitos e estruturas básicas Hudson Victoria Diniz Relembrando... Um algoritmo é formalmente uma seqüência finita de passos que levam a execução de uma tarefa. Podemos pensar

Leia mais