Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco"

Transcrição

1 1 Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco MARCELO JALOTO é graduado no curso superior Projetos e Gestão de Redes de Computadores e formado no curso Técnico em Processamento de Dados. Formação Developer Delphi 2006 (Official Borland). Analista Desenvolvedor de Sistemas na Softplan/Poligraph Muitas empresas desenvolvem seu primeiro sistema pensando em seu primeiro cliente e acabam esquecendo que com crescimento do produto, futuros novos clientes com diferentes necessidades poderão surgir a cada momento. Um dos principais vilões na composição do valor final de um software é o banco de dados. Hoje em dia temos diversas opções, tais como: Firebird, Oracle, SQL Server, PostGreeSQL, MySQL e uma série de outros BD s. Alguns sob licença comercial e outros gratuitos. Então o ideal seria projetar um sistema que oferecesse uma aplicação com suporte a múltiplos bancos, ficando independente do BD, o que possibilitaria comercializar o aplicativo utilizando Firebird que é gratuito e tem bons recursos e ideal para empresas de pequeno porte. Oracle, com sua licença absurdamente alta, mas com excelentes recursos e ótima velocidade; muito bom para empresas de grande porte. E ainda poderíamos ter a praticidade de usar qualquer outro BD caso fosse a necessidade do cliente. Então como percebemos existem diversas situações e para algumas empresas de software, o ideal é vender a aplicação e não o banco de dados. O objetivo do artigo visa atender somente uma etapa da uma aplicação multi-banco, que será a criação de um protocolo que definirá as regras de negócios. As regras serão implementadas por uma classe para cada banco de dados suportado pela aplicação. Em nosso exemplo vamos definir apenas algumas regras básicas, pois o objetivo principal é mostrar apenas as definições dessas regras de negócios utilizando Interface para uma aplicação que suporte a multi-banco. Entendendo o funcionamento O ideal antes de começarmos seria uma explicação detalhada sobre Interface, mas isso daria um artigo imenso, então quem não conhece e deseja saber mais a fundo, sugiro que busque uma fonte de pesquisa mais completa ou tente consultar o help do Delphi. Para o nosso exemplo basta entender que Interface é um protocolo que define métodos que deverão ser obrigatoriamente implementados pelas classes que a utilizarem, ou seja, caso deixar de implementar um método, o compilador do Delphi irá gerar um erro, o que nos garantirá que todas classes que utilizarem a Interface terão todos os métodos definidos por ela. Bom, então agora vamos ao que interessa, e descobrir como definir essas regras utilizando Interface. Desenvolvendo a Interface Nós utilizaremos o Delphi 7 em nosso exemplo, entretanto nada o impede de fazer em uma versão superior, caso tenha um conhecimento básico da mesma. Então inicie uma nova aplicação em File New>Application, e em seguida crie uma nova Unit em File New Unit e salve-a como uinterfaceregrasbd.pas e escreva o código conforme a Listagem 1. Na Listagem 1, segue a criação da Interface com algumas regras básicas que poderiam ter em uma aplicação multi-banco baseada nos componentes dbexpress. Logo de inicio definimos um tipo ( Type ) enumerado para identificar os bancos de dados que podem ser utilizados em nossa aplicação. Nosso tipo enumerado vai de 0 à 4, sendo respectivamente bdfirebird à bdmysql.

2 Logo após a declaração da Interface foi adicionada uma especificação de um identificador global único ou GUID, que pode ser criado com as teclas Ctrl + Shift + G. O mais importante aqui foram as definições de alguns métodos básicos que deverão ser obrigatoriamente implementados nas classes de banco de dados suportadas e também as propriedades que poderão ser utilizadas a partir da nossa Interface. 2 Listagem 1. Implentação da Interface unit uinterfaceregrasbd; interface type { Definição dos bancos de dados que poderam ser utilizados na aplicação. } TTipoBD = (bdfirebird, bdoracle, bdsqlserver, bdpostgreesql, bdmysql); IRegrasBD = interface ['{DBEA73DB-3FF6-4AA7-A781-06B11546CA8D}'] function GetDriverName: string; function GetVendorLib: string; function GetLibraryName: string; function GetUsuario: string; function GetSenha: string; procedure SetUsuario(const Value: string); procedure SetSenha(const Value: string); property DriverName: string read GetDriverName; property LibraryName: string read GetLibraryName; property VendorLib: string read GetVendorLib; property Usuario: string read GetUsuario write SetUsuario; property Senha: string read GetSenha write SetSenha; implementation end. Criando as classes Vamos primeiramente criar a classe referente ao banco Firebird. Crie uma nova Unit utilizando o mesmo método empregado na criação de nossa Interface. Salve-a como uclassefirebird.pas e escreva os códigos conforme a Listagem 2. Toda classe em Delphi deve ser criada herdando-a de um objeto. Como estamos trabalhando com interfaces, devemos herdar de TInterfacedObject e também de IRegrasBD, nossa interface. TIntefacedObject faz algumas implementações obrigatórias de interfaces que descende da ancestral mais básica que é a IInterface. Na sessão protected são declarados todos os métodos exigidos pela interface IRegrasBD. Caso alguém esteja se perguntando, porque não usar uma classe abstrata, basta deixar de implementar qualquer um dos métodos da interface e tentar compilar. O Delphi irá gerar uma mensagem de erro de compilação obrigando a implementação da classe, recurso que fará ter certeza que todas as classes que utilizam a interface terão todos os seus métodos requeridos sendo implementados. Então quando for utilizar uma classe abstrata, pense bem e analise conforme sua necessidade, pois esta deixaria de compilar e geraria um erro de execução, fato não muito agradável em algumas situações. Outra vantagem de usar interface é que se podem unir várias interfaces em uma única classe gerando a polêmica multi herança do Delphi, o que não é correto de se dizer, mais sim um excelente recurso do paradigma da orientação a objetos, no qual contém as assinaturas de métodos que deverão ser implementados nas classes que a suportam.

3 3 Listagem 2. Classe para implementação das regras para Firebird unit uclassefirebird; interface uses uinterfaceregrasbd; type TRegrasFirebird = class(tinterfacedobject, IRegrasBD) private FUsuario: string; FSenha: string; protected {Métodos Obrigatórios da Interface das RegrasBD} function GetDriverName: string; function GetLibraryName: string; function GetVendorLib: string; function GetUsuario: string; function GetSenha: string; procedure SetUsuario(const Value: string); procedure SetSenha(const Value: string); {Fim dos Métodos da Interface RegrasBD} public constructor Create; destructor Destroy; override; property DriverName: string read GetDriverName; property LibraryName: string read GetLibraryName; property VendorLib: string read GetVendorLib; property Usuario: string read GetUsuario write SetUsuario; property Senha: string read GetSenha write SetSenha; implementation uses SysUtils; { TRegrasFirebird } constructor TRegrasFirebird.Create; SetUsuario(''); SetSenha(''); destructor TRegrasFirebird.Destroy; inherited; function TRegrasFirebird.GetDriverName: string; Result := 'Interbase'; function TRegrasFirebird.GetLibraryName: string; Result := 'dbxint30.dll'; function TRegrasFirebird.GetSenha: string; Result := FSenha; function TRegrasFirebird.GetUsuario: string;

4 4 Result := FUsuario; function TRegrasFirebird.GetVendorLib: string; Result := 'fbclient.dll'; procedure TRegrasFirebird.SetSenha(const Value: string); FSenha := 'masterkey' FSenha := Value; procedure TRegrasFirebird.SetUsuario(const Value: string); FUsuario := 'SYSDBA' FUsuario := Value; end. Todas as function s criadas são bem simples. As funções GetDriverName, GetLibraryName, GetVendorLib, GetUsuario e GetSenha, como os próprios nomes dizem, retornam driver, Bibliotecas (dll) de acesso ao banco, usuário e senha, respectivamente. Já SetUsuario e SetSenha são procedimentos usados para informar as credenciais de acesso ao banco. Note que para o Firebird fazemos uma pequena verificação com podemos ver a seguir: FSenha := 'masterkey' FSenha := Value; Se o parâmetro Value não for preenchido assumimos que a senha do banco é masterkey, padrão do Firebird. Para a classe Oracle o processo é o mesmo, porém nesse caso as funções GetDriveName, GetLibraryName, GetVendorLib, SetSenha e SetUsuario são alteradas de acordo com os requisitos do banco de dados. Então para criar uma nova Unit repita o procedimento indo em File New>Unit, salve-a como uclasseoracle.pas e escreva o código como a Listagem 3. Na Listagem 3 foi criada a classe que contém as regras do Oracle. Repare as idênticas assinaturas entre as duas classes TRegrasFirebird e TRegrasOracle, basicamente o que muda em nosso exemplo é a implementação de cada classe, mais nada impede de uma das classes ter um método a mais que a outra, desde que não exista na interface. O constructor e o destructor não fazem nada, mas foram colocados em nosso exemplo, apenas para demonstrar que é possível instanciar a classe diretamente sem ser referenciada pela interface. Listagem 3. Classe de negócios para o Oracle unit uclasseoracle; interface uses uinterfaceregrasbd; type TRegrasOracle = class(tinterfacedobject, IRegrasBD) private FUsuario: string; FSenha: string;

5 5 protected { Métodos Obrigatórios da Interface das RegrasBD } function GetDriverName: string; function GetLibraryName: string; function GetVendorLib: string; function GetUsuario: string; function GetSenha: string; procedure SetUsuario(const Value: string); procedure SetSenha(const Value: string); {Fim dos Métodos da Interface RegrasBD} public constructor Create; destructor Destroy; override; property DriverName: string read GetDriverName; property LibraryName: string read GetLibraryName; property VendorLib: string read GetVendorLib; property Usuario: string read GetUsuario write SetUsuario; property Senha: string read GetSenha write SetSenha; implementation uses SysUtils; { TRegrasOracle } constructor TRegrasOracle.Create; SetUsuario(''); SetSenha(''); destructor TRegrasOracle.Destroy; inherited; function TRegrasOracle.GetDriverName: string; Result := 'Oracle'; function TRegrasOracle.GetLibraryName: string; Result := 'dbxora30.dll'; function TRegrasOracle.GetSenha: string; Result := FSenha; function TRegrasOracle.GetUsuario: string; Result := FUsuario; function TRegrasOracle.GetVendorLib: string; Result := 'oci.dll' procedure TRegrasOracle.SetSenha(const Value: string);

6 6 FSenha := 'system' FSenha := Value; procedure TRegrasOracle.SetUsuario(const Value: string); FUsuario := 'manager' FUsuario := Value; end. Criando um exemplo básico Voltando ao formulário principal Form1 da nossa aplicação vamos criar um programa simples para listar as regras definidas de cada banco de dados suportado, apenas para demonstrar como será instanciada a interface em nosso exemplo. Na Figura 1 segue o layout e os componentes necessários que serão utilizados em nosso exemplo e na Listagem 4, a implementação do botão Listar Regras. Dê um duplo clique no botão e escreva o código conforme a Listagem 4, para exemplificarmos a criação de nossas classes de acesso a banco de dados. Para o nosso exemplo são passadas na seção Implementation as Unit s uinterfaceregrasbd, uclassefirebird e uclasseoracle, as quais criamos nas listagens 1, 2 e 3. A principal ação aqui nesse exemplo é a declaração da variável vregrasbd do tipo IRegrasBD, que será instanciada em uma das classes de acesso que criamos. Na Unit de nossa interface, foi definido um tipo enumerado, bdfirebird = 0, bdoracle = 1... bdmysql = 4, sabendo-se disto, então foi colocado na mesma ordem no RadioGroup para que tenham o mesmo índice, então, o valor do índice selecionado do RadioGroup corresponderá a classe que será instanciada. Com a verificação se a interface foi referenciada será retornado no ListBox1, o valor de cada propriedade das regras que foram definidas. No final, repare que somente é passado nil a interface, isto se deve porque na classe TInterfacedObject, é implementada uma contagem por referência que libera automaticamente a instância quando não mais existir uma referência. Repare a diferença das classes TClasseFirebird e TClasseOracle, respectivamente nas Figuras 1 e 2 e na Figura 3 veja a mensagem que será disparada caso a tenha algum banco de dados que não foi implementado. Figura 1. Exemplo da listagem da classe Firebird.

7 7 Figura 2. Exemplo da listagem da classe Oracle. Figura 3. Mensagem de erro da classe PostGreeSQL que não foi implementada. Listagem 4. Código do programa usando as classes implementation uses uinterfaceregrasbd, uclassefirebird, uclasseoracle; {$R *.dfm} procedure TForm1.Button1Click(Sender: TObject); var vregrasbd: IRegrasBD; { Limpa todos os itens do ListBox caso possua algo. } ListBox1.Items.Clear; try { Criação das regras conforme o tipo do banco de dados especificado no parâmetro. } case TTipoBD(RadioGroup1.ItemIndex) of bdfirebird: vregrasbd := TRegrasFirebird.Create; bdoracle: vregrasbd := TRegrasOracle.Create; bdsqlserver: raise Exception.Create('Banco de dados SQL Server ainda não suportado.'); bdpostgreesql: raise Exception.Create('Banco de dados PostGreeSQL ainda não suportado.'); bdmysql: raise Exception.Create('Banco de dados MySQL ainda não suportado.');

8 8 if Assigned(vRegrasBD) then ListBox1.Items.Add('DriveName: ' + vregrasbd.drivername); ListBox1.Items.Add('LibraryName: ' + vregrasbd.libraryname); ListBox1.Items.Add('VendorLib: ' + vregrasbd.vendorlib); ListBox1.Items.Add('Usuario: ' + vregrasbd.usuario); ListBox1.Items.Add('Senha: ' + vregrasbd.senha); finally vregrasbd := nil; end. Conclusão Vimos nesse simples exemplo como utilizar os conceitos de interface para definir regras de uma aplicação multi-banco, com o objetivo de abrir uma porta para um mundo de novas possibilidades que agora você poderá utilizar em suas aplicações. E aqueles que nesse momento estão cheios de novas idéias, vale apena terminar o exemplo e implementar as classes TRegrasSQLServer, TRegrasPostGreeSQL e TRegrasMySQL. Muito obrigado e até a próxima.

Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Parte II

Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Parte II Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Parte II Quantas vezes eu não lamentei por este componente não ter uma propriedade que guardasse uma lista paralela a lista que é mostrada em

Leia mais

Servidores REST usando TMS Aurelius e DataSnap

Servidores REST usando TMS Aurelius e DataSnap Servidores REST usando TMS Aurelius e DataSnap Introdução Em artigo anterior a framework na Active Delphi, apresentados o TMS Aurelius, uma framework para mapeamento objeto-relacional (ORM) e mostramos

Leia mais

Podemos agora ver no IDE do Morfik os objetos que já incorporamos ao nosso projeto :

Podemos agora ver no IDE do Morfik os objetos que já incorporamos ao nosso projeto : Podemos agora ver no IDE do Morfik os objetos que já incorporamos ao nosso projeto : O form Index A tabela Fotos A query Q_seleção_de_fotos Vide figura 46. Figura 46 O próximo passo é criar um form que

Leia mais

Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes

Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Você já não precisou de uma determinada propriedade (que não foi implementada) num componente? Por exemplo: Quem nunca precisou de uma propriedade

Leia mais

Índice. Tutorial para Desenvolvimento de Conduits em Delphi

Índice. Tutorial para Desenvolvimento de Conduits em Delphi Índice Índice...1 Desenvolvendo Conduits...2 (Passo a Passo)...2 Criando um Arquivo.mdb... 2 Arquivos...6 Instalando os componentes... 7 Recompilando os Comonentes do Delphi...13 Configurando a Conexão

Leia mais

Neste capítulo discutiremos o que é uma DLL, seus aspectos e tipos e ainda, porquê é tão importante para as aplicações Windows

Neste capítulo discutiremos o que é uma DLL, seus aspectos e tipos e ainda, porquê é tão importante para as aplicações Windows DINAMIC LINK LIBRARIES Capítulo 7 Neste capítulo discutiremos o que é uma DLL, seus aspectos e tipos e ainda, porquê é tão importante para as aplicações Windows O QUE É UMA DLL? Dinamic Link Libraries

Leia mais

Mapeamento Objeto-Relacional Usando o TMS Aurelius

Mapeamento Objeto-Relacional Usando o TMS Aurelius Mapeamento Objeto-Relacional Usando o TMS Aurelius Desenvolver sistemas com banco de dados é um dos usos mais comuns do Delphi. Porém lidar com comandos SQL pode ser uma tarefa enfadonha. Em geral, ao

Leia mais

Capítulo 11. WebSnap. Conhecendo os componentes. Algumas curiosidades. 202 Delphi 7 Internet e Banco de Dados

Capítulo 11. WebSnap. Conhecendo os componentes. Algumas curiosidades. 202 Delphi 7 Internet e Banco de Dados 202 Delphi 7 Internet e Banco de Dados Capítulo 11 WebSnap O WebSnap, presente desde a versão 6 do Delphi, e a versão 2 do Kylix, tem como proposta e objetivo principal o desenvolvimento de aplicações

Leia mais

Evitando conflitos em aplicações multi-thread no Delphi/Kylix

Evitando conflitos em aplicações multi-thread no Delphi/Kylix LABORATÓRIO DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS - OOLAB Evitando conflitos em aplicações multi-thread no Delphi/Kylix Edmilson dos Santos de Jesus Salvador, março de 2002. ÍNDICE Agradecimentos............ 2 Aplicações

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Introdução a Banco de Dados Ricardo Henrique Tassi - Departamento de Replicação Índice 1- Introdução... 03 2- Quais são os bancos de dados mais conhecidos hoje em dia...04 3- Quais são os tipos de banco...05

Leia mais

Tutorial de Computação Introdução a Programação Gráfica em Lazarus Para MEC 1100 v2010.10

Tutorial de Computação Introdução a Programação Gráfica em Lazarus Para MEC 1100 v2010.10 Tutorial de Computação Introdução a Programação Gráfica em Lazarus Para MEC 1100 v2010.10 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212

Leia mais

PROJECT 1 Delphi Project (Extensão. DPR)

PROJECT 1 Delphi Project (Extensão. DPR) CAPÍTULO2 1. A ESTRUTURA DE UM APLICATIVO Quando iniciamos uma aplicação em Delphi ele interpreta que iremos desenvolver um projeto. Este gerencia um conjunto de recursos como Forms, Units, objetos, funções

Leia mais

Capítulo 6. Delphi x Web x WebBroker. Primeiro Exemplo (Hello World)

Capítulo 6. Delphi x Web x WebBroker. Primeiro Exemplo (Hello World) 66 Delphi 7 Internet e Banco de Dados Capítulo 6 Delphi x Web x WebBroker Para entender como funcionam as aplicações servidoras desenvolvidas em Delphi, nada melhor do que aprender na prática. A cada exercício

Leia mais

Smart Laudos 1.9. A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos. Manual do Usuário

Smart Laudos 1.9. A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos. Manual do Usuário Smart Laudos 1.9 A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos Manual do Usuário Conteúdo 1. O que é o Smart Laudos?... 3 2. Características... 3 3. Instalação... 3 4. Menu do Sistema... 4 5. Configurando

Leia mais

Impressão de Código de Barras Uma abordagem prática ZEBRA ZPL2

Impressão de Código de Barras Uma abordagem prática ZEBRA ZPL2 1 Impressão de Código de Barras Uma abordagem prática ZEBRA ZPL2 por Victory Fernandes e Augusto Frederico Na Internet estão disponíveis diversos componentes para geração e impressão de Código de Barras

Leia mais

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Memória Flash Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

AMBIENTE. FORMULÁRIO: é a janela do aplicativo apresentada ao usuário. Considere o formulário como a sua prancheta de trabalho.

AMBIENTE. FORMULÁRIO: é a janela do aplicativo apresentada ao usuário. Considere o formulário como a sua prancheta de trabalho. DELPHI BÁSICO VANTAGENS Ambiente de desenvolvimento fácil de usar; 1. Grande Biblioteca de Componentes Visuais (VCL - Visual Component Library), que são botões, campos, gráficos, caixas de diálogo e acesso

Leia mais

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI CRIANDO UMA AUTENTICAÇÃO DE USUÁRIO UTILIZANDO O COMPONENTE QUERY A autenticação de usuários serve para

Leia mais

Fortes Report Parte 1 Desenvolvendo o Primeiro Relatório

Fortes Report Parte 1 Desenvolvendo o Primeiro Relatório Fortes Report Parte 1 1 Fortes Report Parte 1 Desenvolvendo o Primeiro Relatório Amigos, fazer relatórios é o famoso mal necessário, que particularmente eu não me incomodo em desenvolver, até porque, geralmente

Leia mais

Usando o evento OnFilterRecord para filtrar ClientDataSets

Usando o evento OnFilterRecord para filtrar ClientDataSets Usando o evento OnFilterRecord para filtrar ClientDataSets O objetivo mais importante no desenvolvimento de um programa é fornecer ao cliente maior liberdade para usar as interfaces e ao mesmo tempo tornar

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. O Paradigma da Orientação a Objeto

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. O Paradigma da Orientação a Objeto UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO O Paradigma da Orientação a Objeto Apresentada em Cumprimento Parcial dos Requerimentos para

Leia mais

Criação de Objetos ASP em Delphi 5.0

Criação de Objetos ASP em Delphi 5.0 Criação de Objetos ASP em Delphi 5.0 Por Adenilton Rodrigues Aden@aden.com.br Belo Horizonte MG 2001 Este documento pode ser livremente copiado e distribuído. Sua modificação só será permitida mediante

Leia mais

Criando uma agenda simples com NetBeans 6.5

Criando uma agenda simples com NetBeans 6.5 Criando uma agenda simples com NetBeans 6.5 (Swing application framework e Beansbinding) Já faz algum tempo que escrevi uma agenda simples usando o Eclipse com o Visual Class Editor. Demorei em torno de

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

Conteúdo O que é?... 4 Histórico... 4 Onde Baixar?... 4 Diferença entre Firebird e o Interbase... 4 Como instalar?... 4 Instalando o Ibexpert...

Conteúdo O que é?... 4 Histórico... 4 Onde Baixar?... 4 Diferença entre Firebird e o Interbase... 4 Como instalar?... 4 Instalando o Ibexpert... Apostila FIREBIRD 1 Firebird Equipe: BARBARA CAROLINE SOUZA DE OLIVEIRA Nº 04 GUILHERME ROBERTO PINTO DE SOUZA Nº 16 JOSÉ ROSA MARTINS NETO Nº 22 RAFAEL ALVES DE SOUSA Nº 36 WELLINGTON COSTA SANTOS OLIVEIRA

Leia mais

Manual de Instalação do Facilite e Configuração do Banco de Dados

Manual de Instalação do Facilite e Configuração do Banco de Dados Pagina 1 Titulo do Manual [Parâmetros Gerais] Elaboração [Ricardo Francisco Mizael] Versão 1.1 Data Elaboração 01/08/2011 Paginas 33 Data Revisão 25/11/2011 Pagina 2 Conteúdo do Manual Apresentação...3

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

Manual de Instalação ProJuris8

Manual de Instalação ProJuris8 Manual de Instalação ProJuris8 Sumário 1 - Requisitos para a Instalação... 3 2 - Instalação do Firebird.... 4 3 - Instalação do Aplicativo ProJuris 8.... 8 4 - Conexão com o banco de dados.... 12 5 - Ativação

Leia mais

DELPHI 7 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO AMBIENTE CLIENTE SERVIDOR

DELPHI 7 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO AMBIENTE CLIENTE SERVIDOR DELPHI 7 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO AMBIENTE CLIENTE SERVIDOR Fortaleza - CE Introdução ao ambiente de desenvolvimento delphi e preparação da interface basíca O ambiente delphi foi criado pela Borland Software

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

Persistência de Classes em Tabelas de Banco de Dados

Persistência de Classes em Tabelas de Banco de Dados UTFPR DAELN - Disciplina de Fundamentos de Programação II ( IF62C ). 1 Persistência de Classes em Tabelas de Banco de Dados 1) Introdução! Em algumas situações, pode ser necessário preservar os objetos

Leia mais

C# - Conexão com MySQL

C# - Conexão com MySQL E S T A A P R E S E N T A Ç Ã O F O I E L A B O R A D A COMO M A T E R I A L DE A P O I O À A U L A DO P R O F E S S O R L E O L A R B A C K A O S A L U N O S DA E S C O L A T É C N I C A P O L I M I G.

Leia mais

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA COOL 2.0V (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE Pré-requisitos para utilização do sistema....2 Parte I Navegador...2 Parte II Instalação do Interpretador de PDF...2 Parte III

Leia mais

Impressão de Código de Barras Uma abordagem prática para Zebra EPL2

Impressão de Código de Barras Uma abordagem prática para Zebra EPL2 1 Impressão de Código de Barras Uma abordagem prática para Zebra EPL2 por Victory Fernandes Na internet estão disponíveis diversos componentes para geração e impressão de Código de Barras utilizando o

Leia mais

Alternate Technologies Fevereiro/2013. FórmulaCerta Procedimentos para Atualização Versão 5.8 (Fevereiro/2013)

Alternate Technologies Fevereiro/2013. FórmulaCerta Procedimentos para Atualização Versão 5.8 (Fevereiro/2013) FórmulaCerta Procedimentos para Atualização Versão 5.8 () 1 Sumário: PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO VERSÃO 5.8... 4 ATUALIZAÇÃO DO SISTEMA VIA CD... 6 1º Passo Atualizações e Alterações da Versão 5.8...

Leia mais

G-Bar IGV. Instalação Versão 4.0

G-Bar IGV. Instalação Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço IGV Software Interpretador/ Gerenciador/ Visualizador de dados digitais de projetos CAD-TQS Instalação Versão 4.0 Manual do Usuário

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 Em qualquer profissão é importante que se conheça bem as ferramentas que serão usadas para executar o trabalho proposto. No desenvolvimento de software não é

Leia mais

Escrito por Qui, 13 de Outubro de 2011 19:51 - Última atualização Seg, 05 de Dezembro de 2011 12:05

Escrito por Qui, 13 de Outubro de 2011 19:51 - Última atualização Seg, 05 de Dezembro de 2011 12:05 Preço R$ 129.00 Compre aqui 8 gigabyte em arquivos, meu 3º e mais trabalhoso curso de Delphi 7 Avançado contendo: (Biometria (impressão digital), XML, Criptografia, Report Builder, Rave report, Fast Report,

Leia mais

Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL.

Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL. Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2012 Edição 7 Listando e Gravando Listando itens em ComboBox e gravando os dados no

Leia mais

AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP

AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP Antes de mais nada, vamos conhecer alguns conceitos, que serão importantes para o entendimento mais efetivos dos assuntos que trataremos durante a leitura desta apostila.

Leia mais

Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox.

Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox. Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox. - Construção do Banco de Dados: Para podermos inserir algo em um banco precisaremos de um Banco de Dados, para isto iremos montar um utilizando o Programa Database

Leia mais

Acessando a Porta Paralela com o Delphi. Vitor Amadeu Souza. vitor@cerne-tec.com.br

Acessando a Porta Paralela com o Delphi. Vitor Amadeu Souza. vitor@cerne-tec.com.br Acessando a Porta Paralela com o Delphi Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Introdução A Porta Paralela pode ser usada de forma a permitir a interface do computador com o mundo externo para acionamento

Leia mais

MÓDULOS GAVETEIROS MGI-20/MGI-40 AC MGI 2000 AC. Manual de Instruções

MÓDULOS GAVETEIROS MGI-20/MGI-40 AC MGI 2000 AC. Manual de Instruções MÓDULOS GAVETEIROS MGI-20/MGI-40 AC MGI 2000 AC Manual de Instruções Leia com Atenção Cód. Menno: 833020001 Rev.: 7 1. Apresentação A linha tradicional de módulos gaveteiros da MENNO sempre foi direcionada

Leia mais

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Abordagem geral Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br Em primeiro plano, deve-se escolher com qual banco de dados iremos trabalhar. Cada banco possui suas vantagens,

Leia mais

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI FORMULÁRIO COM ABAS E BUSCAS DE REGISTROS

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI FORMULÁRIO COM ABAS E BUSCAS DE REGISTROS ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI FORMULÁRIO COM ABAS E BUSCAS DE REGISTROS FORMULÁRIOS COM ABAS Trabalhar com abas (ou guias) é um recurso

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação A representação de algoritmos em uma pseudo-linguagem mais próxima às pessoas é bastante útil principalmente quando o problema a ser tratado envolve

Leia mais

Backup do Banco de Dados Oracle

Backup do Banco de Dados Oracle Banco de Dados Oracle: Backup do Banco de Dados Oracle Oracle é um sistema de banco de dados que surgiu no final dos anos 70, quando Larry Ellison vislumbrou uma oportunidade que outras companhias não

Leia mais

Capítulo 7. Antes de prosseguir com o Delphi, devemos criar o banco de dados Interbase ou Firebird com todas as suas propriedades.

Capítulo 7. Antes de prosseguir com o Delphi, devemos criar o banco de dados Interbase ou Firebird com todas as suas propriedades. 92 Delphi 7 Internet e Banco de Dados Capítulo 7 Projeto Cadastro de Clientes Neste capítulo iremos desenvolver um projeto completo de cadastro de clientes, com as principais funções: inclusão, alteração,

Leia mais

Capítulo 8. O recurso mais utilizado na Internet é sem dúvida o e-mail. Neste capítulo iremos tratar deste assunto com extrema facilidade.

Capítulo 8. O recurso mais utilizado na Internet é sem dúvida o e-mail. Neste capítulo iremos tratar deste assunto com extrema facilidade. Enviando E-mails 111 Capítulo 8 Enviando E-mails O recurso mais utilizado na Internet é sem dúvida o e-mail. Neste capítulo iremos tratar deste assunto com extrema facilidade. O Delphi 7 traz incorporado

Leia mais

END OF FILE: Tutorial Chat Em Delphi

END OF FILE: Tutorial Chat Em Delphi END OF FILE: Tutorial Chat Em Delphi fórum: http://offile.umforum.net site: http://fts315.xp3.biz autor: kõdo no kami (www.facebook.com/hacker.fts315) - skype: hackefts315 greetz: mmxm, sir.rafiki, suspeit0@virtual,

Leia mais

Projeto Supermercado - Produtos

Projeto Supermercado - Produtos OBJETIVO: Este projeto possibilitará fazer a manutenção dos dados da tabela de Produtos. Didaticamente, ele permite ao programador iniciante ter os primeiros contatos com os objetos de visualização individual

Leia mais

Conhecendo o Proteus

Conhecendo o Proteus Conhecendo o Proteus Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Em uma série de 3 artigos, veremos como usar o Proteus. Introdução Iremos neste momento iniciar nosso estudo no Proteus usando para isso as

Leia mais

Roteiro de Uso do InstallShield

Roteiro de Uso do InstallShield Roteiro de Uso do InstallShield Ao iniciar o InstallShield, a janela Welcome to InstallShield será exibida: Selecione a opção Create New Setup Project, para criar um novo modelo de instalação. A janela

Leia mais

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL CONSIDERAÇÕES INICIAIS Este manual tem como objetivo propiciar a integração do SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL junto as ADMINISTRADORAS

Leia mais

Manual (Office 365) Para acesso ao sistema de e-mails, os passos iniciais continuam os mesmos.

Manual (Office 365) Para acesso ao sistema de e-mails, os passos iniciais continuam os mesmos. Histórico de Alterações Versão Data Autor Função Descrição 1 14/09/2012 Roberto Gouveia Analista de Help Desk Criação inicial 2 19/11/2013 Roberto Gouveia Analista de Help Desk Atualização A partir de

Leia mais

Desenvolvimento para Android Prá3ca 3. Prof. Markus Endler

Desenvolvimento para Android Prá3ca 3. Prof. Markus Endler Desenvolvimento para Android Prá3ca 3 Prof. Markus Endler Exercício 3.1 Solicitando permissão para abrir uma página Web ü Criaremos uma Ac.vity com um EditText (para entrada de uma URL), um Bu?on e uma

Leia mais

Ponto Secullum 4 - Comunicando com o Equipamento de marcação de Ponto

Ponto Secullum 4 - Comunicando com o Equipamento de marcação de Ponto Ponto Secullum 4 - Comunicando com o Equipamento de marcação de Ponto O Ponto Secullum 4 comunica diretamente com os equipamentos de marcação de ponto informatizados de vários fabricantes. Desta forma,

Leia mais

Instalando o Sysloc versão 2.9.2 manualmente

Instalando o Sysloc versão 2.9.2 manualmente Instalando o Sysloc versão 2.9.2 manualmente Você só deverá instalar o Sysloc manualmente se a instalação automática não funcionar. Normalmente você vai utilizar o instalador do Sysloc e tudo funcionará,

Leia mais

Programa EndNote. Download para teste no site: http://www.endnote.com/endemo.asp. (Atualmente o EndNote está na versão 5x)

Programa EndNote. Download para teste no site: http://www.endnote.com/endemo.asp. (Atualmente o EndNote está na versão 5x) Programa EndNote 1. Informações O EndNote é um gerenciador de referências bibliográficas desenvolvido pela Thomson Reuters. O software permite armazenar e organizar as referências encontradas nas buscas

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I PROFESSOR RAFAEL BARRETO

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I PROFESSOR RAFAEL BARRETO ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI - UTILIZANDO OPENDIALOG PARA ARMAZENAR IMAGENS EM BANCO DE DADOS Criaremos uma solução simples para criar

Leia mais

COMO SOLICITAR O CADASTRO DE UM ITEM SSA Central de Cadastro

COMO SOLICITAR O CADASTRO DE UM ITEM SSA Central de Cadastro COMO SOLICITAR O CADASTRO DE UM ITEM SSA Central de Cadastro Índice 1. Fluxo de Solicitação 2. Acesso ao Aplicativo 3. Alteração de Senha 4. Opções do Menu 5. Pesquisar um item já existente 6. Como criar

Leia mais

Nota de Aplicação. Escrita em Banco de Dados SQL com o Vijeo Citect 1.0. Suporte Técnico Brasil. Versão:

Nota de Aplicação. Escrita em Banco de Dados SQL com o Vijeo Citect 1.0. Suporte Técnico Brasil. Versão: Nota de Aplicação Escrita em Banco de Dados SQL com o Vijeo Citect Versão: 1.0 Suporte Técnico Brasil Especificações técnicas Hardware: Software: Versão: Vijeo Citect 7.40 SP 2 SQL Server 2012 Suporte

Leia mais

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7 Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial do Rio Grande do Sul Informação e Comunicação: Habilitação Técnica de Nível Médio Técnico em Informática Programação Android na IDE Eclipse PROGRAMANDO ANDROID

Leia mais

PHP Orientado a Objetos Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Marcelo da Silveira Siedler siedler@gmail.com

PHP Orientado a Objetos Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Marcelo da Silveira Siedler siedler@gmail.com PHP Orientado a Objetos Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Marcelo da Silveira Siedler siedler@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Introdução

Leia mais

INSTALAÇÃO DO CHEF FOODS NET

INSTALAÇÃO DO CHEF FOODS NET INSTALAÇÃO DO CHEF FOODS NET Obs.: Caso já possua um programa compactador de arquivo pular a etapa 1. 1 - Compactador de Arquivo Para instalar o Chef Foods Net você precisa de um programa descompactador

Leia mais

A multimídia para ambiente Windows foi desenvolvida a poucos anos atrás e hoje é lugar comum, nesta seção discutimos alguns itens genéricos.

A multimídia para ambiente Windows foi desenvolvida a poucos anos atrás e hoje é lugar comum, nesta seção discutimos alguns itens genéricos. MULTIMÍDIA Capítulo 8 Neste capítulo apresentaremos alguns elementos de multimídia, tais como: sons e vídeos e também como utilizar os recursos usando o controle de multimídia do ambiente Delphi. O Delphi

Leia mais

Notas de Versão. Versão 6.0 SP1

Notas de Versão. Versão 6.0 SP1 Notas de Versão Versão 6.0 SP1 2013 Pitney Bowes Software Inc. Todos os direitos reservados. Esse documento pode conter informações confidenciais ou protegidas por direitos autorais pertencentes à Pitney

Leia mais

Processo de Envio de email

Processo de Envio de email Processo de Envio de email Introdução O envio de documentos de forma eletrônica vem sendo muito utilizado, assim o envio de arquivos, relatórios, avisos, informações é realizado via e-mail. O sistema disponibiliza

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

Curso Básico de Delphi Por Edwar Saliba Júnior. Índice:

Curso Básico de Delphi Por Edwar Saliba Júnior. Índice: Índice: - Escopo... 3 - Apresentação e Introdução ao Delphi... 4 o Exemplo_1 (Projeto ShowMessage)... 4 - Conceitos Básicos da Linguagem Obejct Pascal... 6 o Exemplo_2 (Projeto Frase)... 7 o Exemplo_3

Leia mais

Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage...

Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage... Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage... 12 Apresentação O Pitstop foi desenvolvido pela Interact com o objetivo

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Data alteração: 19/07/11 Pré Requisitos: Acesse o seguinte endereço e faça o download gratuito do SQL SRVER EXPRESS, conforme a sua plataforma x32 ou

Leia mais

Acadêmica: Giselle Mafra Schlosser Orientador: Everaldo Artur Grahl

Acadêmica: Giselle Mafra Schlosser Orientador: Everaldo Artur Grahl AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO CÓDIGO FONTE ESCRITO EM PL/SQL Acadêmica: Giselle Mafra Schlosser Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Tutorial MSN Messenger

Tutorial MSN Messenger Tutorial MSN Messenger Este tutorial irá ensiná-lo(a) a usar o programa MSN Messenger, utilizado para conversação Online. Dependendo da sua conexão a página pode demorar um pouco até ser carregada totalmente.

Leia mais

manual Versão 0.3 Português do Brasil (Brazilian Portuguese) FunTester 0.7c

manual Versão 0.3 Português do Brasil (Brazilian Portuguese) FunTester 0.7c manual Versão 0.3 Português do Brasil (Brazilian Portuguese) FunTester 0.7c Versões deste documento 0.3 Melhoria da Introdução; Descritos detalhes sobre Instalação e Extensões de Arquivos; Descritos tópicos

Leia mais

Framework InterLattes Construção de Módulos. Marcelo Domingos

Framework InterLattes Construção de Módulos. Marcelo Domingos Construção de Módulos Marcelo Domingos Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PRÉ-REQUISITOS... 5 2.1 Perfil da equipe... 5 2.2 Infra-estrutura... 5 3 TECNOLOGIA... 6 4 AÇÕES E EVENTOS INTERLATTES... 12 4.1 Eventos

Leia mais

É possível rodar o Klavix com o Interbase ou com o Firebird. Baixe da página da Loureiro um dos gerenciadores disponíveis e instale em sua máquina.

É possível rodar o Klavix com o Interbase ou com o Firebird. Baixe da página da Loureiro um dos gerenciadores disponíveis e instale em sua máquina. Como colocar o Klavix em rede Passo 1 Instalando o Gerenciador do Banco de dados É possível rodar o Klavix com o Interbase ou com o Firebird. Baixe da página da Loureiro um dos gerenciadores disponíveis

Leia mais

Sistema Click Principais Comandos

Sistema Click Principais Comandos Sistema Click Principais Comandos Sumário Sumário... 1 1. Principais Funções:... 2 2. Inserção de Registro (F6):... 3 3. Pesquisar Registro (F7):... 4 3.1 Pesquisa por letras:... 5 3.2 Pesquisa por números:...

Leia mais

FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA. Módulo de Programação Prof. Bruno Maciel

FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA. Módulo de Programação Prof. Bruno Maciel FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA Módulo de Programação Prof. Bruno Maciel Competências a serem trabalhadas nessa aula Criação da Base de Dados (MySQL) Criação de Tabelas Tipo de Dados Chave Primária

Leia mais

Omega Tecnologia Manual Omega Hosting

Omega Tecnologia Manual Omega Hosting Omega Tecnologia Manual Omega Hosting 1 2 Índice Sobre o Omega Hosting... 3 1 Primeiro Acesso... 4 2 Tela Inicial...5 2.1 Área de menu... 5 2.2 Área de navegação... 7 3 Itens do painel de Controle... 8

Leia mais

Configuração Do Firebird no Ide NetBeans

Configuração Do Firebird no Ide NetBeans Configuração Do Firebird no Ide NetBeans Inicialmente devemos fazer o download do Netbeans 5.5 localizado no site da Sun (www.sun.com). Em seguida baixar o driver JayBird, localizado no site do firebird

Leia mais

http://divulgafacil.terra.com.br/novahospedagem_4/configuracoes.html

http://divulgafacil.terra.com.br/novahospedagem_4/configuracoes.html Page 1 of 9 Veja abaixo como proceder para alterar as configurações de hospedagem do seu site: Na nova plataforma de hospedagem, a estrutura de diretórios FTP vai mudar um pouco. Ou seja, em caso de atualização

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP 1) Introdução Programação Orientada a Objetos é um paradigma de programação bastante antigo. Entretanto somente nos últimos anos foi aceito realmente

Leia mais

Safeweb DLL biblioteca para desenvolvimento

Safeweb DLL biblioteca para desenvolvimento Safeweb DLL biblioteca para desenvolvimento A DLL é um componente que contém uma biblioteca de métodos que auxiliam no desenvolvimento e integração dos serviços de Nota Fiscal eletrônica com os sistemas

Leia mais

Usando Borland DELPHI para implementar aplicações CORBA

Usando Borland DELPHI para implementar aplicações CORBA Página 1 de 10 USANDO BORLAND DELPHI PARA IMPLEMENTAR APLICAÇÕES CORBA por Simone Vey Dutra e César Bridi Introdução A Arquitetura CORBA Criando uma Aplicação CORBA em Delphi Criando um Servidor CORBA

Leia mais

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Atualizado em 24/08/2011 No final de 2007, o Serviço Técnico de Informática da UNESP Marília, disponibilizou para a comunidade acadêmica e administrativa o Sistema

Leia mais

Profº. Enrique Pimentel Leite de Oliveira

Profº. Enrique Pimentel Leite de Oliveira Profº. Enrique Pimentel Leite de Oliveira O termo orientação a objetos significa organizar o mundo real como uma coleção de objetos que incorporam estrutura de dados e um conjunto de operações que manipulam

Leia mais

Sistema básico de cadastro em Delphi com banco de dados InterBase.

Sistema básico de cadastro em Delphi com banco de dados InterBase. Sistema básico de cadastro em Delphi com banco de dados InterBase. Nesta apostila vamos abordar o uso do banco de dados Interbase e o acesso nativo com os componentes da paleta InterBase do Delphi, eu

Leia mais

Parte I. Demoiselle Vaadin

Parte I. Demoiselle Vaadin Parte I. Demoiselle Vaadin O Vaadin é um framework para construção de interfaces web que aplica ideias inovadoras. Apesar de usar o GWT como mecanismo para a exibição de seus componentes, eles tem características

Leia mais

INSTALAÇÃO DO SISTEMA CONTROLGÁS

INSTALAÇÃO DO SISTEMA CONTROLGÁS INSTALAÇÃO DO SISTEMA CONTROLGÁS 1) Clique duas vezes no arquivo ControlGasSetup.exe. Será exibida a tela de boas vindas do instalador: 2) Clique em avançar e aparecerá a tela a seguir: Manual de Instalação

Leia mais

Persistindo dados com TopLink no NetBeans

Persistindo dados com TopLink no NetBeans Persistindo dados com TopLink no NetBeans O que é TopLink? O TopLink é uma ferramenta de mapeamento objeto/relacional para Java. Ela transforma os dados tabulares de um banco de dados em um grafo de objetos

Leia mais

Manual Sistema Mó vel Msys Cómercial

Manual Sistema Mó vel Msys Cómercial Manual Sistema Mó vel Msys Cómercial Maravilha, 2014. 1 Sumário 1. REQUISITOS MÍNIMOS... 3 2. PRINCIPAIS TELAS E FUNCIONALIDADES... 4 2.1.1. Tela de acesso ao sistema.... 4 2.1.2. Tela Principal do Sistema....

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 Na aula anterior, vimos sobre: a) Janela de comando b) Gerenciador de Projetos c) Database Designer e Table Designer Prosseguiremos então a conhecer as ferramentas

Leia mais

JAVA COM BANCO DE DADOS PROFESSORA DANIELA PIRES

JAVA COM BANCO DE DADOS PROFESSORA DANIELA PIRES Conteúdo O Projeto... 2 Criação de Pacotes... 4 Factory:... 6 DAO:... 15 GUI (Graphical User Interface ou Interface Gráfica de Cadastro)... 18 Evento SAIR... 23 Evento CADASTRAR... 24 1 O Projeto Arquivo

Leia mais

1.2) Na tela seguinte, o primeiro item a ser selecionado é o Unidade Acumuladora1.

1.2) Na tela seguinte, o primeiro item a ser selecionado é o Unidade Acumuladora1. MANUAL DA NOVA VERSÃO DE ARQUIVAMENTO DO CPROD Na nova versão de Arquivamento que está sendo implementada no CPROD, antes de realizarmos o Arquivamento do Processo ou Documento em si, temos que criar no

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO. Plataforma Windows. Relatório Técnico Versão 0.1 (201305032030) Leandro Gomes da Silva, Tiago França Melo de Lima

GUIA DE INSTALAÇÃO. Plataforma Windows. Relatório Técnico Versão 0.1 (201305032030) Leandro Gomes da Silva, Tiago França Melo de Lima Laboratório de Engenharia e Desenvolvimento de Sistemas LEDS/UFOP Universidade Federal de Ouro Preto UFOP GUIA DE INSTALAÇÃO Plataforma Windows Relatório Técnico Versão 0.1 (201305032030) Leandro Gomes

Leia mais

Guia de administração para a integração do Portrait Dialogue 6.0. Versão 7.0A

Guia de administração para a integração do Portrait Dialogue 6.0. Versão 7.0A Guia de administração para a integração do Portrait Dialogue 6.0 Versão 7.0A 2013 Pitney Bowes Software Inc. Todos os direitos reservados. Esse documento pode conter informações confidenciais ou protegidas

Leia mais

Aula Dirigida de Introdução ao Dev-C++

Aula Dirigida de Introdução ao Dev-C++ Aula Dirigida de Introdução ao Dev-C++ 1 Introdução Departamento de Ciência da Computação IME/USP J.C. de Pina, J. Soares e C.H. Morimoto O que vem a ser um programa em C? Você talvez já tenha ouvido falar

Leia mais