PESQUISA SOBRE A SITUAÇÃO DAS EMPRESAS PARANAENSES EM RELAÇÃO AO MEIO AMBIENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PESQUISA SOBRE A SITUAÇÃO DAS EMPRESAS PARANAENSES EM RELAÇÃO AO MEIO AMBIENTE"

Transcrição

1 PESQUISA SOBRE A SITUAÇÃO DAS EMPRESAS PARANAENSES EM RELAÇÃO AO MEIO AMBIENTE Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico. Pós-graduado em Engenharia Sanitária e Ambiental, com especialização em Sistemas de Gestão Ambiental no Brasil e Canadá. Possui mais de treze anos de experiência como engenheiro de projetos e consultor na área ambiental. Atualmente desenvolve trabalhos na área de Assessoria Técnica em Gestão Ambiental no SENAI-CETSAM (Centro de Tecnologia em Saneamento e Meio Ambiente) em Curitiba - PR. Ana Sylvia Zeny Engenheira Civil, com especialização em Engenharia Sanitária pelo International Institute for Hydraulic and Environmental Engineering em Delft-Holanda e na área de Gestão Ambiental no Brasil e Canadá. Atualmente desenvolve trabalhos na área de Assessoria Técnica e Gestão Ambiental no SENAI-CETSAM (Centro de Tecnologia em Saneamento e Meio Ambiente) em Curitiba - PR. Possui mais de 15 anos de experiência como engenheira de projetos e consultora na área de esgotamento sanitário e tratamento de esgotos, bem como elaboração de Estudos de Avaliação de Impacto Ambiental e RIMA. Gláucia Espíndola Machado Schilling Engenheira Sanitarista, com mestrado em Engenharia de Produção e Sistemas na área de resíduos sólidos domésticos e curso de gerenciamento de resíduos sólidos industriais no Canadá. Atualmente desenvolve trabalhos na área de Gestão Ambiental no SENAI- CETSAM (Centro de Tecnologia em Saneamento e Meio Ambiente) em Curitiba - PR. Experiência na área de elaboração de projetos de dimensionamento de redes coletoras de esgoto e tratamento de efluentes industriais. Endereço (1) : Rua N. S. da Cabeça, CIC - Curitiba - PR - CEP: Brasil - Tel: (041) Fax: (041) RESUMO O perfil da indústria paranaense, e por extensão a do Brasil, em relação ao meio ambiente, retratada nesta pesquisa, revela que existem algumas questões ambientais importantes que precisam ser incrementadas para manter e melhorar o nível de competitividade da nossa indústria frente aos novos desafios decorrentes de uma economia globalizada e cada vez mais exigente em relação a responsabilidade das empresas frente aos impactos ambientais de suas atividades, produtos e serviços. PALAVRAS-CHAVE: Pesquisa, Indústrias Paranaenses, Meio Ambiente, Setores Industriais. INTRODUÇÃO O Sistema FIEP (Federação das Indústrias do Estado do Paraná), e o SENAI-PR por extensão, têm como missão principal contribuir para o fortalecimento do setor industrial e o desenvolvimento sustentável do Paraná, promovendo a educação para o trabalho, a 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 3907

2 assessoria técnica e tecnológica, a produção e disseminação da informação e a adequação, difusão e geração de tecnologias. Dentro deste contexto, o SENAI-CETSAM, que presta serviços na área ambiental, realizou esta pesquisa, e após a tabulação dos dados e com os resultados obtidos, esperamos ser possível traçar um perfil da indústria paranaense em relação as várias questões ambientais buscando identificar a realidade, os problemas e desafios em relação as questões ambientais. OBJETIVOS Este trabalho teve como objetivo realizar pesquisa junto às indústrias do Estado do Paraná visando levantar informações e traçar um perfil das ações e intenções do setor industrial paranaense em relação às seguintes questões ambientais. Tratamento de águas e efluentes industriais; Sistemas de tratamento / controle de emissões atmosféricas; Reciclagem ou reutilização de resíduos sólidos no processo de produção; Existência de equipes ou departamentos que cuidam das questões ambientais; Acesso a informações tecnológicas; Programas de redução de desperdício de água e energia; Desenvolvimento de pesquisa aplicada à melhoria do processo produtivo; Desenvolvimento de programas de treinamento na área ambiental. Implantação de sistemas da qualidade (ISO 9000) e gestão da qualidade ambiental (ISO 14000). METODOLOGIA Para a execução da pesquisa foi necessária a composição de uma equipe com: 2 (dois) técnicos para elaborar o projeto, selecionar e treinar os estagiários, acompanhar a pesquisa, analisar os dados levantados e redigir o relatório final; e, 2 (dois) estagiários de nível universitário oriundos de áreas técnicas para proceder o levantamento das indústrias que compuseram a amostra, enviar mala direta, realizar entrevistas, tabular os dados coletados e executar tarefas administrativas do projeto. A responsabilidade pela coordenação técnica da pesquisa esteve a cargo de Manuel Victor da Silva Baptista, engenheiro da Área de Conhecimento em Gestão e Tecnologia Ambiental do SENAI-CETSAM (Centro Nacional de Tecnologia em Saneamento e Meio Ambiente). O desenvolvimento da pesquisa contou com a colaboração da GWZ - Gesellschaft Für Internationale Wirtschaftliche Zusammenarbeit Baden-Wurttemberg mbh. Universo da Pesquisa / Amostra Trabalhada A pesquisa envolveu os setores industriais mais expressivos do Estado do Paraná, incluindo: 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 3908

3 Papel e Celulose Têxtil Química Bebidas Produtos Alimentares Refinação de Petróleo / Destilação de Álcool Madeira Minerais Não-Metálicos Metal/Mecânica A partir desta seleção foram quantificados os estabelecimentos industriais por setor. Para a composição da amostra da pesquisa, do total de cada setor, representando pequenas, médias e grandes empresas, foram excluídas as empresas com menos de 10 empregados. Para efeito desta pesquisa foi considerado: pequena empresa: 10 a 100 empregados média empresa: 101 a 500 empregados grande empresa: acima de 500 RESULTADOS Retorno dos questionários Os questionários foram enviados, por mala direta, para 3405 indústrias, sendo que deste universo foi obtido um total de 459 respostas que foram tabuladas e cujos resultados são apresentados ao longo deste trabalho. Representamos na figura 1 o universo de empresas que responderam ao questionário, onde se pode constatar que a maioria corresponde a empresas de pequeno e médio porte, com exceção das empresas de papel e celulose e refinarias que, em geral, como é de se esperar, são empresas de grande porte. Figura 1: Representatividade das empresas em função do porte. 70% 5% 25% EMPRESAS GRANDES EMPRESAS MÉDIAS EMPRESAS PEQUENAS A tabela 1 apresenta a distribuição espacial da amostragem, cobrindo o Estado do Paraná como um todo. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 3909

4 Tabela 1 Distribuição dos questionários respondidos por região do Estado. Interior % Curitiba % RMC % Papel e Celulose 53,84 15,40 30,76 Têxtil 72,72 27,28 0,00 Química 40,00 28,00 32,00 Bebidas 76,93 7,70 15,37 Produtos Alimentares 86,32 6,83 6,85 Ref. de Petróleo / Dest. de Álcool 100,00 0,00 0,00 Madeira 77,30 12,00 10,70 Minerais Não-Metálicos 67,28 10,90 21,82 Metal/Mecânica 50,00 20,83 29,17 Outros 61,55 7,69 30,76 Média 68,60 13,65 17,75 Dentre as empresas participantes desta pesquisa, mostramos na figura 2 as empresas que exportam algum de seus produtos para o mercado externo. Figura 2 Empresas do Estado do Paraná que exportam produtos. 60 Empresas que exportam algum de seus produtos Situação das empresas em relação as questões ambientais Tecnologia ambiental As empresas foram questionadas a respeito de possuírem sistemas de tratamento de efluentes industriais, sistemas de tratamento de águas industriais e sistemas de tratamento/controle de emissões atmosféricas. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 3910

5 Tratamento de Efluentes Industriais. Setor % de empresas com Sistema de Tratamento Papel e Celulose 57,1 Têxtil 9,1 Química 40,0 Bebidas 58,3 Produtos Alimentares 40,5 Ref. de Petróleo / Dest. de Álcool 41,7 Madeira 6,7 Minerais Não-Metálicos 9,0 Metal/Mecânica 13,1 Outros 7,1 Tratamento de Águas Industriais. % de empresas com Sistema de Tratamento Papel e Celulose 57,1 Têxtil 18,2 Química 24,0 Bebidas 58,3 Produtos Alimentares 38,8 Ref. de Petróleo / Dest. de Álcool 83,3 Madeira 17,3 Minerais Não-Metálicos 16,4 Metal/Mecânica 11,1 Outros 7,1 Tratamento / Controle de Emissões Atmosféricas. % de empresas com Tratamento/Controle Papel e Celulose 50,0 Têxtil 9,1 Química 12,0 Bebidas 66,7 Produtos Alimentares 22,3 Ref. de Petróleo / Dest. de Álcool 16,7 Madeira 24,0 Minerais Não-Metálicos 16,4 Metal/Mecânica 14,1 Outros 14,3 Gerenciamento dos Resíduos Sólidos As empresas foram questionadas sobre a geração de resíduos, sua reutilização e reciclagem, bem como o destino dos mesmos. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 3911

6 Reutilização e reciclagem dos resíduos gerados. % de empresas que reutilizam e/ou reciclam Papel e Celulose 42,9 Têxtil 45,5 Química 52,0 Bebidas 41,7 Produtos Alimentares 38,8 Ref. de Petróleo / Dest. de Álcool 91,7 Madeira 66,7 Minerais Não-Metálicos 41,8 Metal/Mecânica 37,4 Outros 28,6 Destinação adequada dos resíduos gerados. % de empresas com destinação adequada Papel e Celulose 28,6 Têxtil 54,5 Química 36,0 Bebidas 58,3 Produtos Alimentares 45,5 Ref. de Petróleo / Dest. de Álcool 75,0 Madeira 54,7 Minerais Não-Metálicos 36,4 Metal/Mecânica 54,5 Outros 21,4 Utilização de água e programas de redução de água e energia As empresas foram questionadas no tocante a fonte(s) de captação de água, de maneira a fornecer um quadro da sua utilização, considerando principalmente a Lei de Recursos Hídricos que prevê o pagamento pela captação de água de poço e/ou de rio, além da já existente outorga para captação. Poço Rio SANEPAR Poço e rio Poço e SANEPAR Rio e SANEPAR Poço Rio e SANEPAR Papel e Celulose - 28,6 21,4 35, Têxtil 45,5-27, Química 12,0-64,0 8,0 12,0 - - Bebidas 63,6-27,3-9,1 - - Produtos Alimentares 34,5 2,5 39,5 5,9 13,4 - - Ref. De Petróleo/Dest. - 58,3-33, De Álcool Madeira 24,3 8,1 50,0-13,5 5,4 - Minerais Não-Metálicos 27,8 9,3 42,6-14,8 1,9 1,9 Metal/Mecânica 9,5 1,1 72,6-13,7 1,1 1,1 Outros 18,2-81, Também foram questionadas em relação a existência de programa interno de redução de desperdício de água e de energia. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 3912

7 Setor Existe programa interno de redução de desperdício Papel e Celulose 57,1 Têxtil 45,5 Química 48,0 Bebidas 50,0 Produtos Alimentares 57,0 Ref. De Petróleo / Dest. De Álcool 41,7 Madeira 33,3 Minerais Não-Metálicos 38,2 Metal/Mecânica 32,3 Outros 28,6 Pessoal e formação Neste aspecto, as empresas foram questionadas sobre a existência de uma equipe ou departamento que se ocupa das questões ambientais, assim como da existência de programas de treinamento para funcionários na área de meio ambiente. Existe equipe ou departamento de meio ambiente Existe programa de treinamento ambiental Papel e Celulose 35,7 35,7 Têxtil 0 0 Química 16,0 20,0 Bebidas 41,7 25,0 Produtos Alimentares 21,5 28,1 Ref. de Petróleo / Dest. de Álcool 16,7 25,0 Madeira 9,3 5,3 Minerais Não-Metálicos 25,5 16,4 Metal/Mecânica 11,1 10,1 Outros 21,4 28,6 Informação e desenvolvimento Quanto a área de informação, as empresas foram questionadas sobre o acesso a informações sobre novas tecnologias no seu ramo de atividade. Também foram levantados dados sobre desenvolvimento de pesquisa aplicada para melhoria do processo produtivo. Acesso a informação (%) Desenvolvimento de pesquisa aplicada (%) Papel e Celulose 57,1 71,4 Têxtil 72,7 54,5 Química 88,0 64,0 Bebidas 91,7 41,7 Produtos Alimentares 62,0 48,8 Ref. de Petróleo / Dest. de Álcool 75,0 66,7 Madeira 48,0 22,7 Minerais Não-Metálicos 54,5 30,9 Metal/Mecânica 53,5 46,5 Outros 42,9 28,6 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 3913

8 Sistemas de Gestão As empresas foram questionadas a respeito de Sistema de Gestão da Qualidade e Sistema de Gestão Ambiental, especificamente em relação às normas ISO 9000 e ISO ISO 9000 Não tem Interesse nos próximos Fase de Certificada interesse dois anos implantação Papel e Celulose 0 64,3 0 35,7 Têxtil 9,0 63,6 18,2 0 Química 4,0 64,0 20,0 4,0 Bebidas 16,7 33,3 33,3 0 Produtos Alimentares 19,8 72,0 10,7 2,5 Ref. de Petróleo / Dest. de Álcool 8,3 75,0 8,3 0 Madeira 26,7 54,7 4,0 0 Minerais Não-Metálicos 9,0 61,8 3,6 1,8 Metal/Mecânica 5,1 59,6 20,2 7,1 Outros 7,1 64,3 21,4 0 ISO Não tem Interesse nos próximos Fase de Certificada interesse dois anos implantação Papel e Celulose 7,1 14,3 21,4 0,0 Têxtil 0,0 18,2 0,0 0,0 Química 0,0 12,0 0,0 0,0 Bebidas 8,3 33,3 0,0 0,0 Produtos Alimentares 10,7 23,1 4,1 0,0 Ref. de Petróleo / Dest. de Álcool 0,0 0,0 0,0 0,0 Madeira 6,7 13,3 1,3 0,0 Minerais Não-Metálicos 3,6 16,4 0,0 0,0 Metal/Mecânica 9,1 14,1 1,0 0,0 Outros 7,1 21,4 0,0 0,0 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 3914

ÍNDICE P+L ÍNDICE P+L ÍNDICE DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA PARA A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

ÍNDICE P+L ÍNDICE P+L ÍNDICE DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA PARA A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ÍNDICE P+L ÍNDICE P+L ÍNDICE DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA PARA A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DO ESTADO DE MINAS GERAIS + O QUE É PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente,

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 CADERNO DE PROGRAMA AMBIENTAL EDUCACIONAL ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 PROGRAMA DE REDUÇÃO DO VOLUME E DESTINAÇÃO DA COLETA SELETIVA DOS MATERIAIS DESCARTADOS Programa Nº 05/2016

Leia mais

3.3 DISTRIBUIÇÃO DOS RESÍDUOS INVENTARIADOS POR TIPOLOGIA

3.3 DISTRIBUIÇÃO DOS RESÍDUOS INVENTARIADOS POR TIPOLOGIA 58 DISTRIBUIÇÃO DOS RESÍDUOS INVENTARIADOS Quadro 10 Principais formas de destinação do tipo Destino Externo dos resíduos nãoperigosos, percentagem em relação ao total de resíduos, principais resíduos

Leia mais

3.2 DISTRIBUIÇÃO DOS RESÍDUOS INVENTARIADOS

3.2 DISTRIBUIÇÃO DOS RESÍDUOS INVENTARIADOS 40 DISTRIBUIÇÃO DAS INDÚSTRIAS INVENTARIADAS Como é mostrado no Quadro, dos 68 municípios inventariados, os 02 mais representativos, em número de indústrias, são Recife e Jaboatão do Guararapes. Para Recife,

Leia mais

Elaboração do Plano de Gestão de Logística Sustentável do Senado Federal - PGLS

Elaboração do Plano de Gestão de Logística Sustentável do Senado Federal - PGLS Elaboração do Plano de Gestão de Logística Sustentável do Senado Federal - PGLS Sustentabilidade Contexto Aumento no número de pessoas Maior quantidade de recursos explorados Produção e consumo: compras

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 024/2002-CEMA, de 26 de agosto de 2.002

RESOLUÇÃO N.º 024/2002-CEMA, de 26 de agosto de 2.002 RESOLUÇÃO N.º 024/2002-CEMA, de 26 de agosto de 2.002 O CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE CEMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Estadual n.º 7.978, de 30 de novembro de 1984, alterada

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO A RMRJ NO CONTEXTO NACIONAL: ATUALMENTE EXISTEM 41 REGIÕES METROPOLITANAS NO BRASIL, SENDO QUE 21 POSSUEM MAIS DE 1 MILHÃO DE HABITANTES,

Leia mais

SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO

SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO Ministério do Meio Ambiente O Projeto de Elaboração do Plano de Desenvolvimento Territorial Sustentável Socioambientais Prioritários/Vale do

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Campus Guarulhos

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Campus Guarulhos Relação dos objetivos propostos pela Congregação para as comissões da EFLCH Doc.1 GUARULHOS OUTUBRO DE 2011 1 Relação dos objetivos propostos pela Congregação para as comissões 1.Comissão de Avaliação

Leia mais

OPORTUNIDADE PARA INDÚSTRIAS ASSOCIADAS SINDIMETAL/PR

OPORTUNIDADE PARA INDÚSTRIAS ASSOCIADAS SINDIMETAL/PR OPORTUNIDADE PARA INDÚSTRIAS ASSOCIADAS SINDIMETAL/PR O QUE É O PROGRAMA? O Brasil Mais Produtivo é um Programa do Governo Federal, coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comercio Exterior

Leia mais

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia 26 de novembro de 2015 10h às 17h30 Sistema FIRJAN Rio de Janeiro Gestão Eficiente de Água Case Casa da Moeda Marcos Pereira Casa da Moeda CASA DA MOEDA DO BRASIL

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SANEAMENTO AMBIENTAL

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SANEAMENTO AMBIENTAL EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SANEAMENTO AMBIENTAL Rio de Janeiro - Março 2013 Sumário 1 - Panorama Brasileiro 2 - Panorama do Setor de Saneamento 3 - Procel Sanear 4 - Procel Sanear Objetivos 5 - Procel Sanear

Leia mais

Perspectivas Estruturais do Mercado de Trabalho na Industria Brasileira - 2020

Perspectivas Estruturais do Mercado de Trabalho na Industria Brasileira - 2020 Perspectivas Estruturais do Mercado de Trabalho na Industria Brasileira - 2020 Fevereiro 2012 Sistema FIRJAN Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Associativo Gerência de Pesquisas e Estatística Objetivo

Leia mais

Oportunidades de Melhorias Ambientais. Ivan Dornelas

Oportunidades de Melhorias Ambientais. Ivan Dornelas Oportunidades de Melhorias Ambientais Ivan Dornelas Construção Civil Produção Mineral Metalmecânica e Plásticos Alimentos e Bebidas Oportunidades de Melhorias Ambientais Oportunidades de Melhorias Ambientais

Leia mais

Avaliação dos serviços da Biblioteca Central da UEFS: pesquisa de satisfação do usuário

Avaliação dos serviços da Biblioteca Central da UEFS: pesquisa de satisfação do usuário Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Avaliação dos serviços da Biblioteca Central da UEFS: pesquisa de satisfação do usuário Maria do Carmo Sá Barreto Ferreira (UEFS) - carmo@uefs.br Isabel Cristina Nascimento

Leia mais

C,T&I e a Defesa Nacional: a Visão da Indústria

C,T&I e a Defesa Nacional: a Visão da Indústria C, T & I e a Defesa Nacional: A visão da indústria C,T&I e a Defesa: a visão da indústria A indústria e a Defesa Nacional Os desafios de C,T&I no País e a visão da CNI para a Política de Inovação Os desafios

Leia mais

3 Metodologia de Pesquisa 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia de Pesquisa 3.1 Tipo de Pesquisa 47 3 Metodologia de Pesquisa 3.1 Tipo de Pesquisa Neste capítulo será apresentado o tipo de pesquisa desenvolvida, a unidade de análise, o processo de escolha dos sujeitos de pesquisa, a coleta e o tratamento

Leia mais

Materiais 24-02-2016. Os materiais naturais raramente são utilizados conforme os encontramos na Natureza.

Materiais 24-02-2016. Os materiais naturais raramente são utilizados conforme os encontramos na Natureza. Manual (10-13) Constituição do mundo material Substâncias e misturas de substâncias Propriedades físicas dos Separação dos componentes de uma mistura Transformações físicas e transformações químicas Vídeo

Leia mais

RESUMO REDUÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA E CARGA ORGÂNICA DOS EFLUENTES TRATADOS.

RESUMO REDUÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA E CARGA ORGÂNICA DOS EFLUENTES TRATADOS. Angelita Barski Lourival Trimer RESUMO REDUÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA E CARGA ORGÂNICA DOS EFLUENTES TRATADOS. Alimentando Pessoas, Alimentando Idéias. Prêmio Preservação e Reuso Edição 2011 1. AUTORES Angelita

Leia mais

6. ÁREAS DE INFLUÊNCIA

6. ÁREAS DE INFLUÊNCIA 6. ÁREAS DE INFLUÊNCIA Áreas de influência de um específico empreendimento correspondem aos locais passíveis de percepção dos efeitos potenciais deste projeto, em suas distintas fases de planejamento,

Leia mais

Estação de Reuso de Efluente da Braskem Unidade PVC - São Paulo. Projeto BOT em parceria com a Geoplan

Estação de Reuso de Efluente da Braskem Unidade PVC - São Paulo. Projeto BOT em parceria com a Geoplan Estação de Reuso de Efluente da Braskem Unidade PVC - São Paulo Projeto BOT em parceria com a Geoplan l Endereço completo e dados cadastrais da unidade onde foi implantado o projeto Rua Guamiranga, 1.674

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UMA INTERAÇÃO ENTRE O SETOR PÚBLICO E EMPRESAS. Altamir Thimóteo prof. e-mail: athimoteo@gmail.

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UMA INTERAÇÃO ENTRE O SETOR PÚBLICO E EMPRESAS. Altamir Thimóteo prof. e-mail: athimoteo@gmail. RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UMA INTERAÇÃO ENTRE O SETOR PÚBLICO E EMPRESAS Altamir Thimóteo prof. e-mail: athimoteo@gmail.com Universidade Estadual do Centro-Oeste/Setor de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

Resíduos da Construção Civil e o Estado de São Paulo

Resíduos da Construção Civil e o Estado de São Paulo Resíduos da Construção Civil e o Estado de São Paulo JOÃO LUIZ POTENZA Diretor do Centro de Projetos Coordenadoria de Planejamento Ambiental Secretaria do Meio Ambiente Resultados SMA Convênio SMA e SindusConSP

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Sistema para Capacitação em Melhores Práticas para Produção Agroindustrial Familiar Apoiado por Tecnologia da Informação

Projeto de Pesquisa: Sistema para Capacitação em Melhores Práticas para Produção Agroindustrial Familiar Apoiado por Tecnologia da Informação FACCAT FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA POLO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO VALE DO PARANHA- NA/ENCOSTA DA SERRA 4º Relatório Trimestral Projeto de Pesquisa: Sistema para Capacitação em Melhores Práticas para

Leia mais

OFICINA 3 IGM Indicadores de Governança Municipal Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS

OFICINA 3 IGM Indicadores de Governança Municipal Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS Objetivo: OFICINA 3 IGM Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS Contribuir com a SEP, analisando o processo de planejamento nos municípios, por

Leia mais

II-388 - REDUÇÃO E ECONOMIA DE ÁGUA NO SETOR INDUSTRIAL DE CURTUME COM O REUSO DO SEU EFLUENTE TRATADO

II-388 - REDUÇÃO E ECONOMIA DE ÁGUA NO SETOR INDUSTRIAL DE CURTUME COM O REUSO DO SEU EFLUENTE TRATADO II-388 - REDUÇÃO E ECONOMIA DE ÁGUA NO SETOR INDUSTRIAL DE CURTUME COM O REUSO DO SEU EFLUENTE TRATADO Maria de Fátima Almeida Vieira (1) Engenheira Química pela Universidade Federal da Paraíba. Mestre

Leia mais

RELATÓRIO ENAC. Exame Nacional de Avaliação para Capacitação dos Profissionais Gráficos

RELATÓRIO ENAC. Exame Nacional de Avaliação para Capacitação dos Profissionais Gráficos Data de emissão: 29/05/2013 À Empresa Gráfica Prezados Senhores, A ABTG, Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica, apresenta os resultados do Enac - Exame Nacional de Avaliação para Capacitação Técnica

Leia mais

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental VII-012 - PANORAMA DO ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, TRAÇADO A PARTIR DE DADOS DO SETOR DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO Julce Clara da Silva (1) Engenheira

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE TECNOLGIA FT

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE TECNOLGIA FT UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE TECNOLGIA FT Disciplina: CET- 0307 - Amostragens e Análises Físico-Químicas de Ar, Águas de Abastecimento e Residuárias e Solo. 1 RELATÓRIO DE VISITA TÉCNICA

Leia mais

Empresa. ROKA Engenharia S/S Ltda - Serviços em NR12. Concept for standards

Empresa. ROKA Engenharia S/S Ltda - Serviços em NR12. Concept for standards Serviços em NR12 Empresa A ROKA ENGENHARIA foi fundada em 1992, com prestação de serviços em Engenharia Elétrica e Mecânica. Em 2009 ampliou as suas atividades para serviços em Gestão Integrada (Segurança

Leia mais

TREINAMENTO EM GESTÃO AMBIENTAL AVANÇADA E SUSTENTABILIDADE AGENDA DE CURSOS 2011

TREINAMENTO EM GESTÃO AMBIENTAL AVANÇADA E SUSTENTABILIDADE AGENDA DE CURSOS 2011 TREINAMENTO EM GESTÃO AMBIENTAL AVANÇADA E SUSTENTABILIDADE AGENDA DE CURSOS 2011 PÚBLICO-ALVO Gerentes, supervisores, coordenadores, técnicos, consultores, alunos de graduação e pós-graduação e demais

Leia mais

DIAGNÓSTICO OPERACIONAL DE UM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, PARA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE QUALIDADE DA OPERAÇÃO BASEADO NO TQC JAPONÊS

DIAGNÓSTICO OPERACIONAL DE UM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, PARA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE QUALIDADE DA OPERAÇÃO BASEADO NO TQC JAPONÊS DIAGNÓSTICO OPERACIONAL DE UM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, PARA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE QUALIDADE DA OPERAÇÃO BASEADO NO TQC JAPONÊS Sara de Souza Maciel Nogueira (1) Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Programa Municipal HABITAÇÃO SUSTENTÁVEL IBIRAREMA SP

Programa Municipal HABITAÇÃO SUSTENTÁVEL IBIRAREMA SP Programa Municipal HABITAÇÃO SUSTENTÁVEL IBIRAREMA SP THIAGO BRIGANÓ Professor UENP; Especialista em Gestão Pública FEMA; 3 Mandato Eletivo: o Vereador (2005 a 2012); o Presidente da Câmara Municipal (2011

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL: UMA VISÃO GERAL. Agosto/2007

GESTÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL: UMA VISÃO GERAL. Agosto/2007 GESTÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL: UMA VISÃO GERAL Agosto/2007 Quantidade de Resíduos Sólidos Urbanos Gerada e Coletada em 2005 (ton/dia) Macroregião RSU gerado (ton/dia) Ìndice de Coleta (%) RSU coletado (ton/dia)

Leia mais

PROGRAMA DA CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO & GÁS INSERÇÃO DE PEQUENAS EMPRESAS NA CADEIA PRODUTIVA DE ÓLEO E GÁS

PROGRAMA DA CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO & GÁS INSERÇÃO DE PEQUENAS EMPRESAS NA CADEIA PRODUTIVA DE ÓLEO E GÁS INSERÇÃO DE PEQUENAS EMPRESAS NA CADEIA PRODUTIVA DE ÓLEO E GÁS CENÁRIO POR QUE TRABALHAR NA CADEIA DO PETRÓLEO? Em função do potencial do mercado (Oportunidade) A Cadeia Produtiva do Petróleo e Gás movimentará

Leia mais

O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I, do 2º, do Art. 8º do seu Regimento

O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I, do 2º, do Art. 8º do seu Regimento Resoluções RESOLUÇÃO/conama/N.º 016 de 07 de dezembro de 1989 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I, do 2º, do Art. 8º do seu Regimento Interno

Leia mais

ANÁLISE QUANTITATIVA E QUALITATIVA DOS RESÍDUOS GERADOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ESINO TÉCNICO E SUPERIOR.

ANÁLISE QUANTITATIVA E QUALITATIVA DOS RESÍDUOS GERADOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ESINO TÉCNICO E SUPERIOR. ANÁLISE QUANTITATIVA E QUALITATIVA DOS RESÍDUOS GERADOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ESINO TÉCNICO E SUPERIOR. Lucas Blanger Bagnara Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus

Leia mais

As micro e pequenas empresas representam

As micro e pequenas empresas representam 4 AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E O MEIO AMBIENTE As micro e pequenas empresas representam 93,09% de cerca de 4,63 milhões de empresas brasileiras. Empregam aproximadamente 60% da mão-de-obra e participam

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EDUCAÇÃO PARA A VIDA PROFISSIONAL

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EDUCAÇÃO PARA A VIDA PROFISSIONAL EDUCAÇÃO CORPORATIVA EDUCAÇÃO PARA A VIDA PROFISSIONAL O que é o SENAI? Criado em 1942, por iniciativa do empresariado do setor, o SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) é hoje um dos mais

Leia mais

SANEAMENTO RURAL: ATUAÇÃO DA FUNASA E O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

SANEAMENTO RURAL: ATUAÇÃO DA FUNASA E O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL SANEAMENTO RURAL: ATUAÇÃO DA FUNASA E O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL José Antonio da Motta Ribeiro Coordenação Geral de Engenharia Sanitária Salvador, 18 de Setembro de 2015 Fundação Nacional

Leia mais

Projeto Avaliaçãode Ciclo de Vida Simplificada para Blocos de Concreto

Projeto Avaliaçãode Ciclo de Vida Simplificada para Blocos de Concreto Projeto Avaliaçãode Ciclo de Vida Simplificada para Blocos de Concreto Setor de construção exerce impacto ambiental, social e econômico Essencial medir os impactos de cada atividade: Fabricação de matérias

Leia mais

Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham) POA.

Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham) POA. Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham) POA http://www.amcham.com.br/ Missão do Comitê de Sustentabilidade Promover o diálogo e a mobilização sobre sustentabilidade por meio de diferentes

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Processo de seleção para Analistas Temáticos A SPI está reestruturando sua atuação, buscando reforçar

Leia mais

3,8 bilhões em vendas. > 20.000 empregados. 1,4 milhão de toneladas produzidas

3,8 bilhões em vendas. > 20.000 empregados. 1,4 milhão de toneladas produzidas Em resumo 2016 Líder mundial em seus mercados, a Vallourec fornece soluções tubulares que são referência para os setores de energia e para as aplicações mais exigentes. Seus tubos, conexões e serviços

Leia mais

Conceição do Araguaia-Pa. Av. Couto Magalhães, S/N, Setor Universitário; oliveiragessi@hotmail.com.br e leonaldo2690@hotmail.com

Conceição do Araguaia-Pa. Av. Couto Magalhães, S/N, Setor Universitário; oliveiragessi@hotmail.com.br e leonaldo2690@hotmail.com DIAGNÓSTICO SANITÁRIO DO BAIRRO CENTRO EM CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA, PA Géssica Oliveira da Silva 1 e Leonaldo Carvalho da silva 2 1,2 Graduandos do Curso de Tecnologia em Gestão Ambiental, IFPA Campus Conceição

Leia mais

CO N T R O L A D O R I A E O U V I D O R I A

CO N T R O L A D O R I A E O U V I D O R I A CO N T R O L A D O R I A E O U V I D O R I A M E N S A G E M À A S S E M B L E I A L E G I S L A T I V A 2 0 1 3 G O V E R N O P A R T I C I P A T I V O, É T I C O E C O M P E T E N T E C o n t r o l a

Leia mais

Micro e Pequenos Empresários retardam pagamento do 13º, mas a grande maioria conseguirá pagar o benefício até o final de 2003

Micro e Pequenos Empresários retardam pagamento do 13º, mas a grande maioria conseguirá pagar o benefício até o final de 2003 Micro e Pequenos Empresários retardam pagamento do 13º, mas a grande maioria conseguirá pagar o benefício até o final de 2003 Pesquisa coordenada pelo Instituto Fecomércio-RJ a pedido do SEBRAE/RJ (Serviço

Leia mais

Tema 8 Exemplos de Conflitos de Uso de Água em Ambientes Urbanos

Tema 8 Exemplos de Conflitos de Uso de Água em Ambientes Urbanos 1 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamente de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 2537 Água em Ambientes Urbanos Prof. Kamel Zahed Filho Tema 8 Exemplos de Conflitos de Uso de Água

Leia mais

Capítulo 7.3. Programa de Controle de Poluição - PCP

Capítulo 7.3. Programa de Controle de Poluição - PCP Página 1 de 12 Capítulo 7.3. Programa de Controle de Poluição - PCP PCP 1 de 12 Página 2 de 12 Sumário Programa de Controle de Controle de Poluição Capítulo 7.3. Programa de Controle de Poluição - PCP...

Leia mais

Requisitos para Fornecedores

Requisitos para Fornecedores Requisitos para Fornecedores 1 Ano: 2012 Nossos motivos A Login, um dos maiores fabricantes de computadores do norte e nordeste do Brasil, vem desenvolvendo um trabalho junto a órgãos governamentais e

Leia mais

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO CERRADO

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO CERRADO Bioma Cerrado: Normas de Conservação e Uso Sustentável EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO CERRADO Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento Coordenação-Geral de Mudanças Globais

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Qualidade do Ambiente Urbano. Nabil Bonduki

Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Qualidade do Ambiente Urbano. Nabil Bonduki Política Nacional de Resíduos Sólidos Governo Federal Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Qualidade do Ambiente Urbano Nabil Bonduki nabil.bonduki@mma.gov.br BRASIL UMA FEDERAÇÃO Área 8.547.403,5

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: ENGENHARIA DE PETRÓLEO SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia de Petróleo da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnica nas áreas

Leia mais

SEMAE de São Leopoldo: A Melhoria do Sistema de Gestão Através do Planejamento Estratégico Anual

SEMAE de São Leopoldo: A Melhoria do Sistema de Gestão Através do Planejamento Estratégico Anual SEMAE de São Leopoldo: A Melhoria do Sistema de Gestão Através do Planejamento Estratégico Anual Carlos Germano Weinmann, Diretor Geral do SEMAE/SL desde 1993, Engenheiro Civil formado pela PUC/RS, Ex-Presidente

Leia mais

Relatório Síntese janeiro de 2014

Relatório Síntese janeiro de 2014 Relatório Síntese janeiro de 2014 Índice I II III IV V VI Caracterização dos Registos Efetuados Impacto Energético Impacto expectável com a Isenção de ISP Registos de Técnicos e Entidades Reconhecidas

Leia mais

RESULTADO DO LEVANTAMENTO DE DADOS DE MONITORAMENTO DA EMISSÃO ATMOSFÉRICA EM PROCESSOS DE QUEIMA DE DERIVADOS DE MADEIRA

RESULTADO DO LEVANTAMENTO DE DADOS DE MONITORAMENTO DA EMISSÃO ATMOSFÉRICA EM PROCESSOS DE QUEIMA DE DERIVADOS DE MADEIRA CONAMA - Grupo de Trabalho Fontes Fixas Existentes Subgrupo Derivados de Madeira abril-2009 RESULTADO DO LEVANTAMENTO DE DADOS DE MONITORAMENTO DA EMISSÃO ATMOSFÉRICA EM PROCESSOS DE QUEIMA DE DERIVADOS

Leia mais

Consultoria p a r a a t e n d imento à NBR 1 5 5 7 5 CIVIL RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS S E N A I C I M A T E C REALIZAÇÃO

Consultoria p a r a a t e n d imento à NBR 1 5 5 7 5 CIVIL RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS S E N A I C I M A T E C REALIZAÇÃO RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS Programa NORMA DE de adequação DESEMPENHO de processos para GRUPO atendimento MINAS GERAIS a NBR 15575 REALIZAÇÃO O SENAI Minas 74 anos de experiência 3,3 mil funcionários

Leia mais

ESTUDO PARA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE REÚSO E APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA EM INDÚSTRIA

ESTUDO PARA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE REÚSO E APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA EM INDÚSTRIA IV-MIERZWA-BRASIL-2 ESTUDO PARA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE REÚSO E APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA EM INDÚSTRIA José Carlos Mierzwa (1) Professor Pesquisador do Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO / ATIVIDADE

IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO / ATIVIDADE IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO / ATIVIDADE Nome/ Razão social Enreço Número Complemento Bairro Número do contribuinte UF CEP Fone Fax CPF / CNPJ RG / Inscrição Mobiliária E-mail Ativida Ativida principal

Leia mais

AUDITORIA INTERNA Secretaria de Educação

AUDITORIA INTERNA Secretaria de Educação 1. Objetivo Esta norma estabelece o procedimento, requisitos básicos e a metodologia a ser obedecida para o planejamento, a execução e o registro de auditorias internas do Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

COMUNICAÇÃO AMBIENTAL - UMA NOVA DIMENSÃO PARA PROMOVER PROJETOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

COMUNICAÇÃO AMBIENTAL - UMA NOVA DIMENSÃO PARA PROMOVER PROJETOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMUNICAÇÃO AMBIENTAL - UMA NOVA DIMENSÃO PARA PROMOVER PROJETOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lucina Risério Cortez (*) Analista de Comunicação Social da Unidade de Negócio de Tratamento de Esgotos da Sabesp.

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO DIMENSIONAMENTO CORRETO DOS TRANSFORMADORES NA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA

A INFLUÊNCIA DO DIMENSIONAMENTO CORRETO DOS TRANSFORMADORES NA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA A INFLUÊNCIA DO DIMENSIONAMENTO CORRETO DOS TRANSFORMADORES NA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA Antonio Soares Pereto Engenheiro Industrial - modalidade Elétrica pela FEI (1969). Pósgraduado em Administração de

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIENAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA FURB (2004-2006)

AVALIAÇÃO TRIENAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA FURB (2004-2006) Universidade Regional de Blumenau Centro de Ciências Exatas e Naturais Departamento de Química Programa de Pós-Graduação em Química AVALIAÇÃO TRIENAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA FURB (2004-2006)

Leia mais

A RECICLAGEM DO PAPEL COMO MEIO DE INCENTIVO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A RECICLAGEM DO PAPEL COMO MEIO DE INCENTIVO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL A RECICLAGEM DO PAPEL COMO MEIO DE INCENTIVO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL Autor: Maria da Penha Agra Nunes Silva¹ Co-autor: Camila Batista de Oliveira¹, Cristine Nachari Moura de Almeida¹, Joyce Barros Araújo

Leia mais

TÍTULO: Aumento da Produtividade de Água de Mananciais de Abastecimento

TÍTULO: Aumento da Produtividade de Água de Mananciais de Abastecimento TÍTULO: Aumento da Produtividade de Água de Mananciais de Abastecimento TEMA: Manejo de bacias hidrográficas, revitalização e conservação de nascentes. AUTORES: Marcos Antônio Gomes José Luiz Pereira Corrêa

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS. Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil A percepção das empresas contratantes de transporte

Brochura - Panorama ILOS. Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil A percepção das empresas contratantes de transporte Brochura - Panorama ILOS Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil A percepção das empresas contratantes de transporte 2016 Apresentação A atividade de transporte representa mais da metade dos gastos das

Leia mais

Programa de Gestão Metropolitana de Resíduos. Seminário A implantação das políticas de resíduos sólidos ABES 06. jun 2013

Programa de Gestão Metropolitana de Resíduos. Seminário A implantação das políticas de resíduos sólidos ABES 06. jun 2013 Programa de Gestão Metropolitana de Resíduos Seminário A implantação das políticas de resíduos sólidos ABES 06. jun 2013 AS REGIÕES METROPOLITANAS Proximidade e ocorrência de conurbação Compartilhamento

Leia mais

REGULAMENTO NUGAI - IFSul. Dos Núcleos de Gestão Ambiental Integrada (NUGAI)

REGULAMENTO NUGAI - IFSul. Dos Núcleos de Gestão Ambiental Integrada (NUGAI) REGULAMENTO NUGAI - IFSul Capítulo I Dos Núcleos de Gestão Ambiental Integrada (NUGAI) Art. 1º. O Núcleo de Gestão Ambiental Integrada, responsável pela implementação e monitoramento do Sistema de Gestão

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA 9 Áreas de Educação e Formação (atualizada ada em setembro de 2014)

ORIENTAÇÃO TÉCNICA 9 Áreas de Educação e Formação (atualizada ada em setembro de 2014) As entidades formadoras certificadas pela Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT), para além da formação modular da componente de formação tecnológica dos referenciais de formação do

Leia mais

3. DAS CONDIÇÕES PARA INSCRIÇÃO

3. DAS CONDIÇÕES PARA INSCRIÇÃO UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO PROJETO DE EXTENSÃO EDITAL N.º 03/2013 PROJETO RONDON 2013 A Universidade Metodista de São Paulo lança este edital para seleção de estudantes que concorrerão à participação

Leia mais

A M B I E N T A L A INOVAÇÃO POR UM FUTURO SUSTENTÁVEL

A M B I E N T A L A INOVAÇÃO POR UM FUTURO SUSTENTÁVEL A M B I E N T A L A INOVAÇÃO POR UM FUTURO SUSTENTÁVEL Catálogo de Serviços Março / 2014 Quem Somos Missão, Visão e Valores Quem Somos Desde 2008 atuamos na prestação de serviços na área ambiental e da

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO AMBIENTAL 2010 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE - HCPA

RELATÓRIO DE GESTÃO AMBIENTAL 2010 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE - HCPA RELATÓRIO DE GESTÃO AMBIENTAL 21 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE - HCPA Serviço de Governança e Higienização Porto Alegre RS dez - 21 RELATÓRIO DE GESTÃO AMBIENTAL 21 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO

Leia mais

5) Defina Saúde Pública. Saúde Pública: promoção da saúde por meio de medidas de alcance coletivo.

5) Defina Saúde Pública. Saúde Pública: promoção da saúde por meio de medidas de alcance coletivo. 1) O que é saneamento? É o controle de todos os fatores do meio físico do homem que exercem efeito deletério sobre seu bem-estar físico, mental ou social (OMS). 2) Como podemos definir Sistemas de Abastecimento

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP Departamento de Meio Ambiente - DMA - Divisão de Mudanças Climáticas - GESTÃO DOS GASES DE EFEITO ESTUFA Um novo mercado para pequenas e médias empresas

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA EM MUNICÍPIOS ATENDIDOS PELO PROGRAMA COMUNIDADE SOLIDÁRIA NO SUL DO BRASIL

INDICADORES DE DESEMPENHO DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA EM MUNICÍPIOS ATENDIDOS PELO PROGRAMA COMUNIDADE SOLIDÁRIA NO SUL DO BRASIL INDICADORES DE DESEMPENHO DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA EM MUNICÍPIOS ATENDIDOS PELO PROGRAMA COMUNIDADE SOLIDÁRIA NO SUL DO BRASIL Ana Beatris Souza de Deus (1) Msc, Engenheira Civil. Aluna de Doutorado

Leia mais

Termômetro tributário

Termômetro tributário Termômetro tributário Tendências e desafios do profissional no Brasil Dezembro, 2015 O estudo traz indicadores que demonstram que o gestor tributário tem se mostrado cada vez mais multifacetado, qualificado,

Leia mais

COLETA DE MATERIAL RECICLÁVEL NOS PRÓPRIOS PÚBLICOS: CONTRIBUINDO PARA A GERAÇÃO DE RENDA DA COOPERATIVA DE RECICLAGEM DE JABOTICABAL

COLETA DE MATERIAL RECICLÁVEL NOS PRÓPRIOS PÚBLICOS: CONTRIBUINDO PARA A GERAÇÃO DE RENDA DA COOPERATIVA DE RECICLAGEM DE JABOTICABAL COLETA DE MATERIAL RECICLÁVEL NOS PRÓPRIOS PÚBLICOS: CONTRIBUINDO PARA A GERAÇÃO DE RENDA DA COOPERATIVA DE RECICLAGEM DE JABOTICABAL Aline Branco de Miranda* Engenheira Civil (FECA), Mestre em Engenharia

Leia mais

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Ministério da Educação MEC. Cálculo do Conceito ENADE

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Ministério da Educação MEC. Cálculo do Conceito ENADE Instituto acional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira IEP Ministério da Educação ME álculo do onceito EADE Para descrever o cálculo do onceito Enade, primeiramente é importante definir

Leia mais

III-053 - LEVANTAMENTO QUALI-QUANTITATIVO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR: ANÁLISE DE ASPECTOS DE APLICABILIDADE

III-053 - LEVANTAMENTO QUALI-QUANTITATIVO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR: ANÁLISE DE ASPECTOS DE APLICABILIDADE III-053 - LEVANTAMENTO QUALI-QUANTITATIVO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR: ANÁLISE DE ASPECTOS DE APLICABILIDADE Ilka Soares Cintra (1) Engenheira Civil. Mestre em Saneamento e Meio

Leia mais

Política de Comunicação Corporativa

Política de Comunicação Corporativa Assistência de Comunicação Institucional Julho de 2012 Introdução Nesta Política de Comunicação estão apresentados os fundamentos da estratégia de comunicação da Celesc Holding e das suas subsidiárias

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Procedimento: 00237/1994/108/2014 Licença de Operação Empreendedor: Vale S.A. PARECER 1. Introdução Trata-se de processo administrativo de licenciamento ambiental, em trâmite na Superintendência Regional

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM OBRAS DE SANEAMENTO: Um olhar do Rio ao Rio

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM OBRAS DE SANEAMENTO: Um olhar do Rio ao Rio EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM OBRAS DE SANEAMENTO: Um olhar do Rio ao Rio SANEPAR OBJETIVO DA PRÁTICA Sensibilizar os atores sociais para questões e práticas socioambientais que promovam a sustentabilidade por

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. PROJETO: CUSTO x BENEFÍCIO NA GESTÃO DE ÁLCOOL E XILOL RESIDUAIS RESULTANTES DO PROCESSO DE ANATOMIA PATOLÓGICA.

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. PROJETO: CUSTO x BENEFÍCIO NA GESTÃO DE ÁLCOOL E XILOL RESIDUAIS RESULTANTES DO PROCESSO DE ANATOMIA PATOLÓGICA. DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. PROJETO: CUSTO x BENEFÍCIO NA GESTÃO DE ÁLCOOL E XILOL RESIDUAIS RESULTANTES DO PROCESSO DE ANATOMIA PATOLÓGICA. Autores - Juliano de Souza Barbosa; Luís Gustavo Lopes; e-mail:

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Apresentação Soluções de Futuro A TwoSoft Systems é uma empresa angolana que se dedica ao Desenvolvimento de Software, Consultoria Informática e Assistência Técnica Especializada.

Leia mais

Perfil Técnico: O candidato deve ser formado ou cursando em Tecnólogo em Saneamento Ambiental ou Engenharia Ambiental.

Perfil Técnico: O candidato deve ser formado ou cursando em Tecnólogo em Saneamento Ambiental ou Engenharia Ambiental. Empresa metalúrgica de Limeira- SP admite: Analista de meio ambiente: - Manutenção do Sistema Ambiental; - Gerenciamento de resíduos sólidos; - Suporte as Estações de Tratamento de Efluentes; - Suporte

Leia mais

( )7 Professor Pesquisador

( )7 Professor Pesquisador MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC/SETEC REDE E-TEC BRASIL TERMO DE COMPROMISSO DO BOLSISTA 1. IDENTIFICAÇÂO DO BENEFICIÁRIO DA BOLSA 1.1 Nome 1.2 Nacionalidade 1.3 Estado Civil 1.4 Profissão 1.5 Nº CPF/MF 1.6

Leia mais

BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. FEVEREIRO - 2016 Comportamento do Emprego - Limeira/SP.

BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. FEVEREIRO - 2016 Comportamento do Emprego - Limeira/SP. BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados FEVEREIRO - 216 Comportamento do Emprego - Limeira/SP. A Consultoria Técnica Especializada da Câmara Municipal de Limeira apresenta os dados do

Leia mais

Representatividade das MPEs:

Representatividade das MPEs: Representatividade das MPEs: Número de Estabelecimentos Empresarias e Mercado de Trabalho 1 CONTEXTO DAS MPES NO ESTADO DA BAHIA: Estabelecimentos empresariais MPEs: O estado da Bahia possui 174.067 estabelecimentos

Leia mais

Gramado RS. De 30 de setembro a 2 de outubro de 2014 CRIAÇÃO DE DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL DA INDÚSTRIA GRÁFICA

Gramado RS. De 30 de setembro a 2 de outubro de 2014 CRIAÇÃO DE DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL DA INDÚSTRIA GRÁFICA Gramado RS De 30 de setembro a 2 de outubro de 2014 CRIAÇÃO DE DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL DA INDÚSTRIA GRÁFICA Resumo: O presente artigo tem como objetivo indicar diretrizes para

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA Contratação De Consultor/a Técnico/a - Plano Nacional de Juventude e Meio Ambiente (Objetivo 2 Gestão de Resíduos Sólidos)

TERMOS DE REFERÊNCIA Contratação De Consultor/a Técnico/a - Plano Nacional de Juventude e Meio Ambiente (Objetivo 2 Gestão de Resíduos Sólidos) TERMOS DE REFERÊNCIA Contratação De Consultor/a Técnico/a - Plano Nacional de Juventude e Meio Ambiente (Objetivo 2 Gestão de Resíduos Sólidos) Data limite para apresentação de candidaturas: 09 de maio

Leia mais

Superintendência de Infra-Estrutura da UFRN Divisão de Meio Ambiente DMA dmaeduca@infra.ufrn.br Divisão de Meio Ambiente A Divisão de Meio Ambiente DMA - integra a Superintendência de Infra-estrutura da

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL EDITAL DO PROCESSO SELETIVO Nº 38.16

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL EDITAL DO PROCESSO SELETIVO Nº 38.16 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO Nº 38.16 A FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU BRASIL (FPTI-BR) torna público que serão recebidas as inscrições para o Processo Seletivo nº 38.16 sob contratação em regime CLT

Leia mais

Curso de Capacitação de Gestores Municipais para Inventário de GEE e Ações de Mudanças Climáticas

Curso de Capacitação de Gestores Municipais para Inventário de GEE e Ações de Mudanças Climáticas Curso de Capacitação de Gestores Municipais para Inventário de GEE e Ações de Mudanças Climáticas Plano de Ação Municipal em Mudanças Climáticas e Monitoramento dos Resultados Florence Karine Laloë Gerente

Leia mais

Aluna do Curso Técnico em Informática do Instituto Federal Farroupilha Câmpus São Borja; 6

Aluna do Curso Técnico em Informática do Instituto Federal Farroupilha Câmpus São Borja; 6 LIXO ELETRÔNICO: UMA ANÁLISE SOB A PERSPECTIVA AMBIENTAL DAS AÇÕES INSTITUCIONAIS DO MUNICÍPIO DE SÃO BORJA/RS Guilherme Pivotto Bortolotto 1 * (FM), Denis da Silva Garcia 2 (FM), Giancarlo Machado Bruno

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável SEMAD, apresenta o Primeiro Inventário de Emissões

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE TRABALHO PARA AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ANO BASE 2014 2014 Apresentação A Comissão Própria de Avaliação CPA, órgão vinculado à Reitoria da Universidade Federal de Roraima, que tem por fundamentos

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE CURSOS E ATIVIDADES DE EXTENSÃO DA USP

ORIENTAÇÕES SOBRE CURSOS E ATIVIDADES DE EXTENSÃO DA USP ORIENTAÇÕES SOBRE CURSOS E ATIVIDADES DE EXTENSÃO DA USP FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prática Programa de Residência Profissionalizante Atualização Graduação Sim Não Sim Concluída Carga horária mínima Definida

Leia mais

Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental. Webinar. A Crise Hídrica e a Redução dos Índices de Perdas de Água

Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental. Webinar. A Crise Hídrica e a Redução dos Índices de Perdas de Água Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Webinar A Crise Hídrica e a Redução dos Índices de Perdas de Água Serão dois dias de palestras, debates e apresentações de estudos de caso. Entre

Leia mais

CAMPUS FORTALEZA. REGULAMENTO V SQMA - CAMPUS FORTALEZA. Semana de Química e Meio Ambiente - CAMPUS FORTALEZA

CAMPUS FORTALEZA. REGULAMENTO V SQMA - CAMPUS FORTALEZA. Semana de Química e Meio Ambiente - CAMPUS FORTALEZA CAMPUS FORTALEZA. REGULAMENTO V SQMA - CAMPUS FORTALEZA Semana de Química e Meio Ambiente - CAMPUS FORTALEZA Fortaleza 2016 2 1. APRESENTAÇÃO Como tema Por um IFCE Sustentável, o IFCE - Campus Fortaleza

Leia mais

Impactos Jurídicos e Operacionais da Política Nacional de Resíduos Sólidos no Mercado Segurador

Impactos Jurídicos e Operacionais da Política Nacional de Resíduos Sólidos no Mercado Segurador Impactos Jurídicos e Operacionais da Política Nacional de Resíduos Sólidos no Mercado Segurador Painel 3: Panorama Geral sobre o Seguro de Responsabilidade Civil Ambiental sob a ótica da PNRS Rio de Janeiro,

Leia mais