LOGÍSTICA REVERSA COM ÊNFASE NO REUSO DE EMBALAGENS E PALETES EM UMA EMPRESA LOCALIZADA EM OSASCO *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LOGÍSTICA REVERSA COM ÊNFASE NO REUSO DE EMBALAGENS E PALETES EM UMA EMPRESA LOCALIZADA EM OSASCO *"

Transcrição

1 LOGÍSTICA REVERSA COM ÊNFASE NO REUSO DE EMBALAGENS E PALETES EM UMA EMPRESA LOCALIZADA EM OSASCO * Anderson Soares (Faceq) Claudinei Gomes Da Silva (Faceq) Moisés De Sousa Melo (Faceq) Resumo A Logística Reversa é um assunto bastante comentado por conta de sua relação com a redução de custos das empresas e com o meio ambiente. O mundo empresarial está despertando para essa nova realidade e assim aumentando o interesse pelas questões de pósvenda e pós-consumo, ambas pertencentes às discussões e práticas da Logística Reversa. Seguindo essa ótica é que se apresenta o interesse em realizar a pesquisa sobre Logística Reversa, pois a cada dia em uma crescente procura está se tornando um diferencial para as empresas. Esse tema de Logística Reversa foi a base de nosso estudo de caso que abordou detalhadamente o processo logístico de paletes e embalagens de produtos químico de uma empresa localizada na cidade Jandira - SP. Foram expostos comparações entre os anteriores processos sem uma política de logística reversa e novos processos agora com essa política e com uma nova mentalidade para essa questão. Nosso trabalho mostrou uma empresa disposta em implantar esse processo tendo assim um novo foco para as operações logísticas e servindo de exemplo de sucesso na implementação da Logística Reversa. Relevante em decorrência do nível estratégico em busca de maior competitividade e adequação às novas regras de mercado de maximizar a satisfação dos clientes e reduzir os níveis de degradação do meio ambiente com práticas produtivas ambientalmente corretas. Portanto, a realização de tal pesquisa contribuiu com mais conhecimentos na área e dentro do contexto econômico, ambiental e social, a Logística retribuindo de forma significativa para o reaproveitamento de paletes após seu uso e uma melhor destinação de embalagens de produtos químicos dando ênfase ao uso de containers de 1000 litros. Esses procedimentos amenizam os prejuízos causados ao meio ambiente porque evita o aumento do volume de embalagens de produtos químicos descartados na natureza. A pesquisa foi bibliográfica e com a participação de colaboradores da empresa em que realizamos o estudo de caso, portanto esse trabalho nos levou ao atual assunto de extrema importância para os universitários, empresários e todos aqueles que se interessar por esse assunto, a Logística Reversa. Palavras-chave: Logística Reversa; Meio Ambiente; Controle de Paletes e embalagens; Containers de 1000 litros. * Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade Eça de Queiros (Faceq-Uniesp) em junho de 2013, como exigência parcial para obtenção do título de Bacharel em Administração de Empresas, sob orientação da Professora Dra. Maria Clara Lopes Saboya e Coorientação dos professores Ms. Eduardo Fernandes e Ms. Marcos Roberto Buri. 1

2 Abstract The Reverse Logistics is a subject frequently discussed because of its relationship to reducing business costs and the environment. The business world is waking up to this new reality and thus increasing interest in the issues of post-sale and post-consumption, both belonging to the discussions and practices of reverse logistics. Following this perspective is that it shows the interest in conducting research on reverse logistics, because every day in a growing demand is becoming a differentiator for companies. This theme Reverse Logistics will be the basis of our case study will address in detail the process of logistics pallets and packaging of chemical products from a company located in Jandira - SP. Will be exposed comparisons between previous cases without a political reverse logistics processes and now with this new policy and a new mindset for this question. Our work shows a company willing to deploy this process thus providing a new focus for logistics operations and serving as an example of successful implementation of Reverse Logistics. Relevant due to the strategic level in pursuit of greater competitiveness and adaptation to new market rules to maximize customer satisfaction and reduce levels of environmental degradation with environmentally sound production practices. Therefore, conducting such research will contribute more knowledge in the area and within the context of economic, environmental and social, Logistics returning significantly to the reuse of pallets after use and better disposal of chemical containers emphasizing the use containers of 1000 liters. These procedures alleviate the damage caused to the environment because it avoids the increased volume of chemical containers discarded in nature. The research literature and will be attended by employees of the company that conducted the case study, so this work will lead us to the current issue of utmost importance for academics, businessmen and all those who are interested in this subject, Reverse Logistics. Keywords: Reverse Logistics, Environment, Control Pallets and containers; Containers 1000 liters. Introdução A partir do fim da segunda guerra mundial, as empresas notaram a importância de se ter um departamento para cuidar da Logística, onde a demanda crescia num ritmo acelerado, os consumidores tornavam-se cada vez mais exigentes. Foi então que surgiu o conceito de Logística empresarial, motivado por uma nova atitude do consumidor, sendo assim reconhecido pelo meio acadêmico. Aqui no Brasil por volta de 1996, passou a ser estudada como uma ferramenta estratégica, e foi introduzida nas organizações tornando-se um diferencial competitivo para qualquer empresa. (CAIXETA e MARTINS 2010) Por mais definições que possamos encontrar para a Logística nenhuma se difere tanto da outra, a final o termo logístico é como se fosse uma linguagem universal, todos a definem da mesma forma, com as mesmas vantagens, porém nem todos a aplicam com a mesma 2

3 eficácia. A Logística Reversa passou a ser introduzida nesse contexto há poucos anos, é ainda um assunto novo para os problemas atuais enfrentados pelas empresas e a sociedade. (CAIXETA e MARTINS, 2010) Segundo Guarnieri (2005), com o advento da globalização, e o consequente atendimento a mercados distantes e alta rotatividade dos estoques, os armazéns descartam quantidades enormes de materiais ao final do processo logístico. Esses materiais, além de representarem considerável valor econômico, podem causar danos ao meio ambiente se descartados de forma indiscriminada. Diante desse fato surgiu a ideia do tema Logística Reversa (reuso das embalagens) visando melhorias diante da necessidade de aperfeiçoamento da logística no local de trabalho, trazendo redução de custos e que consequentemente também contribuindo para a redução dos problemas ambientais, fator de extrema importância para um crescimento sustentável. Como é visto a Logística Reversa pode ser uma importante arma, quando falamos de diferencial competitivo. No que se refere à concorrência, podemos observar que as empresas buscam cada vez mais reduzir seus custos de maneira a se tornarem mais competitivas no mercado. Estes são alguns dos benefícios que uma Logística Reversa eficaz pode proporcionar a uma organização seja ele micro, pequena, média ou grande. Justificativa Esta pesquisa consiste em mostrar a importância da implantação de um processo de logística reversa em uma empresa, para reduzir o custo em relação a paletes e embalagens e ainda contribuir para uma destinação adequada de produtos possivelmente degradantes do meio ambiente. Para a administração algumas ações deverão ser tomadas como pesquisar a melhor forma no recebimento e acondicionamento de materiais a ser utilizado e inclusive na reutilização das embalagens, onde automaticamente impactará em reduções significativas de custo e enxugando sua mão de obra em decorrência desta redução. Tarefa de o administrador utilizar as ferramentas necessárias para redução de custos. O assunto em foi abordado haja vista que os procedimentos adotados atualmente pelas empresas não apresentam um resultado satisfatório em relação à redução de custo aplicando a logística reversa nos itens específicos: 3

4 a) Retorno de paletes; b) Coleta e substituição de embalagens de produtos químicos. Objetivos Gerais Mostrar que na logística reversa é possível utilizar um serviço de retorno de materiais que ainda possam ser reutilizados. Como por exemplo, os paletes que após uma venda podem ser reutilizados. Mostrar a importância de uma Logística Reversa eficaz que consequentemente resultará em uma redução significativa de custos, imagem positiva da empresa perante a sociedade e que também impactará no ciclo de sustentabilidade. Mostrar que em uma alta demanda operacional das embalagens existe um alto índice de risco de acidentes, devido ao formato das embalagens e seus encaixes, seja no manuseio dessas embalagens ou até no transporte dos mesmos. Além disso, com esse formato de embalagens seu armazenamento ocupa um grande espaço físico. Comprometendo a segurança e a velocidade da operação. Apontar os pontos favoráveis da logística reversa no uso das embalagens contínuas, aquelas utilizadas para produtos químicos, desenvolvendo estratégias para as empresas que ainda não utilizam o processo reverso dessas embalagens como forma de redução de custo, apresentando práticas que atualmente são adotadas por muitas empresas no mercado. Objetivos Específicos Conscientizar de que a logística reversa é um diferencial para as empresas. a) Identificar as dificuldades na reutilização contínua das embalagens de produtos químicos; b) Mostrar que o uso da logística reversa deve ser uma prática constante; c) Contribuir para metas mercadológicas; d) Reduzir o custo unitário do produto com utilização de novas embalagens; 4

5 e) Mostrar como preservar o produto na armazenagem e transporte; f) Facilitar ao cliente o uso do produto; g) Promover a imagem de empresa e seu produto; h) Facilitar o manuseio, estocagem e transporte; i) Contribuir a preservação do meio ambiente. Problemas de Pesquisa Nos dias atuais, a maioria das empresas ainda não dá a atenção suficiente à questão da logística reversa, sendo a grande problemática a questão de custo, pois as organizações teriam de adotar novos processos de operação reversa, ou seja, tendo que realizar investimentos em sua estrutura para poderem melhor administrar o processo de logística reversa de produtos pós-venda e até pós-consumo. a) Como é possível uma empresa adotar uma política de reutilização de paletes, caixas de papelão e tudo aquilo que envolve uma pós venda, para uma possível reutilização gerando assim uma otimização de custo? b) Em relação ao pós-consumo, como administrar as embalagens contaminadas e retornáveis de forma que as mesmas tenham uma destinação adequada, uma vez que o Governo Federal fiscaliza e pune qualquer negligência referente às mesmas? c) Com tudo isso, é possível colaborar com a preservação do meio ambiente, uma vez que essa é uma questão cada vez mais observada pela sociedade e governos? A logística reversa não gera receitas e sim a otimização dos custos, porém com a falta de investimentos em relação a uma destinação final adequada de um produto pós venda como caixas de papelão e paletes ou até de produtos pós-consumo como embalagens de produtos químicos, incluindo aquelas utilizadas em agrotóxicos, nos deparamos com uma falta de reutilização de materiais recicláveis, falta de otimização e a degradação de nosso planeta. 5

6 Hipóteses a) Através de um planejamento objetivo e um direcionamento de foco é possível pensar no que se pode reduzir em relação a custos. b) Através de uma parceria entre o cliente e o fornecedor é possível criar um canal único de reutilização atendendo as normas vigentes. c) A partir de uma adaptação na reutilização de embalagens, é possível contribuir para uma menor degradação ao meio-ambiente, estando assegurado por um processo correto, viável e bem visto pelos meios. Metodologia A metodologia que adotamos para o desenvolvimento do nosso trabalho é baseada em pesquisa bibliográfica, pesquisas na internet, revistas especializadas no assunto e pesquisa de campo. Para complementar nosso TCC, desenvolvemos um estudo de caso, aplicado em uma empresa de grande porte na região de Jandira e deu se importância à redução de custo, pois uma vez que executando um procedimento de reuso de embalagens de produtos químicos e paletes, haverá uma considerável redução de custo e que consequentemente impactará em uma contribuição significativa a preservação do meio ambiente. Com o apoio dos Gestores no esclarecimento de informações de dados e o apoio dos funcionários dessa empresa pudemos desenvolver um estudo de caso não só rico de informações, mas também com muita qualidade e propriedade. 1 História da Logística Apresentamos aqui, de forma sintetizada, um pouco da história da logística empresarial e a apresentação de sua crescente introdução como parte da estratégia empresarial, principalmente a partir da Segunda Guerra Mundial, com a introdução de sistemas mais sofisticados de informatização de controle e de decisão (LEITE, 2009). De acordo com Larcerda (2005, p. 2) 6

7 Logística reversa é o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo de matérias-primas, estoque em processo e produtos acabados (e seu fluxo de informação) do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recapturar valor ou realizar um descarte adequado. 1.1 Da Logística Empresarial à Logística Reversa Breve Histórico A logística pode ser entendida como uma das mais antigas e inerentes atividades humanas na medida em que sua principal missão é disponibilizar bens e serviços gerados por uma sociedade, nos locais, no tempo, nas quantidades e na qualidade em que são necessários aos utilizadores. Embora, muitas vezes, seja decisiva em operações militares históricas, sua introdução como atividade empresarial tem sido gradativa ao longo da história empresarial, de uma simples área de estocagem de matérias, a uma área estratégica no atual cenário concorrencial. (Paulo Roberto Leite, 2009, p.2) Segundo Leite (2009, p. 2) essa evolução como atividade empresarial tornou-se nítida a partir da segunda guerra mundial, quando se evidenciou como suporte às novas tecnologias produtivas em empresas industriais. Ainda Leite (2009 apud DEMING, JURAN E CROSBY, 2001), afirma que no sistema de produção Just-in-time, a partir dos ensinamentos da qualidade total no qual se substitui a antecipação pela reação à demanda, o equacionamento logístico dos fluxos de materiais em toda a cadeia de suprimentos, torna-se fundamental. Novos relacionamentos com fornecedores e novas técnicas operacionais são introduzidas, principalmente no Japão, dando início ao que se entende atualmente como Supply Chain Management. Para Lima (2002, p. 76): é mais um termo de origem militar aplicado ao mundo dos negócios, que, em sua origem, referia-se ao planejamento e execução de projetos, armazenamento, transporte e distribuição, manutenção e reparação de veículos e de armamentos. De acordo com Leite (2009, p. 2) nesse cenário, a alta velocidade de resposta, tornase imperativa a localização logística das empresas fornecedoras, o controle e o transporte de suprimentos de componentes com alta frequência e pequenas quantidades, o contrato de compra e venda de longo prazo, a garantia de qualidade dos componentes que entram diretamente nas linhas de produção, o absoluto rigor no cumprimento de prazos e 7

8 quantidades, entre outros aspectos, exigindo planejamento, operação e controle logístico de alto desempenho nos níveis estratégicos, tático e operacional. De acordo com o Dicionário Aurélio o termo logístico vem do francês Logistique e tem como uma de suas definições: [...] a parte da arte da guerra que trata do planejamento e da realização de projeto de desenvolvimento, obtenção armazenamento, transporte, distribuição, reparação, manutenção e evacuação de material para fins operativos ou administrativos. (FERREIRA, 1986, p. 1045) Já pela definição do Council of Logistic Management: Logística é aquela parte do processo da cadeia de abastecimento que planeja, implementa e controla o fluxo e estocagem eficiente e eficaz de produtos, serviços e informações relacionadas desde o ponto de origem ao ponto de consumo, a fim de atender as necessidades dos clientes. (MOURA et al, 2004, p. 8) A partir dos anos 90, com a estabilização da moeda brasileira, o poder aquisitivo do consumidor aumentou, e graças a esse aumento na renda do trabalhador, tem-se um frenético aumento de consumo de bens e serviços. Desse aumento de consumo desenfreado e o ciclo de vida dos produtos cada vez menor, devido às inovações tecnológicas no espaço de tempo curtíssimo, e com clientes consumindo de forma mais consciente, as organizações começam a se preocupar com o meio ambiente e por sua vez com o descarte desses bens e o possível retorno desses ao início da cadeia, é onde se alicerça a logística reversa, que é o nosso objeto de estudo e que de acordo com Dias (2005, p. 205), é a área da logística que trata, gerencia o fluxo físico de produtos, embalagens ou outros materiais, desde o ponto de consumo até o local de origem, ou seja, é o processo inverso da logística tradicional (http://www.soartigos.com/artigo/11095/logistica-reversa/). Acesso em 19/10/12 Segundo Paulo Roberto Leite (2009, p.3), a logística empresarial torna-se área vital para o processo empresarial em empresas que adotam esse tipo de produção. Simultaneamente ao tempo histórico empresarial, desenvolvem-se os sistemas de produção baseados no planejamento de necessidades de materiais (MRP - Material Requirements Planning), geridos por computadores e predominantes nos Estados Unidos do pós-guerra, nos quais a logística evidencia-se como atividade de planejamento e gestão de materiais. O MRP é adotado nas principais indústrias que trabalham com produtos com altas quantidades de 8

9 componentes e diversificados modelos em suas linhas montagem, permitindo planejamento de compras e de produção, bem como seu controle. Zaidat, Boucher e Vicent (2005, p. 21), mostram que os envolvimentos sociais e econômicos estão caracterizados pela imersão de novas organizações induzidas por fatores mercadológicos, produtos com ciclo de vida curto, alta variação da demanda necessidade de flexibilidade e reação e rápido desenvolvimento da tecnologia de informação. Conforme Leite (2009 p.06), a logística empresarial assume um papel relevante no planejamento e controle do fluxo de materiais e produtos desde a entrada na empresa até sua saída como produto finalizado. A Logística é um processo que pode ser dividido em várias etapas: envolve compra e venda, devolução de mercadoria por motivo de desistência ou de defeito e, finalmente, se preocupa com o destino de um produto ao final de sua vida útil. A preocupação da Logística Reversa (LR) é fazer com que esse material, sem condições de ser reutilizado, retorne ao seu ciclo produtivo ou para o de outra indústria como insumo, evitando uma nova busca por recursos na natureza e permitindo um descarte ambientalmente correto. Parece simples e inteligente, mas o processo ainda não funciona bem. Informações extraídas do site Acesso em 10/10/2012. Segundo Leite (2009) o processamento dos pedidos e o serviço oferecido aos clientes são diferenciais estratégicos nas empresas, regulando, dessa forma, as quantidades a serem produzidas e os modelos a serem fabricadas, sua sequência de fabricação, as quantidades e as datas de entrega das matérias primas e os componentes diretos da fabricação, os estoques de insumos e de produtos intermediários e acabados, entre outros, tornam-se fundamentais para o cumprimento das estratégias empresariais. De acordo com Leite (2009) na década de 1980 o advento de computadores pessoais, os sistemas de comunicação e a digitalização das informações, permitiram acelerar o ritmo empresarial, reduzindo os tempos de comunicação e as distâncias pelos espaços virtuais a globalização que, como consequência, exigiram processos logísticos compatíveis com esse 9

10 ambiente de maior complexidade operacional, de alta concorrência e volatilidade nos mercados, tornando a logística vital para estratégia empresarial. Segundo o site acessado em 12/04/2013 o advento do código de barras permitiu a identificação de produtos e materiais em diversos estágios de seu fluxo, digitalizando as informações e modificando a velocidade desses fluxos. Esse formato certamente marca um avanço importante nas atividades da logística empresarial, contribuindo para seu relevante papel nas últimas décadas. O código de barras é uma forma de representar a numeração, que viabiliza a captura automática dos dados por meio de leitura óptica nas operações automatizadas (www.ean.brasil.com EAN Brasil, 2012). Com a expansão do comércio global e do uso de computadores, descrições de produtos e serviços em linguagem simples precisam ser substituídas por sistemas de identificação que possam ser usados em todos os setores da indústria e comércio mundialmente. o código de barras tem esta função, é uma forma de representar a numeração, que viabiliza a captura automática dos dados por meio de leitura óptica nas operações automatizadas (FRANCISCHINI, 2002, p. 129). A logística empresarial adquiriu um novo status nas empresas, desempenha um papel estratégico no planejamento das redes operacionais em todas as regiões do globo e controla os fluxos dos materiais e as informações correspondentes em todas as fases da cadeia de suprimentos. Com crescente utilização da informação logística, é possível obter maior visibilidade dos fluxos logísticos ao longo das cadeias de suprimentos e maior racionalidade em seus controles (LEITE, 2009, p.05). Segundo Leite (2009) com a implantação de sistema de gestão empresarial informatizado ERP (Enterprise Resources Planning) -, são introduzidos diversos módulos de gerenciamento das operações em geral e, em particular, das operações logísticas. Novos sistemas informatizados de gestão de atividades logística (Softwares) são disponibilizados no mercado, com possibilidades de planejamentos, operação e controle com maior velocidade e precisão. 10

11 A intensa globalização dos mercados tornou o mercado mundial de prestação de serviços logísticos atrativos a muitos grupos internacionais e nacionais, desencadeando desdobramentos, aquisições e fusões de empresas para entrar nesse novo seguimento de serviços. Empresas dedicadas a atividades de correios, transportes, armazém e afins entraram nessa nova área, constituíram grandes grupos de prestação de serviços logísticos, desenvolveram tecnologias logísticas especializadas de alto nível pelo mundo, iniciando assim uma fase se intensa terceirização das tarefas logísticas. (LEITE, 2009) Leite (2009) escreve que, simultaneamente, nesse momento histórico de globalização acelerada dos mercados, empresas líderes em seus seguimentos, pressionadas principalmente pelo aumento da concorrência em seus mercados no mundo e pela complexidade acrescida em suas operações logísticas, buscam novas formas de obter competitividade. Identificam novas possibilidades de aumento da eficiência em custos e serviços aos clientes por meio de uma visão sistêmica da cadeia de suprimentos, afloram novas formas de relacionamento entre as empresas, envolvendo todas as áreas empresariais em uma nova visão estratégica. Desenvolvem-se novas estratégias de relacionamentos e parcerias efetivas nas cadeias de suprimentos, compartilhando-se informações de diversas naturezas e coordenam-se os fluxos de materiais e produtos em sua rede operacional, reduzindo ineficiências e melhorando o atendimento de seus clientes diretos e finais o Supply Chain Management. (SCM) De acordo com Leite (2009), nesse cenário, as principais ideias de visibilidade e velocidade nos fluxos logísticos para atendimento dos clientes pela demanda, equivalentes as do sistema Just-in-Time industrial, são trazidas a todas as áreas das empresas modernas, adequando todas as atividades empresariais à satisfação dessas parcerias à longo prazo nas cadeias de suprimentos. A logística empresarial adquiriu papel de alta relevância estratégica, contribuindo decisivamente para a competitividade empresarial. A figura 1, apresentada a seguir, permitir identificar as 4 áreas operacionais da logística empresarial atual, definição pela maioria dos autores, que privilegia a ideia de Closed Loop na logística. 11

12 Área de atuação da logística empresarial Mercado Fornecedor Organização Mercado Consumidor Logística de Suprimentos Logística de apoio à manufatura Logística de Distribuição Reintegração ao ciclo de negócios ou produtivo Logística Reversa Pós-venda Pós Consumo Figura 1. Área de atuação da logística Empresarial Fonte: Leite, 2009, p.4 Distinguem-se a logística de suprimentos, com a responsabilidade das ações necessárias para suprir a empresa dos insumos materiais; a logística de apoio à manufatura, responsável por planejamento, armazenamentos e controle dos fluxos internos. Definem-se ainda a logística de distribuição, que basicamente se ocupa da entrega dos pedidos recebidos, a logística reversa, a mais nova área da logística, responsável pelo retorno dos produtos de pós-venda e pós-consumo e de seu endereçamento a diversos destinos. Conforme Leite (2009 p. 8), o imperativo empresarial atual exige das empresas, simultaneamente, competir, cooperar e inovar em ambientes globalizados, em constantes mudanças, com a introdução frequente de novos produtos, com clientes sensíveis a serviços, requerendo de suas atividades velocidade de resposta, flexibilidade operacional, alta visibilidade de suas cadeias de suprimentos e de seus negócios, de forma que se adaptem a essas circunstâncias. Aumentos significativos nas quantidades e na variedade das mercadorias produzidas e comercializadas atualmente exigem alto desempenho de planejamento, operação e controle das cadeias de suprimentos para chegar eficientemente ao mercado. 12

13 Logística empresarial é a função empresarial que concretiza tais ações necessárias para a garantia do desempenho empresarial com importância reconhecida por diversos autores, que a justificam como área estratégica fundamental para o sucesso empresarial. (BALLOU, 1993, p. 23) Até o presente momento pudemos exibir de maneira clara e objetiva a base da logística, passando por sua história e sua real importância para as organizações e finalmente alavancarmos nesse assunto e termos fundamentos e propriedades em nossas afirmações para tratarmos de maneira aprofundada e contextualizada a respeito de Logística Reversa. Seguindo essa tendência estratégica de redução de custos e endereçamentos apropriados a produtos que podem ser reutilizados ou devidamente destinados com o intuito de preservação ambiental, passaremos da tão importante e vital logística empresarial para a uma nova visão de logística, a chamada logística reversa. 1.2 Definições de Logística Reversa A Logística é um tema bastante discutido e de grande interesse para organizações de diversos segmentos de mercado. Já a Logística Reversa é uma área recente com poucas referências bibliográficas, entretanto é crescente o interesse das empresas que buscam diferencial competitivo. Existem algumas definições para a Logística Reversa e os canais de distribuição reversos, alguns autores definem os objetivos. A Logística Reversa é como a área da logística empresarial que planeja, opera e controla o fluxo de informações logísticas correspondentes, do retorno dos bens de pós-venda e de pós-consumo ao ciclo de negócios ou ao ciclo produtivo, por meio dos canais de distribuição reversos, agregando-lhes valores de diversas naturezas: econômico, ecológico, legal, logístico, de imagem corporativa, entre outros. (LEITE, 2002, p. 97) De acordo com Caixeta Filho e Martins apud Stock (1998, p. 15), a Logística Reversa se refere ao papel da logística no retorno de produtos, redução da fonte, reciclagem, substituição de materiais, disposição dos resíduos entre outros. Caixeta Filho e Martins (2001) com base no conceito de aplicado por Leite (2002) descrevem que Logística Reversa representa todos os assuntos relacionados redução, reciclagem, substituição, reuso de matérias e a disposição final. Afirmam que os aspectos ambientais têm um grande impacto no trabalho logístico e será o maior assunto na área da logística dos próximos anos. 13

14 Segundo Leite (2002) a Logística Reversa vem se definindo com o passar do tempo, abrangendo novas áreas e gerenciamentos de fluxos com o objetivo de tornar possível o retorno dos bens ou de materiais que constituem o ciclo produtivo ou de negócios. Existem diferentes tipos de fluxos logísticos, tais como: diretos - são fornecedores e clientes e reversos - fornecedores, fabricantes e clientes. O autor Nogueira (2012) afirma que em setores de indústrias, os fluxos de retorno de embalagens e produtos, devoluções de clientes ou o reaproveitamento dos mesmos é a Logística Reversa mais recente. Leite (2002) descreve dois campos da Logística Reversa: pós-venda tem como objetivo agregar valor a um produto que é devolvido por razões comerciais, erros de procedimentos dos pedidos, garantias, entre outros, bem como planejar, operar e controlar o fluxo de retorno destes produtos; em outras palavras são constituídos pelas formas e possibilidades de retorno de uma parcela de produtos, com pouco ou nenhum uso, que fluem no sentido inverso, do consumidor ao varejista ou ao fabricante, do varejista ao fabricante entre empresas, motivados por problemas relacionados à qualidade em geral ou a processos comerciais entre empresas, retornando ao ciclo de negócio de alguma maneira, já a de pósconsumo tem o objetivo de agregar valor a um produto inservível - que tenha condições de utilização - produtos no final da vida útil ou usado que podem ser reutilizados - geralmente tem origem de bens duráveis ou descartáveis dos canais de reversos de reuso, desmanche e reciclagem. Segundo Leite (2002 p.17) a Logística Reversa pós-venda é constituída pelos seguintes aspectos: Garantia / Qualidade: produtos que apresentam defeitos, avarias e outros; que podem ser consertados e voltar ao mercado; Comerciais: são produtos de estoques (liquidação, excesso), que retornam ao ciclo através da redistribuição; Substituição de componentes: produtos que são consertados ou remanufaturas e voltam ao mercado ou para reciclagem, quando não podem ser reaproveitados. 14

15 Conforme Leite (2002, p.17) no pós-consumo são classificados devido a função do seu estado de vida e origem, conforme segue: Condições de uso: os bens que estão em condições reutilização, denominando este canal de reuso, até atingir o fim da vida útil constituindo o looping. Fim da vida útil: a Logística Reversa pode atuar em dois segmentos bens duráveis entram no canal de desmontagem e reciclagem industrial, sendo desmontados na etapa de desmanche que será reaproveitado / remanufaturado ou usado na própria indústria no canal reverso - bens descartáveis retornam através da reciclagem industrial que constituirá matériaprima para fabricação de produtos ou quando não há condições vão para o destino final (aterros sanitários, lixões e incineração). O autor Leite (2002) identifica que existem interesses na implementação do retorno de bens de pós-venda e de pós-consumo, tais como: fator econômico de grande importância para as empresas, objetivos ecológicos e imagem corporativa - que visam contribuir com a comunidade, também o objetivo legal, que é caracterizado pela exigência ao fabricante da devida destinação final ao produto, obrigando a cadeia a aceitar a devolução de embalagens de seus clientes e responsabilizar pelo retorno do produto perigoso. 1.3 Objetivos da Logística Reversa Segundo Leite (2003, p. 34) o objetivo da implementação da Logística Reversa é a revalorização de bens, pode-se considerar os tipos abaixo: Revalorização econômica: o interesse é na obtenção de economia da reutilização / comercialização no mercado secundário dos bens de pós-consumo ou economia obtida na substituição de matéria-prima virgem por matérias-primas secundária. Revalorização ecológica: o interesse da empresa é obter uma boa imagem corporativa, adaptando-se as novas condições do mercado competitivo onde o marketing ambiental se torna uma estratégia empresarial e demonstrando à sociedade, formas de proteção contra os impactos negativos de seus produtos ao meio ambiente. 15

16 Revalorização legal: são exigências de cumprimento de legislações ambientais, sob pena de serem punidas pelo impacto de seus produtos no meio ambiente. De acordo com Leite (2003) para tomada de decisão estratégica relacionada a construção de uma rede reversa é preciso realizar uma análise integral / minuciosa dos fatores ligados e de influência. A terceirização de atividades especializadas tem sido muito utilizada na implementação, pois as empresas individualmente não possuem volume de negócios que justifiquem sua especialização em todas as etapas. Para Leite (2003) o tipo de tecnologia utilizado pela empresa determinará a forma adequada de Logística Reversa a ser utilizada. E também é possível deduzir o valor e a quantidade disponível dos bens de pós-consumo de acordo com as peculiaridades do segmento e do custo logístico, bem como o nível de integração da rede reversa. Conforme Leite (2003) existe dois tipos natureza dos produtos de pós-consumo: durável em condições de reutilização e de alto valor relativo, tem tendência de ciclo fechado e integrado a fim de garantir a integridade, sempre utilizando empresas prestadoras de serviços logísticos especializado; descartáveis de baixo valor, portanto de reduzido interesse de revalorização econômica. 1.4 Impacto da Logística Reversa na organização Segundo Leite (2003) alguns fatores importantes e que influenciam nas quantidades do fluxo reverso de pós-consumo são: a localização de origens, destinos, a organização dos diversos tipos de coleta, considerando que será eficiente o processo se houver interesse das empresas de determinado setor e governo, ou seja, só através dessa união haverá revalorização logística dos produtos de pós-consumo nos canais reversos, tornando os produtos e materiais de pós-consumo acessíveis nos locais em quantidades adequadas e permitindo a viabilidade econômica das diversas etapas reversas. O autor Nogueira (2012) afirma que a Logística Reversa está sendo levada cada vez mais a sério no Brasil, onde as empresas de hoje devem saber utiliza - lá como forma de competitividade, reestruturando e organizando seu fluxo, tanto para a satisfação da empresa e principalmente a satisfação do cliente. 16

17 De acordo com Leite (2003) existem dificuldades na logística de pós-consumo principalmente porque as empresas produtoras de matérias-primas novas estão localizadas próximas às fontes de recursos naturais - como exemplo: as indústrias de papel normalmente se localizam perto das florestas, as siderúrgicas ficam próximas às jazidas de minério de ferro e as indústrias químicas de resinas de plásticos encontram-se próximas a centros petroquímico - desta forma, as fontes ou produtos de pós-consumo e seus subsequentes tratamentos reversos geralmente encontram-se próximo aos centros urbanos, gerando dificuldades logísticas em seu aproveitamento como substitutos da matéria-prima primária. Para Leite (2003) é visível a tendência de aproximação de alguns setores a determinadas unidades industriais de reaproveitamento de matéria-prima secundárias dos centros urbanos, reduzindo as distâncias e os custos de transporte. Leite (2003) explica que alguns produtos descartáveis ou duráveis sem condição de uso apresentam peso/volume e preço/peso muito baixo, mas na ótica da Logística as diversas etapas dos canais reversos elevam o custo do transporte dos materiais. Já alguns materiais como exemplo: metais, jornais, revista, resíduos industriais previamente adensados, entre outros - são exceções sendo que o volume é mais adequado para o transporte, entretanto mesmo nesses casos o raio de ação de transporte raramente ultrapassa 100 km na fase de coleta dos produtos de pós-consumo exemplo dessa limitação são as coletas de lixo urbano e as coletas seletivas, nas quais a densidade de carga é muito baixa. Para Leite (2003) é notável que a dispersão / distância geográfica das origens dos produtos de pós-consumo exigem coletas em pequenas quantidades, que sofrem etapas logísticas intermediárias de seleções e adensamento, permitindo transporte a maiores distâncias. Concordamos com o autor ao explicar que: Entende-se por revalorização logística a adequação de localização aos produtos de pós-consumo de modo que se viabilize uma rede reversa. O desenvolvimento de uma rede de distribuição Logística Reversa, diretamente ou por parceria, convênio com poderes públicos, cooperativas etc.., permitirá as empresas revalorizar logisticamente produtos de pós-consumo, agregando lhes valor e confortando situações empresariais. (LEITE, 2003, p. 72) 17

18 Dentro desse cenário ou do cenário já visto é fácil compreendermos a necessidade das preocupações em facilitar os transportes, os estoques, a movimentação de materiais, o nível de integração das atividades logísticas e o sistema de informação correspondente a fim de adequar os diversos fluxos de materiais e mercadorias em toda a cadeia logística. 1.5 Condições essenciais de organização e implementação da Logística Reversa em um canal reverso. Remuneração em Todas as Etapas Reversas. Segundo Leite (2003), na Logística Reversa, deve-se obter uma lucratividade compensadora, onde os custos obtidos permitam preço de venda dos reciclados inferiores ou compatíveis com matérias primas virgens que serão substituídas. Qualidade dos Materiais Reciclados Conforme Leite (2003), o retorno ao ciclo produtivo dos materiais deve ser economicamente aceitável e obtendo também sua qualidade do pós-consumo, que influenciará na matéria prima secundária. Escala Econômica de Atividade. De acordo com Roberto Leite (2003), a quantidade de reciclados deve ser suficiente e de certo modo a uma quantidade satisfatória no fornecimento do pós-consumo. Mercado para Produtos com Conteúdo de Reciclados Segundo Leite (2003), os produtos que são fabricados com materiais reciclados devem ter qualidade, pois reflete com muita importância em mercado final. Concordamos com o autor ao explicar que: 1.6 Produto logístico de pós-consumo Logística reversa: em uma perspectiva de logística de negócios, o termo refere-se ao papel da logística no retorno de produtos, redução na fonte, reciclagem, substituição de materiais, reuso de materiais, disposição de resíduos, reforma, reparação e remanufatura. (STOCK, 1998:20, Apud LEITE, 2003) 18

19 Para Leite (2003), os materiais depois de serem utilizados transformam-se em produtos de pós-consumo, que devem ser descartados corretamente através de incineração (queima dos resíduos), aterros sanitários (seguros e autorizados) ou também retornar ao ciclo produtivo como reciclagem ou reuso em sua vida útil. Classificam-se materiais de pós-consumo em três categorias: Bens descartáveis: materiais que tem a durabilidade no máximo de 6 (seis) meses. São produtos como embalagens, brinquedos, materiais para escritório, suprimentos para computadores, artigos cirúrgicos, pilhas, fraudas, jornais, revistas e etc. Bens semiduráveis: materiais que tem a durabilidade de alguns meses, não passando de dois anos. São produtos como baterias de veículos, óleos lubrificantes, baterias de celulares etc. Bens duráveis: materiais que tem a durabilidade variando entre alguns anos e décadas apresentam a possibilidade de reutilização. São produtos como automóveis, eletrodomésticos, eletroeletrônicos, máquinas e equipamentos industriais, navios, aviões etc. Segundo Nogueira (2012), o ciclo de vida do produto não acaba com sua entrega ao cliente, ou seja, os produtos depois de utilizados, danificados ou que não funcionem devem retornar ao seu ponto de origem para serem adequadamente descartados, reparados ou reaproveitados. 1.7 Canais de distribuição diretos e reversos De acordo com Leite (2009), os canais de distribuição reversos de pós-consumo, são constituídos pelo fluxo reverso de uma parcela de produtos de materiais constituintes originados no descarte dos produtos, depois de finalizada sua atividade original, retorna ao ciclo produtivo de alguma maneira. Distinguem-se três subsistemas reversos: Os canais reversos de reuso, de remanufatura e de reciclagem. Observamos também, no esquema geral apresentado, a possibilidade de uma parcela desses produtos de pos-consumo ser dirigida a sistemas de destinação final seguro ou controlados, que não provocam poluição, ou não seguro, que provoca impactos maiores no meio ambiente. 19

20 1.8 Canais de distribuição reversos de bens de pós-consumo (CDR PC) Os bens industriais apresentam ciclos de vida útil de algumas semanas ou de muitos anos, após os quais são descartados pela sociedade, de diferentes maneiras, constituindo os produtos de pós-consumo e os resíduos sólidos em geral. As diferentes formas de processamento e de comercialização dos produtos pós-consumo ou de seus materiais constituintes, desde sua coleta até sua reintegração ao ciclo produto como matéria prima secundária, são denominadas, neste livro, de Canais de Distribuição Reversa de pósconsumo (LEITE, 1999 p 17). De acordo com Leite (2009) os bens industriais classificados como duráveis ou semiduráveis, após seu desembaraço pelo primeiro possuidor, tornam-se produtos de pósconsumo. Nos casos em que ainda apresentam condições de utilização podem destinar-se ao mercado de segunda mão, sendo comercializado diversas vezes. O caso mais comum desse tipo de canal reverso é de veículos em geral, eletrômetros, produtos de informática e vestuário, entre outros exemplos, que possuem trabalho de segunda mão instituído em todas as regiões do planeta (Leite, 2009). Entrando no mérito de nosso trabalho, os paletes podem ser reutilizados de maneira a serem reaproveitados até fim de sua vida útil. Nesses casos, portanto, os canais reversos de reuso são definidos como aqueles em que se tem a extensão do uso de um produto de pós-consumo ou de seu componente, com a mesma função pela qual foi originalmente concedido, ou seja, sem nenhum tipo de remanufatura (DIAS, 1993, p.135). Devemos observar que, nesses casos, o termo pósconsumo é adotado como sinômino de bem usado, mesmo que ainda haja interesse em sua reutilização. Após os bens atingirem seu fim de vida útil efetivo é nessa categoria de pósconsumo incluem-se os produtos descartáveis que apresentam vida útil de algumas semanas. O fluxo reverso de bens por meio de dois grandes sistemas de canais reversos de revalorização: O canal reverso de remanufatura e o de reciclagem. Na impossibilidade dessas revalorizações, os bens de pós-consumo encontram a disposição final em aterros sanitários. 20

21 Remanufatura é o canal reverso no qual os produtos podem ser reaproveitados em suas partes essenciais ( cores ), mediante a substituição de alguns componentes complementares reconstituindo-se um produto com a mesma finalidade e natureza do original. Esse processo industrial é denominado remanufatura industrial. (LEITE, 2009) De acordo com Leite (2009), as embalagens de produtos químicos ou agrotóxicos são outros exemplos que podem mencionados como remanufatura, pois em status de avaria, podem perfeitamente ser retrabalhados e novamente utilizados pelos seus fabricantes em um processo que teria a participação efetiva e minuciosa do laboratório e do setor de qualidade, a fim de providenciar um retorno seguro do produto ao setor de armazenagem e por fim ao cliente final. Podemos definir desmanche como um processo industrial no qual um produto durável de pós-consumo é desmontado em seus componentes. Os componentes em condições de uso ou remanufatura são separados e destinados à remanufatura industrial e os materiais para os quais não existem condições de revalorização são enviados para a reciclagem industrial. Os primeiros são enviados, diretamente ou após remanufatura, ao mercado de peças usadas, enquanto os materiais inservíveis são destinados a aterros sanitários ou são incinerados (LEITE, 2009). A disposição final é entendida, aqui, como o último local de destino para o qual são enviados produtos, materiais e resíduos em geral sem condições se revalorização. Tradicionalmente são consideradas disposições finais seguras, sob o ponto de vista ecológico, em aterros sanitários tecnicamente controlados, nos quais os resíduos sólidos de diversas naturezas são estocados entre camadas de terra, para que ocorra sua absorção natural, ou são incinerados, obtendo-se a revalorização pela queima e extração de sua energia residual. A disposição final não controlada, constituída pela deposição desses resíduos em lixões não controlados e pelo despejo em córregos, rios, terrenos etc. resulta em poluição ambiental. Compreende-se, então, que o fluxo reverso dos bens de pós-consumo nos canais de distribuição reversos de bens de pós-consumo refere-se a uma parcela do total existente, sendo a outra parte destinada a disposições seguras ou não seguras. 21

22 Esses produtos ou materiais de pós-consumo, quando não retornam ao ciclo produtivo de alguma forma, em quantidades adequadas, constituem-se em acúmulo que excedem em alguns casos, as diversas possilibidades e capacidades de estocagem, transformando-se em problemas ambientais com visibilidade crescente no limiar de nosso século. (FULLER E ALLEN, 1995, p.244) Nas últimas décadas, os impactos causados sobre o meio ambiente pelos produtos e processos industriais, acrescidos dos grandes desastres ecológicos cada vez mais próximos e que fazem parte da vida moderna, tornaram-se mais visíveis à sociedade em geral, modificando hábitos de consumo em alguns países, bem como a percepção empresarial sobre a importância desses canais reversos sobre sua imagem corporativa. No final do século XX, as sociedades mais desenvolvidas preocupavam-se com as crescentes quantidades de produtos descartáveis provenientes de embalagens de alimentos em geral. (Leite, 2009) Regulamentações expressas que visam equacionar melhor o retorno dos produtos em geral, reduzindo seus impactos no meio ambiente e outros aspectos evidenciando no decorrer deste livro, justificam o interesse crescente pelas oportunidades e riscos dos canais de distribuição reversos de pós-consumo. 1.9 Canais de distribuição reversos de bens de pós-venda (CDR-PV) Os bens industriais de pós-venda que, por diversos motivos, retornaram à cadeia de suprimentos, sendo reintegrados ao ciclo de negócios, por meio de uma diversidade de formas de comercialização e de processamentos constituem outra categoria de fluxos reversos denominados canais de distribuição reversos de pós-venda. Esses produtos retornam por uma variedade de motivos: término de validade, estoques excessivos no canal de distribuição, por estarem em consignação, por apresentarem problemas de qualidade e defeitos etc., após serem destinados aos mercados secundários, a reformas, ao desmanche, à reciclagem dos produtos e de seus materiais constituintes ou a disposição reversa, de acordo com a definição do Council of Logistcs Management. (CLM, 1993, p.3). Esses canais reversos também apresentam importância crescente, tanto do ponto de vista estratégico-empresarial como do ponto de vista econômico, para alguns setores empresariais. Estima-se que atinjam cerca de 35 bilhões de dólares anuais nos Estados Unidos, ou seja, cerca de 0,23% do Produto Nacional Bruto (PNB) do país. Levando-se em conta que as preocupações com esses canais reversos são relativamente recentes, mesmo nos Estados Unidos, pode-se avaliar que essas cifras aumentarão em poucos anos. O mercado de 22

23 peças de reposição de automóveis representou um valor econômico de 36 bilhões de dólares em 1997, apresentando 12 mil empresas de desmontagem em atividade, à época, no país (Rogers e Tibben-Lembke, 1999, p. 6). Pesquisas realizadas nos Estados Unidos, Reino Unido e Brasil, revelando a importância econômica e estratégica na obtenção de diferenciados objetivos empresariais, que justificam as preocupações crescentes com esses fluxos reversos de pós-vendas. (LEITE, 2009 APUD CLM, 1993, p.3) O fluxo reverso de bens de pós-venda pode se originar de várias formas, por problemas de desempenho do produto ou por garantias comerciais; ao mesmo tempo, pode se originar em diferentes momentos da distribuição direta, ou seja, do consumidor final para o varejista ou entre membros da cadeia de distribuição direta. Dentre os problemas de desempenho mais comuns, podem ser citados as avarias de transporte e os defeitos em garantia, enquanto os comerciais são os erros de pedido, a limpeza de canal nos elos da cadeia de distribuição, os excessos de estoques, o fim de estações, o fim de vida comercial o produto, os estoques obsoletos, entre outros Definições da área de atuação Nas últimas décadas, vivenciamos uma indiscutível ânsia de lançamentos de produtos e modelos em todos os setores empresariais e em todas as partes do globo. Comparando a quantidade de modelos que compõem uma única categoria de produto com a quantidade adquirida há algumas décadas, é possível constatar, sem dificuldade, um crescimento extraordinário. Empresas elaboram produtos e modelos específicos para satisfazer diferentes segmentos de clientes em uma variedade de aspectos: além das cores, tamanhos, capacidade e especificações diferenciadas, os produtos são segmentados por idade e sexo, etnia dos clientes, sabor e odor de diversas naturezas, tamanho e tipo de embalagem, teores de açúcar de gordura etc. (LEITE, 2009) Segundo Callegari (2009), do ponto de vista das empresas, alguns cuidados precisam ser tomados. Nos locais de armazenagem, faz-se necessário estruturar sistemas capazes de lidar com estes volumes crescentes (e dificilmente previsíveis). Além disso, assim como a logística tradicional, a logística reversa tem como um dos principais componentes os sistemas 23

24 de transporte. É necessário que os sistemas de roteamento sejam capazes de solucionar os complexos problemas de entregas e coletas simultaneamente, levando em conta, dentre outras restrições, as capacidades dos caminhões e os intervalos de tempo (este problema é chamado tecnicamente de pickup and delivery routing problem - PDRP). Leite (2009) afirma que por outro lado, observa-se uma nítida redução no tempo de vida mercadológico e útil dos produtos em todos os setores da atividade humana. O ciclo de vida mercadológico dos produtos se reduz em virtude da introdução de novos modelos, que tornam os anteriores ultrapassados em consequência de seu próprio projeto, pela concepção de ser utilizada uma única vez, pelo uso de materiais de menor durabilidade, pela dificuldade técnica e econômica de conserto etc. Como resultado, há quantidades maiores de produtos, ainda sem uso ou já consumidos, que retornam de alguma forma ao ciclo produtivo ou de negócios. Produtos obsoletos sob diversas óticas, com defeitos ou dentro da garantia, com validade vencida, com excesso de estoque, não consumidos ou com pouco uso, retornam ao ciclo de negócios na busca pela recuperação de valor de alguma natureza. Produtos no fim de sua vida útil ou em condições de reutilização e resíduos industriais, não apresentando interesse ao primeiro proprietário, retornam ao ciclo de negócios ou produtivo idênticos, porém por caminhos diferentes dos primeiros (Leite, 2009). Já Rogers e Tibben-Lembke (1999, p. 2) apud LEITE (2009), adaptando a definição de logística do Council of Logistics Management (CLM), Conselho de Gestão de Logística (CGL) definem a Logística Reversa como: O processo de planejamento, implementação e controle da eficiência e custo efetivo do custo de matérias primas, estoque em processos, produtos acabados e informações correspondentes do ponto de consumo ao ponto de origem com o propósito de recapturar o valor ou destinar à apropriada disposição. Nos ambientes globalizados e de alta competitividade em que vivemos, as empresas, modernas reconhecem cada vez mais que, além da busca pelo lucro em suas transações, é necessário atender a uma variedade de interesses sociais, ambientais e governamentais, garantindo seus negócios e sua lucratividade ao longo do tempo (LEITE, 2009). Dessa forma, 24

25 torna-se necessário satisfazer diferentes stakeholders acionistas, funcionários, clientes, fornecedores, comunidade local, governo que avaliam as empresas sob diferentes perspectivas. O planejamento empresarial em seus diversos níveis (estratégico, tático e operacional) deve ser elaborado de acordo com a visão holística de competir, colaborar e inovar. (LEITE, 2009) Atualmente, tornou-se impossível ignorar os reflexos que o retorno dessas quantidades crescentes de produtos de pós-venda e de pós-consumo causam nas operações empresariais. O retorno dos produtos de pós-venda em grande quantidade precisa ser equacionado, sob pena de interferir nas operações e na rentabilidade das atividades das empresas. (MOREIRA, 2012). Por outro lado, e não menos importante, as crescentes quantidades de produtos de pós-consumo, ao esgotar os sistemas tradicionais de disposição final, se não equacionadas, provocam poluição por contaminação ou por excesso. Legislações ambientais, visando à redução desse impacto, desobrigam gradativamente os governos e responsabilizam as empresas, ou suas cadeias industriais, pelo equacionamento dos fluxos reversos dos produtos de pós-consumo. A isso, acrescenta-se o fato de que a falta de equacionamento desses fluxos reversos pode se constituir em um risco à imagem da empresa, à sua reputação de empresa cidadã e consciente da responsabilidade socioambiental diante da comunidade. (Leite, 2004) Os primeiros estudos sobre logística reversa são encontrados nas décadas de 1970 e 1980, tendo seu foco principal relacionado ao retorno de bens a serem processados em reciclagem de materiais, denominados e analisados como canais de distribuição reversos. A partir da década de 1990, pelas razões anteriormente expostas, o tema tornou-se mais visível no cenário empresarial. (BRITO e LEITE, 2002) A observação dos hábitos empresariais no Brasil tem revelado avanços importantes na implementação da logística reversa, como consequência do crescimento dos volumes transacionados nestes últimos anos, da difusão de suas principais ideias, da melhor compreensão de seus objetivos e possibilidades estratégicas, bem como das oportunidades empresariais para os agentes das cadeias de suprimentos (LEITE et al., 2008). 25

26 Segundo Lacerda (2000), os processos logísticos reversa têm oferecido consideráveis retornos para as empresas. O reaproveitamento de materiais e a economia com embalagens retornáveis têm trazido ganhos que estimulam cada vez mais novas iniciativas e esforços em desenvolvimento e melhoria nos processos reversos. Segundo Leite 2009, já no ano de 2003, mais de 80% dos operadores logísticos atuantes no Brasil oferecia o serviço de logística reversa, revelando crescimento acentuado de interesse, diferente entre setores em razão dos diversos níveis de impacto causados pelo retorno de produtos e materiais ao ciclo de negócios e produtivo Canais de distribuição reversos Segundo Leite (2003) os canais de distribuição são conhecidos pelas diversas etapas onde os bens produzidos são comercializados até chegar ao consumidor final. Desta forma, canais de distribuição reversos são as etapas, formas e os meios em que uma parte dos produtos retorna ao ciclo produtivo ou de negócio, agregando valor em mercados secundário pelo reuso ou pela reciclagem de seus materiais. Para Leite (2003) existem dois tipos de canais de distribuição reversos o de pósconsumo e pós-venda. O pós-venda é constituído pelas formas e possibilidades de retorno de produtos, com ou sem uso, que faça o sentido inverso consumidor, varejista ou fabricante geralmente devido problemas de qualidade, processos comerciais, que retornam ao ciclo de negócio. O pós-consumo é constituído pelo fluxo reverso de produtos e materiais originados do descarte depois de finalizada sua utilidade original ao ciclo produtivo. São divididos em: canais reversos de reciclagem e de reuso ou são disponibilizados para a destinação final segura e controlada. Conforme Leite (2003) após a primeira utilização os produtos são considerados de pós-consumo sendo que as formas de processamento e comercialização são denominadas canais de distribuição reversos de pós-consumo. Os canais de reuso são aqueles que os bens de pós-consumo têm utilidade igual a que foi destinada inicialmente, caso ainda tenha condições de utilização são destinados ao mercado de segunda mão até o fim da vida útil. 26

27 Para Leite (2003) os bens de pós-consumo que atingem o fim da vida útil são geralmente os descartáveis, que se destina ao desmanche, reciclagem ou disposição final em aterros sanitários ou incinerados. Pode-se definir desmanche como o processo de desmontagem no qual as peças em condições de uso são separadas para reutilização. Já a reciclagem é a revalorização de materiais através da transformação em matéria-prima secundária ou recicladas que serão incorporadas a fabricação de um novo produto. A disposição final é o último destino do material sem condição de revalorização. São recomendados locais ecologicamente corretos, aterros sanitários controlados onde os resíduos são absorvidos pela terra Fator econômico da Logística Reversa Leite (2003) escreve que a Logística Reversa como uma cadeia de distribuição, reciclagem e reutilização, traz para a organização o objetivo de economia, desde que todas as etapas reversas estejam reestruturadas para esse segmento, ou seja, deverá a empresa implementar em seus setores recursos necessários para que seja assim utilizado. Leite (2003) cita alguns exemplos de economia obtida através da Logística Reversa, conforme segue: Valor econômico nos canais reversos: tem a substituição de matéria-prima primária por secundária, impactando no valor da venda. Ferro / aço no Brasil: existe facilidade na reutilização do aço como matéria-prima secundária, no Brasil é reaproveitado cerca de 17%. Alumínio no Brasil: O alumínio também é um produto com a facilidade de reutilização como matéria-prima secundária, no Brasil foi utilizado cerca de 13%. Plástico no Brasil: tem um nível de reciclagem de 15%. Já para Nogueira (2012), além dos custos com a matéria-prima, produção, armazenagem e estocagem. O produto tem custos que estão relacionados a todo o gerenciamento do seu fluxo reverso, ou seja, há custos para a reciclagem, reutilização e descarte desses produtos. 27

28 Para Caixeta Filho e Martins (2001) o transporte, se utilizado adequadamente, apresenta uma fonte de redução de custos, como exemplo: roteirização e programação horária de veículos, escolha do modo de transportes, a escolha entre transporte público e privado, planejamento de tráfego entre outros assuntos. Leite (2003) chega a conclusão que a sociedade perde no mínimo cerca de 6 bilhões de reais no Brasil por não reciclar os materiais do lixo urbano Fator ecológico na Logística Reversa Segundo Leite (2003) atualmente a sociedade tem se preocupado com equilíbrio ecológico, pois a quantidade de produtos descartados (lixo urbano) vem aumentando e não é encontrando canais de distribuição reversos devidamente estruturados e organizados, provocando muita diferença entre quantidade de produtos descartados e os reaproveitados. Leite (2003) afirma que a sensibilidade ecológica vem manifestando em empresas e governos atitudes para amenizar os efeitos mais visíveis dos diversos tipos de impacto ao meio ambiente, aproveitando também para um interesse de diferenciação estratégica para seus produtos e interesses políticos. Caixeta Filho e Martins (2001) retratam a falta de conscientização da sociedade, que precisa compreender a necessidade de reduzir seus resíduos, considerando que a matériaprima virgem será escassa em poucos anos e capacidade dos aterros e incineradores é finita. Para Leite (2003) os consumidores estão cada vez mais preocupados e dispostos a pagar mais pelos produtos feitos pensando no meio ambiente, além disso, os acionistas têm preferência por investir em empresas comprometidas com o meio ambiente. Conforme nos mostra Caixeta Filho e Martins (2001), as empresa estão utilizando os 3R s Reduzir, Reciclar e Reutilizar - para que seus produtos possam agredir o mínimo possível o meio ambiente. Para Caixeta Filho e Martins (2001) os resíduos sólidos vêm se transformando em um problema para as grandes cidades, sendo que aquelas que ainda não tomaram nenhuma providência ou ao menos venha estudando uma forma de resolver esse problema, certamente 28

29 enfrentarão problemas de sujeira, proliferação de insetos, contaminação das águas, plantas e animais, e o aparecimento de frequentes doenças. Os investimentos para o tratamento dos resíduos sólidos são altos em relação aos orçamentos (escassos) municipais e se não for feito corretamente podem acarretar custo de manutenção elevada e grandes danos ambientais. Logo, este é o momento para o governo (municipal, estadual e federal) e comunidade buscar soluções para seus lixos / resíduos sólidos. Assim como Caixeta Filho e Martins (2001) acreditamos que a Logística Reversa tem grande importância no processo de destinação de resíduos, a sugestão é a utilização da reciclagem e reuso de materiais, podendo minimizar o uso dos aterros e incineradores, que representa um grande impacto ambiental. De acordo com Leite (2003) a sociedade tem desenvolvido novas legislações e novos conceitos de responsabilidade empresarial, adequando assim o crescimento econômico com as variáveis ambientais. O desenvolvimento sustentável está sendo utilizado constantemente para atender às necessidades presentes se preocupando com o futuro. O autor Leite (2003) define que a legislação ambiental estuda desde a fabricação e uso da matéria prima até o produto final, regulamentando a produção e o uso de selos verdes para a identificação de produtos amigáveis ao meio ambiente, e quais produtos podem ser depositados em aterros ou não, a restrição de utilização de matéria-prima secundaria e outros. Leite (2003) também afirma que as indústrias devem se responsabilizar por seu produto desde sua fabricação até a decisão correta do seu destino após seu uso original. Conforme Nogueira (2012) as empresas devem se preocupar com o ciclo de vida dos produtos mesmo depois de serem entregues aos seus clientes, pois deverá ter a responsabilidade referente à legislação ambiental, onde os mesmos não prejudiquem o meio ambiente. De acordo com Leite (2003) a análise do ciclo de vida útil dos produtos estuda as consequências ambientais desde a fabricação até a disposição final. A norma ISO 14000, padroniza estas técnicas e a ideia principal é que se tenha um instrumento de medição para escolher a forma que tenha menor impacto ambiental (exemplo: optar por embalagens descartáveis ou retornáveis), além disso, as empresas antecipam-se os impactos causados por 29

30 seus produtos, disponibilizam departamentos especializados nas legislações relacionadas e estabelecem programas de conscientização. A ISO é um conjunto de normas técnicas referentes a métodos e análises que possibilitam certificar determinado produto quando de sua produção, sua distribuição e descarte, a organização que o produziu, utilizando um processo gerencial e técnico que não proporciona, ou reduz ao mínimo, os danos ambientais; e que estejam de acordo com a legislação ambiental. A instituição armazenadora do país, ou outra por ela delegada, emite então o certificado sobre o processo de produção ou rótulo sobre o produto. (Filho e Martins, 2001, p. 23). De acordo com Caixeta Filho e Martins (2001) a norma inclui sistema de gestão básico, auditoria, avaliação de desempenho, selos, avaliação de ciclo de vida e aspectos ambientais de normais de produto. Percebemos a importância de implementação a norma ISO 14000, que mostra a atuação ambiental responsável de uma empresa. De acordo com Caixeta Filho e Martins (2001) o grande objetivo da ISO é a redução do impacto global dos resíduos de embalagens no meio ambiente, por meio de medidas como: diminuição da quantidade de materiais utilizados, incentivos à reciclagem das embalagens e minimização de volumes de resíduos que vão para os aterros. A norma abrange seis áreas: sistema de gerenciamento ambiental, auditorias ambientais, avaliação do desempenho ambiental, rotulagem ambiental, análise do ciclo de vida e aspectos ambientais relacionados a produtos. Algumas providências podem ser tomadas para minimizar o impacto ambiental em diversos setores da cadeia logística, para Caixeta Filho e Martins (2001, p. 23) estas ações seriam: Canal de entrada (recebimento, estocagem e movimentação de matériasprimas): análise do melhor modo de transporte a ser utilizado, uso de contêineres reutilizáveis, layout adequado dos depósitos; Transformação (transformar a matéria-prima em um bem acabado): escolher o tipo de embalagem adequado a ser utilizado; 30

31 Canal de saída (distribuição física): localização estratégica do depósito, consolidação dos depósitos em um centro de distribuição. As dificuldades encontradas no recolhimento dos produtos no seu fim de vida útil são bastante abordadas. Caixeta Filho e Martins (2001) apontam o transporte como o contribuinte mais danoso em termos ambientais dentro da logística, mas algumas ações podem ser tomadas para que redução dos impactos gerados, tais como: a roteirização dos veículos, a disposição final dos veículos e suas partes. Segundo Leite (2003) ainda não é contabilizado custos ecológicos na contabilidade empresarial, mas aos poucos estão sendo introduzidos pelas empresas preocupadas com o meio ambiente. Para Leite (2003) empresas na fase de busca de valor podem ganhar em competitividade, na imagem corporativa, na redução de custos operacionais, no incentivo a rede de distribuição reversa e seus fornecedores e clientes. Essas organizações têm imagem diferenciada, buscam constantemente produtos de menor impacto ao meio ambiente. Abaixo são apresentadas algumas atitudes tomadas: Avaliação dos produtos e processos por meio da análise do ciclo de vida ambiental: empresas utilizam essa metodologia para desenvolver seus produtos e adaptar os existentes. Concepção dos produtos visando reduzir impactos sobre o meio ambiente e facilitando o ciclo reverso do pós-consumo: no desenvolvimento do produto é preciso considerar os impactos ambientais, facilitando a desmontagem e separação dos constituintes. Criação de vantagem competitiva por meio da Logística Reversa. Extensão dos conceitos de responsabilidade ambiental: essas empresas exigem comprometimento de seus parceiros comerciais, fornecedores e clientes, além de possuir a certificação ISO Fator legal na Logística Reversa Para Leite (2003) é preciso a intervenção governamental quando não há sintonia entre os fluxos reversos e fluxos diretos. As legislações ambientais estão se voltando para as 31

32 responsabilidades dos fabricantes através de regulamentações para reciclagem, aterros sanitários e outras. Existem leis orientando: Para proibições de aterros sanitários e incineradores; Sobre a implantação de coleta seletiva; Sobre responsabilidade de fabricante sobre o canal reverso e seus produtos; Sobre proibição de disposição em aterros sanitários de certos produtos; Sobre valor monetário depositado na compra de certo tipo de embalagens; Sobre os índices mínimos de reciclagem; De incentivo ao conteúdo de reciclados nos produtos; Sobre proibição de venda ou uso de certos produtos; Sobre proibição de embalagens descartáveis; Sobre rótulos ambientais; Sobre incentivos fiscais; Relativas à redução de fonte. Caixeta filho e Martins (2001) apontam o Governo como sendo o principal instrumento de ajuda para se tratar da Logística Reversa. É interessante a padronização de alguns itens, como: a emissão de poluentes pelos veículos, índices de ruídos, necessidade de reciclagem no âmbito Municipal, Estadual e Federal, incentivos a empresas que se adaptam a legislação ambiental em vigor; estas seriam formam de incentivar as empresas a adotar métodos de reverso e reuso. De acordo com Leite (2003) as legislações ambientais foram implantadas efetivamente nos Estados Unidos (coleta seletiva) e Alemanha (retorno das embalagens). No Brasil foi criado o Programa Brasileiro de Reciclagem e o Projeto Política sobre Resíduos Sólidos. 32

33 Segundo Caixeta Filho e Martins (2001) sem a ajuda do governo não há possibilidades de se contornar a situação ambiental, são necessárias iniciativas para um bom desenvolvimento da rede reversa, que terá maior impacto se for feito pela parceria entre a população, governantes e empresários: Sociedade: contribuir com os projetos do município, como exemplo: a coleta seletiva roteirizará (a população deposita seu lixo em recipientes separados e disponibiliza em um ponto mais estratégico para a sua coleta). Governos: impor leis rigorosas para combate à poluição do solo e meio ambiente, assim empresas começariam a obedecer e seguir as regras. Empresas: apresentar programa de recolhimento dos produtos que disponibilizam no mercado através de pontos de descartes, que posteriormente será destinado a reciclagem e reuso. O que nos chama atenção é o fato de já saber o que deve ser feito, da existência de algumas leis, porém não existe um projeto que faça valer todas essas sugestões. Em época de eleição, são poucos os candidatos que apresentam propostas nestas questões, não é possível esquecer-se deste aspecto. Segundo Caixeta Filho e Martins (2001) as vantagens da utilização de produtos reciclados são indiscutíveis, vejamos dois exemplos: Estudos mostram que o vidro produzido inteiramente de sucata, economiza cerca de 15% a 20% da energia necessária para produção do mesmo material proveniente de matériaprima virgem; O plástico, quando produzido a partir de material reciclado, economiza de 92 a 98% de energia Fator imagem corporativas na Logística Reversa Segundo Leite (2003) hoje as empresas que querem crescer devem se preocupar com seu posicionamento em meio à sociedade, e com atitudes relacionadas a responsabilidade ética empresarial referente aos canais de distribuição reversos visando os problemas 33

34 ecológicos. Para isso modificações de projetos com o objetivo de melhoramento nas condições de reaproveitamento dos produtos acabam sendo de extrema importância. Leite (2003) diz que várias empresas já criaram associações de incentivam o sistema de reciclagem e reuso e investem em programas educacionais de conscientização junto a sociedade para os problemas ambientais. Segundo Caixeta Filho e Martins (2001) para responder aos assuntos ambientais, as empresas adotam as estratégias mais utilizadas na Logística Reversa que são a reciclagem de materiais, a redução de consumo e o reuso de materiais, tudo está relacionado a imagem corporativa e consequentemente o diferencial competitivo que é a principal causa da tomada de decisão a sua conscientização Novos padrões de competitividade empresarial Conforme Leite (2003) as empresas com sua visão estratégica estão utilizando a supply chain management, permitindo a ampliação e a visão dos fluxos logísticos para além da entrega dos produtos ao mercado, tenha o fluxo reverso, assumindo a responsabilidade de retorno dos seus produtos de pós-venda e de pós-consumo. Leite (2003) afirma que a organização encontra-se em diferentes estágios como: a fase funcional onde as áreas possuem estratégias independentes, visando objetivos internos, clientes e fornecedores; fase sistêmica interna onde tem por objetivo principal seus clientes, buscando a valorização de cada um e a fase sistêmica em cadeia empresarial (Supply Chain Management) onde a empresa possui uma visão interna e externa em sua rede de operações com o intuito de aperfeiçoar as operações e os fluxos logísticos desse sistema. Os autores Caixeta Filho e Martins (2001) também retrata a questão de novos padrões adotados como forma de competitividade, segundo eles As empresas que normalmente vêm criando um diferencial no mercado, são empresas que geralmente buscam um desenvolvimento sustentável, pesquisando produtos e serviços que representem menos impactos o meio ambiente, ou seja, trabalham com a implantação de um planejamento estratégico voltado a preocupação ambiental. Mas surge então a pergunta que não quer calar, embora nem todas as empresas trabalhem engajadas em projetos de adequação ambiental, as que assim praticam, adotam essa nova prática por conscientização dos danos ao meio 34

35 ambiente, consequentemente a sociedade, por se conscientizar do seu papel, dos seus deveres ou por medo de punições severas como multas e interdição á inadimplência? Ou ainda, se aplicam as novas técnicas por ser uma nova tendência e querer acompanhar a competitividade com demais empresas para se manter no mercado, perdendo novamente o foco na conscientização da necessidade do mundo (globalização) em ter um crescimento sustentável? 1.17 Impacto tecnológico na Logística Reversa Leite (2003) diz que a implantação de tecnologia adequada nos processos logísticos e industriais utilizadas nas etapas dos canais reversos causam a estruturação e organização das cadeias reversas de produtos e materiais, trazendo equilíbrio no fluxo. Leite (2003), também diz que é necessário que a tecnologia esteja disponível nos processos para tratamento econômico no descarte em seu pós-consumo, como na desmontagem, na separação de materiais, reciclagem e no processo de transformação no produto final. De acordo com Leite (2003) as empresas devem utilizar a tecnologia e inovação para que sua estrutura se adéque a um sistema de fluxo satisfatório, elaborando um projeto que se preocupe com o produto desde a fabricação até seu pós-consumo, ou seja, sistemas de coletas, compactação, desmontagem de produtos duráveis, remanufatura, e a reutilização dos produtos de pós-consumo transformados em matéria-prima secundária para sua utilização como matéria-prima nova. Leite (2003) diz que existem fatos que prejudicam a reciclagem e reaproveitamento dos produtos, como soldas e colas que dificultam desmontagem, produtos com mistura de materiais de alumínio, plástico, dificultando a separação dos mesmos, produtos com cores, pois a reciclagem deve ser realizada depois do processo de eliminação das tintas, produtos de plástico, pois possuem diferentes propriedades em sua função química, apresentando a dificuldade de separação, pois suas propriedades físicas são bastante semelhantes (para facilitar a separação destes componentes foi feito um projeto de gravação com símbolos para que sejam de fácil identificação). Conforme diz Leite (2003) o impacto causado no meio ambiente trouxe ás empresas a responsabilidade de eliminar ou ao menos reduzir com máxima urgência as quantidades de 35

36 materiais jogados ao solo. Um exemplo de empresa ciente deste fato é a automobilística que aplicou em sua engenharia de desmontagem a redução de números de partes constituintes do automóvel, promovendo a redução de soldas em suas junções. Como exemplo, o número de tipos de plásticos usados nos veículos foi reduzido de 150 para 20 nos carros da Ford, provocando 85% de reaproveitamento de seus componentes. Nesse sentido, Krell (www.jus.com.br) acessado em 13/10/2012 afirma que: Quem obtém lucros deve arcar também com os prejuízos causados a natureza, evitando assim a privatização dos lucros e socialização dos prejuízos (...). A adoção da teoria do risco integral no âmbito da responsabilidade civil pelo dano ambiental iria causar riscos incalculáveis para o empresário, que não poderia mais confiar em licenças válidas concedidas pelos órgãos administradores Reuso de embalagens de químicos e paletes A reutilização e reciclagem de produtos e materiais não é um fenômeno novo, é sabido que os refrigerantes anos atrás eram envasados em garrafas retornáveis, o autor Leite (2003) nos apontou um estudo de caso sobre as garrafas PET, Caixeta Filho e Martins (2001) também vem mostrar que isso caracterizava perfeitamente um sistema de reutilização de produtos, eles afirmam que neste e em muitos outros casos, o retorno dos produtos é mais atrativo do que a disposição. Figura 2. Cadeia de recuperação de produtos. Fonte: (Fleischamann, 2000 p. 653) 36

37 Destacamos aqui mais um ponto no qual em nossa concepção há controvérsias, pois quando Caixeta Filho e Martins (2001) redigem que a ideia da redução da geração de resíduos nos traz a eliminação de produtos recicláveis, é obvio que esse pensamento não é apenas deles, mas de muitos outros, porém se tanto lemos sobre o incentivo ao reuso e reciclagem como uma saída para amenizar os impactos ambientais, porque a redução de resíduos nos traz a eliminação de produtos descartáveis? Não necessariamente, assim pensamos, ou a reciclagem não necessita de produtos descartáveis? Entendemos que independente da redução de resíduos, as embalagens, papelão, plástico (pet), madeira que são a principal matéria-prima para que a reciclagem aconteça, sempre continuará existindo. Por isso a redução de resíduos não eliminará em nossa concepção os produtos descartáveis, visto que estes sempre estarão em processo de transformação e utilização. Nas situações em que essas medidas para reutilização são adotadas, Caixeta Filho e Martins (2001) nos apresentam uma série de aspectos que existe envolvimentos: substituição; Motivação de reuso se é ecológica ou econômica; Tipos de itens a serem retornados se são embalagens, bens de consumo ou peças de Forma de reuso se será um reuso direto, uma reparação, uma reciclagem ou ainda uma remanufaturação, entre outros; Atores envolvidos. Porém Caixeta Filho e Martins (2001) não só nos apresenta essa série de aspectos envolvidos na reutilização como nos define também algumas considerações que devem ser feitas, tendo como pressuposto de que a maior questão sobre canais reversos é a de como são feitas a integração entre canais reversos e canais diretos: Os atores envolvidos: podem ser atuantes nos canais diretos ou partes especializadas dos processos reversos; As funções do canal reverso são: coleta, separação, transporte e processamento; A relação entre o canal reverso e o direto pode ser escassa em função de diferentes atores participantes dos canais. 37

38 Mas também podemos contar com algumas metodologias para solucionar alguns problemas quanto à rede reversa apresentada por Caixeta Filho e Martins (2001, p. 54), são elas: Modelagem separada para o fluxo reverso: o fato de o canal reverso possuir uma estrutura baseada em muitas fontes para poucos pontos de demanda e a incerteza da quantidade e da qualidade dos materiais obtidos é determinante na escolha de uma rede adequada de distribuição; Para resíduos sólidos domésticos, um modelo de alocação multiobjetivo pode ser utilizado para planejar o sistema de gerenciamento de resíduos; Para dimensionar um processo de reciclagem de areia dos resíduos de construção civil, barros ET AL. (1996) mostraram que dois tipos de instalações intermediárias são necessárias, num modelo de alocação de depósitos capacitados para vários níveis Embalagens retornáveis (reuso de embalagens) Leite (2003) apresenta os três tipos em que as embalagens podem ser classificadas, conforme segue: Primárias ou de contenção: são as embalagens que estão em contato direto com o produto e que definem o tipo de material constituinte, as dimensões adequada compatíveis com as fases logísticas, geralmente tem como matéria-prima vidro, alumínio, plástico, papel, complexos ou ligas de materiais, como exemplo temos: garrafas PET, latinhas e outros. Secundárias: são provenientes da união de embalagens primárias, que tem o objetivo de facilitar a comercialização de produtos diversos, compacta dando para o transporte e a distribuição física, como exemplo tem: caixas de papelão, envoltórios de plásticos retráteis, leite em caixa de leite. Embalagens de unitização: são provenientes da união de embalagens secundárias, visando principalmente à movimentação a armazenagem e ao transporte na distribuição dos produtos. Como exemplo tem: pallets ou estrados que agrupam embalagens secundárias, contêineres de transporte, racks especiais, caixas de papelão. 38

39 Do ponto de vista dos autores Caixeta Filho e Martins (2001) não haveria necessidade da fabricação de algumas embalagens. Segundo eles a tendência é que as embalagens cada vez mais se adéquem ao tamanho dos produtos, acreditamos que isso pode ou não facilitar o seu transporte ocupando menos espaço, cabendo mais produtos, porém as chances de avarias não seriam maiores? Como afirmam Caixeta Filho e Martins (2001), existe uma pressão para que se reduzam as embalagens, ou que elas sejam reutilizáveis, porém acreditamos que ainda assim, haverá sempre uma necessidade de uma embalagem maior, por exemplo, para comportar os produtos e acomodar seu deslocamento feito no transporte até sua distribuição no cliente final. Concordamos sim com a ideia de essas embalagens serem todas reutilizáveis e recicláveis, como já são em sua maioria, pois não teria impacto tão negativo seu tamanho uma vez que tudo seria reaproveitado, a não ser que essas embalagens sejam em um tamanho que fuja muito o padrão, pois haveria uma dificuldade maior no seu recolhimento e em menor volume Canal reverso de pós-consumo: embalagens descartáveis Segundo Leite (2003) as embalagens descartadas pela sociedade representam um aspecto negativo para o meio ambiente sendo que os vários tipos delas podem contribuir significativamente com as questões mercadológicas e logísticas se forem descartáveis. Diversas tecnologias estão sendo implementadas para torná-las mais leves, transparentes, seguras e baratas, adaptando-se as necessidades dos clientes e auxiliando na distribuição física. Assim, esse segmento representa um dos mais importantes canais de distribuição reversos, tendo em vista a revalorização pelo sistema de reciclagem. A maior categoria individual de resíduos de acordo com Caixeta Filho e Martins (2001), também é sem dúvida, a embalagem dos produtos que consumimos, voltamos mais uma vez para a conscientização da sociedade, acreditamos que nesse ponto a sociedade assume culpa maior, pois temos incentivos a separação dos tipos de lixo para coletas seletivas, porém são poucos os que contribuem, é claro que essa ação não ária resolver este tão grande problema mundial, mas seria uma das medidas tomadas que ajudaria a minimizar esses impactos. 39

40 Diante de todos esses fatos, nos questionamos e somos questionados sobre o que deve ser feito para que toda essa poluição que aumenta cada dia possa surtir efeito contrário? Ou seja, para que possa diminuir e que possamos ter prolongados dias de vida de uma forma bem melhor (saudável). Uma das sugestões apresentadas por Caixeta Filho e Martins (2001) é o investimento em campanhas de Marketing para promover os produtos que são menos poluentes, explicam os autores, como aqueles que não utilizamos embalagens de papel, um exemplo bem comum seria os tubos de pasta de dentes, o invólucro de papel (no caso a embalagem secundária) é dispensável, ou seja, além de promover um comportamento de preservação, implicaria uma redução de custo do produto, visto que não existiria mais um componente a encarecê-lo Objetivo Econômico nos Canais Reversos de Reuso Segundo Leite (2003), os produtos e componentes realizados nos canais reversos de reuso, estão se revalorizando, pelo diferencial do preço obtido no comércio secundário. Destaca-se o comércio de veículos, máquinas operatrizes, computadores, copiadoras e seus respectivos componentes, juntamente com a reutilização de embalagens. Leite (2003) afirma que devido aos fatores econômicos, a implementação da Logística Reversa vem ganhando espaço nas organizações gerando a estruturação dos canais reversos de pós-consumo. 2 SENSIBILIDADE ECOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL 2.1 Novos Fatores de Incentivo à Logística Reversa Segundo Leite (2009), a sociedade, em todas as partes do globo, tem se preocupado cada vez mais com os diversos aspectos do equilíbrio ecológico. Muitas pesquisas de opinião pública têm sido elaboradas para comprovar essa maior conscientização e inúmeros são os exemplos que evidenciam o aumento da sensibilidade ecológica na sociedade atua, com ênfase nos países de maior desenvolvimento econômico e social. Ainda conforme Leite (2009), o aumento da velocidade de descarte dos produtos de utilidade após seu primeiro uso, motivado pelo nítido aumento da descartabilidade dos produtos em geral, ao não encontrar canais de distribuição reversos de pós-consumo 40

41 devidamente estruturados e organizados, provoca desequilíbrio entre as quantidades descartadas e as reaproveitadas, gerando um enorme crescimento de produtos de pósconsumo. Um dos mais graves problemas ambientais urbanos da atualidade é a dificuldade de disposição do lixo urbano. Como já comentado, as quantidades de produtos que se transformam rapidamente em lixo (nomenclatura usada de maneira imprópria) é crescente na atualidade. Embalagens descartáveis e produtos de informática geram preocupação em vista das quantidades e dos custos envolvidos em sua logística reversa. De acordo com Leite (2009), essas quantidades excedentes tornam-se visíveis para a sociedade em aterros sanitários, lixões, locais abandonados, rios ou córregos que circundam as cidades etc.; ficam pouco visíveis quando são depositadas em mares e rios e não sobrenadam ou quando são simplesmente enterradas para posterior solução. Essa nova vertente de preocupação a sensibilidade ecológica e a sustentabilidade ambiental tem se convertido em mais um importante fator de incentivo à estruturação e à organização dos canais de distribuição reversos de pós-consumo. Leite (2009) afirma que esse crescimento da sensibilidade ecológica tem sido acompanhado por ações em empresas e governos, de maneira reativa ou proativa e com visão estratégica variada, visando amenizar os efeitos mais visíveis dos diversos tipos de impacto ao meio ambiente, protegendo a sociedade e seus próprios interesses. Além das possíveis oportunidades econômicas oriundas desses reaproveitamentos, reutilizações, reprocessamentos, reciclagens, etc., a questão da sustentabilidade empresarial dirigirá esforços das empresas para a defesa de sua imagem corporativa e de seus negócios, enquanto as sociedades se defenderão por meio de legislação e regulamentações específicas. Segundo Leite (2009) astuciosamente, empresas e governantes também se utilizam dessas preocupações como forma de diferenciação para seus produtos e interesses políticos, respectivamente, posicionando-se no mercado, verdadeira ou enganosamente, com vantagens competitivas ligadas ao aspecto ecológico. Ainda de acordo com Leite (2009), para a maior parte dos bens descartados existem algumas condições necessárias para a reintegração ao ciclo produtivo, como a tecnologia de reciclagem, ou o mercado para aplicações dos materiais etc., mas nem sempre todas as 41

42 condições necessárias são apresentadas para completar o ciclo de retorno. Em alguns casos, a causa principal pode ser a baixa disponibilidade do produto de pós-consumo, em razão das dificuldades de captação que impedem as escalas econômicas de atividade; em outros, a causa pode ser a característica monopsônica ou oligopsônica dos mercados de matérias-primas secundárias, que desencoraja investimentos não verticalizados, dificultando a estruturação logística adequada e o desenvolvimento de novas aplicações para os materiais reciclados. Leite (2009 p.12) afirma que as cadeias reversas dos metais em geral, apesar da informalidade comercial e da logística pouco desenvolvida em alguns países, apresentam excelentes níveis de reintegração de seus materiais ao ciclo produtivo, enquanto a cadeia reversa dos plásticos, por exemplo, mesmo apresentado tecnologia de reciclagem acessível, encontra dificuldade para se estruturar, conforme veremos no decorrer desse trabalho, o que atesta a enorme variedade de casos de cadeias reversas encontrados. 2.2 Avanços e Conceitos e Legislações Ecológicas Com reação aos impactos dos produtos sobre o meio ambiente, as sociedades têm desenvolvido uma série de legislações e novos conceitos de responsabilidade empresarial, de modo a adequar o crescimento econômico às variedades ambientais. O conceito de desenvolvimento sustentado, cujo objetivo é o crescimento econômico com minimização dos impactos ambientais, tem sido constantemente utilizado nos dias de hoje, baseado na ideia de atender às necessidades o presente sem comprometer as gerações futuras no atendimento de suas necessidades. De acordo com Leite (2009) as legislações ambientais envolvem diferentes aspectos do ciclo de vida útil de um produto (ou dos produtos que o constituem), desde a fabricação e o uso de matérias-primas virgens até sua disposição final. Dessa maneira, essas legislações regulamentam a produção e o uso de selos verdes para identificar produtos amigáveis ao meio ambiente como, por exemplo: os produtos de pós-consumo que podem ou não ser depositados em aterros sanitários, a restrição ao uso de produtos com conteúdos de matérias-primas secundárias. As regulamentações que existem atualmente na maioria das grandes metrópoles proíbem o descarte de móveis, eletrodomésticos, eletrônicos, baterias de automóveis e pilhas em aterros sanitários. 42

43 Conforme afirma Leite (2009), novos princípios de proteção ambiental estão sendo propagados, como o de EPR (Extended Product Responsibility Responsabilidade Estendida do Produto), ou seja, a ideia de que a cadeia industrial produtora ou o próprio produtor que de certa maneira agridem o meio ambiente devem se responsabilizar pelo seu produto até a decisão correta de seu destino após o uso original. Segundo Leite (2009), no Brasil são diversas as vertentes de legislações nas diferentes esferas federal, estadual e municipal versando sobre a ordenação dos impactos dos produtos ao meio ambiente. 2.3 O Objetivo legal na Logística Reversa de pós-consumo - o fator modificador legal Alguns canais reversos estruturam-se naturamente pelas leis de mercado, pelo fato de sua comercialização e sua reutilização apresentarem condições econômicas, tecnológicas e logísticas que garantem rentabilidade aos agentes envolvidos em seus diversos elos, nos quais a implementação da logística reversa depende exclusivamente das empresas do setor. De acordo com Leite (2009) em alguns casos, no entanto, os custos somados desde a coleta dos produtos de pós-consumo até a reintegração ao ciclo produtivo superam as vantagens econômicas de reutilizá-los em substituição às matérias-primas originais ou de nova utilização dos bens ainda em condições de uso, sendo necessário criar condições para desbloquear uma das fases reversas para que esses canais reversos se estruturem e apresentem rentabilidade operacional em todas as fases. Segundo Leite (2009) as legislações ambientais sobre resíduos sólidos normalmente têm suas origens em uma reação aos impactos que os excessos desses resíduos produzem no meio ambiente, seja pelas dificuldades crescentes de desembaraçar-se deles até a disposição final, seja pelo efeito negativo no meio ambiente, em decorrência do desequilíbrio entre a oferta e a demanda que provocam. Essas legislações têm sido promulgadas em diversos países, visando intervir em fases reversas, de modo a reduzir esses desequilíbrios, por meio de modificações nas condições da oferta de materiais reciclados de determinado grupo de produtos e de mercado desses materiais ou de seus produtos finais, 43

44 .Na visão de Leite (2009) exemplos de legislações mal aplicadas ou imperfeitas, em alguns casos, permitem avaliar os cuidados que devem ser tomados para não produzir desequilíbrio de outra natura, evitar favorecer um elo ou um setor de etapa reversa, provocar defasagem de preços de materiais reciclados no mercado, entre outras consequências possíveis. A experiência, em diversos países, tem mostrado que as melhores soluções são encontradas quando o governo, a sociedade e as empresas trabalham em conjunto, por meio da conscientização de seus diversos segmentos, e que a regulamentação governamental revela-se útil principalmente na definição de padrões e normas gerais, deixando ao mercado a liberdade de buscar seu equilíbrio natural. Conforme Leite, legislações eficazes devem responsabilizar de alguma forma todos os agentes da cadeia direta, desde os produtores, distribuidores, varejista, consumidores, assim como os da cadeia reversa, coletores, processadores, até o reaproveitamento dos produtos ou materiais. São inúmeros os exemplos de legislações sem esta abrangência de responsabilidade que se tornam inócuas e comprovam essa ideia. 2.4 Legislações Ambientais no Brasil No Brasil, foi criado em 1998, o Programa Brasileiro de Reciclagem pelo Ministério da Indústria, Comércio e Turismo, para elaborar propostas gerais orientadoras nacionais, e um apreciável número de legislações tem sido discutido nas diversas esferas legislativas do país (MICT, 1998). Segundo Leite (2009), o projeto Político sobre os Resíduos Sólidos, que tramita atualmente no Congresso, a ser promulgado, contempla uma série de aspectos diretamente ligados à logística reversa de pós-consumo, tais como: o estabelecimento de uma classificação para os diversos tipos de resíduos sólidos, como industriais, de saúde, perigosos etc.; a instituição da coleta seletiva domiciliar obrigatória em municípios com mais de 150 mil habitantes; o incentivo com tributação diferenciada aos produtos em diferentes fases dos canais reversos, entre outros. Dentre as legislações recentes emanadas pelo Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente) relativas aos produtos pós-consumo, podem ser citadas aquelas relativas às 44

45 embalagens de contenção de produtos utilizados como defensivos agrícolas, em geral nocivos ao meio ambiente e aos pneumáticos em geral. A prática de destinar corretamente as embalagens vazias de agrotóxicos é obrigatória desde 2002, quando entrou em vigor a Lei nº 9.974/00, regulamentada pelo Decreto nº 4.074/02, que determinou as responsabilidades compartilhadas entre agricultores, canais de distribuição/cooperativas, indústria e poder público quanto ao destino pós-consumo dessas embalagens. Já em 2010, foi promulgada e regulamentada a Política Nacional de Resíduos Sólidos PNRS (Lei nº /10 e Decreto nº 7.404/10), determinando que o sistema de logística reversa das embalagens vazias de agrotóxicos, seus resíduos e embalagens continuem a seguir o disposto na Lei nº de 1989 e Decreto nº de 2002, ampliando para outros setores as responsabilidades quanto à destinação correta de seus resíduos.em 17 de fevereiro de 2011, o governo instalou o Comitê Orientador de Logística Reversa, que vai definir a regulamentação das regras para a devolução dos resíduos. O Comitê é formado pelos ministérios do Meio Ambiente, da Saúde, da Fazenda, da Agricultura e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O Comitê se reunirá a cada quatro meses e, em junho o próprio Comitê apresentou o novo cronograma e os devidos editais para específicos acordos com cada setor. (http://www.inpev.org.br/educacao/publicacoes/relatorio_anual/2010/port/ra/02.htm)2 Acesso em 23/02/ Mesmo com lei aprovada, Logística Reversa ainda não é realidade. A logística reversa traz para vendedores e fabricantes parte da responsabilidade no descarte dos resíduos dos produtos. Até agora, nenhum setor da indústria apresentou uma proposta sobre o modelo de recolhimento, reciclagem e destinação final de seus produtos. Sancionada há um ano, no dia 2 de agosto de 2010, a Política Nacional de Resíduos Sólidos mudou a maneira como o governo, em suas três esferas, empresas e cidadãos devem encarar a destinação do lixo. Um dos principais pontos diz respeito à logística reversa, que traz para os vendedores e fabricantes parte da responsabilidade no descarte dos resíduos dos produtos. (http://exame.abril.com.br/meio-ambiente-e-energia/noticias/mesmo-com-leirovada-logistica-reversa-ainda-nao-e-realidade) Acesso em 10/10/

46 Veja a seguir: Figura 3. Foto de Lixo Acesso em 10/10/ Os paletes na Logística Paletes ou estrados são plataformas destinadas a suportar cargas permitindo a movimentação por meio de garfo (de empilhadeiras elétricas, a gás ou anuais), onde os produtos podem ser unitizados. Os paletes têm como função a movimentação de grande escala. A palavra palete é uma adaptação do termo inglês pallet. Para Sobral (2006), paletes são dispositivos de unitização de cargas criados para dinamizar a movimentação mecânica na produção industrial, nos depósitos e tendem a agilizar os meios de transporte no momento de carregamento e descarga. 46

47 Bertaglia (2005) afirma que o palete é uma plataforma fabricada de metal, madeira ou fibra, projetada para ser movimentada mecanicamente por meio de empilhadeiras, paleteiras, guindastes, carrinhos hidráulicos ou veículos similares. As principais vantagens do seu uso correspondem à redução de recursos nas etapas logísticas de armazenagem, transporte e movimentação, além de maior agilidade nos tempos de carga de descarga. Já Keedi (2005) afirma que o palete pode ser entendido como qualquer estrutura própria para acomodação de carga, feito de madeira, plástico, metal, fibra, papelão ou qualquer material que se adapte a seu propósito e não interfira com a carga, seja ela sólida, líquida, gasosa, química, alimentos, seca, refrigerada etc. Esta estrutura é construída para servir de piso às mercadorias que serão unitizadas nela até certa altura. Ainda de acordo com Keedi (2005) ainda afirma que o palete pode ser projetado e construído para ser único (one way), o que quer dizer que ele não deverá retornar ao ponto de origem, sendo a utilização normal no comércio exterior. Também pode ser para infinitas utilizações, normalmente para uso interno em armazéns ou para troca de mercadorias entre matrizes, filiais, congêneres etc., ou mesmo para utilização ao redor do mundo através da utilização de paletes de terceiros na forma de aluguel. Devem ser consideradas as possibilidades de utilização de modelos e dimensões de paletes constantes das normas técnicas e/ ou normas internacionais. Exemplos das dimensões constantes das normas brasileiras que derivam da ANSI (American National Standards Institute) propõe paletes com: Tabela 1: Dimensões de Paletes segundo a ANSI 1100 x 1100mm, 1200 x 1000mm, 1100 x 825 mm, 1100 x 1320mm 1100 x 1650mm. 47

48 As normas técnicas internacionais ISO (International Organization for Standardization) propõem as dimensões de: Tabela 2: Dimensões de Paletes segundo a ISO. 800 x x 1200mm, 1140 x 1140 mm, E para os contêineres série 2, paletes de 1200 x 1200mm. Existem vários materiais que são utilizados para a fabricação dos paletes. Os autores se limitaram aos paletes feitos de madeira, pois a proposta inicial deste trabalho tem co-relação com a logística reversa e a reutilização dos paletes desse material. Palete de Madeira. A utilização de madeiras em embalagens e paletes obedecem a uma prática tradicional. A disponibilidade de determinadas espécies na região ou proximidades tem sido o principal critério de especificação. O dimensionamento estrutural e os detalhes construtivos são uma decorrência dessa prática. Com isso, a especificação é feita com base na indicação das espécies conhecidas. Para Sobral (2006), a especificação da madeira por suas propriedades relevantes, como a resistência à flexão, à compressão ou ao choque, independentemente da identificação das espécies, é tecnicamente a melhor forma de controlar a qualidade do material pretendido, além, naturalmente, das especificações dimensionais, de teor de umidade e de limitação de defeitos das peças. 3 ESTUDO DE CASO DA LÓGISTICA REVERSA DE PALETES E CONTAINERS DE 1000 LITROS NA EMPRESA PLASTCLEAN. 48

49 A Plast clean é uma empresa referência em decoração e acabamentos especiais em produtos de materiais diversos. Com um parque industrial de alta tecnologia e uma experiente equipe, integrada aos conceitos de design e produção automatizada, a Plast clean oferece ao mercado diferentes técnicas e múltiplas oportunidades para a decoração de produtos. Com um design adequado, criativo e sofisticado, esta decoração tem grande importância por diferenciar o produto, encantar o consumidor e valorizar ainda mais a sua marca e é com este conceito que a Plast clean tem atuado de forma contínua nos mercados de Bebidas e Utilidades Domésticas. Preocupada com o meio ambiente e com a sustentabilidade do planeta, a empresa utiliza insumos a base d água, mantendo todas as opções de cores e os mais diversos acabamentos. A Plast clean está situada na cidade de Osasco - SP, no Parque Industrial Mazzei. Figura 4. Foto da Empresa Plast Clean Fonte: acessado em 13/10/

50 O presente estudo analisou a empresa Plast clean e sua forma de descarte de embalagens comuns e outros descartes como paletes. Observando in loco criteriosamente, pudemos traçar um gráfico e comparar as informações atuais com os números da empresa. Acompanhamos a empresa por exatamente um ano entre os meses de Janeiro e Dezembro de 2012 e nossas fontes de pesquisas foram através de um funcionário da Plast Clean, o Sr. Moises de Souza Melo (coordenador) que também compõe este grupo de estudo. Aproveitando essa grande oportunidade, coletamos informações importantes e compartilhamos com o Sr. Moises de todo um clima da empresa com detalhes preciosos e imprescindíveis para montagem desse estudo de caso. Nosso estudo de caso mostrará a situação pela qual a empresa Plast clean passava no ano de 2012, adquirindo produtos e embalagens comuns e descartando outras que poderiam ser reutilizadas, tendo assim custos desnecessários. Sendo essa a grande questão desse estudo, analisaremos criteriosamente essa situação, demonstrando através de dados cuidadosamente colhidos que dependendo da forma adequada de embalagem e dando a importância necessária para reutilização de outras é possível se evitar gastos e consequentemente investir em outros setores da empresa. 3.1 Discussão de Dados Coletados A empresa Plast clean não possui nenhum projeto de logística reversa se tratando de embalagens e paletes, tendo assim um grande prejuízo e que só eram percebidos nos apontamentos de balanços anuais, onde era comprovado o grande desperdício se tratando de reuso, na verdade, termo pouco utilizado pela empresa até o momento. A empresa utilizava diversos produtos químicos nos processos de decoração, mas um em especial chamava a atenção, no caso o Verniz Incolor Base, esse utilizado em todos os seus produtos. Ou seja, um grande volume do mesmo produto em várias latas no estoque. Outro ponto importante é em relação aos paletes despachados, pois não havia uma política de retorno dos mesmos e o que é ainda pior, não havia um retrabalho em relação aos paletes que se encontrava em mal estado na Plast clean. O que realmente havia, era uma 50

51 solicitação para que uma empresa terceirizada coletasse esses paletes aparentemente inutilizáveis e até se pagava para a terceirizada coletar. Portanto é notório que a Plast clean não tinha um olhar panorâmico para a situação, muito menos uma antecipação de visão de futuro, pois seguindo um modelo arcaico de gestão, não acreditava que seria possível implantar uma logística reversa, reduzindo o custo do processo e possibilitando um retorno financeiro atraente e significativo. Após reuniões e tomadas de decisões a empresa Plast Clean com um apoio direto do Sr. Moises de Souza Melo passou a se preocupar e pensar na possibilidade de uma implantação de logística reversa, onde os objetivos eram: a) Facilitar o processo de abastecimento de Verniz na Empresa. b) Reduzir a necessidade de mão de obra em relação aos manuseios. c) Potencializar a operação e enxugar o estoque. Aproveitando o momento de uma implantação de Logística Reversa, discutiu-se a possibilidade de reduzir o custo com os paletes One Way, pois esses serviam apenas para o transporte das matérias primas do fornecedor até a Plast Clean, não podendo ser utilizados novamente para os clientes. Portanto a redução de custo atingia também os paletes com os objetivos: a) Efetuar uma manutenção nos paletes danificados. b) Através de programação, resgatar os paletes One Way para que os mesmos possam novamente utilizados. c) Acabar com o custo de pagar para uma terceirizada coletasse os paletes aparentemente descartáveis. Foi aí que surgiu o ideia de se abrir o olhos para um assunto sério, possibilitando que os gestores buscassem soluções para viabilizar aquisições de material e embalagens que pudessem reduzir o custo trazer dinâmica na operação de abastecimento fabril. 3.2 Estudo dos dados Coletados 51

52 Os gráficos apresentados a seguir são baseados em informações obtidas junto à empresa e com prévia autorização por escrito para sua utilização. Visando a transparência e respeito à empresa que cooperou neste estudo, decidimos que os resultados não serão entregues em hipótese alguma aos concorrentes. O estudo se deu por um período de 12 meses do ano de Prejuízos em relação aos Paletes descartados. A tabela a seguir, será mostrada o quanto se perde em não se recuperar os paletes danificados. Essa tabela tem como única intenção transparecer a real importância de uma política de logística reversa em relação aos paletes que precisam de reforma. Considerando o valor de R$ 24,00 Unidade. Tabela 3: O quanto deixou de economizar Fonte: Departamento de Controladoria da Plast Clean (Dados Obtidos em 10/01/2013) Percebe-se na tabela acima a importância de se reformar os paletes e reutilizá-los. Cerca de R$ ,00 a mais no caixa da empresa no final do ano. Sendo esse valor o suficiente para uma reforma, ampliação e até um investimento em pró da empresa. 52

53 Em uma visão panorâmica, é possível se perceber uma média de paletes descartados, onde foi necessária uma implantação emergencial de reforma e reutilização de paletes. Gráfico 1: Quantidade de Paletes Descartados 10/01/2013) Fonte: Departamento de Controladoria da Plast Clean (Dados Obtidos em Clean: Abaixo, segue o fluxograma do processo anteriormente utilizado pela empresa Plast 53

54 Figura 5. O fluxograma do processo anteriormente utilizado pela Plast Clean Fonte: Depto de Controladoria da Plast Clean. (Dados Obtidos em10/10/2012) 54

55 Outro ponto importante é em relação aos paletes despachados aos clientes, pois existia uma certa dificuldade em relação ao retorno dos paletes, mas após um planejamento e um acordo entre cliente e fornecedor, se aproveita o caminhão da própria entrega para trazer de volta os paletes anteriormente enviados. Veja abaixo o fluxograma do novo processo que resolveu de uma vez por todas a questão de desperdícios e custos de paletes One Way. CHEGADA DOS VIDROS NO PALETE ONE WAY ANÁLISEDE CONTROLE DE QUALIDADE AMOSTRAGEM NÃO OK? SIM COMUNICA O CONTROLE DE QUALIDADE DO FORNECEDOR ARMAZENAR COM PALETE ONE WAY FORNECEDOR RETIRA O REPROVADO E ENTREGA OUTRO NOVO UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO VOLTA PARA PALETEONE O ESTOQUE WAY COM SERÁ PALETE CHEP SEGREGADO PRODUTO ACABADO VOLTA PARA O ESTOQUE COM PALETE CHEP ENVIO DE PALETES ONE WAY PARA SÃO BERNARDO CAMPO VAI PARA SÃO BERNARDO DO CAMPO COM PALETE PALETE ONE WAY SERÁ SEGREGADO MANUTENÇÃODOS PALETES VAI PARA O CLIENTE CO M PALETE CHEP RETORNA PARA PLAST CLEAN COM PRODUTO NOVO A EMPRESA CHEP RECOLHE O PALETE NO CLIENTE PALETE CHEP RETORNA A PLAST CLEAN Figura 6. Fluxograma do novo processo de paletes One Way 55

56 Fonte: Departamento de Controladoria da Plast Clean. (Dados Obtidos em 10/10/2012) Economia no valor do líquidos em embalagens Foi notado que a Plastclean dependia de um grande espaço para comportar tantas embalagens de um mesmo produto, era assim com a tinta e também com Verniz Incolor Base. Vejamos a seguir, como era o processo de recebimento, abastecimento e o descarte das embalagens: INÍCIO CHEGADA DAS LATAS 17 A 20 LITROS COM VERNIZ ANÁLISE DO PRODUTO NÃO OK SIM SEGREGA O PRODUTO ESTOCAGEM FIFO DEPARTAMENTO DE QUALIDADE DO FORNECEDOR É INFORMADO ABASTECIMENTO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO FORNECEDOR RETIRA O REPROVADO E ENTREGA OUTRAS LATAS NOVAS DESCARTE DAS EMBALAGENS COLETA EFETUADA POR TERCEIROS DAS EMBALAGENS DESCARTAS FIM 56

57 Figura 7. Fluxograma do processo recebimento, abastecimento e descarte Fonte: Departamento de Controladoria da Plast Clean.(Dados Obtidos em 10/10/2012). Uma das soluções encontradas para se reduzir esse volume de estoque foi a substituição de embalagens de 17 litros por embalagens de 1000 litros, os chamados containers. Com isso percebeu-se que houve não só uma redução no volume de espaço, mas também a possibilidade de reuso dos containers, uma vez que esvaziado, poderá simplesmente voltar ao fornecedor para ser novamente enchido. Nascia então mais uma canal reverso na empresa, que além de facilitar o manuseio, tornou ainda mais segura, pois se reduziria os empilhamentos das embalagens de 17 a 20 litros facilitando dessa forma também a armazenagem e reduzindo o impacto ambiental, pois com essa logística reversa de containers, é possível se usar inúmeras vezes a mesma embalagem enchendo-a ou esvaziando-a em um processo que vai e volta. CHEGADA DO CONTAINER COM VERNIZ ANÁLISEDO PRODUTO NÃO OK SIM COMUNICA DEPARTAMENTO DE COMPRAS ARMAZENAR COMUNICA FORNECEDORES UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO FORNECEDOR RETIRA O REPROVADO E ENTREGA OUTRO CONTAINER NOVO CONTAINER VAZIO SERÁ DESTINADO A UMA ÁREA DEPARTAMENTO DE COMPRAS SOLICITA OUTRO AO FORNECEDOR A TRANSPORTADORA ENTREGA UM CONTAINER CHEIO E COLETA O VAZIO 57

58 Figura 8. Fluxograma da logística reversa de embalagens Fonte: Departamento de Controladoria da Plast Clean.(Dados Obtidos em 10/10/2012) Monitoramos as tintas e percebemos a redução no valor pago por litro. Tabela 4: Desconto no Valor das Tintas Fonte: Departamento de PCP 13/07/2012 Como é observado acima, com a implantação de uma logística reversa das embalagens de 1000 litros, percebeu-se uma economia de R$ 1.500,00 reais por mês. Cerca de R$ ,00 reais por ano. A princípio um valor pífio, porém mediante uma somatória pode se tornar significativo. Veja a seguir, um gráfico para explanar uma visão mais analítica da melhoria na implantação desse processo. Gráfico 2: Economia de Embalagens 58

59 Fonte: (Departamento de PCP) Dados coletados em 13/07/2012 O conceito de Logística Reversa se tornava mais claro conforme a Plast Clean prosseguia com a sua implantação. Números começavam apresentar significativas diferenças e apontar que a implantação desse canal reverso em relação as embalagens além de ser rentável, também contribuiu para uma melhor acomodação do produto químico, uma vez que essa rotatividade se cumpria seguindo sempre a regra de que 3 container de 1000 litros faria o trânsito, sendo que ao esvaziar o primeiro e iniciar o uso do segundo, o departamento de compras de pronto se mobilizará para suprir a falta. O interessante é que as ideias em relação a Logística Reversa se encontravam ao decorrer desse estudo de caso entre os autores e percebemos seu conceito e quão é realista a nossa situação. Logística reversa é o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo de matérias-primas, estoque em processo e produtos acabados (e seu fluxo de informação) do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recapturar valor ou realizar um descarte adequado. (LACERDA, 2005, p. 2) 59

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS LOGÍSTICA REVERSA E A RESPONSABILIDADE EMPRESARIAL Os bens industriais apresentam ciclos de vida útil de algumas semanas ou de alguns anos, após o que serão descartados

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA - I Patrícia Beaumord Gomes Liva Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão da Logística pelo IETEC.

LOGÍSTICA REVERSA - I Patrícia Beaumord Gomes Liva Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão da Logística pelo IETEC. LOGÍSTICA REVERSA - I Patrícia Beaumord Gomes Liva Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão da Logística pelo IETEC. Viviane Santos Lacerda Pontelo Administradora de Empresas, Pós Graduada em

Leia mais

06/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila. Objetivos da aula. Canais de distribuição de pós-consumo de bens duráveis e semiduráveis

06/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila. Objetivos da aula. Canais de distribuição de pós-consumo de bens duráveis e semiduráveis Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Objetivos da aula 1. Entender a importância dos fluxos logísticos reversos dos produtos e materiais de pós-consumo; 2. Perceber

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

13/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila. Objetivos da aula. Características das empresas da cadeia produtiva reversa

13/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila. Objetivos da aula. Características das empresas da cadeia produtiva reversa Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Objetivos da aula 1. Avaliar as diferenças entre as empresas da cadeia direta e da cadeia reversa; 2. Compreender o papel

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS Autora: PATRICIA GUARNIERI i para o Portal Direito Ambiental 1. Introdução A extração desenfreada dos recursos naturais, o pensamento errôneo de que os mesmos são

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA CURITIBA 2012 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA

Leia mais

Uma visão sobre os conceitos básicos da logística reversa

Uma visão sobre os conceitos básicos da logística reversa Uma visão sobre os conceitos básicos da logística reversa Vanina Macowski Durski Silva (UFSC/CNPQ) vaninadurski@gmail.com Rosely Antunes de Souza (UTFPR) roselypr@gmail.com Silvana Ligia Vincenzi Bortolotti

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Logística. Canais de Distribuições Reversos. Objetivos. Logística. Prof: Roberto Macedo

Logística. Canais de Distribuições Reversos. Objetivos. Logística. Prof: Roberto Macedo Logística Prof: Roberto Macedo Canais de Distribuições Reversos Objetivos Apresentar os conceitos da logística reversa e os canais utilizados; Evidenciar a importância destes canais e as formas corretas

Leia mais

Estudo de caso sobre Logística Reversa

Estudo de caso sobre Logística Reversa Estudo de caso sobre Logística Reversa Autores Cristiane Meneghel Dorizotto Angelita Barski Orientador Rosangela Vanalle 1. Introdução Na sociedade moderna, os resíduos sejam eles industriais ou residenciais,

Leia mais

CLRB. clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br PAULO ROBERTO LEITE. http://meusite.mackenzie.br/leitepr PAULO ROBERTO LEITE

CLRB. clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br PAULO ROBERTO LEITE. http://meusite.mackenzie.br/leitepr PAULO ROBERTO LEITE CLRB PAULO ROBERTO LEITE clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br http://meusite.mackenzie.br/leitepr MISSÃO DO CLRB Oferecer ganhos de competitividade empresarial através da Logística Reversa. SERVIÇOS OFERECIDOS

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA CONSTRUÇÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL AGREGADORA DE VANTAGENS COMPETITIVAS

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA CONSTRUÇÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL AGREGADORA DE VANTAGENS COMPETITIVAS 1 A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA CONSTRUÇÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL AGREGADORA DE VANTAGENS COMPETITIVAS Hercules Farnesi Cunha (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA. Reverse Logistics. Josiane de Medeiros da Silva 1

LOGÍSTICA REVERSA. Reverse Logistics. Josiane de Medeiros da Silva 1 LOGÍSTICA REVERSA Reverse Logistics Josiane de Medeiros da Silva 1 Resumo: Conforme Ribeiro e Gomes (2004), logística é o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, movimentação e armazenagem

Leia mais

Gestão da Logística Reversa

Gestão da Logística Reversa Gestão da Logística Reversa Custos com a Logística Reversa nos EUA (em US$) e no Brasil Custo Logístico Total nos EUA $1,006,000,000 Custo Aproximado da LR % 4.00% Custos Estimados com LR $40,240,000 Source

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS DE MADEIRAS E DERIVADOS NA MADEIREIRA SANTA BÁRBARA GASPAR WESLEY DE SOUSA BATISTA R.

LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS DE MADEIRAS E DERIVADOS NA MADEIREIRA SANTA BÁRBARA GASPAR WESLEY DE SOUSA BATISTA R. . CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MONOGRAFIA ÁREA: LOGÍSTICA LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS

Leia mais

Logística Reversa no Mercado de Embalagens. Caso Tetra Pak

Logística Reversa no Mercado de Embalagens. Caso Tetra Pak Centro Universitário de Brasília CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FASA CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL DISCIPLINA: MONOGRAFIA ÁREA: PROPAGANDA E MARKETING PROFESSOR ORIENTADOR:

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NO ÂMBITO SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO.

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NO ÂMBITO SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NO ÂMBITO SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. Tamara Amaral Soares Aluna do Curso de Logística FATEC JAHU tamara-as@hotmail.com Priscila Thais Rodrigues Aluna do Curso de

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Logística reversa de pós-consumo: Aplicação do processo em uma empresa do ramo de construção civil.

Logística reversa de pós-consumo: Aplicação do processo em uma empresa do ramo de construção civil. Logística reversa de pós-consumo: Aplicação do processo em uma empresa do ramo de construção civil. Cristiane Duarte de Souza Graduada em Administração cridrds@ig.com.br Natália Pecorone de Sá Graduada

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

A Integração de Canais Logísticos como Fator para Sustentabilidade Econômica e Ambiental

A Integração de Canais Logísticos como Fator para Sustentabilidade Econômica e Ambiental A Integração de Canais Logísticos como Fator para Sustentabilidade Econômica e Ambiental Alexandre Borges Fagundes (UTFPR) borges.fagundes@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira (UTFPR) ivanir@utfpr.edu.br

Leia mais

O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag

O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag Paulo Daniel Pessoa (FAGEN/UFU) pd.pessoa@hotmail.com Claúdio Luis Miotto (FAGEN/UFU) miotto@ufu.br Resumo Estudo

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO DOS CANAIS LOGÍSTICOS EMPRESARIAIS: UM ENFOQUE BIBLIOGRÁFICO

DIFERENCIAÇÃO DOS CANAIS LOGÍSTICOS EMPRESARIAIS: UM ENFOQUE BIBLIOGRÁFICO DIFERENCIAÇÃO DOS CANAIS LOGÍSTICOS EMPRESARIAIS: UM ENFOQUE BIBLIOGRÁFICO 43 Alvaro Costa Jardim Neto, Jean Carlos Silva Santos, Valdecir Cahoni Rodrigues Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Curso

Leia mais

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br SENALIMP 2010 CLRB CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br Missão Oferecer oportunidades de aumento de competitividade empresarial através da Logística Reversa. Objetivos

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

2 Logística Reversa. 2.1. Conceito

2 Logística Reversa. 2.1. Conceito 2 Logística Reversa 2.1. Conceito A reutilização de produtos e materiais não é um fato novo. A reciclagem de metais, plásticos e papéis são processos realizados já há algum tempo. Nesses casos, a reciclagem

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS A COLETA SELETIVA A Coleta Seletiva como Fonte Primária Temos analisado as diversas formas de desembaraço dos bens após o seu uso original, os quais darão origem aos chamados

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA CONCEITOS E COMPONENTES DO SISTEMA

LOGÍSTICA REVERSA CONCEITOS E COMPONENTES DO SISTEMA LOGÍSTICA REVERSA CONCEITOS E COMPONENTES DO SISTEMA Déborah Francisco Rodrigues Departamento de Engenharia Industrial PUC-Rio Rua Marquês de São Vicente, 225 Gávea - RJ Gisela Gonzaga Rodrigues Departamento

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

RECICLAGEM E PRODUÇÃO DE ARTE ALIADA A TECNOLOGIA UTILIZANDO A LOGÍSTICA REVERSA

RECICLAGEM E PRODUÇÃO DE ARTE ALIADA A TECNOLOGIA UTILIZANDO A LOGÍSTICA REVERSA RECICLAGEM E PRODUÇÃO DE ARTE ALIADA A TECNOLOGIA UTILIZANDO A LOGÍSTICA REVERSA Maria do Carmo Jampaulo Plácido Palhaci UNESP, Departamento de Artes e Representação Gráfica palhaci@faac.unesp.br Ricardo

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA 9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA Autor(es) ELIACY CAVALCANTI LELIS Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON 1. Introdução Atualmente, a preocupação da gestão

Leia mais

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos A terceirização de serviços logísticos se constitui uma das Logística e Distribuição novas tendências da prática empresarial moderna, principalmente dentro dos conceitos da Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

A LOGÍSTICA REVERSA COMO FERRAMENTA DE MELHORIA NOS PROCESSOS DAS INDÚSTRIAS DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS DA REGIÃO DE CRICIÚMA-SC

A LOGÍSTICA REVERSA COMO FERRAMENTA DE MELHORIA NOS PROCESSOS DAS INDÚSTRIAS DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS DA REGIÃO DE CRICIÚMA-SC UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM LINHA ESPECÍFICA EM COMÉRCIO EXTERIOR LISDEISE NUNES FELIPE A LOGÍSTICA REVERSA COMO FERRAMENTA DE MELHORIA NOS PROCESSOS DAS

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

PATRICIA GUARNIERI. LOGÍSTICA REVERSA: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental

PATRICIA GUARNIERI. LOGÍSTICA REVERSA: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental PATRICIA GUARNIERI LOGÍSTICA REVERSA: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental EDITORA CLUBE DE AUTORES RECIFE, 2011 2011 Patricia Guarnieri TODOS OS DIREITOS RESERVADOS AO AUTOR. Proibida a reprodução

Leia mais

BIBLIOTECA PARA O CURSO DE GESTÃO E LOGÍSTICA EMPRESARIAL

BIBLIOTECA PARA O CURSO DE GESTÃO E LOGÍSTICA EMPRESARIAL BIBLIOTECA PARA O CURSO DE GESTÃO E LOGÍSTICA EMPRESARIAL Selecionamos para você uma série de artigos, livros e endereços na Internet onde poderão ser realizadas consultas e encontradas as referências

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA: A PREOCUPAÇÃO COM O PÓS- CONSUMO

LOGÍSTICA REVERSA: A PREOCUPAÇÃO COM O PÓS- CONSUMO LOGÍSTICA REVERSA: A PREOCUPAÇÃO COM O PÓS- CONSUMO José Augusto Arnuti Aita (UFSM) cecesm@gmail.com Janis Elisa Ruppenthal (UFSM) janis@ct.ufsm.br Muito se fala em logística reversa sob o prisma de uma

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL

LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL Aline Pereira dos Anjos 1 Larissa Fabiana Oliveira Caetano 1 Luciana Pereira Mendonça 1 Clézio Antônio Lara 2 RESUMO O objetivo deste

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS? UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA DE RECICLAGEM AM SUCATAS

LOGÍSTICA REVERSA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS? UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA DE RECICLAGEM AM SUCATAS LOGÍSTICA REVERSA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS? UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA DE RECICLAGEM AM SUCATAS Edilaine Gomes Fiuza edilainefiuza@hotmail.com Fatec Zona Leste Marcos José Corrêa Bueno mjvm@ig.com.br

Leia mais

Fernando Dândaro Uni-FACEF. Melissa Franchini Cavalcanti-Bandos Uni-FACEF INTRODUÇÃO

Fernando Dândaro Uni-FACEF. Melissa Franchini Cavalcanti-Bandos Uni-FACEF INTRODUÇÃO 40 Logística Reversa como Política Pública para o Desenvolvimento Regional: Uma Proposta de Pesquisa sobre a Aplicabilidade da Política Nacional de Resíduos Sólidos no município de Franca (SP) Fernando

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU LOGíSTICA REVERSA PRM ADMINISTRAÇÃO DA RECUPERAÇÃO DE PRODUTOS ANTONIO CARLOS MANARTE MAT.: T205565 RIO DE JANEIRO 2010 UNIVERSIDADE

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

A Logística Reversa como Gestão Sustentável nas Organizações Fabiano Greter Moreira; Edmar Bonfim

A Logística Reversa como Gestão Sustentável nas Organizações Fabiano Greter Moreira; Edmar Bonfim A LOGÍSTICA REVERSA COMO GESTÃO SUSTENTÁVEL NAS ORGANIZAÇÕES MOREIRA, Fabiano Greter (FANOVA) BONFIM, Edmar (FACINAN) RESUMO: A logística reversa que é a utilização de materiais e bens não mais utilizados

Leia mais

A logística reversa agregando valor aos resíduos de madeira através de uma visão empreendedora

A logística reversa agregando valor aos resíduos de madeira através de uma visão empreendedora A logística reversa agregando valor aos resíduos de madeira através de uma visão empreendedora Resumo Leozenir Betim (CEFET PR) leobetim@visaonet.com.br Patrícia Guarnieri (CEFET PR) patriciaguarnieri@ibest.com.br

Leia mais

Logística reversa no Brasil: a visão dos especialistas

Logística reversa no Brasil: a visão dos especialistas Logística reversa no Brasil: a visão dos especialistas Adriano Nguyen Ngoc Phuoc Nhan (CEFET/RJ) nhan@ig.com.br Cristina Gomes de Souza (CEFET/RJ) cgsouza@cefet-rj.br Ricardo Alexandre Amar de Aguiar (CEFET/RJ)

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

LOGISTICA REVERSA UM COLABORADOR PARA O MEIO AMBIENTE RESUMO

LOGISTICA REVERSA UM COLABORADOR PARA O MEIO AMBIENTE RESUMO LOGISTICA REVERSA UM COLABORADOR PARA O MEIO AMBIENTE Fernanda Furio Crivellaro fercrivellaro@hotmail.com Fernanda Teixeira de Sousa fernanda_tsousa@yahoo.com RESUMO A logística é uma vantagem competitiva,

Leia mais

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A logística reversa é importante instrumento de desenvolvimento econômico e social previsto na Política Nacional de Resíduos

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA Vantagem Competitiva e Econômica

LOGÍSTICA REVERSA Vantagem Competitiva e Econômica LOGÍSTICA REVERSA Vantagem Competitiva e Econômica Benedito Inácio De OLIVEIRA 1 - RGM 072928 Kelly Cristina PUJOL 1 - RGM 051865 Maria José Da SILVA 1 - RGM 037410 Pamela Thais Mendes De MORAES 1 - RGM

Leia mais

Em ROGERS & TIBBEN-LEMBKE (1999:2) a logística reversa é definida como:

Em ROGERS & TIBBEN-LEMBKE (1999:2) a logística reversa é definida como: A Logística Reversa no Processo de Revalorização dos Bens Manufaturados Adriano Abreu de Oliveira Administrador. Pós-Graduado em Logística. Gerente Geral de Logística e Distribuição da Itambé, MG. E-mail:

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA

GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA Antonia Maria Gimenes¹, Marcio Jabour de Oliveira², William Gonçalves São Leão⁴

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

Logística Reversa: Destinação dos Resíduos de Poliestireno Expandido (Isopor ) Pós- Consumo de uma Indústria Catarinense

Logística Reversa: Destinação dos Resíduos de Poliestireno Expandido (Isopor ) Pós- Consumo de uma Indústria Catarinense Logística Reversa: Destinação dos Resíduos de Poliestireno Expandido (Isopor ) Pós- Consumo de uma Indústria Catarinense F. H. C. Chagas a, A. L. Berretta-Hurtado b, C. A. K. Gouvêa b a. SOCIESC, Joinville,

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA: CONCEITOS, LEGISLAÇÃO E SISTEMA DE CUSTEIO APLICÁVEL

LOGÍSTICA REVERSA: CONCEITOS, LEGISLAÇÃO E SISTEMA DE CUSTEIO APLICÁVEL LOGÍSTICA REVERSA: CONCEITOS, LEGISLAÇÃO E SISTEMA DE CUSTEIO APLICÁVEL RESUMO Mariana Muller Wille 1 Orientador: Jeferson Carlos Born 2 Considerando o crescimento do consumo, o volume de matéria-prima

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Logística Reversa: um enfoque no processo logístico de pós-venda 1

Logística Reversa: um enfoque no processo logístico de pós-venda 1 Logística Reversa: um enfoque no processo logístico de pós-venda 1 Vanessa Andrade Gomes Resumo: Vivemos num tempo em que produtos e ideias ficam obsoletos muito rapidamente, que as fontes de matéria-prima

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO. A logística reversa é entendida como:

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO. A logística reversa é entendida como: LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Unidade IV 7 LOGÍSTICA REVERSA 7.1 Conceitos A logística reversa é entendida como: A área da logística empresarial que planeja, opera e controla o fluxo e as informações

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE COMO INSTRUMENTOS DE CONTROLE GERENCIAL Por: Auremilia Vilena de Almeida Orientador Prof.

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Distribuição física e armazenagem Objetivo: Atender o cliente, dispondo do produto no lugar certo, no tempo certo e na quantidade desejada. Esta

Leia mais

Cleide Ane Barbosa da Cruz 1, Rodrigo Silva de Santana 2, Itallo Santiago Fonseca Sandes 3

Cleide Ane Barbosa da Cruz 1, Rodrigo Silva de Santana 2, Itallo Santiago Fonseca Sandes 3 M G. Silva e E. E. L. Gontijo ISSN 1983-6708 A LOGÍSTICA REVERSA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NAS ORGANIZAÇÕES Cleide Ane Barbosa da Cruz 1, Rodrigo Silva de Santana 2, Itallo Santiago Fonseca Sandes 3

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS Mineração Urbana no Brasil Lúcia Helena Xavier São José dos Campos SP Junho de 2015 REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL LEI Nº 6.938 DE 1981 PNMA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações UMC / EPN Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Maio / 2013 1 Ementa da Disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais