DANILO FERREIRA FERNANDES PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO: UMA ANÁLISE NO SISTEMA PRODUTIVO DA SÃO BRAZ TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DANILO FERREIRA FERNANDES PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO: UMA ANÁLISE NO SISTEMA PRODUTIVO DA SÃO BRAZ TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO DANILO FERREIRA FERNANDES PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO: UMA ANÁLISE NO SISTEMA PRODUTIVO DA SÃO BRAZ TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO João Pessoa - PB Janeiro de 2010

2 1 DANILO FERREIRA FERNANDES PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO: UMA ANÁLISE NO SISTEMA PRODUTIVO DA SÃO BRAZ Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Coordenação do Serviço de Estágio Supervisionado em Administração, do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal da Paraíba, em cumprimento às exigências para a obtenção do grau de bacharel em Administração. Orientador: Prof. André Gustavo Carvalho Machado João Pessoa PB Janeiro de 2010

3 2 Ao Professor orientador André Gustavo Carvalho Machado Solicitamos examinar e emitir parecer no Trabalho de Conclusão de Curso do aluno Danilo Ferreira Fernandes. João Pessoa, 08 de Janeiro de Prof. Fábio Walter Coordenador do SESA/CCSA/UFPB Parecer do Professor Orientador:

4 3 DANILO FERREIRA FERNANDES PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO: UMA ANÁLISE NO SISTEMA PRODUTIVO DA SÃO BRAZ Trabalho de Conclusão de Curso Aprovado em: de de Banca Examinadora Prof. André Gustavo Carvalho Machado Orientador Prof. Leonardo Rosa Rohde Examinador Prof. Jaílson Ribeiro de Oliveira Examinador

5 4 DEDICATÓRIA Este trabalho é dedicado primeiramente a Deus, que abençoa a minha vida, e a minha família por me apoiar até aqui.

6 5 RESUMO Fernandes, Danilo Ferreira. Programação da Produção: Uma análise no sistema produtivo da São Braz f. Trabalho de Conclusão de Curso. Bacharelado em Administração Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa PB. As empresas buscam de forma intensa aumentar sua competitividade no mercado, e, para se manterem competitivas no mercado, devem contar com uma produção eficaz. A programação da produção é fundamental para que haja essa eficácia no setor produtivo de uma empresa, necessitando de um controle do setor produtivo, através do setor do PCP. Sendo assim, o presente estudo analisou o sistema produtivo da São Braz, empresa de grande porte no setor alimentício paraibano, com o objetivo de expor algumas características da realização da programação da produção da empresa. A pesquisa foi realizada através de uma entrevista com o supervisor do PCP da São Braz, comparando-se os dados retirados desta entrevista com a opinião de autores vinculados ao tema. Notou-se uma programação da produção baseada num sistema informacional criado na própria empresa, interligando os vários setores da São Braz, que garante uma comunicação eficaz. Além disso, essa programação fornece a base necessária para que os setores envolvidos na programação da produção possam fazê-la corretamente e também dá suporte para avaliar o desempenho da programação da produção. Vale destacar que a programação da produção depende consideravelmente de tarefas manuais dando margem a ocorrências de possíveis erros humanos e, como forma de alterar essa realidade, seria interessante a implementação de novas ferramentas relacionadas á programação, visando diminuir a dependência de trabalhos manuais. Palavras chave: Programação da produção. São Braz. Sistema Informacional.

7 6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO DELIMITAÇÃO DO TEMA E FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA Objetivos da Pesquisa Objetivo Geral Objetivos Específicos JUSTIFICAVA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O PLANEJAMENTO E O CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP) Funções do PCP Atividades do PCP Técnicas do PCP MRP - Material Requirements Planning MRP II - Material Resources Planning ERP - Enterprise Resource Planning JIT - Just In Time OPT - Optimized Production Technology PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO O PAPEL DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO NO PCP PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS ESTRATÉGIA DE PESQUISA CRITÉRIOS PARA ESCOLHA DO CASOS E DOS SUJEITOS DA PESQUISA INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS ANÁLISE DOS DADOS ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS O SEQUENCIAMENTO DAS ORDENS DE PRODUÇÃO NA SÃO BRAZ Dificuldades na elaboração do Seqüenciamento da Produção na São Braz O PAPEL DA TI E AS INFORMAÇÕES USADAS NA PROGRAMAÇÃODA PRODUÇÃO DA SÃO BRAZ TÉCNICAS UTILIZADAS NA PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO DA SÃO BRAZ... 37

8 7 4.4 ANÁLISE DE DESEMPENHO DA PROFRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO NA SÃO BRAZ CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICE A - Roteiro de entrevista... 44

9 8 1. INTRODUÇÃO 1.1 DELIMITAÇÃO DO TEMA E FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA Atualmente, as empresas vêm buscando, de forma frenética, aumentar sua competitividade no mercado. Entre os objetivos almejados, dois deles se destacam: redução de custos - associados aos estoques de forma eficaz e ao nível de utilização e variação da capacidade produtiva, e satisfação aos clientes - com maior grau de customização dos produtos, pontualidade em prazos acordados e maior velocidade de entrega. Neste contexto, desde os anos 90, a área de Planejamento e Controle da Produção (PCP) passou a ser prioritária para conseguir alcançar os propósitos descritos. (CORRÊA, 1996). O PCP é responsável pela coordenação e aplicação dos recursos produtivos, de forma a atender da melhor maneira possível aos planos estabelecidos nos níveis estratégico, tático e operacional. (TUBINO, 2007, p. 2). Estes níveis relacionam-se com o conceito de planejamento hierárquico da produção, que propõe decompor um problema em vários menores, no qual os de maior horizonte de tempo são restrições aos de menor horizonte. No nível estratégico, com o plano de produção, estão situadas as decisões cujo impacto é de longo prazo, e afetam a natureza e as características das empresas no sentido de garantir o atendimento de sua missão. No segundo nível (tático), pro meio da elaboração de um plano-mestre, as decisões têm um impacto de médio prazo. Já o conjunto de decisões que afetam a curto prazo, com o sistema já montado e a tática operacional já definida, executará a programação da produção para produzir os bens e serviços e entregá-los aos clientes. (TUBINO, 2007). Essa programação da produção, por sua vez, é definida como o planejamento a curto prazo que consiste alocar no tempo as atividades, obedecendo ao seqüenciamento definido e ao conjunto de restrições considerado. (CORRÊA, 2008, p. 578). Mesmo com as empresas de grande porte utilizando sistemas avançados, onde estes integralizam a gestão, como é o caso do Enterprise Resources Planning (ERP), é necessário a utilização de um sistema de softwares específicos, como os utilizados no Planejamento e Controle da Produção. Um exemplo é o Advanced Planning and Scheduling (APS), que utiliza avançados métodos de otimização, simulação e geração de relatórios mais específicos e

10 9 adequados à realidade produtiva. (VIEIRA, 2005). É importante a utilização dessa tecnologia mais voltada ao Planejamento e Controle da Produção, devido ao fato de estes não atenderem de maneira satisfatória o gerenciamento do chão de fábrica, onde se situa a Programação da Produção. Portanto, é fundamental a utilização dessas ferramentas tecnológicas mais voltadas especificamente para esta área. Mesmo com toda a tecnologia disponível, problemas após a programação da produção podem aparecer. Alguns deles são as quebras de máquinas, as quais são consideradas na taxa de eficiência de utilização, mas esta considera essas quebras de maneira uniforme ao longo dos períodos, o que não ocorre na prática; outro problema é de qualidade na execução, que faz os tempos reais diferirem dos tempos considerados pelo sistema, ocupando mais tempo com os recursos; há também possíveis atrasos com fornecedores, gerando ociosidade dos recursos; entre outros. (GIANESI, 2006). Portanto, com toda sua importância para uma empresa que trabalha com processo de produção, a programação, com toda sua complexidade, necessita de uma grande análise constante, gerando vários desafios para quem a faz. A Programação da Produção, sendo parte do Planejamento e Controle da Produção, mesmo utilizando-se de uma tecnologia avançada, pessoal especializado, bom fluxo de informações com os outros setores, gera algumas dificuldades e complexidades para a empresa, que vê a necessidade de um forte acompanhamento de forma contínua, para não perder em eficiência nem em eficácia, e se manter de forma competitiva no mercado. A empresa São Braz S/A Indústria e Comércio de Alimentos, fundada em 1924, e entra na área industrial em O setor fabril é localizado na filial de Cabedelo, constituindo atualmente uma das mais modernas e bem equipadas unidades fabris da América Latina, ocupando uma área de 20 mil metros quadrados. A indústria da São Braz tem um quadro funcional efetivo de 1050 funcionários, sendo 450 na área da produção, 380 na área de vendas, e mais 220 funcionários espalhados nas outras áreas da organização. Nesse sentido, este projeto trata de uma análise do processo de programação da produção numa empresa de grande porte do setor alimentício paraibano, a São Braz, com o intuito de contribuir para sua melhoria frente ao mercado atual. Deste modo, o problema de pesquisa foi formulado da seguinte maneira: Como a programação da produção é implementada na São Braz?

11 OBJETIVOS DA PESQUISA Com a finalidade de responder à questão formulada no problema de pesquisa, foram definidos o objetivo geral e os específicos, que se encontram a seguir descritos Objetivo geral Analisar como a programação da produção é implementada na São Braz Objetivos específicos Braz; 1º - Identificar como é realizado o seqüenciamento das ordens de produção na São 2º - Verificar qual o papel da TI na programação da produção na São Braz; 3º - Observar quais as técnicas utilizadas para programar a produção na São Braz; Braz; 4º - Constatar como é avaliado o desempenho da programação da produção na São 5º- Identificar quais informações são utilizadas para realizar a programação da produção na São Braz.

12 JUSTIFICATIVA Na busca de atingir melhores índices de lucratividade, as empresas procuram reduzir ao máximo todos os custos operacionais, tendo como objetivo trabalhar com a máxima capacidade produtiva. Para que sejam atingidos melhores resultados em produtividade e competitividade, torna-se extremamente importante um planejamento adequado e voltado para as capacidades da produção. Uma capacidade produtiva insuficiente causa uma deteriorização do nível de serviços a clientes, principalmente no que diz respeito aos prazos e sua confiabilidade. Leva também à frustração do pessoal da fábrica, devido à grande pressão e à falta de capacidade para cumprir os prazos prometidos. Já em caso de excesso de capacidade produtiva, os custos adicionais aparecem, sendo totalmente inviáveis num ambiente extremamente competitivo. (CORRÊA, 2008). O planejamento que tem todas as condições de adequar de forma ideal a capacidade produtiva à demanda é o planejamento e controle da produção. Portanto, a programação da produção, como responsável pelo planejamento e controle da produção á curto prazo, é fundamental para esse adequamento. Para se desenvolver um trabalho, é necessário, primeiramente, que se faça um programa, ou seja, que se determine uma sequência, com algumas operações que requerem um cronograma detalhado. Esses programas são utilizados em operações para certificar-se de que a demanda do consumidor seja atendida. (SLACK, 2008). Portanto, a programação é necessária para a certificação de que haja um atendimento eficaz à demanda do consumidor. Sem a Programação da produção, fica impossibilitada a definição de quanto e quando comprar, fabricar ou montar cada item necessário à composição dos produtos acabados propostos pelo planejamento de longo e médio prazos. Com o resultado da programação da produção é que são emitidas ordens de compra para itens comprados, ordens de fabricação para itens fabricados internamente e ordens de montagem para sub-montagens intermediárias e montagem final dos produtos. (TUBINO, 2007). O conjunto de decisões relacionadas ao planejamento e controle da produção, no qual a programação da produção está inclusa, pode ser muito complexo dentro da área de gestão de produção e operações. Isso se deve principalmente ao volume de diferentes variáveis que

13 12 podem estar envolvidas e á sua capacidade de influenciar os diferentes e, às vezes, conflitantes objetivos de desempenho do sistema produtivo. Assim, as decisões decorrentes da programação da produção tornam-se um problema combinatório de tal ordem que soluções intuitivas são inadequadas pelas limitações humanas de administrar informações. (CORRÊA, 2008). Diante dessa complexidade na área de gestão de produção e operações, torna-se necessário uma análise aprofundada em cada organização, levando em conta as diferentes variáveis no seu sistema produtivo, para se chegar ao sistema de programação da produção mais adequado. Esta pesquisa busca contribuir com uma maior visão do campo da programação da produção de acordo com o estudo realizado na São Braz e com a interpretação das idéias de outros autores, que expõem seus pensamentos em livros, artigos, internet.

14 13 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 O PLANEJAMENTO E O CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP) Existem vários conceitos que podem definir o Planejamento e controle da produção (PCP). Slack (2008) conceitua de forma objetiva o PCP como um conjunto de atividades que conciliam o fornecimento dos produtos e serviços de uma operação com sua demanda, garantindo que os recursos produtivos estejam disponíveis na quantidade, no momento e no nível de qualidade adequada. Outro conceito bastante conhecido é o de Programa e controle da produção como sendo uma função de apoio das atividades de produção, visando que os programas acertados previamente possam ser atendidos com eficiência. (RUSSOMANO, 2000). Esses conceitos citados têm a mesma essência sobre o PCP: um conjunto de ferramentas conectadas entre si, que buscam a eficiência no processo produtivo Funções do PCP Quanto às funções do PCP, Russomano (2000) lista algumas: Gestão de estoques; emissão de ordens de produção; programação das ordens; movimentação das ordens de fabricação e; acompanhamento da produção. Gianesi (2001) define que um dos papéis do PCP é garantir adequação entre as decisões operacionais e as decisões ou necessidades estratégicas da organização. Para Tubino (2007) a função do PCP como departamento de apoio é o de coordenação e aplicação dos recursos produtivos de forma a atender da melhor maneira possível aos planos estabelecidos em níveis estratégico, tático e operacional. Erdmann (2000) divide as funções do PCP de maneira ampla e geral da seguinte maneira: O que, como e quanto dizem respeito a questões relativas a horizontes longos e, portanto, fazem parte do planejamento;

15 14 Para o dia-a-dia, após redefinir-se quanto de cada produto deva ser obtido, estabelece-se quanto (precisamente a cada período), com que materiais, onde, por quem e quando acontecerá a elaboração dos mesmos e isto será competência da programação ou do controle, se entender essa função como integrante desta; Ao controle, no sentido restrito do termo, compete a verificação de todas as atividades e etapas, comparando o que for realizado com o que tiver sido projetado, adotando-se as medidas necessárias para que os rumos sejam mantidos. Este autor diz que planejamento e programação, apesar de serem originalmente similares, podem assumir funções distintas, sendo que o planejamento pode estar ligado a projeções gerais e de longo prazo, enquanto a programação refere-se ao dia-a-dia ou a horizontes mais restritos. Já o controle é um sistema que verifica e corrige possíveis desvios existentes no rumo da produção Atividades do PCP Com relação às atividades do PCP, Tubino (2007) explica que elas referem-se à um departamento de apoio à produção, dentro da gerência industrial. Desta forma, o PCP é responsável pela coordenação e aplicação dos recursos produtivos de forma a atender, da melhor maneira possível, os planos estabelecidos em níveis estratégico, tático e operacional. No nível estratégico, são definidas as políticas estratégicas de longo prazo da empresa, gerando assim o planejamento estratégico da produção. Esse planejamento consiste em estabelecer um plano de produção para determinado período (longo prazo), segundo as estimativas de vendas e disponibilidade de recursos financeiros e produtivos. Já no nível tático, são estabelecidos os planos de médio prazo para a produção, desenvolvendo o Planejamento Mestre da Produção para obtenção do Plano-Mestre da Produção PMP. Este plano só será viável se estiver compatível com as decisões tomadas em longo prazo, previstas no planejamento estratégico da produção, como a aquisição de equipamentos, negociação com fornecedores, etc. No nível operacional, são preparados os programas de curto prazo de produção, realizando acompanhamentos nos mesmos para a programação da produção, administração dos estoques seqüenciados, emitindo e liberando as ordens de compras, fabricação e

16 15 montagem, bem como executando o acompanhamento e controle da produção (TUBINO, 2007). Segundo Tubino (2007), a duração dos horizontes de tempo dependerá da flexibilidade do sistema produtivo. Para empresas com baixa flexibilidade de resposta às variações da demanda, os horizontes de planejamento e as incertezas serão maiores, já para empresas com alta flexibilidade, os períodos e a probabilidade de ocorrer problemas serão menores. Portanto, nota-se a importância da coerência dos horizontes do planejamento com as inércias das decisões envolvidas. Segundo Corrêa (2008), quando se analisam as decisões de operações, entretanto, nota-se que há uma infinidade de decisões que têm inércias diferentes e, portanto, requerem horizontes de planejamento diferentes. A visão do futuro de que o processo necessita deve incluir diversos sub-horizontes. É necessário considerar um sub-horizonte de curto prazo para que a partir deste se tomem boas decisões de inércia pequena, um sub-horizonte médio para a consideração de decisões de inércia média e um sub-horizonte longo para suportar decisões de inércia maior. Geralmente, as decisões de inércia pequena envolvem níveis mais moderados de recursos - o efeito de uma decisão equivocada, portanto, não é tão relevante. As decisões de inércia maior, por outro lado, envolvem níveis mais elevados de recursos e, em decorrência, os efeitos de uma decisão errada terão relevância maior (CORRÊA, 2008). Com essa constatação, duas análises são descritas: a primeira observa que decisões tomadas com maior antecedência têm uma maior probabilidade de estarem erradas, devido ao longo tempo até a concretização da atividade. Mas, fazendo uma segunda análise, pode-se definir que decisões com previsões mais agregadas ficam, geralmente, menos sujeitas a erros, e é isso que acontece com decisões de longo prazo. A explicação para este evento é que, se alguns produtos têm suas previsões superdimensionadas, outros tem suas previsões subdimensionadas, gerando um certo equilíbrio entre elas. Se ao longo do horizonte de planejamento, forem trabalhados adequadamente os níveis de antecedência e agregação dos dados, pode-se trabalhar com um nível de incerteza mais uniforme ao longo de todo o horizonte (CORREA, 2008) A partir desses princípios, obtêm-se a idéia de Planejamento Hierárquico, que divide as atividades do PCP de acordo com a linha de tempo em: Planejamento mestre de operações, que é dividido em Planejamento de vendas e operações (PVO), no qual as decisões são de longo prazo, e em Programa mestre de produção, onde as decisões são de médio prazo; MRP /

17 16 Capacidade com decisões de curto prazo e; Programação e controle que cobre as decisões de curtíssimo prazo (CORREA, 2008). Slack (2008) também ilustra a natureza do planejamento e controle e como seus aspectos variam de importância ao longo do tempo, confirmando a teoria de outros autores: No longo prazo, os gerentes de produção fazem planos relativos ao que eles pretendem fazer, que recursos eles precisam e quais objetivos eles esperam atingir. A ênfase está mais no planejamento do que no controle, porque existe ainda pouco a ser controlado. Eles vão usar previsões da demanda provável, descritas em termos agregados. O planejamento e o controle de médio prazo estão preocupados com um planejamento mais detalhado. Eles olham para frente avaliando a demanda global que a operação deve atingir de forma não totalmente agregada. No planejamento e no controle no curto prazo, muitos dos recursos terão sido definidos e será difícil fazer mudanças de grande escala nos recursos. Entretanto, as mudanças no curto prazo são possíveis se as coisas não correm conforme os planos. Nessa situação, a demanda deverá ser avaliada de forma totalmente desagregada Técnicas do PCP Para um funcionamento eficaz do Planejamento e controle da produção, são utilizadas várias técnicas, que evoluíram e se aperfeiçoaram ao longo do tempo, de acordo com cada tipo de empresa, com tecnologias diferenciadas para otimizar os recursos produtivos e diminuir os custos. Entre essas técnicas se destacam o Planejamento das Necessidades de Materiais (Material Requirements Planning/MRP), Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resources Planning/MRPII), Just-In-Time (JIT), Optimized Production Technology (OPT), e o Planejamento dos Recursos de Manufatura (Enterprise Resources Planning/ERP).

18 MRP Material Requirements Planning O sistema MRP tem por finalidade disponibilizar de maneira eficaz informações que permitam a tomada de decisões sobre o que, quanto e quando será produzido ou comprado. O sistema MRP auxilia a introdução de ordens de compra ou fabricação no sistema no último momento possível para que os pedidos sejam entregues na data prevista (CORRÊA, 2008). Traduzindo-se, com o MRP tem-se o planejamento das necessidades de materiais. Seu conceito baseia-se na idéia de que, a partir do conhecimento de todos os componentes de determinado produto e os tempos de obtenção de cada um deles é possível, com base na visão de futuro das necessidades de disponibilidade do produto em questão, calcular os momentos e as quantidades que devem ser obtidas de cada um dos componentes de tal maneira que não haja falta nem excesso de nenhum deles, no suprimento das necessidades dadas pela produção do referido produto (GIANESI, 2001). O uso do MRP atualmente pressupõe o conjunto de programas computacionais interconectados que, em conjunto, orientam as funções do planejamento e controle da produção, observando-se que essas funções e as técnicas do MRP estão relacionadas. Para executar os cálculos de quantidades e tempos descritos, os sistemas de planejamento das necessidades de materiais (MRP) normalmente, demandam que a empresa mantenha determinados dados em arquivos de computador, os quais, quando da utilização do programa MRP, estes dados são recuperados, usados e atualizados (SLACK, 2008). Todos os cálculos do MRP são baseados numa combinação de dois componentes de demanda futura, definidos de forma simples: a demanda dependente, que é a derivada de alguma outra decisão tomada dentro da empresa; e a demanda independente, onde a demanda está relacionada com o ambiente externo, ou seja, não está sob o controle da empresa (SLACK, 2008). No MRP, os itens filhos são componentes diretos de outros itens, que conseqüentemente são os itens pais de seus componentes diretos. A composição dos produtos é chamada de estrutura do produto ou árvore do produto, que traz todas as relações pai-filho, ou seja, todas as relações dos componentes de certo produto. A partir dessa estrutura, evidenciada por Corrêa (2008), facilita-se a resposta a duas questões importantes: o que e quanto produzir e comprar. Esse cálculo é conhecido como explosão de necessidades brutas, que significa o total de componentes necessários disponíveis

19 18 para a elaboração do produto em questão. Nos dias atuais, manter estoques além do necessário é considerado como custo. Assim, surge a lógica no MRP: programar atividades o mais tarde possível, procurando minimizar os estoques carregados, e para conseguir esse objetivo inicia-se com as necessidades de produtos acabados. Essa lógica é denominada de Programação para trás (CORRÊA, 2008). Outro ponto importante a ser explorado, é o cálculo das necessidades líquidas, explicado da seguinte forma: por vezes, os fornecedores exigem quantidades mínimas para pedidos de compra. Isso implica que o MRP, antes de sugerir uma compra, deveria analisar seu estoque para saber se aquele material é realmente necessário no momento. Só depois dessa verificação é que a compra poderia ser autorizada (CORRÊA, 2008). Esses cálculos de necessidades são executados pelo MRP utilizando um registro de informações chamado registro básico do MRP. Esse registro básico é organizado na forma de matriz (linhas e colunas). Tudo o que for referido a um item, em matéria de movimentação de materiais e planejamento, está no seu registro básico, que é formado pelas seguintes colunas: necessidades brutas, recebimentos programados, estoque disponível projetado, recebimento de ordens planejadas e liberação de ordens planejadas (CORRÊA, 2008). Há algumas restrições na programação para trás que devem ser consideradas pelo MRP. É o caso das políticas e tamanhos de lote, estoques de segurança e lead times. Corrêa (2008) explica cada uma dessas restrições: As políticas e tamanhos de lote referem-se ao fato desta manter apenas a quantidade necessária até o último momento para diminuir o estoque médio necessário às vezes falhar. Isso pode ocorrer devido à possibilidade de haver restrições que devem ser respeitadas, como os lotes múltiplos, que definem que certa quantidade de um material só pode ser comprada em lotes de certa quantidade multiplicada (como, por exemplo, múltiplos de 1000). Há outras políticas de lotes como: lotes mínimos, lotes máximos, períodos fixos e estoques de segurança (CORRÊA, 2008). Estoques de segurança é simplesmente a manutenção de um estoque mínimo para a garantia de que a produção não seja interrompida caso ocorra alguma eventualidade. Já o lead time é o tempo que decorre entre a liberação de uma ordem (de compra ou produção) e o material correspondente estar pronto e disponível para uso. (CORRÊA, 2008). Na realidade das empresas, observa-se a dificuldade de encontrar empresas que utilizam o MRP de forma eficaz. Mais do que a utilização de um software de alta qualidade é indispensável um comprometimento da alta direção com os objetivos da implantação, além de

20 19 um treinamento intensivo e continuado em todos os níveis da empresa que trabalham com a produção e, não se esquecendo do gerenciamento adequado do processo de implantação do MRP MRP II - Material Resources Planning Após a inclusão ao MRP do cálculo das necessidades de capacidade, ou seja, que calcula as necessidades de outros recursos do processo de manufatura, obtêm-se o MRPII, que tem outras diferenças em relação ao seu antecessor além dos cálculos de necessidades, como o tipo de decisão de planejamento que o orienta (GIANESI, 2001). Um fato importante é que o MRPII não pode ser considerado apenas uma versão melhorada do MRP, visto que a lógica de sequência dos seus cálculos, as verificações e as decisões geram um plano de produção que é mais viável e factível de ser executado (GIANESI, 2001). É importante a utilização de um software, visto que seria difícil a manipulação dos dados gerados pelo MRPII, que executa uma grande quantidades de processos ERP - Enterprise Resource Planning O momento de transição do MRPII para o ERP (enterprise resource planning) ocorre quando os fornecedores passam a considerar que suas soluções integradas são suficientemente capazes de suportar as necessidades de informação para todo o empreendimento. O sistema ERP é considerado por alguns autores (CORRÊA, 2008; GIANESI, 2001; SLACK, 2008) como um estágio mais avançado dos sistemas MRP II. Enquanto o sistema MRP II realiza o planejamento de recursos apenas da manufatura, o sistema ERP é bem mais abrangente efetuando o planejamento de recursos para toda a empresa. Isso envolve diversos sistemas que informam as necessidades de diferentes áreas, tais como: manutenção, recebimento, estoques, custos, recursos humanos, contabilidades, financeiro, entre outros. Essa forma integrada de prover informações evita que haja redundâncias ou informações duplicadas por meio de uma base de dados única, integração entre várias áreas da empresa (compras, recursos humanos, manufatura, financeiro, etc.), arquitetura modular e

21 20 disponibiliza apenas a informação necessária para cada área. Por outro lado é importante considerar a dificuldade encontrada na implementação de sistemas ERP, já que poucas empresas conseguiram, de fato, lograr todos os benefícios que o sistema pode oferecer (SLACK, 2008). Essas dificuldades estão relacionadas à incorporação de particularidades da empresa, necessidade de treinamento e custo relacionado ao suporte JIT - Just in Time O Just in time surgiu no Japão, na década de 1970, sendo sua idéia básica e seu desenvolvimento creditados à Toyota Motor Company, que buscava um sistema de administração que pudesse coordenar de forma precisa a produção com a demanda específica de diferentes modelos e cores de veículos com o mínimo de atraso (CORRÊA, 2008). Expressões famosas são muito ligadas ao JIT como a produção sem estoques; produção enxuta; eliminação de desperdícios; manufatura de fluxo contínuo; esforço contínuo na resolução de problemas (CORRÊA, 2008). Pode-se definir que O Just in Time: visa atender à demanda instantaneamente, com qualidade perfeita e sem desperdícios. (SLACK, 2008). Portanto, o JIT busca de maneira eficaz atender ao cliente de forma rápida, com a melhor qualidade possível, não gerando insatisfação por parte do receptor dos produtos nem custos com re-trabalho. O JIT trabalha com duas metas de gestão que devem ser primordiais: a melhoria contínua dos processos e produtos e evitar ao máximo as perdas. Ligados à estas metas, dois objetivos se destacam: a qualidade e a flexibilidade (CORRÊA, 2008). A diferença do JIT para as outras formas de teorias na produção é na forma de se chegar à alta eficiência produtiva, já que o JIT promove uma exposição aos problemas para evidenciá-los e resolve-los de forma mais fácil, enquanto as outras teorias buscam proteger a produção de possíveis problemas (SLACK, 2008).

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva.

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva. Brochura BX PRODUCTION Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva SAP Business One para manufatura discreta e repetitiva A combinação de

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015 Sistemas de Administração da Produção Segundo Giannesi & Correia (1993) A sobrevivência e o sucesso das organizações dependem da eficiência com a qual produz seus bens e serviços, sendo os custos determinante

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de Campus Marquês - SP Atividades para NP2 Curso: Semestre: Turma: Disciplina: Tec. Aplicada a Segurança Professor: Fragoso Aluno (a): RA: GABARITO - 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Responda

Leia mais

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior Sistemas ERP Introdução Sucesso para algumas empresas: acessar informações de forma rápida e confiável responder eficientemente ao mercado consumidor Conseguir não é tarefa simples Isso se deve ao fato

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Cristian Dekkers Kremer (UTFPR) cristian_dk@ig.com.br João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2015. Todos direitos reservados. Atualizado em setembro de 2015 Conceituação do SIG Introdução Nessa fase o executivo

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO

PROGRAMA DE TREINAMENTO Jogo de Empresa POLITRON Tutorial para Uso da Planilha PROGRAMA DE TREINAMENTO EM MRP II Tutorial para o uso da Planilha do POLITRON Direitos Reservados - Reprodução Proibida Janeiro/2001 Versão Demonstrativa

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Modelo de integração de sistemas de gestão erp com a produção lexandre ugusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br Guilherme Braga guiar De Maria (FEI) guibraga@terra.com.br Vanessa Takagochi (FEI) vanessa_takagochi@yahoo.com.br

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg)

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg) Os parametros para o cálculo são : Demanda diária (D) Qtde. de peças por KANBAN (Q) Lead time de produção (LT_Prod) Lead time de entrega (LT_entr) Segurança (margem) definida (Seg) Sendo: N= D. LT_prod.

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Ciências da Computação FURB Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Alzir Wagner Orientador: Wilson Pedro Carli Fevereiro de 2008 Roteiro de apresentação

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Sistemas de Apoio a Decisão

Sistemas de Apoio a Decisão Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry Sistemas de Apoio a Decisão DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão O QUE É UM SISTEMA DE APOIO À DECISÃO?

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA Necessidade de informatizar a empresa Uma senhora muito simpática, Dona Maria das Coxinhas, feliz proprietária de um comércio de salgadinhos, está,

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Especialistas em impostos indiretos

Especialistas em impostos indiretos Impostos indiretos IMPOSTOS INDIRETOS Especialistas em impostos indiretos POR MEIO DE UM CONJUNTO ABRANGENTE DE SERVIÇOS DE SUPORTE CONTÍNUOS QUE OFERECEM RESPOSTAS IMEDIATAS ÀS DÚVIDAS SOBRE IMPOSTOS,

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais