Alocação de Custos Energéticos do Centro de Dados e Carbono aos Utilizadores de TI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alocação de Custos Energéticos do Centro de Dados e Carbono aos Utilizadores de TI"

Transcrição

1 Alocação de Custos Energéticos do Centro de Dados e Carbono aos Utilizadores de TI Aplicação técnica 161 Revisão 1 por Neil Rasmussen > Resumo executivo O software e a instrumentação complicados são necessários para a medição e alocação de carbono e custos energéticos aos utilizadores de TI? Ou, podemos sobreviver com métodos simples e rentáveis para a alocação de carbono e custos energéticos? Quão precisos necessitamos de ser? Esta nota fornece uma descrição geral de estratégias de alocação de carbono e custos energéticos e respectiva precisão. Demonstramos que é fácil e rentável para os centros de dados, grandes ou pequenos, novos ou antigos, começarem a alocar custos e carbono, embora as despesas e a complexidade aumentem e o ROI diminua quando é especificada uma precisão excessiva. Índice Clique numa secção para aceder directamente Introdução 2 Qual é o objectivo? 2 Medição vs. modelação 4 Quantos pontos necessitamos de medir? Alocação de energia aos utilizadores de TI Conversão de energia em carbono Fornecimento de orientação aos utilizadores de TI Conclusão 16 Recursos 17 Anexo 18

2 Introdução Os dados indicam que os centros de dados normais utilizam muito mais energia do que a necessária. É amplamente reconhecido que existem oportunidades rentáveis a curto prazo para reduzir a utilização de energia dos centros de dados existentes e grandes oportunidades para influenciar as concepções dos novos centros de dados. Isto tornou os centros de dados num alvo interessante para os reguladores governamentais e directores de empresas, que procuram essas oportunidades para reduzir o consumo de energia com custos mínimos sociais ou económicos adversos. Historicamente, a concepção e as operações do centro de dados têm-se centrado na fiabilidade e na capacidade. Isto conduziu à situação infeliz em que os centros de dados não foram optimizados relativamente à eficiência. De facto, é difícil identificar um qualquer local em que o centro de dados tenha sido criado para ser eficiente, porque as decisões independentes de criadores de equipamento, integradores de sistemas, programadores de controlo, instaladores, empreiteiros, gestores de TI e operadores todas contribuem substancialmente para o desempenho energético global. Recentemente, os estudos mostraram que a utilização de energia representa um custo substancial das operações de TI, em alguns casos, excedendo o custo do próprio hardware de TI. Esta pressão dos custos, combinada com a consciência de que os centros de dados podem ser muito mais eficientes na sua utilização da energia, fizeram com que muitos operadores de centro de dados tornassem a gestão energética numa prioridade. Quão simples pode ser um processo de gestão energética e quantas poucas medidas são necessárias para fornecer as informações necessárias, de forma a gerir com êxito a utilização de energia da infra-estrutura e alocar custos energéticos e carbono aos utilizadores de TI? Iremos mostrar que a resposta é a seguinte: Um processo extremamente simples, com muito poucas medições e que qualquer pessoa pode implementar de imediato, irá fornecer uma precisão suficientemente boa para um programa de gestão energética eficaz. Qual é o objectivo? Normalmente, existem três objectivos diferentes de um sistema para a avaliação dos impactos de carbono ou eficiência energética de um centro de dados: Criação instantânea ou periódica de pontos de referência do desempenho Alocação de passagem de energia ou carbono a outros Utilização de informações para reduzir os impactos de carbono ou utilização de energia da infra-estrutura Para um centro de dados específico, é importante reconhecer quais destes objectivos (ou combinação de objectivos) se pretende, uma vez que uma compreensão correcta afecta dramaticamente a implementação técnica. Objectivo 1: Criação instantânea ou periódica de pontos de referência do desempenho A criação instantânea ou periódica de pontos de referência do impacto do carbono ou eficiência energética pode ser útil para determinar se um programa de gestão energética em curso deve ser investigado ou iniciado. O conceito aqui é que, se a criação de pontos de referência revelar um desempenho comparável ou melhor que outros centros de dados semelhantes, talvez se possa ignorar toda a questão. Inversamente, se a criação de pontos de referência revelar um desempenho pior que os centros de dados comparáveis, é provável que um programa de gestão energética em curso tenha um bom retorno. APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 161 Rev 1 2

3 Deve ser realçado que, a concretização deste objectivo, por si só, não fornece informações accionáveis, que informem ou conduzam a reduções no impacto do carbono ou utilização de energia. Infelizmente, muitos operadores de centro de dados começam com este objectivo e ficam desapontados com os resultados. Para obter benefícios de redução do impacto, deve ser implementado um ou os dois objectivos descritos a seguir. Objectivo 2: Alocação de passagem de energia ou carbono a outros Alguns centros de dados actuam como um fornecedor de energia do centro de dados a outras organizações, fornecendo infra-estrutura física do centro de dados ou infra-estrutura de TI, por computador ou por servidor. A alocação, ou mesmo facturação, dos clientes do centro de dados relativamente à energia ou carbono poderá ser um requisito. Poderá tratar-se de um requisito interno da organização, de um requisito de conformidade ou de uma obrigação contratual. O objectivo é fornecer um incentivo financeiro, ou outro, para os clientes do centro de dados efectuarem alterações comportamentais que reduzam o respectivo impacto de carbono ou utilização de energia como, por exemplo, desligar servidores não utilizados, activar as funções de gestão energética, gerir o armazenamento desnecessário ou virtualizar servidores. A oportunidade para poupar energia e reduzir os impactos de carbono num centro de dados normal, através da gestão de TI, para a eficiência energética é enorme, variando entre reduções de 10% a 80%, dependendo do nível existente de maturidade e virtualização no centro de dados. Uma vez que muitos melhoramentos possíveis são praticamente gratuitos, ou possuem uma fase pouco dispendiosa durante as actualizações de TI, a passagem dos custos energéticos ou impactos de carbono pode constituir uma grande contribuição para um programa de gestão energética bem sucedido e rentável. Alocação de custo eléctrico e impacto de carbono aos utilizadores e planeadores de TI Figura 1 Efeito em cascata da alocação de custos energéticos Decisões de TI mais inteligentes e ecológicas que compreendem custos verdadeiros Redução de custos totais e impactos ambientais Objectivo 3: Utilização de informações para reduzir os impactos de carbono ou a energia da infra-estrutura Em todos os centros de dados, a infra-estrutura física (alimentação, arrefecimento, iluminação, controlos, etc.) consome muita energia e gera impactos de carbono. A métrica utilizada para criar pontos de referência da utilização de energia da infra-estrutura do centro de dados é a Eficiência de Consumo Energético, ou PUE (o inverso da PUE denomina-se DCiE e é também utilizada como métrica). Em muitos centros de dados, a alimentação consumida pela infra-estrutura física é maior que a alimentação utilizada pelas cargas de TI (PUE > 2). Assim, a redução da utilização de energia na infra-estrutura física, numa base percentual, é quase tão importante quanto a redução da carga de TI. APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 161 Rev 1 3

4 O objectivo é fornecer os dados necessários para identificar e quantificar as oportunidades de alterar o equipamento, a configuração ou as definições que reduzam o consumo energético sem dar origem a um impacto adverso na carga de TI. A oportunidade para poupar energia e impactos de carbono num centro de dados normal, através da gestão da infra-estrutura física para a eficiência energética é grande, variando entre reduções de 10% a 40%, com base na condição, definições, configuração e carregamento do centro de dados. Dois dos objectivos descritos na secção anterior alocação de custos energéticos a TI e gestão do consumo energético da infra-estrutura física oferecem oportunidades substanciais de redução de energia e carbono no centro de dados normal. Ao considerar o objectivo geral da redução da utilização de energia e impactos de carbono para um determinado centro de dados, é necessário primeiro decidir qual destes dois objectivos (ou ambos) será escolhido. Escolher o objectivo A abordagem anterior dos três objectivos para as medidas de eficiência energética e impacto de carbono para os centros de dados, sugere as seguintes observações chave: Existem enormes oportunidades para reduzir o consumo energético dos centros de dados normais, na ordem dos 20% aos 90% de poupança de energia e carbono, quando os comportamentos de TI e a infra-estrutura física são geridos em conjunto. A criação de pontos de referência por si só não constitui qualquer melhoria. Não pode ser considerada como uma parte central de um plano de redução de energia e carbono. A respectiva utilização é, principalmente, para ajudar a determinar a quantidade de recursos a serem desenvolvidos na gestão energética. A alocação de energia e carbono aos utilizadores de TI fornece-lhes ferramentas para efectuar poupanças de energia racionais relativamente às implementações de TI. Ambas (a) a alocação de custos energéticos a TI e (b) a gestão da utilização de energia da infra-estrutura física, oferecem oportunidades substanciais de poupança, embora a oportunidade exceda a soma das partes quando os dois objectivos são combinados. Se o objectivo for uma redução geral na utilização de energia e impacto de carbono, uma combinação dos objectivos acima, com um foco reduzido na criação de pontos de referência, constitui a melhor estratégia. A definição de todos estes objectivos constituiria um empreendimento grande, complexo e dispendioso? Este esforço teria um ROI aceitável? A resposta é que, quando o problema é visto da forma correcta, torna-se espantosamente simples e rentável obter todos os objectivos. Além disto, os operadores de centro de dados podem começar a obter imediatamente resultados. O restante desta nota explica como isto é possível. Medição vs. modelação A maioria das discussões sobre as informações da gestão energética concentra-se na medição da energia. No entanto, qualquer abordagem racional à gestão energética requer alguma interpretação, ou significado, da utilização de energia medida. Para efectuar melhoramentos ou executar qualquer acção, deverá existir alguma compreensão do modo como várias alterações afectarão o consumo energético. Deve existir um modelo de funcionamento do centro de dados antes de podermos compreender como poderemos utilizar medidas para identificar e quantificar as oportunidades de melhoramento. Uma medição da energia eléctrica consumida por uma bomba de água fria não fornece, por si só, qualquer compreensão sobre se a bomba está a funcionar dentro dos parâmetros de desempenho esperados, se foi correctamente dimensionada, se alguma APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 161 Rev 1 4

5 alteração na programação ou válvula pode reduzir a respectiva utilização de energia ou se uma bomba diferente pode fornecer a mesma função com uma utilização de energia mais baixa. Para compreender as oportunidades de melhoramento energético, temos de ter modelos implícitos (conhecimento de especialistas com experiência) ou modelos explícitos (ferramentas de software). Até mesmo o objectivo de alocação de custos energéticos a utilizadores de TI requer modelos. Enquanto o consumo de alimentação dos servidores pode ser medido directamente e ser possivelmente associado aos utilizadores de TI, a maioria da alimentação num centro de dados é utilizada pelas cargas e não pelos servidores, e é necessário um modelo para associar estas utilizações de energia aos utilizadores de TI. Um processo genérico de gestão energética do centro de dados é apresentado na Figura 2: Alterações TI Servidor em fim de vida, virtualização, melhorias nos dispositivos Figura 2 Diagrama do fluxo de informações de um processo de gestão energética do centro de dados que mostra o modo de integração das funções do modelo e de análise nas actividades de planeamento da infraestrutura e TI existentes, resultando em alterações que reduzem o consumo energético Sistemas TI (servidores, armazenamento, rede) Data center Sistemas de infra-estrutura física (alimentação, arrefecimento, iluminação) Medições de energia Configuração da informação Informação dos dispositivos Condições de operação dos dados Modelo Alocações de energia e carbono para o TI PUE que apoia os dados Análises Planeamento TI e desenvolvimento alterações recomendadas Planeamento da Infra-estrutura e das operações Alterações físicas na infra-estrututura Definições de configuração, dispositivos) No processo de gestão energética da Figura 1, existem dois percursos de melhoramento principais. No início do diagrama, são efectuadas alterações de TI em resposta aos dados de energia e carbono a partir do modelo do centro de dados. No fim do diagrama, são implementadas alterações na infra-estrutura física em resposta à orientação da energia a partir do modelo. Em ambos os casos, a medição é utilizada, embora seja o modelo que fornece a interpretação e orientação para a concretização dos melhoramentos. Note que, o sistema descrito pelo diagrama acima incorpora todos os três objectivos de gestão energética do centro de dados descritos na secção anterior: Fornece dados para a criação de pontos de referência, efectua a alocação de energia e carbono no TI e fornece orientação relativamente aos melhoramentos na infra-estrutura física. Sem um modelo e um processo, as medições constituem pouco valor. No entanto, os modelos, até mesmo os modelos simples, poderão ter um valor considerável mesmo com medições incompletas. Recurso relacionado Aplicação técnica 154 da APC Eficiência eléctrica Medição para Centros de Dados Em suma, um objectivo chave de medição da eficiência do centro de dados é a obtenção das informações que contribuem para a criação de um modelo preciso para esse centro de dados. É o modelo que fornece as informações accionáveis sobre a eficiência do centro de dados e não a medição. Uma discussão mais completa sobre este assunto encontra-se na Aplicação técnica 154 da APC, Electrical Efficiency Measurement for Data Centers. APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 161 Rev 1 5

6 Modelação assistida por medição Se fosse possível criar um modelo perfeito de um centro de dados, não seriam necessárias quaisquer medições. O modelo teria informações completas sobre a natureza, quantificação e condições de funcionamento da carga de TI, conteria as características e as condições de funcionamento de todo o equipamento da infra-estrutura e aceitaria dados meteorológicos históricos como entradas. Poderia simplesmente calcular todos os fluxos de energia. Num mundo prático, não poderia ser criado um modelo perfeito, devido à dificuldade na obtenção dos dados exactos sobre as configurações e as condições de funcionamento do dispositivo de TI, interfaces e condições de funcionamento da infra-estrutura e condições de funcionamento inesperadas, como avarias, filtros obstruídos ou unidades de ar condicionado que interagem entre si. Enquanto um modelo perfeito de um centro de dados pode necessitar de uma grande quantidade de manutenção de dados e programação personalizada, é possível criar um modelo surpreendentemente bom utilizando apenas um inventário rudimentar dos dispositivos de TI e infra-estrutura implementados, informações sobre a respectiva configuração (N+1, 2N, etc.) e algum conhecimento básico das características eléctricas dos dispositivos de TI e infra-estrutura. Um exemplo de implementação de software de um modelo simplificado para a infra-estrutura física de um centro de dados normal é apresentado na Figura 3. Figura 3 Exemplo de uma ferramenta de modelação da infra-estrutura do centro de dados para configurações do centro de dados normal (ferramenta gratuita baseada na Web) É óbvio que é necessário algum tipo de modelo do centro de dados para a gestão e redução do consumo energético. Poderá este modelo eliminar realmente a necessidade de medição ou simplificar a tarefa de medição? Quão simples pode ser um modelo e quantas poucas medidas são necessárias para fornecer as informações necessárias, de forma a gerir com êxito a utilização de energia da infra-estrutura e alocar custos energéticos e carbono aos utilizadores de TI? A resposta é que, um modelo extremamente simples, com muito poucas medições, pode fornecer uma precisão aceitável para um programa de gestão energética. APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 161 Rev 1 6

7 Quantos pontos necessitamos de medir? Um princípio básico de medição é que não deve começar a medição de algo, a menos que compreenda a utilização dos dados que será efectuada. Um medição realizada no momento errado, com precisão insuficiente ou sem as condições detalhadas, poderá revelar-se posteriormente inadequada ou inútil. Inversamente, a medição excessiva com uma precisão extrema poderá ser extremamente dispendiosa e pesada e fornecer muito poucos benefícios quando comparada com uma medição simples. Todos estes problemas surgem à medida que os operadores de centro de dados tentam desenvolver os seus sistemas de gestão energética. O objectivo de um sistema de medição é utilizar o protocolo mais simples e menos dispendioso que consiga atingir o objectivo do sistema de gestão. Quão complexo deve ser um sistema para fornecer informações completas sobre a utilização de energia do centro de dados? Quão simples pode ser um sistema de medição? Para compreender o problema, podemos contrastar as capacidades de dois casos extremos: um sistema de medição de energia vasto vs. um sistema de estimativa simples. Figura 4 Comparação de abordagens de medição de energia Estimativa simples Essencialmente gratuito Erros grandes Nenhum conhecimento dos detalhes dos problemas? Ferramentas de software e medição exaustiva Caro e complexo Precisão elevada Possível análise do cenário e ROI Caso extremo n.º 1: Sistema de recolha de dados total Torna-se incompleto falar sobre medição num sistema de gestão sem considerar a precisão e a frequência da medição, que são factores que podem ter implicações enormes de complexidade e custo. Como referência, podemos considerar o caso de um sistema de medição em tempo real, que mede e grava a utilização de energia de todos os dispositivos e circuitos num centro de dados, com um requisito de precisão de 2%. Uma estimativa dos requisitos e custo para um centro de dados de 1MW é apresentada na Tabela 1. Com este sistema de instrumentação extremo, é possível atribuir de forma precisa utilização eléctrica a cada dispositivo de TI e informar ou facturar apropriadamente os utilizadores. Além disso, é possível determinar de forma precisa a utilização eléctrica de cada dispositivo da infraestrutura a partir da qual é possível, em seguida, tentar comparar com valores esperados para identificar as áreas para melhoramento. Um sistema deste tipo também requer um sistema de software complexo com um grande investimento de manutenção de dados e configuração. Infelizmente, o custo de um sistema deste tipo representa uma fracção substancial do custo total da infra-estrutura do centro de dados, bem como quase metade do custo total de energia do centro de dados num ano. Deste modo, com base no retorno do investimento esperado, um sistema deste tipo é impraticável, a menos que o custo de um sistema de medição assim diminua aproximadamente por um factor de 10. Mesmo assim, a instalação deste sistema representa um investimento de capital significativo e um processo de instalação complexo e arriscado, especialmente num centro de dados existente. Assim, um sistema de recolha de dados total deve ser considerado como possível mas impraticável. APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 161 Rev 1 7

8 Circuitos medidos Número Custo unitário (instalado) Custo do subtotal Medir potência de entrada do centro de dados 1 1 $9,000 $9,000 Medir circuitos do subsistema da infra-estrutura 80 $1,500 $120,000 Medir circuitos de derivação de TI 1000 $100 $100,000 Circuitos do receptáculo de TI do contador 4000 $40 $160,000 Manutenção (10 anos) $100,000 $100,000 Software (licença de 10 anos) $50,000 $50,000 Configurar, encomendar, manter software $60,000 $60,000 Custo total $600,000 Caso extremo n.º 2: Sistema de recolha de dados sem custos Em seguida, considere o outro caso extremo em que não são efectuadas quaisquer medições. Um sistema deste tipo é essencialmente gratuito. A única introdução que iremos utilizar é o número de servidores no centro de dados. Nem sequer iremos assumir a existência de uma factura eléctrica mensal da empresa pública, porque muitas vezes não existe um contador dedicado para o centro de dados. Dado apenas o número de servidores, é possível tentar estimar de forma simples a utilização de energia do centro de dados por servidor. A utilização de energia do centro de dados por servidor inclui a energia consumida pelos servidores, mas também a energia utilizada pelo equipamento de rede, armazenamento, equipamento de alimentação, equipamento de arrefecimento, iluminação e dispositivos auxiliares. Sem quaisquer medições, é possível utilizar os dados médios estatísticos da base instalada de centros de dados para obter uma estimativa simples da potência de arrefecimento, potência de iluminação, etc., normalmente utilizadas por servidor. Podemos assumir a configuração normal da infra-estrutura física utilizada para um centro de dados que fornece servidores médios normais, com uma mistura normal de equipamento de rede e armazenamento. Estas suposições instruídas podem ser fornecidas por um consultor especialista ou por uma ferramenta de software, como a ferramenta gratuita ilustrada na Figura 3 anterior. As suposições instruídas combinadas tornam-se no nosso modelo simples para o centro de dados. A precisão deste sistema encontra-se resumida na Tabela 2. Com este sistema sem medição, é possível atribuir custos de energia e carbono aos utilizadores por média de servidor, embora a precisão seja apenas de cerca de 36%. Embora não seja ideal, continua a ser uma orientação bastante útil para os utilizadores de TI relativamente às alterações ambientais e a maioria das alterações ambientais de TI não será afectada se os custos de energia e carbono forem fornecidos com precisão adicional. No entanto, enquanto um sistema deste tipo fornece informações úteis aos utilizadores de TI, não fornece informações para ajudar na orientação dos melhoramentos na infra-estrutura de alimentação ou arrefecimento do centro de dados, uma vez que todos os dados foram estimados a partir de 1 Normalmente, isto não pode ser realizado com um único contador requer a soma dos dados de mais do que um contador. APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 161 Rev 1 8

9 médias industriais. Não obstante, é possível obter um benefício espantoso sem qualquer custo e este sistema sem medição deve ser considerado por qualquer operador de centro de dados que pretenda começar a controlar imediatamente os custos energéticos, mas que tenha pouco tempo e nenhum recurso. É fornecido um guia prático sobre como começar com esta abordagem no anexo, no final desta nota. Utilização de energia Fracção da utilização total Precisão da estimativa Efeito na precisão geral 2 Servidor 36% +/- 50% +/- 18% Tabela 2 Precisão de um sistema de monitorização da energia de baixo custo para um centro de dados com classificação de 1 MW Armazenamento 10% +/- 70% +/- 7% Equipamento de rede 4% +/- 50% +/- 2% Alimentação 8% +/- 50% +/- 4% Arrefecimento 38% +/- 80% +/- 30% Iluminação 2% +/- 60% +/- 1% Auxiliar 2% +/- 80% +/- 2% Precisão da energia total combinada +/- 36% Sistema de recolha de dados energéticos suficientemente bom Naturalmente, os dois exemplos extremos anteriores de estratégias de recolha de dados energéticos conduz-nos à questão se existem outras estratégias de recolha de dados intermédias que forneçam uma precisão dos dados suficientemente boa para atingir os objectivos de gestão energética, mas que tenham um baixo custo e ROI elevado. Para ajudar a responder a esta questão, a Tabela 3 mostra como a adição de custo e complexidade a um sistema de gestão energética aumenta a precisão e o custo. Cada linha na tabela representa a adição de uma capacidade de modelação ou medição para o sistema de capacidade, começando com um sistema sem custos baseado apenas no número de servidores, conforme descrito na secção anterior. À medida que as capacidades são adicionadas, o erro diminui e o custo do sistema aumenta. O erro de alocação de TI é definido como o erro na atribuição de energia e carbono a uma unidade definida de capacidade de TI, como um servidor padrão. O erro na atribuição de energia a um servidor específico pode ser muito maior que os erros definidos na tabela. Algumas capacidades listadas na tabela, como a classificação de servidores e a medição de todos os dispositivos de TI, melhoram consideravelmente a precisão na atribuição de energia e carbono a servidores específicos. Esta situação será abordada com mais detalhe posteriormente nesta nota. 2 Os erros nas estimativas de energia do subsistema são matematicamente ortogonais, pelo que o erro combinado corresponde ao metro quadrado da soma dos quadrados dos erros do subsistema APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 161 Rev 1 9

10 Tabela 3 A adição de capacidades de modelação e medição afecta a precisão e o custo do sistema de gestão para um centro de dados com classificação de 1 MW Capacidade de modelação e medição adicionada PUE erro Erro de alocação de TI 3,4 Custo do sistema (por MW) Número de servidores 61% 39% 0 Alimentação + UPS 55% 33% 0 + Inventário simples 5 23% 20% 0 + Inventário detalhado 14% 12% $2,000 + Classificar servidores 14% 12% $4,000 + Auditar subsistemas 8% 7% $10,000 + Medir subsistemas chave 6% 4% $50,000 + Medir todos os subsistemas 3% 2% $130,000 + Medir todos os dispositivos de TI 2% 2% $600,000 Para obter uma ideia melhor do equilíbrio entre o custo e a precisão da medição à medida que adicionamos funcionalidade a um sistema de gestão energética, os dados da Tabela 3 são traçados na Figura 5. 3 O erro de alocação de TI pode ser mais pequeno que o erro da PUE, uma vez que a utilização de energia e carbono associada à PUE constituem apenas uma fracção da utilização total de energia. 4 O erro de alocação de TI nesta tabela corresponde à alocação para um servidor médio padrão definido e não para um servidor específico. Os erros para os servidores específicos são maiores e dramaticamente reduzidos quando a capacidade de classificar servidores é adicionada, conforme descrito mais à frente nesta nota. 5 O inventário simples corresponde a um inventário da capacidade e tipo de dispositivos de alimentação, arrefecimento e TI principais no centro de dados, os quais, quando combinados com os dados sobre esses dispositivos, permitem um aperfeiçoamento considerável das estimativas de utilização de energia. Esta função pode ser fornecida como parte de uma avaliação da energia de especialistas ou pode ser tentada por um operador de centro de dados aplicado. É fornecida orientação adicional relativamente a este método noutras aplicações técnicas da APC listadas no final desta nota. APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 161 Rev 1 10

11 Figura 5 O erro de um sistema de medição da energia do centro de dados diminui enquanto o custo aumenta, à medida que as capacidades de modelação e medição adicionais são adicionadas Measurement Error (%) 60.0% 60% 50.0% 50% 40.0% 40% 30.0% 30% 20.0% 20% 10.0% 10% 0.0% 0% server counts Erro alocação TI UPS power crude inventory Erro PUE detailed inventory classify servers audit subsystems Erro mais baixo alcançável sem custo meter all subsystems meter key subsystems Custo Sistema Aumentar as capacidades de modelagem e medição meter all IT devices $600 K $500 K $400 K $300 K $200 K $100 K $0 K Measurement Cost ($) A Figura 5 mostra que a precisão de um sistema de medição de energia do centro de dados melhora rapidamente ao início o custo baixo, à medida que as capacidades de modelação e medição simples são adicionadas. No entanto, à medida que são atingidos erros de cerca de menos de 10%, o custo aumenta dramaticamente. Esta análise sugere a seguinte estratégia de modelação e medição recomendada para um programa de gestão energética do centro de dados: Um sistema de modelação de energia sem custos baseado nos números de servidores, leituras de alimentação UPS e inventário simples, é suficientemente bom para permitir uma alocação significativa de energia aos utilizadores de TI É possível adicionar capacidades de baixo custo adicionais ao longo do tempo para melhorar o sistema de gestão energética, incluindo melhoramentos do modelo a partir da classificação do servidor e inventário detalhado, bem como melhoramentos de medição a partir de auditorias de energia e medição de subsistemas chave A medição extensiva de todos os dispositivos de TI e subsistemas da infra-estrutura acrescenta pouco valor a um sistema de gestão energética, com um ROI fraco Alocação de energia aos utilizadores de TI A capacidade de TI pode ser medida e alocada de várias formas, incluindo ciclos de cálculo, servidores, núcleos, terabytes, armários de bastidores, metros quadrados, servidores virtuais, etc. Um modelo ideal de utilização de TI poderá incluir todos estes factores na atribuição dos custos, energia ou carbono. No entanto, iremos começar com um modelo simples, medindo a capacidade de TI em número de servidores, o que constitui uma forma popular de medir a capacidade à qual muitas outras medidas podem ser correspondidas. Se for possível alocar um número de servidores a um utilizador de TI, para atribuir energia e carbono a esse utilizador, tudo o que necessitamos é de atribuir energia a um servidor, em que a utilização total de energia de um utilizador de TI é simplesmente o número de servidores atribuídos vezes a utilização de energia alocada por servidor. Isto requer a identificação de todas as utilizações de energia no centro de dados e alocação das mesmas por servidor. A alocação da energia total de um servidor torna-se na soma da utilização de energia do próprio servidor mais as alocações de utilização de energia para APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 161 Rev 1 11

12 armazenamento, equipamento de rede, alimentação, arrefecimento, iluminação e cargas auxiliares. Esta alocação para um centro de dados normal é apresentada na Figura 6: Figura 6 Servidor com uma alocação de energia de 930 W, que mostra uma quebra do consumo de energia do centro de dados que foi atribuído ao servidor. A alimentação real do servidor é de apenas 340 W. Iluminação 15 W Auxiliar 15 W O servidor 340 W Arrefecimento 360 W Alimentação 75 W Rede 35 W Armazenamento 90 W Neste caso, embora a alimentação real consumida pelo servidor normal seja de 340 W, a alimentação total alocada no servidor é de 930 W. Dispositivo de TI específico vs. médio O método de atribuição de energia a um utilizador de TI com base nas unidades de servidor de um servidor médio possui um número de inexactidões, porque assume uma utilização dos recursos alocados uniforme por servidor e parte do princípio de que todos os servidores são iguais. A alimentação total real associada a um servidor específico irá variar dependendo do tipo de servidor, das respectivas características de gestão da alimentação e da respectiva utilização de outros recursos de TI. Para os centros de dados que possuem um preenchimento do servidor relativamente uniforme, a atribuição de um custo de energia padrão por servidor constitui uma aproximação eficaz. No entanto, para os centros de dados que possuem uma vasta gama de tipos de servidor, a utilização de uma unidade de servidor padrão para a alocação de energia não é eficaz. Por exemplo, considere o caso em que um utilizador de TI possui oito servidores blade como servidores de aplicação simples, enquanto outro utilizador de TI possui oito sistemas centrais com muitos terabytes de armazenamento online. Obviamente, o utilizador do sistema central consome muito mais alimentação, apesar de uma alocação de energia baseada num servidor padrão alocar a mesma energia e carbono em ambos os utilizadores. Apesar de a energia total alocada com este método ser precisa, alguma energia utilizada pelo utilizador de TI do sistema central é injustamente atribuída ao utilizador do servidor blade. A princípio, este problema pode ser corrigido através da medição de todos os dispositivos de TI e da atribuição de energia aos utilizadores de TI, com base nessas medições. Já demonstrámos que esta situação é impraticável, porque: Muita da utilização de energia provém de equipamento de alimentação, equipamento de arrefecimento, dispositivos de rede e outras cargas que não podem ser sempre associadas directamente a um utilizador de TI APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 161 Rev 1 12

13 O custo do sistema de medição para medir todos os dispositivos de TI, juntamente com o custo e complexidade do sistema de software, é extremo Para resolver este problema de forma simples e rentável, os servidores podem ser classificados numa lista curta de tipos padrão, cada um com o seu próprio perfil de utilização de energia. Em vez de todos os servidores serem considerados como uma única unidade de servidor padrão, é possível criar uma lista de classificações de servidores, conforme ilustrado na Tabela 4: Tabela 4 Exemplo de uma tabela de classificação de servidores Servidor classe Servidor de aplicações 1U Servidor alimentação Rede alocação Armazenamento alocação 250W Servidor virtual 6 90W Web blade 200W ERP blade 200W Central 4000W Servidor 3U-10U 2000W A lista acima pode ser utilizada tal como está (com valores de alimentação apropriados) ou pode ser expandida ou aperfeiçoada para corresponder melhor ao perfil dos utilizadores num centro de dados específico. Cada servidor possui um nível de alimentação padrão base atribuído e as alocações que representam a fracção da alimentação base associada ao equipamento de rede e armazenamento. Os custos de alimentação, arrefecimento e iluminação são igualmente alocados por Watt de TI e não variam por classe de servidor. O método de utilização do sistema de classificação é o seguinte: Atribuir todos os servidores a uma classe Atribuir um número de servidores padrão de cada classe a cada utilizador de TI Somar a alimentação calculada de todas as classes de servidor e, em seguida, normalizar de forma a corresponder a alimentação da carga de TI real (determinada a partir do modelo ou medição) Aplicar os dados da PUE a cada classe de servidor Desta forma, a utilização de energia total de um centro de dados pode ser alocada num número de classes de servidor, que poderão ser depois atribuídas aos utilizadores de TI. Este processo pode ser realizado numa ferramenta de software, como as ferramentas fornecidas por fornecedores, como a APC by Schneider Electric, ou numa folha de cálculo. 6 Se os servidores virtuais constituírem uma classe, o número de servidores alocados excederá o número de servidores físicos. Neste caso, os servidores físicos que alojam os servidores virtuais não são atribuídos a um utilizador de TI. APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 161 Rev 1 13

14 Conversão de energia em carbono Assim que determinarmos a utilização de energia das cargas de TI ou sistemas de infraestrutura no centro de dados, é possível alocar carbono nos mesmos. Os impactos do carbono dos centros de dados são indirectos e provêem de três origens principais: Emissões de carbono criadas durante o fabrico do centro de dados e respectivo equipamento da infra-estrutura e TI (denominado carbono incorporado ) Emissões locais de carbono dos sistemas de aquecimento, geradores de emergência ou sistemas de co-geração Emissões de carbono criadas durante a criação da energia eléctrica necessária para alimentar o centro de dados De forma geral, a maioria das discussões, criação de pontos de referência ou relatórios do carbono está limitada a estas origens, devido às emissões causadas pelas operações. O carbono incorporado constitui uma contribuição significativa para os impactos totais de carbono, embora os métodos e padrões de avaliação dos impactos do carbono incorporado ainda se encontrem em desenvolvimento. Os centros de dados não geram directamente quantidades significativas de dióxido de carbono ou outros gases com equivalência de CO2. O funcionamento dos geradores de emergência representa normalmente menos de.01% do impacto total do carbono e pode ser ignorado. Os centros de dados funcionam a uma densidade de energia elevada e quase nunca requerem aquecimento suplementar, pelo que o carbono relacionado com o aquecimento também pode ser ignorado. Muito poucos centros de dados possuem instalações de geração eléctrica co-localizadas, pelo que não constitui um factor na maioria dos casos. Nesta nota, iremos limitar as métricas do carbono às métricas associadas ao fornecimento de energia eléctrica, que representa bem mais de 99% do impacto do carbono associado às operações. Equivalência de energia do carbono Dada a energia eléctrica utilizada no centro de dados, é possível estimar as emissões de carbono criadas por essa utilização de energia. Um fornecedor de energia pode fornecer informações sobre as emissões de carbono para cada kilowatt-hora de geração de energia, com base na respectiva mistura de fontes de energia. (Nota: Uma análise alternativa das emissões de carbono evitadas, baseada na última fonte de energia comunicada, irá produzir normalmente impactos de carbono maiores. Isto deve-se ao facto de a energia incremental poupada numa empresa existente não reduzir igualmente a carga em todos os geradores em vez disso, as reduções são direccionadas para a geração de custo mais elevado, como o gás natural.) Se estas informações não estiverem disponíveis a partir do fornecedor de energia, os dados regionais estão extensamente disponíveis. Estes dados são expressos em toneladas de CO2 por kw-hr e, normalmente, encontram-se dentro do intervalo de 0.1 a 1 toneladas por kw-hr no gerador. Para determinar a carga que o centro de dados cria no gerador, as perdas de distribuição (normalmente à volta dos 10%) entre o gerador e o centro de dados são adicionadas à utilização de alimentação do centro de dados. A fórmula que se segue fornece as emissões anuais de carbono causadas pela carga de uma instalação: Carbono 8760hr 1 CO2Anual( Toneladas) = C arg a( kw) kwhr Ano (1 Perdas de Distribuição) APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 161 Rev 1 14

15 Fornecimento de orientação aos utilizadores de Tabela 5 Exemplo de atribuições anuais de energia e carbono fornecidas a um utilizador de TI Um utilizador de TI não necessita de compreender os princípios e as técnicas descritos nesta nota para integrar energia nas decisões de implementação e planeamento de TI. Tudo o que um utilizador de TI necessita é de um resumo simples da utilização de energia e impactos de carbono dos recursos de TI que utiliza. Um relatório deste tipo para um utilizador de TI é fornecido na Tabela 5: Servidor classe Servidor de aplicações 1U Servidor virtual Total instalado Energia por unidade Carbono por unidade 50 6, , Web blade 15 5, ERP blade 10 5, Central 2 117, Servidor 3-10U 15 44, Total de energia e carbono (por ano) Custo energético (por ano) 1,409,000 kwhr $169, toneladas APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 161 Rev 1 15

16 Conclusão Esta nota descreveu uma estratégia lógica de alocação de energia e carbono do centro de dados aos utilizadores de TI. Os modelos simples e sem custos de utilização de energia podem ser utilizados para alocar energia e carbono com base em unidades médias padrão de capacidade de TI, como uma unidade de servidor padrão. Alguns modelos não são precisos, mas têm precisão suficiente para serem úteis num sistema de gestão energética do centro de dados. Um sistema simples pode ser melhorado ao longo do tempo através da adição de capacidades de medição e modelação adicionais e do fornecimento de conhecimento e precisão adicionais para a utilização de energia. Esta nota realça uma sequência racional de implementação destas capacidades. Um sistema surpreendentemente eficaz e de baixo custo pode ser implementado apenas com um número pequeno de contadores de energia combinados com uma auditoria de energia especializada do centro de dados e software simples. Os operadores de centro de dados não devem partir do princípio que os sistemas de medição complexos e extensivos são necessários para implementar um sistema de gestão energética eficaz ou atribuir energia e carbono aos utilizadores de TI. De facto, os sistemas de instrumentação extrema possuem um retorno de investimento fraco. Esta nota realça uma abordagem inicial que qualquer operador de centro de dados, grande ou pequeno, pode implementar de imediato e sem quaisquer custos. Qualquer watt de energia consumido desnecessariamente por um centro de dados representa uma perda irrecuperável. Um sistema de gestão energética simples implementado hoje é muito mais efectivo que um sistema ideal implementado mais tarde, porque independentemente da eficácia de um sistema de gestão energética, não pode recuperar a energia já perdida. Acerca do autor Neil Rasmussen é o Vice-presidente sénior do sector de Inovação da unidade APC, que é a unidade de negócio de TI da Schneider Electric. Estabelece a orientação da tecnologia para o maior orçamento de investigação e desenvolvimento do mundo destinado a infraestruturas de alimentação, arrefecimento e bastidores para redes críticas. Neil detém 14 patentes relacionadas com uma infra-estrutura de alimentação e arrefecimento do centro de dados de elevada eficiência e alta densidade, e publicou mais de 50 aplicações técnicas relacionadas com sistemas de alimentação e arrefecimento, muitas delas publicadas em mais de 10 idiomas, mais recentemente com foco no melhoramento da eficiência energética. É um orador internacionalmente reconhecido no que se refere ao tema dos centros de dados de elevada eficiência. Neil Rasmussen está actualmente a desenvolver soluções de infra-estrutura de centros de dados escaláveis de elevada eficiência e densidade e é um arquitecto principal do sistema InfraStruXure da APC. Antes de fundar a APC em 1981, Neil Rasmussen obteve o Bacharelato e o Mestrado pelo MIT em Engenharia Electrotécnica, no qual elaborou uma tese baseada na análise de uma fonte de alimentação de 200 MW para um reactor Tokamak Fusion. Entre 1979 e 1981 trabalhou no MIT Lincoln Laboratories em sistemas de armazenamento de energia de roda livre e em sistemas solares de alimentação eléctrica. APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 161 Rev 1 16

17 Recursos Clique no ícone para aceder aos recursos Electrical Efficiency Measurement for Data Centers Aplicação técnica 154 da APC Ver todas as aplicações técnicas da APC whitepapers.apc.com Guidance for Calculation of Efficiency (PUE) in Real Data Centers Aplicação técnica 158 da APC Electrical Efficiency Modeling for Data Centers Aplicação técnica 113 da APC Implementing Energy Efficient Data Centers Aplicação técnica 114 da APC Ver todas as TradeOff Tools da APC tools.apc.com Contacte-nos Para obter comentários sobre o conteúdo desta aplicação técnica: Data Center Science Center, APC by Schneider Electric Se for um cliente e tiver dúvidas específicas para o seu projecto de centro de dados: Contacte o seu representante da APC by Schneider Electric APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 161 Rev 1 17

18 Anexo: Simple determination of energy and carbon allocation for a data center Esta nota descreveu uma abordagem simples para a alocação de custos energéticos e impactos de carbono nas cargas de TI nos centros de dados, incluindo um número de capacidades de medição e modelação que podem ser utilizadas para fornecer precisão crescente a custos crescentes. Os métodos mais simples não têm quase qualquer custo, mas podem fornecer uma precisão surpreendentemente boa e ser eficazes nos programas de gestão energética e suporte. Este anexo mostra como qualquer centro de dados pode implementar imediatamente um sistema de alocação de energia e carbono nas cargas de TI, com uma precisão na ordem dos +/- 20%. O método descrito aqui corresponde ao nível de capacidade do inventário simples, conforme referenciado nesta nota. Este é o nível máximo que um operador de centro de dados pode atingir sem alguma forma de assistência de especialistas. Este método utiliza ferramentas de software gratuito desenvolvidas pela APC, embora seja possível desenvolver outras ferramentas para atingir a mesma função. O fluxo do processo é descrito na Figura A1 abaixo: Figura A1 Descrição geral do processo utilizado para estabelecer alocações de impactos de carbono e energia do centro de dados nas cargas de TI Saída de energia UPS Sistema básico informação de configuração contagem de servidores Calculador Eficiência Data Center PUE Calculador de alocação de Energia & Carbono a TI Alocações de energia e Carbono ao TI O utilizador fornece informações básicas sobre a configuração do centro de dados e o número de servidores, bem como as leituras actuais da alimentação da carga de UPS obtidas a partir do UPS (esta é uma das únicas leituras de alimentação disponíveis em quase qualquer centro de dados). As ferramentas de software solicitam as informações relevantes, que qualquer centro de dados ou profissional de TI poderá conseguir obter ou determinar através de uma simples passagem. A primeira ferramenta estima a PUE para o centro de dados. A segunda ferramentas aceita a PUE determinada pela primeira ferramenta e calcula as alocações de energia e carbono em IT por servidor, com base num servidor médio. Em seguida, estas unidades de servidor médio são repartidas pelos utilizadores de TI utilizando um método de escolha, dependendo do modelo de negócio. É fornecida documentação de ajuda nas ferramentas de software. A Figura A2 mostra um ecrã da ferramenta de alocação. Neste exemplo, foi atribuído a cada unidade de servidor $1,482 de electricidade e 15,4 toneladas de CO2 por ano. Para um utilizador de IT com 100 servidores, isto significaria uma alocação anual de $148,200 e 1,540 toneladas por ano. APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 161 Rev 1 18

19 Figura A2 Ecrã de resultado de amostra do IT Carbon & Energy Allocation Calculator Este exemplo foi fornecido, devido à respectiva implementação simples. É bastante útil e pode ajudar a criar conhecimento e conduzir a melhoramentos no comportamento de TI. No entanto, possui limitações importantes, incluindo: Possui apenas uma precisão de cerca de 20%, pelo que provavelmente não deverá ser utilizado para facturar clientes; algumas das capacidades mais elevadas descritas na nota são recomendadas. Atribui custos e carbono a um servidor médio e não atribui com precisão custos quando alguns utilizadores de TI utilizam servidores blade e outros utilizam servidores centrais; a capacidade de classificação do servidor descrita nesta nota é necessária para abordar esta questão. Não fornece uma quebra precisa das perdas no sistema da infra-estrutura, pelo que fornece pouca orientação relativamente a possíveis melhoramentos na infra-estrutura; os sistemas de infra-estrutura chave de medição e auditoria, conforme descritos na nota, são necessários para fornecer estas capacidades. APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 161 Rev 1 19

Alocação dos Custos de Energia e de Carbono de Data Centers a Usuários de TI

Alocação dos Custos de Energia e de Carbono de Data Centers a Usuários de TI Alocação dos Custos de Energia e de Carbono de Data Centers a Usuários de TI White Paper 161 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo São necessários softwares e instrumentos complicados para medir

Leia mais

Alocação de custos de energia e de emissões de carbono de data centers a usuários de TI

Alocação de custos de energia e de emissões de carbono de data centers a usuários de TI Alocação de custos de energia e de emissões de carbono de data centers a usuários de TI Relatório APC Nº 161, revisão 1 Neil Rasmussen > Índice Introdução 2 Qual é a meta? 2 > Resumo executivo Medição

Leia mais

Watts e Volt-Amperes: Confusão em potência

Watts e Volt-Amperes: Confusão em potência Watts e Volt-Amperes: Confusão em potência Aplicação Técnica 15 Revisão 1 por Neil Rasmussen > Resumo Executivo Esta nota ajuda a explicar as diferenças entre Watts e VA e explica de que forma os termos

Leia mais

Preparando a Infraestrutura Física de Data Centers de Recebimento para Consolidação

Preparando a Infraestrutura Física de Data Centers de Recebimento para Consolidação Preparando a Infraestrutura Física de Data Centers de Recebimento para Consolidação White Paper 175 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo A consolidação de um ou mais data centers em um data

Leia mais

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura White Paper #6 Revisão 2 Resumo Nesta comunicação é descrito um método melhorado para medir o Custo Total de Exploração (TCO) da infraestrutura

Leia mais

Implantação de Data Centers com Eficiência Energética

Implantação de Data Centers com Eficiência Energética Implantação de Data Centers com Eficiência Energética White Paper 114 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo Os custos de utilização da energia elétrica passaram a ser uma fração crescente do

Leia mais

Tecnologias de alimentação alternativas para centros de dados e salas de servidores

Tecnologias de alimentação alternativas para centros de dados e salas de servidores Tecnologias de alimentação alternativas para centros de dados e salas de servidores Aplicação técnica nº 64 Revisão 1 Sumário Executivo As células de e as micro-turbinas são novas tecnologias alternativas

Leia mais

Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados

Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados Case Study da Cisco TI Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados A implementação de servidores virtualizados proporciona economias significativas de custos, diminui a

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores

Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores Por Jim Spitaels Aplicação técnica nº 43 Revisão 2 Sumário executivo Os requisitos de alimentação dos centros de dados

Leia mais

Os modelos convencionais para estimar a eficiência elétrica em data centers são

Os modelos convencionais para estimar a eficiência elétrica em data centers são Resumo executivo Os modelos convencionais para estimar a eficiência elétrica em data centers são bem imprecisos em instalações no mundo real. As estimativas de perdas elétricas são feitas normalmente somando

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

1 Cisco Roadshow 2010. Eficiência Energética no Data Center

1 Cisco Roadshow 2010. Eficiência Energética no Data Center 1 Cisco Roadshow 2010 Maio.2010 EFICIÊNCIA Cisco Roadshow 2010 - Porto 2 Cisco Roadshow 2010 AGENDA 1. Análise do Contexto Actual 2. Abordagem Next Generation DataCenter Facilities 3. Casos de Estudo 4.

Leia mais

Opções de Alimentação do Rack para Configurações de Alta Densidade em Países de 230 VCA

Opções de Alimentação do Rack para Configurações de Alta Densidade em Países de 230 VCA Opções de Alimentação do Rack para Configurações de Alta Densidade em Países de 230 VCA White Paper 28 Revisão 1 por Neil Rasmussen > Sumário Executivo As alternativas para fornecer energia elétrica para

Leia mais

Determinando Capacidades de Energia, Refrigeração e Espaço ao Consolidar Data Centers

Determinando Capacidades de Energia, Refrigeração e Espaço ao Consolidar Data Centers Determinando Capacidades de Energia, Refrigeração e Espaço ao Consolidar Data Centers White Paper 177 Revisão 1 Por Wendy Torell e Patrick Donovan > Sumário Executivo Ao planejar a consolidação de vários

Leia mais

O Consumo de Energia está a aumentar

O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric -Eficiência Energética HAG 04/2010 1 Luis Hagatong Energy Efficiency Manager Schneider Electric Portugal 3 as Jornadas Electrotécnicas Máquinas e instalações eléctricas ISEP 29 e 30

Leia mais

Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor

Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor White Paper 139 Revisão 0 Por Jim VanGilder e Wendy Torell > Sumário Executivo A refrigeração em linha está surgindo como uma solução de

Leia mais

Medição de Eficiência Elétrica de Data Centers

Medição de Eficiência Elétrica de Data Centers Medição de Eficiência Elétrica de Data Centers White Paper 154 Revisão 2 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo Introdução A eficiência elétrica do data center raramente é planejada ou gerenciada. O resultado

Leia mais

Modo econômico: Benefícios e riscos dos modos de economia de energia da Operação com No-Breaks

Modo econômico: Benefícios e riscos dos modos de economia de energia da Operação com No-Breaks Modo econômico: Benefícios e riscos dos modos de economia de energia da Operação com No-Breaks White Paper 157 Revisão 0 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo Muitos novos sistemas de UPS (no-break) têm

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

Dream Energis. Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia. Dream Code

Dream Energis. Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia. Dream Code Dream Energis Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia Dream Code Como podemos ajudá-lo a poupar energia? Estimativa de18% de poupança de energia todos os

Leia mais

Eficiência Energética. Monitorização e Análise do Consumo Energético de Edifícios

Eficiência Energética. Monitorização e Análise do Consumo Energético de Edifícios j Infrastructures & Cites Building Efficiency Monitoring Eficiência Energética Monitorização e Análise do Consumo Energético de Edifícios Monitorização e Controlo de Energia de forma simples e eficaz.

Leia mais

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo.

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo. NOTA INFORMATIVA RELATIVA AO DESPACHO N.º 2/2007 QUE APROVA O GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora

Leia mais

Calcular requisitos de potência totais para centros de dados

Calcular requisitos de potência totais para centros de dados Calcular requisitos de potência totais para centros de dados Aplicação Técnica 3 Revisão 1 por Victor Avelar > Sumário Executivo Parte do planeamento e concepção do centro de dados reside nos requisitos

Leia mais

Palmela, 31 Outubro 2012. Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1

Palmela, 31 Outubro 2012. Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1 Palmela, 31 Outubro 2012 Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1 O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 2 mais rápido do que novas

Leia mais

I. INTRODUÇÃO. SEINON Sistema Energético INtegral ONline. A melhor energia é a que não se consome

I. INTRODUÇÃO. SEINON Sistema Energético INtegral ONline. A melhor energia é a que não se consome I. INTRODUÇÃO SEINON Sistema Energético INtegral ONline A melhor energia é a que não se consome O sistema SEINON é uma ferramenta de gestão de consumo de energia que permite de forma simples e automática

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

O nosso foco é alertar se necessário e ajudar a recuperar rapidamente os dados correctos. Intelligent Video Analysis

O nosso foco é alertar se necessário e ajudar a recuperar rapidamente os dados correctos. Intelligent Video Analysis O nosso foco é alertar se necessário e ajudar a recuperar rapidamente os dados correctos Intelligent Video Analysis 2 Intelligent Video Analysis Conferir sentido e estrutura Quando se trata de videovigilância,

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Gestão e Controle de Energia Building Technologies

Gestão e Controle de Energia Building Technologies Gestão e Controle de Energia Copyright Siemens Switzerland Ltd. All rights reserved. Índice Empresa e Organização 3 Performance e Sustentabilidade em Edifícios 6 Produtos, Soluções e Serviços 10 Gestão

Leia mais

IBM Data Center and Facilities Strategy Services data center energy efficiency assessment

IBM Data Center and Facilities Strategy Services data center energy efficiency assessment IBM Data Center and Facilities Strategy Services data center energy efficiency assessment Num Centro de Dados típico, apenas 30% da energia consumida se deve aos equipamentos de TI. 35 Sistema de Refrigeração

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Descrição dos serviços Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Este serviço oferece serviços de Monitorização da infra-estrutura remota Dell (RIM, o Serviço ou Serviços ) conforme

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Implementação de data centers eficientes em termos de energia

Implementação de data centers eficientes em termos de energia Implementação de data centers eficientes em termos de energia Traduzido por Schneider Electric, Critical Power and Cooling Services Division - Brazil Relatório APC No. 114 Resumo executivo Os custos da

Leia mais

Segurança. Eficácia. Conforto. Controls Services Contratos de assistência abrangentes para sistemas de controlo de edifícios

Segurança. Eficácia. Conforto. Controls Services Contratos de assistência abrangentes para sistemas de controlo de edifícios Segurança Controls Services Contratos de assistência abrangentes para sistemas de controlo de edifícios Trane Controls Services para ter paz de espírito Mantenha o seu sistema a 100% Quando o seu sistema

Leia mais

Para superar esses problemas, a metodologia de três partes a seguir está detalhada neste artigo: igualmente à DCiE

Para superar esses problemas, a metodologia de três partes a seguir está detalhada neste artigo: igualmente à DCiE Os benefícios de se determinar a eficiência da infraestrutura do data center como parte de um plano efetivo de gerenciamento de energia são amplamente reconhecidos. A métrica padrão PUE (Eficácia do Uso

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%?

E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%? E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%? Uma solução eficaz de Gestão Energética para o Retalho Eficiência Energética no Retalho Será que está a gastar mais em energia do que necessita?

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

Monitoramento de data centers

Monitoramento de data centers Monitoramento de data centers Os data centers são hoje um ambiente complexo, com inúmeras variáveis para gerenciar. Os métodos usados pelas empresas são específicos e incapazes de fazer comparações adequadas

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Tutorial norma ISO 9001

Tutorial norma ISO 9001 Tutorial norma ISO 9001 Docente: Prof. Dr. José Carlos Marques Discentes-Grupo 3: Luciane F. I. Ramos Fonseca Ana Paula C. Vieira Lúcia Melim Ana Paula Neves Funchal, Maio de 2009 1. CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE

Leia mais

EWAD~C. série para aplicações. de grandes dimensões COMFORTO. Todo o ano. Aquecimento. Ar condicionado. Sistemas Hidrónicos.

EWAD~C. série para aplicações. de grandes dimensões COMFORTO. Todo o ano. Aquecimento. Ar condicionado. Sistemas Hidrónicos. EWAD~C série para aplicações COMFORTO Todo o ano de grandes dimensões Aquecimento Ar condicionado Sistemas Hidrónicos Refrigeração EWAD~C- Concebida para exceder os requisitos da indústria HVAC relativamente

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.281.01 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. edifícios e território.

EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. edifícios e território. Auditorias energéticas em edifícios públicos Isabel Santos ECOCHOICE Abril 2010 EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Somos uma empresa de

Leia mais

Atenção! Atendendo à dimensão da apresentação foram retiradas quase todas as imagens. Por favor contacte o autor para mais informação.

Atenção! Atendendo à dimensão da apresentação foram retiradas quase todas as imagens. Por favor contacte o autor para mais informação. Inovação e Produtividade em Centros de Dados Pedro Magalhães Atenção! Atendendo à dimensão da apresentação foram retiradas quase todas as imagens. Por favor contacte o autor para mais informação. APC by

Leia mais

20000 Lead Implementer

20000 Lead Implementer ANSI Accredited Program BEHAVIOUR ISO Lead PARA IMPLEMENTAR E GERIR SISTEMAS DE GESTÃO DE SERVIÇOS (SGS) BASEADOS NA NORMA ISO Sobre o curso Este curso intensivo com duração de cinco dias, permite aos

Leia mais

Diferentes tipos de sistemas No-Break

Diferentes tipos de sistemas No-Break Diferentes tipos de sistemas No-Break Relatório interno N 1 Revisão 6 por Neil Rasmussen > Resumo executivo Há muita confusão no mercado acerca dos diferentes tipos de sistemas NO-BREAK e suas características.

Leia mais

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO Este capítulo inclui: Visão geral O Ciclo de Gestão do Desempenho: Propósito e Objectivos Provas requeridas para a acreditação Outros aspectos

Leia mais

Estratégias de Instalação de Servidores Blade em Data Centers

Estratégias de Instalação de Servidores Blade em Data Centers Estratégias de Instalação de Servidores Blade em Data Centers Por Neil Rasmussen Relatório interno N 125 Resumo Executivo Os servidores blade funcionam às densidades de potência mais altas que as capacidades

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

factores a ter em consideração na escolha e implementação DE SISTEMAS DE VISÃO ARTIFICIAL 1 Copyright 2010 TST. Todos os direitos reservados.

factores a ter em consideração na escolha e implementação DE SISTEMAS DE VISÃO ARTIFICIAL 1 Copyright 2010 TST. Todos os direitos reservados. factores a ter em consideração na escolha e implementação DE SISTEMAS DE VISÃO ARTIFICIAL O QUE NECESSITA SABER PARA GARANTIR O SUCESSO 1 Copyright 2010 TST. Todos os direitos reservados. umário O principal

Leia mais

29082012_WF_reporting_bro_PT. www.tomtom.com/telematics

29082012_WF_reporting_bro_PT. www.tomtom.com/telematics 29082012_WF_reporting_bro_PT www.tomtom.com/telematics T E L E M AT I C S Relatórios WEBFLEET Let s drive business Relatórios WEBFLEET As decisões de trabalho mais difíceis ficam muito mais simples com

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Como o Cabeamento Elevado Economiza Energia em Data Centers

Como o Cabeamento Elevado Economiza Energia em Data Centers Como o Cabeamento Elevado Economiza Energia em Data Centers White Paper 159 Revisão 0 Por Victor Avelar > Sumário Executivo O posicionamento de cabos de energia e de dados do data center em suportes para

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

NP EN ISO 9001:2008. 06 de Maio de 2008. Dulce Pacheco. Orador: Carla Pinto

NP EN ISO 9001:2008. 06 de Maio de 2008. Dulce Pacheco. Orador: Carla Pinto NP EN ISO 9001:2008 Principais alterações 06 de Maio de 2008 Dulce Pacheco Orador: Carla Pinto Local e Data: Coimbra, 30 Janeiro 2008 ISO 9001:2008 Principais alterações ç Motivações e processo de desenvolvimento

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

Ana Oliveira. Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: De: erse@erse.pt Cc:

Ana Oliveira. Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: De: erse@erse.pt Cc: Ana Oliveira De: Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: erse@erse.pt Cc: anacris@isr.uc.pt Assunto: Comentarios Anexos: ERSE-Revisão dos Regulamentos.doc;

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Os Cinco Níveis de Maturidade na Gestão de Requisitos

Os Cinco Níveis de Maturidade na Gestão de Requisitos Os Cinco Níveis de Maturidade na Gestão de Requisitos Ter maturidade significa ser capaz de ver o contexto e efectuar boas escolhas. No âmbito de uma empresa, significa basear as decisões numa compreensão

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais

Diretrizes para a Especificação da Densidade de Potência do Data Center

Diretrizes para a Especificação da Densidade de Potência do Data Center Diretrizes para a Especificação da Densidade de Potência do Data Center White Paper 120 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo Os métodos convencionais para especificar a densidade do data center

Leia mais

Serviço de Solução de Replicação de Dados HP para Virtual Copy 3PAR

Serviço de Solução de Replicação de Dados HP para Virtual Copy 3PAR Serviço de Solução de Replicação de Dados HP para Virtual Copy 3PAR Serviços HP Care Pack Dados técnicos O Serviço de Solução de Replicação de Dados HP para Virtual Copy 3PAR fornece implementação do produto

Leia mais

Infraestrutura Critica Hospitalar Rumo ao Green Datacenter

Infraestrutura Critica Hospitalar Rumo ao Green Datacenter 11ª Edição Infraestrutura Critica Hospitalar Rumo ao Green Datacenter pedro.magalhaes@apcc.com Infra-estrutura Crítica Hospitalar Alargamento das TI a aplicações médicas Criação de Intranet hospitalar

Leia mais

Iteração 2 Design inicial

Iteração 2 Design inicial Universidade de Aveiro Departamento de Electrónica, Telecomunicações e Informática Engenharia de Software Iteração 2 Design inicial Projecto: FX-Center Grupo: BEDS David Pacheco (nº 32665) Cesário Lucas

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

Documentação sobre a Tecnologia RAID

Documentação sobre a Tecnologia RAID Documentação sobre a Tecnologia RAID Enquanto especialista no armazenamento de dados, a LaCie reconhece que quase todos os utilizadores de computadores irão necessitar de uma solução de cópia de segurança

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 2 DEFINIÇÕES

1 INTRODUÇÃO 2 DEFINIÇÕES 1 INTRODUÇÃO 1.1 Os presentes Termos Gerais e Condições para Customer Care Packages (Pacotes de Serviços a Clientes) da Leica Geosystems ( Termos e Condições CCP ) aplicam-se exclusivamente aos Customer

Leia mais

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviços HP Dados técnicos O Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Leia mais

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter Powerline Adapter Note! Não expor o Powerline Adapter a temperaturas extremas. Não deixar o dispositivo sob a luz solar directa ou próximo a elementos aquecidos. Não usar o Powerline Adapter em ambientes

Leia mais

Auditorias. Termos e definições. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2006. Critérios da auditoria. Evidências da auditoria

Auditorias. Termos e definições. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2006. Critérios da auditoria. Evidências da auditoria Auditorias Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2006 Termos e definições Auditoria Processo sistemático, independente e documentado para obter evidências de auditoria e respectiva avaliação objectiva

Leia mais

Auditorias 25-01-2013. ISO 19011 âmbito. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013

Auditorias 25-01-2013. ISO 19011 âmbito. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013 Auditorias Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013 ISO 19011 âmbito Linhas de orientação para auditoria a sistemas de gestão Princípios de auditoria Gestão de programas de auditoria Condução de

Leia mais

Introdução. Projecto EDSF / APF. Manual de Boas Práticas na Utilização da Energia

Introdução. Projecto EDSF / APF. Manual de Boas Práticas na Utilização da Energia Projecto EDSF / APF Manual de Boas Práticas na Utilização da Energia Introdução O custo de produção de um kwh de energia eléctrica depende da hora a que é produzido, tal variação deve-se ao facto de a

Leia mais

O Verde e a Virtualização nos Centros de Dados. A melhoria de eficiência como garante de redução de custos

O Verde e a Virtualização nos Centros de Dados. A melhoria de eficiência como garante de redução de custos 2VDatacenter O Verde e a Virtualização nos Centros de Dados A melhoria de eficiência como garante de redução de custos All content in this presentation is protected 2008 American Power Conversion Corporation

Leia mais

PLANO DO PROJECTO DE SOFTWARE OO para produtos da Lacertae SW

PLANO DO PROJECTO DE SOFTWARE OO para produtos da Lacertae SW PLANO DO PROJECTO DE SOFTWARE OO para produtos da Lacertae SW 1.0 INTRODUÇÃO 1.1 Âmbito do Projecto O produto destina-se a todos os estabelecimentos de ensino do 2º/3º Ciclo e Ensino Secundário e deverá

Leia mais

CARREIRAS NA GLORY GLOBAL SOLUTIONS POLÍTICA DE PRIVACIDADE

CARREIRAS NA GLORY GLOBAL SOLUTIONS POLÍTICA DE PRIVACIDADE SITE DE CARREIRAS NA GLORY GLOBAL SOLUTIONS POLÍTICA DE PRIVACIDADE Bem-vindo à área de Carreiras na Glory Global Solutions, o Web site de recrutamento (o "Site"). Descrevemos a seguir a forma como as

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

System Center Essentials permite à Cintra gerir a sua infra-estrutura de TI com um mínimo de custos e de recursos

System Center Essentials permite à Cintra gerir a sua infra-estrutura de TI com um mínimo de custos e de recursos Microsoft System Center Essentials 2007 Caso de Sucesso Cintra System Center Essentials permite à Cintra gerir a sua infra-estrutura de TI com um mínimo de custos e de recursos Sumário País Portugal Sector

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar Hotel Cinquentenário Fátima, 05 de Abril de 2008 Índice Abordagem por processos Requisitos da documentação Política

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Modelo Cascata ou Clássico

Modelo Cascata ou Clássico Modelo Cascata ou Clássico INTRODUÇÃO O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por abordagem top-down, foi proposto por Royce em 1970. Até meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação

Leia mais

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas the world leading fleet and vehicle management company LeasePlan Portugal Lagoas Park - Edifício 6-2740-244 Porto Salvo Ed. Cristal Douro - R. do Campo Alegre, nº 830 - sala 35-4150-171 Porto Tel.: 707

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Agenda Introdução aos Sistemas de Gestão de Energia Princípios da ISO 50001 Relação entre a ISO 50001 e outras normas como a ISO 14001 ou a ISO 9001 2 O problema económico

Leia mais