PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EM SAÚDE (PDTIS/SESPA)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EM SAÚDE (PDTIS/SESPA)"

Transcrição

1 1

2 2 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA EM SAÚDE PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EM SAÚDE (PDTIS/SESPA) A informação é um patrimônio que agrega valor a uma instituição e utilizar os recursos da TI é relevante para o armazenamento, disseminação e a democratização da informação para subsidiar as tomadas decisões macro estratégicas dentro da gestão em saúde no Estado do Pará. Belém-PA, Julho de 2015

3 3 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA EM SAÚDE PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EM SAÚDE (PDTIS/SESPA) SIMÃO ROBISON OLIVEIRA JATENE Governador do Estado do Pará JOSÉ DA CRUZ MARINHO Vice-Governador do Estado do Pará VITOR MANUEL JESUS MATEUS Secretário de Estado de Saúde Pública do Estado do Pará MARIA DO CÉU GUIMARÃES DE ALENCAR Secretária Adjunta de Gestão Administrativa HELOÍSA MARIA MELO E SILVA GUIMARÃES Secretária Adjunta de Gestão de Políticas de Saúde Belém-PA, Julho de 2015

4 4 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA EM SAÚDE PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SAÚDE (PDTIS/SESPA) ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR MARCOS OLIVEIRA SILVA Coordenador de Tecnologia e informática em Saúde CTIS/SESPA CRISTIANO ROGÉRIO OLIVEIRA DOS SANTOS Gerente de Redes, Infraestrutura e Segurança de Dados GERIS/CTIS/SESPA LUIZ FERNANDO COVRE Gerente de Análise e Desenvolvimento de Sistemas GEADS/CTIS/SESPA ROBERTO ALVES AMANAJAS Coordenador de Núcleo Articulado PRODEPA/SESPA Belém-PA, Julho de 2015

5 SUMÁRIO 5 APRESENTAÇÃO 06 I. Objetivo 06 II. Abrangência 07 III. Período de validade e revisões INTRODUÇÃO TERMOS E ABREVIATURAS METODOLOGIA APLICADA Divulgação e conscientização interna Levantamentos de necessidades e priorização de necessidades Estabelecimentos de metas e ações Validações pela Secretaria de Estado de Saúde Pública - SESPA DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA PRINCÍPIOS E DIRETRIZES Diretrizes ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA ÁREA DE TI REFERENCIAL ESTRATÉGICO DE TI Missão da TI da SESPA Visão da TI da SESPA Valores da TI da SESPA Objetivos Estratégicos da TI da SESPA Análise SWOT RESULTADOS DO PRIMEIRO BIÊNIO Conectividade Gerenciamento em TI Equipamento de TI Fiscalização dos serviços de TI Software ALINHAMENTO COM A ESTRATÉGIA DA INSTITUIÇÃO INVENTÁRIO DE NECESSIDADES Necessidades Classificadas em Focos Critérios de Priorização de Necessidades 25

6 6 11. PLANO DE AÇÕES Infraestrutura Sistemas Serviços Estratégicos de Sustentação a Sistemas Sistemas Estruturantes Sistemas Setoriais (Interdepartamentais) Pessoas Capacitação Adequação Quantitativa Processos FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO CONCLUSÃO 31

7 7 APRESENTAÇÃO O Plano Diretor de Tecnologia de Informação em Saúde PDTIS é um instrumento de diagnóstico, planejamento e gestão dos recursos e processos de Tecnologia da Informação que visa atender às necessidades tecnológicas e de informação de um órgão ou entidade para um determinado período. Deve contemplar as necessidades de informação e serviços de TI da organização, as metas a serem alcançadas, as ações a serem desenvolvidas e os prazos de implementação. O objetivo da elaboração do PDTIS da SESPA é fornecer uma visão completa do ambiente atual de Tecnologia da Informação e ao mesmo tempo compará-lo a cenários alternativos que possam otimizar o retorno dos investimentos já feitos e dos ainda a serem realizados. Em muitas instituições públicas e/ou privadas as decisões de TI são tomadas de forma isolada, por diferentes motivos e pessoas dentro de sua estrutura. Assim, normalmente, o planejamento estratégico e tático integrado do ambiente de TI e colocado em segundo plano, ou nem mesmo é realizado. O PDTIS SESPA está organizado da seguinte forma: A seção de introdução procura contextualizar a elaboração do PDTIS e as questões que devem orientar sua implementação. A seção seguinte apresenta os princípios norteadores da elaboração do plano e as diretrizes associadas. Os capítulos seguintes abordam a estrutura organizacional e o referencial estratégico de TI. Em seguida é apresentado o levantamento das necessidades e objetivos gerais de negócio das áreas internas da SESPA, bem como as ações estratégicas que garantirão seu alinhamento com a TI. A partir desse alinhamento estratégico, as seções posteriores traduzem o inventário de necessidades com critérios de priorização e o plano de metas e ações. Por fim, são apresentados fatores que devem ser observados para garantir o sucesso da execução do PDTIS. I - OBJETIVO O presente documento tem como objetivo sistematizar o planejamento da gestão de TI para o biênio , contemplando as necessidades da SESPA para o período.

8 8 II - Abrangência Todos os procedimentos e soluções apontados neste documento foram definidos considerando necessidades gerais analisadas das diretorias da SESPA da região metropolitana, Centros Regionais, Hospitais e demais unidades vinculadas à Secretaria. III - Período de Validade e Revisões O período de validade deste PDTIS compreende o biênio 2015/2016. O plano tem previsão de revisão semestral. Essas revisões visam atualizar o PDTIS de forma a contemplar eventuais mudanças na estrutura organizacional ou alterações no referencial estratégico das áreas de TI da SESPA. O processo de revisão será conduzido pela COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA EM SAÚDE (CTIS) e os resultados desse processo serão submetidos ao Gabinete do Secretário de Estado de Saúde.

9 9 1. INTRODUÇÃO As melhores práticas relacionadas à governança de TI recomendam que qualquer instituição, pública ou privada, para que possa realizar uma gestão eficaz dos recursos da área de TI, necessita contar com um planejamento no qual estejam relacionadas todas as metas da instituição associadas às ações que a área de TI terá que executar para o alcance dessas metas. Assim, um Plano Diretor de Tecnologia da Informação em Saúde (PDTIS) representa um instrumento indispensável para a gestão dos recursos de TI. Os órgãos de controle de governo, em especial o Tribunal de Contas da União (TCU), há muito vêm enfatizando a necessidade dos órgãos públicos elaborarem um PDTI que contemple todas as ações e as associem às metas de suas áreas de negócio, no caso da SESPA, a saúde pública, antes de executarem seus gastos relacionados a TI. Essa recomendação tornou-se obrigatória diante da publicação da Instrução Normativa SLTI/MP nº 04/2008, de 19 de maio de 2008 e, mais tarde, pela sua atualização (IN SLTI/MP nº 04/2010). A elaboração de um PDTIS traz um rico conjunto de questionamentos, reflexões e revisões que resultará no amadurecimento da TI e da própria instituição. Dentre as evoluções esperadas, pode-se citar: Reflexões sobre a missão e visão de futuro da unidade de TI, alinhadas à missão e visão de futuro da instituição; Busca de respostas às oportunidades e ameaças externas e aos pontos fracos e fortes internos, de modo a cumprir suas atribuições com efetividade; Identificação, revisão e explicitação dos objetivos, orientações estratégicas e recomendações para a TI corporativa, alinhados aos objetivos e orientações estratégicas na organização, e os decorrentes planos de ação atrelados às necessidades das áreas de negócio; Identificação e explicitação não apenas das ações operacionais a serem realizadas pela área de TI, mas também dos aspectos de estrutura e gestão sobre a TI corporativa, em especial pela operacionalização de uma estrutura de governança que viabilizará a execução das ações e a revisão periódica do PDTIS aprovado;

10 10 Desenvolvimento de capacidades individuais que fortaleçam e assegurem a execução dos planos e projetos de TI. A elaboração desse documento teve como premissa a estratégia de gestão em TI ( ) interna da CTIS.

11 11 2. TERMOS E ABREVIATURAS TERMO CTIS EGTIS GUT NTIIS IN PDTI PDTIS SESPA SISP SLTI SCT TI TCU DESCRIÇÃO Coordenação Tecnologia e Informática em Saúde Estratégia de Gestão em Tecnologia da Informação em Saúde Gravidade, Urgência, Tendência Núcleo de Tecnologia de Informação e Informática em Saúde Instrução Normativa Plano Diretor de Tecnologia da Informação Plano Diretor de Tecnologia da Informação em Saúde Secretaria de Estado de Saúde Pública Sistema de Administração de Recursos de Tecnologia da Informação Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Sistema de Chamados Técnicos Tecnologia de Informação Tribunal de Contas da União

12 12 3. METODOLOGIA APLICADA A metodologia adotada foi baseada no processo de elaboração de PDTI proposto pelo SISP e do Guia Prático de Elaboração de PDTI, considerando as particularidades da SESPA e o atual nível de maturidade de governança de TI. O processo de construção do documento seguiu as seguintes etapas: 3.1 Divulgação e conscientização interna Nessa etapa são realizadas reuniões com o Secretário de Saúde e Diretores para conscientização da importância da participação colaborativa de todas as áreas envolvidas, bem como apresentação e elaboração do projeto. É também preparado material de divulgação por meio do uso da intranet, e se possível cartaz fixados nas dependências da SESPA. 3.2 Levantamentos de necessidades e priorização de necessidades Nessa etapa é realizado o levantamento de necessidades relacionadas à área de TI de toda a SESPA através das demandas registradas no Sistema de Chamados Técnicos (SCT) instalado na CTIS. As necessidades levantadas foram então consolidadas em 04 focos: Infraestrutura Sistemas Processos Pessoas Em seguida as necessidades consolidadas são priorizadas utilizando-se a técnica GUT (Gravidade, Urgência, Tendência). O resultado final foi uma planilha de necessidades priorizadas abrangendo toda a SESPA. 3.3 Estabelecimentos de metas e ações Foram definidas metas e ações, acompanhadas de indicadores. A CTIS analisou as metas e ações propostas e alinhou-as com os objetivos estratégicos de TI do departamento.

13 Validações pela Secretaria de Estado de Saúde Pública - SESPA O resultado deste trabalho deverá ser validado pelo Secretário de Estado de Saúde, principalmente com relação à priorização de ações e às metas estabelecidas.

14 14 DOCUMENTO CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 ESTRATÉGIA GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 04 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2010 SLTI/MP CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION ANDRELATED TECHNOLOGY (CobiT 4.1) PROCESSO DE ELABORAÇÃO DE PDTI E MODELO DE REFERÊNCIA DE PDTI Instrução Normativa GSI/PR Nº 1, de13/06/ DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. Estabelece metas de curto e médio prazo a serem cumpridas pelos órgãos do SISP, em diferentes perspectivas de atuação e propõe a mensuração objetiva de resultados por meio de indicadores. Incentiva a elaboração do PDTI e promove a troca de informações, experiências, conhecimento e desenvolvimento colaborativo entre os órgãos que compõem o SISP. Art. 3º em consonância com o art. 4º do Decreto nº 1.048,de 1994, o órgão central do SISP elaborará, em conjunto com os órgãos setoriais e seccionais do SISP, a Estratégia Geral de Tecnologia da Informação - EGTI para a Administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo Federal, revisada e publicada anualmente, para servir de subsídio à elaboração dos PDTI pelos órgãos e entidades integrantes do SISP. Art. 4º As contratações de que trata esta Instrução Normativa deverão ser precedidas de planejamento, elaborado em harmonia com o PDTI, alinhado à estratégia do órgão ou entidade. PO1 Definir um Plano Estratégico de TI PO1.2 Alinhamento entre TI e Negócio PO1.4 Plano Estratégico de TI Metodologia proposta pelo SISP, a qual dispõe sobre os padrões, orientações, diretrizes e templates para elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação. Disciplina a Gestão de Segurança da Informação e Comunicações na Administração Pública Federal, direta e indireta, e dá outras providências. Portaria SLTI 05/2005 Institucionaliza os Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico - e- PING, no âmbito do Sistema de Administração dos Recursos de Informação e Informática SISP, cria sua Coordenação, definindo a competência deseus integrantes e a forma de atualização das versões do Documento. ITIL Information Technology Infrastructure Library. Conjunto de boas práticas a serem aplicadas na infraestrutura, operação e manutenção de serviços de tecnologia da informação (TI).

15 15 5. PRINCÍPIOS E DIRETRIZES Os princípios são os aspectos que determinam o ponto de partida. Normalmente são delimitadas por instrumentos legais, diretrizes de governo, recomendações e determinações das instâncias de controle, melhores práticas de mercado e pelo próprio contexto da estrutura de TI do órgão. Dessa forma, os princípios que guiaram a elaboração deste PDTIS foram os seguintes: PRINCÍPIOS FONTE P1 Alinhamento dos objetivos institucionais de TI às estratégias de - EGTI 2011/2012 negócio. P2 As contratações de bens e serviços de TI deverão ser precedidas de - IN SLTI/MP Nº 04 planejamento, Seguindo o previsto no PDTIS. P3 Planejamento dos investimentos de Hardware e software seguindo políticas, diretrizes e especificações definidas em instrumentos - IN SLTI/MP Nº 04 - EGTI 2011/2012 legais. P4 Estímulo à atuação dos servidores da SESPA como gestores, - EGTI 2011/2012 terceirizando a execução. P5 Garantia de suporte de informação adequado, dinâmico, confiável e - EGTI 2011/2012 eficaz. P6 Estímulo ao desenvolvimento, à padronização, à integração, à - EGTI 2011/2012 normalização dos serviços e à disseminação de informações. P7 Utilização racional dos recursos de TI, visando a melhoria da - EGTI 2011/2012 qualidade e da produtividade do ciclo da informação. P8 Promoção da integração entre os sistemas de gestão - EGTI 2011/2012 governamental. - Portaria SLTI/MP05/2005 P9 Estímulo à adoção de soluções livres sempre que estas atenderem - EGTI 2011/2012 às necessidades do negócio. P10 Garantia da segurança em TI. - EGTI 2011/2012 P11 Garantia da melhoria contínua da infraestrutura de TI. - EGTI 2011/2012 P12 Melhoria da eficácia dos processos de TI. - EGTI 2011/2012 P13 Estímulo e promoção da formação, do desenvolvimento e do treinamento dos servidores que atuam na área de TI. - Decreto 1.048/ Diretrizes As diretrizes são as linhas segundo as quais se traça um plano para atingir uma finalidade. Portanto, as diretrizes que serão as instruções para alcançar os objetivos do PDTIS são as seguintes: D1 D2 D3 D4 D5 D6 DIRETRIZES Promover a governança de TI na SESPA. Buscar excelência, inovação e criatividade na gestão. Garantir que as propostas orçamentárias de TI sejam elaboradas com base em planejamentos e alinhadas com os objetivos de negócio. Terceirizar atividades de execução, possibilitando a atuação dos servidores do quadro da SESPA em atividades de gestão. Garantir a disponibilidade e integridade da informação. Estabelecer, gerir, incentivar e manter políticas públicas por meios eletrônicos.

16 16 D7 D8 D9 D10 D11 D12 D13 D14 D15 D16 Investir no aumento da produtividade e otimização dos recursos de TI. Promover a melhoria dos sistemas de informação da SESPA. Buscar a integração entre os sistemas de gestão governamental. Estimular a adoção de metodologia de desenvolvimento de sistemas, procurando assegurar padronização, integridade e segurança. Adotar padrões abertos no desenvolvimento de tecnologia da informação e comunicação. Promover o atendimento às normas de acessibilidade e interoperabilidade do Governo, incluindo padrões de governança. Garantir a segurança da informação e comunicações. Buscar a melhoria contínua da infraestrutura de TI. Manter os processos internos de TI mapeados, formalizados, mensurados e otimizados. Promover capacitação / formação de servidores de TI na SESPA.

17 17 6. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA ÁREA DE TI A estrutura de TI da SESPA é composta pela Coordenação de Tecnologia e Informática em Saúde - CTIS, antigo Núcleo de Tecnologia de Informação e Informática em Saúde NTIIS, que é a sua unidade setorial de TI que dá apoio a outros departamentos de TI independentes situados nos Hospitais, Centros Regionais e demais unidades vinculadas a SESPA. Dentro do organograma geral da SESPA, a CTIS está contida da seguinte forma: Gabinete do Secretário de Saúde Coordenação de Tecnologia e Informática em saúde - CTIS O Núcleo de Tecnologia da Informação e Informática em Saúde NTIIS, atualmente denominada, COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA EM SAÚDE (CTIS) foi criado para analisar, desenvolver projetos e sistemas em Tecnologia da Informação além der prestar suporte técnico em microinformática a Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará SESPA. O principal objetivo é integrar através dos computadores e sistemas, as funções técnico-administrativas da SESPA e outros visando à disseminação e a democratização da informação em saúde operacionalizando e interligando ao mesmo tempo os setores, reduzindo as barreiras geográficas do nosso Estado e nortear as decisões para o planejamento e gestão da saúde. No período de 2011 a 2014 com a nova gestão da SESPA foram definidas estratégias para resgatar a verdadeira finalidade da gestão em TI dentro da instituição. O organograma que representa o atual modelo de gestão em TI na SESPA pode ser observado a seguir:

18 18 Coordenação da CTIS Núcleo Articulado PRODEPA/SESPA Apoio Administrativo Gerência de Análise e Desenvolvimento de Sistemas - GEADS Gerência de Redes, Infraestrutura e Segurança de Dados - GERIS Gerência de Suporte - GESUP Desenvolvimento de Sistemas de Saúde Desenvolvimento de Sistemas Administrativos Projetos de Infraestrutura de Redes Monitoramento e Avaliação dos links de Acesso a Internet Central de Atendimento ao Usuário - CAU Suporte Técnico em Hardware Apoio ao Sistemas de Vigilância em Saúde Apoio aos Sistemas de Educação em Saúde Segurança da Informação Gerenciamento de infraestrutura de DATA CENTER Suporte Técnico em Software Execução de manutenção de cabeamento lógico Apoio aos Sistemas da Atenção Básica Apoio aos Sistemas de Regulação Gerenciamento da infraestrutura de Videoconferência Gerenciamento e Implantação de Servidores de Rede Desenvolvimento de Portais e Sites Georreferenciamento Portanto, de acordo com a estrutura regimental em vigor, as competências da CTIS compreendem fundamentalmente a: Coordenar e fiscalizar as atividades de TI na SESPA e propor soluções que otimizem as atividades fins da Secretaria; Gerência e suporte da infraestrutura de redes de computadores e sistemas de telecomunicações e gerenciamento da Central de Dados de Informação em Saúde do Estado do Pará, ou seja, o DATACENTER SESPA e o Sistema de Videoconferência; Gerência e suporte aos sistemas de saúde utilizados na SESPA e gerencia dos bancos de dados localizados no DATACENTER SESPA. Gerência do suporte técnico em microinformática com manutenção preventiva e corretiva de hardware e software.

19 19 7. REFERENCIAL ESTRATÉGICO DE TI 7.1 Missão da TI da SESPA Missão é a razão de ser de uma organização. A missão da TI da SESPA é a declaração que explicita a parcela de contribuição que essa área deve oferecer para que a missão do Governo do Estado seja atingida. Dessa forma, missão da TI da SESPA é a seguinte: Prover soluções em tecnologia da informação, que gerem valor a MISSÃO instituição, combinando tecnologias inovadoras com talentos humanos especializados e qualificados para disseminação e democratização da informação em saúde. 7.2 Visão da TI da SESPA A Visão é a situação de futuro desejada para a organização num dado horizonte de tempo, geralmente de longo prazo. Dessa forma, a imagem que a TI da SESPA deseja para os próximos anos é a seguinte: VISÃO Ser um modelo de referência em TI para a Administração Pública. 7.3 Valores da TI da SESPA Compromisso com a ética, a transparência, a integridade, a eficácia, a inovação, a qualidade e o comprometimento com a instituição. VALORES Respeito aos clientes, servidores, fornecedores e parceiros. Valorização profissional de seus colaboradores. Excelência, inovação e criatividade na gestão.

20 Objetivos Estratégicos da TI da SESPA OBJETIVOS ESTRATÉGICOS OE1 Promover a Governança de TI na SESPA. OE2 Aprimorar a gestão de TI na SESPA. OE3 Aumentar a disponibilização e ampliar a maturidade de serviços públicos em saúde por meios eletrônicos. OE4 Melhorar continuamente a prestação de serviços de TI na SESPA. OE5 Garantir a disponibilidade das informações por meios eletrônicos em conformidade com padrões de acessibilidade. OE6 Estimular a terceirização das atividades de execução, priorizando a atuação dos servidores da SESPA em atividades de gestão em saúde. OE7 Aprimorar a gestão orçamentária de recursos de TI. OE8 Fornecer serviços e aplicativos multiplataforma, priorizando soluções, programas e serviços baseados em software livre que promovam a otimização de recursos e investimentos em tecnologia da informação. OE9 Restringir o crescimento do legado baseado em tecnologia proprietária, realizando a migração gradativa desses sistemas para plataformas livres. OE10 Aprimorar a gestão dos sistemas informatizados da SESPA. OE11 Apoiar a modernização dos sistemas estruturantes da SESPA. OE12 Prover e melhorar continuamente a infraestrutura de TI da SESPA. OE13 Promover a segurança da informação em saúde na SESPA. OE14 Investir na capacitação dos servidores de TI da SESPA. 7.5 Análise SWOT A Análise SWOT é uma ferramenta utilizada para fazer análise de cenário ou análise de ambiente, sendo usada como base para gestão e planejamento estratégico de uma organização. Trata-se de um método que possibilita verificar e avaliar os fatores intervenientes para um posicionamento estratégico da Unidade de TI no ambiente em questão. O termo SWOT é um acrônimo de Forças (Strengths), Fraquezas (Weaknesses), Oportunidades (Opportunities) e Ameaças (Threats). As oportunidades e ameaças são originadas do ambiente externo e organização não exerce controle sobre elas. Já as fraquezas e forças espelham a realidade interna da organização.

21 21 ANÁLISE DE SWOT DA TI NA SESPA AMBIENTE INTERNO FORÇAS FRAQUEZAS Gestores qualificados; Bom nível técnico da equipe nas diversas áreas técnicas de TI; Parceria com a PRODEPA; Conhecimento dos processos operacionais da SESPA; Quantidade insuficiente de profissionais de TI e/ou não envolvidos com a melhoria da Governança em TI da Instituição; Processos e metodologias de trabalho não formalizados; Ambiente de trabalho inadequado; Inexistência de cargos específicos para profissionais de Participação efetiva na Câmara Técnica de TI na SESPA; Informação e Informática em Saúde do CONASS; Parque tecnológico de hardware e software Credibilidade da TI junto às áreas de negócio. desatualizado; AMBIENTE EXTERNO OPORTUNIDADES AMEAÇAS Disponibilidade de padrões e melhores práticas de mercado em Governança de TI; Demandas não programadas; Contingenciamento orçamentário; Oferta de capacitação dos servidores de TI; Dificuldade no alinhamento das áreas de TI Reconhecimento da TI como área estratégica pela SESPA; Recomendações de aprimoramento da TI por descentralizada; Alta dependência do fornecedor; Grade rotatividade de servidores; parte dos órgãos de controle;

22 22 8. RESULTADOS ALCANÇADOS A estratégia de gestão elaborada para o período de , mesmo que de maneira informal, propiciou o amadurecimento da TI na SESPA e norteia as ações e as metas a serem atingidas na próxima gestão que compreende o período de através da elaboração do primeiro Plano Diretor de Tecnologia em Saúde da SESPA. Assim, são apresentados abaixo resultados alcançados que ajudaram na iniciativa de elaboração do PDTIS da SESPA. 8.1 Conectividade A conectividade das unidades da SESPA seja na região metropolitana ou no interior do Estado é o principal foco da CTIS para garantir as estradas largas visando o escoamento dos sistemas online e das informações em saúde. UNIDADES CONECTADAS A REDE DE DADOS DE ALTA VELOCIDADE DO NAVEGAPARÁ JAN/2007 A DEZ/2010 (QUATRO ANOS) JAN/2011 A NOV/2014 (QUATRO ANOS) Gerenciamento em TI Com o aumento da capacidade de escoamento de sistemas online e informações em saúde, surge à necessidade de filtrar essas informações tornando a utilização dessa conectividade institucional e profissional através da autenticação de usuários e uso qualitativo da internet dentro da SESPA. UNIDADES COM AUTENTICAÇÃO DE USUÁRIOS E USO QUALITATIVO DA INTERNET JAN/2007 A DEZ/2010 (QUATRO ANOS) JAN/2011 A NOV/2012 (QUATRO ANOS) Equipamento de TI Para tornar possível o planejamento de conectividade da SESPA a parceria com a PRODEPA foi fundamental que através da Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia (SECTI) disponibilizou, sem custos, os kis clientes da rede de alta velocidade do programa de Governo do Estado do Pará, o NAVEGAPARÁ.

23 23 DESCRIÇÃO Investimento em ativos de rede do NAVEGAPARÁ e mão-de-obra que a SESPA NÃO PRECISOU UTILIZAR para conectar 42 unidades. VALOR ECONOMIZADO R$ , Fiscalização dos serviços de TI A fiscalização do contrato de serviços de TI lavrado entre a SESPA/PRODEPA propiciou a identificação de diversos SERVIÇOS PAGOS PELA SESPA E NÃO UTILIZADOS e ainda a ampliação dos serviços de TI sem onerar o referido contrato. DESCRIÇÃO Análise minuciosa do contrato celebrado entre SESPA/PRODEPA no período de JAN/2011 A NOV/2012 RESULTADO Identificação de serviços pagos pela SESPA, mas não utilizados. Ex. Filas de Impressão e Sessão de Emulação; Ampliação dos serviços de TI em toda a SESPA sem onerar o contrato vigente. Ex: inserção de unidades na rede NAVEGAPARÁ. 8.5 Software Apesar de uma equipe reduzida, todavia multidisciplinar, foi possível agregar as experiências externas em software na SESPA que otimizaram os serviços de informação em saúde e ainda ajudaram a reduzir custos com a utilização de softwares que eram pagos pela instituição. SOFTWARE DE SAÚDE 1. Gerenciador de Análises Laboratoriais GAL: Instalação, configuração e atualização; 2. Transmissor FTP SESPA: Envio de bases de dados SIA/SIH, SIAB, SIM, SINAN, SINASC. 3. TABNET SESPA: Instalação, configuração e atualização. 4. Transmissor DATASUS: Instalação, configuração e atualização. 5. Sistema de TFD 6. Aplicativos para dispositivos móveis: APP Animais peçonhentos; APP AidsAPP; APP BelezApp. SOFTWARE IMPLANTADOS 7. Pentaho BI Bussiness Inteligency para análise de informações em saúde de diferentes bases de dados dos sistemas do DATASUS. 8. I3GEO Georeferenciamento 9. Big Blue Button Web Conferência SESPA para o Telessaúde Brasil Redes 10. CMS Wordpress Gerenciamento de Portais e Sites: Portal SESPA; ETSUS; CIB; CES e DST/AIDS. 11. Debian Lenny Net Inst Web Service. 12. FireFront TMG Firewall Proteção 13. Zabbix Monitoramento da rede da SESPA. 14. Windows Server 2008 R2 15. VmWare Virtualização de Servidores de Rede 16. Sistema Sistema Videoconferência Polycom 17. Novo Sistema de Frequência Online 18. Novo Sistema de Diárias e Passagens Online

24 24 9. ALINHAMENTO COM A ESTRATÉGIA DA INSTITUIÇÃO A transferência das áreas de TI para uma posição mais estratégica no organograma tem se tornado uma tendência nos órgãos das administrações públicas. Não por acaso, essas unidades estão deixando de ocupar uma posição simplesmente operacional para assumir posições decisivas na estratégia da organização. Para se conseguir o alinhamento estratégico da área de TI é necessário refletir o planejamento estratégico da organização no planejamento das ações da TI. E assim, permitir que a unidade de TI esteja alinhada aos objetivos organizacionais, tendo, suas ações e atividades, relação com as ações planejadas para a organização. Dessa forma, este PDTIS, com seus princípios, diretrizes e ações, estão alinhados ao Planejamento Estratégico Institucional da SESPA, a fim de apoiar o Estado no alcance de seus objetivos estratégicos, entre eles: promover a melhoria do funcionamento do Estado e a ampliação da capacidade de implementação de políticas públicas; ampliar a oferta de serviços públicos de excelência ao cidadão, às empresas e às demais organizações da sociedade; aperfeiçoar a gestão de pessoas na administração pública, orientada por competências e pela democratização das relações de trabalho; fortalecer a governança e ampliar a capacidade técnica, gerencial, financeira e institucional da Administração Pública; promover a melhoria dos marcos legal, dos processos de trabalho, da tecnologia da informação e dos sistemas estruturantes; empregar a Tecnologia da Informação como fator transformador da eficácia e da transparência do Estado.

25 INVENTÁRIO DE NECESSIDADES O inventário de necessidades de TI foi elaborado a partir do registro das demandas no sistema de Sistema de Chamados Técnicos (SCT) instalado na CTIS e no atendimento in loco ao usuário. O resultado desse levantamento gerou uma lista de metas e ações propostas pela CTIS, as quais foram classificadas e consolidadas em 19 necessidades Necessidades Classificadas em Focos As necessidades levantadas foram agrupadas, de acordo com a afinidade, em quatro focos: infraestrutura, sistemas, processos e pessoas. INFRAESTRUTURA Atualização e manutenção da infraestrutura de TI. Aprimoramento da velocidade de conexão à internet. Melhoria e ampliação da disponibilidade de acesso da rede sem fio corporativa da SESPA. Aumento da capacidade de armazenamento de dados dos sistemas de informação da SESPA. Substituição de ferramentas proprietárias por ferramentas baseadas em software livre. Atualização ou aquisição de ferramentas de software. Infraestrutura para impressão departamental Infraestrutura para manutenção de hardware: Desktops, Notebooks, Impressoras e Nobreaks. SISTEMAS Aperfeiçoamento e manutenção dos sistemas de informação utilizados na SESPA. Garantia de segurança, integridade e confiabilidade das bases de dados dos sistemas de informação da SESPA. Aperfeiçoamento dos serviços de suporte e manutenção de sistemas de TI ofertados pela CTIS. Informatização, integração e melhoria da automatização de processos e atividades das diretorias da SESPA. Aperfeiçoamento da integração e disponibilidade de acesso aos sistemas de informação da SESPA. PROCESSOS Melhoria da comunicação sobre processos internos, documentos de referência, projetos e atividades das áreas da SESPA. Aprimoramento da gestão de projetos de TI. Aperfeiçoamento dos serviços de suporte e manutenção dos processos de TI ofertados pela CTIS. Implantação de processos de gerenciamento eletrônico de documentos. PESSOAS Adequação quantitativa do quadro de pessoal de TI na SESPA. Aperfeiçoamento técnico do quadro de pessoal de TI da SESPA.

REGIMENTO INTERNO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA EM SAÚDE (CTIS)

REGIMENTO INTERNO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA EM SAÚDE (CTIS) Página 1 de 12 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Modelo de Referência 2011-2012

Modelo de Referência 2011-2012 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação - SLTI Modelo de Referência 2011-2012 Plano Diretor de Tecnologia de Informação Ministério do Planejamento,

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG

PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG Forplad Regional Sudeste 22 de Maio de 2013 Erasmo Evangelista de Oliveira erasmo@dgti.ufla.br Diretor de

Leia mais

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação 1 Agenda Contexto SISP Planejamento de TI PDTI 2 SISP Sistema de Administração dos Recursos de Informação e Informática Decreto nº 1.048, de 21 de janeiro

Leia mais

Belém-PA, Julho de 2015

Belém-PA, Julho de 2015 1 2 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA EM SAÚDE ESTRATÉGIA DE GESTÃO EM TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE (EG-TIS)

Leia mais

Relato sobre a elaboração do PDTIC da UFMA

Relato sobre a elaboração do PDTIC da UFMA Relato sobre a elaboração do PDTIC da UFMA Nélio Alves Guilhon Tereza Cristina Brito Moreira Lima HISTÓRICO TI DA UFMA 1976: Resolução 423/76 ( 26/04/1976 ) Cria o Centro de Processamento de Dados (CPD)

Leia mais

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012 2015 Controle de Revisão Ver. Natureza Data Elaborador Revisor

Leia mais

PDTI - Definição. Instrumento de diagnóstico, planejamento e

PDTI - Definição. Instrumento de diagnóstico, planejamento e PDTI - Definição Instrumento de diagnóstico, planejamento e gestão dos recursos e processos de Tecnologia da Informação que visa atender às necessidades tecnológicas e de informação de um órgão ou entidade

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

Modelo de Referência. Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010

Modelo de Referência. Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010 Modelo de Referência Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010 Versão 1.0 Premissas do modelo 1. Este modelo foi extraído do material didático do curso Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PERÍODO 2012 A 2016 MANAUS/AM VERSÃO 1.0 1 Equipe de Elaboração João Luiz Cavalcante Ferreira Representante da Carlos Tiago Garantizado Representante

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Governança de TI no Governo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Agenda Agenda Contexto SISP IN SLTI 04/2008 EGTI Planejamento

Leia mais

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Emerson de Melo Brasília Novembro/2011 Principais Modelos de Referência para Auditoria de TI Como focar no negócio da Instituição

Leia mais

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA 1 APRESENTAÇÃO Este conjunto de diretrizes foi elaborado para orientar a aquisição de equipamentos

Leia mais

Planejamento Estratégico da Tecnologia da Informação (PETI)

Planejamento Estratégico da Tecnologia da Informação (PETI) 00 dd/mm/aaaa 1/15 ORIGEM Instituto Federal da Bahia Comitê de Tecnologia da Informação ABRANGÊNCIA Este da Informação abrange todo o IFBA. SUMÁRIO 1. Escopo 2. Documentos de referência 3. Metodologia

Leia mais

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0 TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Brivaldo Marinho - Consultor Versão 1.0 CONTROLE DA DOCUMENTAÇÃO Elaboração Consultor Aprovação Diretoria de Informática Referência do Produto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI (2013-2015) - UFPel

Planejamento Estratégico de TI (2013-2015) - UFPel Planejamento Estratégico de TI (2013-2015) - UFPel 1 Missão Prover soluções de TI, com qualidade, à comunidade da UFPel. 2 Visão Ser referência em governança de TI para a comunidade da UFPel até 2015.

Leia mais

A IN/SLTI nº 04/2008 e Avaliação dos Resultados Análise de Pontos de Função Âmbito do SISP The IN SLTI 04/2008 and Results Assessment

A IN/SLTI nº 04/2008 e Avaliação dos Resultados Análise de Pontos de Função Âmbito do SISP The IN SLTI 04/2008 and Results Assessment A IN/SLTI nº 04/2008 e Avaliação dos Resultados Análise de Pontos de Função Âmbito do SISP The IN SLTI 04/2008 and Results Assessment Cláudio Muniz Machado Cavalcanti claudio.cavalcanti@planejamento.gov.br

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TRIÊNIO /2015 DSI/CGU-PR Publicação - Internet 1 Sumário 1. RESULTADOS

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR Dispõe sobre a Política de uso de Softwares Livres no âmbito da UDESC O REITOR da FUNDAÇÃO

Leia mais

Avaliação dos Resultados do Planejamento de TI anterior

Avaliação dos Resultados do Planejamento de TI anterior Avaliação dos Resultados do Planejamento de TI anterior O PDTI 2014 / 2015 contém um conjunto de necessidades, que se desdobram em metas e ações. As necessidades elencadas naquele documento foram agrupadas

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplica...

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplica... 1 de 1 19/4/212 17:17 EGTI 211/212 - Autodiagnostico 21 Imprimir Identificação 1. Qual a identificação do órgão? AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS 2. Qual o âmbito de preenchimento do formulário?

Leia mais

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA Coordenação-Geral de Administração e Tecnologia da Informação Coordenação

Leia mais

Programa de Reestruturação Organizacional Elaboração e Implantação do Portal de Governança de TI da TERRACAP FASE IV

Programa de Reestruturação Organizacional Elaboração e Implantação do Portal de Governança de TI da TERRACAP FASE IV P D T I Plano Diretor de Tecnologia da Informação Programa de Reestruturação Organizacional Elaboração e Implantação do Portal de Governança de TI da TERRACAP FASE IV EQUIPE DE ELABORAÇÃO Plano Diretor

Leia mais

Anexo 7 Demandas oriundas das recomendações da Estratégia Geral de Tecnologia da Informação. Indicadores. Descrição 2011 2012

Anexo 7 Demandas oriundas das recomendações da Estratégia Geral de Tecnologia da Informação. Indicadores. Descrição 2011 2012 Plano Diretor Tecnologia da Informação 2012-2013 146 Anexo 7 Demandas oriundas das recomendações da Estratégia Geral Tecnologia da Informação Objetivos Objetivo 1 - Aprimorar a Gestão Pessoas TI (Cobit

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional. Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação.

TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional. Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação. TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional 1. Função no Projeto: Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação. 2. Nosso Número BRA/12/010 3. Antecedentes A missão

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019. Versão 0 1.0

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019. Versão 0 1.0 PETI Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019 Versão 0 1.0 Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019 Presidente Luiz Otávio Pimentel Vice-Presidente Mauro Sodré

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC

Planejamento Estratégico de TIC Planejamento Estratégico de TIC Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe 2010 a 2014 Versão 1.1 Sumário 2 Mapa Estratégico O mapa estratégico tem como premissa de mostrar a representação visual o Plano

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 29 de setembro de 2009 PLANO DE TRABALHO - PDTI O presente Plano de Trabalho objetiva o nivelamento do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima aos requisitos de tecnologia da informação

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Implantação da Governança a de TI na CGU

Implantação da Governança a de TI na CGU Implantação da Governança a de TI na CGU José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União I Workshop de Governança de TI da Embrapa Estratégia utilizada para

Leia mais

PORTARIA P N. 422, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA P N. 422, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA P N. 422, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. Revisa o Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI para o período 2013-2018 e dá outras providências. O Presidente do TRE-RS, no uso de suas atribuições

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

&&&'( '$ Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação #$%$

&&&'( '$ Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação #$%$ &&&'( '$!" Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação #$%$ Governança Corporativa - conjunto de boas práticas para melhoria do desempenho organizacional; - nasce da necessidade

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares,

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares, PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO PORTARIA TRT/GP/DGCA Nº 630/2011 Define a Política de Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicações

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Relatório de Informações Gerenciais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Relatório de Informações Gerenciais PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Relatório de Informações Gerenciais Setorial do 1º Semestre de 2013 DIRETORIA GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO DGTEC RELATÓRIO DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1º

Leia mais

Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração

Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Marta Suplicy Ministra da Cultura Ana Cristina Wanzeler Secretária-Executiva Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Paulo Cesar Kluge Coordenador-Geral de Tecnologia

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Planejamento estratégico

Planejamento estratégico Planejamento estratégico Coordenadoria de Tecnologia da Informação 2015-2018 1. Estrutura atual da Coordenadoria de Tecnologia da Informação A coordenadoria é hoje responsável pelos setores de Informática

Leia mais

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 André Luiz Furtado Pacheco, CISA Graduado em Processamento de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

*486EBBAA* PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO)

*486EBBAA* PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) ** PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) Dispõe sobre a criação de cargos de provimento efetivo e de cargos em comissão no Quadro de Pessoal da Secretaria do Tribunal Regional

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE GESTÃO PÚBLICA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que em 2020 Santa Maria seja um município que preste Serviços de Qualidade a seus cidadãos, com base

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social.

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Palestrante: Paulo Cesar Alves 19/09/2005 Agenda Formulação

Leia mais

Número do Recibo:83500042

Número do Recibo:83500042 1 de 21 06/06/2012 18:25 Número do Recibo:83500042 Data de Preenchimento do Questionário: 06/06/2012. Comitête Gestor de Informática do Judiciário - Recibo de Preenchimento do Questionário: GOVERNANÇA

Leia mais

CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE. Seção I Da Finalidade

CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE. Seção I Da Finalidade CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE Seção I Da Finalidade Art. 1º A Unidade de Apoio à Gestão Estratégica (UAGE) tem como finalidade promover o gerenciamento estratégico setorial

Leia mais

CONTAS CONTROLADAS. Sede do TCU em Brasília R I S K M A N A G E M E N T R E V I E W 1 9 DIVULGAÇÃO

CONTAS CONTROLADAS. Sede do TCU em Brasília R I S K M A N A G E M E N T R E V I E W 1 9 DIVULGAÇÃO CONTAS CONTROLADAS TCU adota modelo de governança de TI no ambiente interno alinhando com seu plano estratégico para realizar o controle externo das contas da União com maior eficiência COMO ÓRGÃO RESPONsável

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

AURINA SANTANA Reitora Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia

AURINA SANTANA Reitora Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia 00 dd/mm/aaaa 1/19 ORIGEM Instituto Federal da Bahia Comitê de Tecnologia da Informação CAMPO DE APLICAÇÃO Este Plano Diretor de Tecnologia da Informação se aplica no âmbito do IFBA. SUMÁRIO 01. Introdução

Leia mais

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre FÓRUM DE SOFTWARE LIVRE - 2010 Valdir Barbosa Agenda Plano estratégico 2011 para uso de Software Livre Diretrizes Objetivos e indicadores

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS AEJ - ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE JAÚ CNPJ 05.311.136/0001-36 FACULDADE JAUENSE PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS JAÚ/2012 MANUTENÇÃO E ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DA FAJAU

Leia mais

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Programa 0792 GESTÃO PÚBLICA EMPREENDEDORA Objetivo Promover a transformação da gestão pública para ampliar os resultados para o cidadão e reduzir custos. Indicador(es)

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa tem como finalidade reorganizar a área de Tecnologia da Informação TI do TJMG, sob o ponto de vista de gestão e infraestrutura, baseados em sua estrutura

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

Gestão e Tecnologia da Informação

Gestão e Tecnologia da Informação Gestão e Tecnologia da Informação Superintendência de Administração Geral - SAD Marcelo Andrade Pimenta Gerência-Geral de Gestão da Informação - ADGI Carlos Bizzotto Gilson Santos Chagas Mairan Thales

Leia mais

FEATI - Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP

FEATI - Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS IBAITI/PR 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 3 ATUALIZAÇÃO DO PARQUE TECNOLÓGICO... 3 3.1 Laboratório de Informática, Departamentos Acadêmicos

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO Januário Montone II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 23: Inovações gerenciais na saúde O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Soluções em Segurança

Soluções em Segurança Desafios das empresas no que se refere a segurança da infraestrutura de TI Dificuldade de entender os riscos aos quais a empresa está exposta na internet Risco de problemas gerados por ameaças externas

Leia mais

Plano Diretor de Tecnologia

Plano Diretor de Tecnologia Governo Federal Ministério da Cultura Fundação Cultural Palmares Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2013 2015 Brasília DF 2013 Presidenta da República Dilma Vana Rousseff Ministério

Leia mais