SISTEMA DE GESTÃO PATRIMONIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE GESTÃO PATRIMONIAL"

Transcrição

1 SISTEMA DE GESTÃO PATRIMONIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS RESPONSÁVEL(EIS) PELA PRÁTICA: Nome: NELSON BARBOSA JR. Telefone: Nome: LUIS FERNANDO FAINA Telefone: Nome: FÁBIO LEMES DA CUNHA Telefone: Nome: RAULCEZAR ALVES Telefone: Nome: JOSE LUIS KORCKIEVICZ Telefone: Nome: PAULO ROBERTO PERES Telefone: Nome: JOSÉ INIVALDO RIBEIRO Telefone: Cargo: DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS e mail: Cargo: DIRETOR DO CENTRO TECNOL. DA INFORM. e mail: Cargo: ANALISTA DE TI e mail: Cargo: ANALISTA DE TI e mail: Cargo: GERENTE DA DIVISÃO DE MANUTENÇÃO e mail: Cargo: GERENTE DA DIVISÃO DE PATRIMONIO e mail: Cargo: GERENTE DA DIV. DE RECEP. DE EQUIPAM. e mail: Parceiro(s): CTI/UFU Centro de Tecnologia da Informação Data de início da implementação: Desenvolvimento: 30/11/2009 Piloto: 05/04/2010 Implementação Completa: 01/07/2010 Categoria e área de atuação da prática: ( X ) Recursos Logísticos ( X ) Patrimônio (normas e procedimentos para inventários de Bens Públicos, Bens Imóveis, Bens Móveis, Bens Fungíveis e Materiais Consumíveis, Bens Divisíveis, Bens Singulares e Coletivos, Bens de Natureza Industrial Contagem x Registro)

2 Resumo dos objetivos: Desenvolver um Sistema de Controle Patrimonial Integral que permita o acompanhamento de todo o ciclo do bem patrimonial na instituição desde sua recepção, armazenamento, tombamento, fechamentos contábeis, inventário, depreciação (em estudo), transferências de lotação, transferências de responsabilidade, pedidos de manutenção e laudo de baixa. Descrição da situação anterior à prática (perdas, desperdícios, ineficácias, obstáculos ou dificuldades que a prática veio minimizar ou eliminar): Até o ano de 2005 a Universidade Federal de Uberlândia utilizou um Mainframe IBM que rodava um sistema de registro patrimonial desenvolvido em linguagem COBOL. Apesar de ser um sistema limitado às operações de tombamento e fechamentos contábeis, ele por algum tempo foi referência para algumas instituições que nos visitavam para troca de experiências. Com a desativação deste equipamento em 2006, surgiu a necessidade de desenvolvimento de um novo sistema em caráter provisório, uma vez que a UFU estava implantando o sistema SIE (Sistema de Informação Educacional), que havia sido adquirido recentemente da Universidade de Santa Maria e que possuía um módulo de controle patrimonial que deveria ser implantado. Foi então criado pelo CTI (Centro de Tecnologia da Informação) o SIPAT (Sistema de Patrimônio) que passou a atender provisoriamente as atividades da Divisão de Patrimônio.

3 Com a implantação do SIE foram feitas avaliações do módulo de controle patrimonial e verificou se uma série de dificuldades em sua implantação, a saber: migração da base de dados que não era plenamente atendida no novo sistema; dificuldade de trabalho com o conceito de multi empresa que possibilitaria o controle patrimonial integrado da UFU e suas fundações de apoio; falta de autonomia nas adequações que se faziam necessárias; alto custo de manutenção; e elevado custo de suporte mensal. Em 2009 a UFU decidiu não mais implantar este módulo e avançar na consolidação de uma solução interna que vinha atendendo até então de forma satisfatória. Percebeu se que os grandes gargalos do sistema não estavam em suas funcionalidades, mas sim em suas duas principais interfaces, ou seja, os formulários de PSM (Pedido de Solicitação de Manutenção) e o TBP (Transferência de Bem Patrimonial).

4 As principais dificuldades então enfrentadas eram: Falta de documentação de movimentação de bens, ou seja, o bem era retirado com a respectiva solicitação de serviço e o usuário somente receberia a sua via do formulário assinada pelo setor competente posteriormente, ocasionando o extravio ou a não devolução do documento, deixando o usuário com a carga patrimonial, mas sem um documento capaz de comprovar a retirada do bem; Operação manual de pedidos e processamentos de formulários, exigindo um número elevado de servidores para realizar a tarefa; Falta de logística estruturada para atender de forma eficaz as entregas de bens e coletas de equipamentos para manutenção e bens para baixa; Impossibilidade de conferência se o equipamento enviado para manutenção ou baixa correspondia com a placa de patrimônio e se a carga patrimonial estava registrada adequadamente em nome do solicitante; Morosidade do processo de manutenção de equipamentos, prejudicando tanto atividades de ensino como de pesquisa; Falta de transparência e segurança durante o processo de manutenção, uma vez que o usuário não tinha como acompanhar o andamento das várias etapas envolvidas na manutenção; Deficiência no acompanhamento dos contratos de manutenção e garantias de serviços externos realizados. No caso do TBP as vias do formulário acompanhavam o fluxo do equipamento do cedente até o receptor e posteriormente para a DIPAT, ficando o cedente sem possibilidade de acompanhamento do fluxo, sem saber se o receptor havia assinado o documento e sem a confirmação da transferência da carga patrimonial; As baixas patrimoniais em função de leilão dependiam de lançamento no sistema de cada item do leilão (foram identificados casos de bens que foram para leilão e que, posteriormente, não foram baixados no sistema por falha humana, permanecendo a responsabilidade da carga patrimonial sobre o usuário); Lançamentos errados em função de um preenchimento manual não legível ou equivocado;

5 Falta de segurança administrativa quanto à localização real dos bens e suas respectivas cargas de responsabilidade, conforme exigido pelos órgãos de controle; O processo de transferência de bens demandava um longo tempo de processamento e uma grande área de armazenamento de documentos; Indisponibilidade de uma relação de bens patrimoniais da instituição para consulta dos usuários. Assim, era necessário o envio de um MI para a DIPAT solicitando o referido relatório. Feito o diagnóstico das dificuldades que enfrentávamos no controle patrimonial, iniciamos em 2009 negociações junto ao CTI para começar o desenvolvimento deste projeto. No final de 2009 deu se início ao desenvolvimento destes sistemas complementares no intuito de possibilitar um controle patrimonial capaz de acompanhar todo o ciclo do bem na instituição desde sua recepção, armazenamento, tombamento, fechamentos contábeis, inventário, depreciação (em estudo), transferências de lotação, transferências de responsabilidade, pedidos de manutenção e laudo de baixa, partindo de uma base de dados única fornecida pelo SIPAT. Foram desenvolvidos então dois novos sistemas que substituiriam os formulários de papel PSM e TBP (usados à época) pelos módulos e respectivamente. Descrição principais etapas de implementação (o que foi feito, por quem, como e em quanto tempo) O primeiro sistema a ser criado foi o SME Sistema de Manutenção em Equipamentos, responsável por auxiliar o gerenciamento de manutenções dos equipamentos da Universidade, que estão distribuídos pelos seus vários setores. Tal sistema possui três módulos básicos: O primeiro se refere a cadastros gerais (usuários, permissões, unidades orçamentárias, locais de coleta/entrega, etc.). O segundo módulo faz o controle dos pedidos de manutenção (abertura, atendimento, laudo de baixa, etc.). O ultimo é responsável pelo Almoxarifado de peças usadas nas manutenções.

6

7 O desenvolvimento do SME Sistema de Manutenção em Equipamentos foi feito por 2 Analistas de Sistemas do próprio CTI (Centro de Tecnologia da Informação), e seu cronograma macro se acha apresentado abaixo: Análise de Requisitos: levantamento dos requisitos básicos do sistema. Projeto: estudo e definição dos seguintes parâmetros: Linguagem : PHP. Framework : Symfony Plataforma de desnvolvimento : NetBeans 6.8 com plugin Symfony embutido Banco de Dados : Postgresql Implementação: codificação dos módulos definidos durante a Análise de Requisitos. Documentação: criação dos manuais e video aulas para os usuários do sistema. Testes: realização de testes gerais e alguns testes alfa nas dependências do CTI (Centro de Tecnologia da Informação) junto aos principais usuários. Implantação: publicação versão final do sistema no domínio e estruturação da base de dados do SIPAT (Sistema Patrimonial). O segundo sistema complementar do patrimônio é o STP Sistema de Transferência Patrimonial, que facilita a transferência de bens entre os diversos setores da Instituição. Este possui dois módulos básicos: O primeiro se refere a cadastros gerais (usuários, permissões, unidades orçamentárias, etc.). O segundo módulo faz o controle dos pedidos de transferência de bens (abertura, aceite, autorização da Divisão de Patrimônio, etc.).

8

9 Semelhantemente aos pedidos de manutenção anteriormente mencionados, as transferências eram feitas em formulários de papel que não garantiam a confiabilidade do processo. Com o sistema atual, os diretores/usuários podem abrir um pedido, requisitar bens de outros departamentos. Em seguida, o diretor cedente aceita ou não a transferência. Caso ele aceite, o diretor solicitante deve confirmar a transferência. E, para finalizar, os atendentes da divisão de patrimônio recolhem o termo de responsabilidade (conforme recomendação do TCU) e encerram a transferência. O desenvolvimento do STP (Sistema de Transferência Patrimonial) também foi feito por 2 Analistas de Sistemas do próprio CTI (Centro de Tecnologia da Informação) cujo cronograma macro é encontrado abaixo: Análise de Requisitos : levantamento dos requisitos básicos do sistema. Projeto : estudo e definição dos seguintes parâmetros: o Linguagem : PHP. o Framework : Symfony o Plataforma de desnvolvimento : NetBeans 6.8 com plugin Symfony embutido o Banco de Dados : Postgresql Implementação : codificação dos módulos definidos durante a Análise de Requisitos. Documentação : criação das video aulas para os usuários do sistema. Testes : realização de testes gerais e alguns testes alfa nas dependências do CTI (Centro de Tecnologia da Informação) junto aos principais usuários.

10 Implantação : publicação versão final do sistema no domínio e estruturação da base de dados do SIPAT (Sistema Patrimonial). Obstáculos encontrados e soluções adotadas A primeira dificuldade foi a falta de uma equipe técnica para realização do projeto. Isto foi solucionado com a contratação de um servidor Analista de TI para sob a coordenação de Analista de TI UFU, auxiliar no desenvolvimento. Iniciado o projeto, o grande desafio foi a falta de um mapeamento de processo estruturado que direcionasse as ações de desenvolvimento, que solucionado com o mapeamento dos processos de gestão patrimonial e manutenção de equipamentos e a identificação de pontos críticos nos processos, com proposição de melhorias seguindo orientações dos órgãos de controle. No intuito de minimizar os impactos naturais de implantação de um novo sistema, optouse por realizar um piloto envolvendo cinco unidades: DIRAM Diretoria de Administração de Materiais; CTI Centro de Tecnologia da Informação; ICBIM Instituto de Ciências Biomédicas; FEQUI Faculdade de Engenharia Química e FACIP Faculdade Integrada do Pontal, que contribuíram demasiadamente com as sugestões de melhorias apresentadas e identificação de deficiências no sistema, ocasionando uma implantação com o mínimo de resistência e desgaste possível. No momento de implantação no restante da UFU o desafio era a atualização do organograma que determinava quem era responsável por qual área e qual centro de custo era responsável pelos débitos gerados nos processos de manutenção. Teve se cuidado com este passo porque uma importante funcionalidade do SME (Sistema de Manutenção de Equipamentos) é a de não permitir que um usuário não pertencente ao centro de custo ao qual o bem está vinculado possa fazer um pedido de manutenção, exigindo do mesmo a atualização de sua lotação utilizando o STP (Sistema de Transferência Patrimonial), funcionando como ferramenta de localização de bens não encontrados em inventários anteriores, frutos de movimentação não registrada.

11 Métodos ou instrumentos de monitoração de resultados (indicadores de desempenho etc.): Integração do sistema de gestão patrimonial com o servidor de s permitindo a emissão de no inicio e término de toda transação para os usuários envolvidos; Relatórios de cunho gerencial específicos por classe de usuários; Tanto no SME como no STP disponibilizam uma caixa postal que permite a visualização das solicitações e seu ciclo de vida. Controle das execuções de contratos de manutenção e garantias de prestações de serviços. Recursos (financeiros, materiais, competências) utilizados para implantação da prática: Foram utilizadas horas de dois Analistas de TI para desenvolver o sistema proposto. Instalação de computadores em quatro pontos da Divisão de Manutenção que passaram a receber e despachar seus serviços a partir do novo sistema. Principais resultados alcançados (quantitativos e qualitativos) situação atual, mudanças efetivamente ocorridas: Resultados Gerais: Disponibilização de uma Interface amigável e intuitiva para o usuário, disponível na plataforma web, acessível a partir de navegador web que pode ser acessado em qualquer lugar que possua internet. Redução no tempo e custo de treinamento através de vídeo aulas autoexplicativas, acessadas dentro do próprio sistema. Geração de um LOG de status no qual o usuário sabe a todo o momento em que estágio sua solicitação se encontra, evitando o desgaste de ligações entre usuários e atendentes.

12 Emissão automática de mensagens eletrônicas (e mail) para os diretores, nas aberturas e encerramentos de suas solicitações. Disponibilização de uma ferramenta de busca, para encontrar solicitações antigas. Gestão integrada de logística com emissões termos de coleta e entrega dos bens. Disponibilização de manuais de funcionamento do sistema. Redução do número de servidores diretamente envolvidos nos processos de tramitação de solicitações de manutenção e transferência patrimonial, possibilitando o direcionamento de suas atividades para processos que se encontravam com déficit de pessoal. Os Sistemas estão instalados nos servidores do CTI (Centro de Tecnologia da Informação), onde são feitos back ups diários, garantindo a integridade dos dados. Resultados Específicos (SIPAT Sistema de Patrimônio): Registro do organograma da instituição em Centro de Custos. Possibilidade de criação de vários Locais em cada centro de custo para a alocação de bens patrimoniais de forma mais organizada e definição de Responsável e co responsável por local. Tombamento do bem individualmente ou em lote. Geração do termo de responsabilidade para entrega. Gestão dos bens da instituição e de suas fundações de apoio de forma integrada. Fechamentos contábeis mensais e anuais do imobilizado por órgão. Resultados Específicos (SME Sistema de Manutenção de Equipamentos): Controla o volume peças do almoxarifado usadas nas manutenções. Gerenciamento dos custos com manutenção por Unidades Orçamentárias. Realização de atendimentos on line entre atendentes e usuários. Gestão de contratos terceirizados. Controle de garantias de serviços realizados por terceiros. Aumento da demanda de solicitações de 263 pedidos/mês para 750 pedidos/mês. Redução do tempo médio de atendimento de manutenção de 31 dias para 21 dias.

13 Resultados Específicos (STP Sistema de Transferência Patrimonial): Controle de fluxo da transferência de bens. Geração de termos de responsabilidade dos bens. Consulta de bens através do código de barra. Autonomia na emissão de relatório de bens patrimoniais da unidade em Excel ou PDF. Geração de transferências de vários bens em uma mesma solicitação, anteriormente era necessário um formulário de TBP para cada bem. Geração de recolhimentos de bens em desuso que estavam em boas condições, mas não são mais utilizados pela unidade. Este material é posteriormente aproveitado em outra unidade da instituição. Possibilidade de geração de termos de responsabilidade internos vinculado ao CPF do servidor que utiliza o bem. No momento da emissão de Laudo de Baixa no SME o sistema atualiza automaticamente a base de dados do SIPAT do referido bem. Redução no volume e fluxo de documentos em papel para processamento e armazenamento. Em função da possibilidade de processamento de transferências em lote foi identificada uma redução de 662 solicitações/mês para 515 solicitações/mês. Concluindo, é importante relatar a impressão da comunidade universitária com o uso dos sistemas aqui relatados. O primeiro aspecto tem a ver com a simplicidade dos sistemas, dispensando longos treinamentos para familiarização com os novos procedimentos a serem aprendidos e praticados. Neste sentido, destaca se a clareza das vídeo aulas às quais se pode recorrer sempre que necessário para sanar eventuais dúvidas. Em segundo lugar, vem a questão da agilidade que os sistemas foram capazes de imprimir aos processos que os motivaram, especialmente ao se comparar com o que se dispunha anteriormente. Deve se lembrar que a tramitação de formulários em papel através de protocolos usados pelas instituições públicas é bastante lenta. Em seguida, vem a confiabilidade, ao se dispensar o uso de formulários em papel passíveis de serem

14 extraviados ou mesmo perdidos, acarretando dificuldades e atrasando os processos administrativos. Finalmente, aparece com destaque a transparência de todas as operações efetuadas, ficando registrado para fins administrativos e, também, para acompanhamento dos usuários, todos os passos que foram dados, quem foram os responsáveis, e as datas em que os diversos atores tiveram participação, desde a abertura do processo até sua finalização. Assim, pode se considerar que os sistemas tiveram excelente receptividade junto à comunidade universitária, recompensando a administração superior por poder atender ás expectativas de conferir maior eficiência às atividades administrativas. Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Administração de Materiais Av. Amazonas, 2210 bloco 2Z Campus Umuarama Uberlândia MG

Experiências da UFU no Controle Patrimonial e Gestão de Materiais

Experiências da UFU no Controle Patrimonial e Gestão de Materiais Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Planejamento e Administração Diretoria de Administração de Materiais FORPLAD Fórum de Pró-Reitores de Planejamento e Administração 08 a 10 de setembro

Leia mais

Projeto: Sistema de Gestão S.G.

Projeto: Sistema de Gestão S.G. Projeto: Sistema de Gestão S.G. Universidade Federal de Uberlândia 1/11 Histórico de revisão Versão 1.0 Data Ve rsão Descrição Autores 012 09/07/2 1.0 Descrição do Projeto de desenvolvimento do Sistema

Leia mais

Manual do Sistema de Patrimônio P á g i n a 2. Manual do Sistema de Patrimônio. Núcleo de Informática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Manual do Sistema de Patrimônio P á g i n a 2. Manual do Sistema de Patrimônio. Núcleo de Informática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Divisão de Patrimônio DIPM/GRM/PRAD Manual do Sistema de Patrimônio Versão On-Line Núcleo de Informática Universidade Federal de Mato Grosso do Sul P á g i n a 2 Manual do Sistema de Patrimônio Núcleo

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP

MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP Pouso Alegre MG 2013 SUMÁRIO 1. Introdução.... 6 2. Efetuar Entrada de Material.... 8 2.1. Entrada de Material por Compra.... 8 2.1.1. Cadastro de Empenho...

Leia mais

Informativo da Divisão de Patrimônio - DIPAT

Informativo da Divisão de Patrimônio - DIPAT Informativo da Divisão de Patrimônio - DIPAT 001/2014 15/07/2014 1 - Alterações no Módulo Patrimônio - GURI Vimos informar a todos os usuários do Módulo Patrimônio do GURI, que nesta semana será concluído

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 019 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2006

INSTRUÇÃO Nº 019 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2006 INSTRUÇÃO Nº 019 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2006 Orienta os órgãos da Administração Direta do Poder Executivo Estadual sobre os procedimentos a serem aplicados no controle patrimonial de bens móveis, em conformidade

Leia mais

Apresentação PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES

Apresentação PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução ão: Com a necessidade de manter os bens o maior tempo possível em uso, torna-se importante um acompanhamento eficiente de sua

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA

SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA A EMPRESA A Lexsom é uma empresa especializada em soluções de informática com atuação no mercado nacional desde 1989, tem como principal foco o desenvolvimento integrado

Leia mais

Mensagem Inventário N 01-14/04/2014

Mensagem Inventário N 01-14/04/2014 Mensagem Inventário N 01-14/04/2014 Tendo em vista que ainda não ocorreu a migração do atual sistema SAPweb para um novo sistema e que o inventário deve ser iniciado no dia 11/abril/2014, a Comissão de

Leia mais

Help Encerramento do Exercício E&L Produções de Software

Help Encerramento do Exercício E&L Produções de Software Help Encerramento do Exercício Note: To change the product logo for your ow n print manual or PDF, click "Tools > Manual Designer" and modify the print manual template. Contents 5 Table of Contents Foreword

Leia mais

Ambiente de Pagamentos

Ambiente de Pagamentos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃOTRIBUTÁRIA DIRETORIA DE INFORMAÇÕES Ambiente de Pagamentos Manual do Contribuinte Versão 26/09/2011 Índice Analítico 1.

Leia mais

Frota / SG Solicitação de Veículos

Frota / SG Solicitação de Veículos CARTILHA Frota / SG Solicitação de Veículos Elaborada por: CTI Centro de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Uberlândia Abril/2013 Sumário 1. SG -Sistema de Gestão...3 2. Acessando o SG...3

Leia mais

GSAN. Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento. Versão Atual do GSAN. Módulos

GSAN. Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento. Versão Atual do GSAN. Módulos GSAN Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento Versão Atual do GSAN A PROCENGE é líder nacional no fornecimento de softwares de gestão para companhias de Água e Saneamento, com base na sua

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO Nº 01/2013 PREÂMBULO

EDITAL DE CHAMAMENTO Nº 01/2013 PREÂMBULO EDITAL DE CHAMAMENTO Nº 01/2013 PREÂMBULO A Confederação Nacional de Municípios faz saber que por ordem de seu Presidente, a quem possa interessar, que realizará através do presente chamamento público,

Leia mais

MANUAL INTEGRAÇÃO CONTABILIDADE - MATERIAIS E PATRIMÔNIO

MANUAL INTEGRAÇÃO CONTABILIDADE - MATERIAIS E PATRIMÔNIO MANUAL INTEGRAÇÃO CONTABILIDADE - MATERIAIS E PATRIMÔNIO MANUAL - TABELAS CONTÁBEIS E ORÇAMENTÁRIAS SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...3 2 TABELAS A SEREM PREENCHIDAS PARA A INTEGRAÇÃO DO PATRIMÔNIO. 4 2.1 CLASSIFICAÇÃO...4

Leia mais

Manual do Processo de Controladoria

Manual do Processo de Controladoria Manual do Processo de Controladoria Apresentação MV Sumário Processo de Controladoria 5 Leia-me primeiro... 5 Contas a Pagar -... Provisionamento 7 Validar Dados da Nota Fiscal... 11 Registro no Contas

Leia mais

Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário

Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas SESAU Coordenadoria Setorial de Gestão a Informática - CSGI Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário Maceió 06/02/2012 Técnico Responsável: Bruno Cavalcante

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional;

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional; Código: MAP-DIFIN-001 Versão: 00 Data de Emissão: XX/XX/XXXX Elaborado por: Gerência de Contabilidade Aprovado por: Diretoria de Finanças e Informações de Custos 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Salvador, Bahia Sexta-Feira 21 de novembro de 2014 Ano XCIX N o 21.577 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, sobre a realização

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.0 Afonso Ueslei da Fonseca

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.0 Afonso Ueslei da Fonseca Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.0 Afonso Ueslei da Fonseca Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo

Leia mais

Como Configurar Tabelas Básicas do OASIS (Informações Básicas)

Como Configurar Tabelas Básicas do OASIS (Informações Básicas) Como Configurar Tabelas Básicas do OASIS (Informações Básicas) O OASIS foi desenvolvido de forma parametrizada para poder atender às diversas particularidades de cada usuário. No OASIS também, foi estabelecido

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo o processo de atendimento

Leia mais

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes INVENTÁRIO ANUAL Exercício 2011 Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes Elaboração: Fernando de Souza Guimarães : 3409-4674 / 3409-4675 : dimat@dsg.ufmg.br Belo Horizonte, 2011 SUMÁRIO

Leia mais

MANUAL DE USUÁRIO DO SISPATR

MANUAL DE USUÁRIO DO SISPATR MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS DIRETORIA DE CONTABILIDADE (Repartição de Contabilidade da Guerra/1860) MANUAL DE USUÁRIO DO SISPATR SISTEMA GERENCIAL DE ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES 1 OBJETIVO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO 1.1 A Central de Atendimento do BNDES deverá atender aos seguintes objetivos:

Leia mais

Sistema de Bolsas - CGFC

Sistema de Bolsas - CGFC Tutorial:Sistema Sistema de Bolsas - CGFC Como lançar o pagamento de Bolsistas solicitados pelas áreas da UFABC 02/03/2015 Fábio e Rogério Versão 2.1 Conteúdo Tutorial:Sistema de Bolsas - CGFC 2015 Introdução...

Leia mais

MANUAL SOBRE O SISTEMA DE INVENTÁRIO PATRIMONIAL

MANUAL SOBRE O SISTEMA DE INVENTÁRIO PATRIMONIAL MANUAL SOBRE O SISTEMA DE INVENTÁRIO PATRIMONIAL O acesso ao Sistema de Inventário Patrimonial será feito pelo Portal minha UFOP, Inventário Patrimonial, com acesso para computadores operando apenas dentro

Leia mais

SIGA-AD: informatizando os processos administrativos na UFJF

SIGA-AD: informatizando os processos administrativos na UFJF SIGA-AD: informatizando os processos administrativos na UFJF Carlos Alberto Ribeiro, Ely Edison da Silva Matos, Giangiacomo Ponzo Neto, Luiz Emygdio Pedra Guedes Universidade Federal de Juiz de Fora {carlos.ribeiro,ely.matos,gian.ponzo,luiz.guedes}@ufjf.edu.br

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia UFU. Reitor Alfredo Julio Fernandes Neto reitoria@ufu.br. Vice-Reitor Darizon Alves de Andrade reitoria@ufu.

Universidade Federal de Uberlândia UFU. Reitor Alfredo Julio Fernandes Neto reitoria@ufu.br. Vice-Reitor Darizon Alves de Andrade reitoria@ufu. AÇÕES AÇÕES Universidade Federal de Uberlândia UFU Reitor Alfredo Julio Fernandes Neto reitoria@ufu.br Vice-Reitor Darizon Alves de Andrade reitoria@ufu.br Pró-Reitor de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis

Leia mais

AUDITORIA DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA PRESTADOS PELA RADDAR ONLINE À AFFEGO NO PERÍODO 2005/2006

AUDITORIA DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA PRESTADOS PELA RADDAR ONLINE À AFFEGO NO PERÍODO 2005/2006 AUDITORIA DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA PRESTADOS PELA RADDAR ONLINE À AFFEGO NO PERÍODO 2005/2006 Autor: George Alexandre P. de Andrade (Analista de Sistemas, Bacharel em Engenharia Elétrica)

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM Manual do Sumário Conhecendo o SERVICE DESK SYSTEM... 3 - A tela de Acesso ao sistema:... 3 - A tela do sistema após o acesso(exemplo):... 3 OCORRÊNCIAS... 4 - Abertura de chamados:... 4 - Atendendo um

Leia mais

PATRONAGE - ADMINISTRAÇÃO DE BOLSAS E AUXÍLIOS FAPEMA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DO MARANHÃO Rua

PATRONAGE - ADMINISTRAÇÃO DE BOLSAS E AUXÍLIOS FAPEMA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DO MARANHÃO Rua 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 1 COMO ACESSAR O PATRONAGE... 4 2 INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO... 5 3 PRESTAÇÃO DE CONTAS... 8 3.1 Execução do projeto... 8 3.2 Autorização de recursos (remanejamento de recurso,

Leia mais

Soluções em TI para Web

Soluções em TI para Web Integração do Moodle com SIGA-EUC Lino Vaz Moniz lino@badiu.net linovazmoniz@gmail.com Outubro de 2010 1 Sumário 1- Objetivo...3 3- Justificativa...3 4 Funcionalidades do Modulo...4 5- Cronograma...6 6-

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Help Contabilização Rápida E&L Produções de Software

Help Contabilização Rápida E&L Produções de Software Help Contabilização Rápida Note: To change the product logo for your ow n print manual or PDF, click "Tools > Manual Designer" and modify the print manual template. Contents 5 Table of Contents Foreword

Leia mais

Manual do Usuário Instituição

Manual do Usuário Instituição 1 Manual do Usuário Instituição Área Restrita Site de Certificação Controle: D.04.36.00 Data da Elaboração: 13/08/2014 Data da Revisão: - Elaborado por: TIVIT / Certificação ANBIMA Aprovado por: Gerência

Leia mais

CADASTRO DO PCMSO INTERNO 1. OBJETIVO. Padronizar o processo de confecção do PCMSO Interno. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO

CADASTRO DO PCMSO INTERNO 1. OBJETIVO. Padronizar o processo de confecção do PCMSO Interno. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO 1/8 1. OBJETIVO Padronizar o processo de confecção do PCMSO Interno. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO PCMSO Programa de Controle Médico da Saúde Ocupacional; PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais; PCMAT

Leia mais

Contact Center CPqD. Operação. Manual do Cliente. Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0 Março de 2011

Contact Center CPqD. Operação. Manual do Cliente. Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0 Março de 2011 Contact Center CPqD Operação Manual do Cliente Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0 Março de 2011 Contact Center CPqD Operação Manual do Cliente Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0

Leia mais

SERVICE DESK MANAGER SDM. Manual do Sistema - DPOI

SERVICE DESK MANAGER SDM. Manual do Sistema - DPOI SERVICE DESK MANAGER SDM Manual do Sistema - DPOI Conteúdo SERVICE DESK MANAGER SDM... 1 Manual do Sistema - DPOI... 1 INTRODUÇÃO... 4 ACESSO AO SISTEMA... 5 OPÇÕES DO SISTEMA... 6 SISTEMA... 7 Pesquisar

Leia mais

CPqD Gestão Pública. Gestão Escolar Guia de treinamento. Versão do produto: 4.0.0 Edição do documento: 2.0 Abril de 2010

CPqD Gestão Pública. Gestão Escolar Guia de treinamento. Versão do produto: 4.0.0 Edição do documento: 2.0 Abril de 2010 CPqD Gestão Pública Gestão Escolar Guia de treinamento Versão do produto: 4.0.0 Edição do documento: 2.0 Abril de 2010 CPqD Gestão Pública Gestão Escolar Guia de treinamento Versão do produto: 4.0.0 Edição

Leia mais

PAULO OLIVEIRA - Coordenador Geral de Modernização e Informática

PAULO OLIVEIRA - Coordenador Geral de Modernização e Informática Compartilhamento de Soluções livres do MDA PAULO OLIVEIRA - Coordenador Geral de Modernização e Informática Cenário Equipe de Trabalho Coordenação Geral Paulo Oliveira Análise de Sistemas Ederson Szukzelvisck

Leia mais

Ser referência de excelência nas soluções de consultoria e desenvolvimento de sistemas de informação, superando as expectativas dos clientes.

Ser referência de excelência nas soluções de consultoria e desenvolvimento de sistemas de informação, superando as expectativas dos clientes. DOMPER CONSULTORIA E SISTEMAS LTDA Rua Dr. Flores, 273 Sala 30-1 andar Ed. Frozzi CEP: 95.200-000 - Vacaria RS Fone (54) 3232-6119 / (54) 3232-8484 / (54) 3232-1471 CNPJ: 08.020.035/0001-02 IE: 154/0101158

Leia mais

[PÚBLICA] Manual Operacional. Sistema GEUI Gestão de Usuários da Internet. Produto: Consignado

[PÚBLICA] Manual Operacional. Sistema GEUI Gestão de Usuários da Internet. Produto: Consignado 1 [PÚBLICA] Manual Operacional Sistema GEUI Gestão de Usuários da Internet Produto: Consignado ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Objetivo do Manual... 3 1.2. Público Alvo... 3 1.3. Conteúdo do Manual... 3

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

PROCESSO DE CONVERGÊNCIA DA CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL. Parte 3 Procedimento Contábil da Reavaliação

PROCESSO DE CONVERGÊNCIA DA CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL. Parte 3 Procedimento Contábil da Reavaliação PROCESSO DE CONVERGÊNCIA DA CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL Parte 3 Procedimento Contábil da Reavaliação Conforme comentado na parte 2, durante o período de transição da contabilidade municipal aos novos

Leia mais

Declaração de Escopo. Projeto PDTI Informações Gerenciais

Declaração de Escopo. Projeto PDTI Informações Gerenciais Declaração de Escopo Projeto PDTI Informações Gerenciais Maio/2008 PRESIDÊNCIA Belo Horizonte, MG 3 3 Revisão 2 após replanejamento do projeto Fátima Freiria 05/05/2008 2 2 Revisão 1 após contratação Consist

Leia mais

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

ESTRUTURA PARA PORTAIS ELETRÔNICOS MUNICIPAIS

ESTRUTURA PARA PORTAIS ELETRÔNICOS MUNICIPAIS ESTRUTURA PARA PORTAIS ELETRÔNICOS MUNICIPAIS 1. Apresentação Os sites e sistemas web desenvolvidos pela Dynamika apresentam um conjunto de critérios de desenvolvimento que visam entregar o projeto de

Leia mais

Modelagem do Sistema EMD Vanice Pinheiro do Amaral Silva, Alberto da Silva Lobo

Modelagem do Sistema EMD Vanice Pinheiro do Amaral Silva, Alberto da Silva Lobo Modelagem do Sistema EMD Vanice Pinheiro do Amaral Silva, Alberto da Silva Lobo NTI Núcleo de Tecnologia e Informação Fundação Unirg 1. Introdução A utilização da informática surgiu como uma ferramenta

Leia mais

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE PATRIMÔNIO CONCEITO: Compreende o conjunto de bens, direitos e obrigações avaliáveis em moeda corrente, das entidades que compõem a Administração Pública.

Leia mais

A solução para otimizar seus negócios e acelerar seu crescimento. Modulo Financeiro para o SAP Business One. FinancialOne

A solução para otimizar seus negócios e acelerar seu crescimento. Modulo Financeiro para o SAP Business One. FinancialOne A solução para otimizar seus negócios e acelerar seu crescimento. Modulo Financeiro para o SAP Business One FinancialOne Renegociação de títulos Taxa de encargos - xa por mês; Possibilidade de desconto

Leia mais

Soluções para Administração Municipal. Outubro 2010

Soluções para Administração Municipal. Outubro 2010 Soluções para Administração Municipal Outubro 2010 Entre as maiores de TI no país Do tamanho do Brasil Sede: Jacarepaguá, Rio de Janeiro Sedes Regionais - Rio, São Paulo, Brasília, Curitiba e Recife 28

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato ÍNDICE Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato Apresentação do produto O Mobilize é uma solução mobile modular para

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E ATIVIDADES COMPLEMENTARES DEPARTAMENTO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Emerson Barros de Meneses

Leia mais

Manual Versão 11.12.00

Manual Versão 11.12.00 Manual Versão 11.12.00 1. Relatório Comercial Prospects x Clientes a. Nr Caso: TI-991 c. Objetivo: Mostrar ticket médio e taxa de conversão das vendas. d. Filtros: i. Data: Data do Pedido. ii. Retornar:

Leia mais

Processo: Produção. Acesso. Motivação. Parâmetros. Nome do Processo: Geração de numeração de chassi

Processo: Produção. Acesso. Motivação. Parâmetros. Nome do Processo: Geração de numeração de chassi Pendências 21026/23314/23604/23809 Versão 2009 Release 2 Autor Jaciara Processo: Produção Nome do Processo: Geração de numeração de chassi Acesso PRODUÇÃO Andamento de produção Motivação Manter um histórico

Leia mais

Utility Systems - Gestão 2.0 para gráficas, bureaus e acabamento

Utility Systems - Gestão 2.0 para gráficas, bureaus e acabamento Utility Systems - Gestão 2.0 para gráficas, bureaus e acabamento www.utility.com.br VISÃO GERAL O Utility é um aplicativo web, multiplataforma, que possui cinco módulos independentes capazes de oferecer

Leia mais

Sumário. Antecedentes legais. Atividades relevantes. O que é o SIGAP. Estrutura simplificada do SIGAP. Principais benefícios

Sumário. Antecedentes legais. Atividades relevantes. O que é o SIGAP. Estrutura simplificada do SIGAP. Principais benefícios Sumário Antecedentes legais Atividades relevantes O que é o SIGAP Relevância do SIGAP para o acompanhamento de projetos Estrutura simplificada do SIGAP Principais benefícios Atividades em desenvolvimento

Leia mais

Universo Online S.A 1

Universo Online S.A 1 Universo Online S.A 1 1. Sobre o UOL HOST O UOL HOST é uma empresa de hospedagem e serviços web do Grupo UOL e conta com a experiência de mais de 15 anos da marca sinônimo de internet no Brasil. Criado

Leia mais

Apresentação. E&L ERP Administração de Receitas Tributárias. rias. PostgreSQL 8.3. Domingos Martins ES. v. 1.0

Apresentação. E&L ERP Administração de Receitas Tributárias. rias. PostgreSQL 8.3. Domingos Martins ES. v. 1.0 Apresentação 1 E&L ERP Administração de Receitas Tributá PostgreSQL 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Receitas Tributá Introdução: Com a crescente necessidade de gerar sua própria receita, os Municípios

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Processamento de Dados

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Processamento de Dados Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Processamento de Dados Termo de Referência Contratação de serviços de desenvolvimento de sistemas informatizados para implementar o portal online para a

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO MANUAL DE FUNÇÕES

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO MANUAL DE FUNÇÕES SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO MANUAL DE FUNÇÕES Responsável: Marco Antônio Ferreira Cópia Controlada - Revisão 16 de 11/02/2011 e Aprovado INTRODUÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA EM SAÚDE (CTIS)

REGIMENTO INTERNO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA EM SAÚDE (CTIS) Página 1 de 12 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA

Leia mais

Treinamento GVcollege Módulo Financeiro 1

Treinamento GVcollege Módulo Financeiro 1 Treinamento GVcollege Módulo Financeiro 1 2013 GVDASA Sistemas Caixa AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

DataDoc 4.0 Sistema de Gestão de Arquivos. Características do Sistema

DataDoc 4.0 Sistema de Gestão de Arquivos. Características do Sistema DataDoc 4.0 Sistema de Gestão de Arquivos O software DataDoc 4.0 tem como finalidade automatizar a gestão de acervos documentais, englobando todas as fases da documentação. Totalmente desenvolvido em plataforma

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE HELP DESK. Frederico Calazans Barbosa UBC - Universidade Braz Cubas Mogi das Cruzes/ SP

SISTEMA DE CONTROLE DE HELP DESK. Frederico Calazans Barbosa UBC - Universidade Braz Cubas Mogi das Cruzes/ SP SISTEMA DE CONTROLE DE HELP DESK Frederico Calazans Barbosa UBC - Universidade Braz Cubas Mogi das Cruzes/ SP Antonio Carlos da Cunha Migliano UBC - Universidade Braz Cubas Mogi das Cruzes/ SP RESUMO Este

Leia mais

Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M

Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M 1. Introdução a política 2. Quem está elegível para solicitar suporte? 3. Horário de atendimento 4. Que tempo de resposta

Leia mais

SIPAC- SISTEMA INTEGRADO DE PATRIMÔNIO, ADMINISTRAÇÃO E CONTRATOS MÓDULO DE PROTOCOLO MANUAL DE OPERAÇÃO Versão 1.0 Dezembro/2012

SIPAC- SISTEMA INTEGRADO DE PATRIMÔNIO, ADMINISTRAÇÃO E CONTRATOS MÓDULO DE PROTOCOLO MANUAL DE OPERAÇÃO Versão 1.0 Dezembro/2012 SIPAC- SISTEMA INTEGRADO DE PATRIMÔNIO, ADMINISTRAÇÃO E CONTRATOS MÓDULO DE PROTOCOLO MANUAL DE OPERAÇÃO Versão 1.0 Dezembro/2012 Caro Gestor, Este manual de operação tem por objetivo instruí-lo sobre

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE DE ENTRADA E SAÍDA NO CAMPUS CAPIVARI

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE DE ENTRADA E SAÍDA NO CAMPUS CAPIVARI MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE DE ENTRADA E SAÍDA NO CAMPUS CAPIVARI NOVEMBRO DE 2014 1 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE DE ENTRADA E SAÍDA NO CAMPUS CAPIVARI Este manual tem

Leia mais

Aplicação FUNCIONALIDADES

Aplicação FUNCIONALIDADES O sistema Advice é uma solução Corpdigital baseada na web que centraliza, de forma totalmente integrada, as atividades de um conselho de fiscalização profissional. A ferramenta apresenta módulos integrados

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DO SIE-SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O ENSINO

MANUAL DO USUÁRIO DO SIE-SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O ENSINO MANUAL DO USUÁRIO DO SIE-SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O ENSINO INTRODUÇÃO Esse manual destina-se a usuários do Sistema de Informação para o Ensino -SIE Módulo Protocolo e tem por finalidade apresentar as

Leia mais

1. Documento: 23330-2015-2

1. Documento: 23330-2015-2 1. Documento: 23330-2015-2 1.1. Dados do Protocolo Número: 23330/2015 Situação: Ativo Tipo Documento: Termo de Abertura do Projeto Assunto: Planejamento estratégico - Metas Unidade Protocoladora: DADM

Leia mais

Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família

Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família Desde o dia 01 de dezembro, o novo sistema de Gestão do Programa Bolsa Família (SIGPBF) do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) está disponível para os

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA E CAPACITAÇÃO ORIENTAÇÃO TÉCNICA FECHAMENTO DO BALANÇO GERAL

DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA E CAPACITAÇÃO ORIENTAÇÃO TÉCNICA FECHAMENTO DO BALANÇO GERAL DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA E CAPACITAÇÃO ORIENTAÇÃO TÉCNICA FECHAMENTO DO BALANÇO GERAL 012/2011 Elaborada em 28/12/2011 Este documento descreve os procedimentos que devem ser adotados para o fechamento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup.

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup. INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16 Telemarketing Ativo Origem: Diretoria Superintendência Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Mato Grosso Instrução Normativa: 14.16/08-01 Revisão nº 0102

Leia mais

SISTEMAS CORPORATIVOS

SISTEMAS CORPORATIVOS SISTEMAS CORPORATIVOS ERPEnterprise Resource Planning Saúde Hospitais Clínicas Consultórios Medicina Diagnóstica Laboratorial Medicina Diagnóstica Imagem Projetado com módulos que se comunicam entre si,

Leia mais

SISTEMA PATRIMÔNIO WEB

SISTEMA PATRIMÔNIO WEB UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Subcomissão de Patrimônio - GEFIM REITORIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO COMPATRIM/GEFIM SISTEMA PATRIMÔNIO WEB Manual do usuário v.1.1 Sumário Introdução... 4 Fluxo das Principais

Leia mais

ANEXO VII PROPOSTA DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ANEXO VII PROPOSTA DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ANEXO VII PROPOSTA DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Universidade Federal do Pampa UNIPAMPA Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação NTIC Av. Tiarajú, 810. Ibirapuitã. Alegrete-RS. CEP

Leia mais

Apresentação Comercial

Apresentação Comercial Apresentação Comercial Quem Somos O HANT é uma vertical da empresa NDDigital, com foco em desenvolver soluções através de software e serviços direcionados a atender a cadeia de compra das empresas, desde

Leia mais

Sistema de Gestão de Empresas do Terceiro Setor Contabilidade e Finanças em um único software

Sistema de Gestão de Empresas do Terceiro Setor Contabilidade e Finanças em um único software Sistema de Gestão de Empresas do Terceiro Setor Contabilidade e Finanças em um único software APRESENTAÇÃO A FP2 Tecnologia é uma empresa jovem, com apenas cinco anos de fundação, mas que conta com a experiência

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015

EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015 Londrina, 07 de outubro de 2015. EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015 OBJETO: Art.1º. Constitui objeto desta licitação a aquisição de 01 (uma) Plataforma de Solução

Leia mais

Guia do usuário GLPI. Versão 0.78.5 Modificada- Thiago Passamani

Guia do usuário GLPI. Versão 0.78.5 Modificada- Thiago Passamani Guia do usuário GLPI Versão 0.78.5 Modificada- Thiago Passamani 1 -O que é GLPI? GLPI(Gestionnaire Libre de Parc Informatique ) é a uma sigla em Francês, que significa Gestão de Parque de Informática Livre.

Leia mais

O Sistema mais completo. de Captura e GED. do Mercado. MegaGED

O Sistema mais completo. de Captura e GED. do Mercado. MegaGED O Sistema mais completo de Captura e GED do Mercado AutoStore O AutoStore é um software de captura e distribuição de documentos (Texto, Imagens e Arquivos Eletrônicos) Com o AutoStore é possível automatizar

Leia mais

i-educar Sistema de Gestão Escolar

i-educar Sistema de Gestão Escolar i-educar Sistema de Gestão Escolar Sistema de Gestão Escolar i-educar O i-educar é um sistema integrado de gestão escolar, desenvolvido com o objetivo principal de centralizar informações sobre o sistema

Leia mais

Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS

Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS Alcides Vaz da Silva 1 Luiz Gustavo Galves Mählmann 2 Newton Muller 3 RESUMO Este artigo apresenta o projeto de desenvolvimento de um Sistema de Informação

Leia mais

TACTIUM ecrm Guia de Funcionalidades

TACTIUM ecrm Guia de Funcionalidades TACTIUM ecrm Guia de Funcionalidades 1 Interagir com seus clientes por variados meios de contato, criando uma visão unificada do relacionamento e reduzindo custos. Essa é a missão do TACTIUM ecrm. As soluções

Leia mais

INFOGAB 3.0. Sistema de Automação de Gabinetes. Manual do Usuário V 2.1

INFOGAB 3.0. Sistema de Automação de Gabinetes. Manual do Usuário V 2.1 INFOGAB 3.0 Sistema de Automação de Gabinetes Manual do Usuário V 2.1 1. Descrição do Sistema O Sistema de Automação de Gabinetes da Câmara dos Deputados (Infogab) tem por finalidade apoiar as atividades

Leia mais

Manual do Usuário DENATRAN

Manual do Usuário DENATRAN Manual do Usuário DENATRAN Confidencial Portal SISCSV - 2007 Página 1 Índice Analítico 1. INTRODUÇÃO 5 2. ACESSANDO O SISCSV 2.0 6 2.1 Configurando o Bloqueador de Pop-Ups 6 3. AUTENTICAÇÃO DO USUÁRIO

Leia mais

Manual de utilização do módulo de Indisponibilidade de bens

Manual de utilização do módulo de Indisponibilidade de bens Manual de utilização do módulo de Indisponibilidade de bens Apresentação Conforme provimento 39/2014, da Corregedoria Nacional da Justiça, fica instituída a Central Nacional de Indisponibilidade de Bens

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

Adicionais. Grupo Acert - 1

Adicionais. Grupo Acert - 1 MÓDULOS Adicionais Grupo Acert - 1 ÍNDICE 1 - ESTOQUE 1.1- Balanço de Estoque 03 2 - FATURAMENTO/FINANCEIRO 2.1- Pagamento Eletrônico (Fornecedores) 2.2- Plug-in Cheque Custódia 06 07 3 - FISCAL e CONTÁBIL

Leia mais

Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. CADASTRO DA EMPRESA... 8 3. CONTROLE DE PERMISSÕES... 14 4. CONFIGURAÇÕES DA EMPRESA... 19 5. CND...

Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. CADASTRO DA EMPRESA... 8 3. CONTROLE DE PERMISSÕES... 14 4. CONFIGURAÇÕES DA EMPRESA... 19 5. CND... Sage CND Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 1.1. Primeiro Acesso... 2 1.2. Conhecendo a Plataforma Sage... 4 1.2.1. Seleção de Empresa de Trabalho... 4 1.2.2. Sair do sistema/minhas Configurações... 5 1.2.3.

Leia mais