Gerenciamento de Risco Abril de 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerenciamento de Risco Abril de 2011"

Transcrição

1 BTG Pactual Av. Brigadeiro Faria Lima, º Andar - Itaim Bibi São Paulo - SP - Brasil Tel

2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 3 2 OBJETIVO 3 3 ESCOPO DE GERENCIAMENTO DE RISCO 3 4 MAPA DE RISCO 3 5 GOVERNANÇA 4 6 RISCO DE MERCADO 4 7 RISCO DE CRÉDITO 9 8 RISCO DE LIQUIDEZ 16 9 RISCO OPERACIONAL BASILÉIA 22 Página 2 de 24

3 1 INTRODUÇÃO Este relatório visa informar as metodologias de gerenciamento de risco da organização, detalhando as exposições das operações de acordo com as recomendações do Comitê de Supervisão Bancária de Basiléia (Pilar III) e as determinações do Banco Central do Brasil. A análise deste documento em conjunto com as demonstrações financeiras permitirá uma visão completa das atividades do BTG Pactual. 2 OBJETIVO O objetivo do gerenciamento de risco é o de obter controle pleno sobre todos os riscos inerentes aos negócios da instituição, visando primordialmente a preservação do capital/patrimônio da instituição e auxiliando a administração na seleção das melhores oportunidades de negócios, consequentemente melhor utilização do capital. 3 ESCOPO DE GERENCIAMENTO DE RISCO O gerenciamento e o controle de riscos do BTG Pactual permite o monitoramento completo dos negócios desenvolvidos no âmbito do conglomerado Financeiro e Econômico-Financeiro, identificando, mensurando, mitigando e controlando as operações, suportando assim o desenvolvimento sustentado das atividades do Banco. 4 MAPA DE RISCO O BTG Pactual, mapeou os riscos pertinentes as suas atividades, seguindo as determinações do Banco Central do Brasil, indicados na circular nº (que dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos) e destaca os riscos mapeados a seguir como os principais: Risco de Mercado - possibilidade de ocorrência de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado das posições detidas por uma instituição financeira, bem como das suas margens financeiras, incluindo os riscos das operações sujeitas à variação cambial, das taxas de juros, dos preços de ações e dos preços de mercadorias ( commodities ). Risco de Crédito - possibilidade de ocorrência de perdas associadas ao não cumprimento, pelo tomador ou contraparte, de suas respectivas obrigações financeiras nos termos pactuados à desvalorização de contrato de crédito decorrente da deterioração na classificação de risco do tomador, à redução de ganhos ou remunerações, às vantagens concedidas na renegociação e aos custos de recuperação. Risco de Liquidez possibilidade de ocorrência de desequilíbrios entre ativos negociáveis e passivos exigíveis - "descasamentos" entre pagamentos e recebimentos - que possam afetar a capacidade de pagamento da instituição, levando-se em consideração as diferentes moedas e prazos de liquidação de seus direitos e obrigações. Risco Operacional - possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falha, deficiência ou inadequação de processos internos, pessoas e sistemas, ou de eventos externos. Inclui o risco legal, associado à inadequação ou deficiência em contratos firmados pela instituição, bem como a sanções em razão de descumprimento de dispositivos legais e a indenizações por danos a terceiros decorrentes das atividades desenvolvidas pela instituição. Página 3 de 24

4 5 GOVERNANÇA DOS ESCRITÓRIOS GLOBAIS (PRIMEIRA LINHA) 6 RISCO DE MERCADO O Risco de Mercado é definido essencialmente como o risco de perdas decorrentes de movimentos adversos nos preços dos componentes de risco subjacentes às posições em carteira. Todo Risco de Mercado, seja ele oriundo de atividades de trading ou de qualquer outra área de negócios do banco, deve ser identificado, devidamente mensurado, monitorado e controlado com intuito de proteger a instituição de exposições indesejáveis. Este documento tem por objetivo descrever a estrutura de controle de Risco de Mercado do BTG Pactual, bem como a política de estabelecimento e monitoramento dos limites de risco VaR, Stress, Exposição / Concentração e Operacionais, além do Controle do Nível de Perdas. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO As áreas de trading do banco são, em primeira instância, as principais responsáveis pelo gerenciamento do risco de mercado. As áreas de negócio que não tiverem um mandato específico para tal devem transferir qualquer risco de mercado material que porventura exista no portfólio para as áreas de trading. A área de Risco de Mercado exerce a função de controle do risco de mercado e atua de forma independente das áreas de Negócios, reportando-se diretamente ao CRO do BTG Pactual. Página 4 de 24

5 RESPONSABILIDADES DA ÁREA DE RISCO DE MERCADO Identificação e mensuração do Risco de Mercado através do cálculo de var, testes de estresse e cálculo de exposições e sensibilidades das carteiras; Elaboração de relatórios diários para a divulgação dos números de risco para os responsáveis pelas áreas de trading e para o Senior Management, dando o suporte necessário para o correto gerenciamento do risco; Estabelecimento, controle e revisão das políticas de risco vigentes, incluindo os limites de risco; Estabelecimento e revisão dos modelos de cálculo de risco utilizados; Estabelecimento e revisão dos cenários de Stress Test Hipotéticos; Geração de análises de backtesting com o input dos resultados calculados pela área de Finance; Monitoramento contínuo dos riscos incorridos e investigação de qualquer anomalia aparente, incluindo: a) Inconsistências entre o risco reportado e o (não somente as exceções de backtesting, mas qualquer situação onde haja uma divergência significativa entre eles), que devem ser investigados junto à área de Finance; b) Inconsistências entre os riscos incorridos e as estratégias das áreas de negócios sempre que necessário, escalando para o Senior Management e Heads das áreas de trading; e c) Posições que não estejam sendo aparentemente gerenciadas de forma ativa. LIMITES DE RISCO DE MERCADO Com o intuito de manter alinhado o risco incorrido pelas áreas de negócio do BTG Pactual às expectativas de resultado, e observando principalmente a base de capital do BTG Pactual, foram estabelecidos limites de Risco de Mercado a serem seguidos pelas mesas. Os limites de Risco de Mercado são controlados através das seguintes medidas de risco: Limites de Portfolio: Limites de VaR 95% (1 dia) por portfolio / área de negócio. Limites de Stress Test Hipotético por área de negócio região. Limites de Concentração Limites de Exposição / concentração em fatores de risco por países / regiões / emissores. Limites Operacionais: Limites utilizados para cobrir eventuais riscos materiais que não estejam adequadamente capturados pelas métricas tradicionais, incluindo exposições a fatores de risco não observáveis. Eles também podem ser definidos quando condições específicas de mercado, incluindo liquidez, ou deficiências de controle indicarem a sua necessidade. LIMITES VIGENTES Os limites atualmente vigentes de VaR, Stress e Exposição são divulgados diariamente no relatório de risco consolidado gerado pela área de Risco de Mercado, com a respectiva utilização observada para cada uma das mesas. O relatório é enviado para os responsáveis pelas áreas de trading na parte da manhã e é o principal instrumento para monitoramento dos limites. Página 5 de 24

6 ESTABELECIMENTO DOS LIMITES A revisão dos limites é feita com freqüência mínima trimestral, observando-se tanto o histórico de utilização de risco quanto à expectativa de exposição média / máxima de cada área de trading. A área de Risco de Mercado elabora uma proposta de limites, considerando principalmente a base de capital corrente do BTG Pactual, submetendo o documento à aprovação do Comitê de Risco. CONTROLE DE PERDAS ( STOP LOSS ) Todas as posições devem ter um nível de Stop Loss associado e estes devem ser respeitados. O Stop Loss é definido pela área de gestão e, via de regra, é mais próximo aos preços de mercado em posições de trading e pouco mais distante em posições estruturais. Adicionalmente, o Comitê de Risco define níveis de Stop Loss (atrelados aos resultados consolidados da Tesouraria) que são monitorados; uma vez atingidos, o Comitê de Risco é responsável por decidir se posições devem ou não ser reduzidas e em qual velocidade. ALTERAÇÕES/EXCEÇÕES Qualquer tipo de alteração ou exceção à presente política deve ser aprovada pelo Comitê de Risco, composto pelo CEO, COO, CFO e os responsáveis pela área de Risco de Mercado, Risco de Crédito e Risco Operacional. CARTEIRA DE NEGOCIAÇÂO (TRADING BOOK) E BANKING BOOK De acordo com a Circular nº 3.354, que estabelece os critérios mínimos para a classificação das operações das instituições financeiras na Carteira de Negociação (Trading Book) e fora da Carteira de Negociação (Banking Book), e a Circular nº 3.365, que dispõe sobre a mensuração do risco de taxas de juros das operações do Banking Book, o BTG Pactual segrega as operações classificadas na carteira de Banking Book das operações classificadas como Trading Book para cálculo do Risco de Mercado. A mensuração de risco do Banking Book segue as premissas apontadas na circular nº 3.365, avaliando as operações sensíveis à variação nas taxas de juros, incluindo a utilização de técnicas de mensuração de risco em cenários de estresse. Valor total da Carteira de Negociação nos respectivos fatores de Risco de Mercado Comprado Dez Vendido Ações 5,178,876-4,230, ,499 Cambial 20,527,822-20,548,926-21,104 Commodities 936, , ,897 Taxa de Juros 103,100,884-55,501,028 47,599,857 Total Comprado Set Vendido Ações 2,976,504-2,565, ,141 Cambial 13,941,100-13,840, ,121 Commodities 139,264-82,259 57,005 Taxa de Juros 179,559,694-65,121, ,438,051 Total Página 6 de 24

7 Comprado Jun Vendido Ações 2,622,692-1,845, ,129 Cambial 15,574,185-15,529,841 44,344 Commodities 76, ,264-26,195 Taxa de Juros 49,250,587-51,040,305-1,789,717 Comprado Mar Vendido Ações 4,103,842-3,044,028 1,059,814 Cambial 22,233,961-21,791, ,565 Commodities 166, ,614 39,738 Taxa de Juros 95,861,006-78,187,379 17,673,627 Total Total Valor total Fora da Carteira de Negociação com risco de Taxa Dez Comprado Vendido Total Taxa de Juros 2,623, ,867 1,983,415 Set Total Comprado Vendido Taxa de Juros 1,337, , ,156 Jun Total Comprado Vendido Taxa de Juros 855, , ,613 Mar Total Comprado Vendido Taxa de Juros 500, , ,182 Página 7 de 24

8 Valor total da Exposição a Instrumentos Financeiros Derivativos Brasil Dez Exterior Comprado Vendido Comprado Vendido Ações 1,643,229-1,911,225 1,234, , ,739 Cambial 4,565,421-5,863,842 11,618,990-12,206,466-1,885,896 Commodities 21,548-3, , , ,897 Taxa de Juros 60,425,451-26,454,473 11,388,076-10,954,984 34,404,070 Total Brasil Set Exterior Comprado Vendido Comprado Vendido Ações 624, , , , ,285 Cambial 4,004,820-5,017,265 6,109,831-6,524,589-1,427,204 Commodities 17,682-9, ,582-73,029 57,005 Taxa de Juros 144,678,095-46,475,861 5,758,408-6,348,366 97,612,277 Total Brasil Jun Exterior Comprado Vendido Comprado Vendido Ações 516, , ,623-94, ,285 Cambial 4,783,432-4,981,654 10,073,292-9,862,731 12,339 Commodities 16,066-5,041 60,003-97,223-26,195 Taxa de Juros 23,055,558-34,149,031 10,159,587-9,814,481-10,748,366 Total Brasil Mar Exterior Comprado Vendido Comprado Vendido Ações 1,664,891-1,234, , , ,963 Cambial 4,068,218-4,804,261 14,328,361-14,050, ,047 Commodities 13,638-22, , ,217 39,738 Taxa de Juros 63,489,250-55,464,279 12,267,657-12,077,267 8,215,362 Total Página 8 de 24

9 7 RISCO DE CRÉDITO O Risco de Crédito consiste na possibilidade de ocorrência de perdas associadas ao não cumprimento pelo tomador ou contraparte de suas respectivas obrigações financeiras nos termos pactuados, à desvalorização de contrato decorrente da deterioração na classificação de risco do tomador e à redução de ganhos ou remunerações. O risco de crédito é inerente à atividade de empréstimos, e está presente em alguns produtos de derivativos, bem como em determinadas operações estruturadas. O risco de crédito existe em Banking Products e Traded Products: O risco de Banking Products abrange os valores a receber de uma contraparte ou seus garantidores advindos da concessão de recursos financeiros, investimentos de recursos em outra instituição (depósitos bancários ou interfinanceiros), aquisição de títulos privados, bem como emissão de garantias/cartas de crédito, ou o comprometimento de fazê-lo. A exposição de Banking Products é capturada em termos nominais. Exposição de Banking Products = Principal + Juros O risco de Traded Products abrange os valores a receber - reais ou potencias - de uma contraparte em operações de derivativos, empréstimo de ações (fora do mercado de bolsa) bem como em compromissos de recompra ou revenda de títulos. No BTG Pactual, essa exposição é reportada como a soma da exposição potencial máxima para o prazo da operação 1 mais o valor a receber da contraparte (marcação a mercado positiva). Essa exposição é dada pela seguinte fórmula: Exposição de Traded Products = [Notional x (add-on)] + MTM O risco de default inerente aos ativos detidos pela Tesouraria (risco do emissor) é reportado como exposição a risco de mercado, tendo em vista a liquidez de tais ativos e a existência de mercado secundário para os mesmos. A exposição de crédito pode ser visualizada em dois diferentes níveis: exposição bruta e exposição líquida. A exposição bruta reconhece os valores devidos sem nenhum tipo de garantia recebida pelo conglomerado enquanto a exposição líquida reconhece reduções advindas de colateral, garantias, transferência de risco e acordos de compensação por netting. A mensuração da exposição líquida da garantia só ocorre onde existe parecer do departamento jurídico do conglomerado favorável a tal situação. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO A área de renda fixa-crédito (credit fixed income) está dividida em três mesas, quais sejam: Negociação e subscrição de créditos (credit trading and underwritting desk). Créditos Estratégicos (strategic credit desk) Securitização Essas áreas são as detentoras de todos os riscos de crédito assumidos pelo BTG Pactual e são também responsáveis pelo gerenciamento ativo e contínuo de todas as exposições de crédito. 1 A Área de Gerencialmente de Risco de Mercado é responsável pelo cálculo dos fatores de risco (add-on) que refletem a potencial exposição de crédito em determinado prazo. Como referência, incluímos o Anexo I com a Tabela de Fatores de Risco vigente. Página 9 de 24

10 A Área de Controle de Risco de Crédito é responsável por identificar, mensurar, monitorar, controlar e reportar o risco de crédito das operações realizadas pelo Conglomerado. O Head da área de Controle de Risco de Crédito aloca recursos para o desenvolvimento, manutenção e aprovação das políticas de risco que devem refletir os Princípios de Controle do Conglomerado BTG Pactual. As propostas de crédito são trazidas pelas áreas de negócios através de memoranduns internos ou trocas de s. Caso o cliente seja uma entidade nova para o Banco (não cliente), as áreas de negócios submetem um NOC (confirmação de não-objeção - non-objection confirmation). A idéia do NOC é verificar se algum membro sênior do Grupo (relacionado das áreas de crédito e/ou business) tem informação negativa relevante que justifique a recusa de determinado nome à base de clientes do Grupo BTG Pactual (histórico ruim, por exemplo). A partir do NOC, é realizado um comitê de crédito inicial conhecido internamente como NBCC (New Business Commitment Committee). Neste comitê estão presentes membros representantes de diversas áreas: controle de risco de crédito; áreas de estruturação (CTU, SCD e Securitização); área comercial (corporate ou sales); back-office de crédito; jurídico, risco de mercado; compliance e área de distribuição. Nesse fórum são discutidos os principais pontos da operação e pessoas destacadas de cada uma das áreas são alocadas a trabalharem na due-dilligence do cliente/operação ( Grupo de Trabalho ). Esse Grupo de Trabalho entra em contato com o cliente, realiza visitas, devidas verificações, consulta escritórios externos ou consultorias, se necessário, e se prepara para apresentar a proposta final ao comitê de crédito final (conhecido como FCC Final Credit Committee). O FCC é, portanto, o comitê de aprovação de propostas de crédito. Sempre estarão presentes representantes da área de Controle de Risco de Crédito (CRC), das áreas de negócios, da área de operações, do jurídico, de compliance bem como o responsável pela área de Renda Fixa do Grupo (detentor de alçada). A alçada dos membros do time de CRC é soberana à alçada das áreas de negócios CRC tem poder de veto em toda e qualquer operação apresentada. Em determinadas situações, a alçada do sócio responsável por CRC é excedida e existe necessidade de aprovação da operação pelo COO (Chief Operating Officer) do Grupo. O mesmo pode acontecer em relação ao chefe da área de Renda Fixa, situação que demandará aprovação do CEO do Grupo. O Comitê de Risco do Conglomerado - do qual fazem parte o CEO, COO, CFO, CRO Heads das áreas de Controle de Risco de Crédito e Risco de Mercado no que tange a Risco de Crédito, é responsável pela aprovação das Políticas & Procedimentos relacionados ao gerenciamento de Risco de Crédito, definição de limites setoriais, limites de portfolio entre outros, bem como pela aprovação das alçadas de crédito. O Management Committee Brazil - do qual fazem parte CEO, COO, CFO e principais sócios do Grupo, incluindo o Head da área de Controle de Risco de Crédito é responsável pela aprovação das alçadas de crédito das áreas de negócios. Esse comitê definirá, ainda, o conteúdo e a freqüência dos relatórios de risco de crédito internos e para uso regulatório. A não observância dessa política poderá levar a sanções disciplinares, inclusive desligamento. ESTABELECIMENTO E MANUTENÇÃO DE CONTRAPARTES DE CRÉDITO Todo potencial cliente de crédito deve seguir o Programa de AML (Prevenção a Lavagem de Dinheiro) e Programa de Identificação de Cliente (CIP). Todo Cliente deverár possuir as pesquisas de background checkings definidas no referido procedimento e ter sido aprovado por AML Compliance. Crontrapartes de crédito devem ser analisadas pela área de Controle de Risco de Crédito (CRC) e as mesmas estarão sujeitas a aprovação prévia de limites pelas alçadas competentes (alçadas demonstradas no Anexo III dessa política). É de responsabilidade das áreas de negócios assegurarem que em negociações com a contraparte não seja dado um compromisso direto ou implícito sem o conhecimento e aprovação do Officer de Crédito (CO). Página 10 de 24

11 Excessos de limites são passíveis de medidas disciplinares. Todas as contrapartes do Conglomerado estão sujeitas ao acompanhamento contínuo e a revisões periódicas. CONTROLE DA EXPOSIÇÃO DE CRÉDITO Visão Geral O Conglomerado BTG Pactual estabelece verificações de exposição de crédito e risco para produtos, operações, contrapartes e portfolios a fim de identificar, quantificar e controlar as várias facetas do risco de crédito. Produto Todos os instrumentos financeiros que geram algum tipo de risco de crédito para o Conglomerado (incluindo-se empréstimos em geral; compra de títulos privados; operações estruturadas; operações de derivativos; fianças; garantias concedidas em colocações de mercado de capitais; etc.) deverão ser capturados e sua exposição reportada adequadamente. Como mencionado anteriormente, os Banking Products são monitorados em bases nominais enquanto os Traded Products refletem a exposição potencial do Conglomerado no prazo da operação e em determinado ativo 2. Contraparte A exposição por contraparte é calculada pela soma das exposições em diversos produtos. As exposições são vistas de forma bruta em função da atual infra-estrutura dos sistemas de controle, mas existem relatórios que refletem a exposição líquida por contraparte. Portfolio A exposição do portfolio é utilizada para identificar concentrações de risco entre as classificações Setorial, por Grupo e por Produto. As exposições são agregadas de forma bruta e deduzidas quando aplicável da provisão de crédito estabelecida para as mesmas. Probabilidade de Default e Ratings A Probabilidade de Default (PD) é um parâmetro estatístico utilizado pela área de Controle de Risco de Crédito que estima a chance que uma contraparte não cumprirá com suas obrigações (declaração de moratória ou default). A probabilidade de default está associada a contrapartes e o rating da contraparte corresponde a uma faixa de probabilidades de default em certo período de tempo (1 ano no caso do BTG Pactual). A tabela abaixo detalha as probabilidades de default de cada rating. Os ratings são determinados com base nos modelos internos do grupo BTG Pactual e os mesmos devem ser revisados anualmente. Rating Probalidade de Default (PD) 1 ano AAA 0.02% AA+, AA, AA- 0.04% A+, A, A- 0.08% BBB+, BBB 0.17% BBB- 0.35% BB+ 0.63% BB 1.46% BB- 2.70% B+ 4.60% 2 Ativo nesse contexto refere-se ao ativo de referência/underlying da operação, ou seja, vértice sobre o qual é calculada a volatilidade potencial do preço de tal ativo que leva ao seu fator de risco potencial ou add-on. Tal cálculo é efetuado pela área de Gerenciamento de Risco de Mercado. Página 11 de 24

12 B 7.75% B % CCC 22.00% Nota: Além de trabalharmos com essa escala de ratings internamente, o BTG Pactual atende a Resolução do CMN e também classifica os clientes/operações de acordo com a escala mencionada na referida Resolução que incorpora não somente a classificação de risco do cliente/operação, como também o número de dias em atraso de determinada operação. Página 12 de 24

13 Valor de recuperação (Loss Given Default) A probabilidade de default de uma contraparte nem sempre reflete a perda potencial que o Conglomerado teria caso existisse efetivamente o default. Operações que contam com garantias - em suas diversas formas - têm uma probabilidade de default menor. O valor de recuperação ou Loss Given Default (LGD) é um parâmetro usado para estimar a possibilidade de ocorrência de perda caso o tomador ou contraparte declarem default. O LGD deve cobrir não somente a perda de principal mas também os juros, multas entre outros custos associados (como custos advocatícios), sem esquecer o custo de capital alocado para determinada operação na sua fase de recuperação e/ou restruturação. PROCESSOS DE CRÉDITO Concessão Trata-se da fase inicial do processo. Abrange a análise do cliente e da operação bem como sua aprovação. O Grupo utiliza os métodos descritos acima para definir a probabilidade de inadimplência do cliente e o limite de exposição. Quanto à análise da operação, o Grupo busca compatibilizar o apetite de risco com o perfil e a capacidade de pagamento do cliente. Monitoramento O monitoramento das operações de crédito é realizado pela área de Controle de Risco de Crédito. O Sistema Risco de Crédito contém as operações em vigor e diariamente os analistas e Officers de Crédito são informados sobre eventuais excessos ou atrasos e os mesmos são explicados/curados. Consideram-se excessos as exposições acima dos limites estabelecidos. Importante ressaltar que os excessos passivos nas operações de derivativos (oriundos de variação extrema na marcação a mercado da operação) são considerados apenas excessos técnicos e não implicam em ação da área de crédito. Em relação as operações em atraso, em até 24 horas após a data de não-pagamento, o detentor da alçada de crédito na área de Controle de Risco de Crédito deve receber das áreas de Apoio (para esclarecer eventuais erros operacionais) ou Business (que entram em contato com o cliente) informação referente aos atrasos. Caso o atraso não seja resolvido em até 10 dias, o mesmo é escalado para o Head da Área de Crédito que definirá as medidas corretivas a serem adotadas tais como: execução de colateral, reversão de posição, entre outras possibilidades. A área de Apoio ao Crédito envia s diários com os nomes dos clientes e volume de operações em atraso. Além disso, mensalmente são realizadas reuniões com Jurídico, Business, Apoio e Crédito onde os casos são discutidos de forma detalhada. O Business é vedado de realizar operações de crédito sem a prévia autorização da área de crédito. O descumprimento dessa norma implica, no extremo, ao potencial desligamento do funcionário que infringir os termos aqui dispostos. Condução Compreende a fase de acompanhamento da aplicação dos recursos liberados, o gerenciamento das garantias, controle do fluxo de recebívies na casa, entre outras ações. O principal objetivo nesta fase é a prevenção contra a inadimplência dos ativos. Nessa parte, a área de Controle de Risco de Crédito atua conjuntamente com a área de Backoffice de Crédito. Página 13 de 24

14 Cobrança O Grupo dispõe de mecanismos que asseguram o retorno dos recursos emprestados, levando-se em conta algumas variáveis tais como: relacionamento do cliente, minimização de custos e utilização de mecanismos de cobrança e recebimento de dívidas. As operações de crédito vigentes têm seu acompanhamento de vencimentos realizado diariamente e, caso o cliente não tenha recursos suficientes para liquidação, nossos controles, via sistema, apontam a inadimplência que é automaticamente repassada às áreas de CRC e ao Business. Nas operações que possuem garantias líquidas (recebíveis em geral) há monitoramento periódico para que a expectativa de fluxo esteja em linha com o que foi aprovado no FCC, dessa forma, antecipamos possíveis problemas na liquidação de parcelas, por exemplo. Adicionalmente, todo vencimento de operação é encaminhado via para os nossos clientes a fim de avisá-los na data de liquidação pela manhã para que os clientes providenciem os recursos. Caso o pagamento da parcela não seja efetuado, o backoffice de crédito comunica ao time que aprovou a operação cobrando prazo para cobertura do saldo. Caso exista necessidade, o crédito em atraso é movido para o estágio de recuperação. Recuperação Trata-se da fase em que o Grupo busca reduzir as perdas de crédito, minimizar os custos de recuperação e aumentar a taxa de recuperação. Estão contemplados nesta etapa o processo de cobrança extrajudicial, terceirização (contratação de empresas para prestar serviços de cobrança e recuperação de créditos inadimplidos) e a cobrança judicial em si caso necessário. Importante ressaltar que mensalmente existe uma reunião formal com as diversas áreas responsáveis pelos clientes que estão em processo de cobrança extrajudicial (crédito, estruturação, backoffice, jurídico e o responsável pela área de Renda Fixa) com o intuito de repassarmos as ações tomadas para cobrança dos créditos. Além dessa reunião, realizamos o monitoramento semanal dos atrasos e das pendências, reunindo as áreas de apoio, jurídico, CRC e business que em conjunto tomam conhecimento dos problemas e buscam soluções diretamente com os clientes para problemas pontuais e, consequentemente, evitando novos defaults. Caso seja decidido por uma renegociação que implique em qualquer redução no valor de juros, encargos ou qualquer outro valor referente a operação de crédito, tal renegociação deverá ser obrigatoriamente aprovada pelo detentor da alçada de crédito tanto na área de controle de risco de crédito como na área comercial. EXCEÇÕES À POLÍTICA Exceções à Política devem ser aprovadas pelo Head da Área de Crédito dentro do limite de suas responsabilidades e até o limite de sua alçada. A seu critério o Head de Crédito pode delegar autorização para aprovar exceções a seus subordinados ou escalar para aprovação pelo Comitê de Crédito. Exceções que transcendam seu limite e/ou responsabilidades previamente definidos deverão obrigatoriamente ser escaladas ao Comitê de Crédito. Exceções deverão ser formalmente aprovadas (ex.: , sistema, ata de comitê, etc.) e a evidência deve ser arquivada junto à documentação da respectiva operação e/ou aos arquivos de crédito. Página 14 de 24

15 Valor total das Exposições relativas à Risco de Crédito e a Exposição Média trimestral Conglomerado Financeiro e Econômico Financeiro Dez Set 2010 Jun Mar Exposições 108,040,373 69,632,758 38,028,544 47,883,699 Média do Trimestre 91,429,348 62,418,374 94,192,475 56,783,554 Valor total das Exposições relativas à Risco de Crédito, quebradas por Fator de Ponderação de Risco (FPR) Conglomerado Financeiro e Econômico Financeiro Dez Set 2010 Jun Mar FPR - 0% 38,575,447 31,213,883 16,310,865 19,133,663 FPR - 20% 755, ,703 63, ,925 FPR - 35% 151, , ,667 4,140 FPR - 50% 32,105,900 9,018,167 7,509,548 13,741,957 FPR - 75% 42,346 89,027 6,675 3,520 FPR - 100% 36,245,066 28,210,341 13,714,246 14,651,068 FPR - 300% 164, , , ,427 Percentual das exposições das Operações de Crédito dos 10 maiores clientes Conglomerado Financeiro e Econômico Financeiro Dez Set Jun Mar Montante das Operações de Crédito classificadas por Atraso 44.30% 45.01% 50.81% 63.18% Conglomerado Financeiro e Econômico Financeiro Dez Set Jun Mar <= 60 dias 0 15,093,706 3,857, ,125 > 60 dias e <= 90 dias 152, > 91 dias e <= 180 dias 2,479,122 2,112,430 11,929,804 4,962,771 > 180 dias 14,185,327 17,675, ,999,093 Fluxo das Operações de Crédito Baixadas para Prejuízo Conglomerado Financeiro e Econômico Financeiro Dez Set Jun Mar Prejuízo 28,855 28,855 58,273 58,273 Página 15 de 24

16 Montante das Provisões para perdas relativas às Operações de Crédito Conglomerado Financeiro e Econômico Financeiro Dez Set Jun Mar Provisões 74,668 78,126 67,977 75,249 Exposição das Operações de Crédito quebradas por Fatores de Risco Conglomerado Financeiro e Econômico Financeiro Dez Set Jun Mar FPR - 35% 151, , ,667 4,140 FPR - 50% 345, , , ,757 FPR - 100% 4,280,422 3,478,980 2,188,255 3,429,153 Exposição das Operações de Crédito quebradas por Setor Econômico Setor Econômico Conglomerado Financeiro e Econômico Financeiro Dez Set Jun Mar % % % % Comércio 79, % 114, % 42, % 42, % Indústria 1,017, % 880, % 602, % 490, % Outros Serviços 2,968, % 2,445, % 1,689, % 2,312, % Pessoas Físicas 559, % 361, % 460, % 675, % Rural 152, % 108, % 40, % 25, % Instrumentos Mitigadores Risco de Crédito de Contraparte Conglomerado Financeiro e Econômico Financeiro Dez Set Jun Mar FPR - 0% 103, , ,649 29,637 FPR - 50% 218, , ,823 3,492 Conglomerado Financeiro e Econômico Financeiro Dez Set Jun Mar Risco de Contraparte 31,625,695 25,213,236 13,732,691 19,030,016 Página 16 de 24

17 8 RISCO DE LIQUIDEZ A Política de Gerenciamento de Risco de Liquidez, aprovada e revisada periodicamente pelo Management Committee, constitui um conjunto de princípios que norteiam a estratégia do BTG Pactual no controle e gerenciamento de risco de liquidez de todas as entidades do Conglomerado. A Política de Gerenciamento de Risco de Liquidez foi estabelecida com base nas diretrizes do Banco Central do Brasil e do Comitê da Basiléia, e nas melhores práticas sugeridas pelo Institute of International Finance no Principles of Liquidity Risk Management, procurando proporcionar a permanente adequação do gerenciamento à natureza das operações, à complexidade dos produtos e à dimensão da exposição a risco de liquidez da Instituição. PARÂMETROS E LIMITES Os limites e parâmetros de controle são revisados periodicamente no CFO Committee, e aprovados pelo Management Committee Brazil. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO E RISCO DE LIQUIDEZ O gerenciamento do risco de liquidez abrange: Todos os instrumentos financeiros constantes das carteiras das empresas pertencentes ao conglomerado; Os processos e controles relevantes para o atendimento dos objetivos de negócios. O gerenciamento do risco de liquidez é realizado pelo Tesoureiro do BTG Pactual, sob supervisão direta do CFO Chief Financial Officer por meio de acompanhamento, avaliação e consolidação tempestiva das informações de risco de liquidez das áreas de negócios, visando sempre seguir os critérios internos e atendimento ao órgão regulador brasileiro. Os modelos de controle de liquidez são validados de forma centralizada pelo Management Committee Brazil. ACOMPANHAMENTO Com reuniões semanais, acompanha o fluxo de caixa do BTG PACTUAL e verifica que todos os parâmetros estabelecidos estão sendo seguidos. Estabelece limites globais de risco e os critérios de gestão, incluindo risco de liquidez. Aprova os procedimentos necessários para o efetivo cumprimento da Política e dos processos estabelecidos. PROCESSO DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ Para a efetividade do gerenciamento de risco de liquidez, o processo prevê os procedimentos de identificação, avaliação, monitoramento, controle, mitigação e comunicação das informações de risco de liquidez. Estes procedimentos são executados de forma independente. As condições de mercado são revisadas diariamente e a arquitetura utilizada para fins da gestão e do controle do risco de liquidez compreende ferramental organizado para realização do monitoramento descrito abaixo. Analise Quantitativa Caixa Mínimo/ Análise de Cobertura de Liquidez São estabelecidos indicadores de liquidez, visando o acompanhamento e antecipação de possível deterioração do caixa. Valores mínimos são estabelecidos para o curto e médio prazo, que sejam capazes de absorver variações de caixa não previstas, mantendo um volume mínimo de caixa no Banco BTG Pactual. Página 17 de 24

18 Análise Qualitativa Concentração de vencimentos de passivos Concentração de passivos por perfil de clientes e segmentos econômicos. Mapas de acompanhamento de captações de recursos por segmento econômico, grupo de clientes, contraparte e prazo são utilizados, visando detectar concentrações que possam comprometer os níveis mínimos de caixa. PLANO DE CONTINGÊNCIA Em situações de estresse específico de liquidez ou de crise sistêmica de liquidez que acarretem significativa redução dos níveis projetados de reserva, acionamos o plano de contingência para manter o caixa do BTG Pactual em níveis confortáveis, evitando assim impacto no ciclo normal das atividades de negócio do banco. 9 RISCO OPERACIONAL Risco operacional é definido como sendo o risco de perdas resultantes de processos internos, pessoas e sistemas inadequados ou falhos ou de causas externas (deliberadas, acidentais ou naturais). As perdas podem ser prejuízos financeiros diretos ou indiretos, na forma de receita não realizada devido a suspensão de negócios. Também podem resultar de danos à nossa reputação e a nossa franquia, que tenham consequências financeiras a longo prazo. Entre os eventos de risco operacional, incluem-se: Fraudes internas e externas; Práticas inadequadas relativas a clientes, produtos e serviços; Falhas na execução, cumprimento de prazos e gerenciamento das atividades da instituição; Danos a ativos físicos próprios ou em uso pela instituição; Aqueles que acarretam a interrupção das atividades da instituição; Falhas em sistemas; Demandas trabalhistas e segurança deficiente do local de trabalho. OBJETIVO DA GESTÃO E CONTROLE DE RISCO OPERACIONAL O objetivo geral da gestão e controle do risco operacional é promover uma cultura de controles internos e de gerenciamento da continuidade do negócio em nossa organização, a fim de assegurar que o BTG Pactual sempre opere sob os mais elevados padrões de qualidade nos processos de negócio, bem como proteger os ganhos e a reputação da Empresa. A gestão e controle do risco operacional devem considerar: Os ativos e os interesses a serem protegidos; Os eventos que podem dar errado; e As consequências em potencial de tais eventos. A Estrutura do Risco Operacional (ERO) oferece as ferramentas e os processos para a gestão e controle do risco operacional para identificar os riscos em potencial e reagir aos mesmos adequadamente. Página 18 de 24

19 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS A Gestão de Riscos Operacionais é responsabilidade de todos os empregados do Banco ao longo do desempenho de suas atividades cotidianas. A ERO oferece ferramentas (por exemplo, normas de controle, métricas, inventário de riscos) e um processo estruturado que são utilizados pela Administração em todas as áreas de negócios (por exemplo, Front Office, BackOffice, TI, etc.) para identificar riscos. Estas também auxiliam a Administração ao propor a avaliação, resposta e relatório de riscos. Risco Operacional supervisiona e revisa as atividades da gestão de riscos operacionais, e é responsável por: Verificação independente da identificação, avaliação e medidas de resposta determinadas pela Administração; Relatórios e monitoramento de riscos; Estabelecer e administrar um fórum multidisciplinar para discussões sobre os problemas relativos à Risco Operacional; e Garantir a integridade da implantação da ERO. ESTRUTURA DO RISCO OPERACIONAL - ERO O diagrama abaixo apresenta os componentes fundamentais da ERO. Políticas e Normas Gerenciamento da documentação que suporta a estrutura de risco operacional, incluindo as políticas, definição de controles, padrões e métricas. Coleta de Dados Para que os riscos possam ser identificados pelo ERO, deve-se coletar dados de várias fontes, conhecidas como indicadores de riscos. Estas fontes incluem: Processo de Certificação Interna Registro de Erros Operacionais Métricas Mapeamento de Processos Operacionais (F2B) Página 19 de 24

20 Relatórios de Auditoria Interna e Externa Avaliações Pontuais de Fluxos/Riscos Avaliação Periódica de Riscos Processo de Avaliação do Risco Operacional - PARO O objetivo do PARO é criar e manter um inventário de risco do Grupo BTG Pactual que incorpore problemas específicos de Risco Operacional e planos de ação avaliados de acordo com uma metodologia comum. O PARO abrange quatro estágios, conforme descrito abaixo. Identificação Utilizando as informações provindas de várias fontes no processo de coleta de dados, os riscos são identificados no primeiro estágio do processo de avaliação da ERO. O objetivo do estágio de identificação é determinar se as questões de Risco Operacional identificadas são casos isolados, ou se retratam diferentes aspectos de um problema maior. Isto é necessário porque uma série de questões de identificação de riscos pode indicar um ou mais problemas subjacentes. Um dos objetivos do estágio de identificação é determinar se o risco em questão já foi encaminhado ao Inventário de Riscos Operacionais (IRO) existente ou não. Assim que o problema de risco for identificado, este pode ser avaliado; Avaliação Todas as questões de Risco Operacional devem passar por um processo de avaliação pré-definido, que avalia o seu potencial de freqüência e gravidade. As questões de risco são, então, avaliadas como branco, verde, laranja ou vermelho, conforme descrito no documento de Grade de Apetite de Risco. Freqüência Gravidade Outro objetivo da avaliação dos riscos é o acompanhamento dos Indicadores-chave de Risco: indicadores quantitativos que revelam a freqüência e a probabilidade de ocorrência de falhas operacionais, associando-os, quando possível, a um valor de perda financeira potencial. As categorias de freqüência são definidas em termos de quantas vezes acredita-se que a exposição é suscetível de provocar um incidente específico. As categorias de gravidade são definidas em termos do impacto que uma determinada exposição ao risco terá se resultar em um incidente específico. Como nem todas as posições podem ser traduzidas em valores financeiros, escalas adicionais são fornecidas para situações de risco com predominantemente outros impactos (relativos à reputação ou regulamentar). A preferência é usar a escala de impacto financeiro, sempre que possível. Nos casos em que uma questão de Risco Operacional teria maior taxa de gravidade em uma escala dada, então a maior gravidade deve ser usada. As questões de risco são avaliadas em termos de perda esperada ao longo de um período de um ano. Este número é usado para classificar as questões de Risco Operacional entre si e para obter uma primeira decisão sobre o nível de escalada de um problema de Risco Operacional. Os números do documento Grade de Apetite de Risco fornecem os limites necessários para esta avaliação. Se as perdas esperadas estão acima do limite mínimo determinado pela Administração, o problema será incluído no inventário de risco e será rigidamente controlado e monitorado pelo Risco Operacional; Página 20 de 24

21 Resposta Com base nos resultados da avaliação, uma resposta adequada ao risco é determinada (por exemplo, evitar, mitigar, transferir, administrar, aceitar) e um plano de ação é implantado de acordo com o caso; e Relatórios No estágio do processo de avaliação do Risco Operacional, os problemas de risco são relatados e distribuídos a várias comissões para revisões. Controle Ao longo da identificação, avaliação, resposta e relatórios dos problemas de risco, acontece uma revisão e uma verificação independentes conduzida pelo Risco Operacional em relação às políticas e normas do Banco. Inventário de Risco Operacional - IRO O inventário de Risco Operacional é um depositário que contém todos os riscos identificados ao longo do processo de avaliação de Risco Operacional, assim como os planos de ação relativos, criados para abordar e ou reduzir os riscos identificados. Exige-se um processo de atualização mensal dos planos de ação tanto da avaliação de risco quanto da administração do progresso para garantir que o perfil de risco capturado é adequado. Os riscos capturados sob o limiar mínimo estabelecido não estarão enquadrados nos planos de ação associados seguidos pelo Risco Operacional. ERROS OPERACIONAIS A área de Risco Operacional deve capturar os erros operacionais que gerem ganhos ou perdas financeiras para o BTG Pactual, além dos erros de financeiro zero. A captura dos erros operacionais permite à Instituição: Montar uma base de dados histórica dos últimos 5 anos para atender ao Comunicado e embasar pedido perante o Banco Central do Brasil para alteração da metodologia de cálculo de requerimento de capital para risco operacional que hoje é feita pela abordagem básica. Essa abordagem aparta 15% das receitas/despesas com intermediação financeira e receitas com prestação de serviços do banco para eventuais perdas referentes a risco operacional. O objetivo do BTG Pactual é diminuir esse percentual, mostrando seus próprios modelos de cálculo e para isso necessita de aprovação do BACEN para alterar a metodologia de básica para avançada a partir de Analisar os erros e identificar riscos que precisem ser mitigados e inseridos no ORI. Acompanhar planos de ação relevantes. Acompanhar o processo de controles internos com as áreas e aprovar o registro dos erros / reembolsos aos clientes. Existe uma sinergia muito grande entre as áreas operacionais e o time de Risco Operacional devido à importância do processo de identificação e mitigação de riscos operacionais, além da manutenção da base histórica de erros operacionais. REGULAMENTAÇÃO A aplicação da Estrutura de Risco Operacional e seus processos associados, como a efetiva aplicação da Gestão de Riscos Operacionais e Princípios de Controle, é uma exigência de regulamentação para o BTG Pactual. Como regra geral, essa exigência se aplica a todas as entidades e atividades relacionadas com a atuação bancária essencial e com os negócios financeiros do grupo BTG Pactual. À medida que novas atividades são realizadas ou novas entidades são formadas, Risco Operacional deve ser envolvido para determinar a aplicabilidade da Estrutura de Risco Operacional e seus processos associados. A gestão de Riscos Operacionais e de processos de controle devem ser integrados, na medida do possível, nas atividades de gestão diária, de modo que possa evitar a criação de uma burocracia desnecessária. Assim, a Estrutura do Risco Operacional (ERO) geralmente segue a estrutura de gestão do BTG Pactual, em que as hierarquias existentes sejam utilizadas para a categorização dos controles aplicáveis - exceto em casos específicos (por exemplo, aplicações de TI), ou quando solicitado pela empresa. Página 21 de 24

22 GERENCIAMENTO DO PLANO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS O Gerenciamento de Continuidade de Negócios (BCM) define um guia de como montar e manter um planejamento que permita ao BTG Pactual a manutenção de seus serviços críticos durante uma interrupção de negócios não planejada. A área de Risco Operacional é a guardiã deste processo, bem como responsável por promover a atualização anual do Plano de Continuidade de Negócios e do gerenciamento para realização dos testes. O ciclo de BCM consiste em: Solicitar aos responsáveis uma analise para identificar suas atividades criticas. Criar uma estratégia de Continuidade de Negócios baseada no apetite de risco e nos requerimentos descritos pelas áreas de Negócio. Desenvolver um Plano de Continuidade de Negócios que suporte as estratégias das diversas áreas de negócio no que tange infraestrutura, sistemas e processos. Realizar testes para garantir que o planejamento satisfaz os requerimentos. Identificar e documentar as deficiências durante os testes para que estas sejam endereçadas e tratadas pelo processo de análise. Definições a) Gerenciamento de Continuidade de Negócios (BCM): guia para montar e manter um planejamento que permita que a empresa continue operando seus serviços críticos durante uma interrupção de negócios não planejada. b) DRP Owner (Department Recovery Plan): indivíduo responsável dentre outras coisas por documentar, através do Business Impact Analysis (BIA), as atividades e os recursos críticos de sua área, bem como montar a estratégia de recuperação em caso de uma contingência ser declarada. c) Business Impact Analysis BIA: documento que servirá como um guia de recuperação para cada área. Nele encontram-se descritos a estratégia de recuperação da área, as tarefas consideradas críticas e que devem ser executadas, bem como a lista de pessoas, sistemas e serviços que são necessários para que a estratégia de recuperação funcione. d) System Recovery Plan SRP: documento técnico da área de TI que descreve o passo a passo de como restaurar um sistema ou serviço, bem como seus pontos de contato e suas interdependências. e) Plano de Continuidade de Negócios: documento que contém o Plano de Continuidade propriamente dito. Visão Geral O processo de montagem do Plano de Continuidade de Negócios tem inicio com a identificação dos colaboradores que serão intitulados DRP Owners nas diversas áreas do banco. Uma vez identificados, eles passam por um processo de treinamento onde lhes são explicadas as responsabilidades e atribuições de um DRP Owner assim como lhes é apresentado todo o processo de BCM e seu ferramental. O ciclo anual de BCM inicia-se com uma analise por parte do DRP Owner a respeito da criticidade de sua área e das tarefas por ela executadas. Uma vez identificadas dentre todas as atividades da área quais são imprescindíveis durante um incidente, uma estratégia é montada. Com base nesta estratégia todo um planejamento de recursos, sistemas e serviços é traçado e reportado à área de Risco Operacional através do documento de Business Impact Analysis. Com base nos documentos de BIAs recebidos, a área de Risco Operacional em conjunto com a área de TI monta uma estratégia de recuperação de sistemas e serviços que atenda às estratégias e necessidades das áreas de negócios. Definidas as estratégias de recuperação das áreas de Negócios, assim como a estratégia de recuperação de sistemas e serviços, o documento Plano de Continuidade de Negócios é atualizado e enviado para a apreciação do Comitê Executivo. Uma vez aprovado, o documento é publicado no setor de BCM da intranet. Página 22 de 24

23 Duas vezes por ano a área de risco operacional planeja, gerencia e executa testes para verificar se o Plano de Continuidade de Negócios satisfaz os requerimentos e as necessidades descritos nos BIAs das diversas áreas de negócios. Durante os testes, as áreas de negócios são envolvidas e seus colaboradores participam comparecendo no dia do teste. Evidências da realização do teste são coletadas e armazenadas. Eventualmente, durante os testes alguma deficiência pode ser identificada. Caso isto ocorra, o colaborador reporta o problema para a área de Risco Operacional que fica responsável por endereçá-lo através de um Plano de Ação e por garantir que as medidas cabíveis serão tomadas a fim de que o problema seja resolvido e o processo testado novamente o mais breve possível. Ciclo de BCM 10 BASILÉIA Tendo em vista as recomendações do Comitê de Supervisão Bancária de Basileia, contidas no documento "Convergência Internacional de Mensuração e Padrões de Capital: Uma Estrutura Revisada" (Basileia II), o Banco Central do Brasil estabeleceu critérios mais adequados aos níveis de riscos associados às operações conduzidas pelas instituições financeiras para fins de requerimento de capital, divulgando em dezembro de 2004, o cronograma e a implementação das diretrizes de Basiléia II. A partir de 1º de Julho de 2008, através da resolução nº do Bacen, de 29 de agosto de 2007, disponibilizou-se os critérios de apuração do Patrimônio de Referência Exigido (PRE). A partir desta data, o cálculo do capital regulatório do BTG Pactual para a cobertura de risco passou a considerar as seguintes parcelas para a composição do PRE: PEPR = parcela referente às exposições ponderadas pelo fator de ponderação de risco a elas atribuído [Circular 3.360]; PCAM = parcela referente ao risco das exposições em ouro, em moeda estrangeira e em operações sujeitas à variação cambial [Circular 3.389]; PJUR = parcela referente ao risco das operações sujeitas à variação de taxas de juros e classificadas na carteira de negociação, na forma da Resolução nº 3.464, de 26 de junho de 2007, onde n = número das diferentes parcelas relativas ao risco das operações sujeitas à variação de taxas de juros e classificadas na carteira de negociação [Circulares (parcela Juros Pré), (parcela Cupom Cambial), (parcela Cupom Inflação) e (parcela Cupom Juros)]; PCOM = parcela referente ao risco das operações sujeitas à variação do preço de mercadorias (commodities) [Circular 3.368]; PACS = parcela referente ao risco das operações sujeitas à variação do preço de ações e classificadas na carteira de negociação, na forma da Resolução nº 3.464, de 2007 [Circular 3.366]; POPR = parcela referente ao risco operacional [Circular 3.383]. Página 23 de 24

Gerenciamento de Risco Dezembro de 2011

Gerenciamento de Risco Dezembro de 2011 BTG Pactual Av. Brigadeiro Faria Lima, 3.729-9º Andar - Itaim Bibi - 04538-133 - São Paulo - SP - Brasil Tel. +55 11 3383 2000 www.btgpactual.com ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 3 2 OBJETIVO 3 3 ESCOPO DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Gerenciamento de Risco Março de 2011

Gerenciamento de Risco Março de 2011 BTG Pactual Av. Brigadeiro Faria Lima, 3.729-9º Andar - Itaim Bibi - 04538-133 - São Paulo - SP - Brasil Tel. +55 11 3383 2000 www.btgpactual.com ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 3 2 OBJETIVO 3 3 ESCOPO DE GERENCIAMENTO

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 1º Trimestre de 2012 Conteúdo Perfil Corporativo...3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos...4 Atribuições...4 Risco Operacional...5 Limite de Tolerância ao Risco Operacional...6

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 4º Trimestre de 2011 Conteúdo 1. OBJETIVO 3 2. INTRODUÇÃO 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS 3 3.1. RISCO DE CRÉDITO 4 MENSURAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 4

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Base normativa: Circular 3477, de 24.12.2009. Data base: 30.06.2013 1 I INTRODUÇÃO Visando atendimento as diversas resoluções que tratam sobre Riscos

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 1º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. Page 1 (13) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ORGANOGRAMA DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 2.1. Responsabilidades... 4 3. RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 3º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. Page 1 (13) 1. Introdução O Scania Banco iniciou suas operações em Novembro de 2009, com o objetivo de fornecer produtos e serviços financeiros exclusivamente

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO Documento tipo /Document type RELATÓRIO Título / Title Relatório Público Anual da Estrutura de Gerenciamento de Riscos do Scania Banco Nome do arquivo / File name Relatorio Publico Anual_Gerenciamento

Leia mais

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação.

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação. 2013 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do Banco Central do Brasil, através da Circular 3.477, de 24/12/2009,

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 POSIÇÃO NO TRIMESTRE... 3 4 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 5 RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Sumário 1. Gerenciamento de Riscos... 4 2. Risco de Mercado... 4 2.1 Estrutura para a gestão de risco... 5 2.2 Conceito... 5 2.3 Estrutura Organizacional... 5 2.4 Política Institucional...

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 1º Trimestre de 2012 Conteúdo Introdução 3 Perfil do Banco 3 Princípios da Gestão de Riscos 3 Tipos de Riscos 4 Gerenciamento de Riscos 4 Risco

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Março 2012 1 ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3. Políticas de Gerenciamento de Riscos... 5 4. Identificação e Avaliação

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Dezembro 2011 1 ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3. Políticas de Gerenciamento de Riscos... 5 4. Identificação e Avaliação

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS Superintendência de Controles e Gerenciamentos de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos GERIS Primeiro Trimestre de 2011 Índice APRESENTAÇÃO 3 1. GERENCIAMENTO

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de dezembro 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 4 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO Setembro 2013 2 1 INTRODUÇÃO Este documento resume as informações relativas à estrutura de gerenciamento do risco de crédito do BR Partners Banco de Investimentos

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Portoseg ) é uma instituição financeira privada,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de março 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 Banco John Deere S.A Data de Referência: Março/2012 1/14 Sumário 1. Gestão de Riscos Aspectos Qualitativos... 3 1.1. Estrutura

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3 3º Trimestre de 2013 Conteúdo Introdução... 3 Perfil do Banco... 3 Princípios da Gestão de Riscos... 4 Tipos de Riscos...

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS No Banco De Lage Landen SA (DLL) a Gestão de Riscos é responsabilidade da Diretoria de Risco que se reporta diretamente à Presidência. 1 - Risco Operacional (RO) A

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2013 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. RISCO DE MERCADO... 1 3. RISCO DE LIQUIDEZ... 2 4. GESTÃO DE CAPITAL... 4 5. RISCO DE CRÉDITO... 6 6. RISCO OPERACIONAL...

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 2010 Conteúdo Introdução 2 Perfil do Banco 2 Princípios da Gestão de Riscos 2 Tipos de Riscos 3 Gerenciamento de Riscos 3 Risco de Crédito 4 Risco

Leia mais

Relatório sobre a Gestão de Riscos. Circular 3.477 Banco Central do Brasil

Relatório sobre a Gestão de Riscos. Circular 3.477 Banco Central do Brasil Relatório sobre a Gestão de Riscos Circular 3.477 Banco Central do Brasil Dezembro/2010 1. INTRODUÇÃO O presente relatório apresenta informações relativas à gestão de risco, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Gerenciamento de Riscos Revisão: Julho/ 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA... 3 3. LINHAS DE NEGÓCIOS PRODUTOS OFERTADOS... 3 3.1. CARTÃO DE CRÉDITO...

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 3 Trimestre de 2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 POSIÇÃO NO TRIMESTRE... 3 4 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 5 RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3 1º Trimestre de 2013 Conteúdo Introdução... 3 Perfil do Banco... 3 Princípios da Gestão de Riscos... 4 Tipos de Riscos...

Leia mais

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional Gerenciamento do Risco Operacional Controle do documento Data Autor Versão Outubro/2010 Compliance 001 Dezembro/2011 Compliance 002 Dezembro/2012 Compliance 003 Agosto/2014 Compliance 004 Revisão do documento

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução - 1 - RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS Introdução A Administração acredita que a gestão efetiva de riscos é vital para o sucesso da Instituição e conseqüentemente mantém um ambiente de gerenciamento de riscos

Leia mais

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III 4º Trimestre findo em Dezembro 2013. ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 3. Políticas de Gerenciamento

Leia mais

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO 1. INTRODUÇÃO Este documento objetiva esclarecer as normas, políticas e procedimentos de controle utilizados pelo Banco Tricury S/A no processo de gestão de Risco de Crédito das operações, consoante a

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL Pilar 3 Basileia DATA-BASE: 31/03/2015 (1T2015) Sumário Introdução... 3 Principais Categorias de Risco... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos e de Capital...

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Março de 2011 Gerência de Risco de Crédito Diretoria de Economia e Riscos Diretoria Executiva de Administração e Finanças Banco Cooperativo Sicredi 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos 1 Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12 Aspectos Qualitativos I - Introdução O objetivo deste relatório é divulgar informações referentes à gestão de risco, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB Fevereiro/2011 ÍNDICE 1) Objetivo...3 2) Institucional...3 2.1) Tipos de Riscos...3 2.2) Estrutura e Processo de Gestão...3

Leia mais

O gerenciamento de Risco de Mercado abrange todas as empresas do Conglomerado que constam do Balanço Consolidado do Banco Safra.

O gerenciamento de Risco de Mercado abrange todas as empresas do Conglomerado que constam do Balanço Consolidado do Banco Safra. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 Objetivo Apresentar o modelo de gerenciamento de Risco de Mercado no Banco Safra e os princípios, as diretrizes e instrumentos de gestão em que este modelo

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll)

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Índice Introdução... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 Informações Qualitativas... 4 Risco de Crédito... 4 Risco de Mercado... 5 Risco de Liquidez...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos 2T2012 ING Bank N.V. São Paulo Relatório de Gerenciamento de Riscos Page 1 of 14 Estrutura de gerenciamento de riscos A estrutura organizacional das áreas responsáveis

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência ia de Controles e Gerenciamento de Riscos - Sucor Gerência de Riscos Financeiros Gerif Banco do Estado do Pará S.A APRESENTAÇÃO ÍNDICE Relatório de Gerenciamento de Riscos 03 1. GERENCIAMENTO

Leia mais

Índice. Relatório de Gerenciamento de Riscos

Índice. Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos 2014 Índice Introdução... 3 Tipos de Riscos... 3 Risco Operacional... 3 Risco de Mercado... 4 Risco de Liquidez... 4 Risco de Crédito... 4 Gerenciamento de Riscos...

Leia mais

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DATA-BASE: JANEIRO/2014 PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

Leia mais

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Comunica orientações preliminares relativas à utilização das abordagens baseadas em classificação interna de exposições segundo o risco de crédito, para fins da apuração

Leia mais

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A 2009 DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A [ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS] O presente documento apresenta a Estrutura de Gestão de Riscos da DREBES

Leia mais

Gestão de Riscos e Patrimônio de Referência (Resolução BACEN nº 3.444/07 e Circular nº 3.477/09) Data base 30 de junho de 2013

Gestão de Riscos e Patrimônio de Referência (Resolução BACEN nº 3.444/07 e Circular nº 3.477/09) Data base 30 de junho de 2013 Gestão de Riscos e Patrimônio de Referência (Resolução BACEN nº 3.444/07 e Circular nº 3.477/09) Data base 30 de junho de 2013 O Banco Daycoval entende a gestão de riscos como um instrumento essencial

Leia mais

Banco Mizuho do Brasil S.A. Informações Financeiras Gerenciamento de Riscos. Estrutura de Gerenciamento de Riscos

Banco Mizuho do Brasil S.A. Informações Financeiras Gerenciamento de Riscos. Estrutura de Gerenciamento de Riscos Banco Mizuho do Brasil S.A. Informações Financeiras Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Riscos O Banco Mizuho do Brasil S.A. mantém uma estrutura organizacional para Gestão de Riscos

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO A Um Investimentos S/A CTVM, conforme definição da Resolução nº 3.721/09, demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco de crédito.

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 30 de dezembro 2011 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como:

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 1. Introdução A Diretoria da Grazziotin em atendimento ã Resolução 3721 de abril/2009, divulga sua Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito alinhada

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos Financeiros GERIF Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos 2 Trimestre de 2011

Relatório de Gerenciamento de Riscos 2 Trimestre de 2011 Relatório de Gerenciamento de Riscos 2 Trimestre de 2011 31 de agosto de 2011 DIRETORIA DE ECONOMIA E RISCOS Banco Cooperativo Sicredi Objetivo Este relatório busca atender ao disposto pela Circular BACEN

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Pilar 3. Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A. Para o trimestre findo em 30 de Setembro de 2014. Setembro 2014 Pilar 3 Disciplina de Mercado 1

Pilar 3. Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A. Para o trimestre findo em 30 de Setembro de 2014. Setembro 2014 Pilar 3 Disciplina de Mercado 1 Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A. Para o trimestre findo em 30 de Setembro de 2014 Setembro 2014 Disciplina de Mercado 1 ÍNDICE Página Índice de Tabelas 3 Introdução 4 Contexto Operacional 5

Leia mais

GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO - Resolução Bacen 3.721

GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO - Resolução Bacen 3.721 GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO - Resolução Bacen 3.721 RESOLUÇÃO 3.721 RISCO DE CRÉDITO Possibilidade de ocorrência de perdas associadas ao não cumprimento pelo tomador ou contraparte de suas respectivas

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR III Disciplina de Mercado 3º Trimestre - 2013 Sumário Introdução... 3 Perfil Corporativo... 3 Principais Tipos de Riscos (conceitos)... 4 Riscos Financeiros...

Leia mais

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Data-base: 30.06.2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1 Objetivo... 3 2 Gerenciamento de Riscos... 3 2.1 Política de Riscos... 3 2.2 Processo

Leia mais

BANCO AZTECA DO BRASIL

BANCO AZTECA DO BRASIL Sumário BANCO AZTECA DO BRASIL Sumário... 2 I. Introdução... 2 II. Objetivo... 2 III. Escopo do... 3 IV. Mapa de Risco... 5 V. Risco de Mercado... 6 A. Ferramentas de Risco de Mercado... 6 VaR: 6 Testes

Leia mais

Banco Western Union do Brasil S.A.

Banco Western Union do Brasil S.A. Banco Western Union do Brasil S.A. Relatório de Gerenciamento de Riscos para atender aos requisitos estabelecidos na Circular no. 3477/09 do Conselho Monetário Nacional. Data Base 31/12/2011 1 1. Introdução...

Leia mais

Relatório da Gestão de Riscos. 1º Trimestre 2014. w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r

Relatório da Gestão de Riscos. 1º Trimestre 2014. w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r 1º Trimestre 2014 w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r Sumário I. Introdução...2 I.1 Apresentação...2 II. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos...2 II.1 Gestão Integrada de Riscos...

Leia mais

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III 1º Trimestre findo em Março 2014. ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 3. Políticas de Gerenciamento

Leia mais

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Dezembro/2008 Agenda 1. Histórico 2. Escopo de Aplicação 3. Estrutura da Norma 4. Detalhamento da Norma Normativos similares Histórico Resolução

Leia mais

Evolução da implantação de Basileia III e gestão de riscos no Sistema Financeiro Nacional

Evolução da implantação de Basileia III e gestão de riscos no Sistema Financeiro Nacional Encontro de Gestão de Riscos para IFDs Evolução da implantação de Basileia III e gestão de riscos no Sistema Financeiro Nacional Outubro de 2014 Agenda 1. Entendendo Basileia III 1.1 Nova composição do

Leia mais

Gestão de Riscos e Patrimônio de Referência (Resolução BACEN nº 3.444/07 e Circular nº 3.477/09) Data base 31 de março de 2014

Gestão de Riscos e Patrimônio de Referência (Resolução BACEN nº 3.444/07 e Circular nº 3.477/09) Data base 31 de março de 2014 Gestão de Riscos e Patrimônio de Referência (Resolução BACEN nº 3.444/07 e Circular nº 3.477/09) Data base 31 de março de 2014 Este relatório apresenta informações do Banco Daycoval requeridas pela Circular

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

Relatório da Gestão de Riscos. 1º Trimestre 2013. w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r

Relatório da Gestão de Riscos. 1º Trimestre 2013. w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r 1º Trimestre 2013 w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r Sumário I. Introdução... 2 I.1 Apresentação... 2 II. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos... 3 II.1 Gestão Integrada de

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de riscos

Relatório de Gerenciamento de riscos Relatório de Gerenciamento de riscos SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 4 1 GESTÃO DE RISCOS... 5 1.1 PRINCIPAIS RISCOS CORPORATIVOS... 5 2 RISCO DE CRÉDITO... 6 2.1 GESTÃO DO RISCO DE CRÉDITO... 6 2.1.1 Identificação

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL NORMATIVOS INTERNOS POLÍTICA Vigência: 08/09/2015 POLÍTICA DE Abrangência: Haitong Banco de Investimento do Brasil S/A Haitong Securities do Brasil CCVM S/A Haitong do Brasil DTVM S/A 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Sumário 1. Objetivo... 3 2. Estrutura Organizacional... 3 3. Gerenciamento de Riscos... 5 4. Gerenciamento de Capital...

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2014 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO... 1 3. RISCO DE MERCADO... 3 4. RISCO DE LIQUIDEZ... 4 5. GESTÃO DE CAPITAL... 5

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Gerenciamento de Risco de Crédito

Gerenciamento de Risco de Crédito Gerenciamento de Risco de Crédito Controle do documento Data Autor Versão Outubro/2009 Compliance 001 Revisões do Documento Data Área Versão Alterações/Inclusões Outubro/2009 Compliance 001 Criação do

Leia mais