9. Construção civil no Brasil: investimentos e desafios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "9. Construção civil no Brasil: investimentos e desafios"

Transcrição

1 Construção Civil

2 9. Construção civil no Brasil: investimentos e desafios Dulce Corrêa Monteiro Filha Ana Cristina Rodrigues da Costa João Paulo Martin Faleiros Bernardo Furtado Nunes * Introdução O setor de construção civil esteve no centro da crise norte-americana que eclodiu no fim de 2008, mas a recessão econômica mundial causou pouco impacto sobre planos de infraestrutura dos países em desenvolvimento, como é percebido na manutenção dos grandes projetos, de modo que as empresas que atuam no mercado internacional não foram prejudicadas. No Brasil, os efeitos dessa crise foram sentidos no setor em decorrência da redução do crédito privado. O país adotou várias medidas anticíclicas que contribuíram para a recuperação da economia no terceiro trimestre de Entre essas medidas, estão a desoneração tributária de alguns materiais de construção, a expansão do crédito para habitação, notadamente o Programa Minha Casa, Minha Vida, e o aumento de recursos para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Entretanto, não se pode esquecer da necessidade urgente de acelerar investimentos em construção civil, não só em face do elevado déficit habitacional no país, mas também para superar a grande deficiência em infraestrutura. Deve-se lembrar * Respectivamente economista, gerente, economista e estagiário do Departamento de Bens de Consumo, Comércio e Serviços da Área Industrial do BNDES. Os autores agradecem a Silvia Maria Guidolin. 301

3 ainda dos compromissos assumidos pelo Brasil para a realização da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos. Assim, o presente texto procurou analisar as perspectivas de investimento de 2010 a 2013, considerando o crescimento dos subsetores de edificação e construção pesada. É preciso, contudo, ressaltar que os mercados de autogestão e autoconstrução não foram dimensionados no trabalho, pois não seguem a dinâmica empresarial. Inicialmente, informa-se a situação do setor de construção civil no mercado internacional, na União Europeia, nos Estados Unidos e no Brasil. Constatou-se que o setor tem se reestruturado e se adaptado e que os governos implementaram medidas de incentivo. A seguir, é mostrada a defasagem de alguns indicadores brasileiros de produtividade em relação aos Estados Unidos e à União Europeia. Na quarta seção, são analisadas as perspectivas de investimentos do setor de construção civil, assim como dos subsetores de edificações residenciais e construção pesada. Considerou-se que os investimentos privados seriam endógenos e os públicos, exógenos. Nesse sentido, as previsões utilizaram os dados do Programa Minha Casa, Minha Vida e o Programa de Aceleração do Crescimento 1 (PAC-1).1 Os desafios a serem vencidos para o crescimento do setor nos anos vindouros foram expostos na quinta seção. Esses desafios dizem respeito à tecnologia, aos financiamentos, ao mercado e à concorrência. Entre eles, cabe destacar que o desenvolvimento de processos de inovação na cadeia produtiva da construção civil é complexo e precisa ser solucionado a fim de contribuir para a eliminação do déficit habitacional e de infraestrutura no país, além de responder aos compromissos assumidos pelo Brasil. Nas notas conclusivas, são expostas as argumentações e desafios que vão influir na perspectiva de crescimento do setor de 2010 a Recentemente, o governo federal lançou o PAC-2, que inclui também acréscimo de investimentos no programa Minha Casa, Minha Vida, mas que não foram incluídos nas estimativas realizadas no artigo, pois abrangem projetos do PAC-1 (portanto, já foram considerados) e novos investimentos que ainda precisam ser estruturados e, nesse sentido, não devem afetar substancialmente os investimentos dos próximos dois anos.

4 Panorama do setor de construção civil Panorama do mercado internacional2 A crise financeira mundial, desencadeada em 2008, associada, em grande parte, ao setor de construção civil americano, gerou impactos para o setor em diversos países e em empresas que atuam globalmente, levando vários empreiteiros a alterar sua estratégia. De um lado, diante do declínio de vários mercados, muitos empreiteiros com atuação internacional estão enfrentando a contração do crédito utilizando suas reservas acumuladas em vários anos anteriores, quando a demanda estava elevada. Dessa forma, as receitas contabilizadas3 ainda não tinham sido afetadas nos dados de 2008, tendo apresentado um acréscimo de 25,7%4 sobre o ano anterior. A distribuição dessas receitas pelo mundo é apresentada na Tabela 1. Tabela 1: Distribuição internacional das receitas das 225 maiores empresas de construção internacionais em 2008 Número de empresas Receitas (US$ milhões) Percentual do total (%) Europa ,3 Oriente Médio ,9 Ásia e Austrália ,6 EUA ,7 Sul e Centro da África ,5 América Latina ,6 Norte da África ,5 Canadá ,4 Ilhas do Caribe , , ,0 Outros Total Fonte: ENR, n. 7, Fonte: ENR (Engineering News-Record), n. 7, edição de Cabe ressaltar que, nesse segmento, os contratos são de longo prazo, e a apropriação das receitas pode variar de acordo com a forma de contabilização. 4 Dados de uma amostra de receitas das 225 maiores construtoras do mundo. Fonte: ENR, n. 7, Regiões 303

5 As empresas globais de construção mais especializadas estão enfrentando maior dificuldade nessa recessão. Novos projetos foram interrompidos ou postergados, em especial no Oriente Médio, embora a demanda por residências e por infraestrutura ainda se mantenha elevada em alguns países. De outro lado, a recessão econômica teve pouco impacto sobre planos de infraestrutura dos países em desenvolvimento, como é percebido na manutenção dos grandes projetos localizados na África, como a ferrovia que liga Nigéria, Argélia e Líbia. Os países asiáticos, nos quais os bancos têm um controle mais rigoroso do que na Europa e nos Estados Unidos, foram menos abalados pela crise. Em Hong Kong e Cingapura, os mercados estão fortes, particularmente em infraestrutura. A China, no entanto, ainda apresenta uma economia muito fechada para os construtores internacionais. As encomendas de construção voltadas para a infraestrutura estão mantendo as empreiteiras. Vários governos decidiram implementar políticas de apoio à economia por meio de significativas demandas de grandes projetos de infraestrutura. Essas políticas públicas, contudo, privilegiam, em geral, as empresas locais, em detrimento das internacionais. O crédito restrito tem impedido a entrada de empreiteiras menores no mercado construtivo, pois estão altamente alavancadas e, nesse sentido, os bancos podem dificultar ainda mais a concessão de empréstimos para elas. Contudo, algumas estão mantendo o seu crescimento atuando em mercados de nicho, como centros de dados, sistemas construtivos antiterroristas e clientes industriais, como afirma a revista ENR, n. 7, Outra mudança trazida pela crise foi a alteração das negociações entre os construtores e os clientes, tendo em vista que estes vêm pedindo sucessivamente redução dos preços. Quanto à edificação residencial, pode-se ver o impacto da crise que ainda perdura em vários países de diferentes regiões. Conforme a Tabela 2, a maioria mantém 304 um nível de licenças abaixo de 2005, mas mesmo países como a República Tcheca e a Polônia, que estão acima desse nível, ainda permanecem com índices inferiores a No primeiro quadrimestre de 2010, houve melhora na maioria dos países em relação ao quarto quadrimestre de 2009.

6 Tabela 2: Comparação das licenças emitidas para habitação em vários países (2005=100) Q Q Q Q Q Canadá 106,0 117,6 105,6 89,6 65,2 80,6 95,1 117,6 122,8 Japão 104,4 85, Coreia do Sul 107,1 129,8 76,5 83,4 50,2 67,4 96,9 84,5 83,8 Nova Zelândia 99,7 98,3 70,9 55,4 47,7 53,5 55,2 64,7 62,8 Austrália 97,2 101,1 93,7 92,0 77,3 85,3 96,6 108,7 115,4 Turquia 107,3 98,8 87,4 85,3 121,1 68,9 78,5 83,7 104,8 República Tcheca 111,0 116,9 123,7 105,7 117,8 107,6 104,4 98,3 94,2 Hungria 86,5 86,4 86,0 56,6 72,5 65,4 50,7 41,1 45,7 Polônia 135,9 200,0 185,8 144,4 174,3 142,3 140,5 127,5 141,0 Fonte: <http://stats.oecd.org/index.aspx?querytype=view&queryname=92>. Os empreiteiros estão inseguros quanto ao futuro, pois, mesmo que a crise esteja enfraquecida, os governos apresentam elevados déficits. Espera-se, pois, que o crescimento em 2010 no mercado internacional seja lento. Construção civil na União Europeia Em 2008, a indústria da construção civil europeia5 era responsável, em média, por cerca de 6,47% do PIB dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), mas o índice de desemprego do segmento estava em torno de 4% a 10%. O setor apresenta um número razoável de grandes empresas com expressiva participação no mercado global, haja vista que, das 225 maiores construtoras internacionais em 2008, 65 eram europeias, que detinham 54,5% do mercado mundial, embora essa quantidade venha decrescendo, se comparada com O setor de construção civil na União Europeia [European Monitoring Centre on Change (2005)] divide-se em cinco grandes segmentos: preparação de terrenos (demolições, terraplenagem, furação e cravação de estacas, fundações); edificação (obras de engenharia civil, construção de estradas, aeroportos e instalações esportivas e outras construções envolvendo necessidades especiais); instalações (elétricas, tubulações, isolamento e outras); acabamento; e aluguel de máquinas e equipamentos. O segmento de edificação é o que mais agrega valor, ao passo que o de instalações é o que mais emprega

7 as principais do mundo. Os três primeiros lugares do ranking da revista ENR em 2008 ainda pertenciam a empresas europeias. No que se refere à edificação residencial, a Tabela 3 mostra os impactos da crise econômica mundial sobre esse setor na Europa e nos países da Zona do Euro. Observam-se, em geral, uma queda significativa das licenças emitidas para habitação de 2006 a 2009, um aumento no último quadrimestre de 2009 e uma pequena queda no primeiro quadrimestre de 2010, na maioria dos países. Tabela 3: Países europeus e Zona do Euro: licenças emitidas para habitação (2005=100) Bélgica Q Q Q Q Q ,4 90,2 87,0 76,2 70,5 78,0 80,9 73,5 85,3 Dinamarca 92,8 59,4 42,1 22,6 26,4 23,6 29,6 22,0 25,3 Finlândia 99,4 91,0 71,7 65,7 44,8 52,6 68,8 93,8 82,5 França 121,7 116,7 98,9 81,6 88,3 74,2 76,7 86,6 89,1 Alemanha 102,1 77,5 75,5 76,0 65,5 74,6 79,5 81,4 72,5 Grécia 60,7 49,2 37,9 28,2 30,6 26,8 29,4 26,8.. Irlanda 81,3 85,1 64,8 35,4 53,9 38,2 27,9 19,8 18,4 94,0 105,2 85,6 78,5 64,8 88,4 84,1 80,3.. Holanda Luxemburgo 119,3 113,8 118,8 97,2 102,8 94,8 85,7 100,7 71,7 Noruega 95,3 91,2 67,0 59,2 59,0 51,3 57,2 64,6 56,1 Portugal 97,6 88,7 61,8 36,8 40,0 35,4 33,9 36,4 33,5 Espanha 118,6 89,3 36,3 15,2 18,0 15,5 12,9 14,1 13,3 Suécia 139,0 91,3 77,3 65,6 62,5 51,4 62,0 66,7 68,4 Suíça 100,4 95,7 106,2 106,6 106,6 100,9 101,2 117,2.. Grã-Bretanha 101,6 95,7 62,1 50,4 46,5 50,2 65,5 49,5.. Total da Zona do Euro 106,1 95,0 70,6 67,3 56,2 56,7 50,8 70,8 65,4 Fonte: <http://stats.oecd.org/index.aspx?querytype=view&queryname=92>. Na Europa, a construção civil vem apresentando alguns importantes desafios a serem vencidos, pois são vários os fatores externos que estão modificando o ambiente competitivo da indústria, tais como a ampliação dos membros da 306 União Europeia, a nova regulamentação proposta para serviços no mercado interno e o aumento da globalização do mercado. A competitividade, no entanto, varia de um segmento da indústria da construção para outro e de um país da União Europeia para outro.

8 O envelhecimento da população europeia e, com isso, a crescente dificuldade no recrutamento de mão de obra para a construção civil são contrabalançados pelo fluxo migratório proveniente dos novos países membros da União Europeia, que também ampliam o mercado consumidor a ser desenvolvido. A recente conscientização sobre sustentabilidade leva a novas exigências por parte dos clientes, públicos e privados, determinando a criação de requerimentos e regulamentações, tanto em âmbito nacional como na União Europeia. Já existem dois sistemas de certificação de construções na Europa: um de origem inglesa, o Building Research Establishment Environmental Assessment (Breeam), cuja avaliação está baseada em critérios e benchmarks, e o francês Haute Qualité Environnementale (HQE), cujo modelo já foi adaptado ao Brasil com o selo Aqua (Alta Qualidade Ambiental). Outro fator de pressão no setor diz respeito aos novos padrões de saúde e segurança nos processos construtivos, o que impõe a mudança e o aprimoramento dos referidos processos, assim como a busca por maior eficiência, observada nas seguintes iniciativas: i) utilização de tecnologias da informação em materiais e edificações (prédios inteligentes); ii) comunicação com clientes e associados nos empreendimentos; iii) controle das atividades, materiais e equipamentos; iv) suprimento de materiais e equipamentos com o e-business; v) utilização de equipamentos de inteligência virtual; e vi) projeto e construção. A indústria da construção civil também utiliza certas técnicas, como a lean construction e a de elementos pré-fabricados, que permitem minimizar erros e é possível graças à utilização de planejamento nas etapas de construção, contemplando a disponibilidade de materiais, equipamentos e mão de obra. A adoção desses métodos construtivos requer qualificação da mão de obra, o que não é um problema para as grandes empresas do setor, que estão equipadas para reduzir custos e prazos. De modo geral, pode-se dizer que a melhora da qualidade 307

9 suprir essas necessidades. Porém, para as pequenas e médias empresas, a escassez de mão de obra qualificada é grave, haja vista que elas não têm as habilidades e os recursos necessários para desenvolvê-la. Além disso, há uma tendência para a terceirização e a subcontratação de atividades na construção civil, que já é percebida na Grã-Bretanha e na Espanha. Na Espanha, a indústria da construção passou por uma grande recessão entre 1975 e 1985, cujo resultado foi um setor completamente diferente do anterior. As mudanças mais relevantes foram o aumento do emprego temporário e a crescente utilização de autônomos. Na Grã-Bretanha, observa-se um aumento da terceirização, de modo que há atividades terceirizadas que estão sob o controle de um gestor. A intensificação da terceirização levou grandes empresas europeias de construção a se fixarem em funções de gerenciamento do empreendimento. Esse aumento da terceirização e da contratação de autônomos é consequência da busca por flexibilidade na construção, frente aos custos de mão de obra e às flutuações da oferta de obras. Isso permite que a contratação de mão de obra seja obtida de acordo com a sua necessidade e que o dispêndio ocorra apenas quando houver construção. Essa flexibilização reflete-se em um decréscimo no número de adesões aos sindicatos, o que deteriora as condições de trabalho, como treinamentos deficientes, salários menores, mais horas de trabalho e aumento de fadiga física. Construção civil nos Estados Unidos A indústria da construção civil americana representou 5,9% do PIB americano, em No ranking da ENR, para 2008, das 225 maiores empresas, os Estados Unidos apresentaram receitas de concorrências internacionais que representaram 10,7% do total da amostra, atrás de Europa, Oriente Médio e Ásia/Austrália. 308 Essa indústria está dividida em três segmentos: edificações (residenciais, comerciais e outros tipos); construção pesada (estradas, rodovias interestaduais, pontes, túneis e outros projetos especiais); e serviços especiais (pintura, hidráulica, elétrica e outros).

10 As edificações nos Estados Unidos são bastante padronizadas. A certificação Leadership in Energy and Environmental Design (LEED), que se tornou padrão de avaliação na América do Norte, funciona como uma ferramenta de auxílio do projeto e também como uma certificação ambiental. É um sistema voluntário. Essa certificação é fornecida pelo United States Green Building Council (USGBC), instituição fundada em 1991, e é resultado da aliança entre representantes da construção civil, educadores e agentes governamentais. O Gráfico 1 demonstra a evolução dos gastos em construção civil, separados em gastos privados que, por sua vez, são segmentados em residenciais e não residenciais e em gastos públicos. Observa-se ainda que, a partir de 2002, os gastos privados residenciais aceleraram-se fortemente, atingindo o seu ápice em Gráfico 1: Evolução dos gastos em novas construções nos Estados Unidos Em US$ bilhões Construção privada residencial Construção pública 2008r 2006r r Construção privada não residencial Total da nova construção Fonte: US Department of Commerce (Census Bureau). Esse boom imobiliário teve como origem o crescimento da oferta de crédito imobiliário a taxas de juros reais relativamente baixas e até negativas. estadunidense, o Federal Reserve (Fed), tendo em vista o baixo crescimento econômico e a baixa taxa de inflação, em especial depois do evento de 11 de setembro de 2001 [Torres (2009)]. Nessa época, era expansionista a política monetária adotada pelo Banco Central 309

11 Aliados à expansão do crédito, inclusive para segmentos que não apresentavam comprovações de renda suficiente para pagar o imóvel, os chamados subprime, estão o crescimento da renda e as expectativas extremamente otimistas sobre os ganhos com a valorização imobiliária. Assim, a demanda elevou-se fortemente, a passos maiores do que os da oferta, fazendo com que os preços dos imóveis apresentassem uma trajetória de crescimento acelerada, como pode ser observado no Gráfico 2. Gráfico 2: Evolução do índice de preços dos imóveis nos Estados Unidos jan/09 jan/07 jan/05 jan/03 jan/01 jan/99 jan/97 jan/95 jan/93 jan/91 jan/89 jan/87 0 Fonte: S&P/Case-Schiller Home Price Indices.6 Obs: Valor de janeiro de 2000 = 100. Esse comportamento de crescimento foi observado até 2006, ano em que o Fed decidiu aumentar a taxa de juros para além da inflação. Esse aumento real da taxa de juros reduziu a demanda por imóveis por causa do encarecimento dos financiamentos imobiliários, de modo que o valor do imóvel, dado como garantia, era menor do que o valor da dívida. A inversão dessa relação, que foi por um longo tempo benéfica para os clientes, incentiva a devolução do imóvel ao credor, aumentando a quantidade de imóveis à venda e contribuindo mais ainda para a queda dos preços Dados retirados de Torres (2009) e do site: <http://www.standardandpoors.com/home/en/us>.

12 Os gastos em construção residencial caíram cerca de 54% de 2004 a 2009, como pode ser visto no Gráfico 3. Esses gastos são predominantemente privados, embora tenha decaído a sua participação no total, que era de 78%, em 2004, para 66%, em Gráfico 3: Evolução dos gastos em construção residencial e não residencial dessazonalizados (jan/04 = 100) Residencial privado Não residencial privado Residencial público Não residencial público set/09 jan/09 mai/09 set/08 mai/08 set/07 jan/08 jan/07 mai/07 set/06 mai/06 jan/06 set/05 jan/05 mai/05 set/04 jan/04 mai/04 40 Fonte: U.S. Census Bureau. No mesmo gráfico, observa-se que, ao contrário, os gastos na construção não residencial apresentaram crescimento acumulado de 60% no mesmo período. Os gastos privados nesse tipo de construção vinham crescendo até fevereiro de 2008, quando alcançaram uma participação de 59% dos gastos totais. A partir desse mês até junho de 2009, observaram-se sucessivos ganhos de participação dos gastos públicos, destacando-se aqueles destinados à segurança pública, à saúde, a escritórios e edifícios comerciais e à educação. Em novembro de 2009, a participação dos gastos públicos em construção, incluindo o segmento residencial, apresentou aumento. Conforme a Tabela 4, os gastos dos Estados Unidos. públicos passaram a ser responsáveis por cerca de 35% do total da construção civil 311

13 Tabela 4: Distribuição dos gastos com a construção civil em 2009 (em US$ milhões) Setor privado ,6% Residencial ,9% Não residencial ,7% ,4% ,4% Setor público Estado/local Federal Total ,0% % Fonte: Census Bureau.7 Houve certa recuperação graças aos gastos públicos e à expansão das construções privadas residenciais (ver Gráfico 3). Essa recuperação foi observada também no aumento das licenças para a construção civil em novembro de 2009, em relação ao mês anterior, alcançando o nível de 580 mil.8 Panorama da construção civil no Brasil O setor de construção civil brasileiro foi responsável por 4% do PIB em 2009 e vem acumulando sucessivas taxas de crescimento de 1995 até A taxa de crescimento média nesse período ficou em torno de 9,7% ao ano. O Gráfico 4 mostra a relevância desse setor para a composição da formação bruta de capital fixo, embora a sua participação venha diminuindo desde A participação do setor de construção civil na formação bruta de capital fixo brasileira está em 5,2 pontos percentuais abaixo da média mundial.9 Podem-se ressaltar alguns problemas relevantes que ajudam a explicar essa situação: a escassez de crédito para habitação e o baixo nível de inversões em infraestrutura, que está relacionado às restrições fiscais e à inadequação dos marcos legal e regulatório do país para que sejam realizados investimentos em cons- trução civil. No Gráfico 4, observa-se a evolução da construção na formação 312 bruta de capital fixo. 7 U.S. Census Bureau News, disponível em: <http://www.census.gov/const/newresconst.pdf>. Idem à nota 6. 8 Visão do desenvolvimento, n. 73, 30 de novembro de

14 Gráfico 4: Evolução dos componentes da formação bruta de capital fixo (FBKF) Em R$ milhões ,8% 48,6% 49,7% 52,1% 52,9% 49,6% 46,5% 47,3% 44,2% 43,7% 42,3% 40,4% 38,3% 37,7% 41,1% Construção Máquinas e equimentos Outros Fonte: IBGE. A indústria da construção civil brasileira tem também como característica o uso intensivo de mão de obra, principalmente a não qualificada. No ano de 2007, essa indústria empregou cerca de 1,5 milhão de trabalhadores, sendo que o grupo de atividade de construção de edifícios e obras de engenharia civil é responsável por quase 75% desses empregos. Essa distribuição por grupos de atividades definidos pelo CNAE 1.0 é mostrada no Gráfico 5. Gráfico 5: Pessoal ocupado por grupos de atividades em Fonte: Paic/IBGE (2007). Preparação de terreno Construção de edifícios e obras de engenharia civil Obras de Obras de infraestrutura instalações para engenharia elétrica e de telecomunicações Obras de acabamento Aluguel de equipamentos de construção e demolição com operador

15 É preciso ressaltar que a Pesquisa Anual da Indústria da Construção (Paic), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), não considera o emprego informal nos seus resultados, o que subestima os efeitos dessa indústria na geração de emprego e renda na sociedade brasileira.10 Em estudo realizado pela FGV & Abramat (2009a), incluindo a autogestão e a autoconstrução,11 estima-se em 7 milhões o número de trabalhadores na construção civil, o que gera um PIB de R$ 137 bilhões. Impacto da crise econômica mundial sobre o Brasil A crise econômica mundial de 2008 teve efeitos na construção civil brasileira por meio da redução do crédito privado para esse setor. Das 21 empresas construtoras e incorporadoras que abriram seus capitais entre 2006 e 2007, oito estavam no conjunto das 30 empresas que tiveram a maior queda do preço de suas ações na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) em O volume de recursos obtido pelo setor por captações primárias entre 2005 e fevereiro de 2010 chegou a R$ 17,4 bilhões. Cabe lembrar o fato de que o período de construção é extenso, por isso o financiamento tem a função de compatibilizar a grande defasagem temporal entre as despesas operacionais e a receita operacional proveniente da venda do empreendimento. Ademais, o produto final da construção apresenta um elevado valor monetário. É necessário, portanto, que o cliente seja financiado, o que é frequente no segmento de edificações residenciais. Os impactos negativos da crise sobre o setor de construção civil podem ser mais bem visualizados no Gráfico 6, pela queda que ocorreu no setor do terceiro trimestre de 2008 ao primeiro trimestre de Ao traçar o perfil dessa indústria, o Sebrae-MG (2005) afirma que é pequena a participação do emprego 10 formal na parcela total de empregados ocupados no setor. A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) corrobora essa afirmação ao informar que, em 2004, para cada R$ 1 milhão investidos, geravam-se de forma direta 16 empregos formais e 66 informais. 314 A autogestão está associada à construção na qual o cliente é responsável pelo gerenciamento da obra, com- 11 prando os materiais de construção e contratando a mão de obra necessária. Já a autoconstrução é aquela na qual o cliente não apenas gerencia a sua obra, como emprega sua força de trabalho na construção. Dados da Consultoria Economática, mencionados no site: <http://www.reporterdiario.com.br/site/noticia. 12 php?id=99675&secao=13>.

16 Gráfico 6: Evolução trimestral da construção civil no Brasil Em R$ milhões I2003 III2003 I2004 III2004 I2005 III2005 I2006 III2006 I2007 III2007 I2008 III2008 I2009 III Construção civil Tendência linear da construção civil Tendência linear pós-crise Fonte: IBGE. Entretanto, se analisada a tendência da evolução da construção civil (Gráfico 6), nota-se que houve, em 2009, crescimento superior àquele que vinha sendo observado em anos anteriores, o que reflete os efeitos das várias medidas anticíclicas adotadas no Brasil para minimizar os efeitos da crise. Segundo a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI),13 o segmento de edificações comerciais é dependente, em grande parte, do capital estrangeiro. As empresas que atuam no segmento de construção pesada, que têm, em geral, operações internacionais, também sofreram de forma direta os efeitos da restrição do crédito, tendo em vista que suas estruturas de financiamento mais frequentes (project finance, corporate finance, parceria público-privada etc.) são dependentes, em diferentes graus e formas, do capital estrangeiro. O segmento de edificações residenciais também sentiu o impacto da crise, como pode ser observado na queda dos financiamentos, tanto para aquisição quanto para o Gráfico 7. Esse sistema é composto de depósitos de poupança voluntária e, por isso, é mais vulnerável às oscilações da economia brasileira. Relatório de Acompanhamento Setorial, janeiro de construção, do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), conforme 315

17 Gráfico 7: Evolução do crédito proveniente do SBPE Em R$ milhões set/09 jul/09 mai/09 jan/09 mar/09 nov/08 jul/08 set/08 mai/08 jan/08 mar/08 nov/07 jul/07 set/07 mai/07 mar/07 0 jan/ Fonte: Banco Central do Brasil. Entretanto, a fim de minimizar os efeitos dessa crise, várias foram as medidas anticíclicas adotadas no Brasil que contribuíram para a recuperação em Entre essas medidas, estão a desoneração tributária de alguns materiais de construção e a expansão do crédito para habitação, em particular com o Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV), como também o aumento do aporte de recursos para investimentos no âmbito do PAC. Impacto da redução tributária A política de desoneração tributária, no início de 2009, tornou-se uma medida estratégica para o governo, como forma de enfrentar os efeitos da crise mundial. Entre as várias medidas de redução dos tributos, como PIS, Cofins e Imposto de Renda, a principal foi a do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), que levou, em especial, à queda dos preços dos materiais para a construção civil, contribuindo para a redução de custos do setor. Em 2009, mais de 90 itens da construção apresentavam desoneração completa ou parcial. 316 Em virtude do longo período de maturação dos investimentos no setor de construção civil, prorrogou-se para meados de 2010 a redução da alíquota de IPI, principalmente para os seguintes itens: cimento, tinta, verniz, banheiras, box,

18 ladrilhos, revestimentos e vergalhões. Com esse adiamento do fim da desoneração, a Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Construção (Abramat)14 afirma que o faturamento das empresas que compõem essa indústria será 15% maior. O Gráfico 8 possibilita observar os efeitos dessas políticas sobre o nível de utilização da capacidade instalada da indústria de material de construção. Gráfico 8: Nível de utilização da capacidade instalada na indústria de materiais de construção 95 Em % T05 2T05 3T05 4T05 1T06 2T06 3T06 4T06 1T07 2T07 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 Fontes: FGV, ConstruBusiness (2009), LCA. Impacto da expansão do crédito após a crise As principais fontes de recursos para o Sistema Financeiro da Habitação (SFH) são as seguintes: a poupança voluntária proveniente dos depósitos de poupança do SBPE; e a poupança compulsória proveniente dos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), cujo papel de agente operador cabe à Caixa Econômica Federal (Caixa). O Gráfico 9 mostra a evolução Disponível em: <www.abramat.org.br/files/estudo%20efeitos%20do%20ipi_set07.pdf>. 14 das duas fontes de recursos. 317

19 Gráfico 9: Evolução das duas principais fontes de recursos para financiamento no SFH Em R$ bilhões SBPE FGTS Fontes: Banco Central do Brasil e Caixa. Como se percebe no Gráfico 9, os recursos do FGTS para financiamento no SFH foram majoritários até o ano de 2006, quando os recursos do SBPE iniciaram uma trajetória de crescimento acelerado. Em 2009, os recursos do SBPE representaram 68% do total de fonte de recursos (FGTS+SPE). Os recursos do FGTS apresentaram crescimento de 2% na sua participação nesse total em 2009, dado que o programa de financiamento habitacional PMCMV utiliza-se desse fundo. A implementação do PMCMV e a expansão da atuação de bancos públicos foram os responsáveis pela duplicação do crédito habitacional em 2009, segundo a Caixa.15 Ainda se estima para o ano de 2010 um crescimento de 30% do volume de crédito habitacional.16 O Gráfico 10 mostra a distribuição dos recursos do SFH por tipo de banco, no qual se observa a predominância dos bancos públicos. 318 Fonte: <http://oglobo.globo.com/economia/morarbem/mat/2010/01/28/volume-de-credito-imobiliario-da- 15 caixa-dobra-mas-meta-do-minha-casa-minha-vida-nao-cumprida asp>. Fonte: <http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2010/01/19/materia /view>. 16

20 Gráfico 10: Crédito do SFN para habitação por tipo de banco Em R$ milhões Privado nacional mai/10 set/09 jan/10 mai/09 set/08 jan/09 mai/08 set/07 jan/08 mai/07 set/06 jan/07 mai/06 set/05 jan/06 mai/05 set/04 jan/05 mai/04 set/03 Público jan/04 mai/03 set/02 jan/03 mai/02 0 Privado estrangeiro Fonte: Banco Central do Brasil. Ainda no Gráfico 10, percebe-se a baixa participação do crédito concedido por bancos estrangeiros na construção habitacional, que, associada, em parte, à regulação bancária, reduziu o canal direto de transmissão dos efeitos da crise mundial. Comparação entre o desempenho da construção civil brasileira, europeia e americana em face da crise internacional recente Como o financiamento é essencial para construtores e clientes, o impacto da crise do sistema financeiro internacional deveria ter sido devastador. Contudo, o mercado de construção civil não residencial não sofreu pesadamente os efeitos da crise recente. Houve uma forte atuação dos governos, que têm mantido as encomendas de construção voltadas para a infraestrutura, mantendo as empreiteiras. Contudo, as empresas que atuam nos mercados globais foram preteridas em benefício das locais nas políticas de incentivos que os diversos governos implementaram para reduzir seus impactos. mento, mas nos Estados Unidos, apesar de a construção ainda estar em queda, os preços dos imóveis expressam tentativas de recuperação. Na Europa, a construção residencial ainda apresenta índices negativos de cresci- 319

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Pesquisa Anual da Indústria da Construção - PAIC levanta informações sobre o segmento empresarial da indústria da construção em A todo o Território Nacional. A presente análise visa

Leia mais

Crédito Imobiliário: Ação Governamental no Brasil

Crédito Imobiliário: Ação Governamental no Brasil Crédito Imobiliário: Ação Governamental no Brasil Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades II Conferência Internacional de Crédito Imobiliário Fortaleza 17 de março de 2010 CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil PATROCINADOR INICIATIVA REALIZAÇÃO SUBCAPA O trabalho e a pesquisa O TRABALHO E A PESQUISA A 4ª edição do relatório principais investimentos

Leia mais

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Brasil 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

Leia mais

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como Sonho Brasileiro.(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2009 Fórum Especial INAE Luciano

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC)

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) Professor: Pedro Antônio Bertone Ataíde 23 a 27 de março

Leia mais

Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Usina Hidrelétrica de Belo Monte Usina Hidrelétrica de Belo Monte PA Ao dar continuidade ao maior programa de infraestrutura do Brasil desde a redemocratização, o Governo Federal assumiu o compromisso de implantar um novo modelo de desenvolvimento

Leia mais

Os investimentos necessários para seguirmos crescendo : Setor Imobiliário Seminário FEBRABAN / BNDES de Economia 2010

Os investimentos necessários para seguirmos crescendo : Setor Imobiliário Seminário FEBRABAN / BNDES de Economia 2010 Os investimentos necessários para seguirmos crescendo : Setor Imobiliário Seminário FEBRABAN / BNDES de Economia 2010 Setor Imobiliário Brasileiro Questão atual e projeções para o futuro: Défict Habitacional

Leia mais

POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO

POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Outubro / 2014 POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO Histórico recente da evolução do crédito à moradia Impactos dos investimentos

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Como Financiar os Investimentos em Infraestrutura no Brasil? FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO - OS NÓS DA INFRAESTRUTURA São Paulo, 13 de setembro de 2012 Luciano Coutinho Presidente No longo prazo, economia

Leia mais

A Desoneração tributária na Construção Civil

A Desoneração tributária na Construção Civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 06 abril de 2014 Organização:

Leia mais

O MAIS COMPLETO SISTEMA DE MONITORAMENTO E ANÁLISE DO MERCADO BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO!

O MAIS COMPLETO SISTEMA DE MONITORAMENTO E ANÁLISE DO MERCADO BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO! O MAIS COMPLETO SISTEMA DE MONITORAMENTO E ANÁLISE DO MERCADO BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO! A evolução da indústria da construção civil A indústria da construção civil evoluiu, assumiu um papel importante

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Associação Brasileira de Incorporadoras - ABRAINC Produto 2 - Estimativa dos Impactos dos Investimentos em Habitação sobre a Economia no Brasil -

Associação Brasileira de Incorporadoras - ABRAINC Produto 2 - Estimativa dos Impactos dos Investimentos em Habitação sobre a Economia no Brasil - Associação Brasileira de Incorporadoras - ABRAINC Produto 2 - Estimativa dos Impactos dos Investimentos em Habitação sobre a Economia no Brasil - Versão Final - 3ª Versão 17 de março de 2014 Sumário DESTAQUES...

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 A Evolução do Funding e as Letras Imobiliárias Garantidas Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP O crédito imobiliário

Leia mais

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social SEMINÁRIOS TEMÁTICOS Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Brasília, 24 de novembro de 2011 Política Nacional de Habitação

Leia mais

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013)

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) André Medici Congresso Internacional de Serviços de Saúde (CISS) Feira Hospitalar São Paulo (SP) 23 de Maio de 2013

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional -SP Fundação: 1937- origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL A Engenharia Consultiva Nacional e a Construção da Infraestrutura Um breve diagnóstico O setor de infraestrutura apresenta aspectos distintos

Leia mais

MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ALESSANDRA D AVILA Diretora do Departamento de Urbanização de Assentamentos Precários Rio de Janeiro/RJ, 03 de Setembro de 2015 AVANÇOS

Leia mais

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010 Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL Outubro de 2010 Aviso Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos históricos, mas refletem as metas e as expectativas

Leia mais

Valores de Locação no Rio de Janeiro aumentarão até 2016.

Valores de Locação no Rio de Janeiro aumentarão até 2016. 1º SEMESTRE 2011 ESCRITÓRIOS A E A+ RIO DE JANEIRO MARKET REPORT DE ESCRITÓRIOS RELATÓRIO DE PESQUISA DE ESCRITÓRIOS A+ E A Valores de Locação no Rio de Janeiro aumentarão até 2016. Economia PREÇO ABSORÇÃO

Leia mais

BALANÇO DO MERCADO IMOBILIÁRIO

BALANÇO DO MERCADO IMOBILIÁRIO BALANÇO DO MERCADO IMOBILIÁRIO 2001 2010 A DÉCADA DA RETOMADA CELSO PETRUCCI Diretor Executivo Economista chefe do Secovi SP Versão 1005133-20100617 CPE CPE - ACCB/CCMA/JJA/MAB/RSO - ACCB/JJA/MAB/RSO 1/37

Leia mais

Análise dos dados da PINTEC 2011. Fernanda De Negri Luiz Ricardo Cavalcante Nº 15

Análise dos dados da PINTEC 2011. Fernanda De Negri Luiz Ricardo Cavalcante Nº 15 Análise dos dados da PINTEC 2011 Fernanda De Negri Luiz Ricardo Cavalcante Nº 15 Brasília, dezembro de 2013 Análise dos dados da Pintec 2011 Fernanda De Negri ** Luiz Ricardo Cavalcante ** 1 Introdução

Leia mais

A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil. Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL

A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil. Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil Comissão de Serviços de Infraestrutura José Otavio Carvalho Vice Presidente Executivo Cimento: Características do produto - Base do concreto - o material

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato de máquinas têxteis; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ gera mais

Leia mais

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi PAC Programa de Aceleração do Crescimento Retomada do planejamento no país Marcel Olivi PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO Lançado em 22/01/2007 o programa é constituído por Medidas de estímulo

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Política governamental e propostas para combate do déficit habitacional As Contribuições da CAIXA

Política governamental e propostas para combate do déficit habitacional As Contribuições da CAIXA Política governamental e propostas para combate do déficit habitacional As Contribuições da CAIXA 1 Conferência Internacional de Crédito Imobiliário do Banco Central do Brasil Experiência Internacional

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Pesquisa Anual da Indústria da Construção - PAIC levanta informações sobre o segmento empresarial da indústria da construção A em todo o Território Nacional. A presente análise apresenta

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

SECOVI MINHA CASA, MINHA VIDA

SECOVI MINHA CASA, MINHA VIDA SECOVI MINHA CASA, MINHA VIDA Miriam Belchior Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão São Paulo, 15 de julho de 2013 NOVOS MOTORES DO CRESCIMENTO Modelo brasileiro diversificou as fontes de crescimento

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Sustentabilidade do Crédito Imobiliário Algumas contribuições do Governo Federal e da CAIXA

Sustentabilidade do Crédito Imobiliário Algumas contribuições do Governo Federal e da CAIXA 2 a Conferência Internacional de Crédito Imobiliário Sustentabilidade do Crédito Imobiliário Algumas contribuições do Governo Federal e da CAIXA Fortaleza, Março/2010 Modelo Stop and Go EVOLUÇÃO DE FINANCIAMENTOS

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira continuarácrescendo firmemente nos

Leia mais

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 21 dezembro de 2014

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Direcional Engenharia S.A.

Direcional Engenharia S.A. 1 Direcional Engenharia S.A. Relatório da Administração Exercício encerrado em 31 / 12 / 2007 Para a Direcional Engenharia S.A., o ano de 2007 foi marcado por recordes e fortes mudanças: registramos marcas

Leia mais

Mercado em Foco: Chile

Mercado em Foco: Chile Mercado em Foco: Chile EXPOMIN, 2014 Breve estudo com informações sobre as perspectivas de negócios da economia do Chile. Apresentamos também uma análise do comércio exterior de máquinas e equipamentos

Leia mais

Pesquisa Anual da Indústria da Construção IBGE. Data: 22/maio/2014

Pesquisa Anual da Indústria da Construção IBGE. Data: 22/maio/2014 Pesquisa Anual da Indústria da Construção Paic IBGE Data: 22/maio/2014 APRESENTAÇÃO A Pesquisa Anual da Indústria da Construção (Paic) se insere na missão institucional do IBGE, mensurando e delineando

Leia mais

POLÍTICA TRIBUTÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA

POLÍTICA TRIBUTÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA ESTADO, TRIBUTAÇÃO E SEGURIDADE SOCIAL POLÍTICA TRIBUTÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA Marcelo Lettieri (marlettieri@gmail.com) OVERVIEW Tributação e Distribuição de Renda Modelo Tributário - Tendência histórica

Leia mais

Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014

Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014 Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014 A saúde suplementar no Brasil cresceu consistentemente nos últimos anos e o país ocupa lugar de destaque no cenário mundial.

Leia mais

MERCADO CORPORATIVO MAIS FAVORÁVEL AO INQUILINO EM 2013

MERCADO CORPORATIVO MAIS FAVORÁVEL AO INQUILINO EM 2013 4º TRIMESTRE 213 escritórios São paulo MARKET REPORT ESCRITÓRIOS RELATÓRIO DE PESQUISA DE ESCRITÓRIOS A+ A e B MERCADO CORPORATIVO MAIS FAVORÁVEL AO INQUILINO EM 213 Inventário Existente: 3.95 milhões

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

Cenários,Tendências e Desafios da Construção Civil no Brasil

Cenários,Tendências e Desafios da Construção Civil no Brasil Cenários,Tendências e Desafios da Construção Civil no Brasil I. Cenário Atual II. III. IV. Histórico e Dados Relevantes para Viabilidade O Negócio Imobiliário - Definições e Características Cenários para

Leia mais

Perspectivas para o financiamento das PPPs

Perspectivas para o financiamento das PPPs Perspectivas para o financiamento das PPPs PPP Summit 2015 20 de maio de 2015 Frederico Estrella frederico@tendencias.com.br Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Pesquisa de Q2 2013. Expectativa de Emprego Manpower Brasil

Pesquisa de Q2 2013. Expectativa de Emprego Manpower Brasil Pesquisa de Q2 213 Expectativa de Emprego Manpower Brasil Pesquisa de Expectativa de Emprego Manpower Brasil Sumário Q2/13 Expectativa de Emprego no Brasil 1 Comparativo por Região Comparativo por Setor

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 28 JUNHO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 28 JUNHO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO NÚMERO 28 JUNHO DE 21 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS A divulgação do crescimento do PIB no primeiro trimestre desse ano, além de revelar uma taxa

Leia mais

O TRABALHO TEMPORÁRIO NÃO É UMA FORMA DE TRABALHO PRECÁRIA Razões para lutar contra 10 equívocos sobre o Trabalho Temporário

O TRABALHO TEMPORÁRIO NÃO É UMA FORMA DE TRABALHO PRECÁRIA Razões para lutar contra 10 equívocos sobre o Trabalho Temporário O TRABALHO TEMPORÁRIO NÃO É UMA FORMA DE TRABALHO PRECÁRIA Razões para lutar contra 10 equívocos sobre o Trabalho Temporário Equívoco 1: O Trabalho Temporário não proporciona segurança no trabalho Em muitos

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia?

Brasil: Potência ou Colônia? Brasil: Potência ou Colônia? Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Contexto

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho O cenárioeconômicoe as MPE Brasília, 1º de setembro de 2010 Luciano Coutinho O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira pode crescer acima de 5% a.a. nos próximos cinco

Leia mais

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Simpósio UNIMED 2015 Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Mansueto Almeida 28 de agosto de 2015 Indústria: o que aconteceu? Produção Física da Indústria de Transformação 2002-

Leia mais

1 O problema 1.1. Introdução

1 O problema 1.1. Introdução 1 O problema 1.1. Introdução Diversas mudanças ocorridas na economia brasileira na década de 2000 contribuíam para a estabilidade econômica, possibilitando o crescimento sustentável que o País demonstrou

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES 31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX PALESTRA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2012 2 DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Construção Civil e Sustentabilidade

Construção Civil e Sustentabilidade CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 07 maio de 2014 Organização:

Leia mais

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior Ministro Augusto Nardes TEMA 2: Geração de emprego e renda na economia nacional 1. Frente Parlamentar e a micro

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

Bolha imobiliária: realidade ou ficção? Marcelo Barros, economista, professor da FBV Antônio Pessoa, economista, professor da FBV

Bolha imobiliária: realidade ou ficção? Marcelo Barros, economista, professor da FBV Antônio Pessoa, economista, professor da FBV Bolha imobiliária: realidade ou ficção? Marcelo Barros, economista, professor da FBV Antônio Pessoa, economista, professor da FBV Las Vegas - EUA Barro Recife/PE Qual é o imóvel mais caro? Fonte: Blog

Leia mais

DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA

DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Dezembro/98 N o 20 DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA O comércio é a ponta da cadeia produtiva e é o primeiro

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Balanço do Mercado Imobiliário - Primeiro Semestre 2011. Mercado de Imóveis Novos Residenciais no Primeiro Semestre 2011

Balanço do Mercado Imobiliário - Primeiro Semestre 2011. Mercado de Imóveis Novos Residenciais no Primeiro Semestre 2011 Balanço do Mercado Imobiliário - Primeiro Semestre 2011 Mercado de Imóveis Novos Residenciais no Primeiro Semestre 2011 1 DIRETORIA Presidente João Crestana Economista-chefe Celso Petrucci Mercado de Imóveis

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Construção Residencial 16 de dezembro de 2014 Ajuste dos estoques de imóveis residenciais reforça expectativa de menor crescimento da atividade de construção civil nos próximos trimestres Departamento

Leia mais

O papel da CAIXA na viabilização dos Programas Habitacionais

O papel da CAIXA na viabilização dos Programas Habitacionais O papel da CAIXA na viabilização dos Programas Habitacionais AGENDA I NÚMEROS CAIXA III PROGRAMAS DE HABITAÇÃO SOCIAL III.I PMCMV, Operações Coletivas, Crédito Solidário, PAR Valores Contratados 2003 A

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária...

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas;

Leia mais

A Construção na Ótica da Indústria de Materiais. Walter Cover 27/08/2014

A Construção na Ótica da Indústria de Materiais. Walter Cover 27/08/2014 A Construção na Ótica da Indústria de Materiais Walter Cover 27/08/2014 Representatividade ABRAMAT 10% Do PIB Nacional Cadeia da Construção 5,5 Milhões de trabalhadores formais (3,5 na construção Civil)

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALTER PINHEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALTER PINHEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 167, de 2011, que altera o inciso III do art. 18 da Lei nº 4.380, de 21 de agosto de

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais