Sustentando a recuperação pós-crise: o Brasil e o Mundo 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sustentando a recuperação pós-crise: o Brasil e o Mundo 1"

Transcrição

1 1 Sustentando a recuperação pós-crise: o Brasil e o Mundo 1 Bernardo Pereira Cabral 2 Irailton Silva Santana Junior 2 Introdução Depois de uma recessão global profunda, a recente recuperação da economia global, conseguida através de uma intervenção fiscal e monetária sem precedentes na história da humanidade, ainda é questionada sob os critérios de sustentabilidade. Percebendo que, na medida em que mais e mais medidas governamentais são tomadas, os déficits públicos, principalmente dos países desenvolvidos, têm aumentado significativamente. Por essas e outras, o futuro da economia global ainda é nebuloso. Ainda que o crescimento global tenha superado as expectativas, a recuperação vai ser longa, demorada e insuficiente, pelo menos no curto prazo, para diminuir o desemprego. Além disso, o PIB per capita mundial terá, pela primeira vez em dez anos, um decréscimo, os índices de comércio e empréstimo globais ainda estão baixos, aliados a uma queda também nos números de demanda e investimento dos países desenvolvidos. Não se pode esquecer ainda que, apesar dessa pequena melhora nos índices econômicos, a estratégia de recuperar, através de incentivos e garantias, o modelo macroeconômico e financeiro pré-crise pode gerar uma nova onda de bolhas e perturbações. Já está na ordem do dia não somente melhorar a regulação dos mercados financeiros, mas criar um novo modelo de integração internacional com os países superavitários, como a China, estimulando sua demanda interna e importações, enquanto os países deficitários, notadamente os EUA, melhorariam suas contas externas e diminuiriam os déficits públicos. CONJUNTURA INTERNACIONAL 1 Relatório orientado pelos professores Celeste Maria Philigret Baptista e Paulo Balanco, membros do Núcleo de Estudos Conjunturais da Faculdade de Ciências Econômicas da UFBA 2 Alunos do Curso de Graduação em Ciências Econômicas da Faculdade de Ciências Econômicas da UFBA e bolsistas do Núcleo de Estudos Conjunturais (NEC-FCE-UFBa.).

2 2 Diante dos mais recentes dados sobre a economia global, a visível recuperação dos países deve, ainda, ser vista com cautela. Mesmo com a melhora nos índices de confiança dos consumidores e empresários, aumento das transações comerciais, aumento do preço das commodities etc., a previsão dos principais órgãos supranacionais é de que a retomada existe, mas será muito fraca para os padrões históricos. (WORLD, 2009) De acordo com previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI), o crescimento mundial atingirá cerca de 3% em 2010, número muito melhor que o 1% negativo previsto para o fim deste ano. Ainda assim, as previsões para os próximos cinco anos são de crescimento na ordem de 4% ao ano, só um 1 pp. menor que a média dos anos anteriores a Figura 1: Crescimento do PIB mundial (em %) e em áreas especiais: Fonte: WEO(2009) Conforme tendência já sinalizada em relatórios anteriores, a recuperação do crescimento global será dada, principalmente, pela capacidade dos países em desenvolvimento de manter suas posições de exportadores de commodities e de investir mais em sua demanda interna. Embora tenham passado por uma diminuição nos seus superávits em conta corrente, e, em alguns casos, até obtendo déficits, a melhora no consumo dos países ricos deve trazer as balanças de pagamentos desses países para níveis similares aos níveis pré-crise. Como é demonstrado na figura 1, a partir do próximo ano o mundo

3 3 conviverá com índices de crescimento médio muito maior nos países em desenvolvimento do que nos países desenvolvidos. Estabilidade Financeira A recuperação atual é mais fortemente sentida nos mercados financeiros, ainda que, comparado aos índices pré-crise, a quantidade de dinheiro emprestada pelos bancos tenha caído muito. Ações como os cortes drásticos nas taxas de juros e outras intervenções com objetivo de manter as instituições financeiras solventes e ativas, foram os principais responsáveis por essa grande retomada. No entanto, deve-se ressaltar que a injeção de dinheiro realizada nos bancos dos países ricos foi quase que totalmente direcionada para os países em desenvolvimento. O alto endividamento privado dos primeiros dificultou a retomada dos empréstimos internos, uma vez que o setor privado estava mais preocupado em saldar as dívidas anteriormente contraídas. Sendo assim, mesmo com a injeção de liquidez cedida pelos bancos centrais, os bancos privados europeus e americanos, sem boas expectativas para a demanda interna de seus países, tiveram de partir para as bolsas de valores dos países desenvolvidos, o que culminou na valorização das moedas e das commodities exportadas por estes. (BELUZZO, 2009) Impacto da crise no comércio global O comércio internacional na primeira metade de 2008 continuou a tendência estabelecida na última década, com crescimento rápido. Somente em Setembro de 2008 os impactos da crise econômica mundial se fizeram mais evidentes na quantidade de bens e serviços exportados e importados mundo afora. O colapso do comércio durante a crise foi atribuído em parte à falta de concessão de crédito para importadores e exportadores. A insegurança crescente direcionou os agentes do comércio internacional de formas menos seguras de crédito para arranjos mais formais, como os seguros de crédito ao exportador (ECI) e as letras de crédito.

4 4 A crise, no entanto, afetou de diferentes formas o comércio no mundo. Quantidades transacionadas deterioraram-se mais na Europa, com queda de 16% na comparação entre os últimos trimestres de 2007 e As exportações da Ásia caíram apenas 5% e as norte-americanas, 7%. Dado interessante é que o comércio dentro das regiões contraiu-se mais rápido do que o comércio entre regiões: a Europa, região mais integrada economicamente, teve queda de 18% nas transações entre países do continente, em comparação com os 8% entre os países da Ásia e os 10% dos países da América do Norte. (INTERNATIONAL, 2009) Figura 2: Variações nas exportações mundiais por região Fonte: Organização Mundial do Comércio Segundo dados da OMC (Organização Mundial do Comércio), pela primeira vez nesse ano há um indicativo de melhora no comércio mundial, com níveis de transações aumentando cerca de 8% entre o primeiro e segundo trimestres, mas com o segundo trimestre com decréscimo de 33% comparado ao mesmo período de 2008(anualizado). Os países de industrialização recente da Ásia viram seus níveis de transação crescerem mais que os países desenvolvidos, reforçando a idéia da importância destes na melhora dos índices globais.

5 5 Figura 3: Crescimento do comércio mundial (%) Fonte: WEO(2009) Já em relação ao Brasil, a evolução do comércio exterior é visível. Na última década o país conseguiu saltar de menos de 1% de participação sobre o total da exportação mundial, para 1,25%. Mesmo com o provável déficit no fim deste ano, resultado do impacto da crise financeira, o Brasil conseguiu manter superávits nos últimos oito anos, com um acúmulo de reservas de mais de U$200 bi. As previsões da OMC são de que o Brasil aumentará sua participação tanto no comércio quanto no PIB mundial. Inflação Mundial A recessão mundial causou uma grande queda nos índices de inflação mundial e a preocupação com a deflação. A queda da inflação, no entanto, foi limitada em alguns países. A gradual recuperação das economias aponta para um período de inflação baixa e vulnerabilidade à deflação. Embora os riscos de deflação tenham diminuído muito no último trimestre, as pressões deflacionárias compiladas em uma série de indicadores de preço e capacidade instalada ainda são relativamente altas para pelo menos o próximo ano. Para os EUA e Zona do Euro, por exemplo, a previsão de inflação é de 0% para esse ano e 1% para o ano que vêm, reflexo apenas do provável aumento no preço das commodities.

6 6 O preço dos manufaturados vão provavelmente cair ainda por um tempo. Felizmente, expectativas de inflação estão bem ancoradas, proporcionando alguma proteção contra declínios maiores de preço. Nas economias emergentes, a previsão do FMI é de uma inflação média de 5% em 2009 e 2010, abaixo dos 9% em Somente a China, alguns países asiáticos e os países do leste europeu têm projeção de inflação abaixo dos 5%. Figura 4: Inflação e Núcleo em diferentes regiões Fonte: WEO(2009) Figura 5: Zonas com risco de deflação Fonte: WEO(2009) Desemprego mundial Segundo a Markit Economic Researchs, em seu relatório sobre o mercado de trabalho mundial, o desemprego nos países desenvolvidos deve se estabilizar até o fim do ano, mas o desemprego alto deverá persistir.

7 7 O Global PMI Employment Index indica uma queda no emprego pelo 16º mês consecutivo. Ainda assim, o relatório está no quinto mês consecutivo de melhora, apontando uma desaceleração na taxa de demissões nesse período. Para a Markit, a melhora em outubro nos índices de emprego no Reino Unido foi um dos principais responsáveis pela melhora no número global. O total de demissões nos principais países ricos totaliza 1,8 milhão em março(últimos dados tabulados). Vale lembrar que o emprego tem uma defasagem em relação à retomada da produção e comércio mundial. O retorno da demanda, por sua vez, parece apontar que a taxa pela qual as empresas vinham cortando funcionários continuará a se moderar nos próximos meses. Em dados mais recentes, o Departamento de Trabalho dos EUA informou na semana passada que a taxa de desemprego americana atingiu o maior patamar desde Com uma taxa de 10,2%, o país perdeu 190 mil postos de trabalho, formando agora um total de 16 milhões de desempregados. (DESEMPREGO, 2009) ZONAS SELECIONADAS Economias Desenvolvidas Figura 6: PIB, Índices de Preço e Desemprego dos países desenvolvidos.

8 8 Fonte: WEO(2009) Na figura 6, podemos analisar um pouco melhor alguns dados importantes sobre as principais economias globais. No que tange ao crescimento, o destaque para o ano de 2009 fica com a Austrália, único país dos representantes ricos que não terá uma diminuição no seu PIB. Irlanda e Islândia, por outro lado, terão, respectivamente, decréscimo de 7,5% e 8,5%, reflexo de uma imensa bolha mobiliária no primeiro e uma dependência alta do setor financeiro americano no segundo. É interessante notar que na Islândia, sendo um dos países mais afetados pela crise econômica, a altíssima desvalorização da sua moeda frente ao euro (cerca de 80%) resultou num aumento do preço das importações, o que elevou também seu índice de inflação, o maior dos países ricos. Enquanto a maioria destes países enfrentará, principalmente em 2009, índices de deflação ou inflação zero, a Islândia terá uma inflação maior que a maioria dos países em desenvolvimento. (INTERNATIONAL, 2009)

9 9 Sobre o desemprego, os dados são especialmente preocupantes em países como a Espanha, Irlanda e Eslováquia: Todos estes terão taxas de desemprego em 2009 maiores que 10% com perspectiva de aumento em Especialmente na Espanha, a taxa saltará para mais de 20%, maior desemprego registrado nos países desenvolvidos. Ásia Como já discutido anteriormente no texto, a economia asiática é uma das grandes responsáveis pela melhora no desempenho mundial. Formada por países que são basicamente de orientação exportadora, a melhora nos seus índices de crescimento ao longo deste ano também foi dada por um aumento na demanda interna. Figura 7: PIB, Índice de preços e Conta corrente dos países asiáticos: Fonte: WEO(2009) Como na maioria dos outros países em desenvolvimento, os países asiáticos terão retorno dos índices positivos de crescimento em O destaque ficará claramente com a China, que depois de ter apenas uma leve queda no PIB de 2009 em relação ao de 2008, voltará aos níveis de crescimento pré-crise em Países como a Malásia e as Filipinas, apesar de já terem índices de crescimento positivo em 2010, sofrerão com a precária estrutura e pouca inserção global, crescendo a níveis muito menores do que os níveis pré-crise. África

10 10 O crescimento na África diminuiu significativamente como resultado do colapso do comércio global e demais problemas com os mercados financeiros, mas é esperada uma retomada deste crescimento na medida em que a recuperação mundial é projetada. O efeito da recessão global foi inicialmente sentido naqueles países mais ativamente integrados nos mercados financeiros, como a África do Sul, mas em um segundo momento a baixa dos preços do petróleo e outras commodities, além da diminuição na demanda por manufaturados, afetou a outra metade dos países africanos. Nesse sentido, a melhora nos mercados financeiros foi o primeiro passo para o aumento dos preços das commodities nos últimos meses, o que ajudou muito na melhora das economias africanas O crescimento da África, segundo dados do FMI, está projetado para cair da média de 6% registrada entre para apenas 1% em 2009, com retomada para os 4% em Esse desempenho, ainda que muito abaixo da obtida na última década, é impressionante se levada em conta o atual cenário de crise. Um fator muito importante para isso foi a capacidade dos governos do continente de usar os balanços fiscais como absorvedores dos choque externos, sustentando a demanda interna e ajudando a conter um grande aumento no desemprego. (WORLD, 2009) Figura 8: PIB, Índice de preços e Conta corrente dos países africanos: Fonte: WEO(2009)

11 jan/08 fev/08 mar/08 abr/08 mai/08 jun/08 jul/08 ago/08 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 11 BRASIL BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA Em outubro de 2009, as exportações brasileiras alcançaram US$ 14,082 bilhões, nível superior em 1,6% aos US$ 13,863 bilhões registrado em setembro de Em relação a outubro de 2008, verifica-se um recuo de 23,9%. Já às importações, no mês, atingiram o fluxo de US$ 12, 754 bilhões, o que equivale a uma expansão de 1,8% aos US$ 12, 534 bilhões alcançados no mês setembro, e referente a outubro de 2008 um recuo de 22,2%. Por conseguinte, para o mês de outubro, houve superávit no saldo comercial de US$ 1,328 bilhões, cifra praticamente instável em relação aos US$ 1,329 bilhões registrados no mês anterior, comparado a outubro de 2008 verifica-se uma expansão de 5,2 %. FIGURA 9 EVOLUÇÃO DA BALANÇA COMERCIAL (EM US$ MILHÕES) Importações Exportações Saldo Comercial Fonte: BACEN/IPEADATA No acumulado de janeiro a outubro de 2009, as exportações somaram US$ 125,865 bilhões, valor inferior em 25,6% aos US$ 169,372 bilhões registrados no mesmo período de As importações alcançaram US$ 103, 224 bilhões, cifra inferior em 30,4% quando comparado a janeiro-setembro de 2008, quando foram totalizados US$ 148,452 bilhões.

12 12 Imediatamente, verifica-se um superávit no saldo comercial no acumulado do ano correspondente a US$ 22,641 bilhões, equiparado a iguais meses de 2008, nota-se um acréscimo de 7,6% quando foram totalizados US$ 20,920 bilhões. No respectivo período em questão as operações de comércio exterior do Brasil atingiram a cifra de US$ 229,089 bilhões, comparativamente ao mesmo período do ano de 2008, um recuo na corrente de comércio de 27,9% quando foram contabilizados US$ 317, 824 bilhões. De acordo com o secretário do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Welber Barral, o governo trabalha com a projeção que as exportações brasileiras para o ano de 2009 deverão totalizar a quantia de US$ 160 bilhões. Por outro lado, a meta para as importações está em US$ 140 bilhões. Para se ter uma idéia dos impactos oriundos da crise financeira sobre os fluxos comerciais brasileiros, verifica-se que nos dados consolidados do ano de 2008, as exportações foram de US$ 198 bilhões e as importações de US$ 173 bilhões. TABELA 1 - EXPORTAÇÃO BRASILEIRA POR FATOR AGREGADO JANEIRO/SETEMBRO 2009/ US$ MILHÕES FOB Janeiro/Outubro Part. % Var.% 2009/ Básicos ,3 42,0 37,3 Industrializados ,7 56,0 60,0. Semimanufaturados ,0 13,0 13,9. Manufaturados ,2 43,0 46,2 Op. Especiais ,9 2,0 2,7 Total ,6 100,0 100,0 Fonte: SECEX/MDIC. Janeiro-Outubro 2009/2008 No acumulado de janeiro a outubro de 2009, houve redução para todos os fatores agregados referentes às exportações, em relação à igual período do ano passado. Sendo que manufaturados reduziu 30,2% (US$ 24, 194 bilhões), semimanufaturados retração de 30%, (US$ 7, 026 bilhões) e básicos decréscimos de 16,3%, (US$ 10, 279 bilhões). Em um primeiro instante de análise, nota-se que apesar do decréscimo significativo de 25,6% das exportações brasileiras, após um ano do estouro da crise, as relações

13 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 13 exteriores vêm gradativamente melhorando quando comparado ao quatro trimestre de 2008 e ao primeiro trimestre de 2009, período de maior deterioração dos índices. Atualmente com a diversificação na pauta de exportações e mercados de destinos, o Brasil busca elevar as suas vendas, entretanto, a excessiva valorização nominal do câmbio vem prejudicando o melhor desempenho das exportações. FIGURA 10 EXPORTAÇÕES POR CLASSE DE PRODUTO (EM US$ MILHÕES) Manufaturados Semimanufaturados Básicos Fonte: BACEN/IPEADATA Para os produtos manufaturados, as exportações parecem dar sinais de uma reação, em virtude da normalização dos canais de financiamento dos fluxos comerciais e do início da recuperação da economia internacional. Dentre os principais produtos exportados no acumulado do ano, destaque ao açúcar refinado e laminados planos. Já para os produtos semimanufaturados, realce para a expansão na exportação de açúcar em bruto, que segue sua trajetória de crescimento, depois da quebra de safra em alguns países asiáticos, particularmente Índia, que passou de maior exportador de açúcar para o maior importador. Na comparação entre os dez primeiros meses de 2009 e de 2008, verifica-se que as vendas dos produtos básicos contraíram-se em níveis menores, comparada as taxas negativas dos produtos industrializados. Portanto, com a excessiva valorização cambial, a resistência a quedas mais acentuadas das exportações pode ser esclarecida, essencialmente, pelo desempenho das vendas dos produtos básicos.

14 14 Por países de destino, cabe destacar que enquanto os demais parceiros econômicos brasileiros reduzem os fluxos de compras, apenas as exportações para a Ásia, particularmente a China, cresceram. Entre o período de janeiro-outubro, apresenta-se uma expansão de 15,8%, essencialmente nas commodities. Do total exportado pelo Brasil no ano de 2009, 14,3% segue para o país asiático. Apesar da redução significativa no acumulado do ano, as vendas para os Estados Unidos nos últimos meses vêem crescendo, sendo que no mês de outubro, totalizou-se US$ 1, 911 bilhões, superior a cifra de US$ 1, 745 bilhões exportados para a China, que neste momento configura-se como o maior comprador dos produtos brasileiros. Entretanto, segundo o secretário de Comércio Exterior, Welber Barral, apesar destes aumentos mensais o Brasil perdeu espaços que tinha antes da crise em mercados tradicionais como os Estados Unidos e também na América Latina. Um dos motivos para isso foi à apreciação do real, que tornou os produtos brasileiros mais caros. (Folha Online, 2009). TABELA 2 - IMPORTAÇÃO BRASILEIRA POR CATEGORIA DE USO JANEIRO/SETEMBRO 2009/ US$ MILHÕES FOB Janeiro/Outubro Var.% 2009/08 Part. % Bens de Capital ,7 23,4 20,5 Matérias-primas e intermediários ,7 47,1 48,0 Bens de Consumo ,9 16,5 12,7 - Não-duráveis ,2 7,7 5,5 - Duráveis ,7 8,8 7,2 Combustíveis e lubrificantes ,7 13,0 18,8 Total ,4 100,0 100,0 Fonte: SECEX/MDIC. Janeiro-Outubro 2009/2008 Para as importações, tendo em vista as categorias de uso, no comparativo entre os dez primeiros meses de 2009/2008, as importações de bens totais sofreram redução de 30,4% (US$ 45,131 bilhões). Todas as categorias de uso sofreram variações negativas, bens de capital 20,7% (US$ 6, 307 bilhões), matérias-primas e intermediários 31,7% (US$ 22, 570 bilhões), bens de consumo 9,9% (US$ 1, 871 bilhões), e combustíveis e lubrificantes 51,9% (US$ 14, 383 bilhões). Para as importações, nota-se uma expansão

15 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 15 no montante comprado a partir de abril de 2009, uma das razões para esses movimentos é a persistência da valorização cambial. FIGURA 11 IMPORTAÇÕES: CATEGORIA DE USO (EM US$ MILHÕES) Bens de Consumo Bens de Capital Matéria-Prima Combustiveis Fonte: BACEN/IPEADATA Através do foco nas importações, nota-se que o segmento de Combustíveis e Lubrificantes sofreu a maior retração, a queda resultou principalmente da redução dos gastos com petróleo e derivados. Matérias-primas e intermediários sofreu decréscimo expressivo, porém, ainda compõe a maior fatia de participação nas compras brasileiras. Os segmentos de Bens de Capital e Bens de Consumo, além de apresentarem retrações menores, respectivamente, 19,9% e 9,7%, foram os segmentos que expandiram participação no total importado. Por países, cabe destacar a tensão bilateral entre Brasil e Argentina, tendo em vista que o governo brasileiro freou importações argentinas de farinha de trigo, azeites, alho, vinho, frutas, rações para animais fabricados na Argentina, entre outros produtos, paralisando alguns caminhões na fronteira e portos que não puderam transportar as mercadorias para o Brasil. Tal medida é vista como uma represália às licenças nãoautomáticas (que atrasam o processo de exportação) que a Argentina implementou como argumento para proteger o emprego, a indústria e a produção frente à crise mundial. (Folha Online, 2009).

16 16 De fato o colapso do comércio mundial durante a crise foi atribuído em parte à falta de concessão de crédito para importadores e exportadores. No cenário brasileiro, a evolução do comércio exterior é visível. Na última década o país conseguiu saltar de menos de 1% de participação sobre o total da exportação mundial, para 1,25% atualmente, já as importações brasileiras representam 1,12% da importação mundial. Mesmo com o provável déficit no fim deste ano, o Brasil vêem conseguindo acumular reservas, atualmente às reservas brasileiras estão em torno de US$ 230 bilhões. As previsões da OMC são de que o Brasil aumentará sua participação tanto no comércio quanto no PIB mundial. Verifica-se que as reduções nos fluxos comerciais foram menores do que a prevista inicialmente, sobretudo, pela forte expansão da China e de outros países emergentes, e a recuperação dos preços das commodities. Nestas condições, no cenário nacional atual as exportações brasileiras estão enfrentando grandes dificuldades para se manterem competitivas, em virtude da apreciação do real que conduz ao encarecimento dos produtos brasileiros, em contrapartida, as importações com a alta da moeda tornam-se mais baratas. TRANSAÇÕES CORRENTES Nos últimos 12 meses, ocorreram mudanças importantes no setor externo da economia brasileira, principalmente nas transações correntes. Não há dúvida que o impacto da crise afetou fortemente as transações correntes neste ano de 2009, e que ainda afetará os índices previstos para o ano de Para os nove primeiros meses de 2009, observa-se que o saldo das transações correntes apresenta um déficit US$ 11, 876 bilhões, o que corresponde uma redução de 48,1% sobre o mesmo período de 2008.

17 17 TABELA 3 - BALANÇO DE PAGAMENTOS - TRANSAÇÕES CORRENTES (EM US$ MILHÕES) - JANEIRO/SETEMBRO 2009/2003 Período Balança Comercial Serviços Rendas Transf. Unilaterais Transações Correntes Capital e Financeira Fonte: BACEN/IPEADATA Durante o acumulado de 2009, especialmente a partir de abril, o processo de apreciação do câmbio contribuiu para mudanças do comportamento do Balanço de Pagamentos brasileiro, especialmente no saldo da Balança Comercial. Nos três primeiros trimestres de 2009, o saldo da balança comercial foi superavitário em US$ 21, 312 bilhões, o que corresponde um acréscimo de 7,8 % sobre o mesmo período de Todavia, apesar desta cifra superior, quando comparado aos anos anteriores, o superávit do ano corrente apresenta um volume reduzido, deste modo, o comportamento da balança comercial no período de janeiro/setembro de 2009, contribui negativamente ao resultado do balanço de pagamentos. Verifica-se que o déficit em transações correntes para o acumulado de 2009 está vinculado com a intensificação do déficit da conta de Serviços, particularmente pela intensidade no aumento das Viagens Internacionais de residentes aproveitando a condição do dólar e pelo crescente aumento nas despesas com Aluguel e Equipamentos. Inclui a intensificação do déficit da conta Rendas, em especial, pelo aumento dos recursos enviados a não residentes na forma de lucros e dividendos. Diante do déficit em Transações Correntes, o fechamento do Balanço de Pagamentos está sendo efetuado pelo superávit na conta Capital e Financeira, que no acumulado de janeiro a setembro totalizou US$ 40, 555 bilhões, sendo mais do que suficiente para financiar o déficit nas transações correntes que neste mesmo período foi de US$ 11, 876 bilhões. Com isso, o balanço de pagamento foi superavitário em US$ 28,679 milhões.

18 18 CONTA DE SERVIÇOS Verifica-se que nos últimos anos o Brasil vem intensificando seu déficit na conta serviços. No acumulado de janeiro a setembro de 2009, essa conta apresenta um déficit recorde de US$ 13, 227 bilhões, essa cifra sofre está associada ao patamar valorizado da moeda doméstica. TABELA 5 - SALDO DA CONTA SERVIÇOS POR SUB-CONTAS (EM US$ MILHÕES) - JANEIRO/SETEMBRO 2009/2003 Ano Transporte Viagens Internacionais Seguros Serviços Financeiros Computação e Informações Royalteis e licenças Aluguel Equipamentos Serviços Governamentais Comunicaçãoes Construção Relativos ao comércio Empresariais, profissionais e técnicos Pessoais, culturais e recreação TOTAL Fonte: BACEN / IPEADATA Nota-se pela evolução da conta serviços que o subgrupo Aluguel e Equipamentos, historicamente compõem a parcela de maior contribuição para o déficit nesta conta. Para o acumulado do ano, o saldo negativo representa US$ 6, 776 bilhões, que sobre o mesmo período de 2008, equivale a uma expansão de 25,8%. Com a mesma trajetória ascendente pode-se destacar Viagens Internacionais, que no período janeiro a setembro de 2009, apresenta déficit de US$ US$ 3, 599 bilhões, e em comparação a iguais meses de 2008 um recuo de 22,7%. Entretanto, mesmo com a redução no período de comparação, desde abril de 2009 o déficit está intensificando, em virtude, do câmbio valorizado. CONTA RENDA Quanto à conta renda, possui a mesma trajetória ascendente de déficit, deste modo, contribui massivamente para o saldo negativo na conta de transações correntes, principalmente com a emissão de lucros e dividendos para as matrizes no exterior. No

19 19 acumulado do ano, o déficit contabiliza US$ 22, 405 bilhões, o que equivale a uma redução de 31% sobre o mesmo período de Em um primeiro momento de análise, apura-se que esse recuo no déficit da conta renda foi em detrimento de uma expansão significativa na renda de investimento direto, particularmente Lucros e Dividendos, que no ano de 2008, alcançou a cifra de US$ 21,072 bilhões em transferências para as matrizes, um valor atípico, tendo em vista a linha de crescimento do déficit. Tabela 6 - SALDO DA CONTA RENDA POR SUB-CONTAS (EM US$ MILHÕES) - JANEIRO/SETEMBRO 2009/2003 Ano Rendas Salário e ordenado Renda de investimentos (líquido) Renda de investimento direto Lucros e dividendos Juros de empréstimo intercompa Renda de investimento em carteira Lucros e dividendos Juros de títulos de renda fixa Renda de outros investimentos (juros) Fonte: BACEN Sem dúvida a saída de Lucros e Dividendos, no âmbito do Investimento Direto é a principal subconta que contribui para o déficit na conta de rendas. Essa subconta no acumulado do ano apresenta um déficit de US$ 10, 868 bilhões. É fato o forte ritmo de ganhos por grandes empresas internacionais no Brasil, cabe ao governo, atuar neste contexto para que uma parcela destes lucros seja reinvestido no país, a fim de contribuir para o desenvolvimento da nação. Neste mesmo segmento, a emissão de Lucros e Dividendos por parte da Renda de Investimento em Carteira também é expressiva. No acumulado do ano apresenta um déficit de US$ 5, 145 bilhões. Nesta conta, apenas o subgrupo Salário e Ordenado apresenta superávit na trajetória verificada. Esse item registra a remuneração do trabalho assalariado, composto de salários e ordenados, no acumulado de 2009 apresenta um saldo positivo de US$ 465 milhões, o que equivale a uma expansão de 28,3%, sobre o mesmo período de 2008.

20 20 CONTA CAPITAL E FINANCEIRA O governo brasileiro, preocupado com o excessivo ingresso de capitais voláteis no país, por conseguinte, a forte desvalorização do dólar, buscou medidas e no dia 20 de outubro de 2009 adotou uma taxação sobre as aplicações em ações e renda fixa, denominado IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). O objetivo é afastar o capital de curto prazo - o chamado de especulativo que entra no país e sai rapidamente. O governo deseja atrair o investidor que vem para o país, compra ações e deixa o dinheiro. TABELA 7 - SALDO DA CONTA CAPITAL E FINANCEIRA POR SUB-CONTAS (EM US$ MILHÕES) JANEIRO/SETEMBRO 2009/ Conta Capital Conta Financeira Investimento Direto Inv. Brasil Direto Inv. Estrangeiro Direto Investimento Carteira Inv. Brasil Carteira Inv. Estrangeiro Carteira Derivativos Outros Investimentos Conta Capital e Financeira FONTE: BACEN/IPEADA Conforme destaca a tabela acima, para o acumulado de janeiro-setembro de 2009, o Investimento Direto totalizou US$ 22,859 bilhões, ante US$ 15,448 bilhões no mesmo período de Esse crescimento deve-se principalmente ao Investimento Brasil Direto, que neste período acumula US$ 5,168 bilhões, ante o déficit de US$ 15, 407bilhões. Já o Investimento Estrangeiro Direto, no acumulado representa US$ 17, 691 bilhões, ante US$ 30, 855 bilhões registrado no mesmo período de O subgrupo investimento em carteira registrou ingresso recorde nos meses de julho e agosto, respectivamente, foram totalizados US$ 7, 688 e US$ 6,141 bilhões, não havia sido apresentado resultado tão expressivo desde dezembro Ao analisar esse

Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro

Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro Irailton Silva Santana Júnior 1 Vinícius de Araújo Mendes 1 Introdução O presente relatório concentra a análise da economia brasileira

Leia mais

A recuperação verde e uma análise do setor externo brasileiro 1

A recuperação verde e uma análise do setor externo brasileiro 1 A recuperação verde e uma análise do setor externo brasileiro 1 Bernardo Pereira Cabral 2 Irailton Silva Santana Junior² Introdução O atual debate sobre a recuperação da crise econômica mundial toma lugar

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO 78 BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 Guilherme Fernandes de Souza RESUMO Com o objetivo de conhecer o desempenho brasileiro no que se refere ao Balanço de Pagamentos, esse artigo analisa

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

4 SETOR EXTERNO. ipea

4 SETOR EXTERNO. ipea 4 SETOR EXTERNO RESTRIÇÕES EXTERNAS AO CRESCIMENTO ECONÔMICO Tradicionalmente, as restrições ao crescimento da economia brasileira são consideradas como limites impostos pela deterioração incontornável

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

ANO 1 NÚMERO 03 NOVEMBRO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 1 NÚMERO 03 NOVEMBRO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 1 NÚMERO 03 NOVEMBRO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO CONSIDERAÇÕES INICIAIS Aos poucos as turbulências no mercado financeiro europeu e seus impactos nas atividades econômicas

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA O Índice de Preços ao Consumidor da Classe Média de Curitiba - IPC-FAE, medido

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 Depenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 As exportações em junho apresentaram redução de 8,57% sobre maio após expansão por quatro meses consecutivos. Desta forma, supera a marca de US$ 1 bilhão

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP 1 fevereiro de 2009 Evolução da Crise Fase 1 2001-2006: Bolha Imobiliária. Intensa liquidez. Abundância de crédito Inovações financeiras Elevação

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP RESUMO 1 Março de 2009 Cenário Internacional 2 Evoluçã ção o da Crise - Em sete dos últimos 20 anos a taxa de crescimento do PIB foi inferior

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP O mercado de câmbio brasileiro, no primeiro bimestre de 2014 Grupo de Economia / Fundap O ano de 2014 começou com um clima bem agitado nos mercados financeiros internacionais, com o anúncio feito pelo

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas 7 de outubro de 2015 RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015 RESUMO ANALÍTICO A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas A estabilidade financeira aumentou nas

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil VII Congresso Anbima de Fundos de Investimentos Rodrigo R. Azevedo Maio 2013 2 Principal direcionador macro de estratégias de

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

Setor Externo: Triste Ajuste

Setor Externo: Triste Ajuste 8 análise de conjuntura Setor Externo: Triste Ajuste Vera Martins da Silva (*) A recessão da economia brasileira se manifesta de forma contundente nos resultados de suas relações com o resto do mundo.

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009 A crise financeira internacional continua afetando negativamente o comércio exterior paranaense: apesar das exportações terem aumentado 43,44% em março,

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO?

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? Josué Pellegrini 1 As contas externas de um país estão retratadas no seu balanço de pagamentos, registros das transações econômicas entre residentes

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Considerações Iniciais

Considerações Iniciais ANO 2 NÚMERO 6 ABRIL 212 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO RABELO Considerações Iniciais Neste primeiro trimestre de 212 a economia brasileira apresenta índices econômicos preocupantes

Leia mais

ANO 2 NÚMERO 08 AGOSTO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 2 NÚMERO 08 AGOSTO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 2 NÚMERO 08 AGOSTO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS As recentes divulgações dos principais indicadores de desempenho da economia brasileira mostram

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Unidade de Política Econômica

Unidade de Política Econômica Unidade de Política Econômica Brasília, abril de 2007 Superávit na balança comercial e juros altos sustentam valorização do real No primeiro bimestre de 2007, o dólar foi negociado a R$ 2,10, na média

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

SETOR EXTERNO 1 Celeste Philigret 2

SETOR EXTERNO 1 Celeste Philigret 2 SETOR EXTERNO 1 Celeste Philigret 2 Isaura Gottschall 3 O mês de junho foi encerrado com o maior superávit comercial do ano. Esta foi a grande exclamação dos jornais do início deste mês, referindo-se aos

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea 7 ECONOMIA MUNDIAL QUADRO GERAL O cenário econômico mundial não apresentou novidades importantes nos primeiros meses de 2013, mantendo, em linhas gerais, as tendências observadas ao longo do ano passado.

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015 Como Presidente e Gestora do Instituto de Previdência

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político 1 Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político Cenários para os países desenvolvidos, sua inter

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 02 de Janeiro de 2015 Prezado(a) Período de Movimentação FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 01/12/2014 a 31/12/2014 Panorama Mensal Dezembro 2014 A volatilidade

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de julho de 2010. CENÁRIO ECONÔMICO EM JUNHO A persistência dos temores em relação à continuidade do processo de recuperação das economias centrais após a divulgação dos recentes dados de

Leia mais

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo apresenta e discute o comportamento das taxas de câmbio

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL Agosto

TÓPICO ESPECIAL Agosto Jan-94 Dec-94 Nov-95 Oct-96 Sep-97 Aug-98 Jul-99 Jun-00 May-01 Apr-02 Mar-03 Feb-04 Jan-05 Dec-05 Nov-06 Oct-07 Sep-08 Aug-09 Jul-10 Jun-11 May-12 Apr-13 Mar-14 Feb-15 Mar-10 Jul-10 Nov-10 Mar-11 Jul-11

Leia mais

C O R E C O N PE. BRASIL: conjuntura econômica AMUPE. Tania Bacelar de Araujo Sócia da CEPLAN Consultoria Professora aposentada da UFPE LOGO 2

C O R E C O N PE. BRASIL: conjuntura econômica AMUPE. Tania Bacelar de Araujo Sócia da CEPLAN Consultoria Professora aposentada da UFPE LOGO 2 C O R E C O N PE AMUPE CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA LOGO 2 BRASIL: conjuntura econômica Tania Bacelar de Araujo Sócia da CEPLAN Consultoria Professora aposentada da UFPE Recife, 29 de Abril de 2015 ROTEIRO

Leia mais

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo BALANÇO DE PAGAMENTOS: É o registro sistemático das transações entre residentes e não-residentes de um país durante determinado período

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO Durante 2004, o PIB da América Latina e do Caribe deverá crescer em torno de 4,5%, o que significa um aumento de 3,0% do produto per capita. A recuperação das economias da

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região.

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região. O presente boletim analisa algumas variáveis chaves na atual conjuntura da economia sertanezina, apontando algumas tendências possíveis. Como destacado no boletim anterior, a indústria é o carro chefe

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

O equilíbrio da inflação e os efeitos sobre a economia brasileira

O equilíbrio da inflação e os efeitos sobre a economia brasileira O equilíbrio da inflação e os efeitos sobre a economia brasileira Luciano Nakabashi * Marcelo Luiz Curado ** RESUMO - A atual conjuntura da economia aponta que estamos passando pelo período de crescimento

Leia mais

SÍNTESE DA CONJUNTURA

SÍNTESE DA CONJUNTURA SÍNTESE DA CONJUNTURA O quadro geral da economia brasileira, que já se mostrava bastante difícil nos primeiros meses do ano, sofreu deterioração adicional no terceiro trimestre, com todos os indicadores

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais