MARGENS DE COMERCIALIZAÇÃO DA UVA FINA DE MESA NO PARANÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARGENS DE COMERCIALIZAÇÃO DA UVA FINA DE MESA NO PARANÁ"

Transcrição

1 MARGENS DE COMERCIALIZAÇÃO DA UVA FINA DE MESA NO PARANÁ Marcelo José Carrer 1 Alexandre Florindo Alves 2 Resumo: Sendo o Paraná um dos principais produtores de uva fina de mesa no Brasil, o presente trabalho teve como objetivos uma análise dos preços nos três níveis de mercado e um estudo completo das margens de comercialização da fruta. As séries de preços apresentaram comportamento semelhante, registrando preços altos no início das séries (1998 e 1999) e possível tendência de queda com recuperação a partir de A participação do produtor apresentou comportamento de queda, sendo explicada por aumento na oferta devido aos ganhos de produtividade. A margem relativa do atacadista apresentou comportamento de queda e a margem relativa do varejista apresentou comportamento ascendente, sendo isto explicado pela tendência de concentração de mercado no setor varejista. A participação do produtor foi em média 46,04%, a margem relativa do atacadista 22,78% e a margem relativa do varejista 31,17% no período estudado, em média. Palavras-chave: uva fina de mesa Paraná margens de comercialização. Abstract: Once Paraná State is one of the main fine grape producers in Brazil, this work aimed at analysis of prices at three market levels and a full study of the commercialization margins. The price series presented a similar characteristic, setting high prices in the beginning of the series (1998 and 1999) and a possible falling tendency, retrieving after The producer participation presented a falling behavior, which could be explained by the raise of offer due to productivity improvements. The wholesaler relative margins presented a fall and the retailer presented raising relative margins, being this fact explained by a tendency of market concentration at the retail market. The producer participation was 46.04% in average; the wholesaler relative margin was 22.78% and the retailer relative margin was 31.17% during the period studied, in average. Key-words: fine grape Paraná State commercialization margins 1. Introdução No mundo há cerca de 10 mil variedades diferentes de uva que se adaptam a vários tipos de solo e clima, o que faz a uva ser cultivada em quase todas as regiões do mundo. Têm-se dois grandes grupos de uvas: mesa e vinho/outros afins industriais. O mercado internacional de frutas frescas tem se expandido nos últimos anos. (CATI, 1999). 1 Bolsista PIBIC/CNPq do Departamento de Economia da UEM Rua Kingston, 37. Jardim Canadá. CEP: Maringá-PR. 2 Professor Associado do Departamento de Economia da UEM Avenida Colombo, Jardim Universitário. CEP: Maringá-PR. Bolsista de Produtividade em Pesquisa da Fundação Araucária.

2 756 A uva é uma das frutas mais consumidas no mundo todo na forma in natura e como suco. Tem também extenso mercado como insumo básico da indústria de vinhos e outros fermentados alcoólicos. Segundo Mello (2008) o Brasil é o 14 o maior produtor de uva no mundo. Os maiores produtores encontram-se no hemisfério norte, com destaque para Itália, França, Estados Unidos e Espanha. No hemisfério Sul, Argentina, Chile e África do Sul são os maiores produtores. A produção brasileira de uvas é voltada tanto para produtos elaborados como para consumo in natura. Em 2006, foram produzidas t de uvas, segundo o IBGE (2008). Em 2007, a produção de uvas foi 11,04% superior ao ano anterior, sendo produzidas t (Tabela 1). O estado que concentrou a maior produção de uvas em 2007 foi o Rio Grande do Sul (52,05%), que se destaca por ser um grande produtor de vinhos, e a maior parte da uva produzida nesse estado tem como destino principal as vinícolas locais. O segundo maior produtor foi o estado de São Paulo (14,25%), seguido do Pernambuco (12,57%), Bahia (8,9%) e Paraná (7,32%). Tabela 1. Produção de Uvas no Brasil, em toneladas. Estado/Ano Pernambuco Bahia Minas Gerais São Paulo Paraná Santa Catarina Rio Grande do Sul Brasil Fonte: Mello (2008). A área plantada de uvas no Brasil em 2006 foi de hectares passando para hectares em 2007, ou seja, um aumento de 2,74%. O estado com maior área plantada é o Rio Grande do Sul com hectares, seguido de São Paulo com hectares, Pernambuco com hectares e Paraná com aproximadamente hectares plantados, segundo o IBGE (2008). Houve também aumento do consumo de uvas in natura no Brasil ao longo do período analisado.

3 757 Analisando-se o total de uvas produzidas, importadas, exportadas e consumidas no Brasil (in natura e processada) [Tabela 2] verifica-se um aumento expressivo nas exportações de uvas. Segundo Mello (2008), o Brasil gerou um total de 169,696 milhões de dólares em divisas resultante da exportação da uva fina de mesa. O principal destino das exportações da uva fina brasileira é o mercado europeu e os principais estados exportadores são Pernambuco e Bahia, caracterizados por produzirem uva de alta qualidade, atendendo as exigências do mercado estrangeiro. Segundo Barros e Boteon (2002) o período de maior oferta da uva de mesa no mercado doméstico concentra-se entre novembro e março, quando são abastecidos os principais centros consumidores do país. Em dezembro, mesmo havendo grande oferta, os preços costumam alcançar níveis elevados devido ao fato da demanda também ser grande. No lado da demanda, o consumo da uva é semelhante ao das frutas em geral, aumentando nos meses mais quentes do ano. Segundo dados do Ceasa de Belo Horizonte, entre os meses de dezembro e fevereiro o volume comercializado é duas vezes maior que os meses de junho e julho. O destino da maior parte da produção são as Ceasas, situadas principalmente nas grandes capitais, como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Curitiba. De acordo com os mesmos autores, o sistema de comercialização da uva difere em cada região produtora, em função do grau de tecnificação de produção e de póscolheita e do modo como os produtores estão organizados. De modo geral, o canal de comercialização da uva de mesa brasileira é composto pelos seguintes agentes: produtor, intermediário, atacadista, varejista e exportador. No Paraná, em 2006 foram produzidas t da fruta em uma área plantada de 5657 ha., o que gerou um total de R$ 136,722 milhões. As principais cidades produtoras no estado do Paraná são: Marialva, Assaí, Bandeirantes, Uraí, Mandaguari, Nova América da Colina, Sarandi, Colombo, Jandaia do Sul e Japira (IBGE, 2008). Os produtores desses municípios são de pequeno ou médio porte, com pouca infra-estrutura de produção e pós-colheita e um clima não muito favorável à cultura. Nessas regiões, existem diversas cooperativas e associações, mas elas não apresentam um poder de barganha suficiente para comercializar com grandes redes, fazendo com que o atacado seja um canal de comercialização muito importante.

4 758 Barros e Boteon (2002) mencionaram que a consignação era a forma de venda mais praticada no estado, porque, na maioria dos casos, os produtores que em sua maioria são de pequeno ou médio porte, não têm condições de classificar o produto e também não conseguem ofertar um grande volume para que possam comercializar sem a presença do intermediário. Essa forma de venda geralmente resulta em preços menores para os produtores, já que o produto passa por diferentes agentes da cadeia até chegar ao varejo (BARROS; BOTEON, 2002). Tabela 2. Produção, importação, exportação e consumo de uvas no Brasil, em toneladas, 1996/2007. Ano Produção Total Processamento Mesa Exportação Importação Consumo in Natura Fonte: Mello (2008). Os principais objetivos do presente trabalho são analisar os preços da uva fina de mesa no Paraná nos diferentes níveis de mercado e fazer um estudo das margens de comercialização da fruta. 3. Objetivos O principal objetivo do presente trabalho é estudar o comportamento das margens de comercialização da uva fina de mesa no Paraná de julho de 1998 a junho de Como objetivos específicos podem ser relacionados uma análise dos preços nos

5 759 diferentes níveis de mercado e o estudo das margens de comercialização propriamente dito. 4. Metodologia No presente trabalho foram analisadas as séries de preços reais da uva fina de mesa nos três níveis da cadeia de comercialização. A série de preços reais no atacado foi construída com base nos preços diários e quantidades comercializadas diariamente disponibilizadas pela CEASA-PR (CARRER; ALVES, 2008). As séries de preços ao produtor e no varejo foram levantadas junto à SEAB/DERAL. Vale ressaltar que todas as séries foram corrigidas pelo IGP-DI, tendo como base de referência o mês de junho de O cálculo das margens de comercialização foi feito com base nas três séries de preços e seguiu a metodologia adotada por Barros (2007). 4.1 Construção da série de preços no atacado A literatura traz a possibilidade de utilizar vários índices para a construção de uma série de preços, como o índice de Paasche, o índice de Laspeyres entre outros. Por motivos de compatibilidade com a série de preço do SEAB/DERAL, neste trabalho foi utilizado o índice da Média Ponderada. A construção da série de preços no atacado se deu através da média ponderada entre os preços e as quantidades comercializadas diariamente nas regiões de Curitiba, Maringá, Londrina, Foz do Iguaçu e Cascavel. Os dados foram coletados junto à CEASA-PR e os preços médios mensais são resultado da multiplicação dos preços diários e quantidades diárias, dividida pelo total da quantidade comercializada no mês, obtendo-se assim a média ponderada mensal (CARRER; ALVES, 2008). 4.2 Margem de comercialização

6 760 Segundo Barros (2007) consumidores e produtores estão separados por muitos intermediários (transportadores, processadores e armazenadores) que se encarregam da condução da produção agrícola da região produtora até os consumidores finais. A margem é dada pela diferença entre o preço pelo qual um intermediário (ou um conjunto de intermediários) vende uma unidade de produto e o pagamento que ele faz pela quantidade equivalente que precisa comprar para vender essa unidade (JUNQUEIRA; CANTO, 1971 apud BARROS, 2007). Perdas devido ao amassamento, podridão, processamento fazem com que as unidades de venda e compra difiram entre si (BARROS, 2007). As margens permitem avaliar quanto do preço final, pago pelo consumidor, é apropriado pelos diversos agentes envolvidos no processo de comercialização da produção, teoricamente deve cobrir os custos relacionados ao processo de comercialização, os riscos associados ao mercado, além de gerar lucro aos agentes envolvidos na comercialização (SANTOS et al., 2006). Segundo Barros (2007), a principal utilização das medidas das margens de comercialização refere-se ao acompanhamento de sua evolução, propiciando avaliação do desempenho dos mercados. O mesmo autor cita que a estrutura do mercado estudado, as características do produto em si e as mudanças tecnológicas podem afetar na margem Cálculo das margens de comercialização A metodologia utilizada para o cálculo das margens de comercialização será a mesma metodologia apresentada por Barros (2007) e está representada a seguir: A Margem Total (MT) procura medir as despesas do consumidor devidas a todo o processo de comercialização. Corresponde, pois, à diferença entre preço do varejo (P v ) de um produto qualquer e o pagamento recebido pelo produtor pela quantidade equivalente na fazenda (P p ). Assim, MT = P v - P p (1) que corresponde a margem total absoluta. A margem total relativa é expressa como proporção do preço no varejo, ou seja:

7 761 MT = (P v - P p ) /P v (2) A margem pode ainda se referir a níveis específicos de mercado. Assim, a margem absoluta do varejista (M v ) será a diferença: M v = P v - P a (3) onde P a é o preço no atacado da quantidade equivalente à unidade vendida no varejo. A margem relativa do varejo será: M v = (P v -P a ) /P v (4) Fala-se também em margens absoluta e relativa do atacadista, que são, respectivamente, M a = P a P p (5) M a = (P a -P p ) /P v (6) Vale mencionar que no presente trabalho não foram consideras as perdas no cálculo das margens de comercialização da uva fina de mesa, por tal informação não ter sido encontrada na literatura. 5. Resultados e discussão 5.1 Análises de preços Preços ao produtor Figura 1. A série de preços reais da uva fina de mesa ao produtor está representada na

8 762 4,00 3,50 3,00 2,50 2,00 1,50 1,00 0,50 0,00 jul/98 jul/99 jul/00 jul/01 jul/02 jul/03 jul/04 jul/05 jul/06 jul/07 Figura 1. Série de preços reais da uva fina de mesa ao produtor, (valores corrigidos para jun./08 pelo IGP-DI). Fonte: dados básicos: DERAL, elaboração dos autores. A série indica preços altos e acima da média nos anos de 1998 e 1999, com uma possível tendência de queda nos preços até o início de 2005 e recuperação a partir deste ano (CARRER; ALVES, 2008). O preço médio recebido pelo produtor no período foi de R$ 2,09/kg da fruta. O preço máximo da série foi de R$ 3,63/kg e este se deu em abril de 1999, ano em que os preços registraram valores altos e acima da média. O preço mínimo foi de R$ 1,10/kg em janeiro de Um dos motivos desta possível tendência de queda nos preços até o ano de 2005 é o expressivo aumento da oferta no período, que segundo os dados do DERAL avançou de t em 1997 para t em 2003, ou seja, um aumento de 139,69% na produção da fruta no Paraná. Este aumento substancial na quantidade produzida se possibilitou devido aos ganhos de produtividade que os produtores obtiveram no período. Os ganhos de produtividade aumentam a produção por área plantada, possibilitando aumentos de rentabilidade associados à redução dos custos de produção. Assim, os produtores conseguem manter a produção crescente mesmo com queda nos preços. A Figura 2 ilustra a produtividade parcial (em gráfico de uma linha pode tirar a legenda) da uva fina de mesa no Paraná no período de 1997 a 2003.

9 763 t/ha Produtividade relativa Figura 2. Produtividade (t/ha.) da uva fina de mesa no Paraná, Fonte: dados básicos: DERAL, elaboração dos autores. Durante o período analisado houve um grande aumento na produção por área plantada da fruta. Em 1997 a produtividade relativa foi de 10,85 t/ha., em 2003 esse valor foi de 17,79 t/ha., um aumento de 63,93% na produção por hectare que explica o forte aumento da oferta da uva fina no período analisado. Não foram encontrados dados sobre a demanda da fruta para o estado do Paraná, porém Sato (2004) estimou que a demanda no Brasil aumentou em 9,20% no período de 1997 a Este aumento na demanda é proporcionalmente menor que o aumento da oferta, o que reforça a hipótese de que a redução dos preços se deu devido ao aumento na produção. No caso estudado cabe destacar também que os produtores da uva fina de mesa no Paraná são em sua maioria de pequeno ou médio porte, e apesar de algumas vezes estarem organizados em cooperativas, ainda não apresentam poder de barganha suficiente para negociar direto com as grandes redes varejistas, o que faz do atacado o maior canal de comercialização e acaba aumentando os custos durante o processo de comercialização e reduzindo os preços recebidos pelos produtores. Outro fato que merece ser mencionado são as oscilações nos preços que ocorrem durante cada período de um ano. Essas oscilações se dão devido a períodos de safra e

10 764 entressafra da fruta e são chamadas de variações sazonais. Variações sazonais também são comuns em outros mercados agrícolas Preços no atacado Carrer e Alves (2008) construíram uma série de preços da uva fina de mesa no atacado, visto que não existia nenhuma série disponível para este nível de mercado e para se fazer um estudo completo da comercialização da fruta tal série se tornaria necessária. A série de preços da uva fina de mesa no atacado foi construída com base nos preços e quantidades diárias disponibilizados pela CEASA-PR e está ilustrada na Figura 3. 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00 jul/98 jul/99 jul/00 jul/01 jul/02 jul/03 jul/04 jul/05 jul/06 jul/07 Figura 3. Série de preços reais da uva fina de mesa no atacado, (valores corrigidos para jun./08 pelo IGP-DI). Fonte: Carrer e Alves, A série de preços construída está coerente com a teoria econômica, ou seja, apresenta valores maiores que a série de preços pagos ao produtor e valores menores do que a série de preços no varejo. A série também apresenta uma possível tendência de queda ao longo do período analisado. O preço médio foi de R$ 3,11/kg, sendo que o valor máximo foi de R$ 4,98/kg e o mesmo se deu em novembro de O valor mínimo foi de R$ 1,85/kg e

11 765 este se deu nos meses de janeiro e junho de 2005, um ano com preços abaixo da média, porém com possível tendência de recuperação nos preços. As unidades atacadistas são de extrema importância no processo de comercialização da fruta, pois elas são o principal canal de distribuição do produtor para o varejo, já que no caso da uva fina de mesa no Paraná a maioria dos produtores ainda não consegue negociar direto com as redes varejistas. Porém, vale ressaltar que em alguns casos o produto ainda passa pelo intermediário ou mateiro, que compra a fruta de pequenos produtores e revende para as unidades atacadistas. No Paraná as unidades da CEASA se encontram localizadas nos municípios de Curitiba, Londrina, Maringá, Cascavel e Foz do Iguaçu Preços no varejo Completando a análise de preços da uva fina de mesa no Paraná, segue a série de preços no varejo que está ilustrada na Figura 4. De acordo com Carrer e Alves (2008), a série de preços no varejo apresenta comportamento semelhante às séries ao produtor e no atacado, com possível tendência de queda e recuperação a partir do ano de O preço médio no período analisado foi de R$ 4,54/kg, sendo que o valor máximo para a série foi de R$ 6,79/kg e se deu em outubro de 1998 e o valor mínimo foi de R$ 2,86/kg e se deu em julho de Cabe destacar que a oferta no varejo é mais uniforme, pois as redes varejistas recebem frutas também de outras regiões produtoras, o que faz com que os preços sejam um pouco mais estáveis (CARRER; ALVES, 2008).

12 766 8,00 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00 jul/98 jul/99 jul/00 jul/01 jul/02 jul/03 jul/04 jul/05 jul/06 jul/07 Figura 4. Série de preços reais da uva fina de mesa no varejo, (valores corrigidos para jun./08 pelo IGP-DI). Fonte: dados básicos: DERAL, elaboração dos autores. Cada vez mais as grandes redes vêm dominando o mercado varejista, o que aumenta consideravelmente o poder de barganha do setor e também a exigência de produtos com maior qualidade. No caso da uva fina de mesa no Paraná, pelo fato dos produtores serem na maioria das vezes de pequeno porte e não estarem suficientemente organizados, dificilmente a negociação ocorre diretamente com o varejo, o que aumenta o número de envolvidos no processo de comercialização, aumentando custos de transação, e possivelmente resultando em preços menores para os produtores e maiores para os consumidores do produto. Segundo SATO (2004), o consumo de uva fina de mesa no Brasil foi de 2,94 kg per capita em 2002, valor baixo se comparado ao consumo europeu, que no mesmo ano foi de 5,9 kg per capita, o que indica existência de potencial de aumento na demanda desde que se melhore as condições de distribuição de renda no país. A mesma autora ainda cita que o consumo de frutas e verduras em geral vem aumentando devido principalmente à crença de que esses produtos fazem bem à saúde. Isso faz com que supermercados adotem estratégias de vendas diferenciadas para estes produtos, alocando um espaço maior e oferecendo conveniências que facilitam o consumo. 5.2 Margens de comercialização

13 767 A Figura 5 ilustra a participação do produtor e a margem total de comercialização da uva fina de mesa no Paraná, de julho de 1998 a junho de É importante mencionar que as margens estão expressas em percentuais, isto é, são margens relativas, o que facilita a compreensão e análise das mesmas. 70,00 60,00 50,00 % 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 jul/98 jul/99 jul/00 jul/01 jul/02 jul/03 jul/04 jul/05 jul/06 jul/07 Participação do produtor Margem Total Figura 5. Evolução da participação do produtor e da margem total de comercialização da uva fina de mesa no Paraná, junho1998 a julho Fonte: Resultados do trabalho. Cabe destacar que a magnitude da margem não é o fator principal para o produtor agrícola. Ao produtor interessa mais o lucro que ele irá auferir no processo de produção, visto que na margem (participação) do produtor estão incluídos todos os custos de produção, dentre os quais pode-se destacar os custos dos insumos, mão-deobra, terra, entre outros. Além disso, os produtores costumam assumir riscos maiores, visto que podem ocorrer quebras de safras devido a fatores climáticos, superproduções levando à redução nos preços, e no caso da uva pode ocorrer a incidência de pragas e doenças que danificam o parreiral. Então, se a participação do produtor aumentar e seus custos aumentarem em magnitude maior que o aumento de sua participação, tal aumento não é vantajoso para o mesmo.

14 768 A Figura 5 mostra que a participação do produtor é maior que as margens relativas do atacadista e do varejista em quase todo o período analisado. Tal fato é plausível, pois como citado no parágrafo acima o produtor arca com todos os custos de produção. Além disso, no caso da uva fina de mesa, não há processamento durante a comercialização. Evidentemente, isto resulta em uma participação do produtor maior já que não é agregado valor ao produto. A participação do produtor apresenta possível tendência de queda a partir do ano de Isto pode ser explicado pelo aumento da oferta tanto no Paraná, como também no Brasil. Segundo dados do IBGE (2008), a produção paranaense aumentou de t em 2000 para t em 2006, ou seja, aumento de aproximadamente 19% na oferta. A produção brasileira aumentou aproximadamente 23% no mesmo período. Vale ressaltar também os aumentos de produtividade dos produtores, não apenas no mercado da uva como também em outros mercados agrícolas. Estes aumentos de produtividade vêm aumentando a competitividade dos produtores agrícolas brasileiros, e se possibilitaram principalmente devido ao processo de modernização da agricultura e aos investimentos em pesquisa e desenvolvimento. Como já citado na análise de preços do presente estudo, os produtores paranaenses da uva de mesa obtiveram aumentos de produtividade no período analisado, o que possibilita que os mesmos absorvam redução nos preços e consequentemente na sua participação sem ruptura na oferta, e no caso estudado até aumentando a oferta. De acordo com Barros e Boteon (2002), os produtores paranaenses são em sua maioria de pequeno ou médio porte. Isto contribui para que suas margens sejam reduzidas, já que sendo de pequeno ou médio porte muito provavelmente os produtores não possuem poder de barganha e sofrem pressões dos outros setores resultando em preços menores pagos aos mesmos. Como a uva de mesa não sofre processo de transformação e não tem subprodutos, tais fatores não entram no cômputo das margens. A Figura 6 mostra a evolução das margens relativas do atacadista e do varejista no período estudado. A margem relativa do atacadista também apresenta comportamento de queda durante o período. Até o ano de 2001 a margem relativa do atacadista apresentava-se em alguns momentos acima da margem relativa do varejista. Após 2002 a margem relativa do atacadista se reduz e fica quase sempre abaixo da margem relativa do varejista. Pelo

15 769 fato da uva apresentar alta especificidade temporal devido à sua perecibilidade, os agentes envolvidos no processo de comercialização incorrem em riscos maiores. Isto faz com que os mesmos exijam lucros maiores e provavelmente resulta em margens maiores. Porém, há também o fato da uva não sofrer processo de transformação/industrialização, então não é agregado valor ao produto durante o processo de comercialização. Ficando como função dos agentes atacadistas a compra do produto junto aos produtores e a venda do produto às redes varejistas. 70,00 60,00 50,00 % 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 jul/98 jul/99 jul/00 jul/01 jul/02 jul/03 jul/04 jul/05 jul/06 jul/07 Margem do Atacadista Margem do Varejista Figura 6. Evolução das margens relativas de comercialização do atacadista e do varejista, julho 1998 a junho Fonte: Resultados do Trabalho. A margem relativa do varejista apresenta comportamento crescente, chegando a apresentar-se acima até da participação do produtor em alguns meses. Este aumento da margem relativa do varejista ao longo do período analisado é explicado pela teoria econômica. De acordo com Sato e Bessa (2000), a tendência à concentração no varejo de alimentação se tornou mais acentuada após o Plano Real. A mesma autora cita que após

16 , quando a inflação se estabilizou, observa-se nitidamente a crescente participação das 20 maiores empresas do setor. Como conseqüência do Plano Real, houve também forte ingresso de capital externo no Brasil, principalmente via fusões e aquisições (Investimento Estrangeiro Direto). Tal fenômeno se deu no setor supermercadista brasileiro nos anos 90 levando ao aumento da participação de mercado das 20 maiores empresas do setor ao longo da década. Sato e Bessa (2000) estimam que em 1995 a participação das 20 maiores representava 57,6% da parcela de mercado, em 1998 este número aumentou para 66,9%. Segundo Pinto (2006), a diminuição de empresas na indústria, através de fusões e aquisições das redes menores pelas empresas mais competitivas no mercado cria barreiras à entrada de novos concorrentes e, consequentemente, permite a formação de oligopólios bastante concentrados. Esse processo de concentração no setor varejista aumenta consideravelmente o poder de negociação do setor e também o grau de exigência por produtos de melhor qualidade. Isto resulta em margens mais elevadas no varejo e redução das margens no atacado e da participação do produtor, como constatado no presente estudo. A Tabela 3 mostra as médias anuais das margens de comercialização e da participação do produtor ao longo do período estudado. Na Tabela 3 verfica-se tendência de aumento da margem relativa do varejo enquanto a participação do produtor e a margem do atacado caem. No ano de 1998, de cada R$ 1,00 gasto pelo consumidor da uva fina de mesa, em média R$ 0,50 ficavam com o produtor, R$ 0,28 ficavam com o atacadista e R$ 0,23 ficavam com o varejista. No ano de 2008, de cada R$ 1,00 gasto pelo consumidor, em média R$ 0,44 ficam com o produtor, R$ 0,20 ficam com o atacado e R$ 0,36 ficam com o varejista. A participação do produtor na média do período analisado foi de 46,04%, ou seja, de cada R$ 1,00 gasto pelo consumidor R$ 0,46 ficam com o produtor. A margem relativa do atacadista foi de 22,78% na média do período, sendo assim de cada R$ 1,00 gasto pelo consumidor R$ 0,23 ficam com o atacadista. Por fim, a margem do varejista que foi a única que apresentou possível tendência de elevação foi, em média, 31,17%. Isto indica que de cada R$ 1,00 gasto pelo consumidor final, R$ 0,31 ficam com o varejista.

17 771 Tabela 3. Participação do produtor e margens relativas total, do atacado e do varejo (Médias anuais). Ano Pp (%) Ma (%) Mv (%) MT (%) ,39 27,63 21,98 49, ,35 22,30 25,35 47, ,06 31,14 23,80 54, ,07 29,50 28,43 57, ,81 17,98 35,20 53, ,42 19,15 35,43 54, ,01 20,55 34,44 54, ,35 23,92 31,73 55, ,97 19,50 33,52 53, ,86 19,31 36,82 56, ,17 19,62 36,21 55,83 Média 46,04 22,78 31,17 53,96 Fonte: Resultados do trabalho. 6. Conclusões Os resultados do presente trabalho indicam para a redução da participação do produtor e da margem relativa do atacado. A margem relativa do varejo apresenta padrão crescente, sendo que tal fato é explicado pela tendência de concentração no mercado varejista após o Plano Real e, conseqüentemente, aumentos no poder de barganha do setor e das margens. O produtor da uva fina de mesa conseguiu aumentar substancialmente a produção no período analisado mesmo com a redução de sua participação, a principal explicação para este fato é o aumento de produtividade que possibilita redução nos custos de produção e torna possíveis aumentos de oferta mesmo com reduções nos preços. No tocante às margens de comercialização conclui-se que a participação do produtor na média do período analisado foi de 46,04%, ou seja, de cada R$ 1,00 gasto pelo consumidor R$ 0,46 ficam com o produtor. A margem relativa do atacadista foi de 22,78% na média do período, sendo assim de cada R$ 1,00 gasto pelo consumidor R$ 0,23 ficam com o atacadista. Por fim, a margem do varejista que foi a única que

18 772 apresentou possível tendência de elevação foi, em média, 31,17%. Isto indica que de cada R$ 1,00 gasto pelo consumidor final, R$ 0,31 ficam com o varejista. As séries de preços apresentaram preços altos no início (1998 e 1999) com possível tendência de queda até o ano de 2005 e possível recuperação nos preços a partir deste ano. Uma das explicações para tal fato foi o aumento da produção possibilitado pelo aumento da produtividade no período. Os preços apresentam variações consideráveis durante cada ano, por isso se torna necessário um estudo sobre a sazonalidade dos mesmos. Por fim, cabe destacar que se considera bem sucedido processo de construção da série no atacado, aspecto mais inovador do presente estudo. Tanto as séries de preços como as margens de comercialização encontram-se dentro dos padrões/resultados esperados. Referências BARROS, G.S.C. Economia da Comercialização Agrícola. CEPEA/LES- ESALQ/USP. Piracicaba, SP. 221 p., BARROS, M.C.; BOTEON, M. Avaliação do desempenho regional dos principais pólos produtores de uva no Brasil. In: Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural, 40., 2002, Passo Fundo. Anais... Passo Fundo: SOBER, CD ROM. CARRER, M.J.; ALVES, A.F. Sazonalidade dos preços da uva fina de mesa no Paraná. In: Semana do Economista/UEM, 23., 2008, Maringá. Anais... Maringá: Semana do Economista, Disponível em <http://www.dco.uem.br/semana.2008>. Acesso em 03 outubro CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DO PARANÁ S.A. CEASA/PR. Volumes comercializados nas unidades atacadistas. Disponível em <www.ceasa.pr.gov.br> Acesso em: 25 setembro 2007.

19 773 CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM ECONOMIA APLICADA, Disponível em: <http://cepea.esalq.usp.br/>. Acesso em: 17 agosto 2006 COORDENADORIA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA INTEGRAL, Disponível em: <http://www.cati.sp.gov.br/novacati/index.php>.acesso em: 17 agosto 2006 FAO. Statistical Databases. Disponível em <http://faostat.fao.org/>. Acesso em: 03 novembro INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE Banco de dados agregados: Produção agrícola municipal Disponível em <www.sidra.ibge.gov.br> Acesso em: 10 abril MELLO, L.M.R. Atuação do Brasil no mercado internacional de uvas e vinhos Panorama Disponível em <http://www.cnpuv.embrapa.br> Acesso em: 19 novembro MELLO, L.M.R. Panorama da Vitivinicultura brasileira e mundial Panorama 2008, Disponível em <http://www.cnpuv.embrapa.br> Acesso em: 01 agosto PINTO, C.D. Concentração de mercados e barreiras à entrada: Uma análise do setor de supermercados de Salvador. Revista Desenbahia, BA, v. 3, n. 5, dez SANTOS, M.A.S; REBELLO, F.K.; LOPES, M.L.B; SILVA, M.N.A. Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período In: Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural, 44., 2006, Fortaleza. Anais... Fortaleza: SOBER, CD ROM. SATO, G.S. Análise do consumo de uva para mesa no Brasil. Informações Econômicas, SP, v. 34, n.7, jul.2004.

20 774 SATO, G.S.; BESSA, A.A.J. O varejo de alimentação no Brasil: concentração via fusões e aquisições. Instituto de Economia Agrícola, São Paulo, Disponível em <www.iea.sp.gov.br>. Acesso em: 20 setembro SEAB/DERAL. Evolução da área e da produção de frutas, no Paraná a Disponível em <www.seab.pr.gov.br> Acesso em: 10 abril

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO 10 2 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS Loiva Maria Ribeiro de Mello INTRODUÇÃO A maçã é a fruta de clima temperado mais importante comercializada como fruta fresca, tanto no contexto internacional quanto no nacional.

Leia mais

ESTUDO DAS PERDAS NA COMERCIALIZAÇÃO DE UVAS FINAS DE MESA COM SEMENTE NAS PRINCIPAIS CIDADES DO INTERIOR DO PARANÁ

ESTUDO DAS PERDAS NA COMERCIALIZAÇÃO DE UVAS FINAS DE MESA COM SEMENTE NAS PRINCIPAIS CIDADES DO INTERIOR DO PARANÁ ESTUDO DAS PERDAS NA COMERCIALIZAÇÃO DE UVAS FINAS DE MESA COM SEMENTE NAS PRINCIPAIS CIDADES DO INTERIOR DO PARANÁ - Londrina, Maringá, Cascavel e Foz do Iguaçu 1 Marcelo José Carrer 2 Alexandre Florindo

Leia mais

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009 Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia Novembro de 2009 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. METODOLOGIA... 2 2.1. BASE DE DADOS... 2 2.2. MÉTODO DE ANÁLISE... 3 3. EVOLUÇÃO DOS

Leia mais

Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas

Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas Comercialização de Uvas X Congresso Brasileiro de Viticultura e Enologia 161 Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas Gabriel Vicente Bitencourt de Almeida 1 Da mesma forma que botanicamente,

Leia mais

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 2012 PANORAMA MUNDIAL A produção mundial de frutas se caracteriza pela grande diversidade de espécies cultivadas, e constituí-se em grande

Leia mais

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas)

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas) Informativo da Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Informativo N o 54 Maçã Ano 6 Vol. 54, março de 213 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Cadeia Agroindustrial de Citros

Cadeia Agroindustrial de Citros Cadeia Agroindustrial de Citros O impulso da citricultura no Brasil, especialmente em sua principal região produtora São Paulo -, deveu-se à instalação das indústrias de suco de laranja concentrado na

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR Aspectos abordados Carne no mundo (Visão Geral) Histórico: ambiente institucional e

Leia mais

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR Leandro Augusto Ponchio CPF: 283.568.088-80 Pesquisador do CEPEA/ESALQ/USP Rua Pádua Dias, 11 Caixa postal 132 CEP: 13.400-970 Piracicaba-SP. e-mail: laponchi@esalq.usp.br Alexandre Lopes Gomes CPF: 030.071.446-71

Leia mais

Variação Estacional de Preços de Cebola nos CEASAs de Minas Gerais

Variação Estacional de Preços de Cebola nos CEASAs de Minas Gerais Variação Estacional de Preços de Cebola nos CEASAs de Minas Gerais Pablo Forlan Vargas 1 ; Leila Trevizan Braz 2 ; Juliano Tadeu Vilela de Resende 3 ; André May 2 ; Elaine Maria dos Santos 3. 1 UNESP FCAV

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

Mamão Hawai uma análise de preços e comercialização no Estado do Ceará.

Mamão Hawai uma análise de preços e comercialização no Estado do Ceará. Mamão Hawai uma análise de preços e comercialização no Estado do Ceará. Débora Gaspar Feitosa Freitas 1 José Nilo de Oliveira Júnior 2 RESUMO O Brasil é o principal produtor mundial de mamão e tem grande

Leia mais

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM)

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Boletim n.º 05 1º trimestre de O AMBIENTE ECONÔMICO Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Atividade econômica A economia brasileira, medida pelo desempenho do Produto Interno

Leia mais

Alho. Desempenho da produção vegetal. Produção e mercado mundial PARTE I

Alho. Desempenho da produção vegetal. Produção e mercado mundial PARTE I - Concentração da produção por microrregião geográfica - Santa Catarina - Safra 2009 (Total = 11.553 t) Desempenho da produção vegetal Alho PARTE I Marco Antônio Lucini Engº Agrº Epagri/Curitibanos marcolucini@epagri.sc.gov.br

Leia mais

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 Debora de Moura 1) Panorama Internacional O mercado da castanha de caju, embora, regional no Brasil, movimenta grandes valores mundialmente. De

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE JANEIRO DE 2014 PONTA GROSSA Este relatório, referente ao mês de Janeiro de 2014, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

Panorama do mercado da banana no Brasil Orivaldo Dan

Panorama do mercado da banana no Brasil Orivaldo Dan Panorama do mercado da banana no Brasil Orivaldo Dan orivaldo@tropsabor.com.br Produção de bananas no Brasil (toneladas) 4500000 4000000 Tendência 3500000 3000000 2500000 2000000 1500000 2011 2010 2009

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

Estrutura de produção e comercialização do mamão no estado da Bahia, Brasil.

Estrutura de produção e comercialização do mamão no estado da Bahia, Brasil. XXVII Congreso de la Asociación Latinoamericana de Sociología. VIII Jornadas de Sociología de la Universidad de Buenos Aires. Asociación Latinoamericana de Sociología, Buenos Aires, 2009. Estrutura de

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA)

O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA) O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA) Ricardo Dalla Costa 1 RESUMO O presente artigo vem analisar o nível de preço e produtividade, tecnologia, comercialização

Leia mais

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O presente boletim tem o objetivo de apresentar a situação atual do mercado, por meio dos dados disponibilizados pelo USDA, CONAB e MAPA. Apresenta-se, posteriormente, a

Leia mais

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO Custos Algodão A produção de algodão no Brasil está crescendo de forma expressiva, devido à boa competitividade dessa cultura frente a outras concorrentes em

Leia mais

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² ¹ Mestrando do Programa de Pós Graduação em Agronegócio na Escola de Agronomia e Engenharia

Leia mais

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades 1 São Paulo, 06 de novembro de 2014. NOTA À IMPRENSA Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades Em outubro, houve aumento dos preços do conjunto de bens alimentícios essenciais em 12 das 18 cidades onde

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 MANDIOCULTURA Economista Methodio Groxko Outubro de 2011 ASPECTOS

Leia mais

Empresas e tecnologias na nova conjuntura vinícola brasileira do início do século XXI

Empresas e tecnologias na nova conjuntura vinícola brasileira do início do século XXI Empresas e tecnologias na nova conjuntura vinícola brasileira do início do século XXI Felipe Athia Armando Dalla Costa RESUMO - A partir do final da década de 1980, o Brasil observou um acentuado crescimento

Leia mais

INDICES DE CONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL EM HIPER E SUPERMERCADOS DO BRASIL

INDICES DE CONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL EM HIPER E SUPERMERCADOS DO BRASIL INDICES DE CONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL EM HIPER E SUPERMERCADOS DO BRASIL Josiel Lopes Valadares < josielvaladares@hotmail.com> 1 Maria Luísa Paniago Pereira< mluisapaniago@hotmail.com> 2 Rosiane Maria Lima

Leia mais

Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil

Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil Umberto Antonio Sesso Filho * Joaquim José Martins Guilhoto ** Rossana Lott Rodrigues *** Antonio Carlos

Leia mais

Municípios goianos: competitividade e concentração da fruticultura

Municípios goianos: competitividade e concentração da fruticultura Municípios goianos: competitividade e concentração da fruticultura Millades de Carvalho Castro 10 Juliana Dias Lopes 11 Sônia Milagres Teixeira 12 Resumo: Goiás possui uma produção de frutas inferior a

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS DE ATER 1º A 3 DE DEZEMBRO DE 2015 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

SEMINÁRIO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS DE ATER 1º A 3 DE DEZEMBRO DE 2015 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL SEMINÁRIO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS DE ATER 1º A 3 DE DEZEMBRO DE 2015 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL www.emater.pr.gov.br O QUE É CONSÓRCIO EMPRESARIAL É a união de várias empresas, com a finalidade de realizar

Leia mais

Sazonalidade de preço e quantidade comercializada de morango nos CEASAs - MG de 1995 a 2009

Sazonalidade de preço e quantidade comercializada de morango nos CEASAs - MG de 1995 a 2009 Sazonalidade de preço e quantidade comercializada de morango nos CEASAs - MG de 1995 a 2009 Karoline Maso dos Reis¹; Aline Regina Maximiano¹; Franciele Morlin Carneiro¹; Fernanda Amaral Corrêa Nunes¹;

Leia mais

PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO

PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Maio/2015 CLIMA Anomalia da Temperatura da Superfície do Mar sobre o Pacífico Equatorial El Niño

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 FRUTICULTURA Elaboração: Eng. Agr. Paulo Fernando de Souza

Leia mais

MERCADO DE LEITE: UMA ANÁLISE DAS FLUTUAÇÕES DO PREÇO

MERCADO DE LEITE: UMA ANÁLISE DAS FLUTUAÇÕES DO PREÇO MERCADO DE LEITE: UMA ANÁLISE DAS FLUTUAÇÕES DO PREÇO Aloisio Teixeira Gomes 1 Eliseu Roberto de Andrade Alves 1 Alexandre Lopes Gomes 2 Rosangela Zoccal 1 Resumo O objetivo deste trabalho é descrever

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

Sazonalidade de preço e quantidade comercializada de batata-doce nos CEASAs da região Sudeste do Brasil

Sazonalidade de preço e quantidade comercializada de batata-doce nos CEASAs da região Sudeste do Brasil Sazonalidade de preço e quantidade comercializada de batata-doce nos CEASAs da região Sudeste do Brasil Karoline Maso dos Reis 1 ; Elimari Bento Salviano 2 ; Fellipe Jaculi Valdisser Faria 3 ; Hamilton

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

PRODUÇÃO, ÁREA COLHIDA E EFETIVO DE UVA NO NORDESTE

PRODUÇÃO, ÁREA COLHIDA E EFETIVO DE UVA NO NORDESTE Ano V Abril de 2011 Nº 05 INFORME RURAL ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Ambiente de Estudos, Pesquisas e Avaliação - AEPA PRODUÇÃO, ÁREA COLHIDA E EFETIVO DE UVA NO NORDESTE

Leia mais

Informativo. O Mercado da Tilápia - 1 trimestre de 2015. Comportamento do varejo - Mercado Nacional. Mercado da Tilápia

Informativo. O Mercado da Tilápia - 1 trimestre de 2015. Comportamento do varejo - Mercado Nacional. Mercado da Tilápia Informativo Mercado da Tilápia 03 O Mercado da Tilápia - 1 trimestre de 2015 Palmas, TO Abril, 2015 Renata Melon Barroso Med. Veterinária, Dra. em Genética Analista da Embrapa, renata.barroso@embrapa.br

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E 2012 Camila Cristina Farinhaki Henrique Alves dos Santos Lucas Fruet Fialla Patricia Uille Gomes Introdução Este artigo tem como objetivo

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Avaliação de ganhos do produtor e financiador privado em parceria na pequena produção de tomate

Avaliação de ganhos do produtor e financiador privado em parceria na pequena produção de tomate Avaliação de ganhos do produtor e financiador privado em parceria na pequena produção de tomate Autor: Celso Leonardo Weydmann CPF: 515.574.368-00 Endereço residencial: Rua Cap. Romualdo de Barros 998/D/401

Leia mais

1. Produção Mundial. Nº 2 - Novembro 2010

1. Produção Mundial. Nº 2 - Novembro 2010 Nº 2 - Novembro 2010 1. Produção Mundial A produção mundial de maçã é caracterizada por um grande produtor, a China, e vários produtores menores. Segundo dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

Custo da Cesta básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas

Custo da Cesta básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas 1 São Paulo, 04 de novembro de 2015. NOTA à IMPRENSA Custo da Cesta básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas Em outubro, entre as 18 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009

LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009 LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009 1. Mercado nacional 1.1 Preços pagos ao produtor Os preços nominais médios brutos 1 pagos ao produtor em agosto, ponderados pela produção, dos sete estados pesquisados

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO REGIÃO OESTE

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO REGIÃO OESTE FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE NOVEMBRO DE 2013 REGIÃO OESTE Este relatório, referente ao mês de NOVEMBRO de 2013, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

TOMATE, UM MERCADO QUE NÃO PÁRA DE CRESCER GLOBALMENTE

TOMATE, UM MERCADO QUE NÃO PÁRA DE CRESCER GLOBALMENTE TOMATE, UM MERCADO QUE NÃO PÁRA DE CRESCER GLOBALMENTE O Brasil está entre os dez maiores produtores mundiais, mas precisa vencer alguns desafios para tornar-se um importante player no mercado global Por

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

FATORES EXPLICATIVOS PARA A DIMINUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE CACAU NO BRASIL: UMA ANÁLISE UTILIZANDO O MODELO SHIFT-SHARE

FATORES EXPLICATIVOS PARA A DIMINUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE CACAU NO BRASIL: UMA ANÁLISE UTILIZANDO O MODELO SHIFT-SHARE FATORES EXPLICATIVOS PARA A DIMINUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE CACAU NO BRASIL: UMA ANÁLISE UTILIZANDO O MODELO SHIFT-SHARE JAQUELINE SEVERINO DA COSTA; MICHELE MERÉTICA MILTONS; ALEXANDRE FLORINDO ALVES; JOSÉ

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL

PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL Belo Horizonte, 17 de dezembro de 2009 2 SUMÁRIO PÁGINA 3 IPC (FIPE) PÁGINA 4 IPCA (IBGE) PÁGINA 5 INPC (IBGE) PÁGINA 6 IGP-DI (FGV) PÁGINA 7 IGP-M (FGV) PÁGINA

Leia mais

José Lincoln Pinheiro Araújo 1 Rebert Coelho Correia 2 Edílson Pinheiro Araújo 3 RESUMO

José Lincoln Pinheiro Araújo 1 Rebert Coelho Correia 2 Edílson Pinheiro Araújo 3 RESUMO APLICAÇÃO DA ANÁLISE CUSTO-VOLUME-LUCRO (CVL) NA DETERMINAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA DE UNIDADE PRODUTIVA FAMILIAR LOCALIZADA EM PERIMETRO IRRIGADO DA REGIÃO DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO. RESUMO José Lincoln

Leia mais

Preços de alimentos básicos continuam em alta

Preços de alimentos básicos continuam em alta 1 São Paulo, 2 de junho de 2008. NOTA À IMPRENSA Preços de alimentos básicos continuam em alta Apenas duas, das 16 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos

Leia mais

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov.

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov. CAFÉ Jorge Queiroz 1. MERCADO INTERNACIONAL Segundo o USDA, a produção mundial de café deverá atingir no ano 2009/2010, um total de 127,4 milhões de sacas. Entretanto, a OIC (Organização Internacional

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 TEMAS SOCIAIS Diferentes histórias, diferentes cidades A evolução social brasileira entre 1996 e 1999 não comporta apenas uma mas muitas histórias. O enredo de

Leia mais

BEBIDAS VITIVINICULTURA MUNDIAL: 1961-2007. Tagore Villarim de Siqueira*

BEBIDAS VITIVINICULTURA MUNDIAL: 1961-2007. Tagore Villarim de Siqueira* VITIVINICULTURA MUNDIAL: 1961-2007 Tagore Villarim de Siqueira* * Economista do Departamento Regional Nordeste do BNDES. Nota: As principais fontes dos dados utilizados neste trabalho foram as seguintes:

Leia mais

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte Se, de um lado, a forte alta do dólar frente ao Real tem contribuído para elevar

Leia mais

110,0 105,0 100,0 95,0 90,0 85,0 80,0

110,0 105,0 100,0 95,0 90,0 85,0 80,0 BOI GORDO O ano de 2013 registrou preços elevados para a arroba do boi gordo, em todas as praças pecuárias acompanhadas pelo Sistema FAEB/SENAR. No acumulado do ano, foram verificadas as seguintes valorizações:

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE TOMATE DE MESA NO ESTADO DE RONDÔNIA

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE TOMATE DE MESA NO ESTADO DE RONDÔNIA EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE TOMATE DE MESA NO ESTADO DE RONDÔNIA ROGÉRIO SIMÃO; TOMÁS DANIEL MENÉNDEZ RODRÍGUEZ; UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PORTO VELHO - RO - BRASIL tomas@unir.br APRESENTAÇÃO ORAL Evolução

Leia mais

CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS.

CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS. CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS. A Experiência dos Agrupamentos Vitícolas de Petrolina (Brasil) e Tierra Amarilla (Chile). Estrutura do Trabalho: 1.

Leia mais

Índice de Variação Geral de Preços Departamento de Economia

Índice de Variação Geral de Preços Departamento de Economia Índice de Variação Geral de Preços Departamento de Economia FEVEREIRO 2007 Índices de preços são números que agregam e representam os preços de uma determinada cesta de produtos. Sua variação mede, portanto,

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

Atual cenário da produção de leite mundial e nacional. Valter Bertini Galan

Atual cenário da produção de leite mundial e nacional. Valter Bertini Galan Atual cenário da produção de leite mundial e nacional Valter Bertini Galan Meu histórico Engenheiro Agrônomo (ESALQ/USP) Mestre em Administração (FEA/USP) Produtor de leite & pequeno laticinista Cepea:

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

5.4 - Frutas Cítricas

5.4 - Frutas Cítricas 93 5.4 - Frutas Cítricas Os principais países produtores de citros, segundo a FAO, são China, Brasil e Estados Unidos, seguidos por México, Espanha e Itália. Entretanto, por espécie o Brasil é destacadamente

Leia mais

Apoio: Março de 2010. Realização:

Apoio: Março de 2010. Realização: Panorama do Setor de Software e Serviços de TI do Paraná Relatório Final Apoio: Março de 2010 Realização: 1 Sumário 1 Introdução 04 Parte I - Caracterização das Empresas de Software no Brasil, Sul, Paraná

Leia mais

PERSPECTIVAS DA FRUTICULTURA BRASILEIRA EXPORTADORA FRENTE AOS NOVOS INVESTIMENTOS

PERSPECTIVAS DA FRUTICULTURA BRASILEIRA EXPORTADORA FRENTE AOS NOVOS INVESTIMENTOS PERSPECTIVAS DA FRUTICULTURA BRASILEIRA EXPORTADORA FRENTE AOS NOVOS INVESTIMENTOS RESUMO Aline Vitti Renata Elise Gaiotto Sebastiani Cinthia Antoniali Vicentini Margarete Boteon Este trabalho buscou avaliar

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

Apesar de menor, deflação continua

Apesar de menor, deflação continua 1 São Paulo, 06 de julho de 2006. NOTA À IMPRENSA Apesar de menor, deflação continua Pelo terceiro mês consecutivo, o Índice do Custo de Vida (ICV) calculado pelo DIEESE - Departamento Intersindical de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1 AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ Rodrigo Fernandes Junqueira 1 Paulo José Alves Lourenço 2 Sandro Rogério Lautenschlager 3 RESUMO Neste trabalho

Leia mais

FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE -0,69% EM JULHO/2011

FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE -0,69% EM JULHO/2011 FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE -0,69% EM JULHO/2011 No mês de ho de 2011, o valor da cesta básica do paulistano teve queda de 0,69%, revela pesquisa diária da Fundação Procon-SP,

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais 1 São Paulo, 06 de julho de 2009. NOTA À IMPRENSA Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais Em junho, a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pelo DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

Capítulo XV Custos e Rentabilidade

Capítulo XV Custos e Rentabilidade Capítulo XV Custos e Rentabilidade Marcelo do Amaral Santana Clóvis Oliveira de Almeida José da Silva Souza As estimativas de custos de produção e de rentabilidade para uma cultura podem proporcionar informações

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 EQUIPE TÉCNICA DO IPETURIS Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: César Melo Tamiris Martins Viviane Silva Suporte: Gerson

Leia mais

SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MINERAÇÃO SICM SUPERINTENDÊNCIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS SCS Informativo CODAV ATACADO, VAREJO E DISTRIBUIÇÃO

SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MINERAÇÃO SICM SUPERINTENDÊNCIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS SCS Informativo CODAV ATACADO, VAREJO E DISTRIBUIÇÃO PÁGINA 1 Página 1 SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MINERAÇÃO SICM SUPERINTENDÊNCIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS SCS Informativo CODAV ATACADO, VAREJO E DISTRIBUIÇÃO I N F O R M A T I V O B I M E S T R A L

Leia mais

DESAFIOS PARA A CITRICULTURA DE MESA BRASILEIRA. Camilo Lázaro Medina clmedina@conplant.com.br

DESAFIOS PARA A CITRICULTURA DE MESA BRASILEIRA. Camilo Lázaro Medina clmedina@conplant.com.br DESAFIOS PARA A CITRICULTURA DE MESA BRASILEIRA Camilo Lázaro Medina clmedina@conplant.com.br DESAFIOS PARA A FRUTICULTURA DE MESA BRASILEIRA Importância: 73% do volume de produção brasileira se destinam

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

O Alho no Brasil Um Pouco da História dos Números do Nobre Roxo

O Alho no Brasil Um Pouco da História dos Números do Nobre Roxo O Alho no Brasil Um Pouco da História dos Números do Nobre Roxo Marco Antônio Lucini Engenheiro Agrônomo Curitibanos, julho de 28. O Alho no Brasil Um Pouco da História dos Números do Nobre Roxo 1. Histórico

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho CAPACIDADE DOS PORTOS BRASILEIROS Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho 1 Novembro 2012 Esse estudo pretende chegar a um volume máximo de soja, milho e derivados, que pode ser exportado, por meio

Leia mais

Análise comparativa de resultados econômicos dos polos piscicultores no segundo trimestre de 2015

Análise comparativa de resultados econômicos dos polos piscicultores no segundo trimestre de 2015 Ano 1 - Edição 5 - Agosto de 2015 Análise comparativa de resultados econômicos dos polos piscicultores no segundo trimestre de 2015 Não há uma tendência observada no comportamento dos custos de produção

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

Valor da cesta básica diminui em 15 cidades

Valor da cesta básica diminui em 15 cidades 1 São Paulo, 04 de setembro de 2015. NOTA à IMPRENSA Valor da cesta básica diminui em 15 cidades Das 18 cidades em que o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos - realiza

Leia mais

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS LABORATÓRIO DE TECNOLOGIA DOS MEDICAMENTOS PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Prof. Pedro Rolim PANORAMA

Leia mais