DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA WEB DE BUSCA INTELIGENTE PARA SUPORTE À TOMADA DE DECISÕES NO AGRONEGÓCIO DO CAFÉ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA WEB DE BUSCA INTELIGENTE PARA SUPORTE À TOMADA DE DECISÕES NO AGRONEGÓCIO DO CAFÉ"

Transcrição

1 DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA WEB DE BUSCA INTELIGENTE PARA SUPORTE À TOMADA DE DECISÕES NO AGRONEGÓCIO DO CAFÉ Leonardo Aparecido CISCON Rêmulo Maia ALVES DCC Departamento de Ciência da Computação UFLA Universidade Federal de Lavras Caixa Postal 37 CEP Lavras / MG - Brasil 1

2 Resumo: O conhecimento, se bem interpretado, transforma-se em uma valiosa ferramenta na gerência de decisões, inclusive no agronegócio do café. Essa mercadoria, destaque como fonte de divisas para a economia brasileira, vem passando por uma crise sem precedentes. A queda nos preços e o domínio de multinacionais estrangeiras prejudicam o bom andamento da produção e comércio do café no Brasil. Diante disso, surge a necessidade do desenvolvimento de uma solução que possibilite conhecer os ambientes externo e interno do mercado do café. A solução que se objetivou foi a implementação de um sistema de Recuperação de Informação para a Internet. Palavras-chave: agronegócio do café, gestão do conhecimento, recuperação de informação, agente inteligentes, sistema Web. Absctract: The knowledge, if interpreted well, is changedded into a valuable tool in the management of decisions, also in the agrobusiness of the coffee. This merchandise, has detached as source of verge for the Brazilian economy, comes passing for a crisis without precedents. The fall in the prices and the domain of foreign multinationals harms the good course of the production and commerce of the coffee in Brazil. Ahead of this, the necessity of the development of a solution appears that it makes possible to know environments external and internal of the market of the coffee. The solution that if objectified was the implementation of a system of Recovery of Information for the Internet. Key Words agrobusiness of the coffee, management of the knowledge, recovery of information, intelligent agent, Web system. 2

3 1. Introdução O conhecimento cada vez mais assume um papel central na sociedade moderna. Os recursos econômicos básicos passam a contar, além do capital, dos recursos naturais e da mão-de-obra, com o aporte dos conhecimentos necessários aos processos produtivos e de negócios. Gerenciar de maneira inteligente as informações obtidas e o conseqüente conhecimento gerado e incorporado pela empresa a partir dos seus processos de inovação passa a ser diferencial estratégico. Assim, cada vez mais as empresas de um modo geral passam a perceber a importância da utilização da gestão do conhecimento. A gestão do conhecimento pode ser vista como o conjunto de atividades que busca desenvolver e controlar todo tipo de conhecimento em uma organização, que no contexto deste projeto refere-se ao mercado de commodities, em especial ao café, visando à utilização na consecução de seus objetivos. Este conjunto de atividades deve ter como principal meta o apoio ao processo decisório em todos os níveis. Surge, assim, a necessidade de desenvolver uma solução que possibilite conhecer os ambientes externo e interno do mercado do café. A solução que se vislumbra é a implementação de um sistema de Recuperação de Informação, que seja capaz de monitorar estes ambientes, no caso as informações disponibilizadas em sites da Internet. Na maioria das vezes os dados estão armazenados na forma de textos em linguagem natural. Os usuários ficam com dificuldades cada vez maiores para buscar, dentro deste imenso banco de dados, apenas as informações que se adeqüem às suas necessidades. Neste contexto, tem-se tornado cada vez mais importante o desenvolvimento de técnicas que possibilitem a busca e a manipulação automática destas bases de dados extensas. De um modo geral, pode-se encontrar na Internet um vasto volume de informações sobre o mercado de commodities, em especial o café. Estes dados estão disponíveis tanto em formato texto (notícias), quanto em forma de tabelas apresentando síntese de indicadores econômicos, informações sobre o clima, políticas governamentais, além de fatores internacionais que influenciam o preço do café. Assim sendo, torna-se desejável a elaboração de uma estratégia para a coleta e organização de notícias e indicadores relevantes de acordo com os temas a que eles estão relacionados dentro do universo de commodities. Deste modo, usuários com necessidades de informações dentro deste contexto teriam à disposição um conjunto de notícias apresentadas de forma mais organizada, facilitando sua consulta. Ainda, seriam eliminadas as informações que não tratam deste assunto, reduzindo o volume de informações a ser manipulado e aumentando a qualidade dos dados disponíveis. 2. O agronegócio do café Segundo [ASSEMBLÉIA, 2004], a participação do agronegócio na economia brasileira é muito significativa. Em 2002, ele foi responsável por 41,15% das exportações nacionais. Com um superávit de US$ 20,3 bilhões, o setor contribuiu decisivamente para a obtenção do saldo positivo de US$ 13,1 bilhões na balança comercial do país. E, neste mercado, o café se destaca. Porém, o Brasil, primeiro exportador mundial, que já possuiu participação de 30% a 40%, vem perdendo espaço no cenário internacional. Esta commodity - segunda mercadoria mais negociável no mundo, depois do petróleo -, destaque como fonte de divisas para a economia brasileira, pela sua participação na receita cambial, pela transferência de renda a outros setores da economia, pela contribuição à formação de capital no setor agrícola do país, além da expressiva capacidade de absorção de mãode-obra, merece uma atenção especial. Só para se ter uma idéia da importância do café na economia nacional, as últimas safras 3

4 geraram quantias variando de US$ 2,4 a 3 bilhões em receitas cambiais para o Brasil, correspondendo a 5,1% do valor total das exportações brasileiras; e 24,9% da produção global de café. 2.1 Fatores que influenciam o mercado do café É de conhecimento que dentre as diversas informações disponíveis sobre um negócio, por exemplo, algumas, em especial, se bem interpretadas influenciam diretamente a tomada de decisões. E como já foi mencionando anteriormente, a Internet é uma inesgotável fonte de dados e informações. Estas informações relevantes podem ser classificadas em categorias: Informações econômicas e conjunturais: relacionadas aos preços do café, à disponibilidade e custos dos insumos e da mão-de-obra, valores de bolsas, etc; Informações do ambiente: condições climáticas, períodos de colheita, etc; Informações sobre o manejo da cultura: relacionadas a problemas de solo, sistemas de cultivo, cultivares, adubação, etc. 3. Gestão do Conhecimento Conforme [GOMES, 2002], gestão do conhecimento é uma disciplina que promove, com visão integrada, o gerenciamento e o compartilhamento de todo o ativo de informação possuído pela empresa. Esta informação pode estar em um banco de dados, documentos, procedimentos, bem como em pessoas, através de suas experiências e habilidades. A gestão do conhecimento pode ser vista como o conjunto de atividades que busca desenvolver e controlar todo tipo de conhecimento em uma organização, que no contexto desta pesquisa refere-se ao mercado de commodities, em especial ao café, visando à utilização na consecução de seus objetivos. Este conjunto de atividades deve ter como principal meta o apoio ao processo decisório em todos os níveis. Para isto, é preciso estabelecer políticas, procedimentos e tecnologias que sejam capazes de coletar, distribuir e utilizar efetivamente o conhecimento, representando fator de mudança no comportamento organizacional. A figura 3-1, abaixo, mostra como é deve ser o ciclo do conhecimento em uma U S A ACE S S A CR I A CONH E CI ME NT O OR GANI Z A CAP T U R A organização. A tendência na maioria das organizações é a de tornar todos os documentos disponíveis de forma on-line em formato eletrônico, o desafio do acesso online se transformou em como encontrar os itens relevantes para uma dada tarefa. Além disso, a quantidade de informações potencialmente relevantes, incluindo o que se Figura 3-1 Processo de aprendizagem na Gestão do Conhecimento. Fonte: [CORREA, 2003] encontra na Internet e nas intranets continua a crescer rapidamente. Conforme [CORREA, 2003] um outro fator complicador no uso de conhecimento explícito on-line é a diversidade de fontes nas quais o mesmo se encontra disponível. Não é incomum que os usuários tenham que vasculhar vários bancos de dados ou sites Web atrás de informações potencialmente relevantes. Com a pouca padronização existente, os usuários precisam lidar com diferentes interfaces, diferentes convenções de linguagens de busca, e diferentes apresentações de listas de resultados. Os portais são uma abordagem popular para reduzir a complexidade da tarefa do usuário. [DAVENPORT & PRUSAK, 1998], enfatizam que o conhecimento com um conteúdo estruturado e quantitativo pode ser mais bem armazenado em uma base de dados 4

5 relacional, com acesso feito por computadores pessoais conectados em rede e usando um apropriado programa de busca. O conhecimento com um conteúdo não estruturado e qualitativo pode ser mais bem representado pelo uso de páginas web. 4. Agentes Inteligentes O atual cenário computacional tem mudado bastante, catalisado principalmente pelo crescimento explosivo da Internet, onde as tecnologias centralizadas, homogêneas e orientadas a desktops têm se tornado distribuídas, heterogêneas e voltadas a redes. Segundo [ROUILLER, 1998] a grande perspectiva é a utilização de modelos baseados em agentes, que vem despontando como uma promessa para sistemas distribuídos, proporcionando aos ambientes computacionais inteligência, adaptabilidade, dinamicidade, mobilidade, entre outras vantagens. Os Agentes Inteligentes podem nos auxiliar na recuperação de informações na Web. E além disso podem desempenhar uma variedade de papéis que dificultam, senão impossibilitam, a formulação em poucas palavras de uma definição conceitual. Conforme [RUSSEL e NORVIG, 1995] um agente pode ser visto como algo capaz de perceber o seu ambiente através de sensores e agir neste ambiente por meio de efetuadores. Deste modo, um agente recebe estímulos do ambiente em que ele atua e executa ações em resposta a estes estímulos. 4.1 Classificação dos Agentes Inteligentes Uma categorização para os agentes, proposta por [GONÇALVES, 2000], é baseada em suas características: Conselheiro: oferece ajuda e treinamento. Ensina os passos inicias para usar um determinado sistema. Guia: ajudar a navegação em bancos de dados e hipermídia. Classifica, recupera e filtra grandes quantidades de informações. Empregado: executa as atividades tediosas e repetitivas. Neste artigo, será enfocado este tipo de agente. Representante: trabalha na ausência do usuário. As atividades não precisam ser imediatamente executadas; podem ser agendadas. Comunicador: trabalha com outros usuários e seus agentes, para assim, conseguir executar as atividades as quais é incumbido. 4.2 Aplicações dos Agentes Inteligentes De acordo com [ROUILLER, 1998] podemos identificar oito principais áreas onde se concentra ou deverá se concentrar num futuro próximo o desenvolvimento na tecnologia dos agentes: 1. Gerenciamento de Sistemas de Rede: manutenção e configuração de sistemas em operação, principalmente em redes locais; 2. Acesso e Gerenciamento móvel: manipulação inteligente da transmissão de informações; 3. Correio Eletrônico e Troca de Mensagens: priorização mensagens e organização as caixas de mensagens dos usuários; 4. Acesso e Gerenciamento da Informação: pesquisa e filtragem de informação, especialmente na Internet, bem como, categorização e disseminação de informações; 5. Colaboração: compartilhamento de dados e gerência de equipes e do produto de seu trabalho; 6. Gerenciamento Administrativo: gerenciamento de fluxos de trabalho, identificação e automatização de processos; 7. Comércio Eletrônico: pesquisa de produtos e consumidores e assistência no momento das vendas; 8. Interfaces Inteligentes: monitoração e auxílio de usuários no uso das interfaces dos sistemas. 5. Sistema de Recuperação de 5

6 Informações para o Agronegócio do Café De maneira resumida podemos descrever o sistema apresentado neste artigo como um conjunto de agentes inteligentes que vasculham a Internet em busca de informações relevantes ao café. Após a coleta das informações, estas são armazenadas em um banco de dados. Por último, as informações são classificadas de acordo com a importância e disponibilizadas na Internet. Será apresentada uma explicação mais detalhada sobre cada uma das etapas desempenhadas pelo sistema. Abaixo, na figura 5.1, acompanhe a inter-relação dos temas gerais do artigo. Observe que a Gestão do Conhecimento é base para o Sistema de Recuperação de Informações relacionadas ao agronegócio do café. Ges t ão do Conhecimento R ecuper ação de I nfor mações Agr onegócio do Caf é Agent es Inteligentes Figura 5-1 Inter-relação das informações 5.1 Recuperação de Informação De acordo com [CARDOSO, 2003] com o surgimento da informática, os computadores passaram a ser utilizados no auxílio à busca e manipulação de informações. Depois de alguns anos do advento e implantação da Internet, a World Wide Web (WWW) mostrou-se capaz de oferecer mais opções do que as inicialmente previstas, além de atingir proporções mundiais, interligando pessoas de diversas culturas. Ainda de acordo com [CARDOSO, 2003], dentro desses ambientes de manipulação e troca de informações automatizadas, novas técnicas de suporte se tornaram necessárias. Assim surgiu a área de Recuperação de Informação ou Information Retrieval (RI ou IR), que lida com a representação, armazenamento, organização e acesso a itens de informação (documentos). A representação e organização da informação devem dar ao usuário de um Sistema de Recuperação de Informação (SRI) um acesso fácil à informação de seu interesse. Dada uma consulta, o principal objetivo do SRI é retornar informações úteis (relevantes) ao usuário. A ênfase é na recuperação de informação e não na recuperação de dados [CARDOSO, 2003]. 5.2 Descrição do Sistema O funcionamento do sistema pode ser divido em etapas distintas, as quais se interligam diretamente. Se ocorrerem problemas em uma das etapas, o sistema como um todo pode não funcionar. Cada uma das etapas será apresentada em separado. Elas podem ser assim separadas: Coleta das Informações; Armazenamento das informações coletadas; Classificação e disponibilização das informações. 5.3 Coleta das Informações Foram selecionados 6 (seis) sites para coleta das informações: Os sites especializados no agronegócio do café pré-selecionados pelo sistema seriam monitorados visando a recuperação periódica das informações mais importantes contidas neles. Para isso, são utilizados os agentes inteligentes para recuperação de informação 6

7 na Web. Estes agentes navegam pela Web buscando páginas e extraindo destas as informações desejadas, neste caso sobre o agronegócio do café. Como cada site da Web monitorado apresenta suas peculiaridades surge a necessidade do uso de agentes inteligentes especializados na extração das informações presente em cada site. Dessa forma, cada site será observado por um ou mais agentes inteligentes específicos, sendo que este possui instruções sobre sua estrutura, permitindo assim, a extração das informações. As páginas da Internet são escritas numa linguagem de marcação denominada HTML. Os agentes inteligentes percorrem todo o conteúdo (texto) da página e extraem as informações armazenando em um banco de dados. 5.4 Armazenamento das informações coletadas Esta segunda etapa é muito simples, porém de vital importância para o sistema. Depois de realizada a coleta das informações em cada site selecionado, estas informações precisam ser armazenadas para posterior divulgação. O modelo de banco de dados relacional, hoje amplamente utilizado em qualquer aplicação, encaixa-se perfeitamente nesse sistema. Novas informações são adicionadas à base de dados diariamente, pela atuação dos agentes inteligentes especificados no projeto. Este banco de dados consiste de um conjunto de tabelas que armazenam as informações de acordo com sua relevância, categoria e atualidade. O armazenamento das informações em um banco de dados facilita também a futura classificação e disponibilização das informações. 5.5 Disponibilização das informações coletadas A terceira etapa do funcionamento do sistema consiste na categorização e disponibilização das informações recuperadas em vários sites em apenas um. Diferentemente da etapa anterior, onde vários agentes foram utilizados na implementação do sistema, aqui somente um agente é necessário. Cabe a ele percorrer o Banco de Dados, montar, de forma organizada, a página HTML resultante com as informações mais recentes. As informações disponibilizadas no site representam um resumo de todas as informações coletadas. A classificação e divisão de acordo com o tipo de informação facilitam a consulta dos usuários do sistema. Somente as informações mais recentes são exibidas nas páginas principais. Caso o usuário necessite consultar informações antigas, isto será possível a partir da navegação do site através de links na página principal. A figura 5.2 detalha o processo de recuperação das informações e sua posterior disponibilização. Agente I nteligente S ite da Web S ite da Web Agente I nteligente B anco De Dados Agente I nteligente Agente I nteligente S it e da W eb S ite da Web S ites selecionados que disponibilizam infor mações sobre o agronegócio do café Agentes I nteligentes para recuperação de infor mações Banco de Dados que ar mazena as 7 infor mações recuperadas Agente I nteligente que disponibiliza as infor mações recuperadas na Web S ite do s is tema que disponibiliza na I nter net as infor mações recuperadas Figura Processo de Recuperação de Informações usando Agentes Inteligentes e sua posterior disponibilização

8 5.6 Funcionamento do Sistema Para o usuário, todo o funcionamento do sistema será transparente. O sistema tratase de um web site normal, um portal, como vários outros existentes na Internet. A utilização será extremamente simples e rápida. Como proposta inicial, o sistema apresentará as informações mais relevantes do agronegócio do café coletadas na Internet. O sistema é dividido em módulos, sendo que cada módulo possui uma página principal. Nesta primeira versão, os módulos são. Notícias: possui várias notícias específicas sobre o agronegócio do café; Cotações: possui várias cotações, como moedas, bolsas de valores, entre outras; Indicadores Econômicos: possui vários indicadores econômicos, como preço das sacas, valor do mercado futuro, entre outros; Clima: possui informações climáticas sobre diversas cidades do país; Serviços: possui vários serviços para auxílio dos usuários; Links: possui vários links para sites da área do agronegócio do café; Sobre: possui informações sobre o sistema; Nos módulos Notícias, Cotações, Indicadores Econômicos e Clima, as informações mais recentes são disponibilizadas, e links para outras informações anteriormente coletadas estão disponíveis. A figura 5.3 apresenta a página inicial do sistema. Figura Página inicial do Sistema 5.7 Tecnologias Utilizadas O ambiente de desenvolvimento do sistema de recuperação de informações para o agronegócio do café é diversificado. Utilizouse uma linguagem de programação WEB (PHP) [PHP], um servidor de aplicações WEB (Apache) [APACHE] um sistema gerenciador de banco de dados (mysql) [MYSQL] e o sistema operacional que serve como plataforma para todas estas tecnologias, Windows 2000 ou Linux. 6. Considerações Finais A possibilidade de conhecer o ambiente interno e externo do mercado do café como meio de prever e evitar fatores que contribuem com a crise está intimamente relacionada com a Internet. Porém, a infinidade de informações disponíveis na Web, que a primeira vista parece ser sua maior força, é ao mesmo tempo uma de suas maiores fraquezas. Essa ampla quantidade de informações que a Web disponibiliza, vem tornando a manipulação destas cada vez mais difícil. O volume e complexidade das informações trazem a necessidade de ferramentas avançadas para coletar, filtrar, produzir e processar estas informações, atendendo as preferências ou especificações particulares dos usuários. 8

9 O conhecimento tornou-se um recurso econômico valioso e deve ser tratado como tal, sendo responsável por mudanças no comportamento organizacional, sendo esta organização uma empresa ou mesmo um produtor ou negociador de café. O insucesso por despender esforços redundantes e, muitas vezes, ineficazes na execução de atividades rotineiras e imprevistas deve ser evitado. Fica evidente que a gestão do conhecimento é importante nas organizações e pode contribuir na redução da crise da cafeicultura, percebendo ameaças e oportunidades, e por conseqüência, desencadeando ações corretivas e evolutivas. Como forma de contribuição na manipulação da extensa base de dados que é a Web foi desenvolvida uma ferramenta de Recuperação de Informações voltada para o Agronegócio do Café. Como observado ao longo do trabalho, agentes inteligentes foram criados e programados para coletar informações relevantes em sites específicos da Internet. O sistema desenvolvido tornou-se um valioso repositório de informações e, pode-se concluir, que sua utilização como portal de consulta ao agronegócio do café facilita consideravelmente a pesquisa por informações relevantes. Este portal, que disponibiliza conhecimento sobre o agronegócio do café, é um exemplo prático de como a Gestão do Conhecimento pode contribuir como suporte à tomada de decisões nas organizações, neste caso, no mercado do café. Contudo, cabe ressaltar que o sistema não está totalmente concluído. Sendo, na verdade, um protótipo. Vários aspectos, como interface com usuário, volume e variedade de sites consultados e desempenho podem ser melhorados. 7. Referências Bibliográficas [APACHE] Apache Web Server. Disponível em: Acesso em: 10/01/2004. [ASSEMBLÉIA, 2004] ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DE MINAS GERAIS. Relatório Final da Comissão Especial da Cafeicultura. Disponível em htm. Acesso em 16/04/2004. [CARDOSO, 2003] CARDOSO, Olinda Nogueira Paes et al. Recuperação de Informação e Bibliotecas Digitais. DCC / Ufla [CORREA, 2003] CORREA, Marcelo. Curso: Gestão do Conhecimento. Disponível em: ttp://www.sucesues.org.br/eventos /agenda_passada. asp?cod_evento=58. Acesso em: 04/11/2003. [DAVENPORT & PRUSAK, 1998] DAVENPORT, T.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial. Rio de Janeiro: Campus [GOMES, 2002] GOMES, Elisabeth. Gestão do conhecimento: definição conceitual, múltiplos usos e interpretações. Rio de Janeiro, [GONÇALVES, 2000] Gonçalves, C. B. Agentes Inteligentes na Internet. Unesp, [MYSQL] MySQL. Disponível em: Acesso em 10/01/2004. [PHP] PHP. Disponível em: Acesso em: 10/01/2004. [ROUILLER, 1998] ROUILLER, Ana Cristina. ADWoMan - Um novo Sistema Gerenciador de Workflow baseado em Agentes. UFPE, [RUSSEL e NORVIG, 1995] RUSSEL, S. J.; NORVIG, P. Artificial Intelligence: A Modern Approach. Prentice-Hall,

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Conteúdo. Curso de Introdução ao Plone. O que é Plone. Parte I Conceitos básicos

Conteúdo. Curso de Introdução ao Plone. O que é Plone. Parte I Conceitos básicos Curso de Introdução ao Plone Conteúdo Parte I - Conceitos básicos Parte II - Interface do Plone Parte III - Gerenciamento de usuários Modulo A Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Laurimar Gonçalves

Leia mais

Implementação de um serviço de Site Dinâmico para a Intranet do Pólo de Touros utilizando o ambiente Apache, MYSQL e PHP em um Servidor Linux

Implementação de um serviço de Site Dinâmico para a Intranet do Pólo de Touros utilizando o ambiente Apache, MYSQL e PHP em um Servidor Linux UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ - EAJ CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA PROFESSOR CARLOS HENRIQUE GRILO DINIZ Projeto das Disciplinas de Sistemas Operacionais de Redes

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Apresentação da Empresa. CAPO Software. your team more agile

Apresentação da Empresa. CAPO Software. your team more agile Apresentação da Empresa CAPO Software QUEM SOMOS A CAPO SOFTWARE é provedora de serviços diversificados de TI com vasta experiência em desenvolvimento de sistemas e processo de configuração que compreende

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Aplicação Web para comércio eletrônico institucional Guilherme CORRÊA¹; Thiago DIAS².

Aplicação Web para comércio eletrônico institucional Guilherme CORRÊA¹; Thiago DIAS². Aplicação Web para comércio eletrônico institucional Guilherme CORRÊA¹; Thiago DIAS². ¹Estudante do curso Análise e Desenvolvimento de sistemas. Instituto Federal de Minas Gerais campus Bambuí. Rod. Bambuí

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Curso de Introdução ao Plone. Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani

Curso de Introdução ao Plone. Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani Curso de Introdução ao Plone Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani Conteúdo Parte I - Conceitos básicos Parte II - Interface do Plone Parte III - Gerenciamento de usuários Parte IV - Criação

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Sloan School of Management

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Sloan School of Management MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Sloan School of Management 15.565 INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: FATORES TECNOLÓGICOS, ESTRATÉGICOS E ORGANIZACIONAIS Panorama Funcional CP0 -- INTRODUÇÃO AO

Leia mais

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 4.0 Março de 2015 Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho de equipe.

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 3.4 1º de julho de 2013 Novell Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Seu dia é mais inteligente

Seu dia é mais inteligente Seu dia é mais inteligente O 2007 Microsoft Office system é uma plataforma de soluções inteligentes para tarefas operacionais, estratégicas e organizacionais. O conjunto de aplicativos e servidores e a

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA Perfil: Especialista em TI para atuar no aprimoramento do

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação 13/02/2008 prof. Marcelo Nogueira 1 Disciplina: Análise Essencial de Sistemas Prof. Marcelo Nogueira 13/02/2008 prof. Marcelo Nogueira 2 Mais de que conhecer novas tecnologias é preciso saber como ganhar

Leia mais

Sociedade da Informação

Sociedade da Informação Sociedade da Revolução Tecnológica Revolução industrial: ampliação dos músculos m dos homens em forma de equipamentos Mecanização ão. Responsável por mudanças as nas formas de produção existentes Revolução

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares Denis Lacerda Paes 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO O trabalho apresentado visa desenvolver uma aplicação baseada em

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS Conectt i3 Portais Corporativos Há cinco anos, as empresas vêm apostando em Intranet. Hoje estão na terceira geração, a mais interativa de todas. Souvenir Zalla Revista

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS Alexia Guilherme Bianque (PIBIC/CNPq), Ederson Marco Sgarbi (Orientador), a.g.bianque10@gmail.com.br Universidade

Leia mais

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 A capacidade dos portais corporativos em capturar, organizar e compartilhar informação e conhecimento explícito é interessante especialmente para empresas intensivas

Leia mais

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Marco T. A. Rodrigues*, Paulo E. M. de Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003 Technology and Security Risk Services Novembro, 2003 1. Por que escrevemos o livro? 2. Objetivo do livro 3. Conteúdo do livro 4. Dúvidas Acesso aos sites financeiros cresceu 199% em dois anos; Os sites

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP

DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP sistema para gerenciamento de instituições de ensino DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP Nossa Empresa A Sponte Informática é uma empresa brasileira, localizada em Pato Branco, cidade considerada pólo

Leia mais

INTERNET CONCEITOS. Internet é a "grande rede mundial de computadores"

INTERNET CONCEITOS. Internet é a grande rede mundial de computadores INTERNET CONCEITOS O que é Internet Estamos acostumados a ouvir que Internet é a "grande rede mundial de computadores" Entretanto, essa definição não é muito simplista. Na realidade, Ela é uma coleção

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 4 DE JANEIRO DE 205 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Projeto BRA/07/004 Seleciona: Consultor para identificação das melhores

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

RECUPERANDO INFORMAÇÃO SOBRE TEXTOS PUBLICADOS NO TWITTER

RECUPERANDO INFORMAÇÃO SOBRE TEXTOS PUBLICADOS NO TWITTER RECUPERANDO INFORMAÇÃO SOBRE TEXTOS PUBLICADOS NO TWITTER Autores: Miguel Airton FRANTZ 1 ;; Angelo Augusto FROZZA 2, Reginaldo Rubens da SILVA 2. Identificação autores: 1 Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Visão geral do Serviço Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Os Serviços de gerenciamento de dispositivos distribuídos ajudam você a controlar ativos

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a otimização da seleção e recrutamento, a correta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a avaliação

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA conceito inicial Amplo sistema de comunicação Conecta muitas redes de computadores Apresenta-se de várias formas Provê

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

Sistemas Colaborativos Simulado

Sistemas Colaborativos Simulado Verdadeiro ou Falso Sistemas Colaborativos Simulado 1. Todos os tipos de organizações estão se unindo a empresas de tecnologia na implementação de uma ampla classe de usos de redes intranet. Algumas das

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo Introdução Recursos de acessibilidade principais Navegação usando

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Introdução Organização e Recuperação de Informação(GSI521) Tópicos Recuperação de informação (RI); Breve histórico; O

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

XXXVIII Reunião Anual da SBNeC

XXXVIII Reunião Anual da SBNeC XXXVIII Reunião Anual da SBNeC Introdução ao Armazenamento de Dados de Experimentos em Neurociência Parte 3: Uso de questionários digitais (continuação) + Ferramentas para Gerenciamento de Arquivos Amanda

Leia mais

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka Takeuchi J. Bair E. Stear J. Hibbard Verna Allee Ross Dawson Tom Davenport Larry

Leia mais

14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7

14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação ORIGEM e Comunicações Departamento de Segurança da Informação e

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Sílvia Maria Berté Volpato (TCE/SC) - silviaberte@hotmail.com

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SILC - SISTEMA DE LOCAÇÃO E CONTROLE

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SILC - SISTEMA DE LOCAÇÃO E CONTROLE 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SILC - SISTEMA DE LOCAÇÃO E CONTROLE EDILBERTO SILVA 1, ALESSANDRA DE CARVALHO COSTA (0911272) 2, CRISTIANO LEOPOLDINO DA SILVA. (911343) 3, MARCELO

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados MBA Inteligência Competitiva BI/CPM 1 Data Warehousing PÓS-GRADUAÇÃO MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM Metadados Andréa Cristina Montefusco (36927) Hermes Abreu Mattos (36768) Robson Pereira

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial SIG

Sistema de Informação Gerencial SIG Sistema de Informação Gerencial SIG O SIG abrange a empresa Estratégico Tático Operacional Conceitos Básicos: DADO: Qualquer elemento identificado em sua forma bruta que, por si só, não conduz a compensação

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ISSN - 0103-2569 MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP André Pimenta Freire Renata Pontin de M. Fortes N 0 213 RELATÓRIOS TÉCNICOS

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais