DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA WEB DE BUSCA INTELIGENTE PARA SUPORTE À TOMADA DE DECISÕES NO AGRONEGÓCIO DO CAFÉ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA WEB DE BUSCA INTELIGENTE PARA SUPORTE À TOMADA DE DECISÕES NO AGRONEGÓCIO DO CAFÉ"

Transcrição

1 DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA WEB DE BUSCA INTELIGENTE PARA SUPORTE À TOMADA DE DECISÕES NO AGRONEGÓCIO DO CAFÉ Leonardo Aparecido CISCON Rêmulo Maia ALVES DCC Departamento de Ciência da Computação UFLA Universidade Federal de Lavras Caixa Postal 37 CEP Lavras / MG - Brasil 1

2 Resumo: O conhecimento, se bem interpretado, transforma-se em uma valiosa ferramenta na gerência de decisões, inclusive no agronegócio do café. Essa mercadoria, destaque como fonte de divisas para a economia brasileira, vem passando por uma crise sem precedentes. A queda nos preços e o domínio de multinacionais estrangeiras prejudicam o bom andamento da produção e comércio do café no Brasil. Diante disso, surge a necessidade do desenvolvimento de uma solução que possibilite conhecer os ambientes externo e interno do mercado do café. A solução que se objetivou foi a implementação de um sistema de Recuperação de Informação para a Internet. Palavras-chave: agronegócio do café, gestão do conhecimento, recuperação de informação, agente inteligentes, sistema Web. Absctract: The knowledge, if interpreted well, is changedded into a valuable tool in the management of decisions, also in the agrobusiness of the coffee. This merchandise, has detached as source of verge for the Brazilian economy, comes passing for a crisis without precedents. The fall in the prices and the domain of foreign multinationals harms the good course of the production and commerce of the coffee in Brazil. Ahead of this, the necessity of the development of a solution appears that it makes possible to know environments external and internal of the market of the coffee. The solution that if objectified was the implementation of a system of Recovery of Information for the Internet. Key Words agrobusiness of the coffee, management of the knowledge, recovery of information, intelligent agent, Web system. 2

3 1. Introdução O conhecimento cada vez mais assume um papel central na sociedade moderna. Os recursos econômicos básicos passam a contar, além do capital, dos recursos naturais e da mão-de-obra, com o aporte dos conhecimentos necessários aos processos produtivos e de negócios. Gerenciar de maneira inteligente as informações obtidas e o conseqüente conhecimento gerado e incorporado pela empresa a partir dos seus processos de inovação passa a ser diferencial estratégico. Assim, cada vez mais as empresas de um modo geral passam a perceber a importância da utilização da gestão do conhecimento. A gestão do conhecimento pode ser vista como o conjunto de atividades que busca desenvolver e controlar todo tipo de conhecimento em uma organização, que no contexto deste projeto refere-se ao mercado de commodities, em especial ao café, visando à utilização na consecução de seus objetivos. Este conjunto de atividades deve ter como principal meta o apoio ao processo decisório em todos os níveis. Surge, assim, a necessidade de desenvolver uma solução que possibilite conhecer os ambientes externo e interno do mercado do café. A solução que se vislumbra é a implementação de um sistema de Recuperação de Informação, que seja capaz de monitorar estes ambientes, no caso as informações disponibilizadas em sites da Internet. Na maioria das vezes os dados estão armazenados na forma de textos em linguagem natural. Os usuários ficam com dificuldades cada vez maiores para buscar, dentro deste imenso banco de dados, apenas as informações que se adeqüem às suas necessidades. Neste contexto, tem-se tornado cada vez mais importante o desenvolvimento de técnicas que possibilitem a busca e a manipulação automática destas bases de dados extensas. De um modo geral, pode-se encontrar na Internet um vasto volume de informações sobre o mercado de commodities, em especial o café. Estes dados estão disponíveis tanto em formato texto (notícias), quanto em forma de tabelas apresentando síntese de indicadores econômicos, informações sobre o clima, políticas governamentais, além de fatores internacionais que influenciam o preço do café. Assim sendo, torna-se desejável a elaboração de uma estratégia para a coleta e organização de notícias e indicadores relevantes de acordo com os temas a que eles estão relacionados dentro do universo de commodities. Deste modo, usuários com necessidades de informações dentro deste contexto teriam à disposição um conjunto de notícias apresentadas de forma mais organizada, facilitando sua consulta. Ainda, seriam eliminadas as informações que não tratam deste assunto, reduzindo o volume de informações a ser manipulado e aumentando a qualidade dos dados disponíveis. 2. O agronegócio do café Segundo [ASSEMBLÉIA, 2004], a participação do agronegócio na economia brasileira é muito significativa. Em 2002, ele foi responsável por 41,15% das exportações nacionais. Com um superávit de US$ 20,3 bilhões, o setor contribuiu decisivamente para a obtenção do saldo positivo de US$ 13,1 bilhões na balança comercial do país. E, neste mercado, o café se destaca. Porém, o Brasil, primeiro exportador mundial, que já possuiu participação de 30% a 40%, vem perdendo espaço no cenário internacional. Esta commodity - segunda mercadoria mais negociável no mundo, depois do petróleo -, destaque como fonte de divisas para a economia brasileira, pela sua participação na receita cambial, pela transferência de renda a outros setores da economia, pela contribuição à formação de capital no setor agrícola do país, além da expressiva capacidade de absorção de mãode-obra, merece uma atenção especial. Só para se ter uma idéia da importância do café na economia nacional, as últimas safras 3

4 geraram quantias variando de US$ 2,4 a 3 bilhões em receitas cambiais para o Brasil, correspondendo a 5,1% do valor total das exportações brasileiras; e 24,9% da produção global de café. 2.1 Fatores que influenciam o mercado do café É de conhecimento que dentre as diversas informações disponíveis sobre um negócio, por exemplo, algumas, em especial, se bem interpretadas influenciam diretamente a tomada de decisões. E como já foi mencionando anteriormente, a Internet é uma inesgotável fonte de dados e informações. Estas informações relevantes podem ser classificadas em categorias: Informações econômicas e conjunturais: relacionadas aos preços do café, à disponibilidade e custos dos insumos e da mão-de-obra, valores de bolsas, etc; Informações do ambiente: condições climáticas, períodos de colheita, etc; Informações sobre o manejo da cultura: relacionadas a problemas de solo, sistemas de cultivo, cultivares, adubação, etc. 3. Gestão do Conhecimento Conforme [GOMES, 2002], gestão do conhecimento é uma disciplina que promove, com visão integrada, o gerenciamento e o compartilhamento de todo o ativo de informação possuído pela empresa. Esta informação pode estar em um banco de dados, documentos, procedimentos, bem como em pessoas, através de suas experiências e habilidades. A gestão do conhecimento pode ser vista como o conjunto de atividades que busca desenvolver e controlar todo tipo de conhecimento em uma organização, que no contexto desta pesquisa refere-se ao mercado de commodities, em especial ao café, visando à utilização na consecução de seus objetivos. Este conjunto de atividades deve ter como principal meta o apoio ao processo decisório em todos os níveis. Para isto, é preciso estabelecer políticas, procedimentos e tecnologias que sejam capazes de coletar, distribuir e utilizar efetivamente o conhecimento, representando fator de mudança no comportamento organizacional. A figura 3-1, abaixo, mostra como é deve ser o ciclo do conhecimento em uma U S A ACE S S A CR I A CONH E CI ME NT O OR GANI Z A CAP T U R A organização. A tendência na maioria das organizações é a de tornar todos os documentos disponíveis de forma on-line em formato eletrônico, o desafio do acesso online se transformou em como encontrar os itens relevantes para uma dada tarefa. Além disso, a quantidade de informações potencialmente relevantes, incluindo o que se Figura 3-1 Processo de aprendizagem na Gestão do Conhecimento. Fonte: [CORREA, 2003] encontra na Internet e nas intranets continua a crescer rapidamente. Conforme [CORREA, 2003] um outro fator complicador no uso de conhecimento explícito on-line é a diversidade de fontes nas quais o mesmo se encontra disponível. Não é incomum que os usuários tenham que vasculhar vários bancos de dados ou sites Web atrás de informações potencialmente relevantes. Com a pouca padronização existente, os usuários precisam lidar com diferentes interfaces, diferentes convenções de linguagens de busca, e diferentes apresentações de listas de resultados. Os portais são uma abordagem popular para reduzir a complexidade da tarefa do usuário. [DAVENPORT & PRUSAK, 1998], enfatizam que o conhecimento com um conteúdo estruturado e quantitativo pode ser mais bem armazenado em uma base de dados 4

5 relacional, com acesso feito por computadores pessoais conectados em rede e usando um apropriado programa de busca. O conhecimento com um conteúdo não estruturado e qualitativo pode ser mais bem representado pelo uso de páginas web. 4. Agentes Inteligentes O atual cenário computacional tem mudado bastante, catalisado principalmente pelo crescimento explosivo da Internet, onde as tecnologias centralizadas, homogêneas e orientadas a desktops têm se tornado distribuídas, heterogêneas e voltadas a redes. Segundo [ROUILLER, 1998] a grande perspectiva é a utilização de modelos baseados em agentes, que vem despontando como uma promessa para sistemas distribuídos, proporcionando aos ambientes computacionais inteligência, adaptabilidade, dinamicidade, mobilidade, entre outras vantagens. Os Agentes Inteligentes podem nos auxiliar na recuperação de informações na Web. E além disso podem desempenhar uma variedade de papéis que dificultam, senão impossibilitam, a formulação em poucas palavras de uma definição conceitual. Conforme [RUSSEL e NORVIG, 1995] um agente pode ser visto como algo capaz de perceber o seu ambiente através de sensores e agir neste ambiente por meio de efetuadores. Deste modo, um agente recebe estímulos do ambiente em que ele atua e executa ações em resposta a estes estímulos. 4.1 Classificação dos Agentes Inteligentes Uma categorização para os agentes, proposta por [GONÇALVES, 2000], é baseada em suas características: Conselheiro: oferece ajuda e treinamento. Ensina os passos inicias para usar um determinado sistema. Guia: ajudar a navegação em bancos de dados e hipermídia. Classifica, recupera e filtra grandes quantidades de informações. Empregado: executa as atividades tediosas e repetitivas. Neste artigo, será enfocado este tipo de agente. Representante: trabalha na ausência do usuário. As atividades não precisam ser imediatamente executadas; podem ser agendadas. Comunicador: trabalha com outros usuários e seus agentes, para assim, conseguir executar as atividades as quais é incumbido. 4.2 Aplicações dos Agentes Inteligentes De acordo com [ROUILLER, 1998] podemos identificar oito principais áreas onde se concentra ou deverá se concentrar num futuro próximo o desenvolvimento na tecnologia dos agentes: 1. Gerenciamento de Sistemas de Rede: manutenção e configuração de sistemas em operação, principalmente em redes locais; 2. Acesso e Gerenciamento móvel: manipulação inteligente da transmissão de informações; 3. Correio Eletrônico e Troca de Mensagens: priorização mensagens e organização as caixas de mensagens dos usuários; 4. Acesso e Gerenciamento da Informação: pesquisa e filtragem de informação, especialmente na Internet, bem como, categorização e disseminação de informações; 5. Colaboração: compartilhamento de dados e gerência de equipes e do produto de seu trabalho; 6. Gerenciamento Administrativo: gerenciamento de fluxos de trabalho, identificação e automatização de processos; 7. Comércio Eletrônico: pesquisa de produtos e consumidores e assistência no momento das vendas; 8. Interfaces Inteligentes: monitoração e auxílio de usuários no uso das interfaces dos sistemas. 5. Sistema de Recuperação de 5

6 Informações para o Agronegócio do Café De maneira resumida podemos descrever o sistema apresentado neste artigo como um conjunto de agentes inteligentes que vasculham a Internet em busca de informações relevantes ao café. Após a coleta das informações, estas são armazenadas em um banco de dados. Por último, as informações são classificadas de acordo com a importância e disponibilizadas na Internet. Será apresentada uma explicação mais detalhada sobre cada uma das etapas desempenhadas pelo sistema. Abaixo, na figura 5.1, acompanhe a inter-relação dos temas gerais do artigo. Observe que a Gestão do Conhecimento é base para o Sistema de Recuperação de Informações relacionadas ao agronegócio do café. Ges t ão do Conhecimento R ecuper ação de I nfor mações Agr onegócio do Caf é Agent es Inteligentes Figura 5-1 Inter-relação das informações 5.1 Recuperação de Informação De acordo com [CARDOSO, 2003] com o surgimento da informática, os computadores passaram a ser utilizados no auxílio à busca e manipulação de informações. Depois de alguns anos do advento e implantação da Internet, a World Wide Web (WWW) mostrou-se capaz de oferecer mais opções do que as inicialmente previstas, além de atingir proporções mundiais, interligando pessoas de diversas culturas. Ainda de acordo com [CARDOSO, 2003], dentro desses ambientes de manipulação e troca de informações automatizadas, novas técnicas de suporte se tornaram necessárias. Assim surgiu a área de Recuperação de Informação ou Information Retrieval (RI ou IR), que lida com a representação, armazenamento, organização e acesso a itens de informação (documentos). A representação e organização da informação devem dar ao usuário de um Sistema de Recuperação de Informação (SRI) um acesso fácil à informação de seu interesse. Dada uma consulta, o principal objetivo do SRI é retornar informações úteis (relevantes) ao usuário. A ênfase é na recuperação de informação e não na recuperação de dados [CARDOSO, 2003]. 5.2 Descrição do Sistema O funcionamento do sistema pode ser divido em etapas distintas, as quais se interligam diretamente. Se ocorrerem problemas em uma das etapas, o sistema como um todo pode não funcionar. Cada uma das etapas será apresentada em separado. Elas podem ser assim separadas: Coleta das Informações; Armazenamento das informações coletadas; Classificação e disponibilização das informações. 5.3 Coleta das Informações Foram selecionados 6 (seis) sites para coleta das informações: Os sites especializados no agronegócio do café pré-selecionados pelo sistema seriam monitorados visando a recuperação periódica das informações mais importantes contidas neles. Para isso, são utilizados os agentes inteligentes para recuperação de informação 6

7 na Web. Estes agentes navegam pela Web buscando páginas e extraindo destas as informações desejadas, neste caso sobre o agronegócio do café. Como cada site da Web monitorado apresenta suas peculiaridades surge a necessidade do uso de agentes inteligentes especializados na extração das informações presente em cada site. Dessa forma, cada site será observado por um ou mais agentes inteligentes específicos, sendo que este possui instruções sobre sua estrutura, permitindo assim, a extração das informações. As páginas da Internet são escritas numa linguagem de marcação denominada HTML. Os agentes inteligentes percorrem todo o conteúdo (texto) da página e extraem as informações armazenando em um banco de dados. 5.4 Armazenamento das informações coletadas Esta segunda etapa é muito simples, porém de vital importância para o sistema. Depois de realizada a coleta das informações em cada site selecionado, estas informações precisam ser armazenadas para posterior divulgação. O modelo de banco de dados relacional, hoje amplamente utilizado em qualquer aplicação, encaixa-se perfeitamente nesse sistema. Novas informações são adicionadas à base de dados diariamente, pela atuação dos agentes inteligentes especificados no projeto. Este banco de dados consiste de um conjunto de tabelas que armazenam as informações de acordo com sua relevância, categoria e atualidade. O armazenamento das informações em um banco de dados facilita também a futura classificação e disponibilização das informações. 5.5 Disponibilização das informações coletadas A terceira etapa do funcionamento do sistema consiste na categorização e disponibilização das informações recuperadas em vários sites em apenas um. Diferentemente da etapa anterior, onde vários agentes foram utilizados na implementação do sistema, aqui somente um agente é necessário. Cabe a ele percorrer o Banco de Dados, montar, de forma organizada, a página HTML resultante com as informações mais recentes. As informações disponibilizadas no site representam um resumo de todas as informações coletadas. A classificação e divisão de acordo com o tipo de informação facilitam a consulta dos usuários do sistema. Somente as informações mais recentes são exibidas nas páginas principais. Caso o usuário necessite consultar informações antigas, isto será possível a partir da navegação do site através de links na página principal. A figura 5.2 detalha o processo de recuperação das informações e sua posterior disponibilização. Agente I nteligente S ite da Web S ite da Web Agente I nteligente B anco De Dados Agente I nteligente Agente I nteligente S it e da W eb S ite da Web S ites selecionados que disponibilizam infor mações sobre o agronegócio do café Agentes I nteligentes para recuperação de infor mações Banco de Dados que ar mazena as 7 infor mações recuperadas Agente I nteligente que disponibiliza as infor mações recuperadas na Web S ite do s is tema que disponibiliza na I nter net as infor mações recuperadas Figura Processo de Recuperação de Informações usando Agentes Inteligentes e sua posterior disponibilização

8 5.6 Funcionamento do Sistema Para o usuário, todo o funcionamento do sistema será transparente. O sistema tratase de um web site normal, um portal, como vários outros existentes na Internet. A utilização será extremamente simples e rápida. Como proposta inicial, o sistema apresentará as informações mais relevantes do agronegócio do café coletadas na Internet. O sistema é dividido em módulos, sendo que cada módulo possui uma página principal. Nesta primeira versão, os módulos são. Notícias: possui várias notícias específicas sobre o agronegócio do café; Cotações: possui várias cotações, como moedas, bolsas de valores, entre outras; Indicadores Econômicos: possui vários indicadores econômicos, como preço das sacas, valor do mercado futuro, entre outros; Clima: possui informações climáticas sobre diversas cidades do país; Serviços: possui vários serviços para auxílio dos usuários; Links: possui vários links para sites da área do agronegócio do café; Sobre: possui informações sobre o sistema; Nos módulos Notícias, Cotações, Indicadores Econômicos e Clima, as informações mais recentes são disponibilizadas, e links para outras informações anteriormente coletadas estão disponíveis. A figura 5.3 apresenta a página inicial do sistema. Figura Página inicial do Sistema 5.7 Tecnologias Utilizadas O ambiente de desenvolvimento do sistema de recuperação de informações para o agronegócio do café é diversificado. Utilizouse uma linguagem de programação WEB (PHP) [PHP], um servidor de aplicações WEB (Apache) [APACHE] um sistema gerenciador de banco de dados (mysql) [MYSQL] e o sistema operacional que serve como plataforma para todas estas tecnologias, Windows 2000 ou Linux. 6. Considerações Finais A possibilidade de conhecer o ambiente interno e externo do mercado do café como meio de prever e evitar fatores que contribuem com a crise está intimamente relacionada com a Internet. Porém, a infinidade de informações disponíveis na Web, que a primeira vista parece ser sua maior força, é ao mesmo tempo uma de suas maiores fraquezas. Essa ampla quantidade de informações que a Web disponibiliza, vem tornando a manipulação destas cada vez mais difícil. O volume e complexidade das informações trazem a necessidade de ferramentas avançadas para coletar, filtrar, produzir e processar estas informações, atendendo as preferências ou especificações particulares dos usuários. 8

9 O conhecimento tornou-se um recurso econômico valioso e deve ser tratado como tal, sendo responsável por mudanças no comportamento organizacional, sendo esta organização uma empresa ou mesmo um produtor ou negociador de café. O insucesso por despender esforços redundantes e, muitas vezes, ineficazes na execução de atividades rotineiras e imprevistas deve ser evitado. Fica evidente que a gestão do conhecimento é importante nas organizações e pode contribuir na redução da crise da cafeicultura, percebendo ameaças e oportunidades, e por conseqüência, desencadeando ações corretivas e evolutivas. Como forma de contribuição na manipulação da extensa base de dados que é a Web foi desenvolvida uma ferramenta de Recuperação de Informações voltada para o Agronegócio do Café. Como observado ao longo do trabalho, agentes inteligentes foram criados e programados para coletar informações relevantes em sites específicos da Internet. O sistema desenvolvido tornou-se um valioso repositório de informações e, pode-se concluir, que sua utilização como portal de consulta ao agronegócio do café facilita consideravelmente a pesquisa por informações relevantes. Este portal, que disponibiliza conhecimento sobre o agronegócio do café, é um exemplo prático de como a Gestão do Conhecimento pode contribuir como suporte à tomada de decisões nas organizações, neste caso, no mercado do café. Contudo, cabe ressaltar que o sistema não está totalmente concluído. Sendo, na verdade, um protótipo. Vários aspectos, como interface com usuário, volume e variedade de sites consultados e desempenho podem ser melhorados. 7. Referências Bibliográficas [APACHE] Apache Web Server. Disponível em: Acesso em: 10/01/2004. [ASSEMBLÉIA, 2004] ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DE MINAS GERAIS. Relatório Final da Comissão Especial da Cafeicultura. Disponível em htm. Acesso em 16/04/2004. [CARDOSO, 2003] CARDOSO, Olinda Nogueira Paes et al. Recuperação de Informação e Bibliotecas Digitais. DCC / Ufla [CORREA, 2003] CORREA, Marcelo. Curso: Gestão do Conhecimento. Disponível em: ttp://www.sucesues.org.br/eventos /agenda_passada. asp?cod_evento=58. Acesso em: 04/11/2003. [DAVENPORT & PRUSAK, 1998] DAVENPORT, T.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial. Rio de Janeiro: Campus [GOMES, 2002] GOMES, Elisabeth. Gestão do conhecimento: definição conceitual, múltiplos usos e interpretações. Rio de Janeiro, [GONÇALVES, 2000] Gonçalves, C. B. Agentes Inteligentes na Internet. Unesp, [MYSQL] MySQL. Disponível em: Acesso em 10/01/2004. [PHP] PHP. Disponível em: Acesso em: 10/01/2004. [ROUILLER, 1998] ROUILLER, Ana Cristina. ADWoMan - Um novo Sistema Gerenciador de Workflow baseado em Agentes. UFPE, [RUSSEL e NORVIG, 1995] RUSSEL, S. J.; NORVIG, P. Artificial Intelligence: A Modern Approach. Prentice-Hall,

Desenvolvimento de um Sistema de Consulta para o Portal Corporativo da 6ª Região da Polícia Militar de Minas Gerais

Desenvolvimento de um Sistema de Consulta para o Portal Corporativo da 6ª Região da Polícia Militar de Minas Gerais Desenvolvimento de um Sistema de Consulta para o Portal Corporativo da 6ª Região da Polícia Militar de Minas Gerais JULIANA DE FÁTIMA FRANCISCANI¹ OLINDA NOGUEIRA PAES CARDOSO² ANTÔNIO CLARET DOS SANTOS³

Leia mais

Implementação de um serviço de Site Dinâmico para a Intranet do Pólo de Touros utilizando o ambiente Apache, MYSQL e PHP em um Servidor Linux

Implementação de um serviço de Site Dinâmico para a Intranet do Pólo de Touros utilizando o ambiente Apache, MYSQL e PHP em um Servidor Linux UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ - EAJ CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA PROFESSOR CARLOS HENRIQUE GRILO DINIZ Projeto das Disciplinas de Sistemas Operacionais de Redes

Leia mais

Conteúdo. Curso de Introdução ao Plone. O que é Plone. Parte I Conceitos básicos

Conteúdo. Curso de Introdução ao Plone. O que é Plone. Parte I Conceitos básicos Curso de Introdução ao Plone Conteúdo Parte I - Conceitos básicos Parte II - Interface do Plone Parte III - Gerenciamento de usuários Modulo A Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Laurimar Gonçalves

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação 13/02/2008 prof. Marcelo Nogueira 1 Disciplina: Análise Essencial de Sistemas Prof. Marcelo Nogueira 13/02/2008 prof. Marcelo Nogueira 2 Mais de que conhecer novas tecnologias é preciso saber como ganhar

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA conceito inicial Amplo sistema de comunicação Conecta muitas redes de computadores Apresenta-se de várias formas Provê

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

Informática Básica. Internet Intranet Extranet

Informática Básica. Internet Intranet Extranet Informática Básica Internet Intranet Extranet Para começar... O que é Internet? Como a Internet nasceu? Como funciona a Internet? Serviços da Internet Considerações finais O que é Internet? Ah, essa eu

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Curso de Introdução ao Plone. Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani

Curso de Introdução ao Plone. Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani Curso de Introdução ao Plone Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani Conteúdo Parte I - Conceitos básicos Parte II - Interface do Plone Parte III - Gerenciamento de usuários Parte IV - Criação

Leia mais

SISPAF SISTEMA DE INFORMAÇÃO E PROMOÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS DA AGRICULTURA FAMILIAR RESUMO

SISPAF SISTEMA DE INFORMAÇÃO E PROMOÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS DA AGRICULTURA FAMILIAR RESUMO SISPAF SISTEMA DE INFORMAÇÃO E PROMOÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS DA AGRICULTURA FAMILIAR LUIZ MANOEL SILVA CUNHA 1 ANTONIO CARLOS REIS FREITAS 2 LAURIMAR GOLÇALVES VENDRUSCULO 3 MÁRCIO ROBERTO MARTINS RIBEIRO

Leia mais

ANEXO III PERFIL DOS PROFISSIONAIS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PARA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO

ANEXO III PERFIL DOS PROFISSIONAIS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PARA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO CONCORRÊNCIA DIRAD/CPLIC-008/2008 1 ANEXO III PERFIL DOS PROFISSIONAIS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PARA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO 1. INFORMAÇÕES GERAIS E CARACTERÍSTICA DO ATUAL AMBIENTE CORPORATIVO

Leia mais

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL Adson Diego Dionisio da SILVA 1, Saulo Soares de TOLEDO², Luiz Antonio Costa Corrêa FILHO³, Valderí Medeiros

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 A capacidade dos portais corporativos em capturar, organizar e compartilhar informação e conhecimento explícito é interessante especialmente para empresas intensivas

Leia mais

Seu dia é mais inteligente

Seu dia é mais inteligente Seu dia é mais inteligente O 2007 Microsoft Office system é uma plataforma de soluções inteligentes para tarefas operacionais, estratégicas e organizacionais. O conjunto de aplicativos e servidores e a

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

Tecnologia da informação sob a perspectiva da CiênCia da informação e da. Gestão do ConheCimento

Tecnologia da informação sob a perspectiva da CiênCia da informação e da. Gestão do ConheCimento Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Disciplina: Gestão do Conhecimento Prof.:Lillian Alvares Tecnologia da informação

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Sistema de Aproveitamento de Disciplinas da Faculdade de Informática da PUCRS: uma sistemática de gerência

Leia mais

Introdução. PSINF Internet / Intranet nas Empresas. Motivos. Intranet. Canais. Finalidade

Introdução. PSINF Internet / Intranet nas Empresas. Motivos. Intranet. Canais. Finalidade Introdução PSINF Internet / Intranet nas Empresas Prof. Alexandre Beletti Ferreira Internet: sites sobre lazer, shopping, cultura, etc... Intranet: sistemas corporativos de informações, e que também podem

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br

Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br INFORMÁTICA Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br CONCEITOS DE INTERNET E INTRANET CONCEITOS DE INTERNET E INTRANET INTERNET => CONJUNTO DE REDES LIGANDO COMPUTADORES MUNDO A FORA. INTRANET => REDE

Leia mais

Portais Corporativos como Ferramenta Estratégica na Gestão do Conhecimento Organizacional: um estudo exploratório

Portais Corporativos como Ferramenta Estratégica na Gestão do Conhecimento Organizacional: um estudo exploratório Portais Corporativos como Ferramenta Estratégica na Gestão do Conhecimento Organizacional: um estudo exploratório Queli Terezinha Schmitz (TUPER, UDESC, UTFPR) queli@sbs.udesc.br Hélio Gomes de Carvalho

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz Tecnologia da Informação Prof. Esp. Lucas Cruz Componentes da Infraestrutura de TI Software A utilização comercial da informática nas empresas iniciou-se por volta dos anos 1960. O software era um item

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding Unindo a estratégia às operações com sucesso Visão Geral O Scorecarding oferece uma abordagem comprovada para comunicar a estratégia de negócios por toda a

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno:

Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno: Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno: Giovanni Pietro Vallone Cocco Portais Corporativos

Leia mais

UM AMBIENTE ABERTO DE ENSINO À DISTÂNCIA PELA INTERNET

UM AMBIENTE ABERTO DE ENSINO À DISTÂNCIA PELA INTERNET RESUMO UM AMBIENTE ABERTO DE ENSINO À DISTÂNCIA PELA INTERNET Paulo Roberto de Castro Villela Agrosoft - Softex / Universidade Federal de Juiz de Fora Caixa Postal 20.037, Juiz de Fora MG, 36.016-970 Telefone:

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Sloan School of Management

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Sloan School of Management MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Sloan School of Management 15.565 INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: FATORES TECNOLÓGICOS, ESTRATÉGICOS E ORGANIZACIONAIS Panorama Funcional CP0 -- INTRODUÇÃO AO

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO

SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO COORDENADORIA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA INTEGRAL (CATI) PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL MICROBACIAS II ACESSO AO MERCADO SELEÇÃO DE CONSULTORES PELOS

Leia mais

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O Microsoft Office 365 é a suíte de Produtividade da Microsoft, que oferece as vantagens da Nuvem a empresas de todos os tamanhos, ajudando-as

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP

Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP Uma nova visão no Gerenciamento da Aplicação INDICE 1. A Union IT... 3 2. A importância de gerenciar dinamicamente infra-estrutura,

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Geração do Portal CPCX - UFMS pelo UNION: Um Estudo de Caso

Geração do Portal CPCX - UFMS pelo UNION: Um Estudo de Caso Geração do Portal CPCX - UFMS pelo UNION: Um Estudo de Caso Lourival dos Santos Pires Júnior, Tony Carlos Bignardi dos Santos, Amaury Antônio de Castro Junior, Carlos Alberto da Silva, Leila Lisiane Rossi

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira Sistemas Cooperativos Professor Alan Alves Oliveira 1. Sistemas de Informação e Sistemas Cooperativos 2 Sistemas de Informação 3 Sistemas de Informação Sistemas ampamente utilizados em organizações para

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projetos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

BANCO DE DADOS CONTEÚDO INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br BANCO DE DADOS SGBD TABELA CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONTEÚDO INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br BANCO DE DADOS SGBD TABELA CONCEITOS BÁSICOS CONTEÚDO HARDWARE - 2 AULAS SISTEMA OPERACIONAL - 2 AULAS INFORMÁTICA Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br APLICATIVOS OFFICE - 3 AULAS INTERNET - 1 AULA REDE - 2 AULA SEGURANÇA - 1 AULA BANCO DE

Leia mais

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados MBA Inteligência Competitiva BI/CPM 1 Data Warehousing PÓS-GRADUAÇÃO MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM Metadados Andréa Cristina Montefusco (36927) Hermes Abreu Mattos (36768) Robson Pereira

Leia mais

ESCOLHA UM TESTE PARA EXECUTAR

ESCOLHA UM TESTE PARA EXECUTAR ESCOLHA UM TESTE PARA EXECUTAR Acompanhe o ritmo de aceleração dos ciclos de lançamento. Descubra a automatização com um toque humano EXECUTE UM TESTE 26032015 Com a Borland, tanto analistas de negócios

Leia mais

Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse

Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse Prof. Dr. Oscar Dalfovo Universidade Regional de Blumenau - FURB, Blumenau, Brasil dalfovo@furb.br Prof. Dr. Juarez

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

www.aker.com.br parcerias de sucesso 200 maiores Construindo top Sobre a Aker Curiosidades Aker Security Solutions A Aker está entre as

www.aker.com.br parcerias de sucesso 200 maiores Construindo top Sobre a Aker Curiosidades Aker Security Solutions A Aker está entre as Sobre a Aker Investir em tecnologia de ponta é garantir a segurança dos dados de sua empresa, aumentando a produtividade de seus funcionários e a rentabilidade do seu negócio. A Aker Security Solutions,

Leia mais

Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE

Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A. - Eletronorte Responsável: Uriel de Almeida Papa Equipe: Sérgio de Souza Cruz, Willams

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Introdução ao Plone. terça-feira, 4 de agosto de 15

Introdução ao Plone. terça-feira, 4 de agosto de 15 Introdução ao Plone Sumário O que é Gestão de Conteúdo O que é Conteúdo Principais características de um CMS O que é o Plone Tipos de conteúdo no Plone Metadados Templates Interface do portal Gestão de

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM. IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE TRABALHOS CONCLUSÃO CURSO TCCs WEBSITE DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UEM-DEP

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM. IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE TRABALHOS CONCLUSÃO CURSO TCCs WEBSITE DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UEM-DEP 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE TRABALHOS CONCLUSÃO CURSO TCCs WEBSITE DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UEM-DEP Manoel Francisco Carreira 1 Gislaine Camila Lapasini Leal

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

www.portaldoaluno.info GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton

www.portaldoaluno.info GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton 1 BASES TECNOLÓGICAS Direcionadores do uso de tecnologia da informação. Uso de Tecnologia da Informação nas organizações. Benefícios do uso de Tecnologia de

Leia mais

Sistemas Colaborativos Simulado

Sistemas Colaborativos Simulado Verdadeiro ou Falso Sistemas Colaborativos Simulado 1. Todos os tipos de organizações estão se unindo a empresas de tecnologia na implementação de uma ampla classe de usos de redes intranet. Algumas das

Leia mais

Tutorial SD. Mobile and Smart devices Development Solution - Página 1

Tutorial SD. Mobile and Smart devices Development Solution - Página 1 Mobile and Smart devices Development Solution - Página 1 Introdução Hoje em dia, está claro para a indústria de TI a relevância que têm os smartphones, tablets e dispositivos inteligentes (os chamados

Leia mais

Sociedade da Informação

Sociedade da Informação Sociedade da Revolução Tecnológica Revolução industrial: ampliação dos músculos m dos homens em forma de equipamentos Mecanização ão. Responsável por mudanças as nas formas de produção existentes Revolução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

Apresentação da Empresa. CAPO Software. your team more agile

Apresentação da Empresa. CAPO Software. your team more agile Apresentação da Empresa CAPO Software QUEM SOMOS A CAPO SOFTWARE é provedora de serviços diversificados de TI com vasta experiência em desenvolvimento de sistemas e processo de configuração que compreende

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 01 de Novembro de 2013. Revisão aula passada Projeto de Arquitetura Decisões de projeto de Arquitetura

Leia mais

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Windows e Web Dynamics Comunicação e Produtividade Servidores Infraestrutura Empresarial Busca e Anúncios Mobilidade Entretenimento e TV PRODUTIVIDADE

Leia mais

Manutenção: estratégias e oportunidades no cenário atual

Manutenção: estratégias e oportunidades no cenário atual Manutenção: estratégias e oportunidades no cenário atual 24º Congresso Brasileiro de Manutenção Olinda PE Eixos para Reflexão Estratégia Cenário atual Oportunidades Eixos para Reflexão Cenário atual Mundo

Leia mais

Artur Patitucci Sobroza, Engenheiro Eletricista e Gerente do Produto @aglance da SoftBrasil Automação.

Artur Patitucci Sobroza, Engenheiro Eletricista e Gerente do Produto @aglance da SoftBrasil Automação. Artigos Técnicos Gestão de informações em tempo real Artur Patitucci Sobroza, Engenheiro Eletricista e Gerente do Produto @aglance da SoftBrasil Automação. Conectividade é a palavra do momento. A troca

Leia mais

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail. Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.com Papéis fundamentais dos SI Os SI desempenham 3 papéis vitais em

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Desenvolvendo Websites com Joomla. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br

Desenvolvendo Websites com Joomla. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br Desenvolvendo Websites com Joomla Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br Currículo Meu nome: Breno Leonardo G. de M. Araújo Formação: Bacharel em Sistemas de

Leia mais

SISTEMA PARA CONTROLE DE RESERVA DE EQUIPAMENTOS MULTIMEIOS E AMBIENTES DE APRENDIZAGEM

SISTEMA PARA CONTROLE DE RESERVA DE EQUIPAMENTOS MULTIMEIOS E AMBIENTES DE APRENDIZAGEM SISTEMA PARA CONTROLE DE RESERVA DE EQUIPAMENTOS MULTIMEIOS E AMBIENTES DE APRENDIZAGEM Marcelo Karpinski Brambila Acadêmico em Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil Guaíba mkbrambila@connect-rs.com.br

Leia mais

PMBOK e Cobit - Uma Experiência na Reformulação de Sistemas em Angola Marcelo Etcheverry Torres,PMP,Cobit)

PMBOK e Cobit - Uma Experiência na Reformulação de Sistemas em Angola Marcelo Etcheverry Torres,PMP,Cobit) PMBOK e Cobit - Uma Experiência na Reformulação de Sistemas em Angola Marcelo Etcheverry Torres,PMP,Cobit) Agenda A palestra Angola Cliente O projeto Usando o PMBOK Usando o Cobit Lições Aprendidas Conclusão

Leia mais

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com.

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com. Sistemas da Informação Banco de Dados I Edson Thizon (edson@esucri.com.br) 2008 Apresentação (mini-currículo) Formação Acadêmica Mestrando em Ciência da Computação (UFSC/ ) Créditos Concluídos. Bacharel

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Solução Accenture RiskControl

Solução Accenture RiskControl Solução Accenture RiskControl As rápidas transformações econômicas e sociais que marcaram a primeira década do século XXI trouxeram novos paradigmas para a gestão empresarial. As organizações ficaram frente

Leia mais