TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA Nº01/2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA Nº01/2011"

Transcrição

1 TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA Nº01/2011 CONSULTA PÚBLICA DE PREÇOS PARA A ELABORAÇÃO DO CADASTRO AMBIENTAL RURAL - CAR E O LICENCIAMENTO AMBIENTAL - LAU DOS LOTES DE PROJETOS DE ASSENTAMENTO SOB JURISDIÇÃO DO INCRA NO ESTADO DO MATO GROSSO Cuiabá/MT Maio de

2 1. OBJETO AVALIAÇÃO DO CUSTO PELA ADMINISTRAÇÃO DIANTE DE ORÇAMENTO DETALHADO DO CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR) PARA CADA LOTE DO PROJETO DE ASSENTAMENTO Documentos Exigidos Requerimento Padrão Documentos pessoais do Assentado Documentos do Responsável Técnico Documentos da Propriedade (Lote) Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) Informações de Geoprocessamento Projeção Mapa de CAR Edição da planta de medição e demarcação do lote DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL ÚNICO (LAU) PARA CADA LOTE DO PROJETO DE ASSENTAMENTO Documentos Requerimento Padrão Documentos pessoais Documentos do Responsável Técnico Documentos da Propriedade; Projeto Técnico da LAU Informações gerais Identificação do Lote Diagnóstico do Meio Natural Áreas de Preservação Permanente (APP) Áreas de Reserva Legal (ARL) Informações de Geoprocessamento Projeção Composição técnica do mapa de LAU Dinâmica de Desmatamento Composição Técnica da Dinâmica de Desmatamento Plano de Recuperação de Áreas Degradadas PRAD ORIENTAÇÕES GERAIS Orientações sobre a planilha básica de preços Outras orientações ANEXOS

3 1. OBJETO O Objeto do presente Termo de Referência Técnica é a elaboração do Cadastro Ambiental Rural - CAR e o Licenciamento Ambiental - LAU dos lotes de Projetos de Assentamento, sob jurisdição do INCRA no Estado do Mato Grosso, conforme o Acordo de Cooperação Técnica, cujos signatários são o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - INCRA e a Secretaria Estadual do Meio Ambiente de Mato Grosso SEMA/MT, publicado no Diário Oficial da União D.O.U. 28 de abril de O objeto será aceito mediante apresentação de todos os documentos, acompanhado de todos os mapas e relatórios auxiliares que o compõem, desde que estes tenham sido elaborados com a estrita observância dos Itens 3 e 4, deste Termo de Referência Técnica, e que sejam apresentados nas quantidades e formas descritas neste mesmo documento. A equipe técnica deverá ser dimensionada para execução dos serviços dentro do prazo estabelecido e ser composta por profissionais devidamente habilitados junto ao CREA-MT e credenciados junto a SEMA-MT. 2. AVALIAÇÃO DO CUSTO PELA ADMINISTRAÇÃO DIANTE DE ORÇAMENTO DETALHADO A consulta pública de preços tem a finalidade de estimar os preços cobrados para a execução dos serviços descritos neste Termo de Referência Técnica, o que refletirá os preços praticados pelo mercado, uma vez que o processo será realizado com a maior publicidade possível, abrangendo empresas de todo o País. Deverão ser apresentados dois orçamentos: Um para o CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR) PARA CADA LOTE DO PROJETO DE ASSENTAMENTO e outro para o LICENCIAMENTO AMBIENTAL ÚNICO (LAU) PARA CADA LOTE DO PROJETO DE ASSENTAMENTO conforme itens 3 e 4 do presente Termo de Referencia Técnica, assim como seu acompanhamento junto a SEMA-MT, até a sua emissão. Os preços serão analisados estatisticamente com a finalidade de se chegar a uma estimativa com a menor margem de erro possível. 3. DO CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR) PARA CADA LOTE DO PROJETO DE ASSENTAMENTO O CAR consiste no registro eletrônico dos imóveis rurais perante a SEMA, para fins de controle e monitoramento, devendo ser registrado com número em ordem seqüencial, que constará em todas as certidões, licenças, autorizações e demais documentos necessários para a sua regularização ambiental, independentemente de transferência de propriedade ou posse. 3

4 3.1 Documentos Exigidos SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Requerimento Padrão O requerimento padrão do CAR é elaborado online através do sistema SIMLAM (<http://monitoramento.sema.mt.gov.br/simlamtecnico/>), devendo ser apresentada também uma via impressa constando o reconhecimento de firma da assinatura do parceleiro, não podendo ser este representado por terceiro. Deverá constar no requerimento padrão os seguintes dados: Nome do PA Número do Lote Nome do beneficiário Código SIPRA CPF e RG do beneficiário Endereço do beneficiário (correspondência) Documentos pessoais do Assentado Apresentar cópia autenticada do RG e CPF. Comprovante de residência, como por exemplo, cópia da conta de energia, telefone fixo, IPTU, declaração da Prefeitura, Sindicato ou Associação, comprovando o local de residência do parceleiro Documentos do Responsável Técnico Via original da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) emitida pelo respectivo Conselho de Classe, bem como comprovação do pagamento da mesma. Certificado do Cadastro Técnico emitido junto à SEMA. Caso houver PRAD, a ART deverá ser recolhida tanto para elaboração como para execução, podendo haver um responsável técnico para cada uma das ações Documentos da Propriedade (Lote) Cópia autenticada do Contrato de Assentamento, Declaração de Regularidade de Ocupação (DRO) ou Contrato de Concessão de Uso CCU Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) Quando houver APPD, deverá ser apresentado o respectivo PRAD através do SIMLAM, com via impressa e assinada pelo responsável técnico. O PRAD presente no SIMLAM segue as disposições presentes do SIMLAM (<http://monitoramento.sema.mt.gov.br/simlamtecnico/>), 3.2 Informações de Geoprocessamento Todas as informações de geoprocessamento deverão obedecer os padrões estabelecidos pelo roteiro da SEMA-MT (www.sema.mt.gov.br). O Responsável Técnico devidamente cadastrado na SEMA-MT, deverá enviar o Projeto Digital Referente ao CAR através do SIMLAM Técnico (http://mapadigital.sema.mt.gov.br/simlamtecnico/). 4

5 Deverão ser enviados arquivos digitais em formato Shapefile das features conforme houver na propriedade e de acordo com o Roteiro de Normas e Procedimentos - CADASTRO AMBIENTAL RURAL disponível também no SIMLAM Técnico Projeção O Sistema de Referência a ser utilizado na elaboração dos mapas do CAR deverá ser a Projeção Universal Transversa de Mercato UTM, Datum Horizontal World Geografic System - WGS Os procedimentos e especificações técnicas dos mapas gerados deverão seguir aqueles descritos no manual operacional do CAR Mapa de CAR O Mapa Imagem em meio analógico deverá ser enviado em formato A4 de acordo com o Layout do anexo-ii Edição da planta de medição e demarcação do lote Considerando que a maior parte dos levantamentos topográficos feitos ou contratados pelo INCRA não possuem precisão geodésica, uma vez que foram realizados antes da edição da Lei Federal /2001, podem ocorrer distorções como a ausência ou erro de representação de rios e córregos, limites de lotes não compatíveis, estradas com traçado alterado, entre outras. Dessa maneira, com a finalidade de referenciar os limites dos lotes dos assentamentos rurais a um único sistema para a utilização no Cadastro Ambiental Rural, o sistema de referência adotado para todos os mapas a serem gerados deverá ser o Universal Transversa de Mercato UTM, Datum Horizontal WGS 84, além de fixar a escala de trabalho de 1:5.000 (um para cinco mil), devendo ser também a escala adequada para a edição das feições das plantas. Todas as feições existentes nas plantas de medição e demarcação deverão ser comparadas com as suas respectivas representações na imagem de referência. Todas aquelas feições identificáveis nas imagens de referência, e que não constem da planta de medição e demarcação, deverão ser vetorizadas de forma manual ou automatizada, desde que esta última seja validada pelo operador. Já aquelas que estão representadas na planta, porém de uma forma diferente da apresentada na imagem de referência, deverão ser retificadas alterando-se a sua forma, conforme apresentada na imagem de referência. Por seu turno, todas aquelas feições que estão representadas nas plantas e apresentadas na imagem de referência com as mesmas dimensões e formas deverão ser validadas não havendo assim a necessidade de retificação das mesmas. O limite de tolerância para a retificação das plantas deverá ser equivalente ao tamanho da célula da imagem utilizada. 5

6 Todos os elementos naturais visíveis ou presumíveis na escala de trabalho deverão ser vetorizados, principalmente rios, córregos, barragens, lagoas, nascentes e veredas. Para a vetorização e representação de rios deverá ser observada a largura que o mesmo possui. Deverão ser representados conforme as disposições presentes no roteiro da SEMA, disponível na página eletrônica (www.sema.mt.gov.br) Para auxiliar na identificação e vetorização de cursos d'água poderão ser utilizadas curvas de nível eventualmente disponíveis para a área de estudo, ou informações obtidas a partir de Imagens SRTM (Shuttle Radar Topography Mission), como por exemplo, as disponíveis em <http://www.dsr.inpe.br/topodata> (Valeriano, 2008), desde que estas apresentem um grau de confiabilidade para o estudo e que sejam utilizadas apenas como apoio para a definição dos cursos d'água. As nascentes ou olhos d'água também deverão ser vetorizados com base na imagem de referência e deverão ser representadas por feições de pontos e deverão necessariamente estar associadas a um curso d'água ou vereda, conforme é sua ocorrência na natureza. As veredas deverão ser vetorizadas gerando feições de polígonos, conforme a sua identificação nas imagens de alta resolução. É situação comum os limites dos imóveis serem acidentes naturais tais como cursos d'água, porém estes podem não estar representados corretamente nas plantas de medição e demarcação. No entanto, no memorial descritivo do imóvel, presente na sua matrícula, haverá menção a isto, devendo o responsável técnico identificar esta situação e retificar o perímetro do imóvel considerando o curso d'água vetorizado conforme citado anteriormente. Da mesma forma, poderão existir situações em que cursos d água existentes no imóvel sejam os limites de lotes ou outras áreas. Nestas situações, caso os limites não correspondam ao visualizado na imagem de referência, deverão ser realizadas as retificações necessárias, conforme citado anteriormente. Caso não seja possível identificar alguma feição na imagem de referência, porém esta conste na planta de medição e demarcação, e se tenha certeza de sua ocorrência no campo, deverá ser considerada a forma existente na planta. A título de exemplificação de uma retificação com base na imagem, na Figura 1 estão apresentadas algumas inconsistências encontradas em uma determinada planta de medição de um determinado Projeto de Assentamento, com as respectivas alterações. 6

7 A - Imagem de alta resolução corrigida geometricamente utilizada como referência B - Hidrografia vetorizada com base na Imagem de referência C - Perímetro da Planta de Medição (traçado vermelho) e Perímetro retificado (traçado cinza) D - Limites de lotes da Planta de Medição (traçado preto) e limite de lotes retificados (traçado vermelho) Figura 1. Exemplo de vetorização de rio e alterações de perímetro e limites de lotes 4. DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL ÚNICO (LAU) PARA CADA LOTE DO PROJETO DE ASSENTAMENTO Após a formalização do CAR, conforme o Item anterior, o INCRA terá um prazo de até três anos para apresentar à SEMA/MT a proposta de composição da Reserva Legal do Projeto de Assentamento, definindo a localização, podendo esta ser apresentada em blocos ou individualizada por lotes, de acordo com a legislação vigente. 7

8 4.1 Documentos SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Requerimento Padrão O requerimento padrão é uma ficha disponibilizada pela SEMA, onde o requerente informa os principais itens pertinentes à área a ser licenciada, devendo constar a assinatura do Representante legal do INCRA, juntamente com a assinatura do parceleiro com firma reconhecida, não podendo este ser representado por terceiro neste ato. Deverão constar no requerimento padrão os seguintes dados: Nome do PA Número do Lote Nome do beneficiário Código SIPRA CPF e RG do beneficiário Endereço do beneficiário (correspondência) Documentos pessoais Apresentar cópia autenticada do RG e CPF. Comprovante de residência, como por exemplo, cópia da conta de energia, telefone fixo, IPTU, ou declaração da Prefeitura (Sindicato e Associação) comprovando o local de residência do parceleiro Documentos do Responsável Técnico Via original da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) emitida pelo respectivo Conselho de Classe, bem como comprovação do pagamento da mesma. Certificado do Cadastro Técnico emitido junto à SEMA Documentos da Propriedade; Cópia autenticada do Contrato de Assentamento, Declaração de Regularidade de Ocupação (DRO) ou Contrato de Concessão de Uso CCU Projeto Técnico da LAU Informações gerais Deverão constar os seguintes dados: 1- Do requerente: Nome CPF e RG Código SIPRA Endereço do beneficiário (correspondência) 8

9 2- Do elaborador: Nome Endereço RG e CPF CREA ART Identificação do Lote Nome do PA Código SIPRA do PA Número do lote Área total do lote Localização e acesso do lote Coordenadas geográficas da sede do lote Diagnóstico do Meio Natural Cobertura Vegetal; Informar e quantificar a tipologia vegetal da propriedade, conforme definido no RADAM-BRASIL. Em caso de divergência com a tipologia vegetal presente no RADAMBRASIL, o órgão ambiental estadual poderá realizar vistoria in loco em conjunto com o órgão solicitante; Hidrografia; Localização quanto a Bacia e sub Bacia Hidrográfica além dos principais cursos d água. Informar, com base nos estudos prévios existentes no INCRA (Laudos Técnicos, PDA, etc.), se existem projetos de irrigação, piscicultura, barragens, ou qualquer obra de alteração dos cursos d água. Relevo; Informar se a propriedade está inserida em área de relevo plano, levemente ondulado, ondulado, fortemente ondulado ou montanhoso, bem como a proporção (%); Informar se existe APP em encostas com declividade superior a 45º, topo de morros, serras, bordas dos tabuleiros e chapadas (a partir da linha de ruptura do relevo), além de afloramentos rochosos; Solo; Classificação dos solos presentes no lote; Técnicas para conservação; 9

10 Uso atual do solo; Deverão ser identificadas, com base em imagens de satélite, as áreas com cobertura vegetal florestal e áreas com uso agropastoril. Benfeitorias; Informar as benfeitorias existentes no lote Áreas de Preservação Permanente (APP) Caracterizar o estado de conservação, inclusive nos casos em que houver degradação, com base nas informações de hidrografia fornecidas pela SEMA/MT e na classificação conforme o Item Uso atual do solo Áreas de Reserva Legal (ARL) Informar o estado de conservação da área proposta para reserva legal. Justificar o percentual de ARL apresentado e as medidas a serem adotadas quando houver déficit. 4.2 Informações de Geoprocessamento Os arquivos digitais devem estar no formato shapefile e enviados através do SIMLAM Técnico e em CD. Após o envio, o sistema gera o quadro de áreas com as quantificações dos polígonos vetorizados dentro do perímetro da propriedade, além do cadastro do mapa digital com sua respectiva seqüência numérica, com finalidade de comprovar o êxito do envio do mapa digital e facilitar a localização do mesmo dentro do sistema SIMLAM. Dessa maneira, é obrigatório o envio em formato A4 do Cadastro do Mapa Digital. Toda a orientação com a padronização dos elementos que constituem o mapa estão presentes no roteiro COGEO, disponível na página eletrônica da SEMA (www.sema.mt.gov.br) Projeção O sistema de projeção padrão é o Universal Transverse de Mercator (UTM), dentro do fuso correto. O Datum é o South American 1969 (SAD 69) Composição técnica do mapa de LAU Consiste na apresentação do mapa impresso em papel glossy fotográfico ou semelhante da mesma qualidade, no formato A3 (meio analógico) em conformidade com o meio digital retratando a situação do lote. No mapa devem estar presentes os seguintes polígonos: Polígonos obrigatórios: APRT (perímetro do lote), APRMP, AMR e POSSE (para casos de posse rural); Área vegetada: ARL, ARLC, AEP, ARE, AEF e ARLCU; 10

11 Área explorada: ADS, ARLD e ACAR; Sub-áreas: AMF, UPA, UT, AQC, ALRP, AFP e TALHAO. Os polígonos referentes a área vegetada e área explorada não podem se sobrepor, ao contrário dos polígonos obrigatórios e sub-áreas, que podem apresentar sobreposição. As hidrografias do imóvel originam as seguintes features: RIO, LAGOA, NASCENTE, VEREDA e ESP_AGUA. A partir dessas features automaticamente o SIMLAM gerará a correspondente APP. As áreas de mudança de relevo como chapadas, serras e morros do imóvel rural também devem ser interpretados. Esses elementos dão origem as seguintes features: ESCARPA e REST_DECLIVIDADE, a partir das quais o SIMLAM gera a respectiva APP. Tanto as hidrografias quanto as áreas de mudança de relevo devem estar contidos nos demais polígonos, podendo se sobrepor a qualquer um deles. A imagem de satélite utilizada deverá estar atualizada não ultrapassando um ano da data de protocolo do processo, além disso, a área de abrangência da imagem não deve ser superior a quatro vezes o tamanho da área do imóvel rural e nem inferior a duas vezes seu tamanho Dinâmica de Desmatamento Trata-se de um documento técnico, que consiste na apresentação do mapa da propriedade utilizando imagens de satélites de diferentes anos a partir do ano de 1999 até o ano corrente, tendo como principal finalidade verificar a ocupação do solo nos diferentes períodos, especialmente as degradações da cobertura vegetal em níveis variados. Os mapas devem ser impressos no formato A4 (meio analógico) em conformidade com o meio digital retratando a situação do lote no período informado. Os arquivos digitais devem estar no formato shapefile e enviados em CD. Toda a orientação com a padronização dos elementos que constituem o mapa estão presentes no roteiro COGEO, disponível na página eletrônica da SEMA (www.sema.mt.gov.br) Composição Técnica da Dinâmica de Desmatamento O sistema de projeção padrão é o Universal Transverse de Mercator (UTM), dentro do fuso correto. O Datum é o South American 1969 (SAD 69). No mapa devem estar presentes os seguintes polígonos: Polígonos obrigatórios: APRT (perímetro do lote), APRMP, AMR e POSSE (para casos de posse rural); Área vegetada: ARL, ARLC, e ARLCU; 11

12 Área explorada: DESMATE, EXP_SELETIVA; EXP_EVENTUAL; ARLD e APPD. Os polígonos referentes a área vegetada e área explorada não podem se sobrepor, exceto a ARLD que deverá estar inserida no polígono de DESMATE. As hidrografias do imóvel originam as seguintes features: RIO, LAGOA, NASCENTE, VEREDA e ESP_AGUA. As áreas de mudança de relevo como chapadas, serras e morros do imóvel rural também devem ser interpretados. Esses elementos dão origem as seguintes features: ESCARPA, REST_DECLIVIDADE. As APPs oriundas das hidrografias ou áreas de mudanças de relevo deverão ser enviadas pelo responsável técnico. Tanto as hidrografias quanto as áreas de mudança de relevo devem estar contidos nos demais polígonos, podendo se sobrepor a qualquer um deles. O somatório dos polígonos de DESMATE apresentados em todos os anos não devem ser inferior ao total de ADS do ano corrente, presente no mapa da LAU, além disso, os polígonos de área explorada não podem se sobrepor nas imagens de outros anos, exceto o polígono de EXP_EVENTUAL. Os polígonos de APPD deverão ser apresentados individualmente e no ano correspondente à degradação Plano de Recuperação de Áreas Degradadas PRAD Quando houver passivo ambiental na área, especialmente relacionado a déficit de área de reserva legal e demandar a revegetação de alguma parcela do imóvel rural, deverá ser apresentado o respectivo PRAD, conforme as disposições presentes no roteiro da SEMA, disponível na página eletrônica (www.sema.mt.gov.br). 5 ORIENTAÇÕES GERAIS 5.1. Orientações sobre a planilha básica de preços A planilha básica de preços deverá ser preenchida pelos informantes conforme Termo de Referência Técnica Nº01/2011, e poderá ser realizada sua complementação caso seja necessário. A mesma deverá ser apresentada em planilha do Microsoft Excel e preenchida por Bloco, podendo uma mesma empresa prestar informações para mais de um Bloco, ou seja, preencher uma planilha para cada Bloco de assentamentos. Serão recebidas as planilhas básica de preços devidamente preenchidas até a data constante no Aviso de consulta pública de preços, através do endereço eletrônico aos cuidados do Serviço de Meio Ambiente e Recursos Naturais do INCRA/MT. Para fins de referência de localização dos assentamentos e do perímetro dos municípios do Estado de Mato Grosso, estão sendo disponibilizados os arquivos com 12

13 extensão kmz, compatíveis com o software gratuito Google Earth <http://www.google.com/earth/index.html>. Foram gerados arquivos kmz por Bloco de assentamentos, considerando o Anexo I do Termo de Referência Nº01/ Outras orientações Durante a execução dos trabalhos, o item Áreas de Reserva Legal (ARL) deverá ser elaborado em conjunto com o INCRA. Os trabalhos referentes aos itens 3 e 4 deverão ser elaborados em duas vias, sendo uma para protocolo junto à SEMA-MT e outra para protocolo junto ao INCRA. Os trabalhos referentes ao item 4 deverão ser pré-aprovados pelo INCRA anteriormente ao protocolo junto à SEMA-MT. Os prazos para execução, descritos no Anexo I deste Termo de Referência Técnica, se referem à execução dos trabalhos para todo o Bloco. O prazo de vigência do contrato será de 1 (um) ano, prorrogável através de Termo Aditivo, considerada a conveniência e o interesse do INCRA. O pagamento dos serviços será realizado da seguinte forma: para o item 3 será de 50% após protocolo junto à SEMA-MT e 50% após a emissão do CAR; para o item 4 será de 50% após protocolo junto à SEMA-MT e 50% após a emissão da LAU. Quaisquer dúvidas, críticas e sugestões deverão ser enviadas para o endereço eletrônico Cuiabá-MT, 31 de Maio de 2011 Salvador Solterio de Almeida Superintendente Regional Substituto INCRA-MT. 13

14 6. ANEXOS Anexo I Relação dos Projetos de Assentamento separados em Blocos e Prazo de Execução dos Serviços Bloco Continua... Nome do Projeto de Assentamento Código SIPRA Município Nº de Lotes Medidos Área Medida (ha) PA VALE DO SERINGAL MT CASTANHEIRA ,0358 PA COLNIZA-I MT COLNIZA ,216 Total ,251 PA MONTE VERDE MT NOVAMONTEVERDE ,2645 PA SÃO PEDRO MT PARANAITA ,0414 Total ,3059 PA VERANEIO MT COLIDER ,0077 PA AVAÍ MT NOVACANAADONORTE ,8531 PA MONTE DAS OLIVEIRAS MT NOVACANAADONORTE ,7211 PA OURO BRANCO MT NOVACANAADONORTE ,1885 PA RONDON MT NOVACANAADONORTE ,5173 PA TAPAYUNA MT NOVACANAADONORTE ,5472 PA UNIÃO FLOR DA SERRA MT NOVACANAADONORTE ,4732 Total ,3081 Prazo de Execução (dias)*

15 Bloco 4 5 Continua... Nome do Projeto de Assentamento Código SIPRA Município Nº de Lotes Medidos Área Medida (ha) PA NOVO HORIZONTE MT NOVAGUARITA ,3073 PA RAIMUNDO VIEIRA MT NOVAGUARITA ,4823 PA SANTA IZABEL MT NOVAGUARITA ,7123 PA SERRA NEGRA MT NOVAGUARITA ,8991 PA BELA VISTA MT NOVOMUNDO ,3655 PA CASTANHAL MT NOVOMUNDO ,4144 PA COTREL MT NOVOMUNDO ,3717 PA COTREL 02 MT NOVOMUNDO ,8953 PA BELMONTE MT PEIXOTODEAZEVEDO/TERRANOVA ,0500 PA ALTO PARAISO MT TERRANOVADONORTE ,9652 Total ,4631 PA CABIXI MT COMODORO ,7576 PA GRANJA MT COMODORO ,0168 PA CORGÃO MT JAURU ,0519 PA AERORANCHO MT PONTESELACERDA ,2206 PA LAGOA RICA MT PONTESELACERDA ,7581 PA TRIUNFO MT PONTESELACERDA ,3373 PA RITINHA MT VILABELADASANTISSIMATRINDADE ,7053 PA SERINGAL MT VILABELADASANTISSIMATRINDADE ,4149 Total ,2625 Prazo de Execução (dias)*

16 Bloco 6 7 Continua... Nome do Projeto de Assentamento Código SIPRA Município Nº de Lotes Medidos Área Medida (ha) PA BRASIPAIVA I E II MT CONFRESA ,6754 PA FARTURA MT CONFRESA/PORTOALEGREDONORTE ,9496 PA SANTO ANTONIO DO FONTOURA I MT CONFRESA ,3523 PA SÃO VICENTE MT CONFRESA ,3764 Total ,3537 PA BANDEIRANTES MT ALTOBOAVISTA ,3349 PA TABAJARA MT CANABRAVADONORTE ,5976 PA BRASIL NOVO MT QUERENCIA ,8233 PA PINGOS DÁGUA MT QUERENCIA ,7903 PA SÃO MANOEL MT QUERENCIA ,0794 PA SANTA LUCIA MT RIBEIRAOCASCALHEIRA ,0192 PA DOM PEDRO MT SAOFELIXDOARAGUAIA ,4969 Total ,1416 Prazo de Execução (dias)*

17 Bloco 8 Continua... Nome do Projeto de Assentamento Código SIPRA Município Nº de Lotes Medidos Área Medida (ha) PA JURUENA I MT BRASNORTE ,7766 PA PALOMA MT BRASNORTE ,2223 PA NOSSA SENHORA APARECIDA MT DIAMANTINO ,6852 PA CHACORORÉ MT NOVAMARINGA ,8751 PA BOSMAJI MT NOVOHORIZONTEDONORTE ,1623 PA CARACOL MT NOVOHORIZONTEDONORTE ,4884 PA JULIETA II MT NOVOHORIZONTEDONORTE ,5607 PA SANTANA DA ÁGUA MT SAOJOSEDORIOCLARO ,81 LIMPA PA RIO BORGES MT TAPURAHeITANHANGÁ ,7347 PA CRISTALMEL MT TAPURAH/IPIRANGADONORTE ,77 Total ,09 Prazo de Execução (dias)*

18 Bloco 9 Continua... Nome do Projeto de Assentamento Código SIPRA Município Nº de Lotes Medidos Área Medida (ha) PA MARTINS I MT AGUABOA ,9034 PA CÓRREGO RICO MT ALTOARAGUAIA ,7637 PA SERRA VERDE MT BARRADOGARCAS ,5200 PA SANTO ANTONIO MT GUIRATINGA ,7953 PA RIO DOS COCOS MT NOVANAZARE ,5406 PA PIAU MT NOVAXAVANTINA ,5052 PA RANCHO AMIGO MT NOVAXAVANTINA ,9839 PA SANTO IDELFONSO MT NOVOSAOJOAQUIM ,8395 PA TAMBORIL MT NOVOSAOJOAQUIM ,3991 Total ,2507 Prazo de Execução (dias)*

19 Bloco 10 Nome do Projeto de Assentamento Código SIPRA Município Nº de Lotes Medidos Área Medida (ha) PA PAULO FREIRE MT CAMPOVERDE ,5453 PA PARAISO MT DOMAQUINO ,6336 PA DOIS IRMÃOS MT GUIRATINGA ,5287 PA SALETE STROZAK MT GUIRATINGA ,4050 PA GERALDO PEREIRA DE MT JUSCIMEIRA ,8827 ANDRADE PA 28 DE DEZEMBRO MT PEDRAPRETA ,0630 PA ÁGUAS DA SERRA MT PEDRAPRETA ,0819 PA SANTO ANTONIO DO NORTE MT PEDRAPRETA ,6699 PA SÃO JOSÉ OPERÁRIO MT PEDRAPRETA ,7561 PA CARLOS MARIGHELA- PONTAL DA AREIA MT POXOREO ,5353 PA JOÃO DE BARRO MT POXOREO ,1552 PA TIETÊ MT POXOREO ,1167 PA 17 DE MARÇO MT RONDONOPOLIS ,2500 PA SANTA LUZIA (Pioneira) MT RONDONOPOLIS ,1202 PA VALE DO BACURI MT RONDONOPOLIS ,8743 PA JOÃO PESSOA MT SAOJOSEDOPOVO ,5607 PA PADRE JOSIMO MT SAOJOSEDOPOVO ,4332 TAVARES PA SANDRINI MT SAOJOSEDOPOVO ,2222 Total ,8340 Prazo de Execução (dias)*

20 Continua... Bloco Nome do Projeto de Assentamento Código SIPRA Município Nº de Lotes Medidos Área Medida (ha) PA ESTRELA DO ORIENTE MT NOSSASRA.DOLIVRAMENTO ,2602 PA FRANCISCO JOSÉ NASCIMENTO MT NOSSASRA.DOLIVRAMENTO ,5666 PA VOLTINHA MT PORTOESTRELA ,9055 PA MARIA BENVINDA DE MT ROSARIOOESTE ,7176 AVILA SOARES 11 PA RAIZAMA MT ROSARIOOESTE ,6167 PA SANTA HELENA III MT ROSARIOOESTE ,8998 PA PONTAL DO GLÓRIA MT SANTOANT.DOLEVERGER ,6465 PA DORCELINA FOLADOR MT VARZEAGRANDE ,8858 PA SADIA III MT VARZEAGRANDE ,1368 Total ,6355 Continua... Prazo de Execução (dias)*

21 Bloco 12 Nome do Projeto de Assentamento Código SIPRA Município Nº de Lotes Medidos Área Medida (ha) PA SÃO BENEDITO MT ARAPUTANGA ,4795 PA BARRANQUEIRA MT CACERES ,6072 PA IPÊ ROXO MT CACERES ,6627 PA JATOBÁ MT CACERES ,4445 PA NOVA ESPERANÇA MT CACERES ,6513 PA SADIA VALE VERDE MT CACERES ,0831 PA SAPICUÁ MT CACERES ,4583 PA ROSELI NUNES MT MIRASSOLD'OESTE ,8105 PA SANTA HELENA II MT MIRASSOLD'OESTE ,0469 PA SANTA ROSA I MT SAOJOSEDOSQUATROMARCOS ,0304 PA TRIANGULO MT TANGARADASERRA ,4808 Total ,7552 PA CONFRESA/RONCADOR MT CONFRESA , PA INDEPENDENTE II MT CONFRESA ,8859 Total ,0979 PA PORTO ESPERANÇA MT CONFRESA ,8386 PA INDEPENDENTE I MT CONFRESA , PA SANTO ANTONIO DO BELEZA MT VILARICA ,2019 PA SÃO JOSÉ DA VILA RICA MT VILARICA ,3343 Total ,4185 * A contar da data de emissão pelo Incra da Ordem de Serviço para início dos trabalhos. Prazo de Execução (dias)*

22 Anexo II Layout do mapa do CAR Deverá ser impresso em duas vias, em papel sulfite gramatura 75g/m 2 e em escala compatível no formato A4. 22

23 23

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Desoneração de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INCRA-SEMA/MT

ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INCRA-SEMA/MT INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA SR 13 - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO MATO GROSSO DIVISÃO DE OBTENÇÃO DE TERRAS SERVIÇO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS ACORDO DE COOPERAÇÃO

Leia mais

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Joelson de Souza Passos Estudante de Graduação Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Brasil Resumo O código

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

ACONSTRUIDA... 28 AFD Área de faixa de Domínio... 29 ESTRADA... 30 FERROVIA... 31 DUTO... 32 LTRANSMISSAO... 33 Orientações para atributação dos

ACONSTRUIDA... 28 AFD Área de faixa de Domínio... 29 ESTRADA... 30 FERROVIA... 31 DUTO... 32 LTRANSMISSAO... 33 Orientações para atributação dos Sumário Introdução... 4 O projeto geográfico da Dominialidade... 5 Importação de shapes... 5 Lista de feições de uso obrigatório... 6 Lista de feições de uso condicionado... 6 Lista das feições processadas...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TNC

TERMO DE REFERÊNCIA - TNC SERVIÇOS DE COMPILAÇÃO DE DADOS GEORREFERENCIADOS DE PROPRIEDADES RURAIS, IDENTIFICAÇÃO DE INCONSISTÊNCIAS E PROPOSIÇÃO DE AJUSTES BASEADO NA REALIDADE DE IMAGEM DE ALTA RESOLUÇÃO DO MUNICÍPIO DE PALMAS

Leia mais

SERVIÇOS DE ELABORAÇÃO DE BASE DE DADOS ESPACIAIS COM IMAGENS DE ALTA RESOLUÇÃO NO MUNICÍPIO DE MATUPÁ-MT.

SERVIÇOS DE ELABORAÇÃO DE BASE DE DADOS ESPACIAIS COM IMAGENS DE ALTA RESOLUÇÃO NO MUNICÍPIO DE MATUPÁ-MT. SERVIÇOS DE ELABORAÇÃO DE BASE DE DADOS ESPACIAIS COM IMAGENS DE ALTA RESOLUÇÃO NO MUNICÍPIO DE MATUPÁ-MT. 1. Introdução A TNC é uma organização sem fins lucrativos, que tem como missão preservar plantas,

Leia mais

5.2.3.1.1 Editar Matrícula

5.2.3.1.1 Editar Matrícula Figura 37 Tabela de matrículas adicionadas. 5.2.3.1.1 Editar Matrícula Para editar uma matrícula, o usuário deve acessar a opção (Editar), conforme destaque na Figura 38. O sistema irá carregar os dados

Leia mais

Sistema de Cadastro Ambiental Rural. Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas

Sistema de Cadastro Ambiental Rural. Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas Sistema de Cadastro Ambiental Rural Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas CAR - Lei 12.651/2012: Cadastro Ambiental Rural Lei 12.651/2012 É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR,

Leia mais

SISTEMA DE CADASTRO AMBINETAL RURAL - SICAR MÓDULO DE CADASTRO AMBIENTAL RURAL INTERFACE DE INSCRIÇÃO NO CAR

SISTEMA DE CADASTRO AMBINETAL RURAL - SICAR MÓDULO DE CADASTRO AMBIENTAL RURAL INTERFACE DE INSCRIÇÃO NO CAR SISTEMA DE CADASTRO AMBINETAL RURAL - SICAR MÓDULO DE CADASTRO AMBIENTAL RURAL INTERFACE DE INSCRIÇÃO NO CAR Tutorial 1.0 Versão do CAR 1.0 10/06/2013 Introdução O Sistema de Cadastro Ambiental Rural SICAR

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT 2011 Diagnóstico Ambiental do Município de Apiacás MT Carolina de Oliveira Jordão Vinícius Freitas Silgueiro Leandro Ribeiro Teixeira Ricardo Abad Meireles

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

Georreferenciamento de Imóveis Rurais SIGEF

Georreferenciamento de Imóveis Rurais SIGEF Georreferenciamento de Imóveis Rurais SIGEF O Sistema de Gestão Fundiária (SIGEF) é uma ferramenta eletrônica desenvolvida pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e pelo Ministério

Leia mais

NOTA TÉCNICAlINCRAlDFG/N 01/2010, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. CONSIDERANDO, a necessidade de modernização no processo de certificação de

NOTA TÉCNICAlINCRAlDFG/N 01/2010, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. CONSIDERANDO, a necessidade de modernização no processo de certificação de - PUBLICAÇÃO NOTA TÉCNICAlINCRAlDFG/N 01/2010, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010 l.~~~~~-.-:~~ Estabelece a nova metodologia de análise de processos de Certificação de Imóveis Rurais no INCRA Cuiabá, 22 de Fevereiro

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

GEORREFERENCIAMENTO E CERTIFICAÇÃO

GEORREFERENCIAMENTO E CERTIFICAÇÃO GEORREFERENCIAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS Curitiba Dezembro/2013 Fábio Pagliosa Ulkowski - Engenheiro Cartógrafo Analista em Reforma e Desenvolvimento Agrário INCRA-PR SUMÁRIO 1. O Georreferenciamento

Leia mais

Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária do MS

Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária do MS Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária do MS Osvaldo A. Riedlinger. dos Santos Engenheiro Florestal UNIFENAS/1987 IMAP:Gerente de Recursos Florestais GERÊNCIA DE RECURSOS

Leia mais

Mark Godfrey. CAR Cadastro Ambiental Rural

Mark Godfrey. CAR Cadastro Ambiental Rural Mark Godfrey CAR Cadastro Ambiental Rural Cáceres, 10 de abril de 2013 Quem somos? The Nature Conservancy (TNC) 1951 2008 (Cuiabá/MT) -Estabelecimento de parcerias governamentais e privadas -Trabalhamos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TNC PROJETO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA MONITORAMENTO E CONTROLE AMBIENTAL DE ESTABELECIMENTOS RURAIS EM PALMAS

TERMO DE REFERÊNCIA - TNC PROJETO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA MONITORAMENTO E CONTROLE AMBIENTAL DE ESTABELECIMENTOS RURAIS EM PALMAS SERVIÇOS DE LEVANTAMENTO GEORREFERENCIADO DE IMÓVEIS RURAIS PARA FINS DE ELABORAÇÃO DE CADASTROS AMBIENTAIS RURAIS CAR NO MUNICÍPIO DE PALMAS NO ESTADO DE TOCANTINS 1. Contextualização O Ministério Público

Leia mais

Roteiro para apresentação de documentos administrativos de Planos de Manejo Florestal Sustentável - PMFS

Roteiro para apresentação de documentos administrativos de Planos de Manejo Florestal Sustentável - PMFS Roteiro para apresentação de documentos administrativos de Planos de Manejo Florestal Sustentável - PMFS I t e m Nº. D o c u m e n t o s E x i g i d o s O b s e r v a ç õ e s OK 01 Requerimento padrão

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Atenção: Esta lista de documentos tem vigência até que o Cadastro Ambiental Rural (CAR) seja efetivamente implantado por ato da Ministra

Leia mais

PRINCIPAIS MUDANÇAS ENTRE A 2ª NTGIR E A 3ª NTGIR

PRINCIPAIS MUDANÇAS ENTRE A 2ª NTGIR E A 3ª NTGIR PRINCIPAIS MUDANÇAS ENTRE A 2ª NTGIR E A 3ª NTGIR Autor: LUIS ANDERSON CERINO PIRES Consultor Técnico AutoTOPO Revisão: Eng Rômulo Corrêa de Magalhães autor AutoTOPO wwwautotoponet Goiânia-GO, 02/outubro/2013

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 9, DE 23 JANEIRO DE 2002

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 9, DE 23 JANEIRO DE 2002 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 9, DE 23 JANEIRO DE 2002 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS -

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Estadual de Informações Ambientais e de Recursos Hídricos VERSÃO 2.0

Manual do Usuário. Sistema Estadual de Informações Ambientais e de Recursos Hídricos VERSÃO 2.0 Manual do Usuário Sistema Estadual de Informações Ambientais e de Recursos Hídricos VERSÃO 2.0 3 Cadastro 3.1 Consulta de Imóveis Rurais Para consultar os imóveis rurais cadastrados pelo requerente ou

Leia mais

ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA O SETOR SUCROALCOOLEIRO

ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA O SETOR SUCROALCOOLEIRO ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA O SETOR SUCROALCOOLEIRO 1. Material cartográfico digital: Apresentar material cartográfico na Projeção Cartográfica Universal Transversa de Mercator

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Segundo a Lei Federal 12.651/2012 e Decreto Federal 7.830/2012 ESALQ Março/Abril de 2014 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento e Avaliação

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

O SECRETÁRIO DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE, DO PLANEJAMENTO, DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA SEMAC, no uso de suas atribuições legais e

O SECRETÁRIO DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE, DO PLANEJAMENTO, DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA SEMAC, no uso de suas atribuições legais e RESOLUÇÃO SEMAC N 12 DE 17 DE JULHO DE 2014. Aprova a Norma Técnica para Georreferenciamento de Áreas de Interesse Ambiental e de atividades sujeitas ao Licenciamento e Regularização Ambiental no IMASUL,

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR O QUE ÉO CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, com a finalidade

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Documentação prevista na Lei Federal 12.51 de 25 de maio de 2012: 1 - identificação do proprietário ou possuidor rural; 2 - comprovação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TNC

TERMO DE REFERÊNCIA TNC TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONSULTORIA (PESSOA JURÍDICA) PARA LEVANTAMENTO GEORREFERENCIADO DE IMÓVEIS RURAIS PARA FINS DE ELABORAÇÃO DE CADASTROS AMBIENTAIS RURAIS CAR NO MUNICÍPIO

Leia mais

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu 13/05/2013 CAR - Cadastro Ambiental Rural - O Cadastro Ambiental Rural é um registro eletrônico, obrigatório para todos os

Leia mais

USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares

USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares URBANIZAÇÃO E OUTROS USOS 4% AGRICULTURA 7% VEGETAÇÃO NATURAL (FLORESTAIS E OUTROS) 65% PASTAGENS 23% FONTES: MMA/IBGE-PAM(2010)/INPE/CENSO AGROPECUÁRIO 2006

Leia mais

DECRETO Nº 2.238, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009.

DECRETO Nº 2.238, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009. DECRETO Nº 2.238, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009. Regulamenta o Programa Mato-grossense de Regularização Ambiental Rural MT LEGAL, disciplina as etapas do Processo de Licenciamento Ambiental de Imóveis Rurais

Leia mais

NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO

NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO 1- As normas técnicas objetivam a caracterização de imóveis rurais pelo levantamento e materialização de seus limites,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TNC

TERMO DE REFERÊNCIA - TNC SERVIÇOS DE COMPILAÇÃO DE DADOS GEORREFERENCIADOS DE PROPRIEDADES RURAIS, IDENTIFICAÇÃO DE INCONSISTÊNCIAS E PROPOSIÇÃO DE AJUSTES BASEADO NA REALIDADE DE IMAGEM DE ALTA RESOLUÇÃO DO MUNICÍPIO DE PALMAS

Leia mais

Manual de Operação SIMLAM TÉCNICO. Sistema Integrado de Monitoramento e Licenciamento Ambiental do Pará - Módulo Responsável Técnico

Manual de Operação SIMLAM TÉCNICO. Sistema Integrado de Monitoramento e Licenciamento Ambiental do Pará - Módulo Responsável Técnico Manual de Operação do SIMLAM TÉCNICO Sistema Integrado de Monitoramento e Licenciamento Ambiental do Pará - Módulo Responsável Técnico Data da ultima versão 12/08/2008 Requisitos para Utilização do Sistema

Leia mais

Sistema de Controle Ambiental do Amazonas SCAAM - VERSÃO 1.0

Sistema de Controle Ambiental do Amazonas SCAAM - VERSÃO 1.0 Sistema de Controle Ambiental do Amazonas SCAAM - VERSÃO 1.0 Manaus Agosto 2012 2 MANUAL OPERACIONAL DO MÓDULO - CAR 3 SOLICITAÇÃO DO PRODUTO A metodologia foi desenvolvida de acordo com o contrato de

Leia mais

Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 2.713, DE 9 DE MAIO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 3.876 Institui o Programa de Adequação Ambiental de Propriedade e Atividade Rural TO-LEGAL, e adota outras providências. O Governador

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O LEI N.º 1.453/2013. SÚMULA: Autoriza o Poder Executivo Municipal a promover a Concessão de Direto Real de Uso em favor da Colônia Z-20 de Pescadores de Juína, da área urbana que menciona, e dá outras Providências.

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

VALORES DE INCENTIVO AO PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DOS CONSÓRCIOS INTERMUNICIPAIS DE SAÚDE - COMPETÊNCIA FEVEREIRO/2007 A N E X O I

VALORES DE INCENTIVO AO PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DOS CONSÓRCIOS INTERMUNICIPAIS DE SAÚDE - COMPETÊNCIA FEVEREIRO/2007 A N E X O I PORTARIA Nº 146/2007/GBSES O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE, no uso de suas atribuições legais e, Considerando o Decreto nº 2.312 de 12/02/2001, que dispõe sobre a instituição do Sistema de Transferência

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA GABINETE DA PREFEITA. Lei nº. 116/2003. Súmula :

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA GABINETE DA PREFEITA. Lei nº. 116/2003. Súmula : ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA GABINETE DA PREFEITA Lei nº. 116/2003 Súmula : Dispõe sobre a autorização ao Poder Executivo Municipal de Colniza MT, em aprovar o Projeto de Desmembramento

Leia mais

INOVAÇÕES NO GEORREFERENCIAMENTO E NA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS

INOVAÇÕES NO GEORREFERENCIAMENTO E NA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS INOVAÇÕES NO GEORREFERENCIAMENTO E NA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS Kilder José Barbosa Engenheiro Agrimensor Analista/INCRA Kilder Barbosa - Engenheiro Agrimensor Analista em Reforma e Desenvolvimento

Leia mais

TABELA REFERENCIAL DE PREÇOS DE TERRAS NO ESTADO DE MATO GROSSO

TABELA REFERENCIAL DE PREÇOS DE TERRAS NO ESTADO DE MATO GROSSO TABELA REFERENCIAL DE PREÇOS DE TERRAS NO ESTADO DE MATO GROSSO Apresentação Trata a presente planilha do resultado de uma discussão entre os Peritos Federais Agrários avaliadores do INCRA/MT com a informação

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DE AUDIÊNCIA PRÉVIA SOLICITAÇÃO DE PROPOSTAS N.º 9420/2010

ATA DA REUNIÃO DE AUDIÊNCIA PRÉVIA SOLICITAÇÃO DE PROPOSTAS N.º 9420/2010 Às nove horas e quarenta minutos do dia dezenove de abril de dois mil e dez reuniram-se, na sede do PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento em Brasília (DF), representantes do PNUD, do Ministério

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL PROCEDIMENTO DA DISTRIBUIÇÃO VERSÃO Nº R0 DATA DATA DA VIGÊNCIA 15/07/2013 Histórico de Revisões Revisão Alterações Data R0 - Versão Inicial. 21/06/2013 Página 2 de 10 1. ENCAMINHAMENTO Para apresentação

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

Portaria n.º 172, de 24 de abril de 2014.

Portaria n.º 172, de 24 de abril de 2014. Portaria n.º 172, de 24 de abril de 2014. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições constitucionais previstas no Art. 71, inciso IV, da Constituição do Estado de Mato Grosso,

Leia mais

1. Para o levantamento Georrreferenciado, será adotado o padrão INCRA?

1. Para o levantamento Georrreferenciado, será adotado o padrão INCRA? 1. Para o levantamento Georrreferenciado, será adotado o padrão INCRA? Sim 2. Qual precisão poderemos adotar para o levantamento das coordenadas horizontais e das coordenadas verticais? Submétrica para

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Armazenamento e Comercialização de Produtos Agroquímicos

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural

Cadastro Ambiental Rural Cadastro Ambiental Rural E suas possíveis contribuições para a gestão de bacias hidrográficas Botucatu 28/06/2013 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos

Leia mais

O que fazemos? Protegemos as terras e as águas das quais a diversidade da vida depende.

O que fazemos? Protegemos as terras e as águas das quais a diversidade da vida depende. TNC O que fazemos? Protegemos as terras e as águas das quais a diversidade da vida depende. Conselho Consultivo - André de Botton Presidente, SPA Brasil/ACV Comércio e Participações - Andrew Gunther Diretor,

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS 360h - FAÇA SUA MATRÍCULA!!!

CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS 360h - FAÇA SUA MATRÍCULA!!! CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS 360h - FAÇA SUA MATRÍCULA!!! CERTIFICAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA - UFRA TURMA EM MARABÁ COORDENAÇÃO DSC. Luiz Gonzaga da

Leia mais

A importância do Cerrado

A importância do Cerrado A importância do Cerrado Quem vive no Cerrado mora em uma das regiões mais ricas em espécies de plantas e animais do mundo, muitas delas ainda desconhecidas pela ciência e que só existem ali. É ainda nas

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA

ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA Raphael de Souza Vale 1, Cintia Pedrina Palheta Balieiro 2 1 Graduando

Leia mais

I - Peritos do Ministério Público do Estado de Minas Gerais conforme Resolução PGJMG 31/2008;

I - Peritos do Ministério Público do Estado de Minas Gerais conforme Resolução PGJMG 31/2008; Portaria nº 98, de 11 de junho de 2010 Dispõe sobre a autorização para recebimento e homologação de laudos técnicoambientais e plantas georreferenciadas, elaborados por profissionais bilitados não servidores

Leia mais

EDITAL PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS PELO INCRA

EDITAL PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS PELO INCRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE SANTA CATARINA - SR(10)SC EDITAL PARA AQUISIÇÃO

Leia mais

Validação dos Serviços de Georreferenciamento

Validação dos Serviços de Georreferenciamento Validação dos Serviços de Georreferenciamento De onde viemos, onde estamos, e para onde vamos. INCRA / SRFAC Processo Convencional Recepção de peças técnicas (planta e memorial descritivo) em papel Processo

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA INTERVENÇÃO DE QUALQUER NATUREZA NA VEGETAÇÃO NATURAL OU IMPLANTADA de 16/08/2005

AUTORIZAÇÃO PARA INTERVENÇÃO DE QUALQUER NATUREZA NA VEGETAÇÃO NATURAL OU IMPLANTADA de 16/08/2005 08/11/2006 Pág 1 AUTORIZAÇÃO PARA INTERVENÇÃO DE QUALQUER Substitui a IS-19 NATUREZA NA VEGETAÇÃO NATURAL OU IMPLANTADA de 16/08/2005 1. FINALIDADE 1.1 Esta Instrução tem por finalidade estabelecer critérios

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA REVISÃO DO MAPEAMENTO DO USO DO SOLO DA BACIA DE CURUÁ- UNA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA REVISÃO DO MAPEAMENTO DO USO DO SOLO DA BACIA DE CURUÁ- UNA 1. CONTEXTUALIZAÇÃO A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos, voltada para a conservação ambiental. Atuante em mais de 35 países, tem como missão conservar as plantas, os animais

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental Regularização fundiária em áreas de preservação permanente APPs em zona urbana: uma proposta de gestão ALEXANDRE

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Postos (Revendedores e de Abastecimento) e Sistemas

Leia mais

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares Check-List Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Diretoria de Serviços Operacionais 1. RESUMO Relação de documentos

Leia mais

SISLEG SISTEMA ESTADUAL DE MANUTENÇÃO, RECUPERAÇÃO E PROTEÇÃO DA RESERVA LEGAL E DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

SISLEG SISTEMA ESTADUAL DE MANUTENÇÃO, RECUPERAÇÃO E PROTEÇÃO DA RESERVA LEGAL E DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE SISLEG SISTEMA ESTADUAL DE MANUTENÇÃO, RECUPERAÇÃO E PROTEÇÃO DA RESERVA LEGAL E DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ÍNDICE DE CAPÍTULOS CAPÍTULO I GESTÃO DO SISLEG CAPÍTULO II OPERACIONALIZAÇÃO DO SISLEG

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

2. METODOLOGIA DE TRABALHO

2. METODOLOGIA DE TRABALHO TRAÇADO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO TÉCNICA AUXILIAR NA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS DEGRADADAS Autores: Adriana Gomes de Souza Pesquisadora

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

N T I. NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Cadastro Ambiental Rural - CAR

N T I. NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Cadastro Ambiental Rural - CAR N T I NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Cadastro Ambiental Rural - CAR N T I Núcleo de Tecnologia da Informação Coordenador Arq. Flavio Macedo de Andrade O QUE É O CAR? O Cadastro Ambiental Rural consiste

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO PRAD Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PRAD O Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD), deverá

Leia mais

MEMOCAD GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS

MEMOCAD GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS MEMOCAD GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS Desenvolvimento: MARIA NELY ALVARENGA LIMA http://www.memocad.com.br www.nelyalv@memocad.com.br www.nelyalv@gmail.com ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. MONTAGEM SIGEF

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Legislação do Georreferenciamento e Certificação. Norma Técnica 3ª Edição. Manual Técnico de Limites e Confrontações. Manual Técnico de Posicionamento

Legislação do Georreferenciamento e Certificação. Norma Técnica 3ª Edição. Manual Técnico de Limites e Confrontações. Manual Técnico de Posicionamento 1. Objetivos Legislação do Georreferenciamento e Certificação 2. Norma Técnica 3ª Edição Contém as regras gerais. Expectativa de ser menos sensível a alterações. Manual Técnico de Limites e Confrontações

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TNC PROJETO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA MONITORAMENTO E CONTROLE AMBIENTAL DE ESTABELECIMENTOS RURAIS NA AMAZÔNIA

TERMO DE REFERÊNCIA - TNC PROJETO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA MONITORAMENTO E CONTROLE AMBIENTAL DE ESTABELECIMENTOS RURAIS NA AMAZÔNIA SERVIÇOS DE AJUSTE CARTOGRÁFICO DE DADOS GEORREFERENCIADOS DE PROPRIEDADES RURAIS E IDENTIFICAÇÃO DE INCONSISTÊNCIAS BASEADO EM IMAGEM DE ALTA RESOLUÇÃO DOS MUNICÍPIOS DE FELIZ NATAL, BRASNORTE E JUINA

Leia mais

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica SIG Sistema de Informação Geográfica O SIG é um sistema de Informação

Leia mais

Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal. Prazos para o Poder Público

Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal. Prazos para o Poder Público Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal Prazos para o Poder Público Artigo Obrigação Prazo 11, 5º 13, 2º 29 47 59 59, 1º 78-A 82 Conclusão do Zoneamento Ecológico- Econômico da Zona Costeira ZEEZOC

Leia mais

Gerenciamento de Traçado de Rede Rural Utilizando o Software Google Earth. Wagner Antônio Araújo Veloso CEMIG Distribuição S.A.

Gerenciamento de Traçado de Rede Rural Utilizando o Software Google Earth. Wagner Antônio Araújo Veloso CEMIG Distribuição S.A. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Gerenciamento de Traçado de Rede Rural Utilizando o Software Google Earth Wagner Antônio Araújo Veloso CEMIG Distribuição S.A. wveloso@cemig.com.br RESUMO

Leia mais

QGIS 2.4 Sistemas de Referência de Coordenadas (SRC)

QGIS 2.4 Sistemas de Referência de Coordenadas (SRC) QGIS 2.4 Sistemas de Referência de Coordenadas (SRC) Jorge Santos 2014 Conteúdo Sumário Capítulo 1... 3 Introdução... 3 1.1 Referência Espacial... 3 1.2 Sistema de Referência de Coordenadas (SRC)...3 1.3

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS CONDIÇÃO OBRIGATÓRIA EXECUÇÃO DE PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS CONSIDERADAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ATINGIDAS COM PLANTIOS E MANUTENÇÃO DE ÁRVORES NATIVAS DA REGIÃO E/OU CONDUÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL,

Leia mais

Divisão de. Avaliação e Perícia

Divisão de. Avaliação e Perícia Divisão de Avaliação e Perícia índice 3 5 6 a scot consultoria serviços de avaliação e perícia avaliação de imóveis rurais SUgestão de divisão de propriedades rurais Laudo de comprovação de produtividade

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são e como criá-las

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são e como criá-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são e como criá-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são e como criá-las! Olá! Você já ouviu falar das Cotas de Reserva Ambiental (CRAs)? O que são Cotas de Reserva Ambiental?

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Diagnóstico Ambiental e PRA (Projeto de Recuperação Ambiental)

TERMO DE REFERÊNCIA. Diagnóstico Ambiental e PRA (Projeto de Recuperação Ambiental) TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico Ambiental e PRA (Projeto de Recuperação Ambiental) 1. Código: TDR_RRB_04 2. Título: Elaboração de diagnóstico ambiental consolidado em campo e PRA (Projeto de Recuperação

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural (CAR)

Cadastro Ambiental Rural (CAR) Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Cadastro Ambiental Rural (CAR) Procedimentos e Prazos Nelson Ananias Filho Coordenador de Sustentabilidade Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. JÚLIO CAMPOS)

REQUERIMENTO. (Do Sr. JÚLIO CAMPOS) REQUERIMENTO (Do Sr. JÚLIO CAMPOS) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, no sentido de que sejam aplicados recursos do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações FUST, na instalação

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Hygor Evangelista Siqueira Gestor Ambiental,

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

O que mudou no novo Sistema de Cadastro Ambiental Rural de Minas Gerais?

O que mudou no novo Sistema de Cadastro Ambiental Rural de Minas Gerais? O que mudou no novo Sistema de Cadastro Ambiental Rural de Minas Gerais? O Governo do Estado de Minas Gerais, por meio da conjugação de esforços entre Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento

Leia mais

MAPA - Orientações. Conteúdo desse documento:

MAPA - Orientações. Conteúdo desse documento: Conteúdo desse documento: 1. Como fazer upload de arquivos espaciais no CAR 1.a. Formato do arquivo 1.b. Características do shapefile 1.c. Sistema de coordenadas requerido 1.d. Como preparar o shapefile

Leia mais

PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010

PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010 PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010 Dispõe sobre a autorização para recebimento e homologação de laudos técnico-ambientais e plantas georreferenciadas, elaborados

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO Processo n.º 1962 / 2014-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto n.º 33.765, de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG.

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG. UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG. PEDRO HENRIQUE BAÊTA ANGELINI 1, ROSÂNGELA ALVES TRISTÃO BORÉM

Leia mais

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental BR 116/RS Gestão Ambiental Programa de Apoio às Prefeituras Municipais Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental Novo Código Florestal Inovações e aspectos práticos STE Serviços Técnicos de Engenharia

Leia mais

Capítulo I DOS PRINCÍPIOS E DEFINIÇÕES. Capítulo II DO SISTEMA DE CADASTRO AMBIENTAL RURAL

Capítulo I DOS PRINCÍPIOS E DEFINIÇÕES. Capítulo II DO SISTEMA DE CADASTRO AMBIENTAL RURAL INSTRUÇÃO NORMATIVA MMA Nº- 2, DE 5 DE MAIO DE 2014 Dispõe sobre os procedimentos para a integração, execução e compatibilização do Sistema de Cadastro Ambiental Rural - SICAR e define os procedimentos

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BÁSICOS PARA A ATIVIDADE DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO PROJETO

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BÁSICOS PARA A ATIVIDADE DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO PROJETO RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BÁSICOS PARA A ATIVIDADE DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO PROJETO Requerimento Padrão de Atividade Florestal - RPAF; Cópia de CPF e RG do requerente; Cópia do Certificado da Área

Leia mais