BOLETIM MENSAL DEZEMBRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BOLETIM MENSAL DEZEMBRO"

Transcrição

1 PT BANCO CENTRAL EUROPEU BOLETIM MENSAL BOLETIM MENSAL DEZEMBRO A edição de dezembro de 214 será a última do do, sendo substituída por um Boletim Económico. O novo Boletim será publicado, de acordo com a mudança anunciada para janeiro de 215, com um intervalo de seis semanas, entre as reuniões de política monetária do Conselho do, duas semanas após cada reunião.

2 Em 214, todas as publicações do apresentam um motivo retirado da nota de 2. BOLETIM MENSAL DEZEMBRO 214

3 Banco Central Europeu, 214 Morada Kaiserstrasse Frankfurt am Main Alemanha Endereço postal Postfach Frankfurt am Main Alemanha Telefone Internet Fax Este Boletim foi preparado sob a responsabilidade da Comissão Executiva do. As traduções são elaboradas e publicadas pelos bancos centrais nacionais. Todos os direitos reservados. A reprodução para fins pedagógicos e não comerciais é permitida, desde que a fonte esteja identificada. A data de fecho das estatísticas incluídas nesta publicação foi 3 de dezembro de 214. ISSN (online) Execução Gráfica Casa d'imagem

4 ÍNDICE EDITORIAL 5 EVOLUÇÃO ECONÓMICA E MONETÁRIA 9 1 Conjuntura externa da área do euro 9 2 Evolução monetária e financeira 21 Caixa 1 Evolução recente da balança financeira da balança de pagamentos da área do euro 28 Caixa 2 Condições de liquidez e operações de política monetária no período de 13 de agosto a 11 de novembro de Preços e custos 56 Caixa 3 Efeitos indiretos da evolução dos preços do petróleo sobre a inflação da área do euro 58 4 Produto, procura e mercado de trabalho 67 Caixa 4 Fraqueza atual do investimento da área do euro em comparação com anteriores crises 7 5 Evolução orçamental 82 Caixa 5 Novos indicadores estatísticos sobre os títulos de dívida pública e respetiva utilização na análise e supervisão orçamentais 83 Caixa 6 Revisão dos projetos de planos orçamentais para ARTIGO Projeções macroeconómicas de dezembro de 214 para a área do euro elaboradas por especialistas do Eurosistema 93 ESTATÍSTICAS DA ÁREA DO EURO E1 ANEXOS Cronologia das medidas de política monetária do Eurosistema O sistema TARGET ( Transferências Automáticas Transeuropeias de Liquidações pelos Valores Brutos em Tempo Real ) Publicações produzidas pelo Banco Central Europeu Glossário I V VII IX Dezembro 214 3

5 ABREVIATURAS PAÍSES BE BG CZ DK DE EE IE GR ES FR HR IT CY LV LT Bélgica Bulgária República Checa Dinamarca Alemanha Estónia Irlanda Grécia Espanha França Croácia Itália Chipre Letónia Lituânia LU HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK JP EUA Luxemburgo Hungria Malta Países Baixos Áustria Polónia Portugal Roménia Eslovénia Eslováquia Finlândia Suécia Reino Unido Japão Estados Unidos OUTRAS Banco Central Europeu BdP balança de pagamentos BCN banco central nacional BIS Bank for International Settlements (Banco de Pagamentos Internacionais) CD certificado de depósito c.i.f. cost, insurance and freight at the importer s border (custo, seguro e frete) CTCI 4.ª Rev. Classificação Tipo do Comércio Internacional (4.ª revisão) CUTCE custos unitários do trabalho no conjunto da economia CUTIT custos unitários do trabalho na indústria transformadora EUR euro FMI Fundo Monetário Internacional f.o.b. free on board at the exporter s border (franco a bordo) HWWI Instituto de Economia Internacional de Hamburgo IFM instituição financeira monetária IHPC Índice Harmonizado de Preços no Consumidor IME Instituto Monetário Europeu IPC Índice de Preços no Consumidor IPP Índice de Preços no Produtor MBP5 Manual da Balança de Pagamentos do FMI (5.ª edição) NACE nomenclatura estatística das atividades económicas na União Europeia OCDE Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económicos OIT Organização Internacional do Trabalho PIB produto interno bruto SEBC Sistema Europeu de Bancos Centrais SEC 95 Sistema Europeu de Contas 1995 TCE taxa de câmbio efetiva UE União Europeia UEM União Económica e Monetária De acordo com a prática corrente na União Europeia, a listagem dos países da UE constantes no presente Boletim é feita segundo a ordem alfabética dos nomes dos países nas línguas nacionais. 4 Dezembro 214

6 EDITORIAL Com base nas suas análises económica e monetária regulares e em conformidade com as suas indicações sobre a orientação futura da política monetária (forward guidance), o Conselho do decidiu, na reunião de 4 de dezembro de 214, manter as taxas de juro diretoras do inalteradas. Relativamente às medidas de política monetária não convencionais, o Eurosistema iniciou a aquisição de covered bonds (obrigações hipotecárias e obrigações sobre o setor público) e de instrumentos de dívida titularizados. Os programas de aquisição terão uma duração de, pelo menos, dois anos. A segunda operação de refinanciamento de prazo alargado direcionada será realizada em breve, seguindo -se mais seis até junho de 216. No seu conjunto, as medidas terão um impacto considerável no balanço do Eurosistema, pretendendo -se que este evolua no sentido das dimensões registadas no início de. Nos próximos meses, as medidas deverão tornar a orientação da política monetária globalmente menos restritiva, apoiar as indicações do Conselho do sobre a evolução futura das taxas de juro diretoras do e reforçar o facto de, entre as principais economias avançadas, existirem diferenças significativas e crescentes no ciclo de política monetária. Contudo, as últimas projeções macroeconómicas para a área do euro indicam uma inflação menor, acompanhada de um crescimento real do PIB mais fraco e de uma dinâmica monetária comedida. Neste contexto, no início do próximo ano, o Conselho do reavaliará o estímulo monetário conseguido, a expansão do balanço e as perspetivas de evolução dos preços. Avaliará também o impacto mais alargado da evolução recente dos preços do petróleo nas tendências da inflação a médio prazo na área do euro. Caso seja necessário dar nova resposta aos riscos de um período demasiado prolongado de inflação baixa, o Conselho do permanece unânime no compromisso de, no âmbito do seu mandato, utilizar instrumentos não convencionais adicionais. Tal implicaria alterar, no início do próximo ano, a dimensão, o ritmo e a composição das medidas. Atendendo ao pedido do Conselho do, os especialistas do e os comités do Eurosistema pertinentes intensificaram os preparativos técnicos para as medidas adicionais, as quais, se necessário, poderão ser implementadas atempadamente. Todas as medidas de política monetária visam assegurar um ancorar firme das expetativas de inflação a médio e longo prazo, em consonância com o objetivo do Conselho do de manter as taxas de inflação abaixo, mas próximo, de 2%, e contribuir para o regresso das taxas de inflação a esse nível. No que se refere à análise económica, o PIB real da área do euro registou uma subida de.2%, em termos trimestrais em cadeia, no terceiro trimestre do corrente ano. Tal está em conformidade com indicações anteriores de um enfraquecimento do dinamismo de crescimento da área do euro, o que conduziu a uma revisão em baixa das perspetivas para o crescimento real do PIB da área do euro, nas previsões mais recentes. Os últimos dados e resultados de inquéritos até novembro confirmam o cenário de um perfil de crescimento mais fraco no período que se avizinha. Simultaneamente, mantêm -se as perspetivas de uma recuperação económica modesta. Por um lado, a procura interna deverá ser apoiada pelas medidas de política monetária, pela melhoria em curso das condições financeiras, pelos progressos alcançados em termos de consolidação orçamental e de reformas estruturais, assim como pelos preços significativamente mais baixos dos produtos energéticos, que apoiam o rendimento disponível real. Acresce que a procura de exportações deverá beneficiar da retoma mundial. Por outro lado, é provável que a recuperação continue a ser travada pelo desemprego elevado, pela considerável capacidade produtiva não utilizada e pelos ajustamentos de balanço necessários nos setores público e privado. Estes elementos encontram -se refletidos nas projeções macroeconómicas de dezembro de 214 para a área do euro elaboradas por especialistas do Eurosistema, segundo as quais o PIB real anual aumentará.8% em 214, 1.% em 215 e 1.5% em 216. Em comparação com as projeções macroeconómicas de setembro de 214 dos especialistas do, as projeções para o crescimento real do PIB foram Dezembro 214 5

7 revistas substancialmente em baixa. As projeções relativas tanto à procura interna como às exportações líquidas foram objeto de uma revisão em sentido descendente. Os riscos em torno das perspetivas económicas para a área do euro apresentam -se do lado descendente. Mais especificamente, o fraco dinamismo de crescimento da área do euro, aliado a riscos geopolíticos elevados, tem potencial para reduzir a confiança e, em especial, o investimento privado. Além disso, os progressos insuficientes em termos de reformas estruturais nos países da área do euro constituem um importante risco em sentido descendente para as perspetivas económicas. De acordo com a estimativa provisória do Eurostat, na área do euro, a inflação homóloga medida pelo Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) situou -se em.3% em novembro de 214, face a.4% em outubro. Em comparação com o mês anterior, tal reflete sobretudo uma queda mais forte da inflação dos preços dos produtos energéticos e um aumento homólogo um pouco menor dos preços dos serviços. Tendo em consideração o atual contexto de taxas de inflação muito baixas, será importante avaliar o impacto mais alargado da recente evolução dos preços do petróleo nas tendências da inflação a médio prazo e evitar repercussões nas expetativas de inflação e na formação dos salários. No contexto da recente evolução dos preços do petróleo, é essencial recordar que as previsões e projeções assentam em pressupostos técnicos relativos, em especial, aos preços do petróleo e às taxas de câmbio. Com base na informação disponível em meados de novembro, no momento em que foram finalizadas as projeções macroeconómicas de dezembro de 214 para a área do euro dos especialistas do Eurosistema, a previsão era de que a inflação homóloga medida pelo IHPC fosse de.5% em 214,.7% em 215 e 1.3% em 216. Em comparação com as projeções macroeconómicas de setembro de 214 dos especialistas do, os valores foram revistos significativamente em baixa. As revisões refletem sobretudo preços do petróleo em euros mais baixos e o impacto da revisão em sentido descendente das perspetivas para o crescimento, mas ainda não incorporam a queda dos preços do petróleo nas últimas semanas, ocorrida após a data de fecho da informação para as projeções. Nos próximos meses, as taxas homólogas da inflação medida pelo IHPC poderão registar novos movimentos descendentes, em virtude da recente descida adicional dos preços do petróleo. O Conselho do continuará a acompanhar atentamente os riscos para as perspetivas de evolução dos preços no médio prazo. Neste contexto, centrar -se -á, em particular, nas possíveis repercussões da menor dinâmica de crescimento, dos desenvolvimentos geopolíticos, da evolução da taxa de câmbio e dos preços dos produtos energéticos, bem como da transmissão das medidas de política monetária. Estará especialmente atento ao impacto mais alargado da evolução recente dos preços do petróleo nas tendências da inflação a médio prazo na área do euro. No que respeita à análise monetária, os dados referentes a outubro de 214 apoiam a avaliação de um crescimento subjacente comedido do agregado monetário largo (M3), cuja taxa de crescimento homóloga se situou em 2.5% em outubro, mantendo -se inalterada face a setembro. O crescimento homólogo do M3 continua a ser apoiado pelas suas componentes mais líquidas, tendo o agregado monetário estreito M1 registado uma taxa de crescimento homóloga de 6.2% em outubro. A taxa de variação homóloga dos empréstimos às sociedades não financeiras (corrigida de vendas e titularização de empréstimos) situou -se em -1.6% em outubro, o que compara com -1.8% em setembro e revela uma recuperação gradual relativamente ao valor mínimo de -3.2% observado em fevereiro. Em média, nos últimos meses, os reembolsos líquidos apresentaram uma moderação face aos valores historicamente elevados verificados há um ano. Os empréstimos às sociedades não financeiras continuam a refletir a relação desfasada com o ciclo económico, o risco de crédito, fatores associados à oferta de 6 Dezembro 214

8 EDITORIAL crédito e o ajustamento em curso dos balanços dos setores financeiro e não financeiro. A taxa de crescimento homóloga dos empréstimos às famílias (corrigida de vendas e titularização de empréstimos) situou -se em.6% em outubro, face a.5% em setembro. As medidas de política monetária aplicadas e a conclusão da avaliação completa realizada pelo deverão apoiar uma estabilização adicional dos fluxos de crédito. Resumindo, o cruzamento dos resultados da análise económica com os sinais fornecidos pela análise monetária corrobora a necessidade de o Conselho do acompanhar atentamente os riscos para as perspetivas de evolução dos preços no médio prazo e de estar preparado para, se necessário, conferir uma orientação acomodatícia adicional à política monetária. A política monetária visa a manutenção da estabilidade de preços a médio prazo e a sua orientação acomodatícia contribui para apoiar a atividade económica. No entanto, a fim de reforçar o investimento, impulsionar a criação de emprego e aumentar o crescimento da produtividade, é necessário o contributo decisivo de outras áreas de política. Em particular, a implementação determinada de reformas nos mercados de trabalho e do produto, bem como as iniciativas destinadas a melhorar o enquadramento empresarial, precisam de ganhar dinamismo em vários países. É crucial que as reformas estruturais sejam aplicadas de forma credível e eficaz, uma vez que tal aumentará as expetativas de rendimentos mais elevados e encorajará as empresas a expandir o investimento, permitindo acelerar a recuperação económica. As políticas orçamentais devem apoiar a retoma, assegurando simultaneamente a sustentabilidade da dívida, em consonância com o Pacto de Estabilidade e Crescimento, que permanece a âncora da confiança. Todos os países devem fazer uso da margem disponível para a consecução de políticas orçamentais com uma composição mais favorável ao crescimento. O plano de investimento para a Europa, anunciado pela Comissão Europeia em 26 de novembro de 214, também apoiará a retoma. A edição de dezembro de 214 do inclui um artigo, intitulado Projeções macroeconómicas de dezembro de 214 para a área do euro elaboradas por especialistas do Eurosistema. Dezembro 214 7

9

10 EVOLUÇÃO ECONÓMICA E MONETÁRIA EVOLUÇÃO ECONÓMICA E MONETÁRIA Conjuntura externa da área do euro I CONJUNTURA EXTERNA DA ÁREA DO EURO A economia mundial prossegue gradualmente na sua trajetória de recuperação. Após um crescimento muito moderado no início do ano, o dinamismo em algumas economias avançadas tem registado um reforço, suportado pela redução de fatores adversos e por políticas acomodatícias. Contudo, a divergência das perspetivas económicas entre e dentro das regiões tem aumentado, refletindo de forma crescente fatores mais estruturais do que cíclicos, que têm influência sobre a confiança, a evolução do mercado financeiro e as políticas económicas. Os indicadores mais recentes com base em inquéritos apontam para algum abrandamento do dinamismo de crescimento no quarto trimestre. Os riscos geopolíticos na Ucrânia/Rússia e no Médio Oriente permanecem elevados, embora, até agora, com repercussões limitadas na atividade mundial e nos preços dos produtos energéticos. O comércio mundial continuou fraco face ao investimento moderado em muitos países, mas recuperou no terceiro trimestre, embora a partir de níveis baixos. A inflação mundial diminuiu nos últimos meses, em grande parte, devido à queda acentuada dos preços do petróleo. As pressões inflacionistas deverão permanecer baixas num contexto de excesso de capacidade produtiva e queda dos preços das matérias -primas. 1.1 ATIVIDADE ECONÓMICA E COMÉRCIO A NÍVEL MUNDIAL A recuperação mundial permanece gradual e desigual. Após um crescimento mundial bastante volátil e moderado na primeira metade do ano, a atividade registou um fortalecimento na segunda metade, apoiada sobretudo pela consolidação dos fundamentos em algumas das principais economias avançadas, apesar de sinais de algum abrandamento do dinamismo económico no quarto trimestre. Para além do curto prazo, a atividade mundial deverá melhorar de forma gradual, mas de acordo com as expectativas, a recuperação ainda continuará modesta. A combinação de desequilíbrios económicos acumulados, impedimentos estruturais, incerteza política e económica e, em vários países, condições financeiras restritivas pesam sobre as perspetivas de crescimento a médio prazo. Riscos geopolíticos relacionados com o conflito na Ucrânia e tensões em alguns países produtores de petróleo continuam elevados, mas o seu impacto sobre os preços do petróleo, a atividade a nível mundial e a inflação tem sido fraco até agora, atuando sobretudo através do canal da confiança. As estimativas provisórias mostram que a Quadro 1 Crescimento do PIB real em economias selecionadas G2 1) G2 excluindo a área do euro 1) Estados Unidos Japão Reino Unido Dinamarca Suécia Suíça Brasil China Índia Rússia 2) Turquia Polónia República Checa Hungria Taxas de crescimento homólogas Taxas de crescimento trimestrais T1 T Fontes: Dados nacionais, BIS, Eurostat e cálculos do. 1) O valor referente ao terceiro trimestre de 214 é uma estimativa baseada nos dados disponíveis mais recentes. 2) O valor referente ao terceiro trimestre de 214 para a Rússia, corrigido de sazonalidade, não se encontra disponível. Dezembro 214 9

11 atividade económica nos países do G2 (excluindo a área do euro) cresceu 1.1% em termos trimestrais em cadeia no terceiro trimestre de 214, num contexto de divergências contínuas entre países (ver Quadro 1). O crescimento ficou mais forte nos Estados Unidos e continuou robusto no Reino Unido, suportado pela sólida procura interna. Pelo contrário, o PIB contraiu -se no Japão pelo segundo trimestre consecutivo, levando a medidas adicionais de menor restritividade quantitativa por parte do Banco do Japão. Na China, a atividade registou uma ligeira moderação, principalmente devido ao enfraquecimento do investimento. No que respeita a outras economias de mercados emergentes, nos últimos trimestres, o Brasil registou baixo crescimento e elevada inflação, enquanto na Rússia o crescimento tem sido prejudicado, em parte, devido a condições financeiras mais restritivas e sanções internacionais. Pelo contrário, na Índia, a economia tem vindo a recuperar. Os indicadores de sentimento a nível mundial mais recentes apontam para um dinamismo positivo, mas ligeiramente mais fraco no quarto trimestre. O Índice de Gestores de Compras (IGC) compósito do produto excluindo a área do euro manteve -se globalmente inalterado em novembro num nível ligeiramente inferior quer à sua média de longo prazo quer ao seu valor no terceiro trimestre, devido a uma queda bastante significativa no setor da indústria transformadora (ver Gráfico 1). A evolução foi diferente entre os países, com melhorias assinaláveis no IGC compósito para o Reino Unido, Japão e Índia, mas quedas para os Estados Unidos, China e Rússia. Em termos prospetivos, a componente novas encomendas do IGC mundial compósito abrandou ligeiramente, sugerindo uma recuperação mais gradual na atividade mundial em novembro. Ao mesmo tempo, os indicadores avançados compósitos da OCDE, destinados a prever pontos de viragem para a atividade económica em relação à tendência, apontaram para perspetivas mistas entre as principais economias em setembro, caraterizadas pelo enfraquecimento do crescimento no Japão, crescimento estável nos Estados Unidos, Brasil e China, algum abrandamento no ritmo de crescimento no Reino Unido, apesar dos seus níveis elevados, e melhoria do dinamismo do crescimento Gráfico 1 IGC mundial (excluindo a área do euro) (dados mensais corrigidos de sazonalidade) Fonte: Markit. IGC do produto: global IGC do produto: indústria transformadora IGC do produto: serviços Gráfico 2 Indicador avançado compósito e produção industrial (escala da esquerda: média do índice normalizada=1; escala da direita: taxas de variação (%) trimestrais em cadeia) indicador avançado compósito (escala da esquerda) produção industrial (escala da direita) Fontes: OCDE e cálculos do. Notas: O indicador avançado compósito refere-se aos países da OCDE e ao Brasil, China, Índia, Indonésia, Rússia e África do Sul. A linha horizontal em 1 representa a tendência da atividade económica. A produção industrial refere-se ao mesmo exemplo, excluindo a Indonésia Dezembro 214

12 EVOLUÇÃO ECONÓMICA E MONETÁRIA Conjuntura externa da área do euro na Índia (ver Gráfico 2). Entretanto, o indicador do clima económico mundial do Ifo (Ifo World Economic Climate) para o quarto trimestre de 214 caiu significativamente, atingindo o seu nível mais baixo desde o terceiro trimestre de. O comércio mundial recupera de forma gradual de níveis baixos, embora permaneça bastante fraco. Após um aumento no início de 214, o dinamismo do comércio mundial perdeu algum vigor no segundo trimestre do ano, tendo recuperado com bastante força no terceiro trimestre. De acordo com dados do gabinete de análise económica dos Países Baixos (o CPB Netherlands Bureau for Economic Policy Analysis), o volume das importações de bens a nível mundial aumentou 2.1%, em comparação com o terceiro trimestre. A recuperação foi generalizada nas economias avançadas e de mercados emergentes, sendo os Estados Unidos a principal exceção, com o comércio de mercadorias a enfraquecer significativamente. Por outro lado, registaram -se Gráfico 3 Crescimento das importações (variação (%) trimestral em cadeia, dados trimestrais) economia mundial economias avançadas mercados emergentes Mar. Set. Mar. Set. Mar. Set. Mar melhorias acentuadas no Japão, nos países emergentes da Ásia e América Latina. Contudo, o IGC relativo às novas encomendas de exportações do setor da indústria transformadora diminuiu ligeiramente em novembro, apontando para alguma moderação do dinamismo do comércio mundial na parte final do ano. Globalmente, as origens da fraqueza subjacente ao comércio mundial mudaram de forma gradual dos países avançados para as economias de mercados emergentes (ver Gráfico 3). A alteração do crescimento do comércio resultou de um abrandamento assinalável nos países emergentes da Ásia, América Latina, Rússia e Europa Central e de Leste devido a fatores adversos específicos de cada país. Numa perspetiva a mais longo prazo, a fraca resposta do comércio mundial à recuperação gradual a nível mundial é um aspeto importante. A elasticidade do comércio mundial, medida pela taxa de crescimento média das importações dividida pela taxa de crescimento média do PIB caiu de 1.7 antes da crise financeira mundial (entre 199 e 27) para apenas 1. desde 211. Esta evolução pode ser explicada, em parte, por um crescimento do investimento invulgarmente moderado, que é tipicamente uma componente da procura altamente intensiva em comércio, em diversas economias mundiais chave. Globalmente, as projeções macroeconómicas de dezembro de 214 elaboradas por especialistas do Eurosistema (ver o artigo na presente edição do ) preveem apenas um fortalecimento moderado do crescimento económico mundial. Enquanto algumas das principais economias avançadas beneficiam da diminuição de fatores adversos e políticas acomodatícias, desafios estruturais crescentes e condições financeiras mais restritivas restringem as perspetivas de crescimento para as economias de mercados emergentes. De acordo com as expetativas, a recuperação do crescimento do comércio mundial será também muito gradual e, no médio prazo, a elasticidade do comércio em relação à atividade continuará a ser inferior à sua média de longo prazo. O balanço dos riscos para as perspetivas mundiais continua enviesado no sentido descendente. Riscos geopolíticos elevados, bem como a evolução dos mercados financeiros a nível mundial e das economias de mercados emergentes, poderão potencialmente afetar de forma negativa as condições económicas Fonte: Cálculos do Dezembro

13 1.2 EVOLUÇÃO DOS PREÇOS A NÍVEL MUNDIAL A inflação mundial registou uma moderação desde junho, após um ligeiro aumento no início do corrente ano, tendo a inflação global dos preços no consumidor na área da OCDE estabilizado em 1.7%, em termos homólogos, em outubro. A moderação da inflação deveu -se sobretudo a um ligeiro contributo negativo da componente dos produtos energéticos, compensado pelo aumento dos preços dos produtos alimentares. Excluindo os produtos alimentares e os produtos energéticos, a inflação homóloga medida pelo IPC nos países da OCDE também permaneceu estável em 1.8% em outubro (ver Quadro 2). Nas economias avançadas, a inflação medida pelos preços no consumidor desceu no Japão, manteve -se estável nos Estados Unidos e aumentou no Reino Unido. A evolução também foi diferente entre as economias de mercados emergentes, tendo a inflação homóloga medida pelos preços no consumidor descido na Índia, permanecido globalmente inalterada na China e no Brasil e aumentado na Rússia. Em termos prospetivos, a inflação deverá continuar baixa, numa conjuntura de absorção muito lenta da capacidade produtiva disponível e de fragilidade dos preços das matérias -primas. As perspetivas para a inflação mundial estão fortemente influenciadas pela evolução dos preços das matérias -primas, em particular, dos preços do petróleo. Desde o início de julho de 214, os preços do petróleo têm seguido um trajetória descendente, atingindo níveis de cerca de USD 84 por barril em média no corrente trimestre. Os preços do petróleo bruto Brent situaram -se em USD 71 por barril em 3 de dezembro de 214, ou seja, cerca de 35% abaixo do seu nível um ano antes (ver Gráfico 4). Esta descida dos preços do petróleo reflete níveis da oferta de petróleo que excederam os da procura. Apesar dos conflitos na Líbia e no Iraque, a OPEP produziu acima do objetivo oficial para o grupo, enquanto a produção de petróleo por parte de países não pertencentes à OPEP aumentou, na sequência da exploração de óleo de xisto nos Estados Unidos. Ao mesmo tempo, a procura de petróleo permaneceu fraca, em parte, devido a um abrandamento no setor industrial chinês. Em termos prospetivos, o mercado de futuros de petróleo espera preços do petróleo ligeiramente mais altos no médio prazo, sendo os contratos de futuros de petróleo Brent que se vencem em dezembro de 215 transacionados a USD 76 por barril. Quadro 2 Evolução dos preços em economias selecionadas (taxas de variação homólogas (%)) OCDE Estados Unidos Japão Reino Unido Dinamarca Suécia Suíça Brasil China Índia Rússia Turquia Polónia República Checa Hungria Por memória: OCDE excluindo produtos alimentares e energéticos Maio Jun. Jul. Ago. Set. Out Fontes: OCDE, dados nacionais, BIS, Eurostat e cálculos do. 12 Dezembro 214

14 EVOLUÇÃO ECONÓMICA E MONETÁRIA Conjuntura externa da área do euro A evolução dos preços das matérias -primas não -energéticas tem registado uma tendência ligeiramente ascendente desde o início do quarto trimestre, após uma descida em setembro. Desde o início de outubro, os preços dos produtos não- -energéticos subiram 2%, refletindo um aumento de 8% nos preços dos cereais e de 2% nos dos metais. O tempo invulgarmente frio nos Estados Unidos, bem como o atual conflito entre dois importantes fornecedores de cereais, a Ucrânia e a Rússia, que está a afetar as atividades quer de plantação quer de comercialização, levaram a um aumento recente dos preços dos cereais. Em comparação com o mesmo período em, o índice de preços das matérias -primas não-energéticas, em termos agregados (denominados em USD), situa -se atualmente cerca de 8% mais baixo, devido sobretudo a preços de cereais reduzidos, impulsionados por colheitas recorde nos Estados Unidos. Gráfico 4 Principais desenvolvimentos nos preços das matérias-primas petróleo bruto Brent (USD/barril; escala da esquerda) matérias-primas não energéticas (USD; índice: 21 = 1; escala da direita) Fontes: Bloomberg e HWWI EVOLUÇÃO EM ECONOMIAS SELECIONADAS ESTADOS UNIDOS Nos Estados Unidos, a atividade económica ganhou dinamismo nos últimos trimestres, após significativa volatilidade dos dados no início do ano. Na sequência da forte recuperação do crescimento económico no segundo trimestre, foi mantido um sólido crescimento no terceiro trimestre de 214. De acordo com a segunda estimativa do departamento de análise económica dos Estados Unidos (o Bureau of Economic Analysis), o PIB real aumentou a uma taxa anualizada de 3.9% (1.% em termos trimestrais em cadeia), suportado pela procura quer interna quer externa. O comércio líquido deu um forte contributo positivo para o crescimento, no contexto de um forte aumento das exportações e de uma descida das importações. Entretanto, a despesa de consumo pessoal e o investimento fixo privado deram igualmente um contributo positivo para o crescimento, confirmando fundamentos económicos robustos. Os indicadores de alta frequência disponíveis sugerem que a economia norte -americana deverá manter o seu dinamismo de crescimento positivo no último trimestre de 214, embora o crescimento do PIB real possa abrandar ligeiramente em comparação com os dois trimestres anteriores. O consumo privado é suportado por efeitos de riqueza positivos, contínuas melhorias nas condições do mercado de trabalho que levam a um crescimento mais elevado no rendimento disponível, níveis altos de sentimento dos consumidores e, desde o último Verão, descida significativa nos preços da gasolina. As perspetivas de curto prazo para a atividade das empresas também permanecem favoráveis, devido aos níveis elevados do sentimento empresarial. No que respeita ao mercado da habitação, os dados recentes estão em linha com a continuação da recuperação moderada, como indicado por um aumento das vendas de casa, construção de novas habitações e licenças de construção ao longo dos últimos meses. Entretanto, os preços da habitação mantêm o seu dinamismo ascendente, embora ultimamente, a taxa de crescimento tenha vindo a abrandar ligeiramente, enquanto o rácio dos preços da habitação em relação às rendas regressou a níveis próximo das médias históricas. Analisando o comércio, o reforço esperado da Dezembro

15 procura interna, em particular, nas componentes da despesa intensivas em importações, como o investimento, também deveria levar a uma recuperação das importações no último trimestre de 214. O dinamismo do crescimento das exportações, pelo contrário, deverá ser afetado pela recente apreciação do dólar dos Estados Unidos. Em termos prospetivos, espera -se que a recuperação da economia norte -americana continue com crescimento acima da tendência, sustentada pela continuação da melhoria dos mercados de trabalho e da habitação, condições financeiras acomodatícias, e do desvanecimento de fatores adversos resultantes do ajustamento dos balanços das famílias e da política orçamental. A inflação registou uma moderação após o recente pico atingido em maio e estabilizou ao longo dos últimos três meses. A inflação homóloga global medida pelo IPC situou -se em 1.7% em outubro, baixando.5 pontos percentuais desde maio. Esta evolução reflete predominantemente o desaparecimento de fatores temporários, incluindo uma acentuada queda dos custos dos produtos energéticos (de 3.4%, em termos homólogos, em maio para -1.6%, em termos homólogos, em outubro), bem como a estabilização da inflação dos preços dos serviços. Pelo contrário, a inflação dos preços dos produtos alimentares e da habitação aumentou ligeiramente ao longo dos últimos cinco meses. A inflação homóloga medida pelo IPC excluindo produtos alimentares e produtos energéticos permaneceu globalmente estável nos últimos meses, situando -se em 1.8% em outubro. Em termos prospetivos, a inflação deverá aumentar de forma gradual, apoiada pela redução lenta da folga no mercado de trabalho, embora a recente apreciação do dólar dos Estados Unidos e as descidas dos preços do petróleo tenham um impacto de moderação sobre a inflação no curto prazo. No contexto de perspetivas económicas geralmente melhores, na reunião de de outubro de 214, o Comité de Operações de Mercado Aberto do Sistema de Reserva Federal (Federal Open Market Committee FOMC) anunciou a decisão de pôr termo ao programa de compra de ativos no final de outubro. O FOMC reafirmou que, na determinação da duração da manutenção num intervalo entre % e 1/4% do objetivo da taxa dos fundos federais, tomará em consideração um conjunto alargado de informação, incluindo medidas das condições do mercado de trabalho, indicadores de pressões inflacionistas e de expetativas de inflação, e dados sobre a evolução financeira. JAPÃO No Japão, a atividade económica ficou aquém do esperado no terceiro trimestre, na sequência da forte contração no segundo trimestre. De acordo com a primeira estimativa preliminar do Gabinete do Conselho de Ministros, o PIB real teve uma contração inesperada de.4% no terceiro trimestre, após uma queda de 1.9% no segundo trimestre, associada ao reequilíbrio da atividade após o aumento do imposto sobre o consumo em 1 de abril de 214. A contração do produto no terceiro trimestre resultou principalmente das existências, bem como de uma redução do investimento quer residencial quer não-residencial. O consumo privado voltou a crescer durante o terceiro trimestre, mas manteve -se moderado, enquanto as exportações recuperaram, após a fragilidade que tinha prevalecido desde a segunda metade de. Como as importações também aumentaram, o comércio líquido deu apenas um contributo menor para o crescimento. Em termos prospetivos, de acordo com as expetativas, o crescimento deverá registar uma retoma durante o quarto trimestre. Os dados observados mais recentes sobre a construção de novas habitações sugerem que o investimento residencial começou a ganhar dinamismo, recuperando parte da queda observada no terceiro trimestre. A produção industrial expandiu -se.2%, em termos mensais em cadeia, em outubro, de acordo com dados preliminares e o IGC da produção na indústria transformadora aumentou para Dezembro 214

16 EVOLUÇÃO ECONÓMICA E MONETÁRIA Conjuntura externa da área do euro Em termos da evolução dos preços, a inflação medida pelo IPC tem registado uma tendência descendente desde maio de 214, atingindo 2.9%, em termos homólogos, em outubro, uma vez que se dissipou o impacto da anterior depreciação do iene e os preços dos produtos energéticos continuaram a cair. Embora a queda dos preços dos produtos energéticos deva dar um impulso ao rendimento disponível no médio prazo, a curto prazo pode atenuar a tendência ascendente dos preços e das expetativas de inflação que o Japão tem registado desde o lançamento do Abenomics. Por último, de acordo com as estimativas, o IPC excluindo os efeitos diretos do aumento do imposto sobre o consumo situar -se -á em cerca de 1%, segundo os valores mais recentes do Banco do Japão. Na última reunião sobre política monetária realizada em 19 de novembro de 214, o Banco do Japão optou por deixar inalteradas as principais orientações de política. Tal decorreu da sua decisão de expandir o seu Programa de Abrandamento Quantitativo e Qualitativo em outubro, acelerando o ritmo anual de crescimento da base monetária para cerca de JPY 8, mil milhões (anteriormente, cerca de JPY 6, -7, mil milhões). A decisão foi tomada para antecipar riscos em sentido descendente para os preços, resultantes da fraca procura após o aumento do imposto sobre o consumo e da queda significativa dos preços do petróleo. REINO UNIDO No Reino Unido, o ritmo da atividade económica manteve -se robusto nos três primeiros trimestres de 214. O crescimento foi impulsionado pela forte procura interna, em particular o consumo privado e o investimento em habitação, por sua vez apoiado por uma descida da incerteza macroeconómica e condições de crédito relativamente menos restritivas. O mercado de trabalho continuou a fortalecer -se e a taxa de desemprego desceu para um mínimo de 6.%, que não era registado há cinco anos, nos três meses até setembro, face a mais de 7% um ano antes. Numa análise prospetiva, os dados com elevada frequência e os inquéritos de expetativas sugerem que o crescimento económico permanecerá robusto no curto prazo, muito embora o ritmo de expansão se possa moderar ligeiramente, em comparação com os três primeiros trimestres de 214. A médio prazo, a necessidade de ajustamentos dos balanços nos setores privado e público continuará a pesar sobre a atividade económica. A inflação manteve -se abaixo do objetivo do Bank of England de 2% ao longo de 214. A inflação homóloga medida pelo IPC aumentou marginalmente para 1.3% em outubro, sobretudo em virtude dos efeitos de base positivos dos preços dos transportes. A inflação dos preços no consumidor, excluindo produtos alimentares e produtos energéticos, manteve -se em torno de 1.5% em outubro. Em termos globais, as pressões inflacionistas deverão manter -se moderadas e espera -se que a taxa de inflação registe uma nova descida no curto prazo, refletindo quedas nos preços dos produtos energéticos e das importações. Na reunião de 4 de dezembro de 214, o Comité de Política Monetária do Bank of England manteve a taxa diretora em.5% e a dimensão do seu programa de aquisições de ativos em GBP 375 mil milhões. OUTRAS ECONOMIAS EUROPEIAS Na Suécia, o PIB real aumentou.3% em termos trimestrais em cadeia, no terceiro trimestre de 214, face a.5% no trimestre anterior. Na Dinamarca, a atividade económica acelerou de.1% em termos trimestrais em cadeia no segundo trimestre de 214 para.5% no terceiro trimestre. Em ambos os países, a atividade económica foi principalmente apoiada pela procura interna. Em termos prospetivos, o crescimento do PIB real deverá ganhar dinamismo nos dois países. Analisando a evolução dos preços, a inflação medida pelo IHPC manteve -se globalmente moderada ao longo dos últimos meses, situando- -se em.3% em outubro, tanto na Dinamarca como na Suécia. Na Suíça, a atividade perdeu algum Dezembro

17 do seu dinamismo desde o início de 214, devido à procura interna mais fraca e a exportações moderadas, enquanto a inflação se manteve em torno de zero. Numa análise prospetiva, espera -se que o PIB cresça apenas modestamente, num contexto de abrandamento do consumo privado, do aumento gradual do investimento e do enfraquecimento das condições da procura externa. Porém, o crescente rendimento disponível, as baixas taxas de juro e a imigração deverão continuar a apoiar as perspetivas de crescimento a médio prazo. Nos maiores Estados -Membros da UE da Europa Central e de Leste, a atividade económica continuou a expandir -se a diferentes ritmos no terceiro trimestre de 214, após um crescimento robusto global no primeiro semestre do ano. O crescimento no terceiro trimestre foi particularmente forte na Roménia, onde o PIB real se expandiu a uma taxa trimestral de 1.9%, após uma contração de.3% no segundo trimestre. A atividade económica permaneceu vigorosa também na Polónia, onde a taxa de variação trimestral do PIB real acelerou para.9% no terceiro trimestre, face a.7% no segundo trimestre. O crescimento do PIB real na República Checa acelerou também para uma taxa trimestral de.4% no terceiro trimestre, face a.2% no segundo. Na Hungria, por seu lado, o crescimento do PIB real continuou a desacelerar, abrandando para.5% no terceiro trimestre, depois de atingir.8% no trimestre anterior. Em termos prospetivos, a atividade económica na Europa Central e de Leste deverá manter- -se relativamente robusta, apoiada pelo fortalecimento gradual da procura interna. Pelo contrário, prevê -se que a atividade de exportação registe um enfraquecimento, refletindo a menor procura por parte dos principais parceiros comerciais da região e perturbações no comércio devido às tensões geopolíticas entre a Rússia e a Ucrânia. A inflação homóloga medida pelo IHPC na região da Europa Central e de Leste permanece em geral moderada. Embora tenha acelerado ligeiramente nos últimos meses na República Checa e na Roménia, mantém -se próximo dos seus mínimos históricos em torno de zero na Polónia e na Hungria. Esta evolução reflete uma queda nos preços dos produtos alimentares e energéticos, traduzindo principalmente desenvolvimentos a nível mundial e pressões relativamente moderadas dos custos internos. Na Turquia, após um crescimento robusto ao longo do último ano, a atividade económica registou uma contração de.5% em termos trimestrais no segundo trimestre de 214, impulsionada por um enfraquecimento generalizado a todas as componentes. Até ao final do ano, indicadores avançados e de elevada frequência apontam para um ritmo de crescimento moderado. Do lado positivo, o dinamismo da produção industrial e das vendas a retalho melhorou recentemente, à medida que o relaxamento da orientação da política monetária desde maio se reflete na economia. Do lado negativo, as condições financeiras externas deterioraram -se, enquanto a procura externa enfraqueceu, refletindo um crescimento moderado na UE, um agravamento das tensões no Iraque e uma procura mais fraca da Rússia. Além disso, a inflação continuou elevada, enfraquecendo assim o poder de compra das famílias. Na Rússia, o crescimento económico manteve -se anémico em 214. O PIB real cresceu apenas.2% em termos trimestrais em cadeia no segundo trimestre de 214, impulsionado por uma descida notória do consumo privado. A escalada do conflito com a Ucrânia, que levou a uma maior restritividade das condições financeiras, restrições de financiamento e ao comércio, aceleração das pressões inflacionistas e maior incerteza, afetou o crescimento na segunda metade do ano. A recente queda dos preços do petróleo contribui com novas pressões sobre a economia, que se encontra já restringida por substancial rigidez estrutural, com implicações potencialmente negativas para o investimento em projetos relacionados com o setor da energia. A inflação de preços no consumidor continuou a aumentar, atingindo 8.3% em termos homólogos em outubro, situando -se consideravelmente acima do objetivo do banco central de 4% (com um intervalo de tolerância de ±1.5 pontos percentuais). Esta evolução refletiu a acentuada depreciação do rublo e a subida dos preços dos produtos alimentares, levando o 16 Dezembro 214

18 EVOLUÇÃO ECONÓMICA E MONETÁRIA Conjuntura externa da área do euro banco central a aumentar de novo a restritividade da orientação de política monetária através de uma série de subidas da principal taxa de juro ao longo do ano, até 9.5% em novembro de 214 (+4 pontos base desde o início do ano). ECONOMIAS EMERGENTES DA ÁSIA A diminuição gradual do crescimento do PIB na China registada desde o final de prosseguiu no terceiro trimestre. O consumo e o comércio foram os principais impulsionadores do crescimento, enquanto o contributo do investimento enfraqueceu, refletindo principalmente um abrandamento do investimento na habitação e uma moderação do crescimento do crédito. O mercado da habitação na China, embora registe ainda uma deterioração, mostra sinais preliminares de estabilização. O ritmo de descida quer da atividade no mercado da habitação quer dos preços diminuiu no início do quarto trimestre, após a promulgação de várias medidas acomodatícias pelas autoridades centrais e locais nos últimos meses, tais como uma redução das restrições em termos de reservas mínimas obrigatórias e aquisições. Além disso, a urbanização em curso e o forte crescimento do rendimento continuam a prestar apoio. As pressões sobre os preços ao nível do conjunto da economia encontram -se numa trajetória descendente, oscilando próximo dos mínimos históricos de dois anos e meio, e refletem a fraca procura e o excesso de capacidade das indústrias pesadas. Em particular, a inflação medida pelo IPP situa -se em território negativo desde há 32 meses, o período mais longo desde Em linha com a baixa inflação, o banco central da China reduziu as suas taxas de referência activas e passivas em 21 de novembro de 214, pela primeira vez desde julho de. Acompanhando o objetivo das autoridades de limitar o aumento da alavancagem ao nível de toda a economia, os fluxos de crédito continuaram a registar uma moderação, devido em particular a uma supervisão mais rigorosa da atividade bancária paralela. Refletindo possivelmente este aumento da dívida, o crédito mal parado tem aumentado de forma constante desde, disparando no terceiro trimestre do presente ano. Cerca de 1% do crédito mal parado, porém, atinge ainda níveis extremamente baixos em termos históricos. No que se refere a outras economias emergentes da Ásia, a recuperação económica continua a ser gradual, após um período de crescimento moderado, uma vez que o abrandamento da economia chinesa nos últimos meses afetou particularmente vários países na região orientados para a exportação. Na Índia, a confiança mantém -se elevada desde a eleição do novo governo e os mercados bolsistas continuam a crescer. O sentimento económico favorável está em linha com o crescimento do PIB de 6% em termos homólogos (a preços de mercado) no terceiro trimestre de 214. Na qualidade de grande importador líquido de matérias -primas, a Índia beneficia das quedas nos preços das matérias -primas, enquanto as exportações impulsionadas pelos serviços são menos afetadas pelo atual enfraquecimento da procura mundial de bens transformados. A inflação tem também diminuído acentuadamente ao longo do ano, em resultado de uma queda dos preços dos produtos alimentares e energéticos e de uma política orçamental e monetária restritiva. Na Indonésia, a melhoria do sentimento económico relacionada com a eleição do novo presidente não teve ainda reflexo num melhor desempenho económico, e o crescimento do PIB manteve -se fraco no terceiro trimestre de 214, em 1.2% em termos trimestrais em cadeia, devido principalmente a condições de procura externa pouco dinâmica. Após uma acentuada descida nos oito primeiros meses do ano, a inflação acelerou, no contexto do recente corte nos subsídios aos combustíveis pelo novo governo. Em resposta ao aumento dos preços dos combustíveis, o banco central da Indonésia decidiu aumentar a sua taxa diretora em 25 pontos base para 7.75%. Na Coreia do Sul, o crescimento do PIB melhorou Dezembro

19 ligeiramente no terceiro trimestre de 214 (.9% em termos trimestrais em cadeia), uma vez que o consumo beneficiou de medidas de estímulo monetário e orçamental. Porém, a procura moderada da China, juntamente com um iene japonês fraco, tiveram um impacto sobre as exportações coreanas, que se contraíram no terceiro trimestre, gerando incerteza quanto à recuperação impulsionada pelas exportações na Coreia. Uma vez que a inflação de preços no consumidor se mantém baixa, o banco central da Coreia decidiu reduzir de novo as taxas de juro em 25 pontos base em outubro. AMÉRICA LATINA O abrandamento do crescimento na América Latina prosseguiu na segunda metade do ano, enquanto as tendências divergentes na região se tornaram mais pronunciadas. Esta evolução reflete principalmente um substancial enfraquecimento interno, parcialmente associado aos preços das matérias -primas mais baixos e aos custos de produção mais elevados, mas também a desequilíbrios consideráveis em algumas economias importantes. O Brasil enfrenta um quadro de baixo crescimento e elevada inflação. Após dois trimestres de crescimento negativo, o PIB real expandiu -se apenas.1% em termos trimestrais em cadeia no terceiro trimestre de 214, apoiado pelo consumo e investimento públicos, enquanto o consumo privado continuou a deteriorar -se. A orientação da política monetária substancialmente mais restritiva, a menor procura externa, a fraca confiança e as incertezas de política afetaram o crescimento. Ao mesmo tempo, as pressões inflacionistas intensificaram -se nos últimos meses, excedendo o limite superior de 6.5% do objetivo de inflação, impulsionadas em larga medida por uma depreciação da taxa de câmbio. Juntamente com as expetativas de elevada inflação, isso levou o banco central a aumentar de novo a taxa de juro da política monetária para 11.25% em outubro (+25 pontos base). A Argentina encontra -se atualmente numa face recessiva. De acordo com o indicador mensal de atividade económica, o produto real desceu -.2% em termos homólogos em setembro de 214. Significativos desequilíbrios internos, inflação elevada e uma posição orçamental fraca estão a prejudicar o crescimento. A menor procura por parte do Brasil, um dos principais parceiros comerciais da Argentina, e a maior incerteza após o incumprimento técnico, no final de outubro, no que respeita às suas obrigações estrangeiras, colocaram um ónus adicional sobre a economia. Pelo contrário, no México, a atividade está a recuperar de um acentuado abrandamento em, beneficiando simultaneamente de uma procura mais forte dos EUA, de uma política orçamental expansionista e de taxas de juro baixas. O crescimento do PIB situou -se em.5% em termos trimestrais em cadeia no terceiro trimestre, o que compara com 1% no trimestre anterior. A perda de dinamismo esteve principalmente associada a um enfraquecimento nos sectores da indústria e dos serviços, enquanto a produção agrícola melhorou. Contudo, o governo está a intensificar esforços no sentido de implementar o pacote de medidas estruturais substanciais introduzido em, que se destinam a estimular o crescimento nos próximos anos. A inflação homóloga dos preços no consumidor recuperou nos últimos meses, atingindo 4.3% em outubro de 214, principalmente impulsionada pelos preços dos produtos agrícolas e energéticos. 1.4 TAXAS DE CÂMBIO Entre o início de setembro e 3 de dezembro de 214, o euro registou uma depreciação face às moedas da maior parte dos principais parceiros comerciais da área do euro. Os movimentos cambiais estiveram amplamente associados à evolução das expetativas quanto à política monetária futura, bem como a 18 Dezembro 214

20 EVOLUÇÃO ECONÓMICA E MONETÁRIA Conjuntura externa da área do euro ajustamentos nas expetativas de mercado quanto às perspetivas económicas na área do euro face a outras grandes economias. Em 3 de dezembro de 214, a taxa de câmbio efetiva nominal do euro, medida face às moedas de 2 dos principais parceiros comerciais da área do euro, situava -se 1.8% abaixo do seu nível no início de setembro e 3.9% abaixo do seu nível um ano antes (ver Gráfico 5 e Quadro 3). Gráfico 5 Taxas de câmbio efetivas nominais do euro, do dólar dos Estados Unidos e do iene do Japão (dados diários; índice: T = 1) euro dólar dos Estados Unidos iene do Japão Contudo, o movimento geral descendente da taxa de câmbio efetiva do euro ao longo do período em análise oculta alguns padrões divergentes da taxa de câmbio bilateral do euro face às moedas não pertencentes à UE. Em termos bilaterais, desde o início de setembro, o euro enfraqueceu face ao dólar dos Estados Unidos (6.1%) e, em muito menor dimensão, face à libra esterlina. Pelo contrário, apreciou -se consideravelmente face ao iene do Japão (7.5%), após o anúncio da expansão do programa de abrandamento monetário quantitativo e qualitativo (quantitative and qualitative monetary easing programme) pelo banco central do Japão no final de outubro. Durante aquele período, o euro registou também uma apreciação face à maioria das moedas dos países exportadores de matérias -primas e a várias moedas das economias de mercado emergentes da Ásia, com a assinalável exceção do renminbi da China, face ao qual registou uma depreciação de 6.1%. Entretanto, desde o início de setembro, o euro fortaleceu -se 33.5% face ao rublo da Rússia Fonte:. Notas: A taxa de câmbio efetiva nominal do euro é calculada face às moedas de 2 dos mais importantes parceiros comerciais da área do euro. As taxas de câmbio efetivas nominais do dólar dos Estados Unidos e do iene do Japão são calculadas face às moedas de 39 dos mais importantes parceiros comerciais dos Estados Unidos e do Japão. 9 8 Quadro 3 Evolução da taxa de câmbio do euro (dados diários; unidades monetárias por euro; variações em percentagem) TCE-2 Renminbi da China Dólar dos Estados Unidos Libra esterlina Iene do Japão Franco suíço Zlóti da Polónia Coroa checa Coroa sueca Won sul -coreano Forint da Hungria Coroa dinamarquesa Novo leu da Roménia Kuna da Croácia Peso na taxa de câmbio efetiva do euro (TCE -2) Variação da taxa de câmbio do euro em 3 de dezembro de 214 face a 1 de setembro de de dezembro de Fonte:. Nota: A taxa de câmbio efetiva nominal é calculada face às moedas de 2 dos parceiros comerciais mais importantes da área do euro. Dezembro

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Boletim Económico. Número 6 / 2015 3,5E 7,5E

Boletim Económico. Número 6 / 2015 3,5E 7,5E Boletim Económico 30 Número 6 / 2015 6E E 3,5E 6E E E 80 100% 53% E 6E 7,5E Índice Evolução económica e monetária Apreciação global 3 1 Conjuntura externa 7 2 Evolução financeira 13 3 Atividade económica

Leia mais

Boletim Económico. Número 8 / 2015 3,5E 7,5E

Boletim Económico. Número 8 / 2015 3,5E 7,5E Boletim Económico 30 Número 8 / 2015 6E E 3,5E 6E E E 80 100% 53% E 6E 7,5E Índice Evolução económica e monetária Apreciação global 3 1 Conjuntura externa 7 2 Evolução financeira 13 3 Atividade económica

Leia mais

BOLETIM MENSAL SETEMBRO

BOLETIM MENSAL SETEMBRO PT BOLETIM MENSAL 9I 27 BANCO CENTRAL EUROPEU 1127 2127 3127 4127 5127 6127 7127 8127 9127 1127 11127 BOLETIM MENSAL SETEMBRO Em 27, todas as publicações do apresentam um motivo retirado da nota de 2.

Leia mais

Boletim Económico Número 2 / 2015

Boletim Económico Número 2 / 2015 3 Número 2 / 215 6E E 3,5E 6E E E 8 1% 53% E 6E 7,5E Banco Central Europeu, 215 Endereço postal 664 Frankfurt am Main Alemanha Telefone +49 69 1344 Internet www.ecb.europa.eu Este Boletim foi preparado

Leia mais

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE MARÇO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO BCE 1

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE MARÇO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO BCE 1 PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE MARÇO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO 1 1. PERSPETIVAS PARA A ÁREA DO EURO: VISÃO GERAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS A recuperação económica apresentou

Leia mais

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE JUNHO DE 2014 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA 1

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE JUNHO DE 2014 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA 1 PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE JUNHO DE 2014 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA 1 A recuperação económica na área do euro deverá registar um fortalecimento gradual ao longo do

Leia mais

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE MARÇO DE 2014 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO BCE 1

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE MARÇO DE 2014 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO BCE 1 PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE MARÇO DE 2014 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO 1 De acordo com as projeções, o crescimento real do PIB permanecerá moderado em 2014, ganhando ritmo a partir

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE SETEMBRO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO BCE 1

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE SETEMBRO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO BCE 1 PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE SETEMBRO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO 1 1. PERSPETIVAS PARA A ÁREA DO EURO: VISÃO GERAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS Espera-se uma continuação da recuperação

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE JUNHO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA 1

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE JUNHO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA 1 PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE JUNHO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA 1 1. PERSPETIVAS PARA A ÁREA DO EURO: VISÃO GERAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS As projeções de junho

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Exercício de stress test na União Europeia. Principais resultados para os bancos portugueses. 23 Julho 2010

Exercício de stress test na União Europeia. Principais resultados para os bancos portugueses. 23 Julho 2010 Exercício de stress test na União Europeia Principais resultados para os bancos portugueses 23 Julho 2010 Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

PROJEÇÕES PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 2015-2017. Caixa 1 Hipóteses do exercício de projeção

PROJEÇÕES PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 2015-2017. Caixa 1 Hipóteses do exercício de projeção PROJEÇÕES PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 2015-2017 Caixa 1 Hipóteses do exercício de projeção Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 7 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 1. Introdução

Leia mais

sobre o relatório do mecanismo de alerta 2013,

sobre o relatório do mecanismo de alerta 2013, COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.11.2012 COM(2012) 751 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO BANCO CENTRAL EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU, AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP)

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) Economia Portuguesa 2009 GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) MFAP GPEARI Unidade de Política Económica i i Ficha Técnica Título Economia Portuguesa

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL. Junho 2015

BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL. Junho 2015 BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL EUROSISTEMA Junho 2015 BOLETIM ECONÓMICO Junho 2015 Lisboa, 2015 www.bportugal.pt BOLETIM ECONÓMICO Junho 2015 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno COMISSÃO EUROPEIA COMUNICADO DE IMPRENSA Bruxelas/Estrasburgo, 25 de fevereiro de 2014 Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno As previsões do inverno da Comissão Europeia preveem

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

BOLETIM MENSAL 04I 2004 BANCO CENTRAL EUROPEU BOLETIM MENSAL ABRIL

BOLETIM MENSAL 04I 2004 BANCO CENTRAL EUROPEU BOLETIM MENSAL ABRIL PT BOLETIM MENSAL 04I 2004 BANCO CENTRAL EUROPEU 0112004 0212004 0312004 0412004 0512004 0612004 0712004 0812004 0912004 1012004 1112004 BOLETIM MENSAL ABRIL Em 2004, todas as publicações do passarão a

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO. sobre o Mecanismo de Alerta

RELATÓRIO DA COMISSÃO. sobre o Mecanismo de Alerta COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 14.2.2012 COM(2012) 68 final RELATÓRIO DA COMISSÃO sobre o Mecanismo de Alerta elaborado em conformidade com os artigos 3.º e 4.º do Regulamento relativo à prevenção e correção

Leia mais

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA UNIÃO EUROPEIA ESTADOS-MEMBROS Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE Fevereiro de 2011 FICHA TÉCNICA Título Informação Estatística União Europeia/Estados-membros,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA OBSERVATÓRIO POLÍTICO DOS ESTADOS UNIDOS INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS INCT-INEU ISSN 2317-7977 VOL.

Leia mais

Indicadores Económicos & Financeiros Julho 2013. Banco de Cabo Verde

Indicadores Económicos & Financeiros Julho 2013. Banco de Cabo Verde Indicadores Económicos & Financeiros Julho 2013 Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Departamento de Estudos Económicos e Estatísticas Avenida Amílcar Cabral, 27 CP 7600-101 - Praia - Cabo Verde Tel:

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU ECB EZB EKT BCE EKP. BOLETIM MENSAL Dezembro 2000 BANCO CENTRAL EUROPEU. Dezembro 2000

BANCO CENTRAL EUROPEU ECB EZB EKT BCE EKP. BOLETIM MENSAL Dezembro 2000 BANCO CENTRAL EUROPEU. Dezembro 2000 BOLETIM MENSAL Dezembro 2000 BANCO CENTRAL EUROPEU PT ECB EZB EKT BCE EKP BANCO CENTRAL EUROPEU B O L E T I M M E N S A L Dezembro 2000 BANCO CENTRAL EUROPEU B O L E T I M M E N S A L Dezembro 2000 Banco

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 Maio 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO Durante 2004, o PIB da América Latina e do Caribe deverá crescer em torno de 4,5%, o que significa um aumento de 3,0% do produto per capita. A recuperação das economias da

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

Relatório Global dos Salários 2014/2015

Relatório Global dos Salários 2014/2015 Sumário Executivo Relatório Global dos Salários 2014/2015 Salários e crescimento equitativo Organização Internacional do Trabalho Genebra Sumário Executivo Iª Parte: Principais tendências nos salários

Leia mais

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO J. Silva Lopes IDEEF, 28 Setembro 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I As perspectivas económicas para os tempos mais próximos II Políticas de estímulo à recuperação

Leia mais

INTRODUÇÃO E SUMÁRIO RELATÓRIO DE CONVERGÊNCIA 2004

INTRODUÇÃO E SUMÁRIO RELATÓRIO DE CONVERGÊNCIA 2004 INTRODUÇÃO E SUMÁRIO RELATÓRIO DE CONVERGÊNCIA INTRODUÇÃO E SUMÁRIO RELATÓRIO DE CONVERGÊNCIA Em, todas as publicações do BCE apresentam um motivo retirado da nota de 100. Banco Central Europeu, Morada

Leia mais

Consumo privado e investimento voltam a recuperar em setembro. Exportações e importações nominais aceleram.

Consumo privado e investimento voltam a recuperar em setembro. Exportações e importações nominais aceleram. mm3m/% 19 de novembro de 2013 SÍNTESE ECONÓMICA DE CONJUNTURA Outubro de 2013 Consumo privado e investimento voltam a recuperar em setembro. Exportações e importações nominais aceleram. Na Área Euro (AE),

Leia mais

1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS

1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 1.1. CONTEXTO MACROECONÓMICO INTERNACIONAL O enquadramento internacional em 13 foi marcado por uma recuperação gradual da atividade, com um crescimento mais expressivo

Leia mais

Textos de política e situação económica

Textos de política e situação económica A ECONOMIA PORTUGUESA EM 1999 1. INTRODUÇÃO As previsões do Banco de Portugal apresentadas neste Boletim Económico apontam para uma desaceleração do Produto Interno Bruto (PIB) em 1999, que deverá crescer

Leia mais

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir IP/08/1831 Bruxelas, 28 de Novembro de 2008 Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir De acordo com um relatório publicado hoje pela Comissão Europeia,

Leia mais

Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em 4T14

Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em 4T14 dez 1 ANÁLISE ECONÓMICA Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em T1 Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento / Ana María Almeida Claudino Neste último trimestre

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011 Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses Julho Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado ao nível da União

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.6.2015 COM(2015) 314 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos PT PT RELATÓRIO

Leia mais

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional:

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional: Relatório Mensal Janeiro de 2015 Cenário Internacional: EUA O diagnóstico dos membros do Federal Open Market Comittee (Fomc) sobre a atividade econômica é positivo: os EUA estão crescendo mais que a previsão,

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Indicadores de Conjuntura 4 2009. Disponível em www.bportugal.pt Publicações

Indicadores de Conjuntura 4 2009. Disponível em www.bportugal.pt Publicações Indicadores de Conjuntura 2009 Disponível em www.bportugal.pt Publicações ENQUADRAMENTO DA ECONOMIA PORTUGUESA Na reunião de 2 de Abril, o Conselho do Banco Central Europeu (BCE) reduziu as taxas de juro

Leia mais

A estabilidade de preços é importante porquê? Brochura informativa para os alunos

A estabilidade de preços é importante porquê? Brochura informativa para os alunos A estabilidade de preços é importante porquê? Brochura informativa para os alunos O que é que podes comprar com uma nota de 10? Que tal dois CD-singles ou talvez a tua revista preferida todas as semanas,

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea 7 ECONOMIA MUNDIAL QUADRO GERAL O cenário econômico mundial não apresentou novidades importantes nos primeiros meses de 2013, mantendo, em linhas gerais, as tendências observadas ao longo do ano passado.

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Relatório Global sobre os Salários 2012/13

Relatório Global sobre os Salários 2012/13 Relatório Global sobre os Salários 212/13 Salários e crescimento equitativo Organização Internacional do Trabalho Genebra Principais tendências nos salários A crise continua a refrear os salários Em termos

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% Estatísticas do Comércio Internacional Abril 215 9 de junho de 215 Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% As exportações de bens aumentaram 8,2% e as importações

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2014 A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro Em 2014, o Índice de

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados obtidos no inquérito realizado em outubro aos cinco grupos bancários

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP O mercado de câmbio brasileiro, no primeiro bimestre de 2014 Grupo de Economia / Fundap O ano de 2014 começou com um clima bem agitado nos mercados financeiros internacionais, com o anúncio feito pelo

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

A EUROPA FINANCEIRA. Lisboa, 30 Novembro 2011

A EUROPA FINANCEIRA. Lisboa, 30 Novembro 2011 A EUROPA FINANCEIRA Lisboa, 30 Novembro 2011 As economias avançadas confrontam-se com o esgotamento do modelo de crescimento baseado num endividamento e com efeitos sofríveis no potencial de crescimento

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU ECB EZB EKT BCE EKP. BOLETIM MENSAL Agosto 2002 BANCO CENTRAL EUROPEU. Agosto 2002

BANCO CENTRAL EUROPEU ECB EZB EKT BCE EKP. BOLETIM MENSAL Agosto 2002 BANCO CENTRAL EUROPEU. Agosto 2002 BOLETIM MENSAL Agosto 2002 BANCO CENTRAL EUROPEU PT ECB EZB EKT BCE EKP BANCO CENTRAL EUROPEU B O L E T I M M E N S A L Agosto 2002 BANCO CENTRAL EUROPEU B O L E T I M M E N S A L Agosto 2002 Banco Central

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

Produto Interno Bruto 100.0 0.3 1.2 1.5 0.3 0.8 1.0

Produto Interno Bruto 100.0 0.3 1.2 1.5 0.3 0.8 1.0 Textos de Política e Situação Económica Verão 26 PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 26-27 1. INTRODUÇÃO Neste artigo apresenta-se o cenário macroeconómico para a economia portuguesa projectado pelo

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

RELATÓRIO DE POLÍTICA MONETÁRIA

RELATÓRIO DE POLÍTICA MONETÁRIA RELATÓRIO DE POLÍTICA MONETÁRIA (ao abrigo do n.º 3 do art.º 18º da Lei Orgânica) Banco de Cabo Verde Novembro de 2011 Banco de Cabo Verde / Novembro 2011 BANCO DE CABO VERDE Departamento de Estudos Económicos

Leia mais

1. Avaliação Global... 6

1. Avaliação Global... 6 BOLETIM ANUAL DE ECONOMIA 2012 CIP Confederação Empresarial de Portugal ÍNDICE DE ASSUNTOS 1. Avaliação Global... 6 2. Desempenho da economia portuguesa em 2012... 10 2.1. Evolução do PIB em 2012 e comparação

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Notas sobre o formulário Acto de Oposição

Notas sobre o formulário Acto de Oposição INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (IHMI) Marcas, Desenhos e Modelos Notas sobre o formulário Acto de Oposição 1. Observações gerais 1.1 Utilização do formulário O formulário pode ser obtido

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais