PLANO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PRAD, UMA FERRAMENTA PARA O LICENCIAMENTO FLORESTAL DA PROPRIEDADE RURAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PRAD, UMA FERRAMENTA PARA O LICENCIAMENTO FLORESTAL DA PROPRIEDADE RURAL"

Transcrição

1 PLANO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PRAD, UMA FERRAMENTA PARA O LICENCIAMENTO FLORESTAL DA PROPRIEDADE RURAL AUTORES:SUYANE SARAIVA LIMA; CANILDA CRUZ; DANILO LEOBAS;CASSIO LUIZ FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CURSO:TECNOLOGIA EM GESTAO AMBIENTAL ARTIGO CIENTIFICO PARA ENCERRAMENTO DE SEMESTRE ORIENTADO POR Prof.º CID TACAOCA MURAISHI JUNHO DE RESUMO- O Licenciamento Florestal da Propriedade Rural, é uma importante ferramenta de planejamento e gestão da propriedade rural, do ponto de vista ambiental, sendo este documento construído por profissionais especializados e liberado pelo órgão estadual de meio ambiente, que no estado do Tocantins denomina-se por Instituto Natureza do Tocantins(NATURATINS. Esse órgão é quem analisa a documentação e verifica se a propriedade esta atendendo todas as exigências das leis ambientais desde a esfera federal ate as municipais. O objetivo deste trabalho é demonstrar os métodos e a importância da construção do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas, no processo de licenciamento florestal haja visto que encontra-se na maioria das propriedades passivos ambientais, que implicam na falta da porcentagem de reserva legal e áreas de proteção permanente que demanda esta ação. Palavras-chaves: Licenciamento, recuperação, reserva legal RECOVERY PLANS FOR DEGRADED AREAS-PRADO, A TOOL FOR LICENSING OF FORESTRY RURAL PROPERTY ABSTRACT-The Rural Property Licensing Forest, is an important tool for planning and management of rural property from the environmental point of view, this document is built by professionals and released by the national state of the environment that the state of Tocantins-called if by the nature of the Tocantins (NATURATINS. This body is who reviews the documentation and verify if the property that given all the requirements of environmental laws from the federal to the municipal sphere. The objective of this work is to demonstrate the methods and the importance of building the Plan for recovery of degraded areas, in the process of licensing forest since there is at most properties environmental liabilities, which imply the absence of the percentage of legal reserve and permanent protection of areas that demand this action. key-words: Licensing, recovery, legal reserve

2 INTRODUÇÃO: Como deveria ser do conhecimento de todos, áreas disponíveis para agricultura, silvicultura, fruticultura, ou outras formas de culturas, tem que ser usada da melhor maneira possível, gerando o menor impacto possível.e as áreas não disponíveis ou aquelas que por motivos especiais tem que ser preservadas, precisam estar com florestas.os solos do planeta terra, são divididos e normalmente possuem donos, que são os proprietários das terra, esses proprietários tem o direito sobre sua terra, entretanto, nem tudo o que esta dentro de suas propriedades pode ser usado da forma que o proprietário quiser, pois existem leis que determinam que algumas coisas são de uso comum por mais que estejam dentro de uma propriedade particular. Código Florestal, Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, Art.1 - As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de utilidades às terras que revestem, são bens de interesse comum a todos os habitantes do pais, exercendo-se os direitos de propriedade, com limitações que a legislação em geral especialmente esta lei estabelecem. Dentre essas formas de vegetação que são de interesse comum a todos os cidadãos do pais, portanto o proprietário não pode usá-la da maneira que lhe convir mesmo estando em sua propriedade, pode-se destacar : áreas de reserva legal, áreas de proteção permanente, cursos d água, áreas de encostas com declividade superior a 45, dentre outras. Para controlar todas essas questões e para a verificação e o acompanhamento da situação legal das propriedades, existem os órgãos ambientais, no estado do Tocantins o órgão ambiental responsável é o Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) que tem no estado a função de executar as políticas do meio ambiente que variam desde a esfera federal ate as municipais, e ainda tem a função de monitorar e fazer controle ambiental dos recursos naturais e da forma como os empreendimentos são estabelecidos e o controle para que sejam executados dentro da legislação ambiental. Dentre as funções do órgão ambiental do estado esta a de instituir os procedimentos e acompanhamento para o Licenciamento Florestal da Propriedade Rural (LFPR), Como todo órgão ambiental o Naturatins esta anparado em lei, e a legislação estadual que lhe confere poder sobre o Licenciamento Florestal da Propriedade Rural é: Instrução Normativa /Naturatins/s. 003, de 1o de julho de 2004: Institui o Licenciamento Florestal da Propriedade Rural no Estado do Tocantins. Considerando, finalmente, que cumpre ao Naturatins adotar as medidas destinadas a instituir os procedimentos e rotinas específicos para o Licenciamento Florestal da Propriedade Rural no Estado do Tocantins, até a manifestação final daquele Colegiado; Resolve: Art. 1o Instituir, no âmbito de competência do Naturatins, o Licenciamento Florestal da Propriedade Rural - LFPR, constituído por procedimentos e rotinas para obtenção da regularidade ambiental das propriedades rurais no Estado do Tocantins, notadamente em relação à averbação de reserva legal, avaliação das áreas de preservação permanente, áreas remanescentes e convertidas para uso alternativo do solo. 1 Reserva Legal é a área da propriedade rural destinada a

3 conservação da biodiversidade, de utilização limitada, onde a exploração dos seus recursos florestais somente é permitida através de técnicas de manejo sustentável. 2 A área de reserva legal deverá ser averbada à margem da matrícula do imóvel no Cartório de Registro de Imóveis competente. 3 As áreas de preservação permanente, para fins desta Portaria, são aquelas previstas nas leis, federal e estadual, que tratam da gestão dos recursos florestais. 4 As áreas remanescentes são as cobertas por vegetação nativa ou em regeneração que podem ser convertidas para uso alternativo do solo. Art. 2o O Licenciamento Florestal da Propriedade Rural tem por objetivo: I - autorizar o cartório de imóveis a averbar na margem da matricula da propriedade rural a sua área de reserva legal; II - obrigar a recuperação de áreas alteradas da Reserva Legal e/ou Área de Preservação Permanente; III firmar compromisso para a averbação futura da reserva legal em propriedades sem titulação definitiva, mas com comprovante de justa posse; IV autorizar: a) a retificação ou relocação da área de reserva legal da propriedade rural; b) o desmembramento de matrícula de propriedades rurais que já possuam averbação de reserva legal; c) o desmatamento de áreas requeridas para uso alternativo do solo; d) a queima controlada; Pode observa-se assim que o Naturatins tem um poder de policia e controle muito grande sobre a função social da propriedade, e a liberação da LFPR só ocorre se tudo na propriedade estiver de acordo com a legislação ambiental, porem o que é muito comum em todo o estado é a falta da porcentagem adequada de Reserva legal e Áreas de proteção permanente no estado. Como alternativas para solução de muitos desses problemas que impossibilitam o LFPR, encontra-se os PRAD`s que são Planos de Recuperação de Áreas degradadas, que podem muitas vezes propor ações simples como a regeneração natural, e se torna uma ótima ferramenta para o órgão ambiental, já que o mesmo esta contando com a disponibilidade do proprietário de estar disposto a resolver a sua situação legal. Para mostrar que é possível usar esses Prad`s como ferramenta para o LFPR sera apresentado no trabalho que segue abaixo, o que é necessário para se fazer o LFPR, e como esses planos podem funcionar mostrando, um prad feito para uma media propriedade situada no município de Palmas-TO. DESENVOLVIMENTO: O Licenciamento Florestal da Propriedade Rural (LFPR), é liberado no estado do Tocantins pelo órgão ambiental responsável, Naturatins. O órgão é quem estabelece as condições, restrições e medidas de controle ambiental que deverão ser obedecidas pelos proprietários das propriedades rurais. Para que esse licenciamento seja liberado o órgão analisa em primeira estância os documentos que são enviados ao Naturatins. Para que haja a liberação do protocolo, e por fim o CRF(Certificado de Regularização Florestal) é necessário que esses documentos e formulários que são entregues contenham informações compatíveis, já que um técnico será enviado a campo para checagem das informações. Todos os documentos necessários e formulários são disponibilizados no site do Naturatins (www.naturatins.com.br), ou no

4 próprio órgão. O processo para pedido de deferimento da LFPR de uma propriedade é feito por consultores cadastrados no órgão, os documentos que tem que ser entregues no processo são: 1- Requerimento padrão; 2- Formulário de Caracterização do grupo Florestal; 3-Certidão de inteiro teor; 4-Certidão negativa de debito; 5-Documentos pessoais do proprietário (RG, CPF, CNPJ, INSCRIÇÃO ESTADUAL); 6-Em caso de procuração: procuração e documento do procurados(autenticados); 7-Croqui de acesso (endereçamento da propriedade via desenho); 8-Memorial descritivo reserva legal(carta); 9-Carta-imagem; 10- Mídia digital (arquivos shape file, carta-imagem, memorial descritivo). As propriedades tem de ser divididas em classes: Área de remanescentes, que são as áreas de uso alternativo, Áreas de preservação permanente (APP`s) e Área de Reserva Legal, toda propriedade rural tem que ter, no Tocantins a proporção de reserva legal varia, por exemplo nas áreas de floresta amazônica esse percentual precisa ser de 80% da propriedade, nos casos de cerrado de 35% e abaixo do paralelo 13, o mesmo tem de ser de 20%. As APP s segundo a resolução Conama 303de 20 de março de 2002, Art 3, inciso I alínea a)a área de preservação permanente tem de ser de 30 metros para cursos d`água com menos de dez metros de largura. Ou seja, o licenciamento não é liberado caso haja irregularidades nos termos estabelecidos acima, as App`s devem ser mantidas para proteção dos cursos d`água, evitando o assoreamento dos rios ou ainda uma perda desse manancial, essa proteção são as matas ciliares, como o próprio nome já diz essas matas funcionam como cílios e protegem contra excedentes que na sua ausência seriam mandado diretamente para o curso d`água. As áreas de reserva legal, são áreas de interesse biológico, como o próprio Código Florestal conceitualista: O conceito de reserva legal é dado pelo Código Florestal, em seu art. 1, 2, III, inserido pela MP n , de , sendo: "área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, excetuada a de preservação permanente, necessária ao uso sustentável dos recursos naturais, à conservação e reabilitação dos processos ecológicos, à conservação da biodiversidade e ao abrigo e proteção de fauna e flora nativas". Ou seja, não adianta escolher qualquer fragmento isolado de floresta, sem valor agrícola, ou com afloramento de rocha isolado e querer colocá-lo como reserva legal da propriedade, esses fragmentos podem ate ser utilizados desde que sejam feitos interligações e criações de corredores ecológicos desses fragmentos com outros da propriedade. O objetivo de se manter uma área de reserva legal é justamente a conservação da biodiversidade, de forma que sua utilização tem de ser feita de forma limitada, Essa área pode ser explorada desde que a exploração dos recursos ambientais sejam permitidas somente através de técnicas de manejo sustentável. Mantendo assim a função da área e a função social da propriedade. As exigências da forma física da reserva legal é que essa área seja revestida de cobertura vegetal característica da região e preferencialmente tenham o formato circular. Grande parte dos problemas e indeferimento dos processos de licenciamento ambiental é justamente a falta da porcentagem

5 correta ou das App`s ou da reserva legal. Para resolver esses problemas, sobretudo, quando diz respeito a reserva legal os proprietários fazem compensação da reserva legal fora das suas propriedades, pagando assim o que se deveria ter de reserva legal em propriedade de terceiros, o proprietário que vende suas terras entra no regime de servidão florestal. A servidão florestal é o mecanismo que permite ao proprietário de imóvel rural com Título de Domínio oferecer parte de sua fazenda para figurar como reserva legal de terceiros, desde que esteja localizada na mesma bacia hidrográfica, que prevê que o dono de uma área poderá emitir certificado e negociar um valor com os interessados em preservá-la a fim de compensar a destruição de reserva legal nas terras. Porem, fazer compensação de reserva legal em áreas de terceiros sai financeiramente caro, para grandes proprietários de terra isso é viável, mas para médios e pequenos proprietários essa alternativa não é interessante, sobretudo por que em diversos casos existe na própria propriedade condições e potencial para se fazer a recuperação da propriedade rural. Nesses casos é mais interessante para o órgão ambiental saber que a situação estará correta daqui uns cinco ou dez anos do que não se ter nenhuma expectativa em torno da propriedade e o proprietário continuar ilegal, e acabar tendo de ser autuado. Para se recuperar uma área de preservação permanente ou reserva legal. Pode ser feito um plano de recuperação de áreas degradadas-prad, se o mesmo for aprovado pelo órgão ambiental, o proprietário pode evitar a compensação da reserva fora de sua propriedade e ainda criar ali uma floresta nativa na qual ele pode inclusive fazer exploração desde que ele faça um plano de manejo daquela reserva, essa recuperação pode ser feita com um baixo custo na maioria dos casos. MATERIAIS E METÓDOS: Para mostra que um PRAD pode conter alternativas simples e de expectativas significativas em torno dos resultados, sera apresentado abaixo o modelo de um simplificado feito com estudo de campo, resalva que o objetivo do prad nesse trabalho é apenas o de mostrar que é vialvel a utilização do mesmo como ferramenta para o LFPR, e para a liberação mais rapida do CRF, e como pode ser feita uma adequação da propriedade atravez de alternativas simplificadas, mesmo a longo ou medio prazo. A propriedade apresentada trata-se de uma propriedade do Município de Palmas-TO, e encontra-se com problemas desde curso d água sem app ate falta da porcentagem de reserva legal, e lago artificial sem app. E não pode receber o Certificado de Regularidade Florestal sem um plano no qual se garanta a mudança da situação atual da propriedade. PLANO DE RECUPERAÇÃO DE AREAS DEGRADADAS - PRAD Apresentação: O documento visa apresentar um programa para recuperação das áreas que foram degradadas e que são objetos de impedimento da liberação do de regularidade florestal-crf, pois a propriedade não possui a porcentagem de reserva legal e áreas de proteção permanente, que são exigidas pelas legislações ambientais, bem como propor e detalhar as medidas preventivas, mitigadoras e compensatórias necessárias e após identificado o passivo ambiental proceder com as medidas administrativas cabíveis de acordo com legislação vigente.

6 Caracterização da propriedade: Propriedade: Fazenda Cristo Rei; Área: 1500 ha.endereço: Rodovia TO 030, KM 12, Palmas TO; Proprietário: Nolberto Felipe Saraiva da Rocha; Rg: ssp-to;cpf: Caracterização da área: A propriedade em questão realiza atividade produtiva de pastagens, e para a construção de pastos efetuou desmatamentos em áreas de preservação permanente, ou seja, área próxima a curso d água (app s), e existe na propriedade um lago artificial que também não possui app, e a porcentagem de reserva legal esta menor que a prevista em lei. Na área de Mata Ciliar ocorreu a supressão da mata nativa para extensão da área pastagens e para dissentação animal, segundo Resolução CONAMA 303, de 20 de março de 2002, art. 3ª, inciso I, alínea a):art. 3ª. Constitui Área de Preservação Permanente a área situada:em faixa marginal, medida a partir do nível mais alto, em projeção horizontal, com largura mínima, de: a)30 metros, para curso d água com menos de 10 metros de largura; Abaixo na figura 1, pode ser observada a situação da propriedade: Caracterização da propriedade: (Meio Biótico) Fauna: Foram identificadas as seguintes espécies: Na fauna terrestre: Anta(Tapirus terrestris), Cutia(Dasyprocta aguti), Lontra (Lutra longicaudis), Preá(Gavia prera) e Suçuarana(Felis concolor).-na Fauna aquática: Pacu(Colossoma macropomum), Mandi(Pimelodela gracilis), Piau flamengo(leporinus fasciatus), Traira(Hoplias malabaricus) e Tucunaré(Cichla spp), aladas:jaó (Crypturellus undulatus), Inhambuchororó(Crypturellus parvirostris), Mutum-de-penacho(crax fasciolata), Juriti(Leptolila sp), Tucanuçu(Ramphastos toco) e Frango-d gua (Gallinula chloropus). Flora: A características da flora deste empreendimento constituem em mata de galeria e fragmentos de cerrado. Na mata de galeria há uma grande ocorrência das seguintes espécies arbóreas: Pindaíba(Duguetia lanceolata), Imbaúba (Cecropia pachystachya), Sangra-d água (Cróton urucurama), Gameleira(Fícus guaranítica), Jenipapo(Genipa americana), e Ingá comum(ingá endulis). Os fragmentos de cerrado as espécies predominantes são o Barbatimão(Stryphnodendron barbatiman), Pequi(Caryocar brasiliense) e o Pau-terra(Qualea multiflora). Meio Físico: O empreendimento esta localizado no município de Palmas-TO. Está inserido na Bacia Tocantins-Araguaia e o clima é tropical e tem como principal atividade econômica a agropecuária. No local do empreendimento o solo tem as seguintes características: Solo aluvial, hidromórficos e arenoso, com o relevo plano. Na propriedade contém 01(um) curso d agua, que é o ribeirão Taquaruçu, e um lago artificial, e ainda fragmentos de cerradão próximos as áreas degradadas.

7 Avaliação das áreas degradadas. Avaliação das áreas degradadas:foi realizado a avaliação do aspecto das áreas degradadas a ser recuperadas, e de suas suas características no intuito de verificar os graus de degradação e definir as técnicas mais adequadas de recuperação. Neste sentido constatou-se as alterações ocorridas nas áreas de preservação permanente, para o aumento do pasto, foram realizadas as medições e a análise da resiliência, ou seja a capacidade de auto regeneração, identificando a ocorrência de espécies regenerantes. A situação encontrada e posteriormente analisada resultou na baixa capacidade de auto regeneração em virtude do adensamento da pastagem e seu grau de desenvolvimento, assim nas margens do curso dágua não se pode contar com a regeneração natural. RESULTADOS E DISCUSSÃO Considerando a área como num todo e verificando a situação atual da propriedade, pode-se definir as técnicas de recuperação dessa área: Para a recuperação da área, será necessário substituir o solo exposto da beira do rio por espécies nativas, nas áreas de interesse ecológico. Portanto sera usado uma forma de adequação dessa área, não pode-se contar com a regeneração natural, consequentemente sera feita a tentativa de adequar da melhor maneira possível a propriedade a título de aproveitar tudo o que se tem na propriedade, pode-se fazer entao resgate de plântulas, assim poderá manter a diversidade de espécies e ainda terá um baixo custo para conseguir, como serão utilizadas poucas mudas produzidas em viveiros, estas apenas serão utilizadas para enriquecimento do local não precisará ter gastos com produção de mudas, as mesmas poderão ser compradas, poupando gastos extras com funcionários, de forma que o investimento que seria feito para criação de um viveiro será aplicado na compra de mudas já prontas. Como terá que ser feita a recuperação tanto as margens do rio, como o lago artificial e ainda conseguir a porcentagem de reserva legal, podese fazer um corredor ecológico aproveitando o lago artificial, e a App conservada e o maior fragmento de terra da propriedade, assim existirá toda uma área preservada que poderá ser utilizada de maneira sustentável desde que o proprietário faça um plano de manejo, conforme indicado na imagem abaixo, e aproveitar para tirar esses fragmentos isolados da parte superior da propriedade e fazer uma extensão do pasto para a área superior, com a retirada dessa vegetação poderá ser utilizado parte desse solo(a parte mais superficial) e transferir este banco de sementes, e de plântulas para as áreas que serão restauradas, resolvendo assim o problema de solo exposto, sem gastos com correção de solo, e ainda aumentando a área de pastagem sem perda da função social da propriedade aproveitando assim o que seria resíduos. Figura abaixo mostrar como será procedido todos esses passos:

8 e nas áreas de ocorrência de erosões serão construídos barreiras de contenção, bem como na área produtiva será feito as curvas de nível. Segue abaixo a tabela de ações a serem desenvolvidas, com a germinação das espécies nativas: Ação Técnica Proteção da área 1 - Isolamento da área; 2 Retirada de fatores de degradação; Manejo da 3 Eliminação vegetação Seletiva de degradada qualquer especie existente que não seja nativa; 4 Controle de competidoras; Monitoramento e 5- Fazer a avaliação avaliação do desenvolvimento das espécies, ocorrência de morte, causas e efeitos. Medidas e controle de prevenção: Para garantir a boa recuperação e posteriormente capacidade de autoregeneração, serão tomados aos seguintes cuidados:serão construídos aceiros para impedir a entrada de fogo nos primeiros anos de implantação do projeto. Nas encostas CONCLUSÃO: Diante do exposto pode-se concluir que o Licenciamento Florestal da ropriedade Rural, é um procedimento que é completamente embasado na legislação ambiental, que desde que contenha apresentação coerente das informações e que as mesmas sejam compatíveis com as observadas em campo, torna-se um procedimento fácil, porem se existir irregularidades de acordo com a legislação o órgão ambiental fica impossibilitado de liberar o certificado de regularidade florestal e o proprietário tem que buscar formas de estar legalizando sua situação da melhor maneira possível. Como alternativa para esses proprietários foi apresentado um Plano de Recuperação de Áreas Degradadas como uma ferramenta fácil e de ótima viabilidade econômica, tendo como base a adequação das situações ja existentes na propriedade, que pode ser desde fragmentos de florestas, ate o aproveitamento de banco de sementes e indução de regeneração natural. Ressalva que cada prad varia de acordo com a situação da propriedade, e muito ainda tem que ser estudado ate que se tenha um metódo adequado para diminuir o passivo ambiental.

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Desoneração de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS LEGISLAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA COMPENSAÇÃO DE RESERVA LEGAL. De acordo com o Art. 1.º da Lei 4.771/1965, As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de

Leia mais

Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 2.713, DE 9 DE MAIO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 3.876 Institui o Programa de Adequação Ambiental de Propriedade e Atividade Rural TO-LEGAL, e adota outras providências. O Governador

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS:

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS: O mais importante Do novo Código Florestal Engª Agrônoma Carla Beck- FAEP/DTE As propriedades rurais ocupadas até 22 de julho de 2008, terão que cumprir as seguintes regras estabelecidas pelo novo Código

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content Lei nº 12.651, de 25.5.2012 - Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis n os 6.938, de 31 de agosto

Leia mais

Mais informações e a lista completa de signatários estão disponíveis no site da iniciativa, em www.dialogoflorestal.org.br.

Mais informações e a lista completa de signatários estão disponíveis no site da iniciativa, em www.dialogoflorestal.org.br. APRESENTAÇÃO Este documento apresenta em detalhes as propostas consolidadas pelo Diálogo Florestal como contribuição ao debate sobre a revisão do Código Florestal Brasileiro, em curso no Congresso Nacional.

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS Principais Objetivos da Política Ambiental de MS para o Setor Florestal Reduzir a pressão sobre a vegetação nativa, especialmente aquela

Leia mais

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Joelson de Souza Passos Estudante de Graduação Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Brasil Resumo O código

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Decreto nº 53.939, de 6 de janeiro de 2009 Dispõe sobre a manutenção, recomposição, condução da regeneração natural, compensação e composição da área de Reserva Legal de

Leia mais

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Novo Código Florestal Lei 12.651/12 Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Fevereiro - 2013 ROTEIRO 1. HISTORICO DO CODIGO FLORESTAL a. EVOLUCAO DOS CONCEITOS

Leia mais

Uso econômico da Reserva Legal

Uso econômico da Reserva Legal Uso econômico da Reserva Legal Regulamentação Garantindo a propriedade Usos econômicos possíveis O uso econômico da Reserva Legal é viável? Reserva Legal - Definição Área particular protegida localizada

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS CONDIÇÃO OBRIGATÓRIA EXECUÇÃO DE PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS CONSIDERADAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ATINGIDAS COM PLANTIOS E MANUTENÇÃO DE ÁRVORES NATIVAS DA REGIÃO E/OU CONDUÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL,

Leia mais

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Novo Código Florestal (Lei 12651) Eng Agrônomo Ricardo Moraes Witzel, Msc Concepção de Propriedade Sustentável A discussão do novo código florestal

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são e como criá-las

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são e como criá-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são e como criá-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são e como criá-las! Olá! Você já ouviu falar das Cotas de Reserva Ambiental (CRAs)? O que são Cotas de Reserva Ambiental?

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/33 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Introdução Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso Curtarelli 2/33 Conteúdo

Leia mais

Adequação Ambiental /CAR: Programa Soja Pus. Cristiane Sassagima Neves Engenheira Florestal Analista de Projetos Aprosoja 2015

Adequação Ambiental /CAR: Programa Soja Pus. Cristiane Sassagima Neves Engenheira Florestal Analista de Projetos Aprosoja 2015 Adequação Ambiental /CAR: Programa Soja Pus Cristiane Sassagima Neves Engenheira Florestal Analista de Projetos Aprosoja 2015 MISSÃO Garantir a competitividade e a sustentabilidade dos produtores de soja

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural

Cadastro Ambiental Rural Cadastro Ambiental Rural E suas possíveis contribuições para a gestão de bacias hidrográficas Botucatu 28/06/2013 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT 2011 Diagnóstico Ambiental do Município de Apiacás MT Carolina de Oliveira Jordão Vinícius Freitas Silgueiro Leandro Ribeiro Teixeira Ricardo Abad Meireles

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 3.320, DE 12 DE JULHO DE 2004 (D.O.E.PR. Nº 6769 DE 12/07/2004)

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 3.320, DE 12 DE JULHO DE 2004 (D.O.E.PR. Nº 6769 DE 12/07/2004) GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 3.320, DE 12 DE JULHO DE 2004 (D.O.E.PR. Nº 6769 DE 12/07/2004) Aprova os critérios, normas, procedimentos e conceitos aplicáveis ao SISLEG Sistema

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Conceitos /

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS O que é Módulo Fiscal / agricultura familiar Classificação dos imóveis até 4 módulos fiscais Como e onde consultar os módulos fiscais

Leia mais

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Entendendo o Código Florestal II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Tópicos abordados hoje: * Florestas no Planejamento Federal; * Lei 12.651/12 Estrutura

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL Eduardo de Mércio Figueira Condorelli desenvolvimentosustentavel@farsul.org.br Ibirubá (RS), 08 de maio de 2014 O TAMANHO DA AGROPECUÁRIA NACIONAL Área

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

b) cinqüenta hectares, se localizada no polígono das secas ou a leste do Meridiano de 44º W, do Estado do Maranhão; e

b) cinqüenta hectares, se localizada no polígono das secas ou a leste do Meridiano de 44º W, do Estado do Maranhão; e MEDIDA PROVISÓRIA N o 2.166-67, DE 24 DE AGOSTO DE 2001. Altera os arts. 1 o, 4 o, 14, 16 e 44, e acresce dispositivos à Lei n o 4.771, de 15 de setembro de 1965, que institui o Código Florestal, bem como

Leia mais

LEI Nº 14.675/2009 CÓDIGO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

LEI Nº 14.675/2009 CÓDIGO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE LEI Nº 14.675/2009 CÓDIGO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE ELABORAÇÃO DO CÓDIGO ESTADUAL 2007: Determinação do Sr. Governador do Estado à FATMA Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina para a elaboração de

Leia mais

Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015.

Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015. Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015. Estabelece diretrizes e procedimentos para o cumprimento da compensação ambiental decorrente do corte e da supressão de vegetação nativa pertencente ao bioma

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

Breve Histórico das Leis Ambientais Aplicadas à Propriedade Rural

Breve Histórico das Leis Ambientais Aplicadas à Propriedade Rural Breve Histórico das Leis Ambientais Aplicadas à Propriedade Rural Código florestal 1934 Código das águas Novo Código florestal 1965 Política Nacional de Meio Ambiente 1981 Mudança na mata ciliar 1986/9

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL. Luiz Carlos Estraviz Rodriguez ESA "Luiz de Queiroz" ESALQ/USP (luiz.estraviz@esalq.usp.

ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL. Luiz Carlos Estraviz Rodriguez ESA Luiz de Queiroz ESALQ/USP (luiz.estraviz@esalq.usp. ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL Luiz Carlos Estraviz Rodriguez ESA "Luiz de Queiroz" ESALQ/USP (luiz.estraviz@esalq.usp.br) 1 SUMÁRIO 1. Conceituando restauração 2. Recuperar. Por

Leia mais

LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965

LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965 LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965 Institui o Novo Código Florestal.... Art. 3º Consideram-se, ainda, de preservação permanentes, quando assim declaradas por ato do Poder Público, as florestas e demais

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR

CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR 1. MÓDULO DE IDENTIFICAÇÃO DO IMÓVEL Nome do Imóvel: Município: Imóvel em Zona: [ ] Rural [ ] Expansão Urbana [ ] Urbana Referência de acesso: Endereço

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial:

Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial: 1. ETAPA CADASTRANTE Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial: Endereço do Cadastrante: Logradouro Número: Complemento: Bairro:

Leia mais

SISLEG SISTEMA ESTADUAL DE MANUTENÇÃO, RECUPERAÇÃO E PROTEÇÃO DA RESERVA LEGAL E DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

SISLEG SISTEMA ESTADUAL DE MANUTENÇÃO, RECUPERAÇÃO E PROTEÇÃO DA RESERVA LEGAL E DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE SISLEG SISTEMA ESTADUAL DE MANUTENÇÃO, RECUPERAÇÃO E PROTEÇÃO DA RESERVA LEGAL E DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ÍNDICE DE CAPÍTULOS CAPÍTULO I GESTÃO DO SISLEG CAPÍTULO II OPERACIONALIZAÇÃO DO SISLEG

Leia mais

Novo Código Florestal Orientações Gerais ao Produtor Rural

Novo Código Florestal Orientações Gerais ao Produtor Rural Outubro 2012 Novo Código Florestal Orientações Gerais ao Produtor Rural Mediante a publicação da lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012; da lei nº 12.727, de 17 de outubro de 2012; e do Decreto nº 7.830,

Leia mais

Conhecendo as Leis. Sistema Jurídico Ambiental 1988 - O novo código florestal passa por 82 modificações sendo 67 por MP(1996-2001)

Conhecendo as Leis. Sistema Jurídico Ambiental 1988 - O novo código florestal passa por 82 modificações sendo 67 por MP(1996-2001) Conhecendo as Leis 1972 1988 1992 193-- 1965 1981 1986 1989 1996 1997 1998 2000/1 1964 1991 2005 O novo código florestal passa por 82 modificações sendo 67 por MP(1996-2001) Sistema Jurídico Ambiental

Leia mais

TEXTO EM VIGOR EM VERDE

TEXTO EM VIGOR EM VERDE BUREAUX JURÍDICOS ASSOCIADOS Porto Alegre-RS Brasília-DF São Paulo-SP Belo Horizonte-MG Ricardo Alfonsin Advogados Ricardo Barbosa Alfonsin OAB/RS 9.275 Breno Moreira Mussi OAB/RS 5.791 Arilei Ribeiro

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2014, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2014. PUBLICADA NO DOE/PA Nº 32594, DE 28/02/2014, CADERNO 5 PÁGINAS 6-8 Data: 26 de fevereiro de 2014. Define procedimentos administrativos para a

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO PRAD Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PRAD O Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD), deverá

Leia mais

MMA/Agricultura Familiar (CONTAG, FETRAF-CUT, MPA): Bases socioambientais para o desenvolvimento sustentável no campo

MMA/Agricultura Familiar (CONTAG, FETRAF-CUT, MPA): Bases socioambientais para o desenvolvimento sustentável no campo MMA/Agricultura Familiar (CONTAG, FETRAF-CUT, MPA): Bases socioambientais para o desenvolvimento sustentável no campo Art. Para os efeitos desta MP, a pequena propriedade rural ou posse rural familiar,

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Atenção: Esta lista de documentos tem vigência até que o Cadastro Ambiental Rural (CAR) seja efetivamente implantado por ato da Ministra

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL. ELON DAVI JAGUSZEWSKI Engenheiro Florestal Técnico em Agropecuária CREA/SC 091.142-4

CADASTRO AMBIENTAL RURAL. ELON DAVI JAGUSZEWSKI Engenheiro Florestal Técnico em Agropecuária CREA/SC 091.142-4 CADASTRO AMBIENTAL RURAL ELON DAVI JAGUSZEWSKI Engenheiro Florestal Técnico em Agropecuária CREA/SC 091.142-4 MISSÃO DO SENAR Realizar a educação profissional e promoção social das pessoas do meio rural,

Leia mais

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, Seção São Paulo, entidade sem fins lucrativos de âmbito nacional que preconiza a defesa

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Código florestal

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Código florestal Código florestal Art. 1º - As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de utilidade às s terras que revestem, são bens de interesse comum a todos os habitantes

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

Treinamento no Sistema de Cadastro Ambiental Rural

Treinamento no Sistema de Cadastro Ambiental Rural Treinamento no Sistema de Cadastro Ambiental Rural Programação Manhã: teórica Conceitos da legislação ambiental Conceitos específicos do CAR e do PRA Tarde: prática Considerações sobre o sistema Apresentação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O LEI N.º 1.453/2013. SÚMULA: Autoriza o Poder Executivo Municipal a promover a Concessão de Direto Real de Uso em favor da Colônia Z-20 de Pescadores de Juína, da área urbana que menciona, e dá outras Providências.

Leia mais

DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS. Junho/2011

DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS. Junho/2011 DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS Junho/2011 CONTEXTO Das 310 Ucs Federais, 251 são domínio público DOMÍNIO TERRAS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS DOMÍNIO TERRAS PÚBLICAS

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS RESOLUÇÃO/CEMAAM/Nº01/08 Estabelece normas e procedimentos para regularização ambiental de TANQUES, VIVEIROS, BARRAGENS, PEQUENOS RESERVATÓRIOS, CANAIS DE IGARAPÉS E TANQUES REDE DESTINADOS PARA A AQÜICULTURA

Leia mais

Código Florestal contexto.problemas.propostas

Código Florestal contexto.problemas.propostas Código Florestal contexto.problemas.propostas tasso.azevedo@gmail.com 1. Contexto 2. Problemas 3. Propostas 1 Regulamentação sobre florestas Constituição Federal (1988) Código Florestal (1965) Lei de Crimes

Leia mais

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: 1/6 DECRETO Nº 60.521, DE 05 DE JUNHO DE 2014 Institui o Programa de Incentivos à Recuperação de Matas Ciliares e à Recomposição de Vegetação nas Bacias Formadoras de Mananciais de Água, institui a unidade

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são, como cria-las e como negocia-las

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são, como cria-las e como negocia-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como cria-las e como negocia-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como cria-las e como negocia-las! 3 Olá! Você já ouviu falar das Cotas de Reserva Ambiental

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Decreto Federal 23793/34: Institui o Código Florestal Brasileiro (Getúlio Vargas) Art. 1º As florestas existentes no territorio nacional, consideradas em conjuncto, constituem

Leia mais

Exigência e cumprimento do código florestal brasileiro referente à área de reserva legal em imóveis rurais da mesorregião do Centro Norte Baiano

Exigência e cumprimento do código florestal brasileiro referente à área de reserva legal em imóveis rurais da mesorregião do Centro Norte Baiano Exigência e cumprimento do código florestal brasileiro referente à área de reserva legal em imóveis rurais da mesorregião do Centro Norte Baiano Ane Fonseca Sá Calafange 1* Valter Forastieri 1** RESUMO:

Leia mais

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO (Lei Federal n. 12.651/12) PROF. DR. RAFAEL COSTA FREIRIA E-MAIL: RAFAELFREIRIA@COM4.COM.BR DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL Fundamentos e Temas de Trabalho na Questão Florestal

Leia mais

A importância do Cerrado

A importância do Cerrado A importância do Cerrado Quem vive no Cerrado mora em uma das regiões mais ricas em espécies de plantas e animais do mundo, muitas delas ainda desconhecidas pela ciência e que só existem ali. É ainda nas

Leia mais

QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL RESUMO PARA POLÍTICA PÚBLICA NOVO CÓDIGO FLORESTAL PARTE I: DECIFRANDO O NOVO CÓDIGO FLORESTAL QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL O novo Código Florestal dispõe sobre o uso e a proteção da vegetação

Leia mais

Código Florestal: APP e RL

Código Florestal: APP e RL Código Florestal: APP e RL Decreto Federal 23793/34: Institui o Código Florestal Brasileiro (Getúlio Vargas) Art. 1º As florestas existentes no territorio nacional, consideradas em conjuncto, constituem

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES 25 de Setembro de 2012 ESPAÇOS TERRITORIAIS ESPECIALMENTE PROTEGIDOS Cabe ao Poder Público definir, em todas as unidades da Federação, espaços

Leia mais

CAR Cadastro Ambiental Rural

CAR Cadastro Ambiental Rural CAR Cadastro Ambiental Rural CADASTRO AMBIENTAL RURAL CAR Lei nº 12.651 / 2012 Novo Código Florestal Art. 29. É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre

Leia mais

Informações necessárias para inscrição de imóvel no Cadastro Ambiental Rural - CAR

Informações necessárias para inscrição de imóvel no Cadastro Ambiental Rural - CAR Informações necessárias para inscrição de imóvel no Cadastro Ambiental Rural - CAR Dados do imóvel (Todos os campos devem ser obrigatoriamente preenchidos) Nome imóvel rural:fazenda Sertão dos Freires

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 21 RELOCAÇÃO E AVERBAÇÃO DE RESERVAS LEGAIS INTERCEPTADAS

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 21 RELOCAÇÃO E AVERBAÇÃO DE RESERVAS LEGAIS INTERCEPTADAS NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 21 RELOCAÇÃO E AVERBAÇÃO DE RESERVAS LEGAIS INTERCEPTADAS SUMÁRIO 1. MOTIVAÇÃO... 1 2. OBJETIVO... 2 3. ASPECTOS LEGAIS... 2 4. DIRETRIZES... 2 5. MÉTODOS E RECURSOS... 3 5.1.1.

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL ASA Paragominas Agência de Serviços Ambientais de Paragominas COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como criá-las e como negociá-las ASA Paragominas Agência de Serviços Ambientais de Paragominas COTAS

Leia mais

Iniciativa Verde. Pontos para aplicação do novo Código Florestal, Lei 12.651/12

Iniciativa Verde. Pontos para aplicação do novo Código Florestal, Lei 12.651/12 Iniciativa Verde Pontos para aplicação do novo Código Florestal, Lei 12.651/12 Roberto Ulisses Resende São Paulo, março de 2013 Introdução Esta é a primeira versão do documento elaborado pela Iniciativa

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 012-2014 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Segundo a Lei Federal 12.651/2012 e Decreto Federal 7.830/2012 ESALQ Março/Abril de 2014 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento e Avaliação

Leia mais

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 Histórico Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Documentação prevista na Lei Federal 12.51 de 25 de maio de 2012: 1 - identificação do proprietário ou possuidor rural; 2 - comprovação

Leia mais

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD Departamento de Engenharia Florestal/DEFl/DEF Lab. de Conservação de Ecossistemas e Recuperação de Áreas Prof. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs)

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs) Cursos d água naturais perenes e intermitentes excluídos os efêmeros: art. 4º, inciso I. A proteção vale para os cursos d água naturais. Variados cursos d água, como resultantes de retificações, canalizações

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS DE REFERÊNCIA 1.1. NÚMERO: 02/ 2010 1.2. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS

REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS Dr. Sergius Gandolfi www.lerf.esalq. 22/03/2012 19:30 20:30h - São Carlos-SP Escola Paulista da Magistratura Laboratório de Ecologia

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais