Utilizando Ontologias para Expansão Semântica de Consultas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilizando Ontologias para Expansão Semântica de Consultas"

Transcrição

1 Utilizando Ontologias para Expansão Semântica de Consultas Danusa Ribeiro B. da Cunha Universidade Federal do Ceará (UFC) Bernadette Farias Lóscio Universidade Federal do Ceará (UFC) Resumo O crescimento rápido e contínuo do volume de dados disponível na Web torna cada vez mais difícil o acesso às informações. As máquinas de busca existentes retornam listas de recursos recuperados, oferecendo pouca ou nenhuma informação sobre as relações semânticas existentes entre elas. Sendo assim, cabe ao usuário acessar tais listas para descobrir quais se encaixam no contexto do seu problema. As ontologias contribuem na recuperação da informação, pois permitem a busca de dados ou dos recursos desejados através de pesquisas em bases de informações estruturadas, tornando o resultado da recuperação mais preciso e baseado em estruturas semânticas. Nesse artigo, são apresentados conceitos sobre sistemas de recuperação de informações e expansão semântica de consultas utilizando ontologias. 1. Introdução No final da década de 80, surgiu a World Wide Web ou Web, criada por Tim Berners-Lee. Desde então, uma grande quantidade de dados tem sido disponibilizada na Internet, incluindo textos, áudio, imagem e vídeo. Por causa dessa grande quantidade de informação, a Web é considerada como o maior repositório de dados existente [7]. Contudo, esses dados são disseminados de forma autônoma e heterogênea. Sendo assim, as consultas realizadas na Web podem se tornar bastante imprecisas. Diante disso, surge a necessidade de desenvolver ferramentas e mecanismos que recuperem e extraiam informações de forma mais precisa. Um dos principais problemas encontrados por projetistas de sistemas de recuperação de informação é o fato das consultas submetidas pelos usuários serem compostas de poucos termos, os quais passam pouca informação sobre o que o usuário procura. Uma das maneiras para contornar esse problema, consiste em utilizar métodos para expandir automaticamente as consultas submetidas pelo usuário. A expansão de consultas utiliza algoritmos que buscam palavras com significados semelhantes aos termos da consulta submetida e acrescentam tais palavras à consulta original com o objetivo de melhorar o contexto da mesma. Assim, a expansão de consultas visa modificar a consulta com o intuito de torná-la mais eficaz e abrangente. Uma abordagem clássica para expansão de consultas baseia-se na co-ocorrência estatística de palavras-chave em documentos do domínio considerado, adicionando à consulta termos que freqüentemente ocorrem em conjunto com os termos da consulta original, porém os sistemas que seguem essa abordagem não consideram a semântica entre os termos durante a verificação das ocorrências. Diversos trabalhos têm utilizado ontologias como fonte de informação semântica de domínio para expandir consultas e obter resultado mais eficaz. Ontologias são especificações dos conceitos de um determinado domínio e suas relações. As ontologias têm sido usadas para tratar as estruturas de organização da informação a partir de seus relacionamentos e seus conceitos. Os atuais mecanismos de busca da informação carecem de flexibilidade, transparência e precisão, apesar de terem boa cobertura. Com o uso de ontologias, além das características inerentes dos mecanismos de busca, eles terão maior flexibilidade na recuperação da informação. Neste artigo, apresentamos uma visão geral sobre os Sistemas de Recuperação de Informação e seus métodos de recuperação de dados. Introduzimos conceitos sobre ontologias e, além disso, mostramos algumas ferramentas que utilizam ontologias no processo de expansão de consultas. Este artigo está organizado como se segue. Na seção 2, discutimos conceitos relacionados a sistemas de Recuperação de Informação e as técnicas utilizadas na construção desses sistemas. Na seção 3, ilustramos o uso de ontologias através de um exemplo e mostramos alguns formalismos para representação de ontologias. Na seção 4, discutimos o problema de expansão semântica de consultas e alguns sistemas que utilizam ontologias nesse processo. Na seção 5, apresentamos nossas conclusões.

2 2. Sistemas de Recuperação de Informação Recuperação de informação é uma área da Ciência da Computação que estuda o armazenamento automático e recuperação automática de documentos. As ferramentas para recuperação de informação provenientes da Web podem ser classificadas em quatro categorias [7]: Pesquisas em diretórios: pesquisam a informação por assunto através de uma pesquisa hierárquica, que começa a partir de um tópico genérico, ramificando em sub-tópicos específicos. Enciclopédia Britânica 1, Yahoo! 2 são bons exemplos de ferramentas nessa categoria; Máquinas de busca: pesquisam a informação pelo uso de palavras chave, fornecendo uma lista de referências ou marcações como resultado. Utilizam bancos de dados constituídos de recursos provindos de diversos autores ou através de informações oriundas de robôs (Web Crawlers) que podem enviar títulos ou URLs de cada página visitada, marcações HTML e textos inteiros referentes a cada página. Alta Vista 3, Google 4, dentre outros, são exemplos de ferramentas nessa categoria; Diretórios com máquinas de busca: utilizam tanto a pesquisa por palavras-chaves quanto por título de assunto. Na parte referente à pesquisa em diretório, a pesquisa segue um percurso hierárquico que vai de assuntos genéricos aos mais específicos. Em cada parada ao longo do caminho, uma opção de máquina de busca é provida para permitir que o usuário efetue uma pesquisa por palavra-chave. Yahoo! faz parte dessa categoria. Múltiplos mecanismos de busca (Meta- Searchers): adotam os recursos de várias máquinas de busca em paralelo. A pesquisa é conduzida através de palavras-chaves. Uma lista de informações é obtida de acordo com cada mecanismo de busca envolvido ou de forma integrada. Bibliotecas digitais são geralmente construídas a partir dessas ferramentas. Dentre os sistemas de busca mencionados anteriormente, que utilizam uma dessas quatro categorias, não levam em consideração a semântica contida nos dados pesquisados. O processo de recuperação consiste na geração de uma lista de documentos recuperados para responder à consulta formulada pelo usuário. Os índices construídos para uma coleção de documentos são usados para acelerar esta tarefa. Além disso, a lista de documentos recuperados é classificada em ordem decrescente de um grau de similaridade entre o documento e a consulta Modelos utilizados para Recuperação de Informação Muitas são as técnicas utilizadas na construção de um sistema de recuperação de informação que devem levar em consideração: um esquema de representação dos documentos, a formulação da consulta e a construção de uma função de ranking (que indica a relevância dos documentos em relação à consulta). Dentre estas técnicas, destacamos os modelos booleano, vetorial e probabilístico, os quais serão explicados a seguir Modelo Booleano O modelo mais comum e mais simples, e largamente utilizado nos sistemas atuais é o booleano. Esse modelo se utiliza de álgebra booleana para realizar a busca sobre a base de informação onde as consultas são especificadas com o auxílio dos operadores lógicos AND, OR e NOT. Esse modelo pode ser utilizado em buscas sobre arquivotexto ou ainda em bancos de dados relacionais. No caso dos bancos de dados, a consulta é realizada através de uma linguagem própria (SQL) Modelo Vetorial O modelo vetorial representa documentos e consultas como vetores de termos. Termos são ocorrências únicas nos documentos. Os documentos devolvidos como resultados para uma consulta são representados similarmente, ou seja, o vetor resultado para uma consulta é montado através de um cálculo de similaridade. Aos termos das consultas e documentos são atribuídos pesos que especificam o tamanho e a direção de seu vetor de representação. Ao ângulo formado por estes vetores dá-se o nome de q. O cosseno de q determina a proximidade da ocorrência. O cálculo da similaridade é baseado neste ângulo entre os vetores que representam o documento e a consulta Modelo Probabilístico

3 O modelo probabilístico descreve documentos considerando pesos binários que representam à presença ou ausência de termos. O vetor resultado gerado pelo modelo tem como base o cálculo da probabilidade de que um documento seja relevante para uma consulta. O modelo probabilístico considera um processo iterativo de estimativas da probabilidade de relevância. Esses e outros modelos têm se mostrado bastante eficazes na recuperação de informações. Entretanto, um problema fundamental na recuperação de informação é que há diferenças entre as palavras usadas pelos autores e as usadas pelos usuários para descrever determinados assuntos. Em muitas aplicações, as consultas podem possuir uma pequena quantidade de termos. Essa dificuldade tende a diminuir quando acrescentamos uma quantidade razoável de termos à consulta. Tratando-se de Web, as palavras submetidas em uma consulta geralmente são constituídas por quantidades pequenas de palavras. A expansão de consultas é o caminho para solucionar esse problema. Para expandir uma consulta é preciso buscar palavras com significados semelhantes aos termos da consulta submetida e acrescentar tais palavras à consulta original com o objetivo de melhorar o contexto da mesma. Assim a expansão de consultas visa modificar a consulta do usuário (consulta original) seja pela alteração de suas condições ou pela adição de termos relacionados com o intuito de torná-las mais eficazes e abrangentes. Algumas abordagens têm utilizado ontologias para lidar com o problema da heteregoneidade semântica, ou seja, quando diferentes significados são atribuídos a conceitos semelhantes. Os mecanismos de inferência sobre ontologias auxiliam o processo de expansão, pois derivam informações que podem ser utilizadas para recuperar respostas semanticamente relevante. 3. Ontologias Na Filosofia, o termo ontologia refere-se a uma teoria sobre a existência da natureza, sobre os conceitos existentes ou o que se dizer sobre o mundo. Para os pesquisadores da área da Ciência da Computação, ontologia é o que existe, ou seja, tudo aquilo que existe e pode ser representado formalmente. Uma das definições mais difundidas para ontologia foi dada por Gruber [4]: Uma ontologia é uma especificação explícita e formal de uma conceitualização compartilhada. Os autores Uschold e Grüninger [8] explicam melhor tal definição e o significado de seus termos: Conceitualização: refere-se a um modelo abstrato de dados de como as pessoas pensam sobre coisas no mundo; Especificação explícita: significa que definição e nomes explícitos devem ser atribuídos aos conceitos e relacionamentos do modelo abstrato; Formal: indica que a especificação da conceitualização é codificada em uma linguagem cujas propriedades são bem compreendidas. A formalização é importante para remover ambigüidades; Compartilhada: refere-se à utilização e à reutilização em diferentes aplicações e comunidades. A maioria das ontologias é constituída por: i) Conceitos ou classes: representam coisas que fazem parte de um domínio, organizados em classes e subclasses, ii) Atributos: descrevem características dos conceitos, iii) Relacionamentos: expressam como os conceitos estão interligados, iv) Axiomas: são restrições sobre conceitos propriedades e v) Instâncias: representam o conjunto de indivíduos ou objetos do mundo real que estão de acordo com a conceitualização modelada pela ontologia Representação de Ontologias Em geral, ontologias são fundamentadas em teorias formais a fim de que humanos e máquinas sejam capazes de interpretar os conhecimentos de um domínio sem ambigüidades. Dentre os formalismos de representação existentes na literatura, as lógicas de descrição são consideradas uma das famílias mais importantes de representação formal do conhecimento e constituem a base para linguagens de representação de ontologias como a Web Ontology Language (OWL). A OWL é uma das linguagens mais difundidas por ser uma recomendação oficial do consórcio World Wide Web Consortium (W3C) para a criação de ontologias na Web Semântica. A OWL divide-se em três sublinguagens que diferem entre si quanto à expressividade e complexidade: OWL Lite: provê os elementos básicos para a representação de conceitos, relacionamentos e restrições simples de propriedades, sendo a menos expressiva e complexa;

4 OWL DL: é usada por usuários que queiram o máximo de expressividade, com completude (todas as conclusões são garantidas para serem computáveis) e decidibilidade (todas as computações terminarão em um tempo finito) computacional. Ela inclui todas as construções da linguagem OWL, mas estas construções somente podem ser usadas sob certas restrições. É uma das mais utilizadas para a criação de ontologias na Web Semântica; OWL Full: provê expressividade máxima sem garantias computacionais. As linguagens baseadas em lógicas de descrição são adequadas para representar ontologias de forma expressiva. Além de oferecerem suporte ao raciocínio lógico através de máquinas de inferência, possibilitam a verificação de consistência, a classificação correta das instâncias e a obtenção de novas informações a partir das especificações presentes nas ontologias. As ontologias constituem uma ferramenta poderosa para suportar a especificação e a implementação de sistemas computacionais de qualquer complexidade. Umas das principais aplicações das ontologias consistem em prover semântica à Web visto que esta possui uma grande quantidade de dados disponibilizados de forma autônoma e heterogênea. Recentemente, Tim Berners-Lee [1] vislumbrou o desenvolvimento da Web Semântica que, a partir do uso intensivo de metadados visa prover acesso automatizado às informações através de agentes de software. Neste contexto, metadados referem-se à estrutura descritiva da informação sobre outro dado, o qual é usado para ajudar na identificação, descrição, localização e gerenciamento de recursos da Web. Um dos principais objetivos da introdução de semântica na Web é tornar a informação mais compreensível para o computador. No âmbito da Web, a utilização de ontologias permite que agentes de software compreendam a semântica embutida nas definições e vocabulário especificados com respeito a um domínio, sem ambigüidades, viabilizando o intercâmbio de informações através de consultas Exemplo de Ontologia Para exemplificar o que foi apresentado, suponha um esquema de um banco de dados relacional simples sobre produtos de supermercados. O banco de dados contém informações usuais sobre produtos, como nome, preço e tipo (categoria do produto). Alguns produtos podem ser compostos por outros produtos, fato representado pela tabela de relacionamento Composto. Tabela produto Id nome preco tipo 001 desktop 2050 eletronico 002 hard disk 225 componente Tabela composto idtodo idparte Tabela 1. Esquema do banco de dados. Na Figura 2 [3], é apresentada uma visão da ontologia correspondente ao banco de dados representado na Figura 1. A ontologia apresenta uma hierarquia de classes que é formada a partir da classe produto e de suas subclasses eletroeletrônico e alimentício. Além disso, também são representados os relacionamentos partof, similarto e haspart. Os relacionamentos haspart e partof, por exemplo, correspondem a tabela composto que através de seus atributos constituem chaves estrangeiras para a tabela Produto. Figura 2. Exemplo de Ontologia. 4. Expansão Semântica de Consultas usando Ontologias A expansão de consultas, como vimos, visa adicionar termos ou modificar a consulta original com o objetivo de torná-la mais eficaz e abrangente. Para lidar com problemas relacionados a conflitos semânticos como termos sinônimos e homônimos, alguns sistemas têm adotado ontologias de domínio durante o processo de expansão de consultas.

5 Para exemplificar como alguns sistemas expandem consultas semanticamente vamos analisar como o sistema FOQuE (Fuzzy Ontology-based Query Expansion) [3] expande as consultas tratando de termos homônimos. O primeiro passo é associar uma ontologia ao esquema do banco de dados que se deseja consultar. Isso pode ser feito de duas maneiras: i) extraindo uma ontologia que se assemelha à estrutura do banco e contém definições que estendem a semântica dos dados ou ii) reusando uma ontologia que se assemelha com as características do banco de dados utilizado. O segundo passo é fazer o mapeamento, ou seja, descrever associações entre os elementos da ontologia e do banco de dados para possibilitar a reformulação de consultas contendo os conceitos expandidos. Considere, por exemplo, o banco de dados descrito na seção 3.2, para fazer uma consulta SQL pelo produto ventilador teríamos: da regra de mapeamento (produto.tipo= componente ventilador_componente) como mostrado a seguir: SELECT produto.preco FROM produto WHERE ((produto. nome = ventilador ) AND (produto.tipo = componente )); Depois da expansão de homônimos, o FOQuE verifica as demais expansões possíveis de acordo com o contexto apropriado. SELECT produto.preco FROM produto WHERE produto.nome = ventilador ; Depois da consulta ser submetida ao sistema, este analisará a ontologia e o conjunto de mapeamentos para verificar quais expansões semânticas podem ser aplicadas ao termo ventilador. A Figura 3 mostra que após a verificação foram encontrados, na ontologia, dois conceitos referentes ao termo ventilador: ventilador como eletrodoméstico e ventilador como componente de informática. Para tratar dessa ambigüidade, utiliza-se algum atributo do banco que remova a ambigüidade dos dados como, no exemplo, o atributo tipo da tabela produto. Por exemplo, para o tipo eletrônico existe um mapeamento entre o banco de dados e a ontologia referindo-se ao produto ventilador como eletrodoméstico (tipo = eletrodoméstico), de forma análoga para ventilador como componente (tipo = componente). Os contextos identificados são exibidos ao usuário, que decide qual deles é mais adequado para sua consulta. Por exemplo, caso o usuário queira recuperar dados de ventiladores que sejam eletrodomésticos, a condição da consulta original deve ser alterada em função da regra de mapeamento como mostrado a seguir. A nova consulta a ser submetida ao banco de dados seria: SELECT produto.preco FROM produto WHERE ((produto. nome = ventilador ) AND (produto.tipo = eletrodomestico )); Suponha agora que o usuário deseje consultar pelo produto ventilador como componente de informática. A condição da consulta original deve ser alterada em função Figura 3. Contextos diferentes para o termo ventilador. Uma das vantagens dessa abordagem consiste em remover ambigüidades, obtendo dados mais precisos, além disso, o próprio usuário pode decidir quais dados são mais relevantes para a sua consulta. 5. Sistemas para Expandir Consultas Baseados em Ontologias A expansão semântica de consultas baseada em ontologias analisa conceitos e relacionamentos de um domínio específico para adicionar termos à consulta original ou alterar suas condições. Assim, a consulta é modificada com base nos conceitos da ontologia que estejam semanticamente associados aos termos especificados pelo usuário. Alguns sistemas têm utilizado ontologias para realizar a expansão de consultas, com o objetivo de obter resultados mais eficazes. Dentre tais sistemas podemos destacar: ROSA+ [2]: é capaz de obter resultados abrangentes para as consultas do usuário, pois se baseia em mecanismos de inferência sobre axiomas da ontologia (transitividade, simetria, inversão e

6 igualdade) e relacionamentos específicos de domínio. Khan [5]: esta abordagem permite a expansão de consultas com base em sinônimos e especializações de conceitos da ontologia. Quanto maior a semelhança entre as palavras-chave e mais curto o caminho entre os conceitos da ontologia, maior a proximidade semântica entre os conceitos. Além desses sistemas, há alguns que incorporaram conceitos da Lógica Fuzzy [9] para expandir consultas como é o caso de: MIEL [2]: é um sistema que utiliza taxonomias difusas e similaridade entre conceitos que representam o domínio dos atributos do banco de dados, além de graus de pertinência que expressam quanto um conceito é mais generalizado que outro. O MIEL pode usar ontologias para expandir consultas e para recuperar os dados correspondentes mais próximos da seleção de critérios definidos pelo usuário. Ao final do processo, o conjunto difuso de preferências contém, além dos elementos especificados pelo usuário, os conceitos generalizados e respectivos graus de pertinência inferidos pelo próprio MIEL FOQuE (Fuzzy Ontology-based Query Expansion) [3]: utiliza ontologias difusas para expandir consultas não somente por especialização de conceitos e similaridade, mas também por proximidade todo-parte e transitividade difusa, além de tratar consultas que contenham termos homônimos. O objetivo do sistema FOQuE é obter resultados aproximados que sejam semanticamente relacionados aos termos especificados pelo usuário, através da expansão de consultas com base na análise de conceitos e relacionamentos difusos em ontologias. 6. Conclusão Neste artigo, foi apresentada uma visão geral sobre sistemas de recuperação de informação, onde foram descritos três modelos clássicos utilizado por tais sistemas. Os modelos descritos têm se mostrado eficazes para recuperar informações requeridas pelos usuários e apresentam vantagens como simplicidade e facilidade de implementação. Contudo, tais modelos apresentam algumas desvantagens, por exemplo, no modelo booleano as respostas podem ser nulas ou muito grandes. No modelo probabilístico, há a dependência da precisão das estimativas de probabilidade, um cálculo não muito fácil de realizar, além disso, o método não explora a freqüência do termo no documento. Então, há a necessidade de realizar pesquisas para desenvolver métodos mais eficazes para recuperar informações. Um desses métodos é a expansão semântica de consultas utilizando ontologias, pois o uso de ontologias possibilita analisar conceitos e relacionamentos de um domínio específico para adicionar termos à consulta original ou alterar suas condições. Dessa forma, a consulta é modificada com base nos conceitos da ontologia que estejam semanticamente associados aos termos especificados pelo usuário. Observamos, neste artigo, que alguns sistemas já utilizam ontologias para expandir semanticamente consultas. Em trabalhos futuros, temos por objetivo projetar um sistema para expandir semanticamente consultas no contexto de dados biológicos. Referências [1] BERNERS-LEE, T.; HENDLER, J.; LASSILA, O. The Semantic Web. Scientific American, v. 284, n. 5, p , [2] BUCHE, P. et al. Fuzzy querying of incomplete, imprecise, and heterogeneously structured data in the relational model using ontologies and rules. IEEE Transactions on Fuzzy Systems, v. 13, n. 3, p , [3] Cristiane A. Yaguinuma, Mauro Biajiz, Marilde Terezinha Prado Santos: Sistema FOQuE para Expansão Semântica de Consultas Baseada em Ontologias Difusas. SBBD 2007: [4] GRUBER, T. R. A Translation Approach to Portable Ontology Specifications. Knowledge Acquisition, v. 5, n. 2, p , [5] KHAN, L.; MCLEOD, D.; HOVY, E. Retrieval effectiveness of an ontology-based model for information selection. The VLDB Journal, v. 13, n. 1, p , [6] MATTOS, D.; MOURA, A. M. D. C.; CAVALCANTI, M. C. ROSA+: Um Repositório de Objetos de Aprendizagem com Suporte a Inferência e Regras. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE BANCO DE DADOS, 2006, Florianópolis, SC. Anais... Florianópolis: UFSC, p [7] MOURA, A. M. C., A Web Semântica: Fundamentos e Tecnologias. [2001].Disponível por WWW em atos/tutoriales/tutorial4/t4.pdf (julho 2003). Cybernetics Society, 2004a. p [8] USCHOLD, M.; GRÜNINGER, M. Ontologies and Semantics for Seamless Connectivity. SIGMOD Record, v. 33, n. 4, p , [9] ZADEH, L. A. Fuzzy Sets. In: Yager, R. R. et al. Fuzzy sets and applications: Selected Papers by L.A. Zadeh. New York: Wiley-Interscience, 1987a. p

Sistema FOQuE para Expansão Semântica de Consultas Baseada em Ontologias Difusas

Sistema FOQuE para Expansão Semântica de Consultas Baseada em Ontologias Difusas Sistema FOQuE para Expansão Semântica de Consultas Baseada em Ontologias Difusas Cristiane A. Yaguinuma, Mauro Biajiz, Marilde T. P. Santos Departamento de Computação Universidade Federal de São Carlos

Leia mais

Sistema FOQuE para Expansão Semântica de Consultas baseada em Ontologias Difusas

Sistema FOQuE para Expansão Semântica de Consultas baseada em Ontologias Difusas Sistema FOQuE para Expansão Semântica de Consultas baseada em Ontologias Difusas Defesa de dissertação Aluna: Cristiane Akemi Yaguinuma Orientador: Prof. Dr. Mauro Biajiz Co-orientadora: Profª. Drª. Marilde

Leia mais

Meta-ontologia Difusa para Representação de Informações Imprecisas em Ontologias

Meta-ontologia Difusa para Representação de Informações Imprecisas em Ontologias Meta-ontologia Difusa para Representação de Informações Imprecisas em Ontologias Cristiane A. Yaguinuma, Marilde T. P. Santos, Mauro Biajiz Departamento de Computação Universidade Federal de São Carlos

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Ontologias Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Origem Teoria sobre a natureza da existência Ramo da filosofia que lida com a natureza e organização da realidade.

Leia mais

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Hélio Rodrigues de Oliveira Departamento de Computação Universidade Federal do Ceará heliorodrigues@lia.ufc.br Bernadette Farias Lóscio Departamento

Leia mais

3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica

3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica 3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica Este trabalho tem o objetivo de integrar o controle de acesso no projeto de aplicações na web semântica. Uma arquitetura de software

Leia mais

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Introdução Organização e Recuperação de Informação(GSI521) Tópicos Recuperação de informação (RI); Breve histórico; O

Leia mais

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Centro Universitário Feevale ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Fernando Mertins Prof. Orientador: Rodrigo Rafael Villarreal Goulart Dezembro de 2007 Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos

Leia mais

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR WEB SEMÂNTICA: A nova internet que fará com que os computadores entendam a lógica humana. Lúcia Helena de Magalhães 1 Márcio Aarestrup

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Uso de taxonomias na gestão de conteúdo de portais corporativos.

Uso de taxonomias na gestão de conteúdo de portais corporativos. Gestão de Conteúdo web através de ontologias: conceitos e aplicações Fernando Silva Parreiras Contextualização O que? Uso de taxonomias na gestão de conteúdo de portais corporativos. Quem? Gerentes, consultores

Leia mais

Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile. Roger Alves Prof. Me.

Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile. Roger Alves Prof. Me. Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile Roger Alves Prof. Me. Vinícius Maran O que é uma ontologia? Palavra vinda do grego, advinda da união entre

Leia mais

Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais

Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais André Ribeiro da Silva Mário Celso Candian Lobato Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação {arsilva,mlobato}@dcc.ufmg.br

Leia mais

ONTOLOGIA E SUAS APLICAÇÕES EM MODELAGEM CONCEITUAL PARA BANCO DE DADOS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

ONTOLOGIA E SUAS APLICAÇÕES EM MODELAGEM CONCEITUAL PARA BANCO DE DADOS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA ONTOLOGIA E SUAS APLICAÇÕES EM MODELAGEM CONCEITUAL PARA BANCO DE DADOS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Grasielle

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Criação e publicação de um dataset de dados interligados das edições passadas do Simpósio Brasileiro de Banco de Dados

Criação e publicação de um dataset de dados interligados das edições passadas do Simpósio Brasileiro de Banco de Dados U NIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA 2 0 1 2. 2 Criação e publicação de um dataset de dados interligados das edições passadas do Simpósio Brasileiro

Leia mais

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Alessandra Brito F. Oliveira 1; Vera Maria Benjamim Werneck 1 ; Regina Serrão Lanzillotti 1 ; Haydée Serrão

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web

2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web 13 2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web 2.1. Páginas, Sites e Outras Terminologias É importante distinguir uma página de um site.

Leia mais

3 Ferramentas de busca

3 Ferramentas de busca 3 Ferramentas de busca A Internet se transformou em um vasto repositório de informações. Podemos encontrar sites sobre qualquer assunto, de futebol a religião. O difícil, porém é conseguir encontrar a

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos

Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos Neide de Oliveira Gomes, M. Sc., nog@inpi.gov.br Prof. Marco Aurélio C. Pacheco, PhD Programa de Doutorado na área de Métodos de Apoio

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS Marcello Erick Bonfim 1

Leia mais

Revisão de Banco de Dados

Revisão de Banco de Dados Revisão de Banco de Dados Fabiano Baldo 1 Sistema de Processamento de Arquivos Antes da concepção dos BDs o registro das informações eram feitos através de arquivos. Desvantagens: Redundância e Inconsistência

Leia mais

Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521 Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Aula anterior Organização e Recuperação de Informação(GSI521) Modelo vetorial- Definição Para o modelo vetorial, o

Leia mais

Uma Arquitetura para o Compartilhamento do Conhecimento em Bibliotecas Digitais

Uma Arquitetura para o Compartilhamento do Conhecimento em Bibliotecas Digitais Uma Arquitetura para o Compartilhamento do Conhecimento em Bibliotecas Digitais Nikolai Dimitrii Albuquerque (Grupo Stela - UFSC) nikolai@stela.ufsc.br Vinícius Medina Kern (Grupo Stela - UFSC) kern@stela.ufsc.br

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

25/05/2015. Relevance Feedback. Expansão de Consulta. Relevance Feedback

25/05/2015. Relevance Feedback. Expansão de Consulta. Relevance Feedback Relevance Feedback Expansão de Consulta Relevance Feedback 1 Relevance Feedback Baeza-Yates; Ribeiro-Neto, (2011, cap 5) distinguem dois métodos: Explicit Relevance Feedback a informação para a reformulação

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

Utilização de Recursos da Web Semântica na Construção de um Ambiente Web para Publicação Científica Indexada e Recuperada por Ontologias

Utilização de Recursos da Web Semântica na Construção de um Ambiente Web para Publicação Científica Indexada e Recuperada por Ontologias Utilização de Recursos da Web Semântica na Construção de um Ambiente Web para Publicação Científica Indexada e Recuperada por Ontologias GARCIA, Léo Manoel Lopes da Silva Universidade Estadual Paulista

Leia mais

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Luís Miguel Botelho Departamento de Ciências e Tecnologias

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44 Armazenando Dados em Aplicações Java Parte 2 de 3: Apresentando as opções Hua Lin Chang Costa, hualin@cos.ufrj.br, COPPE/UFRJ. Leonardo Gresta Paulino Murta, leomurta@ic.uff.br, IC/UFF. Vanessa Braganholo,

Leia mais

Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional

Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional Lucas Indrusiak, Renato Azevedo, Giovani R. Librelotto UNIFRA Centro Universitário Franciscano Rua dos Andradas, 1614 97.010-032 Santa

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

MOFI: Um Modelo para Recuperação de Informação baseado em Ontologias, Folksonomia e Indexação Automática de Conteúdo

MOFI: Um Modelo para Recuperação de Informação baseado em Ontologias, Folksonomia e Indexação Automática de Conteúdo MOFI: Um Modelo para Recuperação de Informação baseado em Ontologias, Folksonomia e Indexação Automática de Conteúdo Uedson Santos Reis (SENAI) uedsonreis@gmail.com Eduardo Manuel de Freitas Jorge (UNEB)

Leia mais

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO)

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 1 Prof. Cristóvão Cunha Objetivos de aprendizagem

Leia mais

Organização e Recuperação da Informação

Organização e Recuperação da Informação GSI024 Organização e Recuperação da Informação Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/ori UFU/FACOM - 2011/1 Arquivo 1a Introdução Porque RI? Problemas da solução

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Nathalie Portugal Vargas

Nathalie Portugal Vargas Nathalie Portugal Vargas 1 Introdução Trabalhos Relacionados Recuperação da Informação com redes ART1 Mineração de Dados com Redes SOM RNA na extração da Informação Filtragem de Informação com Redes Hopfield

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Inteligência Artificial Definição (Fonte: AAAI ): "the scientific understanding of the mechanisms

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

Agenda. Modelo de Domínio baseado em Ontologia para acesso à Informações de Segurança Pública. George Fragoso

Agenda. Modelo de Domínio baseado em Ontologia para acesso à Informações de Segurança Pública. George Fragoso Modelo de Domínio baseado em Ontologia para acesso à Informações de Segurança Pública George Fragoso Agenda Motivação Sistemas de Defesa Social Conceitos e Arquitetura de Ontologias Proposta de Mestrado

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ISSN - 0103-2569 MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP André Pimenta Freire Renata Pontin de M. Fortes N 0 213 RELATÓRIOS TÉCNICOS

Leia mais

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software 2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software A uso da abordagem de agentes de software 1 pode trazer benefícios a áreas de aplicação em que é necessário construir sistemas autônomos, ou seja,

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

1.1. Aplicações de TVD dinâmicas

1.1. Aplicações de TVD dinâmicas 1 Introdução Uma aplicação de TV Digital (TVD) comumente é composta por um vídeo principal associado a outros objetos (aplicações, imagens, vídeos, textos etc.), que são transmitidos em conjunto possibilitando

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia 1 da Informaçao 2 Figura: Tela do IBM Mainframe Fonte: Arquivo próprio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS VINICIUS DA SILVEIRA SEGALIN FLORIANÓPOLIS OUTUBRO/2013 Sumário

Leia mais

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS Eugênio de O. Simonetto 1, Cristiano R. Moreira, Duncan D. A. Ruiz 2, Luciano C. Ost 1, Glauco B.V.Santos 1 RESUMO O trabalho apresenta uma ferramenta

Leia mais

2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição

2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição 2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição Alguns dos aspectos mais importantes na arquitetura proposta nesta dissertação são: a geração dinâmica de conteúdo e a utilização de templates de

Leia mais

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração Durante o processo de desenvolvimento de um software, é produzida uma grande quantidade de itens de informação que podem ser alterados durante o processo Para que

Leia mais

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web paper:25 Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web Aluno: Gleidson Antônio Cardoso da Silva gleidson.silva@posgrad.ufsc.br Orientadora: Carina Friedrich Dorneles dorneles@inf.ufsc.br Nível: Mestrado

Leia mais

04/03/2013. Gerenciamento de Dados e Informação. Recuperação de Dado X Informação. Histórico

04/03/2013. Gerenciamento de Dados e Informação. Recuperação de Dado X Informação. Histórico Recuperação de Dado X Informação Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo Comparação (matching) Recuperação de Dados Exata Recuperação de Informação Aproximada Dados

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM INTRODUÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E MAPEAMENTO DE ESQUEMAS AGENDA Data Management System Peer Data Management System P2P Infra-estrutura Funcionamento do PDMS Mapeamento de Esquemas

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Cadernos UniFOA. Web Semântica: Uma Rede de Conceitos. Semantic Web: A Network of ConceptsONCEPTS

Cadernos UniFOA. Web Semântica: Uma Rede de Conceitos. Semantic Web: A Network of ConceptsONCEPTS 23 Web Semântica: Uma Rede de Conceitos Semantic Web: A Network of ConceptsONCEPTS Professor Especialista José Maurício dos Santos Pinheiro Artigo Original Original Paper Palavras-chaves: Internet Semântica

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

FERRAMENTA PARA CRIAÇÃO DE BASES DE CONHECIMENTO NA FORMA DE ONTOLOGIA OWL A PARTIR DE DADOS NÃO ESTRUTURADOS

FERRAMENTA PARA CRIAÇÃO DE BASES DE CONHECIMENTO NA FORMA DE ONTOLOGIA OWL A PARTIR DE DADOS NÃO ESTRUTURADOS FERRAMENTA PARA CRIAÇÃO DE BASES DE CONHECIMENTO NA FORMA DE ONTOLOGIA OWL A PARTIR DE DADOS NÃO ESTRUTURADOS Aluno: Allan Renato Sabino Orientador: Roberto Heinzle Roteiro Introdução; Objetivos; Fundamentação

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 2.3 Web Ontology Language (OWL) Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo

Leia mais

Aplicações de Ontologias na Recuperação de Informações Jurídicas na Web Semântica

Aplicações de Ontologias na Recuperação de Informações Jurídicas na Web Semântica Aplicações de Ontologias na Recuperação de Informações Jurídicas na Web Semântica Marcus de Melo Braga 1 2, Hélio Santiago Ramos Júnior 1, Tatianna de Faria Coelho 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

Recuperação de Informações em Documentos Anotados Semanticamente na Área de Gestão Ambiental

Recuperação de Informações em Documentos Anotados Semanticamente na Área de Gestão Ambiental 1 Recuperação de Informações em Documentos Anotados Semanticamente na Área de Gestão Ambiental Celso Araújo Fontes (IME) celsowm@gmail.com Maria Claudia Cavalcanti (IME) yoko@ime.eb.br Ana Maria de Carvalho

Leia mais

3 Modelo Proposto. 6 http://www.w3.org

3 Modelo Proposto. 6 http://www.w3.org 3 Modelo Proposto O surgimento da Web semântica (Berners-Lee, 2001), adiciona uma camada de "inteligência" à Web, onde computadores são capazes de representar significados dos conteúdos acessados na Web,

Leia mais

PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET. OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de

PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET. OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de SUMÁRIO ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. CONCEITOS SOBRE A INTERNET... 4 3. ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

WebOnto: Anotação Semântica com Ontologias de Domínio

WebOnto: Anotação Semântica com Ontologias de Domínio WebOnto: Anotação Semântica com Ontologias de Domínio Stainam Brandão (COPPE/UFRJ) stainam@cos.ufrj.br Arthur Siqueira (COPPE/UFRJ) arthur@cos.ufrj.br Jano Moreira de Souza (COPPE/UFRJ) jano@cos.ufrj.br

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

Recuperação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília

Recuperação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Recuperação Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília 1 2 Contexto Grande quantidade de informações são produzidas e disponibilizadas diariamente Com a elevada

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP 1) Introdução Programação Orientada a Objetos é um paradigma de programação bastante antigo. Entretanto somente nos últimos anos foi aceito realmente

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD. Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas

Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD. Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas Abstração Modelo de Dados Conjunto de conceitos que podem ser utilizados para descrever a estrutura lógica e física

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 10 Persistência de Dados

Leia mais

2 Conceitos básicos. 2.1 Arquiteturas tradicionais para integração de dados. 2.1.1 Arquitetura de mediadores

2 Conceitos básicos. 2.1 Arquiteturas tradicionais para integração de dados. 2.1.1 Arquitetura de mediadores 17 2 Conceitos básicos 2.1 Arquiteturas tradicionais para integração de dados 2.1.1 Arquitetura de mediadores Um mediador é um componente de software que intermedia o acesso de clientes (usuários ou componentes

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS Alexia Guilherme Bianque (PIBIC/CNPq), Ederson Marco Sgarbi (Orientador), a.g.bianque10@gmail.com.br Universidade

Leia mais

Engenharia de Software: conceitos e aplicações. Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com

Engenharia de Software: conceitos e aplicações. Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com Engenharia de Software: conceitos e aplicações Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com 1 Objetivos da aula Apresentar os conceitos de Engenharia de Software e explicar a sua importância.

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Prof. Herondino O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Inserir e integrar, numa única base de dados informações espaciais provenientes de: meio

Leia mais

Serviços Web Semânticos

Serviços Web Semânticos Serviços Web Semânticos Paulo Vitor Antonini Orlandin paulovitor_e@hotmail.com Resumo O grande crescimento na utilização de Serviços Web torna imprescindível o desenvolvimento de uma forma de melhoria

Leia mais

Balanceamento de Carga

Balanceamento de Carga 40 4. Balanceamento de Carga Pode-se entender por balanceamento de carga uma política a ser adotada para minimizar tanto a ociosidade de utilização de alguns equipamentos quanto a super utilização de outros,

Leia mais