Conjuntura Macroeconômica Semanal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conjuntura Macroeconômica Semanal"

Transcrição

1 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal 27 de fevereiro de 2015 Dados de preço e quantum de exportações e importações de janeiro são indicativos para comportamento da balança comercial de 2015 Andréa Bastos Damico Não é novidade que o desempenho da balança comercial brasileira tornou-se modesto. Mas, em 2015, conforme já temos tido indicativos importantes, será um ano de necessário ajuste macroeconômico (principalmente na área fiscal), com consequências de curto prazo para atividade doméstica, com retração do PIB neste ano. Nesse sentido, dada a esperada queda do quantum importado, acompanhando a moderação da atividade doméstica, e ligeiro crescimento do quantum exportado tendo em vista a reação das exportações à depreciação cambial e a elevação das exportações de petróleo, era de se esperar uma recuperação mais significativa do saldo comercial. CONJUNTURA MACROECONÔMICA SEMANAL Porém, em 2015 essa recuperação ainda será limitada pela queda dos preços de exportação de soja e minério, principalmente. Interessante observar que os dados de preço e quantum de exportações e importações, divulgados pela Funcex referentes a janeiro, são indicativos desse cenário desenhado para 2015: de um lado, queda de preços de exportação acima da queda de preços de importação, e de outro, aumento do quantum exportado e queda substancial do quantum importado. Uma recuperação do saldo comercial, na nossa visão, apenas ocorreria em cenários mais adversos para atividade doméstica, condicionados ao risco de racionamento de energia. Nessas condições, estimamos que a retração do PIB poderia chegar até a 1,5% neste ano, levando o superávit comercial para próximo a US$ 4 bilhões ante nossa projeção atual de déficit em torno de US$ 2 bilhões. Postura acomodatícia da política monetária em importantes economias mundiais deve justificar o movimento de fortalecimento do dólar ao longo do ano Thomas Henrique Schreurs Pires O comportamento recente dos preços do petróleo e das demais commodities impôs uma pressão baixista sobre a inflação global, o que tem feito com que importantes bancos centrais ao redor do mundo adotem uma postura mais acomodatícia das condições monetárias. Isso tem sido observado tanto para os bancos centrais que vinham elevando (ou estavam na iminência de elevar) a taxa de juros, como é o caso do banco central dos EUA e do Reino Unido, como para aqueles que estavam ampliando os estímulos quantitativos, como é o caso do banco central do Japão, da Área do Euro e da Suécia. Em princípio, a postura mais acomodatícia da política monetária em escala global afeta diretamente o mercado cambial, justificando o movimento de fortalecimento do dólar frente às demais moedas. Acreditamos a maioria das moedas deverá depreciar frente ao dólar ao longo do ano, com exceção da libra esterlina, da rupia indiana e do dólar neozelandês que devem se apreciar em relação à divisa norte-americana. Os bancos centrais do Reino Unido e dos EUA devem elevar a suas taxas básicas de juros reagindo à retomada do crescimento econômico e à redução da ociosidade no mercado de trabalho. Contudo, o recente cenário de desaceleração da inflação global deve postergar esse movimento de alta. Especificamente no caso dos EUA, a última ata e os discursos recentes da presidente do banco central do país reforçam a percepção de que a alta dos juros deverá ocorrer no final do terceiro trimestre deste ano. 1

2 Dados de preço e quantum de exportações e importações de janeiro são indicativos para comportamento da balança comercial de 2015 Andréa Bastos Damico Não é novidade que o desempenho da balança comercial brasileira tornou-se modesto. Já discutimos muitas vezes em nossas publicações as várias razões desse fraco desempenho até aqui, tais como: a queda de termos de troca, os desafios de competitividade das exportações brasileiras de manufaturados no cenário global, os problemas comerciais com Argentina, para citar apenas alguns fatores. Em 2015, conforme já temos tido indicativos importantes, será um ano de necessário ajuste macroeconômico (principalmente na área fiscal), com consequências de curto prazo para atividade doméstica, com retração do PIB neste ano. Nesse sentido, dada a esperada queda do quantum importado, acompanhando a moderação da atividade doméstica, e ligeiro crescimento do quantum exportado tendo em vista a reação das exportações à depreciação cambial e a elevação das exportações de petróleo, era de se esperar uma recuperação mais significativa do saldo comercial. Porém, em 2015 essa recuperação ainda será limitada pela queda dos preços de exportação de soja e minério, principalmente. Já, a queda do preço do petróleo impactará positivamente o saldo comercial em 2015, pois ainda somos deficitários na conta de petróleo e derivados. Ainda assim, pensando em prazos mais dilatados (em 4 ou 5 anos), o impacto tem o sentido oposto, dada a perspectiva de tornarmos superavitários nessa conta (supondo que os preços não terão recuperação muito importante, o que é uma grande incerteza). Interessante observar que os dados de preço e quantum de exportações e importações, divulgados pela Funcex referentes a janeiro, são indicativos desse cenário desenhado para E, por mais que não reflitam exatamente os números projetados para o ano, exibem com assertividade o direcional esperado. Evolução das importações: valor, preço e quantum Valor US$ milhões Quantum 2006 = 100 Preço 2006 = 100 jan/14 jan/15 Variação Jan-14 Jan-15 Variação Jan-14 Jan-15 Variação Importações Totais ,0% 195,5 173,3-11,3% 135,0 127,9-5,3% Matéria-prima e intermediários ,1% 185,7 165,0-11,2% 129,1 126,3-2,2% Bens de capital ,0% 280,5 235,6-16,0% 114,9 116,1 1,0% Bens de consumo duráveis Bens de consumo não duráveis ,5% 253,7 210,6-17,0% 128,4 129,1 0,5% ,5% 215,0 211,6-1,6% 156,6 142,1-9,3% Combustíveis ,9% 153,5 134,8-12,2% 168,8 136,9-18,9% Cenário Doméstico Fonte: FUNCEX Do lado das importações, verificamos uma importante queda em valor em janeiro de 2015 em relação a janeiro de 2014, de 16%, explicada majoritariamente pelo recuo de 11% da quantidade importada, já reagindo, em alguma medida, à moderação da atividade doméstica em curso. Interessante observar que as retrações de quantum foram significativas em praticamente todas as categorias de uso, o que reflete de fato a menor absorção doméstica com destaque para os investimentos e o consumo das famílias. Os preços de importação também cederam (-5%), no entanto, essa queda é majoritariamente explicada por combustíveis e não-duráveis, por conta das retrações das cotações do petróleo e dos grãos, respectivamente. Bens de capital e bens duráveis importados tiveram, inclusive, ligeira alta de preços, ou seja, a redução de preços de importação não é generalizada. 2

3 Evolução das exportações: valor, preço e quantum Valor US$ milhões Volume 2006 = 100 Preço 2006 = 100 jan/14 jan/15 Variação Jan-14 Jan-15 Variação Jan-14 Jan-15 Variação Exportações Totais ,49% 85,7 88,1 2,8% 162,9 135,4-16,8% Básicos ,14% 100,9 117,2 16,2% 203,7 148,6-27,0% Semimanufaturados ,56% 111,8 117,2 4,8% 138,1 129,5-6,2% Manufaturados ,52% 68,8 59,2-14,0% 141,7 134,2-5,3% Combustíveis ,14% 87,7 145,2 65,5% 173,2 97,5-43,7% Fonte: FUNCEX Acerca das exportações, verificamos no mês passado um recuo de 14% em valor, explicado integralmente pela redução de 17% dos preços de exportações, uma vez que o quantum exportado cresceu 3%. Esperamos que esse movimento continue presente nos próximos meses, tendo em vista a reação das exportações à Funcex Termos de Troca depreciação cambial já verificada e o crescimento de quantum exportado de petróleo. Em relação aos preços de exportação verificados em janeiro de 2015, Índice de termos de troca (1996 = 100). Preço das exportações / preço das importações. Fonte: destacamos a retração brutal de preços dos bens básicos (petróleo, soja e minério de ferro) de quase 30%. Porém, diferentemente das importações, a queda de preços de exportação é generalizada e se estende também aos produtos semimanufaturados (-6%) e manufaturados (-5%). Isso, possivelmente, porque alguns produtos primários processados (categorizados em semimanufaturados e manufaturados) acabam capturando os menores preços do insumo básico ,82 129,05 125,58 123,22 120,17 118,46 117,34 Termos de troca (razão entre preço de exportação e preço de importação) ,37 109,96 116,94 113,12 107, ,66 99,17 103, ,80 93,60 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 Fonte: FUNCEX Cenário Doméstico De todo modo, o simples fato de os preços de exportação cederem mais que os de importação já acarreta em perdas nas relações de troca. De fato, isso ocorreu em janeiro, ainda que de forma superdimensionada como detalharemos a seguir. Tendo em vista a forte redução dos preços de exportação na margem, os termos de troca 1 saíram de 107 em dezembro do ano passado para 103 em janeiro deste ano (o que representa uma queda muito expressiva de 4% na margem). No entanto, como dissemos, essa retração está superdimensionada e será parcialmente revertida nos próximos meses. A razão para isso é bastante simples: os preços de exportação de petróleo e derivados costumam reagir mais rapidamente às oscilações do preço externo do petróleo do que os preços de importação. Em janeiro, os preços de exportação da cadeia de petróleo cederam 20% na margem, enquanto que os preços de importação caíram apenas 5%. No entanto, os preços de importação deverão recuar em magnitude semelhante aos de exportação nos próximos meses, acompanhando o movimento dos preços externo de petróleo. Em 2009 ocorreu fenômeno semelhante, quando os preços de importação demoraram um pouco 1 Os termos de troca, definidos como a razão entre os preços de exportação e importação, são medidos através de um número índice. 3

4 a mais para ceder do que os de exportação de petróleo. A seguir destacamos os preços de importação, exportação e termos de troca da cadeia de petróleo e verificamos que os termos de troca desse setor são relativamente estáveis. Mas em janeiro esses estão pelo menos 20% abaixo de sua média histórica e PREÇOS DE EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES E TERMOS DE TROCA DE PETRÓLEO E DERIVADOS/COMBUSTÍVEIS E LUBRIFICANTES (BASE 100=1996) FONTE FUNCEX deverão retornar para essa média nos próximos meses. Em suma, por esse vetor, o viés para os termos de troca em geral é de alta nos próximos meses, embora não haja muitas dúvidas de que, na média de 2015 contra 2014, teremos queda, ou seja, essa é a tendência para o ano. 230,0 180,0 130,0 Termos de Troca Petróleo Preço de exportação de Petróleo e Derivados Preço de importação de Petróleo e Derivados 204,40 117,05 144,13 208,17 162,60 175,23 136,85 Preços de exportações e importações e termos de troca de petróleo e derivados/ combustíveis e lubrificantes (base 100=1996) 81,15 80,0 48,99 85,79 55,35 75,27 57,76 116,34 93,37 86,24 97,46 59,70 30,0 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10 jul/10 out/10 jan/11 abr/11 jul/11 out/11 jan/12 abr/12 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 Fonte: FUNCEX Em suma, exatamente por essa esperada perda de termos de troca, capitaneadas pelas quedas em preços médios do minério de ferro e da soja, não vislumbraremos em 2015 uma recuperação do saldo comercial em 2015, ainda que tenhamos aumento do quantum exportado e queda significativa do quantum importado. Uma recuperação do saldo comercial, na nossa visão, apenas ocorreria em cenários mais adversos para atividade doméstica, condicionados ao risco de racionamento de energia. Nessas condições, estimamos que a retração do PIB poderia chegar até a 1,5% neste ano, levando o superávit comercial para próximo a US$ 4 bilhões 2 ante nossa projeção atual de déficit em torno de US$ 2 bilhões. Cenário Doméstico 2 Para esse resultado, levamos em conta que as exportações de manufaturados também recuarão sob efeito de um racionamento de energia elétrica, que comprometerá a capacidade produtiva da indústria brasileira. 4

5 Postura acomodatícia da política monetária em importantes economias mundiais deve justificar o movimento de fortalecimento do dólar ao longo do ano Thomas Henrique Schreurs Pires O comportamento recente dos preços do petróleo e das demais commodities impôs uma pressão baixista sobre a inflação global, o que tem feito com que importantes bancos centrais ao redor do mundo adotem uma postura mais acomodatícia das condições monetárias. Isso tem sido observado tanto para os bancos centrais que vinham elevando (ou estavam na iminência de elevar) a taxa de juros, como é o caso do banco central dos EUA e do Reino Unido, como para aqueles que estavam ampliando os estímulos quantitativos, como é o caso do banco central do Japão, da Área do Euro e da Suécia (entre outros). Para ilustrar o comportamento deflacionista nos preços das commodities e o repasse dessa deflação para os índices de preços ao consumidor, comparamos a variação dos preços do petróleo e das principais commodities de junho de 2014 (cotação máxima atingida pelo barril de petróleo no ano passado) até fevereiro deste ano. Nesse período, o petróleo acumulou queda de aproximadamente 50%, variação não muito diferente do comportamento registrado pelas principais commodities (conforme os gráficos a seguir) , /05/12 26/06/12 26/07/12 116,9 98,3 85,1 26/08/12 26/09/12 26/10/12 26/11/12 118,9 116,6 97,6 86,7 112,6 110,6 110,0 115,1 107,7 92,3 Última atualização: 26/02/ /12/12 26/01/13 26/02/13 26/03/13 26/04/13 26/05/13 26/06/13 26/07/13 26/08/13 26/09/13 26/10/13 26/11/13 26/12/13 26/01/14 26/02/14 26/03/14 26/04/14 26/05/14 26/06/14 26/07/14 26/08/14 26/09/14 26/10/14 26/11/14 26/12/14 26/01/15 26/02/15 98,0 99,7 93,7 86,1 74,2 WTI BRENT 61,7 60,5 48,8 Cotaçoes do petróleo Brent e WTI - US$/barril 44,5 Variação acumulada de jun de 2014 até o último dado disponível Fonte: Bloomberg Fonte: Bloomberg Variação dos preços das commodities acumulada de junho de 2014 até o último dado disponível (26/02/15) 2,0% -8,0% -18,0% -28,0% 5,7% -2,9% -4,0% -8,7% -10,4% -10,9% -13,8% -15,0% -15,3% -17,7% -21,1% -24,5% -26,9% Cenário Externo Fonte: Bloomberg -38,0% -48,0% -58,0% Boi Gordo Cacau Alumínio Ouro Milho Trigo Suco de Laranja Cobre Açúcar Algodão Café Níquel Soja -32,6% Minério de Ferro -39,5% -44,3% -46,1% -49,6% -53,7% Gás Natural Gasolina Petróleo (tipo Brent) Porco Magro Petróleo (tipo WTI) 5

6 Variação da inflação ao consumidor em 12 meses de junho de 2014 menos o último dado disponível (em pontos base) Fonte: bloomberg 19,0 16,6 14,0 9,0 4,0 Variação da inflação ao consumidor em 12 meses (de junho de 2014 menos o último dado disponível) (em pontos base) 0,6-1,0-1,5-6,0 UCRÂNIA VENEZUELA RÚSSIA COLÔMBIA BULGÁRIA BRASIL HONG KONG INDONÉSIA REP. TCHECA PORTUGAL NORUEGA ROMÊNIA ITÁLIA CHILE ESLOVÁQUIA PERU SUÉCIA SUÍÇA ESLOVÊNIA DINAMARCA BÉLGICA MÉXICO FRANÇA COREIA DO SUL NOVA ZELÂNDIA HOLANDA IRLANDA ARGENTINA ISRAEL FINLÂNDIA HUNGRIA ÁREA DO EURO LUXEMBURGO ÁUSTRIA JAPÃO AUSTRÁLIA CANADÁ ESPANHA ALEMANHA EMERGENTES MUNDO DESENVOLVIDOS REINO UNIDO POLÔNIA GRÉCIA TURQUIA FILIPINAS ÁFRICA DO SUL EUA MALÁSIA ÍNDIA CINGAPURA TAIWAN CHINA TAILÂNDIA VIETNÃ -5,0 Fonte: Bloomberg Mesmo que parte desse movimento de queda nos preços das principais commodities possa ser atribuída ao fortalecimento do dólar no período 1, essa retração tem atuado como um vetor deflacionista para grande parte das economias do mundo. Isso fica evidenciado pelo índice de inflação global 2, que recuou de uma alta de 3,3% em junho de 2014 para outra de 1,7% em janeiro deste ano. Esse Fonte: Bloomberg e FMI movimento se repetiu de maneira similar tanto nos INFLAÇÃO ACUMULADA 12 MESES: MUNDO, DESENVOLVIDOS E EMERGENTES países desenvolvidos (desaceleração de 1,7% para 0,2%) quanto nas economias emergentes (recuo de 5,2% para 4,0%). Vale ressaltar que, de dezembro do ano passado para janeiro deste ano, a intensidade da desaceleração aumentou de forma significativa, refletindo o aumento do impacto deflacionista dos preços do petróleo após os países membros da OPEP decidirem não reduzir a produção em seu encontro de novembro do ano passado. 10,5% GLOBAL DESENVOLVIDOS EMERGENTES 8,5% 7,2% 6,5% 6,3% 5,4% 4,5% 4,1% 4,4% 4,9% 2,5% 2,3% 1,4% 1,6% 0,5% 8,7% 6,4% 4,6% 4,0% 1,3% 6,1% 1,2% 7,4% 5,0% 2,6% 5,5% 5,8% 5,1% 3,8% 4,0% 1,7% 1,7% 2,9% 2,1% 0,7% 1,3% 1,0% 0,2% Inflação acumulada 12 meses: global, desenvolvidos e emergentes -1,5% mai/02 set/02 jan/03 mai/03 set/03 jan/04 mai/04 set/04 jan/05 mai/05 set/05 jan/06 mai/06 set/06 jan/07 mai/07 set/07 jan/08 mai/08 set/08 jan/09 mai/09 set/09 jan/10 mai/10 set/10 jan/11 mai/11 set/11 jan/12 mai/12 set/12 jan/13 mai/13 set/13 jan/14 mai/14 set/14 jan/15-1,1% Fonte: Bloomberg, FMI Cenário Externo Em princípio, a postura mais acomodatícia da política monetária em escala global afeta diretamente o mercado cambial, justificando o movimento de fortalecimento do dólar frente às demais moedas. Contudo, existem algumas importantes exceções como Ucrânia, Rússia, Argentina, Brasil, Colômbia, Filipinas, Nova Zelândia, Malásia e África do Sul. Ou seja, apesar do cenário global de desaceleração da inflação e da postura acomodatícia da política monetária em importantes países, algumas economias devem reagir de forma contrária a essa tendência. 1 O dólar norte-americano apreciou 18% contra uma cesta de moedas (índice DXY) no período de junho de 2014 até fevereiro deste ano. 2 Índice ponderado pelo PIB PPP com uma amostra de 52 países, elaborado e calculado pelo -BRADESCO. 6

7 Taxa básica de juros: Mundo, Desenvolvidos e Emergentes Fonte: Bloomberg e FMI 9,0 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 fev-02 jun-02 7,57 out-02 8,49 fev-03 jun-03 1,65 3,14 out-03 fev-04 jun-04 6,54 out-04 fev-05 jun-05 7,66 out-05 fev-06 jun-06 out-06 fev-07 Variação na taxa básica de juros de junho de 2014 até último dado disponível (em bps) 5,45 jun-07 4,26 out ,40 5,19 3,08 2,98 fev-08 jun-08 out-08 fev ,39 2,63 jun-09 0,66 out-09 fev-10 6,56 3,59 5,87 3,09 3,32 6,30 6,28 6,26 Taxa básica de juros: global, países desenvolvidos e emergentes (% ao ano) 0,95 Variação na taxa básica 0,63de juros 0,46 de junho de 2014 até último dado disponível 0,35 jun-10 out-10 fev-11 jun-11 out-11 fev-12 jun-12 out-12 Global Desenvolvidos Emergentes fev-13 jun-13 out-13 fev-14 jun-14 out-14 fev-15 3,23 Fonte: Bloomberg, FMI Fonte: Bloomberg Ucrânia Rússia Argentina Brasil Colômbia Filipinas Nova Zelândia Malásia África do Sul EUA Reino Unido Rep. Tcheca Japão Hong Kong Cingapura Taiwan México Indonésia Tailândia Bulgária Área do Euro Dinamarca Hungria Noruega Canadá Austrália Índia China Israel Coreia do Sul Polônia Suíça Peru Suécia Chile Turquia Romênia Cenário Externo Como já mencionado, o Banco Central Europeu (BCE) está do lado dos países que vêm ampliando os estímulos monetários para tentar impulsionar o crescimento e ao mesmo tempo evitar a deflação. Para isso (i) colocou sua taxa básica no menor patamar histórico (0,05%); (ii) tornou negativa a taxa de depósitos; e (iii) adotou um agressivo programa de compra de títulos, em princípio somente privados, e mais recentemente também incluiu bônus soberanos dos países membros da Área do Euro (que entrará em vigor em março). Outro banco central que também tem atuado na mesma direção é o Banco Central do Japão (BoJ na sigla em inglês). Assim como o BCE, o BoJ tem injetado uma grande quantidade de moeda na economia, expandindo seu balanço para estimular o crescimento doméstico e evitar a apreciação da moeda e a deflação. Como consequência, o comportamento do BCE influenciou a atuação de outros bancos centrais, como o da Suécia, Suíça, Dinamarca, Polônia e Hungria, que recentemente cortaram juros para evitar a apreciação de suas moedas frente ao euro. Ao mesmo tempo, a atuação do BoJ exerce grande influência sobre o banco central da Coreia do Sul, que deve agir para evitar excessiva apreciação da sua taxa de câmbio frente ao iene. Por conta disso, acreditamos que o dólar deverá ganhar valor frente a todas essas moedas ao longo deste ano. Outro grupo de países, que inclui Turquia, Indonésia, Peru, Chile, Austrália, Canadá e Noruega, também está afrouxando as condições monetárias, reagindo à desaceleração da atividade doméstica e ao cenário de queda nos preços das commodities. Com isso, também devem ter suas divisas perdendo valor frente ao dólar. Dentre essas economias, a inflação doméstica não figura como problema na Austrália, no Canadá e na Noruega. Contudo na Turquia, no Chile e no Peru, a inflação já se encontra acima do teto da meta do banco central e a recente depreciação cambial põe em risco a convergência da inflação para o centro da meta ao longo do ano. Encerrando o grupo de países em expansão monetária, a Índia e a Nova Zelândia também estão em um movimento de queda de juros (ou na iminência de iniciar como é o caso da Nova Zelândia). Essas duas economias são importadoras líquidas de petróleo, e, por conta disso, estão sendo beneficiadas com o cenário de queda nos preços da commodity. No caso da Índia, o promissor cenário doméstico, com uma agenda de reformas, inflação em queda e ajuste nas contas públicas, possibilita que o banco central do país continue reduzindo os juros sem que haja pressão sobre o câmbio. Na Nova Zelândia, a moeda vem se apreciando, por conta do diferencial de juros com os EUA, já que o banco central do país elevou a taxa básica em 100 pontos básicos no ano passado. Assim, 7

8 o forte arrefecimento da inflação que acumulou alta de 0,8% em 2014, abaixo da meta do banco central (entre 1% e 3%) deve permitir ao banco central do país iniciar uma nova rodada de cortes dos juros nas próximas reuniões, e assim combater a apreciação da moeda doméstica e evitar que a inflação fique muito abaixo da meta. Por conta disso, esperamos que a rupia indiana e o dólar neozelandês se mantenham valorizados frente ao dólar norte-americano ao longo de 2015, mesmo com os cortes de juros previstos. Por outro lado, alguns bancos centrais elevaram a taxa básica de juros, principalmente reagindo à aceleração da inflação doméstica e à depreciação cambial. Dentre esses bancos centrais, o caso da Rússia se destaca pelo tamanho do ajuste, com alta da taxa em 650 pontos básicos em reunião extraordinária ocorrida em meados de dezembro, após já ter elevado a taxa em 100 pontos básicos uma semana antes. Esse movimento foi uma tentativa de controlar a depreciação da taxa de câmbio, diante de um cenário de inflação alta, risco de fuga de capitais, queda no preço do petróleo e deterioração macroeconômica por conta das sanções impostas em resposta ao conflito geopolítico com a Ucrânia. Outro país impactado pela queda nos preços do petróleo é a Colômbia, que vinha apertando as condições monetárias para resfriar a demanda doméstica e combater a deterioração da inflação. Contudo, os preços do petróleo em queda e a redução da renda doméstica devem fazer com que o BC reverta sua postura contracionista, mantendo a taxa no patamar atual até que a desaceleração nos preços domésticos permita iniciar uma nova rodada de cortes. Aqui merece menção rápida à política monetária no Brasil. Entendemos que o banco central levará a taxa Selic a 13% ao final deste ano, em resposta ao realinhamento de preços em curso, considerando os reajustes das tarifas de serviços públicos e a depreciação do real. Por fim, os bancos centrais do Reino Unido e dos EUA devem elevar a suas taxas básicas de juros reagindo à retomada do crescimento econômico e à redução da ociosidade no mercado de trabalho. Contudo, o recente cenário de desaceleração da inflação global deve postergar esse movimento de alta. Especificamente no caso dos EUA, a última ata e os discursos recentes da presidente do banco central do país reforçam a percepção de que a alta dos juros deverá ocorrer no final do terceiro trimestre deste ano. Essa postura do Fed, por sua vez, acaba influenciando outros bancos centrais, como o México, que costumam seguir os seus movimentos diante da potencial depreciação de suas divisas frente ao dólar norte-americano. A tabela abaixo sintetiza o comportamento dos bancos centrais ao redor do mundo e o possível impacto para as respectivas taxas de câmbio. Em suma, acreditamos a maioria das moedas deverá depreciar frente ao dólar ao longo do ano, com exceção da libra esterlina, rupia indiana e o dólar neozelandês que devem se apreciar em relação à divisa norte-americana. Atuação do BC Justificativa para o comportamento do Banco Central Países Impacto no câmbio Movimento de expansão monetária (ou na iminência de) Movimento de contração monetária (ou na iminência de) Deflação e/ou apreciação da moeda Apreciação da moeda e cenário favorável de inflação Desaceleração da atividade doméstica, apesar da inflação acima da meta e/ou depreciação da moeda Depreciação da moeda doméstica e pressão inflacionária Forte crescimento econômico, mas inflação baixa Área do Euro, Japão, Suécia, Suíça, Dinamarca, Polônia, Hungria, Israel e Coreia do Sul Índia e Nova Zelândia Canadá, Austrália, Peru, Chile, Noruega, Indonésia e Turquia Colômbia, Brasil, Rússia, África do Sul e México EUA e Reino Unido Depreciação Apreciação Depreciação Depreciação Apreciação Cenário Externo 8

9 Quadro de Projeções - PIB real Mundial e países selecionados p 2015p Países Desenvolvidos 2,6 3,0 2,8 0,1-3,6 2,9 1,6 1,2 1,4 1,8 2,2 Estados Unidos 3,1 2,7 1,9-0,3-3,5 2,4 1,8 2,2 1,9 2,4 2,9 Área do Euro 1,7 3,2 3,0 0,4-4,3 1,8 1,5-0,6-0,4 0,9 1,3 Alemanha 0,8 3,9 3,4 0,8-5,1 3,6 3,1 0,9 0,4 1,6 1,7 França 1,8 2,5 2,3-0,1-3,1 1,7 1,7 0,0 0,3 0,4 0,6 Itália 0,9 2,2 1,7-1,2-5,5 1,8 0,4-2,7-1,9-0,3 0,4 Reino Unido 2,8 2,6 3,6-1,0-4,0 1,8 0,9 0,3 1,9 2,7 2,5 Japão 1,3 1,7 2,2-1,0-5,5 4,7-0,5 1,5 1,5 0,0 1,0 Países Emergentes 7,2 8,2 8,6 6,2 2,8 7,4 6,3 5,1 4,7 4,4 4,1 China 11,3 12,7 14,2 9,6 9,2 10,4 9,3 7,7 7,7 7,4 6,5 Coréia 4,0 5,2 5,1 2,3 0,3 6,3 3,6 2,0 2,8 3,3 3,5 Rússia 6,4 8,2 8,5 5,2-7,8 4,3 4,3 3,4 1,3 0,6-4,0 Índia 9,3 9,6 9,7 8,2 6,4 9,7 7,5 5,1 4,5 5,2 6,8 América Latina 4,7 5,7 5,8 4,3-1,3 6,1 4,5 2,9 2,7 1,1 1,0 Brasil 3,2 4,0 6,1 5,2-0,3 7,5 2,7 1,0 2,5 0,0-0,5 Argentina 9,2 8,4 8,0 3,1 0,1 9,1 8,6 0,9 3,0-2,3-2,0 Chile 6,2 5,7 5,2 3,3-1,1 7,5 4,8 5,4 3,6 1,8 3,0 Colômbia 4,7 6,7 6,9 3,6 5,8 4,0 6,6 4,0 4,7 4,8 3,5 México 3,2 5,1 3,2 1,2-6,2 5,1 4,0 3,9 1,1 2,1 3,2 Peru 6,8 7,8 8,9 10,1 1,1 8,4 6,5 6,0 5,6 2,7 2,6 Mundo 4,5 5,2 5,4 2,9-0,6 5,4 4,1 3,4 3,3 3,1 3,2 Fonte: FMI Elaboração e (p) projeção: BRADESCO Quadro de Projeções Macroeconômicas Externas 9

10 Quadro de Projeções Macroeconômicas - Ano base * 2015* 2016* ATIVIDADE, INFLAÇÃO E JUROS PIB (%) 4,0 6,1 5,2-0,3 7,5 2,7 1,0 2,5 0,0-0,5 2,0 Agropecuária (%) 4,8 4,8 6,3-3,1 6,3 3,9-2,3 7,3 1,0 0,0 3,0 Indústria (%) 2,2 5,3 4,1-5,6 10,4 1,6-0,8 1,7-1,7-2,0 1,5 Serviços (%) 4,2 6,1 4,9 2,1 5,5 2,7 1,7 2,2 0,7 0,0 2,1 Consumo Privado (%) 5,2 6,1 5,7 4,4 6,9 4,1 3,1 2,6 0,9-0,3 1,6 Consumo da Adm. Pública (%) 2,6 5,1 3,2 3,1 4,2 1,9 3,2 2,0 2,2 0,0 2,0 Investimento (FBKF) (%) 9,8 13,9 13,6-6,7 21,3 4,7-4,0 5,2-7,7-3,0 5,0 Exportações Bens e Serviços Não Fatores (%) 5,0 6,2 0,5-9,1 11,5 4,5 0,5 2,5-0,6 1,0 3,0 Importações Bens e Serviços Não Fatores (%) 18,4 19,9 15,4-7,6 35,8 9,7 0,2 8,3-1,3-1,0 5,0 PIB (R$) - bilhões (Preços Correntes) PIB (US$) - bilhões ,0 População - milhões 187,3 189,5 191,5 193,5 195,5 197,4 199,2 201,0 202,8 204,5 206,1 PIB per capita - US$ Produção Industrial - IBGE (%) 2,7 5,9 3,1-7,1 10,2 0,4-2,3 2,0-3,2-3,0 1,5 Taxa de Desemprego Aberto (30 dias) - IBGE (1) 10,0 9,3 7,9 8,1 6,7 6,0 5,5 5,4 4,9 6,2 6,0 Vendas no Comércio Varejista - Restrita (%) 6,2 9,7 9,1 5,9 10,9 6,7 8,4 4,3 2,2-0,5 4,5 IPCA - IBGE (%) 3,1 4,5 5,9 4,3 5,9 6,5 5,8 5,9 6,4 7,5 5,2 IPC - FIPE (%) 2,5 4,4 6,2 3,7 6,4 5,8 5,1 3,9 5,2 7,3 5,2 IGP-M - FGV (%) 3,8 7,8 9,8-1,7 11,3 5,1 7,8 5,5 3,7 5,0 5,0 IGP-DI - FGV (%) 3,8 7,9 9,1-1,4 11,3 5,0 8,1 5,5 3,8 5,0 5,0 Taxa Selic (final de período) % 13,25 11,25 13,75 8,75 10,75 11,00 7,25 10,00 11,75 13,00 11,50 Taxa Selic nominal (acumulado 12 meses) % 15,08 11,85 12,48 9,92 9,78 11,62 8,48 8,21 10,91 12,60 11,61 Taxa Selic real / IPCA (acumulado 12 meses) % 11,6 7,1 6,2 5,4 3,7 4,8 2,5 2,2 4,2 4,8 6,1 Taxa Selic real / IGP-M (acumulado 12 meses) % 10,8 3,8 2,4 11,8-1,4 6,2 0,6 2,6 7,0 7,2 6,3 EXTERNO, CÂMBIO, RISCO E BOLSA Quadro de Projeções Macroeconômicas Domésticas Balança Comercial (US$ bilhões) 46,5 40,0 24,9 25,4 20,1 29,8 19,4 2,6-3,9-2,2 3,5 Exportações (US$ bilhões) 137,8 160,6 197,9 153,0 201,9 256,0 242,6 242,2 225,1 200,9 209,5 Importações (US$ bilhões) 91,3 120,6 173,0 127,6 181,8 226,2 223,1 239,6 229,0 203,0 206,0 Corrente de Comércio (% PIB) 21,1 20,6 22,4 17,3 17,9 19,5 20,7 21,5 20,5 19,4 19,1 Déficit em serviços e rendas (US$ bilhões) -37,1-42,5-57,3-52,9-70,3-85,3-76,5-87,3-88,9-82,6-87,8 Saldo em conta-corrente (US$ bilhões) 13,6 1,6-28,2-24,3-47,3-52,5-54,2-81,4-90,9-81,3-81,0 Saldo em conta-corrente (% PIB) 0,8 0,1-1,7-1,6-2,2-2,1-2,4-3,6-4,2-4,0-3,8 Investimento Direto Estrangeiro (US$ bilhões) 18,8 34,3 45,1 25,9 48,5 66,7 65,3 64,0 62,5 55,0 60,0 Taxa de câmbio (final de período) R$ / US$ 2,14 1,77 2,34 1,74 1,67 1,88 2,04 2,35 2,64 2,75 2,84 Taxa de câmbio (média anual) R$ / US$ 2,18 1,95 1,83 2,00 1,76 1,67 1,95 2,16 2,35 2,70 2,80 Desvalorização nominal ponta (%) -8,66-17,15 31,94-25,49-4,31 12,58 8,94 12,81 12,59 4,12 3,14 Desvalorização nominal média (%) -10,56-10,53-5,82 8,89-11,89-4,85 16,70 10,43 9,06 14,74 3,58 Reservas internacionais (US$ bilhões) - liquidez 85,8 180,3 206,8 239,1 288,6 352,0 378,6 375,8 374,1 379,7 387,3 Dívida Externa Total Médio e Longo Prazo (US$ bilhões) 172,5 193,2 198,4 202,3 256,8 298,2 312,9 312,0 340,1 357,1 375,0 Dívida Externa / Exportações 1,3 1,2 1,0 1,3 1,3 1,2 1,3 1,3 1,5 1,8 1,8 Reservas Internacionais / Importações 0,9 1,5 1,2 1,9 1,6 1,6 1,7 1,6 1,7 1,9 1,9 Rating Soberano Moody's Ba2 Ba1 Ba1 Baa3 Baa3 Baa2 Baa2 Baa2 Baa2 - - Rating Soberano S&P BB BB+ BBB- BBB- BBB- BBB BBB BBB BBB- - - IBOVESPA - Pontos FISCAL Resultado primário do setor público (R$ bilhões) 75,9 88,1 103,6 65,8 101,7 129,0 105,0 92,0-33,0 67,4 121,8 Resultado primário do setor público (% PIB) 3,20 3,31 3,42 2,03 2,70 3,11 2,38 1,90-0,63 1,20 2,00 Resultado nominal do setor público - sem câmbio (% PIB) -3,6-2,8-2,0-3,3-2,5-2,6-2,5-3,3-6,7-4,9-4,2 Dívida Líquida do Setor Público (R$ bilhões) 1120,1 1211,8 1168,2 1362,7 1475,8 1508,5 1550,5 1640,5 1921,0 2089,0 2213,6 Dívida Líquida do Setor Público (% PIB) 47,3 45,5 38,5 42,1 39,1 36,4 35,3 33,9 36,8 37,2 36,3 (1): A partir de 2002 com dados calculados de acordo com a nova metodologia da Pesquisa Mensal de Emprego. (**) Para 2014, apenas os dados do PIB referem-se a projeções. Atualizado com dados até 27/fevereiro/2015 Fonte: Dados oficiais para números efetivos Elaboração e (*)projeção: BRADESCO 10

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Siderurgia 12 de maio de 2015 Demanda externa deve compensar parcialmente retração doméstica de produtos siderúrgicos Leandro de Oliveira Almeida Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos A retração

Leia mais

Destaque Depec - Bradesco

Destaque Depec - Bradesco Destaque Depec - Bradesco Ano XII - Número 121-30 de setembro de 2015 Melhora dos fundamentos macroeconômicos protege países latino-americanos de repetir crise de mesma intensidade da década de 80 Felipe

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Junho de 2015 Cotação do açúcar deve seguir em baixo patamar, refletindo elevado nível de estoques globais Priscila Pacheco Trigo Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos O nível de estoques de açúcar

Leia mais

Destaque Depec - Bradesco

Destaque Depec - Bradesco Destaque Depec - Bradesco Ano XII - Número 98-25 de março de 2015 O repasse cambial sobre os preços administrados Myriã Tatiany Neves Bast Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos O Banco Central

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Maio de 2015 Benefício do câmbio mais depreciado sobre as exportações de carnes será limitado pela queda da demanda de mercados relevantes Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos

Leia mais

Destaque Depec - Bradesco

Destaque Depec - Bradesco Destaque Depec - Bradesco Ano XII - Número 11-0 de julho de 015 Melhora da composição da carteira de crédito e desalavancagem das famílias deverão conter a alta da inadimplência Ellen Regina Steter Departamento

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Telecomunicações 17 de novembro de 2015 Avanço dos serviços de telecomunicações deverá ser mais lento nos próximos anos Priscila Pacheco Trigo Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Os serviços

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Transporte Aéreo 26 de agosto de 2015 Depois do bom resultado do primeiro semestre, o transporte aéreo entra em desaceleração em resposta ao enfraquecimento da economia e à depreciação do real Regina Helena

Leia mais

Calendário de Eventos Econômicos

Calendário de Eventos Econômicos Calendário de Eventos Econômicos Horário Eventos Previsão Comentários SegundaFeira 05/10 08:25 Bacen: Boletim Focus (semanal) 10:00 Markit: Índice PMI composto 15:00 MDIC: Balança comercial (semanal) 04:55

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica Semanal

Conjuntura Macroeconômica Semanal Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal 08 de maio de 2015 Recuperação recente dos preços do petróleo pode levar

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica Semanal

Conjuntura Macroeconômica Semanal Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal 17 de julho de 2015 Esperamos queda do PIB de 2,1% em 2015 e estabilidade

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Sistema de Saúde Privada 03 de junho de 2015 Sistema de saúde privado deverá ser impactado pela piora do mercado de trabalho no curto prazo Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Construção Residencial 16 de dezembro de 2014 Ajuste dos estoques de imóveis residenciais reforça expectativa de menor crescimento da atividade de construção civil nos próximos trimestres Departamento

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP O mercado de câmbio brasileiro, no primeiro bimestre de 2014 Grupo de Economia / Fundap O ano de 2014 começou com um clima bem agitado nos mercados financeiros internacionais, com o anúncio feito pelo

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 08 de julho de 2015

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 08 de julho de 2015 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 8 de julho de 1 A Videocon Industries prevê investir US$ 2, bilhões no País até A indiana Videocon Industries

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Energia elétrica 22 de setembro de 2015 Acreditamos que a bandeira tarifária amarela prevalecerá em 2016, a despeito da melhora da perspectiva de chuvas diante do El Niño Priscila Pacheco Trigo Departamento

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Janeiro de 2013 Mudanças estruturais no mercado de café devem favorecer fluxos mais equilibrados de oferta e de demanda, implicando menores níveis de volatilidade das cotações Regina Helena Couto Silva

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional -SP Fundação: 1937- origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 02 de julho de 2015

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 02 de julho de 2015 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 2 de julho de 1 Grupo São Martinho investirá entre R$ 7 e 7 milhões O grupo São Martinho investirá entre

Leia mais

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 12 de março de 2015

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 12 de março de 2015 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 12 de março de Votorantim investirá R$ 2, bilhões neste ano A Votorantim Industrial investirá cerca

Leia mais

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 19 de novembro de 2014

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 19 de novembro de 2014 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 19 de novembro de 1 A Lojas Americanas planeja investir R$ bilhões até 19 A Lojas Americanas anunciou

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015 Aug-10 Feb-11 Aug-11 Feb-12 Aug-12 Feb-13 Aug-13 Feb-14 Aug-14 Feb-15 Aug-15 INFORME ECONÔMICO RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Alta de juros nesse ano ainda é o cenário base do FED. No Brasil, a inflação

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Petrobras, Poupança e Inflação. 16 de Abril de 2015

Petrobras, Poupança e Inflação. 16 de Abril de 2015 Petrobras, Poupança e Inflação 16 de Abril de 2015 Tópicos Poupança e Cenário Econômico Petrobras Fundos Poupança e Cenário Econômico Caderneta de Poupança 1990: Data do confisco:16 de março de 1990. Cenário

Leia mais

O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC

O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 2 Cenário Internacional: importante piora nas últimas semanas Zona do Euro

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS FED reduz projeções de crescimento e inflação nesse ano, e mostra cautela em relação ao início do aperto monetário nos EUA. No Brasil, inflação se mantém pressionada. O Comitê

Leia mais

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 07 de maio de 2015

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 07 de maio de 2015 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 7 de maio de 1 A Companhia Siderúrgica do Pecém investirá R$ 12,7 bilhões até A Companhia Siderúrgica

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio SPX Capital Agosto 2013 Perspectivas Macroeconômicas Inflação acumulada em 12

Leia mais

Tendências e perspectivas

Tendências e perspectivas Economia brasileira Tendências e perspectivas Apresentação para o VIII Seminário Econômico da Fundação CEEE Gustavo H. B. Franco Porto Alegre, 23 de novembro de 2006 4 Temas Fundamentais Para entender

Leia mais

RADAR ABIT CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO

RADAR ABIT CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO RADAR ABIT CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO Janeiro 2014 TÊXTIL E VESTUÁRIO CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO Para 2014, estima-se que a cadeia produtiva têxtil e de vestuário em termos de volume evolua sobre 2013

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 03 de junho de 2015

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 03 de junho de 2015 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 3 de junho de 1 CCR investirá R$ bilhões neste ano O grupo de concessões de infraestrutura CCR vai investir

Leia mais

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 24 de junho de 2015

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 24 de junho de 2015 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 24 de junho de Agrária vai investir R$ 7 milhões até A Agrária, cooperativa agroindustrial do Paraná,

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Atividade econômica mostra reação nos EUA. No Brasil, o PIB contraiu abaixo do esperado. Nos EUA, os dados econômicos mais recentes sinalizam que a retomada da atividade

Leia mais

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 22 de Setembro de 2015

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 22 de Setembro de 2015 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 22 de Setembro de 1 AES Eletropaulo pretende investir R$ milhões por ano, até 17 A AES Eletropaulo anunciou

Leia mais

Relatório Mensal Agosto/2015

Relatório Mensal Agosto/2015 1. Cenário Econômico Relatório Mensal GLOBAL: A ata da reunião de julho do FOMC (Federal Open Market Committee) trouxe um tom mais conciliador. Embora a avaliação em relação à atividade econômica tenha

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

4 SETOR EXTERNO. ipea

4 SETOR EXTERNO. ipea 4 SETOR EXTERNO RESTRIÇÕES EXTERNAS AO CRESCIMENTO ECONÔMICO Tradicionalmente, as restrições ao crescimento da economia brasileira são consideradas como limites impostos pela deterioração incontornável

Leia mais

Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro

Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro Irailton Silva Santana Júnior 1 Vinícius de Araújo Mendes 1 Introdução O presente relatório concentra a análise da economia brasileira

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional:

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional: Relatório Mensal Janeiro de 2015 Cenário Internacional: EUA O diagnóstico dos membros do Federal Open Market Comittee (Fomc) sobre a atividade econômica é positivo: os EUA estão crescendo mais que a previsão,

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006-07

Cenário Macroeconômico 2006-07 Cenário Macroeconômico 2006-07 Prof. Luciano Coutinho VIII Seminário Econômico Fundação CEEE Porto Alegre, 23 de novembro de 2006 Cenários Alternativos Cenário Básico (70%) Moderada desaceleração global:

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Ensino superior 1 de junho de 214 Crescimento do sistema de ensino superior tem sido alavancado pela renda e pelos incentivos governamentais, mas enxergamos desafios à frente Regina Helena Couto Silva

Leia mais

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 25 de novembro de 2014

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 25 de novembro de 2014 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 2 de novembro de 14 A ThyssenKrupp planeja investir R$ 2 bilhões até 19 A ThyssenKrupp, grupo industrial

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços 2 A inflação mais elevada no trimestre finalizado em fevereiro evidenciou, essencialmente, o realinhamento dos preços monitorados e livres, pressões pontuais advindas da desvalorização cambial,

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia?

Brasil: Potência ou Colônia? Brasil: Potência ou Colônia? Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ

Leia mais

Brasil 2014/15: Crescimento moderado, inflação alta e risco fiscal elevado

Brasil 2014/15: Crescimento moderado, inflação alta e risco fiscal elevado Brasil 2014/15: Crescimento moderado, inflação alta e risco fiscal elevado Nilson Teixeira (55 11) 3701 6288 nilson.teixeira@credit-suisse.com Paulo Coutinho (55 11) 3701 6353 paulo.coutinho@credit-suisse.com

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Inflação e Salários...Pág.3 Europa: Grexit foi Evitado,

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea 7 ECONOMIA MUNDIAL QUADRO GERAL O cenário econômico mundial não apresentou novidades importantes nos primeiros meses de 2013, mantendo, em linhas gerais, as tendências observadas ao longo do ano passado.

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Setor de construção surpreende positivamente nos EUA. Cenário de atividade fraca no Brasil impacta o mercado de trabalho. Nos EUA, os indicadores do setor de construção registraram

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Abril de 2012 Expectativa de expansão da safra 2012/13 do complexo sucroalcooleiro no Brasil poderá ser afetada pelo clima seco Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Relação Econômica Bilateral Japão e Brasil

Relação Econômica Bilateral Japão e Brasil Relação Econômica Bilateral e Ⅰ.Comércio Exterior e Os principais parceiros de intercâmbio comercial brasileiro são os, a e a. A presença do não é significativa comparando a esses países. As exportações

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

Relatório Econômico Mensal SETEMBRO/14

Relatório Econômico Mensal SETEMBRO/14 Relatório Econômico Mensal SETEMBRO/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Cenário para 2015 contempla ajustes na economia brasileira e global

Cenário para 2015 contempla ajustes na economia brasileira e global Novembro/2014 Cenário para 2015 contempla ajustes na economia brasileira e global Temor de baixa inflação global nos parece exagerado, mas tende a manter liquidez global elevada até meados do próximo ano.

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de julho de 2010. CENÁRIO ECONÔMICO EM JUNHO A persistência dos temores em relação à continuidade do processo de recuperação das economias centrais após a divulgação dos recentes dados de

Leia mais

BBDTVM - Fundos de Investimentos

BBDTVM - Fundos de Investimentos BB Gestão de Recursos DTVM S.A. Fundos de Investimentos ECONOMIA INTERNACIONAL Atividade Global Contexto corrente não persistirá: Concomitante desaceleração EUA e China Índice de S urpresas Macroeconômicas

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP PALESTRA Redução de Custos no Comércio Exterior Fábio Martins Faria Curitiba, 29 de outubro de 2014 1 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO 2

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL

ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL APRESENTAÇÃO INSTITUTO DE ECONOMIA DA UNICAMP ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL 1 1 5 de setembro de 2014

Leia mais

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 18 de dezembro de 2014

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 18 de dezembro de 2014 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 18 de dezembro de 14 Sistema Produtor São Lourenço terá investimento de R$ 2,6 bilhões A empresa Sistema

Leia mais

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro Em fevereiro de 215, o Brasil apresentou um déficit na balança comercial de, aproximadamente, US$ 2,8 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, o montante é um déficit de US$ 3,8 bilhões (Figura 1),

Leia mais

Mercado em Foco: Chile

Mercado em Foco: Chile Mercado em Foco: Chile EXPOMIN, 2014 Breve estudo com informações sobre as perspectivas de negócios da economia do Chile. Apresentamos também uma análise do comércio exterior de máquinas e equipamentos

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais