A RECUPERAÇÃO DA HEVEICULTURA BRASILEIRA 1. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RECUPERAÇÃO DA HEVEICULTURA BRASILEIRA 1. Resumo"

Transcrição

1 A RECUPERAÇÃO DA HEVEICULTURA BRASILEIRA 1 Resumo Augusto Hauber Gameiro 2 Heiko Rossmann 3 Mariana Bombo Perozzi Gameiro 4 Priscilla Perez 5 O Brasil, que no início do século XX detinha o monopólio da produção mundial de borracha natural, hoje responde por apenas 1,3% da produção em termos globais. Apesar dessa pequena contribuição, o setor tem grande importância no país, o que pode ser confirmado pela presença de inúmeras indústrias de transformação, especialmente a pneumática, que possui um parque industrial com equipamentos de última geração e um consumo que ainda está longe de ser atendido pela produção nacional. Este trabalho analisa o comportamento do mercado mundial de borracha e sua influência sobre o desenvolvimento da heveicultura brasileira. Conclui-use que a heveicultura no Brasil passa por um momento favorável à sua expansão e ao fortalecimento do setor produtivo como um todo. Contribuem para este cenário, principalmente, o déficit da matéria-prima e a elevação dos preços no mercado internacional, refletindo nos preços domésticos. O surgimento da China como um gigante consumidor de borracha é apontado como o principal fator responsável pela escalada nos preços da borracha natural nos últimos meses. Somada a isso, a limitação de áreas aptas para a cultura da seringueira nos principais países produtores também contribui para esse aumento. Frente a este cenário, que deve se agravar nos próximos anos, o Brasil está diante de uma oportunidade singular para buscar suprir a demanda interna de borracha natural e até mesmo se tornar um exportador em um futuro distante para a realidade atual. Palavras-chave: borracha, heveicultura, perspectiva. Introdução O Brasil, que no início do século XX detinha o monopólio da produção mundial de borracha natural, hoje responde por apenas 1,3% da produção em termos globais. Apesar dessa pequena contribuição, o setor tem grande importância no país, o que pode ser confirmado pela presença de inúmeras indústrias de transformação, especialmente a pneumática, que possui um parque industrial com equipamentos de última geração e um consumo que ainda está longe de ser atendido pela produção nacional. Esse é o maior indicativo da potencialidade do mercado brasileiro de elastômero natural (Rossmann et al., 2004). Atualmente, o Brasil apresenta um déficit de quase 170 mil toneladas de borracha natural por ano, tendo que importar grandes quantidades dessa matéria-prima. Isso pesa negativamente na 1 Trabalho submetido ao XLII Congresso da SOBER, a ser apresentado na forma oral. Área temática: Comercialização, Mercados e Preços. 2 Professor do Curso de Administração de Empresas e Comércio Exterior da Universidade de Ribeirão Preto. Av. Costábile Romano, CEP , Ribeirão Preto SP, 3 Engenheiro Agrônomo, M.Sc. em Genética e Melhoramento de Plantas, Diretor Executivo da Natural Soluções Setoriais. Rua Bela Vista, 214. CEP , Piracicaba SP, 4 Bacharel em Comunicação, Jornalista da Natural Soluções Setoriais. Rua Bela Vista, 214. CEP , Piracicaba SP, 5 Bacharel em Comunicação, Jornalista da Natural Soluções Setoriais. Rua Bela Vista, 214. CEP , Piracicaba SP,

2 balança comercial do país, sendo um dos motivos que justificam a necessidade de expansão da heveicultura doméstica. De acordo com dados do Grupo Internacional de Estudos da Borracha (IRSG - International Rubber Study Group), a produção mundial de borracha natural vem se mantendo em torno de 7,2 milhões de toneladas, tendo o consumo superado a produção em 2002, gerando um déficit de 150 mil toneladas da matéria-prima (Tabela 1). Tabela 1. Produção e consumo mundial de borracha natural, em milhões de toneladas (até setembro) Produção mundial 7,19 7,27 5,70 Consumo mundial 7,10 7,42 5,78 Fonte: IRSG, Em 2002, a Tailândia participou com cerca de 34,5% da produção mundial de borracha natural, seguida pela Indonésia, com 22,9%, Índia, com 9,0%, e Malásia, com 8,2%. A Malásia, que na década de 80 era o maior produtor mundial, teve sua produção reduzida ano a ano desde então, ocupando hoje a quarta posição no ranking. Além do aspecto econômico, na área social é possível citar a geração de empregos desde a explotação do látex, passando pelo beneficiamento nas usinas, até a sua aplicação final. A atividade heveícola necessita de uma pessoa a cada quatro hectares plantados e a indústria de pneus emprega diretamente 16 mil pessoas. Considerando que a área atual em produção é de 100 mil hectares, infere-se que há, aproximadamente, 25 mil pessoas trabalhando diretamente no cultivo da seringueira. Isso sem contabilizar a atividade extrativista na região amazônica (Gameiro, 2002; Rossmann et al., 2004). A importância da seringueira também é enorme no quesito ambiental. De acordo com a Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), vinculada à Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento do Governo do Estado de São Paulo, a cultura da seringueira é considerada altamente benéfica ao meio ambiente, uma vez que seu comportamento se assemelha ao de uma mata nativa, acumulando menos perda de solo por hectare no ano em comparação com outras importantes culturas, como algodão, soja e milho. Além disso, favorece o acúmulo de água no solo. Diante do exposto, o presente trabalho tem como objetivo mostrar a situação atual do setor de borracha natural no Brasil e no mundo e apontar as perspectivas para os próximos anos. Metodologia A metodologia está baseada na pesquisa e análise de dados estatísticos nacionais e internacionais a respeito do mercado da borracha natural. As informações, em grande parte, são fornecidas pelo Projeto Borracha Natural Brasileira 6 (BNB), criado pela iniciativa privada com o objetivo de produção e divulgação de informações do setor visando contribuir com seu desenvolvimento socioeconômico. O Projeto BNB é conduzido por especialistas no mercado da borracha, que acompanham diariamente o setor nas principais bolsas mundiais, bem como levantando informações junto 6 Site na internet: 1

3 aos agentes do setor no Brasil. Os principais jornais internacionais que abordam o mercado da borracha também são acompanhados diariamente. Os preços da borracha são apresentados em moeda brasileira e em dólar. As taxas de câmbio dos maiores países produtores (Tailândia, Indonésia e Malásia) também são analisadas para entender sua influência sobre os preços mundiais e sobre o mercado doméstico brasileiro. Borracha natural no Brasil Rossmann et al. (2004), baseando-se em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre a área plantada e a produção de borracha natural até 2002, estimam que o país produziu cerca de 159 mil toneladas de látex coagulado em 2003, incluindo o extrativismo. Considerando um teor de borracha seca médio de 60% (DRC 60%), a produção seria de 95,5 mil toneladas de borracha (Tabela 2). Este volume indica um crescimento de 5,8% frente à produção de 2002, de 90,3 mil toneladas. Tabela 2. Produção brasileira de borracha natural, em mil toneladas. Ano Coágulo Coágulo Coágulo Cultivo Extração Total DRC 60% ,5 5,2 140,7 84, ,1 4,4 148,5 89, ,5 4,0 150,5 90, ,1 4,0 159,1 95,5 Fonte: IBGE (até 2002); Projeto Borracha Natural Brasileira (2004). O balanço entre produção, importação e exportação de borracha natural sugere que o consumo brasileiro do produto foi de aproximadamente 263 mil toneladas em 2003, alta de 14,3% ante as 230 mil toneladas consumidas em 2002, sendo evidente a dimensão do déficit, que hoje é da ordem de 160 mil toneladas. Em alguns estados brasileiros, esforços vêm sendo empenhados a fim de elevar a produção de borracha natural, visto que não há um programa nacional com este objetivo. Merecem destaque os estados de São Paulo, Mato Grosso, Bahia e Espírito Santo. Os preços pagos aos heveicultores e às usinas de beneficiamento têm se mantido firmes nos últimos cinco anos. Em moeda nacional, houve forte elevação a partir de setembro de Os preços pagos pela borracha aos produtores passaram de R$ 1,60 por quilo (base seca) em julho de 2002 para R$ 2,26 por quilo em novembro; enquanto os preços para as usinas saltaram de R$ 2,38 para quase R$ 3,50 por quilo (Figura 1). A forte desvalorização do Real no período pré-eleitoral foi a principal explicação para esse comportamento, pois elevou o custo de importação da borracha. 4,00 Preços aos Produtores e às Usinas em São Paulo $/kg borracah seca 3,00 2,00 1,00 2

4 Figura 1. Preços recebidos pelos produtores e pelas usinas em São Paulo (Fonte dos dados: Projeto Borracha Natural Brasileira, 2004; FAESP, 2004; e Banco Central do Brasil, 2004). A análise dos preços em Dólar mostra-se ainda mais importante. O preço médio aos produtores entre 2002 e 2003 foi de US$ 0,65 (base seca), enquanto os preços às usinas estiveram ao redor de US$ 1. Esses valores se mantiveram relativamente estáveis no período, tendo subido no final de Em dezembro do ano passado, os preços aos produtores foram de US$ 0,90 e os preços às usinas atingiram US$ 1,35. Deve-se salientar, ainda, que o subsídio federal está incluído nesta análise. O apoio federal foi fundamental para a manutenção do setor até julho de 2002, quando o mercado reagiu naturalmente, fazendo que a subvenção deixasse de ser necessária e permitindo que o setor fosse regido pelas leis de mercado. Para maiores informações a respeito do funcionamento da política de subvenção, consultar o trabalho de Gameiro (2001) e Gameiro & Saretta (2002). Outro aspecto interessante que deve ser explorado é a participação do preço recebido pelo produtor no preço pago às usinas (Figura 2). Participação do Produtor no Preço da Borracha Beneficiada 71% 69% 67% 65% 2000: 67% 2002: 64% 2003: 65% 63% 61% 2001: 63% 59% 57% 55% ago/99 nov/99 fev/00 mai/00 ago/00 nov/00 fev/01 mai/01 ago/01 nov/01 fev/02 mai/02 ago/02 nov/02 fev/03 mai/03 ago/03 nov/03 3

5 Figura 2. Participação do produtor no preço da borracha beneficiada, em reais, em São Paulo (Fonte: Projeto Borracha Natural Brasileira, 2004). A participação dos produtores oscilou entre 58% e 69%, em janeiro e outubro de 2002, respectivamente. A partir de meados de 2001, essa relação passou a apresentar tendência de elevação, passando de 63% naquele ano para 64% em 2002 e chegando a 65% em Em termos internacionais, essa relação é de para 2/3, ou seja, 66%. Não há estudos que demonstrem isso, sendo, portanto, apenas uma aproximação. Uma questão polêmica que não pode ser esquecida refere-se à diferença entre os preços de referência (que indicam quais deveriam ser os preços praticados no mercado brasileiro) e os preços efetivamente pagos pela indústria consumidora às usinas beneficiadoras de borracha (Gameiro e Saretta, 2002). A Figura 3 apresenta a evolução desse diferencial a partir do ano 2001, em uma comparação feita entre os preços de referência divulgados pela Federação de Agricultura do Estado de São Paulo (Faesp) e os preços pagos às usinas levantados pelo Projeto Borracha Natural Brasileira. 16% 14% Diferencial de Preço Referência FAESP e Preço Pago às Usinas 12% 10% 2003: 8,5% 8% 6% 2000: 4,3% 2001: 7,9% 4% 2% 0% jan/01 mar/01 mai/01 jul/01 set/01 nov/01 jan/02 mar/02 mai/02 jul/02 set/02 nov/02 jan/03 mar/03 mai/03 jul/03 set/03 nov/03 Figura 3. Diferencial do preço de referência da Faesp e do preço pago às usinas em São Paulo (Fonte dos dados: FAESP, 2004). Analisando a Figura 3, observa-se que o preço referencial nunca foi praticado. Na melhor das hipóteses, a diferença ficou ao redor de 2%, considerada desprezível por muitos empresários, inclusive alguns usineiros. No ano de 2001, a diferença foi, em média, igual a 4,5%. A partir de 2002, porém, a diferença passou a ser mais significativa em função do comportamento do câmbio. Quando o Real se desvaloriza diante do Dólar, as importações se tornam mais onerosas e a indústria consumidora, especialmente a pneumática, reluta em repassar os aumentos ao segmento produtor. Na média, em 2003, essa diferença foi de 8,5%, tendo chegado a quase 15% no final daquele ano. O fato de os preços estarem em patamares mais elevados faz com que esse tipo de análise acabe não sendo priorizada. Mas é importante registrar que esse diferencial configura-se como uma evidente perda do segmento produtor nacional. Deve-se lembrar que, apesar de 4

6 atualmente não haver repasse de subsídios, a heveicultura nacional é regulamentada por uma legislação que estabelece a metodologia de formação dos preços nacionais. Borracha natural no mundo A crise financeira no Sudeste Asiático em 1997 foi considerada a causa principal do atraso do momento da heveicultura brasileira. A forte desvalorização de moedas como o Ringgit (Malásia), a Rúpia (Indonésia) e o Bath (Tailândia) frente ao Dólar diminuiu absurdamente os preços internacionais da borracha natural, cotados em moeda norte-americana (Burger & Smit, 1997). Isso impediu ou dificultou que países como o Brasil, com uma heveicultura emergente, pudessem crescer. Mas nos últimos três anos, de acordo com dados do Banco Central do Brasil, as moedas asiáticas pararam de se desvalorizar e, inclusive, iniciaram leve movimento de valorização (Figura 6). 1,40 Variação do Valor das Moedas Asiáticas (base: fev/99) Índice de Valorização 1,30 1,20 1,10 1,00 0,90 0,80 0,70 0,60 Baht Tailândia: -7,0% Rúpia Indonésia: +5,0% Ringgit Malásia: 0,0% Tailândia Indonésia Malásia Figura 6. Variação do valor das moedas asiáticas (Fonte: Projeto Borracha Natural Brasileira). Foram calculados índices para que todas as moedas pudessem ser representadas em uma mesma figura. As taxas de câmbio (quantidade de moeda asiática necessária para adquirir um Dólar norte-americano) do mês de fevereiro de 1999 foram tomadas como base, assumindo valor igual a 1. Na Malásia, uma política cambial mais controlada faz com que o mercado de moedas seja bastante estável. Assim, em todo período, o Ringgit praticamente não registrou alteração, como pode ser observado na figura. A Rúpia indonésia e o Bath tailandês apresentaram desvalorização até meados de 2001, mas reagiram a partir de então. A Rúpia já recuperou seu valor no período, estando 5% mais valorizada que no início de O Bath ainda não se recuperou plenamente, encontrando-se 7% desvalorizado. Mas a tendência de recuperação é clara. 5

7 As valorizações nos últimos dois anos são importantes fatores que - juntamente com a nãoexpansão dos seringais asiáticos - contribuem para que os preços internacionais permaneçam firmes, com tendência altista, refletindo de maneira positiva sobre o mercado brasileiro (LMC, 2002 e 2003). Burger e Smit estimaram que a escassez de borracha natural seria perceptível no ano Tal previsão esteve errada por apenas dois anos, uma vez que a crise asiática de 1997 mascarou este movimento (Burger & Smit, 2002 e 2003). Partindo-se da hipótese de que não haverá crises e problemas financeiros na Ásia, pode-se inferir que os preços do elastômero natural não recuarão dos níveis atuais nos próximos anos. Os preços internacionais da borracha natural sofreram forte queda a partir de 1996, chegando a patamares mínimos em 2001, quando a média anual foi de US$ 557 por tonelada da SMR- 10 (Standard Malaysian Rubber, ou Borracha Padrão da Malásia, equivalente ao GEB-1). Em 2002, houve uma reversão na tendência e os preços passaram a reagir. De 2001 para 2002, a variação no preço médio foi de 37,6%; de 2002 para 2003 essa alta foi de 32,9%. O preço médio no ano passado foi igual a US$ por tonelada. No início de 2004, as cotações já se encontram próximas ao patamar de 1996, em torno de US$ por tonelada. A Figura 7 mostra a evolução do preço internacional da borracha natural. Os dados são da Bolsa de Borracha da Malásia (MRB - Malaysian Rubber Board). Preço da Borracha no Mercado Internacional (SMR-10) , , ,85 US$/t ,47 605,49 656, , ,88 jan/96 jun/96 nov/96 abr/97 set/97 fev/98 jul/98 dez/98 mai/99 out/99 mar/00 ago/00 jan/01 jun/01 nov/01 abr/02 set/02 fev/03 jul/03 dez/ Figura 7. Evolução do preço da borracha natural (SMR-10) no mercado internacional (Malaysian Rubber Board, 2004). Dentre os principais fatores que levaram à alta dos preços internacionais da borracha natural em 2002 e, sobretudo em 2003, estão: a recuperação da economia mundial; a forte demanda da China no mercado; o Acordo Tripartite entre Tailândia, Indonésia e Malásia, visando à contenção da oferta global; a redução do estoque mundial de borracha natural; as flutuações no valor das moedas asiáticas; as interferências climáticas nos principais países produtores e o crescimento dos negócios dos Estados Unidos (IRSG, 2003; Burger & Smit, 2002 e 2003; e Rossmann et al., 2004). 6

8 Conclusões A heveicultura brasileira passa por um momento favorável à sua expansão e ao fortalecimento do setor produtivo como um todo. Contribuem para este cenário, principalmente, o déficit da matéria-prima no Brasil e a elevação dos preços no mercado internacional, refletindo nos preços domésticos. O surgimento da China como um gigante consumidor de borracha, tanto natural quanto sintética, é apontado como o principal fator responsável pela escalada nos preços da borracha natural nos últimos meses. Somada a isso, a limitação de áreas aptas para a cultura da seringueira nos principais países produtores também contribui para esse aumento. Frente a este cenário de escassez de matéria-prima, que deve se agravar nos próximos anos, o Brasil está diante de uma oportunidade singular para buscar suprir a demanda interna de borracha natural e até mesmo se tornar um exportador em um futuro distante para a realidade atual. Bibliografia Banco Central do Brasil. Banco de Dados de Taxas de Câmbio. Disponível em: BURGER, C.P.J., SMIT, H.P., The natural rubber market. Review, analysis, policies and outlook, Woodhead Publishing Ltd, Cambridge, 1997 BURGER, K.; SMIT, H.P. The outlook for Natural Rubber Prices in the Coming Years. Proceedings of the International Rubber Forum. International Rubber Study Group, Glasgow, Scotland, Feb., 24p BURGER, K.; SMIT, H.P. The world tyre and rubber industry and the China factor: some scenarios for the future. Paper prepared for special seminars. Economic and Social Institute, Free University of Amsterdam, 51p., Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (FAESP). Informativo Projeto Borracha. Diversos números. Disponível em: GAMEIRO, A.H. Avaliação econômica dos programas de apoio à produção e ao consumo da borracha natural no Brasil: 40 anos em análise. Trabalho apresentado no Seminário Programa de Subvenção aos Produtores de Borracha Natural: avaliação e novos mecanismos de gestão e controle. Conab: Brasília, 17 de setembro de p. GAMEIRO, A.H.. A Política de Subvenção à Borracha Natural e a Rentabilidade do Setor. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 2001, Recife. Anais do XXXIX Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural. Recife: SOBER, p.162. GAMEIRO, A.H.; SARETTA, C.B. Regulamentação Pública e Conduta das Firmas no Sistema Agroindustrial da Borracha no Brasil entre 1997 e Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v. 40, n. 3, p , Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Sistema de Recuperação Automática International Rubber Study Group (IRSG). Banco de Dados. Disponível em:

9 International Rubber Study Group (IRSG); Economic and Social Institute, Free University of Amsterdam (ESI). The future of the tyre and rubber sector of China and consequences for the world rubber industry: a multi-client study. London: IRSG, 16p., LMC International Ltd. Commodity Bulletin: rubber. Diversos, 2002 e Malaysian Rubber Board. Banco de Dados. Disponível em: Projeto Borracha Natural Brasileira. Banco de Dados. Disponível em: ROSSMANN, H.; GAMEIRO, A. H.; PEROZZI. M. B.; PEREZ, P. Brasil chega ao esperado futuro promissor da borracha natural: retrospectiva 2003 e perspectivas para Disponível em:

ARTIGOS TÉCNICOS ARTICLES O FUTURO DA HEVEICULTURA BRASILEIRA THE FUTURE OF BRAZILIAN NATURAL RUBBER CULTIVATION

ARTIGOS TÉCNICOS ARTICLES O FUTURO DA HEVEICULTURA BRASILEIRA THE FUTURE OF BRAZILIAN NATURAL RUBBER CULTIVATION 14 Florestar Estatístico ARTIGOS TÉCNICOS ARTICLES O FUTURO DA HEVEICULTURA BRASILEIRA THE FUTURE OF BRAZILIAN NATURAL RUBBER CULTIVATION HEIKO ROSSMANN 1 AUGUSTO HAUBER GAMEIRO 2 1 Engenheiro Agrônomo,

Leia mais

Investimentos na heveicultura devem aumentar

Investimentos na heveicultura devem aumentar INFORMATIVO CGPCP Ano 4 Vol. 42, agosto de 21 Heveicultura Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Política Agrícola Departamento de Comercialização e Abastecimento Agrícola e

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Revista de Economia e Sociologia Rural Print ISSN 0103-2003

Revista de Economia e Sociologia Rural Print ISSN 0103-2003 Revista de Economia e Sociologia Rural Print ISSN 0103-2003 Rev. Econ. Sociol. Rural vol.40 no.3 Brasília 2002 doi: 10.1590/S0103-20032002000300002 Regulamentação pública e conduta das firmas no sistema

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA OS MERCADOS DE SOJA, MILHO E TRIGO EM 2015 FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas OCEPAR Curitiba (PR), 02/out/14 www.agrural.com.br A INFORMAÇÃO

Leia mais

APABOR. Investindo na cultura da seringueira. Implantação e manejo. Copyright TERMOS DE USO. Heiko Rossmann APABOR. Sumário.

APABOR. Investindo na cultura da seringueira. Implantação e manejo. Copyright TERMOS DE USO. Heiko Rossmann APABOR. Sumário. Investindo na cultura da seringueira Heiko Rossmann MS Florestal 7 de junho de 21 Campo Grande-MS Sumário Implantação e manejo Rentabilidade Perspectivas Implantação e manejo Copyright TERMOS DE USO O

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

CUSTOS E RENTABILIDADE DA SERINGUEIRA EM DIFERENTES CENÁRIOS DE PREÇO E PRODUTIVIDADE

CUSTOS E RENTABILIDADE DA SERINGUEIRA EM DIFERENTES CENÁRIOS DE PREÇO E PRODUTIVIDADE XX VII REUNIÃO DA CÂMARA SETORIAL DA BORRACHA Brasília, 08 de maio de 2014 CUSTOS E RENTABILIDADE DA SERINGUEIRA EM DIFERENTES CENÁRIOS DE PREÇO E PRODUTIVIDADE Adonias de Castro Virgens Filho Engenheiro

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo apresenta e discute o comportamento das taxas de câmbio

Leia mais

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O presente boletim tem o objetivo de apresentar a situação atual do mercado, por meio dos dados disponibilizados pelo USDA, CONAB e MAPA. Apresenta-se, posteriormente, a

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de 2015. Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS. Novembro de 2013

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS. Novembro de 2013 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Novembro de 2013 Milho: Neste mês o mercado de milho registrou comportamento diferenciado. Em algumas localidades ocorreram quedas nos preços, caso do Paraná, e sustentação em outras,

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade

Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade De acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, apenas os estados de

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MARÇO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016 1 PRODUTOS 2 Borracha Natural Consumo Interno 300 mil toneladas/ano 64% Importação 262 mil toneladas/ano 36% Produção

Leia mais

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 Debora de Moura 1) Panorama Internacional O mercado da castanha de caju, embora, regional no Brasil, movimenta grandes valores mundialmente. De

Leia mais

EXPERIÊNCIA E LUCRATIVIDADE PARA O SEU SERINGAL

EXPERIÊNCIA E LUCRATIVIDADE PARA O SEU SERINGAL EXPERIÊNCIA E LUCRATIVIDADE PARA O SEU SERINGAL ABORDAGEM DA PALESTRA VISÃO DE PRODUTOR RURAL DO CENÁRIOS HEVEÍCOLA: - MUNDIAL, - DA AMÉRICA LATINA, E - DO BRASIL QUEM SOMOS CARGOS OCUPADOS Diretor da

Leia mais

CEASAMINAS UNIDADE GRANDE BELO HORIZONTE OFERTA DE ALHO EM AGOSTO NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS

CEASAMINAS UNIDADE GRANDE BELO HORIZONTE OFERTA DE ALHO EM AGOSTO NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS Alho As perspectivas do mercado de alho na CeasaMinas Grande BH foram totalmente concretizadas no mês de agosto. Esta característica pode ser creditada principalmente ao bulbo nacional, pois quanto ao

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

Indicadores econômicos da produção de borracha natural no Brasil

Indicadores econômicos da produção de borracha natural no Brasil 7ago 2015 Indicadores econômicos da produção de borracha natural no Brasil Por Camila Braga* 1. Introdução A borracha natural, importante commodity agrícola, ao lado do aço e do petróleo, é considerada

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas CAFÉ CAFÉ Bolsas BM&F ICE FUTURES Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação SET13 136,80 136,50 135,80-1,80 SET 113,50 115,70 113,25-1,45

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE LARANJA NO CINTURÃO CITRÍCOLA 49% Farelo 85% laranja para indústria 45% Suco 98%

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

Mercado Externo. Preço do milho (ZCN5) Índice Dólar (DXY) Fonte: TradingView, CMEGroup

Mercado Externo. Preço do milho (ZCN5) Índice Dólar (DXY) Fonte: TradingView, CMEGroup Mercado Externo Segundo relatório de abril do U.S Departament of Agriculture USDA, a produção de milho dos EUA será 2,8% maior do que na safra anterior, com uma estimativa de produção total de 361,1 milhões

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

CASTANHA-DO. DO-BRASIL Junho/2006. Humberto Lôbo Pennacchio Analista de Mercado Sugof/Gefip

CASTANHA-DO. DO-BRASIL Junho/2006. Humberto Lôbo Pennacchio Analista de Mercado Sugof/Gefip CASTANHA-DO DO-BRASIL Junho/2006 Humberto Lôbo Pennacchio Analista de Mercado Sugof/Gefip A castanha-do-brasil é originária exclusivamente da floresta amazônica e se caracteriza pelo extrativismo de coleta.

Leia mais

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Juliano Merlotto Mestre em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade

Leia mais

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro Em fevereiro de 215, o Brasil apresentou um déficit na balança comercial de, aproximadamente, US$ 2,8 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, o montante é um déficit de US$ 3,8 bilhões (Figura 1),

Leia mais

Cacau Amêndoa Período: Junho de 2013

Cacau Amêndoa Período: Junho de 2013 Cacau Amêndoa Período: Junho de 2013 Tabela I PREÇO PAGO AO PRODUTOR - Cacau Amêndoa (em US$/ton.). Períodos Anteriores Junho/2013 % Locais Unid. 12 meses 1 mês 1 mês [a] [b] [c] c/a c/b Ilhéus - Bahia

Leia mais

Preço médio da Soja em MS Período: 06/03 á 11/03 de 2014 - Em R$ por saca de 60 kg

Preço médio da Soja em MS Período: 06/03 á 11/03 de 2014 - Em R$ por saca de 60 kg SOJA» MERCADO INTERNO Na primeira semana de março houve leve apreciação nos preços da saca de 6 Kg de soja em grãos, estes cresceram em média 1,2% em relação aos preços observados 6/mar. Mas em comparação

Leia mais

Curva Futura das Cotações 1 : baixa safra de café em ano de ciclo de alta

Curva Futura das Cotações 1 : baixa safra de café em ano de ciclo de alta Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Curva Futura das Cotações 1 : baixa safra de café em ano de ciclo de alta Em janeiro de 2014, as expectativas para a trajetória do mercado de juros

Leia mais

Volatilidade retorna e preços continuam baixos no mercado de café

Volatilidade retorna e preços continuam baixos no mercado de café Volatilidade retorna e preços continuam baixos no mercado de café Os preços diários do café caíram para seus níveis mais baixos de 19 meses durante agosto, com os mercados de produtos básicos no mundo

Leia mais

Dados do Setor. Março - 2014

Dados do Setor. Março - 2014 Dados do Setor Março - 2014 Índice Dados do Setor 3 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 2012 4 Distribuição Geográfica das Florestas Plantadas Brasileiras 5 Área de Florestas Plantadas no Mundo

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15

ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15 ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15 CONJUNTURA MENSAL ANO 1. Nº 4 O 12º Levantamento de Safras da Conab, divulgado em 11 de setembro de 2015, consolidou os dados sobre produção, área e produtividade de algodão

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL JUNHO

CONJUNTURA MENSAL JUNHO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL JUNHO ANO 1 Nº2 O preço mundial da commodity apresenta movimento de alta em nível mundial, impulsionado principalmente pelas condições climáticas adversas nos Estados

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Cacau Amêndoa Período: Março de 2013

Cacau Amêndoa Período: Março de 2013 Cacau Amêndoa Período: Março de 2013 Tabela I PREÇO PAGO AO PRODUTOR - Cacau Amêndoa (em US$/ton.) Períodos Anteriores Março/13 % Locais Unid. 12 meses 1 mês [a] [b] [c] c/a c/b Ilhéus - Bahia R$/Kg 5,83

Leia mais

AGOSTO DEVE SER MARCADO POR QUEDA ANUAL DE 33% EM NOVA YORK

AGOSTO DEVE SER MARCADO POR QUEDA ANUAL DE 33% EM NOVA YORK Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 31/agosto/2015 n. 590 AGOSTO DEVE SER MARCADO POR QUEDA ANUAL DE 33% EM NOVA YORK A finalização do mês de agosto traz consigo mais um registro de forte

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA ZONA LESTE AUTOR(ES):

Leia mais

Milho Período: 13 a 17/07/2015

Milho Período: 13 a 17/07/2015 Milho Período: 13 a 17/07/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,1507 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE

USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 30/novembro/2015 n. 603 USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE Com o título já enfático sobre o futuro dos preços

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

08/09/2015. Mundo Evolução da área (índice 100= safra 2000/01) Bolsa de Chicago Relação soja/milho no 1º contrato PROPHETX/AGRURAL

08/09/2015. Mundo Evolução da área (índice 100= safra 2000/01) Bolsa de Chicago Relação soja/milho no 1º contrato PROPHETX/AGRURAL PERSPECTIVAS PARA A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA NOS PRÓXIMOS 5 ANOS FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas ANDA 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE FERTILIZANTES

Leia mais

ABRIL INICIA COM QUEDA SUPERIOR A 9% PARA O HIDRATADO

ABRIL INICIA COM QUEDA SUPERIOR A 9% PARA O HIDRATADO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Nº 390 Ano IX 03/abril/2014 ABRIL INICIA COM QUEDA SUPERIOR A 9% PARA O HIDRATADO No mercado físico de etanol, a primeira semana de abril foi marcada pelo abrandamento

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Setor Externo: Triste Ajuste

Setor Externo: Triste Ajuste 8 análise de conjuntura Setor Externo: Triste Ajuste Vera Martins da Silva (*) A recessão da economia brasileira se manifesta de forma contundente nos resultados de suas relações com o resto do mundo.

Leia mais

A Crise Econômica Mundial e as Economias Regionais

A Crise Econômica Mundial e as Economias Regionais A Crise Econômica Mundial e as Economias Regionais Gráfico 1 Efeitos da crise financeira sobre o emprego Dados dessazonalizados Abril = 104 103 102 101 99 98 97 96 104 102 98 96 94 92 88 86 Abr Jun Mai

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 COMMODITIES AGRÍCOLAS RESUMO DOS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO DE COMMODITIES AGRÍCOLAS SUMÁRIO OFERTA 4 8 VARIAÇÕES HISTÓRICAS E FORECAST 6 DEMANDA 9 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Tabela 1 - OPERACOES DE CREDITO (milhões de R$) Ano I Nov/13. Fonte: ESTBAN, Banco Central do Brasil

Tabela 1 - OPERACOES DE CREDITO (milhões de R$) Ano I Nov/13. Fonte: ESTBAN, Banco Central do Brasil De acordo com a Estatística Bancária por Município (ESTBAN), divulgada pelo Banco Central, o saldo das operações de crédito, em agosto desse ano, chegou a R$ 2,320 trilhões no país, um crescimento de 10,9%

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM)

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Boletim n.º 05 1º trimestre de O AMBIENTE ECONÔMICO Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Atividade econômica A economia brasileira, medida pelo desempenho do Produto Interno

Leia mais

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA BOLSA DE CHICAGO 3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA Chuvas diminuíram nesta semana, mas ainda acumularam grandes volumes em pontos já muitos úmidos do Meio-Oeste 3 EUA Lavouras De Soja Ruins

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

GANHOS DO ETANOL HIDRATADO SUPERAM AÇÚCAR BRUTO EM NOVA YORK EM QUASE 10%

GANHOS DO ETANOL HIDRATADO SUPERAM AÇÚCAR BRUTO EM NOVA YORK EM QUASE 10% Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 0613/julho/2015 n. 583 GANHOS DO ETANOL HIDRATADO SUPERAM AÇÚCAR BRUTO EM NOVA YORK EM QUASE 10% O encerramento de junho foi marcado por mais um período

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO -

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL Vitória (ES), 06 de novembro de 2014 USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - Adonias de Castro Virgens

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História do Milho - Os primeiros registros do cultivo datam de 7.300 anos - Origem Americana: litoral do México - Nome, de origem indígena, significa "sustento

Leia mais

Análise de Mercado do Sistema OCB

Análise de Mercado do Sistema OCB Análise de Mercado do Sistema OCB SUMÁRIO EXECUTIVO Mercado de Trigo nº 019 - Abril/2008 Equipe da Gerência de Mercados - GEMERC: Autor: Marcos Antonio Matos - Técnico de Mercado Coordenação: Evandro Scheid

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Painel 4 Perspectivas dos mercados de açúcar e etanol

Painel 4 Perspectivas dos mercados de açúcar e etanol BMFBovespa Seminário Perspectivas do Agribusiness 2012-2013 Painel 4 Perspectivas dos mercados de açúcar e etanol Andy Duff, Food & Agribusiness Research, Rabobank Brasil 22 de maio de 2012 Food & Agribusiness

Leia mais

Revisão Mensal de Commodities

Revisão Mensal de Commodities Revisão Mensal de Commodities segunda-feira, 3 de dezembro de 2012 Oferta maior e desempenho misto A estabilização do crescimento na China e riscos geopolíticos também afetaram os preços das commodities.

Leia mais

Exportações recordes do Brasil influenciam o mercado cafeeiro

Exportações recordes do Brasil influenciam o mercado cafeeiro Exportações recordes do Brasil influenciam o mercado cafeeiro As exportações de café do Brasil alcançaram um volume recorde de 36,8 milhões de sacas no ano-safra de 2014/15 (abril a março), alimentado

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP O mercado de câmbio brasileiro, no primeiro bimestre de 2014 Grupo de Economia / Fundap O ano de 2014 começou com um clima bem agitado nos mercados financeiros internacionais, com o anúncio feito pelo

Leia mais

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov.

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov. CAFÉ Jorge Queiroz 1. MERCADO INTERNACIONAL Segundo o USDA, a produção mundial de café deverá atingir no ano 2009/2010, um total de 127,4 milhões de sacas. Entretanto, a OIC (Organização Internacional

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Indústria. Prof. Dr. Rudinei Toneto Júnior Renata de Lacerda Antunes Borges

Indústria. Prof. Dr. Rudinei Toneto Júnior Renata de Lacerda Antunes Borges A Sondagem Industrial (SI) e o Índice de Confiança (ICEI) são elaborados pela unidade de Política Econômica da Confederação Nacional das s (CNI) em conjunto com as Federações das s dos 23 estados brasileiros

Leia mais