Marketing na empresa Global

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marketing na empresa Global"

Transcrição

1 Marketing na empresa Global Negócios Internacionais e novas realidades por Cavusgil, Knight e Riesenberger slide 1

2 Global sourcing: comprando pelo mundo Com seus concorrentes, a Reebok e a Adidas, a Nike contrata quase toda a sua produção de sapatos para atletas de fornecedores estrangeiros. Estas empresas são mais bem descritas como donas de marcas e vendedoras e não como fabricantes. A Apple Computer terceriza quase 70 por cento de sua produção no exterior enquanto foca seus recursos internos na melhoria de seu sistema operacional e outras plataformas de software. Essa abordagem permite que a Apple use seus recursos de maneira otimizada e foca em suas competências essenciais. slide 2

3 Origem das peças do laptop Dell Inspiron slide 3

4 Global sourcing Global sourcing: Aquisição de produtos ou serviços de fornecedores independentes ou de subsidiárias da própria empresa localizadas no exterior para o consumo no país de origem ou em outro país. Também chamado contratação global ou compra global; equivale à importação. Envolve uma relação contratual entre o comprador e uma fonte externa de abastecimento, na qual o desempenho de uma atividade da cadeia de valor específica é subcontratada para a própria subsidiária da empresa ou para um fornecedor independente. slide 4

5 Fatores essenciais da global sourcing Os avanços tecnológicos, incluindo a conectividade imediata à Internet e a disponibilidade de banda larga. Diminuição dos custos de comunicação e transporte. A generalização do acesso à informação ampla, incluindo a crescente conectividade entre os fornecedores e os clientes que eles atendem. Empreendedorismo e rápida transformação econômica em mercados emergentes. slide 5

6 Decisão 1: terceirizar ou não? Os gestores devem decidir entre internalização e externalização se cada atividade que agrega valor deve ser realizada em casa ou por um fornecedor externo e independente. Conhecida como fazer ou comprar: Devemos fazer um produto ou realizar uma atividade particular da cadeia de valor nós mesmos, ou terceirizamos a atividade com um fornecedor externo? As empresas geralmente internalizam as atividades da cadeia de valor que consideram parte de sua competência essencial ou que envolvem a utilização de conhecimento e segredos comerciais que eles querem controlar. slide 6

7 Business Process Outsourcing (BPO) Terceirização de funções de negócios para fornecedores independentes, como contabilidade, folha de pagamentos e atividades de recursos humanos, serviços de TI, atendimento ao consumidor e apoio técnico. O BPO inclui: Atividades de retaguarda, que incluem funções internas de negócios, como os pagamentos de salários e o faturamento Atividades de vanguarda, que incluem serviços aos clientes, como marketing ou suporte técnico slide 7

8 Decisão 2: Em que lugar do mundo as atividades de adição de valor devem ser estabelecidas? Configuração de atividade de valor agregado refere-se ao padrão ou à disposição geográfica dos locais onde a empresa realiza as atividades que adicionam valor. Em vez de concentrar as atividades que agregam valor no país de origem, muitas empresas configuram essas atividades ao redor do mundo para poupar dinheiro, reduzir o tempo de entrega, acessar fatores de produção e tirar vantagens máximas em relação aos concorrentes. Isso ajuda a explicar a migração de indústrias da Europa, do Japão e dos Estados Unidos para mercados emergentes na Ásia, na América Latina e na Europa Oriental. slide 8

9 Um exemplo de uma configuração mundial da cadeia de valor A fabricante de automóveis alemão BMW emprega funcionários de fábrica em 23 locais, em 13 países para fabricar seus veículos. Os trabalhadores da fábrica de Munique fabricam a BMW série 3 e fornece motores e componentes de carrocerias para outras fábricas da BMW no mundo. Nos Estados Unidos, a BMW tem uma fábrica na Carolina do Sul, que fabrica mais de 500 veículos diariamente para o mercado mundial. No nordeste da China, a BMW faz carros em uma joint venture com a Brilliance China Automotive Holdings Ltd. Na Índia, a BMW tem uma fábrica para atender às necessidades do crescente mercado do sul da Ásia. A BMW deve configurar o suprimento da BMW nos melhores locais do mundo a fim de: minimizar os custos (por exemplo, por meio da produção na China), ter acesso a pessoal qualificado (com a produção na Alemanha), manter-se próximo aos principais mercados (por meio da produção na China, na Índia e nos Estados Unidos). slide 9

10 Manufatura contratada: Global sourcing por fornecedores independentes Um acordo no qual a empresa focal contrata um fornecedor independente para produzir produtos de acordo com especificações bem-definidas. A Nike é um bom exemplo. Exemplos: A Patheon é um dos maiores fabricantes do mundo por contrato na indústria farmacêutica. A empresa fornece o desenvolvimento de novas drogas e serviços de manufatura para empresas farmacêuticas e de biotecnologia ao redor do mundo. A Patheon opera 11 fábricas na América do Norte e na Europa, produzindo medicamentos populares e importantes para as maiores indústrias farmacêuticas no mundo. A Benetton emprega manufatura contratada para a produção de roupas. A IKEA usa manufatura contratada para produzir móveis. slide 10

11 Escolhas típicas das empresas no momento de terceirizar e dispersar geograficamente as atividades da cadeia de valor slide 11

12 Magnitude do global sourcing Em 2005, a Índia sozinha recebeu mais de US$ 22 bilhões nos negócios de atendimento de telefones de consumidores, gerenciamento de redes de computadores, processamento de faturas e criação de softwares personalizados para multinacionais ao redor do mundo. O global sourcing criou mais de 1,3 bilhões de empregos durante a última década apenas na Índia. Enquanto isso, entre 2000 e 2004, algo em torno de 100 mil serviços foram terceirizados a cada ano dos Estados Unidos para outros países. Em 2006, a terceirização da TI e de processos de negócios excedeu US$ 150 bilhões mundialmente. slide 12

13 Principais atores do global sourcing por região slide 13

14 Benefícios do global sourcing Eficiencia de custos. Produtividade melhorada. Flexibilidade tecnológica. Melhor agilidade para redesenhar as atividades da empresa. Acesso a pessoal mais habilidoso. Maior velocidade no mercado. Acesso a novos mercados. slide 14

15 Desafios do global sourcing Vulnerabilidade para as flutuações cambiais. Seleção do parceiro, qualificação e monitoramento dos custos. Complexidade de gerenciamento de uma rede de parceiros mundial e uma cadeia de fornecedores global. Influência limitada no processo de manufatura do fornecedor. Vulnerabilidade para comportamentos oportunistas por parte dos fornecedores. Habilidade limitada para proteger os ativos intelectuais. slide 15

16 Gerenciamento da cadeia de suprimentos global Cadeia global de suprimentos: rede integrada de abastecimento, produção e distribuição da empresa organizada em escala mundial e localizada em países onde a vantagem competitiva pode ser maximizada. Receber de inúmeros fornecedores espalhados pelo mundo requer um gerenciamento eficiente da cadeia de abastecimento. Prestadores de serviços terceirizados de logística (3PLs), bem como fornecedores independentes de serviços de logística, tais como a FedEx, a TNT e a UPS, são facilitadores úteis. slide 16

17 Onde a Boeing terceiriza os componentes para os novos aviões 787 slide 17

18 Etapas, funções e atividades da cadeia de abastecimento slide 18

19 Características do gerenciamento da cadeia de suprimentos Custos associados com a entrega física de um produto para o mercado de exportação pode ser responsáveis por mais de 40 por cento do custo total. Empresas experientes usam tecnologias de comunicações e da informação (ICTs) para agilizar as operações, reduzir custos e aumentar a eficiência da distribuição. Logística envolve mover fisicamente mercadorias através de cadeia de suprimentos. Incorpora informação, transporte, inventário, armazenagem, manuseio e atividades similares associadas com a entrega de matérias-primas, peças, componentes e produtos prontos. slide 19

20 Modos de transporte A logística internacional tipicamente envolve múltiplos modos de transporte. Transporte terrestre é feito via estradas e rodovias. Transporte marítimo é feito por grandes navios cargueiros. Transporte aéreo envolve aeronaves comerciais ou de carga. Os transportes marítimo e aéreo são comuns em negócios internacionais por conta das longas distâncias. O transporte marítimo é o modo de transporte mais comum e barato. O transporte marítimo sofreu uma revolução com o desenvolvimento de contêineres de 20 a 40 pés. slide 20

21 Riscos no global sourcing 1. Redução de custos menor que a esperada. Conflitos e problemas surgem de várias fontes. 2. Fatores ambientais. Exemplos incluem flutuações nas taxas cambiais, barreiras comerciais, eventos macroeconômicos, altos custos de energia e greves trabalhistas. 3. Ambiente jurídico fraco. Pode afetar a proteção da propriedade intelectual, minando os principais ativos estratégicos. 4. Riscos de criar concorrentes. 5. Mão de obra inadequada ou pouco qualificada. 6. Erosão da moral e do comprometimento entre os funcionários do país-sede devido a terceirização de funções. slide 21

22 Estratégias para minimizar os riscos 1. Procure fornecedores no exterior pelos motivos corretos. A melhor razão é de cunho estratégico, tal como aumentar a qualidade oferecida, melhorar a produtividade e liberar competências essenciais. 2. Venda a ideia aos funcionários. Projetos de terceirização mal planejados criam tensão desnecessária com os funcionários existentes. 3. Escolha com cuidado entre uma operação própria e a elaboração de contratos com fornecedores externos. Encontre o equilíbrio entre o que fazer e o que comprar. 4. Escolha países e fornecedores cuidadosamente. Há muitas opções para se escolher um corretor poderá ajudar. 5. Invista no desenvolvimento e na colaboração com os fornecedores. 6. Proteja os interesses proativamente, tais como ativos essenciais e a reputação da empresa. slide 22

23 Ameaças potencias e assuntos éticos O global sourcing pode levar a três grandes problemas no país de origem: Perda de empregos. Redução da competitividade nacional. Piora nos padrões de vida. As multinacionais podem ser ineficientes ou indiferentes a respeito de: Proteger o meio ambiente. Promover os direitos humanos. Práticas tranbalhistas e condições de trabalho no exterior. slide 23

24 Políticas públicas para o global sourcing É impraticavel adotar uma política unilateral contra o global sourcing. Em vez disso, é melhor minimizar os prejuízos que o global sourcing pode causar. O offshoring leva a um processo de destruição criativa. Cria novas vantagens e oportunidades, enquanto elimina certos tipos de empregos, impactando negativamente certos setores econômicos e segmentos da economia. slide 24

25 Iniciativas de políticas públicas úteis Guiar os empregos para funções que agreguem maior valor estimulando a inovação, por exemplo. Manter os custos dos negócios baixo (por exemplo, via políticas econômicas e fiscais apropriadas, encorajando inovação, mantendo os custos com capital. Assegurar um sistema educacional forte, incluindo escolas técnicas e universidades bem fundadas, que formem engenheiros, cientistas e trabalhadores qualificados. Maximize a flexibilidade do trabalhador para ajudar aqueles que perdem os empregos a encontrar outras posições. slide 25

26 Marco de referência para o marketing de uma empresa internacional slide 26

27 Estratégia de marketing global Estratégia de marketing global: Um plano de ação que orienta a empresa em: (1) Como posicionar sua imagem e seus produtos; (2) Quais são os segmentos do mercado global; e (3) Criar elementos do programa de marketing. Pensando globalmente. slide 27

28 Estratégia de marketing global e posicionamento Segmento de mercado global: Grupo de clientes que compartilham características em comum através de muitos mercados nacionais. As empresas têm esses clientes como alvo, usando programas de marketing relativamente uniformes. Por exemplo, o segmento global de jovens, que são consumidores da MTV, da Levis Strauss. O segmento global de executivos jet-setters. Estratégia de posicionamento global: Estratégia na qual os produtos da empresa são posicionados na cabeça dos consumidores mundialmente. Por exemplo, Starbucks, Volvo, Sony. slide 28

29 Padronização e adaptação Adaptação: Esforços da empresa para modificar elementos no programa de marketing internacional para acomodar necessidades específicas de consumidores de um mercado em particular. Por exemplo: editoras e empresas de software. Padronização: Esforços da empresa para tornar os elementos do programa de marketing uniformes, visando atingir regiões inteiras de países ou até mesmo o mercado global, com um produto ou serviço similar. Entretanto, um produto, um mundo, a estratégia não é normalmente possível. Os gestores tentam atingir um equilíbrio ideal entre a integração global e a resposta local. slide 29

30 Trade-offs entre padronização e adaptação no mercado internacional slide 30

31 As empresas preferem a padronização A adaptação é cara e pode necessitar grandes mudanças no produto, nas operações de manufatura, preços (menores), distribuição e comunicações de marketing. Custos são somados através de muitos mercados nacionais. Portanto, os gestores normalmente se desviam para o caminho da padronização, adaptando os elementos do programa de marketing somente quando necessário. Ou, as empresas buscam uma estratégia regional, em que os elementos do programa de marketing são formulados para explorar as semelhanças em uma região geográfica, em vez de mundialmente. slide 31

32 Branding global Marcas globais famosas incluem: filmes de Hollywood (por exemplo, Star Wars), estrelas pop (Shakira), estrelas do esporte (David Beckham), produtos de higiene pessoal (Gillette Sensor), brinquedos (Barbie), cartões de crédito (Visa), alimentos (Cadbury), bebidas (Heineken), móveis (IKEA) e produtos eletrônicos (Playstation). Uma forte marca global aumenta a eficiência e eficácia dos programas de marketing, facilita a cobrança de preços maiores, aumenta a alavancagem da empresa com revendedores, estimula a lealdade à marca e inspira confiança no produto. slide 32

33 Marcas globais mais importantes por região, 2007 slide 33

34 Desenvolvendo produtos globais com equipes globais Até os anos 1990, o desenvolvimento e a criação de produto era um processo sequencial, geralmente com base em um único país. Hoje em dia, muito mais empresas desenvolvem produtos globais para os mercados mundiais desde o início. Os designers de produtos trabalham em equipes globais virtuais, especialistas provenientes de todo o globo. O aproveitamento de informações e das comunicações é fundamental para a criação de equipes virtuais. Por exemplo, o Boeing 777 foi desenvolvido por equipes de design da Europa, do Japão e dos Estados Unidos. slide 34

35 Fatores que afetam os preços internacionais Natureza do produto ou da indústria. Um produto especializado ou um com uma vantagem tecnológica oferece maior flexibilidade de preços. Localização da unidade de produção. A localização da produção em países com baixos custos de trabalho permite que a empresa trabalhe com preços mais baixos. Tipo de sistema de distribuição. Os canais são muito complexos em alguns países. Alguns distribuidores aumentam os preços substancialmente. Considerações do mercado externo. Poder de compra local e infraestrutura de distribuição são fatores importantes. slide 35

36 Fatores internos e externos que afetam os preços internacionais slide 36

37 Etapas principais no estabelecimento de preços internacionais slide 37

38 Três estratégias para precificação Precificação rígida baseada em custo refere-se à fixação de um preço fixo para todos os mercados de exportação, adicionandose uma porcentagem fixa no preço do mercado interno para compensar os custos adicionais de fazer negócios no exterior. Precificação flexível baseada em custo. Coloca o preço para acomodar o mercado local e as condições competitivas, tais como poder de compra do consumidor, demanda e preço dos concorrentes. Preço incremental. Coloca o preço somente para cobrir custos variáveis, não os fixos. A empresa assume que os custos fixos já são pagos a partir das vendas no país de origem da empresa ou em outros países. slide 38

39 Estratégias para combater a escalada de preços 1. Reduzir os canais de distribuição. Ou seja, evitar alguns intermediários no canal. 2. Redesenhar o produto para remover características dispendiosas. Por exemplo, a Whirlpool desenvolveu uma máquina de lavar roupas simplificada para ser vendida para as economias em desenvolvimento. 3. Envie produtos desmontados, como peças e componentes, se qualificando para tarifas de importação mais baixas. Faça a montagem final no mercado estrangeiro, frequentemente usando mão de obra barata, ou faça a montagem em Zonas de Comércio Estrangeiro. 4. Reclassifique o produto usando uma classificação tarifária diferente para qualificar produtos para tarifas mais baixas. Mercadorias importadas frequentemente se encaixam em mais de uma categoria de produto. 5. Mude a produção para outro país para obter vantagens de custos de mão de obra mais baratos ou índices cambiais favoráveis. slide 39

40 Estratégias para lidar com condições variáveis de moeda slide 40

41 Preços de transferência Preços de produtos intermediários ou acabados, trocados entre as subsidiárias e as filiais de um mesmo conglomerado localizada em diferentes países. Pode ser usado para repratriar lucros dos países que restringem as multinacionais na retirada de seus ganhos do país. Pode ser utilizado para deslocar os lucros de um país com altos impostos para empresas para um com impostos mais baixos, aumento assim os lucros da empresa. slide 41

42 Como o preço de transferência pode maximizar o lucro geral informado da empresa slide 42

43 A subsidiária favorecida provavelmente estará em um país com: Impostos de renda corporativos menores. Tarifas elevadas para o produto em questão. Regras contábeis favoráveis para calcular o rendimento corporativo. Estabilidade política. Pouca ou nenhuma restrição à repatriação de lucros. Importância estratégica para a multinacional. slide 43

44 Mercado cinza Importação legal de produtos genuínos em um país por intermediários diferentes aos distribuidores autorizados. Compram o produto a um preço baixo em um país, importamno para o país de origem e depois o vendem a alto preço lá. Causas: Grande diferença na precificação de um mesmo produto entre dois países, frequentemente resultado da estratégia da empresa. Diferenças no câmbio de produtos com preços em duas moedas diferentes. slide 44

45 Ilustração da atividade de mercado cinza slide 45

46 Preocupação dos fabricantes sobre o mercado cinza Risco de ter a imagem manchada quando os consumidores percebem que o produto está disponível a um preço menor em canais alternativos. Tensão nas relações entre o fabricante e o distribuidor conforme distribuidores autorizados perdem vendas. Pode causar danos a previsão de vendas regional, planos de merchadising e outros esforços de marketing. slide 46

47 Estratégias para lidar com o mercado cinza 1. Padronizar preços nos mercados da empresa dentro de uma mesma região. 2. Procurar intermediários ilícitos. Demitir intermediários que não respeitam as regras. 3. Reduzir o fluxo de produtos nos mercados onde os corretores do mercado cinza adquirem o produto. Por exemplo, a Pfizer reduz o carregamento de medicamentos para o Canadá. 4. Diferenciar produtos em países individuais. Criar produtos com características exclusivas em cada mercado. 5. Publicar as limitações de produtos obtidos nos canais do mercado cinza. slide 47

48 Características da mídia em países selecionados slide 48

49 As maiores agências globais de publicidade em 2005 slide 49

50 Gerenciamento global de contas Atendimento de um cliente global importante de uma forma consistente e padronizada, independentemente do local no mundo onde ela operas. O Wal-Mart é uma conta-chave global para a P&G. O Wal Mart espera um serviço consistente, incluindo preços uniformes para o mesmo produto da P&G, independentemente do país da operação. Enfatiza o uso de equipes interfuncionais, atividades de coordenação especializadas para contas específicas e estruturas e processos formalizados. Cada consumidor recebe um gerente de contas global, ou equipe, que fornece um apoio de marketing coordenado e serviços mudialmente. slide 50

51 Marketing Internacional

52 No futuro só existirão dois tipos de gestores: os rápidos e os mortos.

53 Marketing Internacional É o processo de planejamento e condução de transações além das fronteiras nacionais para criar intercâmbios que atendam aos objetivos dos indivíduos e organizações.

54 Marketing Internacional É o marketing dirigido a desenvolver mercados ao redor do mundo

55 Por que ir para o Mercado Internacional? Para contra-atacar empresas globais que estejam entrando em nosso mercado doméstico; Aproveitar mercados com maiores oportunidades de lucro do que o doméstico; Para ampliar a base de clientes obtendo economia de escala; Para diminuir a dependência do mercado doméstico, reduzindo assim o risco operacional; Por que os clientes estão viajando para o exterior e exigindo seus serviços.

56 Pontos de Atenção! Nem sempre se conhece as preferências dos consumidores estrangeiros; Nem sempre se entende a cultura gerencial do país em que se pretende instalar; Nem sempre se conhece as leis estrangeiras; Nem sempre se conhece os custos envolvidos; Nem sempre a empresa possui executivos com experiência internacional; O país estrangeiro pode mudar sua política comercial, cambial e até promover a desapropriação da propriedade estrangeira.

57 O Processo dos negócios INFORMAÇÃO SOBRE O POTENCIAL DO MERCADO internacionais OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONALIZAR Sim ou não? Estratégia: Nível de envolvimento Seleção de Mercados Métodos de entrada nos Mercados

58 Marketing Produto Preço Distribuição Comunicação O Processo dos negócios internacionais Finanças Riscos cambiais Riscos Políticos Investimento Preço de transferência Operações Externas Produção Abastecimento Localização de estoques RH Expatriados Nacionais Motivações Recrutamento seleção Plano para cada mercado Plano de negócios internacionais Plano de negócio internacional Operações no(s) mercado(s) Exterior(es)

59 3 Características da Era Global 1. Democratização da tecnologia 2. Democratização das finanças 3. Democratização da informação

60 4 Desafios da Globalização 1. A POBREZA 2. O DESEMPREGO 3. A MÁ DISTRIBUIÇÃO DA RENDA 4. A DEGRADAÇÃO AMBIENTAL

61 Marketing Internacional no Século O mundo está encolhendo rapidamente com o advento de comunicaçõe s, meios de transporte e fluxos financeiros mais velozes. XXI

62 O comércio internacional está explodindo.(bombando)

63 A concorrência global está se intensificando e poucas indústrias estão seguras da competição estrangeira.

64 A empresas globais enfrentam diversos obstáculos, tais como: Dívidas, inflação e desemprego resultaram em governos e moedas altamente instáveis, Os governos estão impondo maior regulamentação em empresas estrangeiras, Tarifas protecionistas e barreiras comerciais, Corrupção.

65 Escopo do Marketing Internacional Reconhecer e desenvolver oportunidades no mercado mundial, estando consciente das ameaças de concorrentes estrangeiros em todos os mercados e usando eficazmente as redes de distribuição internacionais

66 Benefícios de uma Empresa Global 1) Ampliação do mercado consumidor: o mercado é o mundo.

67 2) Redução do custo geral da organização, pela obtenção de reduções de impostos ou de obras de infra-estrutura no país estrangeiro.

68 3) Negociação com fornecedores maior condição de negociação com fornecedores, mediante a aquisição de matéria-prima, insumos e componentes em larga escala, por meio de compra centralizada.

69 )Aproveitamento de vantagens comparativas, quer seja de recursos naturais, tecnológicos ou humanos em regiões onde são mais abundantes, com melhor qualidade ou com menores custos.

70 5) Proximidade dos mercados consumidores, possibilitando a adaptação de modelos, embalagens e características de produtos a requisitos específicos da região.

71 Decisões para o Marketing Internacional Avaliar o ambiente de marketing global Decidir se ingressa ou não no mercado internacional Decidir em que mercados ingressar Decidir como ingressar no mercado Decidir o programa de marketing global Decidir a organização para o marketing global

72 Ambiente em marketing internacional Fatores econômicos Fatores políticos Fatores sócio / culturais Fatores tecnológicos cliente empresa Fatores legais Moeda Concorrência

73 Características Demográficas Tamanho da população Nível de crescimento da população Grau de urbanização Densidade populacional Estrutura e composição da idade da população

74 Características Geográficas Tamanho físico de um país Características topográficas Condições climáticas

75 Fatores Econômicos PIB per capita Distribuição de renda Grau de crescimento do PIB Proporção do investimento do PIB

76 Nível de habilidade tecnológica Produção tecnológica Consumo tecnológico existente Níveis educacionais Fatores Tecnológicos

77 Fatores Socioculturais Valores Dominantes Estilo de vida Grupos étnicos Fragmentação linguistica

78 Planos e Metas Nacionais Prioridades industriais Planos de investimento na infraestrutura

79 ATUAÇÃO NO MERCADO EXTERIOR Exportação Parcerias Empresariais Acordos de Cooperação Comercial ou Industrial Licenciamento Alianças Estratégicas Internacionais Joint Ventures Investimento Direto

80 Exportação Direta ou Indireta

81 Licenciamento O licenciador faz um acordo com uma empresa estrangeira permitindo o uso de um processo de produção, marca, patente, segredo comercial ou outro item de valor, mediante o pagamento de uma taxa ou de royalties.

82 Joint Ventures Forma de sociedade em que a propriedade e o controle são compartilhados entre os sócios.

83 Investimento Direto A empresa estrangeira compra parte ou o controle total de uma empresa local ou constrói suas próprias instalações.

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Nicola Minervini Santa Catarina, 02-05/12/2014 Sumario Desafios da empresa Ferramentas para a competitividade O porque das alianças Formas de alianças

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais Negócios Internacionais Capítulo IX Produção e Logística Global Carina Viveiros Carla Pereira Ruben Dias Rui Ponte Produção e Logística Global Objectivos: Descrever as diferentes dimensões da estratégia

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

Inovação na cadeia produtiva

Inovação na cadeia produtiva CRI Minas BH, 21 Mar 2013 Inovação na cadeia produtiva Renato Garcia Poli/USP renato.garcia@poli.usp.br Novo paradigma tecnológico Reestruturação das grandes empresas Especialização nas competências centrais

Leia mais

Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO

Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Proporciona ao executivo informações básicas b para começar a usufruir das vantagens do planejamento estratégico, através s do tratamento adequado

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

Parte I - Estratégias de Logística e Operações Globais, 35

Parte I - Estratégias de Logística e Operações Globais, 35 Sumário Í Sobre os autores, 15 Prefácio, 19 Agradecimentos, 25 Introdução às operações e logística globais, 27 Parte I - Estratégias de Logística e Operações Globais, 35 1 LOGÍSTICA E OPERAÇÕES GLOBAIS:

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a E E L

E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a E E L : Diagnóstico A realidade é como ela é e não como gostaríamos que ela fosse. (Maquiavel) INTRODUÇÃO O Diagnóstico Estratégico de uma organização, também chamado por muitos autores de Análise do Ambiente,

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Marketing Global Plano de Marketing

Marketing Global Plano de Marketing Administração Prof. Eder Polizei Marketing Global Plano de Marketing Marketing Global Nike é Americano??? Made in Ganado Empresa Global é aquela que opera em mais de um país e obtém vantagem em pesquisa

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

Estratégia Internacional

Estratégia Internacional Estratégia Internacional Professor: Claudemir Vasconcelos Aluno: Sergio Abreu Estratégia Internacional A internacionalização não se limita somente ao Comércio exterior (importação & exportação); é operar

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Ementas e bibliografia básica das disciplinas

Ementas e bibliografia básica das disciplinas Ementas e bibliografia básica das disciplinas Gestão do Conhecimento e Inteligência Competitiva (10h) Conceitos gerais de gestão do conhecimento Conceitos gerais de inteligência competitiva Ferramentas

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

MBA Gestão de Negócios, Comércio e Operações Internacionais

MBA Gestão de Negócios, Comércio e Operações Internacionais MBA Gestão de Negócios, Comércio e Operações Internacionais Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: 24/08/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30 Semanal

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão I

Sistema Integrado de Gestão I Sistema Binário Faculdades Integradas Campos Salles Sistema Integrado de Gestão I Aulas 3 e 4 Administração da Empresa Digital Parte I Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 Objetivos Qual é o papel

Leia mais

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 1 Empresas de Construção: Seleção de Projetos, Gestão e Controles para Atingir as Metas de Desempenho Patricia Atallah Gestão e Planejamento Estratégico são Cruciais para uma

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson

Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson Finalidade e escopo Na Pearson (incluindo suas subsidiárias e empresas com controle acionário), acreditamos fortemente que agir de forma ética e responsável

Leia mais

PROJETO INTERNACIONAL

PROJETO INTERNACIONAL PROJETO INTERNACIONAL EM 10 PASSOS Ubirajara Marques Direitos: Todos os direitos reservados para Center Group International Duração: 1 hora Apresentação: Linguagem simples, para micros e médios empresários

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Controlar. Otimizar. Crescer.

Controlar. Otimizar. Crescer. Controlar. Otimizar. Crescer. Neste material de suporte, você encontrará informações de SAM para: Novos Líderes de Tecnologia Fusões e Aquisições True-Up Assist Serviço Microsoft EAP Assist Assuma o controle

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco 1ª edição 2009 Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco Contador formado pela Faculdade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos

Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos O mercado exige... Produtos e serviços entregues de acordo

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA Quem Somos: A GR Soluções Empresarias é uma empresa provedora de soluções corporativas e serviços personalizados em Advocacia, Contabilidade e Tecnologia da Informação, orientada pelos interesses das empresas

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Gestão Estratégica no Serviço Público

Gestão Estratégica no Serviço Público Projeto Maricá Coordenador: José Geraldo Abunhaman Gestão Estratégica no Serviço Público Prof. Joel de Lima Pereira Castro Junior, PhD joelpcastro@uol.com.br Por que planejar? O processo de liberdade do

Leia mais

Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação

Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação slide 1 3.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como o modelo das cinco forças competitivas

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais Marketing Internacional 1 Objectivos do Capítulo Compreender a Política do Produto e a sua implementação a nível internacional; Descortinar as razões que levam as empresas a escolher entre a estandardização

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

2.3 Estratégias Globais de Empresas Transnacionais

2.3 Estratégias Globais de Empresas Transnacionais 2.3 Estratégias Globais de Empresas Transnacionais DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. 05/02/2016 www.boscotorres.com.br

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 15 E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET INTRODUÇÃO As empresas que, de alguma forma, estão envolvidas

Leia mais

Confiança. Diversidade. Competência. Seu desejo é o nosso estilo.

Confiança. Diversidade. Competência. Seu desejo é o nosso estilo. Confiança. Diversidade. Competência. Seu desejo é o nosso estilo. O CLIENTE EM PRIMEIRO LUGAR Nossos clientes são tão exclusivos quanto os nossos serviços. Por isto, a O. Lisboa é grande o suficiente para

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Vantagens competitivas das parcerias estratégicas entre empresas brasileiras e as subsidiárias das empresas globais Eduard de Lange

Vantagens competitivas das parcerias estratégicas entre empresas brasileiras e as subsidiárias das empresas globais Eduard de Lange Vantagens competitivas das parcerias estratégicas entre empresas brasileiras e as subsidiárias das empresas globais Eduard de Lange 15 de Fevereiro 2006 1 A TIVIT nasce da fusão entre a modernidade e o

Leia mais

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins Logística Integrada Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Cenário Fatores para o Desenvolvimento da Logística Bases da Logística Integrada Conceitos

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Plano Aula 10 24/10/2011. - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos

Plano Aula 10 24/10/2011. - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos Plano Aula 10 24/10/2011 - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos 1 Exercício de Desenvolvimento Pessoal O objetivo deste exercício é praticar os conceitos de Controle

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr Projetos na área de TI Prof. Hélio Engholm Jr Projetos de Software Ciclo de Vida do Projeto Concepção Iniciação Encerramento Planejamento Execução e Controle Revisão Ciclo de Vida do Produto Processos

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Código de Princípios de Negócios e Ética BTG Pactual

Código de Princípios de Negócios e Ética BTG Pactual Código de Princípios de Negócios e Ética BTG Pactual Nossa Visão e Nossos Valores Compartilhar uma única ambição é a chave para a história de sucesso do BTG Pactual. Ela só poderá ser atingida através

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Atendimento ao canal de Hotéis e Restaurantes

Atendimento ao canal de Hotéis e Restaurantes Atendimento ao canal de Hotéis e Restaurantes AGENDA - MERCADO DE FOOD SERVICE - MODELO ABASTECIMENTO ATUAL E ENTENDIMENTO CADEIA DE ABASTECIMENTO - MODELO PROPOSTO - PRINCIPAIS BENEFÍCIOS DO MODELO -

Leia mais

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO:

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO: RESUMO O presente trabalho constitui em uma elaboração de um Plano de Marketing para a empresa Ateliê Delivery da Cerveja com o objetivo de facilitar a compra de bebidas para os consumidores trazendo conforto

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD)

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD) INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD) REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA PARA DESENVOLVIMENTO INTERNACIONAL DE NOVOS PRODUTOS O esquema abaixo considera o conceito de design de produto, esboços

Leia mais

Transformando seus desafios em vantagens. Isso é produção inteligente, segura e sustentável

Transformando seus desafios em vantagens. Isso é produção inteligente, segura e sustentável Transformando seus desafios em vantagens Isso é produção inteligente, segura e sustentável Transformando seu negócio As negociações de sempre? Aqueles dias fazem parte do passado. As empresas de hoje devem

Leia mais

Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response )

Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response ) Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response ) Objetivo da Aula Aprofundar os conhecimentos de ECR, suas vantagens e implicações. Introdução Na aula anterior, estudamos

Leia mais

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios.

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Autor: Douglas Marcos da Silva 7 Sumário Executivo Nas últimas décadas, a evolução tecnológica, a interdependência dos mercados e a intensificação

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais