Como Exportar Para + de 50 Países. Dedico esta obra aos meus filhos Julia e Lucas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como Exportar Para + de 50 Países. Dedico esta obra aos meus filhos Julia e Lucas"

Transcrição

1

2 Robert Janssen

3 Como Exportar Para + de 50 Países Dedico esta obra aos meus filhos Julia e Lucas 3

4 Robert Janssen Copyright 2011, por Robert Franz Janssen - Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste material pode ser reproduzida sem prévia autorização dos editores Robert Franz Janssen e SEBRAE. FICHA CATALOGRÁFICA Janssen, Robert Franz; Aguiar, Sandra Freire; Como Exportar para mais de 50 Países - Novo diretório de exportação de software e serviços de tecnologia da informação. Robert Franz Janssen: SEBRAE, Rio de Janeiro. 324p. ISBN.: Serviços de Tecnologia da Informação; 2. Software; 3. Comércio Internacional. 4. Empreendedorismo. 5. Competitividade. 6. Exportação; 7. Indicadores de Maturidade Empresarial; 8. Indicadores de Competitividade. 9. Internacionalização. 10. Comunicação. 11. Benchmarking 12. Desenvolvimento empresarial. OUTSOURCE BRAZIL SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Rua Dona Mariana, 213/403 Unidade de Marketing e Comunicação Botafogo - Rio de Janeiro - RJ SGAS 605 Conjunto A - Asa Sul Brasília DF CEP: CEP: Telefone: (21) Telefone: Capa: Danilo Leite (DFUSE DESIGN) Este material foi elaborado com o patrocínio do SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas -

5 Como Exportar Para + de 50 Países Prefácio Com o crescimento contínuo das inovações tecnológicas, as distâncias estão cada vez menores, especialmente no mundo dos negócios e dentro do ambiente empresarial. Soma-se a isto a maior interdependência econômica entre os países e blocos econômicos. Haja vista as recentes crises financeiras, nas quais um fato isolado numa região pode causar desdobramentos que impactam outras regiões ao redor do planeta. Hoje o Brasil experimenta um grande fortalecimento de sua economia e encontra-se em evidência no cenário global. Ao mesmo tempo, este movimento irreversível apresenta muitos desafios para os empresários brasileiros, especialmente para as micro e pequenas empresas que correspondem a 99% dos negócios do país. A crise mundial que teve início em 2008 afetou a dinâmica dos mercados mundiais e aumentou significativamente o nível de competitividade, exigindo que os pequenos negócios se atualizem constantemente, em termos de gestão e inovação. Ao mesmo tempo, sabe-se que o Brasil é hoje um dos principais produtores mundiais de soluções tecnológicas, tendo destaque em diversos setores da economia. Portanto, capaz de oferecer um sem número de oportunidades de expansão, de conquista de novos mercados e novos clientes para as empresas brasileiras. Isto evidencia que o conhecimento e a procura por informações precisas são movimentos vitais para a sobrevivência empresarial e para se obter sucesso. Este Novo Guia de Exportação e, seu modelo em forma de consulta integrado às mídias digitais - é uma ferramenta valiosa no auxílio às empresas que desejem pesquisar o melhor caminho para o processo de exportação de bens e serviços de Tecnologia da Informação. Assim, o SEBRAE busca incentivar e apoiar iniciativas como essa, pois contribuem para o compromisso da instituição em atuar como um dos maiores facilitadores e promotores do desenvolvimento empresarial brasileiro. Boa leitura e bons negócios! Luiz Barretto Presidente do SEBRAE Nacional 5

6 Robert Janssen Apresentação A Outsource Brazil - em seu segmento de geração de conteúdo - vem trabalhando a elaboração e atualização deste Diretório de Exportação de Software e Serviços de Tecnologia da Informação, que tem como propósito ser uma fonte de pesquisa e, ao mesmo tempo apontar as melhores formas para se desenvolver mercados e estabelecer parcerias internacionais na área de Tecnologia da Informação. Assim, em 2005 a Outsource Brazil desenvolveu e publicou - também com o apoio do SEBRAE e da FUNCEX - um primeiro guia de Exportação de Software e Serviços de Tecnologia da Informação, onde apresentamos apenas conceitos básicos. Nosso núcleo de pesquisa e desenvolvimento teve a oportunidade de avaliar publicações similares, produzidas por entidades governamentais de fomento à exportação de outros países, como a agência da Irlanda "Enterprise Ireland" e o "DTI", da Inglaterra, que nos inspirou na confecção deste material. Na presente edição trabalhamos o detalhamento e ordenamento das informações procurando reproduzir os eventos com os quais os empresários tipicamente são obrigados a lidar no tocante ao entendimento das questões relacionadas aos processos de internacionalização. Destacamos os elementos mais importantes do cenário de TI internacional, ou seja, o leitor vai se deparar com informações relevantes sobre as características culturais, econômicas e comerciais de 50 países. A equipe da Outsource Brazil conta com 20 anos de experiência e expertise na área de internacionalização empresarial, o que nos qualifica a apresentar soluções tipo Business intelligence que agregam valor ao processo decisório, planejamento e execução de processos corporativos. Este manancial de conhecimento adquirido, deu origem ao nosso programa de treinamento corporativo denominado "Boot Camp", que objetiva desenvolver competências para o processo de internacionalização de micro e pequenas empresas do Setor de Software e Serviços de Tecnologia da Informação através de cursos, consultoria e publicações que orientam e elucidam as muitas variáveis que envolvem o processo de internacionalização empresarial. Nesta edição, traduzimos para o leitor as experiências e práticas, eventos e desafios que se apresentam no dia a dia daqueles que se lançam ao processo de internacionalização. Enfatizamos a importância da etapa de planejamento, fornecendo informações que apresentam a amplitude do desafio de atuar no mercado internacional. Oferecemos e convidamos o leitor a contemplar e utilizar os dois questionários que aferem o estágio de maturação empresarial, que é parte integrante deste diretório. Essas ferramentas, que também alicerçam o trabalho proposto no Programa Boot Camp - citado acima - é um exercício que seguramente os apoiará no entendimento e avanço do processo de internacionalização de suas empresas. Para efeito de sistematização e facilitação, as informações foram agrupadas de forma que a consulta possa refletir os desafios que a sua empresa experimentará ao buscar obter sucesso em mercados internacionais. De forma prática e objetiva construímos um roteiro que aborda a realidade de cada país, individualmente, disponibilizando informações relevantes de cada mercado alvo. Aproveito para destacar o comprometimento da equipe de pesquisa, revisão e criação formada pelos executivos e parceiros na Outsource Brazil, Sandra Freire Aguiar (Diretora de Projetos Editoriais e Comunicação Corporativa), Frederico Robert Mens (Diretor Financeiro), Alexandre de Sá Jacobs (Diretor Técnico) e, pelas estagiárias da Outsource Brazil que auxiliaram nas pesquisas - Janaína Scopel, Karla Pavão, Paola Campos, Priscila Castro, e, Danilo Leite, da Dfuse Design. Acreditamos que este livro seja de grande valia para aqueles que desejem ampliar sua atuação no Setor de Software e Serviços de Tecnologia da Informação e Comunicação e que tenham como objetivo ingressar no mercado internacional. Por fim, desejo convidá-los a acessar as atualizações deste diretório no blog: Boa leitura. Robert Janssen

7 Como Exportar Para + de 50 Países Sobre o Autor Robert Janssen nasceu na Florida, nos Estados Unidos e tem dupla cidadania, brasileira e americana. Formou-se em Sistemas de Informação pela Monterey Peninsula College, na Califórnia e, em International Business pela San Diego State University, também na Califórnia. Iniciou sua carreira no Setor da Tecnologia da Informação em 1986, com a inserção da FENASOFT no mercado brasileiro. Este evento veio a tornar-se uma das principais ações de comunicação e desenvolvimento do setor de tecnologia da informação do mercado brasileiro e, como diretor internacional da FENASOFT, Robert foi um dos responsáveis pela projeção da imagem do Brasil no cenário internacional de Tecnologia da Informação. Entre 1996 e 2001, foi o principal executivo de empresas de promoção e desenvolvimento de congressos e seminários, nacionais e internacionais, entre elas, a Advanstar, Telexpo, IT Mídia, Mantel e Gartner, sempre com foco no mercado internacional. Desde estão, vem contribuindo para fortalecer o posicionamento do Brasil como um dos principais mercados para o desenvolvimento de soluções e serviços de TI. Paralelamente, a partir de 1997 passou a atuar também como consultor do SOFTEX, programa do Governo Brasileiro para promoção da área de Tecnologia da Informação, atividade que exerce até hoje, desenvolvendo estratégias de penetração de novos mercados e realizando análises mercadológicas de planos de negócios de empresas brasileiras. Desenvolve, também, projetos especiais para a Apex - Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos -, promovendo as competências brasileiras em desenvolvimento de soluções de TI, para diversos mercados internacionais através do projeto Brazil IT. Atualmente é Presidente Executivo da empresa Outsource Brazil, com sede no Rio de Janeiro, que oferece serviços de consultoria, pesquisa e desenvolvimento de negócios internacionais com atuação no Brasil e no exterior, em mais de 20 países, assim como presta consultoria para empresas estrangeiras que queiram se estabelecer no Brasil. Coordena atividades de planejamento, desenvolvimento e prospecção de novos mercados para o Projeto Softex (Apoio, Desenvolvimento e Promoção da Industria Brasileira de Software e Serviços de TI), junto à Apex Brazil (PSI - Programa Setorial Integrado, "Brasil IT +") atuando diretamente em três diferentes verticais: Outsourcing, BPO e Mobile Applications. Sua ampla experiência internacional - cultural e empresarial -, lhe confere uma visão privilegiada sobre planejamento e desenvolvimento de estratégias de penetração em mercados internacionais. Robert Janssen mantém residência e escritório no Brasil e nos Estados Unidos, na Califórnia, locais de onde escreve e alimenta seu Blog Corporativo disponibilizando informações para a construção de propostas que agreguem valor aos negócios no Setor de Tecnologia da Informação, BPO - Business Process Outsourcing e internacionalização de empresas. O Blog é também um fórum de educação para atuação no mercado internacional e apresenta oportunidades de negócios no mercado brasileiro e no mercado exterior. Acesse: 7

8 Robert Janssen SUMÁRIO INTRODUÇÃO 11 CAPÍTULO 1 O EFEITO DA GLOBALIZAÇÃO 13 ATUANDO EM UM MUNDO GLOBALIZADO E A NECESSIDADE DE SE CONSTRUIR UMA VISÃO ATUALIZADA DO MERCADO-ALVO 13 UMA VISÃO AMPLIADA DO MOVIMENTO DE GLOBALIZAÇÃO 13 TAMANHO, ESTRUTURA E CRESCIMENTO DE MERCADO 15 NOVAS TENDÊNCIAS DE MERCADO E TECNOLOGIA E SUA INFLUÊNCIA NA COMPETITIVIDADE 19 DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DO MERCADO 20 ORIENTAÇÕES PARA EXPORTAÇÃO 21 PRINCIPAIS DESAFIOS PARA ENFRENTAR AS NOVAS DINÂMICAS DO MERCADO 23 CAPÍTULO 2 PRÉ-REQUISITOS PARA EXPORTAR COM SUCESSO 25 CAPÍTULO 3 FONTES DE FINANCIAMENTO 37 CAPÍTULO 4 REGRAS FISCAIS E TRIBUTÁRIAS 37 CAPÍTULO 5 ÁFRICA 64 ÁFRICA DO SUL 64 ANGOLA 68 ARGÉLIA 75 EGITO 78 MARROCOS 86 MOÇAMBIQUE 87 CAPÍTULO 6 AMÉRICA DO NORTE 91 CANADÁ 92 ESTADOS UNIDOS 96 MÉXICO 103 CAPÍTULO 7 AMÉRICA DO SUL 107 ARGENTINA 107 BOLÍVIA 113 CHILE 117 COLÔMBIA 122 EQUADOR 127 PARAGUAI 131 PERU 135 URUGUAI 140 VENEZUELA 144 CAPÍTULO 8 ÁSIA 148 CHINA 149 CINGAPURA 153 CÓREIA DO SUL 157 INDIA 160 JAPÃO 164 MALÁSIA 169 TAILÂNDIA 172 CAPÍTULO 9 EUROPA 176 ALEMANHA 176 AÚSTRIA 182 BÉLGICA 186 DINAMARCA 190

9 Como Exportar Para + de 50 Países ESPANHA 195 FINLÂNDIA 201 FRANÇA 206 GRÉCIA 211 HUNGRIA 215 IRLANDA 219 ITÁLIA 222 NORUEGA 227 PAÍSES BAIXOS (HOLANDA) 231 POLÔNIA 235 PORTUGAL 240 REINO UNIDO 246 REPÚBLICA TCHECA 250 ROMÊNIA 254 RÚSSIA 258 SUÉCIA 263 SUÍÇA 267 TURQUIA 271 UCRÂNIA 275 CAPÍTULO 10 OCEANIA 279 AUSTRÁLIA 280 NOVA ZELÂNDIA 286 CAPÍTULO 11 ORIENTE MÉDIO 290 ARÁBIA SAUDITA 291 EMIRADOS ÁRABES 294 IÊMEN 299 IRAQUE 301 ISRAEL 304 KUWAIT 309 CAPÍTULO 12 CONCLUSÃO 312 APÊNDICE 1: DICAS DE SOBREVIVÊNCIA 315 APÊNDICE 2: PRINCIPAIS COMPONENTES DE CUSTO 316 APÊNDICE 3: FLUXOGRAMA PARA CRIAÇÃO DE UM PLANO DE AÇÃO PARA EXPORTAÇÃO 318 APÊNDICE 4: FLUXOGRAMA COMPLETO DE UMA RFP (REQUEST FOR PROPOSAL) 319 9

10 Robert Janssen Introdução Graças à Internet nunca foi tão fácil para governos, empresas e indivíduos acessar informações de mercado. Esse fato, aliado ao atual cenário de competitividade e globalização, torna imperativa a busca de novos mercados por parte de empresas de software e serviços de tecnologia da informação e comunicação, tanto para ampliação de sua capacidade de gerar receita, quanto para o aprimoramento de suas próprias soluções e serviços. Também para que possam "defender o território doméstico". Por meio deste diretório esperamos oferecer aos leitores a possibilidade de construir uma visão atualizada das dinâmicas dos mercados correntes, evidenciando como estes estão obrigando as empresas a busca de maior competitividade, e assim criarem novas oportunidades de negócios. Procuramos apresentar uma visão objetiva dos mercados alvo, articulando-as através dos eventos que tipicamente desafiam os empresários quando visitam os mercados alvo, como por exemplo: entender o ambiente regulatório do referido país, abrir uma empresa, contratar funcionários, ou, esclarecer o entendimento sobre questões tributárias e legais relacionadas ao processo de exportação para cada país individualmente. Apresentamos informações sobre países onde foram identificadas oportunidades de oferta e exploração de soluções e serviços de TI para as empresas brasileiras, em especial, para as micro e pequenas empresas. Esta edição enfoca os procedimentos formais relacionados à exportação para cada país individualmente, agrupado-os por regiões continentais. São nove países na América do Sul, três na América do Norte, seis na África, vinte e três na Europa, sete na Ásia, seis no Oriente Médio e dois na Oceânia. As informações de mercado relacionadas ao preparo da empresa para a exportação é o "dever de casa" que toda empresa que deseja ingressar no concorrido mercado internacional, deve fazer. Apresentamos, também, duas novas ferramentas desenvolvidas pela Outsource Brazil chamadas "PME, Painel de Maturidade Empresarial, PCI, Painel de Competitividade Internacional". O Painel de Maturidade Empresarial é um questionário-diagnóstico sintético e rápido, que traduz o nível de desenvolvimento empresarial e reflete uma visão de inserção no mercado, do negócio e das competências necessárias para o sucesso do negócio. O Painel de Competitividade Internacional permite identificar e entender qual é o estágio de competitividade internacional que uma empresa está vivenciando, assim como permite identificar as áreas cruciais que devem ser aperfeiçoadas a fim de que se possa atingir um nível mínimo de competitividade no mercado internacional. No Capítulo 2, apresentamos essas ferramentas de maneira que cada empresa possa realizar seu próprio diagnóstico e gerar uma planilha de ações prioritárias. Esperamos que ao término da leitura deste guia cada empresa possa montar o seu próprio roteiro de exportação, para os mercados alvo de sua eleição. Nós chamamos este roteiro de PAPE Plano de Ação Para Exportação. A sequência de tópicos proposta foi concebida justamente entendendo que os primeiros assessment) dos mercados alvo, e isto exige uma grande coleta de dados. Dados qualificados. E este guia procura fazer isto. No Capítulo 1, procuramos de forma mais abrangente, apresentar um pano de fundo do estágio atual de desenvolvimento econômico somado com inovação tecnológica, procurando associá-las com potenciais oportunidades de melhoria e expansão de mercado pelas empresas brasileiras. a iniciativa de internacionalização: Diagnóstico e Planejamento. Estas duas âncoras são vitais para a sustentabilidade. O leitor com isto será apresentado a dois painéis: maturidade empresarial e competitividade internacional, que integram o eixo do Diagnóstico. No eixo Planejamento, apresentamos um fluxograma sintético e analítico. O analítico se encontra como o Âpendice 3 da publicação.

11 Como Exportar Para + de 50 Países Capítulos 3 e 4 tratam das questões financeiras e tributos e logística. O Capítulo 3 apresenta uma visão ampla dos diversos órgãoes e instittuições financeiras e de investimento que atuam no setor com mecanismos próprios de fomento. No Capítulo 4 apresentamos as questões burocráticas e tributárias. Vale destacar que foi pensando a respeito de quantas vezes uma portaria sobre regime fiscal e tributário de importação mudou nos últimos 5 anos, que concluímos que teríamos que ter uma estratégia de atualização mais ágil e accessível. Dái nasceu a ideia de se ter uma estratégia web disponível também. Do Capítulo 5 ao 11, apresentamos 56 países representando os 6 continentes. A escolha dos países seguiu um critério de maior probabilidade de oportunidade de negócio. Destacamos, que na estratégia web, estaremos acrescentando outros países que até o fechamento desta edição não haviam sido pesquisdas. que esta publicação faça com o nosso leitor. Veja a seguir a sequência sintética da publicação: Capítulo 1: Atuando em um mundo globalizado: a necessidade de se construir uma visão atualizada do mercado alvo. Capítulo 2: Pré-requisitos para ingressar em um mercado internacional; Painel de Maturidade Empresarial e Painel de Competitividade Internacional. Capítulo 4: Regras fiscais e tributárias no Brasil. Capítulo 5 ao 11: Regras de exportação específicas de cada país - organizadas por continentes - da seguinte forma: 1 - Visão panorâmica do país em referência Nome Oficial Capital Moeda Língua População PIB Exportações Importações Fuso Horário Como conhecer o setor no país em referência; Por dentro do ambiente regulatório do país em referência. 2 - Como operar no país em referência Como proceder no regime de vistos; Como conhecer o mercado e identificar um parceiro local; Segmentos econômicos no uso de tecnologia; Principais entidades e associações de tecnologia; Dicas para contratar um funcionário. 3 - Tributos e Impostos Software; Tributos do Importador; Serviços de TI; Tributos do Importador. 4 - Por dentro dos acordos bilaterais com o país em referência Título Data de celebração Entrada em Vigor 5 - Fontes de Pesquisa 11

12 Robert Janssen 6 - Dicas adicionais Capítulo 12: Fazemos uma conclusão onde destacamos a capacidade e possibilidade das empresas brasileiras se destacarem no cenário internacional. Nos apêndices, atualizamos o Dicas de sobrevivência no atual cenário globalizado Principais componentes de custo apresentadas na primeira edição deste diretório, em 2005, e acresentamos mais 2. O Apêndice 3 apresenta o fluxograma analítico que complementa o fluxograma sintético do Capítulo 2. O Apêndice 4 apresenta o fluxograma do processo de respondar a uma proposta para prestar serviços de TI, ou seja, como responder uma RFP Request for Proposal, conforme descrevemos a seguir: Apêndice 1: Dicas de sobrevivência no atual cenário globalizado. Apêndice 2: Principais componentes de custo. Apêndice 3: Fluxograma para criar um Plano de Ação Para Exportação Apêndice 4: Fluxograma de como responder uma RFP Request for Proposal

13 Como Exportar Para + de 50 Países Capítulo 1 Os Efeitos da Globalização 1 - Atuando em um mundo globalizado e a necessidade de se construir uma visão atualizada do mercadoalvo Nossa sociedade está inegavelmente adentrando um novo patamar planetário. As nações não vivem mais isoladas devido às diversas configurações da geopolítica atual. Não há como se isolar sem riscos. Essa distensão do local para o global traz consigo efeitos positivos e negativos que merecem ser abordados por quem é parte integrante da arena em que esses próprios conceitos são forjados: o mercado. Neste texto, começaremos fazendo uma breve contextualização do momento atual a partir de um prisma histórico, conforme veremos a seguir. 2 - Uma visão do movimento de globalização A globalização tem sido bastante mencionada e discutida nos últimos 10 anos. Entretanto, trata-se de um movimento que existe desde a época do descobrimento do Brasil. Naquele período, a globalização era um movimento apenas presente nos países dominantes, aqueles considerados potências navais, como Inglaterra, França, Espanha, Holanda e Portugal. Esses países usavam o seu poderio naval para desbravar novas rotas, descobrir terras, conquistar povos e abrir novas frentes para o comércio. Um evento importante naquele momento histórico - que podemos dizer que acelerou o processo de globalização -, foi a tomada de Constantinopla pelos Turcos, que fechou o caminho para as Índias às potências navais européias que usavam esta rota, mais curta, para a atingir a Ásia através do Mar Mediterrâneo. A impossibilidade de usar Constantinopla como ponto de ligação entre a Europa e a Ásia para o escoamento do comércio das especiarias e artigos asiáticos, obrigou os comerciantes marítimos a buscarem um caminho alternativo para as Índias. Alí se consolidava o movimento de globalização dos países. Motivados por expandir seus domínios, acreditavam que quanto mais pontos de presença física tivessem espalhados pelo mundo, mais dominariam as rotas do comércio e se estabeleceriam como potências dominantes. Nessa fase da globalização a grande questão era: Como um país figuraria no quadro global do comércio, esse desafio permaneceu até a primeira metade do século XIX. A partir de 1800 até por volta do ano 2000, a globalização acontecia basicamente dentro da atividade econômica dos países, de dentro para fora das empresas, no momento que elas passaram a se expandir para ganhar escala e aumentar a lucratividade. A globalização deu origem a grandes empresas multinacionais, que se espalharam ao redor do mundo em busca de novos mercados, novos consumidores, novos colaboradores e formas de produção mais eficientes. É nessa segunda fase da globalização que ocorre o início de um vigoroso processo de competitividade, alicerçado no primeiro momento pelo advento da máquina a vapor e pelas ferrovias, que permitiram desenvolver a produção em série e baixar os custos do transporte, pondo em marcha a Revolução Industrial. Os países passaram a buscar novos mercados para incrementar o comércio, e também para encontrar formas mais baratas de produção. No segundo momento a grande força motriz da globalização das empresas na busca por lucratividade ocorre por conta dos custos de infra estrutura de telecomunicações, cada vez mais baixos, que foram "turbinados" pela difusão do telégrafo, do telefone, do PC, do satélite, da fibra ótica e pela Internet. Tudo isso fortaleceu o mercado global criando um grande fluxo de informações, de bens, de serviços de todas as naturezas, inclusive de transações financeiras vultuosas. Uma consequência desse período da globalização - que fez com que as empresas buscassem formas mais baratas de produzir para se manterem competitivas -, ocorre com a intensificação da terceirização de processos fabris, de processos comerciais e administrativos, de pesquisa e desenvolvimento, de atendimento e de serviços. Enfim, de tudo o que não fizesse parte do core business da empresa. 13

14 Robert Janssen A intensificação da globalização, e da onda de terceirizações, transformou a estrutura produtiva mundial, fazendo com que as grandes questões do momento passassem a ser: Como a empresa precisa aparecer no cenário mundial? Como a empresa aproveita as oportunidades ao redor do mundo? Como a empresa se mantém competitiva? O maior impacto nas dinâmicas de mercado ocorre quando o PC e a Internet passaram a ser usados como instrumentos de trabalho e geração de negócios, de criação de conteúdo e de acesso ao conhecimento, propiciando autonomia e independência a qualquer pessoa. Atualmente, qualquer bem ou serviço pode ser produzido por indivíduos independentes, que agrupados provisoriamente em torno de um projeto, colaboram através da plataforma da Internet, localizados em pontos remotos e distintos do planeta. Ou seja, qualquer pessoa pode fazer parte do desenvolvimento de algum projeto, não importando a sua nacionalidade, a sua empresa, ou até mesmo sua localização física, pois, isso ocorre através da conectividade e da capacidade de interlocução que a Internet oferece, em tempo real. Esse cenário faz com que estejamos vivendo atualmente a fase da globalização dos indivíduos e não mais dos países, ou das empresas somente. Cada pessoa, cada colaborador, tem como seu principal ativo o conhecimento, que, estruturado em torno de algum bem ou serviço, pode ser disponibilizado em qualquer lugar do mundo, a qualquer hora. Atualmente, as grandes questões a serem respondidas pelos indivíduos são: Como me integrar a essa nova realidade de mundo colaborativo? Como conseguir ser global e competitivo em um mundo que atua em tempo real? Como ter presença global e fazer parte de uma plataforma colaborativa? 3 - Estrutura do mercado de software e serviços associados Diversos autores e organizações de estudos e pesquisa, tradicionalmente dividem o setor de software em três grupos: 1) Software-pacote. 2) Serviços de software. 3) Software embarcado Software-pacote O software-pacote é caracterizado por ser um software pronto, acabado, que em muitas situações pode até ser adquirido no varejo ou, outros canais de comercialização direta. Exemplos claros são os sistemas operacionais e os editores de texto e planilhas Os serviços de software compreendem uma variedade de serviços direta ou indiretamente relacionados a software, desde capacitação, manutenção e suporte até seu desenvolvimento completo, sob encomenda. Ou seja, um serviço de software também pode resultar em um software, mas que tenha sido modelado ou customizado a partir de necessidades claramente identificadas pelo consumidor ao encomendar o desenvolvimento do produto Software embarcado Já o software embarcado corresponde aos que estão atrelados à arquitetura de uma máquina de uso específico, sem a qual ele não terá utilidade. Essa divisão é útil para observar determinados movimentos no setor de software, no entanto não permite uma avaliação mais precisa de pontos estratégicos, como os principais modelos de negócios adotados pelas empresas. Naturalmente, a grande maioria das empresas apresenta mais de uma linha de negócios, oferecendo, por exemplo, tanto produtos, quanto uma associação de serviços. Às vezes há uma maior oferta de um, ou de outro serviço. No Brasil costuma-se adotar outra divisão, conforme descreveremos a seguir:

15 Como Exportar Para + de 50 Países Serviço de alto valor agregado; Serviço de baixo valor agregado; Software customizável; Software-produto (pacote); Componente de software; Software embarcado. Serviço de alto valor agregado & Serviço de baixo valor agregado Nessa abordagem, mais voltada aos modelos de negócio adotados por empresas do setor, subdivide-se o grupo de serviços em: alto e baixo valor, com destaque para o software customizável como um ponto de encontro entre o modelo produto e o modelo serviço. Os serviços de alto valor são aqueles em que há maior aporte de inteligência e expertise na proposição de soluções, quando há demanda de levantamento e análise de requisitos, acompanhado de detalhamento e especificação da solução para um determnado serviço - que é desenvolvido sob encomenda. Já os serviços de baixo valor, são os que se baseiam na capacidade de saber executar serviços de acordo com especificações pré-definidas, como é o caso da programação e codificação sob encomenda e da capacitação. Software customizável O software customizável, como foi mencionado, apresenta características de negócio tanto relacionadas com serviços, quanto com produto-pacote. Apresenta um núcleo que caracteriza a solução proposta, como em um produto-pacote, mas requer adaptação e desenvolvimento sob medida para adequação às especificidades do cliente, como em um serviço. Frequentemente, a maior parcela dos rendimentos das empresas estará no serviço de adaptação e desenvolvimento e não no licenciamento do núcleo da solução. É o caso, por exemplo, de soluções ERP (enterprise resource planning) e CRM (customer relationship management) e de outras típicas de alguns segmentos verticais, como o setor financeiro e de telecomunicações. Do modelo puro de software-produto, emerge o componente de software. O componente não deixa de ser um software-produto, definido e acabado, mas esse modelo de negócio é caracterizado por ter como consumidores outras empresas de software integradoras de soluções, que farão a interface com o cliente final. Software-produto (pacote) O software-produto traz consigo riscos claros: a necessidade de alto investimento em pesquisa, modelagem, desenvolvimento e marketing, que ocorrem muito antes da possibilidade de colocação do produto no mercado; exige sólida campanha de marketing e a necessidade de cativar e conquistar um elevado número de usuários para atingir o break-even point. Adicione a isso, o fato de ser um mercado altamente competitivo, com grande presença de empresas transnacionais. Nichos existem, mas em setores muito especializados, o que aumenta ainda mais a necessidade de investimento prévio em pesquisa. Bons exemplos disso são as soluções de escritório, utilitários de backup e segurança e, soluções CAD (computer architecture design). A conceituação do software embarcado é a mesma da divisão proposta anteriormente e apresenta um ambiente de negócio similar ao dos componentes de software. Tamanho, estrutura e crescimento de mercado O mercado mundial de TI experimentou taxas de crescimento anuais menor do que o esperado, durante o final do século passado, isso aconteceu por volta do final do ano 2000, após a passagem do "bug do milênio", do estouro da bolha da Internet, do atentado de 11 de setembro, e da crise do subprime em Atualmente, após uma retomada sustentável do crescimento do mercado de TI, o mundo se depara com uma nova crise, centrada na União Européia, que atingiu seu ápice durante o ano de Essa crise pode desencadear um período de retração e representar uma taxa mundial negativa de crescimento do setor. O impulso que cria o contra ponto à crise vem dos mercados emergentes, principalmente dos BRICS (Brasil, Rússia, India, China e África do Sul) que atualmente já são responsáveis por aproximadamente 30 % dos investimentos mundias totais em tecnologia da informação. Segundo relatório apresentado pelo Instituto Gartner, no final de 2011, o mercado global de TI está se movendo para uma plena recuperação. A indústria está observando a liberação da demanda reprimida durante a crise econômica 15

16 Robert Janssen iniciada em Até o final de 2011, a mesma pesquisa prevê gastos globais com TI no patamar de U$ 3,7 trilhões de dólares e estima que o mercado alcançará o marco dos US $ 4,4 trilhões até Desse valor - US$ 2,3 trilhões previstos -, aproximadamente US$ 1 trilhão ocorrerá no mercado norte americano: Estados Unidos, Canadá e México. A região da Ásia e do Pacífico será responsável por aproximadamente US$ 700 bilhões e a Europa, por US$ 400 bilhões em investimentos. Enquanto o mercado latino-americano, juntamente com as regiões do Oriente Médio e África, responderão por aproximadamente US$ 200 bilhões, em Os investimentos específicos em serviços de TI deverão crescer a uma taxa média anual de 10 a 11 %, até 2014 nos mercados dos países emergentes. No mercado norte-americano esta taxa deve ser em torno de 5 a 7 %, enquanto na Europa, caso persista a atual crise, estima-se crescimento em torno de zero, ou até mesmo negativo. Produtos de software deverão crescer a uma média anual de 12%, e equipamentos e hardware, a uma média anual de 9%. No segmento de infraestrutura de comunicações, impulsionado pela globalização das empresas e pela necessidade de estar permanentemente conectado e alcançável, a expectativa de crescimento é da ordem de 7% ao ano, até O estudo Information Technology Outlook, de 2010 da OCDE, apresenta dados dos mais diversos sobre o setor de Tecnologias da Informação e Comunicação, abrangendo software, serviços de software, hardware, equipamentos eletrônicos e serviços de telecomunicações. Por exemplo, dentre as 250 maiores empresas de TIC do mundo, há somente 14 do setor de software. E, dentre as 50 maiores, há somente uma, a Microsoft. Há três empresas de serviços de software dentre as 50 maiores e, 31 dentre as 250 maiores. É interessante notar que há várias empresas que estão contabilizadas em uma categoria específica (a que mais caracteriza a empresa), mas que se dedicam a mais de uma delas. É o caso típico da IBM, empresa tradicional de hardware, mas que registra a maior parte de suas atividades em serviços de TI e software. Na verdade, apenas o volume de receita com serviços já a colocaria em primeiro lugar dentre todas as empresas de serviços de TI. No Brasil, os dados vêm dos estudos realizados pelo Ministério de Ciência e Tecnologia, MCT, em parceria com a Sociedade SOFTEX e outros parceiros. O estudo realizado mais recentemente, a "Pesquisa de Qualidade e Produtividade no Setor de Software Brasileiro", foi publicado em Há alguns dados da pesquisa realizada que foram realizados em 2005, mas trata-se somente de estudos preliminares. Alguns outros estudos parciais, sobre temas específicos, vêm sendo desenvolvidos e podem ser encontrados no site do SOFTEX, no seguinte endereço eletrônico: (use apenas o browser Internet Explorer como navegador). O SOFTEX criou o Sistema de Informação da Indústria Brasileira de Software e Serviços, através do Ministério de Ciência e Tecnologia, o qual permite uma visão mais precisa de todo o setor. Com base em outros estudos disponíveis é possível identificar algumas características do setor no Brasil: Predominam as micro e pequenas empresas; Essas empresas atendem basicamente ao mercado interno; O mercado interno em 2010 atingiu cerca de US$ 13 bilhões de dólares; Criatividade e abertura para inovação; Fácil compreensão das regras do negócio e bom relacionamento com o cliente; Profissionais com boa formação técnica, flexíveis e adaptáveis; Experiência na implementação de soluções complexas; Custo de desenvolvimento de software idêntico ao da Índia (AT Kearney). Também é interessante contemplarar o mercado brasileiro de software e serviços, em relação ao posicionamento formal das empresas - de capital nacional e estrangeiro -, enquanto empresas de software ou de serviços. A informações que apresentaremos abaixo são baseadas em dados da Associação Brasileira de Empresas de Software (ABES). Perfil das Empresas Brasileiras Exportadoras de Software O estudo "Perfil das Empresas Brasileiras Exportadoras de Software" - da SOFTEX e Unicamp, , é uma boa fonte de informação, pois avaliou algumas das principais empresas brasileiras exportadoras de software - 22 nacionais e, 8 subsidiárias de empresas estrangeiras. Segue um breve resumo dos dados e avaliações do estudo:

17 Robert Janssen Uruguai 1 - Visão Panorâmica Nome Oficial República Oriental do Uruguai Capital Montevidéu Moeda Peso uruguaio Língua Espanhol População (2010) PIB US$ 44,52 bilhões (2009) Exportações US$ 6,395 bilhões (2009) Importações US$ 6,6 bilhões (2009) Fuso Horário 0 (Brasília) Quero conhecer o setor no Uruguai O Uruguai é um país que adota um regime de liberalização das importações. É o maior exportador de software per capita da America Latina e, o terceiro maior em valores absolutos. O Uruguai conta com mais de 250 empresas desenvolvedoras de software. O maior pólo tecnológico é concentrado ao sul de Montevidéu. Nesse pólo funciona um regime de Zona Franca e exoneração de imposto de renda para indústrias de software Por dentro do ambiente regulatório No Uruguai o tratamento para investidores estrangeiros ou nacionais é igual, logo não há diferenciação no momento de realizar investimentos. O país também não requer autorização nem registro prévio da transação, garantindo livre transferência de capitais e utilidades para o exterior. O investimento é realizado livremente em moeda conversível. 2 - Como operar no Uruguai Como proceder no regime de vistos Para períodos de até 90 dias, os brasileiros não precisam de visto para entrar na Colômbia. Precisam apenas apresentar a carteira de identidade brasileira. Quanto ao estabelecimento de residência no Uruguai, é possível requerer um visto de residência temporária, que tem prazo de dois anos, renovável por outros dois anos. Para entrar com pedido de residência temporária é preciso apresentar um comprovante do estabelecimento de uma empresa no país e provar sua vinculação com este empreendimento Quero conhecer o mercado e identificar um parceiro local No Uruguai, pode-se aproveitar as feiras e exposições do país para reconhecer as tendências do mercado e também identificar empresas que possam se tornar parceiros locais ou distribuidores. Ainda é possível contratar empresas de marketing, nos endereços abaixo:

18 Como Exportar Para + de 50 Países Cifra S.R.L. González, Raga & Asociados E.mail: Site: Equipos Mori E.mail: Site: Factum Site: Grupo Interconsult Site: Segmentos econômicos no uso de tecnologia O Uruguai visa utilizar os meios tecnológicos principalmente para fins sociais e educativos. Por esse motivo o pólo tecnológico foi instalado em Montevidéu, a fim de contribuir para o enriquecimento cultural de atividades educacionais de escolas, centros técnicos e universidades Principais entidades e associações de tecnologia Laboratorio Tecnológico del Uruguay (LATU E.mail: Site: Centro de Ensayos de Software Site: Dicas para contratar um funcionário A contratação no Uruguai é semelhante ao modelo brasileiro. Anuncia-se a vaga desejada, e, ao encontrar um candidato adequado, organiza-se um contrato para estipular salário, carga horária e benefícios. Pode-se estipular um período probatório do funcionário recém-contratado e oferecer capacitação. As empresas uruguaias enfrentam dificuldade, geralmente, em contratar funcionários sazonais. 3 - Tributos e Impostos Software, Tributos do Importador Se usarmos a Tarifa Externa Comum do Mercosul como parâmetro, confere-se que há uma variação de alíquota entre 0 e 35%. Ainda são cobrados impostos internos, como: Contribuição para o Financiamento da Previdência Social (COFIS) alíquota de 3%; Imposto ao Valor Agregado (IVA); Imposto Especifico Interno (IMESI) alíquotas de até 85% mas incide somente sobre produtos de uso não-essencial como bebidas alcoólicas, cosméticos, cigarros, perfumes, etc; Custos eventuais, como taxas do Despachante de Aduana, do Banco da Republica Oriental do Uruguai e da Direção Nacional de Aduanas.q Serviços de TI, Tributos do Importador Até a data do fechamento desta edição, nenhuma informação foi encontrada a respeito dos tributos que incidem sobre importação de serviços de TI no Uruguai. O entendimento atual é que se segue a mesma política adotada e descrita acima para o software. 141

19 Robert Janssen 4 - Por dentro dos acordos bilaterais O Brasil e o Uruguai possuem vários acordos multilaterais firmados no âmbito da ALADI e do Mercosul. A Tarifa Externa Comum do Mercosul ainda não está em vigor em todos os produtos, o que resulta em uma União Aduaneira imperfeita. Título Data de Celebração Entrada em Vigor Acordo sobre Distribuição e Exploração de Canais de Televisão Celebrado entre a Direção de Telecomunicações do Uruguai e o Conselho Nacional de Telecomunicações (CONTEL). Convênio Técnico Operacional entre a Embratel e a Antel para a Interconexão dos Sistemas de Telecomunicações e do Uruguai. Ajuste Complementar ao Acordo Básico de Cooperação Científica e Técnica, no Campo da Ciência e da Tecnologia. Ajuste Complementar ao Acordo Básico de Cooperação Científica e Técnica sobre Cooperação no Campo da Propriedade Industrial, Informação Tecnológica e Registro de Transferência de Tecnologia. Ajuste Complementar ao Acordo Básico de Cooperação Científica e Técnica, sobre Integração dos Bancos de Dados. Ajuste Complementar ao Acordo Básico de Cooperação Científica e Técnica nos Campos de Metrologia Científica e Legal e da Informação Tecnológica. Ajuste Complementar ao Acordo de Cooperação Científica e Técnica para Atividades na Área de Biotecnologia. 14/03/ /09/ /05/ /05/ /08/ /08/ /07/ /07/ /09/ /09/ /08/ /08/ /08/ /08/1996 Ajuste Complementar ao Acordo Básico de Cooperação Científica e Técnica na Área de Trabalho. 30/09/ /09/1997 Memorando de Entendimento sobre o Programa de Cooperação Técnica. 21/08/ /08/2002 Acordo para Permissão de Residência, Estudo e Trabalho a Nacionais Fronteiriços Brasileiros e Uruguaios. (Acordo de Indocumentados). Ajuste Complementar ao Acordo de Cooperação Científica e Técnica sobre Atividades de Cooperação entre a Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado do Rio Grande do Sul e o Escritório de Planejamento e Orçamento da Presidência da República Oriental do Uruguai. 21/08/ /04/ /06/ /05/2008 Acordo, P.T.N., para o Estabelecimento de uma Comissão Binacional de Cooperação Técnica. 01/04/ /04/2005 Memorando de Entendimento para a Promoção do Comércio e Investimento. 26/02/ /02/2007 Fonte: www2.mre.gov.br/dai/biuru.htm 5 - Fontes de Pesquisa aliceweb.desenvolvimento.gov.br/ brasilexportati.com/

20 Como Exportar Para + de 50 Países 6 - Dicas adicionais Leve em consideração que o empresário uruguaio é conservador tanto no âmbito pessoal quanto profissional. Como o mercado é pequeno, não há muita transparência no Uruguai, pois as empresas não são obrigadas a publicar seus balanços. O Uruguai construiu uma longa tradição na realização de feiras e eventos e, esses eventos são oportunidades para se conhecer o mercado de TICs no país. O próprio Laboratório Tecnológico do Uruguai organiza diversas exposições e feiras, além de eventos setoriais. Você encontrará o calendário de eventos atualizado no site citado no item 2.4. As reuniões e negociações no Urugia devem ser feitas sempre em espanhol, uma vez que o inglês é pouco falado no país. Certifique-se que toda comunicação, via ou fax, seja feita em espanhol. Muitas vezes o executivo brasileiro dispensa um intérprete por conta do custo desse profissional. Logo, as reuniões ficam sujeitas a gerar muita confusão, uma vez que a linguagem do mundo dos negócios exige exatidão. Portanto, para reuniões preliminares e negociações aconselhamos que você se faça acompanhar por alguém que tenha bom domínio do espanhol, inclusive em termos técnicos e legais. Aconselhamos que você visite algumas vezes o Uruguai antes de se estabelecer no país, a fim de observar e dimensionar as oportunidades e os desafios pertinentes ao mercado das TICs. Participar de feiras é sempre uma opção muito interessante para se conhecer o potencial e as fraquezas do mercado local. Participar de feiras e exposições a fim de realizar benchmarking e marketing direto do seu produto e, ou serviço é uma das estratégias mais recomendadas para se obter sucesso no mercado Uruguaio. Os modos de organização empresarial mais comuns no Uruguai são a Sociedade Anônima (empresas de grande porte) e a Sociedade de Responsabilidade Limitada (empresas de pequeno e médio porte). O acesso integral à legislação pode ser conferido no seguinte endereço eletrônico: 143

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Associação Brasileira de Exportação de Artesanato Biênio 2014/2015 Elaborado pela: Unidade de Inteligência Comercial - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões:

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões: Electrolux AB 1. Principais Características Matriz: Electrolux AB Localização: Estocolmo, Suécia Ano de fundação: 1901 Internet: www.electrolux.com Faturamento (2000): US$ 11.537 mi Empregados (2000):

Leia mais

AMCHAM e a Internacionalização de empresas

AMCHAM e a Internacionalização de empresas Defensores da livre iniciativa Representatividade multisetorial e nacional Amplo e diferenciado conteúdo Estabelecer a competitividade de longo prazo Fortalecimento dos canais de influência AMCHAM e a

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

A Internacionalização de Empresas de Tecnologia da Informação

A Internacionalização de Empresas de Tecnologia da Informação A Internacionalização de Empresas de Tecnologia da Informação ENAServ 2014 Encontro Nacional do Comércio Exterior de Serviços Sergio Paulo Gallindo São Paulo, 29 de maio de 2014 Porque Internacionalizar?

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM Perspectivas para o setor de TI BM&F Bovespa 26 de junho de 2013 BRASSCOM Associados BRASSCOM 1 Mercado Mundial de TI Crescimento Mercado TI BRASIL (2012/2011) 10,8% Crescimento Mercado TI Mundo (2012/2011)

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Brasil IT Emerging Players

Brasil IT Emerging Players Sua empresa tem um produto competitivo e inovador na área de Tecnologia da Informação e Comunicação? Você tem interesse em expandir sua atuação no mercado externo? Está disposto a qualificar sua empresa

Leia mais

esta oportunidade é para você

esta oportunidade é para você esta oportunidade é para você 26.000 colaboradores em mais de Empresa listada na FORTUNE países Projetos sociais na AMÉRICA DO SUL beneficiam mais de 230.000 PESSOAS POR ANO QUARTA EMPRESA MAIS INOVADORA

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00 Almoço

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

Agenda Internacional 2009

Agenda Internacional 2009 Agenda Internacional 2009 CNI: estratégia institucional Visão Estratégica Mapa Estratégico Uma visão sobre o futuro do país e da indústria (2007-2015) Identifica prioridades estratégicas Participação de

Leia mais

"Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein)

Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade. (Adaptado livremente de A. Einstein) Fácil assim. 12345 "Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein) 12345 Tudo é mais fácil com Lenze. O forte dinamismo dos tempos atuais o coloca em confronto

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

Geografia: ROCHA Globalização A globalização é a mundialização da economia capitalista que forma o aumento do processo de interdependência entre governos, empresas e movimentos sociais. Globalização Origens

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

MACRO OBJETIVOS DO PROGRAMA

MACRO OBJETIVOS DO PROGRAMA Programa Estratégico de SOFTWARE E SERVIÇOS de TI 1. PANORAMA DO MERCADO 2. COMPARATIVOS INTERNACIONAIS 3. VISÃO DA POLÍTICA 4. PRINCIPAIS MEDIDAS E PROGRAMAS MACRO OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

Cisco Systems Incorporation

Cisco Systems Incorporation Cisco Systems Incorporation 1. Principais Características Matriz: Cisco Systems Inc. Localização: São José, Califórnia, Estados Unidos Ano de fundação: 1984 Internet: www.cisco.com Faturamento (2000):

Leia mais

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001 Assim é a Telefónica A aquisição da Lycos, aliada ao fato de a nova empresa Terra Lycos operar em 43 países, permitiu, por um lado, uma maior penetração nos Estados Unidos e no Canadá. Por outro lado,

Leia mais

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Náutica Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro para

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009.

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009. Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA IMAGENS BASE Fonte: IBGE, 2009. Colégio A. LIESSIN Scholem Aleichem - 1 - NANDA/MAIO/2014-488 TEXTO BASE Os blocos

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Mercado em Foco: Chile

Mercado em Foco: Chile Mercado em Foco: Chile EXPOMIN, 2014 Breve estudo com informações sobre as perspectivas de negócios da economia do Chile. Apresentamos também uma análise do comércio exterior de máquinas e equipamentos

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA Integração produtiva e cooperação industrial: a experiência da ABDI LEONARDO SANTANA Montevidéu, 15 de julho de 2009 Roteiro da Apresentação 1. Política de Desenvolvimento Produtivo PDP 2. Integração Produtiva

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS 1 LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA ÁFRICA DO SUL ARÁBIA SAUDITA BRASIL CANADÁ COREIA DO SUL EGITO EQUADOR HOLANDA ITÁLIA JORDÂNIA NÍGER SUÉCIA ALEMANHA ARGENTINA

Leia mais

Motorola Incorporation

Motorola Incorporation Motorola Incorporation 1. Principais Características Matriz: Motorola Incorporation Localização: Illinois, Estados Unidos Ano de fundação: 1928 Internet: www.motorola.com Faturamento (2000): US$ 37.580

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

Relatório Geral. Abril - 2015

Relatório Geral. Abril - 2015 Relatório Geral Abril - 015 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL DE HPPC Objetivo Promover o desenvolvimento das empresas do setor de HPPC de forma sustentável, por meio da gestão e difusão de conhecimento,

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Destaques do Education at a Glance 2014 Diretor de Estatísticas Educacionais Carlos Eduardo Moreno Sampaio

Leia mais

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Câmara Setorial da Citricultura Brasília, 6 de setembro de 2011. TRANSPARÊNCIA E INFORMAÇÃO AGO/2010 OUT/2010 NOV-DEZ/2010

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA Inovação é o que distingue um líder de um seguidor. Steven Paul Jobs Grandes ideias mudam o mundo. Missão

Leia mais

Análise de Mercados Potenciais APRO Filmes Publicitários 2010/2011

Análise de Mercados Potenciais APRO Filmes Publicitários 2010/2011 Análise de Mercados Potenciais APRO Filmes Publicitários 2010/2011 Elaborado pela: Unidade de Inteligência Comercial - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55 61 3426.0202 Fax: +55 61 3426.0263 www.apexbrasil.com.br

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

200 4 Anuário Estatístico

200 4 Anuário Estatístico 2004 Anuário Estatístico REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Presidente MINISTÉRIO DO TURISMO WALFRIDO SILVINO DOS MARES GUIA Ministro INSTITUTO BRASILEIRO DE TURISMO EMBRATUR EDUARDO

Leia mais

mídiakit www.tvgazeta.com.br

mídiakit www.tvgazeta.com.br mídiakit www.tvgazeta.com.br JUNHO / 2015 #HISTÓRIA Fundada no aniversário da cidade de São Paulo, a TV Gazeta fala com uma metrópole globalizada com a intimidade de quem esteve presente na vida e no coração

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Cód. Ref.: SOFT/EDL039/2012 2ª Chamada Consultoria Especializada PSVs. Campinas, 21 de dezembro de 2012.

Cód. Ref.: SOFT/EDL039/2012 2ª Chamada Consultoria Especializada PSVs. Campinas, 21 de dezembro de 2012. Cód. Ref.: SOFT/EDL039/2012 2ª Chamada Consultoria Especializada PSVs Campinas, 21 de dezembro de 2012. 2º CHAMADA EDITAL DE SELEÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA PARA APOIO À OPERAÇÃO DOS PORTFÓLIOS DE

Leia mais

POLÍTICA TRIBUTÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA

POLÍTICA TRIBUTÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA ESTADO, TRIBUTAÇÃO E SEGURIDADE SOCIAL POLÍTICA TRIBUTÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA Marcelo Lettieri (marlettieri@gmail.com) OVERVIEW Tributação e Distribuição de Renda Modelo Tributário - Tendência histórica

Leia mais

RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS REALIZADOS PELA FSB COMUNICAÇÃO

RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS REALIZADOS PELA FSB COMUNICAÇÃO COMUNICADO DE QUESTIONAMENTOS nº 002/2010-CEL Prezados(as) Senhores(as), O presente tem por objetivo divulgar respostas às solicitações de esclarecimentos/questionamentos, referentes à Concorrência nº

Leia mais

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 1. Considerações Gerais Os Estados Unidos, maior potência mundial e tecnológica, apresenta projeções cada vez mais otimistas. Desde 2008, no estouro da crise

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

PESQUISA GESTOR GLOBAL FDC 2012

PESQUISA GESTOR GLOBAL FDC 2012 PESQUISA GESTOR GLOBAL FDC 2012 INTRODUÇÃO O aumento da internacionalização lança o desafio cada vez maior para as empresas atraírem e reterem líderes capazes de viver em ambientes complexos e compreender

Leia mais

PAÍSES PRESENTES. República Tcheca. Coreia do Sul. Alemanha. Inglaterra. Angola. Equador. Suiça. Israel. Argentina. Espanha. Itália. Taiwan.

PAÍSES PRESENTES. República Tcheca. Coreia do Sul. Alemanha. Inglaterra. Angola. Equador. Suiça. Israel. Argentina. Espanha. Itália. Taiwan. 1 O EVENTO 3 4 PAÍSES PRESENTES Alemanha Coreia do Sul Inglaterra República Tcheca Angola Equador Israel Suiça Argentina Espanha Itália Taiwan Áustria EUA Japão Turquia Brasil Finlândia México Uruguai

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA.

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida COSEC em resumo

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda Redução da jornada de trabalho - Mitos e verdades Apresentação Jornada menor não cria emprego Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda à Constituição 231/95 que reduz a jornada de trabalho de

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

INSS Diretoria de Benefícios

INSS Diretoria de Benefícios IV CONFERÊNCIA BRASILEIROS NO MUNDO INSS Diretoria de Benefícios Praia do Forte, 20 de novembro de 2013 ACORDOS INTERNACIONAIS Globalização Principais objetivos ou finalidades dos Acordos Internacionais

Leia mais

Tributação Internacional Junho 2014

Tributação Internacional Junho 2014 www.pwc.pt/tax Tributação Internacional Junho 2014 Perante a aldeia global em que vivemos, atuar apenas no mercado doméstico não é suficiente. De facto, a internacionalização é um requisito obrigatório

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de

Leia mais

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e Comentários gerais Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação - PSTI A investigou, em 2009, 1 799 empresas de TI com 20 ou mais Pessoas Ocupadas constantes do cadastro de empresas do IBGE e os produtos

Leia mais

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro SERVIÇOS DE INTELIGÊNCIA ECONÓMICA Documento de Inteligência Económica TEMA: Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro 1. Importância para as empresas em processo de internacionalização A ação

Leia mais

Mão-de-obra qualificada, flexibilidade

Mão-de-obra qualificada, flexibilidade > TECNOLOGIA INFORMÁTICA Negócio oportuno Empresas criam centros no Brasil para desenvolver softwares e aplicativos destinados ao mercado mundial DINORAH ERENO ILUSTRAÇÕES BUENO Mão-de-obra qualificada,

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Institucional Tokio Marine Seguradora Tokio Marine no Mundo Grupo Tokio Marine é o um dos líderes entre os grupos seguradores globais. Fundada em1879 Ativos:US$98bilhões

Leia mais

(confira quadro com os conceitos envolvidos na pag. 25). Mas, a

(confira quadro com os conceitos envolvidos na pag. 25). Mas, a Indústria Nova marca, VELHOS BRASIL IT+ PASSA A SER A IDENTIFICAÇÃO PARA TODA A EXPORTAÇÃO DE TIBRASILEIRA. A NOVIDADE CHEGA JUNTO COM NOVOS PLANOS DE ENTIDADES E EMPRESAS PARA GANHAR O MERCADO GLOBAL

Leia mais

ARQUITETURA CORPORATIVA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE GOVERNANÇA DE TI SUSTENTÁVEL. Março 2013

ARQUITETURA CORPORATIVA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE GOVERNANÇA DE TI SUSTENTÁVEL. Março 2013 ARQUITETURA CORPORATIVA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE GOVERNANÇA DE TI SUSTENTÁVEL Março 2013 Aitec Brasil Apresentação Institucional Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo

Leia mais