E S T U D O L O C A L O p o r t u n i d a d e s p a r a a s T I C n o N o v o C o n t e x t o E c o n ó m i c o e S o c i a l e m P o r t u g a l

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E S T U D O L O C A L O p o r t u n i d a d e s p a r a a s T I C n o N o v o C o n t e x t o E c o n ó m i c o e S o c i a l e m P o r t u g a l"

Transcrição

1 E S T U D O L O C A L O p o r t u n i d a d e s p a r a a s T I C n o N o v o C o n t e x t o E c o n ó m i c o e S o c i a l e m P o r t u g a l Novembro de 2011 S U M Á R I O E X E C U T I V O IDC Portugal: Centro Empresarial Torres de Lisboa, Rua Tomas da Fonseca, Torre G, Lisboa A economia nacional vive a mais grave crise dos últimos cem anos. O efeito conjugado de um défice público elevado e do crescimento da dívida pública e privada levaram à intervenção do Fundo Monetário Internacional, do Banco Central Europeu e da Comissão Europeia e ao desenho de um Programa de Assistência Financeira e Económica que impedisse a falência da economia nacional. O conjunto de medidas de austeridade adoptadas e a adoptar precipitou a economia nacional numa espiral recessiva que, em 2012, poderá chegar a uma queda de três pontos percentuais. Paralelamente, a crise da dívida pública ameaça contaminar as restantes economias europeias. Após a Grécia, Portugal e Irlanda, a subida das taxas de juro da dívida pública ameaça a Itália e a Espanha, levando à intervenção do Banco Central Europeu. O conjunto de medidas de austeridade anunciadas nas diferentes economias integrantes da zona Euro levou a que as estimativas de crescimento económico da zona euro fossem revistas em baixa. Neste contexto, a IDC Portugal lançou um inquérito às principais organizações empresariais nacionais, assim como à indústria de tecnologias de informação e comunicações (TIC) presente no território nacional, com o objectivo de avaliar o impacto da conjuntura económica na despesa com tecnologias de informação, assim como identificar as prioridades tecnológicas destas instituições. A generalidade das organizações nacionais mostra-se pouco confiante com a evolução da economia nacional e não acredita numa retoma das actividades económicas a curto prazo. Para enfrentar este cenário, as organizações utilizadoras têm vindo a adoptar medidas que contemplam a melhoria da eficiência da organização e a redução de custos de funcionamento, enquanto a indústria TIC privilegia estratégias de atracção e retenção de clientes e de melhoria do desempenho da organização. Confrontadas com estas prioridades, as organizações utilizadoras estão totalmente alinhadas com estas necessidades, privilegiando tecnologias que possibilitem a redução de custos das tecnologias de informação, assim como a eficiência da despesa com estas tecnologias. Assim, a consolidação da infraestrutura tecnológica e a sua progressiva virtualização é uma das principais prioridades tecnológicas da maioria das organizações inquiridas. Neste âmbito, não será de estranhar que a maioria das organizações tenha procedido à redução da despesa com tecnologias de informação. E a indústria TIC está consciente desta nova realidade. As expectativas dos responsáveis das empresas nacionais evidenciam que a procura de equipamentos e soluções informáticas vai retrair-se no decorrer dos próximos meses. E esta tendência será mais evidente no hardware do que nas restantes categorias da despesa TIC. E será extensível à generalidade dos sectores de actividade. No entanto, e apesar do cenário negativo, a emergência de um novo paradigma - definido pela IDC como Economia Inteligente - irá criar novas oportunidades de crescimento para a indústria de tecnologias de informação IDC

2 S I T U A Ç Ã O A C T U A L Ambiente recessivo e de incerteza na economia nacional Ultrapassado o impacto da crise financeira a nível mundial, a economia nacional registou um crescimento de 1,4 pontos percentuais no decorrer de Com excepção do investimento, que permaneceu negativo (-4,9 pontos percentuais), a generalidade dos indicadores económicos evidenciaram uma recuperação tendo encerrado o ano em terreno positivo. No entanto, e apesar do crescimento registado, o cenário económico alterou-se significativamente no início de 2011, nomeadamente devido ao agravamento do défice (8,6%), ao crescimento da divida do sector público e às dificuldades de financiamento da economia. A assinatura do Memorandum of Understanding (MoU) com o Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia, em resultado do pedido de auxílio do governo português, veio agravar significativamente a evolução da economia no território nacional. As novas condições da economia nacional tiveram um impacto significativo nos diferentes indicadores macroeconómicos que, segundo as previsões do Banco de Portugal, deverão ser negativos até final do ano, com particular destaque para o investimento que deverá registar uma quebra substancial (-11,4 pontos percentuais). Assim, as previsões de Outono do Banco de Portugal apontam para um agravamento das condições económicas, com a economia a registar uma quebra de 1,9 em Por outro lado, as condições económicas adversas que se fizeram sentir na economia nacional no decorrer deste período tiveram um impacto negativo no mercado de trabalho que foi significativamente afectado pela crise económica, tendo a taxa de desemprego atingido valores historicamente elevados - 11,7%. A necessidade de redução do défice público, consagrada no MoU, veio agravar as condições da actividade económica no próximo ano. Assim, as previsões macroeconómicas incluídas no Orçamento de Estado para 2012 evidenciam uma quebra acentuada da economia nacional no próximo ano (-2,8 pontos percentuais) e que deverá manter-se em E, com excepção das exportações que deverão manter um comportamento positivo no decorrer do próximo ano, a generalidade dos indicadores irão ter um comportamento negativo. A Tabela 1 resume a realidade descrita acima IDC

3 T A B E L A 1 - E V O L U Ç Ã O D A E C O N O M I A P O R T U G U E S A ( ) Despesa e PIB (variação do volume, em %) Consumo Privado 2,3-3,5-4,8 Consumo Público 1,3-5,2-6,2 Investimento (FBCF) -4,9-10,6-9,5 Exportações 8,8 6,7 4,8 Importações 5,1-4,5-4,3 PIB 1,4-1,9-2,8 2 - Preços (taxa de variação, em %) Taxa de Inflação (a) 1,4 3,3 3,1 3 Desemprego Taxa de desemprego (%) 10,8 12,5 13,4 Fonte: Banco de Portugal (Boletim Económico de Outono, Outubro de 2011). Notas: (a) Variação Média Anual do Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) ; (P) projecção IDC 3

4 Dívida pública europeia condiciona crescimento Ultrapassada a crise financeira internacional, a recuperação das economias europeias avançou a diferentes ritmos. Enquanto algumas destas economias registaram taxas de crescimento anémicas, em particular devido aos elevados níveis de endividamento, dificuldades de financiamento e perda de competitividades, outras economias, como a Alemanha e a Suécia, em que os desequilíbrios eram inexistentes, aproveitaram as suas vantagens competitivas e lideraram a retoma económica europeia em Esta dicotomia começou a desvanecer-se se no primeiro trimestre deste ano. Enquanto países como a Suécia, a Suíça e outras economias do Norte da Europa, lideradas pela Alemanha, mantiveram o ritmo de crescimento, outras economias - Espanha, Itália, Reino Unido - registaram taxas de crescimento mais baixas. Os mais recentes indicadores macroeconómicos evidenciam uma desaceleração do crescimento da economia europeia, agravada com o alastrar da crise do Euro nas economias periféricas. F I G U R A 1 T A X A D E C R E S C I M E N T O D O P I B P O R T U G A L, E U R O P A E E U A Fonte: Eurostat, 2010 Real GDP growth rate. Notas: As taxas de 2010 e 2011 correspondem a previsões IDC

5 Abrandamento da despesa com TIC O abrandamento da economia mundial e, em particular das economias dos países que integram o Euro, vai ter impacto na despesa com tecnologias de informação a nível mundial. As mais recentes estimativas da IDC (Novembro de 2011) evidenciam um abrandamento da despesa que, até final do ano, deverá registar um crescimento de 7 pontos percentuais, enquanto no ano passado deverá ter crescido 10,6 pontos percentuais. E este abrandamento é extensível à generalidade das componentes da despesa. A Figura 2 sintetiza as perspectivas de crescimento da despesa com tecnologias de informação a nível mundial. FIGURA 2 CRESCIMENTO MUNDIAL DO MERCADO DE TI 35,0% 30,0% 25,0% 20,0% 15,0% 10,0% ,0% 0,0% -5,0% Fonte: IDC, IDC 5

6 R E S U L T A D O S D O I N Q U É R I T O A O M E R C A D O N A C I O N A L Crise condiciona organizações nacionais A conjuntura económica alterou-se substancialmente nos últimos 12 meses. A assinatura do Memorando de entendimento com o FMI, BCE e CE e as consequentes medidas de ajustamento económico e financeiras previstas nesse documento veio agravar ainda mais as condições económicas no território nacional, bem como as perspectivas de evolução nos próximos meses. Neste sentido, a maioria das organizações inquiridas pela IDC Portugal mostrase pouco confiante (53%) ou nada confiante (25%) na evolução da economia nacional nos próximos tempos. E este pessimismo é comum aos dois grupos analisados - fornecedores de tecnologias de informação e utilizadores destas tecnologias. A figura 2 ilustra esta realidade. FIGURA 2 - GRAU DE CONFIANÇA NA ECONOMIA NACIONAL Extremamente confiante Muito confiante Algo confiante Vendors Users Muito pouco confiante Nada confiante 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% Por outro lado, e tendo em conta as medidas incluídas no Programa de Ajustamento Económico e Financeiro assinado com a 'troika' e o recente agravamento das condições da actividade económica no território nacional, a maioria das organizações inquiridas acredita que a retoma da economia deverá ocorrer no segundo semestre de 2013 ou mesmo mais tarde, enquanto que uma minoria (20%) acredita que esta poderá ocorrer no primeiro trimestre de 2013 ou no segundo trimestre de 2013 (24%). O pessimismo relativamente à evolução da economia nacional é partilhado igualmente pelos inquiridos na indústria TIC. A figura 3 ilustra esta realidade IDC

7 FIGURA 3 - EXPECTATIVAS DE RETOMA DA ECONOMIA Não sabe / Não responde Mais tarde No segundo trimestre de 2013 No primeiro trimestre de 2013 Vendors Users No segundo semestre de 2012 No primeiro semestre de % 10% 20% 30% 40% 50% Neste contexto, não será de admirar que a maioria das organizações inquiridas tenha expectativas de que a procura de produtos e serviços da sua organização venha a diminuir, enquanto apenas 9% dos inquiridos acredite que vá aumentar. E estas expectativas são partilhadas igualmente pela indústria TIC. Contudo, a percentagem das empresas que referem que a procura de produtos e serviços da sua organização vai aumentar é superior junto da indústria (18%). Por outro lado, e ainda segundo os dados compilados pela IDC Portugal, as perspectivas negativas da procura irão ter um impacto no desempenho das organizações no território nacional, nomeadamente no que diz respeito à evolução do seu volume de vendas. Assim, a maioria das organizações utilizadoras inquiridas revelam-se muito pouco confiantes (42%) ou nada confiantes (14%) acerca das perspectivas de evolução do volume de negócios. Somente 6% das organizações inquiridas pela IDC Portugal se mostram muito confiantes enquanto 38% revelam alguma confiança. As respostas da indústria TIC são um pouco mais optimistas relativamente à evolução do volume de negócios nos próximos 12 meses e metade dos inquiridos revela-se algo confiante na evolução deste indicador a figura 4 ilustra esta realidade IDC 7

8 FIGURA 4 - GRAU DE CONFIANÇA NA EVOLUÇÃO DAS VENDAS Extremamente confiante Muito confiante Algo confiante Vendors Users Muito pouco confiante Nada confiante 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% Neste âmbito, e apesar da evolução negativa das condições da actividade económica no território nacional, a maioria das organizações prevê manter o seu actual quadro de colaboradores. No entanto, cerca de 40% das organizações utilizadoras inquiridas tem planos para reduzir a força de trabalho o que evidencia a degradação das condições da actividade. Este número é mais reduzido na indústria TIC e apenas cerca de um quarto das empresas inquiridas tem planos para a redução do número de colaboradores nos próximos 12 meses. De salientar que 24% destas empresas tem planos, inclusive, para aumentar o número de colaboradores. Confrontadas com uma conjuntura recessiva nos próximos dois anos, as organizações nacionais tem vindo a adoptar estratégias com o objectivo de minorar e ultrapassar as condições negativas da economia nacional. Deste modo, as organizações utilizadoras inquiridas privilegiam o desenvolvimento de novos produtos e serviços, assim como o crescimento da quota de mercado nos seus segmentos tradicionais e a expansão para novos mercados. Curiosamente, apenas uma minoria de organizações contempla o desenvolvimento de novas alianças estratégicas ou a realização de processos de fusão e aquisição. Contrariamente ao que sucede no universo dos utilizadores, as estratégias adoptadas pela indústria TIC privilegiam maioritariamente a expansão para novos mercados (cerca de 43% das empresas inquiridas salientam esta opção). A figura 5 permite-nos identificar esta realidade IDC

9 FIGURA 5 - ESTRATÉGIAS ADOPTADAS Outra(s), por favor especifique Novas alianças estratégicas Expansão para novos mercados Desenvolvimento de novos produtos/serviços Vendors Users Fusões e aquisições Crescimento da quota de mercado nos mercados actuais 0% 10% 20% 30% 40% 50% 2011 IDC 9

10 Reduzir custos e melhorar a eficiência O inquérito da IDC Portugal procurou ainda identificar o impacto que a actual conjuntura económica vai ter nas prioridades das organizações nacionais nos próximos 12 meses. Neste contexto, a redução de custos de funcionamento e a melhoria da eficiência da organização aparecem como as prioridades de negócio da maioria das organizações utilizadoras inquiridas. Com efeito, a esmagadora maioria das organizações inquiridas pela equipa da IDC Portugal evidenciam a importância destes tópicos classificando-os como Muito importantes ou como Importantes. Por outro lado, a generalidade das organizações inquiridas evidencia ainda a necessidade de aproveitar a conjuntura para melhorar o desempenho e optimizar os processos de negócio. Por oposição, a análise das respostas das empresas TIC evidencia que a atracção e retenção de clientes e a melhoria do desempenho da organização no território nacional são prioridades de negócio classificadas como Muito importantes ou como Importantes pela maioria das organizações inquiridas. Num segundo plano aparecem tópicos como a melhoria da eficiência da organização e a optimização dos processos de negócio. A figura 6 sintetiza esta realidade. FIGURA 6 - PRIORIDADES DE NEGÓCIO Internacionalização das actividades Melhorar a competitividade da Melhorar o serviço a clientes Crescimento das receitas Atrair e reter clientes Melhorar o desempenho da organização Vendors Users Reduzir custos de funcionamento Optimizar os processos de negócio Melhorar a eficiência da organização 0% 20% 40% 60% 80% 100% A IDC Portugal procurou ainda identificar quais as medidas adoptadas ou a implementar pelas organizações utilizadoras nacionais para fazer face ao actual cenário económico, em particular devido à necessidade de reduzir os custos das tecnologias de informação. Assim, ampliar o ciclo de vida dos activos de TI, aumentar a consolidação e virtualização da infra-estrutura tecnológica e utilizar as TI para reduzir custos noutras áreas da organização são algumas das medidas adoptadas pelas organizações nacionais para absorver o impacto do actual cenário económico. De salientar ainda que medidas como a externalização de serviços IDC

11 ou a renegociação de contratos com fornecedores tem uma expressão reduzida nas medidas adoptadas pelas organizações nacionais para enfrentar o actual cenário económico. A figura 7 sintetiza as medidas adoptadas pelas instituições nacionais. FIGURA 7 - MEDIDAS ADOPTADAS (USERS) Outra(s), por favor especifique Recorrer à externalização de serviços Congelar a contratação de recursos humanos Renegociação de contratos com fornecedores de TI Redução da despesa de TI Utilizar as TI para reduzir custos de noutras áreas do negócio Aumentar a consolidação e virtualização da infra-estrutura tecnológica Aumentar o ciclo de aquisição de novos produtos/serviços Adiar novos projectos de TI Ampliar o ciclo de vida dos activos de TI 0% 5% 10% 15% 20% 25% Os dados compilados pela equipa da IDC Portugal evidenciam ainda que, confrontadas com a necessidade de reduzir custos e de melhorar a eficiência da organização, as prioridades tecnológicas estão alinhadas com esta necessidade. Assim, a adopção ou a continuação das estratégias de virtualização da infraestrutura tecnológica é uma das principais prioridades tecnológicas da maioria das organizações inquiridas. Por outro lado, e ainda relacionado com a necessidade de tornar a instituição mais eficiente, a generalidade dos inquiridos refere a necessidade de prosseguir com os esforços de consolidação da sua infra-estrutura tecnológica. Concluído este esforço de renovação tecnológica, algumas das organizações inquiridas referem que a adopção de serviços de cloud computing é outra das prioridades tecnológicas expressa pela maioria das organizações nacionais. Entre as prioridades enunciadas pelas instituições inquiridas pela equipa da IDC Portugal, destaque ainda para a segurança e para a implementação de sistemas de disaster recovery. De salientar ainda que, à semelhança do que assinalámos nas medidas adoptadas, o outsourcing das tecnologias de informação não é uma prioridade das organizações nacionais para os próximos 12 meses IDC 11

12 FIGURA 8 - PRIORIDADES TECNOLÓGICAS A actual conjuntura económica vai ter um impacto negativo na despesa das organizações utilizadoras nacionais com tecnologias de informação. Esta é uma das conclusões que se pode retirar da análise dos dados compilados pela IDC Portugal. À semelhança do que tinha acontecido em 2011, a maioria das instituições inquiridas vai proceder a reduções no orçamento destinado a estas tecnologias. E a redução abrange igualmente as despesas operacionais (OPEX), como as despesas de capital (CAPEX). Assim, os dados compilados permitem-nos constatar que cerca de 56% das organizações inquiridas vão reduzir a despesa operacional com tecnologias de informação (mais de 34% dos inquiridos vão reduzir mais de 5%, enquanto apenas 22% irão reduzir abaixo de 5%), enquanto apenas 15% tem intenção de reforçar a sua despesa com estas tecnologias. Por outro lado, cerca de um terço das organizações prevê manter o nível de despesa IDC

13 Situação idêntica pode ser observada nas despesas de capital. Com efeito, os dados compilados permitem-nos observar que apenas 14% das organizações contemplam um reforço da sua despesa com tecnologias de informação, enquanto 56% estimam uma diminuição da verba disponível para investimento nestas tecnologias - 35% dos inquiridos prevêem uma redução superior a 5%, enquanto 21% contemplam uma diminuição abaixo de 5%.Cerca de um terço dos inquiridos refere que irão manter as suas despesas de capital. A Figura 9 permite a comparação da despesa com tecnologias de informação em 2011 e FIGURA 9 - ORÇAMENTO DE TI (USERS) 2011 IDC 13

14 E esta realidade é extensível a todas as componentes da despesa das organizações com tecnologias de informação. Apesar desta realidade, a despesa com periféricos e com consultoria de TI e de negócio são as componentes da despesa mais afectadas pela conjuntura negativa da economia nacional, enquanto os sistemas de armazenamento e a integração de sistemas são as componentes menos afectadas pela redução da despesa com tecnologias de informação. A Figura 10 sintetiza esta realidade. FIGURA 10 - DESPESA TI (USERS) Formação Suporte Business Process Outsourcing (BPO) Outsourcing de TI Serviços de desenvolvimento de aplicações Integração de sistemas Consultoria de TI Consultoria de negócio Software de desenvolvimento Software de infra-estrutura Aplicações de negócio Periféricos Equipamento de redes PC, estações de trabalho, portáteis Armazenamento Sistemas servidores Aumentar significativamente Aumentar Manter-se idêntico Diminuir Diminuir significativamente 0% 20% 40% 60% 80% 100% IDC

15 O estudo da IDC procurou ainda identificar qual o impacto que o novo cenário económico irá ter na actividade da indústria TIC no território nacional. A análise dos dados compilados permite-nos constatar que, com excepção do segmento de hardware que tem um saldo negativo, as empresas inquiridas acreditam que o mercado irá crescer em A figura 11 sintetiza as expectativas da indústria TIC. F I G U R A 1 1 E V O L U Ç Ã O P R E V I S T A P E L O S F O R N E C E D O R E S D E T I E M R E L A Ç Ã O V O L U M E D E N E G Ó C I O S Outros Serviços Software Hardware Total -0,1-0,1 0,0 0,1 0,1 0,2 0,2 0, IDC 15

16 A análise mais detalhada permite-nos ainda constatar que as empresas inquiridas acreditam que a generalidade dos sectores de actividade irão diminuir a sua despesa com tecnologias de informação e comunicações. Assim, e com excepção dos sectores da energia, dos serviços, das telecomunicações e das utilities que deverão ter um comportamento positivo, a generalidade dos sectores de actividade deverão registar um comportamento negativo no decorrer dos próximos 12 meses. F I G U R A E V O L U Ç Ã O P R E V I S T A P A R A O C R E S C I M E N T O D O O R Ç A M E N T O E M T I P O R S E C T O R E C O N Ó M I C O ( % ) Utilities Transportes Telecomunicações Serviços financeiros (excluindo bancos e Serviços Seguros Saúde Media Indústria Famílias Energia Educação Distribuição e retalho Construção civil Bancos Administração pública local Administração pública central -0,8-0,7-0,6-0,5-0,4-0,3-0,2-0,1 0,0 0,1 0, IDC

17 Situação idêntica pode ser observada nas expectativas da indústria TIC relativamente aos diferentes segmentos da despesa com tecnologias de informação e comunicações. A figura 13 ilustra estas expectativas. F I G U R A E V O L U Ç Ã O P R E V I S T A P A R A O C R E S C I M E N T O D O O R Ç A M E N T O E M T I ( % ) Formação Suporte Business Process Outsourcing (BPO) Outsourcing de TI Formação Serviços de desenvolvimento de aplicações Integração de sistemas Consultoria de TI Consultoria de negócio Desenvolvimento Sw infra-estrutura Aplicações de negócio Periféricos Equipamento redes PC, estações de trabalho, portáteis Armazenamento Sistemas servidores -0,4-0,3-0,2-0,1 0 0,1 0, IDC 17

18 D I M E N S Ã O D E M E R C A D O E P R E V I S Õ E S O gráfico abaixo apresenta as estimativas e previsões da IDC para o crescimento do mercado nacional de TIC. F I G U R A 1 4 C R E S C I M E N T O D O S G A S T O S E M T I C E M P O R T U G A L Fonte: IDC, Novembro 2011 (versão preliminar) IDC

19 C O N C L U S Õ E S A indústria de tecnologias de informação tem enfrentado uma mudança de paradigma com intervalos de 20 anos. Enquanto numa primeira fase, a dos sistemas centralizados, as tecnologias de informação suportavam alguns milhões de utilizadores e alguns milhares de aplicações estavam disponíveis a nível mundial, numa segunda fase de desenvolvimento desta indústria - aparecimento de arquitecturas cliente/servidor - estas tecnologias passaram a suportar centenas de milhões de utilizadores e dezenas de milhar de aplicações proliferaram no mercado mundial, Presentemente, e com o advento da computação Web, as tecnologias de informação tem que suportar milhares de milhões de utilizadores, assim como o número de aplicações disponíveis a nível mundial ultrapassou os milhões. A esta nova realidade ainda podemos adicionar biliões de outros sistemas inteligentes conectados a esta nova infra-estrutura de comunicação e de partilha de informação. A IDC designa este novo paradigma como Economia Inteligente e terá um impacto profundo na generalidade dos sectores de actividade. A Figura 13 ilustra este novo paradigma criado com a massificação da utilização da Web. F I G U R A 1 5 N O V O P A R A D I G M A D A E C O N O M I A I N T E L I G E N T E Fonte: IDC, 2011 Neste contexto, e apesar da conjuntura negativa no mercado nacional e do abrandamento da economia a nível mundial, a IDC acredita que algumas áreas irão continuar a crescer a um ritmo superior ao do mercado. Serviços de Cloud Computing, equipamentos e aplicações móveis, banda larga móvel, aplicações "big data" e analítica de negócio e social business são áreas em que a procura das organizações irá crescer a um ritmo superior ao da economia IDC 19

20 A N E X O Metodologia Este estudo teve por objectivo avaliar o impacto da actual conjuntura económica junto das organizações empresariais nacionais, assim como identificar as suas prioridades para os próximos 12 meses. Através deste estudo a equipa da IDC procurou ainda caracterizar o impacto do actual cenário económico na actividade das organizações nacionais e, em particular, na despesa com tecnologias de informação e comunicações. A análise teve ainda como objectivo identificar as estratégias e as medidas adoptadas por estas instituições para enfrentarem uma realidade adversa nos próximos 12 meses. Para tal, a IDC procedeu ao envio de um questionário enviado aos responsáveis de sistemas de informação das organizações em Portugal (indicado abaixo e ao longo do estudo como users). Foram obtidas 224 respostas validas. As Figuras 11 e 12 sintetizam o perfil dos inquiridos. Por outro lado, e com o mesmo objectivo, a IDC Portugal procedeu ao envio de um questionário para a indústria de tecnologias de informação e comunicações (indicado abaixo e ao longo do estudo como vendors) presente no território nacional. Abaixo resumimos os detalhes dos dois inquéritos: Amostra 1. Vendors 181 empresas fornecedoras de TIC 2. Users 224 médias e grandes organizações utilizadoras de TIC Perfil dos inquiridos Método 1. Vendors Directores gerais e de marketing 2. Users Directores de TIC 1. Sondagem por quotas Meio de administração 1. Inquérito online com follow-up telefónico Período de respostas de Setembro e 28 de Outubro de IDC

21 F I G U R A S E C T O R E S D E A C T I V I D A D E Administração pública 14,00% 17,00% Banca Construção Civil e Obras Públicas 7,00% Distribuição e Retalho Utilities 10,00% Indústria 8,00% Media 4,00% 4,00% Saúde Seguros 4,00% 4,00% 17,00% 8,00% 3,00% Serviços Telecomunicações Transportes Outro Fonte: IDC, 2011 (N = 224 Users) FIGURA 12 VENDAS 10% 31% 30% Menos de 1 milhão de euros milhões de euros milhões de euros Mais de 500 milhões de euros 28% Fonte: IDC, 2011 (N = 224 Users) 2011 IDC 21

22 Informação sobre direitos de autor Divulgação Pública de Informação e Dados da IDC Qualquer informação da IDC a ser utilizada em publicidade, notas de imprensa ou materiais promocionais requer a aprovação prévia por escrito do respectivo Vice-presidente ou Director- Geral Nacional da IDC. Um rascunho do documento proposto deve acompanhar tal pedido. A IDC reserva-se, por qualquer razão, o direito de negar a aprovação de utilização externa. Direitos de autor 2011 IDC. A reprodução sem autorização prévia é totalmente proibida IDC

ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais

ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais Patrocinado por: Microsoft Versão Preliminar - Março 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO IDC Portugal:

Leia mais

S U M Á R I O E X E C U T I V O. Desenvolvido para a 12ª Edição do Forum TI Novembro 2013

S U M Á R I O E X E C U T I V O. Desenvolvido para a 12ª Edição do Forum TI Novembro 2013 IDC Portugal: Centro Empresarial Torres de Lisboa, Rua Tomas da Fonseca, Torre G, 1600-209 Lisboa www.idc.pt W H I T E P A P E R I D C A s P r i n c i p a i s T e n d ê n c i a s n o S e c t o r d a D

Leia mais

Gabriel Coimbra e Timóteo Figueiró

Gabriel Coimbra e Timóteo Figueiró E S T U D O IDC Q u a i s a s P e r s p e c t i v a s p a r a a I n d ú s t r i a d a s T I C e m P o r t u g a l IDC Portugal: Centro Empresarial Torres de Lisboa - Rua Tomás da Fonseca, Torre G, Piso

Leia mais

Oportunidades para as TIC no Novo Contexto Económico e Social

Oportunidades para as TIC no Novo Contexto Económico e Social Oportunidades para as TIC no Novo Contexto Económico e Social 10ª Edição Forum TI TechData 15 de Novembro Centro de Congressos de Lisboa 17 de Novembro Casa da Música, Porto Gabriel Coimbra Manging Director,

Leia mais

Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4

Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4 Índice Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4 População alvo...4 Unidade amostral...4 Dimensão da população...4 Metodologia...4 Caracterização da amostra...4

Leia mais

Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com

Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal www.quidgest.com quidgest@quidgest.com 1. Introdução Novo contexto económico e tecnológico Metodologia 2. Agilidade Organizacional das

Leia mais

Estado da Nação das TIC em Angola

Estado da Nação das TIC em Angola Estado da Nação das TIC em Angola CIO AGENDA ANGOLA 2013 AS TI TI COMO ALAVANCA DE CRESCIMENTO DO NEGÓCIO 21 de Maio, Hotel Sana Epic, Luanda Gabriel Coimbra General Manager, IDC Angola gcoimbra@idc.com

Leia mais

R E L ATÓRIO L O C AL I N T R O DUÇÃO

R E L ATÓRIO L O C AL I N T R O DUÇÃO R E L ATÓRIO L O C AL D e s p e s a T I C n a A d m i n i s t r a ç ã o P ú b l i c a, 2 0 1 1 : Q u a i s a s O p o r t u n i d a d e s n o A c t u a l A m b i e n t e d e C r i s e E c o n ó m i c a

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal.

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal. LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013 As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal Vítor Cóias 1. INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a construção em Portugal tem

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

SOCIAL BUSINESS: COMO CRIAR VALOR PARA O SEU NEGÓCIO? PORTUGAL TECH INSIGHTS 2020 Estudo sobre as principais tendências tecnológicas em Portugal

SOCIAL BUSINESS: COMO CRIAR VALOR PARA O SEU NEGÓCIO? PORTUGAL TECH INSIGHTS 2020 Estudo sobre as principais tendências tecnológicas em Portugal SOCIAL BUSINESS: COMO CRIAR VALOR PARA O SEU NEGÓCIO? PORTUGAL TECH INSIGHTS 2020 Estudo sobre as principais tendências tecnológicas em Portugal SUMÁRIO EXECUTIVO Este estudo, desenvolvido pela IDC com

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa.

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 8 Agosto 2008 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL Índice de Risco de PORTUGAL Índice de Pagamentos Índice de Risco Explicação dos valores do Índice de Risco 190 180 170 160 150 140 130 120 110 100 2004 2005 2006 2007 2008 100 Nenhuns riscos de pagamento,

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 1. Considerações Gerais Os Estados Unidos, maior potência mundial e tecnológica, apresenta projeções cada vez mais otimistas. Desde 2008, no estouro da crise

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

ESTUDO IDC/ACEPI. Economia Digital em Portugal 2009-2017

ESTUDO IDC/ACEPI. Economia Digital em Portugal 2009-2017 ESTUDO IDC/ACEPI Economia Digital em Portugal 2009-2017 ECONOMIA DIGITAL NO MUNDO (2012) 2.5 mil milhões de internautas no mundo 850 mil milhões de euros 300 mil milhões de euros Europa maior mercado de

Leia mais

O Financiamento Bancário no Contexto Atual

O Financiamento Bancário no Contexto Atual Seminário: Modelos de Financiamento de Operações Urbanísticas: desafios e oportunidades O Financiamento Bancário no Contexto Atual José Herculano Gonçalves IST Lisboa, 28 Janeiro 2014 Direção de Financiamento

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Os Desafios do Novo Paradigma Tecnológico Mobilidade, Consumerização das TI, Cloud, Social Business e Big Data

Os Desafios do Novo Paradigma Tecnológico Mobilidade, Consumerização das TI, Cloud, Social Business e Big Data Os Desafios do Novo Paradigma Tecnológico Mobilidade, Consumerização das TI, Cloud, Social Business e Big Data Gabriel Coimbra Country Manager, IDC Portugal Copyright 2011 IDC. Reproduction is forbidden

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

C A D E R N O I D C N º 1 4 8 T e n d ê n c i a s d e I n v e s t i m e n t o e m S e g u r a n ç a d a I n f o r m a ç ã o

C A D E R N O I D C N º 1 4 8 T e n d ê n c i a s d e I n v e s t i m e n t o e m S e g u r a n ç a d a I n f o r m a ç ã o C A D E R N O I D C N º 1 4 8 T e n d ê n c i a s d e I n v e s t i m e n t o e m S e g u r a n ç a d a I n f o r m a ç ã o Timóteo Figueiró Janeiro de 2011 IDC Portugal: Centro Empresarial Torres de Lisboa,

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

4º Congresso Nacional dos Economistas Lisboa, 19-20-21, Outubro 2011 Comunicação

4º Congresso Nacional dos Economistas Lisboa, 19-20-21, Outubro 2011 Comunicação 4º Congresso Nacional dos Economistas Lisboa, 19-20-21, Outubro 2011 Comunicação Portugal face à crise da economia global António Mendonça Economista. Professor catedrático do ISEG-UTL. 1 DIMENSÕES DA

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

O futuro da Banda Larga em Portugal

O futuro da Banda Larga em Portugal O futuro da Banda Larga em Portugal Dr. Miguel Horta e Costa Presidente Executivo da Portugal Telecom Lisboa, 5 de Fevereiro de 2004 Quadro 1 Portugal encontra-se hoje particularmente bem posicionado para

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO J. Silva Lopes IDEFF, 31 de Janeiro de 2011 1 O ENDIVIDAMENTO PERANTE O EXTERIOR Posições financeiras perante o

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 Economia Angolana Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 I. Nota Prévia Nesta edição do Boletim Económico do BAIE foi decidido inserir, para além da habitual informação e comentário sobre a evolução

Leia mais

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 Informação à Imprensa 8 de Março de 2001 Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 As vendas da Sonae Indústria no exercício de 2000 ascenderam a Euro 1 294

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO J. Silva Lopes IDEEF, 28 Setembro 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I As perspectivas económicas para os tempos mais próximos II Políticas de estímulo à recuperação

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

Índice Genworth: Medimos a Segurança e Vulnerabilidade Financeira do Consumidor

Índice Genworth: Medimos a Segurança e Vulnerabilidade Financeira do Consumidor Março 2013 I Quinta Edição Índice Genworth: Medimos a Segurança e Vulnerabilidade Financeira do Consumidor GF90336 05/11 i I Índice Genworth: Medimos a Segurança e Vulnerabilidade Financeira do Consumidor

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Enquadramento Macroeconómico

Enquadramento Macroeconómico Enquadramento Macroeconómico 26 A evolução da economia e do sector financeiro foi, em 2009, profundamente afectada pelo impacto da crise internacional que eclodiu há mais de dois anos com origem no segmento

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

Eurobarómetro Standard 80. OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA Outono 2013 RELATÓRIO NACIONAL PORTUGAL

Eurobarómetro Standard 80. OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA Outono 2013 RELATÓRIO NACIONAL PORTUGAL Eurobarómetro Standard 80 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA Outono 2013 RELATÓRIO NACIONAL PORTUGAL Esta sondagem foi encomendada e coordenada pela Comissão Europeia, Direcção-Geral da Comunicação Este

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO

PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO PORTUGAL PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO Actualização para o período 2005-2007 Dezembro 2004 Programa de Estabilidade e Crescimento 2005-2007 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO...1 II. ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO...2

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16 J. Silva Lopes IDEFF, 4 de Julho de 2011 1 Título do Painel: Que futuro para Portugal Esta apresentação: Perspectivas para a economia portuguesa 2011-16

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Produto Interno Bruto 100.0 0.3 1.2 1.5 0.3 0.8 1.0

Produto Interno Bruto 100.0 0.3 1.2 1.5 0.3 0.8 1.0 Textos de Política e Situação Económica Verão 26 PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 26-27 1. INTRODUÇÃO Neste artigo apresenta-se o cenário macroeconómico para a economia portuguesa projectado pelo

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Perspectivas e Prospectivas de evolução do Mercado no sector dos Media em Portugal (2008/2009)

Perspectivas e Prospectivas de evolução do Mercado no sector dos Media em Portugal (2008/2009) Perspectivas e Prospectivas de evolução do Mercado no sector dos Media em Portugal (2008/2009) Setembro 2009 0 Índice geral Nota Introdutória...página 3 Metodologia...página 4 Caracterização da amostra...páginas

Leia mais

Predictions 2012 Ultrapassar a crise

Predictions 2012 Ultrapassar a crise Predictions 2012 Ultrapassar a crise Gabriel Coimbra Country Manager, IDC Portugal gcoimbra@idc.com +351 91 985 4722 Copyright 2011 IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved.

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 1 INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 3. PRIORIDADES ESTRATÉGICAS 3.1 Concretizar o Potencial da Biedronka 3.2 Assegurar o Crescimento de Longo Prazo 1. THE GROUP TODAY 4. EXPLORAR TODO O POTENCIAL

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

DOSSIER DE IMPRENSA 2015

DOSSIER DE IMPRENSA 2015 DOSSIER DE IMPRENSA 2015 A Empresa A Empresa A 2VG é uma empresa tecnológica portuguesa criada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado das tecnologias de informação e comunicação

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

Categorias em análise: Hardware, Software, Serviços TI e Serviços Telecomunicações.

Categorias em análise: Hardware, Software, Serviços TI e Serviços Telecomunicações. RELATÓRIO LOCAL Despesa TIC no Sector Financeiro Oportunidades num Sector em Reestruturação INTRODUÇÃO IDC Portugal: Centro Empresarial Torres de Lisboa, Rua Tomas da Fonseca, Torre G, 1600-209 Lisboa

Leia mais

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Janeiro Dezembro 2013 1. Análise global Setor Elétrico e Eletrónico Confirma-se uma tendência decrescente na evolução do comércio externo

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

A sustentabilidade energética e a estratégia Europa 2020: Que oportunidade para um novo papel do poder local em Portugal?

A sustentabilidade energética e a estratégia Europa 2020: Que oportunidade para um novo papel do poder local em Portugal? A sustentabilidade energética e a estratégia Europa 2020: Que oportunidade para um novo papel do poder local em Portugal? Como é do conhecimento geral, a Estratégia de Lisboa definida pela Comissão Europeia

Leia mais

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes O FUTURO DA ZONA EURO José da Silva Lopes IDEFF, 29-11-2011 1 VIAS ALTERNATIVAS PARA FAZER FACE À CRISE DA ZONA EURO As propostas que têm vindo a ser apresentadas por economistas, comentadores e políticas

Leia mais

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO Maia, 11 de março de 2015 Reforço de posições de liderança em Portugal, internacionalização e compromisso com famílias em 2014 SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO 1. PRINCIPAIS DESTAQUES DE 2014:

Leia mais

ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL

ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL Duarte Albuquerque Carreira, Coordenador editorial da revista Pessoal (da.carreira@moonmedia.info) João d Orey, Diretor Executivo da

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno COMISSÃO EUROPEIA COMUNICADO DE IMPRENSA Bruxelas/Estrasburgo, 25 de fevereiro de 2014 Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno As previsões do inverno da Comissão Europeia preveem

Leia mais

A Sociedade da Informação no QREN 2007-2013. Manuel Laranja Gabinete do Coordenador da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico - PCM

A Sociedade da Informação no QREN 2007-2013. Manuel Laranja Gabinete do Coordenador da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico - PCM A Sociedade da Informação no QREN 2007-2013 Manuel Laranja Gabinete do Coordenador da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico - PCM índice 1. Os novos desafios da competitividade e a utilização das

Leia mais

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento Nuno Netto nnetto@deloitte.pt 28 de Outubro 2014 Agenda 2014. Para informações, contacte Deloitte Consultores, S.A.

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

Textos de política e situação económica

Textos de política e situação económica A ECONOMIA PORTUGUESA EM 1999 1. INTRODUÇÃO As previsões do Banco de Portugal apresentadas neste Boletim Económico apontam para uma desaceleração do Produto Interno Bruto (PIB) em 1999, que deverá crescer

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE 2013 RELATÓRIO DE RESULTADOS

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE 2013 RELATÓRIO DE RESULTADOS BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE 2013 RELATÓRIO DE RESULTADOS Índice Introdução 03 Ficha Técnica 05 Sumário Executivo 06 Relatório de Resultados 08 Entidades Inquiridas

Leia mais

Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020. Parecer do Conselho das Finanças Públicas

Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020. Parecer do Conselho das Finanças Públicas Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020 Parecer do Conselho das Finanças Públicas 20 de abril de 2016 O Conselho das Finanças Públicas é um órgão independente, criado

Leia mais

Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em 4T14

Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em 4T14 dez 1 ANÁLISE ECONÓMICA Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em T1 Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento / Ana María Almeida Claudino Neste último trimestre

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011 Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses Julho Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado ao nível da União

Leia mais