O TRABALHO ALÉM DAS FRONTEIRAS Selma Venco 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O TRABALHO ALÉM DAS FRONTEIRAS Selma Venco 1"

Transcrição

1 O TRABALHO ALÉM DAS FRONTEIRAS Selma Venco 1 Introdução O presente artigo visa debater a divisão internacional do trabalho apoiada nas tecnologias de informação, a qual possibilita a prestação de serviços aos países centrais com atividades produtivas realizadas nos periféricos ou semi-periféricos. Tal processo pode ser compreendido como uma nova face da terceirização, esta agora de caráter internacional, posto que o trabalho ocorre além das fronteiras, sem, contudo, carecer do deslocamento das empresas dos países-sede. A compreensão deste fenômeno exige uma imersão nos conceitos elaborados acerca da mundialização. Consoante Ianni (1995) e Chesnais (1996) compreendê-lo é ir além da constatação de um processo de internacionalização, sendo necessário interrogá-lo a partir da contemplação dos mecanismos de regulação por ela regidos. As adaptações imperativas para o desenvolvimento de novas etapas do capitalismo apóiam-se em novas tecnologias, na criação de organismos internacionais que controlem o sistema financeiro em escala mundial, na divisão internacional do trabalho, no estabelecimento de um idioma oficial mundial e, especialmente, na configuração de um ideário neoliberal que determina comportamentos e atitudes que, complementamos: promove a concorrência empresarial refletida nas relações sociais em todo o mundo, estabelecendo uma nova noção de geografia: uma geografia flexível, capaz de atender às novas demandas de deslocamento de transações e de trabalho, com vistas ao aumento da acumulação do capital. Contudo, é importante destacar que tal fenômeno apresenta características históricas que se constituem em verdadeiras permanências da lógica da exploração entre as nações. 1 Pós-doutoranda, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH), Departamento de Sociologia, Universidade Estadual de Campinas UNICAMP e no Laboratoire Genre, Travail et Mobilités Universités Paris X e VIII.. Endereço eletrônico: 1

2 Tomando como base a Carta de Pero Vaz de Caminha 2 apreendem-se formas de dominação que podem, em certa medida, serem transpostas à realidade da atual divisão internacional do trabalho. A análise de tal documento indica a presença da ação disciplinadora dos portugueses sobre os nativos, da apropriação da terra e de suas riquezas, bem como do ser humano: E entre muitas falas que sobre o caso se fizeram foi dito, por todos ou a maior parte, que seria muito bem. E nisto concordaram. E logo que a resolução foi tomada, perguntou mais, se seria bem tomar aqui por força um par destes homens para os mandar a Vossa Alteza, deixando aqui em lugar deles outros dois destes degredados (Caminha, 1500, s/p). O homem cordial tal como retratado por Buarque de Holanda (1979), destaca a polidez, a afetividade como uma forma de resistência frente à sociedade. Aos olhos portugueses, os índios também lhes pareciam homens cordiais: Contudo, o melhor fruto que dela se pode tirar parece-me que será salvar esta gente (Caminha, 1550, s/p). A Carta faz longas descrições dos índios, apresentando-os como afáveis, interessados nos objetos que portavam aos portugueses e oferecendo ouro aos recém-chegados. Tais considerações históricas articulam-se ao pensamento de Ianni (1992, 1995, 1996), que destacou em suas obras destinadas ao debate sobre o tema: o capitalismo porta em si um processo civilizatório. Das navegações à atualidade são observadas alterações sociais, econômicas, políticas e culturais, cuja expansão ocorre de forma internacional e, mais precisamente, de forma global, cuja ampliação vai gradativamente apresentando o desenvolvimento do capitalismo e sua capacidade de concentração em escala mundial. A constatação de Ianni (1995, p.55) vem ao encontro de tal perspectiva à medida que afirma: a história do capitalismo pode ser vista como a história da mundialização. 2 Disponível em< Acesso em 10.jul

3 Se, por um lado, observam-se permanências nesse processo histórico, há, por outro, importantes rupturas a ele imbricadas que passamos a tecer. O espaço e o tempo As configurações na nova divisão internacional do trabalho incidem na compreensão acerca da vivência do tempo e do espaço. Sociologicamente, o tempo é uma construção social edificada sobre normas concebidas e instituídas na vida cotidiana das comunidades. No decorrer da história do capitalismo, essa construção vai, paulatinamente, se afastando das normas regidas fundamentalmente pelo tempo da natureza (Venco, 2006). O espaço é comumente tratado como um fato da natureza (Harvey, 1989, p. 188), encerrando aspectos relacionados à sua abrangência e dimensão, e tido como algo objetivo, que pode ser medido e, portanto, apreendido (idem). Contudo, apesar da objetividade que lhe é intrínseca, sofre mutações no interior das diversas culturas, fato que gerou, ao longo da história, uma série de conflitos pautados nas diferentes compreensões de suas características. Atribuir sentido social ao espaço e ao tempo é reconhecer que ambos fazem parte de uma representação simbólica e expressam normas de convivência e de trabalho. Assim, as concepções relativas a tais categorias analíticas são permeadas de um sentido ideológico que vai alterando a conformação da vida social. Para Harvey, a dominação do espaço relaciona-se com a amplitude do poder implícito numa ação dessa natureza e a associação das categorias dinheiro, espaço e tempo forma um nexo substancial de poder social que não podemos nos dar ao luxo de ignorar (Harvey, 1989, p. 207). A partir de tais análises apreende-se a atualidade do pensamento de Marx e Engels que apontava o impulso do capitalismo para conquistar mercados mais amplos: (...) a necessidade de mercados cada vez mais extensos (...) impele a burguesia para todo o globo terrestre (Marx e Engels, 1979, p.11) alertavam, à época, para o risco da perda da cultura e da tradição. Atualmente, observam-se os 3

4 trabalhadores indianos contratados por empresas norte-americanas que passam por um processo de americanização, mesmo que a presença dos Estados Unidos incida e ocorra virtualmente na Índia, via o trabalho que realizam. 3 Harvey (2001) analisando a teoria da localização em Marx reafirma que o processo de crescimento econômico vincula-se estreitamente às relações espaciais, posto que as trocas dependem da superação das barreiras espaciais. A questão central para esse autor reside na compreensão das formas de articulação da acumulação à estrutura espacial. A análise de Marx indica que a divisão internacional do trabalho é um tipo de adaptação às exigências do capital. Se, à época, referia-se aos setores agrários e industriais hoje é possível afirmar que alguns centros mundiais desenvolvem tecnologias, enquanto os periféricos permanecem realizando trabalhos repetitivos próximos aos praticados no início da industrialização: Se o capital é enviado para o exterior, isso não se faz pelo fato de que esse capital não possa ser aplicado no país de origem, mas porque esse capital pode ser aplicado com maior margem de lucro em um país estrangeiro (Marx apud Harvey, 2001, p. 61) 4. O autor pautando-se mais uma vez em Marx pondera que o capitalismo busca sua expansão orientado pela expansão geográfica. Este fenômeno tal como colocado é constatado, por um lado, nas grandes navegações, e, por outro, na atual flexibilidade de barreiras geográficas possibilitadas pelo avanço da telemática. Metodologia A pesquisa desenvolvida foi de caráter qualitativo, realizando, nesta etapa do estudo, entrevistas em profundidade a partir de roteiros semi-estruturados com executivos, diretores responsáveis pelas operações internacionais, dirigentes sindicais e representantes do patronato do setor de serviços passíveis de serem realizados a distância e apoiados em novas tecnologias. Foram assim selecionadas algumas áreas 3 O livro, de caráter jornalístico, O mundo é plano, de Thomas Friedman, bem como o filme por ele produzido Globalization são ilustrativos e, ressaltamos, não analíticos - de tal situação. 4 Parte das referências bibliográficas está, neste texto, citada por outros autores que não os próprios, tendo em vista que, no momento, não temos acesso às obras originalmente consultados. 4

5 de atuação: BPO (Business Process outsourcing), centrais de atendimento, fábricas de softwares e laboratórios médicos, todas prestando serviços a outros países. Além das entrevistas realizadas no Brasil, outras foram feitas no Marrocos, Portugal e França, a fim de obter, também a visão dos contratantes de serviços. Uma segunda fase da pesquisa consiste em coletar a compreensão dos trabalhadores sobre tal fenômeno. Foram entrevistados nove diretores no Brasil, dois no exterior. Além destes, foram ouvidos os representantes sindicais no campo das telecomunicações e teleatendimento e o representante patronal do setor de serviços, totalizando 17 entrevistas. Objetivos O objetivo central deste estudo concentra-se na análise da divisão internacional do trabalho possibilitado pelas novas tecnologias, indagando quais são as estratégias empresariais concernentes ao deslocamento de postos de trabalho originados nos países centrais, que vão, gradativamente, sendo transferidos aos periféricos e semi-periféricos. A hipótese norteadora da pesquisa é que estes são marcados por forte prescrição, controle e repetitividade, permanecendo nos países centrais as atividades de maior valor agregado. Objetiva-se, desta forma, investigar a natureza e as especificidades deste trabalho e, futuramente, quais são as características dos trabalhadores que exercem tais atividades. Resultados Desde o início da era neoliberal no Brasil há uma continuidade nas políticas, cujo sentido foi o de reduzir a intervenção do Estado na economia, promover a livre concorrência e assegurar marcos regulatórios e jurídicos mais favoráveis às operações das forças do mercado. 5

6 Segundo Alves (2002) o Brasil vivencia a década neoliberal a partir de 1990, a partir da política econômica implantada pelo então Presidente da República Fernando Collor. Nesta etapa predominou a abertura comercial e financeira; o rompimento das barreiras não-tarifárias, e, ainda, a ocorrência de alterações tarifárias, no caso do Brasil as barreiras tarifárias eram maiores que as não-tarifárias. O início do processo de privatização inaugura a concretização de um modelo neoliberal que seria implementado a partir do seu impeachment em 1992, que cedeu lugar a um grupo de orientação liberal conservadora, elegendo, em seguida, Fernando Henrique Cardoso. A onda neoliberal trouxe consigo a onda terceirizatória, que a crise econômica veio a reforçar enormemente como forma de evitar o que se chama custo-brasil uma das questões mais candentes para o empresariado aqui estabelecido, nacional ou não. Segundo Otaviano Canuto, o termo custo-brasil tem sido empregado unanimemente para designar fatores nefastos à competitividade entre setores e empresas no bojo da economia brasileira. O termo refere-se, ainda, segundo o economista, à carga tributária presente nas exportações, à deterioração dos meios de transportes em função do baixo investimento público ao longo da história recente do país. O setor empresarial demanda uma redução tributária e privatização de determinados segmentos estatais para reduzir o custo- Brasil 5. O termo porta, ainda um sentido significativo no meio empresarial para designar os custos do trabalho, ou seja, os encargos trabalhistas. O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e BRASSCOM (Associação Brasileira das Empresas de Software e Serviços para Exportação) 6 apontam que o Brasil já porta o status na América Latina de país concentrador para oferta de serviços de TI. Justificam tal afirmação a partir da 5 Otaviano Canuto é professor livre-docente da Universidade de São Paulo, ex- secretário de Assuntos Internacionais no Ministério da Fazenda e atualmente é vice-presidente de Países do Banco Interamericano de Desenvolvimento. Definição disponível em: < Acesso em 15. mar Documento disponível em: <http://ce.mdic.gov.br/software/brasscom%20-%20sumariotexto%20atk%20v%5b1%5d.final.doc>. Acesso em 15.mar

7 constatação que as três maiores empresas fornecedoras de serviços de TI, escolheram o Brasil como plataforma para operações de offshore outsourcing, ou seja, terceirização além das fronteiras. Há ações concretas que auxiliam na consolidação de ações deste tipo de terceirização, tais como: o apoio do governo federal, por meio da Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior e a criação de leis de incentivos como a Lei de Informática (Lei n , de 11 de janeiro de 2.001), a Lei de Inovação (Lei n , de 02 de dezembro de 2.004) e a Medida Provisória 252, de 15 de junho de 2.005, as quais visavam o aumento da eficiência produtiva, a redução da vulnerabilidade externa, o estímulo ao investimento e à produtividade e ao desenvolvimento da base produtiva. A Medida Provisória 252, especialmente, determina uma tributação especial, favorecendo as empresas exportadoras de serviços de TI. BRIC ou RIC? Artigo recentemente publicado em jornais de projeção nacional 7 aponta a rápida e forte evolução do Brasil no cenário internacional da exportação de serviços de tecnologia da informação: no curto período de 2 anos, entre e 2.007, o país passou da 10ª para a 5ª posição no ranking dos melhores países em atratividade, conforme dados do relatório da consultoria AT Kearney. No mesmo ano de o Brasil aparecia como o 4º principal destino de terceirização entre as organizações industriais consultadas pela mesma consultoria (2005, p.9) 8, com 20% de citações bem próximo ao México que contava, à época, com 23%, mas abaixo da China (35%) e, sobretudo, da Índia, 67%. Em pesquisa de intenção acerca da transferência de serviços para outros países nos próximos 3 anos, o Brasil era apontado em 3º lugar entre os mais considerados 9. 7 Brasil começa a ganhar espaço na exportação de serviços de TI. São Paulo: O Estado de São Paulo, Caderno de Economia, B AT Kearney, Six-industry. Survey, In: Fórum de Informação, McKinsey, In: Fórum de Informação,

8 Dados de e de apontavam que a participação no mercado havia dobrado, de cerca de 0,5% para 1,0% das exportações mundiais de serviços de negócios e de computação e informação 10, o que o colocava na 26ª posição mundial. O estudo da referida consultoria (2004) indica, ainda, que a América Latina tem se mostrado atraente para as operações de terceirização além das fronteiras, assim como para o denominado nearshoring - que designa a terceirização entre países que apresentam maior proximidade geográfica, como, por exemplo, Brasil e Estados Unidos - de empresas dos EUA e também de alguns países europeus em razão, principalmente, das habilitações em línguas, baixos custos da força de trabalho, além de afinidades culturais e a farta disponibilidade de trabalhadores em idade ativa. No referido relatório o Brasil emerge como o país com mais vantagens para a atração de negócios em uma ponderação de 6 itens além das já citadas: estabilidade política e econômica, suporte governamental e possuir o maior mercado de call center da América Latina. Soma-se a este conjunto o fato do país contar com a maior população na América Latina no arco etário compreendido entre 15 e 39 anos, 90,4 milhões de pessoas, salários que estão entre os mais baixos, menor condição de risco para negócios e ambiente político favorável. As empresas analisadas estão exultantes com as perspectivas de inserção do Brasil na terceirização além das fronteiras. Apontam que: a Índia está se aproximando de um esgotamento natural de suas reservas em termos de qualificação e capacidade de atendimento; os trabalhos desenvolvidos hoje entre países dependem cada vez mais de interatividade e, neste quesito, o Brasil constitui-se como uma efetiva possibilidade para atrair operações desta natureza em razão do fuso horário ser consideravelmente inferior em relação aos EUA e à Europa, passando a ser um diferencial importante na decisão da terceirização internacional. As opiniões entre os entrevistados que representam grandes empresas realizando operações de terceirização além das fronteiras foram unânimes em constatar que o Brasil é o mais competitivo na América Latina pela magnitude da 10 Fonte: Base de dados do Balanço de Pagamentos do International Monetary Fund (IMF), march

9 população e território e, sobretudo, por concentrar aqui as melhores universidades do continente. Segundo os entrevistados, a ausência de fenômenos naturais importantes no Brasil também contribui para a ampliação das oportunidades de tornar-se um forte player, ou seja um país concentrador de trabalho terceirizado. Para as empresas pesquisadas os tipos de equipamento utilizados são muito sensíveis e teriam seu funcionamento comprometido em localidades que apresentam riscos de movimentação terrrestre. No que tange à dimensão política ponderam dois aspectos: por um lado, o Brasil é um país sem ocorrências de ataques terroristas e ações radicais por parte de grupos organizados; por outro, ainda carece de ações governamentais eficazes que permitam ao Brasil concorrer em condições menos desiguais com outros países. As empresas têm tentado junto ao governo federal negociar formas de redução de impostos trabalhistas, para adquirirem capacidades para gerar mais postos de trabalho. Cabe aqui indagar as formas de resistência que serão, ou não, desenvolvidas por parte dos sindicatos, tendo em vista que a flexibilidade nas relações de trabalho e a precarização do trabalho já se constituem como realidade para parte considerável da população. São Paulo: Segundo o presidente da Federação das Empresas de Serviços do Estado de se houvesse a redução da carga tributária trabalhista no Brasil, não haveria um morador de rua: estariam todos empregados (Presidente da Federação da Empresas de Serviços Estado de São Paulo ) A constatação por parte das empresas é que os trabalhos mais padronizados, cuja organização do trabalho traz aspectos próximos aos dos observados no taylorismo, são os que tendem mais facilmente a serem terceirizados para os países periféricos e semi-periféricos. Segundo dados coletados nas entrevistas os trabalhos que agregam níveis mais altos de padronização são mais passíveis de serem externalizados para o Brasil. Citam como exemplos clássicos o call center e a confecção de mala direta, envelopamento e expedição. 9

10 O trabalho mais padronizado, taylorizado ele tem uma tendência a sair dos países centrais, por exemplo, o call center. Esse trabalho possui mais mobilidade. São duas vertentes: trabalho padronizado, envelopar, por exemplo, pode ser feito em qualquer lugar do mundo... quanto mais taylorizado mais fácil de sair (Diretor de planejamento de operações. Empresa A ). O mesmo diretor aborda o aspecto relativo à qualificação da força de trabalho, apontando esse como determinante na forma de inserção do Brasil na terceirização além das fronteiras: Quanto o Brasil vai crescer? Há de se olhar desde o [trabalho] mais taylorizado até o mais qualificado. Pode crescer muito no mais taylorizado e vai depender de como o Brasil quer se inserir nesse mercado. O menos taylorizado o de maior valor agregado ele é menos dependente de fatores de custo, de incentivos etc. A lei é clara de oferta e demanda. O mais taylorizado ele depende mais de competitividade por custo. O que faz com que sua mão-de-obra faça mais ou menos trabalho taylorizado? É a educação dela. Quanto mais qualificação a gente tiver menos trabalho taylorizado nós vamos fazer, independente dos fatores de mercado. Quanto mais qualificado menos messiânico, vamos definir mais o nosso destino (Diretor de planejamento de operações. Empresa A ). A análise tecida pelas empresas indica que o Brasil irá crescer desde os trabalhos com características mais taylorizadas até os segmentos mais qualificados. Ponderam, entretanto, que os mais padronizados certamente virão em maior volume. Entre as empresas é fato que no campo da informática as atividades que exijam maior qualificação não ultrapassarão as fronteiras; o Brasil é competitivo para trabalhos mais padronizados, com forte presença de organização do trabalho semelhantes ao taylorismo. Em termos do mercado de informática, segundo os entrevistados, o Brasil apresenta um diferencial para se inserir na produção de software: bons conhecimentos, senso crítico e criatividade. Se você falar para ele fazer a casa quadrada ele [o indiano] não te pergunta se tem que ter alicerce, como é o telhado, ele vai lá, faz um cubo e te entrega. E o brasileiro não. Se você mandar ele fazer um cubo ele vai perguntar: o cubo é de tal jeito? Desse jeito? (COO South América ). 10

11 Em duas situações de trabalho analisadas observa-se que os trabalhadores desconhecem para quem realizam seu trabalho. Este tipo de anonimato foi notado em duas situações do presente estudo: o desenvolvimento e teste de softwares e a teleradiologia. O técnico ou engenheiro que desenvolve o software, por utilizarem linguagem técnica universal apreende as necessidades do demandante, via coordenador da equipe, ou seja, conhece as características do cliente mas, não sabe sua localização geográfica. Eles nem sabem que estão trabalhando para o exterior (COO South América. Empresa C ). O mesmo observa-se na teleradiologia, cujos exames realizados fora do país são enviados ao Brasil via internet e aqui diagnosticados indistintamente pelos médicos. Nas palavras de um dos diretores: o exame vai para a pilha e é examinado nos mesmos procedimentos que os demais Um setor que emerge na prestação de serviços terceirizados para além das fronteiras contraria a hipótese do presente estudo pautada na supremacia dos trabalhos padronizados e sem a exigência de alta qualificação são passíveis de serem transferidos para outros países: a telemedicina. Sua inserção é ainda tímida mas, apresenta um potencial de crescimento que pode vir a alterar as características profissionais e a própria relação tradicional médico-paciente. Foram identificados no Brasil dois laboratórios que realizam serviços para diferentes países. Um, especializado em telerradiologia, atende a uma demanda originada na Europa. E, outro, especializado em patologia cirúrgica, encontra-se em vias de preparação para a realização de exames anatomo-patológicos para os Estados Unidos, a partir de imagens recebidas via Internet. Conclusões 11

12 A presente pesquisa abordou as perspectivas brasileiras de participação na atual divisão internacional do trabalho. O Brasil tem alterado gradativamente sua imagem no cenário internacional, sendo ilustrativo o fato do país quitar sua dívida externa em e criar um Programa de Aceleração do Crescimento que, se espera, terá resultados favoráveis à geração de empregos e sensível melhoria na infra-estrutura brasileira. Um dos aspectos desse Programa que importa diretamente para o presente estudo, diz respeito ao aperfeiçoamento da matriz energética, o que poderá ser um diferencial importante na concorrência internacional para algumas atividades produtivas. Acerca do desenvolvimento de tecnologias de informação os órgãos governamentais e associações vinculadas a este setor indicam que o Brasil é a referência na América Latina para a oferta de serviços baseados em TI. Neste aspecto, o governo federal tem apoiado a partir de ações concretas tais como a criação da Política Industrial Tecnológica e de Comércio Exterior, programas especiais que favorecem a exportação de serviços em TI, bem como um arcabouço jurídico especialmente adequado a estes fins. A despeito desta atuação as empresas entrevistadas e a federação representante do patronato do setor de serviços, consideram tais medidas muito tímidas para o Brasil se tornar um verdadeiro concorrente internacional. As críticas e as reivindicações residem, sobretudo, na redução de impostos trabalhistas e na maior flexibilização das leis que regem as relações de trabalho. Para o setor empresarial, sem tais medidas o país não poderá concorrer no cenário internacional, especialmente com Índia e China. Concernente à flexibilização das relações de trabalho, há de se ponderar que o Brasil não vivenciou o Estado do Bem-Estar Social e que na história recente as empresas fazem amplo uso de dispositivos que retiram do trabalhador os direitos sociais previstos em lei. Empresas de diversos segmentos da economia, a exemplo da área financeira, contratam trabalhadores via cooperativas de trabalho, isentas de uma série de encargos sociais e que assumem vantagens consideráveis nos processos de terceirização, tendo em vista a redução de custos com a força de trabalho. A empresa F pesquisada, por exemplo, configura-se como captadora de serviços de desenvolvimento e acompanhamento de softwares in house 12

13 e utiliza espaço físico mínimo, em local central mas, de toda forma em condições de instalação adversas ao serviço oferecido; contrata os denominados consultores pessoas jurídicas - que atuarão nas empresas contratantes, sendo seu vínculo concretizado a partir da concessão de notas fiscais à empresa contratada. Muito embora o país não tenha como idioma principal os requeridos pelos tipos de trabalho demandados pela divisão internacional do trabalho, quais sejam, inglês e espanhol, os relatórios analisados indicam como aspecto favorável ao Brasil o fato da farta disponibilidade da força de trabalho qualificada e com habilitação em outros idiomas, concorrendo para essa constatação tanto a formação praticada quanto os aspectos vinculados à imigração européia no século XX. Ilustra-se tal afirmação a partir da decisão de uma das empresas analisadas de call center, cuja localidade foi decidida a partir da ponderação da presença de universidades importantes e de qualidade na região, bem como a forte imigração de países da América Latina, facilitando, portanto, o recrutamento de pessoas qualificadas, com domínio de outro idioma e, ainda, fora do eixo principal de atividades comerciais Rio de Janeiro-São Paulo, cujos salários são mais elevados que em cidades medianas. A criação e o desenvolvimento das centrais de atendimento aportam um grau de racionalização no trabalho em diversos setores da economia. Uma central multilingüe é observada em São Paulo, cuja empresa de telecomunicações atende clientes, ainda no Brasil, em cinco idiomas. Tal experiência tem sido considerada como um portfolio importante para a empresa divulgar suas qualificações no mercado externo. O setor de teleatendimento cresce ininterruptamente desde o início dos anos e vislumbra forte potencial de expansão interna. Tal constatação por parte de uma das empresas pesquisadas faz com que, grande parte delas, não se volte para operações internacionais mesmo que esta seja uma opção presente no horizonte de todas as empresas já estabelecidas no mercado. Este segmento produtivo vive um momento de consolidação das experiências acumuladas, demonstrando interesse contínuo na regulamentação do setor, de disputas sindicais importantes e, também, de fusões de empresas. A tendência que desponta neste mercado é reunir grandes empresas, desaparecendo, gradativamente, as 13

14 demais com até teleoperadores. Esta característica irá aportar ao Brasil um diferencial em relação a diversos países, cuja média de teleoperadores por empresa é baixa. Isto significa ganhos em escala, possibilidades de trabalho 24 horas e 7 dias na semana, aspectos importantes na decisão da terceirização internacional por parte dos países centrais cujas leis trabalhistas obstaculizam determinadas práticas de trabalho. A telemedicina, por seu turno, se destaca como um elemento novo no cenário das exportações de serviços. Atividade reconhecida como de alta especialização, ela também apoiou-se nas novas tecnologias para viabilizar as operações além das fronteiras. Indica-se aqui que este segmento trará, possivelmente, maiores alterações no conjunto do trabalho que nas demais abordadas, uma vez que nela se estabelece uma relação entre pacienteprofissional que apresenta rupturas importantes com os modelos até então vivenciados. As constatações desenvolvidas neste estudo reafirmam o caráter histórico da divisão internacional do trabalho. Compactua-se, aqui, com a perspectiva do sociólogo português Boaventura Souza Santos (1995) e do economista francês François Chesnais (1996) de que o processo de mundialização agudiza as desigualdades no mundo e exacerba as relações de dominação presentes ao longo da história. A mundialização distante de portar um caráter integrador aponta, contrariamente, expressivas contradições em um mundo distante de ser plano. Conservam-se e exacerbam-se as divergências entre capital e trabalho, o conceito de centro e periferia, e, finalizamos com as palavras de Ianni (1992, p.65) pode se falar em produção e consumo, emprego e desemprego, afluência e pauperismo, integração e fragmentação, massificação e solidão. Referências bibliográficas ALVES, GIOVANNI. TRABALHO E SINDICALISMO NO BRASIL: UM BALANÇO CRITICO DA DÉCADA NEOLIBERAL ( ). IN: REVISTA SOCIOLOGIA E POLITICA.CURITIBA, P.71-74, NOV

15 AT KEARNEY, Six-industry. Survey, CHESNAIS, FRANÇOIS. A MUNDIALIZAÇÃO DO CAPITAL. SÃO PAULO: XAMÃ, HARVEY, DAVID. A PRODUÇÃO CAPITALISTA DO ESPAÇO. SÃO PAULO: ANNABLUME, HARVEY, DAVID. A CONDIÇÃO PÓS-MODERNA. SÃO PAULO: ATLAS, HOLANDA, SÉRGIO BUARQUE DE. RAÍZES DO BRASIL. RIO DE JANEIRO: JOSÉ OLYMPIO, IANNI, OCTAVIO. A DIALÉTICA DA GLOBALIZAÇÃO. IN: TEORIAS DA GLOBALIZAÇÃO. SÃO PAULO: CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA, P IANNI, OCTAVIO. A HISTÓRIA DA MUNDIALIZAÇÃO. IN: A SOCIEDADE GLOBAL. SÃO PAULO: CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA, P MARX, K. E ENGELS, FRIEDERICH. MANIFESTO COMUNISTA. SÃO PAULO: CHED EDITORIAL, SOUZA SANTOS, BOAVENTURA. A CONSTRUÇÃO MULTICULTURAL DA IGUALDADE E DA DIFERENÇA. PALESTRA PROFERIDA NO VII CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA, REALIZADO NO INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO, DE 4 A 6 DE SETEMBRO DE (MIMEO). VENCO, SELMA. TEMPOS MODERNISSIMOS NAS ENGRENAGENS DO TELEMARKETING. CAMPINAS: ARTESCRITA (NO PRELO). 15

Offshore e Outsourcing

Offshore e Outsourcing ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 5) Offshore e Outsourcing Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Introdução A vantagem competitiva associada à diminuição

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

Vantagens competitivas das parcerias estratégicas entre empresas brasileiras e as subsidiárias das empresas globais Eduard de Lange

Vantagens competitivas das parcerias estratégicas entre empresas brasileiras e as subsidiárias das empresas globais Eduard de Lange Vantagens competitivas das parcerias estratégicas entre empresas brasileiras e as subsidiárias das empresas globais Eduard de Lange 15 de Fevereiro 2006 1 A TIVIT nasce da fusão entre a modernidade e o

Leia mais

Do offshore ao homeshore: tendências para a localização de contact centres

Do offshore ao homeshore: tendências para a localização de contact centres Do offshore ao homeshore Do offshore ao homeshore: tendências para a localização de contact centres João Cardoso APCC Associação Portuguesa de Contact Centres (Presidente) Teleperformance Portugal OUTSOURCING

Leia mais

MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALlZAÇÃO

MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALlZAÇÃO Internacionalização de empresas brasileiras: em busca da competitividade Luis Afonso Lima Pedro Augusto Godeguez da Silva Revista Brasileira do Comércio Exterior Outubro/Dezembro 2011 MOTIVAÇÕES PARA A

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

O VALOR ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

O VALOR ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO O VALOR ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Agosto de 2010 O VALOR ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (RESUMO EXECUTIVO) O setor de Tecnologia da Informação propõe ao governo e aos candidatos

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

cargas tributárias para empresas no mundou

cargas tributárias para empresas no mundou Cliente: UHY Moreira Data: 04/10/2011 Veículo: Site Sped Contábil - Porto Alegre Seção/ Pág. : Impostos e Tributos HUhttp://spedcontabilspedfiscal.com.br/impostos-tributacao-arrecadacao/carga-tributaria-brasil-temuma-das-maiores-cargas-tributarias-para-empresas-no-mundo/U

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO, CRESCIMENTO E POBREZA. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL SO- BRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO

GLOBALIZAÇÃO, CRESCIMENTO E POBREZA. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL SO- BRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO, CRESCIMENTO E POBREZA. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL SO- BRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO Nali de Jesus de Souza Esse livro do Banco Mundial (São Paulo, Editora Futura, 2003), supervisionado por

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Mão-de-obra qualificada, flexibilidade

Mão-de-obra qualificada, flexibilidade > TECNOLOGIA INFORMÁTICA Negócio oportuno Empresas criam centros no Brasil para desenvolver softwares e aplicativos destinados ao mercado mundial DINORAH ERENO ILUSTRAÇÕES BUENO Mão-de-obra qualificada,

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

Globally Integrated Capabilities

Globally Integrated Capabilities IBM Global Business Services Globally Integrated Capabilities Globally Integrated Capabilities Capabilities without borders Destaques Entre em novos mercados e capture oportunidades onde quer que apareçam

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO DEFINIÇÃO

GLOBALIZAÇÃO DEFINIÇÃO DEFINIÇÃO O termo globalização surgiu no início dos anos 80, nas grandes escolas de administração de empresas dos Estados Unidos (Harvard, Columbia, Stanford, etc.), como referência às oportunidades de

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Até agora discutimos as bases do capitalismo mundial. Nesta unidade vamos falar um pouco das particularidades do capitalismo no Brasil.

Até agora discutimos as bases do capitalismo mundial. Nesta unidade vamos falar um pouco das particularidades do capitalismo no Brasil. A FORMAÇÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA NO BRASIL Até agora discutimos as bases do capitalismo mundial. Nesta unidade vamos falar um pouco das particularidades do capitalismo no Brasil. A sociedade brasileira

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Estratégias de Internacionalização para Empresas Inovadoras

Estratégias de Internacionalização para Empresas Inovadoras Estratégias de Internacionalização para Empresas Inovadoras Índia e China são alvos de multinacionais para produção e serviços de TI! Notícias na Mídia! Índia virou um gigante em TI! China e Índia lideram

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Aula14 A GLOBALIZAÇÃO I. José Rodorval Ramalho. META Apresentar situações concretas de alguns países e seus índices de integração global.

Aula14 A GLOBALIZAÇÃO I. José Rodorval Ramalho. META Apresentar situações concretas de alguns países e seus índices de integração global. Aula14 A GLOBALIZAÇÃO I META Apresentar situações concretas de alguns países e seus índices de integração global. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: apresentar os níveis de integração dos

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

Avaliação da unidade IV Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade IV Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade IV Pontuação: 7,5 pontos 2 QUESTÃO 01 (1,0) Durante a constituição do capitalismo industrial, no século XVIII, firmou-se o trabalho assalariado, reservado aos indivíduos que não dispunham

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen ECONOMIA INTERNACIONAL Profa. Enimar J. Wendhausen Balanço de Pagamentos Registra contabilmente todas as transações econômicas realizadas entre residentes (pessoas físicas ou jurídicas, que tenham esse

Leia mais

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6.

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. E T-CPLP: Entrevistas sobre a CPLP CI-CPRI Entrevistado: Embaixador Miguel Costa Mkaima Entrevistador:

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 Arquivo Título: Flexibilidade: Um Novo Formato das Organizações Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 RESUMO

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Unidade 1.1 Teorias de Comércio Internacional Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Causas do Comércio Internacional Os países comerciam por que? São diferentes uns dos outros, isto é apresentam

Leia mais

5 Case Stara. Cristiano Buss *

5 Case Stara. Cristiano Buss * Cristiano Buss * Fundada em 1960, a Stara é uma fabricante de máquinas agrícolas. De origem familiar, está instalada em Não-Me-Toque, no norte do Estado; Em seis anos, cresceu 11 vezes, com baixo nível

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

www.aliancaprevestibular.com

www.aliancaprevestibular.com Professor Renato Soares Disciplina Geografia Lista nº Assuntos Globalização e etapas do capitalismo 1) (UPE) A combinação de dispersão espacial e integração global criou novo papel estratégico para as

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Por Agnaldo dos Santos* Publicado em: 05/01/2009 Longe de esgotar o assunto, o artigo Privatização, Terceirização e

Leia mais

Shared Services Center Get the global picture. Estudo de implementação de plataforma de desenvolvimento de centros de serviços partilhados ( CSP )

Shared Services Center Get the global picture. Estudo de implementação de plataforma de desenvolvimento de centros de serviços partilhados ( CSP ) Shared Services Center Get the global picture Estudo de implementação de plataforma de desenvolvimento de centros de serviços partilhados ( CSP ) Enquadramento Shared Services Center: Get the global picture

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

A Internacionalização de Empresas de Tecnologia da Informação

A Internacionalização de Empresas de Tecnologia da Informação A Internacionalização de Empresas de Tecnologia da Informação ENAServ 2014 Encontro Nacional do Comércio Exterior de Serviços Sergio Paulo Gallindo São Paulo, 29 de maio de 2014 Porque Internacionalizar?

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas 54ª Reunião Anual da SBPC Goiânia/GO Julho/2002 O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas João Ferreira de Oliveira (UFG) A universalização do acesso à educação superior constitui-se

Leia mais

EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO

EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO 2ªRevolução Industrial HOLDING TRUSTE CARTEL Empresas financeiras que controlam complexos industriais a partir da posse de suas ações. Formação de grandes conglomerados

Leia mais

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios.

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Autor: Douglas Marcos da Silva 7 Sumário Executivo Nas últimas décadas, a evolução tecnológica, a interdependência dos mercados e a intensificação

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO

O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO Luciana Sardenha Galzerano FE/Unicamp Agência Financiadora: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo Fapesp Resumo Este trabalho objetiva

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

3 O Serviço Social no setor de ONGs

3 O Serviço Social no setor de ONGs 3 O Serviço Social no setor de ONGs Uma análise sobre a atuação do assistente social em organizações não governamentais (ONGs) deve partir da reflexão sobre a configuração da sociedade civil brasileira,

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS Local: Sala Crisantempo Data : 12/12/2014 Horário: 9h30 às 13h30 Expositores: Eduardo Viola - Professor

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

Investindo em um gigante em expansão

Investindo em um gigante em expansão Investindo em um gigante em expansão Revolução econômica transforma a China no grande motor do crescimento mundial Marienne Shiota Coutinho, sócia da KPMG no Brasil na área de International Corporate Tax

Leia mais

Palavras-chave: extensão universitária; função social; teoria-prática.

Palavras-chave: extensão universitária; função social; teoria-prática. As Práticas Curriculares e a Extensão Universitária Área Temática de Gestão da Extensão Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Edineide Jezine

Leia mais

Prof. Dr. Francisco Chaves

Prof. Dr. Francisco Chaves GESTÃO DE PROJETOS - 1 Escola de Engenharia de Lorena (Depto. Engenharia Química) Prof. Dr. Francisco Chaves chaves@dequi.eel.usp.br Características do Mundo Empresarial Velocidade das mudanças: Impacto

Leia mais

A locomotiva de concreto

A locomotiva de concreto A locomotiva de concreto 16 KPMG Business Magazine Construção civil supera período de estagnação, mas ainda há gargalos que podem comprometer o ritmo de investimentos A construção civil no Brasil não para

Leia mais

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com PROJETO VITRINE Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF xamcoelho@terra.com.br

Leia mais

Ser grande não significa ser mais rico, e ter relevância em um dos indicadores não confere a cada país primazia em comparação a outro.

Ser grande não significa ser mais rico, e ter relevância em um dos indicadores não confere a cada país primazia em comparação a outro. ASSUNTO em pauta O BRIC em números P o r Sérgio Pio Bernardes Ser grande não significa ser mais rico, e ter relevância em um dos indicadores não confere a cada país primazia em comparação a outro. É Smuito

Leia mais

GRUPO OURO FINO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MODELO DE GESTÃO INOVAÇÃO ABERTA

GRUPO OURO FINO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MODELO DE GESTÃO INOVAÇÃO ABERTA GRUPO OURO FINO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MODELO DE GESTÃO INOVAÇÃO ABERTA Ms.Lucimara C. Toso Bertolini. Gerente PD&I OURO FINO AGRONEGÓCIOS DIVISÃO SAÚDE ANIMAL 1987: Nasce a Ouro Fino

Leia mais

SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp.

SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp. SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp. 31-50 2º Ano ASE Sociologia do Desenvolvimento e da Mudança

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO

POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO 1 POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO Gislaine dos Santos Silva 1 Edvânia Ângela de Souza Lourenço 2 Resumo A partir da Constituição da República Federativa do Brasil,

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

Gestão de Pessoas: Retrospectiva Histórica

Gestão de Pessoas: Retrospectiva Histórica Glaucia Falcone Fonseca O objetivo dessa aula é que você conheça as quatro grandes correntes existentes com relação ao tema gestão de pessoas. (Glaucia Falcone Fonseca) 1 Vimos na aula passada o que é

Leia mais

Exercícios de 3ª Revolução Industrial

Exercícios de 3ª Revolução Industrial Exercícios de 3ª Revolução Industrial 1. (IFMG) Disponível em: http://autoentusiastas.blogspot.com.br/2012/10/industria-automobilistica-definidoo.html. Acesso em: 21/11/2012. A imagem retrata um cenário

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 04/06/2011 Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM Perspectivas para o setor de TI BM&F Bovespa 26 de junho de 2013 BRASSCOM Associados BRASSCOM 1 Mercado Mundial de TI Crescimento Mercado TI BRASIL (2012/2011) 10,8% Crescimento Mercado TI Mundo (2012/2011)

Leia mais

Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013

Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013 Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013 Contributos conjuntos do Conselho Geral e do Reitor em resposta à solicitação de 22 de outubro de

Leia mais

A Presença da Siderurgia Brasileira no Mercado Internacional: Desafios para Novos Avanços

A Presença da Siderurgia Brasileira no Mercado Internacional: Desafios para Novos Avanços A Presença da Siderurgia Brasileira no Mercado Internacional: Desafios para Novos Avanços Fernando Rezende 1 As importantes transformações ocorridas na siderurgia brasileira após a privatização promovida

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA «21. Assinale a alternativa que caracteriza a acumulação primitiva, segundo o pensamento de Karl Marx. a) O processo de separação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso no jantar oferecido pelo

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

Competitividade digital

Competitividade digital ERA DIGITAL Competitividade digital Omercado de produção de softwares cresce em todo o mundo, e a situação é favorável aos países emergentes, incluindo o Brasil. O fato é explicado pela crescente pressão

Leia mais

Associação P&D Brasil

Associação P&D Brasil Transformando conhecimento em riqueza, como fazer mais e mais rápido? Associação P&D Brasil Engº Luiz Francisco Gerbase Presidente AP&D Brasil Um país só tem sucesso se contar com uma infraestrutura física,

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais