OUTSOURCING ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DA VIDA ECONÓMICA Nº 1444, DE 11 MAIO DE 2012, E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OUTSOURCING ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DA VIDA ECONÓMICA Nº 1444, DE 11 MAIO DE 2012, E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE"

Transcrição

1 OUTSOURCING ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DA VIDA ECONÓMICA Nº 1444, DE 11 MAIO DE 2012, E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE

2 II ciente essa força laboral para o outsourcing. Isto é um travão ao processo. Já as empresas que têm uma forte vocação exportadora têm acelerado, segundo Nuno Homem, a adoção dos modelos de externalização como forma de flexibilizar o seu modelo de custos. Mas há ainda outra questão. Para Romeu Lourenço, da HP, e se considerarmos o outsourcing mais tradicional ou seja, Sistemas de Informação, quer aplicações, quer infraessexta-feira, 11 de Maio de 2012 OUTSOURCING ACCENTURE, HP, IBM, LOGICA, MAINROAD E NOVABASE ADMITEM Portugal tem talento imenso para expor Accenture, HP, IBM, Logica, Mainroad e Novabase responderam ao desafio da Vida Económica e sentaram-se à mesma mesa para debateram o outsourcing em Portugal. Falou-se de tudo um pouco. De como está o mercado, de como estão as empresas a lidar com a atual conjuntura económica, de como os clientes estão a reagir, falou-se de grandes contratos mas também das PME. E falou-se de talento. Um talento que tem permitido aos players com presença lusa exportarem alguns dos seus serviços. Especialização parece ser a palavra de ordem. Por último, o nearshore. Que, afinal, parece não ser tão near quanto isso. Há quem já esteja de olho nas Américas. SUSANA MARVÃO A atual conjuntura económica, com as dificuldades e incertezas a marcarem espaço nas empresas, é um potenciador dos serviços de outsourcing. Isso parece ser claro para os players que responderam ao desafio da Vida Económica e sentaram-se à mesma mesa para debateram o outsourcing em Portugal. Accenture, HP, IBM, Logica, Mainroad e Novabase parecem concordar que as empresas cada vez são mais pressionadas a reduzir custos, pelo que ficam com apenas duas opções. Ou param de investir, de lançar os seus projetos e procurar novas áreas, ou tentam arranjar alguma margem financeira para conseguirem poupar onde ainda é possível fazê-lo, para depois, com essa folga, poderem continuar a investir. Mesmo as organizações que já estão em outsourcing têm usado a flexibilidade deste modelo para conseguir otimizar os custos em determinadas áreas e investir e adaptar as necessidades da organização, começou por avançar João Gonçalves, da IBM. Das organizações que não estão em outsourcing, temos verificado que há de facto uma maior procura. O que não significa que tenha havido muitas decisões. A expectativa de crescimento era maior, mas penso que o facto de as organizações não darem o salto tem muito a ver com a incerteza que existe atualmente, admite o responsável da IBM. José Carlos Gonçalves, da Logica, corrobora esta opinião e acrescenta que há vertentes do outsourcing que já têm maturidade por vários anos de trabalho no mercado, nomeadamente a área das infraestruturas. Os clientes já colheram muitos dos benefícios ao longo dos tempos. Contudo, também admite haver áreas onde o mercado português está longe de ter maturidade, concretamente no Business Process Outsourcing. José Carlos Gonçalves diz que nos últimos meses os clientes se têm focado muito em soluções de curto prazo, ou seja, por um lado, outsourcing de aplicações, por outro lado, de infraestruturas. Coisas que rapidamente se colocam a funcionar com três/quatro meses de trabalho, mas o verdadeiro potencial está no BPO, que realmente necessita de algum investimento. Por parte da Mainroad, Nuno Homem é da opinião de que, com a atual crise, não se criou um movimento em massa no sentido Romeu Lourenço (HP), José Carlos Gonçalves (Logica), Vítor Prisca (Novabase), João Gonçalves (IBM), de adotar o outsourcing. Para o diretor-geral da Mainroad, é notório que nos clientes que têm uma atividade essencialmente para o mercado nacional há uma contenção de custos, não havendo um grande incentivo à decisão. Depois, temos as questões laborais. O nosso mercado não é flexível o suficiente para que uma empresa possa prescindir de todo um conjunto de colaboradores e passar para outsourcing ou transferir de uma forma efi- INTERVENIENTES Romeu Lourenço HP Já não temos contratos de cinco, seis, sete anos são mais curtos, além de que os montantes de contrato são cada vez mais pequenos. O que temos é uma multiplicidade de contratos. Modelos reais de flexibilidade poderiam ajudar. José Carlos Gonçalves Logica Existem equipas técnicas na AP pulverizadas em n datacenters. Juntas poderiam ter mais produtividade. Esbarramos na questão da liderança e em haver alguém capaz de fazer influir grupos de ministérios no mesmo sentido. Vítor Prisca Novabase Outras associações semelhantes ao Portugal Outsourcing são apoiadas por estruturas semelhantes ao IPAMEI. Nós não temos apoio, não estamos de forma organizada nos eventos, com escritórios, com delegações. João Gonçalves IBM Existem centros na Europa onde são feitos serviços para Portugal mas também acontece ao contrário. Hoje, estamos a prestar serviços para Espanha e países do Leste porque conseguimos desenvolver competências. Nuno Homem Mainroad No que toca às empresas de origem nacional, sofremos o mesmo fenómeno dos mercados dos vinhos: temos um excelente produto mas temos produtores tão pequenos que a nível internacional não conseguem ganhar escala. Pedro Lopes Accenture Tivemos de adaptar a nossa oferta à realidade do mercado até porque de facto existe uma grande pressão para reduzir custos. O que temos feito é associar à nossa oferta uma componente de transformação.

3 OUTSOURCING III tar serviços de outsourcing Nuno Homem (Mainroad) e Pedro Lopes (Accenture). truturas, os modelos de flexibilização que estão em prática ainda não são exatamente o que os clientes precisam. Numa altura de incerteza é muito importante flexibilizar para que o cliente tome uma decisão. Já não temos obviamente contratos de cinco, seis, sete anos são muito mais curtos, além de que os montantes totais de contrato são cada vez mais pequenos. O que temos é uma multiplicidade de contratos. Modelos reais de flexibilidade poderiam, em muito, ajudar. Ou seja, Romeu Lourenço defende que a baseline deveria ser variável para baixo, algo que de alguma forma não está muito trabalhado e que os clientes anseiam. Assim, os clientes mais pequenos poderiam aderir ao outsourcing. Pedro Lopes, da Accenture, partilhou que nos últimos anos tem realmente havido uma maior recetividade ao tema do outsourcing. A provar está o facto de a atividade da Accenture há quatro anos, na área da tecnologia, seria um terço do outsourcing, sendo que hoje esse valor ascende a dois terços. Claro que tivemos de adaptar a nossa oferta à realidade do mercado, até porque de facto existe uma grande pressão para reduzir custos. O que temos feito é associar à nossa oferta uma componente de transformação. Ou seja, dizer aos clientes que tomamos conta da sua arquitetura por determinado período de tempo e no final entregamos uma outra arquitetura associada. É este processo de transformação que temos tentado incutir e com algum sucesso. Diria que o outsourcing tem sido a área de maior crescimento na Accenture. Vítor Prisca, da Novabase, corrobora basicamente todas as opiniões dos players presentes. Mas, com um discurso mais acutilante, enfatiza que as empresas prestadoras deste serviço estão numa encruzilhada complicada. E explica: Houve más experiências ligadas a funções que foram externalizadas. Por exemplo, os call centers. Lembra logo baixos salários a pessoas qualificadas, precariedade Neste momento, temos uma encruzilhada do lado dos clientes, que precisam compreender melhor como tirar partido inteligente do outsourcing. Hoje, a tendência, segundo Vítor Prisca, é para os clientes comprarem contratos de duração muito inferior à que era a média do setor e, por outro lado, escolherem mais do que um parceiro de outsourcing, tirando partido da especialização de cada um. Este tipo de modelo, tipicamente nos clientes mais maduros, tem de ser efetivo na gestão da relação e no relacionamento entre os vários players. O risco de cobrança numa PME é grande Outra questão pertinente é tudo o que avança a esfera do privado, sendo evidente que as taxas de outsourcing na Administração Pública nacional são muito inferiores às dos restantes países europeus. José Carlos Gonçalves, da Logica, tal como João Gonçalves, da IBM, admitem que a AP tem de facto um potencial enorme, mas com um pequeno problema: não é um cliente. São muitos. Dificilmente poderá ser mudada alguma coisa na Administração Pública enquanto não houver uma liderança de topo sobre todas estas situações, explicou José Carlos Gonçalves. Nomeadamente na área das infraestruturas, estamos a falar de produtividade e a verdade é que existem equipas técnicas na AP pulverizadas em n datacenters diferentes. Todas juntas poderiam ter uma maior produtividade. Esbarramos na questão da liderança e em haver alguém capaz de fazer influir grupos de ministérios no mesmo sentido, com uma única liderança e sistema de partilha de serviços. Dito assim, não parece nada de especial, mas há anos que se fala disto, disse o CEO da Logica Iberia. E uma vez Portugal ser um mercado em que o número de empresas robustas é bastante escasso, a questão do nearshore pode tornar-se bastante relevante. Romeu Lourenço, da HP, admite que Portugal poderia de facto ser uma plataforma interessante para os mercados de proximidade, já que o número de grandes clientes é pequeno e as PME ainda não terão acordado para as virtudes do outsourcing. Mas José Carlos Gonçalves vai mais longe. E diz mesmo que a questão das PME é bastante mais profunda. Se pensarmos numa lógica de risco, há muita PME onde nós simplesmente não queremos estar presentes, pois há uma efetiva probabilidade de os serviços não serem cobrados. Todos os players presentes corroboraram esta opinião com um aceno positivo de cabeça. Há um risco grande de cobrança, garantiu Nuno Homem, da Mainroad. O outsourcing é mais ou menos como um casamento tradicional. A imagem parece perfeita. Há a fase do namoro na qual (para além de experimentarmos várias coisas, ilustrou o CEO da Logica) vamos ter a certeza de que temos os mesmos objetivos. E é difícil se um dos intervenientes quer ter cinco descendentes e a outra pessoa omitir que não pode ter filhos. Isso vai inevitavelmente dar problemas mais tarde. Uma analogia perfeita ao que se passa no mercado. Se enveredarmos em grandes investimentos, que por vezes são precisos, e passados dois anos, o cliente nos diz que tem problemas económicos e que não pode pagar, alguém ficou com o prejuízo. Falta marketing ao outsourcing luso Falta promover Portugal enquanto destino de outsourcing. Isto apesar de a Gartner ter classificado Portugal como um dos onze principais países desenvolvidos escolhidos para serviços offshore de Tecnologia de Informação e Business Process Outsourcing. Temos recursos qualificados a baixo custo. Podemos ser uma excelente escolha para o mercado do Norte da Europa. Temos uma posição geoestratégica boa. Estamos bem posicionados para prestar serviços a um vasto leque de países. E isto tem de ser potenciado, enfatizou Romeu Lourenço, da HP. Por parte da Accenture, isto já é uma realidade. A empresa abriu em Janeiro um centro no nosso país cujo objetivo é precisamente exportar serviços. Fomos um dos poucos países da Europa a considerarmos cost-effective e por isso fazemos parte de uma rede de centros da Accenture que neste momento está a trabalhar para fora. Ao mesmo tempo, crescemos cá dentro. Nomeadamente em áreas de SAP e em soluções específicas na qual temos skills muito interessantes, especificou Pedro Lopes. Os nossos técnicos são excelentes, especialmente se os compararmos com outro tipo de forças de trabalho de outros países como por exemplo a Índia. Do ponto de vista técnico, somos superiores, do ponto de vista da produtividade, somos exatamente a mesma coisa Aliás, temos alguma dificuldade em utilizar offshore com a Índia porque realmente os nossos técnicos são altamente produtivos e com um custo muito interessante. Vítor Prisca, da Novabase, admite que as multinacionais presentes em Portugal têm procurado os nossos fatores diferenciadores para tentarem captar para aqui serviços e a verdade é que os resultados são positivos. Portugal pode ser um destino de nearshore, nomeadamente para BPO. Mas, no entender de Vítor Prisca, podíamos fazer mais enquanto bandeira. E refere que, se olharmos outras associações semelhantes ao Portugal Outsourcing, são apoiadas e suportados por estruturas semelhantes ao nosso IPAMEI. Nós não temos apoio, não estamos de forma organizada nos eventos, com escritórios, com delegações. Nuno Homem, da Mainroad, dá mais uma achega: No que toca às empresas de origem nacional das TI, sofremos o mesmo fenómeno dos mercados dos vinhos: temos um excelente produto, mas temos produtores tão pequenos que a nível internacional não conseguem ganhar escala, não conseguem ganhar um peso relativo no mercado externo que seja significativo. E enquanto não houver uma reorganização vai ser difícil. Na opinião de João Gonçalves, a oportunidade de funcionar como nearshore terá diretamente a ver com a especialização. A IBM, por exemplo, tem esta visão e atua em conformidade. Em Portugal, mais concretamente em Braga, a empresa tem um centro de outsourcing onde mais de 400 pessoas trabalham partes de determinado processo. Significa que conseguimos justificar que Portugal é o melhor sítio para fazer aquela parte específica do processo. Depois, mesmo na área das TI, acontece um pouco o mesmo. Se é verdade que existem determinados centros na Europa onde são feitos alguns serviços para Portugal, também é verdade que acontece ao contrário. Hoje, aqui, estamos a prestar serviços para Espanha e países do Leste na área aplicacional porque conseguimos aqui desenvolver determinadas competências. E João Gonçalves enfatiza que o que está em causa é a competitividade e não o recurso a salários mais baixos ou duvidosas condições de empregabilidade: Não estamos a concorrer contra a Índia. O mercado de nearshore é Portugal dentro de um espaço europeu alargado a prestar determinados serviços dentro desta área. Ou seja, basicamente todos os presentes neste encontro garantem haver claros exemplos das capacidades de Portugal em trazer serviços para o nosso país. Carecem, isso sim, de apoios adicionais na promoção de Portugal enquanto destino de outsourcing. A fechar tudo isto, o facto de todas estas boas práticas terem um denominador comum: as pessoas. A base de talento nacional é muito boa, diz Vítor Prisca. José Carlos Gonçalves, da Logica, corrobora esta opinião, acrescentando ser preciso desmistificar o facto de Portugal ser um país de call centers. Creio que o nearshore neste momento tem um potencial grande. Mas também não podemos deixar de ter a consciência de que toda a Europa está em crise. E por isso, pessoalmente, acho que o nosso mercado-alvo não é a Europa. Mas sim as América Central e do Sul. Ou seja, parece claro que, afinal, o nearshore, sendo uma solução, não será tão near como parece.

4 IV OUTSOURCING SEGUNDO RELATÓRIO DA CAPGEMINI Cloud e outsourcing são essenciais para a criação de valor nos serviços financeiros Segundo o Financial Services World Quality Report relatório da Capgemini que apresenta os desafios que as organizações de serviços financeiros enfrentam e que influenciam os departamentos de TI para se focarem na compliance, no crescimento do negócio e na otimização de custos, as organizações de Quality Assurance (QA) tentam criar valor para o negócio através do potencial dos serviços de cloud e dos serviços de Software as a Service (SaaS), da expansão do outsourcing, da criação de Centros de Excelência de Testes (CoE) e preparam-se para os serviços móveis. O relatório destaca que, enquanto os orçamentos continuam reduzidos, com dois terços das empresas a alegar os orçamentos como um desafio tangível, o número e a complexidade de aplicações está a aumentar. Como consequência, as organizações de Quality Assurance direcionam as suas estratégias de criação de valor para basicamente a utilização de modelos de cloud e de Software as a Service (SaaS), já que estes permitem modernizar as infraestruturas e os serviços de TI, reduzir a complexidade e os custos operacionais, bem como aumentar a agilidade e o speed to market. Das diversas empresas de serviços financeiros questionadas, apenas 15% indicaram que não tinham planos para migrar as aplicações ou proceder ao armazenamento em cloud no próximo ano, enquanto 73% indicou que planeia migrar entre 1 e 50% das suas aplicações para a cloud, lê-se no relatório. Isto apesar de a cloud não deixar de apresentar riscos, principalmente relativos a segurança afirmou em comunicado Govindarajan Muthukrishnan, Test Practice e Righshore Leader, Capgemini Global Financial Services: No entanto, a cloud apresenta-se, frequentemente, como uma forma mais fácil, mais rápida e com um melhor custo-benefício para a realização de testes, até mesmo da própria cloud, sobretudo porque a cloud pode ser usada como um ambiente de testes isolado ou como um modelo pay-per-use. Outsourcing da uma ajuda O outsourcing é visto como uma forma de ajudar as empresas de Serviços Financeiros a reforçar as suas capacidades e o Market reports sobre Angola RESERVE JÁ O SEU EXEMPLAR O mercado angolano é uma fonte de oportunidades de exportação e de investimento, mas exige informação adequada. Através dos nossos Market Reports sobre Angola ficará a conhecer a situação concreta do país e do setor que lhe interessa de forma a abordar o mercado com mais eficácia e menos riscos. PUB seu valor. O estudo indica que 70% destas empresas contrataram recursos de testes ou fizeram outsourcing de testes a fornecedores externos, mas apenas 6% efetuaram entre 76% e 100% de outsourcing de testes. Adicionalmente, apenas 3% efectuaram o outsourcing completo dos testes. Estes números sugerem que existe um potencial enorme nas empresas de Serviços Financeiros para a expansão da utilização abrangente do outsourcing afirma no mesmo documento Anurag Gupta, Índia Testing Leader, Capgemini Financial Services. Com uma estratégia de outsourcing mais abrangente, as empresas podem criar valor através da transformação de processos empresariais, da melhoria do time-to-market, da captura de eficiências operacionais e da optimização adicional de custos declara Anurag. O estudo aponta ainda a tendência dos inquiridos para considerarem a utilização de um Centro de Excelência de Testes (CoE). Os CoE requerem uma quantidade de tempo substancial (frequentemente, entre 6 e 24 meses) para iniciarem operação. Este facto ajuda a explicar porque é que apenas 1% das empresas afirmam que já DEPOIS DE MADRID A Vilt abriu um escritório em São Paulo, no Brasil, para garantir uma maior proximidade junto das organizações locais, públicas e privadas. A empresa multinacional de origem portuguesa especializada na conceção e desenvolvimento de soluções ECM (Enterprise Content Management) pretende crescer no mercado brasileiro nos próximos anos. Esta aposta representa, segundo a empresa, mais um passo claro no processo de internacionalização da Vilt, que dispõe já de uma equipa de 30 pessoas no escritório de Madrid. O mercado internacional continua a representar a principal fonte de receita da empresa, com cerca de 67% da faturação global da companhia, tendo a Vilt desenvolvido diversos projetos em países como Espanha, França, Reino Unido, Alemanha, Áustria, Bélgica, Holanda, Itália, Emiratos Árabes Unidos e Estados possuem um CoE completamente operacional. No entanto, 55% dos inquiridos dizem já terem começado, recentemente, a criar um CoE ou planeiam fazê-lo no futuro. Os CoE podem ajudar a uniformizar as práticas e as métricas dos testes de QA, em todos os projectos de testes, a reduzir os custos e a alcançar uma relação mais directa entre a QA e o negócio afirma Govindarajan. Os resultados do estudo também comprovam o New Normal para o sector de serviços financeiros, evidenciando paradigmas de modelos de negócio, gestão de risco e regulatórios que existiam antes da crise financeira global, onde as capacidades de QA são, cada vez mais, um fator crítico para o sucesso do negócio. Por exemplo, as aplicações móveis devem facilitar as interações entre os diferentes aparelhos e os sistemas operativos tecnologias que estão, elas próprias, a evoluir rapidamente. A QA necessita de adquirir novas competências e ferramentas para assegurar que as aplicações permanecem seguras, compatíveis e relevantes para as necessidades dos clientes. Vilt abre escritório em São Paulo Unidos. Segundo Tiago Gavinhos, co-fundador e diretor executivo da empresa portuguesa que agora ficará a liderar o escritório de São Paulo, este é um passo natural na estratégia da Vilt que está em linha com o rápido crescimento sustentado da empresa que opera no mercado global. Após o sucesso da nossa operação em Espanha, acreditamos que o mercado latino-americano representa uma excelente oportunidade para a Vilt desenvolver projetos locais. Fundada em 2002, a Vilt é, desde a sua génese, uma empresa com grande vocação internacional. Com escritórios em Lisboa, Madrid e São Paulo, a empresa conta com a experiência acumulada de mais de 50 projetos em grandes organizações públicas e privadas nos mais variados setores de atividade, como Banca, Seguros, Telecomunicações, Transportes, Indústria e TI.

5 OUTSOURCING V MIGUEL MOREIRA, ADMINISTRADOR DELEGADO DA PT SI, RECENTEMENTE EMPOSSADO PRESIDENTE DA PORTUGAL OUTSOURCING Administração Pública precisa do setor do outsourcing Racionalização de recursos, redução de custos, melhoria de produtividade e eficiência dos processos e serviços públicos. Estes podiam muito bem ser os benefícios que a Administração Pública obteria caso utilizasse de forma mais recorrente o outsourcing. Pelo menos é o que defende a Portugal Outsourcing (APO), que recentemente empossou Miguel Moreira, administrador delegado da PT SI, como presidente. Uma das barreiras que impedem a AP de utilizar o outsourcing é, para Miguel Moreira, o tema dos recursos humanos: não havendo ainda modelos ágeis de flexibilidade e mobilidade de recursos entre a Administração Pública e os prestadores de serviços do setor, e mantendo o Estado os seus recursos humanos como parte das suas despesas fixas, não faz portanto sentido, e pensando numa ótica meramente de racionalização de recursos e redução de custos, uma duplicação de gastos com salários e a contratação de serviços externalizados. SUSANA MARVÃO Vida Económica Até que ponto o plano global estratégico de racionalização e redução de custos nas TIC na Administração Pública recentemente apresentado pelo Governo pode vir a ser marcante na dinamização do mercado nacional de Outsourcing? Miguel Moreira A leitura que a Portugal Outsourcing faz do documento é a de que uma eficiente e eficaz implementação deste plano de racionalização e redução de custos nas TIC da Administração Pública carecerá, necessariamente, do setor do outsourcing, enquanto parceiro de referência na mesma. Na perspetiva da associação, o outsourcing, se utilizado de forma concreta e consistente, poderá contribuir e acelerar o cumprimento de algumas das medidas estruturantes que se impõem em Portugal neste domínio, passando o sucesso das reformas a realizar pela Administração Pública portuguesa, que consideramos serem inadiáveis, justamente pela proposta de valor do nosso setor: racionalização de recursos, redução de custos, melhoria de produtividade e eficiência dos processos e serviços públicos. VE Portugal está abaixo da média europeia no recurso ao outsourcing por parte da Administração Pública. O que tem dificultado essa opção? Quais as principais barreiras? MM As principais barreiras são bem conhecidas e Portugal encontra-se efetivamente abaixo da média europeia no recurso ao outsourcing por parte da Administração Pública devido ao facto de não terem ainda sido realizadas reformas estruturais que permitam derrubá-las, possibilitando o desenvolvimento do outsourcing com as decorrentes maisvalias anteriormente referidas para o nosso país. O tema dos recursos humanos é uma das principais barreiras à adoção do outsourcing: não havendo ainda modelos ágeis de flexibilidade e mobilidade de recursos entre a Administração Pública e os prestadores de serviços do setor, e mantendo o Estado os seus recursos humanos como parte das suas despesas fixas, não faz portanto sentido, e pensando numa ótica meramente de racionalização de recursos e redução de custos, uma duplicação de gastos com salários e a contratação de serviços externalizados. Outra das principais barreiras é a cultural, barreira cujo derrubar terá de passar por um processo de demonstração evidente de modelos de redução de custos, com garantia de níveis de serviço contratualizados e de cumprimento monitorizável, precisando porém o setor da abertura do Estado a projetos-piloto neste sentido. Finalmente, existem ainda barreiras de cariz fiscal e jurídica que decorrem da carga fiscal inerentes à sua atividade e da vinculação de funcionários públicos ao Estado. VE Basicamente, que tipo de ganhos poderia obter a AP ao adotar o Outsourcing? MM Os ganhos, uma vez mais, seriam evidentes no entender da Portugal Outsourcing: serviços públicos de maior qualidade e consumidores de menos recursos do Estado. VE A Gartner classificou Portugal como um dos onze principais países desenvolvidos escolhidos para serviços offshore de Tecnologia de Informação (TI) e Business Process Outsourcing (BPO). Que tipo de benefícios têm, ou podem vir a ter, as empresas nacionais com este tipo de distinção? MM A recente distinção de Portugal feita pela Gartner é demonstrativa do conjunto de fatores competitivos que Portugal e as empresas que operam no nosso país na prestação de serviços de outsourcing de base tecnológica (ITO e BPO) têm face a destinos concorrentes numa perspetiva de nearshore. Neste sentido, os benefícios para os players nacionais do setor consistem no alavancar da sua exposição no panorama internacional, o que potencia a exportação de serviços e facilita o processo de internacionalização das empresas. Modelo está em fase de maturidade VE Como tem evoluído o recurso ao Outsourcing de TI em Portugal por parte das empresas? MM As grandes empresas, de diversos setores de atividade, compreenderam já as vantagens e benefícios do outsourcing, pelo que adesão a este modelo encontra-se numa fase de alguma maturidade. Ainda assim, entendemos haver necessidade de uma constante pedagogia junto do mercado, por forma a garantir a clarificação das diferenças existentes entre um contrato de outsourcing de valor acrescentado e outros modelos alternativos que não contemplam níveis de serviço. VE Até que ponto os atuais constrangimentos económicos, que resultam em fenómenos como o aparecimento de prestadores de serviços de muito baixo custo, preocupam a APO? MM Esta é uma questão que muito preocupa a Portugal Outsourcing e em relação à qual temos tido algumas iniciativas em torno, justamente, da clarificação referida anteriormente. Serviços de muito baixo custo, na realidade, são apenas cedência de mão-de-obra a baixo custo, sem nenhum compromisso sobre a qualidade ou produtividade do trabalho efetuado, não devendo ser confundidos com outsourcing de valor acrescentado, com níveis de serviço, correndo as empresas que preferirem essa aposta riscos significativos de resultados globais inferiores às suas expectativas. Esta pedagogia junto do mercado é, assim, fundamental para que se evite a confusão entre estas duas práticas, (outsourcing vs cedência de mão de obra temporária), assim como o potencial impacto negativo nos clientes e na sustentabilidade do próprio setor. VE A APO espera que o setor atinja os 1,3 milhões de euros em exportações em Continuam com essa expectativa, apesar do atual período económico? MM Embora não existam estudos recentes que nos permitam dados mais concretos quanto a esta questão, a expectativa atual, ainda que se considerando as enormes dificuldades do período económico que atravessamos, é a de que as exportações do setor continuem a crescer nos próximos anos. Esta expectativa fundamenta-se, por um lado, no fenómeno de captação de investimento estrangeiro em Portugal, que temos vindo a observar ao longo dos últimos anos, sendo de realçar alguns recentes anúncios públicos de reforços significativos de investimentos por parte de algumas multinacionais de referência já instaladas em Portugal e a criação de novos centros de competência, por outros, bem como no potenciamento da atratividade das empresas portuguesas no panorama internacional, levando ao crescimento das exportações do setor. Outsourcing como proposta de valor VE Quais os principais desafios para os próximos dois anos? MM Os principais desafios da Portugal Outsourcing são claros: impulsionar o setor na exportação de serviços, quer sejam prestados fora de Portugal ou como operações nearshore, por empresas portuguesas ou internacionais que queiram instalar-se no nosso país. Ganhar a aposta que o setor está atualmente a fazer junto da Administração Pública portuguesa, demonstrando que o outsourcing pode ser parte da solução de melhoria da eficiência e eficácia dos organismos estatais, contribuindo para a melhoria das finanças públicas, e constituindo massa crítica para que o setor possa reforçar a imagem internacional de Portugal enquanto destino de referência, captando a atenção de grandes clientes e investidores. VE O que gostaria de particularmente ver realizado no seu mandato? MM Seria gratificante poder observar uma mobilização do setor com vista a uma iniciativa forte de projeção dos serviços para a exportação e a Administração Pública portuguesa a apoiar este projeto promovendo o empreendedorismo, e dando o exemplo adotando de forma convicta o outsourcing, ainda que começando de forma gradual através da implementação de projetos transformacionais, de risco partilhado, que permitam ao setor do outsourcing uma demonstração clara da sua proposta de valor.

6 VI OUTSOURCING PEDRO CANAS FERREIRA, RESPONSÁVEL PELA ÁREA DE INOVAÇÃO DA HP Cloud computing não deixa de ser Muitas vezes a indústria tem novos nomes para as mesmas soluções. E nos conceitos outsourcing e cloud computing há quem defenda que a computação em nuvem não é mais do que mais uma forma de externalização. Pedro Canas Ferreira, responsável pela área de inovação da HP, concorda em grande parte com esta afirmação. À Vida Económica justificou que um modelo de externalização, utilizado adequadamente, permite um maior controlo e transparência de custos, estandardização e deixa as organizações mais ágeis e focadas no seu core business. Nome Morada C. Postal SUSANA MARVÃO O SEU GUIA PARA O SUCESSO! Autora: Páginas: P.V.P.: 15 O cloud computing já alterou profundamente a vida das pessoas e das empresas sem nos termos apercebido verdadeiramente da dimensão dessa mudança. Tanto no aspeto pessoal como no profissional, a computação em nuvem está por detrás de muitas aplicações que utilizamos diariamente nos nossos smartphones, seja o mail, as redes sociais, notícias, música, etc. Pedro Canas Ferreira, responsável pela área de inovação da HP, diz mesmo que este aumento explosivo de aplicações inovadoras foi possível graças à separação clara entre o hardware e de software, uma separação muito promovida pelo aparecimento dos modelos cloud. Para as empresas, particularmente as novas empresas de base tecnológica, isto significa que podem concentrar-se no desenvolvimento da sua proposta de valor diferenciadora deixando a gestão da infraestrutura tecnológica de que necessitam para um fornecedor especializado. Passa-se exatamente o mesmo no interior das empresas de maior dimensão: as áreas de negócio poderão ser inovadoras e concentrar-se nos seus objetivos de negócio se o seu fornecedor de TI interno tiver a agilidade de lhes Uma obra que identifica os benefícios que as empresas esperam obter com a utilização desta ferramenta de gestão, explicita os factores críticos de sucesso que devem ser salvaguardados para evitar cair em erros já cometidos por empresas que recorreram a este instrumento. Nº Contribuinte Solicito o envio de exemplar(es) do livro Outsorcing no sector bancário, com o PVP unitário de 15. Para o efeito envio cheque/vale nº, s/ o, no valor de, Solicito o envio à cobrança. (Acrescem 4 para despesas de envio e cobrança). ASSINATURA (recortar ou fotocopiar) PUB fornecer, através de um modelo cloud, os recursos necessários para implementar os seus projetos de forma rápida, transparente, segura e com um custo adequado. É verdade que, muitas vezes, a indústria tem novos nomes para as mesmas soluções. E nos conceitos outsourcing e cloud computing há quem defenda que a computação em nuvem não é mais do que mais uma forma de externalização. Pedro Canas Ferreira concordou em grande parte com esta afirmação, justificando que um modelo de externalização, utilizado adequadamente, permite um maior controlo e transparência de custos, estandardização e deixa as organizações mais ágeis e focadas no seu core business. Infelizmente, diz, muitas organizações ignoram os custos organizacionais de estarem dispersas na realização de atividades não core. Modelo cloud na agenda dos clientes O modelo cloud está claramente na agenda dos clientes, tanto em Portugal como em Espanha, diz o responsável, se bem que o investimento não tenha acompanhado o interesse demonstrado, ao contrário do que está a acontecer em mercados mais maduros. Este comportamento é normal em modelos emergentes, mas em ambos os casos está a ser muito agravado pelo enquadramento económico difícil, com as empresas a atrasar os seus investimentos em modernização e transformação das suas infraestruturas. Para este responsável, o contrassenso é que este comportamento, apesar de compreensível, é exatamente o inverso do que deve ser feito. É exatamente nesta situação, em que a trajetória atual é insustentável (por exemplo com a utilização de um modelo de TI tradicional em que 80% dos custos estão concentrados em manutenção), que surge a oportunidade para testar modelos disruptivos e com potencial para alterar as regras do jogo. Para Pedro Canas Ferreira, o verdadeiro potencial do cloud computing reside em potenciar a inovação, tornando as organizações mais competitivas. Esta é a resposta mais objetiva, diz. No entanto, assume ser importante elaborar como se chega até lá. De uma maneira geral, o cloud computing traz quatro grandes benefícios às organizações que o utilizam de uma forma adequada. Em primeiro lugar, explica o responsável, um novo modelo de consumo de sistemas de informação, baseado em Custos Operacionais (OPEX) em vez do modelo tradicional baseado em Investimento (CA- PEX). Esta mudança possibilita modelos flexíveis de faturação (pay-as-you-go) e permite que as organizações possam canalizar os seus investimentos para áreas de maior valor estratégico tais como a Inovação ou o crescimento. Adicionalmente, os custos e preocupações em atualizar infraestrutura e realizar novos investimentos passam a estar embebidas no custo operacional. Em segundo lugar, Pedro Canas Ferreira salienta a redução de custos proveniente de uma utilização mais eficiente da tecnologia. Os modelos cloud minimizam o desperdício, pois aumentam o nível de utilização médio dos recursos tecnológicos e eliminam muitas atividades manuais extraindo assim maior valor dos investimentos. O cloud computing, para este responsável, tem ainda potencial para reduzir o custo total de posse (TCO) dos sistemas de informação em determinados cenários (exemplo nos sistemas de informação com grande variabilidade de utilização). Por outro lado, no caso dos operadores ou fornecedores de serviços cloud, a escala e especialização significa que estes podem gerir a complexidade da infraestrutura que suporta as aplicações com um custo inferior ao dos seus clientes. Em terceiro lugar, para a HP existe uma maior orientação ao serviço que é imposta pela grande transparência na medição do fornecimento e uso dos recursos e pela flexibilidade com que estes se podem ajustar de acordo com as necessidades. Pedro Canas Ferreira salienta que, na perspectiva das áreas de negócio, o modelo cloud permite esconder a complexidade e os detalhes tecnológicos e torna simples monitorizar a qualidade do serviço prestado e dos recursos utilizados. Ora, esta visibilidade permite responsabilizar não apenas as áreas ou fornecedores que prestam esses serviços mas também as que os consomem o que promove um comportamento mais responsável e torna as decisões de negócio mais transparentes. Para o responsável pela inovação, esta flexibilidade permite garantir que esses recursos estão sempre disponíveis quando necessários (dentro de parâmetros razoáveis), podendo ser ajustados, para cima ou para baixo, de acordo com as necessidades. Por último, Pedro Canas Ferreira enunciou a possibilidade de as empresas acederem facilmente a recursos tecnológicos de terceiros de forma transparente e a uma escala nunca antes vista permite-lhes olhar para os modelos de negócio e para a organização das empresas de modo inovador. Resumindo, se juntarmos estes benefícios, (1) um novo modelo de consumo que liberta recursos financeiros, (2) uma melhor utilização de recursos tecnológicos que se

7 OUTSOURCING VII uma forma de outsourcing traduz em custos mais reduzidos, (3) uma orientação de serviço e flexibilidade e por último (4) a facilidade em inovar ao nível dos modelos de negócio, vemos que se abrem novas perspectivas de crescimento e inovação das empresas. Potencial não foi ainda explorado Aliás, para este responsável, claramente o potencial do cloud computing não foi explorado. Mudar ou incluir um novo paradigma numa organização cria sempre tensão que obriga a um processo de gestão de mudança, disse à Vida Económica. E explicou que a prática mostra que a resistência será tanto maior quanto maior Como ir (seguro) para cloud Os passos para avançar para a nuvem parecem simples: (1º) avaliar o potencial do modelo cloud, (2º) testar esse potencial e por fim (3) implementar e afinar continuamente esse modelo. Em primeiro lugar, há que avaliar com sinceridade se a tecnologia representa para a empresa uma vantagem competitiva que justifique um controlo elevado sobre a mesma ou se é apenas mais um custo de fazer negócio. Na esmagadora maioria dos casos, a tecnologia não é diferenciadora, diz Pedro Canas Ferreira. Mesmo nos casos em que pensamos que a tecnologia é diferenciadora, nem sempre é isso que se passa. Dois exemplos de empresas de diferentes dimensões: as empresas Netflix (streaming de filmes através da Internet) e Dropbox (armazenamento de ficheiros na Internet) são duas empresas de base tecnológica de enorme sucesso e nenhuma delas tem infraestrutura tecnológica própria. São ambas totalmente baseadas em modelos Cloud e focam-se apenas nos fatores diferenciadores do seu negócio. Em segundo lugar, planear e realizar um piloto com uma área onde se possa demonstrar o valor da solução. Áreas de grande variabilidade de utilização (ex. desenvolvimento e testes, processamentos mensais/anuais) são boas candidatas para provar redução de custos de infraestrutura. Áreas de colaboração e produtividade (ex.mail, CRM) são boas candidatas para provar redução de custos de gestão, particularmente no caso de empresas pequenas. Agilidade na resposta e transparência nos custos de consumo são benefícios base de qualquer solução cloud. Por ultimo, avaliar os resultados e escalar (ou não) o modelo cloud a outras áreas. A cloud não é certamente a solução para todos os casos mas sim mais um modelo que utilizado nos contextos adequados e que deverá ser integrado com modelos de TI tradicionais, naquilo que normalmente designamos por modelos convergentes ou híbridos. for a herança tecnológica ( legacy ) que possuem. Para as organizações que já possuem elevada maturidade nos seus processos de gestão de TI (por exemplo que utilizam processos ITIL), a mudança não será complicada e deve-se integrar naturalmente com as práticas existentes. No entanto, são poucas as organizações que estão neste estágio de maturidade, o que implica da parte dos fornecedores com experiência neste modelo um trabalho significativo de formação e acompanhamento dos seus clientes. As tecnologias associadas ao cloud computing promovem uma utilização mais eficiente da tecnologia a vários níveis. A indústria parece concordar com esta afirmação. O responsável pela inovação da HP justifica que, em primeiro lugar, porque aumentam o nível de utilização médio dos recursos tecnológicos e reduzem drasticamente os gastos energéticos (através da virtualização e consolidação). Por exemplo, em vez de 10 servidores com um nível de ocupação de 20%, podemos ter 1 servidor, mais potente, com uma utilização de 80% e menores gastos energéticos. Um paralelo semelhante acontece com a utilização de veículos individuais e os transportes públicos. 50 carros individuais gastarão bem mais do que 1 transporte público em plena capacidade, se o objetivo é deslocarmo-nos do ponto A ao ponto B. Em segundo lugar, a elevada automatização elimina muitas atividades manuais extraindo assim maior valor dos investimentos. Configurar recursos tecnológicos em grande escala (exemplo milhares de servidores) só é possível como elevados níveis de automatização. Em terceiro lugar, no caso dos operadores ou fornecedores de serviços cloud, a escala e especialização significa que estes podem gerir a complexidade da infraestrutura que suporta as aplicações com um custo inferior ao dos seus clientes. Por último, Pedro Canas Ferreira salientou o facto de a computação em nuvem ter ainda potencial adicional para reduzir o custo total de posse (TCO) dos sistemas de informação em determinados cenários, por exemplo nos sistemas de informação com grande variabilidade de utilização. Mais espaço na nuvem A grande maioria dos estudos mostra que os níveis de procura e utilização do modelo cloud estão a aumentar de uma maneira bastante previsível. Por isso, Pedro Canas Ferreira não tem dúvidas de que este irá ganhar o seu espaço. O que é difícil prever, diz, é como é que o lado da oferta se irá reorganizar em função desta evolução. Numa fase emergente, os principais fornecedores têm sido os inovadores disruptivos sem nada a perder. Isso não significa que os players tradicionais (neste caso fabricantes de equipamentos e telcos) estejam a dormir e na altura certa farão as suas aquisições e apresentarão as suas inovações, canibalizando o seu próprio mercado. A experiência e oferta da HP nesta área vem já de longa data. A empresa oferece soluções de Utility Computing e Grid Computing desde há vários anos para nichos de mercado com necessidades computacionais muito específicas como farmacêuticas, universidades, media, simulação financeira, etc. O modelo cloud assenta sobre muitos dos mesmos princípios, mas pressupõe massificação. Assim, a HP tem complementado essa experiência e o trabalho que desenvolve nos seus laboratórios desde há vários anos com aquisições importantes num ecossistema global de cloud: infraestrutura convergente, automatização, mean-based-computing, big-data, sustentabilidade, etc. Um dos diferenciadores da oferta tecnológica HP Converged Cloud é, segundo este responsável, a consistência de uma arquitetura e camada de gestão únicas para clouds privadas, públicas e TI tradicional e que permite movimentar cargas entre os modelos de modo totalmente transparente. Por exemplo, uma organização que tenha o seu mail num modelo de cloud privada e o queira colocar numa cloud pública poderá fazê-lo rapidamente e sem qualquer limitação. AppLabs reconhecida como uma das principais fornecedoras de outsourcing A AppLabs, uma empresa da CSC, foi recentemente nomeada para o Global Outsourcing 100 pela Associação Internacional de Profissionais de Outsourcing (IAOP) como um dos melhores fornecedores de serviços de outsourcing em 2012 na categoria Líderes. O Global Outsourcing 100 para 2012 reconhece os melhores fornecedores mundiais de serviços de outsourcing e os rankings são baseados nas candidaturas recebidas e avaliadas por um júri independente organizado pela IAOP. A inclusão da AppLabs na lista, pela segunda vez, demonstra o seu papel de liderança. A empresa foi já reconhecida em 2009, revelaram em comunicado. O presidente da IAOP, Michael Corbett, explicou que na economia atual é mais importante do que nunca, para os utilizadores finais de outsourcing, serem capazes de identificar e selecionar facilmente a empresa certa para as suas necessidades. Os rankings do Global Outsourcing 100 e World s Best Outsourcing Advisors são essenciais para as empresas que procuram líderes comprovados e organizações em ascensão na indústria do outsourcing. O Global Outsourcing 100 é um ranking independente avaliado de forma rigorosa que constitui uma referência para analisar a força da indústria como um todo e os respetivos fornecedores de serviços. Para constarem da lista, as empresas devem demonstrar excelência em categorias como dimensão e crescimento, experiência do cliente, profundidade e amplitude de competências e capacidades de gestão. Ricoh Portugal lança nova unidade de negócio A Ricoh Portugal anunciou o lançamento de uma nova unidade de negócio de serviços de TI. Integrando soluções informáticas de fabricantes como a APC, Cisco, Dell, Lenovo, Microsoft e Symentec, a Ricoh irá também disponibilizar serviços de assistência, instalação e integração com suporte multimarca. Usando uma plataforma de suporte remoto unificada em todo o grupo Ricoh na Europa, e que conta já com milhares de clientes, a Ricoh Portugal disponibiliza agora um novo serviço que se pode classificar de classe enterprise, mas que está disponível a todas as PME por preços que a empresa, em comunicado, apelidou de muito acessíveis. Estes serviços permitem uma redução efectiva dos custos operacionais das empresas e melhorar os indicadores de disponibilidade dos sistemas informáticos. Englobando todos os aspectos de suporte aos utilizadores finais e à infraestrutura de servidores ou redes, os IT Services da Ricoh são baseados em preços claros e definidos, explicam no document enviado à imprensa. Além disso, permitem às empresas ter um único prestador de tecnologia e serviços, garantindo uma rápida resolução de incidentes relacionados com TI, bem como a contínua optimização das infraestruturas informáticas através da implementação de tecnologia dos melhores fabricantes do mercado.

8 VIII OUTSOURCING JOSÉ MANUEL DESCO, DIRETOR-GERAL DA T-SYSTEMS IBERIA Precisamos de compreender e adaptar o serviço às necessidades dos clientes Hoje não há outra forma de atuar. É preciso compreender e adaptar o serviço às necessidades dos clientes para poder prestar- -lhes um melhor serviço, com a máxima poupança de custos. José Manuel Desco, diretor-geral da T-Systems Iberia, salientou à Vida Económica o facto de players e clientes terem de falar o mesmo idioma, o que significa que os serviços tecnológicos têm que se ajustar unanimemente ao core business da empresa. SUSANA MARVÃO ENTRADA GRATUITA O outsourcing é uma realidade presente no nosso país. E a sua intensidade e utilização está em crescimento dentro do contexto global das TIC nas organizações. E, na verdade, no âmbito empresarial, as TIC têm sido essenciais e têm ajudado no progresso da sociedade, na poupança de tempo e dinheiro e na melhoria dos processos. No meio de tudo isto, aparece o cloud computing, visto como um destes serviços TIC, explicou à Vida Económica José Manuel Desco, diretor-geral da T-Systems Iberia. Aliás, na T-Systems, preferem ver o cloud computing como uma parceria, pois precisamos de compreender a complexidade dos sistemas das empresas e de nos adaptarmos a essa complexidade, bem como prestar muita atenção aos problemas funcionais. Por outro lado, disse José Manuel Desco, também precisamos de compreender e adaptar o serviço às necessidades dos clientes para podermos prestar-lhes um melhor serviço, com a máxima poupança de custos. Por último, o responsável salientou o facto de terem de falar o mesmo idioma, o que significa que os serviços tecnológicos têm que se ajustar unanimemente ao core business da empresa. Assim, temos que trabalhar em parceria para lhes oferecer serviços à medida que sejam flexíveis e para que nos vejam como PUB uma entidade de confiança e especializada que faz a gestão efetiva dos seus serviços de informação e telecomunicações e que, para além disto, também melhora os seus processos e os ajuda a rentabilizar o negócio da sua empresa. Há que definir estratégia de mobilidade Na realidade, com este tipo de solução, como o cloud computing, as empresas obtêm vantagens competitivas que podem marcar a diferença: poupar tempo até à comercialização dos produtos, serviços cuja capacidade se pode ampliar e reduzir rapidamente para além do investimento inicial reduzido em Tecnologias de Informação. Qualquer que seja o tamanho da empresa, José Manuel Desco diz que o melhor para avançar em cloud será, em primeiro lugar, definir a sua estratégia de mobilidade. Precisam de ser respondidas as perguntas-chave sobre os objetivos, conteúdos e serviços oferecidos assim como a sua preparação e transporte: que aplicações se têm que mobilizar primeiro? Quais os departamentos afetados? Deveriam os utilizadores usar os seus próprios dispositivos ou deverá a empresa fornecer os terminais móveis? Que protocolo de segurança deverá ser utilizado e aplicado como referência? O que precisa de ser feito para organizar cada processo? Que software controla os sistemas centrais de ERP e conecta com as aplicações? Em segundo lugar, há que ponderar a questão da segurança móvel. Os terminais e os seus sistemas de controlo estão entre os maiores desafios. O amplo espetro de dispositivos utilizados significa que a segurança tem uma maior prioridade. Tanto com os dados pessoais, tais como fotos e vídeos ou aplicações SAP críticas: no futuro será possível aceder aos mesmos dados a partir de muitos dispositivos. Na nuvem privada os dados deverão ser guardados com um nível de segurança especialmente alto e devem estar disponíveis de forma fiável em qualquer lugar, em qualquer momento e tão rápido quanto possível. Tudo isto, diz José Manuel Desco, se aplica a toda a panóplia de terminais disponíveis. Em comparação com a monocultura do PC, os smartphones e os tablets necessitam uma gestão de segurança significativamente maior. O desafio encontra-se em integrar perfeitamente qualquer tipo de terminal com o sistema informativo da empresa, independentemente do fabricante ou do sistema operativo. Por último, o responsável diz ser necessário considerar o empregado móvel. Este é um ponto que é subestimado com frequência. Somente conseguiremos que o empregado utilizar o seu tempo de trabalho com maior efetividade e incrementar a produtividade se as aplicações móveis conseguirem que o trabalho do empregado seja mais fácil e, assim, o empregado sentir uma melhoria. Cloud já está nas empresas A verdade é que, em Portugal, os serviços de cloud computing já fazem parte da estratégia das empresas para as Tecnologias da Informação, mas ainda não com tanta força como em Espanha. 38% das empresas portuguesas, segundo um estudo de IDC, estão a contemplar esta solução e 10% já a utilizam. Com cada vez mais empresas portuguesas na nuvem, vão surgindo muitos casos de sucesso pelo que acredito que, até 2015, este número irá aumentar. Também para Portugal, IDC aponta vários segmentos nos quais o investimento poderá vir a crescer sendo que o Cloud Computing ocupa uma posição de topo. José Manuel Desco salienta que o contexto de mudança constante que estamos a viver leva-nos a precisar e a procurar serviços que sejam orientados para a virtualização e mobilização dos postos de trabalho das empresas. Cada vez viajamos mais e trabalhamos em ambientes mais globalizados, um fator que devido à nuvem podemos solucionar uma vez que nos permite ocupar-nos das nossas atividades desde qualquer lugar, qualquer dispositivo e em qualquer momento. Ou seja, a nuvem conseguiu levar a inovação a todas as empresas sem que estas precisem de fazer um investimento sacrificado. Mas, para José Manuel Desco, ainda existe muito potencial por explorar. O seu carácter móvel, dinâmico, colaborativo, seguro e responsável convertem-na numa das tendências mais fortes do momento e que pouco a pouco vai assentando tanto no nosso país como no resto da Europa. No entanto, defende a necessidade de pensar o cloud computing enquanto serviço dinâmico e flexível cada empresa adapta-o às suas necessidades e explora o seu potencial à sua própria medida.

Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais

Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais 1. Tendências na impressão e gestão documental 2. Modelo de maturidade da impressão e gestão documental 3. Q&A 2 Uma nova plataforma

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

Estado da Nação das TIC em Angola

Estado da Nação das TIC em Angola Estado da Nação das TIC em Angola CIO AGENDA ANGOLA 2013 AS TI TI COMO ALAVANCA DE CRESCIMENTO DO NEGÓCIO 21 de Maio, Hotel Sana Epic, Luanda Gabriel Coimbra General Manager, IDC Angola gcoimbra@idc.com

Leia mais

IP Communications Platform

IP Communications Platform IP Communications Platform A Promessa de Convergência, Cumprida As comunicações são essenciais para os negócios mas, em última análise, estas são conduzidas a nível pessoal no ambiente de trabalho e por

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais

ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais Patrocinado por: Microsoft Versão Preliminar - Março 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO IDC Portugal:

Leia mais

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Cloud Computing é a denominação adotada para a mais recente arquitetura de sistemas informáticos. Cada vez mais empresas

Leia mais

Adapte. Envolva. Capacite.

Adapte. Envolva. Capacite. Adapte. Envolva. Capacite. Ganhe produtividade em um Ambiente de trabalho digital #DigitalMeetsWork Os benefícios de um ambiente de trabalho digital têm impacto na competitividade do negócio. Empresas

Leia mais

DOSSIER DE IMPRENSA 2015

DOSSIER DE IMPRENSA 2015 DOSSIER DE IMPRENSA 2015 A Empresa A Empresa A 2VG é uma empresa tecnológica portuguesa criada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado das tecnologias de informação e comunicação

Leia mais

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento O QUE É IMPRESCINDÍVEL NUMA SOLUÇÃO DE ORÇAMENTAÇÃO E PREVISÃO? Flexibilidade para acomodar mudanças rápidas; Usabilidade; Capacidade de integração com as aplicações a montante e a jusante; Garantir acesso

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Culture OnLine, 5-7.6 Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Peering down the Wormhole Dr. Susan Hazan Filomena Pedroso Realidade Empresarial em Portugal Incerteza nos mercados recomenda

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Posicionando-se para o futuro da computação em nuvem no Brasil

Posicionando-se para o futuro da computação em nuvem no Brasil Posicionando-se para o futuro da computação em nuvem no Brasil A parceria estratégica global estabelecida entre a Capgemini e a EMC acelera o desenvolvimento e o fornecimento de soluções de última geração

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

Aumente o seu negócio e faça crescer o seu lucro com o Programa de Parceiros APC

Aumente o seu negócio e faça crescer o seu lucro com o Programa de Parceiros APC Aumente o seu negócio e faça crescer o seu lucro com o Programa de Parceiros APC Desenhado em função do seu negócio e concebido para ajudá-lo a ser competitivo num mercado em transformação De que necessita

Leia mais

CEO Briefing Portugal 2015 The Economist. A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas

CEO Briefing Portugal 2015 The Economist. A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas CEO Briefing Portugal 2015 The Economist A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas 92% dos executivos portugueses acreditam que as suas empresas dispõem de capacidades

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03 Os Business Angels são, geralmente, os primeiros investidores que o empreendedor conhece e, por isso, o seu papel é crucial nas primeiras etapas da empresa. Este é um negócio de alto risco, já que muitas

Leia mais

18h00: Apresentação de resultados (Carlos Gonçalves, João Nuno Ferreira, João Mota Lopes) 18h50: Encerramento (André Vasconcelos)

18h00: Apresentação de resultados (Carlos Gonçalves, João Nuno Ferreira, João Mota Lopes) 18h50: Encerramento (André Vasconcelos) Dia 27 de Outubro, 14h00 - Agenda 1. Apresentação geral auditório (30+45minutos) 14h00: Receção dos convidados 14h30: Abertura (Rogério Carapuça) 14h40: Políticas Infra-estruturas TIC na Administração

Leia mais

90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional

90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional Michael Page lança Barómetro de TI 90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional Lisboa, 21 de Julho de 2015 A Michael Page, empresa líder em recrutamento de quadros médios e superiores,

Leia mais

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico.

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. TECH DOSSIER Transforme a TI Transforme a empresa Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. Consolidar para conduzir a visibilidade da empresa e a

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Rumo à Integração de Segurança. IDC FutureScape IT Security Products and Services 2015 Predictions

Rumo à Integração de Segurança. IDC FutureScape IT Security Products and Services 2015 Predictions Rumo à Integração de IDC FutureScape IT Security Products and Services 0 Predictions ª Plataforma Processo de Decisão Evolução da ª Plataforma focalizada no risco do acesso a servidores centralizados e

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Mudança Empresários portugueses ainda têm défice de informação sobre vantagens do cloud computing. PME mais. competitivas com a 'nuvem'

Mudança Empresários portugueses ainda têm défice de informação sobre vantagens do cloud computing. PME mais. competitivas com a 'nuvem' Mudança Empresários portugueses ainda têm défice de informação sobre vantagens do cloud computing PME mais competitivas com a 'nuvem' Textos JOÃO RAMOS e NICOLAU SANTOS Fotos ALBERTO FRIAS *S^ sector das

Leia mais

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic CUSTOMER SUCCESS STORY Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Companhia: Globalweb Outsourcing Empregados: 600 EMPRESA A Globalweb

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015 Quem é a 2VG? A Empresa A 2VG Soluções Informáticas SA., é uma empresa tecnológica portuguesa, fundada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado

Leia mais

O seu escritório na nuvem - basta usar o browser.

O seu escritório na nuvem - basta usar o browser. 02 O seu escritório na nuvem - basta usar o browser. As soluções tecnológicas que encontra para melhorar a colaboração na sua empresa são muito caras e complexas? Pretende tornar as suas equipas mais ágeis

Leia mais

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS Eliminação de Barreiras à livre Prestação de Serviços Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Esquema 1. PORTUGAL- UMA ESPECIALIZAÇÃO COM

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

w w w. y e l l o w s c i r e. p t

w w w. y e l l o w s c i r e. p t consultoria e soluções informáticas w w w. y e l l o w s c i r e. p t A YellowScire iniciou a sua atividade em Janeiro de 2003, é uma empresa de consultoria de gestão e de desenvolvimento em tecnologias

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Study Jeff Loucks/Richard Medcalf Lauren Buckalew/Fabio Faria O número de dispositivos de consumerização de TI nos seis países

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI?

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? SUMÁRIO EXECUTIVO Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? EM ASSOCIAÇÃO COM A TERCEIRIZAÇÃO DE RH LIBERA AS EQUIPES DE TI Nove em cada 10 CIOs se preocupam em reter os melhores

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação A Engenharia Portuguesa no Mundo Internacionalização e Exportação CARLOS MATIAS RAMOS, Bastonário da Ordem dos Engenheiros Começo por citar um texto da autoria do Eng. Ezequiel de Campos, que consta do

Leia mais

Documento técnico de negócios Gerenciamento de nuvens híbridas

Documento técnico de negócios Gerenciamento de nuvens híbridas Documento técnico de negócios Gerenciamento de nuvens híbridas Uma solução de gerenciamento de nuvens abrangente, segura e flexível Documento técnico de negócios Página 2 Frente às tendências significativas

Leia mais

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal 1 Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal As alterações verificadas no comportamento dos consumidores, consequência dos novos padrões

Leia mais

10 Dicas para uma implantação

10 Dicas para uma implantação 10 Dicas para uma implantação de Cloud Computing bem-sucedida. Um guia simples para quem está avaliando mudar para A Computação em Nuvem. Confira 10 dicas de como adotar a Cloud Computing com sucesso.

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Por Antonio Couto. Autor: Antonio Couto Enterprise Architect

Por Antonio Couto. Autor: Antonio Couto Enterprise Architect Cloud Computing e HP Converged Infrastructure Para fazer uso de uma private cloud, é necessário crescer em maturidade na direção de uma infraestrutura convergente. Por Antonio Couto O que é Cloud Computing?

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

Apresentação da empresa

Apresentação da empresa Apresentação da empresa A SOFTIMPULSE é uma nova empresa de tecnologias de informática criada para dar resposta ao desenvolvimento da sua empresa. A SOFTIMPULSE integra soluções revolucionárias e tecnologicamente

Leia mais

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa EUROPA: RESULTADOS DA INVESTIGAÇÃO Elaborado por Research em colaboração com a SAP Patrocinado por O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa LÍDERES FINANCEIROS PRONUNCIAM-SE SOBRE A SUA MISSÃO

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma

Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma 1 IDC - Equipe Pietro Delai Reinaldo Sakis João Paulo Bruder Luciano Ramos Gerente de Pesquisa e Consultoria -Enterprise Gerente de Pesquisa

Leia mais

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem Professional Folheto Professional A HP oferece um portfólio abrangente de serviços profissionais em nuvem para aconselhar, transformar e gerenciar sua jornada rumo

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Introdução Introdução A empresa de pesquisa IDC prevê que mais da metade dos trabalhadores usarão ferramentas

Leia mais

Cloud Computing Visão PT Cisco Roadshow 2010. Bruno Berrones Funchal, 27 de Maio de 2010

Cloud Computing Visão PT Cisco Roadshow 2010. Bruno Berrones Funchal, 27 de Maio de 2010 Cloud Computing Visão PT Cisco Roadshow 2010 Bruno Berrones Funchal, 27 de Maio de 2010 Agenda Desafios para as Empresas Extrair valor do Cloud Computing O papel da PT 1 Inovação é a resposta para garantir

Leia mais

www.pwc.pt Room to grow European cities hotel forecast 2014 César Gonçalves Susana Benjamim 19 março 2014

www.pwc.pt Room to grow European cities hotel forecast 2014 César Gonçalves Susana Benjamim 19 março 2014 www.pwc.pt Room to grow European cities hotel forecast 2014 César Gonçalves Susana Benjamim 19 março 2014 Introdução 3ª edição do European cities hotel forecast; enquadrada pela 2ª vez; Colaboração da

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

tecnologias para o seu sucesso tecnologias de informação

tecnologias para o seu sucesso tecnologias de informação tecnologias para o seu sucesso tecnologias de informação A experiência ao serviço do sucesso. A Alvo é uma empresa tecnológica nacional líder na implementação e suporte de soluções inovadoras de software

Leia mais

Otimismo desenvolvedoras de softwares

Otimismo desenvolvedoras de softwares Otimismo nas nuvens Ambiente favorável alavanca negócios das empresas desenvolvedoras de softwares, que investem em soluções criativas de mobilidade e computação em nuvem para agilizar e agregar flexibilidade

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

O papel dominante da mobilidade no mercado de trabalho

O papel dominante da mobilidade no mercado de trabalho Um perfil personalizado de adoção da tecnologia comissionado pela Cisco Systems Fevereiro de 2012 Dinâmica de ganhos com as iniciativas de mobilidade corporativa Os trabalhadores estão cada vez mais remotos,

Leia mais

Sobre a Claranet. Hosting Networks Applications. www.claranet.pt Email info@claranet.pt Tel 707 50 51 52. A Nossa Experiência. Presença Internacional

Sobre a Claranet. Hosting Networks Applications. www.claranet.pt Email info@claranet.pt Tel 707 50 51 52. A Nossa Experiência. Presença Internacional MANAGED NETWORKS_PORT_nv:bpack2005.qxd 13-10-2011 8:24 Page 1 Sobre a Claranet Fundada em 1996, a Claranet Evoluiu de Internet Service Provider, tendo sido o primeiro operador privado a surgir em Portugal,

Leia mais

Sem o recurso às tecnologias disponibilizadas pela Microsoft, a solução criada seria difícil de obter num tão curto espaço de tempo.

Sem o recurso às tecnologias disponibilizadas pela Microsoft, a solução criada seria difícil de obter num tão curto espaço de tempo. Caso de Sucesso Microsoft Finsolutia cria solução completa de suporte ao negócio com.net Framework 3.5 Sumário País: Portugal Indústria: Banking&Finance Perfil do Cliente A Finsolutia é uma joint venture

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Obtenha soluções em nuvem comprovadas para as suas prioridades mais urgentes Destaques da solução Saiba sobre os benefícios mais comuns de implementações

Leia mais

Liderança Empresarial A crise como alavanca de oportunidades. AEP Março.2012

Liderança Empresarial A crise como alavanca de oportunidades. AEP Março.2012 Liderança Empresarial A crise como alavanca de oportunidades AEP Março.2012 1/ Perfil Em busca da Excelência Missão Inovar com qualidade 1/ Perfil Trabalhamos diariamente no desenvolvimento de soluções

Leia mais

Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015

Mercado Único Digital Conferência ANACOM Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mário Campolargo Director, NET Futures European Commission

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? As ofertas de cloud pública proliferaram e a cloud privada popularizou-se. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

A Gestão da experiência do consumidor é essencial

A Gestão da experiência do consumidor é essencial A Gestão da experiência do consumidor é essencial Sempre que um cliente interage com a sua empresa, independentemente do canal escolhido para efetuar esse contacto, é seu dever garantir uma experiência

Leia mais

Sistemas IBM Flex & PureFlex

Sistemas IBM Flex & PureFlex Eduardo (Edu) Pacini Líder Plataforma PureFlex Brasil IBM Systems & Technology Group Sistemas IBM Flex & PureFlex A Tecnologia está liderando as mudanças que impactam os negócios 1 Fatores de impacto:

Leia mais

panorama do mercado brasileiro de Cloud Comput

panorama do mercado brasileiro de Cloud Comput panorama do mercado brasileiro de Cloud Comput Cloud Conf 2012 Agosto de 2012 Sobre a Frost & Sullivan - Consultoria Global com presença nos 4 continentes, em mais de 25 países, totalizando 40 escritórios.

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Mudanças das organizações e os SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n A mudança nos sistemas de informação das organizações é, ou deve ser, considerada

Leia mais

ZetesAthena Gestão in-store mais inteligente

ZetesAthena Gestão in-store mais inteligente ZetesAthena Gestão in-store mais inteligente WWW.ZETES.COM ALWAYS A GOOD ID Precisão de aprovisionamento para o retalhista omnicanal Evitar a perda de vendas As expetativas dos clientes estão a mudar e

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Convergência TIC e Projetos TIC

Convergência TIC e Projetos TIC TLCne-051027-P1 Convergência TIC e Projetos TIC 1 Introdução Você responde essas perguntas com facilidade? Quais os Projetos TIC mais frequentes? Qual a importância de BI para a venda de soluções TIC (TI

Leia mais

Otimizada para Crescimento:

Otimizada para Crescimento: Quinta Pesquisa Anual de Mudança na Cadeia de Suprimentos RESUMO REGIONAL: AMÉRICA LATINA Otimizada para Crescimento: Executivos de alta tecnologia se adaptam para se adequar às demandas mundiais INTRODUÇÃO

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

Do offshore ao homeshore: tendências para a localização de contact centres

Do offshore ao homeshore: tendências para a localização de contact centres Do offshore ao homeshore Do offshore ao homeshore: tendências para a localização de contact centres João Cardoso APCC Associação Portuguesa de Contact Centres (Presidente) Teleperformance Portugal OUTSOURCING

Leia mais

Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL

Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL 2011 Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL ÍNDICE Evolução de TI... 4 Metodologia... 6 Foco... 8 Conclusão 1: As diferenças entre expectativas e realidade revelam a evolução

Leia mais

Destaques do trimestre

Destaques do trimestre Resultados 3T12 Destaques do trimestre 1 Empresa integrada é líder no índice de satisfação do cliente 2 Líder indiscutível nos segmentos de maior receita com foco na geração de valor 3 Melhora sequencial

Leia mais

PUB. Interface. Banca &Seguros

PUB. Interface. Banca &Seguros Interface Banca &Seguros PUB DOSSIER Marketing Bancário: focos em tempo de crise RADAR Sistema financeiro no triângulo estratégico DOSSIER Tecnologias de informação e gestão de fraude Tendências Mobilidade

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

IDC FutureScape - Sumário Executivo

IDC FutureScape - Sumário Executivo IDC FutureScape - Sumário Executivo Cloud no Centro ª Plataforma TI Capacidade de Inovação Pipelines de Dados Intimidade com clientes @ escala Tudo Fonte: IDC, 0 Transformação Digital Em Finais de 0, Dois

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Business analytics conquista terreno

Business analytics conquista terreno Business analytics conquista terreno Surge como uma evolução natural do business inteliigence e alimenta-se da necessidade de as empresas obterem respostas cada vez mais exactas. O business analytics acaba

Leia mais

Vantagens competitivas das parcerias estratégicas entre empresas brasileiras e as subsidiárias das empresas globais Eduard de Lange

Vantagens competitivas das parcerias estratégicas entre empresas brasileiras e as subsidiárias das empresas globais Eduard de Lange Vantagens competitivas das parcerias estratégicas entre empresas brasileiras e as subsidiárias das empresas globais Eduard de Lange 15 de Fevereiro 2006 1 A TIVIT nasce da fusão entre a modernidade e o

Leia mais