Caracterização do outsourcing de serviços de sistemas de informação em grandes empresas portuguesas: características contratuais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caracterização do outsourcing de serviços de sistemas de informação em grandes empresas portuguesas: características contratuais"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Caracterização do outsourcing de serviços de sistemas de informação em grandes empresas portuguesas: características contratuais DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM TECNOLOGIAS DAS ENGENHARIAS MARIA DA GLÓRIA ROSAS FRAGA Vila Real, 2010

2 Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Curso de Mestrado em Tecnologias das Engenharias Caracterização do outsourcing de serviços de sistemas de informação em grandes empresas portuguesas: características contratuais Dissertação do curso de Mestrado em Tecnologias das Engenharias de Maria da Glória Rosas Fraga Dissertação submetida à Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Tecnologias das Engenharias, elaborada sob a orientação do Prof. Doutor João Eduardo Quintela Alves de Sousa Varajão. Vila Real, 2010

3 Eu não posso mudar a direção do vento, mas eu posso ajustar as minhas velas para sempre alcançar o meu destino. Jimmy Deam

4 iv Agradecimento Começo por agradecer ao Sr. Professor Doutor Bulas Cruz, Presidente da Escola das Ciências e Tecnologia e Director do Mestrado em Tecnologias das Engenharias, por me ter proporcionado os meios para realizar este trabalho e, pelos conselhos sábios que me dispensou e que me permitiram seguir um caminho num momento confuso da minha vida. Devo esta dissertação ao Sr. Professor Doutor João Varajão, que me possibilitou integrar a equipa do projecto OSSI 2008 PT Outsourcing de serviços de sistemas de informação em Portugal, dando origem ao trabalho que aqui foi desenvolvido. Agradeço a sua valiosa orientação, a transmissão de conhecimentos, a sua infindável paciência na revisão dos textos e o seu estado de espírito sempre positivo, que me permitiu manter a motivação necessária à conclusão deste trabalho. Agradeço à Nádia, que durante meses me acompanhou no projecto Secretaria Virtual da UTAD e na equipa do projecto OSSI 2008 PT, não apenas a ajuda no trabalho desenvolvido, mas todo o apoio e a paciência com que lidou com os meus momentos de bom e mau humor. À Berta, amiga de toda a vida, que me aconselhou tantas vezes e me auxiliou com a sua experiência, permitindo-me melhorar o trabalho com a sua leitura e, enriquecer o meu conhecimento.

5 v À Sonja, amiga das cantorias da Tuna Académica e que teve aqui a atitude necessária para me traduzir o abstract. Aos meus pais, a quem tudo devo, e que tantas vezes renunciaram aos seus sonhos para que eu realizasse os meus. Reconheço tudo o que fizeram para que eu mantivesse a estabilidade e equilíbrio necessário para realizar esta dissertação. Agradeço ao Francisco, por não se zangar comigo sempre que eu não podia prestar-lhe a atenção de que precisava. Fica a promessa de que será recompensado. Ao Abel, cujo apoio, incentivo e a compreensão pelo sacrifício de momentos que poderíamos ter passado juntos, foram inestimáveis. Ao Dadito, à Márcia, à Laura e à Avó Ana, pelo apoio e pelo carinho que sempre me dedicaram. Finalmente, agradeço a todos aqueles que, directa ou indirectamente, contribuíram para que este trabalho fosse realizado. A todos muito obrigado!

6 vi Resumo O outsourcing de serviços de sistemas de informação, hoje uma prática de gestão bem consolidada, apresenta-se como uma opção estratégica para as empresas e continua a evoluir aos mais vários níveis, quer na dimensão, quer no tipo de contratos realizados. Com a finalidade de identificar os serviços que são mais frequentemente sujeitos a outsourcing e melhor compreender como é conduzido o processo de contratação, foi realizado um estudo com base num inquérito dirigido a gestores de sistemas de informação de grandes empresas em Portugal. O estudo realizado possibilitou identificar os serviços de sistemas de informação usualmente contratados, os principais critérios usados na selecção de fornecedores, os aspectos considerados na elaboração de contratos, as dificuldades que tipicamente surgem nos relacionamentos entre clientes e fornecedores, bem como os mecanismos adoptados para a resolução de conflitos.

7 vii Abstract The information systems outsourcing, a management practice well established nowadays, presents itself as a strategic option for companies and continues to evolve at various levels, either in size or in type of contracts. In order to identify the services that are more outsourced and better understand how the hiring process is conducted, it was made a study based on a survey sent to information systems managers from large companies in Portugal. The study allowed to identify the information systems services usually outsourced, the main criteria used in selecting suppliers, the aspects considered in contracts, the difficulties that typically arise in relationships between customers and suppliers, as well as the mechanisms adopted for conflict resolution.

8 viii Índice Geral Agradecimentos Resumo Abstract Índice Geral Índice de Tabelas Índice de figuras Acrónimos iv vi vii viii x xi xii 1 Introdução Enquadramento, motivações e objectivos Estrutura da dissertação 4 2 Outsourcing de serviços de sistemas de informação Importância do outsourcing Serviços de sistemas de informação Contratação de serviços Critérios usados na escolha de fornecedores Aspectos a considerar na celebração de contratos Dificuldades que tipicamente surgem nos relacionamentos Situações de conflito com fornecedores Resolução de conflitos 28 3 Método de investigação Descrição do método seguido no estudo Perfil das entidades participantes 31 4 Apresentação e discussão de resultados Serviços de sistemas de informação sujeitos a outsourcing 35

9 ix 4.2 Principais critérios utilizados na escolha de fornecedores Aspectos que são considerados aquando a celebração de um contrato de outsourcing Duração média dos contratos de outsourcing Dificuldades verificadas na relação com os fornecedores O que normalmente origina situações de conflito com os fornecedores Evolução das dificuldades ao longo do tempo de duração do contrato Mecanismos de gestão de situações de conflito 49 5 Conclusão Síntese do trabalho realizado Principais contributos e limitações Trabalho Futuro 54 Referências 55 Anexo Questionário 63

10 x Índice de Tabelas Tabela 1 - Volume de negócios das empresas participantes no estudo realizado 31 Tabela 2 - Número de utilizadores finais de tecnologias da informação nas empresas participantes no estudo realizado 32 Tabela 3 - Orçamento do departamento de sistemas de informação ou similar das empresas participantes no estudo realizado 33

11 xi Índice de Figuras Figura 1 - Áreas do outsourcing de sistemas de informação abordadas nesta dissertação 3 Figura 2 - Estrutura da dissertação 4 Figura 3 - Principais tendências de evolução de serviços de sistemas de informação 10 Figura 4 - Factores de sucesso num processo de outsourcing 14 Figura 5 - Evolução da origem do conflito 25 Figura 6 - Evolução das dificuldades ao longo de um acordo de outsourcing de sistemas de informação 25 Figura 7 - Formas de resolução de conflitos entre cliente e fornecedores 28 Figura 8 - Volume de negócios das empresas participantes no estudo realizado 32 Figura 9 - Número de utilizadores finais de tecnologias da informação nas empresas participantes no estudo realizado 32 Figura 10 - Orçamento do departamento de sistemas de informação ou similar das empresas participantes no estudo realizado 33 Figura 11 - Serviços de sistemas de informação sujeitos a outsourcing pelas grandes empresas portuguesas 36 Figura 12 - Serviços de sistemas de informação sujeitos a outsourcing nas grandes empresas (ranking). 37 Figura 13 - Principais critérios utilizados na escolha de fornecedores 39 Figura 14 - Principais critérios utilizados na escolha de fornecedores (ranking) 40 Figura 15 - Aspectos que são considerados aquando da celebração de um contrato de outsourcing 43 Figura 16 - Duração média dos contratos de outsourcing 44

12 xii Figura 17 - Dificuldades verificadas na relação com os fornecedores 46 Figura 18 - O que normalmente origina situações de conflito com os fornecedores 47 Figura 19 - Evolução das dificuldades ao longo do tempo de duração do contrato 49 Figura 20 - Mecanismos de gestão de situações de conflito 50

13 xiii Acrónimos Nesta dissertação são utilizadas abreviaturas de designações comuns apenas apresentadas aquando da sua primeira utilização: ASP BPO OTI SI TI SaaS SLA Application Service Provider Business Process Outsourcing Outsourcing de Tecnologias da Informação Sistemas de Informação Tecnologias da Informação Software as a Service Service Level Agreement

14 1 Introdução A exigência e a pressão que as empresas sofrem todos os dias para conseguirem sobreviver num meio em que a competição é agressiva, leva os seus gestores a procurar soluções que lhes permita fazer mais com menos. A grave crise que se tem vivido nos últimos anos obriga as empresas a serem mais eficientes e é um impulsionador da contratação de serviços. Várias soluções têm que ser consideradas pelas empresas para aumentar a produtividade, gerir melhor os recursos, quer financeiros, humanos ou materiais, e permanecer na linha da frente das bem sucedidas, mantendo em muitos casos os orçamentos ou até mesmo reduzindoos. A procura de uma maior eficiência e da redução de custos leva as organizações a aumentarem a sua especialização num número limitado de áreas chave, encontrando no outsourcing uma solução para obter melhorias do desempenho de várias das suas actividades (McIvor, 2008). O recurso ao outsourcing continua a crescer em todos os sectores da economia, principalmente na área de serviços de tecnologias da informação (TI) (Ferreira e Laurindo, 2009).

15 Capítulo 1 2 A IDC aponta o Outsourcing de TI como o segmento dos serviços de TI com maior potencial de crescimento até 2012 e prevê que em Portugal, de 2008 a 2012, se verifique um crescimento no mercado destes serviços a uma taxa de média anual de 5,5% (PORTALIDC, 2008). De acordo com a mesma fonte, o número de prestadores de serviços de outsourcing em Portugal tem aumentado significativamente, seguindo o exemplo do que acontece a nível europeu. No entanto, o número de experiências insatisfatórias com acordos de outsourcing tem sido significativo (Delloite, 2005) pelo que, nestas situações, impõe-se uma revisão das estratégias e tácticas usadas no processo de obtenção de serviços por este meio. O índice de fracasso situa-se ainda entre 40% a 70% dos contratos e no centro do problema está o conflito de interesses inerente a qualquer acordo de outsourcing (CXO, 2009a). Nas secções seguintes é feito um breve enquadramento do tema desta dissertação, apresentando-se as circunstâncias em que o trabalho se insere. Abordam-se também as motivações e os objectivos traçados e, por fim, é apresentada a estrutura desta dissertação. 1.1 Enquadramento, motivações e objectivos Apesar das expectativas com que se inicia um processo de outsourcing de sistemas de informação (SI), o resultado final de um acordo deste tipo é sempre uma incógnita no momento da sua assinatura. Elaborar o contrato adequado é necessário mas não é o suficiente. É igualmente importante garantir uma relação colaborativa com o fornecedor, baseada na gestão eficaz do contrato e na confiança, e assim agregar valor a uma relação de outsourcing. Uma relação de animosidade entre clientes e fornecedores pode reduzir significativamente o valor do negócio (CXO, 2009b). Vários estudos foram realizados procurando identificar os determinantes de sucesso de um acordo de outsourcing de serviços de SI. Lacity et al. (2009) fazem inclusive uma compilação da informação encontrada na literatura, que é sumariamente apresentada durante a revisão bibliográfica deste trabalho, onde identificam três categorias de determinantes: decisão de outsourcing de TI, gestão contratual e gestão relacional. Esta dissertação baseia-se na assunção de que a gestão relacional e a gestão contratual se complementam como determinantes do sucesso de um processo de outsourcing de SI e

16 Capítulo 1 3 explora as grandes áreas de estudo do outsourcing apresentadas na Figura 1: motivações e riscos, serviços de sistemas de informação, selecção de fornecedores, contratos e conflito. Outsourcing de sistemas de informação Motivações e riscos Serviços de sistemas de informação Selecção de fornecedores Contratos Conflito Figura 1 - Áreas do outsourcing de sistemas de informação abordadas nesta dissertação Reconhecendo a importância actual do outsourcing de serviços de SI, este trabalho propõe-se contribuir para a caracterização de diversos aspectos da realidade do outsourcing de SI em grandes empresas, nomeadamente: serviços sujeitos a outsourcing; critérios usados na selecção dos fornecedores; aspectos tidos em conta na elaboração dos contratos; dificuldades identificadas no decorrer do relacionamento de outsourcing; eventuais situações de conflito e formas adoptadas para as resolver. Para tal foi realizado um estudo baseado num questionário, o qual foi dirigido aos gestores de sistemas de informação de grandes empresas portuguesas. Após a recolha dos dados, efectuou-se o respectivo tratamento usando estatística descritiva. A análise e discussão dos resultados permitiu chegar a conclusões que são úteis a empresas e fornecedores, uma vez que servem de orientação para a adopção de mecanismos de contratação mais eficazes, tendo por referência o que revela a prática.

17 Capítulo Estrutura da dissertação O presente documento está estruturado em cinco capítulos, s, como é possível observar na Figura 2. Capitulo 1 Introdução Capitulo 2 Outsourcing de serviços de sistemas de informação Capitulo 3 Método de investigação Capitulo 4 Apresentação e discussão de resultados Capitulo 5 Conclusão Figura 2 - Estrutura da dissertação No capítulo 1 é feita uma breve introdução ao tema do outsourcing de sistemas de informação e são referidas as as a motivações e objectivos desta dissertação, bem como a sua estruturação. No capítulo 2 é efectuada a revisão da literatura sobre a obtenção de ser serviços de sistemas de informação. Com om base em diversos autores, são referidos quais os serviços de sistemas de informação tipicamente sujeitos a outsourcing, as motivações que levam as organizações a optar pelo outsourcing, utsourcing, quais os riscos inerentes, os aspectos a considera considerar na elaboração de contratos e os critérios utilizados na selecção de fornecedores. No capítulo 3 é apresentado o método de investigação seguido e é efectuada a caracterização das entidades envolvidas. envo No capítulo 4 são apresentados e discutidos os resultados obtidos com base numa análise descritiva, organizada em grupos temáticos. Finalmente no capítulo 5 é efectuada uma síntese síntese do trabalho desenvolvido e é referida a continuidade desejada do trabalho. trabalho

18 2 Outsourcing de serviços de sistemas de informação As tecnologias da informação (TI) e os sistemas de informação (SI) desempenham um papel absolutamente central e crucial nas organizações, o que se torna particularmente evidente quando olhamos para grandes empresas. À medida que o tempo passa, torna-se claro que sem um uso eficiente das TI/SI as empresas não podem ser competitivas ou gerar lucro e, na grande maioria dos casos, a sua própria sobrevivência depende dessa capacidade (Varajão, 2002; Trigo et al., 2007). A crescente adesão ao outsourcing reflecte uma crença subjacente de que este cria valor para as empresas (Koh et al., 2007), sendo considerado uma das formas mais eficazes que as organizações encontram para equilibrar a equação da evolução tecnológica, redução de custos e melhoria de qualidade de serviço (Maculuve e Rodrigues, 2002). Ao longo deste capítulo são apresentados conceitos de outsourcing, as motivações que lhe são tipicamente inerentes, os riscos que comporta e os principais serviços de sistemas de informação que têm vindo a ser sujeitos a outsourcing. São também abordados os critérios habitualmente tidos em consideração na escolha dos fornecedores, os aspectos considerados na elaboração de contratos e são ainda identificadas as principais dificuldades que surgem no relacionamento cliente/fornecedor, bem como possíveis alternativas de gestão de situações de conflito.

19 Capítulo Importância do outsourcing São inúmeras as definições de outsourcing de serviços de sistemas de inforamção encontradas na literatura. Lacity e Hirschheim (1993), por exemplo, apresentam o outsourcing como um processo de obtenção de bens ou serviços, que anteriormente eram desenvolvidos no interior da organização. Dhar e Balakrishran (2006) definem o outsourcing como: o acto de transferir parte ou a totalidade das decisões relacionadas com as TI, processos de negócio, actividades internas e serviços para um fornecedor externo, que desenvolve e gere estas actividades de acordo com entregas pré-estabelecidas, padrões de performance e resultados, como determinado no contrato. O Portal Executivo (2007) refere-se ao outsourcing como: um processo através do qual uma organização (contratante) contrata outra (contratado), na perspectiva de manter com ela um relacionamento mutuamente benéfico, de médio ou longo prazo, com vista ao desempenho de uma ou várias actividades, que a primeira não pode ou não lhe convém desempenhar e na qual a segunda é tida como especialista. O outsourcing de SI tem vindo a ser adoptado como estratégia de negócio por mais e mais empresas, na expectativa de permitir reduzir e controlar custos, aumentar a eficiência e possibilitar o foco nas competências nucleares (Hongxun et al., 2006). Efectivamente, o outsourcing apresenta-se como uma ferramenta útil a uma organização que, tendo que gerir recursos escassos, necessita de concentrar a sua atenção no seu core business e nas suas competências chave. Têm sido vários os estudos que permitiram identificar as principais motivações que levam as organizações a recorrer ao outsourcing dos seus sistemas e os resultados nem sempre são convergentes no que diz respeito à sua classificação por ordem de importância atribuída.

20 Capítulo 2 7 Mais ou menos consensual é o conjunto de motivações em si, identificadas por vários autores (Lacity e Hirschheim, 1993; BRIEFS, 1996; Minneman, 1996; Varajão, 2001; Frost & Sullivan, 2005; Kakumanu e Portanova, 2006; The Outsourcing Institute, 2008; Lacity et al., 2009): Acesso a serviços especializados; Acesso a competências e recursos humanos especializados; Acesso a competências de negócio; Alteração das estruturas organizacionais; Controlo de custos; Redução de custos; Redução da necessidade de investimento; Obtenção de capital através da venda de recursos internos; Alinhamento da necessidade de recursos com a sua aquisição; Melhoria do balanço contabilístico da empresa; Melhoria de processos; Obtenção de recursos não disponíveis internamente; Melhoria da gestão de sistemas de informação; Concentração no negócio (foco no core-business); Redireccionamento de recursos; Acesso a tecnologias da informação de ponta; Flexibilidade na mudança; Partilha de riscos dos investimentos; Motivações políticas.

21 Capítulo 2 8 Num conjunto relativamente numeroso de razões que levam as empresas a recorrer ao outsourcing para o fornecimento de serviços de SI, Lacity et al. (2009) afirmam que a redução de custos tem sido o factor mais significativo ao longo das ultimas duas décadas. As vantagens potenciais do outsourcing são várias, porém existe também uma série de riscos que lhe estão associados e que não podem ser ignorados (Lacity e Hirschheim, 1993; Shepherd, 1999; Willcocks et al. 1995; Willcocks et al.,1999; Varajão, 2002; Gonzalez et al., 2006; Lacity et al., 2009) como, por exemplo: Problemas de segurança relacionados com o serviço; Um balanço por vezes pouco claro entre custos e benefícios; A possibilidade de resistência por parte do staff de sistemas de informação; Uma excessiva dependência para com o fornecedor; A incapacidade de adaptação a novas tecnologias; A irreversibilidade da decisão após tomada; Os custos escondidos gerados pelo contrato; A perda de conhecimento da organização cliente; Diferenças culturais entre cliente e fornecedor; Incumprimento do contrato por parte do fornecedor; Incapacidade de gestão da relação com o fornecedor; Contratos pouco flexíveis; Infracção dos direitos de propriedade intelectual; Falta de confiança; Falta de autonomia e perda de controlo sobre as decisões de TI; Perda de controlo sobre os dados; Perda de controlo sobre o fornecedor.

22 Capítulo 2 9 De modo a maximizar as vantagens e a mitigar os riscos, estes devem ser claramente identificados e criados mecanismos de gestão eficazes. 2.2 Serviços de sistemas de informação A evolução do outsourcing de serviços de TI reflecte, em geral, a evolução das tecnologias de informação (Dahlberg e Nyrhinen, 2006). O início do outsourcing de SI pode situar-se nos anos 1960s e 1970s, altura em que as empresas contratavam essencialmente tempo de processamento e serviços que facilitassem o trabalho de gestão. Nos primeiros anos da computação, os computadores mainframes tinham um custo demasiado elevado e obrigavam as empresas a recorrer a fornecedores externos para a realização dos vários serviços de que necessitavam. Recorria-se frequentemente ao timesharing, em que várias organizações partilhavam o tempo de processamento e os serviços de processamento de dados. Nos anos de 1970s surge o conceito de pacotes de aplicações standard. Procurando dar resposta ao aumento da exigência das aplicações e ao problema de não existirem recursos humanos especializados, a contratação de programadores tornou-se o serviço de outsourcing mais utilizado nestes anos (Lee et al., 2003). Nos anos 1980s reforçou-se a crença de que as TI possibilitavam a obtenção de vantagens competitivas para as empresas e assistiu-se a um aumento no investimento relacionado com a aquisição de novos sistemas. O aparecimento dos minicomputadores e dos sistemas cliente/servidor tornou possível às empresas possuirem os seus próprios centros de dados. O aumento da eficiência nesta altura era conseguido através da contratação de programadores, do uso de pacotes de aplicações standard e serviços especializados de processamento (Dahlberg e Nyrhinen, 2006), porém as tarefas mais complexas eram realizadas pelos departamentos internos de TI. O acordo assinado em 1989 entre a KODAK e a IBM, em que a KODAK transferiu os seus sistemas de telecomunicações para a Digital Equipment Corp. e a microinformática para a Businessland, tendo sido considerado um acordo pouco habitual (Varajão et al., 2008), criou uma grande agitação na indústria de tecnologias da informação e acabou por se tornar um marco na história do outsourcing, assistindo-se a partir desta altura a uma popularização do outsourcing de serviços de SI (Dibbern et al., 2004).

23 Capítulo 2 10 No início dos anos 1990s o interesse no outsourcing ganhou força, agora direccionado para serviços de gestão de redes e telecomunicações, integração de sistemas distribuídos, desenvolvimento de aplicações e operação de sistemas. Como a integração de sistemas envolve normalmente tecnologia complexa e heterogénea, como gestão de redes e telecomunicações, estes serviços são habitualmente acompanhados por formação e treino (Lee et al., 2003). Na última década, Lacity et al. (2009) identificaram outras tendências relacionadas com o tradicional outsourcing de serviços de TI (OTI), ou outsourcing de serviços de SI, nomeadamente o offshore outsourcing (forma de outsourcing em que se efectua a migração de serviços para um fornecedor estrangeiro), o Business Process Outsourcing (BPO) (outsourcing de processos da empresa) e os Aplication Service Provider (ASP) (fornecedores de outsourcing de serviços ou aplicações informáticas com base na Web), tendo este último serviço a designação mais recente de Software as a Service (SaaS). Na Figura 3 está representada a evolução dos principais tipos de serviço sujeitos a outsourcing, desde o que se considera o início da era do outsourcing de SI até aos anos mais actuais. 1960s Time-sharing Processamento de dados 1970s 1980s Time-sharing Processamento de dados Centros de dados próprios Contratação de programadores Aplicações standard Contratação de programadores Aplicações standard 1990s Gestão de redes e telecomunicações Integração de sistemas Desenvolvimento de aplicações Operação de sistemas Formação e treino 2000s OTI - Outsourcing de TI/SI Offshore outsourcing BPO - Business Process Outsourcing ASP ou Saas Figura 3 - Principais tendências de evolução de serviços de sistemas de informação

24 Capítulo 2 11 Através da revisão da literatura (The Outsourcing Institute, 1998; Varajão, 2002; Lee et al., 2003, Dibbern et al., 2004; Frost & Sullivan, 2005; Varajão et al., 2006; Trigo et al., 2007; Alter, 2007; Varajão et al., 2008; Lacity et al., 2009) é possível identificar um conjunto de serviços de TI que são usualmente sujeitos a outsourcing: Manutenção de hardware; Suporte de software; Desenvolvimento e gestão de aplicações; Serviços profissionais de consultadoria; Suporte para a infra-estrutura computorizada distribuída; Gestão de redes; Recuperação de desastre; Hospedagem dedicada/armazenamento; Segurança (física e da rede); Gestão de data center; Suporte dos utilizadores; Formação técnica à equipa interna de TI; Gestão de servidores; Gestão de projectos; Gestão de segurança; Gestão de bases de dados; Desenvolvimento Web e serviços Web; Plataformas e serviços de comunicações; Serviços de e mensagens;

25 Capítulo 2 12 Helpdesk. Hoje em dia o recurso ao outsourcing de serviços de TI é efectuado por variadas razões e o âmbito de serviços tem aumentado continuamente. 2.3 Contratação de serviços Na literatura encontram-se identificados variadíssimos riscos associados aos processos de outsourcing e diversos contributos para o desenvolvimento de mecanismos que se propõem minimizá-los. O outsourcing, por si só, não é bom nem mau (Cullen et al., 2005), sendo o seu sucesso ou insucesso condicionado pela forma como o processo é gerido antes e após a assinatura do contrato. Muitas vezes os problemas que surgem num contrato de outsourcing têm origem num de três factores (Vrancken, 1995; Varajão, 2002): custos de obtenção do serviço, nível de qualidade do serviço, impacto na cultura organizacional. Quando se avança para um processo desta natureza, que provoca habitualmente mudanças significativas nas organizações, deve ser realizada uma preparação prévia. O conhecimento profundo do negócio, uma análise de recursos e serviços internos que permita identificar inequivocamente o que se tem e o que realmente se precisa, adoptando métricas bem definidas, são fundamentais para o sucesso de um processo de aquisição de serviços (Varajão, 2001). A escolha dos fornecedores adequados é uma decisão crítica, pelo que deve ser feita de forma cuidada e seguindo critérios bem definidos, assim como devem ser avaliadas questões de compatibilidade organizacional antes de se avançar para o outsourcing dos serviços (Liou e Chuang, 2010). Também os contratos são uma parte importante da análise de decisão de outsourcing. Eles constituem um mecanismo eficaz para a gestão relacional do outsourcing ou eventual rescisão antecipada em caso de subdesempenho do fornecedor (Osey-Bryson e Ngwenyama, 2006).

26 Capítulo 2 13 De uma maneira geral os riscos podem ser geridos e a elaboração de contratos sólidos pode reduzir drasticamente esses riscos (Aubert et al., 2005): contratos que abarquem a generalidade das situações previstas mas que em simultâneo sejam dotados de uma versatilidade que permita dar resposta às mudanças que irão decorrer ao longo do contrato, podem ser um recurso valioso na minimização dos riscos. Uma vez iniciado o outsourcing, o trabalho de gestão do contrato firmado tem que ser contínuo. A gestão eficiente do relacionamento com os fornecedores deverá ser uma tarefa permanente e que exige um investimento significativo a nível de tempo e de recursos. Apostar numa boa relação com o fornecedor, garantindo meios de coordenação e comunicação eficientes e realizar a avaliação do desempenho dos serviços contratados, contribuirão significativamente para que se percorra o caminho do sucesso. Deve estar sempre presente que, muitas vezes, a diferença entre o sucesso e a falha de um projecto de outsourcing pode simplesmente residir na escolha que se faz do fornecedor e nos termos do contrato (Meyer, 1994; Lee et al., 2000). Lacity et al. (2009), através de uma revisão da literatura, agrupam em três categorias os determinantes para o sucesso do outsourcing de TI: o processo de decisão de outsourcing, a gestão contratual e a gestão de relacionamentos. Na primeira categoria - processo de decisão de outsourcing - são incluídos o grau de outsourcing, o comprometimento da gestão de topo e a avaliação do processo de selecção do fornecedor. A segunda categoria - gestão contratual - inclui o detalhe do contrato, tipo de contrato, a duração e a dimensão. A última categoria - gestão de relacionamentos - engloba a confiança, normas, comunicação, partilha de informação, dependência mútua e cooperação Estas três categorias encontram-se representadas na Figura 4. Admitindo que uma boa estratégia, um tipo de contrato adequado ao que se pretende e uma boa gestão do relacionamento com os fornecedores se consideram determinantes para o sucesso de um processo de outsourcing (Cullen et al., 2005), a gestão relacional e os contratos formais completam-se na perseguição deste objectivo (Poppo e Zenger, 2002; Goo et al., 2009).

27 Capítulo 2 14 Processo de decisão de outsourcing de SI Grau de outsourcing Comprometimento da gestão de topo Selecção do fornecedor Gestão contratual Detalhe do contrato Tipo de contrato Duração do contrato Dimensão do contrato Gestão relacional Confiança Normas Comunicação Partilha de informação Dependência mútua Cooperação Figura 4 - Factores de sucesso num processo de outsourcing Adaptado de Lacity et al. (2009) 2.4 Critérios usados na escolha de fornecedores A selecção de fornecedores capazes de dar resposta às necessidades da empresa é fundamental e exige que se sigam critérios bem definidos, no sentido de evitar futuros conflitos e minimizar aspectos que possam pôr em causa o sucesso do outsourcing (Varajão, 2001). De notar que o processo de escolha dos fornecedores influencia o preço do contrato, a decisão de outsourcing, a redução de custos eventualmente prevista e, consequentemente, tem um verdadeiro impacto na obtenção do sucesso em geral (Lacity et al.,, 2009). A escolha acertada do fornecedor é apenas o primeiro passo crítico na construção de uma relação de confiança entre compradores e vendedores mas, fazer uma escolha errada pode ser desastroso, comprometendo projectos e desperdiçando recursos preciosos (DiamondCluster, 2006). Para a selecção de fornecedores Varajão (2002) refere que se deve ter em consideração não apenas o conjunto de serviços que se pretende, mas também o tipo de relação desejada. A

1 Descrição sumária. Varajão, Pereira, Amaral e Castro, Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Pereira, Amaral e Castro, Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal, Computerworld, 2011 1 Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal João Varajão 1, Cidália Pereira 2, Luís Amaral 3, Sandra Castro 2 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias,

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

OUTSOURCING. Cadeira de Gestão de Informação

OUTSOURCING. Cadeira de Gestão de Informação Instituto Superior de Gestão Bancária Curso Organização e Sistemas de Informação OUTSOURCING a case study Trabalho realizado por: João Martinho nº 3064 João Gouveia nº 3070 Sara Soares nº 3060 Cadeira

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

CLOUD. tendências CLOUD. entendendo e contratando assertivamente. Agosto/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 02

CLOUD. tendências CLOUD. entendendo e contratando assertivamente. Agosto/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 02 tendências CLOUD EDIÇÃO 02 Agosto/2012 CLOUD O conceito de nuvem é nebuloso Como uma organização pode contratar assertivamente Serviços em Cloud? Quais são os principais riscos de um contrato de Cloud

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 AUDIÊNCIA 3 IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO E DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 3 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 MANUTENÇÃO E COMUNICAÇÃO DAS

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio. Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist

Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio. Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist 05 De onde vem o termo nuvem? Business Servidores SAN WAN SAN LANs Roteador NAS Switch

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO 1. Objectivos da Política de Remuneração dos órgãos de administração e fiscalização da Companhia de Seguros Açoreana, SA (

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. AUDIÊNCIA 3 3. VALOR DA INFORMAÇÃO 4 4. IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 5. MODELO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 6. RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 7 7. MANUTENÇÃO

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos

candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos A candidatura é um processo de prospecção e avaliação de projectos inovadores e tem como objectivo promover a realização de investimentos através do

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA 2004-05 05 Capítulo - 2 Índice 1. Introdução 2. Definição de 3. 4. Desenvolvimento e Documentação de Padrões de SaC 5. Barreiras a uma Estratégia efectiva de SaC 6. Melhorar o Desempenho

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

OBJECTIVOS. - Apresentar conceitos relativos ao outsourcing; - Discutir como o outsourcing representa uma prática fundamental numa gestão de sucesso.

OBJECTIVOS. - Apresentar conceitos relativos ao outsourcing; - Discutir como o outsourcing representa uma prática fundamental numa gestão de sucesso. OBJECTIVOS - Apresentar conceitos relativos ao outsourcing; - Discutir como o outsourcing representa uma prática fundamental numa gestão de sucesso. AGENDA - INTRODUÇÃO - CONCEITOS - EVOLUÇÃO DO OUTSOURCING

Leia mais

Consulta Pública sobre o novo regime jurídico das plataformas eletrónicas de contratação pública PARECER DA ESOP

Consulta Pública sobre o novo regime jurídico das plataformas eletrónicas de contratação pública PARECER DA ESOP Consulta Pública sobre o novo regime jurídico das plataformas eletrónicas de PARECER DA ESOP Janeiro de 2015 Índice 1 Enquadramento... 3 2 O novo regime jurídico... 4 3 Contributos para o novo regime das

Leia mais

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 RESUMO Resumo dos princípios fundamentais A Securitas acredita num mercado livre para a prestação dos seus serviços, e num ambiente competitivo

Leia mais

CÓDIGO DE DEONTOLOGIA EUROPEU DO FRANCHISING

CÓDIGO DE DEONTOLOGIA EUROPEU DO FRANCHISING CÓDIGO DE DEONTOLOGIA EUROPEU DO FRANCHISING O presente Código de Deontologia Europeu do Franchising corresponde à versão actualizada do Código inicialmente elaborado em 1972 pela Federação Europeia da

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart Organização e a Terceirização da área de TI Profa. Reane Franco Goulart Como surgiu? A terceirização é uma ideia consolidada logo após a Segunda Guerra Mundial, com as indústrias bélicas americanas, as

Leia mais

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento O QUE É IMPRESCINDÍVEL NUMA SOLUÇÃO DE ORÇAMENTAÇÃO E PREVISÃO? Flexibilidade para acomodar mudanças rápidas; Usabilidade; Capacidade de integração com as aplicações a montante e a jusante; Garantir acesso

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

RESOLUÇÃO DE LITÍGIOS

RESOLUÇÃO DE LITÍGIOS EXCELÊNCIA NA RESOLUÇÃO DE LITÍGIOS PARA EMPRESAS DE TI INCUMPRIMENTO CONTRATUAL EM TI Com mais de 15 anos de experiência e uma equipa especializada de gestores de sinistros de empresas de Tecnologias

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos

Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa 24 e 25 de Março de 2011 1 Senhor

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 6 Integração Vertical João Pedro Couto Natureza da integração vertical A integração vertical consiste na execução de várias funções da cadeia operacional sob a égide de

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS 1 INDICE POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS... 1 INDICE... 2 1. Responsabilidade Legal e Social... 3 2. Processo de Contratação de Terceiros... 4 3. Categorias de

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

Eficiência e qualidade: mitos e contradições

Eficiência e qualidade: mitos e contradições 1 Eficiência e qualidade: mitos e contradições Colóquio-debate Eficiência e Justiça em Cuidados de Saúde Academia das Ciências, Lisboa, 25 de Maio de 1999 Pedro Pita Barros * 1. Introdução O tema de discussão

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos.

Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos. Contabilidade Contabilidade Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos. É uma ciência de natureza económica, cujo objecto é a realidade

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011.

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011. O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, António Trigo 2, João Barroso 1 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro 2 Instituto

Leia mais

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso -

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Irina Saur-Amaral Aveiro, 28 de Abril de 2006 Estudos de caso 1. MKS (consultoria TIC Índia): importância da cultura de conhecimento 2. Siemens AG: implementação

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

OS MAIORES RISCOS DA INTERNACIONALIZAÇÃO

OS MAIORES RISCOS DA INTERNACIONALIZAÇÃO OS RISCOS DA INTERNACIONALIZAÇÃO CRESCIMENTO GLOBAL DO NEGÓCIO Com a crescente globalização e o crescimento acelerado das economias emergentes, as empresas, independentemente da sua dimensão, estão em

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

INTRODUÇÃO objectivo

INTRODUÇÃO objectivo INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just-in-time ou JIT. Ao falarmos de just-in-time surge de imediato a ideia de produção sem stocks, inventários ao nível de zero, produção

Leia mais

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço Service Level Management SLM Gerenciamento de Níveis de Serviço 1 É o balanço o entre... Qualidade dos serviços entregues Expectativa do cliente 2 Processo: Definições Service Level Management (SLM) Têm

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS 24 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS Os mercados de capitais na Europa e no mundo exigem informações financeiras significativas, confiáveis, relevantes e comparáveis sobre os emitentes de valores mobiliários.

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS.

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS Documento Justificativo Fevereiro de 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel:

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume I - Princípios Gerais um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Por despacho do Presidente da Assembleia da República de 26 de Julho de 2004, foi aprovado

Por despacho do Presidente da Assembleia da República de 26 de Julho de 2004, foi aprovado Regulamento dos Estágios da Assembleia da República para Ingresso nas Carreiras Técnica Superior Parlamentar, Técnica Parlamentar, de Programador Parlamentar e de Operador de Sistemas Parlamentar Despacho

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

Outsourcing de STI. Definições Grau de Envolvimento dos Fornecedores. O conceito de OUTSOURCING

Outsourcing de STI. Definições Grau de Envolvimento dos Fornecedores. O conceito de OUTSOURCING Outsourcing de STI Definições Grau de Envolvimento dos Fornecedores 1 O conceito de OUTSOURCING Essencialmente, um acordo de outsourcing consiste no contrato de uma entidade externa (fornecedor) para fornecer

Leia mais

Política de Subcontratação

Política de Subcontratação 1. Introdução O presente documento define a Política de Subcontratação adoptada pelo Banco Espírito Santo de Investimento, S.A. ( BES Investimento ou Banco ). A Política de Subcontratação baseia-se na

Leia mais

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Serviços Financeiros Créditos Incobráveis Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Sabia que 25% das falências são resultado de créditos incobráveis? Intrum Justitia Os créditos

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 5/2010 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural (RT), com a última redacção que lhe foi dada pelo Despacho n.º 4 878/2010, publicado no

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015 Quem é a 2VG? A Empresa A 2VG Soluções Informáticas SA., é uma empresa tecnológica portuguesa, fundada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

Guia para RFP de Outsourcing

Guia para RFP de Outsourcing O processo de condução de uma cotação de serviços de TI, normalmente denominada RFP (do Inglês Request For Proposal), é um processo complexo e que necessita ser feito com critério e cuidados. Muitas vezes

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais