Plano de Atividades Residência Autónoma Plano de Atividades Residência Autónoma

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Atividades Residência Autónoma Plano de Atividades Residência Autónoma"

Transcrição

1 Pl de Atividade Pl de Atividade Mod46/V01.Org ( ) Página 1 de 12 Mod46/V01.Org ( ) Página 1 de Elaborado: Nuno Moura Data: Aprovado: Direção Data:

2 Pl de Atividade Mod46/V01.Org ( ) Página 2 de 12 ÍNDICE Introdução 3 Objetivo Etratégico 4 Pl de Atividade 4 Pl de Atividade Sócio-Cultural 8 Cronograma 12

3 Pl de Atividade Mod46/V01.Org ( ) Página 3 de 12 Introdução A é uma repota ocial da com acordo de cooperação com o Centro Ditrital da Segurança Social de Setúbal para 5 cliente. Atualmente conta com 5 cliente integrado no erviço, todo do exo maculino com idade compreendida entre o 18 e o 36, proveniente do concelho de Montijo, Pegõe e Palmela. Todo o cliente pouem deficiência mental e etão todo integrado noutro erviço da CERCIMA: Formação Profiional e Centro de Atividade Ocupacionai. Todo o cliente etão atualmente integrado em etágio ócio-profiionalizante e ocupacionai. A tem como equipa afeta: 1 Diretor Técnico/Picólogo 1 Terapeuta Ocupacional 4 Ajudante de Ação Direta 1 Auxiliar de Serviço Gerai A funciona continuamente em interrupçõe previta, todo o dia do. Relativamente à etrutura funcional, a procura aegurar: Alojamento dentro de um ambiente ociofamiliar de correponabilização; Alimentação, tendo em conta a neceidade nutricionai do cliente; Cuidado de imagem e higiene; Cuidado com o tratamento de roupa; Tranporte na circuntância neceária e/ou julgada oportuna; Acompanhamento do etado geral de aúde, incluindo conulta médica e terapêutica medicamentoa; Apoio bio-pico-ocial; Apoio na Atividade de Vida Diária, o acompanhamento ao exterior, bem como o apoio na aquiição de ben e erviço. A procura ainda realizar atividade de carácter lúdico-recreativo, cultural, deportivo, intelectual e formativo e ocial. Importa realçar que a realização da atividade ocioculturai repreentam uma mai-valia no funcionamento da Reidência

4 Pl de Atividade Mod46/V01.Org ( ) Página 4 de 12, como entido de oportunidade para o deenvolvimento da reponabilidade ocial e da capacidade autonómica do cliente, potenciando o entido de igualdade de oportunidade e a integração ocial, aprendizagem de vida e enriquecimento cultural. O aceo à atividade poibilita também o aumento de auto-etima e auto-conceito do cliente e facilita e promove a audável dinâmica entre o cliente e colaboradore. Objetivo Etratégico Pl Etratégico ( ) 1. Ser uma intituição de referência na área de intervenção 2. Melhorar o modelo de Getão Organizacional, garantindo uma maior eficácia orçamental. 3. Reforçar o nome da 4. Aegurar a excelência do erviço em toda a área Pl de Atividade O Pl de Atividade da para o 2015 contitui-e como um documento organizador que tem em linha de conta o objetivo etratégico da, a neceidade, expectativa/motivaçõe do, a conideraçõe do relatório de atividade de 2014 e define o projeto do erviço bem como a atividade previta para ete. Importa referir que ete pl não é etanque e etará ujeito a alteraçõe em virtude de novo programa, atividade e evento que poam urgir ao longo do, pelo que poderão urgir alteraçõe quando a equipa o julgar conveniente e empre que e jutifique.

5 Pl de Atividade Página 5 de 12 PLANO DE ATIVIDADES: RECURSOS OE OBJETIVO(S) OBJETIVO(S) ESPECIFICO(S) INDICADORES META ATIVIDADES CALENDA RIZAÇÃO HUMANOS FÍSICOS/ MATERIAIS PARCEIROS Promover competência que viam a autonomia do cliente deenvolvendo açõe formativa Nº de açõe de formação interna para o cliente 80 açõe de formação interna Formação abreviada em: Atividade da Vida Diária; Área Académica Reidência Computador Impreora Promover etratégia de reforço da autonomia peoal e ocial 1.2 Favorecer a autonomia do cliente para a preparação e confeção de refeiçõe Nº refeiçõe completa realizada autonomamente por cliente aplicando o conhecimento de HSA 25 refeiçõe Preparação de alimento; Confeção de alimento/refeiçõe; Supervião do colaboradore; Reidência Ingrediente mento e utenílio de cozinha Palamenta de cozinha Emprearial/I ntitucional OE4 2 Melhorar a perceção de controlo e egurança do cliente 2.1 Realizar açõe preventiva de melhoria na perceção de controlo e egurança do cliente Nº de açõe preventiva 6 açõe Formação Teórica-Prática em Higiene e Segurança Alimentar; Formação Teorica-Prática em Primeiro Socorro; Formação Teórica-Prática em Extinção de incêndio e Técnica de evacuação; Simulacro de Simo com Incêndio; Formação em Senibilização para a Saúde; Formadore Reidência Computador Datahow Material ocorrimo Extintore Manta Ignifuga Emprearial/I ntitucional 3 Melhorar execução do Pl de 3.1 Cumprir o Pl de Intervenção Individual do Taxa de cumprimento do objetivo de 90% Reuniõe de equipa Preenchimento do Regito menal de atividade e ocorrência Monitorização trimetral do Reidência Computador

6 OE1 OE3 Intervenção Individual 4 Promover bemetar relacional e uma coabitação familiar audável na Reidência 5 Promover o epírito de equipa do colaboradore da RA 6 Melhorar a avaliação de deempenho do colaboradore 7 Promover a interação com a família no entido da repetiva integração ocial 4.1 Reforçar a comunicação e o relacionamento interpeoal entre o cliente Pl de Atividade Página 6 de 12 cliente intervenção objetivo Impreora Nº de reuniõe do 30 colaboradore com reuniõe o cliente 4.2 Favorecer a relaçõe do colaboradore com o cliente 4.3 Fortalecer a dinâmica do grupo de colaboradore e cliente 4.4 Aumentar o grau de atifação do cliente Realizar atividade de relaxamento/lúdica e dinâmica para a equipa Aumentar o nível de deempenho do colaboradore 7.1 Programar atividade coletiva integrando o cliente e a família 7.2 Fomentar a participação do cliente com a família e o etabelecimento de interaçõe afetiva Nº de reuniõe programada para todo o participante Nº atividade organizada para todo o participante Taxa média de atifação do cliente Nº atividade organizada para a equipa Taxa média da avaliação de deempenho Nº de atividade/encontr o com família Nº de trabalho efetuado por cliente para a família 4 reuniõe 5 atividade de grande grupo Reuniõe do colaboradore com o cliente Geocaching com Picnik Viita ao Pavilhão da Ciência com almoço Almoço convívio alargado Arraial da Picnic no Samouco 85% Aplicação e cotação de quetionário de atifação 5 atividade/ dinâmica 85% 2 atividade 3 trabalho por cliente Reunião equipa outdoor Dinâmica de relaxamento/lúdica Preenchimento da Ficha de avaliação de deempenho de colaboradore Reunião de avaliação conjunta Participação do cliente e família no Porta Aberta com lanche organizado na RA Picnic com família no Samouco Elaboração de potaimenagen Elaboração de convite para encontro com família Entrega do trabalho Dezembro 2014 Dezembro 2015 No dia da família No Natal RQ RRH Família Família Reidência Comunidade Tranporte Alimento Bilhete Reidência Comunidade Computador Impreora Materiai divero Comunidade Reidência Logítica (tranporte, alimento) Reidência Materiai divero Emprearial/I ntitucional Emprearial/I ntitucional Família Emprearial/I ntitucional

7 OE3/4 OE2 8 Promover o recuro do cliente no domínio da empregabilidade /ocupacional, cidadania e direito 8.1 Articular com repota de empregabilidade/ocupacionai onde o cliente etão integrado. 8.2 Facilitar a interação com a no entido da integração ocial 8.3 Etabelecer parceria operacionai com entidade/organizaçõe que reforcem a integração ocial do cliente Pl de Atividade Nº de contacto de técnico da RA com técnico reponávei pela repota externa à RA Nº de atividade ócio-culturai organizada Nº de parceria operacionai etabelecida 20 reuniõe / contacto com técnico da RA e técnico externo 30 atividade 4 parceria Reuniõe e contacto do técnico da RA com outro técnico exteriore à RA, tendo como ordem de trabalho: Integração/acompanhamento na atividade; Neceidade e Potenciai; Outro aunto. Cinema; Picnik; Viita a Mueu; Acampamento de verão; Recreação na Praia; Feta do Montijo; Feta de Alcochete; Feta da Moita; Arraial da ; Fetival Múica; Picina; Feira Medieval em Óbido; Teatro; Bae Aérea; Fragata D.Fernando e Glória; Corrida de Touro; Noite Voluntária ao Sem Abrigo; Aitir a jogo de Futebol e viita a etádio de futebol; Caminhada; Celebração de Aniverário em retaurante; Atividade deportiva; Produção de artigo de arteanato. Atividade deportiva, ocupacional, de aúde, educação ou bem-etar. Técnico externo à RA Técnico da RA Página 7 de 12 Emprearial/Inti tucional Logítica Comunidade Reidência Logítica (tranporte, alimentação, fundo de maneio) Epaço da Epaço do Emprearial 8.4 Etabelecer parceria com Nº de parceria 2 parceria Contacto com Coordenação Computador Emprearial / Intitucional Comunidade Emprearial/I ntitucional local Comunidade Emprearial Emprearial/I

8 entidade/organizaçõe que poibilitem donativo de ben e/ou erviço Pl de Atividade que poibilitem ben e/ou erviço Página 8 de 12 entidade/organizaçõe Telefone ntitucional 8.5 Comercializar produto deenvolvido por cliente Valor ganho na venda de produto deenvolvido pelo cliente 200 Produto de Arteanato Reidência Materiai divero Emprearial/I ntitucional OE3 8.6 Evidenciar o trabalho realizado pelo cliente Nº de atividade de exibição do trabalho 2 Expoição do trabalho do cliente Criação e Dinamização do facebook da RA Materiai divero Emprearial/I ntitucional PLANO DE ATIVIDADES SÓCIO-CULTURAIS Atendendo à atifação da neceidade, a expetativa, a motivaçõe e a promoção da autonomia de cada cliente, ao objetivo individuai previto no Pl de Intervenção Individual do cliente, bem como ao objetivo gerai e epecífico do erviço previto no Pl de Atividade propõe-e deenvolver um intrumento complementar que via epecificar a definição e planificação da atividade ócio-culturai, o Pl de Atividade Sócio- Cultural (PAS): Atividade da Vida Diária, promovendo a competência de autodeterminação, autonomia e bem-etar; Atividade Lúdico-Recreativa, promovendo a manutenção e o deenvolvimento de competência manuai e aptidõe como o relacionamento interpeoal e getão emocional; Atividade Culturai, promovendo o interee e a participação em atividade de enriquecimento cultural, etimulação intelectual e cidadania; Atividade Deportiva, deenvolvendo a ativação fíico-funcional e a etimulação enorial que viam promover o bem-etar fíico do cliente; Atividade Formativa/Informativa, promovendo competência de realização em diferente contexto viando a autonomia, a egurança e o conhecimento; Atividade Sociai, promovendo a vivência de nova experiência em diferente contexto e proporcionar momento de diverão e bem-etar e participação ocial.

9 Pl de Atividade Página 9 de 12 De alientar que eta atividade realizam-e na, no epaço e na e podem er realizada durante todo o período correpondente, paando no quadro eguinte a decrever-e melhor a atividade no PAS. PLANO DE ATIVIDADES SÓCIO-CULTURAIS: Atividade Tipo Atividade da Vida Diária Atividade Ludico- Recreativa Atividade Culturai Objetivo Promover a competência de autodeterminação, autonomia e bemetar Promover a manutenção e o deenvolvimento de competência manuai e aptidõe como o relacionamento interpeoal e getão emocional Promover o interee e a participação em atividade de enriquecimento cultural, etimulação intelectual e cidadania Atividade Etratégica Treino de autonomia peoal (higiene, vetuário e alimentação) Atividade da Vida Diária como Preparação de Alimento/Refeiçõe, Limpeza, Tratamento da Roupa, participação na Rotina Diária, Compra de género alimentício. Ver TV, ouvir múica, ir ao cabeleireiro. Jogo de lógica, carta, trabalho em crochet, tecelagem, pintura, deenho, colagen, entre outro trabalho manuai. Dinâmica de grupo Geocaching Picnic Cinema, teatro, concerto, mueu, expoiçõe Periodici dade Diariame nte Menal Trimetral Anual Anual Indicadore N º de atividade realizada por cliente N º de atividade realizada por cliente N º de atividade realizada por cliente Reponável pela execução Hum Recuro Materiai/Fí ico RA Epaço da Utenílio cozinha ment o cozinha Produto alimentare RA Epaço da Jogo Materiai Mea Cadeira Jogo Epaço da Logítica de alimentação e tranporte Verba e cliente Parceiro Emprearial/I ntitucional Emprearial/ Intitucional

10 Pl de Atividade Página 10 de 12 Atividade Deportiva Atividade Formativa / Informativa Atividade Sociai Deenvolver a ativação fíicofuncional e a etimulação enorial que viam promover o bem-etar fíico do cliente Promover competência de realização em diferente contexto viando a autonomia, a egurança e o conhecimento Promover a vivência de nova experiência em diferente contexto e proporcionar momento de diverão e bem- Caminhada pela Saúde Cardiofitne Exercício de preparação e relaxamento fíico Jogo de grupo Açõe de Formação abreviada em: Atividade da Vida Diária; Tutoria Académica Senibilização para a Saúde Higiene e Segurança Alimentar; Primeiro Socorro; Extinção de incêndio e Técnica de evacuação; Simulacro de Incidente Crítico Acampamento de féria de verão. Participação em evento da como Porta Aberta e Arraial. Bimenal Semanal Anual Anual N º de atividade realizada por cliente N º de atividade realizada por cliente N º de atividade realizada por cliente Epaço da Logítica de alimentação e tranporte Vetuário adequado Reidência Epaço da Videoprojet or Computador Materiai Epaço da Verba para atividade Tranporte Alimento Materiai divero Gináio Evolution Emprearial/ Intitucional

11 etar e participação ocial Pl de Atividade Fetejo de aniverário do cliente. Viita temática e paeio: Participação num Picnik; Viita à Praia; Participação na Feta do Montijo; Participação na Feta de Alcochete; Participação na Feta da Moita; Viita à Feira Medieval em Óbido; Viita à Bae Aérea do Montijo; Viita à Fragata D.Fernando e Glória; Aitir a uma Corrida de Touro no Montijo; Participar em Noite Voluntária ao Sem Abrigo; Aitir a jogo de Futebol e viita a etádio de futebol; Anual Página 11 de 12

12 Pl de Atividade Mod46/V01.Org ( ) Página 12 de 12 CRONOGRAMA Jan Fev Mar Abr P Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

Plano de Atividades Centro Comunitário Cais do Sal Plano de Atividades Centro Comunitário Cais do Sal

Plano de Atividades Centro Comunitário Cais do Sal Plano de Atividades Centro Comunitário Cais do Sal Mod46/V01.Org (09.02.2015) Página 1 de 8 Página 1 de 8 2015 Elaborado: Marta Gualdrapa Data: 11-02-2015 Aprovado: Direção Data:12-02-2015 Mod46/V01.Org (09.02.2015) Página 2 de 8 ÍNDICE Introdução 3 Objetivos

Leia mais

Plano de Atividades Centro de Atividades Ocupacionais Plano de Atividades Centro de Atividades Ocupacionais

Plano de Atividades Centro de Atividades Ocupacionais Plano de Atividades Centro de Atividades Ocupacionais Plano de Atividades Página 1 de 13 Mod46/V01.PG01 Página 1 de 14 JANEIRO A DEZEMBRO DE 2015 Elaborado: Carla Moreira Data: 25.02.2015 Aprovado: Direção Data:26.02.2015 Página 2 de 13 ÍNDICE Introdução

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprie Quality Management [EQM] Excelência em Getão da Qualidade A Getão da Qualidade Total, do inglê Total Quality Management - TQM é uma etratégia de adminitração completa que tem como objetivo principal

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO SÓCIO-EDUCATIVO. outubro 2014 a agosto 2015. Realizado em: 02.10.2014. Aprovado pela Direção em: 09.10.

PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO SÓCIO-EDUCATIVO. outubro 2014 a agosto 2015. Realizado em: 02.10.2014. Aprovado pela Direção em: 09.10. PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO SÓCIO-EDUCATIVO outubro 2014 a agosto 2015 Realizado em: 02.10.2014 Aprovado pela Direção em: 09.10.14 Índice Introdução... 3 Linhas orientadoras... 3 Objetivos estratégicos...

Leia mais

Plano de Atividades. Relatório de Atividades Residência Autónoma

Plano de Atividades. Relatório de Atividades Residência Autónoma Plano de Atividades Relatório de Atividades Mod221/V01.PG01 (02.02.2015) Página 1 de 15 Página 1 de 18 2014 Elaborado: Nuno Moura Data: 31-01-2015 Aprovado: Direção Data: 26-02- 2015 Página 2 de 18 ÍNDICE

Leia mais

Plano de Atividades Centro de Recursos para a Inclusão Plano de Atividades Centro de Recursos para a Inclusão

Plano de Atividades Centro de Recursos para a Inclusão Plano de Atividades Centro de Recursos para a Inclusão Plano de Atividades Página 1 de 10 Mod46/V01.PG01 Página 1 de 14 OUTUBRO DE 2015 A JULHO DE 2016 Elaborado: Mónica Coelho Data: 09.10.2015 Aprovado: Direção Data15.10.2015 Página 2 de 10 ÍNDICE Introdução...

Leia mais

CENTRO DE ATENDIMENTO, ACOMPANHAMENTO E ANIMAÇÃO

CENTRO DE ATENDIMENTO, ACOMPANHAMENTO E ANIMAÇÃO Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez. CALENDARIZAÇÃO ANUAL 2013 ATIVIDADES OBJETIVOS N.º DE VAGAS Festa e Romarias Carnaval Ovar Desfile Carnavalesco Proporcionar aos clientes o contacto

Leia mais

Plano de Atividades Formação Profissional

Plano de Atividades Formação Profissional Plano de Atividades Profissional Página 1 de 7 2015 Elaborado: Cristina Pereira Data: 19.02.2015 Aprovado: Direção Data: 26-02-2015 Profissional Página 2 de 7 ÍNDICE Introdução... 3 Objetivos Estratégicos...

Leia mais

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas.

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas. Ecola Báic a 2º º e 3º º Ciclo Tema 1 Viver com o outro Tema Conteúdo Competência Actividade Tema 1 Viver com o outro Valore Direito e Devere Noção de valor O valore como referenciai para a acção: - o

Leia mais

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s Incluão Social do Joven no Aentamento Rurai de Areia com ênfae no trabalho da Tutoria e recuro da nova TIC MIRANDA 1, Márcia C.V.; SILVA 2, Fátima do S.; FÉLIX 3, Jânio 1 Profeora orientadora e coordenadora

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos gerais para gerir a Secretaria do Conselho da Magistratura (SECCM).

Estabelecer critérios e procedimentos gerais para gerir a Secretaria do Conselho da Magistratura (SECCM). Propoto por: Equipe da Secretaria do Conelho da Magitratura (SECCM) Analiado por: Repreentante da Adminitração Superior (RAS/SECCM) Aprovado por: Secretária da Secretaria do Conelho da Magitratura (SECCM)

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MUSSOC

PROJETO PEDAGÓGICO MUSSOC PROJETO PEDAGÓGICO dos Campos de Férias da MUSSOC Associação Mutualista dos Trabalhadores da Solidariedade e Segurança Social I CARATERIZAÇÃO GERAL DA MUSSOC 1. Introdução O presente documento tem como

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário Porto, 2015 Índice Introdução 2 Serviço de Apoio Domiciliário SAD 3 Princípios/regras

Leia mais

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ETUDANTE ERAMU OUT Dede já, agradecemo a ua participação neta nova etapa do Projecto de Tutoria a Etudante ERAMU verão OUT. Com ete inquérito, pretendemo dar a conhecer

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

LIGA DOS AMIGOS DO HOSPITAL Rampa do Hospital, nº 62 4600-001 Amarante PROPOSTA. Plano de Atividades e Orçamento para 2016

LIGA DOS AMIGOS DO HOSPITAL Rampa do Hospital, nº 62 4600-001 Amarante PROPOSTA. Plano de Atividades e Orçamento para 2016 LIGA DOS AMIGOS DO HOSPITAL Rampa do Hospital, nº 62 4600-001 Amarante PROPOSTA Plano de Atividades e Orçamento para 2016 Em cumprimento do disposto na alínea b) do artigo 33º dos Estatutos da Liga dos

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação

Projeto Pedagógico e de Animação Projeto Pedagógico e de Animação 1 - Memória Descritiva 2 Identificação e Caracterização da Instituição Promotora 3 - Objetivos Gerais 4 - Objetivos Específicos 5 - Princípios educacionais 6 Metodologias

Leia mais

Projeto Visita Virtual e Videoconferência Judicial

Projeto Visita Virtual e Videoconferência Judicial Projeto Viita Virtual e Videoconferência Judicial Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN) Minitério da Jutiça Ete projeto naceu de uma parceria entre o Departamento Penitenciário Nacional e a Defenoria

Leia mais

VISÃO A CERCI Braga será uma entidade de referência no âmbito da inclusão social, proporcionando melhor qualidade de vida aos seus clientes.

VISÃO A CERCI Braga será uma entidade de referência no âmbito da inclusão social, proporcionando melhor qualidade de vida aos seus clientes. Ano: 2015 Instituição: CERCI Braga Caracterização Síntese: MISSÃO Contribuir para a congregação e articulação de esforços no sentido de melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência intelectual

Leia mais

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento.

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento. Liderança para criar e gerir conhecimento Lider ança para criar e gerir conhecimento }A liderança é um fator eencial para e alcançar o uceo também na getão do conhecimento.~ 48 R e v i t a d a ES P M janeiro

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO. Dra. Paula Lima

A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO. Dra. Paula Lima A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO Dra. Paula Lima Breve apresentação da CERCIMARCO MISSÃO Desenvolver respostas ajustadas às necessidades das pessoas com deficiência ou com problemas de inserção

Leia mais

PROJETO PARA A PINTURA DO PRÉDIO

PROJETO PARA A PINTURA DO PRÉDIO PROJETO PARA A PINTURA DO PRÉDIO IDENTIFICAÇÃO O Centro de Valorização da Criança, também designado pela sigla CEVAC, constituído em dez de setembro de 1987, é uma Entidade Filantrópica sem fins lucrativos,

Leia mais

P L A N O D E A Ç Ã O - PES

P L A N O D E A Ç Ã O - PES ALIMENTAÇÃO, AÚDE ORAL, HIGIENE E ATIVIDADE FÍICA P L A N O D E A Ç Ã O - PE ÁREA TEMÁTICA AÇÕE OBJETIVO ATIVIDADE INTERVENIENTE ALU NO DOC EN TE PÚBLICO/POPULAÇÃO-ALVO AO EE JI EB1 2º cicl o 3º cicl o

Leia mais

a medicina de família e comunidade, a atenção primária à saúde e o ensino de graduação Recomendações & Potencialidades

a medicina de família e comunidade, a atenção primária à saúde e o ensino de graduação Recomendações & Potencialidades a medicina de família e comunidade, a atenção primária à aúde e o enino de graduação Recomendaçõe & Potencialidade organizadore e autore Maria Inez Padula Anderon 1, Marcelo Demarzo 2, Ricardo Donato Rodrigue

Leia mais

Padronizar os procedimentos relativos ao suporte de áudio e vídeo na Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro - EMERJ.

Padronizar os procedimentos relativos ao suporte de áudio e vídeo na Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro - EMERJ. Propoto por: Diretor do Departamento de Tecnologia de Informação e Comunicação (DETEC) Analiado por: Aeora da Aeoria de Getão Etratégica (ASGET) Aprovado por: Secretária-Geral de Enino (SECGE) 1 OBJETIVO

Leia mais

Projeto Crescer I e II

Projeto Crescer I e II Projeto Crecer I e II Motra Local de: Araponga Categoria do projeto: I Projeto em Andamento (projeto em execução atualmente) Nome da Intituição/Emprea: Paulo Hermínio Pennacchi, preidente da Caa do Bom

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

DESIGNAÇÃO: Inclusão na diversidade - Preparar o Futuro. Associação Espaço Mundo CEDL - CASA DA EUROPA DO DISTRITO DE LISBOA. Inclusão e Prevenção

DESIGNAÇÃO: Inclusão na diversidade - Preparar o Futuro. Associação Espaço Mundo CEDL - CASA DA EUROPA DO DISTRITO DE LISBOA. Inclusão e Prevenção REFERÊNCIA: 071 DESIGNAÇÃO: Inclusão na diversidade - Preparar o Futuro BIP/ZIP em que pretende intervir: 22. Alta de Lisboa Sul 67. Alta de Lisboa Centro ENTIDADES: Promotoras: Parceira: Associação Espaço

Leia mais

Intruçõe Breve Verão 1 0 junho 2005 INSTRUÇÕES APENAS PARA PESSOAL QUALIFICADO APERTO DO CONJUNTO DE SUPORTES AVISO: O funcionamento da ua coluna como componente de um itema upeno pode potencialmente expor

Leia mais

CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE AV.Senador Levindo Coelho 130 Tirol CEP.30662-290 CNPJ: 21508312.0001/80

CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE AV.Senador Levindo Coelho 130 Tirol CEP.30662-290 CNPJ: 21508312.0001/80 ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE PROJETO : CUIDANDO EDUCANDO E CONSTRUINDO CIDADÃOS DO FUTURO. LINHA PROGRAMÁTICA DO PROJETO Creche, Educação Infantil, Socialização,Garantia de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO 1 EDITAL CONVITE Nº 009/2011-CPL/GPDP Proceo Adminitrativo nº 0221/2011 -CPL/GDPG A, atravé da Comião Permanente de Licitação, intituída pela Portaria nº 383/2011-GDPG, datada de 08/07/2011, da Exma. Sra.

Leia mais

ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI PRÉ-ESCOLAR

ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI PRÉ-ESCOLAR PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS ORIENTADORES DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI Ano lectivo 2009/2010 1 Princípios Orientadores de acordo com o Projecto Educativo A Lei

Leia mais

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se! Uma mão, um amigo Casa do Povo de Relíquias Através da realização de atividades lúdicas, visitas domiciliárias, apoio na alimentação e acompanhamento

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS

CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS Laureate Network Product & Service Copyright 2013 Laureate Education, Inc. ÍNDICE C A T Á L O G O L N P S ÍCONE Nome do Curo Língua Duração Deenvolvimento do Corpo Acadêmico

Leia mais

TOTAL DE OUTRAS FONTES DE FINANCIAMENTO: 7253.00 EUR

TOTAL DE OUTRAS FONTES DE FINANCIAMENTO: 7253.00 EUR REFERÊNCIA: 024 DESIGNAÇÃO: Projecto MAIS -Mentes Animadas Idades Somadas BIP/ZIP em que pretende intervir: 57. Empreendimento Municipal Rua João Nascimento Costa 59. Empreendimento Municipal Rua Carlos

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes

ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes PLANO ANUAL ANO - 2014 Confidencialidade Tipo de Atividade: Confidencialidade Atividade: Ação de informação/sensibilização aos colaboradores

Leia mais

Plano de Atividades. Relatório de Atividades Intervenção Precoce

Plano de Atividades. Relatório de Atividades Intervenção Precoce Plano de Atividades Relatório de Atividades Intervenção Precoce Mod221/V01.PG01 (02.02.2015) Página 1 de 14 Mod221/V01.Org (09.02.2015) Página 1 de 14 2014 Elaborado: Ângela Madureira Data: 20.02.2015

Leia mais

Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 REFERÊNCIA: 090 DESIGNAÇÃO: Participar para Alimentar BIP/ZIP em que pretende intervir: 8. Ameixoeira (PER) ENTIDADES: Promotora: ANAFS - Associação Nacional dos Alistados das Formações Sanitárias Parceiras:

Leia mais

A Estudar Medicina Tradicional Chinesa 1ª ano Instituto Europeu de Estudos Tradicionais Chineses 2012-2017

A Estudar Medicina Tradicional Chinesa 1ª ano Instituto Europeu de Estudos Tradicionais Chineses 2012-2017 Algun Componente Dado Peoai Nome Sónia Gome Morada Praça da Pedra Verde, 222 r/c 4100-385 Porto Telemóvel 91 4876925 EE--Mail oniagome@paozen.com Nacimento 11.11.1973 Nacionalidade Portuguea Etado Civil

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

Plano de Atividades. Relatório de Atividades Centro de Atividades Ocupacionais

Plano de Atividades. Relatório de Atividades Centro de Atividades Ocupacionais Plano de Atividades Relatório de Atividades Mod221/V01.PG01 (02.02.2015) Página 1 de 14 Página 1 de 14 OUTUBRO 2013 A DEZEMBRO 2014 Elaborado: Carla Moreira Data: 25.02.2015 Aprovado: Direção Data:26.02.2015

Leia mais

UDAL - União Desportiva Alta de Lisboa ISU - Instituto de Solidariedade e Cooperação Universitária

UDAL - União Desportiva Alta de Lisboa ISU - Instituto de Solidariedade e Cooperação Universitária REFERÊNCIA: 062 DESIGNAÇÃO: Altarix Empreende BIP/ZIP em que pretende intervir: 20. Sete Céus 21. Galinheiras - a) Ameixoeira b) Charneca 26. Pedro Queiróz Pereira 66. Charneca do Lumiar 67. Alta de Lisboa

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS DE CONTROLADORIA EM ORGÃOS PÚBLICOS: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS MATOGROSSENSES DA REGIÃO SUDOESTE

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS DE CONTROLADORIA EM ORGÃOS PÚBLICOS: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS MATOGROSSENSES DA REGIÃO SUDOESTE SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS DE CONTROLADORIA EM ORGÃOS PÚBLICOS: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS MATOGROSSENSES DA REGIÃO SUDOESTE Autoria: Marco Antonio de Souza, Aldo Céar da Silva Ortiz, Lauro Brito

Leia mais

Campos de Férias. Férias Escolares 2011

Campos de Férias. Férias Escolares 2011 Campos de Férias Férias Escolares 2011 1. A Praznik Somos uma empresa licenciada pelo Instituto Português da Juventude - alvará nº 319 - para organizar e dinamizar Campos de Férias, atribuições que incluem

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL 1252 Diário da República, 1.ª série N.º 42 2 de março de 2015 ANEXO Montantes dos apoios a atribuir à «Manutenção e recuperação de galerias ripícolas» (a que se refere o n.º 1 do artigo 13.º) Escalões

Leia mais

Entidades Promotoras de Voluntariado Lourinhã

Entidades Promotoras de Voluntariado Lourinhã Entidades Promotoras de Voluntariado Câmara Municipal da Casa do Povo da Casa Pia de Lisboa Centro Social e Paroquial da ADAPECIL Associação Juvenil Tá a Mexer GEAL Junta de Freguesia de Ribamar LOURAMBI

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO Registro na Extensão Nº: Em / / FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO 1 - Identificação: 1.1 - Título 1 : 1.2 - Área Temática Principal (assinalar apenas uma área temática, aquela que melhor define o problema

Leia mais

ANJOS DA ENFERMAGEM: EDUCAÇÃO E SAÚDE ATRAVÉS DO LÚDICO

ANJOS DA ENFERMAGEM: EDUCAÇÃO E SAÚDE ATRAVÉS DO LÚDICO 1 IDENTIFICAÇÃO Título: ANJOS DA ENFERMAGEM: EDUCAÇÃO E SAÚDE ATRAVÉS DO LÚDICO Data de realização: Local de realização: IESUR Horário: será definido conforme cronograma Carga horária: definido conforme

Leia mais

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO Entidade Actividade a Desenvolver Freguesia Público Alvo Santa Casa da Misericórdia de - Elaboração de cabazes e distribuição dos bens do Banco Alimentar (no armazém da Santa Casa). População em geral

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

Resultados do Projeto de Melhoria Reuniões Comunitárias

Resultados do Projeto de Melhoria Reuniões Comunitárias Resultados do Projeto de Melhoria Reuniões Comunitárias Fevereiro / 2015 ÍNDICE Reuniões Comunitárias Relatório Anual I. Introdução II. III. IV. Metodologia Resultados Ações de Melhoria V. Pontos Fortes

Leia mais

Plano Anual de Actividades

Plano Anual de Actividades 2016 2016 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Actividades Resposta Social: Centro Comunitário Porto, 2016 1. INTRODUÇÃO O presente plano tem como objectivo definir e delinear estratégias

Leia mais

Projeto Sinergia Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Departamento Nacional

Projeto Sinergia Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Departamento Nacional Projeto Sinergia Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Departamento Nacional Av. Ayrton Senna, 5.555 Barra da Tijuca CEP 22775-004 Rio de Janeiro RJ Brail Tel.: (21) 2136-5672 Fax: (21) 2136-5532/5689

Leia mais

Plano Anual de Actividades

Plano Anual de Actividades 2015 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Actividades Resposta Social: Centro Comunitário Porto, 2015 1. INTRODUÇÃO O presente plano tem o intuito de programar estrategicamente a intervenção

Leia mais

Anexo A. Organização do edifício de Creche

Anexo A. Organização do edifício de Creche Anexo A. Organização do edifício de Creche Rés-do-chão: Berçário Copa do leite Sala de atividades Refeitório para crianças Casa de banho para crianças Casa de banho para adultos Refeitório para adultos

Leia mais

Plano Anual de atividades 2014/2015 1º Periodo

Plano Anual de atividades 2014/2015 1º Periodo Plano Anual de atividades 2014/2015 1º Periodo Designação Objectivos Grupo alvo Calendarização Responsáveis pela actividade Recursos a afectar J F M A M J J A S O N D Humanos Materiais Logísticos Exercício

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO. Calendário Geral de Cursos

PROGRAMA DE FORMAÇÃO. Calendário Geral de Cursos PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2013 Calendário Geral de Cursos FORMAÇÕES REGULARES 12 Concurso Público da Função Pública 20 horas 18 22 11 15 14 19 9 14 13 Elaboração de Projectos 60 horas 15 3 12 30 14 Gestão de

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES 2 ÍNDICE CARATERIZAÇÃO DO CENTRO DE REURSOS PARA A INCLUSÃO.. 3 FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE RECUSOS PARA A INCLUSÃO 3 CARATERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO

Leia mais

VOLUNTARIADO CÁRITAS IDOSOS

VOLUNTARIADO CÁRITAS IDOSOS IDO 01/2015 Acompanhamento Personalizado do Idoso IDO 02/2015 Acompanhamento Personalizado do Idoso IDO 03/2015 Acompanhamento Personalizado do Idoso IDO 04/2015 Acompanhamento Personalizado do Idoso IDO

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO - 2012

PLANO DE FORMAÇÃO - 2012 PLANO DE FORMAÇÃO - 2012 Nome Objectivo Epecífico / Reultado eperado Moli Coornação Médo Pegógico Nº Minimo participante Formador (e) legado ZERO Valorizar o papel do legado e do ublegado, e chamar a atenção

Leia mais

CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA CUCA FRESCA

CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA CUCA FRESCA VIII Colegiado Nacional de Saúde da Pessoa Idosa CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA CUCA FRESCA Marla Borges de Castro Terapeuta ocupacional, sanitarista Secretaria Municipal de Saúde Centro de Convivência

Leia mais

VOLUNTARIADO CÁRITAS IDOSOS

VOLUNTARIADO CÁRITAS IDOSOS IDO 01/2013 Acompanhamento Personalizado do Idoso IDO 02/2013 Acompanhamento Personalizado do Idoso IDO 03/2013 Acompanhamento Personalizado do Idoso IDO 04/2013 Acompanhamento Personalizado do Idoso IDO

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

Junta de Freguesia de Carnaxide www.jf-carnaxide.pt

Junta de Freguesia de Carnaxide www.jf-carnaxide.pt UNIVERSIDADE SÉNIOR DE CARNAXIDE - APRENDIZAGEM E LAZER ARTIGO 1º Aspectos Gerais REGULAMENTO 1- A Universidade Sénior de Carnaxide - Aprendizagem e Lazer, adiante designada por USCAL, tem por objectivo

Leia mais

1.1. PROMOVER A IMPLEMENTAÇÃO DE SERVIÇO EM RESPOSTA ÀS NECESSIDADES IDENTIFICADAS

1.1. PROMOVER A IMPLEMENTAÇÃO DE SERVIÇO EM RESPOSTA ÀS NECESSIDADES IDENTIFICADAS EIXO 1- ORIENTAÇÃO PARA O CLIENTE 1.1. PROMOVER A IMPLEMENTAÇÃO DE SERVIÇO EM RESPOSTA ÀS NECESSIDADES IDENTIFICADAS 1.1.1. Prestar apoio sócio ocupacional Alargamento da resposta social (CAO) CAO Lra

Leia mais

6.2.1 Prescrições gerais

6.2.1 Prescrições gerais CAPÍTULO 6.2 PRESCRIÇÕES RELATIVAS AO FABRICO E AOS ENSAIOS SOBRE OS RECIPIENTES SOB PRESSÃO, AEROSSÓIS, RECIPIENTES DE BAIXA CAPACIDADE CONTENDO GÁS (CARTUCHOS DE GÁS) E CARTUCHOS DE PILHAS DE COMBUSTÍVEL

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura. Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura

Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura. Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura 1 Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas...

Leia mais

Externato Cantinho Escolar. Plano Anual de Atividades

Externato Cantinho Escolar. Plano Anual de Atividades Externato Cantinho Escolar Plano Anual de Atividades Ano letivo 2014 / 2015 Pré-escolar e 1º Ciclo Ação Local Objetivos Atividades Materiais Recursos Humanos Receção dos Fomentar a integração da criança

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016 Associação Sénior de Odivelas A Universidade Sénior de Odivelas é um projecto inovador que tem por base a promoção da qualidade de vida dos seniores de Odivelas, fomentando

Leia mais

Projeto Pedagógico. Engenharia de Produção. Bacharelado

Projeto Pedagógico. Engenharia de Produção. Bacharelado Projeto Pedagógico Engenharia de Produção Bacharelado Americana 2015 LICEU CORAÇÃO DE JESUS Intituição Mantenedora Prof. M. P. Joé Adão Rodrigue da Silva Preidente CENTRO UNIVERSITÁRIO SALESIANO DE SÃO

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013 Manual do Coordenador / Diretor de Curso Ano letivo 2012/2013 Índice Índice... 1 Atribuições do Coordenador/Diretor de Curso... 2 Horários... 4 Alteração de Horários... 5 Arquivo de Documentação... 5 C1

Leia mais

PROBLEMAS SOCIAIS. Recursos Humanos / Parceiros

PROBLEMAS SOCIAIS. Recursos Humanos / Parceiros PROBLEMAS SOCIAIS Actividades 1. 1.1 Definição do Projecto Gabinete de Apoio à Família. 1.2 Procura de Fontes de Financiamento. 1.3 Funcionamento do Gabinete. Calendarização Abr-Mai Set-Dez Recursos Humanos

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde PROJETO UNISAÚDE HARMONIA CORPORAL E MENTAL NO TRABALHO : AMPLIANDO HORIZONTES Lilian Zanoni Nogueira Sorocaba Julho,

Leia mais

CONSELHO DESPORTIVO MUNICIPAL DESPORTO ADAPTADO PROJETO DESPORTO PARA A POPULAÇÃO COM DEFICIÊNCIA

CONSELHO DESPORTIVO MUNICIPAL DESPORTO ADAPTADO PROJETO DESPORTO PARA A POPULAÇÃO COM DEFICIÊNCIA CONSELHO DESPORTIVO MUNICIPAL DESPORTO ADAPTADO PROJETO DESPORTO PARA A POPULAÇÃO COM DEFICIÊNCIA I - ENQUADRAMENTO A prática desportiva regular, por parte da população com deficiência, constitui uma contribuição

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Reolução n 12/ 2013 Aprova a reformulação do Projeto Pedagógico do Curo de Graduação em Pedagogia

Leia mais

3 Plano de Formação 3.1 Áreas de formação e formador 3.2 Duração e local 3.3 Inscrição e Custo da ação

3 Plano de Formação 3.1 Áreas de formação e formador 3.2 Duração e local 3.3 Inscrição e Custo da ação Formação 2012 Praznik Índice: 1 Programa 1.1 Objetivos 1.2 A quem se destina 2 O Formando 2.1 Direitos e deveres 2.2 Assiduidade 2.3 Avaliação 3 Plano de Formação 3.1 Áreas de formação e formador 3.2 Duração

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

Associação de Apoio à Trissomia 21

Associação de Apoio à Trissomia 21 I- Instituição Promotora NOME: AMAR 21 Associação de Apoio à Trissomia 21 MORADA: Rua Tomé de Sousa, nº 19 Edifício Leal, Apt 403 4750-217Arcozelo Barcelos DISTRITO: Braga CONTATOS: 933852811 TIPO DE INSTITUIÇÃO:

Leia mais

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! RELATÓRIO!E!CONTAS!! 2013!/!2014!!!!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! RELATÓRIO!E!CONTAS!! 2013!/!2014!!!! RELATÓRIOECONTAS 2013/2014 RELATÓRIOECONTAS 2013/2014 ÍNDICE PARTEA RELATÓRIODEATIVIDADES Pág. 3 1. Introdução 4 2. Organizaçãointerna 5 3. Comunicação 6 4. Resumodasprincipaisatividadesdesenvolvidasnoanoletivo2013/2014

Leia mais

Dispõe sobre a Gestão Documental no âmbito da 18ª Região da Justiça do Trabalho.

Dispõe sobre a Gestão Documental no âmbito da 18ª Região da Justiça do Trabalho. FL PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 32/2014 Dipõe obre a Getão Documental no âmbito da 18ª Região da Jutiça

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod.

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod. Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA Anos letivos 2014/2015 e 2015/ Página 1 de 13 ÍNDICE Títulos Pág. 1. INTRODUÇÃO 3. 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA 4. 3. DESCRIÇÃO

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Cascais Plano Anual de Atividades 2014/2015 ANEXO 1 DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º CICLO

Agrupamento de Escolas de Cascais Plano Anual de Atividades 2014/2015 ANEXO 1 DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º CICLO ANEO 1 DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º CICLO 0 1º Período A CAF (Componente de Apoio à Família 2 primeiras semanas de setembro e interrupção do Natal) será acionada de acordo com resposta dos Encarregados

Leia mais

Adaptação e Integração do Grupo. Conhecimento de Si e dos Outros, tendo em vista a promoção da sua socialização.

Adaptação e Integração do Grupo. Conhecimento de Si e dos Outros, tendo em vista a promoção da sua socialização. SET. OUT. Recepção aos Novos Alunos. Visita às Casas s. Saí de Reconhecimento ao Meio Envolvente. Observar o Outono. Visita ao 1º Ciclo. Dia Mundial do Animal Vamos tratar dos Animais Abandonados. Aptação

Leia mais

PROJETO CRESCE CAMPO DE FÉRIAS PARA CRIANÇAS COM DOENÇA RENAL ORGANIZAÇÃO

PROJETO CRESCE CAMPO DE FÉRIAS PARA CRIANÇAS COM DOENÇA RENAL ORGANIZAÇÃO PROJETO CRESCE CAMPO DE FÉRIAS PARA CRIANÇAS COM DOENÇA RENAL 2015 ORGANIZAÇÃO O que é o PROJETO CRESCE O Projeto CRESCE, que será organizado pela APIR Associação Portuguesa de Insuficientes Renais pela

Leia mais

COP Comunication on Progress EQÜIDADE DE GÊNERO

COP Comunication on Progress EQÜIDADE DE GÊNERO COP Comunication on Progre São Paulo, 28 de fevereiro de 2011 A Ferol Indútria e Comércio SA declara eu apoio contínuo ao Pacto Global. A Ferol acredita na diveridade e na pluralidade como ferramenta de

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO Curo de Análie Matricial de Etrutura 1 I - INTRODUÇÃO I.1 - Introdução O proceo de um projeto etrutural envolve a determinação de força interna e de ligaçõe e de delocamento de uma etrutura. Eta fae do

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

1 IDENTIFICAÇÃO 2 INTRODUÇÃO

1 IDENTIFICAÇÃO 2 INTRODUÇÃO 1 IDENTIFICAÇÃO Título: PROJETO SOCIAL ABRIGO CRISTÃO Data de realização: às terças e quintas-feiras Local de realização: dependência da Igreja de Ariquemes Horário: das 17:30 às 18:30 às terças e quintas-feiras

Leia mais