Fundamentos da Educação Infantil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundamentos da Educação Infantil"

Transcrição

1 FAAC Faculdade Afonso Cláudio Pólo Tijuca Rio de Janeiro Pós-graduação em Educação Fundamentos da Educação Infantil Rosane Tesch

2 Educação Infantil: Fundamentos e Métodos Zilma Ramos de Oliveira por Adriana Nabahan Reflexão sobre os temas do cotidiano escolar, em seus respectivos contextos institucionais, e sobre as políticas, no confronto com as teorias educacionais e a experiência empírica. Professor: figura imprescindível no processo de mudança social Competências: da prática à consciência política Creches e Pré-escolas - reflexões:* Multiculturalidade Diferentes Linguagens Subjetividade * Elementos constituintes do desenvolvimento humano (construção da imaginação e da lógica)

3 "Na última década a nossa profissão foi transformada de um serviço de baixo status de 'cuidar' de crianças pequenas, amplamente considerado como uma extensão do papel de cuidadora das mulheres de família e, portanto, um papel profissional mais baseado no instinto e na experiência do que na formação ou qualificação, em um instrumento de transformação social crucial para criar uma sociedade melhor e atender a objetivos tanto sociais quanto econômicos". (Janet Moyles, Fundamentos da Educação Infantil)

4 Educação Infantil: Educar e Cuidar Imaginação Sociabilidade Afetividade Criatividade Lógica Educar e Cuidar Formas de Acolhimento Herança Histórica Dimensão Sanitarista e Assistencialista

5 Século XV e XVI Expansão Artística e Comercial Novas visões sobre a criança Novos Modelos Educacionais Ação Educativa voltada para: Interesses imediatos da criança Saberes já construídos por ela Ampliação do ambiente simbólico Século XIX Pensamento Educacional da Modernidade: Novos conceitos Ensino-aprendizagem voltado para a Criança: 1ºs Teóricos Comênio, Rousseau, Pestalozzi, Decroly, Froebel, Montessori

6 Século XX Debate das concepções sobre a infância: Estudo rigoroso e científico Exame das condições de vida da criança Participação da mulher no mercado de trabalho Maior procura por creches e parques infantis Vygotsky e Wallon (interacionistas): Novas descobertas científicas Relação recíproca entre o indivíduo e o meio Vygotsky: Construção do pensamento e da subjetividade = processo cultural O Construtivismo de Constance Camii e Emilia Ferrero Questionamento das práticas Busca por formação especializada

7 LDB - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - Lei nº 9394/96 Crianças de 0 a 6 anos - Etapa inicial da Educação Básica Formação do Professor para a Educação Infantil Professor: de mero executor de decisões alheias a sujeito que decide Livro: Percurso histórico-crítico da Educação Infantil Percurso pedagógico sobre as tendências teóricas e formação do Profissional 4 1ºs capítulos: percurso universal sobre questões da infância e dos cuidados educacionais 5º e 6º capítulos: referências no contexto brasileiro 7º ao 10º capítulos: questões teóricas do desenvolvimento infantil (pedagogia da infância) Capítulos finais: temas sobre formação dos profissionais

8 As Crianças de 0 a 6 anos nas Políticas Educacionais no Brasil: Educação Infantil e/é Fundamental Sônia Kramer Constituição de 88: Direito das Crianças Dever do Estado Opção da Família LDB de 96: 1ª etapa da Educação Básica Anos 70: Educação Compensatória: Compensar carências culturais Deficiências linguísticas Defasagens afetivas

9 Criança como cidadã (últimos 30 anos) Parte de sua classe, grupo, cultura Direito Social das Crianças Assistência, saúde e educação Crianças Criadoras de cultura Produzidas na cultura Valorização do saber que as crianças trazem do seu meio sociocultural Diagnósticos da Educação Pré-escolar no Brasil* milhões de crianças de 0 a 6 anos - 3,51% em creches/escolas milhões de crianças de 0 a 6 anos - 31,2% em creches/escolas * Inclui rede privada. Crianças de 0 a 3 anos - 10% de 57,1% (Kappel, 2005)

10 Dimensões: Política Ética Estética Educação Infantil + Ensino Fundamental Não há fragmentação para a criança Ponto de articulação: cultura Educação Infantil e Ensino Fundamental São indissociáveis: ambos envolvem conhecimentos e afetos; saberes e valores; cuidados e atenção; seriedade e riso. Lei n /2006 Ensino Fundamental passa a ter nove anos, no Brasil, e inclui obrigatoriamente as crianças de 6 anos

11 Trabalho: Apontamentos baseados na observação de crianças de até 6 anos, idade prevista pela LDB - Lei de Diretrizes e Bases, nº 9394/96, como final da etapa de desenvolvimento da Educação Infantil, durante visitação ao Setor Educativo e demais espaços do Centro Cultural Banco do Brasil - CCBB. Os apontamentos devem, necessariamente, levar em consideração as discussões fundamentadas pelos textos das Professoras Zilma Ramos de Oliveira, Educação Infantil: fundamentos e métodos, e Sônia Kramer, As Crianças de 0 a 6 anos nas Políticas Educacionais no Brasil: educação infantil e/é fundamental, além de outros de livre escolha. Mínimo de 20 linhas e máximo de 30.

12 Referências Bibliográficas KRAMER, Sônia. As crianças de 0 a 6 anos nas políticas educacionais no Brasil: educação infantil e/é fundamental. Educ. Soc., Campinas, vol. 27, n Especial, p , out Disponível em OLIVEIRA, Zilma Ramos de. Educação infantil: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, (Coleção Docência em Formação). 255 p.

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL. Silvia Helena Vieira Cruz

A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL. Silvia Helena Vieira Cruz A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia Helena Vieira Cruz INTRODUÇÃO Os ganhos decorrentes das experiências vividas pelas crianças em creches e pré-escolas dependem diretamente

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Tramitação 1988 Promulgação da Constituição Federal 1988 a 1991 Início de discussão do projeto Jorge Hage na Câmara

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 3-CEPE/UNICENTRO, DE 5 DE JANEIRO DE 2011. Aprova o Curso de Especialização em Educação e Diversidade, modalidade regular, a ser ministrado no Campus de Irati, da UNICENTRO. O VICE-REITOR,

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DAS CRIANÇAS NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DAS CRIANÇAS NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONGRESSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA - 2013 Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DAS CRIANÇAS NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Fábio Tomaz Alves (SME/PMF e NUPEIN/UFSC) A ESTRUTURA

Leia mais

CONTEÚDOS DE FILOSOFIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE FILOSOFIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE FILOSOFIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA

Leia mais

EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais. Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR

EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais. Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR EDUCAÇÃO prática social NÃO-ESCOLAR - fábrica - igreja - mídia - partido político - ONGs -

Leia mais

Formação Profissional de Educação Infantil

Formação Profissional de Educação Infantil Formação Profissional de Educação Infantil POR: Cláudia Maria Radetski Susana Fatima Soldi Verônica F. Alves da Silva INTRODUÇÃO O processo de abertura política iniciado no país a partir da década de 80

Leia mais

RELAÇÃO DOS TRABALHOS XVIII ENACED

RELAÇÃO DOS TRABALHOS XVIII ENACED RELAÇÃO DOS TRABALHOS XVIII ENACED Abaixo, a relação dos trabalhos aptos ou inaptos para apresentação e/ou publicação. Caso alguém queira o parecer do seu trabalho não aprovado, favor entrar em contato

Leia mais

NOME DA UNIDADE ESCOLAR: ( ) CRECHE ( ) EDI ( ) ESCOLA MUNICIPAL COM EDUCAÇÃO INFANTIL BAIRRO CRE

NOME DA UNIDADE ESCOLAR: ( ) CRECHE ( ) EDI ( ) ESCOLA MUNICIPAL COM EDUCAÇÃO INFANTIL BAIRRO CRE NOME DA UNIDADE ESCOLAR: ( ) CRECHE ( ) EDI ( ) ESCOLA MUNICIPAL COM EDUCAÇÃO INFANTIL BAIRRO CRE Pesquisa elaborada pelo Sepe/RJ - Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro SAE

Leia mais

O TRABALHO PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA.

O TRABALHO PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA. O TRABALHO PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Roseane Soares Almeidai Rroseane Cruz Freire Rodriguesii Palavras-chave: trabalho pedagógico; formação de professor; educação

Leia mais

Olhe os autistas nos olhos DIREITOS DE CIDADANIA, DEVER DA FAMÍLIA, DO ESTADO E DA SOCIEDADE.

Olhe os autistas nos olhos DIREITOS DE CIDADANIA, DEVER DA FAMÍLIA, DO ESTADO E DA SOCIEDADE. Olhe os autistas nos olhos DIREITOS DE CIDADANIA, DEVER DA FAMÍLIA, DO ESTADO E DA SOCIEDADE. A LEI BRASILEIRA DE PROTEÇÃO AOS AUTISTAS Fruto da luta das famílias pelos direitos dos seus filhos com autismo,

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL QUAL REALIDADE? QUAIS POSSIBILIDADES? QUAIS DESAFIOS? Material elaborado por Instituto Abaporu de Educação e Cultura

EDUCAÇÃO INFANTIL QUAL REALIDADE? QUAIS POSSIBILIDADES? QUAIS DESAFIOS? Material elaborado por Instituto Abaporu de Educação e Cultura EDUCAÇÃO INFANTIL QUAL REALIDADE? QUAIS POSSIBILIDADES? QUAIS DESAFIOS? Material elaborado por Instituto Abaporu de Educação e Cultura Mudança da concepção da função da EI ao longo dos tempos. Há influência

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Educação. Ações de formação e supervisão de estágios na área de educação especial

Universidade de São Paulo Faculdade de Educação. Ações de formação e supervisão de estágios na área de educação especial Universidade de São Paulo Faculdade de Educação Ações de formação e supervisão de estágios na área de educação especial Docentes da área: Carla Biancha Angelucci Cássia Geciauskas Sofiato Karina Soledad

Leia mais

PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento

PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento Jorge Abrahão de Castro Diretor de Temas Sociais da SPI/MPOG Brasília-DF, 26 de agosto de 2015 1 Inovações para o PPA 2016-2019 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

Currículo em Movimento. Prof. Msc. Rodrigo Rodrigues

Currículo em Movimento. Prof. Msc. Rodrigo Rodrigues Currículo em Movimento Prof. Msc. Rodrigo Rodrigues Etimologia/Conceito Currículo: em Movimento: Referências Pedagogia Histórico-Crítica: Psicologia Histórico-Cultural: Referenciais Curriculares Tipo de

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA BOLSA DE ESTÁGIO SECRETARIA DE AÇÃO SOCIAL E CIDADANIA

CONCURSO PÚBLICO PARA BOLSA DE ESTÁGIO SECRETARIA DE AÇÃO SOCIAL E CIDADANIA CONCURSO PÚBLICO PARA BOLSA DE ESTÁGIO SECRETARIA DE AÇÃO SOCIAL E CIDADANIA NOME COMPLETO: RG: CPF: INSTRUÇÕES Leia atentamente e cumpra rigorosamente as instruções que se seguem: Os telefones celulares

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI RETIFICAÇÃO Nº 0 - EDITAL 00/205 EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE MONITORIA REMUNERADA E VOLUNTÁRIA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE INTERDISCIPLINAR EM HUMANIDADES - UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE BUCAL

POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE BUCAL UNIME- União Metropolitana de Educação e Cultura Faculdade de Ciências Agrárias e da Saúde Curso de Odontologia INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS ODONTOLÓGICAS POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE BUCAL Professores(as): Michelle

Leia mais

TENDÊNCIA TECNICISTA. Denise Cristiane Kelly Mendes Mariane Roque

TENDÊNCIA TECNICISTA. Denise Cristiane Kelly Mendes Mariane Roque TENDÊNCIA TECNICISTA Denise Cristiane Kelly Mendes Mariane Roque O PAPEL DA ESCOLA A tendência tecnicista, na educação, tem como objetivo inserir a escola nos modelos de racionalização do sistema de produção

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR A PERSPECTIVA DA ENFERMAGEM NA ATUALIDADE Dra. Juliana Gurgel Passos Fiscal Coren-CE A Enfermagem, por se caracterizar como uma profissão

Leia mais

Ética, Moral e Deontologia

Ética, Moral e Deontologia Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Educação Mestrado em Ensino do 1.º e 2.º Ciclos do Ensino Básico Ética, Moral e Deontologia Unidade Curricular: Educação para a Cidadania Docentes:

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM LUGAR EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº.001/2013

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM LUGAR EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº.001/2013 ERRATA Nº002/23 A Prefeitura Municipal de Bom Lugar - MA, e a Comissão Organizadora do Concurso Público no uso de suas atribuições legais resolvem alterar o Item 1.1, Anexo I, II (Conteúdo programático

Leia mais

Conselho Universitário - Consuni

Conselho Universitário - Consuni PROCESSO nº. 060/10 Procedência: PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO. ASSUNTO: SOLICITAÇÃO DE APROVAÇÃO DO EMENTÁRIO DO CURSO DE PEDAGOGIA. 1 HISTÓRICO PARECER nº. 051/10 DATA: 15/09/10 A Pró-Reitoria

Leia mais

OFICINA III PESQUISA EXPLORATÓRIA CITAÇÕES

OFICINA III PESQUISA EXPLORATÓRIA CITAÇÕES OFICINA III PESQUISA EXPLORATÓRIA CITAÇÕES Curso: Docência do Ensino Superior Disciplina: Metodologia da Pesquisa Científica Professora: Marilúcia Magalhães Equipe: Daniela Bulcão, Elaine Conceição, Erick

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO Curso: Pedagogia PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Disciplina: Estrutura e Funcionamento da Educação Básica II Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo)

Leia mais

A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos

A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos Organizadoras: Francisca Izabel Pereira Maciel Mônica Correia Baptista Sara Mourão Monteiro Estrutura da exposição 1. O contexto

Leia mais

Trabalho 001- Estratégias oficiais de reorientação da formação profissional em saúde: contribuições ao debate. 1.Introdução

Trabalho 001- Estratégias oficiais de reorientação da formação profissional em saúde: contribuições ao debate. 1.Introdução Trabalho 001- Estratégias oficiais de reorientação da formação profissional em saúde: contribuições ao debate. 1.Introdução As pesquisas e os investimentos que influenciaram as mudanças nas propostas para

Leia mais

Palavras-chave: Inclusão. Educação infantil. Projetos de linguagens.

Palavras-chave: Inclusão. Educação infantil. Projetos de linguagens. O PENSAMENTO DA INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA ANÁLISE DE EXPERIÊNCIAS INVENTIVAS COM PROJETOS DE LINGUAGENS NA UNIDADE DE EDUCAÇÃO INFANTIL CREMAÇÃO / BELÉM - PA Edith Gonçalves Costa Kelry Leão Oliveira

Leia mais

FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO. Número de aulas semanais 1ª 2. Apresentação da Disciplina

FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO. Número de aulas semanais 1ª 2. Apresentação da Disciplina FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Série Número de aulas semanais 1ª 2 Apresentação da Disciplina Uma das principais características que distinguem o ser humano das outras espécies animais é a sua capacidade

Leia mais

Educação Infantil: como fazer valer esse direito?

Educação Infantil: como fazer valer esse direito? Educação Infantil: como fazer valer esse direito? Sabemos o que é qualidade em cuidados e educação. Sabemos o que uma bela infância representa. A hora de se justificar já passou, há muito tempo. Agora

Leia mais

TEMAS ATUAIS EM DIDÁTICA

TEMAS ATUAIS EM DIDÁTICA RESENHA TEMAS ATUAIS EM DIDÁTICA TEIXEIRA, Adla Betsaida Martins (Org.). Temas atuais em Didática. Belo Horizonte: UFMG, 2010. Por Daniela Ribeiro Medeiros Batista 1 Cláudio Pinto Nunes 2 Publicado em

Leia mais

AQUARELA: HUMANIZANDO FUTUROS PROFISSIONAIS ATRAVÉS DE VIVÊNCIAS SOCIAIS

AQUARELA: HUMANIZANDO FUTUROS PROFISSIONAIS ATRAVÉS DE VIVÊNCIAS SOCIAIS AQUARELA: HUMANIZANDO FUTUROS PROFISSIONAIS ATRAVÉS DE VIVÊNCIAS SOCIAIS ALMEIDA¹, Dayane Dayse Lopes Avelino de PADILHA², Wilton Wilney Nascimento Centro de Ciências da Saúde/ Departamento de Clínica

Leia mais

Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania.

Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania. Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania. FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DEMOCRACIA REGIME PAUTADO NA SOBERANIA POPULAR E NO RESPEITO

Leia mais

Em 23/2/2005, o Senhor Secretário de Educação Básica do Ministério da Educação,

Em 23/2/2005, o Senhor Secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 28/10/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Educação/Secretaria de

Leia mais

setembro/2014 São Miguel dos Campos Dados secundários + questionário Fontes: Atlas Brasil 2013; IDEB 2013; Mapa da violência 2012; Mapa DCA.

setembro/2014 São Miguel dos Campos Dados secundários + questionário Fontes: Atlas Brasil 2013; IDEB 2013; Mapa da violência 2012; Mapa DCA. São Miguel dos Campos setembro/2014 Levantamento diagnóstico Fórum Intersetorial Dados secundários + questionário Fontes: Atlas Brasil 2013; IDEB 2013; Mapa da violência 2012; Mapa DCA. Estrutura Etária

Leia mais

PLANO INDIVIDUAL DE ATENDIMENTO

PLANO INDIVIDUAL DE ATENDIMENTO PLANO INDIVIDUAL DE ATENDIMENTO GUIA DE ACOLHIMENTO: PROCESSO: FORO/VARA DE INFÂNCIA E JUVENTUDE: NOME DA CRIANÇA/ADOLESCENTE: NATURALIDADE: UF: DATA DE NASCIMENTO: FILIAÇÃO: ENDEREÇO DA FAMÍLIA: TELEFONE

Leia mais

O ENSINO NUMA ABORDAGEM CTS EM ESCOLA PÚBLICA DE GOIÂNIA

O ENSINO NUMA ABORDAGEM CTS EM ESCOLA PÚBLICA DE GOIÂNIA O ENSINO NUMA ABORDAGEM CTS EM ESCOLA PÚBLICA DE GOIÂNIA Rafaella Rodrigues Santos 1 Danielle Regina de Ávila 2 Paulo Vinícius de Carvalho 3 Mirian Pacheco Silva 4 RESUMO: Pensando na formação de sujeitos

Leia mais

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL PARA CRIANÇAS DE 6 MESES A 2 ANOS DE IDADE

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL PARA CRIANÇAS DE 6 MESES A 2 ANOS DE IDADE 1 BERNADETE LOURDES DE SOUSA BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL PARA CRIANÇAS DE 6 MESES A 2 ANOS DE IDADE SINOP 2010 2 BERNADETE LOURDES DE SOUSA BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Leia mais

Artes Visuais. Profª Ms. Alessandra Freitas Profª Ms. Gabriela Maffei Professoras das Faculdades COC. 12 e 13 de Maio

Artes Visuais. Profª Ms. Alessandra Freitas Profª Ms. Gabriela Maffei Professoras das Faculdades COC. 12 e 13 de Maio Artes Visuais Profª Ms. Alessandra Freitas Profª Ms. Gabriela Maffei Professoras das Faculdades COC 12 e 13 de Maio Temas propostos para discussão O que é Arte? A arte e a educação. O que são Artes Visuais?

Leia mais

PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA

PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA MANUAL DO PROJETO PEDAGÓGICO PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA LICENCIATURA Ribeirão Pires Missão da FIRP Alcançar a oferta e a prática de uma educação solidária, possibilitando

Leia mais

PEDAGOGIA. Ementas das Disciplinas

PEDAGOGIA. Ementas das Disciplinas PEDAGOGIA Ementas das Disciplinas 1. COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO A leitura como vínculo leitor/texto, através da subjetividade contextual, de atividades de retextualização, e da integração com estudos lexicais

Leia mais

Respeitados os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade previstas na Constituição.

Respeitados os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade previstas na Constituição. 1) Acrescenta-se art. 5ºA: Art. 5º A O investimento público total em educação oferecida nas instituições públicas estatais deve atingir, no primeiro ano de vigência do Plano, no mínimo 5% do PIB de Natal.

Leia mais

MAIS EDUCAÇÃO. Brasília, 2008. Instituído pela Portaria Interministerial nº 17/2007, de 24/04/2007

MAIS EDUCAÇÃO. Brasília, 2008. Instituído pela Portaria Interministerial nº 17/2007, de 24/04/2007 Instituído pela Portaria Interministerial nº 17/2007, de 24/04/2007 -Ministério da Educação -Ministério do Esporte -Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome -Ministério da Cultura -Ministério

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil O Presidente

Leia mais

Panel 1. State of the Science in the U.S. and Brazil. Soo-Young Hong Natalie Williams Tizuko Kishimoto Gisela Wajskop

Panel 1. State of the Science in the U.S. and Brazil. Soo-Young Hong Natalie Williams Tizuko Kishimoto Gisela Wajskop Panel 1. State of the Science in the U.S. and Brazil Soo-Young Hong Natalie Williams Tizuko Kishimoto Gisela Wajskop PESQUISA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA MELHORAR A VIDA DAS CRIANÇAS Tizuko Morchida

Leia mais

O direito à participação juvenil

O direito à participação juvenil O direito à participação juvenil Quem nunca ouviu dizer que os jovens são o futuro do país? Quase todo mundo, não é verdade? Porém a afirmativa merece uma reflexão: se os jovens são o futuro do país, qual

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE)

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) Núcleo de Apoio à Prática Profissional das Licenciaturas CURSOS DE LICENCIATURAS PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Atualizado em 17 jun 2016 5º. PERÍODO 4º. PERÍODO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR E PLANEJAMENTO EDUCACIONAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR E PLANEJAMENTO EDUCACIONAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR E PLANEJAMENTO EDUCACIONAL INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO EDITAL N 127, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010, PUBLICADO NO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FICHA DE DISCIPLINA CH TOTAL TEÓRICA: OBJETIVOS EMENTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FICHA DE DISCIPLINA CH TOTAL TEÓRICA: OBJETIVOS EMENTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Psicologia da Educação CÓDIGO: UNIDADE ACADÊMICA: Faculdade de Psicologia PERÍODO:

Leia mais

Decreto-Lei n.º 240/2001 de 30 de Agosto

Decreto-Lei n.º 240/2001 de 30 de Agosto Decreto-Lei n.º 240/2001 de 30 de Agosto O regime de qualificação para a docência na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário encontra o seu enquadramento jurídico estabelecido no artigo

Leia mais

O SIGNIFICADO DA PESQUISA SEGUNDO PROFESSORES FORMADORES ENS,

O SIGNIFICADO DA PESQUISA SEGUNDO PROFESSORES FORMADORES ENS, O SIGNIFICADO DA PESQUISA SEGUNDO PROFESSORES FORMADORES ENS, Romilda Teodora PUCPR/PUCSP romilda@bruc.com.br GT: Formação de Professores / n. 08 Agência Financiadora: Sem Financiamento Introdução A palavra

Leia mais

SALA DE APOIO À APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS PARA OS 6ºS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ESPAÇO COMPLEMENTAR DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

SALA DE APOIO À APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS PARA OS 6ºS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ESPAÇO COMPLEMENTAR DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

de professores para os desenhos de crianças, de

de professores para os desenhos de crianças, de RESENHA Ver depois de olhar: a formação do olhar de professores para os desenhos de crianças, de Silvana de Oliveira Augusto Estela Bonci* O livro Ver depois de olhar: a formação do olhar de professores

Leia mais

Oficina de formação Tema: Avaliação da aprendizagem: qualidade de instrumentos de análise

Oficina de formação Tema: Avaliação da aprendizagem: qualidade de instrumentos de análise Oficina de formação Tema: Avaliação da aprendizagem: qualidade de instrumentos de análise Dr. Maria Isabel da Cunha Unisinos QUALIDADE DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Princípios: O êxito do aluno depende

Leia mais

NOVOS DEBATES SOBRE A BASE NACIONAL COMUM: Desafios, perspectiva, expectativas. Suely Melo de Castro Menezes

NOVOS DEBATES SOBRE A BASE NACIONAL COMUM: Desafios, perspectiva, expectativas. Suely Melo de Castro Menezes NOVOS DEBATES SOBRE A BASE NACIONAL COMUM: Desafios, perspectiva, expectativas. Suely Melo de Castro Menezes Construção da Política Nacional Curricular MOMENTO ATUAL O MEC, em articulação com os entes

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E A FORMAÇÃO DA CRIANÇA

A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E A FORMAÇÃO DA CRIANÇA A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E A FORMAÇÃO DA CRIANÇA Iama dos Santos Souza Faculdades Integradas de Patos FIP Email: iamasantossouza@hotmail.com INTRODUÇÃO A organização do espaço é um

Leia mais

Foto: Harald Schistek

Foto: Harald Schistek Foto: Harald Schistek 43 A adolescência é uma fase especial de afirmação da autonomia do indivíduo, vital para o exercício da cidadania e de seus múltiplos direitos. Caracteriza-se por uma etapa do desenvolvimento

Leia mais

Palavras chaves: Autoavaliação institucional; Indicadores de qualidade; Avaliações externas

Palavras chaves: Autoavaliação institucional; Indicadores de qualidade; Avaliações externas 01180 AVALIAÇÃO NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE Janete Ribeiro Nhoque Julio Gomes Almeida Programa de Pós Graduação em Educação Universidade Cidade de São Paulo Resumo: O objetivo

Leia mais

Aula 7 Projeto integrador e laboratório.

Aula 7 Projeto integrador e laboratório. Projeto integrador e laboratório Conteúdos da aula 2. Laboratório 2 O Projeto integrador: uma forma de evidenciar o saber Ao ingressar no ensino técnico, os alunos se deparam com a questão da formatação

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Gestão Escolar II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) Gestão escolar democrática: aspectos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Justificativa. Considerando a necessidade da organização, coordenação e implementação de uma melhor qualidade no processo ensino e aprendizagem se faz necessário o trabalho

Leia mais

CARTA EM DEFESA DA DEMOCRACIA E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL

CARTA EM DEFESA DA DEMOCRACIA E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL CARTA EM DEFESA DA DEMOCRACIA E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL O MIEIB - Movimento Interfóruns de Educação Infantil do Brasil é constituído por 26 Fóruns Estaduais de Educação Infantil e 01 Fórum de Educação

Leia mais

TÍTULO: PROJETO EDUCAÇÃO JOVENS E ADULTOS (EJA) CIDADÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE ESCOLA.

TÍTULO: PROJETO EDUCAÇÃO JOVENS E ADULTOS (EJA) CIDADÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE ESCOLA. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROJETO EDUCAÇÃO JOVENS E ADULTOS (EJA) CIDADÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE

Leia mais

Sala temática Educação de Jovens e Adultos e Educação do Campo

Sala temática Educação de Jovens e Adultos e Educação do Campo Sala temática Educação de Jovens e Adultos e Educação do Campo Os desafios para garantir o acesso, a permanência e a aprendizagem com qualidade na educação de jovens e adultos e na educação do campo Os

Leia mais

INCLUSÃO E EDUCAÇÃO INFANTIL NO BRASIL

INCLUSÃO E EDUCAÇÃO INFANTIL NO BRASIL INCLUSÃO E EDUCAÇÃO INFANTIL NO BRASIL Claudia Regina Mosca GIROTO; Beatriz Aparecida Barboza do NASCIMENTO UNESP - Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC)/ Campus de Marília/SP e Faculdade de Ciências

Leia mais

Enem e Saeb: jornais destacam o baixo desempenho e elaboram rankings de melhores escolas Qui, 15 de Fevereiro de 2007 21:00

Enem e Saeb: jornais destacam o baixo desempenho e elaboram rankings de melhores escolas Qui, 15 de Fevereiro de 2007 21:00 A divulgação dos resultados do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb) e do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), os principais exames de avaliação dos estudantes da educação básica, recebeu

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO 1 ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO EDITAL Nº 2.009 / 2016/ SED RETIFICAÇÃO (ALTERA o Edital n. 1.960 /2016 / SED) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Versão final MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA UNOESC CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Art. 1º O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

PERCURSO DA ESCOLA INCLUSIVA

PERCURSO DA ESCOLA INCLUSIVA PERCURSO DA ESCOLA INCLUSIVA Formadora: Patrícia Almeida SÉCULO XX Evolução de atitudes e práticas face à diferença: 1. Início do século: Período dos esquecidos e escondidos. 2. Anos 50 e 60: Período de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social Centro de Imprensa. Índice Futuridade

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social Centro de Imprensa. Índice Futuridade Índice Futuridade Plano Futuridade O FUTURIDADE: Plano Estadual para a Pessoa Idosa é uma iniciativa da Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social - Seads que objetiva fortalecer a rede

Leia mais

ALVES, F. (coord.) (2001). Acção Social na área da saúde mental. Lisboa: Universidade Aberta.

ALVES, F. (coord.) (2001). Acção Social na área da saúde mental. Lisboa: Universidade Aberta. Bibliografia ALVES, F. (coord.) (2001). Acção Social na área da saúde mental. Lisboa: Universidade Aberta. AMARAL, Maria de Lurdes (2003). Os 26 anos do Hospital Pediátrico de Coimbra. In Revista do Centro

Leia mais

Estado de Santa Catarina Município de Nova Trento Edital n.º 001/2014 de CONCURSO PÚBLICO

Estado de Santa Catarina Município de Nova Trento Edital n.º 001/2014 de CONCURSO PÚBLICO Ato 006/PMNT/ED001/14 PARECER DOS RECURSOS CONTRA QUESTÕES E PROVA ESCRITA DO EDITAL Nº 001/2014 DE CONCURSO PÚBLICO O PREFEITO MUNICIPAL do município de Nova Trento, Estado de Santa Catarina, no uso de

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA DE PEDAGOGIA

PROVA ESPECÍFICA DE PEDAGOGIA 12 PROVA ESPECÍFICA DE PEDAGOGIA QUESTÃO 41: Segundo a finalidade da prática pedagógica, uma ação orientadora educativa só poderá ser avaliada a partir da reflexão sobre a quem interessa e a quem pretende

Leia mais

A TABELA PERÍÓDICA EM LIBRAS COMO INSTRUMENTO DE ACESSIBILIDADE PARA O ESTUDANTE SURDO NO APRENDIZADO DA QUÍMICA. Introdução

A TABELA PERÍÓDICA EM LIBRAS COMO INSTRUMENTO DE ACESSIBILIDADE PARA O ESTUDANTE SURDO NO APRENDIZADO DA QUÍMICA. Introdução A TABELA PERÍÓDICA EM LIBRAS COMO INSTRUMENTO DE ACESSIBILIDADE PARA O ESTUDANTE SURDO NO APRENDIZADO DA QUÍMICA *Deivisson Santos da Silva, Elias de Melo, Joferlândia Grigório Siqueira, Marcos Rogério

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3, DE 13 DE MAIO DE 2016

RESOLUÇÃO Nº 3, DE 13 DE MAIO DE 2016 RESOLUÇÃO Nº 3, DE 13 DE MAIO DE 2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DOU de 16/05/2016 (nº 92, Seção 1, pág. 6) Define Diretrizes

Leia mais

Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua

Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua REGULAMENTO DE ACREDITAÇÃO DE FORMADORES/AS Projecto Preâmbulo Considerando que o Regime Jurídico de Formação Contínua de Professores/as (RJFCP), aprovado

Leia mais

PROJETO CULTURA DIGITAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL

PROJETO CULTURA DIGITAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL PROJETO CULTURA DIGITAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL Apresentação Objetivo Geral e Justificativa Objetivos Específicos Resultados Metodologia Operacionalização Formas de investimento Orçamento Contrapartidas Apresentação

Leia mais

Matriz de Ações 2013 As ações constantes neste relatório estão sendo executadas no Território da Cidadania: Curimataú - PB

Matriz de Ações 2013 As ações constantes neste relatório estão sendo executadas no Território da Cidadania: Curimataú - PB Matriz de Ações 2013 As ações constantes neste relatório estão sendo executadas no Território da Cidadania: Curimataú - PB Matriz de Ações 2013 1 Min. da Educação - MEC 1 Programa Mais Educação Campo Matriz

Leia mais

para esta temática que envolvem o enfrentamento ao trabalho infantil tais como o Projeto Escola que Protege.

para esta temática que envolvem o enfrentamento ao trabalho infantil tais como o Projeto Escola que Protege. A Coordenação Geral de Direitos Humanos DEIDHUC/SECAD/MEC tem como uma de suas atribuições fomentar ações de promoção e defesa dos direitos de crianças e adolescentes. Nesse sentido, considerando a escola

Leia mais

Visão Educação Integral 2025 (texto provisório)

Visão Educação Integral 2025 (texto provisório) Visão Educação Integral 2025 (texto provisório) O Brasil Marista desenvolve experiências pedagógicas de educação integral, em tempo integral, que dialogam ativamente com as necessidades, desejos e proposições

Leia mais

DESENHO CRÍTICO ANALISANDO A CRITICIDADE DOS ALUNOS NAS SALAS DE AULA DO BRASIL 1

DESENHO CRÍTICO ANALISANDO A CRITICIDADE DOS ALUNOS NAS SALAS DE AULA DO BRASIL 1 - SEPesq DESENHO CRÍTICO ANALISANDO A CRITICIDADE DOS ALUNOS NAS SALAS DE AULA DO BRASIL 1 José Eduardo Guterres Pereira Graduando em Pedagogia joseguterres@live.com Resumo: Precisamos tornar a educação

Leia mais

AÇÃO EDUCATIVA COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO DO ENFERMEIRO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

AÇÃO EDUCATIVA COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO DO ENFERMEIRO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA AÇÃO EDUCATIVA COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO DO ENFERMEIRO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Gabriela Marchiori Carmo AZZOLIN 1 Meey Lee Rivadeneyra Milla MANCIO 2 Desde seus primórdios, a enfermagem se adaptou às

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense Câmpus Charqueadas

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense Câmpus Charqueadas Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense Câmpus Charqueadas EDITAL n 03/ 2014 - SELEÇÃO INTERNA TEMPORÁRIA DE PROFESSORES O Instituto Federal Sul-rio-grandense

Leia mais

NAPE. Núcleo de Apoio PsicoEducativo. Divisão de Assuntos Sociais

NAPE. Núcleo de Apoio PsicoEducativo. Divisão de Assuntos Sociais NAPE Núcleo de Apoio PsicoEducativo Divisão de Assuntos Sociais Missão A missão do NAPE centra-se no combate ao insucesso e abandono escolar com intervenção dirigida preferencialmente aos alunos do pré-escolar

Leia mais

SISTEMA DE EDUCAÇÃO. www.logosofico.com.br. 9 de abril - sábado, das 8h às 12h15

SISTEMA DE EDUCAÇÃO. www.logosofico.com.br. 9 de abril - sábado, das 8h às 12h15 SISTEMA 9 de abril - sábado, das 8h às 12h15 SISTEMA Local: Colégio Logosófico Unidade Funcionários Rua Piauí, 742 Bairro Funcionários Fone: (31) 3218-1717 Inscrições pelo e-mail: cursos-fc@colegiologosofico.com.br

Leia mais

Aula Ensino: planejamento e avaliação. Profª. Ms. Cláudia Benedetti

Aula Ensino: planejamento e avaliação. Profª. Ms. Cláudia Benedetti Aula Ensino: planejamento e avaliação Profª. Ms. Cláudia Benedetti Profa. M.a. Cláudia Benedetti Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1998). Mestre

Leia mais

PLANO DE GOVERNO UNIÃO DEMOCRÁTICA E POPULAR 2013-2016 SAÚDE

PLANO DE GOVERNO UNIÃO DEMOCRÁTICA E POPULAR 2013-2016 SAÚDE PLANO DE GOVERNO UNIÃO DEMOCRÁTICA E POPULAR 2013-2016 SAÚDE Valorização dos profissionais dentro disso; analisar a possibilidade da criação de plano de carreira de todos os profissionais da prefeitura;

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE RONDÔNIA CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DA INFÂNCIA E JUVENTUDE E DA DEFESA DOS USUÁRIOS DOS SERVIÇOS DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE RONDÔNIA CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DA INFÂNCIA E JUVENTUDE E DA DEFESA DOS USUÁRIOS DOS SERVIÇOS DE EDUCAÇÃO "A educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. Se a nossa opção é progressista, se estamos a favor da vida e não da morte, da equidade e não da injustiça, do direito

Leia mais

Grade 2015.1 Duas Titulações

Grade 2015.1 Duas Titulações Grade 2015.1 Duas Titulações 1º semestre CH Disciplina 1Psicologia, Ciência e Profissão Disciplina 2Origens Evolucionárias do comportamento Disciplina 3Teorias da Personalidade Disciplina 4Processos Psicológicos

Leia mais

O USO DAS TICs NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS(2012) 1

O USO DAS TICs NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS(2012) 1 O USO DAS TICs NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS(2012) 1 CASSEL, DEISE 2 ; CORRÊA, JUCIANI 3. 1 Trabalho apresentado no curso de Pedagogia - UNIFRA 2 Curso de Pedagogia do Centro Universitário Franciscano

Leia mais

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL, ESPECIAL E TRANSTORNOS GLOBAIS

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL, ESPECIAL E TRANSTORNOS GLOBAIS Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL, ESPECIAL E TRANSTORNOS GLOBAIS ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Educação Infantil, Especial

Leia mais

ERRATA AO EDITAL DA SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 001/2016 SME

ERRATA AO EDITAL DA SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 001/2016 SME ERRATA AO EDITAL DA SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 00/206 SME A PREFEITURA MUNICIPAL DO CABO DE SANTO AGOSTINHO/PE, no uso de suas atribuições, resolve SUPRIMIR o item.0 do Edital da Seleção Pública Simplificada

Leia mais

Em 95% das cidades do Semi-árido, a taxa de mortalidade infantil é superior à média nacional

Em 95% das cidades do Semi-árido, a taxa de mortalidade infantil é superior à média nacional 1 Quase 11 milhões de crianças e adolescentes vivem no Semi-árido brasileiro. É uma população mais jovem do que a média brasileira, mas com o futuro comprometido pelos graves indicadores sociais. Em 95%

Leia mais

Formadora: Adelaide Ribeiro

Formadora: Adelaide Ribeiro Formadora: Adelaide Ribeiro Meios de Comunicação Social (Meios de Comunicação de Massas) Televisão Rádio Imprensa Cinema Internet Educação para os media «Foi a designação que recebeu, em diversos países,

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Filosofia e Ciências Humanas Faculdade de Educação Pós-Graduação Lato Sensu

Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Filosofia e Ciências Humanas Faculdade de Educação Pós-Graduação Lato Sensu Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Filosofia e Ciências Humanas Faculdade de Educação Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DOCÊNCIA DA EDUCAÇÃO INFANTIL NATASHA PITANGUY DE

Leia mais

Educação infantil no município de Sobral: concepção e políticas públicas

Educação infantil no município de Sobral: concepção e políticas públicas Educação infantil no município de Sobral: concepção e políticas públicas Patrícia da C. Parreiras (1) Resumo - O atendimento às crianças de 0 a 6 anos - Educação Infantil - no município de Sobral - CE,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB Departamento de Educação Campus VII - Senhor do Bonfim Curso de Enfermagem Grupo de Pesquisa sobre o Cuidado em Enfermagem GPCEnf/CNPq ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENFERMAGEM

Leia mais

Categoria Trabalho Acadêmico / Resumo Expandido

Categoria Trabalho Acadêmico / Resumo Expandido Categoria Trabalho Acadêmico / Resumo Expandido Eixo Temático - (Mudanças Climáticas) Titulo do Trabalho O Tema Aquecimento Global como instrumento de discussão do Ensino de Ciências, no projeto Casa da

Leia mais

ÇÃO PERMANENTE PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃ

ÇÃO PERMANENTE PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃ ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA P DO PARANÁ CENTRO FORMADOR DE RECURSOS HUMANOS PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃ ÇÃO PERMANENTE 2011-2013 2013 ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA ATÉ 2010 CENTRO FORMADOR DE RECURSO HUMANOS 2011..

Leia mais