UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TERCEIRIZAÇÃO NO DIREITO TRABALHO CRISEIDE DOS SANTOS BELO ORIENTADOR PROF. CARLOS AFONSO LEITE LEOCADIO RIO DE JANEIRO 2011

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TERCEIRIZAÇÃO NO DIREITO TRABALHO Monografia apresentada à Universidade Candido Mendes AVM Faculdade Integrada, como requisito parcial para a conclusão do curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito e Processo do Trabalho. Por: Criseide dos Santos Belo.

3 Agradeço a todos os professores e mestres por seus importantes ensinamentos. 3

4 Dedica-se a minha família por todo apoio de sempre, aos meus amigos e ao meu marido pela força. 4

5 5 RESUMO A realização das atividades organizacionais por pessoas jurídicas distintas da organização tem sido definida como terceirização. Na realidade, terceirização consiste em transferir a terceiros a execução de tarefas para as quais a relação custo/benefício da execução interna não é das mais vantajosas, seja do ponto de vista financeiro, de qualidade, ou mesmo de especialidade. Essa prática surgiu inicialmente nas áreas ditas de apoio como: conservação e limpeza, assistência médica e alimentação de funcionários. Atualmente, sob o impacto das novas tecnologias de gestão, as atividades empresariais já adotam terceirização em outros segmentos, além daqueles ligados à logística, tais como operações relacionadas com processamento de dados, assistência jurídica, contábeis, e várias outras. De maneira positiva na adoção deste tipo de modalidade de contratação de serviços, é que se torna desnecessária a manutenção de uma equipe própria, envolvendo todos os custos, tais como salários, encargos sociais, treinamento, livros técnicos, espaço ocupado dentro da organização e gastos com equipamentos.

6 6 METODOLOGIA O estudo que ora se apresenta foi levado a efeito a partir do método da pesquisa bibliográfica, em que se buscou o conhecimento em diversos tipos de publicações, como livros e artigos em jornais, revistas e outros periódicos especializados, além de publicações oficiais da legislação e da jurisprudência em sites.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 9 CAPÍTULO I- PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO CONCEITOS E ASPECTOS GERAIS DA TERCEIRIZAÇÃO FORMAS DE TERCEIRIZAÇÃO CAPÍTULO II- VANTAGENS E BENEFÍCIOS DA TERCEIRIZAÇÃO RISCO E DESVANTAGENS DA TERCEIRIZAÇÃO CAPÍTULO III- BUSINESS PROCESS OUTSOURCING AS PRINCIPAIS ÁREAS DO BPO BENEFÍCIOS DO BPO CAPÍTULO IV- FATORES CONDICIONANTES DA TERCEIRIZAÇÃO O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E AS ATIVIDADES QUE PODEM SER TERCEIRIZADAS BENEFÍCIOS COMO DESENVOLVER AS PARCERIAS COMO ELABORAR UM CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO... 32

8 8 4.4 ASPECTOS TRABALHISTAS CONCLUSÃO...39 BIBLIOGRAFIA...40 INDICE...43

9 9 INTRODUÇÃO A prática da terceirização como um processo ou técnica administrativa surgiu após o início da II Guerra Mundial, quando as indústrias bélicas norte-americanas passaram a delegar algumas atividades para empresas prestadoras de serviços, pois desejavam concentrar-se na atividade principal, voltada ao desenvolvimento e produção de armamentos. No Brasil, a palavra terceirização teria sido cunhada inicialmente dentro da empresa Riocell, tendo como significado apenas a contratação de outras pessoas ou de empresas para a realização de atividades não-fins em qualquer organização. Entretanto, com o passar do tempo, com a evolução do conceito atribuído à terceirização, ela passou a ser vista como processo de gestão, pelo qual terceiros assumem algumas atividades estabelecendo relações de parcerias. Assim, a empresa preocupa-se em desempenhar somente as tarefas ligadas ao seu ramo de negócio. Os conceitos de terceirização evoluíram e a maioria dos autores sobre o tema enfatiza alguns elementos em comum, tais como parceria, qualidade e mudança. Os registros mencionam ainda as vantagens competitivas advindas de estratégias bem planejadas, decorrentes de saudável relacionamento entre cliente e fornecedor. Essa abordagem de relacionamento pressupõe a existência de uma ação solidária entre as partes, na qual há prevalência dos interesses mútuos pela qualidade. A adoção das novas práticas proporciona maior satisfação para todos os envolvidos no processo. Amato Neto (1995) descreve que a empresa moderna deveria dedicar-se às atividades e às operações que realmente possam traduzir-se em vantagens competitivas para a organização em si, concentrando-se em unidades de negócios, caracterizadas por apresentarem um número cada vez mais restrito

10 10 de atividades. Deste modo, há diminuição do número de processos de produção, redução das estruturas administrativas e repasse de atribuições uma rede de outras organizações, que se tornam fornecedores contratados para desempenhar as atividades não essenciais.

11 11 CAPÍTULO I PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO A terceirização ocorre quando uma empresa decide transferir à outra empresa a produção de bens ou de serviços, que anteriormente realizava com seus próprios recursos. Assim, ao invés de produzir determinados serviços ou produtos, essa passa a comprá-los de fornecedores na medida de suas necessidades. Com isso, a empresa transforma seus custos fixos em custos variáveis, liberam recursos e pessoas, espaço e administração. A terceirização é, portanto, uma subcontratação, uma transferência para terceiros das atividades anteriormente realizadas pela própria empresa. Atualmente, muitas empresas vêem a terceirização como uma possibilidade de garantir a redução de custos operacionais, porém essa não deve, nem deveria ser o principal motivo para a busca do processo. Os objetivos não devem ser voltados para custos finais menores e sim, que estes sejam conseqüências do processo. Diversos autores (CHIAVENATTO, 1995, KARDEC, 2002, POLÔNIO, 2000) apontam que este é um dos maiores erros cometidos em um processo de terceirização. Os resultados da terceirização não são imediatos, e sim, são percebidos paulatinamente à medida que irão se concretizando. As terceirizações maduras das empresas de ponta são vistas como uma filosofia empresarial, obtendo no decorrer do processo ganhos em especialização, agilidade e mobilidade, para atender ao mercado em permanente mudança e com um quadro de colaboradores internos enxuto, em menor impacto estrutural.

12 12 As empresas, quando voltadas a sua atividade principal, têm como aprimorar e desenvolver novas técnicas de produção ou de prestação de serviços, permitindo concentrar sua atenção apenas naquele segmento ou nos serviços de sua especialidade. Pela terceirização, a contratante deixa de realizar várias, atividademeio com seus próprios recursos e as repassa para a empresa contratada, gerando assim ganhos em qualidade e competitividade, ao dedicar todos os seus esforços no atendimento pleno ao seu cliente. Como resultado deste processo, alcança-se maior eficiência com produtos de melhor qualidade. A partir da definição das atividades que permanecerão na própria empresa e aquelas que deverão ser compradas externamente tornam-se necessário encontrar um parceiro que realmente atenda às necessidades de qualidade estabelecidas nesses serviços. Assim, para que todo o processo represente efetivamente ganho de qualidades, o prestador contratado deve conhecer muito bem as metas de qualidade, serviços e produtos definidas pelo seu contratante. Segundo apontado em um recente estudo da consultoria A.T. Kearney, o Brasil é um grande mercado para terceirização na América Latina, destacando- se como País com potencial de atração de empresas, que queiram compor parcerias para terceirização dos serviços. No cenário mundial, o Brasil ficou em sétimo lugar no ranking que avaliou 25 países a partir de três critérios, estrutura financeira, ambiente para os negócios e mão-de-obra, valorizando se assim as viabilidades para processos de terceirização. O bom desempenho do País deu-se no primeiro quesito, considerando que em uma escala de 0 a 4, recebeu nota 3,17. No segundo critério, ambiente para negócios, a nota foi mais baixa, 1,41 o que

13 13 correspondeu ao 14 lugar geral e o segundo na América Latina. Já para o aspecto da mão-de-obra, os brasileiros são os que têm mais possibilidades para atrair serviços terceirizados, embora a nota não tenha sido elevada. A avaliação positiva ficou por conta dos custos mais baixos e a relativa experiência da força de trabalho na terceirização. Ocorrem avanços de mercado para formarem-se novos nichos e parcerias e, de modo geral, registra-se um cenário de expansão da terceirização no Brasil. 1.1 CONCEITOS E ASPECTOS GERAIS DA TERCEIRIZAÇÃO. De acordo com Giosa (1997:14), terceirização é um processo de gestão pelo qual se repassam algumas atividades para terceiros, com os quais estabelece uma relação de parceria, ficando a empresa concentrada apenas em tarefas essencialmente ligadas ao negócio em que atua.os primórdios da técnica de contratar serviços originaram-se, como destaca Queiroz (1992:28), por volta de 1940, nos Estados Unidos, durante a Segunda Guerra Mundial. As indústrias da época precisavam concentrar-se na produção e passaram algumas atividades de suporte à produção dos armamentos a outros empresários prestadores de serviços. Segundo Teixeira (2000:1) o processo de terceirização se inicia na identificação de oportunidades, contratação de serviços, estende-se pelo acompanhamento da realização do serviço até o término da vigência do contrato. Pode-se afirmar que a terceirização combina objetivos econômicos, como a redução dos custos, e objetivos organizacionais, com o aumento de flexibilidade, na busca da qualidade-produtividade, o que pode levar à competitividade. Ainda segundo Teixeira, o processo de terceirização precisa ser conduzido de acordo com as seguintes etapas:

14 14 Etapa 1 : Identificação das oportunidades de terceirização, O processo de terceirização inicia com a análise detalhada das atividades de um projeto, visando identificar quais não são essenciais para a empresa. Essas atividades são analisadas do ponto de vista custo x benefício e de sua importância estratégica para a empresa. Etapa 2 : Identificação de parceiros estratégicos, Esta etapa consiste em identificar parceiros estratégicos, que podem ser fornecedores, consultorias especializadas, que detenham competência para realização do serviço. Etapa 3 : Seleção da empresa terceira prestadora de serviço, Fazse, então, a análise da seleção da empresa prestadora de serviço, entre outros aspectos, pelos custos envolvidos e pela competência técnica envolvida. Etapa 4 : Negociação do contrato, Nesta etapa se firma a negociação do contrato de terceirização. Etapa 5: Execução do serviço, A empresa terceira realiza o serviço para a qual foi contratada, segundo os critérios definidos em contrato, e sob a supervisão da empresa contratante. Etapa 6 : Acompanhamento da satisfação do cliente, O acompanhamento da satisfação do cliente para com a prestação de serviço deve ser feito durante o projeto e após sua conclusão, para que possíveis reclamações e problemas possam ser registrados em um histórico de avaliação que servirá como base para tomada de decisão em futuros processos de terceirização e em outras parcerias. Ao longo dos anos as empresas mudaram sua visão em relação aos seus fornecedores e com o

15 15 advento da terceirização, a importância da parceira foi reforçada. Pode-se observar que, na etapa 2, é necessário se firmar uma parceria entre a empresa contratante e a prestadora de serviços. Segundo Queiroz (1992:55), "parceria é a essência da terceirização, pois os recursos são despendidos em conjunto e os dados confidenciais são partilhados entre os parceiros". E ainda reforça com a idéia de que se não houver um verdadeiro parceiro, a empresa contratante não consegue implantar e nem desenvolver um processo de terceirização eficaz e eficiente, e não obterá os ganhos esperados de qualidade e principalmente na redução de custos. No posicionamento de parceria os custos não são repassados, mas sim administrados por ambas as partes e a redução destes virá como resultado da produtividade e qualidade. Giosa (1997: 40-41) ressalta que a confiança é uma condição indispensável para o bom relacionamento, pois recursos são despendidos e informações confidenciais são trocadas entre os parceiros. Na tabela a seguir, pode-se observar que as mudanças no relacionamento com os fornecedores são muito diferentes quando este é tido como parceiro e não somente como mais uma parte integrante da cadeia de suprimento. Figura 1: Mudanças no relacionamento com fornecedores. Fornecedor Parceiro Desconfiança/Medo dos riscos Confiança Levar vantagem em tudo Política do "ganhar aos poucos" Ganhos de curto prazo Economia de escala Pluralidade de fornecedores Fornecedor único para a atividade terceirizada O preço decide Enfoque na qualidade Antagonismo Cooperação Postura reativa Postura Criativa Fornecedor como adversário Fornecedor como sócio Fonte: Adaptação de Giosa (1997:40)

16 FORMAS DE TERCEIRIZAÇÃO. características: Conforme descreve Coge (1994: 18-20), a terceirização tem como Fornecimento de matérias-primas: Ocorre quando uma empresa contrato terceiro para o fornecimento de produtos ou componentes que anteriormente eram produzidos pela contratante para a consecução do produto final. Franquias: Uma empresa concede a terceiros o uso de sua marca, em condições preestabelecidas, para a comercialização dos produtos ou serviços. especializados. Consultoria: É a forma de prestação de serviços altamente Concessões: A delegação contratual ou legal da execução do serviço, na forma autorizada e regulamentada pelo governo, no qual se fixam as condições de prestação de serviço. Autônomos: É a contratação de pessoa física para funções especializadas, sendo exercidas com completa autonomia e utilizando suas próprias instalações. Contratação de serviços gerais ou auxiliares: É quando o terceiro exerce atividades auxiliares do tomador, executando o seu trabalho onde for

17 17 determinado, inclusive nas instalações da contratante. Os serviços executados poderão ser de caráter permanente (limpeza e conservação) ou temporário. No entanto, com o sucesso da implantação da terceirização, as empresas migraram dos serviços tradicionais, ou seja, quando se envolvia somente um processo não-essencial da empresa (acima citados), para um modelo estratégico de serviços especializados. Segundo Giosa (1997:31), esses serviços especializados podem ser exemplificados pelas áreas de logística e distribuição; suprimentos; jurídico; comercial; recursos humanos; controle de qualidade; marketing; auditoria interna, entre outros. Para tanto, as empresas adotaram a Terceirização de Processos Operacionais (Business Process Outsourcing), ou BPO, cuja diferença principal para as formas mais tradicionais de terceirização, é que este oferece às empresas uma maneira de conseguir resultados muito mais rapidamente.

18 18 CAPÍTULO II VANTAGENS E BENEFÍCIOS DA TERCEIRIZAÇÃO Em meio ao mundo globalizado e cada vez mais volátil, a terceirização apresenta algumas vantagens, como destaca a Comissária Indaiá (2003), uma das principais empresas de despachos aduaneiros em Santos: 1. Possibilita aumentar o foco no negócio-principal (core-business). As empresas concentrarem-se nas suas funções principais, enquanto que um especialista externo assegura as funções operacionais que não façam parte do negócio principal da empresa; 2. Redução e controle de custos operacionais. Consegue-se, ao subcontratar serviços de gestão operacional, reduzir os custos operacionais, uma vez que parte destes é transferida para o cliente. Por outro lado, o contrato de terceirização está normalmente associado a um pagamento de renda mensal bem definida, o que torna o custo previsível no longo prazo; 3. Transforma custos fixos em variáveis; 4. Redução de verbas para aquisições e modernizações; 5. Aumento da disponibilidade de capitais para investimento. Atualmente uma das principais preocupações e dificuldades encontradas pelas empresas é decidir onde investir o capital. Ao converter investimentos em custos operacionais, o recurso à terceirização permite canalizar capitais próprios da empresa para investimentos estratégicos, o que reduz a sua

19 19 dispersão por atividades de apoio que podem ser desenvolvidas a menores custos por terceiros; 6. Evita desperdícios, por meio da otimização de recursos; técnico; 7. Elimina o custo e a responsabilidade social e sindical com pessoal 8. Aprimora o sistema de custeio, pois há a necessidade, para efeito de decisão, de se ter bem estruturado o conceito de custo de cada atividade internamente desenvolvida. Há outras vantagens que podem ser consideradas no processo de terceirização, tais como: especialização do serviço, maior produtividade, comprometimento com resultados e qualidade, diminuição do tempo de implementação, permite maior agilidade das decisões. 2.1 RISCOS E DESVANTAGENS DA TERCEIRIZAÇÃO. É preciso notar que há alguns fatores restritivos que podem dificultar ou até mesmo bloquear a implantação do processo de terceirização. Esses fatores podem ser assim descritos, como salienta Giosa (1997: 84-85): 1) o desconhecimento sobre o assunto por parte da alta administração, o que se reflete nas demais áreas da organização; 2) a dificuldade de se encontrar parceiros que possam atender às condições de qualidade e produtividade, definidas no contrato; 3) o risco de coordenar as atividades de terceiros, com

20 20 perda do poder de execução; 4) o desconhecimento da legislação trabalhista; 5) a falta de atenção adequada aos impactos na cultura organizacional; 6) a visão de curto prazo na expectativa de resultados; 7) contratos incompletos ou pouco detalhados; 8) falta de parâmetros de preço nas contratações iniciais, 9) o custo de demissões iniciais, quando for o caso. Pode-se verificar neste último item que a terceirização também é uma questão social, já que pode existir a necessidade de dispensa de pessoal. Uma alternativa apontada por Alvarez (1998: 71) é de transformar funcionários em empreendedores. Neste mesmo sentido, Queiroz (1992: 79-83) aponta vários benefícios tanto do lado da empresa, como do lado do empregado, como a existência da relação de confiança já estabelecida e novas perspectivas de carreira, como forma de garantia inicial. Entretanto, a empresa precisa preparar o funcionário para a mudança de carreira e deve considerar que esta mudança pode implicar em inúmeros tipos de custo, como: Custo psicológico: estresse, insegurança; Custo social: sacrifício de contatos com familiares, amigos; Custo econômico: redução temporária de ganho, risco de perda. De acordo com Pagnoncelli (1993: 81-93), uma das principais ressalvas a ser feita é a redução de custos, que muitas empresas consideram como sendo a principal finalidade da terceirização. A terceirização trará redução de custos, pela via da melhoria de qualidade, da produtividade e,

21 21 especialmente, pela focalização naquilo que a empresa faz de melhor. Alvarez (1998: 67-68) afirma que a terceirização significa muito mais do que a transferência de preocupações e deve proporcionar maior valor agregado aos negócios muito acima da redução de custos. Outro aspecto a ser considerado é a avaliação do processo de trabalho e de recursos dos terceiros. Em situações em que o orçamento está muito abaixo do custo do mercado do bem ou serviço, conforme Alvarez (1998: 68-69) sugere-se, como pode ser observada pela figura 2, uma análise pormenorizada do processo de trabalho a ser implementado pelo terceiro e dos recursos materiais e humanos a serem empregados. Figura 2: Análise do processo de trabalho e de recursos de terceiros Observação dos custos de mercado Valor muito Baixo? Análise do processo e dos insumos de terceiros Análise do nível de agregação de valor Fonte: Adaptado Alvarez (1998:69) É importante que a empresa defina claramente as atividades-fim, principalmente quando se pretende entregar a um terceiro parte de suas atividades principais, como no caso da implementação do Business Process Outsorcing. A seguir é mostrado de maneira sucinta um quadro sinóptico sobre as vantagens e desvantagens da implantação da terceirização.

22 22 Figura 3: Vantagens e Desvantagens da Terceirização Vantagens Desenvolvimento econômico Especialização de serviços Competitividade Busca de qualidade Aprimoramento do sistema de custeio Diminuição do desperdício Valorização dos talentos humanos Agilidade das decisões Menor custo Maior lucratividade e crescimento Desvantagens Desconhecimento da alta administração Resistências e conservadorismo Dificuldade de se encontrar a parceira ideal Risco de coordenação dos contratos Falta de parâmetros de custos internos Custo de demissões Conflitos com os sindicatos Desconhecimento da legislação trabalhista Fonte: Giosa (1997:85) A terceirização ocorre quando uma empresa decide transferir à outra empresa a produção de bens ou de serviços, que anteriormente realizava com seus próprios recursos. Assim, ao invés de produzir determinados serviços ou

23 23 CAPÍTULO III BUSINESS PROCESS OUTSOURCING Uma das ferramentas mais eficazes e promissoras na redução de custos no processo de terceirização é o Business Processo Outsourcing (BPO). Segundo Maia (2003:1), BPO consiste na terceirização da gestão operacional de um negócio com a disponibilização de infra-estrutura de hardware, softwares aplicativos, serviços de suporte e mão-de-obra especializada. A IT-Log afirma que BPO é a transferência de processos de negócio de uma empresa para uma entidade externa, a qual assume a responsabilidade primária pela sua execução, para conseguir reduções de custo ao melhorar a qualidade de serviço. Primeiramente é preciso compreender que o BPO é uma decisão estratégica da empresa, com resultados em longo prazo. Os principais aspectos a serem considerados são os custos incorridos no início do processo, assim como a avaliação dos benefícios diretos e indiretos. Cabe destacar também que há alguns riscos contidos no BPO, como a oposição dos colaboradores da empresa ao novo processo, contratos muito rígidos que inviabilizam a implementação das medidas corretivas em tempo hábil. Em um contrato típico de BPO, a empresa prestadora de serviço analisa a função específica a ser incorporada, bem como os processos que foram feitos para serem implementados em sua maneira tradicional. Para que este processo possa ser entendido melhor é importante compreender seus elementos descritos a seguir.

24 24 Serviço de integração com o cliente Figura 4: Elementos de terceirização no processo de negócios Processamento Operação da Serviço de Serviço de Administrativo tecnologia da finanças e recursos das transações informação contabilidade humano Serviço de conhecimento Serv. de atent ao Proc. de Especificação Serviço de Serviço de Análise de cliente cheques, de engenharia cobrança folha de dados cartão pagamento Serv.de markent Cobráveis e Desenvolviment Contas a Administraç Gerência de receíveis o de aplicativos pagar ão dos dados/conheci serviços de. saúde Televendas Licitação dir/ind Teste de Contabilidade Recrutame Gerenciament aplicativo geral nto e o das seleção respostas do consumidor Proc. de pedidos Admistração de Terceir. De Autonomia e Treinament transp. pacotes de formalidade o da força aplic. de trabalho Apoio ao Logista e Serviço de Benefícios consumidor despacho implementação de aposentado ria Resposta ao Adm. De Atentimento do consumidor armazéns CPD Fonte: Businees Strategieis, 2004

25 25 Segundo Halvey e Melby (1999: 3) um dos desafios da discussão de BPO se refere a terceirização de algum processo do negócio (business process), que abrange uma larga gama de possibilidades, desde o processo de suprimento (processo esse conhecido como procurement) até a área de contabilidade, de recursos humanos e da gerência do recurso e da propriedade. 3.1 AS PRINCIPAIS ÁREAS DO BPO Há seis categorias potenciais para implementação do BPO, segundo Halvey e Melby (1999: 3-7): 1. Administração; 2. Gerência de recursos e de propriedade 3. Finanças (contabilidade, faturamento); 4. Recursos humanos (folha de pagamento, benefícios); 5. Suprimento/ Logística 6. Misto (serviços de energia, serviços aos clientes); Atualmente, há algumas funções administrativas que as empresas estão começando a terceirizar, como, por exemplo, a auditoria interna. Um

26 26 potencial problema é o possível conflito com a auditoria externa, que poderá ser minimizado através de negociação entre as partes envolvidas. A área de gerência de recursos está presente em instituições financeiras, principalmente as de investimentos. Já o gerenciamento de propriedade envolve tipicamente responsabilidades que não são foco da empresa como: manutenção, estacionamento e segurança. As transações que incluem a implementação do BPO na área de finanças são muito complexas e freqüentemente envolvem múltiplos documentos e requisições que, às vezes, impossibilita a sua realização. A categoria de recursos humanos abrange todas as funções relacionadas com o funcionário desde o recrutamento e seleção até a folha de pagamento. A área de suprimento e logística está recebendo significativa atenção por parte dos terceiros e envolve funções como: seleção do produto, aquisição, entrega e serviços de help desk. 3.2 BENEFICIOS DO BPO As empresas procuram cada vez mais maneiras inovadoras para aumentar a eficiência e a qualidade do seu processo de negócios através de serviços de valor acrescentado, da satisfação do consumidor e para quantificar os impactos no compartilhamento de preço e lucro. É dessa maneira que podem ser identificados os benefícios advindos do relacionamento do BPO. São eles, conforme Halvey e Melby (1999:8): Realça e melhora metodologias

27 27 Aumenta a produtividade Compartilha recursos e tecnologias Quantifica benefícios mais facilmente Reduz custos diretos e indiretos Propicia maior eficácia no direcionamento de recursos por meio de informações personalizadas para atender as necessidades da empresa. Transforma custos fixos em custos variáveis A forma mais comum de um contrato de um BPO envolve a transferência do controle e posse de parte das operações do processo de negócios de uma empresa para uma prestadora de serviços terceirizados. Em contrapartida, esta assume a responsabilidade e o gerenciamento das operações da empresa contratante e que forneça relatórios que especifiquem a estratégia de controle. Maia (2003:2) destaca que escolher um bom parceiro, definir os limites de terceirização necessários à organização e ajustar os processos antes de considerar uma iniciativa de terceirização é fatores - chave para o sucesso do BPO.

28 28 CAPÍTULO IV FATORES CONDICIONANTES DA TERCEIRIZAÇÃO Segundo Luís C. Pereira, consultor tributário, os fatores condicionantes da terceirização são os seguintes: 1. Ambiente estratégico - os motivos da existência da empresa, conhecendo e focalizando a sua verdadeira missão, os objetivos e as diretrizes, as políticas gerais e setoriais, a aderência e compatibilidade do negócio, além de um conhecimento amplo do mercado e formas de comercialização. Revisão de objetivos/ diretrizes/políticas. 2. A Terceirização e o ambiente político - cada vez mais os governos brasileiros, seja a nível municipal, estadual e federal, têm considerado a Terceirização como uma forma adequada de proceder a mudanças estratégicas/operacionais nos órgãos públicos. 3. A Terceirização e o ambiente organizacional - O espaço físico da empresa poderá ser alterado em função da extinção e criação de novos cargos e conseqüentemente na mudança do quadro pessoal. 4. A Terceirização e o ambiente econômico - a estrutura de custos internos deverá ser adaptada à nova sistemática; avaliação, com freqüência, dos custos terceirizados em relação aos custos despendidos pela atividade interna. 5. A Terceirização e o tecnológico - necessidade da transferência do conhecimento da utilização da tecnologia entre o contratado e o contratante.

29 29 6. A Terceirização e o ambiente social - quanto à abertura de novos negócios - formação de novas empresas. Quanto à revisão das funções decorrentes da aplicação da terceirização - o aspecto social das demissões: quando ocorrem demissões é preciso tentar junto ao fornecedor de serviços que será contratado, se possível, o acolhimento parcial ou total desta mão-de-obra demitida. 7. A Terceirização e o ambiente jurídico-legal - As experiências de aplicação da Terceirização trouxeram dúvidas na conceituação jurídica, trabalhista e legal para as empresas brasileiras. Hoje, está claro que as relações são empresariais e de pessoas jurídicas. 4.1 O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E AS ATIVIDADES QUE PODEM SER TERCEIRIZADAS. O processo de terceirização envolve o relacionamento da empresa que contrata serviços e a empresa que fornece os serviços. As atividades terceirizadas: Tipo 1 - Processo ligado às atividades da empresa - Ex: produção, distribuição, operação; Tipo 2 - Processos não ligados a atividade-fim da empresa - Ex.: publicidade e limpeza;

30 30 e pesquisa. Tipo 3 - Atividades de suporte à empresa - Ex.: treinamento, seleção Tipo 4 - Substituição de mão-de-obra direta, por mão-de-obra indireta ou temporária. 4.2 COMO DESENVOLVER AS PARCEIRAS. A terceirização vem a ser um novo estágio entre a empresa fornecedora do serviço e a empresa que a contrata, sendo que esta união só irá se concretizar se as parcerias forem completamente autônomas umas das outras. Na procura desta empresa prestadora de serviços pela contratante que lhe seja prestado um serviço no mínimo igual ou melhor do que ele executa internamente. Também é exigido da terceirização rapidez, qualidade, execução em tempo recorde, a empresa de serviços contratada deverá realizálo exatamente como foi determinado pela sua contratante, mesmo que o pedido seja feito numa sexta-feira à tarde. Estas características tornam essencialmente necessárias para a concretização total do processo de terceirização, tornando-se assim contratante e contratado totalmente parceiros. A terceirização pode ser feita entre contratante e ex-funcionários, contratante com aproveitamento dos ex-funcionários junto ao fornecedor parceiro e com fornecedor parceiro sem envolvimento funcional. No caso de optar pela terceirização com ex-funcionário, tem sido uma saída estratégica que a maioria das empresas está acolhendo, já que esses têm conhecimento específico da empresa, bem como a sintonia esperada, pois conhecem a cultura e a filosofia da organização.

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

Outsourcing e Terceirização

Outsourcing e Terceirização ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 4) Outsourcing e Terceirização Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Definições Processo de gestão pelo qual se

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br

Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br abraman Congresso de Manutenção - 2001 EFEITOS DA TERCEIRIZAÇÃO SOBRE A MANUTENÇÃO Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br Terceirização é a transferência para terceiros de atividades que

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL Aline Aparecida de Oliveira, Ana Carolina da Silva, Christian Roberto de Godoy, Natália Sayuri Suzuki, Thais Rubia Ferreira

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO - Esclarecimentos Necessários

TERCEIRIZAÇÃO - Esclarecimentos Necessários TERCEIRIZAÇÃO - Esclarecimentos Necessários CONTEXTUALIZAÇÃO O cenário produtivo e de negócios vem sofrendo contínuas transformações que ampliam o grau de competição entre as organizações, especialmente

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Terceirização: o que é? terceirização

Terceirização: o que é? terceirização Terceirização: o que é? A terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas por trabalhadores diretamente contratados por ela, e as transfere para outra

Leia mais

Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS. Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas!

Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS. Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas! Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas! QUEM SOMOS A EZ Trade Center apoia as empresas na OTIMIZAÇÃO DE COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS operacionais, permitindo gerar

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções.

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. TERCEIRIZAÇÃO Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. INTRODUÇÃO Para que haja uma perfeita compreensão sobre

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Contratação de serviços de Limpeza

Contratação de serviços de Limpeza 19º Jornada de Controle de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto 1º Jornada de Inovação da Prática em Enfermagem Contratação de serviços de Limpeza próprio terceirizado Vantagens e desvantagens e como

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO Estudamos até o momento os casos em que há vínculo empregatício (relação bilateral, nas figuras de empregado e empregador) e, também, casos em que existe

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A essência da terceirização visa trazer às empresas contratantes desenvolvimento econômico, especialização dos serviços, competitividade, busca de qualidade, controles

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AS EMPRESAS.

TERCEIRIZAÇÃO, VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AS EMPRESAS. TERCEIRIZAÇÃO, VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AS EMPRESAS. Márcia Moraes Imhoff 1 Aline Perico Mortari 2 RESUMO A realização das atividades organizacionais por pessoas jurídicas distintas da organização

Leia mais

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart Organização e a Terceirização da área de TI Profa. Reane Franco Goulart Como surgiu? A terceirização é uma ideia consolidada logo após a Segunda Guerra Mundial, com as indústrias bélicas americanas, as

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA Quem Somos: A GR Soluções Empresarias é uma empresa provedora de soluções corporativas e serviços personalizados em Advocacia, Contabilidade e Tecnologia da Informação, orientada pelos interesses das empresas

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

Consultoria TRABALHISTA SINDICAL

Consultoria TRABALHISTA SINDICAL Café com Ideias Sindilojas Caxias do Sul Flávio Obino Filho -Maio 2015 Consultoria TRABALHISTA SINDICAL Regulamentação da Terceirização e as consequências nas relações empresariais e de trabalho Consultoria

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES Por: Jomerson da Silva Almeida Orientador Prof. Mario Luiz Niterói

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo para

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

INVOCK SERVIÇOS DE PORTARIA LTDA-ME.

INVOCK SERVIÇOS DE PORTARIA LTDA-ME. INVOCK SERVIÇOS DE PORTARIA LTDA-ME. CARTA DE APRESENTAÇÃO Estamos encaminhando nosso portfólio na intenção de apresentar nossa empresa. Após estudo e análise do mercado no segmento de Segurança, Segurança

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS Introdução Nos últimos seis anos, tem ocorrido no Brasil uma verdadeira revolução na área de gestão empresarial. Praticamente, todas as grandes

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO ASPECTOS JURÍDIC FUNDAMENTAIS

TERCEIRIZAÇÃO ASPECTOS JURÍDIC FUNDAMENTAIS 39 TERCEIRIZAÇÃO OS ASPECTOS JURÍDIC FUNDAMENTAIS 1 A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças,

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS

TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS Projeto de Lei 4330 de 2004 (Autor Dep. Sandro Mabel) Aprovado na CDEIC e CTASP COMISSÃO ESPECIAL Relator Dep. Roberto Santiago CCJC Relator Dep. Arthur Maia Comissão

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público?

Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público? Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público? Quais argumentos poderiam ser usados por uma empresa prestadora de serviço de

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

Terceirização. A precarização das relações trabalhistas No Brasil

Terceirização. A precarização das relações trabalhistas No Brasil Terceirização A precarização das relações trabalhistas No Brasil RELAÇÃO DE EMPREGO (ARTIGO 3º DA CLT) Pessoalidade Subordinação Trabalho não eventual remuneração O QUE É TERCEIRIZAÇÃO? É uma prática administrativa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Após traçadas as estratégias através da análise de mercado propiciada pelo plano de negócios - e se mesmo diante das dificuldades

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Trabalho de Gestão de Pessoas Alunos: Nilce Faleiro Machado Goiânia,4 de dezembro de 2015 1 Sumário Capa...1 Sumário...2 Introdução...3

Leia mais

EXISTE UM NOVO JEITO DE DELIGENCIAR. suas finanças. Ascent. Consultores

EXISTE UM NOVO JEITO DE DELIGENCIAR. suas finanças. Ascent. Consultores EXISTE UM NOVO JEITO DE DELIGENCIAR suas finanças Ascent MISSÃO Prestar serviços profissionais diferenciados que sejam uma ferramenta útil para a tomada de decisões e agreguem valor ao cliente, baseada

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

A TERCEIRIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO TRABALHISTA

A TERCEIRIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO TRABALHISTA A TERCEIRIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO TRABALHISTA Luciano Rocha Mariano 1 Limita-se o presente tema acerca da terceirização perante o Direito do Trabalho, focado no âmbito empresarial privado. De plano,

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais