O OUTSOURCING E AS ÁREAS CRÍTICAS DO CONTROLO DA EMPRESA NUNO MIGUEL CARVALHO SARAIVA XIV CONGRESSO INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE E AUDITORIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O OUTSOURCING E AS ÁREAS CRÍTICAS DO CONTROLO DA EMPRESA NUNO MIGUEL CARVALHO SARAIVA XIV CONGRESSO INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE E AUDITORIA"

Transcrição

1 O OUTSOURCING E AS ÁREAS CRÍTICAS DO CONTROLO DA EMPRESA NUNO MIGUEL CARVALHO SARAIVA XIV CONGRESSO INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE E AUDITORIA ÁREA: GOVERNO DAS SOCIEDADES (Outros temas interligados com a contabilidade e auditoria) Palavras Chave: Outsourcing, Controlo, Organização, Governo Das Sociedades

2 O OUTSOURCING E AS ÁREAS CRÍTICAS DO CONTROLO DA EMPRESA RESUMO Uma das grandes correntes na vida das empresas de hoje é a focalização do esforço da empresa naquilo que é o seu objecto de negócio o core business e delegar a terceiros todas as restantes tarefas o outsourcing. As tarefas que vulgarmente são consideradas como passíveis de delegação a terceiros são as relacionadas com limpezas, manutenção (de maquinaria ou apenas do edifício), atendimento de clientes, contabilidade e demais serviços administrativos, áreas técnicas, etc. O principal objectivo deste artigo é traçar as principais formas que o outsourcing assume e alertar para alguns riscos e desvantagens de ceder áreas que poderão ser críticas na subcontratação das tarefas administrativo-financeiras e de contabilidade. Houve na sua elaboração a preocupação de sintetizar conhecimentos técnicos apreendidos na revisão bibliográfica, bem como a experiência do autor de quinze anos em empresas de outsourcing e multinacionais que já em 1996 contratavam empresas da especialidade para a execução dos serviços administrativos

3 INTRODUÇÃO Nenhuma organização pode manter-se competitiva na economia em constante mudança dos dias de hoje, operando exclusivamente com o seu pessoal. O outsourcing é o meio encontrado para responder positivamente neste mercado agressivo em que vivemos e em que as empresas têm de se manter competitivas. Implementar um projecto de outsourcing não é uma decisão que possa ser tomada de ânimo leve. Tal decisão implica muitas vezes empregados descontentes e mau ambiente na empresa. E em áreas críticas surge o risco de os parceiros de operação não corresponder ao acordado e o negócio da empresa sair afectado. Assim sendo, apresenta-se um estudo acerca desta matéria tão importante e em voga no mundo empresarial de hoje. Numa primeira fase, é exposto o conceito e o modo de funcionamento do outsourcing, uma breve história do seu aparecimento no mundo, e serão também referidas algumas vantagens e desvantagens. Depois de definidos e teorizados o conceito, é dada uma especial atenção à área administrativo-financeira, destacando-se algumas funções críticas, e os impactos da sua cedência para outsourcing

4 1. O Outsourcing 1.1 O que é o outsourcing O conceito de outsourcing surgiu com o desenvolvimento da globalização. A competitividade imposta actualmente às empresas obriga-as a tomarem medidas que possibilitem reduzir custos e aplicar o capital de forma mais rentável. A grande medida tomada pelas organizações desde o final do Século XX tem sido concentrar esforços nas actividades que verdadeiramente são o negócio da empresa, delegando em terceiros todas as actividades acessórias. (Corbett 2004) Pode definir-se outsourcing como o acto de transferir trabalho de uma entidade para outra. Já existia o conceito de sourcing delegar, ato de redistribuir tarefas. O termo outsourcing surge porque se começou precisamente e deixar que essas tarefas fossem executadas por entidades exteriores à companhia. (Greaver II 1999) O outsourcing é constituído por três componentes: Clientes; Fornecedores; Projecto. O cliente é a organização que pretende transferir trabalho para uma entidade externa. Fornecedor - normalmente designado por prestador de serviços - é a empresa que vai ficar com a responsabilidade de executar trabalho cedido. O projecto é o conjunto de tarefas ou processos a ser cedidos. (Corbett, 2004) - 4 -

5 1.2 Breve história do Outsourcing Um dos factores críticos do elevado nível de crescimento económico que os Estados Unidos da América conheceram a partir da segunda metade do Século XX foi a implementação de processos de outsourcing um pouco por todo o tecido empresarial americano. (Corbett, 2004) A Harvard Business Review refere o outsourcing como uma das novas ideias e práticas de gestão mais importantes do Século XX 1. Empresas multinacionais como a Delphi, EDS, General Electric, IBM, IKON, Unisys, UPS, Xerox, Delloite e muitas outras expandiram o seu negócio fornecendo serviços de outsourcing por todo o mundo. O guru da gestão do Século XX, Peter Drucker, disse: Se me perguntarem qual é o negócio com maior crescimento na indústria americana É o outsourcing 2. Com a globalização e a expansão do comércio internacional, as empresas necessitam de se tornar cada vez mais competitivas. Para tal nasceu a tendência para a empresa se focalizar no centro do seu negócio ou como é normalmente conhecido o core business. Entende-se o core business como as áreas operacionais nas quais a empresa tem possibilidade de se diferenciar do restante mercado e que é na realidade o objectivo da empresa. Para as restantes áreas começou a haver uma ponderação acerca das vantagens de serem asseguradas por empresas contratadas. (Click, 2005) O outsourcing é um conceito recente começou a ter evidência no meio empresarial desde finais do Século XX. (Corbett 2004) Em 1990 C.K. Prahalad e Gary Hamel num artigo publicado na Harvard Business Review introduziram o termo core competencies. (Corbett, 2004). 1 David Sibbet, 75 Years of Management Ideas and Practice , Harvard Business Review, supplement vol. 75, no. 5 (Sep/Oct 1997) citado por Michael F. Corbett - The Outsourcing Revolution: Why it Makes Sense and How to Do it Right, Peter F. Drucker, comentários na Conferência Anual da Associação de Bibliotecas 2002, Los Angeles, CA, 10 de Junho de 2002, citado por Michael F. Corbett - The Outsourcing Revolution: Why it Makes Sense and How to Do it Right,

6 Em 1994 James Brian Quinn and Fred Hilmer publicaram um artigo com o título Strategic Outsourcing na MIT Sloan Management Review onde eram identificadas sete características do core da empresa tais como: domínio técnico e conhecimento do assunto; a empresa tem uma plataforma de evolução e adaptação ao mercado a longo prazo; há duas ou três competências core na empresa, geram valor acrescentado para a empresa, estão enquadrados em áreas onde que a empresa domina; são valorizados pelo cliente no longo prazo e a empresa tem capacidade para os desenvolver. (Corbett, 2004). A conexão entre competências core e outsourcing foram de seguida reforçadas com uma conhecida citação de Tom Peter Faz o que melhor sabes fazer, o resto delega a terceiros 3, aconselhando os gestores para se focarem no verdadeiro negócio da empresa e delegarem a empresas externas quaisquer outras partes da sua operação. (Corbett, 2004) Desde o início dos anos 90 são cada vez mais as grandes empresas multinacionais têm vindo a subcontratar tudo o que consideram não ser core: Coca-Cola, General Motors, McDonnell Douglas, BP, Mc Donalds, Hewlett Packard, OTTO, Vodafone, General Electric, entre outras foram pioneiras e fizeram acordos internacionais com empresas prestadoras de serviços. (Axelrod, 2004) 1.3 Do Outsourcing ao Business Process Outsourcing (BPO) Tradicionalmente as empresas estão organizadas de uma forma hierárquica, isto é, organizadas por departamentos, com vários níveis de chefia e com um responsável máximo por todo o departamento. Quanto maior a empresa, maior o número de departamentos, havendo por vezes unidades de negócio e/ou divisões geográficas. (Click, 2005) Compreensivelmente também as empresas de outsourcing foram implementadas desta forma, quer no seu próprio funcionamento quer no modo como eram prestados os serviços aos clientes. Esta forma de funcionamento permite ao cliente e à empresa prestadora de serviços definir bem o âmbito das tarefas e os custos associados a cada função. Permite também um 3 Do what you do best and out-source the rest é a citação original - 6 -

7 fácil enquadramento na empresa cliente, estando claramente definidas as responsabilidades e a tomada de decisões. Contudo, há outras maneiras de organizar o trabalho dentro de cada organização, o que consequentemente modifica a forma como é prestado o serviço de outsourcing. Hoje em dia, muitas empresas de topo estão a abandonar os tradicionais departamentos e assumir uma perspectiva horizontal de organização interna baseada nos processos. (Click, 2005) Cada processo atravessa todos os departamentos e funções da empresa terminando quando produz um output que gera valor para o cliente (e consequentemente para a empresa) (Click, 2005) Esta forma de encarar o funcionamento da empresa, com enfoque no cliente tem vindo a crescer dentro das empresas e a revelar-se uma ferramenta eficaz e com impacto positivo na performance da empresa. Facilita a compreensão, a gestão e a mensuração dos resultados criados por cada processo. Se, na estrutura funcional cada pessoa é responsável por um conjunto de tarefas, neste modo de operação é fomentado o trabalho em equipa gerando sinergias que de outro modo não aconteceriam. Quer as grandes, quer as pequenas empresas que optaram pela organização por processos, têm apresentado bons resultados provando ser este um dos melhores sistemas de gestão conhecidos. 4 (McIvor, 2005) Mesmo com este modelo de gestão continuam a existir processos que não fazem parte do core business da empresa. Assim, há que transferir a totalidade destes processos para outsourcing. 4 Michael Hammer, The Process Enterprise: An Executive Perspective, Hammer and Company, 2001, consultado em dia 12 de Dezembro de 2006 e citado por Roan McIVOR - The Outsourcing Process: Strategies for Evaluation and Management,

8 Assim, para responder a estas necessidades surge o BPO. O BPO abandona a visão tradicional da execução de tarefas e passa a ser responsável pela execução da totalidade dos processos que foram contratados. (Click, 2005) Um projecto de BPO atravessa muitas áreas duma empresa. Para que haja mais-valia para o cliente da empresa contratante, a empresa contratada deve ser especializada nos processos em causa. Este parceiro de operações não só executa como deve suportar o planeamento, a mensuração de resultados e identificar outros factores que possam melhorar o processo da empresa sua cliente. (Click 2005). 1.4 Tipos de Outsourcing Outsourcing por localização Quando o pessoal que presta serviços de outsourcing está fisicamente a trabalhar nas instalações da empresa cliente, muitas vezes interagindo e reportando funcionalmente a empregados do cliente, estamos perante o outsourcing on-site. É utilizado normalmente para realização ou de tarefas que obrigam a presença física nas instalações limpeza ou manutenção, por exemplo ou ainda quando o cliente contrata uma função pontual que necessita de interacção com os restantes colaboradores. (Power [et al], 2006) Outsourcing off-site é quando a prestadora de serviços realiza o trabalho em sede própria, o que cada vez mais é comum dado a facilidade de comunicação que as novas tecnologias possibilitam. Dentro do off-site pode distinguir-se em onshore, off-shore e nearshore: Onshore: Quando a empresa contratada opera no mesmo país ou zona da cliente. Esta proximidade tem a vantagem de se gerarem mais facilmente relações de confiança entre as organizações. Não há, em princípio, conflitos culturais, problemas com diferentes legislações e os tempos gastos com diferenças de língua são minimizados. É atractivo quando o trabalho a ser cedido implica muita confidencialidade, como por exemplo informação médica - 8 -

9 ou financeira. Evita-se assim algum risco de quebra de confidencialidade pois reduz-se o número de indivíduos que têm acesso a esta informação; Near shore: Quando o cliente faz acordos com empresas de países próximos. Este nível de outsourcing também evita problemas de grandes choques culturais mas permite já a partilha de tarefas entre países. Exemplos deste tipo de funcionamento é o que se passou com os call centers nos Estados Unidos muitas empresas contrataram empresas canadianas que se especializaram neste tipo de funções. Também os países da Europa de Leste estão a especializar-se em diversos serviços que são contratados por empresas da Rússia. Offshore: Implica que a empresa que presta o serviço está num país distante. Esta situação surge normalmente com grandes acordos multinacionais em que se cria um centro especializado que desenvolve as tarefas das empresas do grupo nos diversos países. A título de exemplo a Índia é hoje o grande centro de empresas especializadas em trabalho relacionado com software informático Outsourcing por tipo de responsabilidade Os projectos de outsourcing podem também ser classificados de acordo com a profundidade e consequente nível de responsabilidade dos mesmos (Power [et al], 2006): Individual - é a colocação de uma pessoa a ocupar uma posição específica no seio da empresa cliente. Por exemplo, um analista de crédito, um web designer ou até mesmo um relações públicas. Esta é a forma mais simples de outsourcing em que a empresa acha que é preferível contratar um empregado externo a um efectivo. Tem particular relevância para empresas que estejam a desenvolver projectos para um nicho de mercado, de natureza volátil, ou por um curto período de tempo. 5 Este facto vinha já vinha a ganhar consistência nos anos 90 mas a empresas de informática indianas ficaram indubitavelmente reconhecidas quando surgiu a corrida contra o bug do ano Sendo toda a informática construída no século passado e maioritariamente acente numa base dd/mm/aa, as empresas americanas não tiveram capacidade para garantir a não existência de problemas graves naquela data. Entraram assim em cena as empresas indianas

10 Tome-se por exemplo o caso do web designer: É pouco provável que uma empresa tenha tanto conteúdo e alterações para fazer no seu sítio da rede que justifique a contratação de uma pessoa a tempo inteiro. Assim é mais lógico optar por alguém cujo contrato seja celebrado tendo como base a hora, e que possa ser solicitado sempre e só quando for necessário fazer alterações na página. O outsourcing duma área funcional envolve que uma equipa da empresa fornecedora de serviços seja responsável por todo o trabalho efectuado por um departamento específico da empresa. Compras, pagamentos, tesouraria, são exemplos de departamentos financeiros em que tal pode acontecer. O outsourcing funcional é na prática o somatório de vários outsourcings individuais, só que desta feita a empresa decidiu confiar a terceiros todas as tarefas de determinado domínio, poupando nos gastos e confiando nos conhecimentos técnicos superiores da empresa que presta o serviço. Estes estão interessados em assegurar o serviço pois beneficiam das economias de escala, bem como do seu próprio interesse em se manterem actualizados no que respeita a Leis, Regulamentos, Impostos, etc. O outsourcing por competências, ou por tarefas, consiste em ceder para outsourcing um conjunto de tarefas que necessitam de ser executadas, independentemente do modo ou das pessoas que as executa. Exemplos de aplicação deste conceito: Logística, pesquisas técnicas, gestão de recursos humanos. Neste nível deve existir uma relação de elevada confiança entre as partes, bem como a garantia que a empresa prestadora de serviços tem capacidade para gerir e cumprir todo o trabalho exigido para aquele projecto. A empresa cliente deve ainda ter mensurado os impactos negativos para a empresa caso alguma coisa corra mal

11 1.4.3 Outsourcing por processos e por projectos O outsourcing também pode ser classificado olhando a natureza do trabalho contratado isto é, se é orientado para projectos ou para processos. A subcontratação orientada para processos normalmente envolve que estes sejam relativamente estandardizados e bem estruturados, por exemplo o processamento de salários. Por outro lado a subcontratação orientada para projectos surge em casos não estandardizados e sem existências de rotinas, por exemplo o desenvolvimento de um software. (Power [et al], 2006) O outsourcing orientado para os processos é mais fácil de gerir, pois tudo é pré-estruturado e objectivo. Os projectos já não são assim tão fáceis de gerir dado que por vezes a gestão não tem suficiente know-how técnico acerca do trabalho solicitado, o que torna mais vaga qualquer avaliação que se pretenda fazer à actividade desenvolvida

12 2. VANTAGENS E DESVANTAGENS DO OUTSOURCING 2.1 Vantagens Com o implementar de projectos em outsourcing, têm sido identificados vários tipos de benefícios que as empresas que recorreram a este tipo de serviços têm usufruído. Desde benefícios económicos a organizacionais, de performance, financeiros e até a nível de recursos humanos. O outsourcing traz benefícios organizacionais tais como, eficiência, flexibilidade, mudança constante, entre outras. Também gera benefícios na performance, através do aumento da performance operacional, alavancada pelo uso de diferentes valências e tecnologias e permite que a gestão usufrua dum apoio especializado reduzindo o do risco de gestão e permitindo o aparecimento de ideias inovadoras e melhorias na imagem. O grande benefício financeiro do outsourcing é permitir a redução de activos e consequentemente a redução de investimentos. Além disso, podem identificar-se também benefícios económicos, tais como, aumento de receitas, melhoria da presença no mercado, capacidade de expansão e a valorização do capital humano. Um dos fatores que mais atrativos para a implementação de outsourcing é a redução de custos que proporciona: Custos do local de trabalho Computador, telefone, electricidade, água, economato, etc. Formação, treino e todas as despesas de transportes, estadias e refeição subjacentes. Tecnologia utilizada pelo empregado: software, licenças, etc., Tempo gasto pelos gestores na avaliação do departamento, planos, orçamentos e responsabilidades. Transformação de custos fixos em variáveis

13 Por fim, para os empregados que possam vir a ser absorvidos pela empresa de outsourcing, podem surgir oportunidades de carreira, bem como o aumento de produtividade de uma forma geral. 2.2 Desvantagens Quando uma empresa subcontrata para efectuar tarefas que não sendo o centro do negócio, são essenciais ao funcionamento da empresa, há riscos em que se incorrem. Antes de avançar com um projecto de outsourcing, a empresa deve mensurar esses riscos e principalmente prever o impacto negativo que tais situações possam trazer para a empresa. A empresa tem inevitavelmente uma perda de controlo nas funções cedidas, fica dependente da viabilidade e fiabilidade do fornecedor, bem como da sua continuidade e do tamanho relativo para a prestadora de serviços. Se a empresa contratada não funcionar adequadamente, pode acontecer uma perda da qualidade do serviço. Além disso fica totalmente dependente das características da outra empresa em pontos como as capacidades, os conhecimentos técnicos, a flexibilidade. Também a confidencialidade pode ser posta em causa, a empresa perde know-how e o pessoal pode perder o espírito de equipa

14 3. AFECTAÇÃO DE ÁREAS CRÍTICAS A EMPRESAS DE OUTSOURCING Há um rol de tarefas que, não sendo core business são vitais ao negócio, à manutenção de uma boa imagem e sobretudo à sobrevivência da empresa. Através de entrevistas feitas a 20 pessoas, com atividade superior a 10 anos, com experiência em outsourcing ou em cargos de direção em empresas que recorrem ao outsourcing foi possível resumir algumas conclusões que permitem um perceção geral dos cuidados que as empresas quando recorrem a serviços de terceiros. As entrevistas foram efetuadas da seguinte forma: Pessoalmente, 3 entrevistas; Via videoconferência, 4 entrevistas; Pessoalmente, 2 entrevistas; Por correio eletrónico, 11 entrevistas. As perguntas efetuadas foram as seguintes: 1. Relação com fornecedores: No âmbito da sua atividade alguma parte da interação com fornecedores é cedida a terceiros? Se sim, pode dizer quais? a. A empresa de outsourcing tem possibilidade de negociar preços? b. A empresa de outsourcing tem possibilidade de efetuar pagamentos? 2. A empresa de outsourcing tem algum poder na definição da política de impostos e mensurações contabilísticas com impacto nos impostos? 3. Que tarefas relacionadas com vendas efetua a empresa de outsourcing que presta serviços na sua empresa?

15 4. Que tarefas relacionadas com clientes efetua a empresa de outsourcing que presta serviços na sua empresa? a. Efetua cobranças? b. Efetua contratos de vendas? c. Tem contatos com clientes em representação da empresa (dúvidas, reclamações, etc.) 5. Quem na sua empresa define a política de aquisição de ativos? A empresa de outsourcing tem capacidade de decisão na mensuração de ativos? 6. O Técnico Oficial de Contas da sua empresa, é colaborador da empresa ou pertence à empresa de Outsourcing? 7. Da área dos bancos, quais são os trabalhos efetuados pela empresa de outsourcing que presta serviços à sua empresa? 8. Da área dos Inventários, quais as tarefas que estão delegadas na empresa de outsourcing? Fornecedores As relações com os fornecedores são essenciais para as empresas, quer porque dependem deles para garantir uma excelência operacional e uma adequada gestão de stocks, quer porque hoje em dias há parâmetros de exigência cada vez menor. É normalmente mantida na empresa toda a negociação e celebração de acordos com fornecedores; a estratégia geral de negociação e critérios de pagamento incluindo a manutenção e alterações de prazos de pagamento

16 A recepção de mercadorias é muitas vezes feita por pessoal da empresa, principalmente nos negócios com mercadorias muito valiosas. (Dando um exemplo extremo, é pouco provável uma joalharia colocar um subcontratado a recepcionar diamantes) Os ajustamentos de fornecedores (que incluem anulação de facturas a pagar ou pagamentos já registados) são um dos factores críticos na ocorrência de fraudes nesta área e só devem ser feitos perante autorização de um gestor da empresa. Normalmente as facturas são classificadas e aprovadas por pessoas da empresa cliente. Quer para permitir a gestão de cada responsável dos custos que o seu departamento gera, quer para responsabilizar estes colaboradores pelos custos incorridos, e também porque se trata de património, não é recomendável ter empresas externas com estas responsabilidades. Impostos Sendo os impostos uma área importante da operação da empresa, e cujo incumprimento pode acarretar custos de elevado montante; a definição da política e planeamento fiscais é algo para que as empresas estão sensibilizadas para a necessidade de obter o parecer de pessoas com elevada formação e capacidade de atualização. 70% dos entrevistados responderam que é a empresa de outsourcing a principal decisora da política de impostos. Vendas Políticas de preços, análises de mix de produtos, margens e custo-alvo, são tarefas comummente efectuadas no seio do departamento interno e por vezes pode ponderar-se a subcontratação. Porém, são tarefas que estão na fronteira entre o core e o non-core e sendo vitais para a sobrevivência da empresa, não são, à partida, cedíveis a outsourcing. Clientes A elaboração de contratos de clientes, apesar de ser uma tarefa administrativa, é feita pelo pessoal da empresa, podendo ser este um vendedor, um gestor de produto ou de categoria, dependendo da complexidade da empresa. Principalmente, quando se trata de contratos para diversos fornecimentos, em que é necessário uma conciliação de toda a operação da empresa (produção, armazenamento, disponibilidade financeira, garantia de fornecimento de matérias, etc.) é imprudente delegar a terceiros a elaboração de contratos

17 Esclarecimento de clientes O atendimento a clientes é uma das áreas em que o outsourcing tem sucesso. Porém estes esclarecimentos são normalmente limitados a questões relativas à conta corrente, consultas de rotina que certos negócios implicam, e esclarecimento de pequenas dúvidas, normalmente comuns e com uma resposta standard. As questões muito complexas, de elevada exigência técnica ou que possam gerar conflito, devem ser asseguradas pelo pessoal da empresa. Os casos em que tal não acontece resultam normalmente em prejuízo da imagem e do negócio da empresa. Activos Fixos uma política de activos é um dos pilares para a saúde financeira da empresa. Associado aos activos está todo um trabalho de análise contabilística, financeira e fiscal. Concomitantemente há que zelar pela sua salvaguarda: Questões como a política de activos a adquirir, política de capitalização, reavaliações, testes de imparidade e respectivos ajustamentos, bem como a sua custódia e inventariação são mantidas no seio da empresa. No entanto, 55% dos entrevistados afirmaram que a empresa cliente não interferia na mensuração e estimativas de vida útil dos ativos, sendo essa uma tarefa totalmente autónoma da empresa de contabilidade. Contabilidade geral O facto do Técnico de Contas ser colaborador da empresa, garante o apoio e até a execução de muitos dos pontos críticos até aqui referidos. Simultaneamente garante que a empresa controla: O estabelecimento de políticas contabilísticas e de controlo contabilístico, bem como os procedimentos gerais de contabilidade A definição dos códigos de contas e a sua coerência com os princípios contabilísticos geralmente aceites. A elaboração das demonstrações financeiras A revisão de reconciliações Ajustamentos ao balanço e a contas de clientes (um possível meio de fraudes)

18 No que respeita ao Técnico Oficial de Contas, 80% dos entrevistados afirmaram que o Técnico Oficial de Contas pertence à empresa de outsourcing. Um facto detetado é que os 20% que têm como Técnico Oficial de Contas um empregado, apesar de ceder a execução a terceiros, são as maiores empresas para quem estes entrevistados trabalham. Uma investigação com dados estaticamente relevantes seria interessante para se perceber se isto é uma tendência e se é possível identificar uma dimensão média de empresa a partir da qual a empresa opta por ter como Técnico Oficial de Contas um empregado seu. Bancos Também não é da especialidade do negócio a gestão das relações com um banco, porém, dado que muitas vezes os bancos têm à sua guarda relevantes activos da empresa, é crucial manter de responsabilidade interna a negociação de taxas e comissões bancárias, a definição e gestão de assinaturas e níveis de autorização e a aprovação de pagamentos e de financiamento. De destacar a reconciliação bancária que obteve 100% de respostas em que é a empresa de contabilidade que efetua a reconciliação bancária. Inventários É também uma área crítica, porém algumas empresas, porque têm mercadorias com determinadas características, subcontratam-na. Algumas por questões técnicas de medição (montes de areia, uma barragem com água, etc.) outras por serem mercadorias em grandes quantidades e cujo pessoal não tem capacidade ou disponibilidade para inventariar. O sucesso desta subcontratação depende da qualidade da empresa contratada e do nível de responsabilidade exigido. O que não pode deixar de ser feito, é o apuramento das diferenças entre as quantidades teóricas e reais, como qualquer procedimento de inventário exige. Do leque dos entrevistados apenas tinham aplicação em 35% das empresas. Destas 7 empresas as tarefas da empresa de outsourcing resumia-se ao que depreende da execução da contabilidade (Apuramento do custo das vendas, etc.) Apenas uma empresa considerava a margem dos produtos com base na contabilidade

19 CONCLUSÃO O outsourcing é sem dúvida uma ferramenta de gestão dos nossos dias que trás inúmeras vantagens às empresas, permitindo-lhes, através da aplicação dos seus capitais nas áreas que dominam e onde são competitivas, elevar o nível de excelência operacional, alavancando o seu negócio e consequentemente a remuneração dos capitais investidos, essencial para que os investidores mantenham a decisão de investir na empresa. Num mundo cada vez mais global e exigente, as empresas mais resistentes à mudança, que mantêm a tradicional estrutura vertical por departamentos ou áreas funcionais, estão a atrasarse em relação aquelas que se focam nos processos e no impacto que o modo de funcionamento da empresa tem no cliente. É por isso de senso comum, que muitos destes serviços devem ser subcontratados. Hoje, qualquer que seja o projecto para a criação duma empresa, independentemente da sua dimensão, dificilmente defenderá a existência de um departamento de limpeza, a contratação de cozinheiras e pessoal para a cantina, educadoras de infância, etc. Se as áreas referidas são aquelas que intuitivamente qualquer cidadão percebe a subcontratação, compete aos gestores identificar todas as áreas em que será benéfico decidir pelo outsourcing. Nestes primeiros anos de existência de outsourcing no tecido empresarial mundial, e apesar de teoricamente ser aceitável a subcontratação de todas as áreas non-core, ainda não há uma conjuntura que permita que tal aconteça na prática. Políticas financeiras, como definição de prazos de pagamentos e recebimentos, custódia dos activos da empresa, assumpção de compromissos e outras competências non-core com influência em áreas estratégicas da empresa, ficam normalmente a cargo de pessoal da empresa, pois apesar de non-core são a base do controlo financeiro da empresa, que, se inexistente, pode ter graves efeitos na sua continuidade

20 As diversas empresas de outsourcing ainda não têm a tradição, ou muitas vezes a capacidade, de assumir o risco e a responsabilidade de indemnizar as empresas clientes por erros ocorridos em tarefas como as referidas acima. As que se dispõem a assumir tais responsabilidades cobram preços muito elevados, o que automaticamente torna desvantajosa a opção outsourcing. Em suma, pode dizer-se que todas as competências non-core podem ser executadas em outsourcing desde que mensurados com precisão os impactos negativos que a empresa pode sofrer caso a parceria não corra bem. Os gestores são os responsáveis por garantir a continuidade da empresa, e por isso, qualquer competência de controlo ou decisão, que possa trazer implicações nesta, mesmo não sendo core deve permanecer na estrutura interna

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

Controlo interno das instituições de auditoria do governo

Controlo interno das instituições de auditoria do governo SEMINÁRIO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE AUDITORIA 26 27.02.2009 Controlo interno das instituições de auditoria do governo Autor: Lau Tak Kun (Terence) Comissariado da Auditoria de Macau Índice

Leia mais

Finance. Estudos de Remuneração 2012

Finance. Estudos de Remuneração 2012 Estudos de 2012 Estudos de Finance 2012 2 Nota preliminar pág. 3 Finance Auditor Interno Controller Financeiro Contabilista Accounts Payable Accounts Receivable Técnico de Controlo de Crédito e Cobranças

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais Negócios Internacionais Capítulo IX Produção e Logística Global Carina Viveiros Carla Pereira Ruben Dias Rui Ponte Produção e Logística Global Objectivos: Descrever as diferentes dimensões da estratégia

Leia mais

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30. Leia com atenção as seguinte instruções:

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30. Leia com atenção as seguinte instruções: Leia com atenção as seguinte instruções: As questões de múltipla escolha têm uma cotação de 0,1 cada. Caso queira alterar a sua resposta, risque a anterior e assinale a sua opção final com um círculo e

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2

UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2 UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2 INDICE 04 O que é o Outsourcing? 09 Como o implementá-lo na sua empresa 11 Vantagens e desvantagens 13 Conclusão

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 FINANCE Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados, sendo

Leia mais

Outsourcing de serviços na gestão financeira

Outsourcing de serviços na gestão financeira 02 Dossier Outsourcing de serviços na gestão financeira 25 Entrevista Jeff York É necessário comunicar, integrar-nos e colaborarmos bem num contexto de equipa. Entrevista de José Branco As delegações da

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular (UC)

Ficha da Unidade Curricular (UC) Impressão em: 03-01-2013 16:13:42 Ficha da Unidade Curricular (UC) 1. Identificação Unidade Orgânica : Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso : [IS] Informática para a Saúde Tipo de Curso : UC/Módulo

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 SECRETARIAL & MANAGEMENT SUPPORT Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores

Leia mais

Business Intelligence Framework

Business Intelligence Framework Business Intelligence Framework José Peixoto and Júlio Lopes Departamento de Informática Universidade do Minho Abstract. Este artigo apresenta os elementos que constituem a Framework desenvolvida, bem

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

SISTEMAS DEGESTÃO EMPRESARIAL

SISTEMAS DEGESTÃO EMPRESARIAL SISTEMAS DEGESTÃO EMPRESARIAL Imagine um mundo onde a sua Empresa se desenvolve facilmente, onde a cooperação entre os seus funcionários, as suas filiais e o seu ambiente de negócio é simples e em que

Leia mais

Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos.

Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos. Contabilidade Contabilidade Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos. É uma ciência de natureza económica, cujo objecto é a realidade

Leia mais

A PHC atingiu recentemente os 400 clientes Licença Garantida. No mercado há pouco mais de um ano, a modalidade que permite os clientes PHC renovarem a licença do seu software por três anos já representa

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

eduardo sá silva Classe 1 Meios Financeiros Líquidos Abordagem contabilística, fiscal e auditoria

eduardo sá silva Classe 1 Meios Financeiros Líquidos Abordagem contabilística, fiscal e auditoria eduardo sá silva carlos martins Classe 1 Meios Financeiros Líquidos Abordagem contabilística, fiscal e auditoria Índice Geral INTRODUÇÃO... I. CLASSE 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS... I.1 NORMAS RELEVANTES...

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL Apesar das sequelas da crise financeira global e da ressaca de uma recessão em vários países, os analistas esperam que a procura de viagens

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas)

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas) CURSO DE GESTÃO DE VENDAS Inedem- Apotec Outono 2007 25 e 26 de Setembro 9h00 às 18h30 Dirigido a gestores da área financeira com necessidade de ferramentas informáticas de elevada eficácia na avaliação

Leia mais

O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA?

O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? 18 de junho de 2014 O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Afinal

Leia mais

CONSULTORIA É UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA

CONSULTORIA É UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA CONSULTORIA É UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA 1 - Qual o trabalho de uma consultora na área de gestão e contabilidade, como é o caso da Gesbanha? A Consultadoria é uma ferramenta estratégica para uma empresa.

Leia mais

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Por: Patrícia Isabel Correia* A ausência de um Sistema de Gestão de Manutenção provocou, ao longo de muitos anos, a deterioração

Leia mais

OBJECTIVOS. - Apresentar conceitos relativos ao outsourcing; - Discutir como o outsourcing representa uma prática fundamental numa gestão de sucesso.

OBJECTIVOS. - Apresentar conceitos relativos ao outsourcing; - Discutir como o outsourcing representa uma prática fundamental numa gestão de sucesso. OBJECTIVOS - Apresentar conceitos relativos ao outsourcing; - Discutir como o outsourcing representa uma prática fundamental numa gestão de sucesso. AGENDA - INTRODUÇÃO - CONCEITOS - EVOLUÇÃO DO OUTSOURCING

Leia mais

Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão dos Negócios

Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão dos Negócios Workshop A Competitividade das Empresas & o Balanced Scorecard Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão JAIME RAMOS GUERRA JLM CONSULTORES DE GESTÃO, SA () INSTITUTO POLITECNICO DE LEIRIA jaime.guerra@jlm.pt

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122 Fazer hoje melhor do que ontem Manual da Qualidade Índice Parte 1 - Estrutura da organização Breve enquadramento histórico Organograma Parte 2 - Personalidade da organização Modelo de enquadramento da

Leia mais

Carta de Segurança da Informação

Carta de Segurança da Informação Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA QUAL FOR A SUA NATUREZA. Todo e qualquer produto

Leia mais

CUSTOS conceitos fundamentais. Custo. Custo. Despesa. Pagamento. Proveito. Receita. Recebimento CONTABILIDADE ANALÍTICA I

CUSTOS conceitos fundamentais. Custo. Custo. Despesa. Pagamento. Proveito. Receita. Recebimento CONTABILIDADE ANALÍTICA I CUSTOS conceitos fundamentais Custo Sacrifício de um recurso para atingir um objectivo específico, ou, dito de outro modo, valor associado à utilização ou consumo de um recurso. A determinação dos custos

Leia mais

PROGRAMA: 09:30 Abertura da Sessão Sérgio de Campos Moraes - Redware 09:45 O contexto e evolução dos serviços de Suporte ao Negócio nas Organizações

PROGRAMA: 09:30 Abertura da Sessão Sérgio de Campos Moraes - Redware 09:45 O contexto e evolução dos serviços de Suporte ao Negócio nas Organizações PROGRAMA: 09:30 Abertura da Sessão Sérgio de Campos Moraes - Redware 09:45 O contexto e evolução dos serviços de Suporte ao Negócio nas Organizações Jorge Pereira da Costa - Roland Berger 10:15 Optimização

Leia mais

PROGRAMA DE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

PROGRAMA DE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TECNICA DE LISBOA CURSO DE LICENCIATURA EM GESTÃO 2007/2008 (Regras de Bolonha) PROGRAMA DE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE L I S B O A SETEMBRO 2 0

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Auditoria interna Especialização PwC

Auditoria interna Especialização PwC www.pwc.pt/academy Especialização PwC PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais Especialização PwC Este curso com uma forte componente prática, procura dotar os recursos afetos à função

Leia mais

Objectivos do Capítulo

Objectivos do Capítulo Objectivos do Capítulo Descrever a função de finanças da Multinacional e mostrar como se enquadra na estrutura organizacional das MNE s Mostrar como as empresas adquirem fundos externos para operações

Leia mais

DIRECTIVAS PARA O CONTROLE INTERNO DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO AUTORIZADAS

DIRECTIVAS PARA O CONTROLE INTERNO DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO AUTORIZADAS Circular No. 169/B/2002-DSB/AMCM (Data: 21/11/2002) DIRECTIVAS PARA O CONTROLE INTERNO DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO AUTORIZADAS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), com os poderes conferidos pelo artigo

Leia mais

Soluções PRIMAVERA Starter. Para empresas que vão crescer

Soluções PRIMAVERA Starter. Para empresas que vão crescer Soluções PRIMAVERA Para empresas que vão crescer 02 Soluções PRIMAVERA Soluções Para empresas que vão crescer A legislação relativa à utilização de programas informáticos de faturação certificados tem

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas

Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas Guia das Funções Mais Procuradas Page Personnel 2015 Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas Lisboa, 16 de Junho de 2015 - A Page Personnel, empresa de recrutamento de quadros intermédios

Leia mais

Advisory(Assessoria de Gestão)

Advisory(Assessoria de Gestão) Advisory(Assessoria de Gestão) Explorar a floresta aproveitando a incerteza, sem se perder entre as árvores As empresas que estão claramente focadas na criação de valor demonstram que sabem o que fazem,

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Banking. Estudos de Remuneração 2012

Banking. Estudos de Remuneração 2012 Estudos de 2012 Estudos de Banking 2012 2 Nota preliminar pág. 3 Técnico de Tesouraria pág. 4 Banking Técnico de Controlo de Crédito pág. 5 Analista de Crédito Técnico de Back-Office Técnico de Derivados

Leia mais

Av. da Boavista, 1837 15º 4100-133 Porto t. +351 22 606 86 08 f. +351 22 606 87 23. Suíça. Rue du Rhône 86 1204 Genève

Av. da Boavista, 1837 15º 4100-133 Porto t. +351 22 606 86 08 f. +351 22 606 87 23. Suíça. Rue du Rhône 86 1204 Genève Lisboa Porto Suíça Sucursal em Portugal Av. da Liberdade, 131-4º 1250-140 Lisboa t. +351 21 325 4030 f. +351 21 346 5164 Av. da Boavista, 1837 15º 4100-133 Porto t. +351 22 606 86 08 f. +351 22 606 87

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

O projecto de sistemas de informação para as empresas de "Facility Services" e sua rede de parceiros

O projecto de sistemas de informação para as empresas de Facility Services e sua rede de parceiros PREMIVALOR O projecto de sistemas de informação para as empresas de "Facility Services" e sua rede de parceiros Rita Oliveira SEIDOR roliveira@seidor.es Telef.: +351 210 001 686 Lisboa, 6 Dezembro 2007

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

PHC Imobilizado CS BUSINESS AT SPEED

PHC Imobilizado CS BUSINESS AT SPEED PHC Imobilizado CS Controle totalmente os activos imobilizados da sua empresa Processe automaticamente as amortizacões/ depreciacões, as reavaliacões, as imparidades/reversões bem como as revalorizacões

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO.

OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. ÍNDICE INTRODUÇÃO OS BENEFÍCIOS DO RENTING VANTAGENS FISCAIS O RENTING REDUZ CUSTOS PERMITE MANTER A LIQUIDEZ E AS LINHAS DE CRÉDITO INTACTAS FINANCIAMENTO

Leia mais

Dicas do mês N E S T A E D I Ç Ã O :

Dicas do mês N E S T A E D I Ç Ã O : M E N S A L N E W S L E T T E R N. º 0 0 4 O U T U B R O N E S T A E D I Ç Ã O : Regime Contributivo para 2 2010 Soluções Bancárias II 6 Apoio à Criação de 7 emprego N E W S L E T T E R N. º 0 0 4 IMT

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA ELÉCTRICA E ELECTRÓNICA. Para a disciplina de Gestão

GESTÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA ELÉCTRICA E ELECTRÓNICA. Para a disciplina de Gestão UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA ELÉCTRICA E ELECTRÓNICA GESTÃO FINANCEIRA Para a disciplina de Trabalho elaborado por: César Alfredo nº 21243 André santos nº 28568

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 6 Integração Vertical João Pedro Couto Natureza da integração vertical A integração vertical consiste na execução de várias funções da cadeia operacional sob a égide de

Leia mais

Caso de Sucesso Vinho do Porto Taylor s Port. Taylor s Port: Da vinha ao vinho com SAP

Caso de Sucesso Vinho do Porto Taylor s Port. Taylor s Port: Da vinha ao vinho com SAP Taylor s Port: Da vinha ao vinho com SAP The Fladgate Partnership Taylor s Port Sector Produção vinícola Produtos Vinho do Porto Web www.taylor.pt/pt Soluções e serviços SAP SAP Business Suite A Taylor

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU Programas de MESTRADO Online MBA Master in Business Administration Mestrado em Direcção de Empresas Mestrado em Direcção de Marketing e Vendas Mestrado em Direcção Financeira Mestrado em Comércio Internacional

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Formação Profissional Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Assessoria de Gestão, Lda Controlo Interno e Auditoria Interna No actual contexto de crise, em que as organizações estão

Leia mais

Riscos do Outsourcing

Riscos do Outsourcing Riscos do Outsourcing RISCOS FINANCEIROS Custos associados (processo de negociação) Custos não esperados RISCOS TECNOLÓGICOS Qualidade do serviço (degradação/má qualidade) Concorrência entre fornecedores

Leia mais

Agenda: BIMFórum Portugal. Funcionamento. Plataforma de Apoio. a união de Vontades. Próximos passos

Agenda: BIMFórum Portugal. Funcionamento. Plataforma de Apoio. a união de Vontades. Próximos passos Agenda: BIMFórum Portugal Funcionamento Plataforma de Apoio a união de Vontades Próximos passos Ineficiências (MOLETE, 2003 colaboração de empresas inscritas na Associação de Empreiteiros Gauteng, de

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS 24 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS Os mercados de capitais na Europa e no mundo exigem informações financeiras significativas, confiáveis, relevantes e comparáveis sobre os emitentes de valores mobiliários.

Leia mais

Ciclo de Formações em Prestação de Contas

Ciclo de Formações em Prestação de Contas Ciclo de Formações em Prestação de Contas A prestação de informação financeira, exige uma constante actualização, quer gerada pela experiência prática de diferentes casos, cada vez mais complexos e não

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Ambiente externo à empresa. Resumo

Ambiente externo à empresa. Resumo Ambiente externo à empresa Fábio Bruno Tavares de Sousa 1 1) Fábio Sousa fabiobtsousa@gmail.com Resumo O ambiente empresarial é bastante complexo. Na actualidade, é imprescindível avaliar o comportamento

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA A GESTÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA A GESTÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA A GESTÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO Flávia SOUZA Mestranda pela Escola Politécnica da USP. Av. Prof. Almeida Prado, travessa 2 n 83, CEP 05508-900 São Paulo (SP)

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 8 de Janeiro de 2008 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas Sofia Pereira 2ª Frequência Responda a cada grupo em folha separada A Ibersol tem como

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

Trabalho realizado no âmbito da cadeira. Gestão Estratégica de Sistemas de Informação. Mestrado em Engenharia Informática

Trabalho realizado no âmbito da cadeira. Gestão Estratégica de Sistemas de Informação. Mestrado em Engenharia Informática COMÉRCIO ELECTRÓNICO Trabalho realizado no âmbito da cadeira Gestão Estratégica de Sistemas de Informação. Mestrado em Engenharia Informática Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA. Capítulo - 12. Organização para uma Logística Efectiva. Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho

GESTÃO LOGÍSTICA. Capítulo - 12. Organização para uma Logística Efectiva. Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 12 Organização para uma Logística Efectiva Objectivos do Capítulo Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho eficaz e eficiente da empresa Descrição de

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

MEET Project: Management E-learning Experience for Training secondary school's students. Code: LLP-LDV-TOI-10-IT-560

MEET Project: Management E-learning Experience for Training secondary school's students. Code: LLP-LDV-TOI-10-IT-560 MEET Project: Management E-learning Experience for Training secondary school's students Code: LLP-LDV-TOI-10-IT-560 Lifelong Learning Programme (2007-2013) Leonardo da Vinci Programme Multilateral projects

Leia mais

Programa AconteSER. Gestão de Projetos. Torres Vedras 12 de Dezembro de 2013

Programa AconteSER. Gestão de Projetos. Torres Vedras 12 de Dezembro de 2013 Programa AconteSER Gestão de Projetos Torres Vedras 12 de Dezembro de 2013 Agenda Enquadramento dos projetos na mudança Conceitos de gestão de projetos Iniciação Organização e planeamento Execução, monitorização

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados 1 Secção I ƒ Sistemas empresariais cruzados Aplicações empresariais cruzadas 2 ƒ Combinações integradas de subsistemas de informação, que partilham recursos informativos e apoiam processos de negócio de

Leia mais

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição www.pwc.pt/academia Controlo de Gestão 2ª Edição Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013 Academia da PwC 2ª edição Este curso permite-lhe compreender melhor os princípios do controlo de gestão, com especial enfoque

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

Tax Supply Chain. - Desafios para as Empresas e Multinacionais. Fiscalidade. Pedro Manuel de Resende Pinguicha Galego revisor oficial de contas

Tax Supply Chain. - Desafios para as Empresas e Multinacionais. Fiscalidade. Pedro Manuel de Resende Pinguicha Galego revisor oficial de contas Tax Supply Chain - Desafios para as Empresas e Multinacionais Fiscalidade Pedro Manuel de Resende Pinguicha Galego revisor oficial de contas 1. Enquadramento A globalização e a política fiscal heterogénea

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Projecto GTBC. leading excellence 1. Portugal: Espanha:

Projecto GTBC. leading excellence 1. Portugal: Espanha: Projecto GTBC Portugal: Edifício Taurus Campo Pequeno, 48 2º 1000-081 Lisboa Tel.: +351 217 921 920 Fax: +351 217 921 929 www.gtbc.pt info@gtbc.pt Espanha: CalleAtocha, 20, 2ªIzq 28012 Madrid Tel.: +34

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008 Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008 Em sede do compromisso para uma "Better Regulation", assumido pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, foi proposta, nomeadamente,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1 MANUAL DA QUALIDADE Rev.: 02 Data: 05-07-2013 pág. 1 Designação Social: Dupliconta Sociedade de Contabilidade, Consultadoria e Gestão Lda. Morada: Caminho do Pilar, Conjunto Habitacional do Pilar, Lote

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 RESUMO Resumo dos princípios fundamentais A Securitas acredita num mercado livre para a prestação dos seus serviços, e num ambiente competitivo

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

MBA: Master in Project Management

MBA: Master in Project Management Desde 1968 MBA: Master in Project Management Projetos e Tecnologia da Informação FMU Professor: Marcos A.Cabral Projetos e Tecnologia da Informação Professor Marcos A. Cabral 2 Conceito É um conjunto de

Leia mais