A perspectiva da CSC para o Business Process Outsourcing

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A perspectiva da CSC para o Business Process Outsourcing"

Transcrição

1 4 Cadernos Interface A perspectiva da CSC para o Business Process Outsourcing David Thomas CSC European Business Development Os fornecedores de serviços de outsourcing (outsourcers) e as empresas que recorrem aos mesmos (clientes) assumem injustamente o outsourcing de processos de negócio (BPO) como tendo apenas pequenas diferenças em relação ao outsourcing de tecnologias de informação (ITO). Os clientes não devem considerar o BPO como uma realidade que satisfaz unicamente objectivos de curto prazo, mas sim como uma componente integrante da sua estratégia a longo prazo. Aplicar a tecnologia e melhorar o seu negócio As empresas estão focalizadas na redução de custos, na melhoria da eficácia ao nível da utilização dos seus recursos humanos e na optimização dos seus investimentos. Alguns destes objectivos podem ser conseguidos por recurso ao outsourcing não devendo, no entanto, ser perseguidos isoladamente. Seguir uma tendência de mercado que motive as empresas a aplicar um politica de redução de custos pode levar a que todas atinjam um nível competitivo idêntico, mas com um valor final não necessariamente superior para todas elas. A longo prazo a vantagem competitiva das organizações é afectada pela agressiva redução dos designados custos por transacção. Entre 1960 e 1990, as organizações nas economias ocidentais, reduziram eficazmente os custos de produção até ao ponto de incrementarem a produtividade fabril em cerca de quarenta vezes. Contudo, no mesmo período, os custos por transacção em processos administrativos (back-office) variaram apenas 2%. Esta diferença deveu-se, por um lado, à focalização na automatização de processos industriais e contabilísticos e, por outro, à necessidade de aprender em como aplicar a tecnologia na melhoria do negócio. Ao invés, a tecnologia de hoje a Internet, as tecnologias móveis, a computação partilhada e a gestão de processos de negócio (BPM) está orientada à redução significativa dos custos por transacção. Neste contexto, pretendem-se alcançar níveis de produtividade administrativa idênticos aos obtidos no passado com o incremento da produtividade industrial. As empresas terão de analisar onde custa menos executar algumas das actividades de negócio, isto é, dentro ou fora da organização. Quando for mais barato realizar determinados processos de negócio pelos outsourcers, os clientes sofrerão uma desagregação nas suas empresas que pressuporá o emergir de novos tipos de organizações. Todos os pressupostos que temos actualmente sobre a configuração da indústria, a organização das empresas e níveis realizáveis de produtividade mudarão radicalmente. Controlar ao nível dos processos do negócio Hoje em dia já assistimos a uma mudança para estruturas organizacionais mais ágeis e desagregadas. Os outsourcers passarão a especializar-se em competências nucleares de negócio pertencentes, até então, aos seus clientes. Esta nova forma de desagregação (diversos processos de negócio dos clientes realizados por outsourcers distintos) sugere que as organizações poderão ambicionar ser best-in-class em todos os processos (admitindo que cada um dos outsourcers aplica as melhores práticas na execução dos processos de negócio que são por si geridos). As necessidades requeridas para controlar organizações desagregadas vão para além dos conceitos actualmente existentes sobre a gestão de parceiros e fornecedores de serviços de outsourcing. Uma melhor colaboração e orquestração devem ser empreendidas ao nível da gestão, por parte do cliente, sendo uma exigência muito mais sofisticada do que a gestão simples de um outsourcer. Existem algumas considerações a reter: O BPO não constitui uma oferta singular e monolítica, tal como é o ITO;

2 Interface Cadernos 5 O BPO representa a oportunidade de realizar externamente uma multiplicidade de processos de negócio entregues, ou não, a outsourcers distintos especializados na prossecução dos mesmos; Os colaboradores dos clientes continuam a ser críticos para a empresa e para o outsourcer uma vez que detêm um profundo conhecimento dos processos de negócio (no ITO o outsourcer pode substituir os colaboradores do cliente sem afectar o nível de serviço e a qualidade do mesmo); Os processos de negócio nunca estão totalmente documentados ou automatizados nas empresas. Existem processos automatizados, semi-automatizados e manuais, com situações rectificadas ao longo de anos, excepções que são exclusivamente do conhecimento de um colaborador da empresa e, finalmente, ninguém sabe muito bem como fazê-los de outro modo; O conhecimento (poder?) dos colaboradores do cliente não pode ser descoberto na fase de due diligence de um contrato de outsourcing, como acontece no ITO. Conhecer os seus processos do negócio O outsourcing de processos de negócio e a fase de transformação associada a cada um deles requer níveis de conhecimento e experiência da indústria únicos. O outsourcing realizado por diferentes fornecedores de serviços complica a execução de sinergias. Se uma organização externalizar seis processos distintos para seis companhias diferentes como vai poder explorar sinergias? Uma solução para esta questão está a emergir sob a forma de um Repositório de Processos Empresariais. Através da utilização do mesmo, os clientes e os outsourcers podem entender o estado actual e planeado para todos os processos, identificar sinergias, oportunidades de colaboração e iniciativas consequentes. Negócios diferentes implicam aproximações diferentes Inovação e Mudança contínuas são cruciais para o sucesso do BPO pelo que esta realidade não pode ser efectuada da mesma forma que o ITO. A abordagem, os resultados e as noções de valor são diferentes. O ITO tipicamente enfrenta um ano de transformação seguido de sete ou dez anos de operação estabilizada e de melhorias contínuas. No ambiente empresarial actual ninguém está à procura de um estado estacionário de qualquer tipo de realidade por um período tão longo. O BPM como o facilitador para o BPO Os outsourcers que pretendem oferecer BPO como um serviço de qualidade superior têm de considerar esta prática como sendo uma ciência. Devem também dar especial atenção ao BPM (Business Process Management), que lhes faculta um método para gerir processos colaborativos e através de múltiplos clientes e companhias. Realizar o BPO é impossível sem um método inteligente de agregar, orquestrar e controlar processos pelo que o BPM é o facilitador para o BPO. Em resumo: BPO e BPM devem ser elementos chave na estratégia de externalização de uma organização; A estratégia deve igualmente prever que o BPO requer uma abordagem completamente diferente do ITO; BPO significa o acesso a inovação, colaboração, interacção e criação permanentes. A CSC tem demonstrado a capacidade de dominar a gestão de programas complexos, incluindo a capacidade de gerir a mudança nas organizações, pessoas, comportamentos e diferenças culturais. A proposta de valor da CSC para o BPO acautela necessariamente todos estes aspectos. CSC Portugal Jorge Correia Business Development Executive Tlf: /

3 6 Cadernos Interface Outsourcing de Infra-Estruturas de TI Jorge Monteiro Responsável pela Área de Outsourcing Os sistemas de informação evoluem dentro das organizações e podem transformar-se numa arma estratégica ao dispor dos gestores: contribuem para a redução de custos, proporcionam o acesso a novos mercados, apoiam o desenvolvimento de novos produtos e serviços, permitem o desenvolvimento de novos modelos de negócio. A infra-estrutura tecnológica que suporta os sistemas de informação é hoje parte integrante da estrutura, dos processos e por vezes da estratégia de negócio das empresas. Nem sempre a escolha das tecnologias utilizadas e respectiva arquitectura decorre da estratégia das empresas. Por vezes são as infra-estruturas de TI e os benefícios que proporcionam, que estão na origem das mutações estratégicas e até mesmo das alterações às estruturas das indústrias. A área da Banca e Seguros é um exemplo, onde as tecnologias de informação (Internet, CRM, ECN, etc.), têm transformado o equilíbrio de forças do sector e têm ditado a agenda estratégica das organizações. As orientações estratégicas das principais instituições financeiras portuguesas, são exemplos de como os sistemas e as tecnologias de informação são utilizados para tentar obter vantagens competitivas através da utilização das tecnologias de informação, seja contribuindo para a sua diferenciação estratégica ou para o controle e redução de custos da organização. A implementação e a gestão de tecnologias de informação pode acelerar ou impedir a capacidade de uma organização em concretizar os seus objectivos estratégicos e consequentemente o seu desempenho global. Para que a Gestão das TI possa suportar devidamente o negócio é necessário considerar diferentes dimensões da Gestão: A Estratégica: A Gestão Estratégica das Infra-Estruturas de TI deverá ser a ferramenta a utilizar pelos Gestores de SI/TI para garantirem o alinhamento permanente entre as orientações estratégicas da organização e as estratégias e tecnologias de SI/TI, de forma a atingir os objectivos definidos pela empresa e a garantir que a evolução do negócio é pró-activamente suportada pelos SI/TI. A Operacional: A Gestão Operacional das Infra-Estruturas de TI deverá garantir que as tecnologias de informação suportam o negócio com os níveis de desempenho, flexibilidade e disponibilidade pretendidas. A importância dos sistemas de informação e a sua disseminação na área da Banca e Seguros é cada vez maior. Obriga a dispor de uma diversidade de sistemas aplicacionais e tecnologias que aumentam muito a complexidade da sua gestão. Independentemente da disseminação, estado de maturidade ou importância estratégica que os sistemas de informação têm nas organizações, necessitam de ser geridos como um recurso fundamental. Se não o forem, poderão gerar custos crescentes, insatisfação dos seus utilizadores e clientes internos e contribuir para ineficiências da sua organização. A infra-estrutura tecnológica que suporta os SI, é caracterizada por ser cada vez mais crítica e complexa. Para que se possa obter o melhor desempenho das infra-estruturas é necessário que estas sejam adequadamente geridas. Exige a utilização profissional de: métodos, práticas, modelos de gestão, organização e relacionamento com os utilizadores e clientes. O Outsourcing poderá ser uma opção a considerar como modelo de Gestão dos Sistemas e Tecnologias de Informação. Para além de permitir à empresa concentrar os seus recursos no seu core business, permite ainda à empresa atingir os seguintes objectivos: Melhorar o desempenho dos sistemas de informação; Melhorar a qualidade dos serviços prestados; Aumentar a flexibilidade; Dispor de recursos especializados e diversificados; Simplificar a agenda da Gestão de Topo; Dispor de maior capacidade para reagir à complexidade da economia e dos negócios; Dispor de maior agressividade estratégica;

4 Interface Cadernos 7 Fase de Negociação Execução do Contrato Conclusão do Contrato - Estabelecer contratos bem definidos. - Implementação do modelo de serviço proposto - Implementar práticas de gestão - Implementar práticas para traduzir com vista ao aumento da qualidade de serviço. durante a fase de transição de requisitos implícitos e explícitos em - Gerir mudanças rápidas de tecnologia serviços para o cliente. resultados definidos e com qualidade. e mantê-la disponível, acessível, robusta e segura. - Assegurar uma experiência - Inovar, construir flexibilidade. - Assegurar a visibilidade das etapas de positiva para o cliente. implementação do modelo de serviço proposto - Manter continuamente a gestão com o objectivo de controlar, gerir e reportar. das actividades em Outsourcing. Soluções para outros problemas genéricos - Estabelecer relações baseadas na confiança. - Gerir as expectativas do cliente em relação ao outsourcing. - Desenvolver e manter um ambiente que proporcione a satisfação e motivação dos empregados. - Que são críticos para preservar o conhecimento necessário à prestação do serviço de forma - consistente e contínua. - Avaliar continuamente desempenho do serviço, satisfação do cliente e dos empregados. Diminuir os custos de exploração dos sistemas e TI; Introduzir melhores práticas de gestão de TI na sua organização; Melhorar a sua força de trabalho. O Outsourcing assenta num compromisso de médio longo prazo. A relação poderá ser do tipo convencional, cliente/fornecedor ou poderá configurar-se como uma relação colaborativa ou de parceria. Qualquer que seja o tipo de relação adoptado, o modelo de relacionamento com o cliente é um dos factores críticos de sucesso a considerar. O Outsourcing de Infra-Estruturas de TI é uma relação entre duas entidades e uma relação de compromisso que tem como objectivo que o Outsourcer faça a Gestão das Infra-Estruturas com o nível de desempenho, disponibilidade e flexibilidade contratados. Para além destes objectivos mais tangíveis, há outros, como por exemplo as expectativas de todas as partes interessadas, que deverão ser igualmente endereçados. Os Serviços de Implementação e Gestão da Tecnologia deverão ser prestados em conformidade com as melhores práticas existentes na indústria de TI. Por exemplo, as práticas ITIL para os Serviços de Gestão de Infra-Estruturas de TI ou práticas do PMI para a Gestão de Projectos, ou ainda as práticas CMM ou SPICE para o desenvolvimento de Sistemas de Informação. A gestão da relação entre as duas entidades (Outsourcer e Cliente) e das suas expectativas deverá ser igualmente gerida em conformidade com as melhores práticas existentes na indústria. Estas apresentam soluções para evitar problemas que poderão surgir nos vários estádios da relação. Para além das soluções apresentadas na tabela há alguns princípios adicionais que deverão ser considerados na Gestão de uma relação de Outsourcing: Comunicar efectivamente com todos os interessados: Clientes (executivos, directores de TI, elementos de TI, utilizadores); Parceiros de negócio, investidores; Fornecedor (executivos, gestores de conta, empregados, subcontratados); Construir uma relação de confiança com todas as partes interessadas; Promover uma cultura de inovação e de serviço rápido e eficiente; Gerir com medidas; Melhorar continuamente e ser orientado ao cliente; Proporcionar valor a todos os interessados. A dimensão Gestão da Relação deverá em conjunto com as dimensões Estratégica e a Operacional formar os pilares da Gestão das Infra-Estruturas de SI/TI em regime de Outsourcing. Os três em conjunto permitirão suportar as necessidades de - compromissos com o desempenho, disponibilidade, flexibilidade, evolução do negócio e com as expectativas das partes interessadas - que as instituições financeiras precisam para assegurar a concretização dos seus objectivos estratégicos: inovação, melhoria da interactividade e conectividade com os seus actuais e potenciais clientes, optimização e racionalização tecnológica. IT-LOG Jorge Monteiro Responsável pela Área de Outsourcing Tel.: Fax:

5 Editorial

6 Interface Cadernos 9 Fazer mais com menos... Ana Pinto Martinho Editora Cadernos Interface Fazer mais com menos. Esta é indiscutivelmente uma das máximas mais ouvidas a nível empresarial. O sector dos Seguros não foge a essa regra. Por isso os responsáveis pelas empresas deste sector têm de se desdobrar para tentar arranjar soluções eficientes para o problema A opção pelo outsourcing em geral já não é novidade, pois muitas seguradoras já o adoptaram para algumas das suas áreas não-centrais. Mas numa indústria onde a actividade principal consiste em quantificar o risco, e fornecer a máxima segurança financeira possível aos seus clientes, compreende-se que haja alguma desconfiança em relação ao outsourcing de áreas centrais para o negócio. Apesar disso as companhias de seguros estão a contratar serviços de outsourcing, à medida que a competição se intensifica e uma vez que a recessão económica ainda não terminou. De facto, um estudo da Gartner-Dataquest prevê que o BPO nos serviços financeiros venha a alcançar os 85 mil milhões de dólares em A opção pelo BPO, seja ele in-shore ou offshore, é, segundo analistas do sector, uma tendência a que as seguradoras não podem fugir. O BPO efectivo compreende muito mais do que a simples transição da responsabilidade pelo desempenho de um determinado processo. No BPO, o fornecedor externo não só assume a responsabilidade de gerir a função ou processo de negócio, como também faz a reengenharia da forma como o processo tem sido feito tradicionalmente. E esta reengenharia inclui a implementação de nova tecnologia ou a aplicação de tecnologia já existente, mas de uma nova forma que melhore o processo. Gerir os relacionamentos de BPO é uma capacidade que qualquer gestor necessitará para sobreviver e vencer na economia global. Para compreender melhor as questões de gestão é imprescindível compreender os fundamentos. Este é o objectivo deste Caderno Interface.

7 Índice

8 Interface Cadernos As Tecnologias de Informação nas Seguradoras 18 Business Process Outsourcing Para quê? 24 O ABC do BPO 30 O BPO e os vários sectores da empresa 36 BPO no Sector dos Seguros 44 Melhores práticas para BPO nas seguradoras 48 Glossário

9 As Tecnologias de Informação nas Seguradoras

10 Interface Cadernos 13 A retracção dos investimentos em Tecnologias de Informação é um facto ao qual não escapa a indústria seguradora, condicionando o tipo de investimentos que se fazem nesta área. Neste artigo damos-lhe a conhecer as tendências do investimento em Tecnologias de Informação por parte das seguradoras e as principais preocupações dos CIO e dos CTO. O s últimos dois anos de grande turbulência a nível económico causaram danos, quase irreparáveis, no sector dos seguros, forçando as seguradoras a reduzir drasticamente os seus gastos. Sobretudo devido aos acontecimentos de 11 de Setembro de 2001, o mercado mundial dos seguros, e em particular na Europa, iniciou uma fase de estagnação. A título de exemplo, o total dos prémios de seguros, no espaço europeu, aumentou apenas 0,6% em 2001, um número bastante aquém do aumento de 14,5% registado no ano anterior. E isto numa indústria que representa um total de 800 mil milhões de euros. Estas são algumas das considerações, e preocupações, expressas no relatório da consultora Celent IT Spending Trends in European Insurance. De facto, as conclusões deste relatório vêm realçar, a negro, a real retracção dos gastos em Tecnologias de Informação por parte da indústria dos seguros. A Celent prevê que em 2004 os gastos em tecnologias de informação cheguem aos 23 mil milhões de euros, à medida que as seguradoras europeias implementem sistemas de informação direccionados ao cliente e introduzam melhorias nos seus sistemas de workflow internos. Adicionalmente, a consultora prevê também que a integração de sistemas venha a resultar numa despesa recorrente durante os próximos dois anos. Outro dos destaques da Celent vai no sentido de os investimentos em Tecnologias de Informação ser encarado pelas seguradoras como meio de reduzir custos. Um dos maiores argumentos para o investimento na implementação de sistemas de informação nas seguradoras é de facto a redução de custos. Com efeito, 85% dos inquiridos pela Celent apontam a redução de custos como um dos seus três objectivos principais para a implementação de tecnologias de informação na sua organização. E as seguradoras não tencionam esperar muito por

11 14 Cadernos Interface resultados dos seus investimentos em Tecnologias de Informação. Os resultados da investigação da Celent revelam claramente que os investimentos em Tecnologias de Informação escondem preocupações e objectivos de curto prazo. A grande prioridade é gerar um rápido retorno do investimento (ROI). Mas, eventualmente, as seguradoras terão necessidade de adoptar uma abordagem industrial para os seus negócios. Isto é, terão de alargar as melhorias de eficiência extraídas destes esforços de investimento de TI de curto prazo a todas as suas linhas de negócio e operações e, ao mesmo tempo, conduzir projectos de longo prazo. A perspectiva dos CIO e CTO Numa outra investigação conduzida pela mesma consultora, 2003 Insurance CIO/CTO Survey Results, 15% dos inquiridos colocaram o outsourcing entre as três maiores prioridades. O outsourcing é apontado como um dos factores de maior importância para os executivos seniores das seguradoras. Face à enorme pressão a nível dos recursos, as tremendas poupanças Actual utilização do outsourcing proporcionadas pelo outsourcing não podem ser esquecidas. Talvez por isso, os inquiridos neste estudo afirmarem ter pelo menos algum tipo de outsourcing em curso na sua organização. Mas uma das grandes recomendações retiradas da análise deste estudo, pelos analistas da Celent, prende-se com as condicionantes e riscos directamente relacionados com o outsourcing offshore. E a recomendação vai no sentido de, no caso uma seguradora opte pelo outsourcing offshore, arrancar inicialmente com o desenvolvimento de software, uma vez que foi a área com níveis de satisfação mais elevados entre os inquiridos. Isto não significa a negação intransigente do outsourcing offshore em outras áreas dos processos de negócio dos seguros. As experiências dos gestores de seguros, patentes nos resultados deste estudo, aconselham alguma precaução e a necessidade de, previamente, efectuar uma cuidada avaliação Alterações previstas no recurso ao outsourcing em três anos % de respostas Onshore Offshore % de respostas Desenvolvimento de software Manutenção de sistemas Alojamento central Alojamento de outros sistemas Desenvolvimento de software Manutenção de sistemas Alojamento central Alojamento de outros sistemas Help-desk Call-centers Fonte: Celent 2003 Insurance CIO/CTO Survey Processamento de políticas Tratamento de reclamações Underwriting Imaging Outros BPOs Help-desk Call-centers Processamento de políticas Tratamento de reclamações Underwriting Imaging Outros BPOs Fonte: Celent 2003 Insurance CIO/CTO Survey Incremento do Onshore Diminuição do Onshore Incremento do Offshore Diminuição do Offshore

12 Interface Cadernos 15 aos fornecedores e às respectivas garantias de níveis de serviços adequados. Outra das possíveis tendências consiste no facto de o outsourcing de tecnologias de informação poder «puxar» algumas áreas de volta para o onshore, enquanto o volume de BPO offshore ainda é relativamente reduzido. Mas é provável que venha a crescer. Segundo as respostas dos inquiridos, apesar de a área do desenvolvimento de software ainda ser popular entre as seguradoras, já o mesmo não acontece com áreas como a manutenção e alojamento. Muitos dos inquiridos afirmaram mesmo estar a planear cessar as suas relações de outsourcing offshore na área da manutenção, enquanto planeiam aumentar o outsourcing para o desenvolvimento de software e para o alojamento de sistemas críticos. A utilização de BPO em regime offshore para áreas core de natureza operacional das seguradoras ainda é bastante limitado, mas existem projectos que poderão trazer algum crescimento a esta área. As áreas de aplicação No âmbito desta investigação, a Celent inquiriu os CIO e CTO das companhias de seguros quanto à aplicação do outsourcing em 11 áreas diferentes, quer no contexto das iniciativas em curso quer nas intenções e planos num prazo de três anos. Entre as áreas abordadas, as primeiras quatro correspondiam a áreas tradicionais de Outsourcing de Tecnologias de Informação, como sejam o desenvolvimento de software, a manutenção de sistemas, o alojamento de sistemas core e outros sistemas de alojamento. As sete restantes estavam directamente relacionadas com áreas de BPO (Business Process Outsourcing), incluindo help desk, call center, processamento de apólices, tratamento de reclamações, imaging, entre outras funções. Em cada uma destas áreas, foi questionada a estratégia e a opção da organização quanto ao onshore e ao offshore. Para as áreas relativas ao outsourcing de Tecnologias de Informação, mais de 40% dos inquiridos afirmaram utilizar o outsourcing em regime onshore e/ou offshore para cada uma das categorias. Neste capítulo, entre todas as áreas referenciadas, o desenvolvimento de software foi apontado como a área que mais beneficiou do outsourcing, tanto em modo onshore como offshore. De facto, cerca de 90% dos inquiridos afirmaram estar a entregar algum tipo de desenvolvimento de software ao outsourcing onshore, enquanto que 60% admitiram confiar esta área ao outsourcing offshore. Já nas áreas relacionadas com o BPO, o recurso ao outsourcing, onshore e offshore, ficou repartido de uma forma muito mais equilibrada. Segundo as respostas ao inquérito da Celent, a utilização de outsourcing em localizações offshore endereçou a área dos call centers para 50% dos inquiridos, o tratamento de pelo menos uma parte do processo de reclamações para 31% e a área de imaging em 25% dos casos. O outsourcing offshore foi ainda referido para o processamento de serviços de apólice, por 50% dos inquiridos. Na modalidade onshore o outsourcing foi utilizado por 44% para serviços de helpdesk e por 31% para serviços de «underwriting». Projectos de mudança Quando lhes foi pedido para traçarem uma projecção para a utilização do outsourcing nos próximos três anos, os CIO/CTO deram respostas que variaram muito dependendo das diferentes áreas. Principais Drivers para o Outsourcing de TI 78% Economias de custos globais 39% Redução dos tempos de desenvolvimento 22% Exposição a best-practices de TI Melhor qualidade dos sistemas Fonte: Celent 2003 Insurance CIO/CTO Survey 17% 17% Melhor controlo sobre os recursos % de respostas 11% Outros

13 16 Cadernos Interface Na categoria de outsourcing de Tecnologias de Informação reflectiram uma clara divisão. Grandes percentagens dos inquiridos projectaram um aumento da utilização de trabalho offshore, e respectiva diminuição do outsourcing onshore, para áreas como o desenvolvimento de software e o alojamento de sistemas core. Mas para os sistemas de manutenção e o alojamento de outros serviços, não «core», os inquiridos projectam cortar na utilização de trabalho offshore e aumentar a aposta no trabalho onshore, por uma larga margem. Estas respostas podem indicar que, enquanto as seguradoras vêem claros benefícios no outsourcing offshore para o desenvolvimento de software, em termos de custos e até da qualidade, no entanto parecem não estar tão satisfeitos com as suas experiências offshore em tarefas como a manutenção de manutenção de sistemas. Nas áreas de BPO, algumas áreas destacam-se. Mais do dobro dos inquiridos projectam a utilização de trabalho offshore para os call centers, em detrimento Preocupações relativas ao outsourcing 45% Ânimo do pessoal de TI interno 40% Falta de experiência vertical do parceiro 35% 35% Dúvidas sobre a capacidade dos parceiros offshore Abdicar do controlo sobre os recursos Fonte: Celent 2003 Insurance CIO/CTO Survey Potencial instabilidade nas regiões distantes % de respostas 20% 20% Outros das mesmas funções onshore. Entre 19% e 13% esperam aumentar a utilização do outsourcing offshore para funções de «underwriting» e de processamento de apólices, respectivamente. Uma vez que nenhum a das seguradoras afirmou utilizar actualmente o outsourcing offshore em nenhuma destas áreas, este dado pode ser um indicador de uma maior predisposição das seguradoras em entregar ao outsourcing offshore algumas áreas core que compõem os processos de negócio das seguradoras. Os drivers nas Tecnologias de Informação Pediu-se aos inquiridos que escolhessem, de uma lista de opções, os dois mais importantes drivers do outsourcing. Surpreendentemente, apenas 78% dos inquiridos citaram a poupança de custos como o factor principal para o outsourcing de tecnologias de informação. Para aqueles que não citaram os custos, a redução dos timmings de desenvolvimento foi o factor mais citado. Na categoria «outros» o grande destaque recaiu sobre o aumento dos níveis de serviço. No entanto, apesar do incrível potencial do outsourcing para a redução de custos e outros benefícios, a maior parte das seguradoras reportou grandes preocupações acerca da adopção do outsourcing de tecnologias de informação. A ilustra as percentagens de inquiridos que citam preocupações específicas, escolhidas de uma lista de opções. As mais citadas foram o ânimo do staff de TI interno e a falta de experiência vertical dos parceiros. Como ficou patente nos resultados do inquérito da Celent, o ânimo interno encerra questões bastante sensíveis, exigindo o máximo cuidado e atenção. Sobretudo quando se pretende optar por uma solução de outsourcing num ambiente onde reter staff especializado é tão importante. A alta percentagem de inquiridos que citaram a falta de experiência vertical pode ser indicativa de algumas lacunas e fragilidades dos fornecedores de outsourcing, seja aqo nível do desenvolvimento das suas capacidades internas, seja pela dificuldade em comunicar claramente as suas capacidades aos potenciais clientes na área dos seguros. Tendências futuras A pesquisa da Celent indica que as seguradoras vão aumentar os seus investimentos em tecnologia de uma gradual durante ao de 2004, à medida que vão

14 Interface Cadernos 17 modernizando as suas infra-estruturas e processos internos. E que pretendem melhorar a comunicação entre os escritórios centrais e os seus «ramos». A análise sugere as seguintes conclusões: Distribuição As seguradoras vão nivelar todos os canais de distribuição disponíveis para chegar aos consumidores. Os call centers e a internet serão adoptados de uma forma geral, embora os canais mais tradicionais continuem a ser utilizados. A adopção de tecnologia irá ajudar as empresas a integrar estes pontos de contacto, de forma a terem uma visão unificada do cliente, e para oferecer a mesma qualidade Prioridades para Percentagem de respostas que citaram áreas entre as três principais prioridades Recursos Alinhamento Negócio/TI Infra-estrutura Eficiência/Produtividade Segurança Distribuição Retenção de Pessoal Sistemas legacy Regulação Outsourcing Serviço 25% 25% 20% 20% 15% 15% 15% 15% 10% 30% 75% de serviços em todos os canais utilizados pela seguradora para contacto com os seus clientes. Gastos Os departamentos de Tecnologias de Informação irão focalizar-se em gastar dinheiro em tecnologia que melhor os serviços para os clientes, que possibilitem as vendas cruzadas e que ajudem a cortar custos. O foco imediato será para tecnologias que ajudem a na melhoria de processos internos e no workflow. Tecnologia A utilização de tecnologia, especialmente através da internet, crescerá à medida que a comunicação entre todos os canais de distribuição se torna mais importante, e até mesmo crucial par o bom funcionamento do negócio. Implementação Espera-se que as seguradoras combinem o desenvolvimento interno com tecnologias de terceiros como uma forma de reduzir custos e de estar a par das mais recentes tecnologias. Centralização das operações As seguradoras tendem a centralizar as operações de modo a tornarem-se mais eficientes. Esta reestruturação permitirá uma abordagem global e a expansão da cobertura de áreas como L/H e P/C. Projectos a curto prazo As seguradoras estão a dar passos cautelosos no que toca aos investimentos em Tecnologias de Informação, começando com pequenos projectos que aportem retorno do investimento (ROI) a curto prazo. As seguradoras estão a evitar entrar em projectos de maior dimensão. A sua abordagem aos gastos com tecnologias de informação é ir gastando gradualmente. Integração de Sistemas Gestão da Mudança Desenvolvimento de competências Desenvolvimentos futuros Outros 10% 10% 5% 5% 5% Industrialização As seguradoras europeias terão uma abordagem mais industrializada para conseguir ganhar eficiência e irão, eventualmente, integrar nas suas linhas de negócio projectos de tecnologias de informação bem sucedidos. Fonte: Celent 2003 Insurance CIO/CTO Survey

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI (1) PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI Docente: Turma: T15 Grupo 5 Mestre António Cardão Pito João Curinha; Rui Pratas; Susana Rosa; Tomás Cruz Tópicos (2) Planeamento Estratégico de SI/TI Evolução dos SI

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

O projecto de sistemas de informação para as empresas de "Facility Services" e sua rede de parceiros

O projecto de sistemas de informação para as empresas de Facility Services e sua rede de parceiros PREMIVALOR O projecto de sistemas de informação para as empresas de "Facility Services" e sua rede de parceiros Rita Oliveira SEIDOR roliveira@seidor.es Telef.: +351 210 001 686 Lisboa, 6 Dezembro 2007

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

w w w. y e l l o w s c i r e. p t

w w w. y e l l o w s c i r e. p t consultoria e soluções informáticas w w w. y e l l o w s c i r e. p t A YellowScire iniciou a sua atividade em Janeiro de 2003, é uma empresa de consultoria de gestão e de desenvolvimento em tecnologias

Leia mais

Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com

Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal www.quidgest.com quidgest@quidgest.com 1. Introdução Novo contexto económico e tecnológico Metodologia 2. Agilidade Organizacional das

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa EUROPA: RESULTADOS DA INVESTIGAÇÃO Elaborado por Research em colaboração com a SAP Patrocinado por O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa LÍDERES FINANCEIROS PRONUNCIAM-SE SOBRE A SUA MISSÃO

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%?

E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%? E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%? Uma solução eficaz de Gestão Energética para o Retalho Eficiência Energética no Retalho Será que está a gastar mais em energia do que necessita?

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

PHC Workflow. Informatize de forma eficaz todos os circuitos e processos de trabalho usados na sua empresa

PHC Workflow. Informatize de forma eficaz todos os circuitos e processos de trabalho usados na sua empresa PHCWorkflow DESCRITIVO O PHC Workflow permite que o conjunto de acções a executar, sigam uma ordem pré- -definida de acordo com as normas da empresa, aumentando a agilidade e produtividade dos colaboradores.

Leia mais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais Derechos Quem Somos O Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos, organizada e posicionada para a oferta integrada de Serviços Partilhados para o sector da Saúde.

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Os Serviços Partilhados do SUCH

Os Serviços Partilhados do SUCH Os Serviços Partilhados do SUCH ONI e-powered: 1ª Conferência sobre Soluções Integradas para o Sector Público 8 de Abril de 2008 Serviço de Utilização Comum dos Hospitais 7 áreas de negócio Todas operando

Leia mais

Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade.

Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade. Descritivo completo PHC dcrm Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade. Benefícios Acesso aos contactos

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 6 Integração Vertical João Pedro Couto Natureza da integração vertical A integração vertical consiste na execução de várias funções da cadeia operacional sob a égide de

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade PHC dcrm DESCRITIVO O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Análise da Michael Page sobre Recursos Humanos 27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Manter a motivação das equipas é o principal desafio das empresas portuguesas, sendo apontado por 42%

Leia mais

Sem o recurso às tecnologias disponibilizadas pela Microsoft, a solução criada seria difícil de obter num tão curto espaço de tempo.

Sem o recurso às tecnologias disponibilizadas pela Microsoft, a solução criada seria difícil de obter num tão curto espaço de tempo. Caso de Sucesso Microsoft Finsolutia cria solução completa de suporte ao negócio com.net Framework 3.5 Sumário País: Portugal Indústria: Banking&Finance Perfil do Cliente A Finsolutia é uma joint venture

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

SI Sistema de Informação Anexo 4

SI Sistema de Informação Anexo 4 onselho oordenador omo implementar? No actual quadro da dministração Pública torna-se necessário avaliar o desempenho dos serviços, o que implica, para os gestores públicos, desenvolver (os seus) sistemas

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente o potencial da força

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Características de Serviços Partilhados

Características de Serviços Partilhados Características de Serviços Partilhados Os Serviços Partilhados caracterizam-se pela prestação de funções de suporte a várias organizações, por uma organização vocacionada para estes serviços. Ministério

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Informática. Aula 7. Redes e Telecomunicações

Informática. Aula 7. Redes e Telecomunicações Informática Aula 7 Redes e Telecomunicações Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução Para as empresas modernas funcionarem eficazmente, são vitais as ligações que conectam as suas

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

Negócios à Sua dimensão

Negócios à Sua dimensão Negócios à Sua dimensão O seu Software de Gestão acompanha-o? O ArtSOFT pode ser a solução de gestão da sua empresa. O ArtSOFT Profissional permite o controlo total sobre a gestão da sua empresa, assegura

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

OBJECTIVOS. - Apresentar conceitos relativos ao outsourcing; - Discutir como o outsourcing representa uma prática fundamental numa gestão de sucesso.

OBJECTIVOS. - Apresentar conceitos relativos ao outsourcing; - Discutir como o outsourcing representa uma prática fundamental numa gestão de sucesso. OBJECTIVOS - Apresentar conceitos relativos ao outsourcing; - Discutir como o outsourcing representa uma prática fundamental numa gestão de sucesso. AGENDA - INTRODUÇÃO - CONCEITOS - EVOLUÇÃO DO OUTSOURCING

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

confiança know-how inovação disponibilidade convergência

confiança know-how inovação disponibilidade convergência confiança know-how inovação disponibilidade convergência Sobre a Meiostec Fundada em 1997, por um grupo de accionistas privados e com ligações a um Grupo que opera no mercado das TIs, a Meiostec responde

Leia mais

Solução RCR DESENVOLVER

Solução RCR DESENVOLVER Solução RCR DESENVOLVER Destinatários Micro e pequenas empresas Objectivo da solução A Solução RCR DESENVOLVER disponibiliza as ferramentas e o apoio necessários para as empresas que procuram soluções

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Business Transformation Outsourcing Os novos modelos de outsourcing

Business Transformation Outsourcing Os novos modelos de outsourcing Business Transformation Outsourcing Os novos modelos de outsourcing A perspetiva do cliente - 18 de Junho de 2013 - Agenda Enquadramento Atividades em Outsourcing Caraterísticas do Modelo Prestação de

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 10 Fato Real A batalha pelos dados Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

SYSTIMAX Solutions. imvisiontm. Gestão de Infraestrutura. Simplificada.

SYSTIMAX Solutions. imvisiontm. Gestão de Infraestrutura. Simplificada. SYSTIMAX Solutions imvisiontm. Gestão de Infraestrutura. Simplificada. 1 Toda rede deve ser administrada. A questão é COMO? A visão: Conseguir o sucesso comercial a partir de uma melhor administração de

Leia mais

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos PHC Workflow CS O controlo e a automatização de processos internos A solução que permite que um conjunto de acções a executar siga uma ordem pré-definida, de acordo com as normas da empresa, aumentando

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

Elementos das Organizações

Elementos das Organizações Elementos das Organizações > Teoria das Organizações > Teoria dos Sistemas (TGS) > Componentes das Organizações / Ambiente Recursos Estratégia Objectivos Estrutura Processos Regras Cultura Politica Pessoas

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

A Gestão da experiência do consumidor é essencial

A Gestão da experiência do consumidor é essencial A Gestão da experiência do consumidor é essencial Sempre que um cliente interage com a sua empresa, independentemente do canal escolhido para efetuar esse contacto, é seu dever garantir uma experiência

Leia mais

Entrevista com i2s. Luís Paupério. Presidente. www.i2s.pt. (Basada en oporto) Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com i2s. Luís Paupério. Presidente. www.i2s.pt. (Basada en oporto) Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com i2s Luís Paupério Presidente www.i2s.pt (Basada en oporto) Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas que aqui figuram

Leia mais

Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais

Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais 1. Tendências na impressão e gestão documental 2. Modelo de maturidade da impressão e gestão documental 3. Q&A 2 Uma nova plataforma

Leia mais

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA AMedi T Finance é a mais recente aposta do Grupo Medi T. É uma organização multidisciplinar que presta serviços profissionais nasáreas da Assessoria Financeira, Contabilidade, Auditoria e Consultoria.

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico.

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. TECH DOSSIER Transforme a TI Transforme a empresa Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. Consolidar para conduzir a visibilidade da empresa e a

Leia mais

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business Artigo original redigido por: Dien D. Phan Extraído do Information & Management, Vol.40, 2003 (pág.581-590) Introdução * E-business O seu

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 A Comissão Europeia aprovou propostas legislativas no âmbito da política de coesão para 2014-2020 em outubro de 2011

Leia mais

TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL

TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL Estudo Infosistema 4º trimestre de 2014 OBJECTIVO DO ESTUDO Objectivo: Analisar as tendências de projectos de IT em Portugal Período em análise: 4º Trimestre de

Leia mais

SMARTCALL. Apresentação

SMARTCALL. Apresentação SOBRE A SMARTCALL SMARTCALL Apresentação A SmartCall desenvolve serviços inovadores direccionados para a dinamização do relacionamento das empresas com os seus clientes e a criação de novas oportunidades

Leia mais

O SERVIÇO POSTAL E O COMÉRCIO ELECTRÓNICO: As comunicações na era digital

O SERVIÇO POSTAL E O COMÉRCIO ELECTRÓNICO: As comunicações na era digital V Fórum Lusófono e Mostra das Comunicações O SERVIÇO POSTAL E O COMÉRCIO ELECTRÓNICO: As comunicações na era digital Maputo, 23-24 de Abril de 2013 Luís Rego 1 QUESTÕES DE FUNDO Qual será o papel do sector

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

Simplifique: consolidando a gestão do ambiente de trabalho do usuário final

Simplifique: consolidando a gestão do ambiente de trabalho do usuário final Simplifique: consolidando a gestão do ambiente de trabalho do usuário final Para muitas organizações, a rápida proliferação das tecnologias para o usuário final tem demonstrado uma ambigüidade em seus

Leia mais

A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI

A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI 10 Anos da Sociedade de Informação 2 de Novembro de 2006 FIL Parque das Nações A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI João Catarino Tavares ( ) Patrocínio Apoio A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI João

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio

Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio INTRODUÇÃO Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio Actuando na maioria das vezes na fase inicial de um projecto, a aproximação e a negociação com os B.A assumem por vezes contornos que

Leia mais