Profa. Raquel Simões. Índice de massa corpórea (IMC) = peso (kg)/altura (m) 2

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Profa. Raquel Simões. Índice de massa corpórea (IMC) = peso (kg)/altura (m) 2"

Transcrição

1 IMC/Idade Profa. Raquel Simões O que é IMC? Índice de massa corpórea (IMC) = peso (kg)/altura (m) 2 IMC é efetivo como ferramenta de triagem e não de diagnóstico (identificar indivíduos com baixo o excesso de peso) Deve-se associar o IMC/I com outros indicadores para confirmar diagnóstico de excesso peso (DCT, dieta e nível de atividade) id d Para crianças o IMC é especificado para idade e sexo, formando o ínidice IMC/idade 2 Profa. Dra. Raquel Simões M. Netto 1

2 Vantagens do IMC/Idade Oferece uma referência para adolescentes, o que previamente não era disiponível. Pode ser utilizado como indicador de obesidade na vida adulta (IMC na infância é determinante do IMC na vida adulta) 3 Trajetória do IMC/Idade desde o nascimento até os 18 anos. Percentual de crianças com excesso de peso que serão obesas aos 25 anos 1 % de adultos obesos IMC < p85 IMC>= p85 IMC >= p nascim. 1 to 3 3 to 6 6 to to to 18 Idade da criança (anos) 1- Whitaker et al. NEJM: 1997;337: Profa. Dra. Raquel Simões M. Netto 2

3 Conseqüências da obesidade Adolescentes com excesso de peso tem 70% de chance a mais de ser adulto obeso, e este percentual chega a 80% se seus pais são obesos. Existe um aumento no número de crianças com problemas saúde relacionadas com o excesso de peso Diabetes tipo II Fatores de risco para DCV Fonte: Surgeon General of the United States, The Surgeon General s Call to Action to Prevent and Decrease Overweight and Obesity, available at 5 Conseqüências da obesidade Estas crianças também encontram dificuldades psico - sociais: Descriminação Baixa auto-estima Deterioração da Imagem corporal Aumenta risco de distúrbios psicológicos i na adolescência (anorexia, bulimia, vigorexia) Fonte: Richard S. Strauss, Childhood Obesity and Self-Esteem, Pediatrics (January 2000). 6 Profa. Dra. Raquel Simões M. Netto 3

4 Vantagens do IMC / Idade IMC /Idade está relacionado à riscos de saúde: Correlaciona-se com fatores de riscos para DCV, como hiperlipidemia, hiperinsulinemia, pressão arterial alta IMC/Idade está relacionado com altas [ ] de lipídios do sangue e com pressão alta na meia idade. 7 O índice IMC/Idade relaciona-se bem com: Medidas de Peso/Estatura Medidas de percentual de gordura 8 Profa. Dra. Raquel Simões M. Netto 4

5 Curvas de crescimento: Peso/Estatura x IMC/Idade peso (kg) Estatura (cm) 95 th 50 th 5 th IMC Idade (meses) 95 th 50 th 5 th 9 Para crianças, IMC difere com idade Meninos: 2 a 20 anos Exemplo: desenho da curva no percentil 95 Idade IMC 2 anos anos anos anos 25.1 p 95 mínimo aos 4 anos de idade depois aumenta com a idade 10 Profa. Dra. Raquel Simões M. Netto 5

6 Adiposidade de Rebote Meninos: 2 a 20 anos Após 1 ano de idade, o IMC/idade começa a diminuir e continua assim até os anos pré-escolares ( alcançando o valor mínimo entre os 4 e 6 anos). Após esta idade inicia um aumento gradual por toda adolescência e vida adulta. O IMC não é uma mediad direta de gordura corporal mas está em paralelo com as mudanças de gordura obtidas por dobras cutâneas ou outras mediadas diretas. O aumento que ocorre no IMC após alcançar o valor mínimo é chamado de ADIPOSIDADE DE REBOTE. Isto é uma ocorrência normal no padrão de crescimento que ocorre em 11 todas as crianças. Curva para IMC/Idade: Adiposidade de Rebote (AR) Exemplo: AR precoce Idade (m) IMC Esta criança apresentou AR antes dos 4 anos (maiores riscos de desenvolver obesidade a adolescência e na vida adulta) 12 Profa. Dra. Raquel Simões M. Netto 6

7 Adiposidade de Rebote Recentes pesquisas tem mostrado que a idade na qual ocorre a AR na criança pode ser determinante no desenvolvimento da adiposidade na vida adulta. Adiposidade de rebote, que ocorra antes dos 4 anos, está associado com maior IMC na adolescência e na vida adulta. Entretanto estes estudos ainda precisam determinar se o maior IMC na infância é por tecido adiposo ou massa magra ou óssea. As crianças devem ser avaliadas periodicamente para determinar a idade na qual o IMC atingiu o valor mínimo antes de iniciar seu aumento. 13 Classificação por Percentil IMC/idade Profa. Dra. Raquel Simões M. Netto 7

8 Vc consegue avaliar? Este menino tem 3 anos Seu IMC/Idade é: - abaixo do p3? - entre p3 e p85? - entre p 85 e p97: risco de excesso de peso? ->p97 : excesso de peso? Foto do Estudo Longitudinal da UC Berkeley, Gráfico IMC/idade Meninos: 2 a 20 anos Medidas: Idade=3 anos Altura=100.8 cm Peso=18.6 kg IMC=18.3 kg/m 2 IMC/idade de peso > p 97: excesso 16 Profa. Dra. Raquel Simões M. Netto 8

9 Vc consegue avaliar? Esta menina tem 4 anos Seu IMC/idade: - abaixo do p3? - entre p3 e p85? -entre p 85 e p97: risco de excesso de peso? ->p97 : excesso de peso? Foto do Estudo Longitudinal da UC Berkeley, Gráfico IMC/idade Meninas: 2 a 20 anos Medidas: Idade= 4 a 4 sem. Altura=106.4 cm Peso=15.7 kg IMC=13.9 kg g/ /m 2 IMC/idade= p 10 eutrofia 18 Profa. Dra. Raquel Simões M. Netto 9

10 Vc consegue avaliar? Esta menina tem 4 anos. Seu IMC/idade: - abaixo do p3? - entre p3 e p85? - entre p 85 e p97: risco de excesso de peso? ->p97 : excesso de peso? Foto do Estudo Longitudinal da UC Berkeley, Gráfico IMC/idade Meninas: 2 a 20 anos Medidas: Idade=4 a Altura=99.2 cm Peso=17.55 kg IMC=17.8 IMC/I= p 94 Em risco de excesso de peso 20 Profa. Dra. Raquel Simões M. Netto 10

11 Precisão nas medidas são fundamentais!!!!!! meninos: 2 a 20 anos Menino com 5 anos e 6 meses Peso: 18,9kg Altura: 109,2 cm IMC= 15.8 kg/m 2 IMC/Idade= p 50 Erro na medida da altura: 107,3cm IMC=16.3 kg/m2 IMC/Idade= p Resumindo: IMC/idade é um método recomendado para triagem de excesso de peso e risco Para crianças, o IMC é específico para idade e sexo; adultos existem pontos de corte fixos. São extremamente importantes aferições precisas e frequentes 22 Profa. Dra. Raquel Simões M. Netto 11

12 Etapas: Selecione tabelas/gráficos adequados Registre os dados Obtenha medidas precisas de peso e estatura Calcule o IMC Identifique o percentil Interprete as medidas 23 Estudo de caso: Antônio Nome: Antônio Peso: 16.9 kg Estatura: 105,4 cm Data nasc.: 15/9/1994 Data da consulta: 4/4/ Profa. Dra. Raquel Simões M. Netto 12

13 Calcular IMC Formula: peso (kg)/[altura (m)] 2 Cálculos: converter CENTÍMETROS em METROS (DIVIDIR POR 100) e depois multiplicar por ele mesmo. Exemplo: a) 105,4 /100 = 1,054 m; b) 1,054*1,054 = 1,11 m 2 IMC= 16.9 kg / 1,11 = Gráfico IMC/idade Meninos de 2 a 20 anos Interpretação: IMC/idade de Antônio está próximo ao p25, ou seja, dentro da normalidade 26 Profa. Dra. Raquel Simões M. Netto 13

14 Exercício - IMC / Idade Data de nascimento: 20/01/99 Data da medição: 03/02/02 Sexo: masculino Peso observado: 30kg Altura: 117cm 1 0 Passo: calcular a idade 2 0 Passo: calcular IMC da criança 3 0 Passo: localizar na tabela da OMSos dados referentes ao sexo masculino, na idade da criança 4 0 Passo: verificar entre quais percentis encontra-se o IMC calculado 5 0 Passo: classificar segundo o MS e com os mesmos pontos de corte do IMC/I 27 Profa. Dra. Raquel Simões M. Netto 14

Medidas Antropométricas em crianças

Medidas Antropométricas em crianças Medidas Antropométricas em crianças Prof a Raquel Simões A. Nutricional Profa. Raquel Simões 1 Medidas Antropométricas - crianças Peso Estatura / Comprimento Perímetro cefálico Perímetro Torácico Perímetro

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NAS FASES DO CURSO DA VIDA

GUIA PRÁTICO PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NAS FASES DO CURSO DA VIDA GUIA PRÁTICO PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NAS FASES DO CURSO DA VIDA INSTITUTO DE NUTRIÇÃO ANNES DIAS Prezados profissionais de saúde, No dia a dia do nosso trabalho, muitas vezes o que parece simples é

Leia mais

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI 1 FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI EEFMT Professora Maria Theodora Pedreira de Freitas Disciplina: Educação Física 1º ano Ensino Médio 1º Trimestre Professor: Renato Doenças e suas relações com

Leia mais

Avaliação antropométrica de crianças

Avaliação antropométrica de crianças Avaliação antropométrica de crianças Sylvia do Carmo Castro Franceschini Taís Cristina Araújo Magalhães Fabiana de Cássia Carvalho de Oliveira Viçosa Agosto, 2010 Peso: início da vida perda de peso fisiológica

Leia mais

Avaliação Nutricional na

Avaliação Nutricional na UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE NUTRIÇÃO Avaliação Nutricional na Gestação Profa. Danielle Góes da Silva Disciplina Nutrição Materno Infantil Avaliação Nutricional na Gestação Período curto de

Leia mais

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Nesta aula iremos aprender sobre o conceito, as causas e as consequências da obesidade e a importância da atividade física para a prevenção e controle desta

Leia mais

TESTE DE ESFORÇO E CÁLCULOS DE AUXILIO PARA O PLANEJAMENTO E PRESCRIÇÀO DE EXERCICIOS FÍSICOS. Capacidade cardiorrespiratória

TESTE DE ESFORÇO E CÁLCULOS DE AUXILIO PARA O PLANEJAMENTO E PRESCRIÇÀO DE EXERCICIOS FÍSICOS. Capacidade cardiorrespiratória TESTE DE ESFORÇO E CÁLCULOS DE AUXILIO PARA O PLANEJAMENTO E PRESCRIÇÀO DE EXERCICIOS FÍSICOS Luiz Antônio Domingues Filho O treinamento aeróbio é um dos mais importantes componentes de um programa de

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS CADERNO DE EXERCÍCIOS MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Ms.C. Ana Beatriz Monteiro http://avaliacaoemeducacaofisica.webnode.com Nome: Introdução Crescimento é a atividade biológica dominante

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM IDOSOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM IDOSOS Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 4 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM IDOSOS Profa. Dra. Danielle Góes Profa. Dra. Raquel Simões AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM IDOSOS A avaliação antropométrica

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE ESCOLARES DA REGIÃO DA TRÍPLICE FRONTEIRA BRASIL, PARAGUAI E ARGENTINA.

PERFIL NUTRICIONAL DE ESCOLARES DA REGIÃO DA TRÍPLICE FRONTEIRA BRASIL, PARAGUAI E ARGENTINA. PERFIL NUTRICIONAL DE ESCOLARES DA REGIÃO DA TRÍPLICE FRONTEIRA BRASIL, PARAGUAI E ARGENTINA. BRUNO GUILHERME MORAIS PAGAN; NELSON NARDO JUNIOR. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ, MARINGÁ, PARANÁ, BRASIL.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA Lilian dos Santos Rodrigues Sadeck Introdução O seguimento ambulatorial dos recém-nascidos (RN), iniciando até 7 dias após a alta hospitalar, é importante

Leia mais

Gabarito dos exercícios de estimativa da taxa metabólica basal e de gasto energético em atividade física para a disciplina de Nutrição Normal

Gabarito dos exercícios de estimativa da taxa metabólica basal e de gasto energético em atividade física para a disciplina de Nutrição Normal 1 Gabarito dos exercícios de estimativa da taxa metabólica basal e de gasto energético em atividade física para a disciplina de Nutrição Normal 1) GET (gasto energético total); NAF (nível de atividade

Leia mais

O que é a obesidade? Nas doenças associadas destacam-se a diabetes tipo II e as doenças cardiovasculares.

O que é a obesidade? Nas doenças associadas destacam-se a diabetes tipo II e as doenças cardiovasculares. obesidade O que é a obesidade? A obesidade é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a epidemia do século XXI! O excesso de peso e a obesidade são diferentes graus de uma doença em que se verifica

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA DEPARTAMENTO DE EPIDEMIOLOGIA DISCIPLINA - EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS 2006

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA DEPARTAMENTO DE EPIDEMIOLOGIA DISCIPLINA - EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS 2006 1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA DEPARTAMENTO DE EPIDEMIOLOGIA DISCIPLINA - EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS 2006 Avaliando a Validade do Diagnóstico e de Testes de triagem Introdução

Leia mais

IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS.

IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS. IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS. MÁXIMO, Jefferson Jorcelino 1 Introdução: O índice de massa corpórea IMC é uma medida simples do

Leia mais

Aula prática. O roteiro da aula prática. O que se vai calcular no software Anthro/AnthroPlus. Anthro (WHO 2006) Anthro (WHO 2006) Anthro (WHO 2006)

Aula prática. O roteiro da aula prática. O que se vai calcular no software Anthro/AnthroPlus. Anthro (WHO 2006) Anthro (WHO 2006) Anthro (WHO 2006) 5/6/217 Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Nutrição HNT21 Avaliação Nutricional O roteiro da aula prática 1 atividade:, versão 3 de 211 Aula prática a) Uso do software

Leia mais

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADOLESCENTES

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADOLESCENTES CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADOLESCENTES AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADOLESCENTES A avaliação nutricional dos adolescentes deve considerar a idade cronológica (peso, estatura e idade) e a idade biológica

Leia mais

Em 30 anos, menos crianças desnutridas e mais adolescentes acima do peso

Em 30 anos, menos crianças desnutridas e mais adolescentes acima do peso Em 30 anos, menos crianças desnutridas e mais adolescentes acima do peso A Pesquisa de Orçamentos Familiares 2002-2003 do IBGE detectou uma melhora nos indicadores antropométricos da população com menos

Leia mais

Minicurso: Aspectos Metodológicos e Operacionais da PNDS 2006. Antropometria

Minicurso: Aspectos Metodológicos e Operacionais da PNDS 2006. Antropometria Minicurso: Aspectos Metodológicos e Operacionais da PNDS 2006 Antropometria Medidas antropométricas Mulheres de 15 a 49 anos Peso; Altura (Estatura); Circunferência da cintura. Medidas antropométricas

Leia mais

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Nadine Herreria dos Santos 2 ; Talita Poli Biason 1 ; Valéria Nóbrega da Silva 1 ; Anapaula

Leia mais

Inferência sobre duas proporções

Inferência sobre duas proporções Teste para duas populações duas populações Amostra :,,,, alor comum para delta 0 Amostra 2:,,,, Tamanho Tamanho Média amostral x Média amostral x Desvio-padrão Desvio-padrão Teste para duas populações

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014. ESTUDO DO IMC (Índice de Massa Corporal) Avaliação Final

ANO LETIVO 2013/2014. ESTUDO DO IMC (Índice de Massa Corporal) Avaliação Final ANO LETIVO 2013/2014 ESTUDO DO IMC (Índice de Massa Corporal) Avaliação Final Índice O que é o IMC? Objetivo do Estudo Procedimentos do Estudo Amostra Utilizada Apresentação dos Resultados Principais Conclusões

Leia mais

Indicadores do Estado de Saúde de uma população

Indicadores do Estado de Saúde de uma população Indicadores do Estado de Saúde de uma população O que é a Saúde? Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saúde é o estado de completo bemestar físico, mental e social e não, apenas, a ausência de

Leia mais

Balança Digital BEL - 00237

Balança Digital BEL - 00237 Balança Digital BEL - 00237 l l! Instrumento não submetido a aprovação de modelo/verifi cação. Não legal para uso no comércio. Não legal para prática médica. Conforme portaria INMETRO 236/94 Plebal Plenna

Leia mais

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADULTOS

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADULTOS CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS A avaliação antropométrica em adultos envolve vários indicadores. A escolha do indicador dependerá do que se quer avaliar e

Leia mais

Lista 1. Exercício 1 - Classificar quanto a natureza, as seguintes variáveis

Lista 1. Exercício 1 - Classificar quanto a natureza, as seguintes variáveis Lista 1 Exercício 1 - Classificar quanto a natureza, as seguintes variáveis Variável Condição de saúde (doente, não doente) Tipo de parto (normal, cesáreo) Nível de colesterol sérico (mg/100cc) Tempo de

Leia mais

ANÁLISE DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS EM UMA CRECHE PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA

ANÁLISE DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS EM UMA CRECHE PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA ANÁLISE DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS EM UMA CRECHE PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA Andreza Miranda Guzman, UFPB, E-mail: andrezamguzman@gmail.com; Ana Beatriz de Andrade Rangel, UFPB, E-mail:

Leia mais

Ind010204RM - Proporção (%) da população com RDPC menor que um quarto de salário-mínimo, por ano, segundo região metropolitana e escolaridade

Ind010204RM - Proporção (%) da população com RDPC menor que um quarto de salário-mínimo, por ano, segundo região metropolitana e escolaridade Ind04RM Proporção (%) da população com RDPC menor que um quarto de saláriomínimo, por ano, segundo região metropolitana e escolaridade Indicador Proporção da população com RDPC menor que um quarto de saláriomínimo

Leia mais

Volumetria de Neutralização Ácido-Base

Volumetria de Neutralização Ácido-Base Volumetria de Neutralização Ácido-Base 1 O que é um Processo de Titulação? A Titulação é uma operação analítica utilizada em análises volumétricas com o objetivo de determinar a Concentração de soluções.

Leia mais

III POR QUE ENGORDAMOS?

III POR QUE ENGORDAMOS? Dr. Marcos Sandoval Medeiros de Freitas III POR QUE ENGORDAMOS? A resposta a esta pergunta não é fácil e simples como parece, e a maioria das colocações quase sempre vão sugerir e apontar em direção a

Leia mais

Estrutura de Seleção

Estrutura de Seleção Estrutura de Seleção 1. Analise o algoritmo abaixo supondo que A, B e C sejam expressões lógicas e responda: 2. D < 1 0. 3. se A então 4. D < D + 1. 5. senão 6. se B então 7. se C então 8. D < D + 2. 9.

Leia mais

Monitorização ambulatória da pressão arterial na idade pediátrica

Monitorização ambulatória da pressão arterial na idade pediátrica DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA CLÍNICA UNIVERSITÁRIA DE PEDIATRIA Monitorização ambulatória da pressão Patrícia Mendes Unidade de Nefrologia Pediátrica Coordenadora: Margarida Almeida Serviço de Pediatria Médica

Leia mais

Avaliação Nutricional

Avaliação Nutricional Avaliação Nutricional Prof a Renato Marques 5 o período de Enfermagem Importância e conceitos da Avaliação Nutricional ESTADO NUTRICIONAL Definição Condição de saúde de um indivíduo, influenciada pelo

Leia mais

MATEMÁTICA. Professor Diego Viug

MATEMÁTICA. Professor Diego Viug MATEMÁTICA Professor Diego Viug PORCENTAGEM QUESTÃO 1 Os dados do gráfico foram coletados por meio da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Supondo-se que, no Sudeste, 14900 estudantes foram entrevistados

Leia mais

A vida sem reflexão não merece ser vivida Sócrates Disciplina: ESTATÍSTICA e PROBABILIDADE

A vida sem reflexão não merece ser vivida Sócrates Disciplina: ESTATÍSTICA e PROBABILIDADE Notas de aula 07 1 A vida sem reflexão não merece ser vivida Sócrates Disciplina: ESTATÍSTICA e PROBABILIDADE 1. Medidas de Forma: Assimetria e Curtose. A medida de assimetria indica o grau de distorção

Leia mais

EXCESSO DE PESO E OBESIDADE EM ESCOLARES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

EXCESSO DE PESO E OBESIDADE EM ESCOLARES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DA CIDADE DE MARINGÁ-PR EXCESSO DE PESO E OBESIDADE EM ESCOLARES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DA CIDADE DE MARINGÁ-PR Camila Ferreira da Silva 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO: O objetivo do presente estudo foi avaliar a prevalência

Leia mais

Cardiovascular and Cancer Mortality in Brazil

Cardiovascular and Cancer Mortality in Brazil Universidade de Sao Paulo From the SelectedWorks of Paulo A Lotufo May 1, 2010 Cardiovascular and Cancer Mortality in Brazil Paulo A Lotufo, Universidade de São Paulo Available at: http://works.bepress.com/paulo_lotufo/47/

Leia mais

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016.

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Cristiane Aparecida Rosa 1, Tissiane Narai de Oliveira Ferreira 1, Nayane Aparecida Araújo Dias 2, Renata de

Leia mais

Hipertensão Arterial. Promoção para a saúde Prevenção da doença. Trabalho elabora do por: Dr.ª Rosa Marques Enf. Lucinda Salvador

Hipertensão Arterial. Promoção para a saúde Prevenção da doença. Trabalho elabora do por: Dr.ª Rosa Marques Enf. Lucinda Salvador Hipertensão Arterial Promoção para a saúde Prevenção da doença Trabalho elabora do por: Dr.ª Rosa Marques Enf. Lucinda Salvador O que é a Pressão Arterial? É a pressão que o sangue exerce nas paredes das

Leia mais

Medidas e Avaliação em

Medidas e Avaliação em Medidas e Avaliação em Educação Física Unidade II Avaliando a Composição Corporal Prof. Esp. Jorge Duarte 1. Introdução A antropometria representa um importante recurso de assessoramento para análise de

Leia mais

Árvore de Decisão. 3. Árvore de Decisão

Árvore de Decisão. 3. Árvore de Decisão Árvore de Decisão 3. Árvore de Decisão A árvore de decisão consiste de uma hierarquia de nós internos e externos que são conectados por ramos. O nó interno, também conhecido como nó decisório ou nó intermediário,

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas César Galeazzi Priolo Ra:070454. Relatório de Estágio

Universidade Estadual de Campinas César Galeazzi Priolo Ra:070454. Relatório de Estágio Universidade Estadual de Campinas César Galeazzi Priolo Ra:070454 Relatório de Estágio Análise estatística das avaliações e auditoria dos processos de monitoria operacional Orientador: Prof. Dr. Antônio

Leia mais

Síndrome Metabólica: doença multicausal, multigenética e multiinfluenciada requisita novas atitudes dos profissionais de saúde

Síndrome Metabólica: doença multicausal, multigenética e multiinfluenciada requisita novas atitudes dos profissionais de saúde Síndrome Metabólica: doença multicausal, multigenética e multiinfluenciada requisita novas atitudes dos profissionais de saúde Prof. MSc Claudia Boscheco Moretoni 04/2009 Caso clínico 1 Paciente feminina

Leia mais

ESTATÍSTICA PARTE 1 OBJETIVO DA DISCIPLINA

ESTATÍSTICA PARTE 1 OBJETIVO DA DISCIPLINA ESTATÍSTICA PARTE 1 OBJETIVO DA DISCIPLINA Apresentar a Estatística no contexto do dia-a-dia e fazendo uso da planilha Excel. Espera-se que o estudante ao término do curso esteja apto a usar a planilha

Leia mais

Prova Final de Matemática

Prova Final de Matemática Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 19/2012, de 5 de julho Prova 62/1.ª Fase Critérios de Classificação 10 Páginas 2015 Prova 62/1.ª F. CC Página 1/ 10 CRITÉRIOS GERAIS

Leia mais

Estimação. Como definir um estimador. Como obter estimativas pontuais. Como construir intervalos de confiança

Estimação. Como definir um estimador. Como obter estimativas pontuais. Como construir intervalos de confiança Estimação Como definir um estimador. Como obter estimativas pontuais. Como construir intervalos de confiança Motivação A partir da média de uma a amostra em uma colheita recente, o conselho de qualidade

Leia mais

Prova Final de Matemática

Prova Final de Matemática Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 19/2012, de 5 de julho Prova 62/1.ª Fase Braille, Entrelinha 1,5, sem figuras Critérios de Classificação 9 Páginas 2015 Prova 62/1.ª

Leia mais

Prevalência de fatores de risco cardiovascular em idosos: discutindo evidências e polêmicas

Prevalência de fatores de risco cardiovascular em idosos: discutindo evidências e polêmicas Prevalência de fatores de risco cardiovascular em idosos: discutindo evidências e polêmicas Profa. Dra. Cláudia Soar ANTROPOMETRIA ÍNDICE DE MASSA CORPORAL (IMC) Excesso de peso PERÍMETRO DA CINTURA (PC)

Leia mais

Perdi peso: emagreci???

Perdi peso: emagreci??? Perdi peso: emagreci??? Sumário: Introdução... 02 Perder peso x Emagrecer?... 03 Balança: falsa amiga... 04 Avaliação antropométrica... 05 Herança genética... 08 Emagrecimento saudável... 10 Conclusão...

Leia mais

MATEMÁTICA PROVA 3º BIMESTRE

MATEMÁTICA PROVA 3º BIMESTRE PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PROVA 3º BIMESTRE 9º ANO 2010 QUESTÃO 1 Na reta numérica abaixo, há

Leia mais

1. Escreva um programa em Pascal que leia três valores inteiros e mostre-os em ordem crescente. Utilize seleção encadeada.

1. Escreva um programa em Pascal que leia três valores inteiros e mostre-os em ordem crescente. Utilize seleção encadeada. Universidade Estadual Vale do Acaraú Curso: Engenharia Civil Disciplina: Programação de Computadores Prof. Hudson Costa Instruções: as equipes de cinco componentes (ou elementos) deverão fazer apenas 30

Leia mais

Enquanto isso, o texto desta semana trata da avaliação do estado nutricional de escolares. Os professores costumam nos perguntar como se faz para

Enquanto isso, o texto desta semana trata da avaliação do estado nutricional de escolares. Os professores costumam nos perguntar como se faz para 14 a Semana Chegamos à penúltima atividade do nosso curso. Estamos em fase de preparação para as apresentações dos projetos nos encontros presenciais que acontecerá nas cidades: 07/12 Marília 09/12 Leme

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I - BCC701-2015 Lista de Exercícios do Módulo 1 - Preparação para a Prova 1

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I - BCC701-2015 Lista de Exercícios do Módulo 1 - Preparação para a Prova 1 PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I - BCC701-2015 Lista de Exercícios do Módulo 1 - Preparação para a Prova 1 Exercício 1 Apesar da existência do Sistema Internacional (SI) de Unidades, ainda existe a divergência

Leia mais

Estudo de Prevalência da Obesidade Infantil e dos. Vilamoura Novembro 2009

Estudo de Prevalência da Obesidade Infantil e dos. Vilamoura Novembro 2009 Estudo de Prevalência da Obesidade Infantil e dos Adolescentes em Portugal Continental 1º Fórum ONOCOP 1 Vilamoura Novembro 2009 Descrição geral Estudo transversal com representatividade p ao nível de

Leia mais

FAT PRECISION RM-MG2009 MANUAL DE INSTRUÇÕES

FAT PRECISION RM-MG2009 MANUAL DE INSTRUÇÕES FAT PRECISION RM-MG2009 MANUAL DE INSTRUÇÕES Índice 1. CUIDADOS... Erro! Indicador não definido. 2. LIMPEZA... Erro! Indicador não definido. 3. AJUSTES... Erro! Indicador não definido. 4. DICAS PARA MEDIR

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto UFOP. Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB. Departamento de Computação DECOM

Universidade Federal de Ouro Preto UFOP. Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB. Departamento de Computação DECOM Programação de Computadores I BCC 701 2012-02 Lista de Exercícios 02 Desvio do Fluxo de Execução - Parte A Exercício 01 Codifique um programa que faça a entrada de um número qualquer pelo teclado. A seguir

Leia mais

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Modelagem e Educação Matemática (MEM) GT 4 Ângela Tereza Silva de SOUZA Universidade Federal da Paraíba anjinhatereza@hotmail.com RESUMO Neste

Leia mais

Minha Saúde Análise Detalhada

Minha Saúde Análise Detalhada MODELO DE RELATÓRIO / Identificação de cliente: 1980M32 Data: 07/03/2016 Seu Peso = 79,0 kg Minha Saúde Análise Detalhada Seu peso está na categoria: Saudável sua altura é 180 cm, você tem 35 anos de idade

Leia mais

Regulamento Específico de Atletismo

Regulamento Específico de Atletismo Regulamento Específico de Atletismo ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESCALÕES ETÁRIOS... 4 3. DISCIPLINAS... 4 4. PARTICIPAÇÃO / INSCRIÇÃO... 4 5. CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA DE AJUIZAMENTO... 5 6. REGULAMENTO

Leia mais

PROPRIEDADES DOS FLUÍDOS

PROPRIEDADES DOS FLUÍDOS NATAÇÃO I Fundamentos do Desporto PROPRIEDADES DOS FLUÍDOS Fluidez e noção de fluxo Compressibilidade e incompressibilidade Massa específica, peso volúmico e densidade Viscosidade, fluidos reais e fluidos

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS FENÔMENOS DE TRANSPORTE - ESTÁTICA DOS FLUIDOS -

LISTA DE EXERCÍCIOS FENÔMENOS DE TRANSPORTE - ESTÁTICA DOS FLUIDOS - LISTA DE EXERCÍCIOS FENÔMENOS DE TRANSPORTE - ESTÁTICA DOS FLUIDOS - 1) Um reservatório de água possui formato cilíndrico com altura de 20m e diâmetro de 5m. Qual a pressão efetiva no fundo do reservatório

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO RISCO CARDIOVASCULAR DA CORPORAÇÃO DE BOMBEIROS DE MARINGÁ/PR

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO RISCO CARDIOVASCULAR DA CORPORAÇÃO DE BOMBEIROS DE MARINGÁ/PR 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO RISCO CARDIOVASCULAR DA CORPORAÇÃO DE BOMBEIROS DE MARINGÁ/PR Juciane Tonon Chinarelli 1 ; Renata Cristina Casale

Leia mais

Índice de Preços Turístico

Índice de Preços Turístico Índice de Preços Turístico 04 de Setembro de 2015 2º Trimestre 2015 Contacto (s): Olga Cruz Próxima edição: 16 de Outubro 2015 (3º Trim.) Olga.cruz@ine.gov.cv Raimundo Lopes Raimundo.lopes@ine.gov.cv Preços

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA NUTRIÇÃO CLÍNICA 2010/2011 2º SEMESTRE OBJECTIVOS Verificar desvios nutricionais egrau Identificar doentes com necessidade de intervenção nutricional Avaliar a

Leia mais

Actividade de enriquecimento. Algoritmo da raiz quadrada

Actividade de enriquecimento. Algoritmo da raiz quadrada Actividade de enriquecimento Algoritmo da raiz quadrada Nota: Apresenta-se uma actividade de enriquecimento e de um possível trabalho conjunto com as disciplinas da área de informática: os alunos poderão

Leia mais

PERCEPÇÃO DE APOIO SOCIAL PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM INDIVÍDUOS OBESOS

PERCEPÇÃO DE APOIO SOCIAL PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM INDIVÍDUOS OBESOS 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERCEPÇÃO DE APOIO SOCIAL PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO

DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO Eduardo Silva Pinheiro Neves (PIBIC-Jr/Fundação Araucária), Paulo César Paulino (Orientador),

Leia mais

Revisão de conceitos. Grandezas Algarismos significativos Unidades de medida

Revisão de conceitos. Grandezas Algarismos significativos Unidades de medida Revisão de conceitos Grandezas Algarismos significativos Unidades de medida Grandezas Físicas Define-se grandeza como tudo aquilo que pode ser comparado com um padrão por meio de uma medição. Exemplo:

Leia mais

Revisado em 18/11/2008

Revisado em 18/11/2008 PROCEDIMENTOS PARA VERIFICAÇÃO INICIAL E SUBSEQUENTE DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO E RESFRIAMENTO DE LEITE A GRANEL NORMA N o NIE-DIMEL- APROVADA EM N o Revisado em 18/11/2008 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo

Leia mais

Risco de doenças crônicas e o consumo excessivo de... Sal e obesidade. Roseli Oselka Saccardo Sarni. Sal e risco de doenças

Risco de doenças crônicas e o consumo excessivo de... Sal e obesidade. Roseli Oselka Saccardo Sarni. Sal e risco de doenças Risco de doenças crônicas e o consumo excessivo de... Sal e obesidade Roseli Oselka Saccardo Sarni Sal e risco de doenças Consumo excessivo de sal (> 5g/dia, 1 g de sal=0.4 g sódio) relaciona-se com o

Leia mais

A. Equações não lineares

A. Equações não lineares A. Equações não lineares 1. Localização de raízes. a) Verifique se as equações seguintes têm pelo menos uma solução nos intervalos dados: i) (x - 2) 2 ln(x) = 0, em [1, 2] e [e, 4]. ii) 2 x cos(x) (x 2)

Leia mais

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo...

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo... ÍNDICE CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Pertinência do trabalho... 2 1.3. Objectivos e Hipóteses de Estudo... 2 CAPÍTULO 2: REVISÃO DA LITERATURA... 5 2.1. Obesidade Infantil... 5

Leia mais

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes Sumário Ver Livro Didático: pág. 37 à 45 e 65 à 71. Lipídeos e Lipoproteínas Sanguíneas Quando pedir ao responsável a análise do perfil lipídico? Pais

Leia mais

TESTE DE INTOLERÂNCIA ALIMENTAR DIETA MEDITERRÂNICA

TESTE DE INTOLERÂNCIA ALIMENTAR DIETA MEDITERRÂNICA TESTE DE INTOLERÂNCIA ALIMENTAR DIETA MEDITERRÂNICA PONTOS-CHAVE Permite determinar a presença e os níveis de anticorpos IgG a mais de 200 alimentos. A análise é realizada em duplicado a cada um dos alimentos,

Leia mais

Programação. Folha Prática 4. Lab. 4. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015. Copyright 2010 All rights reserved.

Programação. Folha Prática 4. Lab. 4. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015. Copyright 2010 All rights reserved. Programação Folha Prática 4 Lab. 4 Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015 Copyright 2010 All rights reserved. LAB. 4 4ª semana CONCEÇÃO DE ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE CONTROLO

Leia mais

Prof. Neckel FÍSICA 1 PROVA 1 TEMA 2 PARTE 1 PROF. NECKEL POSIÇÃO. Sistema de Coordenadas Nome do sistema Unidade do sistema 22/02/2016.

Prof. Neckel FÍSICA 1 PROVA 1 TEMA 2 PARTE 1 PROF. NECKEL POSIÇÃO. Sistema de Coordenadas Nome do sistema Unidade do sistema 22/02/2016. FÍSICA 1 PROVA 1 TEMA 2 PARTE 1 PROF. NECKEL Cinemática 1D POSIÇÃO Sistema de Coordenadas Nome do sistema Unidade do sistema Reta numérica real com origem Crescimento para direita, decrescimento para esquerda

Leia mais

Tabelas do Inquérito Domiciliar sobre Comportamentos de Risco e Morbidade Referida de Doenças e Agravos não Transmissíveis

Tabelas do Inquérito Domiciliar sobre Comportamentos de Risco e Morbidade Referida de Doenças e Agravos não Transmissíveis Tabelas do Inquérito Domiciliar sobre Comportamentos de Risco e Morbidade Referida de Doenças e Agravos não Transmissíveis Brasil, 17 capitais e Distrito Federal 2002-2005 Tabela 4.1. Distribuição da população

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO - FESP LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE - BT1 CENTRO TECNOLÓGICO DE HIDRÁULICA - CTH

FACULDADE DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO - FESP LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE - BT1 CENTRO TECNOLÓGICO DE HIDRÁULICA - CTH FACULDADE DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO - FESP LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE - BT CENTRO TECNOLÓGICO DE HIDRÁULICA - CTH APOSTILA DO EXPERIMENTO - MEDIDOR VENTURI Esta apostila contém o roteiro da

Leia mais

TECNOLOGIA DO BETÃO. Exemplo de cálculo duma composição pelo método de Faury

TECNOLOGIA DO BETÃO. Exemplo de cálculo duma composição pelo método de Faury TECNOLOGIA DO BETÃO Exemplo de cálculo duma composição pelo método de Faury Dados: Análise granulométrica dos inertes (quadro 1); Massa Volúmica das britas, 2660 Kg/m Massa Volúmica das areias, 26 Kg/m

Leia mais

ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR.

ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR. ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR. Gabriela Salim Xavier, André Luiz Moreno da Silva,

Leia mais

CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO. Erros de Medição. Cedtec 2007/2. Sem equivalente na Apostila 1 Pressão e Nível

CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO. Erros de Medição. Cedtec 2007/2. Sem equivalente na Apostila 1 Pressão e Nível CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO Erros de Medição Cedtec 2007/2 Sem equivalente na Apostila 1 Pressão e Nível DEFINIÇÕES Valor Real (Vr) O valor real de uma grandeza física é aquele aceito por todo mundo como sendo

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL?

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? ISBN 78-8-6101-0-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 30 de outubro de 00 A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? Crislayne Teodoro Vasques 1 ; Rita de Cassia Felix

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS (massa específica, massa unitária, inchamento) Profa. Dra. Geilma Lima Vieira

PROPRIEDADES FÍSICAS (massa específica, massa unitária, inchamento) Profa. Dra. Geilma Lima Vieira Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil PROPRIEDADES FÍSICAS (massa específica, massa unitária, inchamento) Profa. Dra. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com

Leia mais

Matemática Revisão de Decimais

Matemática Revisão de Decimais Matemática Revisão de Decimais Aluno: Ficha: Turma: Data: Material\Fundamental_II\Matemática\F7\F_078 1) Complete o quadro abaixo: Escrita de Números Decimais com algarismos por extenso 1,3 dezoito milésimos

Leia mais

ANOVA. (Analysis of Variance) Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ANOVA. (Analysis of Variance) Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ANOVA (Analysis of Variance) Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Para que serve a ANOVA? Para comparar três ou mais variáveis ou amostras. Por exemplo, queremos testar os efeitos cardiorrespiratórios

Leia mais

Calculando distâncias sem medir

Calculando distâncias sem medir cesse: http://fuvestibular.com.br/ alculando distâncias sem medir UUL L No campo ocorrem freqüentemente problemas com medidas que não podemos resolver diretamente com ajuda da trena. Por exemplo: em uma

Leia mais

Aula 8. Teste Binomial a uma proporção p

Aula 8. Teste Binomial a uma proporção p Aula 8. Teste Binomial a uma proporção p Métodos Estadísticos 2008 Universidade de Averio Profª Gladys Castillo Jordán Teste Binomial a uma Proporção p Seja p ˆ = X n a proporção de indivíduos com uma

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE I

INDICADORES DE SAÚDE I Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES DE SAÚDE I 2005 Indicadores globais: Coeficiente

Leia mais

1.3.1 Princípios Gerais.

1.3.1 Princípios Gerais. 1.3 HIDRODINÂMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL 1.3.1 Princípios Gerais. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 1 - NOÇÕES DE HIDRÁULICA

Leia mais

Ponto Secullum 4 Extras. Para configurar as extras no Ponto Secullum 4 abra a tela Cadastro de Horários e clique no botão Extras:

Ponto Secullum 4 Extras. Para configurar as extras no Ponto Secullum 4 abra a tela Cadastro de Horários e clique no botão Extras: Ponto Secullum 4 Extras Para configurar as extras no Ponto Secullum 4 abra a tela Cadastro de Horários e clique no botão Extras: Nesta tela, configuramos como serão pagas as horas extras, que os funcionários

Leia mais

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA?

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? Bianca Silva Santos 1 ; Henrique Flausino de Souza 2 ; Maria Eduarda Guedes Coutinho 3 ; Maria Julia Rocha Ferreira

Leia mais

PROVA DISCURSIVA. ano. Gráfico População Brasileira 1900-2050. IBGE 1940, 1950, 1960, 1970, 2000 E 2008b. Internet:<http://aplicativos.fipe.org.br>.

PROVA DISCURSIVA. ano. Gráfico População Brasileira 1900-2050. IBGE 1940, 1950, 1960, 1970, 2000 E 2008b. Internet:<http://aplicativos.fipe.org.br>. PROVA DISCURSIVA Nesta prova, faça o que se pede, usando os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para as respectivas folhas do CADERNO DE TEXTOS DEFINITIVOS

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA «21. Uma fábrica, que produz pequenas peças utilizadas em materiais eletrônicos, armazena essa mercadoria em lotes com 1000 unidades. Inspecionada

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Marcos Felipe Silva de Lima marcosfelipe@ymail.com Larissa Praça de Oliveira

Leia mais

Teste de Caminhada de 6 minutos

Teste de Caminhada de 6 minutos Nome: Idade: Altura: F.C. máx prev, = Teste de Caminhada de 6 minutos Sexo: Peso: F.C. sub. máx prev.= Opção de teste: ( ) esteira ( ) terreno plano Glicemia: Teste Ergométrico Data: Tempo (min) Repouso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO Avaliação do estado nutricional de escolares de seis a doze anos da Escola Básica Brigadeiro Eduardo Gomes, localizada

Leia mais

OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA

OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA I CONGRESSO MÉDICO DA CIDADE DE GUARULHOS OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA Ana Margarida B. Moreira Pediatra e Endocrinologia Pediátrica. H.M.C.A Hospital Municipal da Criança e do Adolescente.

Leia mais

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE 01 CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE A obesidade é uma doença crónica que se caracteriza pelo excesso de gordura corporal e que atinge homens, mulheres e crianças de todas as etnias e idades. A sua prevalência

Leia mais