UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SOCIOECONÔMICAS ESAG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SOCIOECONÔMICAS ESAG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SOCIOECONÔMICAS ESAG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABRIELA MONTEIRO TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA E COPEIRAGEM NO CAMPUS I DA UDESC FLORIANÓPOLIS, SC

2 GABRIELA MONTEIRO TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA E COPEIRAGEM NO CAMPUS I DA UDESC Relatório de Estágio II em Administração Pública, apresentado como requisito parcial à obtenção do grau de Bacharel em Administração Pública do Curso de Bacharel em Administração Pública UDESC/ESAG. Orientadora: Profa. Denise Pinheiro, Mestre em Direito. FLORIANÓPOLIS, SC

3 AGRADECIMENTOS Agradeço a todos que contribuíram para a realização deste trabalho. À UDESC por aportunizar o espaço de ensino, trabalho, pesquisa, aprendizagem e crescimento profissional e pessoal. À Professora Denise Pinheiro pelo compartilhamento do seu conhecimento e pela leveza que conduziu minhas atividades. Ao Supervisor de Campo e Servidor da UDESC Éder Gulart Monteiro pela disponibilidade e parceria no meu desenvolvimento profissional. Aos Fiscais de Contrato e Servidores da UDESC Andréa Oriques Santos, Fabiana da Rosa Teixeira, Marlei Maccari Blazius, Ricardo Antonio Demaria, Rosane Maria Rodrigues, Rosi Maria de Souza Pocovi e Silvana Haeming Gerent Juttel e às funcionárias da empresa Proserv Ltda, Rosilene Roque, Suzana Dalponte e Terezinha Valente pelo tempo doado e pelas informações oferecidas. 2

4 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Organograma Geral da UDESC...11 Figura 2 - Organograma da PROAD e Coordenadorias

5 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Postos de Serviço Campus I CC nº 003/ Tabela 2 - Postos de Serviço Campus I Pregão nº 002/ Tabela 3 - Postos de Serviço Campus I CC nº 1016/ Tabela 4 Alterações 1º Termo Aditivo CC nº 1016/ Tabela 5 Alterações 2º Termo Aditivo CC nº 1016/ Tabela 6 Dados Atualizados de Postos de Serviço Campus I CC nº 1016/

6 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS CAD Coordenadoria de Aministração e Suporte CAV Centro de Ciências Agroveterinárias CBO Classificação Brasileira de Ocupação CC Concorrência CCT Centro de Ciências Tecnológicas CEAD Centro de Educação a Distância CEART Centro de Artes CEAVI Centro de Educação Superior do Alto Vale do Itajaí CEFID Centro de Ciências da Saúde e do Esporte CEO Centro de Educação Superior do Oeste CEPLAN Centro de Educação do Planalto Norte CERES Centro de Educação Superior da Região Sul CESFI Centro de Educação Superior da Foz do Itajaí CND Certidão Negativa de Débito CRFB Constituição da República Federativa do Brasil CTPS Carteira de Trabalho e Previdência Social DAPE Diretoria Assitente de Pesquisa e Extensão da FAED ESAG Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas FAED Centro de Ciências Humanas e da Educação FGTS Fundo de Garantia por Tempo de Serviço GFIP Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social IN Instrução Normativa INSS Instituto Nacional do Seguro Social MESC Museu da Escola Catarinense PROAD Pró-Reitoria de Administração PROEN Pró-Reitoria de Ensino PROEX Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Comunidade PROPLAN Pró-Reitoria de Planejamento PROPPG Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação SEAL Setor de Almoxarifado 5

7 SEAP Setor de Serviços de Apoio SEFIP - Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social SEPAT Setor de Patrimônio SETRAN Setor de Transportes TCU Tribunal de Contas da União UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina 6

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA UNIDADE CONCEDENTE DE ESTÁGIO E DA DEMANDA IDENTIFICAÇÃO DA DEMANDA DA ORGANIZAÇÃO DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO PROBLEMA REFERENCIAL TEÓRICO-CONCEITUAL E LEGAL Administração Pública Licitações Contratos Administrativos Terceirização PESQUISA DOCUMENTAL Concorrência nº 003/ Pregão nº 002/ Dispensa de Licitação nº 879/2011 e Dispensa de Licitação nº 1401/ Concorrência nº 1016/ PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO II IMPLEMENTAÇÃO DA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO TERMOS ADITIVOS FISCALIZAÇÃO ENTREVISTAS Entrevistas com Encarregados Dados Coletados Entrevistas com Fiscais Dados Coletados CONSIDERAÇÕES E SUGESTÕES DE MELHORIAS ÀS PRÁTICAS OBSERVADAS RELATO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO ESTÁGIO I E II AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ESTÁGIO NO QUE SE REFERE À INTERVENÇÃO REALIZADA CONSIDERAÇÕES FINAIS

9 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...52 ANEXO A Quadro de Distribuição dos Postos de Serviço Concorrência nº 003/ ANEXO B Memorial Descritivo Pregão nº 002/ ANEXO C Memorial Descritivo Concorrência nº 1016/ ANEXO D Primeiro Termo Aditivo...82 ANEXO E Segundo Termo Aditivo...84 ANEXO F Controle de Serviços por Data...86 ANEXO G Planilha de Controle de Serviços por Data e Setor...87 ANEXO H Planilha de Controle de Presença...88 ANEXO I Planilha de Controle do Número de Faltas...89 ANEXO J Planilha de Cálculo da Nota Fiscal...90 ANEXO L Formulário de Ocorrências e/ou Correção de Serviços...91 APÊNDICE A Entrevista com Encarregada dos Centros do Itacorubi...92 APÊNDICE B Entrevista com Encarregada dos Centros do Itacorubi...94 APÊNDICE C Entrevista com Encarregada do CEFID, MESC e DAPE...96 APÊNDICE D Entrevista com Fiscal de Contrato do CEAD...98 APÊNDICE E Entrevista com Fiscal de Contrato do CEART APÊNDICE F Entrevista com Fiscal de Contrato do CEFID APÊNDICE G Entrevista com Fiscal de Contrato do ESAG APÊNDICE H Entrevista com Fiscal de Contrato da FAED e DAPE APÊNDICE I Entrevista com Fiscal de Contrato do MESC APÊNDICE J Entrevista com Fiscal de Contrato da Reitoria APÊNDICE L Plano de Estágio I

10 1 INTRODUÇÃO O presente relatório tem o objetivo de apresentar as atividades desenvolvidas durante os Estágios Curriculares Obrigatórios I e II, disciplinas integrantes do Curso de Administração Pública e que tem a intenção de proporcionar ao discente a correlação entre a teoria e a prática para o ingresso na sua futura profissão. O tema estudado durante os Estágios I e II foi a Terceirização de Serviços de Limpeza e Copeiragem no Campus I da UDESC. A terceirização de atividades acessórias tem se destacado dentre as diversas formas que a Administração Pública dispõe para prestar serviços para a sociedade. Diante dessa realidade, inúmeros são os esforços para que, desde a delimitação do objeto a ser contratado até a fiscalização da execução dos contratos provenientes desses processos, se obtenha a eficiência e efetividade dos serviços prestados. O Estágio I se constituiu de atividades encadeadas de forma a permitir a realização da fundamentação teórica em livros e legislação, da realização de um diagnóstico por meio de pesquisa documental, e de uma proposta de intervenção para a concretização do Estágio II. O Estágio II se concretizou com a implementação da proposta de intervenção elaborada e se constituiu da observação do processo de fiscalização da execução diária do contrato de limpeza e copeiragem e da realização de entrevistas com Encarregados contratados e Fiscais de Contrato. A análise desses dados coletados fundamentada nas bases teóricas e de legislação originou a redação de sugestões de ações futuras para melhorias da prática da instituição. Neste sentido, o trabalho está organizado em cinco partes: caracterização da unidade concedente de estágio e da demanda; diagnóstico da situação problema, que é composto de referencial teórico-conceitual e legal e de pesquisa documental; implementação da proposta de intervenção e aprofundamento da situação problema diagnosticada, com a redação de considerações e sugestões de melhoria; relato das atividades desenvolvidas no Estágio I e II; e, avaliação do processo de estágio. 2 CARACTERIZAÇÃO DA UNIDADE CONCEDENTE DE ESTÁGIO E DA DEMANDA 9

11 A Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) foi criada pelo Governo do Estado por meio do Decreto nº 2.802, de 20 de maio de 1965 e instituída como Fundação pela Lei n 8.092, de 1º de outubro de 1990, sendo concebida como uma instituição vocacionada para a formação de recursos humanos necessários à dinamização do desenvolvimento do Estado de Santa Catarina. Conforme estabelecido no art. 1º de seu Regimento Geral, a UDESC integra o Sistema Estadual de Educação e é uma instituição pública multicampi de educação superior, sem fins lucrativos, com prazo de duração indeterminado, regulada e definida por seu Estatuto, por seu Regimento Geral e pela legislação que lhe for aplicável. Segundo seu Estatuto, aprovado pelo Decreto nº de 06 de abril de 2006, a UDESC possui autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira, disciplinar e patrimonial, e que obedece ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. Sua estrutura multicampi permite desenvolver o ensino vocacionado para as diferentes realidades socioeconômicas e culturais das regiões do Estado de Santa Catarina. O Campus I é sediado em Florianópolis e engloba além da Reitoria da Universidade, o Centro de Artes (CEART), o Centro de Ciências Humanas e da Educação (FAED), o Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas (ESAG), o Centro de Ciências da Saúde e do Esporte (CEFID) e o Centro de Educação a Distância (CEAD). No Norte Catarinense está sediado o Campus II, concentrando o Centro de Ciências Tecnológicas (CCT) e o Centro de Educação do Planalto Norte (CEPLAN). O Campus III e IV encontram-se respectivamente no Planalto Serrano e Oeste Catarinense, sendo o Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV) em Lages e o Centro de Educação Superior do Oeste (CEO) em Chapecó. O Vale do Itajaí sedia o Campus V, possuindo dois centros de educação, o Centro de Educação Superior do Alto Vale do Itajaí (CEAVI) e o mais novo centro da UDESC, Centro de Educação Superior da Foz do Itajaí (CESFI). Finalmente, e não menos importante, o Campus VI no Sul Catarinense se constitui do Centro de Educação Superior da Região Sul (CERES). 10

12 Distribuídos nessa estrutura organizacional (vide figura 1), a UDESC possui 47 cursos de graduação (incluindo os presenciais e a distância), 6 de especialização, 18 cursos de mestrado e 5 de doutorado e conta com uma equipe de 1253 docentes e 779 técnicos administrativos, trabalhando para desenvolver o ensino, a pesquisa e a extensão para alunos 1. Figura 1 - Organograma Geral da UDESC Fonte: (2012) 1 Dados retirados do Plano 20: Planejamento Estratégico UDESC, Dez

13 A UDESC tem por missão produzir, sistematizar, socializar e aplicar o conhecimento nos diversos campos do saber, por meio do ensino, da pesquisa e da extensão, indissociavelmente articulados, de modo a contribuir para uma sociedade mais justa e democrática em prol da qualidade de vida e do desenvolvimento sustentável do Estado de Santa Catarina e do país. Sua visão de futuro é ser uma Universidade pública inovadora, de referência nacional e de abrangência estadual, e com ação acadêmica marcada pelo comprometimento e pela responsabilidade social. O Estatuto da UDESC, aprovado pelo Decreto nº 4.184, de 06 de abril de 2006, traz em seu capítulo II os princípios norteadores e as finalidades da instituição: Art. 3º A UDESC, como Universidade pública e de ensino gratuito em busca de excelência, é aberta às diferentes correntes de pensamento e orienta-se pelos princípios de liberdade de expressão, democracia, moralidade, ética, transparência, respeito à dignidade da pessoa e seus direitos fundamentais. Art. 4º A UDESC tem por fim a produção, preservação e difusão do conhecimento científico, tecnológico, artístico, desportivo e cultural, por intermédio do fomento das atividades de ensino, pesquisa e extensão, devendo para tanto: I - garantir a indissociabilidade entre o ensino, a pesquisa e a extensão nas diversas áreas do conhecimento, comprometidos com a cidadania e a socialização do saber; II - estabelecer parcerias solidárias com a comunidade na busca de soluções coletivas e na construção de uma sociedade democrática, plural e ética; III - promover a inclusão social e étnica, respeitando a diversidade cultural; IV - contribuir para o desenvolvimento local, regional e nacional, visando à melhoria da qualidade de vida da sociedade, com a busca da erradicação das desigualdades sociais e a utilização de tecnologias ecologicamente orientadas; V - estimular, promover e manter a investigação científica; VI - fomentar e prover de recursos as atividades de ensino, de pesquisa, e de extensão, no âmbito da UDESC. (Estatuto da UDESC, 2006) A missão, a visão e os princípios norteadores definem a identidade institucional e balizam suas estratégias administrativas e pedagógicas para o alcance dos objetivos pretendidos com o ensino de graduação e pós-graduação, com a pesquisa e com a extensão. A Reitoria da UDESC engloba a Pró-Reitoria de Ensino (PROEN), a Pró- Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPPG), a Pró-Reitoria de Extensão (PROEX), a Pró-Reitoria de Planejamento (PROPLAN) e a Pró-Reitoria de 12

14 Administração (PROAD), que juntamente com seus Órgãos Suplementares e Conselhos Superiores constituem a sede administrativa da instituição. A Coordenadoria de Administração e Suporte (CAD) é parte integrante da PROAD (vide figura 2) e tem por atribuições planejar, organizar, coordenar e controlar a execução das atividades relacionadas com administração de material, patrimônio, transportes e serviços gerais. É composta pelos setores de Patrimônio (SEPAT), Almoxarifado (SEAL), Transportes (SETRAN) e Serviços e Apoio (SEAP). Figura 2 - Organograma da PROAD e Coordenadorias Fonte: (2012) 13

15 O Setor de Patrimônio é responsável pelo controle patrimonial e visa à preservação e defesa do conjunto de seus bens imóveis e permanentes móveis da Universidade. Este controle consiste no registro, na identificação da utilização e do estado da conservação dos bens e na sua localização no espaço físico da organização ou fora dela e na retirada (baixa) do bem do acervo. O Setor de Almoxarifado recebe, armazena, controla e distribui os bens de consumo e outros materiais destinados às Pró-Reitorias e Secretarias vinculadas à Reitoria. O Setor de Transporte é responsável pelo gerenciamento da frota e da equipe de motoristas com o intuito de atender a demanda de locomoções e viagens de servidores em serviço e convidados da Universidade, além de ser responsável pelos pagamentos de diárias a servidores e pela aquisição de passagens aéreas e terrestres, nacionais e internacionais e pela gestão executiva dos contratos de transporte terceirizado, manutenção da frota e combustíveis e lubrificantes. O Setor de Serviços de Apoio é responsável pela fiscalização e controle da execução dos serviços de telefonia fixa e móvel, chaveiro, carimbos, limpeza, copa, reprografia e hospedagem. 2.1 IDENTIFICAÇÃO DA DEMANDA DA ORGANIZAÇÃO Na esfera Federal, a Instrução Normativa nº 02, de 30 de abril de 2008, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, no seu art. 6º, estabelece que os serviços que podem ser terceirizados pela Administração Pública são aqueles que apoiam a realização das atividades essenciais ao cumprimento da missão institucional do órgão ou entidade, conforme dispõe o Decreto nº 2.771/97. Nesse mesmo sentido, Santa Catarina conta com a Lei Complementar nº 381, de 07 de maio de 2007, que dispõe sobre o modelo de gestão e a estrutura organizacional da Administração Pública Estadual e diz em seu art. 173 que a partir sua vigência somente será permitida a contratação de prestação de serviços de conservação, limpeza, segurança, vigilância, transportes, informática, copeiragem, [...], quando estes se caracterizarem como atividades materiais acessórias, instrumentais ou complementares aos assuntos que constituem área de competência legal do órgão ou entidade. 14

16 A UDESC, como parte integrante da administração indireta do Estado de Santa Catarina, adotou a terceirização de serviços, contratando por meio de processos licitatórios a execução dos serviços de vigilância, zeladoria, jardinagem, limpeza e copeiragem. Diante dessa realidade, inúmeros são os esforços para que, desde a delimitação do objeto a ser contratado, passando pela elaboração do edital de licitação e conclusão do processo licitatório, até a fiscalização da execução dos contratos provenientes desses processos, se obtenha a eficiência e efetividade dos serviços prestados, sempre fundamentados nos princípios constitucionais e da Lei de Licitações, que prezam pela legalidade, impessoalidade, moralidade, isonomia, publicidade e probidade administrativa. Ao estudante do Curso de Administração Pública cabe a observação da prática administrativa numa organização que tem finalidades expressas de compromisso com o interesse público, além da reflexão a partir da fundamentação da teoria, proporcionando o aprendizado e a contribuição para atingir os objetivos tanto acadêmicos quanto da instituição e seus serviços prestados à população catarinense. Considerando esse contexto, a escolha da Coordenação de Administração e Suporte (CAD), na UDESC, para a realização das atividades do Estágio Curricular Obrigatório I e II, se justificou pois tem em uma de suas atribuições, além das demais descritas anteriormente, fiscalizar a execução de contratos de serviços terceirizados. Para tanto, mobiliza a equipe de técnicos administrativos que dispõe para o acompanhamento diário da prestação de serviços de limpeza e copeiragem na Reitoria da UDESC, atividades acessórias que auxiliam a Universidade a atingir seus objetivos diante da comunidade acadêmica e dos cidadãos do Estado de Santa Catarina. Sendo assim, é possível afirmar que esses serviços demandam atenção e dedicação no sentido de planejamento, avaliação e melhorias continuamente. 3 DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO PROBLEMA O assunto estudado durante as horas do Estágio I foi a Terceirização de Serviços de Limpeza e Copeiragem no Campus I da UDESC. Para tanto, foram 15

17 desenvolvidas atividades encadeadas de forma a permitir a realização de fundamentação teórica acerca do tema, com a finalidade de dar embasamento para as demais etapas do estudo, de realização de um diagnóstico da situação identificada como demanda na instituição por meio de pesquisa documental e de idealização de uma proposta para a concretização do Estágio II. 3.1 REFERENCIAL TEÓRICO-CONCEITUAL E LEGAL Considerando a natureza pública da UDESC, bem como suas finalidades comprometidas com a produção e socialização do conhecimento com os cidadãos, tornou-se importante apresentar alguns conceitos e características da administração pública e dos serviços por ela prestados. No mesmo sentido, considerando a demanda identificada e o assunto estudado no decorrer do estágio, fez-se necessário apontar os principais conceitos, características e a legislação acerca dos processos licitatórios, contratos administrativos e terceirização dos serviços públicos Administração Pública Segundo Meirelles (2010, p. 85) a Administração Pública tanto designa pessoas e órgãos governamentais como a atividade administrativa em si mesma. O autor complementa que a natureza e os fins da administração pública, fundamentam-se na conservação e aprimoramento dos bens, serviços e interesses comuns de uma coletividade administrada (idem, p. 86). A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, em seu art. 175, diz que incumbe ao poder público, na forma da lei, diretamente ou sob regime de concessão ou permissão, sempre através de licitação, a prestação de serviços públicos. Meirelles (2010, p. 350) conceitua serviço público como todo aquele prestado pela administração pública ou por seus delegados, sob normas e controles estatais, para satisfazer necessidades essenciais ou secundárias da coletividade ou simples conveniências do Estado. Para executar os serviços que são de sua competência o administrador público deve pautar suas ações nos cinco princípios básicos que a CRFB 1988 apresenta em seu art. 37, caput: 16

18 A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. [...] O princípio da legalidade denota a obrigação do administrador público submeter-se aos mandamentos da lei e, diferente da administração de bens e serviços privados, em que pode ser feito tudo que a lei não proíbe, na administração pública só é permitido fazer o que a lei autoriza. (Meirelles 2010, p. 89). O princípio da impessoalidade pode ser relacionado com outros dois princípios apresentados pela doutrina, o da finalidade e o da isonomia. A finalidade da administração pública é de destinar-se a toda a sociedade e não ao que pertence a um particular e a isonomia diz respeito a não beneficiar uma ou outra pessoa. Para Hauriou (1926 apud MEIRELLES, 2010, p. 90), o princípio da moralidade não deve ser confundido com a moral comum, mas deve ser entendido à luz da moral jurídica, tratando-se, portanto da moral interna da instituição e da finalidade de sua ação, o bem comum. O princípio da publicidade é definido por Madeira (2010, p. 30) como a obrigação da administração pública de dar conhecimento ao público, pelos mais variados meios de comunicação previstos em lei, de todos os seus atos, decisões e atividades. É um princípio que garante o exercício da democracia, pois permite o controle externo por meio dos cidadãos. O último princípio expresso na CRFB 1988, é o da eficiência, que é definido por Meirelles (2010, p. 98) como o mais moderno princípio da função adminsitrativa, exigindo que a atividade administrativa seja exercida com presteza, perfeição e rendimento funcional. Além desses cinco princípios básicos apresentados pela CRFB 1988, a doutrina já consagrou outros como o da razoabilidade, da proporcionalidade, da motivação e da supremacia do interesse público, que devem servir de sustentação às ações da administração pública na prestação dos serviços à sociedade. 17

19 3.1.2 Licitações Para atingir suas finalidades na prestação dos serviços públicos à sociedade, a administração pública precisa realizar obras, comprar bens de consumo e bens permanentes, locar e alienar bens imóveis, e para tanto, é seu dever, sempre que necessário contratar com empresas privadas, realizar processo licitatório para selecionar a proposta mais vantajosa para o contrato de seu interesse. A Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, regulamentou o art. 37, inciso XXI, da CRFB 1988 e estabelece normas para licitações e contratos da Administração Pública. O conceito de licitação é bem defino pelo TCU (2010, p. 19): Licitação é procedimento administrativo formal em que a Administração Pública convoca, por meio de condições estabelecidas em ato próprio (edital ou convite), empresas interessadas na apresentação de propostas para o oferecimento de bens e serviços. Assim como em toda ação do administrador público, a licitação também é submetida a princípios legais, conforme expressa a Lei nº 8.666/93: Art. 3 o A licitação destina-se a garantir a observância do princípio constitucional da isonomia, a seleção da proposta mais vantajosa para a administração e a promoção do desenvolvimento nacional sustentável e será processada e julgada em estrita conformidade com os princípios básicos da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da publicidade, da probidade administrativa, da vinculação ao instrumento convocatório, do julgamento objetivo e dos que lhes são correlatos. Os princípios da legalidade, da impessoalidade, da moralidade e da publicidade são os princípios constitucionais já apresentados anteriormente. O princípio da igualdade também já foi conceituado e trata-se da isonomia no procedimento licitatório. No mesmo sentido estão os princípios da probidade administrativa e do julgamento objetivo das propostas, pois o gestor público precisa agir sem interesses próprios ou privilegiar interesses de terceiros, com a finalidade de cumprimento do seu dever funcional e de defesa dos interesses públicos. O princípio da vinculação ao instrumento convocatório nos remete ao edital, que se constitui na lei interna da licitação. Isto porque, segundo TCU (2010, p. 135), os atos de licitação precisam seguir uma sequência lógica, sendo estruturados em duas fases principais: fase interna ou preparatória e fase externa ou executória. 18

20 Ainda seguindo as Orientações do TCU, a fase interna diz respeito à preparação do edital, e deve conter: solicitação do setor requisitante interessado; aprovação da autoridade competente; justificativa com relevância para o interesse público; autuação do processo, protocolizado e numerado; especificação do objeto, de forma precisa, clara e sucinta; projeto básico ou termo de referência, dependendo da modalidade de licitação e do objeto a ser contratado; estimativa do valor da contratação, comprovada por pesquisa de mercado, com pelo menos três fornecedores do ramo correspondente ao objeto da licitação; indicação dos recursos orçamentários para a despesa; minuta do contrato; e, definição da modalidade e do tipo de licitação a serem adotados. A fase externa começa com a publicação do edital e segue até a assinatura do contrato resultante do processo. Nesta fase ocorre: recebimento e abertura da documentação de habilitação e das propostas; verificação da habilitação ou inabilitação dos licitantes; julgamento das propostas e declaração do licitante vencedor com a adjudicação do objeto à licitante vencedora; fase de recursos; homologação dos atos praticados no procedimento; empenho da despesa; e, assinatura do contrato. Cabe ressaltar que existem diferentes modalidades de licitação, sendo elas: concorrência, tomada de preços, convite, concurso e leilão (art. 22 da Lei nº 8.666/93), e pregão presencial ou eletrônico (Lei nº /2002). Há ainda casos específicos de que trata a legislação em que a licitação é dispensada, dispensável ou inexigível (art. 17, art. 24 e art. 25 da Lei nº 8.666/93). O gestor público deve observar o valor e a definição do objeto para o enquadramento da modalidade da licitação, devidamente fundamentada na legislação e nos princípios constitucionais e da lei de licitções, o que pode variar a sequência, as exigências e alguns dos procedimentos da fase interna e externa do processo licitatório. A UDESC, por meio da Pró-Reitoria de Planejamento e da Pró-Reitoria de Administração, aplica a Instrução Normativa nº 008, de 13 de dezembro de 2011, como regulamento interno para os trâmites administrativos dos processos de licitação realizados na instituição. 19

21 3.1.3 Contratos Administrativos O processo licitatório resulta na assinatura de um contrato entre a Administração Pública e a empresa vencedora do certame. Madeira (2010, p. 375) define contrato administrativo como o contrato que a Administração Pública firma com o particular ou outra entidade administrativa para a consecução de objetivos de interesse público, nas condições estabelecidas pela própria Administração. O Capítulo III da Lei nº 8.666/93 é destinado aos contratos administrativos firmados pela Administração Pública. Em seu art. 54, 1º, afima que os contratos devem estabelecer com clareza e precisão as condições para sua execução, expressas em cláusulas que definam os direitos, obrigações e responsabilidades das partes, em conformidade com os termos da licitação e da proposta a que se vinculam. A minuta desse contrato deve fazer parte do edital de licitação, ou seja, deve ser redigida durante a fase interna do processo licitatório e publicada na fase externa. Segundo Meirelles (2010, p ) os principais contratos administrativos são o contrato de obra pública (construção, reforma ou ampliação), contrato de serviço (conserto, locação de bens, conservação, reparação, manutenção, etc.), contrato de fornecimento (materiais, gêneros alimentícios, produtos industrializados, etc.) contrato de concessão (de serviço público, de obra pública ou de uso de bem público), contrato de gerenciamento (programação, supervisão, consultoria, controle e fiscalização), contrato de gestão (acordo operacional), contrato de programa (entre entes da Federação ou decorrente de consórcio público), termo de parceria (entre o Poder Público e Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público) e contrato de consórcio público (gestão associada de serviços públicos). O art. 57 da Lei nº 8.666/93 afirma que a duração dos contratos é limitada à vigência dos créditos orçamentários a que estão vinculados, com algumas exceções: I - aos projetos cujos produtos estejam contemplados nas metas estabelecidas no Plano Plurianual, os quais poderão ser prorrogados se houver interesse da Administração e desde que isso tenha sido previsto no ato convocatório; II - à prestação de serviços a serem executados de forma contínua, que poderão ter a sua duração prorrogada por iguais e sucessivos períodos com vistas à obtenção de preços e condições mais vantajosas para a administração, limitada a sessenta meses; III - (Vetado) 20

22 IV - ao aluguel de equipamentos e à utilização de programas de informática, podendo a duração estender-se pelo prazo de até 48 (quarenta e oito) meses após o início da vigência do contrato; V - às hipóteses previstas nos incisos IX, XIX, XXVIII e XXXI do art. 24, cujos contratos poderão ter vigência por até 120 (cento e vinte) meses, caso haja interesse da administração. A Lei de Licitações dispõe ainda sobre a execução dos contratos e afirma em seu art. 67 que a Administração deve designar um representante para o acompanhamento e fiscalização do contrato, que deverá fazer o registro das ocorrências e determinar o que for necessário para a regularização. Nesse especto, Meirelles (2010, p. 233) afirma que o acompanhamento da execução do contrato é direito e dever da Administração. O contratado também deve, segundo o art. 68 da Lei nº 8.666/93, manter um preposto aceito pela Administração para representá-lo no local da execução do contrato. Para Vieira (2008, p. 183), o preposto é a pessoa que irá fazer a ligação entre a empresa contratada e a Administração contratante. Nesse especto, Meirelles (2010, p. 233) afirma que é obrigação impostergável do contratado a manutenção, no local da obra ou do serviço, de preposto credenciado para dirigir os trabalhos, informar a fiscalização e atender às recomendações da Administração na execução do contrato. Em suas normativas internas a UDESC possui a IN nº 001/2005/UDESC, que traz orientações gerais sobre os trâmites para prorrogações e aditivos aos contratos. A IN nº 008/2011/UDESC também orienta quanto à indicação de gestor e fiscal para contratos de serviços e aquisição de bens, que devem acompanhar e fiscalizar a execução do contrato e a IN nº 003/2012/PROAD/PROPLAN que complementa as demais e regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito da UDESC Terceirização Considerando as diferentes formas de contratos administrativos que a Administração Pública dispõe para a execução dos serviços públicos, os chamados contratos de Terceirização de Serviços tem se destacado na prática do serviço público. 21

23 Segundo Martins (2007, p. 23) a Terceirização consiste na contratação de terceiro para realizar atividades que não constituem o objeto principal da organização. Na regulamentação Federal, a Instrução Normativa nº 02, de 30 de abril de 2008, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, dispõe sobre a Terceirização na prestação de serviços pela administração pública. No seu art. 6º afirma que os serviços continuados que podem ser contratados de terceiros pela Administração são aqueles que apoiam a realização das atividades essenciais ao cumprimento da missão institucional do órgão ou entidade. No âmbito Estadual, a Lei Complementar nº 381, de 07 de maio de 2007, que dispõe sobre o modelo de gestão e a estrutura organizacional da Administração Pública de Santa Catarina permitiu a partir de sua vigência, no art. 173, a contratação de prestação de serviços de conservação, limpeza, segurança, vigilância, transportes, informática, copeiragem, [...], quando estes se caracterizarem como atividades materiais acessórias, instrumentais ou complementares aos assuntos que constituem área de competência legal do órgão ou entidade. Para garantir a licitude da contratação de serviços por meio da Terceirização, alguns preceitos precisam ser seguidos desde a fase licitatória (interna e externa) até o gerenciamento da execução contratual: a) a execução indireta não pode ter como objeto as atividades que estejam contempladas nas categorias funcionais do plano de cargos do órgão ou entidade contratante (TCU, 2010, p. 197); b) prestação de serviços terceirizados não deve criar para a Administração contratante qualquer tipo de vínculo com os empregados da contratada que caracterize, dentre outros, subordinação direta, habitualidade ou pessoalidade (TCU, 2010, p. 196); c) é vedada inclusão nos instrumentos contratuais de disposições que estabeleçam: I - a caracterização do objeto como fornecimento de mão de obra; e II - a subordinação dos empregados da contratada à contratante (Decreto Estadual nº 2.617/2009, art. 21); d) o objeto será definido exclusivamente como contratação de empresa prestadora de serviços terceirizados, devendo a contratada cumprir a obrigação mediante a manutenção de postos de trabalho, não havendo 22

24 qualquer vínculo empregatício entre o órgão contratante e o empregado que exercerá as funções no respectivo posto (Decreto Estadual nº 2.617/2009, art. 20, 2º); e) o objeto do contrato é a prestação de serviços e não a contratação de mão de obra. Para contratar mão de obra, a Administração Pública deverá realizar concurso público, conforme o art. 37, II da CR (ALMEIDA, 2010). Além desses preceitos básicos, a Administração Pública deve atentar para a fiscalização do cumprimento por parte da empresa contratada do pagamento dos encargos trabalhistas. O art. 71 da Lei de Licitações afirma que o contratado é responsável pelos encargos trabalhistas, previdenciários, fiscais e comerciais resultantes da execução do contrato. E ainda, o 2º do mesmo artigo ressalta que a Administração Pública responde solidariamente com o contratado pelos encargos previdenciários resultantes da execução do contrato. O Tribunal Superior do Trabalho, por meio da Súmula nº 331, unifica a jurisprudência acerca desse tema: IV - O inadimplemento das obrigações trabalhistas, por parte do empregador, implica a responsabilidade subsidiária do tomador dos serviços quanto àquelas obrigações, desde que haja participado da relação processual e conste também do título executivo judicial; V - Os entes integrantes da Administração Pública direta e indireta respondem subsidiariamente, nas mesmas condições do item IV, caso evidenciada a sua conduta culposa no cumprimento das obrigações da Lei n.º 8.666, de , especialmente na fiscalização do cumprimento das obrigações contratuais e legais da prestadora de serviço como empregadora. A aludida responsabilidade não decorre de mero inadimplemento das obrigações trabalhistas assumidas pela empresa regularmente contratada; VI A responsabilidade subsidiária do tomador de serviços abrange todas as verbas decorrentes da condenação referentes ao período da prestação laboral. Cabe ressaltar que para o cumprimento dessas exigências legais durante a execução dos contratos de terceirização das atividades-meio que exerce, a UDESC precisa mobilizar diariamente a equipe de técnicos administrativos que dispõe, para que por meio da fiscalização proporcione a efetivação de seus objetivos. 23

25 3.2 PESQUISA DOCUMENTAL Após a realização do referencial teórico-conceitual e legal acerca dos assuntos pertinentes à realização do Estágio I, faz-se necessária a pesquisa documental para a constituição do diagnóstico da Terceirização de Serviços de Limpeza e Copeiragem no Campus I da UDESC. Para tanto foram pesquisados os processos licitatórios realizados entre os anos de 2005 e 2012 que tiveram como objeto a contratação de empresas especializadas em serviços de limpeza e copeiragem no âmbito do Campus I da UDESC, bem como os contratos de terceirização firmados a partir desses processos de licitação. Foram levantados dados como as quantidades de postos contratados e regras estipuladas nos editais para a presença de encarregados das empresas durantes a execução dos serviços contratados. Os processos pesquisados foram o nº 003/2005, o nº 002/2010, o nº 879/2011, o nº 1401/2011 e o nº 1016/2011 publicados pela UDESC Concorrência nº 003/2005 O edital nº 003/2005 foi realizado na modalidade de Concorrência, do tipo menor preço global e teve como objeto a Contratação de empresa prestadora de serviços especializados em conservação e limpeza, copa e zeladoria para o Campus I, sendo regido pela Lei Federal n 8.666/93, e alterações posteriores, do Decreto Estadual n 3.895/2002 (vigente à epoca e tratava da contratação de serviços), e demais normas legais federais e estaduais vigentes. Apesar de incluir o serviço de zeladoria, a pesquisa limitou-se aos dados referentes aos serviços de limpeza e copeiragem. Nesse edital foi adotado o posto de serviço como forma de prestação dos serviços pela empresa a ser contratada. A tabela 1 foi construída com base no Quadro de Distribuição dos Postos de Serviços (vide Anexo A), parte integrante do edital, e contém os quantitativos de postos de serviços para limpeza e copeiragem para o Campus I, licitados pela UDESC por meio da CC nº 003/2005. Além de estabelecer todas as regras e normas para a licitação e posterior execução do contrato, o edital ainda estabeleceu um Plano de Trabalho que 24

26 continha a descrição dos serviços diários, semanais, mensais e bimestrais para serem realizados pelos postos de trabalho contratados e designava 1 (um) servidor da Administração para promover a fiscalização e gerência do contrato fruto da licitação. Tabela 1 Postos de Serviço Campus I - CC nº 003/2005 PROCESSO Concorrência nº 003/2005 OBJETO QUANTITATIVO TOTAL DE POSTOS DE SERVIÇO CAMPUS I Contratação de empresa prestadora de serviços especializados em conservação e limpeza, copa e zeladoria para o Campus I. 73 QUANTITATIVO DE POSTOS DE LIMPEZA E COPEIRAGEM (1) CAMPUS I Unidade Posto de Serviço Quantidade Carga Horária Diária CEAD Copa 1 08 horas CEART Copa 1 08 horas CEFID Copa 1 08 horas DAPE (2) Copa 1 08 horas ESAG Copa 1 08 horas FAED Copa 1 08 horas REITORIA Copa 3 08 horas CEAD Servente 4 08 horas CEART Servente horas CEFID Servente horas DAPE Servente 5 08 horas ESAG Servente 7 08 horas FAED Servente 6 08 horas REITORIA Servente 6 08 horas TOTAL 59 Fonte: Produção da autora. (1) O posto para o serviço de limpeza é o de servente e para o serviço de copeiragem é o de copa. (2) DAPE: Direção Assistente de Pesquisa e Extensão da FAED. Eram partes integrantes do edital: a) quadro de distribuição dos postos de serviços; b) planilha de custos e formação de preços para execução dos serviços; c) identificação dos envelopes; d) declaração de que a empresa licitante cumpre o disposto no inciso XXXIII do art. 7º da Constituição Federal; e) minuta do contrato. A licitação, no que se refere aos postos de serviço de limpeza e copeiragem para o Campus I, foi vencida pela empresa Orcali Organização Catarinense de 25

27 Limpeza Ltda e o Contrato nº 028/2005/CPL firmado em 16/05/2005 com prazo de vigência inicial de 06 (seis) meses. Com base no art. 57, inciso II da Lei nº 8.666/93, o contrato considerado de execução contínua, foi prorrogado por sucessivos períodos até completar 60 (sessenta) meses no ano de No entanto, o novo processo licitatório que seguia (Pregão nº 002/2010) sofreu atraso em decorrência de recursos e impugnações, tendo que ser relançado. Neste caso, a Administração utilizou a previsão do art. 57, 4º da Lei nº 8.666/93, e o contrato foi prorrogado para além dos sessenta meses, com a orientação de ser rescindido quando da assinatura do novo contrato proveniente da nova licitação, o que ocorreu em 13/09/ Pregão nº 002/2010 O edital nº 002/2010 foi realizado na modalidade de Pregão Presencial, do tipo menor preço por lote e teve como objeto a Contratação de empresa especializada em serviços de limpeza, copa, auxiliar de serviços gerais e zeladoria para a UDESC. A pesquisa limitou-se aos dados referentes aos serviços de limpeza e copeiragem no Campus I. A legislação que fundamentou esse edital foi a Lei Federal n 8.666/93, e alterações posteriores, Lei nº de 17/07/2002 (lei federal que institui a modalidade de Pregão), Lei Complementar nº 123 de 14/12/2006 (lei federal que institui o Estatuto da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte), Lei nº de 05/07/2002 (lei estadual que autoriza a modalidade de Pregão) e demais normas legais federais e estaduais vigentes. Como forma de prestação dos serviços pela empresa a ser contratada foi adotado o posto de serviço. A tabela 2 foi construída com base no Memorial Descritivo (vide Anexo B), parte integrante do edital, e contém os quantitativos de postos de serviços de limpeza e copeiragem para o Campus I, licitados pela UDESC por meio do Pregão nº 002/2010. O edital, além de estabelecer todas as regras e normas para a licitação e posterior execução do contrato, ainda estabeleceu a metodologia de execução do trabalho, o horário de execução das tarefas e as estratégias e forma de avaliação do serviço. Fez parte do edital um Plano de Trabalho que continha a descrição dos 26

28 serviços diários, semanais, mensais e bimestrais para serem realizados pelos postos de trabalho contratados. Tabela 2 Postos de Serviço Campus I Pregão nº 002/2010 PROCESSO Pregão nº 002/2010 OBJETO QUANTITATIVO TOTAL DE POSTOS SERVIÇO CAMPUS I Contratação de empresa especializada em serviços de limpeza, copa, auxiliar de serviços gerais e zeladoria para a UDESC. 95 QUANTITATIVO DE POSTOS DE LIMPEZA E COPEIRAGEM (1) CAMPUS I Unidade Posto de Serviço Quantidade Carga Horária Semanal CEAD Copa 1 40 horas CEART Copa 1 40 horas CEFID Copa 1 40 horas DAPE (2) Copa 1 40 horas ESAG Copa 1 40 horas FAED Copa 3 40 horas REITORIA Copa 1 40 horas CEAD Servente 3 40 horas CEART Servente horas CEFID Servente horas DAPE Servente 2 40 horas ESAG Servente horas FAED Servente 6 44 horas REITORIA Servente horas TOTAL 64 Fonte: Produção da autora. (1) O posto para o serviço de limpeza é o de servente e para o serviço de copeiragem é o de copa. (2) DAPE: Direção Assistente de Pesquisa e Extensão da FAED. Eram partes integrantes do edital: a) especificação e condições gerais (Memorial Descritivo); b) planilha estimativa de preços; c) modelo de proposta de preços; d) declaração de que a licitante cumpre o disposto no inciso XXXIII do art. 7º da Constituição Federal; e) identificação dos envelopes; f) modelo de declaração das condições de habilitação; g) declaração comprobatória de enquadramento na microempresa ou empresa de pequeno porte ou comprovação do enquadramento emitido pela Secretaria da Receita Federal; 27

29 h) minuta do contrato; i) planilha de formação de preços. Para esse edital a UDESC designou 2 (dois) servidores como Responsáveis Técnicos pela elaboração do edital, 1 (um) servidor como Gestor de Administração do Contrato e 1 (um) servidor para cada Centro de Ensino e Reitoria como Fiscal de Execução do Contrato. A licitação, no que se refere aos postos de serviço de limpeza e copeiragem para o Campus I, foi vencida pela empresa SLC Construção e Serviços Ltda e o Contrato nº 218/UDESC/2010 firmado em 14/09/2010, com prazo de vigência inicial de 12 (doze) meses. Apesar de o art. 57, inciso II da Lei nº 8.666/93 permitir a prorrogação desse tipo de contrato contínuo por até 60 (sessenta) meses, a empresa não teve interesse em prorrogar o contrato, pois alegou que o valor praticado estava muito abaixo do valor de mercado. Neste caso, o contrato teve duração de apenas 12 (meses) sendo finalizado em 14/09/ Dispensa de Licitação nº 879/2011 e Dispensa de Licitação nº 1401/2011 A Administração deve seguir o preceito legal de licitar. No entanto, existem exceções previstas pela Lei 8.666/93 em que a licitação é dispensada, dispensável ou inexigível (art 17, art. 24 e art. 25). Considerando a rescisão do contrato anterior (Contrato nº 218/UDESC/2010), em que a empresa não teve interesse em prorrogar sua vigência, a UDESC tramitava novo processo licitatório. Entretanto, para que os serviços de limpeza e copeiragem não fossem interrompidos, prejudicando o andamento das atividades na instituição, a UDESC efetuou a Dispensa de Licitação nº 879/2011, fundamentada no art. 24, inciso IV da Lei de Licitações. Dentre as empresas que apresentaram orçamentos com intenção de assumir o contrato, a empresa Orcali Serviços de Limpeza Ltda foi a que propôs o menor preço. As condições de contratação foram as mesmas do processo anterior (Pregão nº 002/2010). O Contrato nº 316/UDESC/2011 foi firmado em 15/09/2011 com a vigência de 90 (noventa) dias, ou até assinatura de novo contrato proveniente de licitação. 28

30 Os trâmites do processo licitatório exigiram tempo maior do que a instituição dispunha para a nova contratação e foi efetuada a Dispensa de Licitação nº 1401/2011, também fundamentada no art. 24, inciso IV da Lei 8.666/93. Novamente a empresa Orcali Serviços de Limpeza Ltda foi a que propôs o menor preço. O Contrato nº 525/UDESC/2011 foi firmado em 14/12/2011 com a vigência inicial de 45 (quarenta e cinco) dias, com a possibilidade de renovação por mais 45 dias, ou até assinatura de novo contrato, o que ocorreu em 12/03/ Concorrência nº 1016/2011 O edital nº 1016/2011 foi realizado na modalidade de Concorrência, do tipo menor preço por lote e teve como objeto a Contratação de empresa especializada em serviços de zeladoria, copa, auxiliar de serviços gerais, serviço de limpeza e jardinagem para a UDESC, sendo regido pela Lei Federal nº de 21/06/93, alterada pela Lei nº de 08/06/94 e pela Lei Complementar nº 123/06. A pesquisa limitou-se aos dados referentes aos serviços de limpeza e copeiragem para o Campus I. A forma de prestação dos serviços adotada foi o posto de serviço. A tabela 3 foi construída com base no Memorial Descritivo (vide Anexo C), parte integrante do edital, e contém os quantitativos de postos de serviços para limpeza e copeiragem para o Campus I, licitados pela UDESC por meio da CC nº 1016/2011. Esse edital previu 2 (dois) postos de serviços de Encarregado para o Campus I, que foi definido pelo próprio edital como o responsável designado formalmente pela contratada para o controle efetivo dos funcionários terceirizados. Sua presença visa impedir qualquer forma de hierarquia entre os funcionários terceirizados com a contratante. Acompanhava um esclarecimento de que a presença do encarregado não eximia a necessidade de indicação do preposto da Contratada. O edital, além de estabelecer todas as regras e normas para a licitação e posterior execução do contrato, ainda estabeleceu Memorial Descritivo com a metodologia de execução do trabalho, o horário de execução das tarefas e as estratégias e forma de avaliação do serviço, e um Plano de Trabalho que continha a descrição atividades diárias, semanais, mensais e bimestrais a serem 29

31 desempenhadas pelos cargos, incluindo o Encarregado, de acordo com a Classificação Brasileira de Ocupação (CBO). Tabela 3 Postos de Serviço Campus I CC nº 1016/2011 PROCESSO Concorrência nº 1016/2011 OBJETO QUANTITATIVO TOTAL DE POSTOS SERVIÇO CAMPUS I Contratação de empresa especializada em serviços de zeladoria, copa, auxiliar de serviços gerais, serviço de limpeza e jardinagem para a UDESC. 97 QUANTITATIVO DE POSTOS DE LIMPEZA E COPEIRAGEM (1) CAMPUS I Unidade Posto de Serviço Quantidade Carga Horária Semanal CEAD Copa 1 40 horas CEART Copa 1 40 horas CEFID Copa 1 40 horas DAPE (2) Copa 1 40 horas ESAG Copa 2 40 horas FAED Copa 2 40 horas REITORIA Copa 2 40 horas CEAD Servente 4 40 horas CEART Servente horas CEFID Servente horas DAPE Servente 2 40 horas ESAG Servente horas FAED Servente 6 44 horas MESC (3) Servente 2 40 horas REITORIA Servente horas TOTAL 70 CAMPUS I Encarregado 2 40 horas Fonte: Produção da autora. (1) O posto para o serviço de limpeza é o de servente e para o serviço de copeiragem é o de copa. (2) DAPE: Direção Assistente de Pesquisa e Extensão da FAED. (3) MESC: Museu da Escola Catarinense Órgão Suplementar da UDESC que integra o Campus I. Eram partes integrantes do edital: a) projetos e memoriais descritivos; b) planilha de formação de preços; c) planilha de custos e formação de preços para os serviços; d) modelo de proposta de preços; e) identificação dos envelopes; f) minuta do contrato; g) declaração de que a licitante cumpre o disposto no inciso XXXIII do art. 7º da Constituição Federal (envelope de documentação); h) modelo de declaração de aptidão; 30

32 i) declaração LCP 123/2006. Para esse edital a UDESC designou 1 (um) servidor como Responsável Técnico pela elaboração do edital, 1 (um) servidor como Gestor de Administração do Contrato e 1 (um) servidor para cada Centro de Ensino e Reitoria como Fiscal de Execução do Contrato. A licitação, no que se refere aos postos de serviço de limpeza e copeiragem para o Campus I, foi vencida pela empresa Proserv Assessoria e Consultoria de Pessoal Ltda e o Contrato nº 117/UDESC/2012 firmado em 13/03/2012. Seu prazo de vigência inicial é de 12 (doze) meses. 3.3 PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO II A pesquisa bibliográfica forneceu as bases teórica e legal que devem fundamentar as ações da Administração Pública Estadual para a realização de contratos de terceirização de serviços. A pesquisa documental permitiu um diagnóstico dos serviços de limpeza e copeiragem terceirizados pelo Campus I da UDESC, apontando os quantitativos e as principais regras para a realização desses contratos. No entanto, esse diagnóstico suscita a necessidade de aprofundamento. Uma questão que chamou a atenção são os instrumentos utilizados pela instituição para garantir a não subordinação e não hierarquização da mão de obra alocada para a prestação dos serviços pelas empresas contratadas. Os processos analisados do ano de 2005 até 2010 não continham a exigência do encarregado para que essas condições fossem garantidas. O processo de 2011 que originou o contrato vigente atualmente já fez essa previsão. Portanto, considerando as seguintes condições do contrato vigente: a) 70 (setenta) postos de serviço para limpeza e copeiragem no Campus I; b) 97 (noventa e sete) postos para todos serviços terceirizados no Campus I; c) Postos distribuídos entre 08 (oito) Unidades: CEAD, CEART, CEFID, DAPE, ESAG, FAED, MESC e Reitoria; e; d) 02 (dois) encarregados. Surge a necessidade de realizar pesquisa com os fiscais dos contratos de terceirização para identificar as dificuldades e aspectos da relação fiscal- 31

33 encarregado-execução para a garantia da não subordinação dessa mão de obra executora, bem como as vantagens e desvantagens na prestação desses serviços. Essa pesquisa será realizada durante a realização do Estágio II por meio de entrevistas semi-estruturadas com os fiscais de cada Centro integrante do Campus I e da Reitoria da UDESC e com os encarregados do contrato vigente atualmente, bem como por observação das atividades de fiscalização realizadas diariamente. A análise desses dados coletados fundamentada nas bases teóricas e de legislação permitirá a redação de sugestões de ações futuras para melhorias na prática da instituição. 4 IMPLEMENTAÇÃO DA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO A implementação da proposta de intervenção compreende atividades do Estágio II e se constituiu de quatro momentos distintos. A primeira ação necessária foi a atualização dos dados referentes ao contrato vigente proveniente da Concorrência nº 1016/2011, pois após sua assinatura ocorreram dois termos aditivos. A segunda etapa foi realizada por meio da observação do processo de fiscalização da execução diária do contrato de limpeza e copeiragem. Em um terceiro momento foram realizadas entrevistas com os Encarregados contratados e com os Fiscais nomeados no Edital que originou o contrato vigente. E por último, a redação de considerações e sugestões de melhorias às práticas observadas. 4.1 TERMOS ADITIVOS O Art. 65. da Lei nº 8.666/93 prevê que os contratos poderão ser alterados, com as devidas justificativas, nos seguintes casos: Art. 65. Os contratos regidos por esta Lei poderão ser alterados, com as devidas justificativas, nos seguintes casos: I - unilateralmente pela Administração: a) quando houver modificação do projeto ou das especificações, para melhor adequação técnica aos seus objetivos; b) quando necessária a modificação do valor contratual em decorrência de acréscimo ou diminuição quantitativa de seu objeto, nos limites permitidos por esta Lei; II - por acordo das partes: a) quando conveniente a substituição da garantia de execução; 32

34 b) quando necessária a modificação do regime de execução da obra ou serviço, bem como do modo de fornecimento, em face de verificação técnica da inaplicabilidade dos termos contratuais originários; c) quando necessária a modificação da forma de pagamento, por imposição de circunstâncias supervenientes, mantido o valor inicial atualizado, vedada a antecipação do pagamento, com relação ao cronograma financeiro fixado, sem a correspondente contraprestação de fornecimento de bens ou execução de obra ou serviço; d) para restabelecer a relação que as partes pactuaram inicialmente entre os encargos do contratado e a retribuição da administração para a justa remuneração da obra, serviço ou fornecimento, objetivando a manutenção do equilíbrio econômico-financeiro inicial do contrato, na hipótese de sobrevirem fatos imprevisíveis, ou previsíveis porém de conseqüências incalculáveis, retardadores ou impeditivos da execução do ajustado, ou, ainda, em caso de força maior, caso fortuito ou fato do príncipe, configurando álea econômica extraordinária e extracontratual. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994) 1o O contratado fica obrigado a aceitar, nas mesmas condições contratuais, os acréscimos ou supressões que se fizerem nas obras, serviços ou compras, até 25% (vinte e cinco por cento) do valor inicial atualizado do contrato, e, no caso particular de reforma de edifício ou de equipamento, até o limite de 50% (cinqüenta por cento) para os seus acréscimos. (...) No caso do contrato firmado em 13/03/2012 a UDESC, fundamentada na legislação, assinou também duas alterações, por meio de Termos Aditivos. Em 28/05/2012 foi assinado o Primeiro Termo Aditivo ao Contrato 117/UDESC/2102 (vide Anexo D) que fez, dentre outras, uma importante alteração para o Campus I, acrescentando 01 (um) posto de serviço de Encarregado. Este Encarregado ficou responsável pelo CEFID, pelo MESC e pela DAPE, unidades que ficam fisicamente separadas das demais localizadas no bairro Itacorubi. Fonte: Produção da autora. Tabela 4 Alterações 1º Termo Aditivo CC nº 1016/2011 PROCESSO Concorrência nº 1016/2011 OBJETO QUANTITATIVO TOTAL DE POSTOS DE SERVIÇO SUPRIMIDOS CAMPUS I Contratação de empresa especializada em serviços de zeladoria, copa, auxiliar de serviços gerais, serviço de limpeza e jardinagem para a UDESC. 1 QUANTITATIVO DE POSTOS DE LIMPEZA E COPEIRAGEM (1) CAMPUS I Unidade Posto de Serviço Quantidade Acrescida Carga Horária Semanal CEFID Encarregado 1 40 horas 33

35 Devido a dificuldades de repasses financeiros oriundos do Governo do Estado de Santa Catarina, a UDESC precisou rever os quantitativos de alguns contratos para se adequar ao contexto econômico em que está inserida. Por esse motivo, firmou em 01/09/2012 o Segundo Termo Aditivo ao Contrato 117/UDESC/2102 (vide Anexo E), suprimindo postos de serviços e consequentemente o valor contratual mensal. Fonte: Produção da autora. Tabela 5 Alterações 2º Termo Aditivo CC nº 1016/2011 PROCESSO Concorrência nº 1016/2011 OBJETO QUANTITATIVO TOTAL DE POSTOS SERVIÇO SUPRIMIDOS CAMPUS I Contratação de empresa especializada em serviços de zeladoria, copa, auxiliar de serviços gerais, serviço de limpeza e jardinagem para a UDESC. 13 2º TERMO ADITIVO AO CONTRATO Nº 117/UDESC/2012 Unidade Posto de Serviço Quantidade Suprimida Carga Horária Semanal ESAG Copa 1 40 horas REITORIA Copa 1 40 horas CEAD Servente 1 40 horas CEFID Servente 2 40 horas DAPE Servente 1 40 horas ESAG Servente 1 40 horas REITORIA Servente 3 40 horas TOTAL 10 Para facilitar a compreensão, os dados apresentados anteriormente na Tabela 3 foram atualizados após a ocorrência dos dois termos aditivos. Portanto, atualmente os serviços terceirizados de limpeza e copeiragem no Campus I da UDESC são executados com o seguinte quadro: a) 60 (sessenta) postos de serviço para limpeza e copeiragem no Campus I; b) 83 (oitenta e três) postos para todos serviços terceirizados no Campus I; c) Postos distribuídos entre 08 (oito) Unidades: CEAD, CEART, CEFID, DAPE, ESAG, FAED, MESC e Reitoria; e; d) 03 (três) encarregados. 34

36 Tabela 6 Dados Atualizados de Postos de Serviço Campus I CC nº 1016/2011 PROCESSO Concorrência nº 1016/2011 OBJETO QUANTITATIVO TOTAL DE POSTOS SERVIÇO CAMPUS I Contratação de empresa especializada em serviços de zeladoria, copa, auxiliar de serviços gerais, serviço de limpeza e jardinagem para a UDESC. 83 QUANTITATIVO DE POSTOS DE LIMPEZA E COPEIRAGEM (1) CAMPUS I Unidade Posto de Serviço Quantidade Carga Horária Semanal CEAD Copa 1 40 horas CEART Copa 1 40 horas CEFID Copa 1 40 horas DAPE (2) Copa 1 40 horas ESAG Copa 1 40 horas FAED Copa 2 40 horas REITORIA Copa 1 40 horas CEAD Servente 3 40 horas CEART Servente horas CEFID Servente horas DAPE Servente 2 40 horas ESAG Servente 9 40 horas FAED Servente 5 44 horas MESC (3) Servente 2 40 horas REITORIA Servente 9 40 horas TOTAL 60 CAMPUS I - Itacorubi Encarregado 2 40 horas CAMPUS I CEFID, MESC e DAPE Encarregado 1 40 horas Fonte: Produção da autora. (1) O posto para o serviço de limpeza é o de servente e para o serviço de copeiragem é o de copa. (2) DAPE: Direção Assistente de Pesquisa e Extensão da FAED. (3) MESC: Museu da Escola Catarinense Órgão Suplementar da UDESC que integra o Campus I. 4.2 FISCALIZAÇÃO A Lei nº 8.666/93, como já citado anteriormente, também traz as orientações em ralação à execução dos contratos, conforme segue: Art. 67. A execução do contrato deverá ser acompanhada e fiscalizada por um representante da Administração especialmente designado, permitida a contratação de terceiros para assisti-lo e subsidiá-lo de informações pertinentes a essa atribuição. 1o O representante da Administração anotará em registro próprio todas as ocorrências relacionadas com a execução do contrato, determinando o que for necessário à regularização das faltas ou defeitos observados; 35

37 2o As decisões e providências que ultrapassarem a competência do representante deverão ser solicitadas a seus superiores em tempo hábil para a adoção das medidas convenientes; Art. 68. O contratado deverá manter preposto, aceito pela Administração, no local da obra ou serviço, para representá-lo na execução do contrato; (...) Art. 71. O contratado é responsável pelos encargos trabalhistas, previdenciários, fiscais e comerciais resultantes da execução do contrato. Esta segunda etapa da implementação da proposta de intervenção se constituiu na observação e descrição do processo de fiscalização da execução diária do contrato de limpeza e copeiragem, especificamente na Reitoria da UDESC, realizada pelo Fiscal nomeado do Setor de Serviços de Apoio (SEAP) da Coordenadoria de Administração e Suporte (CAD). O processo de fiscalização inicia com a assinatura do contrato. Neste momento a empresa deve encaminhar à UDESC, mais específicamente para o Fiscal de Contrato nomeado no Edital do processo de licitação que originou o contrato, a cópia da Carteira de Trabalho (CTPS), da folha de registro do empregado e do exame admissional de todos os funcionários que prestarão serviços na UDESC. Esses documentos são arquivados e sempre que um funcionário novo começar a prestar o serviço esses documentos devem ser encaminhados para conferência e arquivo. A fiscalização é feita diariamente, verificando a prestação do serviço de limpeza nos diversos setores, banheiros, hall, entre outros. A comunicação de qualquer pedido ou cobrança que é feita por parte do fiscal ocorre sempre diretamente ao encarregado. Para controlar a prestação dos serviços de maneira mais eficiente, o fiscal faz a conferência da limpeza dos locais e anota numa planilha (vide Anexo F), informando quais os serviços devem ser feitos. Considera-se ideal que essa conferência seja feita na presença do encarregado, para que qualquer ajuste necessário seja comunicado imediatamente. Existe ainda um controle utilizado para cada setor da Reitoria, colocado atrás das portas, para que a própria servente preencha os serviços executados a cada dia de trabalho (vide Anexo G). O fiscal do contrato faz anotações diárias referentes à presença de todos os postos contratados de copa e limpeza. A empresa contratada tem a obrigação contratual de cobrir a falta de qualquer um dos postos fixos destinados à UDESC por meio de volantes, que devem fazer parte do quadro funcional da empresa 36

38 contratada, contendo todos os registros legais necessários. A planilha utilizada para controle de presença (vide Anexo H) deve ser preenchida diariamente pelo fiscal com a finalidade de registro de todos os prestadores de serviço dentro do mês, sejam os fixos ou os volantes que foram destinados a cobertura de faltas. O preenchimento desta planilha é fundamental para a conferência com a Nota Fiscal apresentada pela empresa. Paralelamente é realizado o preenchimento de uma outra planilha (vide Anexo I) em que se registra o número de faltas de cada função e a quantidade de volantes, também de cada função, que trabalharam no mesmo dia em substituição ao fixo faltante. Além disso, nesta planilha são anotadas todas as ocorrências relatadas no período. Com base ainda nesta planilha é feito o cálculo de conferência da Nota Fiscal apresentada pela empresa (vide Anexo J). Os cálculos são separados por postos, de acordo com os quantitativos e valores licitados. Teoricamente o valor mensal da Nota Fiscal deveria ser sempre o mesmo, o que normalmente não ocorre, já que cada falta não coberta por volantes deve ser descontada. Juntamente com a Nota Fiscal mensal a empresa deverá encaminhar a Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social e Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social (GFIP/SEFIP) e o Relatório de Cálculo de todos os funcionários que prestaram serviços na UDESC durante o mês, incluindo fixos e volantes. É preciso fazer a conferência se os nomes de todos os funcionários estão na GFIP/SEFIP apresentada, e também conferir o valor que aparece corresponde ao valor do Relatório de Cálculo. Todas as Notas Fiscais devem ser encaminhadas com as Certidões Negativas de Débito (CND) válidas comprovando a regularidade fiscal da empresa, condição exigida desde o processo licitatório até a finalização do contrato. As certidões são da Fazenda Federal e Dívida Ativa da União, da Fazenda Estadual, Fazenda Municipal, Seguro Social (INSS), Fundo de Garantia (FGTS) e Débitos Trabalhistas. Estando todas essas informações conferidas, a Nota Fiscal pode ser Certificada/Atestada pelo Fiscal e encaminhada para pagamento. O fiscal ainda é responsável por entregar às encarregadas um Formulário de Ocorrências e/ou Correção de Serviços (vide Anexo L) que deve ser preenchido sempre que alguma situação fora do habitual ocorrer, como por exemplo, saídas antes do horário ou chegadas tardias. 37

39 O Setor de Serviços de Apoio (SEAP) da Coordenadoria de Administração (CAD) elaborou um Manual de Fiscalização de Contratos que contém essas informações e os modelos de planilhas de controle a respeito dos serviços terceirizados de limpeza e copeiragem e também dos demais contratos fiscalizados pelo setor. O objetivo é difundir esses procedimentos aos demais Centros da UDESC, bem como trocar experiências e aperfeiçoar as práticas na instituição. 4.3 ENTREVISTAS Nesta etapa da implementação da proposta foi realizada pesquisa com as 03 (três) Encarregadas contratadas e com 07 (ste) Fiscais nomeados no Edital que originou o contrato vigente de limpeza e copeiragem. A partir da elaboração de um roteiro de questões para os encarregados e um roteiro de questões para os fiscais, foram coletados dados como o horário de trabalho, quantidade de postos de trabalho sob responsabilidade, suficiência do número de encarregados para a orientação eficiente de todos os postos de trabalho, meio de transporte utilizado entre as Unidades de fiscalização, meio de comunicação utilizado para receber e repassar orientações e solicitações, treinamento para as funções, conhecimento a respeito das normas de não subordinação e não hierarquização na terceirização, principais dificuldades encontradas e vantagens e desvantagens observadas na terceirização dos serviços de limpeza e copeiragem. A íntegra da coleta de dados encontra-se nos Apêndices (A ao J) deste relatório e possibilitou a aproximação com a realidade vivenciada no cotidiano da UDESC, no âmbito do Campus I, bem como permitiu verificar se as práticas adotadas na execução do contrato são compatíveis com o que foi estipulado no Edital de Licitação, com as necessidades da instituição e com os preceitos para garantir a licitude da contratação de serviços por meio da Terceirização Entrevistas com Encarregados Segundo o Edital da Concorrência nº 1016/2011 o Encarregado É o responsável designado formalmente pela contratada para o controle efetivo dos 38

40 funcionários terceirizados. Sua presença visa impedir qualquer forma de hierarquia entre os funcionários terceirizados com a contratante. A função de Encarregado compreende: Organizar: equipes, escalas, deslocamentos necessários, documentos obrigatórios, apresentação de funcionários volantes e dentre outras necessidades para execução condizente com as normas do edital; Controlar: horário, execução de serviço, qualidade dos serviços, utilização de EPI s, uso de uniforme, reposição de faltantes e demais necessidades para execução condizente com as normas do edital; Planejar: ações de trabalho, capacitações, atuação das equipes, permite controle apropriado; serviços entregues conforme requisitos exigidos; (...) Direção: função mediante a qual o encarregado fará com que seus subordinados executem o que foi planejado, transmitir os planos aos subordinados e estimulá-los de maneira a despertar-lhes a motivação para que atinjam os objetivos e metas predeterminadas; Emitir relatório: Relatório de Ausências, Formulários de Ocorrências, Relatório de ações e outros necessário para execução condizente com as normas do edital; (...) O gestor do contrato, indicado pelo órgão ou entidade contratante, quando detectar qualquer problema na prestação dos serviços, deve comunicar ao encarregado da contratada para que este tome as medidas necessárias, resolvendo a questão; O encarregado, como representante da empresa, é o responsável por emitir ordens diretas aos funcionários, evitando, assim, a caracterização de subordinação entre contratante e os funcionários da contratada; (...) As entrevistas foram planejadas considerando esse conceito da função de Encarregado apresentado no Edital de Licitação e ainda as informações de que: a) as Unidades do CEAD, CEART, ESAG, FAED e Reitoria possuem 02 (duas) Encarregadas contratadas, que são responsáveis por 06 (seis) Copeiras e 36 (trinta e seis) Serventes, além dos 19 (dezenove) postos dos demais serviços terceirizados de zeladoria e serviços gerais, o que totaliza 61 (sessenta e um) contratados a serem fiscalizados e orientados apenas no bairro Itacorubi do CampusI; b) a Reitoria engloba também postos de serviços alocados na Biblioteca Central e na Academia da UDESC, que apesar de estarem no bairro Itacorubi, ficam em prédios fisicamente separados, c) as Unidades do CEFID, MESC e DAPE possuem 01 (uma) Encarregada contratada que é responsável por 02 (duas) Copeiras e 16 (dezesseis) Serventes, além dos 04 (quatro) postos dos demais serviços terceirizados de zeladoria e serviços gerais, o que totaliza 22 (vinte e dois) contratados necessitando de fiscalização e orientação, distribuídos em bairros 39

41 diferentes, pois o CEFID localiza-se em Coqueiros e o MESC e a DAPE no Centro da cidade Dados Coletados Com relação ao horário de trabalho: a) no Campus I Itacorubi uma Encarregada trabalha das 7h às 16h e outra trabalha das 13h às 22h; b) no Campus I Coqueiros e Centro a Encarregada trabalha das 8h às 17h. Com relação à suficiência do número de Encarregados para a orientação eficiente de todos os postos de trabalho: a) as duas Encarregadas do Campus I Itacorubi não consideram suficiente o número de Encarregadas devido à forma como os horários de trabalho estão organizados; b) a Encarregada do CEFID, MESC e DAPE considera suficiente. Com relação ao deslocamento entre Unidades: a) com o acréscimo de uma Encarregada para o CEFID, MESC e DAPE, as duas que trabalham no Itacorubi não precisam se deslocar utilizando algum meio de transporte entre os Centros que fiscalizam; b) a Encarregada do CEFID, MESC e DAPE utiliza o transporte coletivo. Com relação aos meios de comunicação utilizados entre Encarregados e demais contratados: a) as duas Encarregadas do Itacorubi repassam informações e orientam o trabalho dos demais contratados sempre pessoalmente; b) a Encarregada do CEFID, MESC e DAPE utiliza também o rádio de comunicação. Com relação aos meios de comunicação utilizados entre Encarregados e Fiscais de Contrato: a) as duas Encarregadas do Itacorubi repassam e recebem informações via telefone celular ou pessoalmente; b) a Encarregada do CEFID, MESC e DAPE utiliza também comunicados por escrito. 40

42 Com relação ao treinamento e às orientações para a função de Encarregada repassadas pela empresa ou pela UDESC: a) duas Encarregadas assumiram a função pelo fato de terem experiências anteriores cobrindo férias de outras encarregadas; b) uma Encarregada informou já ter feito um curso há aproximadamente seis anos e outra informou ter recebido uma palestra na empresa; c) uma Encarregada informou ter recebido orientações por parte da UDESC por meio de reuniões nos Centros de Ensino a respeito da execução dos serviços, comportamento adequado na instituição, uniformes e horários de trabalho. Com relação ao conhecimento a respeito das normas de não subordinação e não hierarquização na terceirização: a) as duas Encarregadas do Itacorubi receberam informações gerais (da UDESC e da empresa) a respeito de não permitir que os contratados recebam ordens diretas de servidores das UDESC e sempre que tem dúvidas recorrem à cópia do contrato ou com a empresa; b) a Encarregada do CEFID, MESC e DAPE também foi orientada pela empresa. Com relação ao treinamento e às orientações que os demais contratados receberam pela empresa ou pela UDESC acerca de como agir quando receberem ordens diretas de funcionários da instituição: a) as duas Encarregadas do Itacorubi informaram que os terceirizados não receberam treinamento para esses casos diretamente na empresa, mas elas providenciaram as orientações básicas para esses casos e fizeram cópias dos Planos de Trabalho para cada funcionário; b) a Encarregada do CEFID, MESC e DAPE informou que os terceirizados receberam palestras e treinamentos na empresa. Com relação às principais dificuldades para cumprir as regras contratuais foram apresentadas diferentes opiniões, conforme segue: a) dificuldade pessoal de atender a varios chamados com rapidez e qualidade; b) dificuldades com os vínculos de amizade que os funcionário criam com servidores da UDESC, interferindo no repasse das ordens; 41

43 c) os contratados que apresentaram maiores dificuldades foram remanejados; d) necessidade de muita cobrança para que os contratados cumpram com as atividades programadas. Com relação às vantagens e desvantagens observadas na terceirização dos serviços de limpeza e copeiragem também foram apresentadas diferentes visões: a) desvantagem financeira para a UDESC; b) salários baixos comparados ao valor do contrato entre a UDESC e a empresa; c) problemas pessoais por questões financeiras dos terceirizados influenciam no bom desenvolvimento dos serviços; d) muita rotatividade de pessoal; e) vantagem para a UDESC pois pode se concentrar em suas atividades principais e não diretamente com a limpeza, por exemplo; f) vantagem para os terceirizados porque esta forma de contrato exige que a empresa tenha sempre regularizados os direitos trabalhistas Entrevistas com Fiscais Segundo o 5º da Instrução Normativa nº 003/2012/PROAD/PROPLAN, publicada em 25 de julho de 2012, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito da UDESC, são atribuições do Fiscal do Contrato: a) fiscalizar o cumprimento do memorial descritivo e/ou descrição técnica do objeto do contrato, inclusive em campo; b) acompanhar o controle de saldo do contrato, quantitativos, e os respectivos recursos orçamentários; c) solicitar à contratada os serviços e/ou materiais, respeitando-se o previsto em contrato, inclusive em relação aos quantitativos e recursos orçamentários; d) convocar a contratada para o cumprimento das obrigações no período de garantia dos bens e/ou serviços adquiridos; e) promover as devidas anotações de fiscalização em formulário próprio, livro diário, ou sistema informatizado; f) receber o objeto do contrato e nota fiscal com as certidões negativas de débitos e demais documentos exigidos pela UDESC; g) certificar/atestar a nota fiscal; h) verificar a comprovação do pagamento do aluguel pela concessionária; i) solicitar o cancelamento das notas fiscais emitidas em desacordo com o contrato; j) antecipar-se a solucionar problemas que afetem a relação contratual; 42

44 k) cientificar a contratada, sempre por escrito, com prova de recebimento, quando ocorrer o descumprimento contratual; l) solicitar ao Gestor do Contrato, quando necessário, a manutenção do equilíbrio econômico e financeiro do contrato por interesse da UDESC; m) manifestar-se, a pedido do Gestor ou de ofício, quanto ao interesse na renovação contratual, considerando a satisfação quanto aos serviços prestados; n) solicitar ao Gestor do Contrato, quando necessário, a notificação da contratada pelo descumprimento contratual; o) esclarecer dúvidas do preposto/representante da contratada; p) tratar dos assuntos inerentes ao cumprimento contratual com o preposto ou representante legal da contratada. As entrevistas foram planejadas considerando essas atribuições da função de Fiscal de Contrato e ainda as informações de que: a) no Campus I Itacorubi são 05 (cinco) Fiscais nomeados: CEAD, CEART, ESAG, FAED e Reitoria, sendo que o Fiscal da FAED também é responsável pela DAPE, que fica no bairro Centro; b) o MESC e o CEFID tem Fiscais nomeados que estão lotados nas próprias Unidades Dados Coletados Com relação ao horário de trabalho: a) Fiscais do CEAD, CEART, ESAG, MESC e Reitoria trabalham das 13h às 19h. O CEART salienta que, no entanto, o Setor de Serviços Gerais fica aberto nos três turnos e com servidores responsáveis além dos terceirizados; b) Fiscais do CEFID e FAED/DAPE trabalham das 7h às 13h, mas informam que dependendo da demanda estendem a jornada de trabalho. Com relação à suficiência do número de Encarregados para a orientação eficiente de todos os postos de trabalho: a) CEAD e CEART não consideram suficiente. O CEAD salienta que o número de terceirizados total também não é suficiente. O CEART levanta também a questão da distribuição dos horários das duas Encarregadas. b) FAED/DAPE não considera importante a função de Encarregado; c) CEFID, ESAG, MESC e Reitoria consideram suficiente o número de Encarregados. 43

45 Com relação aos meios de comunicação utilizados entre Fiscais e Encarregados: a) os meios utilizados são telefone celular, comunicados por escrito, pessoalmente ou ainda rádio de comunicação; b) o CEART se destaca por entrar em contato com Encarregado apenas em determinadas situações, fazendo a comunicação direta com os funcionários dos postos de serviço contratados. Com relação aos meios de comunicação utilizados para receber solicitações e reclamações de outros servidores da UDESC: a) os meios utilizados são , chamados via ramal, comunicados por escrito ou pessoalmente; Com relação ao treinamento e às orientações para a função de Fiscal de Contrato de Serviços Terceirizados: a) CEART e ESAG relataram ter participado de um Curso ministrado por um servidor da UDESC, os demais Fiscais informaram que foram nomeados para a função e aprenderam com a prática. O CEART também informou que considera excessiva a quantidade de contratos que cada Fiscal é responsável. Com relação ao conhecimento acerca das normas de não subordinação e não hierarquização na terceirização: a) MESC informou não ter conhecimento; b) FAED/DAPE salienta que essas regras e expressões fazem com que funcionários terceirizados, tanto da UDESC, quanto de outros órgãos, não sejam percebidos no cotidiano da instituição; c) CEART ressalta que apesar de receber orientações, torna-se inviável cumprir essas regras em função da não disponibilidade integral de Encarregado no Centro de Ensino; d) CEFID conhece as regras e possui procedimentos de advertências e punições para o descumprimento; e) CEAD, ESAG e Reitoria não receberam treinamento específico mas conhecem as regras básicas. Com relação às orientações que os demais servidores receberam da UDESC acerca de como agir para não dar ordens diretas aos contratados, foram apresentadas duas situações distintas: 44

46 a) apesar de não haver treinamento específico para todos os servidores, a orientação geral é para que os serviços sejam solicitados via ramal para o Fiscal; b) apesar de ter havido orientação, há servidores mais antigos que tem a cultura de repassar ordens diretas aos funcionários terceirizados e transmitem esse hábito aos servidores mais novos. Com relação às principais dificuldades para cumprir as regras contratuais foram apresentadas diferentes opiniões, conforme segue: a) funcionários pouco qualificados para as funções, além de pouco comprometidos; b) muita rotatividade de pessoal; c) faltas não cobertas por volantes; d) assuntos pessoais de funcionários terceirizados que interferem no bom andamento do trabalho; e) ausência de triagem do pessoal contratado por parte da empresa; f) falta de presença constante de Encarregado no Centro de Ensino; g) falta de resposta rápida da empresa/encarregado para solucionar problemas; h) falta de orientação para a função de Fiscal de Contratos. Com relação às vantagens e desvantagens observadas na terceirização dos serviços de limpeza e copeiragem também foram apresentadas diferentes visões: a) desvantagem financeira, pois o valor do contrato é alto e a qualidade dos serviços é baixa; b) desvantagem quando comparado ao tempo em que os serviços de limpeza e copa eram realizados por servidores efetivos da UDESC; c) falta de comprometimento dos envolvidos nos serviços terceirizados; d) vantagem do serviço ser prestado por empresas especializadas. e) vantagem de poder solicitar a dispensa/substituição do funcionário quando não atende às expectativas; f) vantagem de permitir que a Universidade possa focar nas suas atividadesfim. 45

47 4.4 CONSIDERAÇÕES E SUGESTÕES DE MELHORIAS ÀS PRÁTICAS OBSERVADAS As primeiras considerações são acerca dos procedimentos de fiscalização da execução diária do contrato de limpeza e copeiragem, apresentados no item 4.2 deste relatório. Quando a Lei nº 8.666/93, em seu Art. 67, 1º determina que O representante da Administração anotará em registro próprio todas as ocorrências relacionadas com a execução do contrato, a Administração desenvolve suas formas de controle. Não foi diferente com o caso observado. Foi possível constatar que apenas na Reitoria da UDESC e para um único contrato foram criadas 05 (cinco) planilhas distintas para registros da execução contratual e que por falta de padronização nesse processo, o setor elaborou um Manual com a finalidade de difundir aos demais Centros de Ensino esses procedimentos. Portanto, é possível sugerir a concentração desses procedimentos de controle contratuais em um único sistema (software), elaborado considerando as necessidades de registro, que seja utilizado por todos os Centros de Ensino e que facilite cálculos e emissão de relatórios, e que por fim, auxilie na efetiva gestão e tomada de decisão. A coleta de dados, item 4.3 deste relatório, possibilitou a aproximação com a realidade vivenciada no cotidiano da UDESC, no âmbito do Campus I, bem como permitiu emitir considerações para cada ator envolvido na terceirização dos serviços de limpeza e copeiragem. Ao trabalho dos Encarregados, que atuam como mediadores das relações entre postos de serviço, fiscais de contrato e empresa licitada, as sugestões são: a) o número de Encarregados no Campus I Iatcorubi poderia ser readequado, senão um contratado por Centro de Ensino, ao menos um a cada dois Centros de Ensino no Campus I Itacorubi, assim distribuídos: prédio principal da Reitoria e ESAG, CEART e FAED, CEAD e Reitoria Biblioteca/Academia; b) o horário dos Encarregados poderia ser reorganizado de maneira a permitir que no período matutino, em que há maior concentração de trabalho e solicitações, se evite as ordens diretas aos postos de serviço 46

48 por não haver Encarregado disponível em quantidade suficiente no Campus; c) a empresa licitada derevia proporcionar treinamento e/ou atualização para a função de Encarregado, já que ambas contratadas do Campus I Iatcorubi informaram ter aprendido a função na prática cotidiana; d) a utilização de rádio comunicação entre Encarregados e postos de serviço demonstrou ser eficiente, pois a Encarregada do CEFID relatou sua utilização e não demonstrou muitas dificuldades de executar sua função mesmo tendo que fiscalizar Unidades fisicamente distantes. Ao trabalho dos funcionários terceirizados de copa e limpeza, que são os reais executores dos serviços que a empresa se comprometeu a prestar, as sugestões são: a) a empresa licitada precisa estabelecer critérios de seleção ou ainda proporcionar a qualificação de seus contratados; b) proporcionar também, em parceria com a UDESC, a motivação para o trabalho, evitando faltas injustificadas e problemas pessoais por questões financeiras, devido aos salários considerados baixos; c) a empresa licitada precisa também, em parceria com a UDESC, proporcionar com mais efetividade o esclarecimento aos seus funcionários de que tipo de trabalho estão prestando e em que tipo de instituição, suas finalidades, potencialidades e limitações. Ao trabalho dos Fiscais de Contrato, que representam a UDESC por meio do processo de fiscalização, as sugestões são: a) a UDESC deve proporcionar o treinamento antes da nomeação para a função de Fiscal de Contrato; b) o número de contratos sob responsabilidade de cada Fiscal precisa ser readequado para que seja eficiente; c) a cada nomeação o Fiscal precisa ter conhecimento de todo o processo que originou o contrato, desde a identificação das demandas, os editais e seus anexos, até os contratos e termos aditivos; d) organizar reuniões/encontros periódicos entre Fiscais de Contrato com a finalidade de trocar experiências, propor soluções a problemas e sintonizar as atividades. 47

49 Aos demais servidores da UDESC, a sugestão é de que a instituição proporcione com mais efetividade o esclarecimento dos preceitos para garantir a licitude da contratação e execução de serviços por meio da Terceirização, evitando a subordinação e a hierarquização, no entanto, sem limitar a convivência amistosa entre esses atores. Por último, mas não menos importante, cabe a consideração de que foi possível observar uma evolução na elaboração dos editais de licitação para a contratação de serviços terceirizados de limpeza e copeiragem na UDESC, incluindo a previsão de Fiscais para cada Centro e Encarregados para a mediação da relação com os postos de serviço, mas apesar disso, existem ainda apontamentos de que nem sempre os quantitativos estipulados e as regras definidas correspondem às necessidades de todos os Centros de Ensino. 5 RELATO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO ESTÁGIO I E II O assunto estudado durante os Estágios I e II foi a Terceirização de Serviços de Limpeza e Copeiragem no Campus I da UDESC. As atividades do Estágio I foram realizadas no período de 19/03/2012 até 04/05/2012, com uma carga horária de 6 (seis) horas diárias, totalizando 180 (cento e oitenta) horas. As atividades do Estágio II foram realizadas no período de 27/08/2012 até 08/10/2012, também com uma carga horária de 6 (seis) horas diárias, totalizando 180 (cento e oitenta) horas. A primeira atividade desenvolvida foi a elaboração do Plano de Estágio I. Foi necessário pesquisar o histórico da UDESC, seus objetivos, missão, visão, valores, regulamentos internos e estrutura organizacional, fazendo assim, uma caracterização geral da instituição. A caracterização da CAD, setor onde o Estágio foi realizado, e descrição das atividades de sua competência também fizeram parte dessa primeira etapa. O Plano de Estágio I ainda compreendeu uma abordagem inicial da demanda a ser estudada na organização, ou seja, dos contratos de Terceirização de Serviços de Limpeza e Copieragem no Campus I e a necessidade de fiscalização diária por parte dos técnicos administrativos designados para essa função. A partir dessa identificação da demanda, foram estipuladas as atividades necessárias para a 48

50 prática do Estágio I e um cronograma de execução. O resultado dessa etapa de planejamento consta no Apêndice L deste relatório. A primeira atividade estipulada pelo Plano de Estágio I foi a pesquisa bibliográfica. Para sua realização foi necessário traçar um roteiro dos assuntos que mereciam enfoque, buscar livros na biblioteca universitária e pesquisar a legislação que ampara os processos licitatórios de terceirização de serviços de limpeza e copeiragem na UDESC. O referencial teórico-conceitual e legal foi escrito contemplando os principais conceitos, legislação vigente, regulamentação e jurisprudências sobre Administração Pública, Licitações, Contratos Administrativos e Terceirização. O resultado dessa etapa compreende o tópico 3.1 deste relatório. A segunda atividade estipulada pelo Plano de Estágio I foi a realização de pesquisa documental tendo como fonte os processos licitatórios realizados entre 2005 e 2012 que tiveram como objeto a contratação de empresas especializadas em serviços de limpeza e copeiragem no âmbito do Campus I da UDESC, bem como os contratos de terceirização firmados a partir desses processos de licitação. Foram levantados dados desde a modalidade de licitação realizada e a legislação que fundamentou cada processo e contrato, até as quantidades de postos contratados, regras estipuladas nos editais para a execução dos serviços contratados, a forma de fiscalização estabelecida e a previsão de representantes das empresas. O resultado dessa etapa constitui o tópico 3.2 deste relatório. O planejamento inicial previu mais atividades do que foi possível executar no decorrer das horas do Estágio I. O tempo necessário para a pesquisa bibliográfica e pesquisa documental, formando o diagnóstico da situação problema, foi de cinco semanas e não três como havia sido programado. Diante dessa situação, as atividades foram reorganizadas e a proposta de elaboração de instrumento para realizar a coleta de dados com os fiscais de contrato foi incluída na proposta de intervenção para a realização do Estágio II. As últimas três semanas do Estágio I foram utilizadas para o diálogo com a Professora Orientadora e com o Supervisor de Campo a fim de sanar as dúvidas existentes quanto à legislação e conceitos, proporcionando a organização e formatação do material até então pesquisado, a redação da proposta de intervenção e a programação de suas atividades. 49

51 O Estágio II iniciou no segundo semestre e se constituiu de quatro momentos distintos. A primeira atividade realizada foi a atualização dos dados da pesquisa documental anterior. Esta ação foi necessária em função da assinatura de dois termos aditivos ao último contrato de serviços terceirizados e que mudava a situação diagnosticada. O resultado dessa etapa constitui o item 4.1 deste relatório e teve duração de aproximadamente uma semana. A segunda atividade desenvolvida foi a observação e descrição do processo de fiscalização da execução diária do contrato de limpeza e copeiragem, específicamente na Reitoria da UDESC, realizada pelo Fiscal nomeado do Setor de Serviços de Apoio (SEAP) da Coordenadoria de Administração e Suporte (CAD). A duração dessa etapa foi de duas semanas e consta no item 4.2 do relatório, além dos anexos relacionados. Em um terceiro momento foram realizadas entrevistas com os Encarregados contratados e com os Fiscais de Contarto. Essa atividade demandou dedicação para a elaboração das questões e para o contato com as pessoas responsáveis de cada função. A coleta e tratamento de dados qualitativos não foi uma tarefa simples, pois a variedade de informações dificultou a sua análise. O resultado dessa etapa se apresenta no item 4.3 do relatório e ainda nos apêndices relacionados, com a íntegra das informações fornecidas pelos pesquisados. Por último foi realizada a redação de considerações e sugestões de melhorias às práticas observadas fundamentada em todas as etapas anteriores, incluindo as dos Estágios I e II. O objetivo foi de proporcionar à UDESC a possibilidade de ter um norteador e um ponto de partida para a tomada de decisão para ações futuras em relação à contratação de serviços terceirizados. Após a finalização do período oficial do Estágio II, o tempo foi utilizado para o diálogo com a Professora Orientadora e a organização e formatação do material até então pesquisado e o relato de todas as atividades. 6 AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ESTÁGIO NO QUE SE REFERE À INTERVENÇÃO REALIZADA O processo de Estágio tem a finalidade de proporcionar ao discente a correlação entre a teoria e a prática para o ingresso na sua futura profissão. 50

52 Ao estudante do Curso de Administração Pública cabe a observação da prática administrativa numa organização que tem finalidades expressas de compromisso com o interesse público, além da reflexão a partir da fundamentação da teoria, proporcionando o aprendizado e a contribuição para atingir os objetivos tanto acadêmicos quanto da instituição e seus serviços prestados à população catarinense. A instituição se demonstrou receptiva e disposta a contribuir para o aprendizado. Toda a documentação necessária para a pesquisa esteve sempre à disposição para consulta e o relacionamento no ambiente de trabalho foi de parceria. A principal dificuldade encontrada foi com relação ao tempo, pois trata-se de uma experiência que exige dedicação para conciliar a teoria vista em sala de aula e a prática profissional, além de ser necessário dar continuidade às outras disciplinas curriculares concomitantemente. É importante destacar que a realização das 360 (trezentos e sessenta) horas de Estágio I e II foram imprescindíveis para a comprovação de que os conteúdos ministrados durante o curso de Administração Pública se completam com a experiência profissional. Foi fundamental o contato com a prática numa instituição pública, que precisa estar atenta à legislação e às normas vigentes e em sintonia com seus objetivos e políticas, pensando suas ações sempre em função de proporcionar o acesso da sociedade do estado catarinense ao ensino superior de qualidade. 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS O objetivo deste trabalho foi apresentar as atividades desenvolvidas durante os Estágios Curriculares I e II, disciplinas integrantes do Curso de Administração Pública. É importante ressaltar que não tratou-se de um estudo com a finalidade de encerrar as discussões sobre o tema da Terceirização, mas sim de provocar o início de uma reflexão acerca de um amplo conjunto de variáveis que por vezes não são percebidas no cotidiano das práticas administrativas da instituição. Muito ainda há de ser estudado e disseminar esse trabalho entre os demais servidores da UDESC pode ser a semente para encorajá-los a futuras descobertas. 51

53 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALMEIDA, A. V. V. de. A terceirização na Administração Pública: as vantagens e o ônus da fiscalização. Zênite Consultoria Jurídica. 03 set Disponível em: < Acesso em: 23 maio BORSZCZ, Iraci et al. Manual para elaboração de trabalhos acadêmicos da UDESC: tese, dissertação, trabalho de conclusão de curso e relatório de estágio. Universidade do Estado de Santa Catarina. 3. ed. Florianópolis: UDESC, p. BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 19 mar BRASIL. Lei nº 8.666, de 21 de junho de Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Diário Oficial da União, 22 jun. 1993, republicado em 6 jul e retificado em 6 jul Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8666cons.htm>. Acesso em: 19 mar BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instrução Normativa nº 02, de 30 de abril de Dispõe sobre regras e diretrizes para a contratação de serviços, continuados ou não. Diário Oficial da União, 23 maio Disponível em: <http://www010.dataprev.gov.br/sislex/paginas/38/mpog/2008/2.htm> Acesso em: 23 maio BRASIL. Tribunal de Contas da União. Licitações e Contratos: orientações e jurisprudência do TCU. 4 ed. Resvista e empliada. Brasília, p Disponível em: < Acesso em: 26 mar MADEIRA, José Maria Pinheiro. Administração Pública. 11. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, p. vol I. MARTINS, Sergio Pinto. A Terceirização e o Direito do Trabalho. 8. ed. rev. aum. São Paulo: Atlas, p. MEIRELLES, Hely Lopes et al. Direito Administrativo Brasileiro. 36. ed. São Paulo: Malheiros, p. Plano 20: planejamento estratégico Universidade do Estado de Santa Catarina Florianópolis: UDESC, p. Disponível em: <http://www.udesc.br/?id=429>. Acesso em: 21 mar SANTA CATARINA. Decreto nº 4.184, de 06 de abril de Aprova o Estatuto da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC e estabelece outras providências. Diário Oficial do Estado de Santa Catarina, 6 abr Disponível em: <http://www.pge.sc.gov.br>. Acesso em: 20 mar

54 SANTA CATARINA. Decreto nº 2.617, de 16 de setembro de Aprova o Regulamento Geral para Contratação de Materiais, Serviços, Obras e Serviços de Engenharia, no âmbito do Sistema Administrativo de Gestão de Materiais e Serviços - SAGMS, e estabelece outras providências. Diário Oficial do Estado de Santa Catarina, 16 set Disponível em: Acesso em: 13 maio SANTA CATARINA. Lei Complementar nº 381, de 07 de maio de Dispõe sobre o modelo de gestão e a estrutura organizacional da Administração Pública Estadual. Diário Oficial do Estado de Santa Catarina, 07 maio Disponível em: <http://www.alesc.sc.gov.br> Acesso em: 13 maio SANTA CATARINA. UDESC. Conselho Universitário. Resolução nº 044 de 1º junho de Disponível em: <http://www.udesc.br/?id=424>. Acesso em: 20 mar SANTA CATARINA. UDESC. Pró-Reitoria de Planejamento. Instrução Normativa nº 008, 13 de dezembro de Disponível em: < Acesso em: 19 maio SANTA CATARINA. UDESC. Pró-Reitoria de Planejamento. Instrução Normativa nº 003, 25 de julho de Disponível em: < Acesso em: 01 out UDESC. Universidade do Estado de Santa Catarina. Disponível em: <www.udesc.br>. Acesso em: 20 mar VIEIRA, Antonieta Pereira et al. Gestão de Contratos de Terceirização na Administração Pública: teoria e prática. 3. ed. rev. aum. Belo Horizonte: Fórum, p. 53

55 ANEXO A Quadro de Distribuição dos Postos de Serviço Concorrência nº 003/2005 Quantitativo: 50 (cinqüenta) profissionais Serventes para exercer suas funções de segunda à sextafeira, 08h diárias, conforme tabela a seguir: LOCAL Av. Madre Benvenuta, Itacorubi CEP: Florianópolis - SC - Brasil Av. Madre Benvenuta, Itacorubi CEP: Florianópolis - SC - Brasil Rua Paschoal Simone, 358 Coqueiros -CEP: Florianópolis - SC - Brasil Av. Madre Benvenuta, Itacorubi CEP: Florianópolis - SC - Brasil Rua Visconde de Ouro Preto, Centro CEP: Florianópolis - SC Brasil Rua Saldanha Marinho, 47 - Centro CEP: Florianópolis SC Brasil Av. Madre Benvenuta, Itacorubi CEP: Florianópolis - SC Brasil Av. Madre Benvenuta, Itacorubi CEP: Florianópolis - SC - Brasil Av. Madre Benvenuta, Itacorubi CEP: Florianópolis - SC - Brasil Rua Paschoal Simone, 358 Coqueiros -CEP: Florianópolis - SC - Brasil Rua Visconde de Ouro Preto, Centro CEP: Florianópolis - SC Brasil Rua Saldanha Marinho, 47 - Centro CEP: Florianópolis SC Brasil Av. Madre Benvenuta, Itacorubi CEP: Florianópolis - SC - Brasil Av. Madre Benvenuta, Itacorubi CEP: Florianópolis - SC - Brasil Av. Madre Benvenuta, Itacorubi CEP: Florianópolis - SC - Brasil Av. Madre Benvenuta, Itacorubi CEP: Florianópolis - SC - Brasil Rua Paschoal Simone, 358 Coqueiros -CEP: Florianópolis - SC - Brasil Av. Madre Benvenuta, Itacorubi CEP: Florianópolis - SC - Brasil DETALHAMENTO / QUANTIDADE SERVIÇO CARGA HORÁRIA UNIDADE QTDE. SERVENTE 08 horas CEAD 4 SERVENTE 08 horas CEART 12 SERVENTE 08 horas CEFID 10 SERVENTE 08 horas ESAG 7 SERVENTE 08 horas DAPE 5 SERVENTE 08 horas FAED 6 SERVENTE 08 horas REITORIA 6 COPA 08 horas CEAD 1 COPA 08 horas CEART 1 COPA 08 horas CEFID 1 COPA 08 horas DAPE 1 COPA 08 horas FAED 1 COPA 08 horas ESAG 1 COPA 08 horas REITORIA 3 ZELADORIA 08 horas CEAD 2 ZELADORIA 08 horas CEART 2 ZELADORIA 08 horas CEFID 2 ZELADORIA 08 horas ESAG 3 Rua Saldanha Marinho, 47 - Centro CEP: ZELADORIA 08 horas FAED Florianópolis - SC Brasil Av. Madre Benvenuta, Itacorubi CEP: Florianópolis - SC - Brasil ZELADORIA 08 horas REITORIA 4 54

56 TOTAL 73 PLANO DE TRABALHO - SERVENTES Serviços Diários Retirada de papéis dos cestos e detritos de lixo em geral existentes na área; Remover o pó das mesas, telefones, armários, arquivos, prateleiras, peitoris, caixilhos das janelas, bem como dos demais móveis existentes, inclusive aparelhos elétricos, extintores de incêndio etc; Limpar/lavar azulejos, espelhos, bacias, assentos, cinzeiros, pias e pisos dos sanitários com produtos desinfetantes; Varrer pisos e aspirar as áreas acarpetadas, removendo os detritos acondicionandoos apropriadamente e retirando-os para local indicado pela contratante; Remover manchas e lustrar as áreas enceradas; Passar pano úmido e polir os pisos; Limpar os elevadores com produto adequado; Limpar e remover o pó de capachos e tapetes; Executar outros serviços correlatos de freqüência diária. Serviços Semanais Limpar atrás dos móveis, armários e arquivos; Limpar divisórias, portas, corrimões, barras e batentes com produto adequado; Limpar bebedouros; Encerar/lustrar todos mobiliários envernizados e batentes com produto adequado; Limpar as forrações de couro e plástico em assentos e poltronas com produto adequado; Limpar todos os metais como: torneiras, válvulas, registros, sifões, fechaduras, etc, com produto adequado; Limpar telefones; Encerar/lustrar os pisos de madeira, paviflex, plurigoma e similares; Retirar o pó e resíduos dos quadros em geral; Executar demais serviços considerados necessários à freqüência semanal. Serviços Mensais Limpar/remover manchas de forros, paredes e rodapés; Remover o pó de cortinas e persianas com equipamentos e acessórios adequados; Executar demais serviços considerados necessários à freqüência mensal. Serviços Bimestrais Limpar todas as luminárias por dentro e por fora; Limpar todos os vidros externos, face interna e face externa, aplicando-lhes produtos anti-embaçantes; Executar demais serviços considerados necessários à freqüência bimestral. PLANO DE TRABALHO - ZELADORIA Serviços Diários Serviços de zeladoria em geral, tais como de manutenção elétrica básica, como troca de disjuntores, lâmpadas, serviços de hidráulica e pequenos reparos, transporte de móveis, equipamentos e mercadorias, além de outros pertinentes a função. PLANO DE TRABALHO - COPA: Serviços Diários Serviços de copa em geral, tais como preparação de café, chá, bem como, distribuição de água mineral, quando de reuniões, eventos nas dependências da UDESC, limpeza e conservação dos 55

57 materiais utilizados na preparação do café e do chá, limpeza geral do ambiente da copa, além de outros pertinentes a função. 1 INSTRUÇÕES GERAIS 1.1 Os serviços deverão ser exercidos por profissionais com comprovada habilitação e experiência, contratados pela licitante vencedora, que deverá garantir a adequada e plena execução de todas as atividades de forma permanente, conforme as necessidades da contratante; 1.2 Os serviços deverão ser prestados de acordo com as determinações da Contratante; 1.3 Os profissionais devem ser educados, apresentar-se corretamente vestidos / uniformizados, ter iniciativa, atender com presteza as solicitações e ser responsáveis para com as atividades que executam; 1.4 A contratante solicitará que seja afastado e substituído imediatamente do posto de serviço o profissional que não se portar convenientemente ou que não atender a execução dos serviços; 1.5 A contratada será responsabilizada por todo e qualquer dano que, por dolo ou culpa, os seus profissionais causarem a UDESC ou a terceiros, sendo descontado no primeiro pagamento subseqüente à ocorrência, o valor correspondente ao dano e/ou prejuízo causado; 1.6 A contratada deverá cumprir rigorosamente toda a legislação aplicável à execução dos serviços contratados, especialmente, a legislação trabalhista, previdenciária, fiscal, de segurança e medicina do trabalho; 1.7 A inclusão ou substituição de profissionais que exercerão os serviços é condicionada à prévia solicitação por escrito do preposto indicado pelo Titular da Contratante. 1.8 Os serviços deverão ser realizados conforme Plano de Trabalho; 1.9 O preço apresentado pelas licitantes para cada categoria profissional, deverá incluir todos os custos relacionados com a remuneração, encargos sociais incidentes sobre os serviços, além das despesas com fornecimento de uniformes, treinamento, todos os demais custos diretos e indiretos incidentes; 1.10 Nos serviços de zeladoria, independente da alocação do posto de trabalho, poderá haver a solicitação de deslocamento dos serviços, bem como, remanejamento dentro do Campus do Itacorubi Preço Máximo que a Administração se propõe a pagar: pelos serviços correspondentes aos Postos de Trabalho discriminados a seguir: a) Conservação e Limpeza, a Administração se propõe a pagar o valor máximo mensal de R$ ,00 (Setenta Mil Reais). b) Copa, a Administração se propõe a pagar o valor máximo mensal de R$ ,00 (Treze Mil Reais). c) Zeladoria, a Administração se propõe a pagar o valor máximo mensal de R$ ,00 (Vinte e Nove Mil Reais). * Considerados todos os serviços e demais componentes, a Administração se propõe a pagar o valor máximo mensal de R$ ,00 (Cento e Doze Mil Reais). 56

58 ANEXO B Memorial Descritivo Pregão nº 002/2010 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA, COPA, ZELADORIA E AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS PARA A REITORIA, CEART, ESAG, FAED, DAPE, CEAD, CEFID, CCT, CEPLAN E CEAVI. 1. METODOLOGIA Todos os colaboradores devem estar devidamente uniformizados, formados e habilitados para o perfeito exercício de suas atividades, atuando de forma a manter os padrões de limpeza e manutenções condizentes com esta Instituição, com uma supervisão ininterrupta, respeitando todos os horários definidos para os locais, devendo ter acompanhamento das ações e resultados. 2. HORÁRIO E EXECUÇÃO DAS TAREFAS Os serviços serão realizados diariamente, de forma ininterrupta, conforme determinação dos responsáveis técnicos (FISCAIS). 3. FORMA DE EXECUÇÃO DO SERVIÇO Os serviços almejados pela UDESC são: SERVIÇO DE LIMPEZA, ZELADORIA, COPA E AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS. 4. ESTRATÉGIA Deveram ser respeitadas as determinações exaradas pelos gestores nomeados pela UDESC, tanto na atuação Administrativa quanto Executiva (fiscal). Ademais, deverá ser encaminhado mensalmente ao Gestor de Administração do Contrato, relatório quanto à atuação da empresa contratada, constando os pontos positivos, pontos negativos e necessidades que não foram alcançadas. 5. AVALIAÇÃO E CONCLUSÃO Para a execução das diversas atividades necessárias ao cumprimento das competências determinadas pela UDESC, é necessária uma avaliação constante de todos os serviços executados, no sentido de se atingir o binômio eficiência x eficácia. Assim sendo, constantemente deveram ser tomadas ações corretivas de eventuais anomalias que ocorrerem durante a execução do contrato. 6. LOCAIS, NÚMERO DE POSTOS, FUNÇÕES E PERIODICIDADE 57

59 227. PLANO DE TRABALHO 7.1. PLANO DE TRABALHO - SERVENTES: Serviços Diários Retirada dos detritos de lixo encontrados nos cestos de lixo em geral existentes na área; Remover o pó das mesas, telefones, armários, arquivos, prateleiras, peitoris, caixilhos das janelas, bem como dos demais móveis existentes, divisórias, inclusive aparelhos elétricos, extintores de incêndio etc; Limpar/lavar azulejos, espelhos, bacias, assentos, cinzeiros, pias e pisos dos sanitários com produtos desinfetantes, bem como copos e talheres existentes nos setores; 58

60 Varrer pisos e aspirar as áreas acarpetadas, removendo os detritos e acondicionando-os apropriadamente e retirando-os para local indicado pela contratante; Remover manchas e lustrar as áreas enceradas; Passar pano úmido e polir os pisos; Limpar os elevadores com produto adequado; Limpar e remover o pó de capachos e tapetes; Executar outros serviços correlatos de freqüência diária Serviços Semanais Limpar atrás dos móveis, armários e arquivos; Limpar divisórias, portas, corrimões, barras e batentes com produto adequado; Limpar bebedouros; Encerar/lustrar todos mobiliários envernizados e batentes com produto adequado; Limpar as forrações de couro e plástico em assentos e poltronas com produto adequado; Limpar todos os metais como: torneiras, válvulas, registros, sifões, fechaduras, etc, com produto adequado; Limpar telefones; Encerar/lustrar os pisos de madeira, paviflex, plurigoma e similares; Retirar o pó e resíduos dos quadros em geral; Executar demais serviços considerados necessários à freqüência semanal Serviços Mensais Limpar/remover manchas de forros, paredes e rodapés; Remover o pó de cortinas e persianas com equipamentos e acessórios adequados; Executar demais serviços considerados necessários à freqüência mensal Serviços Bimestrais Limpar todas as luminárias por dentro e por fora; Limpar todos os vidros externos, face interna e face externa, aplicando-lhes produtos antiembaçantes, devendo ser observados os andares e equipamentos de segurança; Executar demais serviços considerados necessários à freqüência bimestral PLANO DE TRABALHO - ZELADORIA: Serviços Diários Serviços de zeladoria em geral, tais como de manutenção elétrica básica, como troca de interruptores, lâmpadas, serviços de hidráulica e pequenos reparos, transporte de móveis, equipamentos e mercadorias, além de outros pertinentes a função PLANO DE TRABALHO - COPA: Serviços Diários Serviços de copa em geral, tais como preparação de café, chá, bem como, distribuição de água mineral, quando de reuniões, eventos nas dependências da UDESC, limpeza e conservação dos materiais utilizados na preparação do café e do chá, limpeza geral do ambiente da copa, além de outros pertinentes a função Plano de trabalho Auxiliar de Serviços Gerais Serviços Diários Executar serviços de manutenção elétrica, mecânica, hidráulica, carpintaria e alvenaria, substituindo, trocando, limpando, reparando e instalando peças, componentes e equipamentos. Conservam vidros e fachadas, limpam recintos e acessórios e tratam de piscinas. Trabalham seguindo normas de segurança, higiene, qualidade e proteção ao meio ambiente. 59

61 Trabalhar na manutenção de edificações: Auxiliar de conservação de barragens, Auxiliar de conservação de obras civis, Auxiliar de manutenção predial, Auxiliar de serviços gerais (manutenção de edifícios), Oficial de manutenção, Oficial de manutenção predial, Oficial de serviços diversos, Oficial de serviços gerais, Trabalhador de manutenção de edifícios, Trabalhador na conservação de edifícios 8. INSTRUÇÕES GERAIS A. Os serviços deverão ser exercidos por profissionais com comprovada habilitação e experiência, contratados pela licitante vencedora, que deverá garantir a adequada e plena execução de todas as atividades de forma permanente, conforme as necessidades da contratante, atendendo todas as determinações de segurança com aplicação dos equipamentos de segurança e cursos de atualização funcional; B. Os serviços deverão ser prestados de acordo com as determinações da Contratante; C. Os profissionais devem ser educados, apresentar-se corretamente vestidos / uniformizados, ter iniciativa, atender com presteza as solicitações e ser responsáveis para com as atividades que executam; D. A contratante solicitará que seja afastado e substituído imediatamente do posto de serviço o profissional que não se portar convenientemente ou que não atender a execução dos serviços; E. A contratada será responsabilizada por todo e qualquer dano que, por dolo ou culpa, os seus profissionais causarem a UDESC ou a terceiros, sendo descontado no primeiro pagamento subseqüente à ocorrência, o valor correspondente ao dano e/ou prejuízo causado; F. A contratada deverá cumprir rigorosamente toda a legislação aplicável à execução dos serviços contratados, especialmente, a legislação trabalhista, previdenciária, fiscal, de segurança e medicina do trabalho; G. A inclusão ou substituição de profissionais que exercerão os serviços é condicionada à prévia solicitação por escrito do preposto indicado pelo Titular da Contratante. H. Os serviços deverão ser realizados conforme Plano de Trabalho; I. O preço apresentado pelas licitantes para cada categoria profissional, deverá incluir todos os custos relacionados com a remuneração, encargos sociais incidentes sobre os serviços, além das despesas com fornecimento de uniformes, treinamento, todos os demais custos diretos e indiretos incidentes; J. Nos serviços de zeladoria, independente da alocação do posto de trabalho, poderá haver a solicitação de deslocamento dos serviços, bem como, remanejamento dentro do Campus; K. Atender as determinações do CBO emitida pelo Ministério do Trabalho e Emprego. L. Na assinatura do contrato, apresentar registro no SEESMT (Serviço Especializado de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho). M. Para o pagamento das Notas Fiscais deverá ser apresentada Certidão Negativa de Débitos Salariais. 9. RESPONSÁVEIS TÉCNICOS, GESTORES DE ADMINISTRAÇÃO E EXECUÇÃO. CENTROS Gestor de Administração Gestor de Execução (fiscal) FAED Jarbas José Cardoso DAPE Jarbas José Cardoso CCT Ilson José Vitório CEPLAN Vinicius A. Perucci Agnaldo Vanderlei Arnoldo CEART Janete Milis Vieira CERES SAMBODRÓMO Rosana Aparecida Lobo Responsáveis Técnicos Vinicius A. Perucci e Alesson Amauri de Espíndola 60

62 CERES - CENTRO ESAG CEAD CEAD - CRICIÚMA CEAVI REITORIA CEFID Rosana Aparecida Lobo Sérgio Bittencourt Luiz Gonzaga Silvano Luiz Gonzaga Silvano José Carlos de Souza Alesson Amauri de Espíndola José Jorge Souza da Rosa 61

63 ANEXO C Memorial Descritivo Concorrência nº 1016/2011 Quadro de Quantitativos e Especificações Mínimas do(s) Lote(s) Lote Centros Periodicidade Cargos Postos 1 CENTRO DE ARTES - CEART: Av. Madre Benvenuta, 2007 Itacorubi Florianópolis- SC Obs.: Um dos zeladores terá como horário de trabalho com adicional noturno de 01 (uma) hora. CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA EDUCAÇÃO FAED: Av. Madre Benvenuta, 2007 Itacorubi Florianópolis- SC CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO ESAG: Av. Madre Benvenuta, 2007 Itacorubi Florianópolis- SC CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS CEFID: R. Pascoal Simone, 358 Coqueiros Florianópolis SC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DA FOZ DO ITAJAÍ - CESFI: Av. Central, 413 Centro Balneário Camboriú-SC COORDENADORIA DE ENSINO À DISTÂNCIA - CEAD: Av. Madre Benvenuta, 2007 Itacorubi Florianópolis- SC DIREÇÃO ASSISTENTE DE PESQUISA E EXTENSÃO DAPE: Rua Visconde de Ouro Preto, n. 457 Centro - Florianópolis- SC MUSEU DA ESCOLA CATARINENSE MESC: Saldanha Marinho, 196 Centro- Florianópolis REITORIA - CAD: Av. Madre Benvenuta, 2007 Itacorubi Florianópolis- SC REITORIA - Obras: Av. Madre Benvenuta, 2007 Itacorubi Florianópolis- SC Segunda a sextafeira Segunda a sextafeira ASG 4 Copa 1 Servente 10 Zelador 3 ASG 1 Copa 2 Zelador 1 Zelador 30h 1 Segunda a sábado Servente 44h 6 Segunda a sextafeira Segunda a sextafeira Segunda a sextafeira Segunda a sextafeira Segunda a sextafeira Segunda a sextafeira Segunda a sextafeira Segunda a sextafeira Copa 2 Servente 10 Zelador 4 ASG 2 Copa 1 Servente 14 Zelador 1 Limpador Piscina (LP) 1 ASG 1 Copa 1 Servente 8 Zelador 3 Copa 1 Servente 4 Zelador 2 Copa 1 Servente 2 Servente 2 Copa 2 Servente 10 ASG 5 Zelador 2 62

64 2 3 4 REITORIA - Anexo Santa Mônica: Rua Nirberto Hasse, 50 Santa Mônica Florianópolis SC ENCARREGADO Para a cidade de Florianópolis cfe lote I CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT: Campus Universitário Bairro Bom Retiro Joinville SC CENTRO DE EDUCAÇÃO DO PLANALTO NORTE - CEPLAN: Travessa Champagnat, s/n São Bento do Sul SC ENCARREGADO Para Joinville e São Bento do Sul CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DA REGIÃO SUL CERES: Av. Colombo Machado Salles, s/n e Rua Coronel Fernandes Martins, 270 Laguna - SC CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ - CEAVI: Rua Dr. Getúlio Vargas, 2822 Bela Vista Ibirama - SC Segunda a sextafeira Segunda a sextafeira Segunda a sextafeira Segunda a sextafeira Segunda a sextafeira Segunda a sextafeira Servente 2 Encarregado 2 ASG 4 Copa 2 Servente 34 Zelador 4 ASG 1 Copa 2 Servente 7 Zelador 1 Jardineiro 1 Encarregado 1 ASG 1 Servente 5 Zelador 1 Segunda a Sábado Zelador 44h 1 ASG 2 Segunda a Sexta Copa 1 Servente 5 Zelador 1 Todos os postos não identificados em relação à carga horária são relativos a 40 horas semanais. ENCARREGADO: Deverá ter a presença de no mínimo 03, sendo, 02 (dois) para o Lote I e 01 (hum) para o Lote 2. A presença do encarregado não exime a necessidade de indicação do preposto da Contratada. I DAS FUNÇÕES Atividades desempenhadas pelos cargos segundo a Classificação Brasileira de Ocupação - CBO: Servente A - EXECUTAR SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO ELÉTRICA E MECÂNICA (...) B - EXECUTAR MANUTENÇÃO HIDRÁULICA (...) B.3 - Limpar equipamentos hidráulicos (...) B.6 - Limpar filtros (...) B.9 - Desentupir ralos, pias e vasos sanitários D - LIMPAR RECINTOS E ACESSÓRIOS D.1 - Lavar fachadas D.2 - Limpar vidros D.3 - Remover resíduos dos vidros D.4 - Remover pichações 63

65 D.5 - Limpar móveis e equipamentos D.6 - Limpar superfícies (paredes, pisos, etc..) D.7 - Aspirar pó D.8 - Lavar pisos D.9 - Encerar pisos D.10 - Remover sujeira D.11 - Varrer pisos D.12 - Secar pisos D.13 - Passar pano D.14 - Limpar cortinas e persianas D.15 - Recolher lixo (...) F - PREPARAR TRABALHO F.1 - Controlar o estoque de material F.2 - Verificar validade de produtos químicos e de limpeza F.3 - Verificar qualidade de produtos químicos e de limpeza F.4 - Avaliar tipo de superfície a ser trabalhada F.5 - Avaliar grau de sujidade F.6 - Avaliar tipo de sujeira F.7 - Selecionar produtos e material F.8 - Preparar produtos F.9 - Diluir produtos (químicos e de limpeza) F.10 - Dosar produtos químicos F.11 - Solicitar equipamentos e materiais F.12 - Solicitar compra de produtos químicos e de limpeza G - TRABALHAR COM SEGURANÇA G.1 - Usar uniforme G.2 - Utilizar epi G.3 - Inspecionar local a ser trabalhado G.4 - Isolar área para manutenção e limpeza (...) G.8 - Operar equipamentos G.9 - Submeter-se a cursos de capacitação e qualificação Z - DEMONSTRAR COMPETÊNCIAS PESSOAIS Z.1 - Demonstra resistência física Z.2 - Demonstra paciência Z.3 - Trabalhar em equipe Z.4 - Demonstrar iniciativa Z.5 - Demonstrar prudência Z.6 - Demonstrar equilíbrio físico Z.7 - Reconhecer limitações pessoais Z.8 - Demonstrar capacidade de trabalhar em alturas Z.9 - Contornar situações adversas Z.10 - Demonstrar agilidade Z.11 - Demonstrar controle emocional Z.12 - Demonstrar destreza manual Zelador A - ZELAR PELA SEGURANÇA DAS PESSOAS E DO PATRIMÔNIO A.1 - Acender e apagar lâmpadas A.2 - Verificar fechamento de portas e janelas A.3 - Observar movimentação de pessoas nas redondezas (...) 64

66 A.5 - Controlar circulação de pessoas e veículos A.6 - Inspecionar veículos no estacionamento A.7 - Contatar proprietários de veículos com problemas A.8 - Socorrer pessoas presas no elevador A.9 - Controlar equipamentos e ferramentas do prédio A.10 - Relatar avarias nas instalações A.11 - Comunicar aos proprietários irregularidades nos apartamentos A.12 - Prevenir incêndios A.13 - Inspecionar hidrantes, mangueiras e extintores (...) A.15 - Regar as plantas A.16 - Controlar nível de água da caixa d água A.17 - Isolar área do prédio para reforma A.18 - Limpar piscinas A.19 - Conter tumultos A.20 - Conduzir pessoas à delegacia A.21 - Acionar polícia e corpo de bombeiros B - ATENDER PESSOAS B.1 - Identificar pessoas B.2 - Atender funcionários das empresas de água, luz, telefone e tv a cabo B.3 - Informar às pessoas sobre regulamento interno do prédio (...) B.5 - Autorizar empresas a fazer manutenção no prédio B.6 - Acompanhar a movimentação de pessoas B.7 - Confirmar autorização para uso do apartamento B.8 - Prestar informações às pessoas sobre o comércio local B.9 - Informar sobre meios de transporte B.10 - Transmitir problemas à administradora B.11 - Comunicar aos condôminos sobre consertos no prédio B.12 - Requisitar transporte às pessoas B.13 - Solicitar polícia, corpo de bombeiros e atendimento hospitalar C - RECEBER MERCADORIAS, MATERIAIS E EQUIPAMENTOS C.1 - Verificar as notas fiscais das mercadorias C.2 - Examinar o estado das mercadorias e equipamentos C.3 - Classificar objetos recebidos (volumes e correspondências) C.4 - Distribuir as correspondências nos apartamentos C.5 - Receber entregas de alimentos para os condôminos C.6 - Acompanhar a entrega de produtos comprados pelos condôminos D - DIRIGIR O ELEVADOR D.1 - Vistoriar o funcionamento do elevador D.2 - Limpar o elevador D.3 - Preparar o elevador para funcionamento manual ou automático D.4 - Limitar a quantidade e peso das pessoas e mercadorias no elevador D.5 - Movimentar o elevador através de botão ou alavanca D.6 - Informar defeitos no elevador D.7 - Interromper o funcionamento do elevador quando houver defeito E - REALIZAR PEQUENOS REPAROS E.1 - Verificar o funcionamento de bombas d água E.2 - Solicitar conserto do equipamento de circuito fechado de tv, antena de tv e interfones E.3 - Trocar torneiras e fusíveis E.4 - Solicitar a limpeza de fossas e de caixa d água E.5 - Reparar portões 65

67 E.6 - Reparar telhados E.7 - Substituir fechaduras E.8 - Solicitar conserto de fechaduras E.9 - Trocar interruptor e lâmpadas do elevador E.10 - Retocar pinturas do prédio Auxiliar de Serviços Gerais (ASG) A - EXECUTAR SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO ELÉTRICA E MECÂNICA A.1 - Verificar funcionamento de equipamentos e instalações elétricas e de iluminação A.2 - Reparar equipamentos de iluminação A.3 - Reparar instalação elétrica A.4 - Relatar avarias nas instalações A.5 - Fazer instalação elétrica A.6 - Trocar instalação elétrica A.7 - Trocar equipamentos de iluminação A.8 - Instalar equipamentos elétricos A.9 - Instalar equipamentos de iluminação A.10 - Soldar objetos B - EXECUTAR MANUTENÇÃO HIDRÁULICA B.1 - Classificar equipamentos e tubulação B.2 - Verificar funcionamento de instalação hidráulica B.3 - Limpar equipamentos hidráulicos B.4 - Consertar instalação hidráulica B.5 - Trocar instalação hidráulica B.6 - Limpar filtros B.7 - Trocar areia do filtro B.8 - Trocar filtros B.9 - Desentupir ralos, pias e vasos sanitários C - REALIZAR MANUTENÇÃO DE CARPINTARIA E ALVENARIA C.1 - Vedar fendas e emendas C.2 - Reparar trincas e rachaduras C.3 - Impermeabilizar superfícies C.4 - Recuperar pinturas C.5 - Repor cerâmica (azulejos, pastilhas e pisos) C.6 - Recolocar pastilhas ou litocerâmica C.7 - Consertar móveis C.8 - Substituir portas C.9 - Ajustar portas e janelas C.10 - Reparar divisórias C.11 - Consertar forros D - LIMPAR RECINTOS E ACESSÓRIOS D.1 - Lavar fachadas D.2 - Limpar vidros D.3 - Remover resíduos dos vidros D.4 - Remover pichações D.5 - Limpar móveis e equipamentos D.6 - Limpar superfícies (paredes, pisos, etc..) D.7 - Aspirar pó D.8 - Lavar pisos D.9 - Encerar pisos D.10 - Remover sujeira D.11 - Varrer pisos D.12 - Secar pisos 66

68 D.13 - Passar pano D.14 - Limpar cortinas e persianas D.15 - Recolher lixo E - TRATAR PISCINAS E.1 - Aspirar fundo da piscina E.2 - Medir ph, cloro, dureza e alcalinidade da água E.3 - Avaliar turbidez e cor da água E.4 - Adicionar produtos químicos a água E.5 - Esfregar borda, paredes e fundo da piscina E.6 - Peneirar água da piscina E.7 - Registrar parâmetros de qualidade da água E.8 - Medir temperatura da água E.9 - Verificar nível da água E.10 - Cobrir piscina F - PREPARAR TRABALHO F.1 - Controlar o estoque de material F.2 - Verificar validade de produtos químicos e de limpeza F.3 - Verificar qualidade de produtos químicos e de limpeza F.4 - Avaliar tipo de superfície a ser trabalhada F.5 - Avaliar grau de sujidade F.6 - Avaliar tipo de sujeira F.7 - Selecionar produtos e material F.8 - Preparar produtos F.9 - Diluir produtos (químicos e de limpeza) F.10 - Dosar produtos químicos F.11 - Solicitar equipamentos e materiais F.12 - Solicitar compra de produtos químicos e de limpeza G - TRABALHAR COM SEGURANÇA G.1 - Usar uniforme G.2 - Utilizar epi G.3 - Inspecionar local a ser trabalhado G.4 - Isolar área para manutenção e limpeza G.5 - Montar andaime G.6 - Montar balancim G.7 - Montar cadeirinha G.8 - Operar equipamentos G.9 - Submeter-se a cursos de capacitação e qualificação Z - DEMONSTRAR COMPETÊNCIAS PESSOAIS Z.1 - Demonstra resistência física Z.2 - Demonstra paciência Z.3 - Trabalhar em equipe Z.4 - Demonstrar iniciativa Z.5 - Demonstrar prudência Z.6 - Demonstrar equilíbrio físico Z.7 - Reconhecer limitações pessoais Z.8 - Demonstrar capacidade de trabalhar em alturas Z.9 - Contornar situações adversas Z.10 - Demonstrar agilidade Z.11 - Demonstrar controle emocional Z.12 - Demonstrar destreza manual Copeira A - SERVIR O CLIENTE 67

69 (...) A.6 - Servir aperitivos A.7 - Servir bebidas A.8 - Servir o vinho (...) A.11 - Servir bandeja A.12 - Posicionar a mesa para o paciente A.13 - Servir pratos (...) A.16 - Completar o bufê (buffet) A.17 - Servir queijos A.18 - Servir sobremesas A.19 - Servir chá, café, licores e digestivos (...) B - ATENDER O CLIENTE B.1 - Recepcionar o cliente B.2 - Informar previsão de tempo de espera (...) B.4 - Acompanhar o cliente à mesa B.5 - Questionar as preferências do cliente B.6 - Dar sugestões B.7 - Descrever os pratos B.8 - Esclarecer as dúvidas do cliente B.9 - Fornecer informações ao cliente B.10 - Atender reclamações do cliente C - MONTAR PRAÇA, CARRINHO, MESA, BALCÃO, BAR C.1 - Organizar estrutura de apoio (montar mise-en-place) C.2 - Providenciar gelo C.3 - Selecionar produtos (limpeza e outros) C.4 - Selecionar talheres C.5 - Escolher louça C.6 - Selecionar copos C.7 - Montar kits de descartáveis (guardanapos, talheres, sal) C.8 - Passar o enxoval de mesa (toalha, guardanapo etc) C.9 - Dobrar guardanapos C.10 - Forrar a bandeja C.11 - Montar a mesa, bandeja, balcão e bar C.12 - Decorar a mesa C.13 - Montar o carrinho C.14 - Selecionar alimentos e bebidas (ab) C.15 - Repor o material de apoio (fazer ménage) C.16 - Repor aparadores e guéridons C.17 - Repor bebidas em geral C.18 - Substituir cinzeiros C.19 - Substituir cobre-manchas D - ORGANIZAR O TRABALHO D.1 - Conferir ordem de serviço D.2 - Conferir a dieta D.3 - Verificar a lista de reserva D.4 - Verificar a quantidade e disponibilidade de produtos D.5 - Verificar material de trabalho (utensílios e equipamentos) D.6 - Requisitar utensílios, equipamentos e produtos de limpeza 68

70 D.7 - Verificar estoque de bebidas e alimentos D.8 - Controlar prazo e data de validade de alimentos e bebidas (...) D.10 - Controlar sobras e perdas D.11 - Controlar desperdícios (...) D.13 - Verificar cumprimento das normas sanitárias D.14 - Verificar segurança do local de trabalho E - PREPARAR ALIMENTOS E BEBIDAS (ENTRADAS, SALADAS, DRINKS ETC) E.1 - Colocar bebidas para gelar E.2 - Descongelar alimentos E.3 - Cortar frutas para decoração E.4 - (...) E.5 - Preparar canapés E.6 - (...) E.7 - (...) E.8 - (...) E.9 - Preparar sucos E.10 - Preparar sanduíches E.11 - Preparar frutas E.12 - (...) E.13 - (...) E.14 - Observar o ponto de cozimento dos alimentos E.15 - Observar a apresentação dos pratos E.16 - Aquecer a comida E.17 - Fazer serviço de réchaud E.18 - (...) E.19 - Preparar o café E.20 - (...) F - DESMONTAR A PRAÇA G.1 - Desmontar o carrinho G.2 - Desmontar mesas G.3 - Recolher as bandejas G.4 - Recolher louça, talheres, copos G.5 - Guardar louças, copos e prataria G.6 - (...) G.7 - Tirar toalhas G.8 - Guardar produtos G.9 - Arrumar o espaço G.10 - Inventariar bebidas consumidas G.11 - Inventariar o material (louças, pratarias, enxoval de mesa) G.12 - (...) G - HIGIENIZAR UTENSÍLIOS E EQUIPAMENTOS H.1 - Lavar utensílios H.2 - Limpar prataria H.3 - Secar a louça e prataria H.4 - Esterilizar instrumentos e materiais H.5 - Limpar equipamentos de refrigeração H.6 - (...) H.7 - (...) H.8 - Limpar equipamentos em geral H.9 - Limpar balcão e bancada 69

71 H.10 - Limpar bandejas e carrinho H.11 - Retirar restos de comida H.12 - Limpar mesa H.13 - Separar lixo H.14 - Limpar o chão H.15 - Destinar o lixo Z - DEMONSTRAR COMPETÊNCIAS PESSOAIS Z.1 - Manter-se disciplinado Z.2 - Cuidar da aparência e higiene pessoal Z.3 - Contornar situações adversas Z.4 - Demonstrar cordialidade Z.5 - Cultivar a sensibilidade Z.6 - Cultivar ética profissional Z.7 - Manter-se dinâmico Z.8 - Demonstrar paciência Z.9 - Demonstrar educação Z.10 - Participar de treinamentos e cursos Z.11 - Lidar com estresse Z.12 - Manter-se atualizado Z.13 - Discriminar sabores, odores e cores Z.14 - Ler periódicos e jornais relativos à área Z.15 - Demonstrar capacidade de organização Z.16 - Manter-se atento Z.17 - Demonstrar discrição Z.18 - Sugerir melhorias Z.19 - Manter equilíbrio emocional Z.20 - Demonstrar habilidades básicas em informática Z.21 - Desenvolver conhecimento técnico da área Z.22 - Demonstrar criatividade Z.23 - Ouvir atentamente (saber ouvir) Z.24 - Participar de eventos profissionais Z.25 - Demonstrar noções de outros idiomas (inglês, espanhol) Z.26 - Participar de concursos Z.27 - Frequentar associações de classes e grupos técnicos Auxiliar de Serviços Gerais (ASG) - Limpador de Piscina A - EXECUTAR SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO ELÉTRICA E MECÂNICA A.1 - Verificar funcionamento de equipamentos e instalações elétricas e de iluminação A.2 - Reparar equipamentos de iluminação A.3 - Reparar instalação elétrica A.4 - Relatar avarias nas instalações A.5 - Fazer instalação elétrica A.6 - Trocar instalação elétrica A.7 - Trocar equipamentos de iluminação A.8 - Instalar equipamentos elétricos A.9 - Instalar equipamentos de iluminação A.10 - Soldar objetos B - EXECUTAR MANUTENÇÃO HIDRÁULICA B.1 - Classificar equipamentos e tubulação B.2 - Verificar funcionamento de instalação hidráulica B.3 - Limpar equipamentos hidráulicos B.4 - Consertar instalação hidráulica B.5 - Trocar instalação hidráulica 70

72 B.6 - Limpar filtros B.7 - Trocar areia do filtro B.8 - Trocar filtros B.9 - Desentupir ralos, pias e vasos sanitários C - REALIZAR MANUTENÇÃO DE CARPINTARIA E ALVENARIA C.1 - Vedar fendas e emendas C.2 - Reparar trincas e rachaduras C.3 - Impermeabilizar superfícies C.4 - Recuperar pinturas C.5 - Repor cerâmica (azulejos, pastilhas e pisos) C.6 - Recolocar pastilhas ou litocerâmica C.7 - Consertar móveis C.8 - Substituir portas C.9 - Ajustar portas e janelas C.10 - Reparar divisórias C.11 - Consertar forros D - LIMPAR RECINTOS E ACESSÓRIOS D.1 - Lavar fachadas D.2 - Limpar vidros D.3 - Remover resíduos dos vidros D.4 - Remover pichações D.5 - Limpar móveis e equipamentos D.6 - Limpar superfícies (paredes, pisos, etc..) D.7 - Aspirar pó D.8 - Lavar pisos D.9 - Encerar pisos D.10 - Remover sujeira D.11 - Varrer pisos D.12 - Secar pisos D.13 - Passar pano D.14 - Limpar cortinas e persianas D.15 - Recolher lixo E - TRATAR PISCINAS E.1 - Aspirar fundo da piscina E.2 - Medir ph, cloro, dureza e alcalinidade da água E.3 - Avaliar turbidez e cor da água E.4 - Adicionar produtos químicos a água E.5 - Esfregar borda, paredes e fundo da piscina E.6 - Peneirar água da piscina E.7 - Registrar parâmetros de qualidade da água E.8 - Medir temperatura da água E.9 - Verificar nível da água E.10 - Cobrir piscina F - PREPARAR TRABALHO F.1 - Controlar o estoque de material F.2 - Verificar validade de produtos químicos e de limpeza F.3 - Verificar qualidade de produtos químicos e de limpeza F.4 - Avaliar tipo de superfície a ser trabalhada F.5 - Avaliar grau de sujidade F.6 - Avaliar tipo de sujeira F.7 - Selecionar produtos e material F.8 - Preparar produtos 71

73 F.9 - Diluir produtos (químicos e de limpeza) F.10 - Dosar produtos químicos F.11 - Solicitar equipamentos e materiais F.12 - Solicitar compra de produtos químicos e de limpeza G - TRABALHAR COM SEGURANÇA G.1 - Usar uniforme G.2 - Utilizar epi G.3 - Inspecionar local a ser trabalhado G.4 - Isolar área para manutenção e limpeza G.5 - Montar andaime G.6 - Montar balancim G.7 - Montar cadeirinha G.8 - Operar equipamentos G.9 - Submeter-se a cursos de capacitação e qualificação Z - DEMONSTRAR COMPETÊNCIAS PESSOAIS Z.1 - Demonstra resistência física Z.2 - Demonstra paciência Z.3 - Trabalhar em equipe Z.4 - Demonstrar iniciativa Z.5 - Demonstrar prudência Z.6 - Demonstrar equilíbrio físico Z.7 - Reconhecer limitações pessoais Z.8 - Demonstrar capacidade de trabalhar em alturas Z.9 - Contornar situações adversas Z.10 - Demonstrar agilidade Z.11 - Demonstrar controle emocional Z.12 - Demonstrar destreza manual ENCARREGADO É o responsável designado formalmente pela contratada para o controle efetivo dos funcionários terceirizados. Sua presença visa impedir qualquer forma de hierarquia entre os funcionários terceirizados com a contratante, sendo sua função: - organizar: equipes, escalas, deslocamentos necessários, documentos obrigatórios, apresentação de funcionários volantes e dentre outras necessidades para execução condizente com as normas do edital; - controlar: horário, execução de serviço, qualidade dos serviços, utilização de EPI s, uso de uniforme, reposição de faltantes e demais necessidades para execução condizente com as normas do edital; - planejar: ações de trabalho, capacitações, atuação das equipes, permite controle apropriado; serviços entregues conforme requisitos exigidos; coordenação das interfaces das ações; resolução antecipada de problemas e conflitos; deve propiciar um grau mais elevado de acertividade nas tomadas de decisão e demais necessidades para execução condizente com as normas do edital; - instruir: as ações da equipe, formas de apresentação e trabalho, escalas, deslocamentos, execução dos serviços, atuação dos funcionários volantes e demais necessidades para execução condizente com as normas do edital; - direção: função mediante a qual o encarregado fará com que seus subordinados executem o que foi planejado, transmitir os planos aos subordinados e estimulá-los de maneira a despertar-lhes a motivação para que atinjam os objetivos e metas predeterminadas. Emitir relatório: Relatório de Ausências, Formulários de Ocorrências, Relatório de ações e outros necessário para execução condizente com as normas do edital; O encarregado deve resolver os problemas detectados no andamento dos serviços e apresentar as soluções, bem como preencher formulário de ocorrências, conforme modelo. 72

74 - O gestor do contrato, indicado pelo órgão ou entidade contratante, quando detectar qualquer problema na prestação dos serviços, deve comunicar ao encarregado da contratada para que este tome as medidas necessárias, resolvendo a questão. - O encarregado, como representante da empresa, é o responsável por emitir ordens diretas aos funcionários, evitando, assim, a caracterização de subordinação entre contratante e os funcionários da contratada. - Realizar a fiscalização e reportar ao Gestor do Contrato indicado pela UDESC sobre os serviços executados. * Encarregados para o Campus I - Florianópolis Quantidade: 02 postos Periodicidade: Segunda a Sexta-Feira, podendo ser solicitada a sua presença em finais de semana quando houver demanda. Horário: Diurno * Encarregado para o Joinville/São Bento do Sul Quantidade: 01 posto Periodicidade: Segunda a Sexta-Feira, podendo ser solicitada a sua presença em finais de semana quando houver demanda. Horário: Diurno Obs.: Poderão ser estabelecidos outros relatórios pela Administração Pública a ser preenchido pelos Encarregados, devendo inclusive cumprir as datas estabelecidas para entrega dos mesmos. Formulário de ocorrências e/ou correções dos serviços CONTRANTE: CONTRATADA: Nº Contrato: Mês: Postos de trabalho: Dia Ocorrência observada e/ou correção solicitada: Data e visto do encarregado: Foram tomadas providências? Quais providências? Necessidade de glosar despesa? Observações do encarregado da contratada: Data: / / Gestor/Fiscal dos Contratos Encarregado da Contratada JARDINEIRO A - COLHER POLICULTURAS A.1 - Estender pano sob pés de café A.2 - Derriçar café A.3 - Rastelar plantações A.4 - Peneirar grãos A.5 - Retirar pés de feijão A.6 - Retirar pés de leguminosas e tuberosas A.7 - Bater feixe de cereais A.8 - Bater feijão com cambão A.9 - Colher sementes de flores A.10 - Depositar grãos em balaios, cestos e caixas A.11 - Queimar canaviais para colheita A.12 - Cortar cereais e cana 73

75 B - PLANTAR POLICULTURAS B.1 - Medir espaçamento entre ruas B.2 - Medir espaçamento entre mudas e sementes de plantas B.3 - Sulcar solo B.4 - Cavar solo B.5 - Introduzir sementes em solo B.6 - Introduzir mudas em solo B.7 - Forrar solo com cobertura vegetal B.8 - Adubar covas, plantações e jardins B.9 - Plantar cobertura vegetal C - CUIDAR DE PROPRIEDADES RURAIS C.1 - Vigiar propriedades rurais C.2 - Cercar espaços de propriedades rurais C.3 - Reparar cercas C.4 - Pintar cercas C.5 - Cuidar de animais domésticos C.6 - Recepcionar visitantes C.7 - Efetuar manutenções de primeiro nível em equipamentos C.8 - Confeccionar cambão C.9 - Lavar ferramentas e equipamentos C.10 - Guardar equipamentos em instalações C.11 - Limpar instalações C.12 - Cavar buraco para depósito de lixo D - EFETUAR PREPARO DE MUDAS E SEMENTES POLICULTURAIS D.1 - Construir viveiros D.2 - Selecionar sementes D.3 - Semear grãos em germinador D.4 - Construir canteiros de sementes D.5 - Misturar nutrientes em terra D.6 - Encher sacos plásticos com terra e nutrientes D.7 - Construir canteiros de mudas D.8 - Transplantar sementes semi-germinadas e mudas para sacos plásticos D.9 - Ralear mudas D.10 - Enxertar mudas D.11 - Selecionar mudas E - REALIZAR TRATOS CULTURAIS E.1 - Coletar amostras de solo E.2 - Capinar plantações, jardins e viveiros E.3 - Arruar plantações E.4 - Formar coroas sob pés de plantas E.5 - Regar plantas E.6 - Identificar pragas e parasitas em plantações, jardins e viveiros E.7 - Arrancar ervas daninhas e plantas doentes E.8 - Desbrotar plantações e jardins E.9 - Podar plantações E.10 - Podar jardins E.11 - Vestir equipamentos de proteção individual (epi) E.12 - Pulverizar plantações e jardins com defensivos agrícolas e adubos foliares F - ORGANIZAR COLHEITA PARA BENEFICIAMENTO DE POLICULTURAS F.1 - Transportar produtos agrícolas do campo para instalações F.2 - Lavar café F.3 - Revirar grãos em terreiro 74

76 F.4 - Secar sementes de flores em sombra F.5 - Despejar grãos em secador F.6 - Classificar produtos agrícolas F.7 - Embalar legumes e tuberosas em caixas F.8 - Ensacar grãos F.9 - Pesar produtos agrícolas F.10 - Anotar produção F.11 - Armazenar grãos em instalações F.12 - Empilhar cana em campo G - PREPARAR SOLO PARA PLANTIO G.1 - Roçar solo com foice G.2 - Arar solo G.3 - Aplicar calcário em solo G.4 - Gradear solo G.5 - Nivelar solo G.6 - Formar curvas de nível Z - DEMONSTRAR COMPETÊNCIAS PESSOAIS Z.1 - Demonstrar força física Z.2 - Demonstrar resistência física Z.3 - Demonstrar sensibilidade com plantas Z.4 - Demonstrar habilidade manual Z.5 - Dar prova de responsabilidade no cuidado da propriedade rural Z.6 - Articular-se em redes de informações sobre trabalho temporário II DA ATUAÇÃO 1. METODOLOGIA Todos os colaboradores devem estar devidamente uniformizados, treinados, formados e habilitados para o perfeito exercício de suas atividades, atuando de forma a manter os padrões de limpeza e manutenções condizentes com esta Instituição, com uma supervisão ininterrupta, respeitando todos os horários definidos para os locais, devendo ter acompanhamento das ações e resultados. É imprescindível o uso de Equipamento de proteção individual - EPI, sendo de total responsabilidade da Empresa o treinamento, fornecimento do equipamento, a fiscalização do uso correto, a utilização quando determinado pela legislação, e toda e qualquer responsabilidade vinculada ao EPI. 2. HORÁRIO E EXECUÇÃO DAS TAREFAS Os serviços serão realizados diariamente, de forma ininterrupta, conforme determinação dos gestores de execução (FISCAIS). 3. FORMA DE EXECUÇÃO DO SERVIÇO Os serviços almejados pela UDESC são: SERVIÇO DE LIMPEZA, ZELADORIA, COPA, AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS, AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS NA FUNÇÃO DE LIMPADOR DE PISCINA E JARDINEIRO. 4. ESTRATÉGIA Deverão ser respeitadas as determinações exaradas pelos gestores nomeados pela UDESC, tanto na atuação Administrativa quanto Executiva (fiscal). Ademais, deverá ser encaminhado mensalmente ao Gestor de Administração do Contrato, relatório quanto à atuação da empresa contratada, constando os pontos positivos, pontos negativos e necessidades que não foram alcançadas. 5. AVALIAÇÃO E CONCLUSÃO Para a execução das diversas atividades necessárias ao cumprimento das competências determinadas pela UDESC, é necessária uma avaliação constante de todos os serviços executados, no sentido de se atingir o binômio eficiência x eficácia. Assim sendo, constantemente deveram ser tomadas ações corretivas de eventuais anomalias que ocorrerem durante a execução do contrato. 75

77 6. PLANO DE TRABALHO 6.1. PLANO DE TRABALHO MÍNIMO - SERVENTES: Serviços Diários Retirada dos detritos de lixo encontrados nos cestos de lixo em geral existentes na área; Remover o pó das mesas, telefones, armários, arquivos, prateleiras, peitoris, caixilhos das janelas, bem como dos demais móveis existentes, divisórias, inclusive aparelhos elétricos, extintores de incêndio etc; Limpar/lavar azulejos, espelhos, bacias, assentos, cinzeiros, pias e pisos dos sanitários com produtos desinfetantes, bem como copos e talheres existentes nos setores; Varrer pisos e aspirar as áreas acarpetadas, removendo os detritos, acondicionando-os apropriadamente e retirando-os para local indicado pela contratante; Remover manchas e lustrar as áreas enceradas; Passar pano úmido e polir os pisos; Limpar os elevadores com produto adequado; Limpar e remover o pó de capachos e tapetes; Executar outros serviços correlatos de frequência diária Serviços Semanais Limpar atrás dos móveis, armários e arquivos; Limpar divisórias, portas, corrimões, barras e batentes com produto adequado; Limpar bebedouros; Encerar/lustrar todos mobiliários envernizados e batentes com produto adequado; Limpar as forrações de couro e plástico em assentos e poltronas com produto adequado; Limpar todos os metais como: torneiras, válvulas, registros, sifões, fechaduras, etc, com produto adequado; Limpar telefones; Encerar/lustrar os pisos de madeira, paviflex, plurigoma e similares; Retirar o pó e resíduos dos quadros em geral; Executar demais serviços considerados necessários à freqüência semanal Serviços Mensais Limpar/remover manchas de forros, paredes e rodapés; Remover o pó de cortinas e persianas com equipamentos e acessórios adequados; Executar demais serviços considerados necessários à freqüência mensal Serviços Bimestrais Limpar todas as luminárias por dentro e por fora; Limpar todos os vidros externos, face interna e face externa, aplicando-lhes produtos antiembaçantes, devendo ser observados os andares e equipamentos de segurança; Executar demais serviços considerados necessários à frequência bimestral PLANO DE TRABALHO MÍNIMO - ZELADORIA: Serviços Diários Serviços de zeladoria em geral, tais como de manutenção elétrica básica, como troca de interruptores, lâmpadas, serviços de hidráulica e pequenos reparos, transporte de móveis, equipamentos e mercadorias, além de outros pertinentes a função. Troca de lâmpadas queimadas; Verificação de necessidade de reposição e realização troca de água/bombonas; Verificação de necessidade de troca de lâmpadas externas (verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Reposição e alocação de bens recebidos nos almoxarifados (verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); 76

78 Transporte, mudança e reparo de móveis; Reparos na parte hidráulica (verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Recolher entulhos e outros materiais derivados de reparos ou pequenas obras; Executar demais serviços considerados necessários à frequência diária Serviços Semanais Verificação de vazamentos e necessidade de limpeza em calhas (verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Reparos em pinturas internas e externas (verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Verificação de necessidade de troca de telhas (verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Realizar manutenção em portas, janelas, aberturas, e outras; Realizar reparos em grades, telas, cercas e outras; Executar demais serviços considerados necessários à frequência semanal Serviços Mensais Realizar verificação nos imóveis quanto a necessidade de reparos(verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Informar necessidade de materiais; Executar demais serviços considerados necessários à frequência mensal PLANO DE TRABALHO MÍNIMO - COPA: Serviços Diários Serviços de copa em geral, tais como preparação de café, chá, bem como, distribuição de água mineral, quando de reuniões, eventos nas dependências da UDESC, limpeza e conservação dos materiais utilizados na preparação do café e do chá, limpeza geral do ambiente da copa, além de outros pertinentes a função; Preparar e distribuir café nos setores; Realizar limpeza de copos, talheres, jarras e congêneres; Realizar limpeza da máquina de café e itens usados na preparação do café; Realizar preparação de cafés, chás, águas, bolachas e outros itens nos eventos solicitados na UDESC; Servir água, cafés e chás em eventos da UDESC; Executar demais serviços considerados necessários à frequência diária; Serviços Semanais Relatar necessidade de matérias; Relatar necessidade de manutenções em equipamentos e áreas vinculadas a copa; Executar demais serviços considerados necessários à frequência semanais; 6.4. PLANO DE TRABALHO MÍNIMO Auxiliar de Serviços Gerais Serviços Diários Executar serviços de manutenção elétrica, mecânica, hidráulica, carpintaria e alvenaria, substituindo, trocando, limpando, reparando e instalando peças, componentes e equipamentos. Conservam vidros e fachadas, limpam recintos e acessórios e tratam de piscinas. Trabalham seguindo normas de segurança, higiene, qualidade e proteção ao meio ambiente. Reparar equipamentos de manutenção; Realizar de reparos na rede elétrica (verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); 77

79 Relatar avarias e necessidade de reparos e pequenas obras nos imóveis; Transporte, mudança e reparo de móveis; Reparos na parte hidráulica e calhas (verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Desentupir ralos, pias e vasos sanitários; Executar demais serviços considerados necessários à frequência diária Serviços Semanais Realizar vedações em fendas e emendas, bem como, reparar trincas e rachaduras em imóveis (verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Reparos em pisos, azulejos e pastilhas (verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Realizar manutenções em portas, divisórias, forros e janelas (verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Executar demais serviços considerados necessários à frequência semanal Serviços Mensais Realizar verificação nos imóveis quanto a necessidade de reparos(verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Informar necessidade de materiais; Controlar estoques de materiais e equipamentos; Executar demais serviços considerados necessários à frequência mensal. 6.5 PLANO DE TRABALHO MÍNIMO Limpador de piscina Serviços Diários Executar serviços de manutenção elétrica, mecânica, hidráulica, carpintaria e alvenaria, substituindo, trocando, limpando, reparando e instalando peças, componentes e equipamentos. Conservam vidros e fachadas, limpam recintos e acessórios e tratam de piscinas. Trabalham seguindo normas de segurança, higiene, qualidade e proteção ao meio ambiente. Reparar equipamentos vinculados a piscina; Realização de reparos na rede elétrica vinculada a piscina (verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Relatar avarias e necessidade de reparos e pequenas obras nos equipamentos e áreas vinculados a piscina; Transporte, mudança e reparo de móveis; Reparos na parte hidráulica e calhas (verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Desentupir ralos, pias e vasos sanitários; Executar demais serviços considerados necessários à frequência diária Serviços Semanais Realizar vedações em fendas e emendas, bem como, reparar trincas e rachaduras nos bens vinculados a piscina e aos imóveis (verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Reparos em pisos, azulejos e pastilhas (verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Realizar manutenções em portas, divisórias, forros e janelas (verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Colhem policulturas, Plantar culturas diversas, introduzindo sementes e mudas em solo, forrando e adubando-as com cobertura vegetal. Efetuam preparo de mudas e sementes 78

80 através da construção de viveiros e canteiros, cujas atividades baseiam-se no transplante e enxertia de espécies vegetais. Realizam tratos culturais, além de preparar o solo para plantio. Executar demais serviços considerados necessários à frequência semanal Serviços Mensais Realizar verificação nos imóveis quanto a necessidade de reparos(verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Informar necessidade de materiais; Controlar estoques de materiais e equipamentos; Executar demais serviços considerados necessários à frequência mensal PLANO DE TRABALHO MÍNIMO - JARDINEIRO: Serviços Diários Serviços de jardineiro em geral, tais como corte de arvores, gramas, plantas em geral, limpeza após cortes, regar, colocação de produtos indicados, identificação das plantas/arvores e congêneres, além de outros pertinentes a função. Podas em geral; Verificação de necessidade de reposição e realização troca de plantas em geral; Verificação de necessidade regar plantas internas e externas; Reposição e alocação de bens relativos a jardinagens (verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Transporte, mudança e reparo de mudas e vegetação em geral; Recolher entulhos e outros materiais derivados do trabalho de jardinagem; Executar demais serviços considerados necessários à frequência diária Serviços Semanais Verificação da necessidade de podas em grande arvores e demais vegetações (verificar necessidade de uso de balancim ou andaime e EPI s); Relatar necessidade de reposição de materiais relativos à jardinagem; Executar demais serviços considerados necessários à frequência semanal Serviços Mensais Executar serviços considerados necessários à frequência mensal. 6.7 ENCARREGADO É obrigação do ENCARREGADO fiscalizar, acompanhar, coordenar, orientar, advertir, planejar todas as funções, inclusive informar a Empresa e a UDESC, remanejar, controlar frequência e horário de todas as funções e planos de trabalho expostos nas atividades, devendo, cumprir todas as atividades expostas no campos ATIVIDADE ENCARREGADO. Deve obrigatoriamente evitar o desvio de função pelos postos, devendo para tanto, sempre basear-se na legislação trabalhista, conhecendo as atividades de cada função conforme CBO, devendo apontar antes de sua ocorrência. Realizar a fiscalização e reportar ao Gestor do Contrato indicado pela UDESC sobre os serviços executados. 7. INSTRUÇÕES GERAIS A. Os serviços deverão ser exercidos por profissionais com comprovada habilitação e experiência, contratados pela licitante vencedora, que deverá garantir a adequada e plena execução de todas as atividades de forma permanente, conforme as necessidades da contratante, atendendo todas as determinações de segurança com aplicação dos equipamentos de segurança e cursos de atualização funcional; B. Os serviços deverão ser prestados de acordo com as determinações da Contratante; 79

81 C. Os profissionais devem ser educados, apresentar-se corretamente vestidos/uniformizados, ter iniciativa, atender com presteza as solicitações e ser responsáveis para com as atividades que executam; D. A contratante solicitará que seja afastado e substituído imediatamente do posto de serviço o profissional que não se portar convenientemente ou que não atender a execução dos serviços; E. A contratada será responsabilizada por todo e qualquer dano que, por dolo ou culpa, os seus profissionais causarem a UDESC ou a terceiros, sendo descontado no primeiro pagamento subseqüente à ocorrência, o valor correspondente ao dano e/ou prejuízo causado; F. A contratada deverá cumprir rigorosamente toda a legislação aplicável à execução dos serviços contratados, especialmente, a legislação trabalhista, previdenciária, fiscal, de segurança e medicina do trabalho; G. A inclusão ou substituição de profissionais que exercerão os serviços é condicionada à prévia solicitação por escrito do encarregado indicado pelo Titular da Contratante. H. Os serviços deverão ser realizados conforme Plano de Trabalho; I. O preço apresentado pelas licitantes para cada categoria profissional deverá incluir todos os custos relacionados com a remuneração, encargos sociais incidentes sobre os serviços, além das despesas com fornecimento de uniformes, treinamento, todos os demais custos diretos e indiretos incidentes; J. Nos serviços de zeladoria, independente da alocação do posto de trabalho, poderá haver a solicitação de deslocamento dos serviços, bem como, remanejamento dentro do Campus; K. Atender as determinações do CBO emitida pelo Ministério do Trabalho e Emprego. L. Na assinatura do contrato, apresentar registro no SEESMT (Serviço Especializado de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho). M. Para o pagamento das Notas Fiscais deverá ser apresentada Certidão Negativa de Débitos Salariais. N. A CONTRATADA fica obrigada a apresentar mensalmente cópia do cartão ponto dos funcionários por Centro/Reitoria junto a Nota Fiscal. O. As cópias dos comprovantes de FGTS e INSS deverão estar no valor exato do contrato. P. A GFIP/SEFIP deverá ser individualizada obrigatoriamente. Q. Mensalmente a Preposta deverá apresentar relatório por escrito por Centro/Reitoria, com identificação de faltas/substituições e ocorrências no contrato. R. A CONTRATADA deverá informar formalmente a data de pagamento dos tributos cujo recolhimento lhe compete, além do pagamento depósito do vale alimentação e transporte, permitindo a fiscalização nos termos da lei nº 8666/93. S. A CONTRATADA deverá apresentar o endereço no qual a CONTRATANTE deverá enviar Notas fiscais a serem canceladas ou intimações ou notificações ou sanções ou outros documentos que viabilizem o andamento do contrato, sendo que estes serão feitos por correspondência do tipo AR Aviso de Recebimento. Na alteração do endereço a CONTRATADA deverá comunicar formalmente. T. Os uniformes deverão ser entregues imediatamente na data de início da execução dos serviços. U. Ajustes nos uniformes deverão correr por conta da CONTRATADA; V. A CONTRATADA deverá informar formalmente o período máximo para ocorrência de troca/fornecimento de novos uniformes. W. A CONTRATADA será responsável pelos materiais, equipamentos e bens públicos disponibilizados por TERMO DE USO a ser assinado pelo ENCARREGADO, devendo ressarcir a CONTRATANTE pelo extravio ou perda. X. Os pedidos de material de limpeza deverão ser entregues pelo ENCARREGADO aos Fiscais em formulário a ser fornecido pela Administração. 8. RESPONSÁVEIS TÉCNICOS, GESTORES DE ADMINISTRAÇÃO E EXECUÇÃO. 80

82 CENTROS FAED DAPE CEART REITORIA - CAD REITORIA - ANEXO REITORIA - OBRAS MUSEU ESAG CEAD CEFID CESFI CCT CERES CEPLAN CEAVI Gestor de Administração Alesson Amauri de Espíndola Gestor de Execução (fiscal) Rosi Maria de Souza Pocovi Rosi Maria de Souza Pocovi Andréa Oriques Santos Alexander Ricardo Martins Daiany Bettoni Gladis Queiroz Marlei Maccari Blazius Aroldo Schambeck Ricardo Antonio Demaria Rosane Maria Rodrigues Alesson Amauri de Espindola Roberto Pacheco Filipe Duarte Martins Agnaldo Vanderlei Arnold Ana Paula Corrêa Wendhausen Responsáveis Técnicos Alesson Amauri de Espíndola 81

83 ANEXO D Primeiro Termo Aditivo CONCORRÊNCIA 1016/UDESC/2011 CONTRATO 117/UDESC/2012 CPA 7589/2011 PRIMEIRO TERMO ADITIVO AO CONTRATO 117/UDESC/2012 DE CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM SERVIÇOS DE LIMPEZA, COPA, AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS E ZELADORIA PARA A UDESC, CONFORME ESPECIFICAÇÕES CONTIDAS NESTE PREGÃO E SEUS ANEXOS, CELEBRADO ENTRE A FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC E A EMPRESA PROSERV ASSESSORIA E CONSULTORIA EM PESSOAL LTDA. A FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC, neste ato, representada pelo Magnífico Reitor, Prof. Antônio Heronaldo de Souza, e a PROSERV ASSESSORIA E CONSULTORIA EM PESSOAL LTDA. celebram o presente Termo Aditivo ao Contrato 117/UDESC/2012, proveniente do CC 1016/2011, de acordo com as cláusulas e condições seguintes: CLÁUSULA PRIMEIRA FISCAIS DO CONTRATO Fica acrescido no rol de Fiscais deste Contrato o nome da servidora Silvana Haeming Gerent Juttel como fiscal da Reitoria-CAD e da Reitoria-Anexo, em substituição aos servidores Alexander Ricardo Martins e Daiany Bettoni. Fica acrescido, além disso, o nome da servidora Gabriela Krause como fiscal do CCT, em substituição ao servidor Roberto Pacheco. CLÁUSULA SEGUNDA GESTOR DO CONTRATO Fica modificado o gestor de administração deste contrato, suprimindo o nome do servidor Alesson Amauri de Espíndola e substituindo-o pelo servidor Éder Gulart Monteiro. CLÁUSULA TERCEIRA DO VALOR Lote 1 Em virtude da necessidade de: a) supressão de 01 posto de Zelador (R$ 2.857,90), 04 postos de Servente (R$ 2.100,38 cada), 01 posto de Copeira (R$ 2.100,38) e 01 posto de ASG (R$ 2.556,02) para o CESFI; b) supressão de 01 posto de Zelador (R$ 2.857,90) da ESAG; c) alteração de carga horária de um zelador, de 30 para 40 horas semanais (valor passa de R$ 2.375,17 para R$ 2.857,90), para a FAED; d) acréscimo de 01 posto de Encarregado (R$ 3.457,88) para o CEFID; e) supressão de 01 posto de ASG (R$ 2.556,02) e acréscimo de 01 posto de Zelador (R$ 2.857,90) para a Reitoria; fica alterado o valor do Lote 01 de R$ ,44 (duzentos e cinquenta e sete mil, sessenta e seis reais e quarenta e quatro centavos) para o valor de R$ ,21 (duzentos e quarenta e dois mil, quinhentos e trinta e cinco reais e vinte e um centavos), gerando uma alteração de 5,65% (cinco vírgula sessenta e cinco por cento) no valor inicial atualizado do referido lote. Lote 02 Em virtude da necessidade de inclusão de 01 posto de Encarregado para o CEPLAN, fica alterado o valor do Lote 02 de R$ ,71 (cento e trinta e um mil, duzentos e quarenta e sete reais e setenta e um centavos) para o valor de R$ ,40 (cento e trinta e quatro mil, oitocentos e seis e quarenta centavos), gerando uma alteração de 2,71% (dois vírgula setenta e um por cento) no valor inicial atualizado do referido lote. Considerando as modificações acima, fica modificado o valor total do contrato de R$ ,15 (trezentos e oitenta e oito mil, trezentos e quatorze reais e quinze centavos) para o valor de R$ ,61 (trezentos e setenta e sete mil, trezentos e quarenta e um reais e sessenta e um 82

84 centavos), gerando uma alteração de 2,82% (dois vírgula oitenta e dois por cento) no valor inicial atualizado contratado. CLÁUSULA QUARTA - DA RATIFICAÇÃO Ficam ratificadas as demais cláusulas do contrato aditado não modificadas por este instrumento. E, por serem justos e de comum acordo, lavrou-se o presente Termo Aditivo, que vai assinado pelas partes, na presença das testemunhas abaixo nomeadas. Florianópolis, de de FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC PROSERV ASSESSORIA E CONSULTORIA EM PESSOAL LTDA. 83

85 ANEXO E Segundo Termo Aditivo CONCORRÊNCIA 1016/2011 CONTRATO 117/UDESC/2012 CPA 7589/2011 SEGUNDO TERMO ADITIVO AO CONTRATO N 117/UDESC/2012, REFERENTE A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM SERVIÇOS DE ZELADORIA, COPA E LIMPEZA PARA A Udesc - CONFORME ESPECIFICAÇÕES CONTIDAS NESTA CONCORRÊNCIA E SEU ANEXO(S) CELEBRADO ENTRE A FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC E A EMPRESA PROSERV ASSESSORIA E CONSULTORIA EM PESSOAL LTDA. A FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC, neste ato, representada pelo Magnífico Reitor, Prof. Antônio Heronaldo de Souza e a empresa Proserv Assessoria e Consultoria em Pessoal LTDA, celebram o presente Termo Aditivo ao Contrato de Prestação de Serviços nº 117/UDESC/2012, proveniente da CONCORRÊNCIA nº 1016/2011, de acordo com as cláusulas e condições seguintes: CLÁUSULA PRIMEIRA POSTOS Em decorrência da Convenção Coletiva de Trabalho 2012/2013 da Categoria Profissional de Vigilante, fica reajustado o presente contrato, passando de R$ ,15 (trezentos e oitenta e oito reais e quinze centavos) para o valor de R$ ,75 (quatrocentos e vinte oito mil cento e sessenta e um reais e setenta e cinco centavos), no período de 13 de março de 2012 até 27 de maio de Em virtude das alterações promovidas pelo primeiro termo aditivo o valor mensal do contrato passa a ser de R$ ,11 (quatrocentos e dezesseis mil e trinta e sete reais e onze centavos), no período de 28 de maio de 2012 até 31 de Agosto de Em virtude da necessidade de adequação de quantitativo, ficam suprimidos do contrato, a partir de 01 de Setembro de 2012, os seguintes postos: CENTRO Posto (cargo) Número de Postos Suprimidos Valor Atual do Posto Valor Mensal Suprimido do Centro R$ Reduzido servente , ,83 CCT asg , , ,59 zelador , ,96 REIT. - CAD servente , ,44 copeiras , , ,66 REIT. - CEPO asg , , ,46 REIT. - ANEXO servente , , ,22 CEFID serventes , , ,44 copeira , ,22 ESAG 4.628,44 servente , ,22 servente , ,22 CEAD 5.471,14 zelador , ,92 zelador , ,92 FAED (Dape) 5.471,14 servente , ,22 Total de Postos Suprimidos 22 Total Mensal Reduzido ,09 Valor do Contrato até 31 de Agosto de ,11 Valor do Contrato a partir de 01 de Setembro de ,02 84

86 Em função do exposto pela tabela da página anterior, fica alterado o valor mensal do contrato de R$ ,11 (quatrocentos e dezesseis mil e trinta e sete reais e onze centavos) para o valor mensal de R$ ,02 (trezentos e sessenta mil novecentos e vinte nove reais e dois centavos) a partir de 01 de Setembro de As alterações previstas no presente termo aditivo, acarretam na redução de 17,04% (dezessete virgula zero quatro por cento) do valor inicial atualizado de lote 1, e de 13,07% (treze vírgula zero sete por cento) do valor inicial atualizado do lote 2, totalizando numa redução de 15,70% (quinze virgula sete por cento) do valor mensal inicial atualizado do presente contrato. CLÁUSULA SEGUNDA ALTERAÇÃO DE FISCAL DO CONTRATO Fica acrescido no rol de Fiscais deste Contrato o nome do servidor Mário Cesar Machado como Fiscal da REITORIA-CEPO, em substituição à servidora Gladis Queiroz. CLÁUSULA TERCEIRA - RATIFICAÇÃO Ficam ratificadas as demais cláusulas do contrato aditado não modificadas por este instrumento. E, por serem justos e de comum acordo, lavrou-se o presente Termo Aditivo, que vai assinado pelas partes. Florianópolis, de de FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PROSERV ASSESSORIA E CONSULTORIA EM PESSOAL LTDA. 85

87 ANEXO F Controle de Serviços por Data CONTROLE DE SERVIÇOS POR DATA Fiscal: Data: 25/06/2012 Sala: Responsável: Serviços de Limpeza pendentes/fiscalizados Ciente: Data da Revisão: PROJUR FULANA Tudo limpo. Parabéns**. / Fique DE OLHO : pó nas soleiras das janelas, estante de livros e estante das caixas de arquivo vermelhas. Data: Data: 25/06/2012 Sala: Responsável: Serviços de Limpeza pendentes/fiscalizados Ciente: Data da Revisão: PROEN FULANA Observar o pó nas soleiras das janelas da copa; passar aspirador de pó no carpê ou feiticeira; organização de cadeiras e limpeza na sala de reuniões e tirar o pó do armário dos vasos de flores. Data: Data: 25/06/2012 Sala: Responsável: Serviços de Limpeza pendentes/fiscalizados PROPPG FULANA Tudo limpo. Parabéns**. /Fique DE OLHO : Tirar o pó dos móveis e soleira das janelas. Mover do lugar e limpar os armários da copa. Ciente: Data da Revisão: Data: Data: 25/06/2012 Sala: Responsável: Serviços de Limpeza pendentes/fiscalizados Ciente: Data da Revisão: PROEX FULANA Tudo limpo. PARABÉNS!!! ** /Tirar o pó das soleiras das janelas e armários. Data: 25/06/2012 Sala: GABINETE Responsável: FULANA Serviços de Limpeza Tudo limpo. Parabéns!!! ***** \o/. Recebi muitos elogios pela limpeza. pendentes/fiscalizados Ciente: Data Data da Revisão: 86

88 ANEXO G Planilha de Controle de Serviços por Data e Setor 87

89 ANEXO H Planilha de Controle de Presença 88

90 ANEXO I Planilha de Controle do Número de Faltas 89

91 ANEXO J Planilha de Cálculo da Nota Fiscal 90

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Renovação de Licitação

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Renovação de Licitação 15/10/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 4. Conclusão... 8 5. Referências... 8 6. Histórico de alterações... 8 2 1.

Leia mais

LEI Nº- 12.349, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº- 12.349, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº- 12.349, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010 O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Altera as Leis nos 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.958, de 20 de dezembro de 1994, e 10.973, de 2 de dezembro de 2004;

Leia mais

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo II Chapecó, março/2012 1 Aspectos Legais da Licitação de Obras Denise Regina Struecker Auditora

Leia mais

Estabelece margem de preferência em licitações para produtos manufaturados e serviços nacionais, priorizando bens e serviços produzidos no País.

Estabelece margem de preferência em licitações para produtos manufaturados e serviços nacionais, priorizando bens e serviços produzidos no País. MEDIDA PROVISÓRIA N 495, DE 19 DE JULHO DE 2010 Estabelece margem de preferência em licitações para produtos manufaturados e serviços nacionais, priorizando bens e serviços produzidos no País. Altera as

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

Novas Atitudes. Novos. Estado Gestor

Novas Atitudes. Novos. Estado Gestor Novas Atitudes Paradigmas 1 Procedimentos Estado G t Gestor Instrumentos 2 Sociedade Estado Necessidades Expectativas P i id d Prioridades Recebe a Recebe a pauta Deve se Deve se empenhar para atender

Leia mais

Auditoria em Finanças. Rosilene Berton Paschoalin Marcia Cristina Feltes

Auditoria em Finanças. Rosilene Berton Paschoalin Marcia Cristina Feltes Auditoria em Finanças Rosilene Berton Paschoalin Marcia Cristina Feltes Atribuições (Lei Municipal nº 10.130/2000) Art. 8º -Ficam acrescidas às competências da Secretaria Municipal de Finanças, descritas

Leia mais

VIVA RIO REGULAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE BENS E CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E LOCAÇÕES

VIVA RIO REGULAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE BENS E CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E LOCAÇÕES VIVA RIO REGULAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE BENS E CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E LOCAÇÕES O PRESIDENTE DA VIVA RIO, no uso de suas atribuições regimentais, torna público o anexo Regulamento para Aquisição

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a relação entre a UFPA e as Fundações de Apoio ao Ensino, Pesquisa,

Leia mais

Projeto Direitos e Cidadania de Crianças e Adolescentes Guarani Kaiowá Convênio SICONV n 813084/2014

Projeto Direitos e Cidadania de Crianças e Adolescentes Guarani Kaiowá Convênio SICONV n 813084/2014 COTAÇÃO PRÉVIA Nº. 010/2015 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSITENTE DE PROJETO TIPO: MELHOR TÉCNICA E MENOR PREÇO GLOBAL Projeto Direitos e Cidadania de Crianças e Adolescentes Guarani Kaiowá Convênio SICONV

Leia mais

ILUSTRISSÍMO SENHOR PREGOEIRO OFICIAL DO CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL DA 8º REGIÃO. Edital pregão eletrônico nº 008/2014

ILUSTRISSÍMO SENHOR PREGOEIRO OFICIAL DO CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL DA 8º REGIÃO. Edital pregão eletrônico nº 008/2014 ILUSTRISSÍMO SENHOR PREGOEIRO OFICIAL DO CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL DA 8º REGIÃO. Edital pregão eletrônico nº 008/2014 FEACONSPAR - FEDERAÇÃO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE

Leia mais

LICITAÇÃO, CONTRATOS E COMPRAS GOVERNAMENTAIS

LICITAÇÃO, CONTRATOS E COMPRAS GOVERNAMENTAIS LICITAÇÃO, CONTRATOS E COMPRAS GOVERNAMENTAIS CURSO DE GESTÃO PÚBLICA THIAGO MONTEIRO BONATTO Porque a Administração Pública deve estabelecer contratos especiais em suas contratações de serviços e aquisições?

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Regulamenta as normas para o relacionamento entre a Universidade Federal do Amapá e as Fundações de Apoio prevista na Lei n 8.958, de 20 de dezembro

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações entre a Universidade Federal de Santa Catarina e as suas fundações de apoio. O PRESIDENTE DO

Leia mais

GRUPO. CEP: 57020-670 - Cel. 8830-6001. WAPPE PUBLICIDADE E EVENTOS LTDA Unidade de Cursos www.wap.com.br CNPJ: 05.823.069/0001-39

GRUPO. CEP: 57020-670 - Cel. 8830-6001. WAPPE PUBLICIDADE E EVENTOS LTDA Unidade de Cursos www.wap.com.br CNPJ: 05.823.069/0001-39 Curso de Licitações, Contratos e Sistema de Registro de Preços (SRP) - 20 e 21 de Março Módulo i- licitação Definição O dever de licitar Quem pode licitar Pressuposto Natureza jurídica e fundamentos Legislação

Leia mais

1. DA POSSIBILIDADE DE PRORROGAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS DECORRENTES DE ATA DE REGISTRO DE PREÇOS

1. DA POSSIBILIDADE DE PRORROGAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS DECORRENTES DE ATA DE REGISTRO DE PREÇOS 1. DA POSSIBILIDADE DE PRORROGAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS DECORRENTES DE ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Indaga-se sobre a possibilidade de os contratos decorrentes de ata de registro de preços,

Leia mais

Concurso - EPPGG 2013. Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 06,07,08,09

Concurso - EPPGG 2013. Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 06,07,08,09 Concurso - EPPGG 2013 Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 06,07,08,09 Ordem ao caos...(p4) Tema 4: 1. Práticas de gestão governamental no Brasil e seus resultados: Gestão de suprimentos e logística

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012

RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012 RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012 Dispõe sobre alterações na Regulamentação de apoio à pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI)

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS E IMPACTO NA DESPESA COM PESSOAL

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS E IMPACTO NA DESPESA COM PESSOAL TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS E IMPACTO NA DESPESA COM PESSOAL Bruno Anselmo Bandeira Auditor Público Externo Secretário Chefe da INTRODUÇÃO 2 OBJETIVO Apresentar os principais aspectos concernentes

Leia mais

RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011

RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011 Disciplina o relacionamento entre a Universidade Federal de Goiás e as Fundações de Apoio à UFG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS DO IDBrasil Cultura, Educação e Esporte

REGULAMENTO DE COMPRAS DO IDBrasil Cultura, Educação e Esporte REGULAMENTO DE COMPRAS DO IDBrasil Cultura, Educação e Esporte O processo para aquisição de bens, serviços e obras para o IDBrasil Cultura, Educação e Esporte, observará o disposto neste Regulamento de

Leia mais

ASSUNTO: Atualização da OT 0003/09 que versa sobre alteração de contratos ORIGEM: GEAUC PSEF 89635/094

ASSUNTO: Atualização da OT 0003/09 que versa sobre alteração de contratos ORIGEM: GEAUC PSEF 89635/094 PERGUNTAS E RESPOSTAS OT Nº 0002/10 ASSUNTO: Atualização da OT 0003/09 que versa sobre alteração de contratos ORIGEM: GEAUC PSEF 89635/094 Este trabalho visa orientar os agentes administrativos, assim

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO Estudamos até o momento os casos em que há vínculo empregatício (relação bilateral, nas figuras de empregado e empregador) e, também, casos em que existe

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA CADASTRO DE DOCENTES

EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA CADASTRO DE DOCENTES EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA CADASTRO DE DOCENTES A Associação Brasileira de Orçamento Público - Unidade Regional do Rio Grande do Sul (ABOP-RS), fundada em 04 de dezembro de 1974, como uma associação civil

Leia mais

Projeto Direitos e Cidadania de Crianças e Adolescentes Guarani Kaiowá Convênio SICONV n 813084/2014

Projeto Direitos e Cidadania de Crianças e Adolescentes Guarani Kaiowá Convênio SICONV n 813084/2014 COTAÇÃO PRÉVIA IMAGEM DA VIDA Nº. 012/2015 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSITENTE DE COMUNICAÇÃO TIPO: MELHOR TÉCNICA E MENOR PREÇO GLOBAL Projeto Direitos e Cidadania de Crianças e Adolescentes Guarani

Leia mais

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. Autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

CURSOS PROJETAR 2011

CURSOS PROJETAR 2011 CURSOS PROJETAR 2011 Nº Curso/Palestra MÊS/DIA/CH Horário Local Vagas Público Alvo 1. ENCONTRO SETORIAL RH Ministrantes: Coordenadores e servidores RH Reitoria (02 e 03) 15h Dia 02 9h às 12h / Dia 03 8h

Leia mais

Fernando do Nascimento Rocha Procurador do Estado do Piauí

Fernando do Nascimento Rocha Procurador do Estado do Piauí Fernando do Nascimento Rocha Procurador do Estado do Piauí Conceito Procedimento prévio às contratações realizadas pelo Poder Público. FINALIDADES 1. Obter a melhor contratação pelo Poder Público (preço

Leia mais

Regulamento de Compras, Contratação de Serviços e Alienações

Regulamento de Compras, Contratação de Serviços e Alienações Regulamento de Compras, Contratação de Serviços e Alienações Aprovada na XLIII Reunião do Conselho de Administração do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (IDSM), realizada de 05 a 14 de

Leia mais

CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Formalização, Execução e Rescisão. Direito Administrativo CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Prof.

CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Formalização, Execução e Rescisão. Direito Administrativo CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Prof. Direito Administrativo Prof. Almir Morgado CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Formalização, Execução e Rescisão Formalização do Contrato Administrativo Formalizar significa materializar o contrato em documento

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Atualizado em 22/10/2015 CONTRATOS ADMINISTRATIVOS São contratos celebrados pela Administração Pública sob regime de direito público com particulares ou

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/14 I-DOS CONCEITOS 1- Para os fins desta Instrução Normativa, considera-se: 1.1 - Fiscalização: a observação sistemática e periódica da execução do contrato; 1.2 - Contrato Administrativo: o ajuste que

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

Duração dos Contratos. Vinculação do Contrato. Manutenção das Condições de Habilitação e Qualificação. Foro

Duração dos Contratos. Vinculação do Contrato. Manutenção das Condições de Habilitação e Qualificação. Foro Vinculação do Contrato O contrato fica vinculado, obrigatoriamente, à proposta do contratado e aos termos da licitação realizada, ou aos termos do ato de dispensa ou inexigibilidade de licitação. Manutenção

Leia mais

CONTRATUALIZAÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE

CONTRATUALIZAÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE CONTRATUALIZAÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE 1 DA REGULAÇÃO ASSISTENCIAL A regulação assistencial compreende a função de gestão que tem como foco específico a disponibilização da alternativa assistencial

Leia mais

LIVRO: LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS EDITORA: GEN MÉTODO EDIÇÃO: 2ªED., 2013 SUMÁRIO

LIVRO: LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS EDITORA: GEN MÉTODO EDIÇÃO: 2ªED., 2013 SUMÁRIO LIVRO: LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS EDITORA: GEN MÉTODO EDIÇÃO: 2ªED., 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... Capítulo I LICITAÇÃO 1.1. Conceito... 1.2. Fontes normativas... 1.3. Competência legislativa...

Leia mais

LEI ORGÂNICA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS FEDERAIS

LEI ORGÂNICA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS FEDERAIS LEI ORGÂNICA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS FEDERAIS Proposta de um anteprojeto de lei Rio de Janeiro, agosto de 2002 1 Sumário Capítulo I Capítulo II Capítulo III Seção I Seção II Seção III Capítulo IV Seção

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013 LEI Nº. 720/2013 SÚMULA: ALTERA A LEI Nº. 593/2010 QUE INSTITUIU O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE (FMS) E INCLUI O CAPÍTULO IX COM OS ARTIGOS 12º E 13º E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta os estágios curriculares dos alunos dos cursos de graduação da Universidade Federal de Santa Catarina. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA DECRETO N.º 2356/2013 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. Rosane Minetto Selig, Prefeita Municipal de Ouro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre a realização dos Estágios destinados a estudantes regularmente matriculados na Universidade Federal do Pampa e sobre os Estágios realizados no âmbito

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº PROJETO DE LEI Nº Modifica a LC 30/93 e adota outras providências. Autoria: Poder Executivo A Assembléia Legislativa do Estado do Mato Grosso aprova e o Governador do Estado sanciona a seguinte Lei Complementar:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA - UniFOA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE EXTENSÃO PIBEx

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA - UniFOA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE EXTENSÃO PIBEx CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA - UniFOA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE EXTENSÃO PIBEx REGULAMENTO O Presidente do CONSUN e CONSEPE do Centro

Leia mais

O Diretor Presidente do Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável - CIEDS, no uso de suas atribuições:

O Diretor Presidente do Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável - CIEDS, no uso de suas atribuições: PORTARIA Nº. 001/2009 O Diretor Presidente do Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável - CIEDS, no uso de suas atribuições: Considerando que o CENTRO INTEGRADO DE ESTUDOS

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 GABINETE DO GOVERNADOR D E C R E T O Nº 1.093, DE 29 DE JUNHO DE 2004 Institui, no âmbito da Administração Pública Estadual, o Sistema de Registro de Preços

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008 Presidência da República Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Subsecretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Licitação segundo a Lei n. 8.666/93 Leila Lima da Silva* *Acadêmica do 6º período do Curso de Direito das Faculdades Integradas Curitiba - Faculdade de Direito de Curitiba terça-feira,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES

REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES ADITIVO (03) AO TERMO DE CONVÊNIO 3756/10 que entre si celebram a FUNDAÇÃO SOCIAL DE CURITIBA e a VIDA PROMOÇÃO SOCIAL (VPS) A ASSOCIAÇÃO VIDA PROMOÇÃO SOCIAL

Leia mais

4. No item 15 onde se lê: Prazo final para apresentação do cronograma e do orçamento de construção das INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO

4. No item 15 onde se lê: Prazo final para apresentação do cronograma e do orçamento de construção das INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO TEL: 55 (61) 426 5743 Ouvidoria: 0800727 2010 PARA: Fax: ASSUNTO: EDITAL DE LEILÃO N o 002/2004-ANEEL ADENDO N o 03 - ESCLARECIMENTO DE: Rosângela Lago TEL: (61) 426-5743 FAX: (61) 426-5778 FAX N 0 206/2004-CEL/ANEEL

Leia mais

LICITAÇÕES NOÇÕES ELEMENTARES

LICITAÇÕES NOÇÕES ELEMENTARES LICITAÇÕES NOÇÕES ELEMENTARES Apresentação Com o objetivo de orientar e esclarecer algumas dúvidas, a Consultoria Jurídica da Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA disponibiliza este manual aos servidores,

Leia mais

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1 Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Administração Pública que apareceram com mais frequência nas últimas provas. AULA 1 Estado, origens e funções Teoria Burocrática

Leia mais

ANEXO VII LEI Nº13.190 DE 11 DE JULHO DE

ANEXO VII LEI Nº13.190 DE 11 DE JULHO DE ANEXO VII LEI Nº13.190 DE 11 DE JULHO DE 2014 Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o exercício de 2015, e dá outras providências. Art. 60 - Sem prejuízo das disposições contidas nos demais artigos,

Leia mais

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas.

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. O Povo de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte

Leia mais

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001 de 03 de julho de 2012. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO Regulamenta os procedimentos para movimentação física dos bens patrimoniais,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

Manual Estágio dos cursos de educação profissional técnica de nível médio e dos cursos superiores

Manual Estágio dos cursos de educação profissional técnica de nível médio e dos cursos superiores Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul Manual Estágio dos cursos de educação profissional técnica de nível médio e dos cursos superiores Instituto Federal de Educação,

Leia mais

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI Dispõe sobre as atribuições dos agentes de compras

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Reitoria

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Reitoria RESOLUÇÃO Nº 064 CONSUPER/2014 Dispõe sobre as normas reguladoras de prestação de serviços tecnológicos do Instituto Federal Catarinense. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal Catarinense

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA A B C D E OBJETO O presente Termo de Referência tem como objeto o fornecimento parcelado de combustíveis à frota dos veículos oficiais do Conselho Regional de Medicina do

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA (RN) RN - 006/01

RESOLUÇÃO NORMATIVA (RN) RN - 006/01 RESOLUÇÃO NORMATIVA (RN) RN - 006/01 EMITENTE Presidência Aprovada pela Diretoria REUNIÃO DE 01/06/2005 Revisão Nº 01 Aprovada pela Diretoria REUNIÃO DE 10/01/2007 ASSUNTO Contratação de Prestação de Serviços

Leia mais

EXMO SENHOR PREGOEIRO DA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS

EXMO SENHOR PREGOEIRO DA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS 1 EXMO SENHOR PREGOEIRO DA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 30/2011 PROCESSO Nº. 23042.000448/2011-01 M. DO ESPIRITO

Leia mais

Ref. Assunto: Elaboração do Plano para a Implantação da Descentralização da Execução Orçamentária e Financeira na UNIR

Ref. Assunto: Elaboração do Plano para a Implantação da Descentralização da Execução Orçamentária e Financeira na UNIR MEMORANDO CIRCULAR Nº 06/2015/PROPLAN Porto Velho, 27 de Maio de 2015. Para: CÂMPUS E NÚCLEOS Ref. Assunto: Elaboração do Plano para a Implantação da Descentralização da Execução Orçamentária e Financeira

Leia mais

RESOLUCÃO ADMINISTRATIVA N.o 13/2003-TCRO

RESOLUCÃO ADMINISTRATIVA N.o 13/2003-TCRO ESTADO DE RONDÔNIA TRIBUNAL DE CONTAS RESOLUCÃO ADMINISTRATIVA N.o 13/2003-TCRO REGULAMENTA NO ÂMBITO DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA, OS PROCEDIMENTOS A SEREM ADOTADOS NAS LICITAÇÕES REALIZADAS

Leia mais

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes.

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes. COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROMOVER ESTUDOS E PROPOSIÇÕES VOLTADAS À REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO TERCEIRIZADO NO BRASIL SUGESTÃO DE SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 4.330, DE 2004 Dispõe sobre o contrato

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO UTFPR

REGULAMENTO ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Resolução nº 22/08

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

1.2. Obrigatoriedade de realização de licitação ( CF, art. 37, XXI)

1.2. Obrigatoriedade de realização de licitação ( CF, art. 37, XXI) ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO DISCIPLINA: DIREITO ADMINISTRATIVO PROFESSORA: CLARISSA SAMPAIO SILVA 1) LICITAÇÃO - Previsão constitucional: 1.1. Estabelecimento de normas gerais ( CF, art.22, XXVII)

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Texto compilado Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Subchefia para Assuntos Jurídicos Civil DECRETO Nº 6.170, DE 25 DE JULHO DE 2007. Dispõe sobre as normas relativas às transferências de recursos da União mediante convênios

Leia mais

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007 DECRETO 8.538/2015 COMPARATIVO COM DECRETO 6.204/2007 Outubro/2015 Importante: Pontos acrescidos estão destacados em verde. Pontos suprimidos estão destacados em vermelho. Decreto nº 8.538, de 6 de outubro

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC PRÓ-REITORIA DE ENSINO - PROEN. 40 semest. 40 semest. 200 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (BACHARELADO)

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC PRÓ-REITORIA DE ENSINO - PROEN. 40 semest. 40 semest. 200 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (BACHARELADO) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC PRÓ-REITORIA DE ENSINO - PROEN CURSOS, VAGAS e TURNO DE FUNCIONAMENTO (Arquivo atualizado em 04-10-2013) CAMPUS I UDESC GRANDE FLORIANÓPOLIS CENTRO DE CIÊNCIAS

Leia mais

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL REGULAMENTO DE COMPRAS A AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL ADES, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede na Av. Dom Luís, 685, sala 101 Bairro Meireles CEP 60.160-230

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

- CARTA CONVITE Nº001/2015 - CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE MORMAÇO RS ORDENADOR DE DESPESA: EDUARDO ZANIN EXERCÍCIO 2015 TIPO TÉCNICA E PREÇO

- CARTA CONVITE Nº001/2015 - CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE MORMAÇO RS ORDENADOR DE DESPESA: EDUARDO ZANIN EXERCÍCIO 2015 TIPO TÉCNICA E PREÇO - CARTA CONVITE Nº001/2015 - DE RS ORDENADOR DE DESPESA: EDUARDO ZANIN EXERCÍCIO 2015 TIPO TÉCNICA E PREÇO Nos termos da Lei nº8.666/93, suas alterações posteriores e demais dispositivos legais aplicáveis,

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional

Leia mais

PROEX - PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

PROEX - PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROEX - PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ EDITAL N 01/2014/Unifei/PROEX, DE 28 de ABRIL de 2014, FINANCIAMENTO DE PROJETOS E PROGRAMAS DE EXTENSÃO DA UNIFEI (EDITAL RETIFICADO) A

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEOFILÂNDIA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEOFILÂNDIA ESTADO DA BAHIA Processo n.º 170/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE TEOFILÂNDIA Referência: Pregão n.º 009/2015 Assunto: Impugnação aos Termos do Edital DECISÃO Trata-se de IMPUGNAÇÃO AO EDITAL interposta pela empresa PLUS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL DE APOIO AO MUSEU CASA DE PORTINARI ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS E LOCAÇÕES

ASSOCIAÇÃO CULTURAL DE APOIO AO MUSEU CASA DE PORTINARI ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS E LOCAÇÕES ASSOCIAÇÃO CULTURAL DE APOIO AO MUSEU CASA DE PORTINARI ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS E LOCAÇÕES SUMÁRIO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO CAPÍTULO II DAS COMPRAS Titulo

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE CONTABILIDADE = TERMO DE REFERÊNCIA = PROCESSO SELETIVO

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE CONTABILIDADE = TERMO DE REFERÊNCIA = PROCESSO SELETIVO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE CONTABILIDADE = TERMO DE REFERÊNCIA = PROCESSO SELETIVO IADH JULHO / 2012 1. INTRODUÇÃO 1.1. Este Termo de Referência visa orientar a contratação de empresa especializados de

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS

REGULAMENTO DE COMPRAS REGULAMENTO DE COMPRAS A SPDM /PAIS Associação Paulista Para O Desenvolvimento da Medicina, vem por meio deste dar publicidade ao Regulamento Próprio utilizado contendo os procedimentos que adotará para

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE BIOLOGIA 3ª REGIÃO RS/SC

CONSELHO REGIONAL DE BIOLOGIA 3ª REGIÃO RS/SC CONSELHO REGIONAL DE BIOLOGIA 3ª REGIÃO CONVITE Nº 05/2013 SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL O Conselho Regional de Biologia 3ª Região, através da Comissão Permanente de Licitações, convida V.S.a. a apresentar

Leia mais

CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO DE PREGOEIROS E EQUIPES DE APOIO, LICITAÇÕES E CONTRATOS E SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS

CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO DE PREGOEIROS E EQUIPES DE APOIO, LICITAÇÕES E CONTRATOS E SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS APRESENTA: CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO DE PREGOEIROS E EQUIPES DE APOIO, LICITAÇÕES E CONTRATOS E SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS INCLUINDO NOVA LEI 7.892/13 DATA: 31 DE AGOSTO E 01 DE SETEMBRO LOCAL: BRASILIA

Leia mais

CURSOS PROJETAR 2011

CURSOS PROJETAR 2011 CURSOS PROJETAR 2011 Nº Curso/Palestra MÊS/DIA/CH Horário Local Vagas Público Alvo 1. ENCONTRO SETORIAL RH Ministrantes: Coordenadores e servidores RH Reitoria (02 e 03) 15h Dia 02 9h às 12h / Dia 03 8h

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 7 07/10/2015 10:08 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.538, DE 6 DE OUTUBRO DE 2015 Vigência Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado

Leia mais

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte nas contratações públicas de

Leia mais

Orientações básicas para a Prestaçã o de Contas de Convênios

Orientações básicas para a Prestaçã o de Contas de Convênios A elaboração da prestação de contas é sempre responsabilidade do gestor que está em exercício na data definida para sua apresentação, quer ele tenha assinado ou não o termo de convênio. Para a prestação

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Formulário de Telecom

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Formulário de Telecom 1. IDENTIFICAÇÃO TC n : Órgão concedente: Objeto da outorga: Local: 2. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL a Constituição Federal, art. 21, XI; b - Lei n.º 9.472/97; c - Resolução ANATEL n.º 65/98 e 73/98; d - Lei n.º

Leia mais