Matemática Financeira 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Matemática Financeira 2012"

Transcrição

1 Matemática Financeira Prof. Me. Marcelo Stefaniak Aveline 1

2 Matemática Financeira Aula Inaugural 2

3 Matemática Financeira Apresentação Professor 3

4 Apresentação do Professor Nome: Marcelo Stefaniak Aveline Graduação: Administração de Empresas Pós-Graduação: MBA em Gestão de Negócios (In Company) Pós-Graduação: Docência do Ensino Superior Mestrado: Administração Atuo há 23 anos no mercado financeiro tendo ao longo do tempo desempenhado minhas atividades em instituições financeiras nacionais e multinacionais de grande porte. 4

5 Matemática Financeira Apresentação Disciplina 5

6 Ementa Esta disciplina trata das ferramentas quantitativas aplicadas ao setor financeiro, no que se refere aos cálculos de juros simples e compostos, bem como aos cálculos de descontos. Contempla ainda as principais operações financeiras, tais como o financiamento, a capitalização e os empréstimos. De caráter essencialmente aplicado, esta disciplina tem o seu foco em resolução de problemas práticos ligados às operações bancárias comuns. Além da questão prática, há uma preocupação em desenvolver e aprimorar os conceitos pertinentes às operações que envolvem a cobrança de juros. 6

7 Objetivos Gerais A disciplina de Matemática Financeira deverá criar condições para que os alunos possam adquirir e produzir os conhecimentos necessários para o desenvolvimento das competências: Comunicação e expressão. Capacidade de identificar, analisar e solucionar problemas. Utilização de ferramentas tecnológicas ligadas aos cálculos financeiros 7

8 Objetivos Específicos O objetivo fundamental da disciplina é conceituar os fundamentos das principais operações financeiras, focando suas aplicações ligadas à formação do profissional de Administração de Empresas. A estrutura da disciplina foi pensada para que os conceitos matemáticos envolvidos estejam sempre relacionados com as necessidades da Administração, permitindo ao aluno a integração da mesma com as demais matérias de cunho profissionalizante. É também objetivo da disciplina reforçar aos alunos os ditames do pensamento lógico em termos quantitativos, que pautam os cálculos financeiros em seus diversos níveis. 8

9 Objetivos Específicos 1) Introdução à Matemática Financeira 1.1) Porcentagem. 1.2 ) Conceitos básicos de capital, juro, taxa, prazo, montante. 2) Capitalização Simples 2.1) Juros simples utilizando o prazo exato e o prazo comercial. 2.2 ) Desconto Simples 3) Capitalização Composta 3.1) Juro e Montante compostos 3.2 ) Desconto composto 3.3 ) Taxas equivalentes, efetivas, nominais e proporcionais. 3.4 ) Equivalência composta de capitais 4) Rendas 4.1) Financiamento 4.2) Capitalização 5) Empréstimos 5.1) SAC 5.2) Sistema Francês (Price) 9

10 Estratégias de Trabalho As aulas serão expositivas devendo conter como regra geral amplo período reservado para exercícios, por parte dos alunos, das técnicas e ferramentas apresentadas. Será dada ênfase ao trabalho com ferramentas tecnológicas, em especial à calculadora HP- 12C. 10

11 Avaliação Serão respeitados os critérios de avaliação e aprovação definidos pela Universidade, procurando sempre entender a avaliação como mais uma oportunidade de aprendizado, e de desenvolvimento das competências. Em todas as avaliações deve-se ter em mente a necessidade do aluno integrar a disciplina com a Administração, usando-se problemas de aplicação prática. 11

12 Bibliografia Básica CAMPOS, C. R. Matemática Financeira - Série Economia de Bolso. São Paulo: LCTE, PUCCINI, A. L. Matemática Financeira objetiva e aplicada. 8ª ed. São Paulo: Saraiva, SAMANEZ, C. P. Matemática Financeira. 5ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall,

13 Bibliografia Complementar ASSAF NETO, A. Matemática Financeira e suas aplicações. 11ª ed. São Paulo: Atlas, BISPO, D.; LEAL, F.; NERES, H. Matemática financeira com uso da HP 12C. Goiânia: Editora da PUC de Goiás,. BRANCO, A. C. C. Matemática Financeira Aplicada método algébrico, HP-12C, Microsoft Excel. São Paulo: Pioneira Yhomson Learning, FARO, C. Fundamentos da Matemática Financeira uma introdução ao cálculo financeiro e à análise de investimento de risco. São Paulo: Saraiva, HAZZAN, S.; POMPEO, J. N. Matemática Financeira. 6ª ed. São Paulo: Saraiva,

14 Bibliografia Virtual CASTANHEIRA, C. P. Noções Básicas de Matemática Comercial e Financeira. São Paulo: IBPEX, 2008 CASTANHEIRA, C. P.; MACEDO, L. R. D. Matemática Financeira Aplicada. São Paulo: IBPEX, GIMENES, C. M. Matemática Financeira com HP 12C e Excel. São Paulo: Pearson,

15 Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira 15

16 Matemática Financeira A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de alternativas de investimentos ou financiamentos de bens, produtos ou serviços. Consiste em empregar procedimentos matemáticos para simplificar a operação financeira a um fluxo de caixa. CAPITAL é o valor aplicado através de alguma operação financeira. Também conhecido como: Principal, Valor Atual, Valor Presente ou Valor Aplicado. Em inglês usa-se Presente Value (indicado pela tecla PV nas calculadoras financeiras). JUROS representam a remuneração do Capital empregado em alguma atividade produtiva ou operação financeira. Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes de capitalização: 1) regime de capitalização simples; e 2) regime de capitalização composto. JUROS SIMPLES é o juro de cada intervalo de tempo calculado sempre sobre o capital inicial emprestado ou aplicado. JUROS COMPOSTOS é o juro de cada intervalo de tempo calculado a partir do saldo do início do correspondente intervalo, sendo que, o juro de cada intervalo de tempo é incorporado ao capital inicial e passa a render juros também. 16

17 Matemática Financeira O juro é a remuneração pelo empréstimo do dinheiro. Ele existe porque a maioria das pessoas prefere o consumo imediato, e está disposta a pagar um preço por isso. Por outro lado, quem for capaz de esperar até possuir a quantia suficiente para adquirir seu desejo, e neste interim estiver disposto a emprestar essa quantia a alguém, menos paciente, deve ser recompensado por essa abstinência na proporção do tempo e risco, que a operação envolver. O tempo, o risco e quantidade de dinheiro disponível no mercado para empréstimos definem qual deverá ser a remuneração, mais conhecida como taxa de juros. Quando usamos juros simples e juros compostos? A maioria das operações envolvendo dinheiro utiliza juros compostos. Estão incluídas: compras a médio e longo prazos, compras com cartões de crédito, empréstimos bancários, as aplicações financeiras usuais como Caderneta de Poupança e Fundos de Renda Fixa, etc. Raramente encontramos uso para o regime de capitalização por juros simples: é o caso de operações de curtíssimo prazo, e do processo de desconto simples de duplicatas. Prof. Me. Marcelo Stefaniak Aveline 17

18 Matemática Financeira TAXA DE JUROS: indica qual remuneração será paga ao dinheiro emprestado, ou investido, para um determinado período de tempo. Ela vem normalmente expressa da forma percentual, e seguida pela especificação do período de tempo a que se refere. 8% a.a. a.a. significa ao ano 10% a.t. a.t. significa ao trimestre Outra forma de apresentação da taxa de juros é a unitária que é igual a taxa percentual divida por 100, sem o símbolo %. 0,08 a.a. a.a. significa ao ano 0,10 a.t. a.t. significa ao trimestre 18

19 Matemática Financeira Capitalização Simples Juros Simples 19

20 Matemática Financeira JUROS SIMPLES O regime de JUROS será SIMPLES quando o percentual de juros incidir apenas sobre o valor principal. Sobre os juros gerados a cada período não incidirão novos juros. Valor Principal ou simplesmente Principal é o valor inicial emprestado ou aplicado, antes de somarmos os juros. Transformando em fóruma temos: Assim temos: J = juros P = principal (capital) i = taxa de juros n = número de períodos J = P. i. n 20

21 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 01) Temos uma dívida de R$ 1.000,00 que deve ser paga com juros de 8% a.m. pelo regime de capitalização por juros simples, e devemos pagá-la em 1 mês. Os juros que pagarei serão? Assim temos: J = P = i = n = J = P. i. n 21

22 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 01) Temos uma dívida de R$ 1.000,00 que deve ser paga com juros de 8% a.m. pelo regime de capitalização por juros simples, e devemos pagá-la em 1 meses. Os juros que pagarei serão? Assim temos: J =? P = R$ 1.000,00 i = 8% a.m. n = 1 J = P. i. n J = X 0,08 x 1 J = 80 22

23 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 02) Temos uma dívida de R$ 1.000,00 que deve ser paga com juros de 8% a.m. pelo regime de capitalização por juros simples, e devemos pagá-la em 2 meses. Os juros que pagarei serão? Assim temos: J =? P = R$ 1.000,00 i = 8% a.m. n = 2 J = P. i. n Prof. 23 Me. Marcelo Stefaniak Aveline

24 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 02) Temos uma dívida de R$ 1.000,00 que deve ser paga com juros de 8% a.m. pelo regime de capitalização por juros simples, e devemos pagá-la em 2 meses. Os juros que pagarei serão? Assim temos: J =? P = R$ 1.000,00 i = 8% a.m. n = 2 J = P. i. n J = X 0,08 x 2 J =

25 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 03) Temos uma dívida de R$ 1.000,00 que deve ser paga com juros de 8% a.m. pelo regime de capitalização por juros simples, e devemos pagá-la em 3 meses. Os juros que pagarei serão? Assim temos: J =? P = R$ 1.000,00 i = 8% a.m. n = 3 J = P. i. n J = X 0,08 x 3 J =

26 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 04) Temos uma dívida de R$ 1.000,00 que deve ser paga com juros de 8% a.m. pelo regime de capitalização por juros simples, e devemos pagá-la em 4 meses. Os juros que pagarei serão? Assim temos: J =? P = R$ 1.000,00 i = 8% a.m. n = 4 J = P. i. n J = X 0,08 x 4 J =

27 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 05) Temos uma dívida de R$ 1.000,00 que deve ser paga com juros de 8% a.m. pelo regime de capitalização por juros simples, e devemos pagá-la em 5 meses. Os juros que pagarei serão? Assim temos: J =? P = R$ 1.000,00 i = 8% a.m. n = 5 J = P. i. n J = X 0,08 x 5 J =

28 Matemática Financeira JUROS SIMPLES Ao somarmos os juros ao valor principal encontramos o montante, que é o valor final. Montante = Principal + Juros Montante = Principal + (Principal x Taxa de Juros X Número de Períodos) M = P + J M = P + P. i. n M = P. (1 + (i. n)) Assim temos: M = Montante P = Principal i = Taxa de Juros n = Número de Períodos 28

29 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 06) Temos uma dívida de R$ 1.000,00 que deve ser paga com juros de 8% a.m. pelo regime de capitalização por juros simples, e devemos pagá-la em 5 meses. Calcule: O Montante resultante dessa operação J = P. i. n Assim temos: J =? P = R$ 1.000,00 i = 8% a.m. n = 5 J = X 0,08 x 5 J = 400 M = P + J Assim temos: M =? P = R$ 1.000,00 J = 400 M = M = M = P. (1+ (i. n)) Assim temos: M =? P = R$ 1.000,00 i = 8% a.m. n = 5 M = X (1+ (0,08 x 5)) M = 1000 x (1+ (0,40)) M = x (1,40) M =

30 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 07) Calcule o Montante resultante da aplicação de R$ ,00 à taxa de 10,5% a.a. durante 145 dias, com capitalização pelo regime de juros simples. M = P. (1+ (i. n)) Assim temos: M =? P = R$ ,00 i = 10,5 % a.a. n = 145 dias M = x (1+ ((10,5/100)x(145/360))) M = x (1+ (0,105)x(0,40) M = x (1+ (0, ) M = x (1, ) M = ,42 Observação: devemos expressar a taxa i e o período n na mesma unidade de tempo, ou seja, nesse caso, em anos. Então devemos dividir 145 dias por 360, para obter o valor equivalente em anos, já que um ano comercial tem 360 dias. 30

31 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 08) Calcular os juros simples de R$ 1.200,00 a 13% a.t. Por 4 meses e 15 dias. R.: 234,00 9) Calcular os juros simples produzidos por R$ ,00, aplicados à taxa de 36% a.a. durante 125 dias. R.: R$ 5.000,00 10) Qual o capital que aplicado a juros simples de 1,2% a.m. Rende R$ 3.500,00 de juros em 75 dias? R.: R$ ,67 11) Se a taxa de uma aplicação é de 150% a.a., quantos meses serão necessários para dobrar um capital aplicado através de capitalização de juros simples? R.: 8 meses 12) Qual o juro obtido na aplicação, durante 2 meses, de um capital de R$ ,00, à taxa de juros de 60% a.m.? R.: ,00 13) Um capital de R$ ,00, foi aplicado à taxa de juros simple de 40% a.m.. Após um semestre qual o valor do montante obtido? R.: ,00 14) O capital de R$ 9.000,00 foi aplicado à taxa de juros simples de 36% a.a.. Após quatro meses, qual o valor do montante? R.: ,00 15) De quanto será o juro produzido por um capital de R$ ,00, aplicado durante 300 dias, à taxa de juros de 15% a.a., capaitalizados sob o regime de juros simples? R.: 4.875,00 31

32 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 08) Calcular os juros simples de R$ 1.200,00 a 13% a.t. Por 4 meses e 15 dias. Resp: R$ 234,00 Dados: P = i = 13% a.t. n = 4 meses e 15 dias 32

33 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 08) Calcular os juros simples de R$ 1.200,00 a 13% a.t. Por 4 meses e 15 dias. Resp: R$ 234,00 Dados: P = i = 13% a.t. n = 4 meses e 15 dias J = P. i. n J = x 0,13/3 x 4,5 J = x 0, x 4,5 J =

34 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 09) Calcular os juros simples produzidos por R$ ,00, aplicados à taxa de 36% a.a. durante 125 dias. Resp.: R$ 5.000,00 Dados P = i = 36% a.a. n = 125 dias 34

35 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 09) Calcular os juros simples produzidos por R$ ,00, aplicados à taxa de 36% a.a. durante 125 dias. Resp.: R$ 5.000,00 Dados P = i = 36% a.a. n = 125 dias J = P. i. n J = x 0,36/360 x 125 J = x 0,125 J =

36 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 10) Qual o capital que aplicado a juros simples de 1,2% a.m. Rende R$ 3.500,00 de juros em 75 dias? Resp.: R$ ,67 Dados P = i = 1,2% a.m. n = 75 dias M = 3.500,00 36

37 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 10) Qual o capital que aplicado a juros simples de 1,2% a.m. Rende R$ 3.500,00 de juros em 75 dias? Resp.: R$ ,67 Dados P = i = 1,2% a.m. n = 75 dias J = 3.500,00 J = P. i. n = P x 0,012 /30 x = P x 0, / 0,03 = P P = ,67 37

38 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 11) Se a taxa de uma aplicação é de 150% a.a., quantos meses serão necessários para dobrar um capital aplicado através de capitalização de juros simples? Resp.: 8 meses Dados: P = 1 i = 150% a.a. n = M = 2 38

39 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 11) Se a taxa de uma aplicação é de 150% a.a., quantos meses serão necessários para dobrar um capital aplicado através de capitalização de juros simples? Resp.: 8 meses Dados: P = 1 i = 150% a.a. n = M = 2 M = P ( 1 + i. n ) 2 = 1 ( 1 + 1,5. n ) 2 = 1 + 1,5 n 1,5 n = 1 n = 1 / 1,5 n = 0, anos n = 0, x 12 n = 8 meses 39

40 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 12) Qual o juro obtido na aplicação, durante 2 meses, de um capital de R$ ,00, à taxa de juros de 60% a.m.? R.: ,00 Dados: P = i = 60% a.m. n = 2 meses 40

41 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 12) Qual o juro obtido na aplicação, durante 2 meses, de um capital de R$ ,00, à taxa de juros de 60% a.m.? R.: ,00 Dados: P = i = 60% a.m. n = 2 meses J = P. i. n J = x 0,60 x 2 J = x 1,2 J =

42 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 13) Um capital de R$ ,00, foi aplicado à taxa de juros simple de 40% a.m.. Após um semestre qual o valor do montante obtido? R.: ,00 Dados: P = i = 40% a.m. n = 1 semestre 42

43 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 13) Um capital de R$ ,00, foi aplicado à taxa de juros simple de 40% a.m.. Após um semestre qual o valor do montante obtido? R.: ,00 Dados: P = i = 40% a.m. n = 1 semestre M = P ( 1 + i. n ) M = ( 1 + 0,40 x 6 ) M = ( 1 + 2,40 ) M = x 3,40 M =

44 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 14) O capital de R$ 9.000,00 foi aplicado à taxa de juros simples de 36% a.a.. Após quatro meses, qual o valor do montante? R.: ,00 Dados: P = i = 36% a.a. n = 4 meses 44

45 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 14) O capital de R$ 9.000,00 foi aplicado à taxa de juros simples de 36% a.a.. Após quatro meses, qual o valor do montante? R.: ,00 Dados: P = i = 36% a.a. n = 4 meses M = P ( 1 + i. n ) M = ( 1 + 0,36/12 x 4 ) M = ( 1 + 0,12 ) M = x 1,12 M =

46 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 15) De quanto será o juro produzido por um capital de R$ ,00, aplicado durante 300 dias, à taxa de juros de 15% a.a., capaitalizados sob o regime de juros simples? R.: 4.875,00 Dados: P = i = 15% a.a. n = 300 dias 46

47 Matemática Financeira JUROS SIMPLES 15) De quanto será o juro produzido por um capital de R$ ,00, aplicado durante 300 dias, à taxa de juros de 15% a.a., capitalizados sob o regime de juros simples? R.: 4.875,00 Dados: P = i = 15% a.a. n = 300 dias J = P. i. n J = x 0,15/360 x 300 J = x 0,125 J =

48 Matemática Financeira Capitalização Simples Desconto Simples

49 Desconto Simples Desconto é o abatimento que se faz em uma dívida, quando ela é paga antes do vencimento. Assim, se devêssemos uma certa quantia, $500,00 por exemplo, a ser paga em uma determinada data, e a pagássemos antes, teríamos uma redução na nossa dívida. Em vez de $500,00, pagaríamos por exemplo, $460,00. O desconto seria de $40,00. Nessa operação temos dois valores: $500,00, o valor que deveria ser pago no dia do vencimento, chamado de valor nominal; $460,00, o valor pago no dia em que se efetua o desconto, chamando de valor atual; 49

50 Desconto Simples Os problemas de descontos simples se resolvem do mesmo modo que os juros simples, conhecidos cinco elementos, quais sejam: O desconto simples poderá ser: racional (ou por dentro ); comercial (ou por fora ); bancário. N = valor nominal V ou A = valor atual i = taxa n = tempo de antecipação D = desconto 50

51 Desconto Simples Desconto racional ou desconto por dentro, é o desconto obtido pela diferença entre o valor nominal e o valor de um compromisso que seja saldado n períodos antes do seu vencimento. Desconto: é a quantia a ser abatida do valor nominal; Valor descontado: é a diferença entre o valor nominal e o desconto; Sendo: N valor nominal (ou montante) Ar valor atual (aou valor descontado racional) n número de períodos antes do vencimento 51

52 Desconto Simples Teremos, então, para cálculo do desconto racional: N. i. n Dr = i. n E para cálculo do valor atual, teremos: N Ar = i. n 52

53 Desconto Simples Conclusão: No regime de juros simples, o desconto racional aplicado ao valor nominal é igual ao juro devido sobre o capital (valor descontado) desde que ambos sejam calculados à mesma taxa. Ou seja, a taxa de juros da operação é também a taxa de desconto. 53

54 Desconto Simples Exemplo: 01) Uma dívida de R$12.000,00 será saldada 4 meses antes de seu vencimento. Que desconto racional será obtido, se a taxa de juros contratada for de 27%a.a.? Dados: N = i = 27%a.a. n = 4 meses N. i. n Dr = i. n 54

55 Desconto Simples Exemplo: Dados: N = i = 27%a.a. n = 4 meses N. i. n Dr = i. n Dr = ( x 0,27/12 x 4) / (1 + (0,27/12 x 4)) Dr = ( x 0,09) / (1 + 0,09) Dr = 1080 / 1,09 Dr = 990,83 R$ 990,83 é, portanto, o desconto racional obtido pelo resgate antecipado da dívida. Valor da dívida a ser paga é R$ ,17 55

56 Desconto Simples Exemplo: 02) Por quanto posso comprar um título com vencimento daqui a 6 meses, se seu valor nominal for de R$ ,00 e eu quiser ganhar 30% a.a.? Deve-se calcular o valor atual do título tal que seja possível obter a rentabilidade de 30% a.a. Dados: N = i = 30%a.a. n = 6 meses N Ar = i. n 56

57 Desconto Simples Exemplo: Dados: N = i = 30%a.a. n = 6 meses N Ar = i. N Ar = / (1 + (0,30 x 0,5)) Ar = / (1 + (0,15)) Ar = / 1,15 Ar = ,30 Comprando-se o título por R$ ,30 e resgatando-o por R$ ,00 após 6 meses, terse-á um ganho de 15% em 6 meses, taxa esta que é equivalente a 30% a.a.. 57

58 Desconto Simples Desconto comercial ou desconto por fora, é o desconto cujo valor que se obtém pelo cálculo do juro simples sobre o valor nominal do compromisso que seja saldado n períodos antes de seu vencimento. Calcula-se o valor do desconto comercial aplicando-se a definição: Dc = N. i. n E o valor descontado comercial: Ac = N (1 - i. n) Esse resultado é também chamado valor atual comercial. 58

59 Desconto Simples Exemplo: 03) Um título de valor nominal R$ 2.780,00, é descontado por fora a uma taxa de 36% a.a., seis meses antes de seu vencimento. Calcule seu valor atual. Dados: N = i = 36%a.a. n = 6 meses O valor descontado comercial ou por fora será dado por: Ac = N (1 - i. n) 59

60 Desconto Simples Exemplo: Dados: N = i = 36%a.a. n = 6 meses Ac = N (1 i. n) Ac = ( 1 0,36/12 x 6 ) ou ( 1 0,36 x ½) Ac = ( 1 0,18 ) Ac = ( 0,82 ) Ac = 2.279,60 O valor atual do título será de R$ 2.279,60 60

61 Desconto Simples Desconto bancário, corresponde ao descoto comercial acrescido de uma taxa prefixada, cobrada sobre o valor nominal ( a é a taxa de despesas administrativas). Db = N ( i. n + a) Ab = N (( 1 ( i. n + a)) 61

62 Desconto Simples Relação entre desconto racional e desconto comercial, empiracamente, o desconto comercial é maior que o desconto racional, feito nas mesmas condições, ou seja: Dc > Dr Ou ainda: Dc = Dr ( 1 + i. n ) Ou seja, o desconto comercial pode ser entendido como sendo o montante do desconto racional calculado para o mesmo período e à mesma taxa. 62

63 Desconto Simples Exercícios: 1) Um título com valor nominal de R$ ,00 foi resgatado dois meses antes de seu vencimento, sendo-lhe por isso concedido um desconto racional simples à taxa de 60% a.m.. Nesse caso, de quanto foi o valor pago pelo título: R: R$ ,00 2) Qual é o valor da diferença entre os descontos por dentro e por fora de uma nota promissória de R$1.420,00, se ela for descontada 40 dias antes de seu vencimento a uma taxa de 8% a.m.? R: R$ 14,60 3) Por quanto devo comprar um título com vencimento daqui a 50 dias, se seu valor nominal for R$ ,00 e eu pretendo ganhar 42% de juros simples ao ano? (desconto comercial) R: R$ ,50 63

64 Desconto Simples Exercícios: 4) Um título com valor nominal de R$3.836,00 foi resgatado quatro meses antes do seu vencimento, tendo sido concedido um desconto racional simples à taxa de 10% a.m.. Qual foi o valor pago pelo título? R: 2.740,00 5) Um título com valor nominal de R$7.420,00 foi resgatado dois meses antes do seu vencimento, sendo-lhe por isso concedido um desconto racional simples à taxa de 20% a.m.. Nesse caso, de quanto foi o valor pago pelo título? R: 5.300,00 6) Utilizando o desconto racional qual é o valor que devo pagar por um título com vencimento daqui a 6 meses, se o seu valor nominal for de R$2.950,00 e eu desejo ganhar 36% ao ano? R: 2.500,00 64

65 Desconto Simples Exercícios Resolvidos: 1) Um título com valor nominal de R$ ,00 foi resgatado dois meses antes de seu vencimento, sendo-lhe por isso concedido um desconto racional simples à taxa de 60% a.m.. Nesse caso, de quanto foi o valor pago pelo título: R: R$ ,00 Dados: N = n = 2 meses i = 60% a.m. 65

66 Desconto Simples Exercícios Resolvidos: 1) Um título com valor nominal de R$ ,00 foi resgatado dois meses antes de seu vencimento, sendo-lhe por isso concedido um desconto racional simples à taxa de 60% a.m.. Nesse caso, de quanto foi o valor pago pelo título: R: R$ ,00 Dados: N = n = 2 meses i = 60% a.m. Ar = N / 1 + i. n Ar = / (1 + 0,60 x 2) Ar = / ( 1 + 1,2 ) Ar = / ( 2,2 ) Ar =

67 Desconto Simples Exercícios Resolvidos: 2) Qual é o valor da diferença entre os descontos por dentro e por fora de uma nota promissória de R$1.420,00, se ela for descontada 40 dias antes de seu vencimento a uma taxa de 8% a.m.? R: R$ 14,60 Dados: N = n = 40 dias i = 8% a.m. 67

68 Desconto Simples Exercícios Resolvidos: 2) Qual é o valor da diferença entre os descontos por dentro e por fora de uma nota promissória de R$1.420,00, se ela for descontada 40 dias antes de seu vencimento a uma taxa de 8% a.m.? R: R$ 14,60 Dados: N = n = 40 dias i = 8% a.m. Dr = N. i. n / 1 + i. n Dr = (1.420 x 0,08/30 x 40) / ( 1+ 0,08/30 x 40) Dr = 151,47 / 1,1067 Dr = 136,87 Dc = N. i. n Dc = x 0,08/30 x 40 Dc = 151,47 Dc - Dr = 151,47 136,87 = 14,60 68

69 Desconto Simples Exercícios Resolvidos: 3) Por quanto devo comprar um título com vencimento daqui a 50 dias, se seu valor nominal for R$ ,00 e eu pretendo ganhar 42% de juros simples ao ano? (desconto comercial) R: R$ ,50 Dados: N = n = 50 dias i = 42% a.a. 69

70 Desconto Simples Exercícios Resolvidos: 3) Por quanto devo comprar um título com vencimento daqui a 50 dias, se seu valor nominal for R$ ,00 e eu pretendo ganhar 42% de juros simples ao ano? (desconto comercial) R: R$ ,50 Dados: N = n = 50 dias i = 42% a.a. Ac = N. (1 - i. n) Ac = x ( 1 0,42/360 x 50 ) Ac = x ( 0, ) Ac = ,50 70

71 Desconto Simples Exercícios Resolvidos: 4) Um título com valor nominal de R$3.836,00 foi resgatado quatro meses antes do seu vencimento, tendo sido concedido um desconto racional simples à taxa de 10% a.m.. Qual foi o valor pago pelo título? R: 2.740,00 Dados: N = n = 4 meses i = 10% a.m. 71

72 Desconto Simples Exercícios Resolvidos: 4) Um título com valor nominal de R$3.836,00 foi resgatado quatro meses antes do seu vencimento, tendo sido concedido um desconto racional simples à taxa de 10% a.m.. Qual foi o valor pago pelo título? R: 2.740,00 Dados: N = n = 4 meses i = 10% a.m. Ar = N / 1 + i. n Ar = / 1 + 0,10 x 4 Ar = / 1,40 Ar =

73 Desconto Simples Exercícios Resolvidos: 5) Um título com valor nominal de R$7.420,00 foi resgatado dois meses antes do seu vencimento, sendo-lhe por isso concedido um desconto racional simples à taxa de 20% a.m.. Nesse caso, de quanto foi o valor pago pelo título? R: 5.300,00 Dados: N = n = 2 meses i = 20% a.m. 73

74 Desconto Simples Exercícios Resolvidos: 5) Um título com valor nominal de R$7.420,00 foi resgatado dois meses antes do seu vencimento, sendo-lhe por isso concedido um desconto racional simples à taxa de 20% a.m.. Nesse caso, de quanto foi o valor pago pelo título? R: 5.300,00 Dados: N = n = 2 meses i = 20% a.m. Ar = N / 1 + i. n Ar = / 1 + 0,20 x 2 Ar = / 1 + 0,40 Ar = / 1,40 Ar =

75 Desconto Simples Exercícios Resolvidos: 6) Utilizando o desconto racional qual é o valor que devo pagar por um título com vencimento daqui a 6 meses, se o seu valor nominal for de R$2.950,00 e eu desejo ganhar 36% ao ano? R: 2.500,00 Dados: N = i = 36% a.a. n = 6 meses 75

76 Desconto Simples Exercícios Resolvidos: 6) Utilizando o desconto racional qual é o valor que devo pagar por um título com vencimento daqui a 6 meses, se o seu valor nominal for de R$2.950,00 e eu desejo ganhar 36% ao ano? R: 2.500,00 Dados: N = i = 36% a.a. n = 6 meses Ar = N / 1 + i. n Ar = / 1 + 0,36/12 x 6 Ar = / 1 + 0,18 Ar = / 1,18 Ar =

FAVENI Matemática Financeira com HP 12C

FAVENI Matemática Financeira com HP 12C APOSTILA DE MATEMÁTICA FINANCEIRA CONCEITOS INICIAIS Conceitos básicos Capital O Capital é o valor aplicado através de alguma operação financeira. Também conhecido como: Principal, Valor Atual, Valor Presente

Leia mais

Lista de exercício nº 1 Juros simples e compostos*

Lista de exercício nº 1 Juros simples e compostos* Lista de exercício nº 1 Juros simples e compostos* 1. Um investidor aplicou $1.000,00 numa instituição financeira que remunera seus depósitos a uma taxa de 5 % ao trimestre, no regime de juros simples.

Leia mais

Engenharia Econômica

Engenharia Econômica UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE NÚCLEO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL Engenharia Econômica Aula I Professora Jocilene Otilia da Costa, Dra Conteúdo Juros Simples Juros

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas - EPGE. Revisão. Matemática Financeira. Exercícios

Fundação Getúlio Vargas - EPGE. Revisão. Matemática Financeira. Exercícios Fundação Getúlio Vargas - EPGE Revisão Matemática Financeira Exercícios 1) Uma empresa aplicou R$ 100.000,00 à taxa de 4% ao mês, durante três meses, no regime de juros compostos. O valor do resgate (montante)

Leia mais

Curso técnico Integrado de Administração

Curso técnico Integrado de Administração Curso técnico Integrado de Administração Desconto Simples Comercial ou Bancário (Por Fora) Desconto é o abatimento no valor de um título de crédito que pode ser: Letra de câmbio Fatura Duplicata Nota promissória

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec ETec. São José do Rio Pardo Ensino Técnico Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

Aula 4 Disciplina: Análise de Investimentos

Aula 4 Disciplina: Análise de Investimentos Aula 4 Disciplina: Análise de Investimentos Facilitadora: Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS ASSUNTO:

Leia mais

Exercícios resolvidos do livro: Matemática Financeira Aplicada em Análise da Viabilidade de Projetos com HP-12C e Excel Célio Tavares

Exercícios resolvidos do livro: Matemática Financeira Aplicada em Análise da Viabilidade de Projetos com HP-12C e Excel Célio Tavares Exercício 9 Número de períodos - Nper 6 Preço à vista - VP 1.800,00 Parcela - PGTO 332,28 Tipo 0 Taxa 3% Exercício 10 Preço à vista - VP 15.000,00 Número de períodos - Nper 24,00 Parcela - PGTO 750,00

Leia mais

Aula 2 - Avaliação de fluxos de caixa pelos métodos do Valor Presente Líquido

Aula 2 - Avaliação de fluxos de caixa pelos métodos do Valor Presente Líquido Avaliação da Viabilidade Econômico- Financeira em Projetos Aula 2 - Avaliação de fluxos de caixa pelos métodos do Valor Presente Líquido Elias Pereira Avaliação da Viabilidade Econômico- Ementa e Datas

Leia mais

O valor nominal do título é de R$ 500,00, a taxa é de 1% ao mês e o prazo é de 45 dias = 1,5 mês.

O valor nominal do título é de R$ 500,00, a taxa é de 1% ao mês e o prazo é de 45 dias = 1,5 mês. 13. (ISS-Cuiabá 2016/FGV) Suponha um título de R$ 500,00, cujo prazo de vencimento se encerra em 45 dias. Se a taxa de desconto por fora é de 1% ao mês, o valor do desconto simples será igual a a) R$ 7,00.

Leia mais

Matemática Financeira Aula 1. 1 Profa. Msc. Érica Siqueira

Matemática Financeira Aula 1. 1 Profa. Msc. Érica Siqueira Matemática Financeira Aula 1 1 Profa. Msc. Érica Siqueira Matemática Financeira Objetivos de aprendizagem: Depois de ler e discutir este tópico você será capaz entender Fazer contas utilizando a regra

Leia mais

Vamos começar a última parte de nosso curso: Matemática Financeira.

Vamos começar a última parte de nosso curso: Matemática Financeira. Aula 14 - Questões Comentadas e Resolvidas Juros Simples. Montante e juros. Descontos Simples. Equivalência Simples de Capital. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivalentes. Capitais equivalentes. Descontos:

Leia mais

Academia do Concurso Público Matemática Financeira Exercícios Prof Benjamin Cesar

Academia do Concurso Público Matemática Financeira Exercícios Prof Benjamin Cesar Academia do Concurso Público Matemática Financeira Exercícios Prof Benjamin Cesar 1) (Petrobras) Em um período no qual a taxa de inflação foi 20%, o rendimento de um fundo de investimento foi 50%. Qual

Leia mais

Exercícios: 01) Escreva cada fração centesimal abaixo na forma de taxa percentual. 02) Transforme cada fração centesimal em taxa unitária 250

Exercícios: 01) Escreva cada fração centesimal abaixo na forma de taxa percentual. 02) Transforme cada fração centesimal em taxa unitária 250 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA Prof. Mário e-mail: marioffer@yahoo.com.br 07- Porcentagem 07.01- Taxa Percentual, Taxa Unitária e forma irredutível. 01) Representar sob forma de taxa unitária cada uma das taxas

Leia mais

TAXAS EQUIVALENTES A JUROS COMPOSTOS

TAXAS EQUIVALENTES A JUROS COMPOSTOS TAXAS EQUIVALENTES A JUROS COMPOSTOS TAXAS EQUIVALENTES - Conceito São aquelas que mesmo com períodos de capitalização diferentes, transformam um mesmo capital (C) em um mesmo montante (M) em um mesmo

Leia mais

Aula demonstrativa Apresentação... 2 Prova Resolvida Matemática Financeira TRF 3ª Região... 4

Aula demonstrativa Apresentação... 2 Prova Resolvida Matemática Financeira TRF 3ª Região... 4 Aula demonstrativa Apresentação... 2 Prova Resolvida Matemática Financeira TRF 3ª Região... 4 1 Apresentação Olá, pessoal! Tudo bem com vocês? Saiu o edital para Auditor Fiscal de Teresina. Esta é a aula

Leia mais

Professor Silvio Quintino de Mello

Professor Silvio Quintino de Mello FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACULDADES DE TAQUARA MATEMÁTICA FINANCEIRA MÓDULO I Professor Silvio Quintino de Mello SUMÁRIO MATEMÁTICA FINANCEIRA..... Capital (C)....2 Juros (j)....3 Taxa de juros

Leia mais

3)Que prazo duplica um capital aplicado à 4% a.m. no juro simples? Resposta: 25 meses.

3)Que prazo duplica um capital aplicado à 4% a.m. no juro simples? Resposta: 25 meses. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Instituto de Matemática MAT01031: Matemática Financeira 1 a Lista de Execícios 1) Aplicou-se $ 50.000 em uma operação de Open Market por 4 dias, à taxa de 1, 8%

Leia mais

Vejamos algumas definições a respeito: Diz Aurélio Buarque de Holanda Ferreira ( 1 ): Diz Juan Carlos Lapponi ( 2 ): Diz Alexandre Assaf Neto ( 3 ):

Vejamos algumas definições a respeito: Diz Aurélio Buarque de Holanda Ferreira ( 1 ): Diz Juan Carlos Lapponi ( 2 ): Diz Alexandre Assaf Neto ( 3 ): A CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA NA TABELA PRICE EXAME DA CONCLUSÃO EXPOSTA PELO PROFESSOR LUIZ ANTONIO SCAVONE JUNIOR EM SEU LIVRO JUROS NO DIREITO BRASILEIRO Antes de qualquer tentativa de se examinar a ocorrência

Leia mais

Plano de Ensino PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA - CCE0292

Plano de Ensino PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA - CCE0292 Plano de Ensino PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA - CCE0292 Título PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA Código da disciplina SIA CCE0292 16 Número de semanas de aula 4 Número

Leia mais

JUROS SIMPLES CONCEITUAÇÃO, APLICAÇÃO E CÁLCULOS UMA ABORDAGEM PRÁTICA.

JUROS SIMPLES CONCEITUAÇÃO, APLICAÇÃO E CÁLCULOS UMA ABORDAGEM PRÁTICA. RIT Revista Inovação Tecnológica Volume 3, número 2 2013 ISSN: 2179-2895 Editor Científico: Alessandro Marco Rosini Avaliação: Melhores práticas editoriais da ANPAD JUROS SIMPLES CONCEITUAÇÃO, APLICAÇÃO

Leia mais

Receita Federal. Estudo das Convenções.

Receita Federal. Estudo das Convenções. Estudo das Convenções. 01. Calcule o montante da aplicação de R$ 10.000,00 por quatro meses e vinte dias, à taxa composta de 6% ao mês. Questões de Concursos 01. (Contador RJ) Um capital de R$ 200,00 foi

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Análise de Mercado Professor: Roberto César ANÁLISE DE MERCADO Além de ser o ponto de partida de qualquer projeto, é um dos aspectos mais importantes para a confecção deste.

Leia mais

TAXAS DE JUROS. Como sabemos quando uma taxa é nominal?

TAXAS DE JUROS. Como sabemos quando uma taxa é nominal? TAXAS DE JUROS - é uma relação entre os juros pagos/recebidos no final de um período e o capital inicialmente aplicado/tomado independente do regime de capitalização; J.S. OU J.C. Taxa Nominal - é a taxa

Leia mais

Matemática Financeira II 2012 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira II 2012 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: Administração, Ciências Contábeis, Economia, Comércio Exterior, e Sistemas de Informação - telefone () 69-7- Matemática Financeira II Professor Dorival Bonora Júnior Lista

Leia mais

NDMAT Núcleo de Desenvolvimentos Matemáticos

NDMAT Núcleo de Desenvolvimentos Matemáticos Caro aluno, Todas as questões que aqui estão, foram retiradas, na íntegra, das provas das referidas organizadoras. Então aquelas que exigem as tabelas financeiras na prova foram fornecidas e as demais

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Aluno: CRONOGRAMA DA DISCIPLINA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Aula Data Horas lecionadas Conteúdo Página 1 03/08 2 Plano de ensino,

Leia mais

Matemática Financeira Autor: Prof. Dr. Lin Chau Jen Janeiro de 2013 LISTA DE EXERCÍCIOS. Parte I)

Matemática Financeira Autor: Prof. Dr. Lin Chau Jen Janeiro de 2013 LISTA DE EXERCÍCIOS. Parte I) Matemática Financeira Autor: Prof. Dr. Lin Chau Jen Janeiro de 13 LISTA DE EXERCÍCIOS Parte I) JUROS SIMPLES 1.Calcule a taxa simples mensal proporcional de juros correspondente a: a) 15% a.a.; b) 7,2%

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões de Matemática Financeira da prova de Auditor da SEFAZ/PI 2015. Vale dizer que utilizei

Leia mais

Pagamento de complemento de salário-maternidade, considerando que este valor deve ser deduzido da guia de INSS, pois é pago pelo INSS.

Pagamento de complemento de salário-maternidade, considerando que este valor deve ser deduzido da guia de INSS, pois é pago pelo INSS. Complemento Salarial Licença Maternidade Abaixo estão descritas as regras do sistema para cálculo do complemento de salário-maternidade, no complemento salarial e na rescisão complementar por Acordo/Convenção/Dissídio:

Leia mais

Administração e Economia para Engenharia

Administração e Economia para Engenharia Administração e Economia para Engenharia Aula 3.1: Fundamentos da matemática financeira 1 Uma empresa Organização Disponibilizar / vender bens e serviços Finalidade: resultado (lucro) 2 Contexto Um dos

Leia mais

REITORIA Profª. Ms. Cristina Nitz da Cruz. COORDENAÇÃO GERAL Prof. Ms. Leonardo Nunes Evangelista. DESIGN INSTRUCIONAL Sandra Regina Pinto Pestana

REITORIA Profª. Ms. Cristina Nitz da Cruz. COORDENAÇÃO GERAL Prof. Ms. Leonardo Nunes Evangelista. DESIGN INSTRUCIONAL Sandra Regina Pinto Pestana NICEUMA @u V I R T U A L Equipe EAD REITORIA Profª. Ms. Cristina Nitz da Cruz COORDENAÇÃO GERAL Prof. Ms. Leonardo Nunes Evangelista DESIGN INSTRUCIONAL Sandra Regina Pinto Pestana DESIGN GRÁFICO Etthnã

Leia mais

CAPÍTULO 1 MATEMÁTICA Revisão de Conceitos Básicos

CAPÍTULO 1 MATEMÁTICA Revisão de Conceitos Básicos CAPÍTULO 1 MATEMÁTICA Revisão de Conceitos Básicos Exercício 1.1.: Achar o valor de X: 3 (2X 4) = 2 (X + 2) Exercício 1.2.: Achar o valor de X: 3X 3 = 8 4 Matemática Financeira 1 Exercício 1.3.: Comprei

Leia mais

FUNDAMENTOS DA MAT. FINANCEIRA E ESTAT. APLICADA. Beniamin Achilles Bondarczuk

FUNDAMENTOS DA MAT. FINANCEIRA E ESTAT. APLICADA. Beniamin Achilles Bondarczuk FUNDAMENTOS DA MAT. FINANCEIRA E ESTAT. APLICADA Beniamin Achilles Bondarczuk Prezado aluno, Esta apostila é a versão estática, em formato.pdf, da disciplina online e contém todas as informações necessárias

Leia mais

Conhecimentos Bancários

Conhecimentos Bancários Conhecimentos Bancários Conhecimentos Básicos em Administração Financeira: Fundamentos e Técnicas; Orçamento e Controle de Custos Professor Lucas Silva www.acasadoconcurseiro.com.br Conhecimentos Bancários

Leia mais

Aula 6 Contextualização

Aula 6 Contextualização Gestão Financeira Aula 6 Contextualização Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Fluxo de Caixa Fluxo de caixa é o conjunto de movimentações, de entradas e saídas de dinheiro, de um período determinado nas

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios - Actualização EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício O Sr. Teodoro solicitou um empréstimo ao Sr. João por um prazo de 4 anos, tendo

Leia mais

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico...

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico... USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 09. Dem. Fluxos de Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais são os objetivos do tópico...

Leia mais

Resumo Aula-tema 06: Gestão Financeira

Resumo Aula-tema 06: Gestão Financeira Resumo Aula-tema 06: Gestão Financeira A análise contábil e financeira é de extrema importância para a sobrevivência das micro e pequenas empresas, pois fornece informações importantes que possibilitam

Leia mais

COMO UTILIZAR CORRETAMENTE O CUSTO MÉDIO

COMO UTILIZAR CORRETAMENTE O CUSTO MÉDIO COMO UTILIZAR CORRETAMENTE O CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL ( CMPC OU WACC)! Qual a taxa adequada para descontar o fluxo de caixa?! Valor do balanço ou valor de mercado? Qual utilizar?! Exemplo de como

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico Etec: São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Título com rentabilidade vinculada à variação do IPCA, acrescida de juros definidos no momento da compra,

Título com rentabilidade vinculada à variação do IPCA, acrescida de juros definidos no momento da compra, O Tesouro Direto é um programa de compra e venda de títulos públicos para pessoas físicas, desenvolvido pelo Tesouro Nacional em parceria com a BM&FBOVESPA. Na prática, consiste na oferta de títulos públicos

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

III - Início de Vigência Art. 3 - O Título entra em vigor na data do primeiro pagamento.

III - Início de Vigência Art. 3 - O Título entra em vigor na data do primeiro pagamento. Pé Quente Bradesco 10 Condições Gerais - Plano PM 60/60 G GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada

Leia mais

Projeto Fiesp / Serasa

Projeto Fiesp / Serasa Projeto Fiesp / Serasa Glossário dos índices econômico-financeiros Desenvolvimento técnico de Crédito Olavo Borges João Carlos Ferreira Machado Julho / 2005 1. Estrutura de capitais Esse grupo de índices

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: (curso/habilitação) Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade das Instituições Financeiras Carga Horária: (horas/semestre) 50 aulas Semestre Letivo / Turno: 6º

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação CÁLCULO DOS CUSTOS E DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO DE UM CURSO SUPERIOR DE PIRACICABA/SP

7º Simpósio de Ensino de Graduação CÁLCULO DOS CUSTOS E DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO DE UM CURSO SUPERIOR DE PIRACICABA/SP 7º Simpósio de Ensino de Graduação CÁLCULO DOS CUSTOS E DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO DE UM CURSO SUPERIOR DE PIRACICABA/SP Autor(es) LUCAS CERQUEIRA LAZIER Orientador(es) ANTÔNIO CARLOS COPATTO 1. Introdução

Leia mais

COMO CALCULAR O INDICADOR DE COBERTURA DO SERVIÇO DA DÍVIDA (ou como saber se sua empresa sobreviverá) - PARTE I

COMO CALCULAR O INDICADOR DE COBERTURA DO SERVIÇO DA DÍVIDA (ou como saber se sua empresa sobreviverá) - PARTE I COMO CALCULAR O INDICADOR DE COBERTURA DO SERVIÇO DA DÍVIDA (ou como saber se sua empresa sobreviverá) - PARTE I! Os dois focos da análise.! Como medir a capacidade de pagamento?! Como calcular o indicador

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS DIVIDENDOS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES CNPJ/MF:

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS DIVIDENDOS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES CNPJ/MF: LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS DIVIDENDOS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, SECRETARIADO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, SECRETARIADO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, SECRETARIADO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Plano de Curso Disciplina: ADMINISTRAÇÃO E ANÁLISE FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Tratamento contábil para aplicações financeiras

CONTABILIDADE AVANÇADA. Tratamento contábil para aplicações financeiras CONTABILIDADE AVANÇADA Tratamento contábil para aplicações financeiras INTRODUÇÃO Empresas motivadas em aumentar as receitas procedem com aplicações financeiras no mercado de capitais no intuito de que

Leia mais

Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira da Previdência, da Saúde e do Trabalho (MP 301) Perguntas e resposta.

Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira da Previdência, da Saúde e do Trabalho (MP 301) Perguntas e resposta. Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira da Previdência, da Saúde e do Trabalho (MP 301) Perguntas e resposta. JULHO DE 2006 Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira

Leia mais

17. CONTAS DE DEPÓSITO (CLIENTES PARTICULARES) - FOLHETO DE TAXAS DE JURO 17.1. Depósitos à Ordem

17. CONTAS DE DEPÓSITO (CLIENTES PARTICULARES) - FOLHETO DE TAXAS DE JURO 17.1. Depósitos à Ordem 17. CONTAS DE DEPÓSITO (CLIENTES PARTICULARES) - FOLHETO DE TAXAS DE JURO 17.1. Depósitos à Ordem Contas à Ordem Standard Conta Mais Ordenado Remuneração Conta Bankinter (idade igual ou superior a 18 anos)

Leia mais

Atualizado em: 10/08/2010

Atualizado em: 10/08/2010 Atualizado em: 10/08/2010 Faculdade Católica Nossa Senhora das Neves Autorizada pela Portaria nº 3.895-MEC DOU 26.11.2004 1. Dados do curso/disciplina Curso: Administração Semestre: 2010.2 Disciplina:

Leia mais

T souro Direto Belo Horizonte outubro 2011 201 Diogo g Coscrato

T souro Direto Belo Horizonte outubro 2011 201 Diogo g Coscrato Tesouro Direto Belo Horizonte, outubro de 2011 Diogo Coscrato Visão Geral Vantagens Tributação Entendendo o que altera o preço Comprando e Vendendo Títulos Simulador do Tesouro Direto Perfil do Investidor

Leia mais

Disciplina: Análise de Investimentos. AULA 6 Assunto: Método Analítico de Análise de Investimentos

Disciplina: Análise de Investimentos. AULA 6 Assunto: Método Analítico de Análise de Investimentos Disciplina: Análise de Investimentos AULA 6 Assunto: Método Analítico de Análise de Investimentos Facilitadora: Prof Ms Keilla Lopes Graduada em Administração pela UEFS Especialista em Gestão Empresarial

Leia mais

(A) 3,00 (B) 3,50 (C) 3,72 (D) 3,81 (E) 3,96

(A) 3,00 (B) 3,50 (C) 3,72 (D) 3,81 (E) 3,96 TESTES RESOLVIDOS E COMENTADOS PARA BRDE 1. Um capital de R$18.000,00 foi aplicado em regime de juros compostos durante 15 meses. Findo esse período, a remuneração obtida foi de R$10.043,40. A taxa percentual

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR MAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CAP FIADOR MAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR MAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CAP FIADOR MAIS CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR MAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CAP FIADOR MAIS MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900427/2013-48

Leia mais

OUROCAP ESTILO PRÊMIO SITE NA INTERNET : CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL GLOSSÁRIO

OUROCAP ESTILO PRÊMIO SITE NA INTERNET :  CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL GLOSSÁRIO OUROCAP ESTILO PRÊMIO SITE NA INTERNET : www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União

Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União 1) O que é o Regime de Previdência Complementar? É um dos regimes que integram o Sistema

Leia mais

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Orçamento de Caixa Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Fortaleza 2011 Fluxo de bens e serviços x Fluxo de caixa Orçamento de Caixa: Projeção de entradas e saídas de caixa; Necessidades de financiamentos;e

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 1503 - Licenciatura em Matemática. Ênfase

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 1503 - Licenciatura em Matemática. Ênfase Curso 1503 - Licenciatura em Matemática Ênfase Identificação Disciplina 0006308A - Fundamentos de Matemática Elementar Docente(s) Ivete Maria Baraldi Unidade Faculdade de Ciências Departamento Departamento

Leia mais

Reforço em Matemática. Professora Daniela Eliza Freitas. Disciplina: Matemática

Reforço em Matemática. Professora Daniela Eliza Freitas. Disciplina: Matemática Reforço em Matemática Professora Daniela Eliza Freitas Disciplina: Matemática PROPOSTA PEDAGÓGICA Justificativa: Existe um grande número de alunos que chegam no ensino médio sem saberem a matemática básica

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA PARA COMÉRCIO. Olá, quero lhe dar as boas vindas a mais um conteúdo exclusivo do Instituto Empreenda!

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA PARA COMÉRCIO. Olá, quero lhe dar as boas vindas a mais um conteúdo exclusivo do Instituto Empreenda! 1 Sobre o autor Roberto Lamas é empresário há 26 anos e possui dois negócios sendo um deles no ramo de alimentação e outro no setor de educação online. É graduado em Administração de Empresas e especialista

Leia mais

COMO APRESENTAR SUAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (para uma análise econômica ideal)

COMO APRESENTAR SUAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (para uma análise econômica ideal) COMO APRESENTAR SUAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (para uma análise econômica ideal) (UM ENFOQUE ORIENTADO PARA A CRIAÇÃO DE VALOR PARA O ACIONISTA)! Apresentação do balanço! Apresentação do resultado! A

Leia mais

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES)

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) 17.1. Depósitos à ordem Contas à ordem 0,000% 28,00% no Os juros obtidos estão sujeitos a retenção na fonte de imposto sobre o rendimento, à taxa que estiver em vigor na data de pagamento de juros. e (2)

Leia mais

O QUE É TIR MODIFICADA?

O QUE É TIR MODIFICADA? O QUE É TIR MODIFICADA? O que é TIR Modificada? Como calcular a TIR modificada? Como usar uma taxa de captação diferente da taxa de aplicação no cálculo da TIR? Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional:

Leia mais

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30.

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. ELEMENTOS DE GASTOS VALOR EM R$ Matéria-prima consumida 10.000 Aluguel da loja comercial 5.000 Energia da

Leia mais

Super PIC Ano Novo 2009 PIC - Plano Itaú de Capitalização. Cia Itaú de Capitalização

Super PIC Ano Novo 2009 PIC - Plano Itaú de Capitalização. Cia Itaú de Capitalização Super PIC Ano Novo 2009 PIC - Plano Itaú de Capitalização 1. CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS Sociedade de Capitalização: Cia Itaú de Capitalização CNPJ: 23.025.711/0001-16 Super PIC Ano Novo -

Leia mais

COMO CALCULAR O INDICADOR DE COBERTURA DO SERVIÇO DA DÍVIDA (ou como saber se sua empresa sobreviverá) - PARTE II

COMO CALCULAR O INDICADOR DE COBERTURA DO SERVIÇO DA DÍVIDA (ou como saber se sua empresa sobreviverá) - PARTE II COMO CALCULAR O INDICADOR DE COBERTURA DO SERVIÇO DA DÍVIDA (ou como saber se sua empresa sobreviverá) - PARTE II! Os dois focos da análise;! Como medir a capacidade de pagamento?! Como calcular o indicador

Leia mais

Condições Gerais Big Din Din

Condições Gerais Big Din Din GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada nestas Condições Gerais. Titular - é o próprio subscritor

Leia mais

MBA em Administração e Finanças Matemática Financeira e Análise de Investimentos Capitalização

MBA em Administração e Finanças Matemática Financeira e Análise de Investimentos Capitalização Tema 1 Capitalização Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Administração e Finanças Matemática Financeira e Análise de Investimentos Capitalização Nelson Castanheira Introdução Apresentaremos

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC SELEÇÃO TOP AÇÕES 02.436.763/0001-05 Informações referentes a Junho de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC SELEÇÃO TOP AÇÕES 02.436.763/0001-05 Informações referentes a Junho de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC SELEÇÃO TOP AÇÕES 02.436.763/0001-05 Informações referentes a Junho de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

Cálculo do custo de produção na empresa rural (2)

Cálculo do custo de produção na empresa rural (2) Cálculo do custo de produção na empresa rural (2) Instituto Federal Goiano Disciplina de Elaboração e Gestão de Projetos Agronegócio (Noturno) Bruno Maia, Eng Agrônomo, M. Sc. Custo Fixo Médio Quando se

Leia mais

INTRODUÇÃO À CALCULADORA HP 12c. OBJETIVO: Este material tem como objetivo estabelecer um primeiro contato com a calculadora financeira HP 12c.

INTRODUÇÃO À CALCULADORA HP 12c. OBJETIVO: Este material tem como objetivo estabelecer um primeiro contato com a calculadora financeira HP 12c. Prof. Ms. Marco A. Arbex INTRODUÇÃO À CALCULADORA HP 12c OBJETIVO: Este material tem como objetivo estabelecer um primeiro contato com a calculadora financeira HP 12c. INFORMAÇÕES BÁSICAS 1) Tecla para

Leia mais

Fazer teste: AS_I MATEMATICA FINANCEIRA 5º PERIODO UNIFRAN

Fazer teste: AS_I MATEMATICA FINANCEIRA 5º PERIODO UNIFRAN Fazer teste: AS_I MATEMATICA FINANCEIRA 5º PERIODO UNIFRAN Pergunta 1 João recebeu um aumento de 10% e com isso seu salário chegou a R$320,00. O salário de João antes do aumento era igual a? A. R$ 188,00

Leia mais

Títulos privados de Renda Fixa

Títulos privados de Renda Fixa Títulos Privados de Renda Fixa são títulos emitidos por instituições privadas que possuem remuneração paga em intervalos e condições pré-definidos. Existem diversas modalidades disponíveis no mercado,

Leia mais

A CAPITALIZAÇÃO DE JUROS E LEI 11.977/09 PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA (PMCMV) A prática do anatocismo no PMCMV

A CAPITALIZAÇÃO DE JUROS E LEI 11.977/09 PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA (PMCMV) A prática do anatocismo no PMCMV A CAPITALIZAÇÃO DE JUROS E LEI 11.977/09 PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA (PMCMV) A prática do anatocismo no PMCMV Anísio Costa Castelo Branco 15 de novembro de 2009 Uma análise do ponto de vista da Matemática

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI MASTER RENDA FIXA REFERENCIADO DI 02.367.527/0001-84 Informações referentes a Abril de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI MASTER RENDA FIXA REFERENCIADO DI 02.367.527/0001-84 Informações referentes a Abril de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI MASTER RENDA FIXA REFERENCIADO DI 02.367.527/0001-84 Informações referentes a Abril de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Gestão Estratégica da Qualidade

Gestão Estratégica da Qualidade UNIVERSIDADE DE SOROCABA Curso Gestão da Qualidade Gestão Estratégica da Qualidade Professora: Esp. Débora Ferreira de Oliveira Aula 1 09/08 Formação Acadêmica Tecnóloga em Mecânica - FATEC-Sorocaba; Pós-graduada/MBA

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO CEM

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO CEM CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO CEM I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO CEM PLANO PU 36/001 C - MODALIDADE:

Leia mais

Tesouro Direto. Vitória, outubro de 2009. Renato Andrade

Tesouro Direto. Vitória, outubro de 2009. Renato Andrade Tesouro Direto Vitória, outubro de 2009. Renato Andrade Visão Geral Vantagens Tributação Entendendo o que altera o preço Comprando e Vendendo Títulos Simuladores do Tesouro Direto 2 O que é Tesouro Direto?

Leia mais

O Financiamento da Economia e as Empresas

O Financiamento da Economia e as Empresas O Financiamento da Economia e as Empresas Banco de Portugal Apresentação na CIP em 17/2/2009 Vítor Constâncio O FINANCIAMENTO DA ECONOMIA O FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS O SISTEMA BANCÁRIO E O FINANCIAMENTO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL (CÓDIGO 45.1) VIP MILHÃO

CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL (CÓDIGO 45.1) VIP MILHÃO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL (CÓDIGO 45.1) VIP MILHÃO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - CÓDIGO 50 GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve

Leia mais

MANUAL DE ORGANIZAÇÃO ELETROS Norma Regulamentadora Empréstimo Financeiro Plano CD-Eletrobrás

MANUAL DE ORGANIZAÇÃO ELETROS Norma Regulamentadora Empréstimo Financeiro Plano CD-Eletrobrás 1 FINALIDADE 1.1 Esta Norma estabelece as condições e os procedimentos para a concessão de ao participante ativo, ao participante assistido ou beneficiário (pensionista), ao participante autopatrocinador

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 112/2015 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015

CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 112/2015 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - Secretaria Geral CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 112/2015 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015 (Resolução referendada pelo Consuni em sua 150ª reunião

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Senso crítico e capacidade de contextualização 1

PLANO DE ENSINO. Senso crítico e capacidade de contextualização 1 PLANO DE ENSINO CURSOS: ADMINISTRAÇÃO SÉRIE: 1 o Semestre DISCIPLINA: Economia e Negócios. CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04hs/aula semanais CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 80hs/aula I EMENTA A disciplina apresenta noções

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA CAPITALIZAÇÁO COMPOSTA: MONTANTE E VALOR ATUAL PARA PAGAMENTO ÚNICO Capitalização composta é aquela em que a taxa de juros incide sobre o capital inicial, acrescido dos juros acumulados

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CARTA - CIRCULAR Nº 35/2006 Rio de Janeiro, 25 de agosto de 2006

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CARTA - CIRCULAR Nº 35/2006 Rio de Janeiro, 25 de agosto de 2006 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CARTA - CIRCULAR Nº 35/2006 Rio de Janeiro, 25 de agosto de 2006 Ref.: Linha de Financiamento BNDES-exim Pré-embarque Automóveis. Ass.: Alteração

Leia mais

Análise de viabilidade de empreendimentos de geração

Análise de viabilidade de empreendimentos de geração Análise de viabilidade de empreendimentos de geração Erik Rego Excelência Energética Objetivo Projetar um fluxo de caixa de um investimento em uma central de geração eólica e determinar sua viabilidade

Leia mais

PREPARATÓRIO EXAME CFC MATEMÁTICA FINANCEIRA

PREPARATÓRIO EXAME CFC MATEMÁTICA FINANCEIRA PREPARATÓRIO EXAME CFC 2017.1 MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITAL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 7. MATEMÁTICA FINANCEIRA E ESTATÍSTICA a) Juros Simples e Compostos. b) Taxas Nominal, Proporcional, Efetiva e Equivalente.

Leia mais

Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.1

Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.1 Ficha Técnica 1. Beneficiários: As empresas que tenham operações enquadradas ou já contratadas ao abrigo das Linhas de Crédito PME Investe e que à data de contratação do alargamento do prazo não tenham

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO. Rebeka Sotero Pedro Jonas Baltazar

FUNDAMENTOS DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO. Rebeka Sotero Pedro Jonas Baltazar FUNDAMENTOS DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Rebeka Sotero Pedro Jonas Baltazar GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO Envolve a administração dos elementos de giro da empresa. GESTÃO DO ATIVO CIRCULANTE Deve estabelecer

Leia mais

APURAÇÃO DOS CUSTOS PARA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA EM UMA EMPRESA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DE CAXIAS DO SUL

APURAÇÃO DOS CUSTOS PARA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA EM UMA EMPRESA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DE CAXIAS DO SUL APURAÇÃO DOS CUSTOS PARA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA EM UMA EMPRESA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DE CAXIAS DO SUL 1 INTRODUÇÃO Elisandra Juventina de Lima Paz Zanchin 1 Odir Berlatto 2 Catherine Chiappin

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA. UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagamentos ou Rendas)

MATEMÁTICA FINANCEIRA. UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagamentos ou Rendas) 1 UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagametos ou Redas) Elemetos ou Classificação: - Redas: Sucessão de depósitos ou de prestações, em épocas diferetes, destiados a formar

Leia mais

PLANO ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO PLIN DOS SONHOS CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO PROCESSO SUSEP 15414.002933/2008-11

PLANO ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO PLIN DOS SONHOS CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO PROCESSO SUSEP 15414.002933/2008-11 PLANO ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO PLIN DOS SONHOS CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO PROCESSO SUSEP 15414.002933/2008-11 CONDIÇÕES GERAIS PLIN DOS SONHOS MODALIDADE TRADICIONAL GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO ADVANCED 01.919.

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO ADVANCED 01.919. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO ADVANCED 01.919.660/0001-33 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém

Leia mais

Precificação de Títulos Públicos

Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos > Componentes do preço > Entendendo o que altera o preço Componentes do preço Nesta seção você encontra os fatores que compõem a formação

Leia mais