Período da manhã. 08:45h RECEPÇÃO DOS CONVIDADOS E ENTREGA DE DOCUMENTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Período da manhã. 08:45h RECEPÇÃO DOS CONVIDADOS E ENTREGA DE DOCUMENTAÇÃO"

Transcrição

1 Programa Período da manhã 08:45h RECEPÇÃO DOS CONVIDADOS E ENTREGA DE DOCUMENTAÇÃO 09:15h SESSÃO DE ABERTURA Prof. Fernando Teixeira dos Santos Ministro de Estado e das Finanças Dr. Rui Leão Martinho Presidente do Conselho Directivo do Instituto de Seguros de Portugal 09:45h I PAINEL GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO NA ACTIVIDADE SEGURADORA Moderador: Dr. António Egídio Reis Director Geral de Supervisão do ISP ORADORES: Dra. Ana Salcedas Partner da Ernst & Young Financial Services Dr. Jaime d Almeida Presidente da Associação Portuguesa de Seguradores Dr. Presidente da Companhia de Seguros Açoreana, S.A. 11:00h INTERVALO / COFFEE-BREAK 11:30h II PAINEL NOVOS SISTEMAS DE SOLVÊNCIA NO SECTOR SEGURADOR Moderador: Dr. Gabriel Bernardino Director do Departamento de Desenvolvimento do ISP ORADORES: Solvência 2 O ponto de vista dos Chief Risk Officers (CRO) Dr. Raj Singh Allianz Group Swiss Solvency Test Dr. Phillip Keller Federal Office of Private Insurance

2 Programa 13:30h ALMOÇO Período da tarde 15:00h III PAINEL DESAFIOS DO NOVO REGIME DOS FUNDOS DE PENSÕES Moderador: Dra. Maria Amélia Vicente Directora do Departamento de Supervisão de Fundos de Pensões ORADORES: A gestão de riscos numa SGFP Dr. Valdemar Duarte PensõesGere Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. A transparência e a prestação de informação ponto de vista de um associado Dr. Miles Cunningham Membro do Conselho Directivo da Tabaqueira, S.A. Dra. Adélia Borges Compensations & Benefits Manager. Tabaqueira, S.A. A avaliação actuarial de responsabilidades com pensões na UE Dr. Gordon Pollock Partner da Mercer Human Resource Consulting 17:00h SESSÃO DE ENCERRAMENTO Dr. Rui Leão Martinho Presidente do Conselho Directivo do ISP

3 Risk Advisory Services Gestão de Riscos e Controlo Interno na actividade Seguradora 21 de Junho de 2006 Ana Salcedas Partner, Ernst & Young

4 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. Porque discutimos hoje este tema? Volatilidade das condições económicas e alterações na exposição a determinados riscos (tendências de longevidade, terrorismo, desastres naturais ) Pressão dos investidores, agências de rating, reguladores.. Nova legislação (Sarbanes-Oxley Act, VIII Directiva, Solvência II ) Abordagens tradicionais de gestão de risco insuficientes para gerir as complexas actuais necessidades de negócio 1

5 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. EY Global Risk Survey * principais conclusões "Closing The Gaps" 42% das empresas reconhecem a existência de "gaps" na mitigação dos riscos. Integração com Estratégia da Empresa quatro em cada dez empresas não considera formalmente a Gestão do Risco na definição da estratégia do negócio. Criação de "linhas de defesa" Necessidade de melhorar o alinhamento entre as funções da Gestão do Risco e a Gestão das unidades de negócio Aumento gastos em Gestão do Risco 60% das empresas planeia aumentar o nível de investimento no próximos 3 anos. O desafio para o futuro Gerir o Risco de forma mais coordenada e integrada 2 * EY Global Risk Survey 441 CEOs, CFOs e Directores Financeiros, Março de 2006

6 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. Ambiente Geral da Gestão do Risco O survey da Ernst & Young revela a percepção do aumento de responsabilidades dos CEO, CFO e membros das Administrações. Os entrevistados revelam os principais factores que resultam de uma Gestão do Risco de sucesso. 3 Inúmeros factores externos conduziram ao relevo do Risco, onde se inclui : nova regulamentação e a introdução de práticas de Corporate Governance, Compliance e Gestão do Risco. Há uma clara tendência para uma abordagem integrada de Gestão do Risco que esteja alinhada com o negócio e com os objectivos.

7 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. Os investidores estão dispostos a pagar um prémio por uma boa Gestão do Risco To comply more and more with laws and regulations and still be able to see through the tangle of guidelines. Senior Portfolio Manager, Netherlands Deciding what risks to mitigate and what risks to leave exposed. Fund Director, UK Simply making sure that everything they say is the truth. Senior Investor, US As an investor I want the companies to truly commit themselves to change what is wrong when it comes to risk management. Senior Investor, Brazil To be more integrated and flexible and have the ability to change as the company s growth and profile change. Chief Investment Officer, USA Recognizing that their objectives actually do coincide with ours. Portfolio Manager, Netherlands 4 * Ernst & Young Risk Survey Key Investor Findings Novembro 2005 Survey realizado por Taylor Nelson Sofres, Londres, patrocinado pela Ernst & Young. Método utilizado: entrevistas telefónicas

8 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. Os investidores penalizam as empresas que têm insuficiências na Gestão de Risco Os investidores querem conhecer os Riscos e saber como se efectua a Gestão do Risco By declaring the risks, and quantifying them somehow, they give investors confidence in the company. Portfolio Manager, Sweden The company has to show in detail how it operates its current risk management. It has to show it has a clear knowledge of the difference between business risk and financial risk. Senior Investor, Brazil They can show what systems they have for risk management. Portfolio Manager, Sweden Demonstrating how the risk approach adds value; showing the benefits of protection through risk management. Chief Investment Officer, Australia 5 * Ernst & Young Risk Survey Key Investor Findings Novembro Survey realizado por Taylor Nelson Sofres, Londres, patrocinado pela Ernst & Young. Método utilizado: entrevistas telefónicas

9 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. Agências de Rating 6

10 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. Benefícios e Valor da Gestão do Risco Evitar Surpresas Atingir objectivos estratégicos Reduzir de Custos Melhorar o desempenho financeiro Optimizar a alocação de recursos humanos e de capital 7 Gerir os mesmos riscos de igual forma Identificar correlações entre diferentes riscos Aperfeiçoar o processo de tomada de decisões Melhorar a Corporate Governance

11 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. Os standards 8 Ferma, Coso 2.

12 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. Abordagem para a Gestão do Risco Melhorar o Negócio ABORDAGEM INTEGRADA PARA A GESTÃO DO RISCO Iniciativas e Business Drivers Riscos Abordagem Âmbito Intervenientes Conselho de Administração Estratégia do Negócio Proveitos e Quota de Mercado Marca e Reputação Gestão de Activos e Capital Margem Operacional Estratégicos Operacionais Financeiros Compliance Avaliar Aperfeiçoar Monitorizar Operações P&D Novos Produtos Novos Negócios Procurement Produção Logística Suporte Pós-Venda Funções de Suporte Transacções Tecnologias de Informação Fiscal Financeira Legal Recursos Humanos Funções Corporativas de Gestão do Risco Auditoria Interna Compliance Controlo Interno Outras Administração Directores Comité de Auditoria Comité de Risco PERFORMANCE COMPLIANCE Objectivos Organização Estratégia de Gestão do Risco Reporting e Comunicação Ferramentas e Tecnologia Cultura Componentes da Gestão do Risco ALINHADO COM OS BUSINESS DRIVERS 9 Evitar Problemas

13 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. Uma visão para a Gestão do Risco Objectivos de Negócio 10 Riscos Típicos do Sector Como Avaliar o Risco? Normas e Legislação Resolução de problemas Avaliar Estratégia Riscos Processos Aperfeiçoar Alinhamento e Alavancage m Monitorizar Análise de Actividades Como melhorar a mitigação dos Riscos Segregação Testes aos Controlos Control Self Assessment Análise de eventos de perda Como monitorizar o Risco? Monitorização Contínua

14 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. Uma abordagem integrada 1 Risk 2 Risk Governance Framework Measurement Metodologias e métricas para quantificar os riscos 3 Risk Management Processos e actividades usados para monitorar os riscos 11

15 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. Uma abordagem faseada Abordagem pragmática: Inicia-se com a avaliação do risco e pela revisão dos actuais níveis de competência para a Gestão do Risco. Com base nos resultados das fases anteriores, foca-se nas áreas de melhoria que podem proporcionar maior valor. 1 Avaliação 2 dos Riscos da Organização Avaliar e classificar os riscos Analisar o ambiente interno para a Gestão do Risco Avaliar a capacidade da organização para gerir os riscos 3 Melhorar a Gestão do Risco Melhorar as capacidades para a Gestão do Risco, através: Integração das actividades de Gestão do Risco nas funções e processos da organização Desenho e implementação de ferramentas para suportar uma Gestão do Risco alinhada, coordenada e integrada Desenvolvimento de planos de mitigação dos riscos mais significativos 12

16 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. Resumo Produtos Resultantes Step s Avaliar Monitorizar Melhorar Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Etapa 6 Desenvolver Expectativas e Adaptar a Abordagem Ligar Estratégia, Riscos e Processos Desenvolver a Avaliação dos Riscos Validar Avaliação do Risco Desenvolver um Plano de Monitorização Desenvolver um Plano de Acções Produtos Resultantes Factores Criticos de Sucesso Customized RiskUniverse Perfil de Risco Modelo de Processos Critérios de Avaliação de Riscos Modelo de Riscos Matriz Riscos / Organização Template de Avaliação dos Riscos Questionário de avaliação do Risco Perfil de Risco Prioritização dos Riscos Avaliação dos Riscos Avaliação dos Riscos validada pela Gestão Estabelecer protocolo com Auditoria Interna (e Qualidade) Plano de Monitorização Plano de Acções Pessoas Metodologia Conhecimento Tecnologia 13

17 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. Algumas indicações (1) Nada acontece "por mágica" Envolvimento do topo, assegurar suporte ao nível adequado Um projecto, depois um processo e uma equipa com os recursos adequados Definição de Objectivos e forma de organização, Cultura para o risco Avaliação do Risco Os gestores do negócio são mais que especialistas Abordagem transversal (aos problemas ou na implementação de best practices) Hoje e amanhã ("olhar para o desconhecido") Implementação progressiva, depois uma actividade integrada 14

18 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. Algumas indicações (2) Gestão do Risco: Consistência linguagem comum, respostas comuns, metodologia, ferramentas Ligação à visão estratégica e aos processos assegura foco e alinhamento Ligar o risco, propensão para o risco e gestão de oportunidades Identificar oportunidades de melhoria transversais Implementar o processo Uma equipa central que funciona como facilitador, um hub, Aportar valor com a definição dos processos e ferramentas de suporte Compilar, organizar e disseminar conhecimento Contemplar actividades especificas: seguros, gestão de crise, "Autoavalie-se e meça a sua contribuição" Evitar a burocracia 15

19 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. Requisitos da Norma 14 do ISP Corporate Governance Informação financeira Auditoria Interna Órgãos e políticas de bom governo Nível de tolerância e política geral de gestão de riscos Risco Operacional Gestão de Riscos Controlo Interno Compliance Prevenção de branqueamento de capitais Prevenção de outras fraudes Ambiente de controlo Avaliação Monitorização Melhoria Risco de Subscrição Risco de Mercado /ALM Risco de Crédito Risco de Liquidez 16

20 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. Framework de ERM A competência de uma organização para gerir a incerteza minimizando as ameaças e maximizando as oportunidades O ERM é constituído por um conjunto de práticas para avaliar, monitorizar e melhorar a forma como o risco é gerido suportado por um framework adequado à Gestão do Risco Integrad a INFRAESTRUTURA Probabilidade de sucesso e criação de valor do ERM Framework ERM Nova Académica ABORDAG EM Prática 17

21 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. Go for the reward... but manage your risk 18

22 A informação contida neste documento e a transmitida durante a apresentação é propriedade de Ernst & Young. Não poderá ser efectuada reprodução total ou parcial desta informação sem prévia autorização da Ernst & Young. Mais informações Ana Salcedas, E&Y Portugal

23 GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO NA ACTIVIDADE SEGURADORA Jaime d Almeida Presidente APS

24 CONTEXTO Evolução profunda do mercado financeiro e, em particular, do mercado segurador nos últimos anos: produtos e serviços riscos ferramentas de gestão objectivos operadores globalização Com alguns casos concretos que abalaram confiança na solidez do sistema

25 CONTEXTO (continuação) Reorientação das preocupações dos supervisores e reforço da sua intervenção em áreas como: gestão do risco e solvência controlo interno corporate governance compliance e branqueamento de capitais conduta de mercado

26 CONTEXTO (continuação) No sector segurador, orientações concretas em matéria de controlo interno e gestão de riscos: Insurance Core Principles do IAIS Relatório de Madrid do CEIOPS mas sobretudo projecto Solvência II

27 CONTEXTO (continuação) Regras de controlo interno e gestão de riscos serão parte integrante do modelo Solvência II: função crucial da gestão de riscos, num modelo de risk based capital reconhecimento da relação entre qualidade do controlo interno e perfil de risco da companhia importância de uma adequada estrutura organizacional

28 CONTEXTO (continuação) Recente regulamentação do ISP nesta área foi, por isso, oportuna: antecipa requisitos do Pilar II do Solvência II impõe preocupações salutares para a gestão incute uma cultura de risco nas companhias

29 IMPACTOS Mas a regulamentação terá impactos consideráveis: na estrutura organizacional nos processos e sistemas na gestão técnica

30 IMPACTOS (continuação) Estrutura organizacional definição expressa de cadeias de responsabilidades segregação de deveres garantia de competência dos colaboradores eventuais códigos de conduta funções específicas de gestão de riscos e de auditoria interna modelos de comunicação cultura organizacional

31 IMPACTOS (continuação) Processos e sistemas sistemas de informação e comunicação modelos de análise qualitativa e quantitativa e regras explícitas de gestão de riscos mecanismos de monitorização reporte, orientações e recomendações controlo do branqueamento de capitais e compliance sistemas e relatórios de auditoria

32 IMPACTOS (continuação) Gestão Técnica políticas de mitigação de riscos subscrição e tarifação baseadas na análise de risco investimentos baseados na análise de risco

33 IMPACTOS (continuação) Representará um enorme esforço para a generalidade das seguradoras: na definição e implementação de novas políticas na reformulação da estrutura organizacional, dos processos e dos sistemas na adaptação cultural de toda a organização na formalização/documentação de todas estas políticas, estratégias, processos, funções, sistemas, regras

34 IMPACTOS (continuação) Por isso, solução de implementação faseada da Norma foi opção adequada: com produção de efeitos a mas com exigências de planeamento prévias

35 PREOCUPAÇÕES Requisitos mínimos e orientações: ISP estabelecerá a posteriori requisitos mínimos e orientações técnicas para implementação dos sistemas de gestão de riscos e de controlo interno dadas as exigências prévias de planeamento, as seguradoras começarão a estruturar sistemas com base em critérios próprios, que podem não obedecer depois aos requisitos mínimos ou orientações é fundamental conhecer atempadamente estes requisitos mínimos e orientações, pelo menos nas suas linhas gerais

36 PREOCUPAÇÕES (Cont.) Tratamento das pequenas seguradoras: Norma adopta um princípio de proporcionalidade entre os meios e a dimensão, natureza e complexidade da actividade da empresa assume para empresas de reduzida dimensão flexibilidade no cumprimento de requisitos quanto à segregação de deveres e à função de gestão de riscos para a função de auditoria interna, assume soluções alternativas para estruturas organizacionais onde a sua existência não é exequível ou apropriada. considerados, e bem, estes princípios, há que salvaguardar que o processo de supervisão terá em conta, de facto, as naturais limitações destas organizações e o esforço relativo que para elas representa o cumprimento de todos estes requisitos

37 PREOCUPAÇÕES (Cont.) Articulação com o projecto Solvência II: para que o cumprimento destes requisitos seja integralmente reconhecido nas exigências do Solvência II para que represente, de facto, um impulso na adopção de uma verdadeira cultura de risco nas companhias sendo que a qualidade da gestão de risco estará, em breve, directamente associada aos requisitos de capital

38 Gestão de Riscos e Controlo Interno na Actividade Seguradora

39 Gestão de Riscos e Controlo Interno na Actividade Seguradora SOLVÊNCIA II Origem, Desenvolvimento e Objectivos Controlo Interno e Gestão de Riscos Abordagem CSA Conclusões 2

40 Fonte: APS 3

41 Objectivo nuclear O objectivo básico da Solvência II é estabelecer uma combinação de medidas e instrumentos que possibilitem garantir que os direitos dos tomadores de seguros e segurados estão salvaguardados. 4

42 Elementos mais relevantes i. A solvência da empresa deve ser avaliada numa óptica prospectiva e orientada para os riscos e deve incorporar os elementos quantitativos e os elementos qualitativos que possam influenciar o perfil de risco da empresa de seguros; ii. iii. iv. As seguradoras tem de constituir provisões suficientes para os riscos que assumem Os activos de investimento devem gozar de níveis óptimos de segurança, diversificação e qualidade; As companhias tem de dispor de capitais próprios não comprometidos para fazer face a eventos inesperados e proteger os interesses dos segurados. 5

43 O Sistema de três pilares Pilar I Pilar II Pilar III Requisitos Quantitativos Requisitos Qualitativos e Processo de Supervisão Disclosure de Informação Normas Contabilísticas - IAS/IFRS 6

44 Vectores principais do SOLVÊNCIA II encorajar e incentivar as seguradoras para a avaliação e gestão dos respectivos riscos; clarificar os requisitos para o cálculo das necessidades de capital e os conceitos de capital económico (SCR) e de capital mínimo absoluto (MCR) proporcionar uma supervisão mais eficiente dos grupos seguradores e dos conglomerados financeiros e a cooperação e coordenação entre autoridades prudenciais conduzir a uma maior harmonização dos métodos de supervisão quantitativos e qualitativos promover uma maior convergência do processo de normalização prudencial garantir uma Gestão fit and proper 7

45 Pilar III Disclosure requirements Incremento da transparência e qualidade da informação divulgada Reforço dos mecanismos de mercado Melhoria da supervisão das Companhias 8

46 Pilar II Requisitos qualitativos e processo de supervisão Estruturas e mecanismos de governação Controlo Interno Gestão de Risco Processo de supervisão 9

47 good governance adds value 10

48 ICP 9 The corporate governance framework recognizes and projects rights of all interested parties. The supervisory authority requires compliance with all applicable governance standards 11

49 ICP 7 The significant owners, board members, senior management, auditors and actuaries of an insurer are fit and proper to fulfill their roles. This requires that they possess the appropriate integrity, competency, experience and qualifications 12

50 Supervisão Define as obrigações e competências do supervisor Estabelece um marco comum para avaliar o boa gestão empresarial Estabelece critérios mínimos para determinadas inspecções/auditorias Alarga competências de âmbito cautelar e prudencial Avalia numa base contínua, o perfil de risco das seguradoras Reforça os mecanismos de intervenção e cooperação. 13

51 Pilar I Cálculo das provisões técnicas Regulação dos investimentos e gestão activo-passivo Novos requisitos de capital Capital objectivo (SCR) e capital mínimo (MCR) Estudos preparatórios e em curso PFS Preparatory field study QIS 1 Quantitative impact study 1 QIS 2 Quantitative impact study 2 14

52 Riscos que afectam a actividade Riscos de Subscrição Riscos de Mercado Riscos de Crédito Riscos de Liquidez Riscos Operacionais 15

53 SOLVÊNCIA II Origem, Desenvolvimento e Objectivos Controlo Interno e Gestão de Riscos Abordagem CSA Conclusões 16

54 Controlo interno Controlo interno é um processo contínuo, realizado pelo board of directors, senior management e todo o pessoal, projectado para assegurar que as estratégias, políticas e procedimentos são implementadas e aplicadas efectiva e eficientemente, que a informação financeira e não financeira é de confiança e que se encontra em conformidade com a regulamentação. CEIOPS Internal Control is a process, effected by an entity s board of directors, management, other personnel, designed to provide reasonable assurance regarding the achievement of objectives in the following categories: Effectiveness and efficiency of operations; Reliability of financial reporting; Compliance with applicable laws and regulations. COSO 17

55 Mecanismos de controlo interno O board of directors tem a responsabilidade final e total por assegurar o estabelecimento, manutenção e monitorização de um sistema adequado e eficaz de controlo interno. O senior management é responsável pela implementação do sistema de controlo interno, integrando a sua cultura e princípios, de acordo com as estratégias e políticas estabelecidas pelo board of directors. Um adequado sistema de controlo interno requer a implementação de controlos efectivos e eficientes a todos os níveis, incluindo actividades em outsourcing. O board of directors deverá assegurar a atribuição apropriada de responsabilidades funcionais e individuais, incluindo uma segregação adequada de funções. O sistema de controlo interno deverá assegurar que o reporte é exacto, completo, atempado e consistente; 18

56 SOLVÊNCIA II Origem, Desenvolvimento e Objectivos Controlo Interno e Gestão de Riscos Abordagem CSA Conclusões 19

57 Iniciativas CSA Criação de um sistema de controlo interno Gestão do risco operacional Arquitectura organizacional Plano de continuidade de operações 20

58 Sistema de controlo interno e gestão de riscos i. Documentar e evidenciar o sistema de controlo interno vigente, face aos riscos associados aos processos da Companhia; ii. Assegurar a consistência do sistema de controlo interno e decidir sobre as melhores oportunidades para mitigar riscos latentes; iii. Dotar a Companhia de uma metodologia de monitorização e revisão permanente do sistema de controlo interno iv. Assegurar a conformidade das práticas da Companhia no âmbito do controlo interno e na gestão de risco com os princípios emanados pelas entidades reguladoras e de supervisão. 21

59 Sistema de controlo interno e gestão de riscos 1ª Fase 2ª Fase 3ª fase Relatório de avaliação do sistema de controlo interno Manualização de alguns dos processos seleccionados Desenho do mapa de riscos Road map de implementação. Concluída Reavaliação dos resultados da 1ª Fase Manualização dos processos não cobertos 1ª Fase Definição dos requisitos do modelo de dados e da solução que irá suportar o cálculo das necessidades de capital. Em curso Até 1º Trim Selecção e implementação da solução que irá suportar o cálculo das necessidades de capital

60 Avaliação do sistema de controlo interno Controlo Interno Relatório de Avaliação do Sistema de Controlo Interno Objectivos do processo; o Descrição das principais actividades; Mapeamento de processos Principais riscos e controlos associados; Indicadores Chave do Processo Questionário de Avaliação de Controlos * Avaliação da Qualidade do Desenho dos controlos Avaliação do Desenho dos Controlos Classificação do Grau de Exposição ao Risco; Inventário de oportunidades de melhoria. Prioritização de oportunidades de melhoria Oportunidades de Melhoria reveladas pelo SCI, prioritizadas em função do grau de exposição ao risco 23

61 Metodologia de abordagem (avaliação dos riscos) Grau de cobertura extensiva dos controlos existentes (considerando os riscos associados) Grau de sistematização dos controlos Grau de adequação da frequência média dos controlos Grau de formalização dos controlos no normativo interno Grau de automatização dos controlos 24

62 Processos seleccionados O âmbito do projecto aprovado para esta primeira vaga endereçou os seguintes processos: Gestão de Activos: Estratégia de investimentos e ALM Gestão de instrumentos financeiros Ramo Vida Produto Multi-Plano Universal Ramos Reais Acidentes de Trabalho e Multiriscos Macro-Processos / Produtos: Gestão de Investimentos Acidentes de Trabalho Multi-Riscos Vida / Multi-Plano Universal Riscos Principais no Âmbito da Gestão de Produtos Pesquisa e Desenvolvimento Subscrição / Gestão da Carteira Gestão de Sinistros 25

63 Manual de controlo interno Documento de natureza, sobretudo, descritiva, que visa sistematizar de forma razoavelmente exaustiva o sistema de controlo interno vigente num dado momento ao nível dos processos de organização. Ficha de Processo Identificação do processo Objectivos do processo Descrição das principais actividades Principais riscos e controlos associados Indicadores chave do processo 26

64 Mapeamento de processos Core Processes Vendas Support Processes Gestão de Cobranças Support Processes Gestão de Tesouraria Unidades Orgânicas Processos Pesquisa, Desenvolvimento e Modificação de Produtos Subscrição de Apólices Novas Alteração de Apólices / Renovação Serviço a Clientes Produção Gestão de Sinistros Cobranças, Anulações e Estormos de Prénios Conta-Corrente e Conta-Efectivo (Mediadores) Gestão de Orçamento de Tesouraria Recebimentos Pagamentos Direcção de Serviços Jurídicos Pré-Contencioso S S S Serviços Contencioso S S S Núcleo Açores S S S Direcção de Estudos de Actuariado Núcleo de Desenvolvimento de Produtos Núcleo de Estudos e Actuariado Departamento de Marketing Núcleo de Produtos e Research Núcleo de Comunicação e Apoio de Canais de Distribuição Núcleo de Apoio Admin. de Suporte de Redes Comerciais P S P S S Núcleo de Gestão de Investimentos S Direcção Operacional do Norte Apoio Administrativo Apoio Técnico S S Núcleo de Regularização de Sinistros Norte P Zonas de Coordenação Comercial P P P P S S Direcção Comercial do Sul Apoio Administrativo Núcleo Técnico de Subscrição Sul S S Zonas de Coordenação Comercial P P P P S S Direcção Regional da Madeira P P P P P S S Direcção Geral dos Açores Direcção Comercial dos Açores P P P P S S Direcção de Produção dos Açores Gabinete de Apoio à Produção dos Açores S S S Núcleo de Emissão de Contratos em Massa S S S Núcleo de Emissões Especiais e Cauções S Direcção de Sinistros dos Açores Núcleo Clínico P Núcleo Automóvel P Núcleo Graves e Pessoais P Núcleo Patrimonial e Outros P Gabinete de Peritagem P Gabinete Técnico Administrativo S S S Núcleo de Auditoria, Análise e Prevenção dos Açores S Núcleo de Subscrições dos Açores S S Ilustrativo 27

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA 1 A regulação e a supervisão prudencial são um dos pilares essenciais para a criação de um clima

Leia mais

OS NOVOS DESAFIOS DA GESTÃO DE RISCO Tiago Mora

OS NOVOS DESAFIOS DA GESTÃO DE RISCO Tiago Mora PATROCINADORES OURO Lisboa 28 e 29 Junho 2011 Museu do Oriente OS NOVOS DESAFIOS DA GESTÃO DE RISCO Tiago Mora O Contexto actual A Crescente Interdependência e vulnerabilidades à escala global: 2 O Contexto

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Formação Profissional Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Assessoria de Gestão, Lda Controlo Interno e Auditoria Interna No actual contexto de crise, em que as organizações estão

Leia mais

Relatório sobre a Estrutura Organizacional e os Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno

Relatório sobre a Estrutura Organizacional e os Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno Generali Vida, Companhia de Seguros, S.A. Relatório sobre a Estrutura Organizacional e os Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno 31 de Dezembro de 2013 Lima Jorge 1. Introdução Não tendo existido

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Wagner S. Almeida Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários Divisão de Equipes Especializadas I Comissão

Leia mais

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES Sessão de Abertura A regulação e supervisão da actividade seguradora e de fundos de pensões Balanço, objectivos e estratégias futuras É com

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 840

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 840 Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 840 PROJECTO DE DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 840 Março de 2008 Relatório Sobre os Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros

Leia mais

SOLVÊNCIA II Principais Desafios

SOLVÊNCIA II Principais Desafios Maio 2008 SOLVÊNCIA II Principais Desafios Índice Porquê regulamentar a solvência? Solvência II Estruturas e princípios Pilar II Principais exigências e desafios Solvência I vs Solvência II Conclusões

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Gestão do Risco Operacional

Gestão do Risco Operacional www.pwc.pt/academia Gestão do Risco Operacional 2ª Edição Lisboa, 13 e 14 de março de 2013 Academia da PwC Considerando que existe um conjunto de factores na questão da gestão de risco operacional, é importante

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Auditoria interna Especialização PwC

Auditoria interna Especialização PwC www.pwc.pt/academy Especialização PwC PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais Especialização PwC Este curso com uma forte componente prática, procura dotar os recursos afetos à função

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal 10 ANOS DO IPCG O GOVERNO SOCIETÁRIO EM PORTUGAL O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal Lisboa, 09 de Julho de 2013 SUMÁRIO 1. Acontecimentos empresariais e governance 2. Fatores normativos

Leia mais

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 1/7 Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Módulo I Apresentação 1. Com a finalidade de promover a harmonização, a integração e a racionalização

Leia mais

Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão. Maio 2008

Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão. Maio 2008 Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão Maio 2008 Agenda 1. Risco Operacional a definição 2. Cálculo de capital requisitos regulamentares relação com perfil de risco utilidade

Leia mais

Mecanismos de supervisão e regulação para o setor segurador e dos fundos de pensões

Mecanismos de supervisão e regulação para o setor segurador e dos fundos de pensões Mecanismos de supervisão e regulação para o setor segurador e dos fundos de pensões Mário Ribeiro Instituto de Seguros de Portugal 29 de setembro de 2011 1 ÍNDICE Risco sistémico O novo regime de solvência

Leia mais

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010 Normas Internacionais de Supervisão 8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária Rio de Janeiro Agosto - 2010 Sumário: 1. Solvência II 2. International Association of Insurance Supervisors IAIS 3.

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

Governo societário de Sistemas de Informação

Governo societário de Sistemas de Informação Governo societário de Sistemas de Proposta de princípios e recomendações para o governo societário de Sistemas de «Governo do Sistema de : O conjunto de práticas relativas à tomada de decisões políticas

Leia mais

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional - A ligação entre os Fundos de Pensões e o 1 Os Fundos de Pensões em Portugal Início em 1987 Fundos de Pensões

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Política Global de Conflitos de Interesses

Política Global de Conflitos de Interesses Política Global de Conflitos de Interesses Índice 1. DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS... 3 2. INTRODUÇÃO... 3 3. OBJECTIVO... 3 4. ALCANCE... 4 5. REGRAS E REGULAMENTAÇÕES... 5 6. ORIENTAÇÃO GERAL... 6 7. EXEMPLOS

Leia mais

Lisboa, 18 e 19 de Outubro

Lisboa, 18 e 19 de Outubro Formação Profissional Implementar um programa de Gestão do risco operacional e resiliência de negó ócio Lisboa, 18 e 19 de Outubro Assessoria de Gestão, Lda Gestão do risco operacional e resilência de

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS Com a presente Norma Regulamentar estabelece-se o regime de cálculo das provisões técnicas segundo

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 AUDIÊNCIA 3 IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO E DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 3 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 MANUTENÇÃO E COMUNICAÇÃO DAS

Leia mais

Agilizar a implementação dos Modelos de Gestão de Risco

Agilizar a implementação dos Modelos de Gestão de Risco Agilizar a implementação dos Modelos de Gestão de Risco Nuno Cabral, FWD Advise Centro Cultural de Belém, 7 de Maio de 2008 ... O estado do Risco! Melhores práticas de Basileia II incorporadas no Solvência

Leia mais

Banking. Estudos de Remuneração 2012

Banking. Estudos de Remuneração 2012 Estudos de 2012 Estudos de Banking 2012 2 Nota preliminar pág. 3 Técnico de Tesouraria pág. 4 Banking Técnico de Controlo de Crédito pág. 5 Analista de Crédito Técnico de Back-Office Técnico de Derivados

Leia mais

Conferência de compliance

Conferência de compliance Confidencial Conferência de compliance Luanda 20 de Junho de 2013 Os principais temas em matérias de compliance a nivel mundial Gestão do e adequação de capital Protecção do consumidor Fiscal Conflitos

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

O Módulo Risk Manager fornece workflow para tratamento dos riscos identificados nas avaliações e priorização das ações.

O Módulo Risk Manager fornece workflow para tratamento dos riscos identificados nas avaliações e priorização das ações. GRC - Governança, Riscos e Compliance já é uma realidade nas organizações. Sua adoção, no entanto, implica no desenvolvimento e na manutenção de um framework que viabilize a integração e colaboração entre

Leia mais

Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras

Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras José Figueiredo Almaça Instituto de Seguros de Portugal 21 de fevereiro de 2014 ÍNDICE 1. Principais indicadores do mercado segurador

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos. 24 de Fevereiro de 2015

Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos. 24 de Fevereiro de 2015 Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos 24 de Fevereiro de 2015 1 Agenda 08:00-8:30 Recepção 08:30-8:45 Abertura Margarida Bajanca, Partner Deloitte 08:45-9:30 Melhores

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. AUDIÊNCIA 3 3. VALOR DA INFORMAÇÃO 4 4. IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 5. MODELO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 6. RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 7 7. MANUTENÇÃO

Leia mais

QUADRO DE CONSULTA ALTERADO SOBRE O PROJECTO SOLVÊNCIA II

QUADRO DE CONSULTA ALTERADO SOBRE O PROJECTO SOLVÊNCIA II COMISSÃO EUROPEIA DG Mercado Interno e Serviços INSTITUIÇÔES FINANCEIRAS Seguros e Pensões Abril de 2006 MARKT/2515/06 QUADRO DE CONSULTA ALTERADO SOBRE O PROJECTO SOLVÊNCIA II Objectivo do presente documento

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

DESIGNING YOUR ACHIEVEMENT PRODUTOS E SERVIÇOS

DESIGNING YOUR ACHIEVEMENT PRODUTOS E SERVIÇOS DESIGNING YOUR ACHIEVEMENT PRODUTOS E SERVIÇOS Gestão de Tempo e Produtividade Pessoal HIGHER LEVELS OF ACHIEVEMENT MORE MEANINGFUL RESULTS BETTER BALANCED LIFE-STYLE NEM SEMPRE A CAPACIDADE DE REALIZAÇÃO

Leia mais

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Serviços Financeiros Créditos Incobráveis Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Sabia que 25% das falências são resultado de créditos incobráveis? Intrum Justitia Os créditos

Leia mais

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Boas práticas no sector segurador - A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Eduardo Farinha Pereira eduardo.pereira@isp.pt Sumário Enquadramento

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

Política Institucional Gerenciamento de Capital

Política Institucional Gerenciamento de Capital P a g e 1 1 P a g e 2 Índice: 1. Objetivos... 2 2. Estrutura... 3 Diretoria BNY Mellon Serviços Financeiros Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A e BNY Mellon Banco S.A... 4 Diretor Responsável

Leia mais

SI Sistema de Informação Anexo 4

SI Sistema de Informação Anexo 4 onselho oordenador omo implementar? No actual quadro da dministração Pública torna-se necessário avaliar o desempenho dos serviços, o que implica, para os gestores públicos, desenvolver (os seus) sistemas

Leia mais

O Controlo Interno como Linha de Defesa da Solvabilidade Financeira

O Controlo Interno como Linha de Defesa da Solvabilidade Financeira O Controlo Interno como Linha de Defesa da Solvabilidade Financeira Francisco Rocha Diretor do Departamento de Auditoria do Banco de Portugal 7 de outubro de 2014 Seminar Seminar name SUMÁRIO Controlo

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 19 de novembro de 2014 Índice Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 1 Atividade regulatória

Leia mais

Relatório sobre a. estrutura e Práticas. de governo societário

Relatório sobre a. estrutura e Práticas. de governo societário Relatório sobre a estrutura e Práticas de governo societário 108 RELATÓRIO SOBRE A ESTRUTURA E PRÁTICAS DE GOVERNO SOCIETÁRIO (SANTANDER TOTTA SEGUROS) O presente relatório é elaborado nos termos do art.

Leia mais

- Reforma do Tesouro Público

- Reforma do Tesouro Público - Reforma do Tesouro Público Em Novembro de 1997 foram definidas as opções estratégicas do Ministério das Finanças para a adopção da moeda Única ao nível da Administração Financeira do Estado. Estas opções,

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

3 Mensuração de Capital

3 Mensuração de Capital Capítulo 3 Mensuração de Capital 3 Mensuração de Capital Este capítulo tem por objetivo apresentar uma visão geral da mensuração de capital a fim de determinar o capital das sociedades. Para isto, foi

Leia mais

FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria. Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class

FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria. Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class RISK MANAGEMENT & REGULATORY SERVICES FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class Novembro 2003 Risk Management & Regulatory Services

Leia mais

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação 1 Acompanhamento Indireto Tratamento das informações Análise intrínseca, evolutiva e comparativa Processos

Leia mais

Governação e Controlo Interno

Governação e Controlo Interno VIII FORUM DE AUDITORIA INTERNA Auditoria Desafios Futuros Instrumental Metodológico Governação e Controlo Interno Lisboa, 20 de Junho de 2013 SUMÁRIO 1. Corporate Governance 2. Corporate Governance e

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 8/2010 Projecto de Orientação Técnica relativa ao desenvolvimento dos sistemas de gestão de riscos e de controlo interno das entidades gestoras de fundos de pensões 31

Leia mais

Nota de abertura - Fórum de Economia e Finanças. Exmo. Senhor Amilcar Silva Presidente da Associação Angolana de Banco,

Nota de abertura - Fórum de Economia e Finanças. Exmo. Senhor Amilcar Silva Presidente da Associação Angolana de Banco, Nota de abertura - Fórum de Economia e Finanças Exmo. Senhor Amilcar Silva Presidente da Associação Angolana de Banco, Exmos. Senhores Presidentes e demais membros dos Conselhos de Administração e das

Leia mais

Drifting or driving? Desempenho da função financeira

Drifting or driving? Desempenho da função financeira www.pwc.com/pt Drifting or driving? Desempenho da função financeira As ferramentas, tecnologias e serviços de suporte para uma função financeira líder no desempenho a um custo reduzido estão disponíveis

Leia mais

Projecto GTBC. leading excellence 1. Portugal: Espanha:

Projecto GTBC. leading excellence 1. Portugal: Espanha: Projecto GTBC Portugal: Edifício Taurus Campo Pequeno, 48 2º 1000-081 Lisboa Tel.: +351 217 921 920 Fax: +351 217 921 929 www.gtbc.pt info@gtbc.pt Espanha: CalleAtocha, 20, 2ªIzq 28012 Madrid Tel.: +34

Leia mais

Directores Comerciais

Directores Comerciais Produzido e desenvolvido pelo Sociser empresa 100% Angolana, partner do iir Cursos para Gestão Competitiva 1 e Inovadora Como planificar, controlar e tirar o máximo rendimento da sua EQUIPA de VENDAS 2

Leia mais

Advisory(Assessoria de Gestão)

Advisory(Assessoria de Gestão) Advisory(Assessoria de Gestão) Explorar a floresta aproveitando a incerteza, sem se perder entre as árvores As empresas que estão claramente focadas na criação de valor demonstram que sabem o que fazem,

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO 1. A auto-regulação da publicidade é a resposta da indústria publicitária ao desafio de lidar com as questões

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008 Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008 Em sede do compromisso para uma "Better Regulation", assumido pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, foi proposta, nomeadamente,

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Direção de Sistemas de Informação 30 de Janeiro, 2013 Contexto da Segurança na EDP 2 O contexto da Segurança na EDP

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

Reengenharia de Processos

Reengenharia de Processos Reengenharia de Processos 1 Enquadramento 2 Metodologia 3 Templates 1 Enquadramento 2 Metodologia 3 Templates Transformação da Administração Pública É necessário transformar a Administração Pública de

Leia mais

DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA

DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA Novos Cenários Crises Recentes: Desaquecimento Econômico e Baixo Retorno Financeiro Mudanças Econômicas Maior Concorrência Novos Cenários

Leia mais

A Supervisão do Sistema Financeiro

A Supervisão do Sistema Financeiro A Supervisão do Sistema Financeiro Prestam, por isso, um importante contributo para a integridade e a transparência dos mercados de capitais. Amadeu Ferreira OROC 21 de Outubro de 2010 A EFICIÊNCIA DOS

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional Risco de Crédito Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

IT Governance. Alinhar as Tecnologias de Informação (TI s) www.pwc.pt/academy. Academia da PwC

IT Governance. Alinhar as Tecnologias de Informação (TI s) www.pwc.pt/academy. Academia da PwC www.pwc.pt/academy IT Governance Alinhar as Tecnologias de Informação (TI s) com o negócio Academia da PwC Considerando que existe um conjunto de factores críticos de sucesso na governação das Tecnologias

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO P-32 /2014 Área Responsável: Auditoria Interna OBJETIVO: Descrever a metodologia do FUNBIO à gestão de riscos, documentar os papéis e responsabilidades da

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

Newsletter Número 1/09 Março 2009

Newsletter Número 1/09 Março 2009 ASSUNTOS DE RELEVÂNCIA PARA OS REVISORES/AUDITORES EM TEMPOS DE CRISE FINANCEIRA Foram publicados recentemente tanto pelo IAASB (International Auditing and Assurance Standards Board) como pela FEE (Fédération

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas)

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas) CURSO DE GESTÃO DE VENDAS Inedem- Apotec Outono 2007 25 e 26 de Setembro 9h00 às 18h30 Dirigido a gestores da área financeira com necessidade de ferramentas informáticas de elevada eficácia na avaliação

Leia mais

Master in Management for Human Resources Professionals

Master in Management for Human Resources Professionals Master in Management for Human Resources Professionals Em colaboração com: Master in Management for Human Resources Professionals Em colaboração com APG Um dos principais objectivos da Associação Portuguesa

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 835

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 835 Directriz de Revisão/Auditoria 835 Abril de 2006 Certificação do Relatório Anual sobre os Instrumentos de Captação de Aforro Estruturados (ICAE) no Âmbito da Actividade Seguradora Índice INTRODUÇÃO 1 4

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento O QUE É IMPRESCINDÍVEL NUMA SOLUÇÃO DE ORÇAMENTAÇÃO E PREVISÃO? Flexibilidade para acomodar mudanças rápidas; Usabilidade; Capacidade de integração com as aplicações a montante e a jusante; Garantir acesso

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais