Gestão da Informação de Prontuário Eletrônico do Paciente em Pronto-Socorros

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão da Informação de Prontuário Eletrônico do Paciente em Pronto-Socorros"

Transcrição

1 Gestão da Informação de Prontuário Eletrônico do Paciente em Pronto-Socorros Management Information System for Electronic Health Record of Emergency Department Gestión de Información para el registro electrónica de pacientes en Prontosocorro Celio Ribeiro 1, Milena Hlavai 1, Andréa Feio 1, Leonardo Simões 2, Daniel Gallo 3 RESUMO O conhecimento é um dos maiores ativos de uma Organização 1. Em uma área complexa como a saúde e em um dos setores vitais de um hospital no atendimento ao paciente crítico, a estruturação de um Prontuário Eletrônico do Paciente e a modelagem dos registros médicos gerados em sistema de informações em saúde se torna estratégico para a gestão clínica não somente da saúde do indivíduo, mas também numa visão mais ampla da saúde coletiva dos usuários da rede. Esse trabalho descreve o desenvolvimento de um sistema de registros em saúde em prontosocorros de um grupo de hospitais privados, seu sistema de Business Intelligence clínico e os principais resultados obtidos dessa estratégia, que alinhados com as melhores práticas assistenciais proporcionaram um incremento da qualidade do cuidado e segurança do paciente. Palavras chave: Sistema de Informações em Saúde, Business Intelligence, Prontuário Eletrônico do Paciente, Pronto-socorro ABSTRACT Knowledge is one of the greatest assets of an organization, mainly in a complex area such as health and in critical patient care sectors of a hospital. The structuring of an Electronic Medical Record and the modeling of systemgenerated health information become strategic not only for the clinical management of an individual's health, but also for a broader vision of network users health. This paper describes the development of a health records system in the emergency department of a private hospital, its business intelligence system and main clinical results, which in line with the best care practices provided an increase in patient care quality and safety. Keywords: Health Information System, Business Intelligence, Electronic Patient Record, Emergency Room RESUMEN El conocimiento es uno de los mayores activos de una organización. En un ámbito tan complejo como la salud y uno de los sectores vitales de un hospital en la atención al paciente crítico, la estructuración de un sistema electrónico los registros médicos del paciente y el modelado de información de salud generada por el sistema se convierte en estratégica para la gestión clínica no sólo la salud del individuo, sino también una visión más amplia de la salud pública de los usuarios de la red. Este artículo describe el desarrollo de un sistema de expedientes médicos en la sala de emergencias de un hospital privado, el sistema de inteligencia de negocios y los principales resultados clínicos de esta estrategia, en línea con las mejores prácticas de cuidado proporcionan un aumento en la calidad y seguridad del paciente. Palabras clave: Sistema de Información en Salud, Business Intelligence, Registro Electrónico de Pacientes, Sala de Emergencia 1 Gerentes de TI \ PEP, 2 Gerente de TI \ BI, 3 Diretor de TI

2 INTRODUÇÃO O Pronto-socorro (PS) é uma das principais portas de entrada do paciente no sistema de saúde e tem a finalidade de receber pessoas em situação de emergência, com ou sem risco iminente de morte, que necessitam de um socorro imediato. É um dos setores nosocomiais de gestão mais complexa, envolvendo equipes multiprofissionais especializadas no atendimento de pacientes críticos ao lado de pacientes de baixa complexidade clínica que procuram os hospitais, descaracterizando o foco assistencial e gerando uma sobrecarga crônica de movimento. Esse desvio é hoje um dos maiores desafios do sistema de saúde, atinge tanto a rede pública quanto a privada e impacta diretamente nos resultados clínicos assistenciais desses pacientes. A rede hospitalar foco do estudo em São Paulo engloba 11 unidades com Pronto-socorro (PS) e realiza em torno de atendimentos\ano. Os profissionais de saúde, durante suas atividades assistenciais, registram os dados do atendimento prestado aos pacientes. O conjunto dessas anotações denomina-se Prontuário do Paciente, e vem sendo feitos em papel desde os primórdios da medicina, passando por diversas transformações ao longo do tempo. Com a entrada da tecnologia da informação (TI) no setor saúde no Brasil nos anos 90, em um primeiro momento o foco foi a informatização dos processos administrativos e faturamento, sendo que nos anos 2000, o mercado orientou-se então para os processos assistenciais. A Área de TI em 2009 criou uma célula específica com foco em sistemas de registro eletrônico em saúde (S-RES) na rede assistencial. Dentre outros projetos, iniciou um estudo de viabilidade para estruturação de prontuários eletrônicos nos Pronto-socorros. A necessidade de estruturação e padronização dos dados coletados, da captura para geração de indicadores e melhoria na qualidade da informação norteou uma equipe de TI dedicada a elaboração de sistemas de registro eletrônico de atendimento e evolução médica nas Emergências hospitalares. Os principais objetivos para a construção dos prontuários médicos eletrônicos do paciente foram: garantir armazenamento seguro das informações de saúde ao longo da vida do paciente; acesso rápido e compartilhado aos problemas de saúde e intervenções, para tomada de decisão; apoio à pesquisa; aderências a protocolos clínicos institucionais e por fim a avaliação de qualidade assistencial. Também em 2009 a TI do Grupo Amil iniciou um estudo para estruturação de um Business Intelligence com foco nos serviços hospitalares. Os dados de atendimento e saúde estavam distribuídos nas unidades. A empresa necessitava visualizar seus dados para gestão de suas unidades (em tempo real e de maneira consolidada), então em 2010 aconteceu a primeira entrega

3 de indicadores operacionais administrativos centralizando nacionalmente as informações de todas as unidades de saúde. Para isso foi necessário padronizar processos e captura de dados em todas as unidades. Em 2011 foi padronizado e formatado nacionalmente um prontuário eletrônico para PS, e hoje a Instituição tem a oportunidade de avaliar de modo comparativo indicadores gerenciais administrativos e clínicos para suas Unidades de Pronto-socorros. METODOLOGIA A premissa foi melhorar o padrão de qualidade no atendimento sem perder agilidade ao preencher o S-RES. A diretriz adotada foi simplicidade, qualidade e segurança. O PEP nasceu da evolução de um boletim de atendimento de emergência em papel acrescido de informações chave para o controle e qualidade. A ênfase nos processos clínicos do registro de sintomas, análise e diagnóstico foi clara. A inclusão da tecnologia da informação e protocolos permitiu inserir no Pronto-socorro um software para auxílio à decisão médica, base de conhecimento clínico e processo interativo de melhoria contínua do atendimento. A construção do PEP-PS foi iniciada com um mapeamento detalhado dos processos existentes nos pronto-socorros da rede hospitalar, com identificação dos pontos críticos e de melhorias. O modelo proposto do processo informatizado foi discutido com a área assistencial e gerencial para consenso das necessidades de cada regional. Após o alinhamento nacional foi iniciada a construção do sistema de registro em saúde para PS. Iniciou-se a operação assistida em um hospital piloto, e em sequência foram liberados os S-RES para roll out nas demais unidades. O prontuário foi desenvolvido dentro da ferramenta Formulários do módulo PEP do Sistema de Informações Hospitalares (HIS) institucional. O PEP\PS foi estruturado com os seguintes módulos: 1. Estratificação de risco\ Acolhimento 2. Boletim de Atendimento 3. Protocolos Clínicos 4. Sumário de Alta 5. BI (a partir de dados estruturados nos formulários acima) A Estratificação de Risco determina prioridade no atendimento a partir da análise de um protocolo de gravidade clínica estabelecido pela Instituição e com base nos conceitos da Escala de Atendimento ESI 2 - Emergency Severity Index, da Agency for Healthcare Research and

4 Quality (AHRQ). O processo foca a atenção principal no nível de complexidade do estado de saúde do paciente e um foco secundário na sua ordem de chegada na emergência. A partir da aferição pela equipe de enfermagem, o paciente é classificado, os pacientes com maior nível de risco são atendidos prioritariamente no fluxo de assistencial. O cuidado de priorizar o paciente com maior gravidade e\ou com quadro álgico mais acentuado humaniza o acolhimento inicial no Pronto-socorro, promovendo uma percepção de qualidade e acelera o tratamento das patologias mais críticas tempo-dependente. O Boletim de Atendimento é formulário de atendimento do Pronto-socorro, que foi padronizado com a implantação do PEP\PS nos hospitais da rede institucional. Ele é estruturado num questionário de perguntas e respostas, que direcionam o atendimento, com campos abertos e fechados. O campo de hipótese diagnóstica é um exemplo de dado crítico e fechado nos códigos da tabela do código internacional de doenças - CID 10. A partir da formatação da hipótese diagnóstica com registro do CID, um protocolo clínico é disponibilizado, respeitando a possibilidade de aderência ou não pelo profissional. Ele tem em sua essência uma diagramação orientadora até a emissão da receita. Uma equipe de inteligência médica da Amil elencou os protocolos mais comuns nos serviços de pronto-atendimento e pronto-socorro, buscou as melhores práticas recomendadas pelas sociedades médicas e desenvolveu a diagramação em forma de arvore de decisão. Foram criados grupos multidisciplinares envolvendo profissionais da área clínica e área de gestão da qualidade com a finalidade de estruturar indicadores de adesão, operacionais e de resultados assistenciais. Esses indicadores foram padronizados através de fichas técnicas de identidade (anexo 1). A área de Business Intelligence (BI) também compôs esse time desde o início, possibilitando uma modelagem de dados que facilitou a extração, transformação, carregamento e análise, gerando informações disponibilizadas em dashboards. A estratégia de modelagem para a construção de um BI acontece inicialmente em cargas de todos os sistemas disponíveis dentro da empresa em uma única área. Esse processo permite um acesso rápido sem comprometimento da performance operacional das unidades prestadoras de serviço. Os dados ficam armazenados de modo estruturado e dispostos cronologicamente, o que permite a visão clínica do paciente, a análise populacional, e o acompanhamento na transição do cuidado até o seu desfecho.

5 RESULTADOS A estratificação de risco permitiu a correta classificação clínica do paciente, a adequação das Unidades de Pronto-socorro às exigências de acreditação hospitalar da Joint Commission International (JCI) 4 e um melhor planejamento para distribuição do atendimento. Os pacientes classificados e recepcionados ficaram automaticamente disponíveis para o médico, por ordem de risco clínico, e por último, ordem de chegada na emergência (Figuras 1 e 2). Figura 1 Tela de Captura de dados para Estratificação de Risco Figura 2 Tela com a Relação de Pacientes Aguardando Atendimento Médico O Boletim de atendimento possibilitou diversos ganhos, como a padronização na captura da informação, o resgate do histórico de atendimentos do paciente, a identificação do perfil clínico de fluxo das unidades, controle de retornos dos pacientes, dentre outros. A aceitação do uso de S-RES pelo grupo médico normalmente não é uma tarefa fácil 3 e exige todo um planejamento de comunicação, treinamento e operação assistida. No projeto piloto do PEP\PS do Hospital Paulistano (primeiro case da rede) conseguiu-se adesão de 65% do corpo clínico no uso do Boletim no final dos três primeiros meses de implantação. A Unidade hoje atinge 96% de adesão com um ano de uso contínuo da ferramenta. O processo sequencial de implantação nas demais unidades da rede demonstrou um índice semelhante de aderência dos médicos ao PEP, possibilitando priorização no atendimento ao paciente crítico, visualização das passagens anteriores, acessos aos protocolos clínicos, entre outras funcionalidades que possibilitaram uma otimização do atendimento no Pronto-socorro.

6 Pacientes com patologias crônicas sem acompanhamento de um médico assistente, durante as agudizações de seu quadro clínico, procuram o atendimento dos pronto-socorros e representam outro grave problema para os PS, pois se tornam contumazes, sobrecarregando ainda mais o serviço 5. A identificação, referenciamento para serviços especializados e monitoração através de indicadores do BI podem auxiliar o controle desses usuários. O índice de retorno de paciente ao PS em um período igual ou menor que 30 dias, no Hospital Vitória apresentou uma queda de 14% para 3% no período de um ano (Figuras 3 e 4). Figura 3 Tela de Captura de dados para o BAM Figura 4 Tela de Relatório BI\Clínico Os protocolos clínicos tiveram uma boa aceitação e propiciaram uma menor variabilidade de procedimentos, uma maior agilidade na definição da conduta médica, na emissão de receita padronizada por patologia e na otimização de solicitação de exames complementares, com melhor condução assistencial e consequentemente diminuição de retornos ao PS com a mesma queixa principal. (Figuras 5 e 6). Figura 5 Tela com Protocolo de Atendimento Figura 6 Tela com os indicadores de adesão à protocolos clínicos

7 As patologias de maior prevalência nos atendimentos dos PS da rede hospitalar determinaram a eleição dos protocolos modelados. A unidade Paulistano no período de jan 2011 a dez 2011 apresentou os seguintes resultados (Tabela 1): CID Atendimentos\PS Uso de Protocolos Percentual de uso do protocolo Gastroenterite aguda % Cefaléia % Tabela 1 Dados operacionais de atendimento PS\Paulistano O Sumário de Alta permitiu que o paciente saísse da unidade com o histórico impresso de seu atendimento, possibilitando uma melhor compreensão para continuidade do cuidado médico, contrarreferência clínica e transição do cuidado (Figura 7). Figura 7 Tela do Formulário de Sumário de Alta da Emergência Hospitalar Com a ferramenta BI-Clínico conseguimos analisar os dados assistenciais em tempo real, com atuação rápida de melhorias no processo e monitoramento permanente dos indicadores. Dados comparativos entre unidades da rede permitem benchmarking interno qualitativo (Figuras 08 e 09). Figura 8 Tela do BI-Clínico \ Roam BI Figura 9 Tela do BI-Clínico \ Roam BI

8 CONCLUSÃO Os Pronto-socorros constituem uma área vital para as organizações hospitalares como área de atendimento inicial a pacientes críticos, internações cirúrgicas, em UTI e enfermarias. Mas tem uma operação complexa de difícil gerenciamento, 24H, pelas características próprias dos pacientes que procuram seus cuidados, pelas interfaces com outros serviços como o de exames complementares, Centro Cirúrgico, internação, dentre outras. A implantação de um Prontuário Eletrônico do Paciente em PS da rede hospitalar da Amil, a modelagem de um sistema de informações acoplado através de Business Intelligence, possibilitaram maior agilidade dos processos assistenciais, eliminação de redundâncias, acesso ao histórico de saúde do paciente com melhor condução clínica e melhor resolutibilidade através de protocolos médicos. Foi percebido um incremento na segurança do paciente e qualidade no cuidado. Como visão de futuro a evolução das ferramentas são construídas a partir das melhores práticas das exigências JCI e das normatizações do Conselho Federal de Medicina e da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde \ CFM-SBIS. Referências 1. Bellinger, G. Knowledge Management. Consortium benchmarking study. Final report. American Productiviy & Quality Center, Gilboy N, Tanabe T, Travers D, Rosenau AM. Emergency Severity Index (ESI): A Triage Tool for Emergency Department Care, Version 4. Implementation Handbook 2012 Edition. AHRQ Publication No Rockville, MD. Agency for Healthcare Research and Quality. November Patricio C, Maia M, Machiavelli J,Navaes M. O Prontuário eletrônico do paciente no sistema de saúde brasileiro: uma realidade para os médicos? Scientia Medica2011; 21 (3): Joint Commition International, Manual Hospitalar, 3ª Edição Lerman B, Kobernick M. Return Visits to the Emergency Department. Journal of Emergency Medicine 1997 (5): Abdelhak M, Grostick S, Hanken M, Jacobs E. Health Information Management of a Strategic Resource. 3ª Edição Saunders Elselvier.

9 Anexo 1 Ficha Técnica de Indicador - ANO: 2012 Indicador: Motivos e Implicações: Índice de adesão Um novo artefato, implica em mudança de cultura e exige um tempo de maturidade, até que os profissionais estejam bem treinados e ambientados. Ao ser implementado um novo processo, a não utilização da mesma pelos profissionais envolvidos no processo, pode exigir uma ação de melhoria. Essa ação pode ser um novo formato, um novo conteúdo ou atém em retreinamento. O monitoramento contínuo da adesão faz parte da gestão de todos os processos automatizados. Data de criação do Indicador: 10 de janeiro de 2011 área/abrangência: Interpretação do gráfico: Assinalar uma alternativa Emergência hospitalar ( ) Quanto maior o resultado melhor ( X ) Quanto menor o resultado melhor Meta: 95% Definição da meta: Tipo de Medida: ( ) meta baseada na literatura - Qual? (X ) meta baseada na séria histórica - Qual período? Porcentagem Cálculo: (N de atendimentos// nº. fichas preenchidas/mês) x 1000 Fonte: Importação de dados das bases hospitalares (SISHOSP) Periodicidade da análise: Critérios de inclusão: Critérios de exclusão: Diária/Mensal Todos pacientes que entraram na emergência (exceto os horizontalizados) Pacientes não lúcido ou trauma. Responsável pela coleta de dados: Automatizada. Responsável pela análise: Gestores hospitalares. Análise Crítica Anual: Ao analisar em todas as unidades hospitalares no ano de 2011, verificamos que em média, todas as unidades permaneceram em seus 3 primeiros meses,após implantação com percentual abaixo de 60%. Este período foi considerado como tolerável para tempo de maturidade.

Acolhimento com classificação de risco

Acolhimento com classificação de risco Acolhimento com classificação de risco V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-ACE-01 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de

Leia mais

O Sistema de Registro (Prontuário) Eletrônico em Saúde da AMESP SAÚDE

O Sistema de Registro (Prontuário) Eletrônico em Saúde da AMESP SAÚDE O Sistema de Registro (Prontuário) Eletrônico em Saúde da AMESP SAÚDE Lucia Beatriz de Arêa Leão Alves 1, Pedro Emerson Moreira 1, André Monteiro de Mello 2, James N. Alcantarilla 2, Ernesto Guiães Notargiacomo

Leia mais

Registro Eletrônico de Saúde Unimed. Números do Sistema

Registro Eletrônico de Saúde Unimed. Números do Sistema Números do Sistema Números do Sistema 36 Prestadoras 300 Operadoras (30% das operadoras de saúde) 15 Federações Institucionais 351 Cooperativas 1 Confederação Nacional 1 Confederação Regional 1 Central

Leia mais

Case APESC. Assessoria de Desenvolvimento Organizacional

Case APESC. Assessoria de Desenvolvimento Organizacional Case APESC Assessoria de Desenvolvimento Organizacional PROGRAMA Assessoria de Desenvolvimento Organizacional DO Gestão de Processos na APESC Metodologia Novo Olhar Benefícios e desafios Sistema de Gestão

Leia mais

Organização e Gestão de Urgências Triagem de Urgências. Brasilia, Junho 2011

Organização e Gestão de Urgências Triagem de Urgências. Brasilia, Junho 2011 Organização e Gestão de Urgências Triagem de Urgências Brasilia, Junho 2011 Urgência - Complexidade Urgência (Intensidade) Complexidade Conceito de Urgência Situação clínica com capacidade para gerar deterioração

Leia mais

Sistema Integrado de Saúde

Sistema Integrado de Saúde Sistema Integrado de Saúde Além de gerar automaticamente todas as informações obrigatórias para o SUS, o sistema permite a identificação de cada pessoa dentro da sua família, com seu histórico de saúde,

Leia mais

A Informação e as Boas Práticas da Gestão na Saúde. Prof. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP e Instituto Edumed

A Informação e as Boas Práticas da Gestão na Saúde. Prof. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP e Instituto Edumed A Informação e as Boas Práticas da Gestão na Saúde Prof. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP e Instituto Edumed Boas práticas em gestão da saúde Eficiência Qualidade Segurança Ética Humanização Sustentabilidade

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral São Paulo, 19 de setembro de 2005 Agenda Introdução Desafios MVPEP Formas de acessos Funcionalidades Formulários eletrônicos Índices clínicos

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ADMISSÃO NA EMERGÊNCIA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO COM TRÊS NÍVEIS DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ADMISSÃO NA EMERGÊNCIA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO COM TRÊS NÍVEIS DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ADMISSÃO NA EMERGÊNCIA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO COM TRÊS NÍVEIS DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO Mario Jorge Ferreira de Oliveira Marcelo dos Santos Magalhães Paulo Roberto

Leia mais

Protocolo de atendimento inicial ao trauma. José Marques de Oliveira Neto Secretário do CREMESE

Protocolo de atendimento inicial ao trauma. José Marques de Oliveira Neto Secretário do CREMESE Protocolo de atendimento inicial ao trauma José Marques de Oliveira Neto Secretário do CREMESE TRIAGEM Significa seleção, estratificação de risco Protocolo de Classificação de Risco para priorização dos

Leia mais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais Produtos ehealth Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais 1 Participação da Telefônica Vivo nas Instituições de Saúde TIC TIC TIC TIC Telemedicina TIC Telemedicina Desenvolvimento de

Leia mais

Tecnologia e-sus Sistema de Gestão e-sus Hospitalar

Tecnologia e-sus Sistema de Gestão e-sus Hospitalar e-sus Hospitalar Tecnologia e-sus Sistema de Gestão e-sus Hospitalar Tecnologia web desenvolvido em linguagem.net Banco de dados Oracle / SQL Server Workflow designer Gerador de relatórios Reporting Services

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL EM AMBIENTE HOSPITALAR

A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL EM AMBIENTE HOSPITALAR A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL EM AMBIENTE HOSPITALAR Flávio Osete Gonçalves da Silva, Camila Ramos de Moura Diretoria de Operações e Tecnologia da Informação Instituto do Câncer

Leia mais

QUALIDADE EM SAÚDE PÚBLICA: ANÁLISE DO ACOLHIMENTO POR CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM UM HOSPITAL DE ENSINO DA REDE FEDERAL DE EDUCAÇÃO BRASILEIRA

QUALIDADE EM SAÚDE PÚBLICA: ANÁLISE DO ACOLHIMENTO POR CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM UM HOSPITAL DE ENSINO DA REDE FEDERAL DE EDUCAÇÃO BRASILEIRA QUALIDADE EM SAÚDE PÚBLICA: ANÁLISE DO ACOLHIMENTO POR CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM UM HOSPITAL DE ENSINO DA REDE FEDERAL DE EDUCAÇÃO BRASILEIRA QUALITY PUBLIC HEALTH: ANALYSIS OF CARE FOR RISK CLASSIFICATION

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I Sistema de Informação em Enfermagem DUTRA, Herica Silva Profa.

Leia mais

SISTEMA DE AUDITORIA ELETRONICA DE CONTAS MEDICO- HOSPITALARES: UM ALIADO NO TRABALHO DOS AUDITORES EM SAÚDE

SISTEMA DE AUDITORIA ELETRONICA DE CONTAS MEDICO- HOSPITALARES: UM ALIADO NO TRABALHO DOS AUDITORES EM SAÚDE SISTEMA DE AUDITORIA ELETRONICA DE CONTAS MEDICO- HOSPITALARES: UM ALIADO NO TRABALHO DOS AUDITORES EM SAÚDE ELECTRONIC AUDIT SYSTEM FOR MEDICAL ACCOUNTS: AN ALLY IN THE WORK OF HEALTHCARE AUDITORS Sergio

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

Atualmente, as organizações de saúde estão reavaliando seus modelos de negócios tendo em vista as regulamentações governamentais, pressões das fontes

Atualmente, as organizações de saúde estão reavaliando seus modelos de negócios tendo em vista as regulamentações governamentais, pressões das fontes Atualmente, as organizações de saúde estão reavaliando seus modelos de negócios tendo em vista as regulamentações governamentais, pressões das fontes pagadoras e a exigência dos pacientes por serviços

Leia mais

Tempo de espera na Urgência e Emergência

Tempo de espera na Urgência e Emergência Tempo de espera na Urgência e Emergência V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-ACE-02 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição

Leia mais

PENSE ALÉM UM FLUXO DE TRABALHO ÚNICO E GLOBAL DENTRO DO SEU ALCANCE. Vue RIS. Radiology

PENSE ALÉM UM FLUXO DE TRABALHO ÚNICO E GLOBAL DENTRO DO SEU ALCANCE. Vue RIS. Radiology Vue RIS Radiology UM FLUXO DE TRABALHO ÚNICO E GLOBAL DENTRO DO SEU ALCANCE Produtividade. Retorno do investimento. Capacidade de comunicar rapidamente informações do paciente. Tudo isso, mais a pressão

Leia mais

Protocolos gerenciados Arritmias Cardíacas e Síncope

Protocolos gerenciados Arritmias Cardíacas e Síncope Protocolos gerenciados Arritmias Cardíacas e Síncope Rede D Or São Luiz Dra. Bárbara Abufaiad. Coordenadora do Serviço de Cardiologia do Hospital Oeste D or. Rotina da equipe da Arritmia da Rede D or São

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA 1 de 8 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/11/2012 1.00 Proposta inicial LCR, DSR,MGO 1 Objetivo Agilizar o processo de transferência seguro do paciente/cliente, para

Leia mais

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde Luis Augusto dos Santos 1, Heimar de Fátima Marin 2 1 Engenheiro Eletricista, membro do NIEn e pós-graduando pela

Leia mais

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES Conceitos CONSULTAS Atendimentos sem urgência por ordem de chegada. Não existe dentro do Pronto-Socorro e em nenhum local do hospital prévia marcação de

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU

BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU Stanley Galvão 1, Cláudia Miranda 2, Cristiano Souza 3 e Liz Yoshihara 4 1 Departamento de Informática do HU, São Paulo, Brasil

Leia mais

GSUS Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial do SUS

GSUS Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial do SUS GSUS Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial do SUS O sistema GSUS é uma aplicação WEB para gestão operacional da assistência de saúde executada a nível hospitalar ou ambulatorial, tendo como foco

Leia mais

Prontuário Eletrônico do Paciente é Fator Crítico de Sucesso

Prontuário Eletrônico do Paciente é Fator Crítico de Sucesso PEP 2005 Prontuário Eletrônico do Paciente é Fator Crítico de Sucesso Nelson Berny Pires GENS S/A Setembro de 2005 Personal Med Gens S/A 1 Conteúdo Introdução A Estratégia nas Organizações de Saúde A Execução

Leia mais

Objetivo Principal. Objetivos Secundários

Objetivo Principal. Objetivos Secundários Objetivo Principal O Personal Med Hospitalar foi resultado de um longo esforço de O&M em hospitais de vários portes e regiões do Brasil. O sistema foi concebido a partir do detalhamento de 176 processos

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

MODELOS DE GESTÃO DA SAÚDE NO BRASIL EXPERIÊNCIA REDE D OR SÃO LUIZ. Helidea Lima 14 abril 2014

MODELOS DE GESTÃO DA SAÚDE NO BRASIL EXPERIÊNCIA REDE D OR SÃO LUIZ. Helidea Lima 14 abril 2014 MODELOS DE GESTÃO DA SAÚDE NO BRASIL EXPERIÊNCIA REDE D OR SÃO LUIZ Helidea Lima 14 abril 2014 A situação de saúde no Brasil A crise contemporânea dos sistemas de atenção à saúde reflete o desencontro

Leia mais

SISTEMA DE SAÚDE MÃE DE DEUS. Gestão de Indicadores e Informação

SISTEMA DE SAÚDE MÃE DE DEUS. Gestão de Indicadores e Informação SISTEMA DE SAÚDE MÃE DE DEUS Gestão de Indicadores e Informação SISTEMA DE SAÚDE MÃE DE DEUS HOSPITAL MÃE DE DEUS PERFIL INSTITUCIONAL SISTEMA DE SAÚDE MÃE DE DEUS AESC Associação Educadora São Carlos

Leia mais

Módulo Autorizador de Procedimentos

Módulo Autorizador de Procedimentos Módulo Autorizador de Procedimentos Lucia Beatriz de A. L. Alves, César O. Polachini, Miguel L. E. Montania Atech Tecnologias Críticas, São Paulo, SP Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, São Paulo,

Leia mais

Objetivos Parceria Motorola

Objetivos Parceria Motorola Aliança Estratégica Objetivos Parceria Motorola Diversificar e ampliar o consumo dos produtos e serviços da Motorola/Next/Edumed através de soluções customizadas e integradas para o Setor de Saúde Publica,

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES ATENDIDOS EM UM PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL DA REGIÃO CENTRO-OESTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS SEGUNDO A CLASSIFICAÇÃO DE RISCO André LUÍS RIBEIRO DOS SANTOS 1 ; Ricardo

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis

Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis Visão Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 24/06/12

Leia mais

Coordenadoras dos Grupos de Indicadores de Enfermagem

Coordenadoras dos Grupos de Indicadores de Enfermagem Indicadores de Enfermagem: Importância e Aplicação na Gestão da Assistência Elisa A A Reis Gerência de Qualidade Hospital Albert Einstein Reis E, Indicadores de Enfermagem: Importância e Aplicação na Gestão

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

NÚMERO: 025/2013 DATA: 24/12/2013 ATUALIZAÇÃO 20/01/2014

NÚMERO: 025/2013 DATA: 24/12/2013 ATUALIZAÇÃO 20/01/2014 NÚMERO: 025/2013 DATA: 24/12/2013 ATUALIZAÇÃO 20/01/2014 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Avaliação da Cultura de Segurança do Doente nos Hospitais Segurança do Doente Conselhos de Administração

Leia mais

ESTRUTURA DOS HOSPITAIS PRIVADOS...38

ESTRUTURA DOS HOSPITAIS PRIVADOS...38 APRESENTAÇÃO...13 INTRODUÇÃO...15 Breve perfil do sistema de saúde... 15 Características do SUS e da saúde suplementar... 16 Modelo de financiamento... 17 O papel central dos hospitais... 18 A necessidade

Leia mais

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil Gestão de Qualidade O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, visando a qualidade assistencial e a satisfação do cliente compromete-se a um entendimento

Leia mais

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP Laura Schiesari Diretora Técnica AGENDA I. A ANAHP II. Melhores Práticas Assistenciais III. Monitoramento

Leia mais

O primeiro Planejamento Estratégico em 2003.

O primeiro Planejamento Estratégico em 2003. Missão Desenvolver ações de promoção, proteção e reabilitação da saúde em nível ambulatorial, com equipe multiprofissional e interdisciplinar, propondo e implementando políticas de saúde articuladas em

Leia mais

SInGI Sistema de Informação de Gestão Integrada

SInGI Sistema de Informação de Gestão Integrada SInGI Sistema de Informação de Gestão Integrada 2 O QUE É O PROJETO? É a implantação no novo Sistema de Informação de Gestão Integrada (SInGI) da Unimed Blumenau, em substituição ao atual ERP - sistema

Leia mais

Um Caso de Implantação de Processos de Prestação de Serviços de TI no BNDES

Um Caso de Implantação de Processos de Prestação de Serviços de TI no BNDES Um Caso de Implantação de Processos de Prestação de Serviços de TI no BNDES Suzana Mesquita de Borba Maranhão Moreno 1, André Jardim da Trindade 1, Ricardo Henrique Lopes Beckert 1, Rodrigo Simões Câmara

Leia mais

Boas Práticas de Humanização na Atenção e Gestão do Sistema Único de Saúde - SUS

Boas Práticas de Humanização na Atenção e Gestão do Sistema Único de Saúde - SUS 2006 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Política Nacional de Humanização Permitida a reprodução, no todo ou em parte, sem alteração do conteúdo e com a citação obrigatória da fonte: Política

Leia mais

30/03/2010 a 30/03/2011

30/03/2010 a 30/03/2011 POP ACCR 01 Abertura da Ficha do Usuário ASSUNTO: Padronizar o procedimento para abertura da ficha do usuário. Nº 01 Resultados esperados: Cadastros atualizados dos Usuários Este POP aplica-se na recepção

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação. Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação. Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo Assessoria

Leia mais

ano, mapear a abordagem dos hospitais e operadoras com relação aos

ano, mapear a abordagem dos hospitais e operadoras com relação aos Business Club Healthcare, a TM Jobs e a Integrare 360 - Marketing de Conteúdo deram início a uma série de estudos de mercado para, ao longo do ano, mapear a abordagem dos hospitais e operadoras com relação

Leia mais

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER ÍNDICE Por que utilizar Business Intelligence no call center? Introdução Business Intelligence na área de saúde Por que usar Business Intelligence

Leia mais

Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012

Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012 Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012 O que é um processo? Um processo é um grupo de atividades realizadas numa seqüência lógica com o objetivo de produzir um bem ou um

Leia mais

Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento

Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento IQG Instituto Qualisa de Gestão Março 2011 Martha Savedra Práticas Excelência X Pagamento Qualidade Segurança Percepção do cliente FFS Pacotes

Leia mais

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO PANORAMA DO SETOR DE SAÚDE - ANS Beneficiários Médico-Hospitalar

Leia mais

Projeto de gestão em serviços de urgência e emergência

Projeto de gestão em serviços de urgência e emergência Projeto de gestão em serviços de urgência e emergência Composição do Financiamento do Setor Saúde - estimativa para 2006 MEDICAMENTOS 16% FEDERAL 25% DESEMBOLSO DIRETO 10% ESTADUAL 11% PLANOS E SEGUROS

Leia mais

QualiHosp Curso Pré-Congresso

QualiHosp Curso Pré-Congresso QualiHosp Curso Pré-Congresso Desempenho Organizacional Foco: Gestão do Desempenho da Gestão de Pessoas Reflexões teóricas e o nosso caminho no HSL... Questão-chave: Como avaliar o desempenho da gestão

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 07/2014 DATA DA ENTRADA: 07 de janeiro de 2014 INTERESSADA: Sra. M. C. da S. CONSELHEIRA CONSULTORA: Dra Hildenete Monteiro Fortes ASSUNTO: classificação

Leia mais

Modelo de Governança

Modelo de Governança Nome do Projeto Subproduto Responsável do Projeto / Área E-mail Desenvolvimento do Centro Nacional de Terminologia Moacyr Esteves Perche - DATASUS moacyr.perche@saude.gov.br Telefone (61) 3315-2915 Responsável

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

ORDEM CAMILIANA: Idealizada em 1582, no Brasil desde 1922

ORDEM CAMILIANA: Idealizada em 1582, no Brasil desde 1922 ORDEM CAMILIANA: Idealizada em 1582, no Brasil desde 1922 Fundada por Camillo de Lellis, é uma fundação humanitária com objetivo de dedicar-se à cura dos enfermos Presente nos cinco continentes, em aproximadamente

Leia mais

Web2Doctors: Saúde Fora da Caixa

Web2Doctors: Saúde Fora da Caixa Com uma interface intuitiva feita com recursos da Web 2.0, pela qual se acessa um Prontuário Eletrônico do Paciente configurável com um workflow para todos os departamentos de uma clínica ou hospital,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital Unimed João Pessoa I - FINALIDADE:

REGIMENTO INTERNO. Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital Unimed João Pessoa I - FINALIDADE: Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 1 de 20 I - FINALIDADE: Este documento apresenta a forma de organização das instâncias de poder do Hospital, sua configuração em Departamentos, Serviços

Leia mais

Aplicação da Metodologia BPM Case SOCOR Jacqueline Furtado Portella

Aplicação da Metodologia BPM Case SOCOR Jacqueline Furtado Portella Aplicação da Metodologia BPM Case SOCOR Jacqueline Furtado Portella Gestora Hospitalar Especialista em Gestão em Saúde Gestora de Processos de Negócio Junho/2013 Agenda I) O contexto do Hospital Socor

Leia mais

Márcia Mascarenhas Alemão Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais

Márcia Mascarenhas Alemão Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais PREMIO CHICO RIBEIRO SOBRE INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR Público O Modelo de Gestão FHEMIG e a Prestação de Contas ao Paciente: a implantação do sistema de custos hospitalares e o

Leia mais

A Internet facilitando tratamentos médicos

A Internet facilitando tratamentos médicos VIII WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 9 e 10 de outubro de 2013 Sistemas produtivos: da inovação à sustentabilidade ISSN: 2175-1897 A Internet facilitando tratamentos

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Smartcity Business América 2015 Curitiba PR Brazil Maio de 2015 Sociedades Inteligentes e Governaça Airton Coelho, MsC, PMP Secretário de Ciência e

Leia mais

Definições. BPM - Business Process Management. BPMN Business Process Modeling Notation. BPMS Business Process Management System

Definições. BPM - Business Process Management. BPMN Business Process Modeling Notation. BPMS Business Process Management System Definições BPM - Business Process Management BPMN Business Process Modeling Notation BPMS Business Process Management System Erros da Gestão de Processos / BPM 1. Fazer a Gestão sem Automação Desenho,

Leia mais

Sistema Gerenciador de Unidades de Saúde. Descritivo

Sistema Gerenciador de Unidades de Saúde. Descritivo Sistema Gerenciador de Unidades de Saúde Descritivo SIGUS Sistema Gerenciador de Unidades de Saúde Visando atender as demandas de informatização dos estabelecimentos das redes públicas de saúde, a Attiva

Leia mais

Gestão das Tecnologias da Informação em Saúde: Novas Tecnologias e Novos Rumos. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP Instituto Edumed

Gestão das Tecnologias da Informação em Saúde: Novas Tecnologias e Novos Rumos. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP Instituto Edumed Gestão das Tecnologias da Informação em Saúde: Novas Tecnologias e Novos Rumos Renato M.E. Sabbatini UNICAMP Instituto Edumed Informações em Saúde Clínicas Administrativas Operacionais Financeiras Os Focos

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Média de Permanência Geral

Média de Permanência Geral Média de Permanência Geral V1.02 Janeiro de 2013 1. Sigla E-EFI-05 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio 2. Nome Média de Permanência Geral 3. Conceituação Representa o tempo médio em dias que os pacientes

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Positive Deviance: Engajamento da equipe para melhorar a adesão ao Checklist Cirúrgico Time Out Perfeito

Positive Deviance: Engajamento da equipe para melhorar a adesão ao Checklist Cirúrgico Time Out Perfeito Positive Deviance: Engajamento da equipe para melhorar a adesão ao Checklist Cirúrgico Time Out Perfeito Ana L. Vasconcelos Coordenadora Programa Integrado de Cirurgia O Protocolo de cirurgia segura do

Leia mais

Sylvia Cristina Xavier Chiodarelli Lopes

Sylvia Cristina Xavier Chiodarelli Lopes Sylvia Cristina Xavier Chiodarelli Lopes Formação Acadêmica Curso de Avaliação da Qualidade em Saúde Fundação Getúlio Vargas (FGV) / 2011 MBA em Administração Hospitalar e serviços de saúde Fundação Getúlio

Leia mais

SBIS 2012 Relato de Experiência Organização, Política, Economia e Gestão em Saúde

SBIS 2012 Relato de Experiência Organização, Política, Economia e Gestão em Saúde AMG SIGA Cadastro e Acompanhamento de Portadores de Diabetes mellitus em SMS SP Autores: Ilkiu S(1); Corral H H A (2); Solera A(2); Lima M O (2) (1) Atenção Básica Programa AMG (2) - Assessoria Técnica

Leia mais

Experiência na Construção do PEP no Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Experiência na Construção do PEP no Hospital de Clínicas de Porto Alegre Experiência na Construção do PEP no Hospital de Clínicas de Porto Alegre Desafios em 1997 735 leitos / 140 consultórios ERP 5.000 profissionais Produção 1 milhão Chão prontuários de Fábrica Controle 2

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

Sistema de Declaração Pessoal de Saúde Descritivo

Sistema de Declaração Pessoal de Saúde Descritivo Sistema de Declaração Pessoal de Saúde Descritivo Comp Line A empresa Criada em 1996, tem por filosofia associar tecnologia, parceria e transparência, através da disponibilização de painéis de controle,

Leia mais

Ângela F. Brodbeck. Ana Maria Rizzo Silva

Ângela F. Brodbeck. Ana Maria Rizzo Silva Alinhamento Estratégico entre TI e Negócio Alinhamento entre Ações Estratégicas, Processos e iniciativas de Tecnologia de Informação Novembro, 2013 Ângela F. Brodbeck Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Qualihosp. T e c n o l o g i a e i n o v a ç ã o e m s a ú d e. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais

Qualihosp. T e c n o l o g i a e i n o v a ç ã o e m s a ú d e. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais Qualihosp T e c n o l o g i a e i n o v a ç ã o e m s a ú d e Estamos evoluindo para um mundo digital Número de dispositivos Em 2020, serão 10 dispositivos por pessoa, somando 50 bilhões de dispositivos

Leia mais

Gestão do Corpo Clínico Avaliação da Prática Médica Baseada em Evidências Antonio Antonietto agosto 2012

Gestão do Corpo Clínico Avaliação da Prática Médica Baseada em Evidências Antonio Antonietto agosto 2012 Gestão do Corpo Clínico Avaliação da Prática Médica Baseada em Evidências Antonio Antonietto agosto 2012 antonio.antonietto@hsl.org.br Até meados dos anos 70 - hospitais universitários ou de organizações

Leia mais

PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES

PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES ESCOPO DO PROJETO o PLANO E METODOLOGIA DE TRABALHO o DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DO MIX DE PROCEDIMENTOS HOSPITALARES o FORMATAÇÃO

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

O USO DA INFORMÁTICA NA REDE BÁSICA E HOSPITALAR DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO (S.P.)

O USO DA INFORMÁTICA NA REDE BÁSICA E HOSPITALAR DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO (S.P.) O USO DA INFORMÁTICA NA REDE BÁSICA E HOSPITALAR DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO (S.P.) Cristina Maria Galvão * Namie Okino Sawada * GALVÃO, C. M.; SAWADA, N. O. O uso da informática na rede básica e hospitalar

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Desenvolvimento de um Programa de Prontuário Eletrônico via Web, por ciclos de vida

Desenvolvimento de um Programa de Prontuário Eletrônico via Web, por ciclos de vida Desenvolvimento de um Programa de Prontuário Eletrônico via Web, por ciclos de vida SIQUEIRA JÚNIOR, Luciano Martins de; REIS, José Claudio de Souza RESUMO O Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) em

Leia mais

Aspectos do Prontuário Eletrônico. Lincoln de Assis Moura Jr., MSc, DIC, PhD lincoln.moura@zilics.com.br +55 11 8426-6276

Aspectos do Prontuário Eletrônico. Lincoln de Assis Moura Jr., MSc, DIC, PhD lincoln.moura@zilics.com.br +55 11 8426-6276 Aspectos do Prontuário Eletrônico Lincoln de Assis Moura Jr., MSc, DIC, PhD lincoln.moura@zilics.com.br +55 11 8426-6276 Sumário Complexidade da Informação em Saúde Declaração de Convicção Aspectos Éticos

Leia mais

SISTEMAS CORPORATIVOS

SISTEMAS CORPORATIVOS SISTEMAS CORPORATIVOS ERPEnterprise Resource Planning Saúde Hospitais Clínicas Consultórios Medicina Diagnóstica Laboratorial Medicina Diagnóstica Imagem Projetado com módulos que se comunicam entre si,

Leia mais

Sr. Sérgio Ruffini. Relevancia de los Sistemas estratégicos en las Instituciones de Salud

Sr. Sérgio Ruffini. Relevancia de los Sistemas estratégicos en las Instituciones de Salud Sr. Sérgio Ruffini Relevancia de los Sistemas estratégicos en las Instituciones de HOSPITAL MÃE DE DEUS 380 leitos 2.134 funcionários 78.000 m 2 - área construída R$ 350 milhões faturamento/ano Hospital

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Por onde começar na implantação de um PEP? Lincoln de Assis Moura Jr - ZILICS, SP Cláudio Giulliano Alves da Costa - SBIS, SP

Por onde começar na implantação de um PEP? Lincoln de Assis Moura Jr - ZILICS, SP Cláudio Giulliano Alves da Costa - SBIS, SP Por onde começar na implantação de um PEP? Lincoln de Assis Moura Jr - ZILICS, SP Cláudio Giulliano Alves da Costa - SBIS, SP Crença Métodos artesanais são incompatíveis com a entrega de serviços de massa.

Leia mais

Diogo Assunção HP C&I Lead Solution Consultant - Healthcare. Gestão Integrada do Processo Clínico

Diogo Assunção HP C&I Lead Solution Consultant - Healthcare. Gestão Integrada do Processo Clínico Diogo Assunção HP C&I Lead Solution Consultant - Healthcare Gestão Integrada do Processo Clínico A HP na Saúde O que a HP faz Technology for better business outcomes A nossa proposta de valor Fornecer

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 ASPECTOS DE MUDANÇA CULTURAL

Leia mais

VISÃO GERAL POR QUE ADQUIRIR A SOLUÇÃO SCOLA? CATÁLOGO D ESCRITIVO

VISÃO GERAL POR QUE ADQUIRIR A SOLUÇÃO SCOLA? CATÁLOGO D ESCRITIVO CATÁLOGO D ESCRITIVO VISÃO GERAL A solução SCOLA (Sistema de Controle Laboratorial) é um sistema de gestão de alto nível voltado para Laboratórios de Análises Clinicas, que controla desde o atendimento

Leia mais