ESTUDO DE VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO ENE N RGÉTICO DO BIOGÁS GERADO EM CÉLUL A EXPERIME M NTAL NO ATERRO CONTROLADO DA MURIBECA PERNAMBUCO (PE)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO ENE N RGÉTICO DO BIOGÁS GERADO EM CÉLUL A EXPERIME M NTAL NO ATERRO CONTROLADO DA MURIBECA PERNAMBUCO (PE)"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL MESTRADO EM ENGENHARIAA CIVIL ÁREA DE GEOTECNIA ESTUDO DE VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DO BIOGÁS GERADO EM CÉLULA EXPERIMENTAL NO ATERRO CONTROLADOO DA MURIBECA PERNAMBUCO (PE) Tatyane Souza Nunes Rodrigues Recife, PE Brasil Agosto de 2009

2 ii Tatyane Souza Nunes Rodrigues ESTUDO DE VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DO BIOGÁS GERADO EM CÉLULA EXPERIMENTAL NO ATERRO CONTROLADO DA MURIBECA PERNAMBUCO (PE) Orientador: Prof. Dr. José Fernando Thomé Jucá Dissertação submetida ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil da Universidade Federal de Pernambuco como parte dos requisitos necessários para a obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Civil. Área de Concentração: Geotecnia Recife, PE Brasil Agosto de 2009

3 TERMO DE APROVAÇÃO iii

4 iv R696e Rodrigues, Tatyane Souza Nunes Estudo de viabilidade do aproveitamento energético do biogás gerado em célula experimental no aterro controlado da Muribeca Pernambuco (PE) / Tatyane Souza Nunes Rodrigues. Recife: O Autor, xvi, 132 f.; il., gráfs., figs., tabs. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal de Pernambuco. CTG. Programa de Pós- Graduação em Engenharia Civil, Inclui referências bibliográficas e apêndices. 1. Engenharia Civil. 2. Resíduos Sólidos Urbanos. 3. Aterros Sanitários. 4. Biogás. 5. Aproveitamento Energético do Biogás. 6. Viabilidade de Projetos. I. Título. UFPE 624 CDD(22.ed.) BCTG/

5 v Aos meus pais, Sebastião e Maria do Socorro por todo amor, respeito e apoio, na realização de mais uma etapa da minha vida. Dedico.

6 vi AGRADECIMENTOS À Deus e Nossa Senhora, pela força e perseverança em todos os momentos dessa caminhada. Aos meus pais e irmãos por todo amor, respeito e incentivo a minha escolha, apostando no meu sucesso e oferecendo todo apoio necessário para que eu concretizasse esse objetivo. Ao Professor José Fernando Thomé Jucá, pela orientação, confiança, amizade e oportunidade de participar do Grupo de Resíduos Sólidos (GRS/UFPE). Ao Professor Eduardo Antônio Paiva de Almeida, pela valiosa colaboração no desenvolvimento da pesquisa. À Felipe Maciel, Gustavo Nogueira e Régia Lopes, pela troca de informações, críticas e sugestões ao trabalho. À Kleber Morais pelo auxílio na compreensão de aspectos relacionados a análise econômico-financeira de projetos. À Eduarda Motta, Régia Lopes, Keila Gislene, Alessandra Lee e Renata Regina, pela amizade e momentos vividos no decorrer do curso de Mestrado. À Ricardo Simplício, pelo carinho e amizade. Aos membros do GRS, pela amizade e convívio enriquecedor: Duda, Régia, Keila, Alê, Ingrid, Cecília, Fabrícia, Eduardo, Rodrigo, Etiene, Éricka Cunha, Lhidi, Suianne, Éricka Patrícia, Odete, Guga, Tiago (Mamu), Felipe, Aldecy, Kelma, Lêda, Brito e Rose. Aos colegas e amigos do Residencial das Palmeiras (brasileiros e estrangeiros), pelo carinho, companheirismo e bons momentos de descontração, que me deram motivação e equilíbrio no decorrer do curso de Mestrado. Em especial: Adriana, Carol, Joelma, Márcia, Alexandra, Kléber, Cledson, Rogério, Vinícius, Vanessa, Monike, Sinara, Emmeline, Silvo, Aníbal e Rodrigo. A todos que de forma direta ou indireta contribuíram para elaboração da pesquisa e conclusão desta etapa na minha vida. Muito Obrigada!

7 vii RESUMO A pesquisa apresenta a análise de viabilidade econômico-financeira do aproveitamento energético do biogás gerado na célula experimental construída no Aterro Controlado da Muribeca - PE. A metodologia aplicada baseia-se na análise dos investimentos necessários para implantação e operação do empreendimento, na qual se faz necessário a obtenção de dados referentes ao potencial de geração de metano e capacidade de geração de energia elétrica, para formação do fluxo de caixa e determinação de índices econômicos do projeto, considerando a obtenção de receitas advindas da venda da energia elétrica gerada e comercialização dos créditos de carbono. Foram criados três cenários para simulação da viabilidade do projeto, considerando o valor pessimista, atual e otimista para venda de créditos de carbono. Apesar de possuir dimensões reduzidas e apresentar uma curva de produção de metano atípica de projetos de aproveitamento do biogás, a célula experimental detém potencial de geração de energia capaz de suprir a demanda do Aterro Controlado da Muribeca. As emissões reduzidas referentes ao período de 10 anos analisado no projeto são de aproximadamente 9 mil toneladas de CO 2 equivalente, que contribui para minimização dos impactos da emissão de metano na atmosfera e, ainda podem gerar receitas ao operador do aterro se comercializadas no mercado de créditos de carbono. A partir dos índices econômicos obtidos, pode-se concluir que, para o período de 10 anos de análise, o projeto apresenta viabilidade econômico-financeira, com Valor Presente Líquido (VPL) variando de R$ ,00 a R$ ,00 e Taxa Interna de Retorno (TIR) entre 16 e 53%. Tais resultados colaboram para diminuição das incertezas sobre a viabilidade de projetos de aproveitamento energético em aterros de pequeno e médio porte no Brasil, bem como a questão da sustentabilidade econômica do setor. Palavras-chave: Resíduos Sólidos Urbanos, Aterros Sanitários, Biogás, Aproveitamento Energético do Biogás, Viabilidade de Projetos.

8 viii ABSTRACT The research presents an economic and financial viability analysis of the energy generation from biogas production in experimental cell built in the Municipal Solid Waste (MSW) Landfill Muribeca PE. The methodology applied is based on analysis of investment required for implantation and operation of the venture, in which is necessary to obtain data on the potential of methane generation and electric energy generating capacity, to workout the cash-flow and the project economic indicators, considering obtaining revenue from sale of electricity generated and carbon market credits. Three scenarios were created to simulate the project viability, considering a current value, pessimistic and optimistic to sale carbon credits. Despite having reduced dimensions and presenting an atypical curve of methane production incomparison to that used in energy from biogas projects, the experimental cell has potential to generate energy capable of supplying the demand of the MSW Landfill Muribeca. The reduced emissions for the period of 10 years examined in the project are approximately 9 thousand tones of CO 2 equivalent, which helps to minimize the impacts of methane emissions in atmosphere and can generate revenue to landfill operator if traded in the market of carbon credits. From the economic indicators obtained, it has been concluded that for 10 years of analysis period, the project presents economic and financial viability, with Net Present Value (NPV) ranging from R$ ,00 to R$ ,00 and the Internal Return Rate (IRR) between 16 and 53%. These results contribute to reduce uncertainty about the viability of energy generation from biogas projects at landfills with small and medium scale in Brazil, including the issue of economic sustainability of the sector. Keywords: Municipal Solid Waste, Sanitary Landfill, Biogas, Energy Generation from Biogas, Projects Viability.

9 ix SUMÁRIO RESUMO... vii ABSTRACT... viii CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos ESTRUTURA DO TRABALHO... 9 CAPÍTULO II REVISÃO BIBLIOGRÁFICA EFEITO ESTUFA E AQUECIMENTO GLOBAL PROTOCOLO DE QUIOTO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO MDL Ciclo do Projeto de MDL Panorama atual dos Projetos de MDL no Brasil e no Mundo RESÍDUOS SÓLIDOS Origem, Definição e Classificação Destinação Final em Aterro Sanitário Panorama no Brasil BIOGÁS Geração Fatores Intervenientes na Geração de Biogás em Aterros Características e Composição APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DO BIOGÁS Rota Energética dos Resíduos Sólidos Recuperação de Biogás em Aterros Sanitários Sistema de Coleta Sistema de Tratamento Sistema de Geração ou Recuperação de Energia Panorama no Brasil e no Mundo ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DE PROJETOS.. 56 CAPÍTULO III ÁREA DE ESTUDO ATERRO CONTROLADO DA MURIBECA CÉLULA EXPERIMENTAL Implantação e Infra-estrutura Preenchimento e Caracterização dos Resíduos Implantação da Rede de Coleta de Biogás Unidade de Geração de Energia... 70

10 x CAPÍTULO IV METODOLOGIA ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA Dados de Entrada Potencial de Geração de Metano Capacidade de Geração de Energia Elétrica Análise do Investimento Formação da Demonstração do Resultado do Exercício Projetada Formação do Fluxo de Caixa Determinação de Índices Econômicos CAPÍTULO V RESULTADOS E DISCUSSÕES POTENCIAL DE GERAÇÃO DE METANO CAPACIDADE DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA POTENCIAL DE GERAÇÃO DE CER s ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA Análise do Investimento Formação da Demonstração do Resultado de Exercício Projetada Análise da Demonstração do Resultado de Exercício Projetada Formação do Fluxo de Caixa Análise do Fluxo de Caixa Determinação de Índices Econômicos Valor Presente Líquido (VPL) Taxa Interna de Retorno (TIR) CAPÍTULO VI CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES Apêndice A: Cronograma dos Custos de Operação e Manutenção do Projeto Apêndice B: Cronograma dos Custos com Despesa de Pessoal do Projeto Apêndice C: Cronograma dos Custos de Depreciação dos Bens do Projeto Apêndice D: DRE Cenário I - Pessimista Apêndice E: DRE Cenário II - Atual Apêndice F: DRE Cenário III - Otimista Apêndice G: Cronograma dos Custos de Investimento do Projeto Apêndice H: Fluxo de Caixa Cenário I - Pessimista Apêndice I: Fluxo de Caixa Cenário II - Atual Apêndice J: Fluxo de Caixa Cenário III - Otimista

11 xi LISTA DE FIGURAS Figura 1: Esquema do Efeito Estufa Figura 2: Modelo Institucional Brasileiro para Gerenciamento da Implementação de MDL Figura 3: Destinação das Reduções Certificadas de Emissões RCEs Figura 4: Ciclo de Tramitação de Projetos de MDL Figura 5: Evolução dos Projetos de MDL no Mundo no período de 2006 a Figura 6: Percentual de Participação dos Países nas Reduções de Emissões Figura 7: Distribuição das Atividades de Projeto no Brasil por Tipologia de GEE Figura 8: Distribuição das Atividades de Projeto no Brasil por Escopo Setorial Figura 9: Número de Projetos Registrados no Conselho Executivo do MDL Figura 10: Distribuição Estadual das Atividades de Projetos de MDL no Brasil Figura 11: Disposição Final por Quantidade dos RSU no Brasil Figura 12: Disposição Final dos RSU no Brasil por Número de Municípios Figura 13: Evolução da Destinação Adequada de RSU no Brasil Figura 14: Balanço de Gás em Aterros Sanitários Figura 15: Análise Qualitativa Típica da Geração dos Gases em um Aterro Sanitário Figura 16: Fatores Intervenientes na Geração de Gases em Aterros Figura 17: Rota Energética dos Resíduos Sólidos Figura 18: Unidades de um Sistema de Recuperação de Biogás em Aterros Sanitários Figura 19: Componentes do Sistema de Coleta de Biogás em Aterro Sanitário Figura 20: Dispositivo de queima de Biogás (Flare) no Aterro Bandeirantes (SP) Figura 21: Localização do Aterro Controlado da Muribeca (PE) Figura 22: Vista Geral do Aterro Controlado da Muribeca em Figura 23: Localização da Célula Experimental Figura 24: Implantação da Unidade Física de Geração de Energia Figura 25: Impermeabilização da camada inferior da Célula Experimental Figura 26: Execução do Sistema de Drenagem de Lixiviado Figura 27: Perfil de Sondagem a trado na área da Célula Experimental Figura 28: Preenchimento da Célula Experimental e Compactação dos Resíduos Figura 29: Execução da Camada de Cobertura da Célula Experimental Figura 30: Execução do Sistema de Drenagem Superior e Superficial da Célula Figura 31: Etapas de Preenchimento e Geometria da Célula Experimental Figura 32: Composição Física dos Resíduos Dispostos na Célula Experimental Figura 33: Instalação da Rede Coletora de Biogás da Célula Experimental Figura 34: Instalação e Lançamento da Rede Horizontal de PEAD Figura 35: Separador de Fases (Selo Hidráulico) Figura 36: Dispositivo de Queima do Biogás (Flare) da Célula Experimental Figura 37: Localização dos Drenos Verticais e Elementos da Célula Experimental Figura 38: Seqüência de dispositivos da Célula Experimental... 70

12 xii Figura 39: Compressor Radial da Célula Experimental Figura 40: Dispositivos da Unidade de Geração de Energia da Célula Experimental Figura 41: Dispositivos da Unidade de Geração de Energia da Célula Experimental Figura 42: Dispositivos da Unidade de Geração de Energia da Célula Experimental Figura 43: Dispositivos da Unidade de Geração de Energia da Célula Experimental Figura 44: Geração de Energia com Grupo Motor-Gerador trabalhando 8 horas por dia Figura 45: Metodologia da Pesquisa Figura 46: Procedimento de Análise de Viabilidade Econômico-financeira do Projeto Figura 47: Aplicação de Modelos de Simulação na Célula Experimental Figura 48: Demonstração Dedutiva do Resultado de Exercício Figura 49: Diagrama de Fluxo de Caixa Figura 50: Curva de Geração de Metano da Célula Experimental Figura 51: Potencial de Geração de Energia Elétrica da Célula Experimental Figura 52: Geração de Energia Elétrica da Célula Experimental Figura 53: Resultado Líquido do Exercício nos Cenários Simulados Figura 54: Saldo do Período dos Cenários Simulados

13 xiii LISTA DE TABELAS Tabela 1: Características dos Gases de Efeito Estufa Tabela 2: Emissão de CO2 dos Países Anexo I do Protocolo de Quioto Tabela 3: Setores de Fontes de Atividades de Projetos MDL Tabela 4: Total de Atividades de Projetos de MDL no Mundo Tabela 5: Reduções de Emissões Projetadas para o Primeiro Período de Créditos Tabela 6: Reduções de Emissões Anuais Projetadas para o Primeiro Período de Créditos Tabela 7: Distribuição das Atividades de Projetos de MDL no Brasil por Escopo Setorial Tabela 8: Status Atual de Projetos de MDL na ADN Brasileira Tabela 9:Status Atual das Atividades de Projetos Brasileiros no CE do MDL Tabela 10: Classificação dos Resíduos quanto ao Grau de Periculosidade Tabela 11: Geração de RSU no Brasil e Macro-Regiões Tabela 12: Destinação Final de RSU no Brasil e Macro-Regiões Tabela 13: Modalidades de Destinação Final de RSU por Número de Municípios no Brasil Tabela 14: Fases de Produção do Biogás em Aterros Sanitários Tabela 15: Parâmetros do Ambiente Interno e suas Implicações na Geração do Biogás Tabela 16: Características dos Gases que compõem o Biogás de Aterros Sanitários Tabela 17: Composição Média de Biogás proveniente de diferentes resíduos orgânicos Tabela 18: Poder Calorífico Inferior (PCI) de diferentes Gases Tabela 19: Equivalência Energética entre 1 m3 de Biogás e outras Fontes Energéticas Tabela 20: Custos do Sistema de Coleta de Biogás em Aterros Sanitários Tabela 21: Custo Médio de Investimento para Recuperação de GDL em US$/kW Tabela 22: Tecnologias de Geração de Energia a partir do Biogás Tabela 23: Distribuição de Plantas de Aproveitamento Energético do GDL no Mundo Tabela 24: Distribuição de Projetos de MDL em Aterros Sanitários no Brasil Tabela 25: Calorimetria dos Resíduos da Célula Experimental Tabela 26: Parâmetros de Entrada do Método IPCC (2006) Ajustados por Firmo (2008) Tabela 27: Capacidade de Geração de Energia Elétrica da Célula Experimental Tabela 28: Geração de Energia Elétrica da Célula Experimental Tabela 29: Emissões Reduzidas de Metano na Célula Experimental Tabela 30: Receitas Previstas no Projeto Tabela 31: Quantitativo das Atividades de Operação e Manutenção do Projeto Tabela 32: Custos Previstos de Operação e Manutenção do Projeto Tabela 33: Custos Previstos com Mão de Obra do Projeto Tabela 34: Depreciação Prevista dos Bens do Projeto Tabela 35: Resumo da DRE dos Cenários Simulados Tabela 36: Investimentos do Projeto Tabela 37: Fluxo de Caixa dos Cenários Simulados

14 xiv Tabela 38: Apuração do VPL do Projeto no período de 10 anos Tabela 39: Apuração da TIR no período de 10 anos

15 xv LISTA DE SIGLAS, SÍMBOLOS E ABREVIATURAS Euro ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas ABRELPE Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais AND Autoridade Nacional Designada ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica B.E.M Tecnologia Biomassa-Energia-Materiais BID Banco Interamericano de Desenvolvimento BIRD Banco Internacional para Reconstrução e o Desenvolvimento BNB Banco do Nordeste do Brasil S/A BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social C 3 H 8 Gás Propano C 4 H 10 Gás Butano Ca Cálcio CASMIG Companhia de Gás de Minas Gerais CCX Bolsa do Clima de Chicago (Chicago Climate Exchange) CE Comércio de Emissões (Emissions Trading) CE Conselho Executivo do MDL CEBDS Conselho Empresarial Brasileiro de Desenvolvimento Sustentável CEG Companhia de Gás do Rio de Janeiro CELPE Companhia Energética de Pernambuco CER Certificado de Emissão Reduzida CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo CF 4 Fluoreto de Carbono CH 4 Gás Metano Chesf Companhia Hidrelétrica do Rio São Francisco CIMGC Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima cm Centímetros CNUMAD Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento CO 2 Gás Dióxido de Carbono COD Quantidade de carbono orgânico degradável COD acum Quantidade de COD não decomposto no tempo t degradável nos tempos posteriores COD deg Quantidade de carbono orgânico degradável que é decomposto no tempo t COD f Fator de correção da fração carbono COMLURB Companhia Municipal de Limpeza Urbana do Rio de Janeiro COP Conferência das Partes COPOM Comitê de Política Monetária Cr Cromo CRE s Certificados de Reduções de Emissões Ct Custo no ano t CTGÁS Centro de Tecnologias do Gás Cu Cobre DCP Documento de Concepção do Projeto (Project Design Document) DRANCO Dry Anaerobic Composting DRE Demonstração do Resultado de Exercício Ec Eficiência de coleta do biogás E E Eficiência elétrica EMLURB Empresa de Manutenção e Limpeza Urbana de Recife EOD Entidade Operacional Designada do MDL EPA Agência de Proteção Ambiental Americana (Environmental Protection Agency)

16 xvi ER Emissão Reduzida de GEE [tco2eq / ano] ETC Estação de Tratamento de Chorume EU ETS Esquema de Comércio de Emissões da União Européia (European Union Emissions Trading Scheme) EXP Dados experimentais F Concentração do metano no biogás FA Fator de Ajuste FGTS Fundo de Garantia do Tempo de Serviço FNMC Fórum Nacional de Mudanças Climáticas g Grama GDL Gás do Lixo GEE Gases de Efeito Estufa GRS/UFPE Grupo de Resíduos Sólidos da Universidade Federal de Pernambuco GWP Potencial de Aquecimento Global (Global Warming Potencial) h Hora H 2 Gás Hidrogênio H 2 S Gás Sulfídrico ha Hectare hab Habitante HCFC-22 Subtítulo do CFC HFCs Hidrofluorcarbonos i Taxa (real e efetiva) mínima aceitável de retorno IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IC Implementação Conjunta (Joint Implementation) IDH Índice de Desenvolvimento Humano INSS Instituto Nacional de Seguridade Social IPCC Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (Intergovernmental Panel on Climate Change) J Joule K Potássio k Constante de geração de metano do modelo de decaimento de primeira ordem [T -1 ] Kcal Quilo-caloria Kg Quilograma KJ Quilo-joule kva Quilovolt-ampére kw Quilowatt (1KW = W) kwh Quilowatt-hora l Litro LFG Landfill Gas LMOP Landifill Methane Outreach Program Lo Potencial de geração de metano dos RSU no modelo de decaimento de primeira ordem [M] m Metro M. O. Mão de obra m 3 Metro Cúbico MCF Fator de correção do gerenciamento dos RSU MCI Motor de Combustão Interna MCT Ministério de Ciência e Tecnologia MDL Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (Clean Development Mechanism) Mg Magnésio mg Miligrama mm Milímetros MW Megawatt

17 xvii MWh Megawatt hora N Nitrogênio N 2 O Gás Óxido Nitroso Na Sódio NBR Norma Registrada Brasileira NFFO Non-Fossil Fuel Obligation Ni Níquel O & M Operação e manutenção O 3 Gás Ozônio ONGs Organizações Não Governamentais ONU Organização das Nações Unidas P Fósforo PC Poder Calorífico PCI Poder Calorífico Inferior PE Pernambuco PEAD Polietileno de Alta Densidade PET Politereftalato de etileno PFCs Perfluorcarbonos ph Potencial Hidrogeniônico PIB Produto Interno Bruto PIN Documento Preliminar Inicial (Project Idea Note) PNSB Pesquisa Nacional de Saneamento Básico PP Participantes do Projeto PVC Policloreto de vinila Q CH4 Geração de metano [L 3 *T -1 ] R$ Reais RCEs Reduções Certificadas de Emissões RMR Região Metropolitana de Recife RMs Regiões Metropolitanas RSU Resíduos Sólidos Urbanos Rt Receita no ano t s Segundos SELIC Sistema Especial de Liquidação e Custódia SF 6 Hexafluoreto de enxofre SP São Paulo T Temperatura t Tempo t CO 2 eq Toneladas de carbono equivalente t 1/2 Tempo de meia vida [T] TEE Tarifa de Energia Elétrica TIR Taxa Interna de Retorno TMA Taxa Mínima de Atratividade ton Toneladas UNFCCC Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima US$ Dólar Americano VEE Venda de Energia Elétrica VLP Valor Presente Líquido W Watt [J*s-1] Wh Watt-hora Ws Watt-segundo Zn Zinco

18 1 CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO 1.1 APRESENTAÇÃO O crescimento populacional tem como conseqüência a demanda cada vez maior de energia e o aumento da produção de resíduos, resultando em um dos principais problemas de qualidade ambiental da atualidade. As constantes inovações tecnológicas e a competitividade entre os mercados têm acelerado a obsolescência de produtos, reduzindo seus ciclos de vida, evidenciando a tendência de descartabilidade dos mesmos. Tal fato é comprovado pelo aumento significativo no volume dos resíduos gerados, que, dispostos de forma inadequada, podem resultar na poluição e degradação do meio ambiente e conseqüente perda da qualidade de vida das gerações atuais e futuras. A questão dos resíduos sólidos no Brasil tem sido amplamente discutida na sociedade a partir de vários levantamentos da situação atual e de perspectivas para o setor. Este assunto permeou por várias áreas do conhecimento, desde o meio ambiente e a inserção social e econômica, até chegar, recentemente, ao aproveitamento energético dos gases provenientes dos aterros de resíduos sólidos (JUCÁ, 2003). Os aterros sanitários configuram-se como a principal técnica de tratamento e destinação final dos resíduos sólidos urbanos (RSU), apesar do imenso esforço em se reduzir, reutilizar e reciclar. Trata-se de uma técnica fundamentada em critérios de engenharia e normas operacionais específicas, permitindo um confinamento seguro dos resíduos em termos de controle de poluição ambiental e proteção à saúde pública. Um dos grandes entraves quanto à adoção de aterros sanitários para destinação final dos RSU está nos seus custos de implantação e operação. A sustentabilidade sócioambiental e econômica dos aterros sanitários tem sido um grande desafio a ser alcançado no Brasil. A carência de investimentos públicos no setor é um dos principais obstáculos a serem vencidos.

19 2 Com a ratificação do Protocolo de Quioto, a gestão de resíduos sólidos urbanos passou a contar com uma importante ferramenta na promoção de melhorias técnicas e ambientais no que tange às etapas de tratamento e disposição final destes. Projetos de aproveitamento energético do biogás gerado em aterros sanitários podem facilitar a viabilização econômica de implantação e operação destes. A conversão do gás metano (CH 4 ) em dióxido de carbono (CO 2 ) através de sua captura e combustão em queimador (flare), motores e outros conversores de energia ocasionam uma redução no Potencial de Aquecimento Global do aterro. Tal fato possibilita o enquadramento do projeto no chamado Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), que pode resultar na obtenção e venda de Certificados de Reduções de Emissões (CRE s), também conhecidos por Créditos de Carbono, previsto no Protocolo de Quioto. A presente pesquisa tem por motivação analisar como o aproveitamento energético do biogás pode se tornar uma iniciativa favorável na busca da sustentabilidade técnica e econômica de aterros sanitários de pequeno e médio porte no país, de modo a auxiliar os gestores municipais e tomadores de decisões quanto à implementação de projetos na área. Inserida no Projeto Projeto Piloto para Recuperação Energética do Biogás no Aterro da Muribeca - PE, desenvolvido pelo Grupo de Resíduos Sólidos da Universidade Federal de Pernambuco (GRS/UFPE) em parceria com a Companhia Hidrelétrica do Rio São Francisco (Chesf) e demais instituições (Empresa de Manutenção e Limpeza Urbana do Recife EMLURB e prefeitura de Jaboatão dos Guararapes), pretende-se avaliar o potencial energético dos RSU, numa escala intermediária, esclarecendo à sociedade em que condições podem-se obter benefícios financeiros e ambientais desta fonte energética. O volume de resíduos usado no preenchimento da célula experimental construída no Aterro Controlado da Muribeca, objeto de estudo da pesquisa, corresponde a um aterro de pequeno porte, com capacidade de receber os resíduos gerados em um município de habitantes (MACIEL et al., 2009).

20 3 De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE (2008), 71% dos municípios existentes no país têm população inferior a habitantes. Estes somam 13% dos RSU gerados no país. Desse percentual, 68,5% são destinados a lixões e vazadouros a céu aberto. Em geral, a composição dos resíduos nesses pequenos municípios, apresenta valores de matéria orgânica superior a 65%, em peso, o que é favorável à produção do biogás. Diante disso, a alternativa de aproveitamento energético do biogás pode se configurar como uma ferramenta para viabilizar soluções que minimizem a problemática e os impactos do setor de resíduos no país. Pesquisas voltadas para análise e avaliação do potencial energético dos RSU são de suma importância na busca de esclarecimentos quanto aos reais benefícios obtidos desta fonte energética.

21 4 1.2 JUSTIFICATIVA O acondicionamento e disposição final dos RSU em aterros sanitários têm como subprodutos o biogás e o lixiviado, provenientes do processo de decomposição da fração orgânica presente na massa de resíduos. Os principais constituintes do biogás são o metano (CH 4 ) e o dióxido de carbono (CO 2 ), que mal gerenciados podem resultar em impactos ambientais negativos, tais como a contaminação do ar e o agravamento das mudanças climáticas. O metano emitido em aterros sanitários possui potencial de aquecimento global 21 vezes maior que o dióxido de carbono. Tal fato faz com que o mesmo seja identificado como um contribuinte significativo no aumento das emissões de gases de efeito estufa (GEE) na atmosfera terrestre. Estima-se que os aterros sanitários no mundo inteiro produzam de 20 a 60 milhões de toneladas de metano por ano como resultado direto da decomposição orgânica dos componentes do lixo. Aproximadamente dois terços dessas emissões procedem de países desenvolvidos (OLIVEIRA et al., 2006). A contribuição relativa dos países em desenvolvimento tende a mudar rapidamente em função das tendências de crescimento populacional e urbanização, bem como as necessidades de desenvolvimento econômico, fazendo com que se tornem responsáveis por uma parcela cada vez maior da emissão de metano. No Brasil, cerca de 900 mil toneladas anuais de metano são produzidas em aterros sanitários, sendo 84% lançada diretamente na atmosfera (ALVES e VIEIRA, 1998). Segundo Firmo e Rodrigues (2009), no Estado de Pernambuco foram emitidas 846 mil toneladas de CH 4 (cerca de 18,5 milhões de toneladas de CO 2 equivalente t CO 2 eq) por atividades de manejo de RSU entre os anos de 1990 a A Região Metropolitana de Recife (RMR) é a principal fonte geradora, responsável por 57% da emissão total do Estado.

22 5 Nesse contexto, o aproveitamento energético do metano proveniente da decomposição anaeróbia dos resíduos sólidos também se apresenta como uma iniciativa importante na mitigação do efeito estufa e sustentabilidade da matriz energética. Com a implantação de um projeto de MDL, o biogás é coletado, tratado, queimado ou reaproveitado como insumo energético. No final do processo, o CH 4 é transformado em CO 2, que é 21 vezes menos impactante que o primeiro. Essa redução na emissão de metano pode ser comercializada através dos Créditos de Carbono. Para Coelho (2001), o biogás é considerado uma fonte de energia renovável e, portanto, sua recuperação e uso energético apresentam vantagens ambientais, sociais, estratégicas e tecnológicas significativas. De acordo com a literatura (COELHO, 2001; HENRIQUES, 2004; DUARTE, 2006), a recuperação energética do biogás apresenta os seguintes benefícios: (a) Para a sociedade: Geração de empregos e eliminação ou redução de subempregos; Geração de biogás descentralizada e próxima aos pontos de carga, a partir de uma fonte renovável que tem sido tratada como resíduo; e Colaboração para a viabilidade econômica do saneamento ambiental. (b) Para as prefeituras: Possibilidade de geração de receita extra, proveniente da comercialização da energia gerada pelo biogás; Colaboração para a viabilidade econômica do tratamento dos resíduos domésticos; e Redução da rejeição social das instalações de saneamento, uma vez que as mesmas passam a ser gerenciadas de forma mais adequada, representando um exemplo a ser seguido. (c) Para os gerenciadores de aterros: Redução nos gastos com a aquisição da energia elétrica; Eventual possibilidade de venda de eletricidade à rede de distribuição; e Possibilidade de uso em processos de co-geração, uma vez que, a geração de eletricidade tem como subproduto o calor, que pode ser utilizado no tratamento do chorume na própria área do aterro, ou ser vendido a terceiros.

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo 1º Período de compromisso do Protocolo de Quioto (2008-2012) (Data final de coleta de dados: 12/02/2014) O

Leia mais

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas 1) O que é Mudança do Clima? A Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudança do Clima (em inglês: United Nations Framework Convention on Climate Change UNFCCC),

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima HISTÓRICO UNFCCC IPCC Comunicação Nacional do Brasil Política Nacional sobre

Leia mais

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

Estudo do potencial da geração de energia renovável proveniente dos "aterros sanitários" nas regiões metropolitanas e grandes cidades do Brasil 1

Estudo do potencial da geração de energia renovável proveniente dos aterros sanitários nas regiões metropolitanas e grandes cidades do Brasil 1 Estudo do potencial da geração de energia renovável proveniente dos "aterros sanitários" nas regiões metropolitanas e grandes cidades do Brasil 1 Resumo Convênio FEALQ - Ministério do Meio Ambiente (Início

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010)

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) Sumário Executivo De acordo com a Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), adotada em 1992, as mudanças

Leia mais

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações WORKSHOP ASPECTOS RELEVANTES DA PRÁTICA EMPRESARIAL EM GESTÃO AMBIENTAL CAMPINAS, 17 DE ABRIL 2010 As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações Profa. Josilene T.V.Ferrer Estado de São

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA. INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009)

INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA. INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009) INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009) INFORMAÇÕES IMPORTANTES O Inventário Nacional de Emissões

Leia mais

ESTUDO CRÉDITOS DE CARBONO

ESTUDO CRÉDITOS DE CARBONO ESTUDO CRÉDITOS DE CARBONO Ilidia da Ascenção Garrido Martins Juras Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial e Desenvolvimento Urbano e Regional ESTUDO

Leia mais

Disciplina Construção de Edifícios - Engenharia Civil - UFJF. Prof. Pedro Kopschitz Xavier Bastos

Disciplina Construção de Edifícios - Engenharia Civil - UFJF. Prof. Pedro Kopschitz Xavier Bastos Disciplina Construção de Edifícios - Engenharia Civil - UFJF Prof. Pedro Kopschitz Xavier Bastos Uso irresponsável dos recursos naturais: Erosão do solo Contaminação de lençóis de água Extinção de espécies

Leia mais

APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS

APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS Apresentado por: Engº Francisco J. P. Oliveira Setembro / 2010 Objetivo Demonstrar de forma sucinta projetos de MDL, que envolvam a obtenção de créditos de

Leia mais

Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono.

Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono. Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono. Os serviços envolvem uma ampla faixa de consultoria, desde

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

Econergy International PLC. Projetos de MDL

Econergy International PLC. Projetos de MDL Econergy International PLC. Projetos de MDL São Paulo, 18 de agosto de 2006 Econergy Escritórios rios Ireland Boulder (CO) Washington D.C. Monterrey São Paulo Buenos Aires Nossa Missão é Agregar Valor

Leia mais

O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO

O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO UNESP-S.J do Rio Preto RAFAEL AZEREDO DE OLIVEIRA Mudanças Climáticas e Aquecimento Global FORMAÇÃO DO IPCC Criado pela ONU Organização

Leia mais

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial Seminário de Oportunidades para Financiamento de Projetos de Eficiência Energética e MDL Fundação Getúlio Vargas MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial F U N D A Ç Ã O B R A S I

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA Josilene Ticianelli Vannuzini Ferrer PROCLIMA - CETESB, 2010 SP, a Agenda Climática e a CETESB 40 milhões de habitantes 18 milhões

Leia mais

Padrões de produção e consumo

Padrões de produção e consumo INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 113 Padrões de produção e consumo Recicloteca da COMLURB - Gávea 114 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ÁGUA ATMOSFERA SOLO BIODIVERSIDADE

Leia mais

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências.

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. Projeto de Indicação Nº 36/2014 Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ DECRETA: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil. Maisa de Souza Ribeiro

Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil. Maisa de Souza Ribeiro Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil Maisa de Souza Ribeiro Objetivos do Protocolo de Quioto Desenvolvimento Social, Ambiental e Econômico Países Poluidores PROTOCOLO

Leia mais

III-036 - METODOLOGIA DO BANCO MUNDIAL NA ESTIMATIVA DA GERAÇÃO DE GÁS METANO NUM ATERRO SANITÁRIO: ESTUDO DE CASO

III-036 - METODOLOGIA DO BANCO MUNDIAL NA ESTIMATIVA DA GERAÇÃO DE GÁS METANO NUM ATERRO SANITÁRIO: ESTUDO DE CASO III-036 - METODOLOGIA DO BANCO MUNDIAL NA ESTIMATIVA DA GERAÇÃO DE GÁS METANO NUM ATERRO SANITÁRIO: ESTUDO DE CASO Francisco Thiago Rodrigues Almeida (1) Graduando em Engenharia Ambiental pelo Instituto

Leia mais

Introdução a Mercados de Carbono. Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008

Introdução a Mercados de Carbono. Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008 Introdução a Mercados de Carbono Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008 Resumo da apresentação 1. Comércio de emissões - conhecimento básico 2. Tipos de crédito de carbono 3. Conectando compradores e vendedores

Leia mais

Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL ENTENDENDO O MERCADO DE REGULAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO

Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL ENTENDENDO O MERCADO DE REGULAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL ENTENDENDO O MERCADO DE REGULAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO O QUE É O AQUECIMENTO GLOBAL? O QUE É O AQUECIMENTO GLOBAL? Variação na Temperatura da Superfície da Terra nos

Leia mais

2 Documento de Referência CarbonOk

2 Documento de Referência CarbonOk 2 Documento de Referência CarbonOk SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 PROGRAMA CARBONOK... 6 2.1 Missão... 6 2.2 Objetivos... 6 2.3 Valores... 7 2.4 Metodologia... 7 2.5 Atuação... 8 2.6 Responsável... 9 3

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PROTOCOLO DE QUIOTO: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA E APLICABILIDADE DOS MECANISMOS DE DESENVOLVIMENTO LIMPO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PROTOCOLO DE QUIOTO: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA E APLICABILIDADE DOS MECANISMOS DE DESENVOLVIMENTO LIMPO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PROTOCOLO DE QUIOTO: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA E APLICABILIDADE DOS MECANISMOS DE DESENVOLVIMENTO LIMPO Letícia Hoppe Ms. Economia do Desenvolvimento Síntese do Mini curso

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima PNMC e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima PNMC e estabelece seus

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das de Gases de Efeito Estufa SADIA S/A 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 01/04/2010 Preparador

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Grupo de Trabalho: Fernanda - Solvay Lorena Oxiteno Luis

Leia mais

LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011

LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011 LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011 Institui a Política Municipal sobre Mudança do Clima e Desenvolvimento Sustentável, dispõe sobre o estabelecimento de metas de redução de emissões antrópicas de gases

Leia mais

Apresentação Grupo Solví

Apresentação Grupo Solví Apresentação Grupo Solví Mesa redonda Mercado de Metano Experiência Brasileira do Grupo Solvi com Gás G s Metano O Grupo Solví Resíduos Valorização Energética Saneamento O Grupo Solví Grupo Solví Valorização

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República LEI Nº 12.187, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2009. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1 o Esta Lei institui a Política

Leia mais

Nº I. Utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo: procedimentos para implementação e análise da evolução dos projetos

Nº I. Utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo: procedimentos para implementação e análise da evolução dos projetos Nº I Utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo: procedimentos para implementação e análise da evolução dos projetos Comunicado Técnico GEMUC/DPED/FEAM Os Comunicados Técnicos da Gerência de Energia

Leia mais

Demandas e escalas para a contabilidade de emissões de Gases de Efeito Estufa - GEE

Demandas e escalas para a contabilidade de emissões de Gases de Efeito Estufa - GEE Demandas e escalas para a contabilidade de emissões de Gases de Efeito Estufa - GEE Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento X Convenção do Clima UNFCCC é um tratado ambiental

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais

1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais 1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais A atmosfera da Terra é fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos. Evoluiu, a partir do gás carbônico (CO 2 ) e vapor d água (H 2 O),

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

ESTUDO DA VALORAÇÃO DO SEQUESTRO DE CARBONO PARA A LITOSFERA

ESTUDO DA VALORAÇÃO DO SEQUESTRO DE CARBONO PARA A LITOSFERA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CIENAM CENTRO INTERDISCIPLINAR DE ENERGIA E AMBIENTE www.cienam.ufba.br ESTUDO DA VALORAÇÃO DO SEQUESTRO DE CARBONO PARA A LITOSFERA Qual o custo para reduzir 1 % da concentração

Leia mais

(material embargado até 19.11.2015 às 10hs)

(material embargado até 19.11.2015 às 10hs) (material embargado até 19.11.2015 às 10hs) SEEG 3.0 Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estuda Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa no Brasil 1970-2014 DESTAQUES: Emissões

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP Inventário GEE- São Paulo MAIO - 2014 Sumário - Base Legal Inventário - Sugestão para elaboração de inventário 2/40 Base Legal Lei 13.798 de 09 de

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN)

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) COMUNICAÇÃO ESTADUAL 1º INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DIRETOS E INDIRETOS DO ESTADO DE SÃO PAULO EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Protocolo de Quioto e MDL: Breve Introdução Histórico-Jurídica ao tema

Protocolo de Quioto e MDL: Breve Introdução Histórico-Jurídica ao tema De Rosa, Siqueira, Almeida, Mello, Barros Barreto e Advogados Associados Protocolo de Quioto e MDL: Breve Introdução Histórico-Jurídica ao tema EMBRAPA - Jaguariúna, 18.08.2003 1 Background... (Conferência

Leia mais

Mesa Redonda Avançando ando com os projetos de gás g s de aterros

Mesa Redonda Avançando ando com os projetos de gás g s de aterros Mesa Redonda Avançando ando com os projetos de gás g s de aterros USEPA e M2M, CETESB, e Prefeitura de Ribeirão Preto 17 de setembro de 2010 Tema IV Processos de MDL Potencial de MDL para projetos de Destruição

Leia mais

LEI Nº 14.829, de 11 de agosto de 2009

LEI Nº 14.829, de 11 de agosto de 2009 LEI Nº 14.829, de 11 de agosto de 2009 Procedência: Governamental Natureza: PL./0063.5/2009 DO: 18.666 de 11/08/09 Decreto 2615 (14/09/2009) cria comissão técnica para a regulamentação da presente Lei.

Leia mais

BIOGÁS DE ATERROS SANITÁRIOS PARA GERAÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEL E LIMPA - UM ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA

BIOGÁS DE ATERROS SANITÁRIOS PARA GERAÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEL E LIMPA - UM ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA BIOGÁS DE ATERROS SANITÁRIOS PARA GERAÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEL E LIMPA - UM ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA Fábio Viana de Abreu 1, Manoel Antonio Fonseca Costa Filho 2, Mauro Carlos Lopes Souza

Leia mais

CONVENÇÃO DO CLIMA. Edna Cardozo Dias

CONVENÇÃO DO CLIMA. Edna Cardozo Dias CONVENÇÃO DO CLIMA Edna Cardozo Dias Doutora em Direito pela UFMG, professora de Direito Ambiental, presidente da Liga de Prevenção da Crueldade contra o Animal Artigo publicado na revista FORUM DE DIREITO

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

Crédito de carbono: uma moeda ambiental como fator de motivação econômica

Crédito de carbono: uma moeda ambiental como fator de motivação econômica Crédito de carbono: uma moeda ambiental como fator de motivação econômica Luci Inês Bassetto (UTFPR) luciines@cefetprp.br Tanatiana Ferreira Guelbert (UTFPR) guelbert@cefetpr.br João Luiz Kovaleski (UTFPR-PG)

Leia mais

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Temas abordados 1. Quem somos 2. Efeito estufa e aquecimento global 3. Marco regulatório 4. O inventário de emissões

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS Luiz Felipe de Camargo Kastrup Faculdade de Saúde Pública USP Paulo Bernardi Junior Instituto de Pesquisas Energéticas e

Leia mais

CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO)

CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO) CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO) ILÍDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional JANEIRO/2001

Leia mais

A gestão dos resíduos solidos urbanos e sua relação com as mudanças climáticas

A gestão dos resíduos solidos urbanos e sua relação com as mudanças climáticas A gestão dos resíduos solidos urbanos e sua relação com as mudanças climáticas Danuza Gusmão Gomes de Andrade Lima (1) (1) Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente, SECTMA/PE, Brasil. E-mail:

Leia mais

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 UNIDADE DE NEGÓCIO CARBONO - UNICAR Efluentes e Resíduos Inventários

Leia mais

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS IV FORUM DA TERRA POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL / IIDEL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Demanda de Consumo de

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Brasília, 12 de maio de 2011 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Eduardo Delgado Assad Secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Emissões de GEE Média Anual das Emissões

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 5 27/04/2012 15:33 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.187, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2009. Mensagem de veto. (Vide Decreto de 15 de setembro de 2010) Institui

Leia mais

PROJETO DE LEI. III - emissões: liberação de gases de efeito estufa ou seus precursores na atmosfera numa área específica e num período determinado;

PROJETO DE LEI. III - emissões: liberação de gases de efeito estufa ou seus precursores na atmosfera numa área específica e num período determinado; PROJETO DE LEI Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Esta Lei institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima, fixa seus

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

INVENTÁRIO RIO DE JANEIRO DE EMISSÕES DE DE GASES DO EFEITO ESTUFA DA CIDADE DO RESUMO EXECUTIVO

INVENTÁRIO RIO DE JANEIRO DE EMISSÕES DE DE GASES DO EFEITO ESTUFA DA CIDADE DO RESUMO EXECUTIVO INVENTÁRIO DE EMISSÕES IN DE DE GASES DO EFEITO ESTUFA DA CIDADE DO DO EFEIT RIO DE JANEIRO RESUMO EXECUTIVO RI Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Cidade do Rio de Janeiro Prefeito da

Leia mais

O Manejo de Residuos, a Gestão Ambiental e a Sustentabilidade

O Manejo de Residuos, a Gestão Ambiental e a Sustentabilidade O Manejo de Residuos, a Gestão Ambiental e a Sustentabilidade Profa. Dra. Anelise Leal Vieira Cubas Unisul Universidade do Sul de Santa Catarina Unisul Virtual RESÍDUOS Resíduo: Qualquer material ou substância

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012 Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA São Paulo 23/10/2012 1 Composição Composição do biogás: Metano CH 4 45 75 Vol% Dióxido

Leia mais

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor. Entre no Clima, Faça sua parte por um MUNDO melhor. Aquecimento Global Conheça abaixo os principais gases responsáveis pelo aquecimento global: MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O AQUECIMENTO GLOBAL Desde a revolução

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Título: Perspectivas da Suinocultura Brasileira na Captura de Carbono no Tratamento de Dejetos Suínos através s de Biodigestores em

Título: Perspectivas da Suinocultura Brasileira na Captura de Carbono no Tratamento de Dejetos Suínos através s de Biodigestores em Título: Perspectivas da Suinocultura Brasileira na Captura de Carbono no Tratamento de Dejetos Suínos através s de Biodigestores em Projetos de MDL. Fernando Rodrigues Marques (Business School São Paulo

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa GEE Sabesp: Ano Base 2007

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa GEE Sabesp: Ano Base 2007 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa GEE Sabesp: Ano Base 2007 1º Seminário Estadual sobre Mudanças Climáticas e Saneamento Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente T Superintendência

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO

ANÁLISE DE ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO ISSN 1984-9354 ANÁLISE DE ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO Raphael Talayer da Silva Lages (UFF) Sergio Luiz Braga França (UFF) Resumo Este artigo tem como

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília. 08 e 09 de Junho 2010

Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília. 08 e 09 de Junho 2010 Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília 08 e 09 de Junho 2010 No Programa de Governo Gestão 2009-2012 está previsto o Programa Biocidade e neste o Plano

Leia mais

Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões

Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzinifreire.com.br Mercado de Carbono no Brasil

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DO BIOGÁS PRODUZIDO NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DE MADRE DE DEUS BAHIA

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DO BIOGÁS PRODUZIDO NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DE MADRE DE DEUS BAHIA FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GARDUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM TECNOLOGIAS APLICAVEIS À BIOENERGIA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DO BIOGÁS PRODUZIDO

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

PROJETO DE LEI N /2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte lei:

PROJETO DE LEI N /2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte lei: PROJETO DE LEI N /2009 Institui a Política sobre Mudança do Clima do Estado da Bahia e dá outras providencias. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2013

PROJETO DE LEI Nº DE 2013 PROJETO DE LEI Nº DE 2013 Dispõe sobre as atividades relativas a geração, transporte, filtragem, estocagem e geração de energia elétrica térmica e automotiva com biogás, e dá outras providências. Art.

Leia mais

Site Terra, 05 de Junho de 2013

Site Terra, 05 de Junho de 2013 Site Terra, 05 de Junho de 2013 Mesmo com data para acabar, lixões subsistem no Brasil. Mais da metade dos municípios brasileiros não impõe a destinação adequada ao lixo. Assim, cerca de 75 mil toneladas

Leia mais

OS PROJETOS FLORESTAIS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO / FORESTRY PROJECTS IN THE CLEAN DEVELOPMENT MECHANISM

OS PROJETOS FLORESTAIS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO / FORESTRY PROJECTS IN THE CLEAN DEVELOPMENT MECHANISM Artigos 9 ARTIGOS TÉCNICOS / ARTICLES OS PROJETOS FLORESTAIS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO / FORESTRY PROJECTS IN THE CLEAN DEVELOPMENT MECHANISM MARCELO THEOTO ROCHA Engenheiro Agrônomo Doutor

Leia mais

Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos

Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos Premissas e Etapas do Ciclo de Vida Resultados Pegada de Carbono Características: Sacola plástica descartável de PEAD (Polietileno de Alta Densidade),

Leia mais

Seção 1: Solicitação de Registro

Seção 1: Solicitação de Registro F-MDL-REG Formulário de Registro e Validação de Atividade de Projeto de MDL (Ao submeter este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade de MDL proposta atende a todos os requisitos

Leia mais

O lixo como fonte de energia

O lixo como fonte de energia Transformando um Passivo Ambiental em um Recurso Energético: O lixo como fonte de energia Workshop Internacional Aproveitamento Energético do Biogás de Aterros Sanitários e do Tratamento de Efluentes Belo

Leia mais

Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados. Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br

Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados. Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br Mercado de Carbono Somente projetos estruturados com base nos mecanismos de flexibilização

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

EXEMPLO CTR MARCA AMBIENTAL

EXEMPLO CTR MARCA AMBIENTAL Gerenciamento de Resíduos Sólidos e Recuperação de Biogás no Brasil PROJETOS DE CAPTAÇÃO DE BIOGÁS www.marcaambiental.com.br Idenisia Magacho EXEMPLO CTR MARCA AMBIENTAL -Localização -A Empresa A CTR MARCA

Leia mais