Índice. Palavra aos coordenadores Módulo 1 Apresentação Módulo 2 Estrutura e organização da escola...13

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice. Palavra aos coordenadores...03. Módulo 1 Apresentação...09. Módulo 2 Estrutura e organização da escola...13"

Transcrição

1

2

3 Índice Palavra aos coordenadores Módulo 1 Apresentação Módulo 2 Estrutura e organização da escola Módulo 3 Violência escolar: mito e realidade Módulo 4 O papel do policial e as imagens construídas Módulo 5 Adolescência e as relações de autoridade Módulo 6 Policiamento comunitário na escola Módulo 7 Legislação e liberdade assistida Módulo 8 Discricionariedade policial e crime de prevaricação Módulo 9 Depredações, furtos, ameaças, agressões físicas e verbais Módulo 10 Drogas e porte de armas Módulo 11 Violência escolar: ampliando a visão Lista de material Alternativas de aquecimentos

4

5 Palavra aos coordenadores Este curso foi desenvolvido para soldados, cabos e sargentos que trabalham com policiamento e s c o l a r. Seu objetivo principal é oferecer um espaço de re f l e x ã o, análise crítica e busca de altern a t ivas de atuação, por isso a metodologia priv i l e gia a retomada de experiências dos policiais. Sendo assim, s u g e rimos que o grupo seja composto por,no máximo, vinte policiais, o que permite a part i c i p a ç ã o de todos. Para trabalhar dessa maneira, voltado para as experi ê n c i a s,para aquilo que os integrantes têm a d i z e r, é importante que a coordenação do grupo seja formada por uma dupla. A s s i m, enquanto um organiza uma ativ i d a d e, o outro fica atento às reações e comentários dos p a rt i c i p a n t e s ; enquanto um fa l a, o outro anota as conclusões. É fundamental que haja uma d ivisão de tare fas entre os coord e n a d o re s,mas que os dois planejem os encontro s. As pessoas que se pro p u s e rem a realizar este trabalho devem estar disponíveis para ouvir e respeitar idéias e posturas diferentes das suas, p e rceber o grupo em movimentos mais amplos, sem esquecer das indiv i d u a l i d a d e s,buscar incluir todas as pessoas nos processos de discussão, s e m forçá-las a isso, aceitar críticas a seu trabalho e rever o que for possíve l, estar atentas a todas as f o rmas de comunicação do gru p o, c o n f i rmando com ele as interp retações que lhes ocorrer e, f i n a l m e n t e, i n t e ressar-se por trabalhar com grupos de maneira mais re f l e x iva e menos i n f o rm a t iva. S o b re a metodologi a C o o rd e n a d o re s,vocês são figuras impre s c i n d í veis nesse processo de trabalho com os policiais. Para que o material proposto seja aproveitado em suas várias possibilidades,é fundamental ouvir o que o policial tem a dizer, i n c e n t ivá-lo a argumentar (defender suas idéias), acolher suas s u g e s t õ e s,ainda que elas não possam ser postas em prática no momento. Suas idéias são part e fundamental do processo de enfrentamento de conflitos; é indispensável sua participação ativa. As atividades propostas para as oficinas têm justamente esse sentido. Por meio de situações l ú d i c a s, p e d a g ó gi c a s, re f l e x ivas e cri a t iva s, e s t a remos facilitando a reflexão de situações p e rtinentes ao trabalho do policial escolar, tocando nas possibilidades de conv ivência consigo, com o outro e com o mu n d o. S e m p re que term i n a rem uma ativ i d a d e, façam uma rodada de comentários para que todos possam expressar seus sentimentos e opiniões. Ao introduzir uma idéia ou conhecimento novo, c o n s i d e rem o que as pessoas já sabem, s u a s opiniões e hipóteses sobre o assunto. Às ve z e s, o novo vai confirmar ou ampliar o que o 03

6 policial já sabia, mas pode ocorrer que provoque mudança nos conceitos e idéias a n t e ri o re s.na re a l i d a d e, antes de incorporar ou rejeitar novas idéias, a pessoa faz um confro n t o e n t re suas concepções e aquelas apresentadas por seus parc e i ro s.o resultado vai depender do p rocesso de reflexão e negociação que for desenvolvido no gru p o. É importante que vo c ê s, c o o rd e n a d o re s, c riem oportunidades que favo reçam o diálog o, a troca de idéias, a re f l e x ã o. O s trabalhos em grupo são uma excelente estratégia para propiciar essas condições. No entanto, é p reciso considerar que essas trocas só podem ocorrer num clima em que as pessoas se sintam acolhidas e não tenham medo de expor suas idéias. A postura de vocês é fundamental para criar e manter o clima de confiança e va l o rização de t o d o s.para que isso ocorr a, estejam atentos ao movimento do grupo e às suas manifestações, à s falas e aos silêncios, ao que fica subentendido. Seu papel é intervir com perguntas que e s t i mulem a reflexão do grupo para que as idéias e sentimentos veiculados fiquem mais claro s. Por isso, ao planejar seu trabalho, pensem não só no conteúdo de inform a ç õ e s, mas em e s t r a t é gias que permitam a integração das pessoas e o fortalecimento do gru p o. O material do c u rso foi organizado para contemplar essas questões. Recomendações para a organização do trab a l h o Estudar o materi a l Este passo é fundamental para o sucesso das outras etapas de trabalho. O conhecimento prévio do conteúdo do curso e das estratégias a serem utilizadas é que vai dar segurança aos c o o rd e n a d o res para aplicar, p ropor adequações e/ou enriquecer o material com suas c o n t ri bu i ç õ e s. Planejar o tra b a l h o Após o entendimento do material em seu conjunto, a próxima etapa é planejar o trabalho a ser re a l i z a d o. A primeira questão a ser analisada é quais alterações precisam ser feitas para t o rná-lo adequado às características do grupo com o qual se vai trabalhar e ao tempo d i s p o n í vel para a realização das tare fa s. Cabe aos coord e n a d o re s,em seu planejamento, avaliar se o tempo sugerido para cada ativ i d a d e é adequado à sua organização e ao grupo e combinar com o grupo como será distri bu í d o. N o i n í c i o, quando os coord e n a d o res ainda não dispõem de muitas informações sobre o gru p o, p o d e ser que as adequações ainda não correspondam às reais necessidades do gru p o ; essa situação tende a melhorar à medida em que os coord e n a d o res forem ampliando seus conhecimentos do gru p o. Para facilitar os pri m e i ros curs o s, s u g e ri m o s, nas ativ i d a d e s, os tempos necessários à sua re a l i z a ç ã o. Trata-se de uma aprox i m a ç ã o, pois cada grupo tem seu ritmo e, considerando as va ri á veis extern a s,t a m b é m, ele deve ser re s p e i t a d o. 04

7 Providenciar o material Faz parte do planejamento providenciar e organizar antecipadamente todo o material que será n e c e s s á rio para a realização das tare fa s. P r e p a rar o ambiente Um ambiente organizado e acolhedor tem reflexos positivos sobre os resultados alcançados. O s c o o rd e n a d o res devem ser os pri m e i ros a chegar ao local escolhido para os encontro s,o que lhes p e rmitirá tomar as primeiras providências de cada dia: organizar os textos e o restante do m a t e rial na seqüência de uso; p rever quais espaços serão utilizados nesse dia; onde serão afixadas as pro d u ç õ e s ;ve rificar as condições de limpeza do ambiente. Organização dos encontro s Cada encontro foi estruturado em uma seqüência de etapas que tem por finalidade criar m e l h o res condições para o processo de re f l e x ã o.as etapas propostas são as seguintes: A q u e c i m e n t o É constituído por atividades que têm por objetivo quebrar o gelo i n i c i a l,mobilizar energi a s, vontades e capacidades das pessoas para os trabalhos do dia e fazer com que se percebam como p a rte de um gru p o. No final do cadern o, há algumas sugestões de aquecimentos, além daqueles colocados na organização de cada ativ i d a d e. Use-os quando avaliar mais adequado, substituindo aqueles o ri ginalmente pro p o s t o s. Apresentação do tema do dia Garantidas as condições para o início do trabalho, o próximo passo é apresentar o tema do dia, de tal forma que as pessoas se sintam desafiadas a lidar com ele. Cada novo encontro deve ser p e rcebido como uma continu i d a d e, por isso é importante relembrar o que foi realizado no a n t e ri o r, comentar os resultados da avaliação e as alterações que foram introduzidas em função desses re s u l t a d o s.esta é uma forma de mostrar às pessoas que as opiniões emitidas são leva d a s em conta e de incentivá-las a continuar colaborando para o aperfeiçoamento do trabalho. Trabalho com o tema A próxima etapa é pro m over a introdução do tema do dia por meio de atividades va riadas que possibilitem às pessoas expressar e compart i l h a r, de diferentes form a s, os sabere s, idéias e hipóteses que já têm sobre o assunto. A atividade culmina com a construção e apresentação de um produto que expresse o saber do gru p o : um cart a z, uma poesia, um texto, um desenho, u m a 05

8 d r a m a t i z a ç ã o. O objetivo é que os participantes tomem conhecimento de seus sabere s, p e rcebam que há várias formas de expressá-los e que a criação coletiva pro p o rciona inúmeras vantagens (as idéias fluem melhor, são potencializadas pelas contri buições de todos e há um clima de entusiasmo e prazer que garante melhores re s u l t a d o s ). A va l i a ç ã o O objetivo da avaliação é fazer o acompanhamento do trabalho para identificar o que está dando c e rto e que modificações precisam ser introduzidas para o aperfeiçoamento do trabalho. Optamos aqui pelo humorômetro, mas vocês podem utilizar outras formas de ava l i a ç ã o. E s t r a t é gias ge r a i s L e i t u ra do texto A principal preocupação em relação ao texto é garantir a compre e n s ã o. Uma das formas de saber se o texto foi ou não compreendido é pedir aos leitores que, após a leitura, falem sobre ele, comentem o que mais gostaram, digam se concordam com as idéias nele contidas ou discord a m delas e por quê. Atividade em grupo D i a riamente ocorrerão trabalhos em gru p o, em que pessoas serão reunidas para dar conta de d e t e rminadas tare fa s. Se bem organizadas, as atividades em grupo são excelentes oport u n i d a d e s para o aperfeiçoamento de idéias, para a aquisição de novos conhecimentos e para o d e s e nvolvimento de importantes habilidades, úteis em toda conv ivência humana; por isso, o s c o o rd e n a d o res devem estar atentos a todas as possibilidades dessa modalidade de trabalho, selecionando estratégias va riadas para a formação dos gru p o s. Essas estratégias devem perm i t i r ao máximo o contato entre todas as pessoas, evitando-se a formação de p a n e l i n h a s com a c ristalização dos grupos e das idéias. Se houver alguma tentativa nesse sentido, e s c l a reçam que é o b j e t ivo do curso que todos se conheçam para ampliar as possibilidades de re f l e x ã o. O grupo deverá escolher uma pessoa para apresentar os resultados do trabalho em grupo ou, e n t ã o, combinar que todo o grupo fará a apre s e n t a ç ã o, cada um se responsabilizando por uma p a rt e. Se os coord e n a d o res notarem que algum participante está com dificuldades de expor suas idéias, d evem tomar cuidado para não constranger ou reforçar ainda mais o sentimento de inadequação ou timidez de quem está enfrentando essa dificuldade, apontando-a para o gru p o. O melhor é c o nvidar a pessoa a fa l a r, com toda a naturalidade, demonstrando interesse na opinião dela, ouvindo-a com atenção e va l o rizando sua contri bu i ç ã o. 06

9 Apresentação dos tra b a l h o s A apresentação dos trabalhos produzidos em grupo geralmente tem um significado mu i t o i m p o rtante para quem os pro d u z i u.a f i n a l, todos trabalharam juntos, reuniram seus melhore s esforços e capacidades para re a l i z á - l o s. Po rt a n t o, é preciso ter o cuidado de va l o rizar essas p ro d u ç õ e s.s e m p re haverá um aspecto, uma idéia, uma iniciativa, um diferencial a ser destacado e esse é o papel dos coord e n a d o re s :deixar claro a contri buição que aquele grupo pro p o rc i o n o u para as discussões do tema.após cada apre s e n t a ç ã o, os coord e n a d o res podem solicitar a opinião dos outros grupos sobre o que foi apre s e n t a d o. A s s i m,as discussões vão-se tornando mais ri c a s, as idéias são complementadas e o grupo cresce em solidariedade e espírito de cooperação. É interessante também que o grupo não só apresente os resultados das discussões, mas fale do p rocesso de discussão: se foi fácil, d i f í c i l, se todos concordaram de imediato ou se houve d ive r g ê n c i a s, como o grupo enfrentou as questões que surgi r a m, quais foram os avanços na relação do grupo etc. Esse debate permite compreender aspectos interessantes do funcionamento dos grupos e contri bui para seu aperfeiçoamento. Uma rotina de aplausos ao final de cada apresentação pode ser estimulada pelos coord e n a d o re s. Exposição dos produtos do trabalho Recomendamos que os cartazes e as produções dos participantes fiquem afixados nas paredes da sala durante todo o curs o. Sua visualização permite criar uma atmosfera de produção de c o n h e c i m e n t o, além de facilitar o acompanhamento das etapas do curs o. Registro das discussões É importante que as idéias-síntese das discussões sejam re gistradas em folhas de flip-chart ou papel pardo colado na pare d e, de maneira que fiquem visíveis a todos. Esse é mais um re c u rs o que permite ao grupo acompanhar o desenvolvimento dos trabalhos, o caminho que vem sendo c o n s t ruído na produção do conhecimento, ao mesmo tempo em que deixa claro a atenção e o i n t e resse dos coord e n a d o res por aquilo que está sendo oferecido pelos participantes do curs o. A g o r a, é com vo c ê s. Bom trabalho! Lúcia Helena Nilson Maria Cristina Rocha 07

10

11 Primeiro encontro (tempo estimado: 3h15, sem intervalo) Apresentação Módulo 1 Abertura solene 40 minutos Representante da PM. Parceiros que viabilizaram a realização do curso (ONG s,órgãos governamentais etc.). Coordenadores do curso (retomar o processo de construção do curso e descrevê-lo em linhas gerais, dizendo o título dos módulos). Apresentação dos participantes 30 minutos Comece pedindo para cada um se apresentar como quiser. (Por exemplo, nome/batalhão/cia.) Terminada essa apresentação, peça para cada pessoa do grupo escrever em um papel (1/4 folha de papel sulfite): o prato de comida que mais gosta;o tipo de música que mais gosta; a atividade de lazer preferida;a fruta preferida. Peça que prendam o papel na roupa e andem pela sala observando as preferências de todos e percebendo as que são comuns,as diferentes etc. Se quiser, a pessoa pode parar e conversar um pouco com a outra sobre as preferências. Comentários Pergunte ao grupo que descobertas acharam mais interessantes. Peça para falar sobre semelhanças e diferenças percebidas, se deu para conhecer os outros de maneira diferente,o que chamou a atenção, o que surpreendeu etc. Expectativas 30 minutos Esse é o momento em que o policial pensa sobre o que está fazendo ali e qual a importância do curso para o seu trabalho. É importante que pare para pensar nisso. Peça que pensem no trabalho deles como policiais escolares e, considerando o que foi dito do curso, escrevam numa filipeta uma palavra que expresse suas expectativas para esses dias. 09

12 Divida os participantes em subgrupos de 6 pessoas e diga que cada um deve apresentar, discutir e justificar suas expectativas para o g rupo. Peça que, a partir das expectativas individuais,elaborem a expectativa do subg rupo. Diga que devem apresentar suas expectativas de maneira criativa na forma de uma música, poesia, mímica, dramatização etc. Informe-os que, após a apresentação de cada grupo, os outros podem dizer o que entenderam e o grupo esclarece ou confirma o que pretendia. Anote em quadro ou flip chart as expectativas apresentadas. Terminadas as apresentações,um dos coordenadores lê tudo o que anotou,confere com o grupo e pede que dêem um título para tudo o que foi anotado. Esse título deve representar as expectativas do grupo como um todo. Comentários Retome a proposta do curso, colocando seus objetivos e diga o que vai ser possível ou não cumprir, considerando as expectativas do grupo. Lembrete Quando os coordenadores detalham o conteúdo do curso e explicitam o que é possível fazer ou não de acordo com as expectativas levantadas,inicia-se a construção de um acordo coletivo que continua quando se faz os combinados. Combinados Lembrete Esse é o momento de estabelecer, com o grupo, algumas regras de convivência necessárias para o desenvolvimento do curso. É importante que sejam discutidas e combinadas coletivamente. Diga ao grupo que vão combinar algumas regras de convivência como: - Horário de início e término das atividades - Se haverá intervalo para café e, se houver, a que horas - Se será permitido fumar dentro da sala - Como será o uso de celular. Essas são algumas sugestões. Vocês podem substituí-las ou incluir regras que considerem necessárias. Pergunte se têm mais alguma sugestão. Em caso positivo, discuta-a com todos. Anote os combinados numa folha de flip chart, leia-os em voz alta e cole a folha na parede para que fique visível a todos. Explique que esses são combinados iniciais que podem ser modificados no decorrer do curso, de acordo com a necessidade, desde que discutidos coletivamente. Leia em voz alta para que todos possam acompanhar. 10

13 Reconhecendo os problemas da comunidade 40 minutos Explique aos policiais que no último dia do curso haverá um debate entre várias pessoas da comunidade e o tema escolhido para discussão sairá do quadro que construirão a seguir. Divida os participantes em subgrupos de 6, aproximadamente. Se houver policiais que atuam em comunidades diferentes,divida-os de acordo com a área de atuação. Peça que cada subgrupo discuta entre si e relate os três principais problemas de sua comunidade relacionados à violência nas escolas. Deve haver consenso entre eles. Uma vez escolhidos os problemas,devem levantar hipóteses sobre sua origem e as possibilidades de solução. Cada subgrupo apresenta seu trabalho e um dos coordenadores deve ir anotando numa folha de papel craft da seguinte maneira: Problemas Origens Soluções Quando o mesmo problema aparecer novamente, não anote, mas se houver origens ou soluções diferentes,coloque-as no quadro. Peça que comentem o trabalho realizado nos subgrupos (por exemplo: se houver dificuldade em decidir quais os principais problemas) e o quadro construído por todos (semelhanças e diferenças entre problemas, origens e soluções etc.) Esse quadro deve ficar exposto durante todo o curso em lugar visível, podendo ser complementado a qualquer momento, durante a primeira semana. Apresentação do material Distribua o Caderno Polícia e Escola,comente e ressalte aspectos importantes. Leitura de texto 5 minutos Diga que no final de cada dia haverá uma recomendação para que leiam os textos correspondentes aos temas trabalhados.explique que poderão ler a apresentação que está na página 3. Fechamento do dia Pergunte ao grupo o que acharam do curso no dia de hoje, se têm sugestões e críticas. 11

14 Avaliação do dia (Humorômetro) 5 minutos Confeccione um cartaz, numa folha de papel sulfite, como o desenho abaixo: Fixe-o na porta, do lado de fora e peça que, ao saírem,coloquem um adesivo no espaço correspondente à expressão que traduza o que acharam do curso no dia de hoje. A legenda pode ser assim: carinha com riso = muito bom; carinha sem riso = mais ou menos; carinha emburrada = ruim. Coordenadores,não fiquem perto do humorômetro. É importante que todos sintam-se à vontade para avaliarem o mais sinceramente possível. O anonimato é fundamental nesse caso. 12

15 Estrutura e organização da escola Segundo encontro (tempo estimado: 3h) Módulo 2 Síntese do dia anterior Pergunte aos participantes o que lembram das atividades do dia anterior. Complemente, se necessário. Pergunte o que acharam do texto que deveriam ler em casa. Aquecimento Sentados em círculo, peça que cada um diga seu nome e uma qualidade que comece com a primeira letra do próprio nome. Se parecerem constrangidos,comecem vocês a atividade. (Ex.Maria/maravilhosa;Edgar/educado;Benedito/benevolente) Como vejo a escola 50 minutos Forme três subgrupos e peça que cada um deles construa um painel representando como vêem a estrutura e organização da escola. Para isso devem usar colagem,pintura, desenho. Feito o painel,diga que cada subgrupo deve apresentá-lo aos demais. Os expectadores,assim como os coordenadores,podem fazer perguntas sobre os cartazes apresentados. Comentários Comentem os painéis apresentados:semelhanças,diferenças, o que mais chama a atenção, a visão que se tem da escola e de seu funcionamento. Observem, com o grupo, se a figura do policial aparece nos cartazes e como. Diga que um pessoa que entende da estrutura e organização da escola irá conversar com eles sobre esse assunto. 13

16 Estrutura e organização da escola 30 minutos Convide uma diretora ou alguém que tenha vivência na escola, contato com policiamento escolar e abertura para discutir esse tema com os PMs. É importante que o conteúdo dessa fala traga informações sobre a estrutura e organização da escola,definição de cargos,funções e a presença do policial na mesma. Comentários 30 minutos Terminada a exposição, incentive o grupo a fazer perguntas,comentários, sugestões. Pergunte se percebem ligação entre os painéis e o conteúdo exposto. Peça que abram o caderno na página 9 e observem a figura 1 estrutura da escola estadual. Pergunte se o quadro se assemelha aos cartazes produzidos,à fala da diretora e à vivência que têm na escola. Comente que nesse quadro não aparece a figura do policial. Considerando o trabalho deles nas escolas, pergunte em que lugar do quadro eles se colocariam. Leitura de texto 5 minutos Peça que leiam,em casa, o texto: Estrutura e organização da escola que está na página 7 do Caderno Polícia e Escola Levantamento de temas para debate Retome o cartaz com os problemas da comunidade relacionados à violência nas escolas, suas origens e soluções. Pergunte se querem acrescentar algum item. Podem acrescentar origens e soluções para os problemas já arrolados,mas se levantarem um novo problema,devem oferecer as possibilidades de origem e soluções,também. 14

17 Fechamento do dia Pergunte ao grupo o que acharam do curso no dia de hoje, se têm sugestões e críticas. Avaliação do dia (Humorômetro) 5 minutos Ao saírem,peça que coloquem um adesivo no espaço cor respondente à expressão que traduza o que acharam do curso no dia de hoje. Legenda:carinha com riso = muito bom; carinha sem riso = mais ou menos;carinha emburrada = ruim. 15

18

19 Violência escolar: mito ou realidade Terceiro encontr o (tempo estimado: 1h 40) Lembrete: Coordenadores, neste encontro serão trabalhados os módulos 3 e 4. Módulo 3 Síntese do dia anterior Pergunte aos participantes o que lembram das atividades do dia anterior. Complemente, se necessário. Pergunte o que acharam do texto que deveriam ler em casa. Aquecimento: como o outro me vê; como o grupo se vê. 20 minutos Como o outro me vê Forme subgrupos com 4 pessoas e diga que se sentem em círculos. Peça que preencham o quadro abaixo com dados do colega sentado à sua direita: Se seu colega fosse uma comida,qual seria? E se fosse um animal? Se fosse um objeto? E se fosse um país? Comida Animal Objeto País Em seguida, peça para cada um apresentar seu quadro no seu subgrupo, justificando as escolhas. Cada subgrupo escolhe uma descrição de que gostou e apresenta para todos. Pode ser um aspecto de cada pessoa do subgrupo. Como o grupo se vê Todos juntos procuram agora descrever o grupo de acordo com o quadro acima. Comentários Pergunte como se sentiram realizando a atividade e como veêm o grupo de acordo com o que descreveram. Fechamento Todos temos um jeito de ser, pontos comuns e divergentes em relação aos outro s.os o u t ros também compõem uma imagem a nosso re s p e i t o, baseada na observação que fazem de nossas ações e também das referências e re p resentações construídas no decorre r de sua vida. Nós fazemos o mesmo. Nem sempre essas imagens c o m b i n a m,mas é i m p o rtante poder conhecê-las. 17

20 Violência escolar: mito e realidade Peça que escrevam numa filipeta a primeira palavra que lembram quando pensam na violência escolar. Monte um painel com as filipetas.nele teremos o imaginário/concepção do grupo sobre o tema. Comentários Pergunte que diferenças e semelhanças percebem no painel e com que freqüência tais ocorrências acontecem. É comum algum fato ser pouco freqüente, porém muito marcante. Pergunte se isso acontece no trabalho deles. A realidade da violência escolar 25 minutos Apresentação de dados da pesquisa realizada pelo Ilanud e Instituto Sou da Paz (páginas 15 e 16 do caderno) e relato de experiência de algum profissional que estude e/ou trabalhe com o tema violência nas escolas. Comentários 25 minutos Facilite a discussão, incentive que façam perguntas e comentários considerando a concepção do grupo sobre o tema, as notícias de jornal e o conteúdo apresentado pelo palestrante. Peça que abram o caderno na página 21 e leiam as notícias em voz alta. Verifique se esses artigos confirmam o que eles falaram sobre violência na escola. Fechamento Os acontecimentos relatados pela mídia não são necessariamente os mais freqüentes, e sim os mais graves.dessa forma,corremos o risco de ver a realidade escolar de maneira muito mais violenta do que realmente é,o que dificulta a percepção de possibilidades de resolução desse problema. E para resolver os problemas é necessário avaliá-los com clareza,discutí-los com os envolvidos (funcionários da escola, familiares,alunos etc) e definir a atuação de cada um. Atenção: Neste encontro será também trabalhado o módulo 4. 18

21 O papel do policial e as imagens construídas Terceiro encontr o (tempo estimado: 1h35) Módulo 4 Apelidos Diga-lhes que, agora,vão refletir a imagem que a população tem do policial. Podemos perceber essa imagem de várias maneiras,uma delas é por meio dos apelidos dados aos policiais. Peça que escrevam numa filipeta um apelido que a população costuma dar aos policiais. Devem escrever o primeiro apelido que lhes vier à cabeça. Assim que todos tiverem escrito, solicite que se levantem e colem a filipeta numa folha de papel pardo que deverá estar colada na parede. Comentários Leia todos os apelidos escritos, verifique as semelhanças e diferenças. Peça que expliquem a origem ou significado de cada apelido. Que imagem de policial aparece nesse quadro? Percebem alguma correspondência entre como são vistos e como gostariam que os vissem? Fechamento Contextualize as perc e p ç õ e s.m o s t re a correspondência entre o que acontece e a imagem que se tem do policial (ou do aluno,da escola) e como a gente participa na constru ç ã o dessa imagem. M o s t re-lhes que apresentamos determinado comportamento em função de uma imagem que temos do adolescente,por exe m p l o, q u e, por sua ve z,reage reforçando a imagem que já temos, e assim cria-se um círculo vicioso. 19

22 Como o policial se vê e é visto 40 minutos Explique que, nesse momento, ouvirão o Rap da PM - Amigo Policial,composto por policiais. Peça que abram o caderno na página 26 para que possam acompanhar a música. Lembrete Rap é um tipo de música, de origem norte americana, que junto com o grafite, o break e a discotecagem (DJ) compõe o movimento hip hop. Rap são as iniciais de rythm and poetry que quer dizer ritmo e poesia. Após ouvir a música, pergunte se gostaram,se concordam com a imagem do policial descrita e se querem comentar mais alguma coisa. Peça que voluntários leiam a letra em voz alta e que o grupo comente estrofe por estrofe. Divida-os em 3 subg rupos e peça que, considerando os apelidos e o rap, reflitam a imagem do policial no policiamento escolar.terão como tarefa responder as seguintes perguntas: 1) Como essas imagens refletem no dia a dia do trabalho deles? 2) Qual a imagem que gostariam de ter? 3) O que é preciso fazer para mudar? Devem escrever as perguntas e suas respostas em folhas de cartolina,com letra grande, para que todos possam ver. Solicite que apresentem a síntese da reflexão por meio de um desenho ou colagem. Comentários Após a apresentação dos cartazes,discuta as respostas apresentadas,sem desconsiderar os pontos levantados por eles,como a importância da mídia,da educação da população etc. Enfatize a importância da participação do próprio policial no processo de mudança de sua imagem. Fechamento Fale que a gente se vê e é visto em relação com os outros.essa percepção interfere nas nossas posturas e ações. É muito difícil mudar uma imagem,mas é possível e cada um de nós tem uma parcela importante de responsabilidade nesse processo. 20

23 Leitura de texto 5 minutos Peça que leiam,em casa,os textos referentes aos temas trabalhados no dia de hoje: Violência escolar: mito e realidade (página 13 - mód.3) e O papel do policial e as imagens construídas (página 23 - mód.4). Levantamento de temas para debate Retome o cartaz com os problemas, origens e soluções. Pergunte se querem acrescentar algum item. Podem acrescentar origens e soluções para os problemas já arrolados,mas se levantarem um novo problema,devem oferecer as possibilidades de origem e soluções,também. Fechamento do dia Pergunte ao grupo o que acharam do curso no dia de hoje, se têm sugestões e críticas. Avaliação do dia (Humorômetro) 5 minutos Peça que coloquem um adesivo na carinha que representa a sua avaliação do dia de hoje. (risonha,séria e mal humorada) 21

24

25 Adolescência e as relações de autoridade Quarto encontro (tempo estimado: 3h10) Módulo 5 Síntese do dia anterior Pergunte aos participantes o que lembram das atividades do dia anterior. Complemente, se necessário. Pergunte o que acharam dos textos que deveriam ler em casa. Aquecimento Imagine Peça para as pessoas ficarem em círculo e mostre a elas um pedaço de madeira de mais ou menos 60 cm de comprimento e 10 cm de largura.esse pedaço de madeira será passado de mão em mão e cada pessoa deve dizer em que pode se transformar esse pedaço de pau,sem repetir as opções. Por exemplo:é um remo, é uma colher de pau,uma bengala, uma vara de pescar etc. Anote as respostas no quadro. Realize duas rodadas,forçando as pessoas a explorar ao máximo todas as possibilidades. Se você não encontrar um pedaço de madeira desse tamanho, improvise com outro tamanho/material. Comentários Um pedaço de madeira pode se transformar em muitas coisas,dependendo do nosso olhar. As pessoas também podem ser vistas de muitos ângulos,que às vezes nos escapam,pois nos acostumamos a olhá-las sempre de determinada maneira. Precisamos treinar nosso olhar para buscar novas perspectivas nos rotineiros fatos da vida e, sobretudo, nas pessoas. Relação policial-adolescente 30 minutos Pergunte ao grupo quais as dificuldades que encontram na relação com os adolescentes e como se sentem frente a elas. Aponte os pontos comuns e pergunte como estão lidando com essas situações. Deixe que a conversa aconteça naturalmente sem a preocupação de dar respostas corretas. Encerre a atividade após,no máximo, 30 minutos de discussão. Sintetize os relatos, destacando a maior dificuldade e o sentimento relacionado a ela. 23

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

SUGESTÕES DE ATIVIDADES AOS EDUCADORES

SUGESTÕES DE ATIVIDADES AOS EDUCADORES SUGESTÕES DE ATIVIDADES AOS EDUCADORES RESPONDENDO À GARRAFA OBJETIVOS: - Perceber a diversidade de posturas frente ao tema sexualidade humana. - Verificar que a história de vida (religião, educação, valores,

Leia mais

SESSÃO 1: Descobrindo Seus Sonhos

SESSÃO 1: Descobrindo Seus Sonhos CURRÍCULO DO PROGRAMA SESSÃO 1: Descobrindo Seus Sonhos Iniciando o currículo do Sonhe, Realize, o objetivo desta sessão é começar estabelecer um espaço seguro e acolhedor para as participantes, começar

Leia mais

SENTIR 3. TEMPO 15-20 minutos TIPO DE TEMPO contínuo

SENTIR 3. TEMPO 15-20 minutos TIPO DE TEMPO contínuo COMO USAR O MATERIAL NAS PÁGINAS A SEGUIR, VOCÊ ENCONTRA UM PASSO A PASSO DE CADA ETAPA DO DESIGN FOR CHANGE, PARA FACILITAR SEU TRABALHO COM AS CRIANÇAS. VOCÊ VERÁ QUE OS 4 VERBOS (SENTIR, IMAGINAR, FAZER

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

Zelo. A Regra de Ouro. Por que ser zeloso? Parceiros atingidos. Zelo - SIM. Zelo - NÃO

Zelo. A Regra de Ouro. Por que ser zeloso? Parceiros atingidos. Zelo - SIM. Zelo - NÃO Exercitando o Caráter 6 a 9 anos Zelo O zelo, ou cuidado, é uma qualidade típica das pessoas de bom caráter. A pessoa zelosa tem cuidado para não prejudicar as outras pessoas e demais seres vivos, nem

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

ENCONTRO "PCN EM AÃÃO"

ENCONTRO PCN EM AÃÃO ENCONTRO "PCN EM AÃÃO" RELATO DA PAUTA DO ENCONTRO Cuiabaß - Parte de 5¼ a 8¼ súrie por Caio M. Costa 1 a. dia - Manhã 1 a. parte - todos juntos - Ana Rosa e Rosaura Apresentação dos PCNs Níveis de concretização

Leia mais

O que fazer em meio às turbulências

O que fazer em meio às turbulências O que fazer em meio às turbulências VERSÍCULO BÍBLICO Façam todo o possível para viver em paz com todos. Romanos 12:18 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças assistirão a um programa de auditório chamado Geração

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

Um introdução. Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO. O Processo de Design. O Curso para o Design Centrado no Ser Humano

Um introdução. Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO. O Processo de Design. O Curso para o Design Centrado no Ser Humano Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO O Processo de Design Vamos começar! Nós sabemos por experiência que o único jeito de aprender o design centrado no ser humano é aplicando-o. Por isso,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Associação Comercial e Empresarial de São João da Boa Vista

Associação Comercial e Empresarial de São João da Boa Vista Programa de Treinamento Contínuo Baseado nos Dvds Commit para Associação Comercial e Empresarial de São João da Boa Vista Introdução: Um programa de treinamento bem estruturado, além de qualificar os funcionários,

Leia mais

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social instituto fonte... Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social e a arte de neles intervir. Buscamos potencializar a atuação de iniciativas sociais,

Leia mais

Revisão - Reveja os pontos principais, o Plano de Ação ou os tópicos da discussão do encontro anterior.

Revisão - Reveja os pontos principais, o Plano de Ação ou os tópicos da discussão do encontro anterior. Preparação do Instrutor Trazer para a reunião/encontro de vendas: DVD : Módulo 9 Aparelho de DVD e TV Flip chart e canetas ( pincel atômico) Canetas/lápis apontados Manuais dos participantes (workbooks)

Leia mais

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA 4ª Oficina Data: 31/07/2012

Leia mais

No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado. alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para

No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado. alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para QUAL NEGÓCIO DEVO COMEÇAR? No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para então definir seus objetivos e sonhos.

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Amadurecimento e Relacionamento Interpessoal

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Amadurecimento e Relacionamento Interpessoal Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio Atividade: Reflexão sobre Amadurecimento e Relacionamento Interpessoal Público: Oitavos anos Data: 25/5/2012 181 Dentro deste tema, foi escolhida para

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

Levantamento do Perfil Empreendedor

Levantamento do Perfil Empreendedor Levantamento do Perfil Empreendedor Questionário Padrão Informações - O objetivo deste questionário é auxiliar a definir o seu perfil e direcioná-lo para desenvolver suas características empreendedoras.

Leia mais

OBJEÇÕES INSTRUMENTO DE SUCESSO O LADO POSITIVIO DAS OBJEÇÕES PARA APRIMORAR O PROFISSIONAL DE VENDAS. Vista a camisa do 0800 E SEJA UM VENCEDOR!!!

OBJEÇÕES INSTRUMENTO DE SUCESSO O LADO POSITIVIO DAS OBJEÇÕES PARA APRIMORAR O PROFISSIONAL DE VENDAS. Vista a camisa do 0800 E SEJA UM VENCEDOR!!! OBJEÇÕES INSTRUMENTO DE SUCESSO O LADO POSITIVIO DAS OBJEÇÕES PARA APRIMORAR O PROFISSIONAL DE VENDAS. OBJEÇÕES VILÃS OU OPORTUNIDADES? A VISÃO ORIENTAL SOBRE Um para CRISE PERIGO (JI) A VISÃO ORIENTAL

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 3 Planejando a Ação Voluntária

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 3 Planejando a Ação Voluntária Organizando Voluntariado na Escola Aula 3 Planejando a Ação Voluntária Objetivos 1 Entender a importância de fazer um planejamento. 2 Aprender como planejar o projeto de voluntariado. 3 Conhecer ferramentas

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução III Seminário sobre Educação Matemática A desigualdade triangular em diferentes mídias Paulo César da Penha pcpenha@terra.com.br GRUCOGEO/USF/ Secretaria da Educação de Itatiba-SP Resumo O relato de experiência

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS >>> Rodas de Conversa A SEE, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (unicef) e com a colaboração de ONGs,

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Contrato: AS.DS.PV.024/2010 Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais

:: NOVA ESCOLA ON-LINE ::

:: NOVA ESCOLA ON-LINE :: Page 1 of 7 Planos de aula Educação Infantil Conhecimento de Mundo Natureza e Sociedade Seres Vivos Plano de trabalho O ovo vira pinto Introdução Muito freqüentemente, o trabalho com as ciências naturais,

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS

ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 2011 ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS sadeam2011 Oficina de Apropriação dos Resultados 4 ROTEIRO DE OFICINA Multiplicador Este roteiro deverá ser utilizado por você como subsídio para

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

Responsabilidade. Responsabilidade - NÃO

Responsabilidade. Responsabilidade - NÃO Exercitando o Caráter 6 a 9 anos Responsabilidade Caráter é o jeito que a gente realmente é. É o modo como agimos quando não há ninguém olhando... As pessoas boas fazem coisas boas, não para ganhar aprovação

Leia mais

SESSÃO 3: Criando Metas Atingíveis

SESSÃO 3: Criando Metas Atingíveis CURRÍCULO DE PROGRAMA SESSÃO 3: Criando Metas Atingíveis Esta sessão trata da importante habilidade pessoal e profissional do estabelecimento de metas. As participantes podem ter sentimentos diferentes

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

Algoritmos. Objetivo principal: explicar que a mesma ação pode ser realizada de várias maneiras, e que às vezes umas são melhores que outras.

Algoritmos. Objetivo principal: explicar que a mesma ação pode ser realizada de várias maneiras, e que às vezes umas são melhores que outras. 6 6 NOME DA AULA: 6 Algoritmos Duração da aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10-25 minutos (dependendo da disponibilidade de tangrans prontos ou da necessidade de cortá-los à mão) Objetivo principal:

Leia mais

Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O pão da avó

Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O pão da avó Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O pão da avó Sumário Sobre a série... 3 Material de apoio... 3 Roteiro para uso dos vídeos em grupos... 4 Orientações para o facilitador... 4 Conduzindo

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO Áreas: Matemática, Artes Plásticas Transversal: Meio Ambiente Faixa etária: 4 a 5 anos Turma com 30 crianças Duração: agosto a outubro/2004 Produto final:

Leia mais

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 1 a Começa assim Este jogo começa com todos os participantes procurando as PA LAVRAS SEMENTES. E isso não é nada difícil! Basta as pessoas que vão jogar o jogo saírem conversando

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

Projeto Timóteo. Como Implantar um Programa de. Ação Social na Sua Igreja. Apostila do Orientador

Projeto Timóteo. Como Implantar um Programa de. Ação Social na Sua Igreja. Apostila do Orientador Como Implantar um Programa de Ação Social na Sua Igreja www.projeto-timoteo.org Projeto Timóteo Apostila do Orientador 1 Como Implantar um Programa de Ação Social na Sua Igreja www.projeto-timoteo.org

Leia mais

Como Montar um Plano de Estudos Eficiente Para Concurso Público E-book gratuito do site www.concursosemsegredos.com

Como Montar um Plano de Estudos Eficiente Para Concurso Público E-book gratuito do site www.concursosemsegredos.com 1 Distribuição Gratuita. Este e-book em hipótese alguma deve ser comercializado ou ter seu conteúdo modificado. Nenhuma parte deste e-book pode ser reproduzida ou transmitida sem o consentimento prévio

Leia mais

Caros amigos e alunos, este espaço destaquei para que vocês possam perceber alguns testes em relação ao autoconhecimento, inteligência, autoestima,

Caros amigos e alunos, este espaço destaquei para que vocês possam perceber alguns testes em relação ao autoconhecimento, inteligência, autoestima, Testes em Geral Caros amigos e alunos, este espaço destaquei para que vocês possam perceber alguns testes em relação ao autoconhecimento, inteligência, autoestima, raciocínio lógico, empatia entre outros.

Leia mais

NIVEL PRATICANTE. Consultas de Registros Akáshicos PARTE 3. Tranformações e Prosperidade

NIVEL PRATICANTE. Consultas de Registros Akáshicos PARTE 3. Tranformações e Prosperidade NIVEL PRATICANTE Consultas de Registros Akáshicos PARTE 3 Tranformações e Prosperidade 1 MÓDULO 1 Sua Consulta : Legacia Financeira Esta parte do nível dos profissional é uma sessão de 3 partes que vai

Leia mais

Anexo 1: Jogos da dramatização e exercícios

Anexo 1: Jogos da dramatização e exercícios Anexo 1: Jogos da dramatização e exercícios Charadas Charadas é um jogo relativamente famoso em alguns lugares. Pode ser jogado de forma sentação de um tema por um indivíduo ou por um grupo. jogo. Eles

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

Apresentação dos convidados e do moderador. Como vai a vida. O que está acontecendo de bom e de ruim.

Apresentação dos convidados e do moderador. Como vai a vida. O que está acontecendo de bom e de ruim. PESQUISA SEGUROS ROTEIRO 1. Abertura da reunião Apresentação dos convidados e do moderador 2. Aquecimento Como vai a vida. O que está acontecendo de bom e de ruim. Está dando para viver? 3. Valores (espontâneo)

Leia mais

PESQUISA MAIORIDADE PENAL

PESQUISA MAIORIDADE PENAL PESQUISA MAIORIDADE PENAL OBJETIVOS Entender o pensamento da população do Rio sobre a redução da maioridade penal; Saber se ela é favorável a mudança das penalidades aplicadas ao menor infrator; Buscar

Leia mais

Como escrever para o seu. Site. e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Blog do Advogado Moderno - PROMAD

Como escrever para o seu. Site. e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Blog do Advogado Moderno - PROMAD o seu Site e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Conteúdo Introdução Escrever bem é um misto entre arte e ciência Seus conhecimentos geram mais clientes Dicas práticas Faça

Leia mais

GRUPOS. são como indivíduos, cada um deles, tem sua maneira específica de funcionar.

GRUPOS. são como indivíduos, cada um deles, tem sua maneira específica de funcionar. GRUPOS são como indivíduos, cada um deles, tem sua maneira específica de funcionar. QUANTOS ADOLESCENTES A SUA CLASSE TEM? Pequenos (de 6 a 10 pessoas) Médios ( de 11 pessoa a 25 pessoas) Grandes ( acima

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Aprendendo a ESTUDAR. Ensino Fundamental II

Aprendendo a ESTUDAR. Ensino Fundamental II Aprendendo a ESTUDAR Ensino Fundamental II INTRODUÇÃO Onde quer que haja mulheres e homens, há sempre o que fazer, há sempre o que ensinar, há sempre o que aprender. Paulo Freire DICAS EM AULA Cuide da

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC

Sistema de Ensino CNEC 1 SUMÁRIO VOLUME 1 "O homem é um pedaço do Universo cheio de vida." Ralph Waldo Emerson Capítulo 1 O Tempo não para 5 Capítulo 2 Você percebendo-se como sujeito histórico 20 Capítulo 3 O Universo que nos

Leia mais

PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1. Se você ler cada um dos quadros cuidadosamente, provavelmente cometerá muito poucos erros.

PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1. Se você ler cada um dos quadros cuidadosamente, provavelmente cometerá muito poucos erros. PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1 INSTRUÇÕES Existem diferenças entre um Curso Programado ou Programa em Instrução Programada e um livro - texto comum. A primeira diferença é que o material se apresenta

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Mediação de Conflitos

Mediação de Conflitos Mediação de Conflitos Facilitadora: Pollyanna Pimentel Assistente Social Recife, julho de 2012 O que é conflito? Conflito é um fenômeno próprio das relações humanas. Eles acontecem por causa de posições

Leia mais

Suplemento do professor

Suplemento do professor Suplemento do professor Apresentação A coleção Convívio Social e Ética, destinada a alunos de 2 o a 5 o ano (1 a a 4 a séries) do Ensino Fundamental, trabalha valores, resgatando a ética e a moral na escola.

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO EM MATEMÁTICA Manual do Professor Módulo 2 Números Racionais, Operações e Resolução de Problemas

PROJETO DE RECUPERAÇÃO EM MATEMÁTICA Manual do Professor Módulo 2 Números Racionais, Operações e Resolução de Problemas PROJETO DE RECUPERAÇÃO EM MATEMÁTICA Manual do Professor Módulo 2 Números Racionais, Operações e Resolução de Problemas Prezado(a) Professor(a) Este manual de orientações tem a finalidade de sugerir um

Leia mais

ANEXO 18 - PLANEJAMENTO DETALHADO DE ATIVIDADES CURSO GESTÃO ADMINISTRATIVA E CAPTAÇÃO DE RECURSOS

ANEXO 18 - PLANEJAMENTO DETALHADO DE ATIVIDADES CURSO GESTÃO ADMINISTRATIVA E CAPTAÇÃO DE RECURSOS ANEXO 18 - PLANEJAMENTO DETALHADO DE ATIVIDADES CURSO GESTÃO ADMINISTRATIVA E CAPTAÇÃO DE RECURSOS Data: março 2012 - total 12 horas com 03 módulos de 4 horas Local: Municípios de Paranaíta, Alta Floresta

Leia mais

Teste sua empregabilidade

Teste sua empregabilidade Teste sua empregabilidade 1) Você tem noção absoluta do seu diferencial de competência para facilitar sua contratação por uma empresa? a) Não, definitivamente me vejo como um título de cargo (contador,

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

Atividade 4 - Acerte no alvo

Atividade 4 - Acerte no alvo Atividade 4 - Acerte no alvo 1. Justificativa Para entender um processo estatístico, é possível criar um experimento em que os alunos possam vivenciá-lo, organizando, selecionando, interpretando e criticando

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

ESCOLA MONDRIAN FUNDAMENTAL SÃO GABRIEL - RS

ESCOLA MONDRIAN FUNDAMENTAL SÃO GABRIEL - RS ESCOLA MONDRIAN FUNDAMENTAL SÃO GABRIEL - RS PROJETO CINEMA MUDO CONSTRUINDO HISTÓRIAS NO DIA DOS PAIS PROFESSORA LIA HEBERLÊ DE ALMEIDA TURMA KANDINSKY PROJETO CINEMA MUDO CONSTRUINDO HISTÓRIAS NO DIA

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães

Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães A proposta a seguir refere-se a um Projeto Didático (PD) elaborado para trabalhar com as crianças do 1º e 2º períodos da Educação Infantil (4 e 5 anos

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Homens. Inteligentes. Manifesto

Homens. Inteligentes. Manifesto Homens. Inteligentes. Manifesto Ser homem antigamente era algo muito simples. Você aprendia duas coisas desde cedo: lutar para se defender e caçar para se alimentar. Quem fazia isso muito bem, se dava

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

O QUE É ECONOMIA VERDE? Sessão de Design Thinking sobre Economia Verde

O QUE É ECONOMIA VERDE? Sessão de Design Thinking sobre Economia Verde O QUE É ECONOMIA VERDE? Sessão de Design Thinking sobre Economia Verde Florianópolis SC Junho/2012 2 SUMÁRIO Resumo do Caso...3 Natureza do Caso e Ambiente Externo...3 Problemas e Oportunidades...4 Diagnóstico:

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

Plano de Aula CIÊNCIAS. O nosso ambiente: conservando o ambiente escolar

Plano de Aula CIÊNCIAS. O nosso ambiente: conservando o ambiente escolar Plano de Aula CIÊNCIAS O nosso ambiente: conservando o ambiente escolar O nosso ambiente: conservando o ambiente escolar. 9 p.; il. (Série Plano de Aula; Ciências Naturais) ISBN: 1. Ensino Fundamental

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

PROJETO DE INTERVEÇÃO: UM OLHAR DIFERENTE PARA O LIXO

PROJETO DE INTERVEÇÃO: UM OLHAR DIFERENTE PARA O LIXO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO-UFERSA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO :EDUCAÇÃO AMBIENTAL ALUNA:FRANCISCA IÊDA SILVEIRA DE SOUZA TUTORA: ANYELLE PAIVA ROCHA ELIAS PROFESSORA: DIANA GONSALVES

Leia mais

TÉCNICAS INDIVIDUALIZADAS E SÓCIO INTERATIVAS NO ENSINO SUPERIOR

TÉCNICAS INDIVIDUALIZADAS E SÓCIO INTERATIVAS NO ENSINO SUPERIOR TÉCNICAS INDIVIDUALIZADAS E SÓCIO INTERATIVAS NO ENSINO SUPERIOR Na Educação Superior, para que o processo de ensino se torne mais adequado aos conteúdos e objetivos propostos, visando obter bons resultados,

Leia mais

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo RELATÓRIO DE ARTES 1º Semestre/2015 Turma: 7º ano Professora: Mirna Rolim Coordenação pedagógica: Maria Aparecida de Lima Leme 7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo Sinto que o 7º ano

Leia mais

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Introdução Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) o conteúdo Tratamento da Informação, deve ser trabalhado de modo que estimule os alunos a fazer perguntas,

Leia mais