Controle de I H em Centro Cirúrgico: Controle de I H em Centro Cirúrgico: o que todos precisam saber o que todos precisam saber.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Controle de I H em Centro Cirúrgico: Controle de I H em Centro Cirúrgico: o que todos precisam saber o que todos precisam saber."

Transcrição

1 Controle de I H em Centro Cirúrgico: Controle de I H em Centro Cirúrgico: o que todos precisam saber o que todos precisam saber. Supervisora do CC, CME e AGT do Hospital Paulistano Supervisora Mestre em do Enfermagem CC, CME em e Saúde AGT do Adulto Hospital pela EEUSP Paulistano Especialista em CC, RPA e CME pela SOBECC Mestre em Enfermagem em Saúde do Adulto pela EEUSP Especialização em Administração de Serviços de Saúde, pela FGV Especialista em CC, RPA e CME pela SOBECC Graduada pela UNIFESP Especialização em Administração de Serviços de Saúde, pela FGV

2 IH é um fantasma que nos ronda. Quando um paciente apresenta ISC, todos os sistemas de alerta entram em ação. E o grande desafio é descobrir a(s) causa(s), por que os fatores intervenientes são muitos.

3 CME

4 CME Cover Bag Cover bag deve possuir 2 a 3 milésimos de polegada (APECIH, 2010). 1 polegada corresponde a 25,4 mm 0,02 mil de pol = 0,51mm 0,03 mil de pol = 0,76 mm Filme plástico em média tem 250µm = 0,25 mm, para atingir a espessura recomendada é necessário dar 3 a 4 voltas do filme sobre o material.

5 Filme plástico

6 Guarda de Material Estéril - CME Ambiente sem janelas. Com controle de temperatura (18º a 22ºC e umidade 35% a 70%) Armários com distância de 20 cm do piso, 5 cm da parede e 45 cm do teto. Circulação de pessoas reduzida ao necessário. Armário de material não tenha porosidade, aço inoxidável, plástico, etc... Não utilizar madeira

7 Recomendações Banho Banho preoperatório recomenda-se que seja realizada até 2 horas antes da cirurgia. Uso da clorexidina diminuiu contagem de colônias bacterianas em 9 vezes. Para aproveitar o máximo da ação da clorexidina, deve-se permitir que seque completamente e que não seja removida (há controversia). SHEA vol 29, n10, out AECIPH CDC Guideline for Prevention of SSI, April 1999.

8 Tricotomia Adequada remoção dos pelos, com uso de tricotomizador ou creme depilatório, se necessário. Não recomendado Recomendações SHEA vol 29, n10, out AECIPH CDC Guideline for Prevention of SSI, April 1999.

9 Recomendações Utilize barreira máxima antes da inserção de cateter venoso central. Clorexidina alcoólica para preparo da pele. Desinfetar as conexões dos cateteres antes de usar. Troca de curativos. filme transparente entre 5 a 7 dias, Gaze a cada 2 dias Cateter vascular Para ambos se estiver sujo, solto ou úmido trocar antes do prazo estipulado SHEA vol 29, n10, out APECIH

10 Recomendações Cateterismo vesical Utilizar técnica asséptica e material estéril. Cateter de menor calibre possível para minimizar trauma ureteral Indicada a remoção do cateter vesical no 1º ou 2º PO. SHEA vol 29, n10, out APECIH

11 Recomendações Antibiótico profilaxia Dentro de 1 hora antes da incisão, via EV. Em membro garroteado, o antibiótico precisa ser administrado antes do garroteamento. 2 horas antes da incisão para vancomicina e fluoroquinolonas. Descontinuação do uso de antimicrobiano profilático dentro de 24h e para cirurgia cardíaca 48h. SHEA vol 29, n10, out APECIH

12 Recomendações Nível glicose Nas cirurgias cardíacas no período pós operatório imediato, o resultado obtido as 06:00h da manhã é considerado a marca ZERO Nos resultados do 1º e 2º PO o ideal é que se mantenha abaixo de 200mg/dl. SHEA vol 29, n10, out APECIH

13 Recomendações Manutenção da normotermia temperatura 36ºC Hipotermia causa: Alteração no metabolismo de fármacos. Alteração no metabolismo de proteínas, que pode comprometer a cicatrização. Causa vasoconstrição periférica. Anormalidades da coagulação e da função plaquetária, aumentando, a perda de sangue no intraoperatório. Aumento da infecção do sítio cirúrgico, Aumento da estadia na sala de RPA. SHEA vol 29, n10, out APECIH Rev. Latino-Am. Enfermagem vol.17 no.2 Ribeirão Preto Mar./Apr. 2009

14 Recomendações Não utilizar adornos e acessórios Existe uma grande resistência por parte dos usuários do CC. Esse é um trabalho de Práticas recomendadas SOBECC, 5ª ed. 2009

15 Escovação cirúrgica Retirar objetos das mãos. Unhas curtas e limpas Não usar unhas postiças.. Recomendações Proceder a escovação das mãos, antebraço e cotovelos preferencialmente com clorexedina. Tempo 5 minutos na 1ª escovação e entre as próximas cirurgias de 2 minutos. Depois da escovação manter mãos longe do corpo com os cotovelos flexionados para a água escorrer no sentido das mãos para os cotovelos. Correto roupa sentido Área nobre Errado roupa sentido SHEA vol 29, n10, out APECIH Práticas recomendadas SOBECC, 5ª ed. 2009

16 Recomendações Antissepsia do local da incisão Utilizar preferencialmente clorexedina degermante e depois a alcoólica. Iniciar do local da incisão para periferia. Não deixar acumular antisséptico na região umbilical, infra mamária ou dobra da pele. A equipe cirúrgica precisará enxugar o excesso de antisséptico das regiões indicadas. Campo para captar o excesso de Antisséptico será Retirado ao Término da antissepsia.

17 Cuidados no Centro Cirúrgico Limpeza da sala Terminal toda noite Concorrente diariamente entre as cirurgias Não realizar limpeza especial após cirurgia contaminada ou infectada - divergência???? Seguir as recomendações da SCIH SHEA vol 29, n10, out APECIH Práticas recomendadas SOBECC, 5ª ed. 2009

18 Cuidados no Centro Cirúrgico Não esquecer nada na cavidade cirúrgica - segurança Raytech / radiopaca

19 Cuidados no Centro Cirúrgico Tamanho da sala X tipo de procedimento O tamanho da sala de cirurgia precisa ser pensado desde o momento da construção ou reforma do CC. A sala precisa comportar todos os equipamentos e número de pessoas que são necessários para o procedimento para manter as portas fechadas.

20 Cuidados no Centro Cirúrgico Manter as portas das salas de cirurgia fechadas e precisam ter visor O melhor são portas de correr em aço inoxidável, sobre trilho superior, Facilita a limpeza, Diminui o turbilhonamento do ar, Se possível com sistema automático de abertura e fechamento do da porta. Portas de abrir com movimento de 90º causam maior turbilhonamento de ar dentro da sala de cirurgia. Porta sem visor aumento o risco de acidente dentro da SO.

21 MOVIMENTAÇÃO DO AR Bengt Ljungqvist, Prof. Univ. Técnica de Chalmers - Suécia, palestra no 12º Congresso Mundial de esterilização out/2012 Portugal Sala de cirurgia Nuvem gasosa mostra a movimentação do ar com a presença da equipe cirúrgica

22 Fonte de difusão Movimento do ar

23 Obstáculo mudando a trajetória do ar

24

25 Representação esquemática do fluxo da camada convectiva natural gerada através de um corpo em ou deitado. Quando deitado o fluxo é geralmente mais lento e mais fino do que quando se está de pé.

26

27

28 Teoria de abertura das portas A teoria do perfil de velocidade através de uma abertura da porta com uma diferença de temperatura Formula

29 Áreas de turbilhonamento do Ar

30 Em uma sala de cirurgia a concentração de partículas carreadoras de bactérias em função do tempo de abertura da porta com fluxo de ar de 3.0 m 3 /s. - A concentração do corredor ao lado é de 180 CFU/ m 3 Stor gde Liten - peq CFU = unidade formadora de colônia

31 Cuidados no Centro Cirúrgico Ar condicionado - temperatura umidade relativa Ambiente Nível de risco Situação a controlar Temp. ºC Umidade relativa % Vazão min. de ar total (m 3 /h/m 2 ) Nível de pressão Filtragem mínima Sala de cirurgia geral e parto Sala de cirurgia especializada 2 AgB, AgQ 3 AgB, AgQ (+) G3 + F (+) G3 + F7 +A3 RPA 1 AgB G4 Nível 2 - Área onde existem fortes evidências de risco de ocorrência de agravos à saúde relacionados à qualidade do ar, de seus ocupantes ou de pacientes que utilizarão produtos manipulados nestas áreas, Nível 3 texto é o mesmo do nível 2 com a seguinte alteração... ocorrência de agravos sérios à saúde... (ortopedia, neurocirurgia, cardiologia, transplantes) Classificação de eficiência dos filtros ( G= grosso / F = fino / A = absoluto) G3 80 Eg < 80 / G4 90 Eg / F7 80 Ef < 80 / F8 90 Ef < 95 / A3 (HEPA) 99,97 E dop Eg = eficiência gravimétrica p/ pó sintético padrão Ashrae 52.1 arrestance Ef = eficiência p/ partículas de 0,4 µm E dop = eficiência p/ partículas de 0,3 µm de acordo com a norma U.S. Military Standard 282 (teste DOP) Agente Biológico = AgB / Agente Químico = AgQ NBR

32 Evolução do sistema de roupa - Berit Reinmüller, Prof. Univ. Técnica de Chalmers - Suécia, palestra no 12º congresso mundial de esterilização out/12 Portugal

33 Mistura de algodão com poliéster. 100% poliéster

34

35 Roupa comum: 50% algodão e 50% poliéster

36 Microfibra: 99% poliéster e 1 % carbono

37 A Intensidade da Fonte

38 Indicações com base em dados de continuidade das operações; suprimentos de ar 0,54 m3/s Sistema de roupas Material misto (69% algodão, 30% poliéster e 1% fibra carbono) Comum (50% algodão, 50% poliéster) Microfibra (99%poliester e 1% fibra de carbono) Qualidade de sala limpa Concentração média de valor durante a cirurgia (CFU/m3) Intensidade total da fonte (CFU/s) Número médio de pessoas Intensidade da fonte da sala de cirurgia por pessoa (CFU/s) CFU = unidade formadora de colônia

39 2000m 3 /h ~ 0,56 m 3 /s poderia reduzir a intensidade total da fonte de 5.6 CFH/s a uma concentração de 10 CFU/m m 3 /h ~ 1.4 m 3 /s poderia reduzir a intensidade total da fonte de 14 CFH/s a uma concentração de 10 CFU/m m 3 /h ~ 2.8 m 3 /s poderia reduzir a intensidade total da fonte de 28 CFH/s a uma concentração de 10 CFU/m 3

40 A concentração de contaminação pelo ar na sala de operação depende: Suprimento do ar e qualidade do filtro Fluxo do ar Nº de pessoas e seu grau de atividade Sistema de roupa Medição técnica

41 Questão do conforto Rotina e disciplina de trabalho Questão da segurança do paciente Tempo para atualização

42 Cuidados no Centro Cirúrgico Cuidados com a retirada dos materiais utilizados na cirurgia. Conferir o instrumental Coloca-lo dentro da caixa ou cesto, Borrifar com produto enzimático Colocar o bisturi e agulhas em caixa imantada. Coloca-la sobre a mesa auxiliar cobrindo-a Ou em containers fechados Ou em carros fechados. Não transportar material utilizado sem proteção no ambiente hospitalar

43 Recuperação Pós Anestésica (RPA) Manter o paciente aquecido Observar saturação de O 2 em ar ambiente Observar as condições dos curativos, se for necessário fazer a troca, usar técnica asséptica Manter os acessos vasculares prévios, com curativo limpo Verificar condições de SVD Verificar condições dos drenos Esses cuidados são necessários para darmos um atendimento seguro ao paciente e corroborar com o controle ISC

44 Unidade de Destino Manter : o paciente aquecido, acessos pérvios e fixação limpa, curativos limpos e secos, Cuidado com o paciente que precisa de banho no leito, para não deixar o curativo molhado principalmente nas primeiras 48h após a cirurgia. O curativo na região dorsal precisa de mais atenção para evitar que seja molhado.

45 Em qualquer ambiente hospitalar não esquecer a principal arma para o controle de infecção. Lavagem das mãos

46 Parceria Importante CC SCIH Controle da ISC/ IH CME Unidade de destino

47 12º Congresso Mundial de Esterilização Estoril - Portugal outubro Bengt Ljungqvist (ele) - Berit Reinmüller (ela) Prof. Univ. Técnica de Chalmers - Suécia Comparação da evolução no sistema de roupas para CC Dispersão de particulados no ar ambiente do CC. Importância da qualidade do ar ambiental e seu impacto no controle de infecção.

48 Filtro HEPA acima da abertura da porta

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) Enf.ª Cláudia Cristina Castro de Andrade SEC/SCIH devidos créditos! Plágio é Crime! UM POUCO DE HISTÓRIA... Até a metade do século XIX ISC= óbito Joseph Lister,

Leia mais

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Rosa M. P. Fonseca Supervisora do CC / CME do Hospital Paulistano Diretora do conselho Fiscal da SOBECC gestão 2013-2015 200

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA RGICA RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA INSTRUMENTADOR CIRÚRGICO A INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA: é uma atividade de enfermagem, não sendo entretanto, ato privativo da mesma e que o profissional

Leia mais

Instrução de Trabalho. Circulação de sala

Instrução de Trabalho. Circulação de sala 1 de 5 526 5 RESULTADO ESPERADO: Promover ato cirúrgico em tempo hábil, com segurança para o paciente e para toda a equipe cirurgica. 526 PROCESSOS RELACIONADOS: Atendimento Cirúrgico (Assistência Cirúrgica)

Leia mais

ANTIBIOTICOTERAPIA ADEQUADA / CHECK LIST

ANTIBIOTICOTERAPIA ADEQUADA / CHECK LIST ANTIBIOTICOTERAPIA ADEQUADA / CHECK LIST Coleta de culturas antes ATB adequado em h se sepse Intervalo e dose corretos (peso) Reavaliar em - com culturas Suspender em -0d se boa evolução tratar bacteriúria/

Leia mais

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde.

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde. São quatro as formas de higienização das mãos nos serviços de saúde: 1.Higienização simples das

Leia mais

Pacote de medidas (bundle) Expediente

Pacote de medidas (bundle) Expediente Expediente Coordenação e Edição Carolina Guadanhin Coordenação Técnica Ivan Pozzi Cláudia Carrilho Produção e Edição Dayane Santana Revisão Gramatical Jackson Liasch Projeto Gráfico OZLondrina Impressão

Leia mais

PREVENÇÃO DA INFECÇÃO CIRÚRGICA

PREVENÇÃO DA INFECÇÃO CIRÚRGICA HOSPITAL DE SANTA MARIA COMISSÃO DE CONTROLO DA INFECÇÃO HOSPITALAR Piso 6, Tel. 5401/1627 Norma n.º 4 (Actualização em Março de 2006) PREVENÇÃO DA INFECÇÃO CIRÚRGICA De acordo com o Inquérito de Prevalência

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ)

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ) LIMPEZA Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem (UERJ) A limpeza é um dos elementos eficaz nas medidas de controle para romper a cadeia epidemiológica das infecções. Ela constitui um fator

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

PLANEJAMENTO DO AMBIENTE FÍSICO BLOCO OPERATÓRIO RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA

PLANEJAMENTO DO AMBIENTE FÍSICO BLOCO OPERATÓRIO RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA PLANEJAMENTO DO AMBIENTE FÍSICO BLOCO OPERATÓRIO RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA 1 PLANEJAMENTO DO AMBIENTE FÍSICO Bloco Operatório e Recuperação Anestésica Normatização Definição Atividades básicas Planejamento

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM CENTRO CIRÚRGICO, VISANDO O CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM CENTRO CIRÚRGICO, VISANDO O CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR GERENCIAMENTO DE RISCOS EM CENTRO CIRÚRGICO, VISANDO O CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Enfa. Jeane A.G.Bronzatti Abril, 2010 Hospital Alemão Oswaldo Cruz: Privado Filantrópico Sem Fins Lucrativos Hospital

Leia mais

Precaução padrão e Isolamento

Precaução padrão e Isolamento Precaução padrão e Isolamento Precauções de Isolamento no Perioperatório Enf Dra.Valeska Stempliuk IEP/HSL Pontos importantes Modos de transmissão de patógenos Por que isolar? Quem deve saber que o paciente

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR *Definição: Higienização das Mãos Lavagem das mãos é a fricção manual vigorosa de toda superfície das mãos e punhos,

Leia mais

Limpeza e Desinfecção

Limpeza e Desinfecção Limpeza e Desinfecção Instrutora: Enf. Dr. Thaís S Guerra Stacciarini Conteúdo Limpeza e desinfecção LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE UNIDADE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DO POSTO DE ENFERMAGEM CONCORRENTE TERMINAL LIMPEZA

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

Estabelecer padrões para a realização de curativo nos diversos tipos de lesão ou ferida.

Estabelecer padrões para a realização de curativo nos diversos tipos de lesão ou ferida. 1/5 1. OBJETIVO Estabelecer padrões para a realização de curativo nos diversos tipos de lesão ou ferida. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO Curativo - Curativo ou penso é um material aplicado diretamente sobre feridas

Leia mais

Reunião dos Serviços de Controle de Infecção Hospitalar dos Hospitais Municipais de São Paulo Ano 2013

Reunião dos Serviços de Controle de Infecção Hospitalar dos Hospitais Municipais de São Paulo Ano 2013 Reunião dos Serviços de Controle de Infecção Hospitalar dos Hospitais Municipais de São Paulo Ano 2013 Equipe Técnica: -Ingrid Weber Neubauer -Maria Angela Kfouri S.G.Tenis -Maria do Carmo Souza -Milton

Leia mais

Centro e Equipamentos Cirúrgicos; Equipe Cirúrgica e Paciente

Centro e Equipamentos Cirúrgicos; Equipe Cirúrgica e Paciente UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA MEVA33 Técnica Cirúrgica Veterinária Centro e Equipamentos Cirúrgicos; Equipe Cirúrgica e Paciente Centro Cirúrgico Objetivo Instalações Piso

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha Versão: 01 Próxima revisão: Elaborado por: Vanessa

Leia mais

Estratégias para o controle de infecções na Terapia Intravenosa e lavagem do cateter flushing

Estratégias para o controle de infecções na Terapia Intravenosa e lavagem do cateter flushing Disciplina: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade S NT2: O Sistema de Infusão: acessórios e equipamentos eletrônicos em Terapia Intravenosa Estratégias para o controle

Leia mais

Prof. Marcelo Luiz Pereira

Prof. Marcelo Luiz Pereira CUIDADOS COM O AR CONDICIONADO PARA O CONTROLE DE PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO : ÁREA DE PREPARO, ÁREA ESTÉRIL E ARMAZENAMENTO Prof. Marcelo Luiz Pereira Mestre 1 e Doutorando

Leia mais

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR PROGRAMA PREVENÇÃO E CONTROLE DE Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR ORGANIZAÇÃO DA CCIH Estrutura Atividades FUNCIONAMENTO Coleta de Dados Análise dos Dados Divulgação dos Dados Recursos

Leia mais

Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos

Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos Outubro/2014 BLOCO I Fundação Cristiano Varella Hospital do

Leia mais

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção 45 45 1 A legislação Brasileira (mais recentes) RDC 156 de 2006 RE-2605 de 2006 RE-2606 de 2006

Leia mais

Protocolo de Higienização de Mãos ISGH Página 1

Protocolo de Higienização de Mãos ISGH Página 1 Protocolo de Higienização de Mãos ISGH Página 1 ELABORAÇÃO Bráulio Matias de Carvalho - Médico Infectologista- ISGH Selma Furtado Magalhães - Gerente de Risco - ISGH COLABORADORES Jamile de Sousa Pacheco

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Proporcionar o ambiente ideal para a reparação tecidual. 2. APLICAÇÃO: Aos pacientes com feridas abertas (com exposição de tecidos, ex. úlceras por pressão, deiscências

Leia mais

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME II SIMPÓSIO NORTE/NORDESTE DE ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO, RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA E CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO NADJA FERREIRA Enfermeira

Leia mais

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007)

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Hospital Municipal Miguel Couto 1 Objetivos: Oferecer informações técnicas e científicas atualizadas para as equipes médicas

Leia mais

RESUMÃO AV1 - ENSINO CLÍNICO V TEÓRICO (CC) Resumão elaborado por: Edwallace Amorim

RESUMÃO AV1 - ENSINO CLÍNICO V TEÓRICO (CC) Resumão elaborado por: Edwallace Amorim ACERVO DE EDWALLACE AMORIM ACERVO DE EDWALLACE AMORIM RESUMÃO AV1 - ENSINO CLÍNICO V TEÓRICO (CC) Resumão elaborado por: Edwallace Amorim 1. A ANVISA - RDC 50/2002 (05 unidades/ambientes obrigatórios compõem

Leia mais

MANUAL DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE SÍTIO CIRÚRGICO

MANUAL DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE SÍTIO CIRÚRGICO MANUAL DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE SÍTIO CIRÚRGICO POR QUE PREVENIR? As infecções de sítio cirúrgico (ISC) representam: 15% do total das infecções adquiridas durante a assistência à saúde; a terceira complicação

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 004

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 004 Página 1/14 1) INTRODUÇÃO: Estas recomendações são direcionadas a prevenção e controle das infecções do sítio cirúrgico. As medidas de prevenção de infecção do sítio cirúrgico (ISC) se dividem em ações

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

O que muda na CME com a RDC nº 15 de 15/03/2012

O que muda na CME com a RDC nº 15 de 15/03/2012 O que muda na CME com a RDC nº 15 de 15/03/2012 Supervisora do CC, CME e AGT do Hospital Paulistano Mestre em Enfermagem em Saúde do Adulto pela EEUSP Especialista em CC, RPA e CME pela SOBECC Especialização

Leia mais

F ltrag a e g m e m e e M an a u n t u en e ç n ã ç o ã o d e d e F i F ltros o s d e d e a r Agenda dos trabalhos

F ltrag a e g m e m e e M an a u n t u en e ç n ã ç o ã o d e d e F i F ltros o s d e d e a r Agenda dos trabalhos Curso - Higienização em sistemas de ar condicionado e ambientes Filtragem e Manutenção de Filtros de ar Palestrante: Eng. Flávio Augusto Valle do Nascimento Agenda dos trabalhos Contaminantes do ar Mecanismos

Leia mais

Enfª Karin Bienemann

Enfª Karin Bienemann Enfª Karin Bienemann CONCEITOS BÁSICOS: CME É uma unidade voltada à prestação de serviços, onde é realizado o trabalho de limpeza, montagem, embalagem, esterilização e armazenamento de materiais. LIMPEZA

Leia mais

BUNDLE PARA PREVENÇÃO DE INFECÃO PRIMARIA DE CORRENTE SANGUÍNEA

BUNDLE PARA PREVENÇÃO DE INFECÃO PRIMARIA DE CORRENTE SANGUÍNEA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SCIH SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR BUNDLE PARA PREVENÇÃO DE INFECÃO PRIMARIA DE CORRENTE SANGUÍNEA Introdução As infecções

Leia mais

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Freqüência em que é realizado: Diário/semanal/quinzenal/mensal Profissional que realiza: Auxiliar ou Técnico de Enfermagem e servidor da empresa terceirizada de

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS 1 páginas É um termo geral que se aplica às atividades de lavar as mãos ou friccioná-las com álcool gel. Essa higiene é considerada a medida mais eficaz para evitar a disseminação de infecções. PARA QUE

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares Página: 1/9 INTRODUÇÃO: A limpeza e a desinfecção de superfícies são elementos que propiciam segurança e conforto aos pacientes, profissionais e familiares nos serviços de saúde. Colabora também para o

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO.

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. Márcia Cristina O Pereira Enfermeira encarregada da central de material esterilizado HMSL. Especialista em CC, CME, RA USP Mestrado em saúde do adulto - USP FINALIDADE DA

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE TERAPIA NUTRICIONAL - EMTN ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS Enfª Danielli Soares Barbosa Membro do Grupo

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula Revisão: 01 PÁG: 1 CONCEITO Consiste no procedimento de remoção dos fios cirúrgicos com técnica asséptica, o qual pode ser retirada pode ser total ou alternada. FINALIDADE Oferecer a limpeza da incisão

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA HOSPITALAR

ORIENTAÇÃO PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA HOSPITALAR ORIENTAÇÃO PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA HOSPITALAR I- Introdução: A higiene e a ordem são elementos que concorrem decisivamente para a sensação de bem-estar, segurança e conforto dos profissionais, pacientes

Leia mais

CUIDADOS COM A PELE DO

CUIDADOS COM A PELE DO CUIDADOS COM A PELE DO ENFERMAGEM RECÉM-NASCIDO Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro A pele do recém-nascido (RN) apresenta algumas peculiaridades que a

Leia mais

Coberturas Especificas

Coberturas Especificas 1 de 10 995 77 RESULTADO ESPERADO: - Promover a cicatrização da ferida, e o reestabelecimento da pele ao seu estado integro. 995 PROCESSOS RELACIONADOS: Enfermagem Atendimento Cirúrgico Internação Tratamento

Leia mais

Técnica de higienização simples das mãos/higienização antisséptica das mãos

Técnica de higienização simples das mãos/higienização antisséptica das mãos HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS Objetivos: As mãos constituem a principal via de transmissão de microrganismos durante a assistência prestada aos pacientes, pois a pele é um reservatório natural de diversos microrganismos

Leia mais

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Instalação Ergonomia Controle de infecção Instalação O

Leia mais

CENTRO CIRÚRGICO Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

CENTRO CIRÚRGICO Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário CENTRO CIRÚRGICO Sumário ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO NORMAS E ROTINAS Regulamento Interno do Centro Cirúrgico PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DE ENFERMAGEM - POPs POP 01 - Admissão do paciente POP 02 - Alta

Leia mais

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - COVISA GERÊNCIA DO CENTRO DE CONTROLE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS - CCD NÚCLEO MUNICIPAL DE CONTROLE DE INFECÇÃO

Leia mais

ROTINA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO DE SÍTIO CIRÚRGICO

ROTINA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO DE SÍTIO CIRÚRGICO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO DE SÍTIO CIRÚRGICO Revisão: Abril 2011.. Revisão:Aparecida C. Monte Acadêmica de

Leia mais

Auxiliar de Saúde. Nome: Inscrição: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

Auxiliar de Saúde. Nome: Inscrição: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos uxiliar de Saúde Nome: Inscrição: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos 01 onceitua-se quipamentos de Proteção Individual (PI) como produtos usados na descontaminação do paciente. equipamentos de uso

Leia mais

PROTOCOLO DE POP- NUTRIÇÃO PARENTERAL FARMÁCIA HOSPITALAR Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional

PROTOCOLO DE POP- NUTRIÇÃO PARENTERAL FARMÁCIA HOSPITALAR Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional Página: 1/17 Emissor: Fabiano de Oliveira Bueno Emitido em: 13/11/2012 Aprovação: Equipe Multidiscliplinar de Terapia Nutricional Aprovado em: 11/12/2012 PROTOCOLO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP)

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida ESTERILIZAÇÃO Eliminação de todas as formas de vida SISTEMA BEDA BARREIRAS - avental, máscara, gorro, luvas, óculos de proteção. ESTERILIZAÇÃO DESINFECÇÃO ANTI-SEPSIA ESTERILIZAÇÃO Materiais ( instrumental

Leia mais

Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos. Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus

Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos. Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus O Controle de Infecção e a Limpeza Ambiental Histórico Guerra da Criméia

Leia mais

ESTERILIZAÇAO PELO CALOR

ESTERILIZAÇAO PELO CALOR Faculdade de Farmácia da UFMG ESTERILIZAÇÃO NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA ESTERILIZAÇAO PELO CALOR CALOR SECO Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano ABRIL 2010 Mecanismo de destruição de microrganismos pelo

Leia mais

Aula 05 Manejo de Ordenha. Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida

Aula 05 Manejo de Ordenha. Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida Aula 05 Manejo de Ordenha Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida Introdução Em geral, a ordenha determina a quantidade e a qualidade do leite. Retorno do investimento

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

Ambiente Cirúrgico. Ana Grabner. Universidade Paulista UNIP Medicina Veterinária Técnica Cirúrgica São José dos Campos, fevereiro de 2015

Ambiente Cirúrgico. Ana Grabner. Universidade Paulista UNIP Medicina Veterinária Técnica Cirúrgica São José dos Campos, fevereiro de 2015 Universidade Paulista UNIP Medicina Veterinária Técnica Cirúrgica São José dos Campos, fevereiro de 2015 Ambiente Cirúrgico Apresentação de slides baseada nos trabalhos de Maria Augusta Berlingieri e Luciana

Leia mais

Princípios e métodos de esterilização

Princípios e métodos de esterilização Princípios e métodos de esterilização FUNDAMENTOS DE ESTERILIZAÇÃO Bactérias (forma vegetativa ou esporulada) São os menores organismos vivos; Existem em maior número; São as maiores responsáveis pelos

Leia mais

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA. Cícero Andrade DO PACIENTE

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA. Cícero Andrade DO PACIENTE PROTOCOLOS DE SEGURANÇA Cícero Andrade DO PACIENTE Finalidade Instituir e promover a higiene das mãos nos serviços de saúde do país com o intuito de prevenir e controlar as infecções relacionadas à assistência

Leia mais

MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES. Manual de prevenção para manicures e pedicures

MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES. Manual de prevenção para manicures e pedicures MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES Manual de prevenção para manicures e pedicures Faça a sua parte e deixe as hepatites virais fora do seu salão de beleza As hepatites são doenças graves e, muitas vezes, silenciosas.

Leia mais

Oxigenação tecidular Normotermia Antibioterapia profilática. Técnica cirúrgica Duração da cirurgia Hemorragia/Transfusão

Oxigenação tecidular Normotermia Antibioterapia profilática. Técnica cirúrgica Duração da cirurgia Hemorragia/Transfusão INFECÇÃO DO LOCAL CIRÚRGICO: DESTINO, AGOIRO?? José Polónia (CHP-HSA) HSA) Ignaz Semmelweis 1840 s Joseph Lister 1860 s William Halsted 1880 s John Burke 1960 s Oxigenação tecidular Normotermia Antibioterapia

Leia mais

Classificação das áreas limpas. Preparo de estéreis (Resolução - RDC nº 17, de 16 de abril de 2010)

Classificação das áreas limpas. Preparo de estéreis (Resolução - RDC nº 17, de 16 de abril de 2010) Preparo de estéreis (Resolução - RDC nº 17, de 16 de abril de 2010) Considerações gerais A produção de preparações estéreis deve ser realizada em áreas limpas, cuja entrada de pessoal e de materiais deve

Leia mais

TÉCNICA PARA REALIZAÇÃO DE CURATIVOS

TÉCNICA PARA REALIZAÇÃO DE CURATIVOS Revisão: 23/03/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na realização de procedimentos com o paciente portador de feridas, instituindo tratamento adequado, proporcionando ambiente ideal para a cicatrização. FINALIDADE

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA

GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA 2 Getinge FD1800 Getinge FD1800 3 COMPROVADAS NA LUTA CONTRA A INFECÇÃO CRUZADA O excelente desempenho de lavagem e desinfecção da Getinge FD1800 garantiu-lhe o respeito

Leia mais

CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO

CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Sala de Preparo e Esterilização Equipe: Carla, Marcela e Maria Cristina 6º Período de Enfermagem UNIS Sala de preparo A

Leia mais

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM HOSPITALAR Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Chefia do Serviço de Enfermagem Supervisor de Enfermagem Enfermeiro Encarregado de Unidade/Setor Enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO ANA LUÍZA 21289 LUCAS - 23122 ARTTENALPY 21500 MARCELINA - 25723 CLECIANE - 25456 NAYARA - 21402

Leia mais

FORMAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EM PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO SEMINÁRIO IACS

FORMAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EM PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO SEMINÁRIO IACS FORMAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EM PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO ENFERMEIRA AGRIPINA TENDER PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFEÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE Formação Investigação IACS Infecção Associada aos Cuidados

Leia mais

Parâmetros para profilaxia cirúrgica

Parâmetros para profilaxia cirúrgica Parâmetros para profilaxia cirúrgica O objetivo da profilaxia antimicrobiana em cirurgia é prevenir a infecção de sítio cirúrgico, atingindo níveis do antibiótico no sangue e nos tecidos que exceda, em

Leia mais

Orientação Técnica: Cuidado com o Material

Orientação Técnica: Cuidado com o Material Orientação Técnica: Cuidado com o Material 1 EM RELAÇÃO AO AÇO INOXIDÁVEL 1.1 Os produtos marca RICHTER são fabricados com aços inoxidáveis que seguem a norma NBR ISO 7153-1. Esta norma brasileira foi

Leia mais

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico.

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. 2º WORKSHOP DE PROCESSAMENTO DE ARTIGOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE CONTAGEM-MG Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. TERESINHA NEIDE DE OLIVEIRA A Verdadeira obra

Leia mais

CONTROLADOR MICROPROCESSADO DE DOIS ESTÁGIOS AHC-40 PARA CONTROLE DE UMIDADE RELATIVA DO AR E TEMPERATURA AHC-40 CONTROLS GENUINAMENTE BRASILEIRA

CONTROLADOR MICROPROCESSADO DE DOIS ESTÁGIOS AHC-40 PARA CONTROLE DE UMIDADE RELATIVA DO AR E TEMPERATURA AHC-40 CONTROLS GENUINAMENTE BRASILEIRA CONTROLADOR MICROPROCESSADO DE DOIS ESTÁGIOS AHC-40 PARA CONTROLE DE UMIDADE RELATIVA DO AR E TEMPERATURA AHC-40 R CONTROLS GENUINAMENTE BRASILEIRA 1. APRESENTAÇÃO 5. Levante lentamente a ponta da mangueira

Leia mais

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS 10º Congresso Brasileiro de Enfermagem en Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e ESterilização- 2011 A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

Leia mais

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos 09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos como os resíduos nos estados sólidos e semissólido,

Leia mais

A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa.

A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa. A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa. Projeto coordenado por Profa. Dra. Denise Costa Dias 1. Selecionar a veia e os materiais

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Serviço de Controle de Infecção Hospitalar 2013-2014 2 AUTORES Márcia Arias Wingeter, Silvia Maria dos Santos Saalfeld, Celso Luiz Cardoso, César Helbel. MEMBROS DO SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

Leia mais

Respire fundo. E drible a Fibrose Cística.

Respire fundo. E drible a Fibrose Cística. MANUAL DO NEBULIZADOR Respire fundo. E drible a Fibrose Cística. Veja como utilizar e cuidar corretamente do seu Compressor e Nebulizador. Eu sou o compressor. Eu sou o Nebulizador, sou o grande goleador.

Leia mais

PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL PROFICIÊNCIA

PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL PROFICIÊNCIA Disciplina: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade S NT1: A importância do processo histórico no desenvolvimento da Terapia Intravenosa (TI): da anatomia à fisiologia

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Unidade de Tecnologia da Organização de Serviços de Saúde

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Unidade de Tecnologia da Organização de Serviços de Saúde I ESTRUTURA SIM NÃO NA Área física de acordo com a RDC n 50/02 Localização em área de circulação restrita AREA ADMINISTRATIVA Área exclusiva para a recepção de pacientes Barreira física entre circulação

Leia mais

Sistema Accu-Chek Inform II Glicemia Profissional para Hospitais

Sistema Accu-Chek Inform II Glicemia Profissional para Hospitais Sistema Accu-Chek Inform II Glicemia Profissional para Hospitais Sistema Accu-Chek Inform II Controle em tempo real Leitor de código de barras integrado Leitura avançado do código de barras com confirmação

Leia mais

SCIH. POP de Limpeza Hospitalar

SCIH. POP de Limpeza Hospitalar UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR SCIH POP de Limpeza Hospitalar Introdução O Serviço de Limpeza e Desinfecção de Superfícies

Leia mais

Tabela de Utilização da Reserva Técnica - Atualizado em 17/09/2013 Solicitante Tipo de Despesa Valor Autorização Escola de Enfermagem

Tabela de Utilização da Reserva Técnica - Atualizado em 17/09/2013 Solicitante Tipo de Despesa Valor Autorização Escola de Enfermagem Tabela de Utilização da Reserva Técnica - Atualizado em 17/09/2013 Solicitante Tipo de Despesa Valor Autorização Escola de Enfermagem Despesas com Material de Consumo de Laboratório 31.890,53 Tomás Dias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora:

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

Limpeza é fundamental!

Limpeza é fundamental! Limpeza é fundamental! Limpeza é absolutamente fundamental quando o assunto é a produção de alimentos de forma higiênica. A prioridade é evitar a proliferação de germes e eliminar corpos estranhos. Além

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA CENTRAL DE MATERIAIS ESTERILIZADOS DO HOSPITAL MUNICIPAL DE BARRA DO BUGRES - MT

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA CENTRAL DE MATERIAIS ESTERILIZADOS DO HOSPITAL MUNICIPAL DE BARRA DO BUGRES - MT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria.

Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria. Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria. Dr. Theodore Tromovich Burlingame CA. Mais que um curativo, Omiderm é o resultado de todo um trabalho

Leia mais

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO I

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO I ANEXO I BIOSSEGURANÇA NAS ATIVIDADES EXERCIDAS NA UNIDADE O Ministério da Saúde estabelece que para manipulação de microrganismos, devem ser atendidos alguns requisitos de segurança, conforme sua classe

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003 Página 1/6 1- INTRODUÇÃO: O trato urinário é um dos sítios mais comuns de infecção hospitalar, contribuindo com cerca de 40% do total das infecções referidas por hospitais gerais. Além das condições de

Leia mais