Estudo Dinâmico de Pesca e

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo Dinâmico de Pesca e"

Transcrição

1 Estudo Dinâmico de Pesca e Aquicultura Situação das Áreas Aquícolas do Reservatório de Itaipu Instituto de Estudos e Assessoria ao Desenvolvimento CEADES Este estudo consistiu na identificação da situação dos indivíduos que receberam cessão de uso de áreas aquicolas no reservatório de Itaipu, qual a situação do empreendimento e levantamento das principais dificuldades encontradas durante o processo de manejo e criação de peixes em tanquessrede. Território de Lindeiros Paraná 2010

2 ORGANIZAÇÃO Ministério da Pesca e Aqüicultura - MPA Centro de Estudos e Assessoria ao Desenvolvimento - CEADES Autores Sidnei Klein, Engenheiro de Pesca Guilherme Wolff Bueno, Zootecnista Local Toledo Paraná Estudo Dinâmico de Aquicultura e Pesca no Território de Lideiros: Oeste do Paraná Situação 2

3 Sumário 1. Estudo Dinâmico de Pesca e Aquicultura A Dinâmica do Pescador Aquicultor no Reservatório de Itaipu, Território de Lideiros Paraná Parques Aquícolas no reservatório de Itaipu Parque Aquícola São Francisco Verdadeiro Levantamento e Situação Atual Parque Aquícola São Francisco Falso Levantamento e Situação Atual Parque Aquícola Ocoí Levantamento e Situação Atual Centro de Desenvolvimento de Tecnologias para Piscicultura em Tanquessrede Considerações finais... 29

4 A pesca sempre foi nossa fonte de renda, ainda é, acordamos bem cedo para colocar as redes no rio, depois vamos para os tanquessrede alimentar os peixes. É bom sair pra pescar com a certeza que temos peixes nos tanques Walter Kist, Pescador/Aquicultor do reservatório de Itaipu 1. Estudo Dinâmico de Pesca e Aquicultura Cada vez mais, as diminuições dos estoques pesqueiros não suprem o que é exigido para a comercialização do peixe e para a subsistência dos pescadores do entorno do lago que, por falta de opção, praticam a pesca extrativa com sua principal atividade de renda. Esta pressão contribui para a redução dos estoques de peixes do reservatório, bem como, dificulta o crescimento, reprodução, biodiversidade e a conservação das espécies de peixe deste ambiente causando impacto ao ecossistema aquático. Entretanto, uma das principais estratégias para suprirem a demanda de pescado está na aquicultura, por meio da produção de pescado cultivado em tanquessrede ou gaiolas. Esta alternativa de criação de peixes tornou-se uma opção de investimento, por utilizar ambientes aquáticos já existentes como o mar, estuários, rios, grandes reservatórios e lagos naturais para produção intensiva de peixes, além de possibilitar melhor retorno zootécnico e desenvolvimento da atividade aquicola. Diante disto, o Setor de Meio Ambiente da Itaipu realizou estudos de capacidade suporte e zoneamento para a demarcação e implantação de parques aquícolas no reservatório de Itaipu em consonância com a Instrução Normativa Interministerial nº 9, de 11 de abril de 2001 a qual determina a regulamentação dos projetos de aquicultura em tanquessredes. Estes foram os primeiros parques aquícolas brasileiros, definidos por meio de estudos ambientais, econômicos e sociais. Dando continuidade a este processo, a Secretaria de Aquicultura e Pesca (SEAP), atualmente Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA) realizou 4

5 licitações públicas que renderam os primeiros títulos de cessão de uso de águas públicas em parques aquícolas no Brasil. Assim sendo, em 2008 realizou-se a licitação e concorrência por 155 áreas aquícolas não onerosa de m 2 para as comunidades tradicionais e moradores de baixa renda do entorno do reservatório. Nesta ocasião, houve 73 vencedores do processo licitatório os quais eram pescadores, índios e assentados (Tabela 1). Tabela 1. Resumo da licitação dos parques aquícolas de Itaipu. Parque N de lotes ofertados N de lotes ocupados N de lotes não ocupados Ocoí SFF* SFV** Total *SFF - São Francisco Falso **SFV - São Francisco Verdadeiro O Instituto Ambiental do Paraná IAP, órgão ambiental do estado definiu que a espécie a ser cultivada seria o pacu (Piaractus mesopotamicus) espécie nativa da região. Uma vez, que devido ao acordo Internacional para conservação da fauna aquática nos rios limítrofes entre a República do Paraguai e do Brasil de 19 de maio de 1999 está proibida a introdução de espécies exóticas no reservatório de Itaipu como a tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus). Existem atualmente três parques aquícolas no Reservatório de Itaipu (Ocoí, São Francisco Falso e São Francisco Verdadeiro) e outros três estão em fase de estudos para possível implantação (Alto da Boa Vista, Chororó e Salamanca). Para que futuramente sejam licitadas novas áreas e que se tenha um maior número de áreas aquícolas no reservatório, e principalmente, estas tenham sucesso na sua finalidade de uso. Ou seja, para geração de emprego, renda, inclusão social e aumento da produção de pescado, tornam-se de extrema importância um estudo dinâmico da real situação destas áreas já instaladas no reservatório de Itaipu e quais aspectos devem ser abordados para o sucesso das futuras áreas a serem disponibilizadas pelo Ministério da Pesca e Aquicultura. 5

6 2. A Dinâmica do Pescador Aquicultor no Reservatório de Itaipu, Território de Lideiros Paraná O propósito do levantamento foi efetuar um diagnóstico da realidade dos pescadores/aquicultores, através da identificação dos indivíduos que receberam lotes aquicolas no reservatório de Itaipu, qual a situação atual do empreendimento e levantamento das principais dificuldades encontradas durante o processo de manejo e criação de peixes em tanquessrede. O estudo foi realizado durante 60 dias, abrangendo cinco municípios, sendo: Entre Rios do Oeste, Santa Helena, Missal, São Miguel do Iguaçu e Santa Terezinha do Iguaçu. Foram realizadas reuniões e entrevistas com os pescadores/aquicultores, abordando questões relacionadas às características da produção e comercialização, recursos humanos utilizados no processo produtivo, infra-estrutura, finanças e elencaram-se as dificuldades para a produção de pacu em tanque-rede. As respostas eram voluntárias e o pescador não necessitava comprovar o que estava sendo respondido ao entrevistador. Ressalta-se que o número de produtores entrevistados não significa a totalidade dos pescadores contemplados com o título de parque aquícola. O motivo está na organização que os pescadores implementaram, pois, realizam um trabalho em conjunto, onde ocorre a produção de forma coletiva, ou seja, ao invés do pescador efetivar todas as atividades individuais, optaram em formar condomínios, onde os pescadores dividiram as responsabilidades, como exemplo temos o coletivo composto pelos pescadores Daniel Alves, Ademar Utzig, Valdir Grigio, Gilmar José Schapko, Adilson Borges, Elídio José Binotto e Marcieli Elis Hansel Corrente. Assim apenas dois pescadores deste grupo foram entrevistados, mas relataram os fatos abrangendo todo o grupo. Outro exemplo é o grupo formado por Janilco José Solda, Francisco Jung, Sidney Santana e José Luiz Fantinel, representados por Francisco e José. Os títulos das áreas aquícolas foram repassados para os pescadores profissionais que possuíam os pré-requisitos estabelecidos, desta forma, ocorreu a aquisição de diversos títulos por família. Como exemplo, temos a família Pies (Simplício Pies, sua cônjuge Melita Maria Kerber Pies e os filhos Adilson e Cleyton Luiz Pies). Para a reunião e entrevista apenas Simplício compareceu, mas relatou os fatos e dificuldades apresentados por todos os membros de sua família. Este formato de trabalho em grupo fortalece a atividade, pois a divisão de responsabilidades dentro do grupo otimizam os trabalhos exercidos pelos membros enaltece a 6

7 eficiência dos empreendimento, pois o associativismos agrega consideráveis valores tanto financeiros como trocas de experiências e discussões para o melhor andamento do grupo. Desta maneira, a ausência de alguns membros nas entrevistas, justifica-se pelo trabalho implementado em grupo com divisões de responsabilidades. Além dos questionamentos, foram registradas propriedades que possuem produção de peixes em tanque-rede no reservatório de Itaipu por meio de registro fotográfico 3. Parques Aquícolas no reservatório de Itaipu A Itaipu exerce um papel fundamental para a implementação de projetos aquícolas, onde disponibiliza tanquessrede aos pescadores, fornecem juvenis e assistência técnica sem ônus financeiro. Este é o problema para alavancar a atividade focando os pescadores, pois os mesmos não apresentam renda e capital financeiro suficiente para investimento, sendo dependentes de auxílios governamentais ou por parte da Itaipu. Os investimentos aplicados estão na ordem de R$ ,00 pela MPA/PR e cerca de 400 tanquessrede instalados no lago de Itaipu, além do incentivo as pesquisas para o cultivo de pacu e assistência técnica realizada entre a Universidade Estadual do Oeste do Paraná e a Itaipu Binacional. Entretanto, Ocorrem realidades distintas entre os pescadores dos três Parques Aquícolas. No Parque Aquícola Ocoí realiza-se o cultivo de peixes em tanquessrede com diversos pescadores, enquanto que nos demais parques poucos pescadores desempenham esta atividade, isto poderá ser acompanhado no levantamento realizado neste estudo. 7

8 Figura 1. Localização dos Parques Aquícolas de Itaipu. 8

9 3.1 Parque Aquícola São Francisco Verdadeiro O Parque Aquícola São Francisco Verdadeiro, apresenta 18 áreas aquícolas que serão implementadas em forma de condomínio por meio de convênio de cooperação técnico e financeira para desenvolvimento da aqüicultura em tanque-rede no reservatório de Itaipu, que celebram a Itaipu Binacional, a Prefeitura Municipal de Entre Rios do Oeste e a Colônia de Pescadores Profissionais São Francisco, para tal instrumento a Itaipu viabilizou R$ ,00 para aquisição e manutenção de tanquessrede, ração e assistência técnica. A prefeitura municipal disponibilizou R$ ,00, sendo dois veículos (um utilitário), mão de obra, apoio para o processamento, abate e comercialização, e disponibilizará mais R$54.400,00 para adequação do módulo de abate, aluguel de local para processamento do peixe, conta de energia elétrica, combustível, aquisição de cinco freezeres e carne mecanicamente separada (CMS) para merenda escolar. A colônia de pescadores será responsável pela mão de obra para manejo, alimentação dos peixes, abate, manutenção do módulo, totalizando R$8.000,00 além de mais R$2.000,00 para uma embarcação (barco) para manejo e arraçoamento dos peixes (Figura..). O prazo deste convênio é de 18 meses, findado o convênio os equipamentos adquiridos serão destinados para a colônia de pescadores, caso ocorram irregularidades no cumprimento do plano de trabalho serão revertidos a Itaipu Binacional. A espécie de peixe focada na produção deste módulo será o pacu (Piaractus mesopotamicus), em virtude do melhor desempenho e retorno financeiro dentre as espécies nativas liberadas para o cultivo no reservatório. Dentre os pescadores envolvidos neste convênio, apenas Walter Kist e sua esposa Celita Frohlisch Kist apresentam experiência na produção de peixes em tanquessrede, o restante dos pescadores já tiveram contato de forma superficial, observando o empreendimento aquícola de Walter e Celita, mas a Itaipu disponibilizou tanquessrede para os pescadores que estão com sete tanques ativos (Figura 3) adquirindo assim, conhecimento quanto aos tratos despendidos pela atividade. Na Figura 2 é apresentada a localização do condomínio de tanquessrede no Parque Aquícola São Francisco Verdadeiro. 9

10 Figura 2. Localização dos tanquessrede no Parque Aquícola São Francisco Verdadeiro. Figura 3. Tanquessrede locados no município de Entre Rios do Oeste. Outra forma dos pescadores obterem informações sobre o assunto é por meio de pesquisas e trabalhos realizados no Centro de Desenvolvimento de Tecnologias para Piscicultura em Tanquessrede financiado pela Itaipu Binacional junto a Universidade Estadual do Oeste do Paraná, localizado no município de Santa Helena, o qual fornece subsídios para a implementação de tanquessrede no reservatório de Itaipu, sendo disponibilizados para os pescadores. Entretanto, o condomínio será instalado junto ao Ponto de Pesca 39 que possui um módulo de abate de pesca (Figura 5), onde está sendo confeccionado poitas para 10

11 fixação das linhas de ancoramento dos tanquessrede (Figura 6), assim como o acesso a água, que está em vias de conclusão (Figura 7). Figura 5. Módulo de abate de peixes locado junto ao ponto de pesca 39. Figura 6. Poitas de fixação das linhas de ancoramento dos tanquessrede. 11

12 Figura 7. Cascalhamento do acesso a água no ponto de pesca Levantamento e Situação Atual No dia 04 de junho de 2010 foi realizou-se uma reunião com a participação dos pescadores que possuem o título de área aquícola (Figura 8). Na reunião foram relatadas pelos presentes as dificuldades financeiras para a efetivação particular do empreendimento, como relatado acima, a Itaipu e a prefeitura municipal por meio de instrumento de convênio auxiliarão os pescadores em um empreendimento com tanquessrede viabilizando a atividade, pois os pescadores não apresenta recursos financeiros para efetivar tal estrutura. Figura 8. Reunião com pescadores para elencar as realidades e dificuldades para produção de peixes em tanquessrede. 12

13 Neste parque aquícola apenas dois membros já trabalharam e permanecem com a produção de peixes em tanquessrede, estes representam 12%, ou seja, 88% não tem experiência nesta atividade, demonstrando assim o interesse, pois como relatado pelos próprios pescadores, a pesca está em decadência tornando a mesma insustentável, surgindo como opção de sustento a piscicultura em tanque-rede que é vista com grande esperança pelos pescadores. Todos têm claro que seu sustento está distante das áreas urbanas, pois durante sua vida profissional encontraram na pesca a fonte de renda para a família, mesmo que 88% tenham sua residência em área urbana, não reflete a intenção de mudar para uma atividade urbana. Quando questionados a respeito de visitas técnicas todos manifestaram o interesse, deferindo-se apenas na periodicidade das visitas. Este fato representa a abertura para o conhecimento, empregando tecnologias e práticas com maior viabilidade, resultado de pesquisas científicas, que por vezes, é menosprezado priorizando o conhecimento empírico. Conforme o estudo, verifica-se que 71% dos pescadores gostariam que as visitas tecnicas fosse quinzenais, 24% mensais e 6% optaram por visitas semanais. No convênio está previsto recursos financeiros para assistência técnica e ocorrerá orientação por meio de técnicos da prefeitura municipal. Diante de limitações legais apenas a criação de espécies nativas são autorizadas em tanquessrede, assim o pacu após diversas pesquisas apresentou melhor viabilidade técnica. 13

14 Quando questionados sobre a espécie de peixe que gostaria de criar, foram unanimes quanto a tilápia (Oreochromis niloticus), sendo as justificativas apresentadas na Figura abaixo. Como a tilápia já apresenta um mercado consumidor consolidado e pelo melhor desempenho zootécnico quando comparado com espécies nativas, os pescadores inclusos neste parque aquícola acreditam que esta espécie pode ser de grande valia. Sendo os fatores mais elencados o maior lucro (37%), facilidade de comercialização e maior crescimento (26%). Os pescadores demonstraram muita motivação e interesse na consagração do empreendimento, sendo visto como alternativa econômica para superar o declínio da pesca. 3.2 Parque Aquícola São Francisco Falso O Parque Aquícola São Francisco Falso não foi contemplado pelo convênio da Itaipu, como o parque localizado no município de Entre Rios do Oeste, sendo relatado pelos pescadores que a prefeitura municipal de Santa Helena não demonstrou interesse, pois a mesma seria responsável na contrapartida como no convênio já referido, sendo pré-requisito para a realização do instrumento. O mesmo parque apresenta problemas pertinentes ao um porto de areia instalado próximo as áreas aquícolas, e conforme os pescadores salientaram, as barcaças de transporte de areia têm como rota de acesso ao porto, justamente no local destinado para a alocação dos tanquessrede. Já foi formalizada a comunicação para o Superintendente da Pesca e Aquicultura dos ocorridos, como também um Boletim de Ocorrência, junto a Polícia Militar, devido a uma invasão no ponto de pesca n 34 por um membro Companhia Docas do Maranhão Codomar, responsável pelo porto de areia. 14

15 Defronte destas dificuldades, a colônia solicitou ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP), quanto a regularidade do empreendimento (porto de areia), como resposta o IAP de acordo declarou que não há qualquer liberação por parte da mesma para o exercício de porto de areia naquele local Levantamento e Situação Atual No dia 11 de junho de 2010 foi realizado uma reunião com os pescadores que possuem título de área aquícola no Parque Aquícola São Francisco Falso. Inicialmente foi desenvolvida uma reunião coletiva, sendo relatadas as dificuldades deste grupo para a produção de peixes em tanquessrede, após efetivou-se uma entrevista individual a respeito do assunto. Por meio dos resultados das entrevistas observou-se que os pescadores do referido parque aquícola apresentam o predomínio de suas residências localizadas junto aos pontos de pesca, representando 75%, já na área rural são 17% e apenas 8% na área urbana. De acordo com o observado no estudo, ocorrem realidades diferentes entre as colônias de pescadores, pois os pescadores da Colônia São Francisco (Entre Rios do Oeste), residem principalmente na area urbana (88%) e não há nenhum pescador com título de área aquícola que resida no ponto de pesca, já na Côlonia de Pescadores Nossa Senhora dos Navegantes (Santa Helena) a maioria (75%) reside nos pontos de pesca. Em uma fase piloto 75% dos pescadores detentores de áreas aquícolas realizaram um trabalho com a Itaipu na produção de pacu em tanquessrede (Figura 11) mas apenas 25% permaneceram na atividade, sendo que atualmente apenas Adevilio José Sartori está produzindo peixes em tanque-rede (Figura 11), sendo de forma particular tanto os tanquessrede como aquisição de juvenis e ração, enquanto que Antonio Carlos Nogueira e Leivanir José Junges, receberam os tanquessrede e juvenis da Itaipu. 15

16 Gráfico Representativo dos pescadores que já trabalharam com tanque-rede e cotinuam na atividade. Figura 10. Localização dos tanquessrede no Parque Aquícola São Francisco Falso. Figura 11. Área de produção de peixes em tanquessrede de Adevilio José Sartori. 16

17 Figura 12. Margem da propriedade de Adevilio José Sartori, apresentando a direita dois tanquessrede. Devido às dificuldades encontradas na comercialização do pescado, Adevilio José Sartori decidiu construir uma estrutura com a finalidade de defumação do pescado (Figura 13), agregando valor e melhorando a comercialização do mesmo. Está estrutura está em obras, mas já apresenta a cobertura e as paredes de alvenaria, restando às aberturas e o acabamento. Figura 13. Futuro defumador de pescados. 17

18 3.3 Parque Aquícola Ocoí O Parque Aquícola Ocoí apresenta um número maior de pescadores atuando na produção de pacu em tanque-rede, predominando o trabalho em grupo, ou seja, em condomínio. Dois condomínios destacam-se, um localizado na Aldeia Indígena Avá- Guarani (Figura 15), e no Assentamento Antônio Tavares (Figura 16), conduzindo 41 e 40 tanquessrede, respectivamente. Estes repassados pela Itaipu, assim como os juvenis. Figura 14. Localização dos tanquessrede no Parque Aquícola Ocoí. A aldeia indígena tem toda a produção de peixes subsidiada pela Itaipu, como tanquessrede, juvenis, ração e assistência técnica. O trabalho rotineiro (arraçoamento) é por responsabilidade da aldeia, na pessoa de Henrique Cunumi Vilialves, detentor de um dos títulos de área aquícola, na necessidade de auxilio o cacique disponibiliza outros índios. O gerenciamento é por responsabilidade do cacique e não é realizada a comercialização do pescado, pois dividem toda a produção de peixes com as famílias da aldeia de forma igualitária Figura 15. Visita a Aldeia. 18

19 A visita a aldeia foi acompanhada por um técnico da Itaipu, que realiza a assistência técnica para os mesmos, sendo permitida pelo cacique a entrevista e o registro fotográfico da entrevista e da unidade de produção de peixes. Figura16. Área de produção de peixes em tanquessrede localizada junto à aldeia indígena Avá-Guarani. Figura 17. Embarcação e balsa utilizada para os trabalhos rotineiros de arraçoamento e manejo. No assentamento sete membros dividem as tarefas pertinentes a criação de peixes, com diferentes funções dentro do grupo. Os tanquessrede estão instalados junto ao ponto de pesca que apresenta um módulo de abate (Figura 18). No mesmo local os pescadores estão construindo moradias de 25m² (Figura 21) com recursos próprios com o intuito de estarem mais próximos dos tanquessrede, guarnecendo os mesmos em forma de rodízio. 19

20 Figura 18. Módulo de abate localizado junto ao ponto de pesca 12. Figura 19. Tanquessrede locados no Assentamento Antônio Tavares. 20

21 Figura 20. Tanque-rede na margem no Assentamento Antônio Tavares. Figura 21. Residência de 25m² construída pelos pescadores, próximo ao módulo de abate. Neste coletivo temos como exemplo de distribuição de função, onde Elídio José Binotto é responsável pelo arraçoamento diário, a compra de insumos (ração) e comercialização do pescado pelo pescador Adilson Borges, e as demais atividades são distribuídas entre os membros conforme a demanda. Há um condomínio composto por quatro pescadores que estão com 23 tanquessrede povoados com pacu (Figura 22). Este formato de associativismo está apresentando sucesso, pois os membros otimizam a mão de obra, ao invés de todos deslocarem-se a unidade de cultivo diariamente, apenas um pescador realiza o trabalho. Na aquisição de insumos como ração, devido ao trabalho 21

22 em maior escala, dilui o transporte da ração e os valores são negociados com melhores prazos de pagamento e com menor custo. Figura 22. Condomínio composto por 23 tanquessrede. Figura 23. Tanquessrede depreciados na margem. Há trabalhos individuais com o realizado por Clemente Bogo que apresenta 11 tanquessrede cedidos pela Itaipu, este não está inserido em grupos coletivos de produção de peixes em tanquessrede, sendo uma opção, mas está disposto a implementar o trabalho coletivo, conforme o interesse de parceiros e da compatibilidade pessoal entre os envolvidos. 22

23 Figura 24. Depósito de ração na propriedade de Clemente Bogo Levantamento e Situação Atual Os pescadores que possuem o título de área aquícola no Parque Aquícola Ocoí apresentam suas residências predominantemente na área rural (91%), sendo 9% na área urbana. Conforme já mencionado, os parques aquícola apresentam realidades diferentes, onde os pescadores vinculados aos parques São Francisco Verdadeiro e Falso, apresentam como atividade principal a pesca, enquanto que os pescadores do parque do Ocoí realizam atividades paralelas a pesca como agricultura e pecuária. De acordo com os pescadores aquicultura em tanquessrede por eles desempenhado abrange somente mão de obra familiar, sendo envolvidas em média duas pessoas por família. A espécie que está sendo cultivada é o pacu, mas os pescadores encontram muita dificuldade de comercialização, tendo em vista que esta espécie não apresenta mercado consumidor consolidado, assim os pescadores estão com pescado pronto para abate com peso médio de 23

24 700g e não há demanda de aquisição do mesmo. Os pescadores visualizam como alternativa a inserção de pescado na merenda escolar, mas até o momento, segundo os mesmos não está ocorrendo. Assim quando questionados quanto a espécie de preferência para cultivo, optam pela tilápia, motivando esta escolha principalmente pela facilidade de comercialização. A produção de peixes em tanquessrede, de acordo com 82% dos pescadores não apresenta dificuldade, apenas 18% observaram problemas, discriminando o mexilhão dourado e a ruptura de malhas do tanque-rede como complicadores Figura 25. Itens elencados para escolha da espécie e percentual de pessoas com dificuldades para o cultivo de peixes em tanquessrede. 3.4 Centro de Desenvolvimento de Tecnologias para Piscicultura em Tanquessrede O Centro de Desenvolvimento de Tecnologias para Piscicultura em Tanquessrede, localizado no município de Santa Helena (Figura 28), desenvolve pesquisas relacionadas ao cultivo de peixes em tanquessrede, principalmente o pacu, sendo uma parceria entre a Itaipu e a Universidade Estadual do Oeste do Paraná Unioeste, Campus Toledo. Nesta parceria foram desenvolvidos diversos experimentos que resultaram em um pacote tecnológico para produção de pacu em tanque-rede. Estes resultados foram apresentados em três eventos com a participação de pescadores, aquicultores, técnicos da área e estudantes de nível superior e técnico (Figura 26 e 27). 24

25 Figura 26. Demonstração dos resultados do convênio Itaipu / Unioeste para pescadores e técnicos. Figura 27. Demonstração de resultados do convênio Itaipu / Unioeste para estudantes do ensino superior e técnico. Este é visitado pelos pescadores e está a disposição para auxiliar tecnicamente os pescadores/aquicultores. Portanto, os interessados na atividade têm acesso aos resultados e experiência vivenciados pelos colaboradores do centro de pesquisa. 25

26 Figura 28. Visitas de pescadores, técnicos e estudantes ao Centro de Desenvolvimento de Tecnologias para Piscicultura em Tanquessrede. A Unioeste/Campus Toledo e a empresa Belgo Bekaert Arames Ltda. celebram um acordo de parceria para a concretização de experimentos que visam avaliar telas e equipamentos para aquicultura no ambiente do reservatório de Itaipu, quanto à resistência, durabilidade, viabilidade técnica e econômica de telas utilizadas na confecção de tanquessrede, e avaliar os níveis de infestação de mexilhão dourado (Limnoperna fortunei), nos diferentes materiais avaliados. repetições, sendo: Estão sendo avaliados seis materiais de tela para tanque-rede, com duas - 2 tanquessrede de Tela Fortinet (malha 5cm fio 2,95mm); - 2 tanquessrede com Alambrado A galvanizado (malha 4 cm fio 2,10mm); - 2 tanquessrede com Alambrado A galvanizado Belgo cor (malha 4 cm fio 2,10mm); - 2 tanquessrede com Alambrado A BEZINAL (malha 4 cm fio 2,20 mm); - 2 tanquessrede com Alambrado A Fish Farm (malha 4 cm fio 2,30mm); - 2 tanquessrede com Alambrado A Belgo Plastic (malha 4 cm fio 2,30mm). 26

27 Para avaliação de incrustação do mexilhão dourado em telas, serão monitorados os tanquessrede para medir nível de incrustação em função do tamanho e tipo da malha. Este estudo esta em andamento, com duração de 48 meses de monitoramento. Além destes estudos, são desenvolvidas pesquisas com nutrição, manejo, qualidade da água, retorno econômico, avaliação do desempenho zootécnico e sanidade, também trabalha-se com produtos a base do pescado para comercialização e utilização na merenda escolar. Segundo a Itaipu Binacional, o resultado destas pesquisas serão repassados a comunidade. 27

28 3.5 Dados Gerais dos Parques Aquícolas no Reservatório de Itaipu. Área Aquicola Local Colônia de Pescadores C.A. Produção (t/ano) Passo Chue 02 (Pto 06) Sta Terezinha Z12 2,55 6,2 Itacorá 11 (Pto 21) Itaipulândia ITACORÁ 2,3 1,3 Itacoré 09 (Walmire) Itaipulândia ITACORÉ 2,23 2,2 Passo Chue 04 (Mitacoré) São Miguel Z11 2,1 3,2 Rio Guabiroba 03 (Olmiro) Sta Terezinha Z11 2,01 3,3 São Vicente 06 (Nogueira) Missal Nossa Sra. Navegantes 2,55 0,5 Pq Ocoy (Santana) São Miguel Z11 2,4 1,6 Pq Ocoy (Clemente) São Miguel Z11 2,4 0,8 Pq Ocoy (Novelli) São Miguel Z11 2,4 0,7 Pq Ocoy (índios) São Miguel Aldeia Indígena tekoha Ocoy 2,06 3,28 Fonte: Itaipu Binacional, Programa Mais Peixes em Nossas Águas. Dados Gerais dos Parques Aquícolas Lâmina d'água Total do Reservatório (ha) ,00 Lâmina d'água Total de Parque Aquícola (ha) ,51 Lâmina d'água Total de Áreas Aquícolas (ha) 31 Quantidade de Parques 3 Quantidade Total de Áreas Não-Onerosas disponibilizadas (un.) 155 Quantidade Total de Áreas Não-Onerosas homologadas (un.) 73 Produção atual estimada (t/ano) Produção máxima estimada e outorgada para os parques aquicolas (t/ano) 4.666,48 Investimento em Estudos (R$) ,30

29 4. Considerações finais A Itaipu exerce papel fundamental para o atual exercício da produção de peixes em tanquessrede, fomentando unidades de cultivo (tanquessrede), juvenis, e em caso específicos como na aldeia indígena fornece até a ração. Os pescadores não possuem recursos financeiros para adquirir os tanques, sendo superado por instrumentos de convênio como ocorrido entre Itaipu, prefeitura municipal de Entre Rios do Oeste e Colônia de Pescadores São Francisco. Este instrumento tem como prazo de vigência 18 meses após a assinatura do mesmo, ao término os pescadores são contemplados com os materiais adquiridos por meio do convênio, desde que cumpram as metas estabelecidas pelo plano de trabalho. Este formato de fomento incentiva o trabalho em grupo e alavanca a atividade entre os pescadores. A comercialização será auxiliada pela prefeitura que adquirirá parte da produção para merenda escolar. Pescadores do Parque Aquícola Ocoí, já trabalham com tanque-rede, mas passam por dificuldade principalmente de comercialização. Portanto, este problema é tido como um limitante, e não há políticas públicas efetivas para solucionar este entrave. Diante das entrevistas surgiu um fato preocupante. Os pescadores quando questionados a respeito de condicionantes ambientais limitantes para a produção em tanquessrede, demonstraram desconhecimento de qualquer fator limitante mesmo quanto à qualidade da água. A produção de peixes no reservatório de Itaipu apresenta sinais positivos para a consolidação, pois tem um Centro de pesquisa, localizado no município de Santa Helena, que desenvolve estudos práticos e de acordo com a realidade local. Há plantas de processamento de pescado, localizadas nos município de São Miguel do Iguaçu e Toledo, fábricas de ração para peixes em Marechal Cândido Rondon e Ouro Verde do Oeste e produção de formas jovens (alevinos e juvenis), localizados principalmente em Toledo, assim como fornecedores de equipamentos (tanquessrede, cordas, puçás, embarcações). Portanto, a cadeia produtiva para apoio na produção está formada, restando apenas que a produção de peixes em tanquessrede se efetive concretamente.

PROJETO MAIS PEIXES EM NOSSAS ÁGUAS

PROJETO MAIS PEIXES EM NOSSAS ÁGUAS PROJETO MAIS PEIXES EM NOSSAS ÁGUAS Promover o desenvolvimento socioambiental e econômico na região de influência do reservatório da EMPRESA por meio de ações de inclusão social e produtiva e melhoria

Leia mais

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig. Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.br Parques Aquícolas Decreto Nº 4.895 de 25 de novembro de 2003 (autorização

Leia mais

Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira. Ministro Marcelo Crivella

Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira. Ministro Marcelo Crivella Ministério da Pesca e Aquicultura Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira Ministro Marcelo Crivella SEMINÁRIO PESCA, AQUICULTURA e CARCINICULTURA

Leia mais

Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow

Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO 120 anos Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow Pesquisadora Científica Dra. Daercy Mª M. de Rezende Ayroza Polo Regional Médio Paranapanema Regularização

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

III Encontro Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica Paraná III

III Encontro Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica Paraná III O III Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica do Paraná III, realizado em Foz do Iguaçu, Brasil, nos dias 30 de novembro e 1º de dezembro de 2006, com a presença de 2.300 participantes,

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado ODAIR CUNHA PT/MG

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado ODAIR CUNHA PT/MG PROGRAMAS ABERTOS MINISTÉRIO DA PESCA Código do Programa 5800020130061 Administração Pública Estadual ou do Distrito Federal Programa 20.122.2113.2000.0001.0001 - Adminstração da Unidade - Nacional A atividade

Leia mais

DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e

DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003 Dispõe sobre a autorização de uso de espaços físicos de corpos d água de domínio da União para fins de aquicultura, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica - EVTE Piscicultura em Tanques Rede

Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica - EVTE Piscicultura em Tanques Rede Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica - EVTE Piscicultura em Tanques Rede Sistema Grande Volume Baixa Densidade - GVBD COOPERÇU Agosto de 2013 1 ---------------------------------------------------------

Leia mais

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012 GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY Oficina de Planejamento 2010-2012 Paraty, agosto de 2010 Objetivo da oficina Elaborar o Direcionamento Estratégico da Gastronomia Sustentável de Paraty para os próximos

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4

GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4 FUNDO MULTILATERAL DE INVESTIMENTOS PROGRAMA REGIONAL DE FORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL COM INCLUSÃO SOCIAL- CONECTADEL GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4 1. Objetivo

Leia mais

Com tecnologias Open Source, Itaipu alcança benefícios que potencializam o programa de sustentabilidade da empresa

Com tecnologias Open Source, Itaipu alcança benefícios que potencializam o programa de sustentabilidade da empresa Com tecnologias Open Source, Itaipu alcança benefícios que potencializam o programa de sustentabilidade da empresa Perfil A construção da Itaipu Binacional considerado um trabalho de Hércules pela revista

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 O País é banhado por uma costa marítima de 8,5 mil quilômetros e possui 12% da água doce do planeta; O pescado é a proteína animal mais saudável e consumida

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

- Local para a disposição final de lixo e esgoto gerados a bordo da embarcação identificada;

- Local para a disposição final de lixo e esgoto gerados a bordo da embarcação identificada; 413 - Escritório de apoio administrativo e Posto de Informação implantado; - Visitantes informados sobre o Parque, seus objetivos e atividades de visitação disponíveis; - Local para a disposição final

Leia mais

PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE. Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA

PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE. Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA Demanda do Governo do Estado Elaborar um PROGRAMA com oobjetivodeotimizar o uso dos recursos hídricos existentes

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário FNO-ITINERANTE 2012. São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário FNO-ITINERANTE 2012. São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012 BANCO DA AMAZÔNIA Seminário FNO-ITINERANTE 2012 São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012 Município de São Gabriel da Cachoeira - AM Principais Destaques. Considerado um ponto estratégico pelo país e,

Leia mais

PANORAMA GERAL DO PROGRAMA NO ESTADO

PANORAMA GERAL DO PROGRAMA NO ESTADO GOVERNO DO DO PARÁ SECRETARIA ESPECIAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E INCENTIVO À PRODUÇÃO-SEDIP PROGRAMA DE REDUÇÃO DA POBREZA E GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS DO PARÁ Incentivo Apoio Técnico Fortalecimento

Leia mais

Programa BB Aqüicultura e Pesca

Programa BB Aqüicultura e Pesca Programa BB Aqüicultura e Pesca O Banco do Brasil é o maior parceiro dos empreendedores brasileiros, sejam grandes ou pequenos produtores. Isso vale, também, para a aqüicultura e pesca. Assim, com o objetivo

Leia mais

Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser

Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser Mostra Local de: Rio Branco do Sul (Municípios de Rio Branco do Sul, Almirante Tamandaré e Itaperuçu) Categoria do

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE VICENTE DUTRA/RS

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE VICENTE DUTRA/RS TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias hidrográficas brasileiras DBFLO/CGFAP/COOPE Rogério Inácio de Carvalho rogerio.carvalho@ibama.gov.br (61)3316-1703 Normas Ambientais Art.

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária

Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária Congresso Estadual da Agropecuária Umuarama-PR, 27 de agosto de 2015 Contexto Geral Retomada em 2003, por parte do Governo

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Fundação Getulio Vargas, Abril de 2011 REGIÃO PODE TER LEGADO COMPATÍVEL COM DESENVOLVIMENTO INOVADOR E SUSTENTÁVEL Deixar um legado

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP É o instrumento que identifica os agricultores familiares e/ou suas formas associativas organizadas em pessoas jurídicas, aptos a realizarem operações de crédito rural

Leia mais

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires UHE Teles Pires P.38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo Equipe Responsável pela Elaboração do Programa Responsável Registro Cadastro Técnico Profissional Federal IBAMA

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

OS DESAFIOS LEGAIS NAS SOCIEDADES COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDARIA 1

OS DESAFIOS LEGAIS NAS SOCIEDADES COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDARIA 1 1 OS DESAFIOS LEGAIS NAS SOCIEDADES COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDARIA 1 Adilson Francelino Alves 2 ; Luiz Cláudio Borille 3 ; Ivone Belon Lucas 2 Área: Direito Cooperativo Resumo:

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Meta e Estratégias. Meta

EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Meta e Estratégias. Meta EDUCAÇÃO AMBIENTAL Meta e Estratégias Meta Universalizar a educação socioambiental em todos os níveis e modalidades de ensino, como uma prática inter, multi e transdisciplinar, contínua e permanente nos

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES P.38 - Programa de Apoio a Revitalização e incremento da Atividade de Turismo Relatório Semestral de Atividades Realizadas EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS PARA EDUCAÇÃO DO CAMPO E DIVERSIDADE COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

Leia mais

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011.

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Mapa Visão e Missão Funai Mapa Estratégico: Proteger e promover

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

O CIRCUITO COMERCIAL DA PESCA - EXTRAÇÃO, CRIAÇÃO E VENDA DO PESCADO E SUAS INTERFACES NO LAGO DE ITAIPU E NA COLÔNIA Z11.

O CIRCUITO COMERCIAL DA PESCA - EXTRAÇÃO, CRIAÇÃO E VENDA DO PESCADO E SUAS INTERFACES NO LAGO DE ITAIPU E NA COLÔNIA Z11. O CIRCUITO COMERCIAL DA PESCA - EXTRAÇÃO, CRIAÇÃO E VENDA DO PESCADO E SUAS INTERFACES NO LAGO DE ITAIPU E NA COLÔNIA Z11. Graziele Ferreira Mestre em geografia - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE RONDA ALTA

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE RONDA ALTA TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011 Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna Dezembro de 2011 Consultas realizadas pelo Programa Peixe Vivo Foram realizadas várias consultas, no 2º semestre de 2007, à comunidade científica,

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO CARTA-CONSULTA ANEXO II AO DECRETO 4744 PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS I A EMPRESA 1.1. Caracterização e Outras Informações Razão social:

Leia mais

TÍTULO: Validação e Introdução de Tecnologia Apropriada à Produção de Tambaqui (Piscicultura)

TÍTULO: Validação e Introdução de Tecnologia Apropriada à Produção de Tambaqui (Piscicultura) TÍTULO: Validação e Introdução de Tecnologia Apropriada à Produção de Tambaqui (Piscicultura) 1. IDENTIFICAÇÃO: Nome do Programa ao qual pertence: PROTA Data de início: Previsão de duração: Nome do responsável:

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DAS OFICINAS DE PROJETOS

SISTEMATIZAÇÃO DAS OFICINAS DE PROJETOS FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL ConectaDEL - Programa Regional de Formação para o Desenvolvimento Econômico Local com Inclusão Social Brasil SISTEMATIZAÇÃO DAS OFICINAS DE PROJETOS Foz do Iguaçu,

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

Promover o desenvolvimento rural sustentável no Estado de São Paulo, ampliando as oportunidades de emprego e renda, a inclusão social, a preservação

Promover o desenvolvimento rural sustentável no Estado de São Paulo, ampliando as oportunidades de emprego e renda, a inclusão social, a preservação GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável MicrobaciasII OBJETIVO GERAL Promover o desenvolvimento

Leia mais

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratar consultoria por produto para formular

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins - IFTO

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins - IFTO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins - IFTO Núcleo de Pesquisa Aplicada a Pesca e Aquicultura do Tocantins Núcleo Norte 5 Origem da criação do Núcleo de Pesquisa Termo de Cooperação

Leia mais

PLANO SAFRA DAS ÁGUAS 2010-2011

PLANO SAFRA DAS ÁGUAS 2010-2011 PLANO SAFRA DAS ÁGUAS 2010-2011 1 PLANO SAFRA DAS ÁGUAS - PESCA E AQUICULTURA BRASÍLIA-DF 2010 SUMÁRIO Pag. Apresentação...4 Novidades...5 Linhas de Crédito - Pronaf Pesca e Aquicultura...6 Linhas de Crédito

Leia mais

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA EIXO Macroação ATIVIDADES Compor a equipe técnica com experiências no trabalho de desenvolvimento de comunidade. Identificar

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Sumário Assistência Social Saúde Educação Infraestrutura - Comunicação e Energia Moradia Bolsa Família Bolsa Verde Direitos Culturais A

Leia mais

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010 PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS Propósito da Coopaer Identificar problemas oriundos da Cadeia produtiva leite;

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE SÃO SEPÉ

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE SÃO SEPÉ TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

Projeto Execução Expositores

Projeto Execução Expositores Projeto Execução Expositores Realização: Cooperativa Agropecuária Petrópolis PIA EMATER RS ASCAR Prefeitura Municipal de Nova Petrópolis A ENTIDADE PROMOTORA DO RURALSHOW 2014. COOPERATIVA AGROPECUÁRIA

Leia mais

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa Grupo Temático: Áreas de Proteção Coordenador: Walter Koch Facilitador: Karla Ass.: Ass.: Ass.: Relator:Eloísa Porto Alegre, 06 e 07 de maio de 2006. No. Grupo Temático 58 Áreas de Proteção Rejeitado Proposta

Leia mais

Justificativa da iniciativa

Justificativa da iniciativa Sumário Justificativa da iniciativa O que é o Framework? Apresentação básica de cada ferramenta Quais projetos serão avaliados por meio do Framework? Fluxo de avaliação Expectativas Justificativa da iniciativa

Leia mais

EDITAL 02/2011 TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO

EDITAL 02/2011 TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO EDITAL 02/2011 TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO ENVIO DA PROPOSTA Caixa Postal nº 8575 CEP:.70.312-970 - Brasília-DF Observação: O CANDIDATO DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE INFORMAR NA CAPA DO ENVELOPE

Leia mais

1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática

1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática ANEXO TEMÁTICO 5: Tema Prioritário V - Projetos Comunitários Linha de Ação Temática 5.1 Projetos Comunitários (comunidades tradicionais e povos indígenas) 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA Por meio de um investimento estratégico de até R$314,7 milhões, a BNDESPAR ingressa no capital social da Renova Energia. Parceria de Longo Prazo A

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Plano de Educação Ambiental. 2º Biênio 2014/2016

Plano de Educação Ambiental. 2º Biênio 2014/2016 Plano de Educação Ambiental 2º Biênio 2014/2016 PROJETO JUNTOS PELO AMBIENTE Ações: Levantamento ambiental das áreas a atuar dos municípios envolvidos; Análise e discussão de resultados para os municípios

Leia mais

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária Edital de Seleção de Pontos Fixos de Comercialização Solidária Candidatos para Participar da Rede Brasileira de Comercialização Solidária - Rede Comsol (Edital - Ubee/Ims N. 01/2014) 1. Apresentação A

Leia mais

VISTORIA E AVALIAÇÃO DO IMOVEL

VISTORIA E AVALIAÇÃO DO IMOVEL VISTORIA E AVALIAÇÃO DO IMOVEL 1- IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: Nome do proponente: Imóvel: Município: Presidente da Associação CPF: Tel: Área total do(s) Imóvel(is) a ser adquirida: Nº de Famílias: Tel:

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS

AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS Objetivo Consolidar os resultados positivos alcançados pelas associações rurais, assistidas pela EMATER e dinamizar as suas ações,

Leia mais

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG Área Temática: Meio Ambiente Responsável pelo trabalho: Artur Leonardo Andrade Universidade

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA EM COMUNICAÇÃO - IMAGENS Abril de 2011 DETALHAMENTO DO TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

PqC. Dr. João Donato Scorvo Filho MsC. Célia Maria Dória Frascá-Scorvo

PqC. Dr. João Donato Scorvo Filho MsC. Célia Maria Dória Frascá-Scorvo Viabilidade Econômica da Piscicultura. Piscicultura. PqC. Dr. João Donato Scorvo Filho MsC. Célia Maria Dória Frascá-Scorvo A novo agronegócio no Brasil O novo agronegócio exige profissionalização do produtor

Leia mais

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA-

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Índice Sobre o diagnóstico Aspectos sociais e produtivos Aspectos econômicos e mercadológicos Mercado consumidor Análise estratégica Sobre o diagnóstico

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Reserva Extrativista Chico Mendes Termo de Referência 2013.0729.00042-4 1 - Identificação Contratação de Serviço Pessoa

Leia mais

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.2 Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já realizadas... 2 2. Justificativa... 6 3. Objetivos... 8 4. Área de abrangência...

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI)

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI) DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI) Área Temática: Trabalho Responsável pelo trabalho: H. H. COUTINHO Instituição:

Leia mais

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 Histórico Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 ALTERADA PELA IN MPA Nº 16/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre o Registro e a Licença de Aquicultor, para o Registro Geral da Atividade Pesqueira - RGP. A MINISTRA DE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Coordenação de Agroecologia / PROBIO II.

TERMO DE REFERÊNCIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Coordenação de Agroecologia / PROBIO II. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PROJETO NACIONAL DE AÇÕES INTEGRADAS PUBLICO-PRIVADAS PARA BIODIVERSIDADE PROBIO II FUNDO NACIONAL PARA O MEIO AMBIENTE (Global Environmental Facility

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS NA PLANTA E/OU EM CONSTRUÇÃO - RECURSOS FGTS PROGRAMA DE SUBSÍDIO À HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PSH

TERMO DE REFERÊNCIA FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS NA PLANTA E/OU EM CONSTRUÇÃO - RECURSOS FGTS PROGRAMA DE SUBSÍDIO À HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PSH Informações sobre o Programa de Financiamento de Imóveis na Planta e/ou em Construção Recursos FGTS - PSH 1 O Programa O Programa acima foi instituído por intermédio da Medida Provisória 2212 de 30 / 0

Leia mais

O projeto visa dar continuidade ao experimento conhecido como Área Fechada de Tamandaré para avaliar a eficiência da implantação e monitoramento de

O projeto visa dar continuidade ao experimento conhecido como Área Fechada de Tamandaré para avaliar a eficiência da implantação e monitoramento de CONTINUIDADE DO EXPERIMENTO E MONITORAMENTO DA EFICÁCIA DA ÁREA FECHADA DE TAMANDARÉ COMO REFERÊNCIA METODOLÓGICA PARA AS ZONAS DE PRESERVAÇÃO DA VIDA MARINHA DA APA COSTA DOS CORAIS UFPE O projeto visa

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MARCO LEGAL Diálogo do Governo Federal com Sociedade Civil (Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis MNCR). Código Brasileiro de Ocupações - 2002 Reconhecimento a Categoria profissional

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ambientais e sociedade em geral dos municípios, e entre estes e a realidade da gestão ambiental local e regional.

ambientais e sociedade em geral dos municípios, e entre estes e a realidade da gestão ambiental local e regional. TR Nº TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE PESSOA JURÍDICA PARA CRIAÇÃO E PRODUÇÃO DE VÍDEO INSTITUCIONAL EDUCATIVO SOBRE OS CONCEITOS, A LEGISLAÇÃO, OS PROCEDIMENTOS E AS METODOLOGIAS

Leia mais

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Edição1 2014 Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Piscicultores e técnicos da região central do Tocantins se reuniram no dia 24 de julho de

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ GASODÁ SURUI TURISMOLOGO E COORDENADOR DE CULTURA PAITER NA ASSOCIAÇÃO METAREILA DO POVO INDIGENA SURUI.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas

TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas 1. APRESENTAÇÃO A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos que

Leia mais

Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte de São Paulo;

Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte de São Paulo; CENTRO CULTURAL SÃO SEBASTIÃO TEM ALMA DESDE 1989 VALORIZANDO A CULTURA CAIÇARA E O MEIO AMBIENTE Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte

Leia mais