SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA GRUPO DE ESTUDOS CRONOGRAMA II ORIENTAÇÕES GERAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA GRUPO DE ESTUDOS - 2009 CRONOGRAMA II ORIENTAÇÕES GERAIS"

Transcrição

1 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA GRUPO DE ESTUDOS CRONOGRAMA II ORIENTAÇÕES GERAIS Grupo de Estudo Salas de Apoio à Aprendizagem- Matemática Prezado (a) Professor(a): O Grupo de Estudo é uma modalidade de formação continuada que ao ser ofertado para a discussão do Programa Salas de Apoio à Aprendizagem pode envolver professores, Diretores e Equipes Pedagógicas das escolas. A formação desses Grupos de Estudo busca reafirmar os objetivos das Salas de Apoio e promover discussões sobre os encaminhamentos metodológicos necessários para que os alunos das 5ª séries que apresentam dificuldades de aprendizagem possam superá-las e acompanhar seus colegas do turno regular, diminuindo assim a repetência e melhorando a qualidade da educação ofertada pela rede pública. Desse modo, ofertamos este Grupo de Estudo, para que a discussão de textos sobre as dificuldades de aprendizagem e a metodologia de ensino da Matemática, bem como a troca de experiências entre professores que atuam nas Salas de Apoio, professores do ensino regular, pedagogos e diretores, propicie o aprimoramento da prática docente e contribua para o aprendizado e promoção dos alunos que frequentam estas salas. Este grupo de estudo foi organizado em seis encontros. Para cada encontro os participantes receberão um texto que servirá de base para as discussões do grupo e para a realização da respectiva atividade. É imprescindível que cada participante faça a leitura antecipada do texto para haver mais tempo para as discussões, troca de experiências e realização das atividades. As atividades contribuirão para a fundamentação da produção das atividades relacionadas às práticas didáticas/pedagógicas para o ensino de matemática(encaminhamentos metodológicos, avaliação) que contemplem os Conteúdos Estruturante: Números e Álgebra, Grandezas e Medidas, Geometrias e Tratamento da Informação. Do primeiro ao quinto encontro haverá textos a serem discutidos e atividades de sistematização dessas discussões, de acordo com as orientações específicas para cada encontro. No sexto encontro, além de um texto para discussão o grupo deverá gravar em um CD todas as atividades dos encontros e enviar ao Coordenador do Programa Salas de Apoio à Aprendizagem de Matemática no NRE (Núcleo Regional de Educação). O objetivo dessa solicitação é coletarmos atividades adequadas às especificidades das Salas de Apoio, para posteriormente socializarmos essas atividades com todos os profissionais da educação do Paraná, seja por meio impresso ou virtual (página do Programa no Portal Educacional Dia-a-dia Educação).

2 1º Encontro Texto: WEISZ, Telma. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. 2ª ed. São Paulo: Atica, 2006, p Durante a leitura coletiva, pedimos que levem em consideração os apontamentos abaixo: O conhecimento prévio do educando, necessário para a construção de outros conhecimentos; A realização da avaliação diagnóstica dos alunos que serão encaminhados às Salas de Apoio; A importância de se distinguir situações de aprendizagem e situações de avaliação; As semelhanças do tema apresentado pelo texto com o Programa Salas de Apoio à Aprendizagem. Ao final da leitura, o grupo deve responder às seguintes questões: Questões: 1- Sabendo que temos legislações nacionais (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n 9394/96) que amparam a educação nacional, bem como documentos produzidos pelo Ministério da Educação e Cultura, dentre outros, que deixaram e que produzem marcas no contexto nacional. Discuta o texto em evidencia e sintetize como esse material pode ser utilizado à luz das Diretrizes Curriculares do Estado para a disciplina de Matemática considerando a especificidade da Salas de Apoio à Aprendizagem. 2- Pensando no cotidiano das salas de aula, nos alunos com que nos deparamos, com níveis de aprendizagens diferenciados e considerando os encaminhamentos pontuados no texto, quais são relevantes para o trabalho com a sala de apoio? Justifiquem. 3- É fundamental o comprometimento do coletivo escolar para o processo de diagnostico e acompanhamento dos alunos que frequentam as Salas de Apoio à Aprendizagem. Como vocês acreditam ser adequada e efetiva a participação do coletivo escolar na organização e acompanhamento às essa salas? 4- Discorram a respeito de como deve ser realizado o trabalho pedagógico nas Salas de Apoio à Aprendizagem, quanto as metodologias e como se dá o processo avaliativo nesse percurso tanto para o professor, quanto para o aluno. 2º Encontro Texto: PARRA,C. Didática da Matemática: Reflexões Psicopedagógicas. Porto Alegre: Artes Médicas, Durante a leitura do texto, atentem para as questões da autora: 1. Qual é o sentido da divisão, ou seja, que significado atribuem os alunos a este conceito? 2. Como funciona a divisão? Como se relaciona com a multiplicação, a soma e a subtração? 3. Que outras propriedades a caracterizam e as vezes a distinguem das outras operações? 4. Qual a importância do processo histórico da construção do algoritmo da divisão? 5. Como analisar as produções dos alunos? 6. Considerando a prática em Salas de Apoio à Aprendizagem, em que medida o grupo entende que as questões da autora expostas acima são pertinentes para que o professor reflita a respeito das dificuldades que os alunos apresentam para a aprendizagem da divisão?

3 uma atividade metodológica que contemple o Conteúdo Estruturante: Números e Álgebra. IMPORTANTE : Lembre que a atividade produzida é uma sugestão que poderá a vir a ser utilizada por outros professores e adequada às necessidades dos alunos que freqüentam as Salas de Apoio. O grupo pode orientar-se pesquisando as sugestões do Caderno de Orientações Pedagógicas de Matemática elaborado pela Secretaria de Estado da Educação. 3º Encontro Texto: PIRES, C.M.C.; MANSUTTI, M. A. Idéias Matemáticas: a construção a partir do cotidiano. In: CENPEC. Oficinas de Matemática e de leitura e de escrita: Escola comprometida com a qualidade. 3ed. São Paulo: Summus, 2002, p Durante a leitura do texto, atentem para as seguintes considerações das autoras: 1. Para viver em sociedade, alguns conhecimentos matemáticos são fundamentais. Saber contar, calcular, medir, estabelecer relações proporcionais, reconhecer formas, ler, gráficos e tabelas, ou mesmo compreender os mecanismos financeiros é tão essencial quanto saber ler, escrever, localizar-se no tempo e no espaço, desenvolver noções de higiene que levem a preservação da saúde, entre outros.(pires & MANSUTTI, 2002, p. 104). 2. No ensino da Matemática, uma prática comum consiste em ensinar respostaspadronizadas, onde os conteúdos aparecem descontextualizados e totalmente desprovidos de significado para os alunos. (PIRES & MANSUTTI, 2002, p ). 3. Considerando a prática em Salas de Apoio à Aprendizagem, em que medida o grupo entende que as questões da autora expostas acima são pertinentes para que o professor reflita a respeito do uso da Tendência de Resolução de Problemas? uma atividade metodológica que contemple o Conteúdo Estruturante: Tratamento da Informação. 4º Encontro Nesse encontro vamos discutir questões relativas ao ensino de Geometria e como os conteúdos estão efetivamente sendo ensinados. Texto: PIRES, C.M.C.; MANSUTTI, M. A. Idéias Matemáticas: a construção a partir do cotidiano. In: CENPEC. Oficinas de Matemática e de leitura e de escrita:

4 Escola comprometida com a qualidade. 3ed. São Paulo:Summus, 2002, p Durante a leitura do texto, atentem para as seguintes questões: Alunos que freqüentam as Salas de Apoio apresentam defasagem de aprendizagem reveladas pelas autoras de perceber o espaço, visualizar, reconhecer formas, representá-las através de desenhos, construí-las, identificar propriedades e, construir definições e de abstrações. De que forma o relato de experiências apresentadas contribuirão para a superação dessas dificuldades? Pensando no conteúdo estruturante de Geometrias, que procedimentos podemos adotar para propor temas significativos para o aluno? Considerando a prática em Salas de Apoio à Aprendizagem, em que medida o grupo entende que as questões da autora expostas acima são pertinentes para que o professor reflita sobre a importância de ensinar geometria? uma atividade metodológica que contemple o Conteúdo Estruturante: Geometrias. 5º Encontro Nesse encontro vamos discutir questões referentes à possibilidade de articulação entre os Conteúdos Estruturantes de Tratamento da Informação e Grandezas e Medidas. Texto: CURI, E. Conhecimentos prévios de alunos de uma quarta série: Uma contribuição para o trabalho com o tratamento da informação. Revista da Sociedade Brasileira de Educação Matemática SBEM. São Paulo, a. 10, nº 15. dez., 2007 De que o modo o grupo entende que o relato de experiência da professora contribuirá para o trabalho desenvolvido nas Salas de Apoio à Aprendizagem? uma atividade metodológica que contemple o Conteúdo Estruturante: Grandezas e Medidas. Recursos; Referência. 6º Encontro Nesse encontro vamos discutir questões relativas ao trabalho com a metodologia do uso dos jogos nas Salas de Apoio.a partir da leitura do texto. Texto: RICETTI, V.P. Jogos em grupo para a educação infantil. Revista da Sociedade Brasileira de Educação Matemática SBEM. São Paulo, a. 8, nº 11, dez., 2001 Durante essa discussão coletiva, pedimos que levem em consideração os apontamentos abaixo:

5 1. As crianças interagem com os outros, tomam decisões juntas e com isso aprendem a resolver conflitos; 2. Os próprios jogadores decidem se a resposta está correta ou incorreta e supervisionam umas às outras; 3. Enquanto que apenas em exercícios as crianças dão respostas mecanicamente, os jogos podem ser utilizados em muitos níveis e de várias formas; 4. O jogo possibilita as trocas que desafiam o raciocínio dos alunos no processo de construção do conhecimento; 5. A intervenção do professor é importante para propiciar aos alunos uma reflexão sobre as suas próprias ações, o que permitirá, por sua vez, avanço na compreensão. Para finalizar nossa caminhada de estudos deste ano, o grupo deverá elaborar um texto avaliando este Grupo de Estudos. Esta avaliação, contendo as críticas e sugestões de todos os participantes, tem por finalidade fornecer parâmetros para que o Departamento de Educação Básica da Secretaria de Estado da Educação organize o Grupo de Estudos do próximo ano. Lembramos que essa avaliação, juntamente com as respostas das questões do primeiro encontro e as quatro atividades produzidas nos últimos encontros, devem ser gravadas em um CD, o qual deve ser entregue imediatamente pelo Coordenador do Grupo de Estudos ao Coordenador do Programa Salas de Apoio à Aprendizagem de Matemática do NRE (Núcleo Regional de Educação). Para fins de padronização, pedimos que os arquivos salvos no CD tenham os seguintes nomes: encontro_1, encontro_2, encontro_3, encontro_4, encontro_5 e avaliação do GE. Bom trabalho, até o próximo Grupo de Estudos! Equipe de Matemática -DEB / SEED

Reforço em Matemática. Professora Daniela Eliza Freitas. Disciplina: Matemática

Reforço em Matemática. Professora Daniela Eliza Freitas. Disciplina: Matemática Reforço em Matemática Professora Daniela Eliza Freitas Disciplina: Matemática PROPOSTA PEDAGÓGICA Justificativa: Existe um grande número de alunos que chegam no ensino médio sem saberem a matemática básica

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Justificativa. Considerando a necessidade da organização, coordenação e implementação de uma melhor qualidade no processo ensino e aprendizagem se faz necessário o trabalho

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE)

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) Núcleo de Apoio à Prática Profissional das Licenciaturas CURSOS DE LICENCIATURAS PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Atualizado em 17 jun 2016 5º. PERÍODO 4º. PERÍODO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - EQUIPE PEDAGÓGICA

PLANO DE AÇÃO - EQUIPE PEDAGÓGICA PLANO DE AÇÃO - EQUIPE PEDAGÓGICA JUSTIFICATIVA O ato de planejar faz parte da história do ser humano, pois o desejo de transformar sonhos em realidade objetiva é uma preocupação marcante de toda pessoa.

Leia mais

Professores Regentes: Angela Aparecida Bernegozze Marlei Aparecida Lazarin Asoni Marlene Antonia de Araujo

Professores Regentes: Angela Aparecida Bernegozze Marlei Aparecida Lazarin Asoni Marlene Antonia de Araujo 4 1. IDENTIFICAÇÃO Título do Projeto: Trabalhando a tabuada através de jogos on-line Público Alvo: Alunos do 3º e 5º do Ensino Fundamental Turno: Matutino Disciplinas Envolvidas: Matemática Professores

Leia mais

EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais. Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR

EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais. Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR EDUCAÇÃO prática social NÃO-ESCOLAR - fábrica - igreja - mídia - partido político - ONGs -

Leia mais

Programa de Matemática 2º ano

Programa de Matemática 2º ano Programa de Matemática 2º ano Introdução: A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL. Silvia Helena Vieira Cruz

A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL. Silvia Helena Vieira Cruz A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia Helena Vieira Cruz INTRODUÇÃO Os ganhos decorrentes das experiências vividas pelas crianças em creches e pré-escolas dependem diretamente

Leia mais

O currículo do Ensino Religioso: formação do ser humano a partir da diversidade cultural

O currículo do Ensino Religioso: formação do ser humano a partir da diversidade cultural O currículo do Ensino Religioso: formação do ser humano a partir da diversidade cultural Prof. Ms. Henri Luiz Fuchs Pedagogo e teólogo. Professor no Centro Universitário La Salle, Canoas, RS. Integrante

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2014

PLANEJAMENTO ANUAL 2014 PLANEJAMENTO ANUAL 2014 Disciplina: ENSINO RELIGIOSO Período: Anual Professor: MARIA LÚCIA DA SILVA Série e segmento: 7º ANO 1º TRIMESTRE 2º TRIMESTRE 3º TRIMESTRE * conhecer os elementos básicos que compõe

Leia mais

Alfabetização matemática e direitos de aprendizagem no 1º ciclo. Luciana Tenuta lutenuta@gmail.com

Alfabetização matemática e direitos de aprendizagem no 1º ciclo. Luciana Tenuta lutenuta@gmail.com Alfabetização matemática e direitos de aprendizagem no 1º ciclo Luciana Tenuta lutenuta@gmail.com Direitos de Aprendizagem O artigo 32 da LDB estabelece que é necessário garantir o desenvolvimento da capacidade

Leia mais

Novo Programa de Matemática do Ensino Básico 3º ANO

Novo Programa de Matemática do Ensino Básico 3º ANO Novo Programa de Matemática do Ensino Básico 3º ANO Tema: Geometria Tópico: Orientação Espacial Posição e localização Mapas, plantas e maquetas Propósito principal de ensino: Desenvolver nos alunos o sentido

Leia mais

A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos

A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos Organizadoras: Francisca Izabel Pereira Maciel Mônica Correia Baptista Sara Mourão Monteiro Estrutura da exposição 1. O contexto

Leia mais

Orientações gerais. Apresentação

Orientações gerais. Apresentação Apresentação O professor no Ensino Fundamental anos iniciais é um profissional polivalente e portanto seu campo de atuação é amplo. Seu dever é aproximar o aluno das quatro áreas do conhecimento: Linguagem

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE RONDÔNIA CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DA INFÂNCIA E JUVENTUDE E DA DEFESA DOS USUÁRIOS DOS SERVIÇOS DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE RONDÔNIA CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DA INFÂNCIA E JUVENTUDE E DA DEFESA DOS USUÁRIOS DOS SERVIÇOS DE EDUCAÇÃO "A educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. Se a nossa opção é progressista, se estamos a favor da vida e não da morte, da equidade e não da injustiça, do direito

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUED CURSO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUED CURSO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS Este material foi elaborado como requisito de avaliação final da Oficina de Softwares Educacionais JClic, sob orientação da docente e assessora pedagógica Adriana Regina Perez Rech, da equipe da Coordenação

Leia mais

Geometria Analítica. Geometria Analítica. Geometria Analítica 15/08/2012. Objetivos gerais da disciplina. Prof. Luiz Antonio do Nascimento

Geometria Analítica. Geometria Analítica. Geometria Analítica 15/08/2012. Objetivos gerais da disciplina. Prof. Luiz Antonio do Nascimento Prof. Luiz Antonio do Nascimento Objetivos gerais da disciplina Desenvolver a capacidade lógica para resolução de problemas, e de tomada de decisões. Fornecer as noções básicas de Geometria Analítica.

Leia mais

SALA DE APOIO À APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS PARA OS 6ºS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ESPAÇO COMPLEMENTAR DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

SALA DE APOIO À APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS PARA OS 6ºS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ESPAÇO COMPLEMENTAR DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS 01. O que são os Parâmetros Curriculares Nacionais? (A) Um documento com leis educacionais. (B) Um livro didático para ser aplicado em sala. (C) Um referencial para

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO EM MATEMÁTICA Manual do Professor Módulo 3 Números Inteiros e Racionais Negativos

PROJETO DE RECUPERAÇÃO EM MATEMÁTICA Manual do Professor Módulo 3 Números Inteiros e Racionais Negativos PROJETO DE RECUPERAÇÃO EM MATEMÁTICA Manual do Professor Módulo 3 Números Inteiros e Racionais Negativos Prezado(a) Professor(a) Este manual de orientações tem a finalidade de sugerir um planejamento das

Leia mais

CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Versão final MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA UNOESC CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Art. 1º O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 3-CEPE/UNICENTRO, DE 5 DE JANEIRO DE 2011. Aprova o Curso de Especialização em Educação e Diversidade, modalidade regular, a ser ministrado no Campus de Irati, da UNICENTRO. O VICE-REITOR,

Leia mais

para esta temática que envolvem o enfrentamento ao trabalho infantil tais como o Projeto Escola que Protege.

para esta temática que envolvem o enfrentamento ao trabalho infantil tais como o Projeto Escola que Protege. A Coordenação Geral de Direitos Humanos DEIDHUC/SECAD/MEC tem como uma de suas atribuições fomentar ações de promoção e defesa dos direitos de crianças e adolescentes. Nesse sentido, considerando a escola

Leia mais

ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA

ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO ORGANOGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ARTICULAÇÃO PARA O TRIÉNIO 2010-13 MARÇO 2013 ORGANOGRAMA DE DESENV. DA ARTICULAÇÃO 2010-2013 ARTICULAÇÃO 2010/11 2011/12 2012/13

Leia mais

Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019

Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019 Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019 Introdução O Plano de Melhoria do Agrupamento de Escola Gaia Nascente para o quadriénio 2015 2019 tem como objetivo a consolidação e/ou mudança de algumas práticas.

Leia mais

NOVOS DEBATES SOBRE A BASE NACIONAL COMUM: Desafios, perspectiva, expectativas. Suely Melo de Castro Menezes

NOVOS DEBATES SOBRE A BASE NACIONAL COMUM: Desafios, perspectiva, expectativas. Suely Melo de Castro Menezes NOVOS DEBATES SOBRE A BASE NACIONAL COMUM: Desafios, perspectiva, expectativas. Suely Melo de Castro Menezes Construção da Política Nacional Curricular MOMENTO ATUAL O MEC, em articulação com os entes

Leia mais

Brincando com operações de adição e subtração; unidade, dezena e centena; horas; números pares e ímpares e sequência numérica

Brincando com operações de adição e subtração; unidade, dezena e centena; horas; números pares e ímpares e sequência numérica PPGECE Brincando com operações de adição e subtração; unidade, dezena e centena; horas; números pares e ímpares e sequência numérica Contextualização Maria Madalena Dullius Adriana Belmonte Bergmann Fernanda

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL LUIZ AUGUSTO MORAS REGO- ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL - PTD

COLÉGIO ESTADUAL LUIZ AUGUSTO MORAS REGO- ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL - PTD COLÉGIO ESTADUAL LUIZ AUGUSTO MORAS REGO- ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL - PTD Professor (a):_diana Maria Hoffmann Disciplina: Física 3C Ano: 2015 Bimestre: 1º ESTRUTURANTE: ELETROMAGNETISMO

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA Este documento contempla as linhas gerais de orientação, para uniformização

Leia mais

Natureza do Serviço Modalidade / N de vagas Localidade de Trabalho

Natureza do Serviço Modalidade / N de vagas Localidade de Trabalho MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) N.º e Título do Projeto OEI/ BRA/ 10/ 001 Fortalecimento da Capacidade Institucional da Diretoria

Leia mais

INTEGRAR ESCOLA E MATEMÁTICA

INTEGRAR ESCOLA E MATEMÁTICA INTEGRAR ESCOLA E MATEMÁTICA BONFIM, Isabela Prado 1 NETTO, Geisson Fernandes 2 SILVA, Élida Alves da 3 CUNHA, Juliana Bernardes Borges da 4 PALAVRAS-CHAVE: Educação, Matemática, Oficinas, Laboratório.

Leia mais

Boas situações de Aprendizagens. Atividades. Livro Didático. Currículo oficial de São Paulo

Boas situações de Aprendizagens. Atividades. Livro Didático. Currículo oficial de São Paulo Atividades Boas situações de Aprendizagens Livro Didático Currículo oficial de São Paulo LÓGICA NUMA CONCEPÇÃO QUE SE APOIA EXCLUSIVAMENTE EM CONTEÚDOS E ATIVIDADES Enfoque fragmentado, centrado na transmissão

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Extensão Esterina Placco Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica

Leia mais

Deve ainda ser tido em consideração o Despacho Normativo n.º 24-A/2012, de 6 de dezembro, bem como o Despacho n.º 15971/2012, de 14 de dezembro..

Deve ainda ser tido em consideração o Despacho Normativo n.º 24-A/2012, de 6 de dezembro, bem como o Despacho n.º 15971/2012, de 14 de dezembro.. PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Físico-Química 9º Ano de Escolaridade Prova 11 / 1ª Fase Duração da Prova: 90 minutos. Informações da prova INTRODUÇÃO

Leia mais

CURRICULUM WEB PARA O LETRAMENTO DIGITAL NA EDUCAÇÃO UNIVERSITÁRIA: EM BUSCA DE NOVOS DOMÍNIOS E NOVOS PÚBLICOS ATRAVÉS DA EAD.

CURRICULUM WEB PARA O LETRAMENTO DIGITAL NA EDUCAÇÃO UNIVERSITÁRIA: EM BUSCA DE NOVOS DOMÍNIOS E NOVOS PÚBLICOS ATRAVÉS DA EAD. 1 CURRICULUM WEB PARA O LETRAMENTO DIGITAL NA EDUCAÇÃO UNIVERSITÁRIA: EM BUSCA DE NOVOS DOMÍNIOS E NOVOS PÚBLICOS ATRAVÉS DA EAD Maio de 2007 Eveline Katia de Souza Pontual Cavalcante Universidade Santa

Leia mais

DIRETRIZES PARA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

DIRETRIZES PARA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DIRETRIZES PARA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO INTRODUÇÃO O curso de Engenharia de Produção da Escola Superior de Tecnologia e Educação de

Leia mais

NÚMEROS, ÁLGEBRA E FUNÇÕES

NÚMEROS, ÁLGEBRA E FUNÇÕES Colégio Estadual Senador Attílio Fontana - Ensino Fundamental, Médio e Profissionalizante Plano Trabalho Docente 2014 Professora: Silvia Cella Finger Disciplina: Matemática Ano:1º C 1º BIMESTRE NÚMEROS,

Leia mais

Objetivo. tica 3º ano EM. Oficina de Matemática

Objetivo. tica 3º ano EM. Oficina de Matemática Oficina de Matemática tica 3º ano EM Objetivo Análise, interpretação e utilização dos resultados do SAEPE para promoção da equidade e melhoria da qualidade da educação dos estudantes pernambucanos. Prof

Leia mais

FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO. Número de aulas semanais 1ª 2. Apresentação da Disciplina

FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO. Número de aulas semanais 1ª 2. Apresentação da Disciplina FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Série Número de aulas semanais 1ª 2 Apresentação da Disciplina Uma das principais características que distinguem o ser humano das outras espécies animais é a sua capacidade

Leia mais

A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A PRÁTICA DA PESQUISA COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA ATRAVÉS DA EXTENSÃO

A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A PRÁTICA DA PESQUISA COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA ATRAVÉS DA EXTENSÃO A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A PRÁTICA DA PESQUISA COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA ATRAVÉS DA EXTENSÃO Área Temática: Educação Palavras- Chave: EaD, Extensão, Formação Continuada, Pesquisa.

Leia mais

Possibilidades da EAD na formação continuada de professores centrada no protagonismo docente. Janeiro, 2014

Possibilidades da EAD na formação continuada de professores centrada no protagonismo docente. Janeiro, 2014 Possibilidades da EAD na formação continuada de professores centrada no protagonismo docente Janeiro, 2014 Questão Central Que possibilidades a EAD fornece para o aperfeiçoamento das ações de formação

Leia mais

Recomendada com Ressalvas

Recomendada com Ressalvas MATEMÁTICA Coleção Vitória- Régia - Matemática Maria de Lourdes A. da Cruz Beatriz Alpendre da Silva Editora IBEP Recomendada com Ressalvas Por quê? A coleção apresenta os eixos temáticos habitualmente

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1º semestre

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1º semestre Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Técnico em Eventos FORMA/GRAU:( )integrado ( X )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

ESCOLA EMEF PROFª MARIA MARGARIDA ZAMBON BENINI PIBID. 16/04/2014 e 22/04/2014. Bolsistas: Mévelin Maus, Milena Poloni Pergher e Odair José Sebulsqui.

ESCOLA EMEF PROFª MARIA MARGARIDA ZAMBON BENINI PIBID. 16/04/2014 e 22/04/2014. Bolsistas: Mévelin Maus, Milena Poloni Pergher e Odair José Sebulsqui. ESCOLA EMEF PROFª MARIA MARGARIDA ZAMBON BENINI PIBID 16/04/2014 e 22/04/2014 Bolsistas: Mévelin Maus, Milena Poloni Pergher e Odair José Sebulsqui. Supervisora: Marlete Basso Roman Disciplina: Matemática

Leia mais

A Brink Mobil Tecnologia Educacional atua no cenário educativo há mais de trinta anos, sempre comprometida com o desenvolvimento da educação no país.

A Brink Mobil Tecnologia Educacional atua no cenário educativo há mais de trinta anos, sempre comprometida com o desenvolvimento da educação no país. Projeto Pedagógico A Brink Mobil Tecnologia Educacional atua no cenário educativo há mais de trinta anos, sempre comprometida com o desenvolvimento da educação no país. Destaca-se no âmbito da tecnologia,

Leia mais

Novembro. Áreas Curriculares. Propostas de Operacionalização

Novembro. Áreas Curriculares. Propostas de Operacionalização Áreas Curriculares Conteúdos Novembro Propostas de Operacionalização Língua Portuguesa Compreensão Oral Expressão Oral Leitura Escrita Conhecimento Explícito da língua Ler textos de diferentes tipos; Responder

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Educação. Ações de formação e supervisão de estágios na área de educação especial

Universidade de São Paulo Faculdade de Educação. Ações de formação e supervisão de estágios na área de educação especial Universidade de São Paulo Faculdade de Educação Ações de formação e supervisão de estágios na área de educação especial Docentes da área: Carla Biancha Angelucci Cássia Geciauskas Sofiato Karina Soledad

Leia mais

1ª Reunião de trabalho 6º Anos. Encontro com Professores Coordenadores DERMGC

1ª Reunião de trabalho 6º Anos. Encontro com Professores Coordenadores DERMGC 1ª Reunião de trabalho 6º Anos Encontro com Professores Coordenadores DERMGC LEITURA INICIAL Cuecas I. Antônio Prata PAUTA OBJETIVOS: Apresentar a caracterização dos alunos do ciclo intermediário e refletir

Leia mais

GERÊNCIA DE ENSINO Coordenação do Curso de Licenciatura em Letras Português/Inglês CONCURSO DO PROJETO DE INTERVENÇÃO PPP III CIRCUITO 9

GERÊNCIA DE ENSINO Coordenação do Curso de Licenciatura em Letras Português/Inglês CONCURSO DO PROJETO DE INTERVENÇÃO PPP III CIRCUITO 9 GERÊNCIA DE ENSINO Coordenação do Curso de Licenciatura em Letras Português/Inglês CONCURSO DO PROJETO DE INTERVENÇÃO PPP III CIRCUITO 9 SALVADOR - BAHIA - BRASIL 2009 CONCURSO PARA ESCOLHA DO MELHOR PROJETO

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ANASTÁCIA KRUK - ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO

COLÉGIO ESTADUAL ANASTÁCIA KRUK - ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO COLÉGIO ESTADUAL ANASTÁCIA KRUK - ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO PLANO DE TRABALHO DOCENTE PTD E PLANEJAMENTO 2011 DISCIPLINA: MATEMÁTICA PROFESSOR EVANDRO ORTIZ DA SILVA PLANO DE TRABALHO DOCENTE PTD 2011 PROFESSOR:

Leia mais

OFICINA: APROXIMAÇÕES NO CÁLCULO DE ÁREAS AUTORES: ANA PAULA PEREIRA E JULIANA DE MELO PEREIRA

OFICINA: APROXIMAÇÕES NO CÁLCULO DE ÁREAS AUTORES: ANA PAULA PEREIRA E JULIANA DE MELO PEREIRA OFICINA: APROXIMAÇÕES NO CÁLCULO DE ÁREAS AUTORES: ANA PAULA PEREIRA E JULIANA DE MELO PEREIRA Resumo: O Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências Naturais e Matemática tem em seu currículo o componente

Leia mais

Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando

Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando a improvisação e a rotina. Explicitar princípios, diretrizes

Leia mais

Professores colaboradores: Claudemir, David Cardoso Siqueira, Edilson Araujo do Nascimento, Emerson, Glaucia, Luciene Maria da Silva Oliveira

Professores colaboradores: Claudemir, David Cardoso Siqueira, Edilson Araujo do Nascimento, Emerson, Glaucia, Luciene Maria da Silva Oliveira 1. NOME OU TÍTULO DO PROJETO: Conhecendo minha cidade 2. DADOS DE IDENTIFICAÇAO Área ou Disciplina de Origem: Matemática Professor coordenador: Professores colaboradores: Claudemir, David Cardoso Siqueira,

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Introdução à Engenharia Civil Código: ENGCIV- 000 CH Total: 30 Pré-requisito: -----

Leia mais

PROJETO CULTURA DIGITAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL

PROJETO CULTURA DIGITAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL PROJETO CULTURA DIGITAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL Apresentação Objetivo Geral e Justificativa Objetivos Específicos Resultados Metodologia Operacionalização Formas de investimento Orçamento Contrapartidas Apresentação

Leia mais

INVESTIGANDO OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DAS SÉRIES FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DA REDE PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ

INVESTIGANDO OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DAS SÉRIES FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DA REDE PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ INVESTIGANDO OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DAS SÉRIES FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DA REDE PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ Marlisa Bernardi de Almeida marlisabernardi@yahoo.com.br

Leia mais

SOFTWARE PARA O ENSINO DE POLINÔMIO

SOFTWARE PARA O ENSINO DE POLINÔMIO SOFTWARE PARA O ENSINO DE POLINÔMIO Fábio José da Costa Alves fjcalves@yahoo.com.br Lainy Bezerra Moraes moraeslb@hotmail.com Tássia Cristina da Silva Pinheiro tassia.pinheiro@hotmail.com Resumo: Neste

Leia mais

Nome do autor E-mail para contato Escola Município / Estado Conteúdo Série Relato

Nome do autor E-mail para contato Escola Município / Estado Conteúdo Série Relato Nome do autor: Valmir Pereira dos Santos E-mail para contato: valmirefabio@hotmail.com Escola: Colégio Estadual Professor Jaime Rodrigues Município / Estado: Guaira / Paraná Conteúdo: Sólidos Geométricos

Leia mais

CADASTRO. Quem pode se inscrever para fazer esses cursos? Qualquer professor em exercício da rede pública estadual ou municipal.

CADASTRO. Quem pode se inscrever para fazer esses cursos? Qualquer professor em exercício da rede pública estadual ou municipal. CADASTRO O que é a Plataforma Paulo Freire? A Plataforma Paulo Freire é um sistema desenvolvido pelo Ministério da Educação para que o professor faça sua pré-inscrição em cursos de graduação, especialização,

Leia mais

Compreender os conceitos fundamentais e a terminologia no âmbito da contabilidade de custos;

Compreender os conceitos fundamentais e a terminologia no âmbito da contabilidade de custos; CONTABILIDADE DE CUSTOS APLICADA [13803] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS Visa-se preparar o aluno nas técnicas necessárias à organização de contabilidades internas no contexto da indústria do turismo.

Leia mais

LIVRO DIDÁTICO E SALA DE AULA OFICINA PADRÃO (40H) DE ORIENTAÇÃO PARA O USO CRÍTICO (PORTUGUÊS E MATEMÁTICA)

LIVRO DIDÁTICO E SALA DE AULA OFICINA PADRÃO (40H) DE ORIENTAÇÃO PARA O USO CRÍTICO (PORTUGUÊS E MATEMÁTICA) O LIVRO DIDÁTICO NA SALA DE AULA DO ENSINO FUNDAMENTAL: 5ª A 8ª SÉRIES CLEITON BATISTA DE VASCONCELOS 2 LIVRO DIDÁTICO E SALA DE AULA: ESCOLHA E MODOS DE USAR (PNLD EM AÇÃO) LIVRO DIDÁTICO E SALA DE AULA

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE GEOGRAFIA /2012

PLANO DE ENSINO DE GEOGRAFIA /2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA SUBÁREA DE GEOGRAFIA PLANO DE ENSINO DE GEOGRAFIA /2012 Ensino

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Didática II Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) Compreensão dos conceitos de competências

Leia mais

TRABALHANDO AS RELAÇÕES DO TEOREMA DE PITÁGORAS NO SOFTWARE GEOGEBRA. Palavras-chave: Teorema de Pitágoras; Matemática; Geogebra.

TRABALHANDO AS RELAÇÕES DO TEOREMA DE PITÁGORAS NO SOFTWARE GEOGEBRA. Palavras-chave: Teorema de Pitágoras; Matemática; Geogebra. TRABALHANDO AS RELAÇÕES DO TEOREMA DE PITÁGORAS NO SOFTWARE GEOGEBRA Josislei de Passos Vieira josisleipassos@gmail.com Liliane Martinez Antonow Liliane.martinez@ifsudestemg.edu.br Instituto Federal de

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL DARIO VELOZZO PLANO DE TRABALHO DOCENTE DISCIPLINA: ENSINO RELIGIOSO. 7º ano ENSINO FUNDAMENTAL

COLÉGIO ESTADUAL DARIO VELOZZO PLANO DE TRABALHO DOCENTE DISCIPLINA: ENSINO RELIGIOSO. 7º ano ENSINO FUNDAMENTAL COLÉGIO ESTADUAL DARIO VELOZZO PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2014 DISCIPLINA: ENSINO RELIGIOSO 7º ano ENSINO FUNDAMENTAL PROFESSORA: JUCELAINE AVILA DE OLIVEIRA Professora: Jucelaine Disciplina: Ensino Religioso

Leia mais

NAPE. Núcleo de Apoio PsicoEducativo. Divisão de Assuntos Sociais

NAPE. Núcleo de Apoio PsicoEducativo. Divisão de Assuntos Sociais NAPE Núcleo de Apoio PsicoEducativo Divisão de Assuntos Sociais Missão A missão do NAPE centra-se no combate ao insucesso e abandono escolar com intervenção dirigida preferencialmente aos alunos do pré-escolar

Leia mais

PROJETO PROFESSOR(A) CONSELHEIRO(A)

PROJETO PROFESSOR(A) CONSELHEIRO(A) PROJETO PROFESSOR(A) CONSELHEIRO(A) Responsável: Setor de Coordenação Pedagógica São Luís 2010 PROJETO PROFESSOR(A) CONSELHEIRO(A) 1. APRESENTAÇÃO: A escola é espaço de construção, sistematização, apropriação

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 044/2016

R E S O L U Ç Ã O Nº 044/2016 R E S O L U Ç Ã O Nº 044/2016 Aprova o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso de Administração da Faculdade de Tecnologia La Salle Estrela. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CONSEPE), face

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome Nº 8º Ano Data: Professor: Piero/ Thales Nota: (valor 1,0) 3 o Bimestre a) Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou os conteúdos

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Tramitação 1988 Promulgação da Constituição Federal 1988 a 1991 Início de discussão do projeto Jorge Hage na Câmara

Leia mais

O ENSINO NUMA ABORDAGEM CTS EM ESCOLA PÚBLICA DE GOIÂNIA

O ENSINO NUMA ABORDAGEM CTS EM ESCOLA PÚBLICA DE GOIÂNIA O ENSINO NUMA ABORDAGEM CTS EM ESCOLA PÚBLICA DE GOIÂNIA Rafaella Rodrigues Santos 1 Danielle Regina de Ávila 2 Paulo Vinícius de Carvalho 3 Mirian Pacheco Silva 4 RESUMO: Pensando na formação de sujeitos

Leia mais

PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL) NOME DO LIVRO: O MENINO QUE APRENDEU A VER

PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL) NOME DO LIVRO: O MENINO QUE APRENDEU A VER PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL) Professor (a): JANETE FASSINI ALVES NOME DO LIVRO: O MENINO QUE APRENDEU A VER AUTOR: RUTH ROCHA Competências Objetivo Geral Objetivos específicos Estratégias em Língua Portuguesa

Leia mais

Planejamento de Ensino na. Residência Multiprofissional. em Saúde

Planejamento de Ensino na. Residência Multiprofissional. em Saúde Planejamento de Ensino na Residência Multiprofissional em Saúde PLANEJAMENTO O QUÊ? PARA QUEM? ONDE? QUANDO? POR QUÊ? PARA QUÊ? COMO? COMO OCORREU O PROCESSO? OBJETO CONTEXTUALIZAÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS

Leia mais

5. Objetivo geral (prever a contribuição da disciplina em termos de conhecimento, habilidades e atitudes para a formação do aluno)

5. Objetivo geral (prever a contribuição da disciplina em termos de conhecimento, habilidades e atitudes para a formação do aluno) ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO. O presente plano tem como objetivo estabelecer políticas que contribuam para a democratização e melhoria da escola pública.

PLANO DE AÇÃO. O presente plano tem como objetivo estabelecer políticas que contribuam para a democratização e melhoria da escola pública. PLANO DE AÇÃO Objetivos Gerais: O presente plano tem como objetivo estabelecer políticas que contribuam para a democratização e melhoria da escola pública. Ações Gestão Democrática O gestor deve transmitir

Leia mais

PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA

PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA MANUAL DO PROJETO PEDAGÓGICO PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA LICENCIATURA Ribeirão Pires Missão da FIRP Alcançar a oferta e a prática de uma educação solidária, possibilitando

Leia mais

DISCUTINDO MATEMÁTICA NO CONTEXTO DA INCLUSÃO

DISCUTINDO MATEMÁTICA NO CONTEXTO DA INCLUSÃO DISCUTINDO MATEMÁTICA NO CONTEXTO DA INCLUSÃO Roberta Negrão de Araújo Marília Bazan Blanco João Coelho Neto Universidade Estadual do Norte do Paraná-Campus Cornélio Procópio Flaviane Torres Banaki Colégio

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: 03.117.139/0001-08 FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA - FAISA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: 03.117.139/0001-08 FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA - FAISA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: 03.117.139/0001-08 FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA - FAISA ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA GESTÃO ESCOLAR Ilha Solteira SP 2014

Leia mais

CALENDÁRIO - PED ENSINO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA Grupo 092 - Janeiro/2012

CALENDÁRIO - PED ENSINO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA Grupo 092 - Janeiro/2012 Grupo 85 - CALENDÁRIO - PED ENSINO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA CursoID 422 - GradeID 520 Estrutura do Calendário Antes de utilizar o Calendário do Curso, leia atentamente o Manual do Aluno de EAD para que

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Componente Curricular: APLICATIVOS INFORMATIZADOS NA ENFERMAGEM

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Componente Curricular: APLICATIVOS INFORMATIZADOS NA ENFERMAGEM Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã (SP) Eixo Tecnológico: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

SEGUNDA CIRCULAR PRORROGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES

SEGUNDA CIRCULAR PRORROGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES SEGUNDA CIRCULAR PRORROGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES VII Congresso Internacional de Pesquisa (Auto)biográfica - VII CIPA CUIABÁ/MT 17 a 20 de Julho de 2016 Prezad@s Colegas, A Diretoria da BIOgraph e a Comissão

Leia mais

1º BIMESTRE Encaminhamentos Metodológicos (como?)

1º BIMESTRE Encaminhamentos Metodológicos (como?) NRE - TOLEDO PLANO DE TRABALHO DOCENTE MATEMÁTICA COLÉGIO SENADOR ATILIO FONTANA Ensino Fundamental e Médio SÉRIE: 8º ano B ANO LETIVO: 2014 PROF: TEREZA HENRIQUETTA BENETTI Conjuntos numéricos Números

Leia mais

Construção da Identidade Docente

Construção da Identidade Docente Construção da Identidade Docente Dra. Maria Saleti Ferraz Dias Ferreira saletif@gmail.com O cenário da formação dos professores universitários De quem é a incumbência de formar o professor universitário?

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2014

PLANEJAMENTO ANUAL 2014 PLANEJAMENTO ANUAL 2014 Disciplina: GEOMETRIA Período: Anual Professor: JOÃO MARTINS Série e segmento: 9º ANO 1º TRIMESTRE 2º TRIMESTRE 3º TRIMESTRE vários campos da matemática**r - Reconhecer que razão

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS ALEGRETE PIBID

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS ALEGRETE PIBID PROPOSTA DIDÁTICA 1. Dados de Identificação 1.1 Nome do bolsista: Bianca Bitencourt da Silva 1.2 Público alvo: 8º e 9º anos 1.3 Duração: 2,5 horas 1.4 Conteúdo desenvolvido: Operações com números inteiros

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFRA ESTRUTURA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES FORMA/GRAU:(X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2015 MATRÍCULAS: DE 25 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2015 MATRÍCULAS: DE 25 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2015 MATRÍCULAS: DE 25 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO LÍNGUA ESTRANGEIRA ALEMÃO Prof.ª Luciane Probst Unidade de Ensino I Prédio Pedro Fabro, Sala 303 Unidade

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e comunicação CURSO: Técnico em Informática FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Bases fundamentais. Convenção Relativa à Luta contra a Discriminação no Campo do Ensino

Bases fundamentais. Convenção Relativa à Luta contra a Discriminação no Campo do Ensino Bases fundamentais Lei 10.639/2003 Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana O sucesso das políticas

Leia mais

REPRESENTANTE DE TURMA: DESENVOLVENDO A CIDADANIA

REPRESENTANTE DE TURMA: DESENVOLVENDO A CIDADANIA REPRESENTANTE DE TURMA: DESENVOLVENDO A CIDADANIA "A participação em uma sociedade democrática como membro responsável exige que se produzam mudanças e renovações na organização da escola." Juan Deval

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE C.E. ATTÍLIO FONTANA 1º BIMESTRE JUSTIFICATIVA

PLANO DE TRABALHO DOCENTE C.E. ATTÍLIO FONTANA 1º BIMESTRE JUSTIFICATIVA PLANO DE TRABALHO DOCENTE C.E. ATTÍLIO FONTANA Professora: Andréia Bamberg Vieira Disciplina: Matemática AnO7 H Período: Vespertino 1º BIMESTRE NÚMEROS E ÁLGEBRA - Números Naturais: - A sequência dos números

Leia mais

CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE

CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE Planificação Anual - 2015-2016 Ensino Básico 9º Ano 2º Ano - Atividade Vocacional FOTOGRAFIA DIGITAL MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS Conteúdos Procedimentos

Leia mais

PROJETO NÚCLEO DE ESTUDOS DE ENSINO DA MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR

PROJETO NÚCLEO DE ESTUDOS DE ENSINO DA MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR PROJETO NÚCLEO DE ESTUDOS DE ENSINO DA MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR Márcia Aurélia Stopassoli (Universidade Regional de Blumenau stopa@furb.br) Rosinete Gaertner (Universidade Regional

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Técnico em Eventos FORMA/GRAU:( X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

PROPOSTA CURRICULAR PARA O 2º SEGMENTO Matemática

PROPOSTA CURRICULAR PARA O 2º SEGMENTO Matemática PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/SEÇÃO DE ENSINO NÃO FORMAL CENFOP Centro de Formação Pedagógica PROPOSTA CURRICULAR PARA

Leia mais

AÇÃO: REVISITANDO OS GÊNEROS NARRATIVOS A PARTIR DE PRÁTICAS TEATRAIS

AÇÃO: REVISITANDO OS GÊNEROS NARRATIVOS A PARTIR DE PRÁTICAS TEATRAIS (TURMAS DE 1º E 3º anos/ Duração: 04 aulas) CONTEÚDO: GÊNERO PORTFÓLIO DE REGISTRO DE APRENDIZAGEM Depreender o gênero portfólio de registros de aprendizagem, incluindo seus aspectos funcionais, composicionais

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Prof. Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Componente Curricular: ÉTICA E CIDADANIA ORGANIZACIONAL

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Componente Curricular: ÉTICA E CIDADANIA ORGANIZACIONAL Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM FARMÁCIA QualificaçãoTécnica

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E TRABALHO Parecer nº 036/09 DET /SEED Curitiba, 29 de

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E TRABALHO Parecer nº 036/09 DET /SEED Curitiba, 29 de SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E TRABALHO Parecer nº 036/09 DET /SEED Curitiba, 29 de Janeiro, de 2009. Protocolo: nº 07.328.702-2 Interessado: Colégio

Leia mais

PROJETO PILOTO O uso do Material Dourado como ferramenta para compreender o Sistema de Numeração Decimal-posicional.

PROJETO PILOTO O uso do Material Dourado como ferramenta para compreender o Sistema de Numeração Decimal-posicional. ESCOLA MUNICIPAL JOAQUIM DO RÊGO CAVALCANTI PROJETO PILOTO O uso do Material Dourado como ferramenta para compreender o Sistema de Numeração Decimal-posicional. Ipojuca/2012 O uso do Material Dourado como

Leia mais