Rede de Cuidados Continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade e futuro COORDENAÇÃO NACIONAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rede de Cuidados Continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade e futuro COORDENAÇÃO NACIONAL"

Transcrição

1 Rede de Cuidados Continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade e futuro COORDENAÇÃO NACIONAL

2 ESTRUTURA NACIONAL RNCCI 2

3 REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Saúde Segurança Social Comissão de Coordenação Nacional Equipa de Apoio à Comissão Coordenação Nacional RNCCI 3

4 REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Saúde Segurança Social Cuidados de Saúde Primários Cuidados Hospitalares Administração Regional de Saúde Outra entidades: DGS; ACSS; SPMS;

5 REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Setor Privado Setor Publico Setor Social

6 ATUALIDADE RNCCI 6

7 Nº de Camas EVOLUÇÃO DO NÚMERO TOTAL DE CAMAS DA RNCCI Fonte: ACSS (2016)

8 TOTAL DE CAMAS/TIPOLOGIA E METAS DEFINIDAS Total Unidade de Longa Duração e Manutenção Unidade de Média Duração e Reabilitação Unidade de Convalescença Unidade de Cuidados Paliativos Metas Existentes Fonte: ACSS (2016)

9 EQUIPAS DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS LUGARES EM ECCI VARIAÇÃO Norte % Centro ,40% Lisboa e Vale do Tejo ,00% Alentejo ,00% Algarve ,00% Total ,80% Fonte: ACSS (2016)

10 RNCCI TEM-SE CARACTERIZADO Maior investimento na institucionalização Desenvolvimento escasso de respostas domiciliares Por uma resposta regionalmente assimétrica Pela ausência de respostas na área da Saúde Mental e Pediatria A RNCCI É A MAIS IMPORTANTE REFORMA DO SISTEMA DE SAÚDE FACE ÀS ALTERAÇÕES DEMOGRÁFICAS E EPIDEMIOLÓGICAS

11 FUTURO RNCCI 11

12 Valores pessoais e públicos Consensos definidos pela OMS (WHO, 2003) Papéis e responsabilidades de todos os setores Incremento da literacia Papéis, responsabilidades e direitos dos cuidadores Existência de infraestruturas que permitam a prestação de cuidados continuados integrados Garantir o financiamento da RedeTecnologia atual e futura Investigação, recolha de dados e análise estratégica

13 Recomendações do European Forum for Primary Care para organização de cuidados a idosos Acessíveis na comunidade sem barreiras físicas ou financeiras Centrados na pessoa invés da doença Cuidados que assumem a responsabilidade pela saúde das pessoas na comunidade Compreensivo e de qualidade Reconheçam as pessoas como decisores e parceiros ativos

14 Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados Missão A expansão da capacidade de resposta da RNCCI, privilegiando a domiciliação e as respostas comunitárias e dando prioridade às regiões e às respostas mais carenciadas Visão Uma RNCCI baseada numa abordagem integrada com respostas múltiplas, equitativa e acessível como garante de continuidade de cuidados, promotora de ganhos funcionais e manutenção do bem-estar com qualidade e efetividade. Objetivos Os objetivos e os princípios enunciados no diploma legal que instituiu a RNCCI (Decreto-Lei 101/2006 de 6 de junho).

15 Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados Eixos Estratégicos: Cuidados Integrados prestados no domicilio e ambulatório Resposta da RNCCi (Nº d e camas) em todas as tipologias Modelo de abordagem previsto no DL nº 101/2006 de 6 de junho Integração das TIC Reforçar

16 Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados Eixos Estratégicos: Ambientes de vida assistida Cuidadores informais Governação integrada da Saúde e Apoio Social Incrementar

17 REFORÇO DO MODELO DE ABORDAGEM INTEGRADA GARANTIR QUE AS UNIDADES/EQUIPAS ESTÃO ORGANIZADAS E PRESTAM CUIDADOS EM CONFORMIDADE COM O CONTRATUALIZADO Garantir monitorização e acompanhamento das unidades Reforçar e promover a elaboração e revisão dos PII Introduzir procedimentos e planeamento de altas Avaliar procedimentos chave, como o sistema de registos CORRIGIR, MELHORAR E QUALIFICAR A INTERVENÇÃO DOS VÁRIOS ATORES DA RNCCI Reforçar a divulgação de informação Reforçar a articulação entre os diferentes níveis

18 REFORÇO DOS CCI PRESTADOS NO DOMICÍLIO E EM AMBULATÓRIO CORRIGIR OS PROBLEMAS DETETADOS E UTILIZAR INTEGRALMENTE OS RECURSOS Otimizar os processos de sinalização e referenciação Uniformizar os instrumentos de avaliação da funcionalidade Rever as competências das ECCI e a articulação c/ os CSP PRIORIZAR A DOMICILIAÇÃO E AS RESPOSTAS COMUNITÁRIAS Incrementar a articulação das ECCI c/ S. de Apoio Domiciliário Criar Unidades de Dia e Promoção de Autonomia Criar o Estatuto do Cuidador Informal

19 REFORÇO DA CAPACIDADE DE RESPOSTA DA RNCCI PRIORIZAR O AUMENTO DE VAGAS/LUGARES NAS ÁREAS GEOGRÁFICAS MAIS DEFICITÁRIAS Incrementar o nº de camas e de lugares na região LVT Assinar protocolo MS, MTSSS e SCML para a área dos CCI Publicar os instrumentos legislativos necessários PRIORIZAR AS RESPOSTAS DE CCI EM SAÚDE MENTAL, PEDIATRIA E CUIDADOS PALIATIVOS Criar instrumentos de monitorização - experiências piloto Avaliar os acordos ao abrigo do Despacho Conjunto Incremento da resposta de Cuidados Paliativos

20 REFORÇO DA INVESTIGAÇÃO E INTEGRAÇÃO DE TIC - AMBIENTES DE VIDA ASSISTIDA INCREMENTAR A LIGAÇÃO À Propor protocolos com Universidades, Politécnicos e Centros de Investigação ACADEMIA E ÀS EMPRESAS COM VISTA AO Promover candidaturas conjuntas a financiamentos concursais DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS INOVADORES Criar experiências piloto de Ambientes de Vida Assistida

21 INCREMENTO DA FORMAÇÃO E DA GOVERNAÇÃO INTEGRADA DESENVOLVIMENTO DE UM PLANO DE FORMAÇÃO PARA CUIDADORES Diagnosticar as necessidades de formação da RNCCI Desenvolver plano de formação que promova a articulação entre a RNCCI e as da IES DESENVOLVIMENTO DE CRITÉRIOS DE QUALIDADE NA REDE Desenvolver indicadores de fluxo de publicitação obrigatória Desenvolver pack de indicadores de publicitação obrigatória em todas as unidades da rede DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTRATUALIZAÇÃO EQUITATIVO Desenvolver um sistema de contratualização que considere as necessidades de cuidados e promova os ganhos em saúde

22 OBRIGADO PELA VOSSA ATENÇÃO RNCCI 22

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS SAÚDE MENTAL QUE RESPOSTAS?

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS SAÚDE MENTAL QUE RESPOSTAS? REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS SAÚDE MENTAL QUE RESPOSTAS? Anabela Costa UMCCI Lisboa, 23 de Abril de 2008 1 Conceitos Básicos Continuidade de Cuidados: A sequencialidade das intervenções

Leia mais

O papel do Enfermeiro Especialista em Saúde Comunitária na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados

O papel do Enfermeiro Especialista em Saúde Comunitária na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados O papel do Enfermeiro Especialista em Saúde Comunitária na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados Carlos Pinto Porto, 12 de Novembro de 2015 A Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS NÍVEIS DA REFORMA PRINCÍPIOS GERAIS. Funções de suporte Apoio à Governação Gestão de Recursos

PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS NÍVEIS DA REFORMA PRINCÍPIOS GERAIS. Funções de suporte Apoio à Governação Gestão de Recursos PRINCÍPIOS GERAIS Funções de suporte Apoio à Governação Gestão de Recursos Funções Operacionais 30-03-2006 1 30-03-2006 2 PRINCÍPIOS GERAIS Apoio à Governação (em todos os Ministérios) Serviços de planeamento,

Leia mais

Plano Estratégico e Operacional

Plano Estratégico e Operacional Relançamento da Reforma Cuidados Saúde Primários Plano Estratégico e Operacional Coordenação Nacional Cuidados de Saúde Primários 24 de fevereiro de 2016 RELANÇAR REFORMA A evidência científica a nível

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA. ASSUNTO: Sistema de Classificação de Doentes para ambulatório de Medicina Física e de Reabilitação

CIRCULAR INFORMATIVA. ASSUNTO: Sistema de Classificação de Doentes para ambulatório de Medicina Física e de Reabilitação CIRCULAR INFORMATIVA Nº 21/2014/DPS/ACSS DATA: 17-07-2014 PARA: ARS e ACES ASSUNTO: Sistema de Classificação de Doentes para ambulatório de Medicina Física e de Reabilitação Os Sistemas de Classificação

Leia mais

Eixo IV _ Coesão Territorial e Governação. IV.1. Infraestruturas e Equipamentos Colectivos. Tipologia de Investimento

Eixo IV _ Coesão Territorial e Governação. IV.1. Infraestruturas e Equipamentos Colectivos. Tipologia de Investimento Eixo IV _ Coesão Territorial e Governação IV.. Infraestruturas e Equipamentos Colectivos Tipologia de Investimento Eixo IV IV. Objectivo Consolidar a cobertura regional das infra-estruturas e equipamentos

Leia mais

PLANO ANUAL AUDITORIA. Serviço de. Auditoria Interna. Aprovado na reunião n.º 54/2015 do Conselho de Administração, realizada a 30 de dezembro

PLANO ANUAL AUDITORIA. Serviço de. Auditoria Interna. Aprovado na reunião n.º 54/2015 do Conselho de Administração, realizada a 30 de dezembro PLANO ANUAL DE AUDITORIA Serviço de Auditoria Interna Aprovado na reunião n.º 54/2015 do Conselho de Administração, realizada a 30 de dezembro PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA Introdução O presente Plano

Leia mais

Eixo VI _ Assistência Técnica. VI.1. Gestão Operacional e Monitorização Estratégica

Eixo VI _ Assistência Técnica. VI.1. Gestão Operacional e Monitorização Estratégica _ Assistência Técnica CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N. de Página 1ª 2008.05.15 5 Pág. 1 de 5 Objectivo Assegurar as condições adequadas para a gestão, acompanhamento, avaliação, monitorização

Leia mais

Plano de Desenvolvimento da RNCCI

Plano de Desenvolvimento da RNCCI Plano de Desenvolvimento da RNCCI 2016-2019 Sumário Introdução... 2 Ponto de situação... 7 Referencial para uma política de cuidados continuados integrados... 11 Estatuto do Cuidador... 15 Estratégia de

Leia mais

Relatório de monitorização do desenvolvimento e da actividade

Relatório de monitorização do desenvolvimento e da actividade Relatório de monitorização do desenvolvimento e da actividade da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 2009 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO... 5 2 PLANEAMENTO 2009... 6 2.1 Plano de Implementação

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS EXPERIÊNCIAS PILOTO DA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (RNCCI)

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS EXPERIÊNCIAS PILOTO DA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (RNCCI) RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS EXPERIÊNCIAS PILOTO DA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (RNCCI) 27 de Julho de 2007 INDICE I. APRESENTAÇÃO... 13 II. METODOLOGIA... 17 III.

Leia mais

FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO

FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO iniciativa CENTROS DE EXCELÊNCIA :: iniciativa :: gestão :: financiamento ÍNDICE NOTAS EXPLICATIVAS PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PRÉ-PROJECTO 3 I - INFORMAÇÃO GERAL 5 1.

Leia mais

Velhos Paradigmas Novas Ambições. Como estamos para Onde Vamos?

Velhos Paradigmas Novas Ambições. Como estamos para Onde Vamos? Velhos Paradigmas Novas Ambições Como estamos para Onde Vamos? 27-06-2016 Os nossos antecedentes 1501 1572 1603 1703 1948 1962 1979 Inaugurado o Hospital Real de Todos os Santos (D. Manuel I) Centralizava

Leia mais

Medidas de Acolhimento para a População Idosa. Instituto da Segurança Social, I.P. C.D.S.S - Vila Real 26 Setembro 2008

Medidas de Acolhimento para a População Idosa. Instituto da Segurança Social, I.P. C.D.S.S - Vila Real 26 Setembro 2008 Medidas de Acolhimento para a População Idosa Instituto da Segurança Social, I.P. C.D.S.S - Vila Real 26 Setembro 2008 I Feira Social Novos Trilhos para a Participação Social Rede Social de Peso da Régua

Leia mais

A Política e a Estratégia Nacional do Ar em Portugal

A Política e a Estratégia Nacional do Ar em Portugal A Política e a Estratégia Nacional do Ar em Portugal Qualidade do Ar: um caso de jurisprudência para Portugal Filomena Boavida 19 maio 2015 Regulamentação da política do ar Recuperação do vapor da gasolina,

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL. Dr Alexandre de Araújo Pereira

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL. Dr Alexandre de Araújo Pereira SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL Dr Alexandre de Araújo Pereira Atenção primária no Brasil e no Mundo 1978 - Conferência de Alma Ata (priorização da atenção primária como eixo de organização

Leia mais

GABINETE DE ESTRATÉGIA, PLANEAMENTO E AVALIAÇÃO CULTURAIS. Voluntariado Formal - Arte e Cultura em 2012. Arte. Cultura. GEPAC Setembro 2013

GABINETE DE ESTRATÉGIA, PLANEAMENTO E AVALIAÇÃO CULTURAIS. Voluntariado Formal - Arte e Cultura em 2012. Arte. Cultura. GEPAC Setembro 2013 ... Cultura GABINETE DE ESTRATÉGIA, PLANEAMENTO E AVALIAÇÃO CULTURAIS Arte Voluntariado Formal - Arte e Cultura em 2012 GEPAC Setembro 2013 TÍTULO Voluntariado Formal nas Artes e na Cultura em 2012 DIREÇÃO

Leia mais

Plano de Promoção. e Proteção dos Direitos da Criança. do Concelho de Marvão

Plano de Promoção. e Proteção dos Direitos da Criança. do Concelho de Marvão Plano de Promoção e Proteção dos Direitos da Criança do Concelho de Marvão 1 Índice Introdução I. Fundamentação A - Estratégias 1 Estudo e análise da realidade concelhia. 2 Promoção dos Direitos da Criança...

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E T

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E T SETEC EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA XXXV ENDP Porto Alegre, 02 de setembro de 2015. Histórico Organização da Educação Brasileira EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Formação Inicial e Continuada

Leia mais

FÓRUM IPAI Controlo Interno e Auditoria Interna nos Hospitais EPE

FÓRUM IPAI Controlo Interno e Auditoria Interna nos Hospitais EPE FÓRUM IPAI Controlo Interno e Auditoria Interna nos Hospitais EPE LISBOA, 28 de maio de 2015 A necessidade de Controlo «( ) O controlo é essencial no Estado moderno. A boa utilização dos recursos dos contribuintes

Leia mais

Calendário de reuniões e eventos - 2011

Calendário de reuniões e eventos - 2011 Ministério da Saúde Cuidados de Saúde Primários Portugal Coordenação Estratégica Calendário de reuniões e eventos - 2011 Actualizado em 2011.05.16 COORDENAÇÃO ESTRATÉGICA Dia 18 de Maio (10,00-19,00) Coordenação

Leia mais

OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento

OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento 28 de Novembro de 2006 Agenda Como surgiu Missão Objectivos Estrutura organizativa Principais linhas de

Leia mais

PLATAFORMA SUPRACONCELHIA PENÍNSULA DE SETÚBAL REUNIÃO 19/03/2012. Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Setúbal

PLATAFORMA SUPRACONCELHIA PENÍNSULA DE SETÚBAL REUNIÃO 19/03/2012. Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Setúbal PLATAFORMA SUPRACONCELHIA PENÍNSULA DE SETÚBAL REUNIÃO 19/03/2012 Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Setúbal Agenda da Reunião Informações Programa de Emergência Social - PES Ano Europeu

Leia mais

6 de junho de 2016 Cuidados Continuados Integrados Perspetivas de Desenvolvimento

6 de junho de 2016 Cuidados Continuados Integrados Perspetivas de Desenvolvimento 6 de junho de 2016 Cuidados Continuados Integrados Perspetivas de Desenvolvimento Manhã 08h30 Receção dos participantes AUDITÓRIO 09h30 10h30 11h15 11h45 Sessão de abertura José António Vieira da Silva,

Leia mais

O todo é maior do que a soma das partes. Max Wertheimer

O todo é maior do que a soma das partes. Max Wertheimer O todo é maior do que a soma das partes. Max Wertheimer AGRADECIMENTO O meu especial agradecimento à Professora Doutora Manuela Teixeira e à Professora Mestre Maria do Carmo Rocha, por toda a dedicação,

Leia mais

Novembro de 2011. O fazemos:

Novembro de 2011. O fazemos: Novembro de 2011 O fazemos: A nossa missão é por excelência acolher, atender, informar e orientar os clientes para a resolução dos seus problemas dentro ou fora da Autarquia. Pretendemos ser reconhecidos

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES MENSAL

RELATÓRIO DE ATIVIDADES MENSAL RELATÓRIO DE ATIVIDADES MENSAL MAIO 2014 UNIDADE DE PROJETOS 1 INDICADORES DE ATIVIDADE 1.1 QUADRO RESUMO COM OS INDICADORES DE ATIVIDADE E OS NÍVEIS ATINGIDOS, E COMPARAÇÃO COM MESES ANTERIORES Indicadores

Leia mais

Programa psicoeducacional e de treino de competências em ambulatório

Programa psicoeducacional e de treino de competências em ambulatório EQUIPA COMUNITÁRIA DE LISBOA Programa psicoeducacional e de treino de competências em ambulatório HEM 20 NOVEMBRO 2014 As pessoas com doença mental apresentam dificuldades no funcionamento pessoal e social

Leia mais

Participação nacional e guia para o estabelecimento de um Nó Nacional GBIF

Participação nacional e guia para o estabelecimento de um Nó Nacional GBIF Workshop: Importância da participação de Moçambique no Sistema Global de Informação Sobre Biodiversidade (GBIF) Participação nacional e guia para o estabelecimento de um Nó Nacional GBIF Rui Figueira Nó

Leia mais

COMPROMISSO PARA A QUALIDADE

COMPROMISSO PARA A QUALIDADE COMPROMISSO PARA A QUALIDADE O presente documento corresponde à linha de orientação e ao compromisso do Conselho Nacional da Qualidade da (CNQ-OF) para com a Direcção Nacional da, na pessoa do Bastonário.

Leia mais

A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrada

A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrada A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrada As mudanças com a TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO INTEGRADA nos serviços de Garantia de Direitos Quais as mudanças percebidas na garantia de direitos

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO PARA ENFERMEIROS CHEFES NA GUINÉ-BISSAU EIXO I. De 8 a 12 de Novembro

FORMAÇÃO EM GESTÃO PARA ENFERMEIROS CHEFES NA GUINÉ-BISSAU EIXO I. De 8 a 12 de Novembro FORMAÇÃO EM GESTÃO PARA ENFERMEIROS CHEFES NA GUINÉ-BISSAU EIXO I De 8 a 12 de Novembro Gestão Estratégica das Organizações de Saúde Conceitos Gerais Coordenação Global Dra. Maria Celeste Nicolau Horas

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO XI

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO XI REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO XI ASSISTÊNCIA TÉCNICA FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento

Leia mais

Intervenção de Encerramento da Vice-Presidente da CCDR-N, Ana Teresa Lehmann

Intervenção de Encerramento da Vice-Presidente da CCDR-N, Ana Teresa Lehmann CONFERENCE REGIONAL POLICY AROUND THE WORLD 29 de Setembro de 2008, Porto, Alfândega Nova do Porto Intervenção de Encerramento da Vice-Presidente da CCDR-N, Ana Teresa Lehmann 1. Em tempos de incerteza

Leia mais

50 anos a trabalhar pela saúde das pessoas

50 anos a trabalhar pela saúde das pessoas 50 anos a trabalhar pela saúde das pessoas 0 Intervenções Prácticas para a Melhora dos Processos de Planificação e Gestão Sanitária Mapas Sanitários da Área Municipal da Cidade de Maputo Março Julho 2013

Leia mais

I Colóquio Qualidade em Saúde do Alentejo 20 de Maio de 2011. Margarida Abreu Aguiar

I Colóquio Qualidade em Saúde do Alentejo 20 de Maio de 2011. Margarida Abreu Aguiar I Colóquio Qualidade em Saúde do Alentejo 20 de Maio de 2011 Margarida Abreu Aguiar ACREDITAÇÃO USF VALONGO ACREDITADA PELA DGS segundo modelo da AGENCIA DE CALIDAD SANITARIA DE ANDALUCIA EM 17 DE SETEMBRO

Leia mais

Resultados da Avaliação externa

Resultados da Avaliação externa PLANO DE MELHORIA 1 Introdução No seguimento do processo de Avaliação Externa realizada nesta unidade orgânica, apresenta-se o Plano de Melhoria que integra as áreas identificadas na referida avaliação

Leia mais

Pág. 1 de 48 MAPA DE PESSOAL 2015 - TURISMO DE PORTUGAL - 1ª ALTERAÇÃO LISTA DE ATIVIDADES/PROCEDIMENTOS E POSTOS DE TRABALHO NECESSÁRIOS*

Pág. 1 de 48 MAPA DE PESSOAL 2015 - TURISMO DE PORTUGAL - 1ª ALTERAÇÃO LISTA DE ATIVIDADES/PROCEDIMENTOS E POSTOS DE TRABALHO NECESSÁRIOS* MAPA DE PESSOAL 2015 - TURISMO DE PORTUGAL - 1ª ALTERAÇÃO LISTA DE ATIVIDADES/PROCEDIMENTOS E POSTOS DE TRABALHO NECESSÁRIOS* existentes 1ª Alteração Funções Dirigente superiores 1 1 Presidente Conselho

Leia mais

O SNC NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Preparação para a mudança. I Congresso Internacional de Contabilidade Pública

O SNC NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Preparação para a mudança. I Congresso Internacional de Contabilidade Pública O SNC NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Preparação para a mudança I Congresso Internacional de Contabilidade Pública PREPARAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO SNC-AP A SITUAÇÃO ATUAL Caracteriza-se pela existência de

Leia mais

Escola Superior de Redes

Escola Superior de Redes Escola Superior de Redes Por que uma Escola Superior de Redes? Capacitação em TIC é um dos objetivos do Programa Prioritário de Informática do MCT/SEPIN (PPI RNP). A ESR é um novo instrumento na realização

Leia mais

Implementação e Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Conclusões

Implementação e Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Conclusões Implementação e Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Conclusões Março 2013 Março 2013 CONCLUSÕES O caminho percorrido pela RNCCI desde a sua criação e o trabalho desenvolvido

Leia mais

20 de março: Dia Internacional da Felicidade

20 de março: Dia Internacional da Felicidade 20 de março 2013 20 de março: Dia Internacional da Felicidade Índice de Bem-Estar para Portugal: um projeto do INE Estaremos a medir o que importa medir em matéria de Bem-Estar das famílias? O que varia

Leia mais

Discussão de gênero com olhar na sustentabilidade: O papel da mulher no Sistema Unimed. Heloisa Covolan

Discussão de gênero com olhar na sustentabilidade: O papel da mulher no Sistema Unimed. Heloisa Covolan Discussão de gênero com olhar na sustentabilidade: O papel da mulher no Sistema Unimed Heloisa Covolan A mulher representa 52% da população brasileira. Quase 4 milhões a mais que os homens. 3 Metade das

Leia mais

REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL EM SAÚDE MENTAL:

REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL EM SAÚDE MENTAL: Comissão Especializada para a Reabilitação Psicossocial Conselho Nacional de Saúde Mental RELATÓRIO REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL EM SAÚDE MENTAL: SITUAÇÃO ACTUAL E RECOMENDAÇÕES Lisboa, 1 de Setembro de 2005

Leia mais

1º ENCONTRO DE CUIDADOS DOMICILIÁRIOS DA SOPRAR SORRISOS Auditório do Hotel Segredos de Vale Manso Aldeia do Mato Abrantes

1º ENCONTRO DE CUIDADOS DOMICILIÁRIOS DA SOPRAR SORRISOS Auditório do Hotel Segredos de Vale Manso Aldeia do Mato Abrantes 1º ENCONTRO DE CUIDADOS DOMICILIÁRIOS DA SOPRAR SORRISOS Auditório do Hotel Segredos de Vale Manso Aldeia do Mato Abrantes Encontros domiciliários: sopros de qualidade de vida Comissão Organizadora: Soprar

Leia mais

Implementar Sistemas de Garantia da Qualidade em Linha com o Quadro EQAVET. Um compromisso e um desafio a enfrentar

Implementar Sistemas de Garantia da Qualidade em Linha com o Quadro EQAVET. Um compromisso e um desafio a enfrentar Implementar Sistemas de Garantia da Qualidade em Linha com o Quadro EQAVET Um compromisso e um desafio a enfrentar Gonçalo Xufre Silva Presidente do Conselho Diretivo da Agência Nacional para a Qualificação

Leia mais

REGULAMENTO DO ESPAÇO SANTA CASA DA DIREÇÃO DE AÇÃO SOCIAL E SAUDE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. (Fins do Espaço Santa Casa) Artigo 2.

REGULAMENTO DO ESPAÇO SANTA CASA DA DIREÇÃO DE AÇÃO SOCIAL E SAUDE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. (Fins do Espaço Santa Casa) Artigo 2. REGULAMENTO DO ESPAÇO SANTA CASA DA DIREÇÃO DE AÇÃO SOCIAL E SAUDE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Fins do Espaço Santa Casa) Enquadrado pelos fins estatutários da Santa Casa da Misericórdia

Leia mais

(DECRETO-LEI N.º 157/2005, DE 20 DE SETEMBRO)

(DECRETO-LEI N.º 157/2005, DE 20 DE SETEMBRO) REGIME ESPECIAL DE PRÉ- -APOSENTAÇÃO E DE APOSENTAÇÃO DO PESSOAL COM FUNÇÕES POLICIAIS DA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E DO PESSOAL DO CORPO DA GUARDA PRISIONAL (DECRETO-LEI N.º 157/2005, DE 20 DE SETEMBRO)

Leia mais

GABINETE DE INGRESSO DE FAMALICÃO:

GABINETE DE INGRESSO DE FAMALICÃO: GABINETE DE INGRESSO DE FAMALICÃO: Rua José António Vidal, 81 4760-409 V.ila Nova de Famalicão T.: 252 303 600. F.: 252 303 694 GPS: 41.406712,-8.515314 ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DO VALE DO AVE (ESSVA)

Leia mais

REGULAMENTO DE LICENÇA DE DISPENSA DE SERVIÇO DOCENTE

REGULAMENTO DE LICENÇA DE DISPENSA DE SERVIÇO DOCENTE REGULAMENTO DE LICENÇA DE DISPENSA DE SERVIÇO DOCENTE (aprovado em reunião de CTC de 2014/10/15) Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto ISCAP/IPP CAPITULO I Disposições gerais Artigo

Leia mais

ALTERAÇÕES 13-24. PT Unida na diversidade PT 2011/0384(COD) 19.7.2012. Projeto de parecer Ivars Godmanis (PE491.287v01-00)

ALTERAÇÕES 13-24. PT Unida na diversidade PT 2011/0384(COD) 19.7.2012. Projeto de parecer Ivars Godmanis (PE491.287v01-00) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Orçamentos 19.7.2012 2011/0384(COD) ALTERAÇÕES 13-24 Projeto de parecer Ivars Godmanis (PE491.287v01-00) sobre a proposta de regulamento do Parlamento Europeu

Leia mais

GESTÃO DE EXCELÊNCIA 2 Gestão: um conjunto de tarefas que procuram garantir a afectação eficaz de todos os recursos disponibilizados pela organização,

GESTÃO DE EXCELÊNCIA 2 Gestão: um conjunto de tarefas que procuram garantir a afectação eficaz de todos os recursos disponibilizados pela organização, LIDERANÇA E PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DAS IPSS Cuidamos do Futuro do Envelhecimento em Portugal GESTÃO DE EXCELÊNCIA 2 Gestão: um conjunto de tarefas que procuram garantir a afectação eficaz de todos os

Leia mais

Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Ministério da Saúde

Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Ministério da Saúde COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASIL/CUBA/HAITI FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS DE NÍVEL MÉDIO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Oficina de trabalho

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. [Agrupamento de escolas de Padrão da Légua] [2014/15]

PLANO DE MELHORIA. [Agrupamento de escolas de Padrão da Légua] [2014/15] PLANO DE MELHORIA [Agrupamento de escolas de Padrão da Légua] [2014/15] 1. INTRODUÇÃO Embora seja já vasto o campo de indagação que sustenta este projeto, a sua dimensão principal é, inquestionavelmente,

Leia mais

ACADEMIA DE MOBILIDADE. Maio 2016

ACADEMIA DE MOBILIDADE. Maio 2016 ACADEMIA DE MOBILIDADE Maio 2016 O aumento da esperança de vida acarreta o Paradigma: (+) anos à vida versus(-) vida aos anos! Questões de saúde e bem-estar nas idades mais avançadas; Aumento significativo

Leia mais

SNS (LEI Nº 41/2 007, DE 24 JUNHO 201 DE AGOSTO

SNS (LEI Nº 41/2 007, DE 24 JUNHO 201 DE AGOSTO RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE NO SNS 2012 (LEI Nº 41/2 007, DE 24 O) DE AGOSTO JUNHO 201 3 ÍNDICE Índice de tabelas... 3 Índice de figuras... 5 Lista de siglas e abreviaturas... 6

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve

Programa Operacional Regional do Algarve Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Domínios Temáticos ISE e CH Inclusão Social e Emprego Capital Humano Abordagens Territoriais Integradas

Leia mais

MANUAL DE Gestão da. Qualidade

MANUAL DE Gestão da. Qualidade MANUAL DE Gestão da Qualidade Resposta Social: Estrutura Residencial para Idosos Prestamos Serviços de Qualidade Aldeia de S. Sebastião ADCS Aldeia de S. Sebastião, Largo da Igreja nº6 6355-041 Aldeia

Leia mais

Programa Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental relacionada à Qualidade da Água para Consumo Humano - VIGIAGUA

Programa Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental relacionada à Qualidade da Água para Consumo Humano - VIGIAGUA Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental Programa Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental relacionada à Qualidade da Água para Consumo

Leia mais

NUTRIÇÃO NO PLANO NACIONAL DE SAÚDE 2011-2016 Contributo da Associação Portuguesa de Nutrição Entérica e Parentérica (APNEP)

NUTRIÇÃO NO PLANO NACIONAL DE SAÚDE 2011-2016 Contributo da Associação Portuguesa de Nutrição Entérica e Parentérica (APNEP) NUTRIÇÃO NO PLANO NACIONAL DE SAÚDE 2011-2016 Contributo da Associação Portuguesa de Nutrição Entérica e Parentérica (APNEP) 1) Introdução: A APNEP é uma Associação, sem fins lucrativos, pluridisciplinar

Leia mais

REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO O Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março, procedeu à criação de um tipo de formação

Leia mais

REDE SOCIAL PÓVOA DE LANHOSO 02-02-2009 REDE SOCIAL DA PÓVOA DE LANHOSO - CLAS PVL 1

REDE SOCIAL PÓVOA DE LANHOSO 02-02-2009 REDE SOCIAL DA PÓVOA DE LANHOSO - CLAS PVL 1 REDE SOCIAL PÓVOA DE LANHOSO PVL 1 Eixos de Intervenção Prioritários Social PDS (07/08) 1. 3.ªIDADE 2. EMPREGO/DESEMPREGO E FORMAÇÃO 3. DEPENDÊNCIAS 4. INFÂNCIA PVL 2 Avaliação do Plano de Acção do PDS

Leia mais

Sistema Integrado Moinhos

Sistema Integrado Moinhos Sistema Integrado Moinhos A experiência do Hospital Moinhos de Vento no desenvolvimento de um modelo de gestão integrado Sandra de Mattos Analista de Gestão e Desenvolvimento Organizacional Hospital Moinhos

Leia mais

ANEXO: Índice de Correspondência GRI

ANEXO: Índice de Correspondência GRI ANEXO: Índice de Correspondência GRI 1. Estratégia e Análise 1.1 Mensagem do Presidente Capítulo Mensagem do Presidente Capítulo Ética e Corporate Governance»» Modelo de Gestão Capítulo Estratégia e Sustentabilidade

Leia mais

Jornadas de Cuidados Continuados Integrados

Jornadas de Cuidados Continuados Integrados WWW.ACSS.MIN-SAUDE.PT 2 May 2016 Jornadas de Cuidados Continuados Integrados Para onde caminhamos? Rede de cuidados continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade, futuro e Sustentabilidade

Leia mais

Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019

Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019 Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019 Introdução O Plano de Melhoria do Agrupamento de Escola Gaia Nascente para o quadriénio 2015 2019 tem como objetivo a consolidação e/ou mudança de algumas práticas.

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 Orçamento do Estado 2016 Programa Orçamental da Saúde 25 de fevereiro de 2016 1 1. Orçamento do Estado 2016 2 ORÇAMENTO DO ESTADO 2016 RESPONSÁVEL CONSTITUCIONAL VALORIZA OS PROFISSIONAIS PROMOVE A EQUIDADE

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 142/2011 de 11 de Novembro de 2011

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 142/2011 de 11 de Novembro de 2011 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 142/2011 de 11 de Novembro de 2011 A promoção da acessibilidade constitui um direito consagrado constitucionalmente, uma vez que é condição

Leia mais

Eis por que me deterei nos seguintes aspectos 1. orçamento da PAC: perspectivação histórica

Eis por que me deterei nos seguintes aspectos 1. orçamento da PAC: perspectivação histórica Novo Ciclo de Fundos Estruturais para a Agricultura (2014-2020) 2020) M. Patrão Neves Deputada ao Parlamento Europeu www.patraoneves.eu Fundos Estruturais para a Agricultura A questão do Novo Ciclo de

Leia mais

Programação Anual de Saúde - PAS 2016 LOA 2016 Programa Saúde Mais Perto de Você

Programação Anual de Saúde - PAS 2016 LOA 2016 Programa Saúde Mais Perto de Você Programação Anual de Saúde - PAS 2016 LOA 2016 Programa Saúde Mais Perto de Você Palmas - Novembro de 2015 GOVERNADOR DO ESTADO DO TOCANTINS Marcelo de Carvalho Miranda SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE Samuel

Leia mais

Linhas de Cuidado - Saúde Bucal

Linhas de Cuidado - Saúde Bucal PLANO REGIONAL DE SAUDE DA PESSOA IDOSA DRS V Barretos EIXOS COLEGIADOS DE GESTÃO REGIONAL CGR NORTE E SUL PRIORIDADE 01: EIXO 1 Melhoria da cobertura vacinal VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE - Sensibilizar

Leia mais

Conhecimentos sobre a RNCCI: um estudo exploratório sobre a perceção dos alunos do curso de enfermagem Andreia Cristina Pimparel Maia Guerreiro

Conhecimentos sobre a RNCCI: um estudo exploratório sobre a perceção dos alunos do curso de enfermagem Andreia Cristina Pimparel Maia Guerreiro Conhecimentos sobre a RNCCI: um estudo exploratório sobre a perceção dos alunos do curso de enfermagem Andreia Cristina Pimparel Maia Guerreiro Dissertação de mestrado apresentado ao Instituto Politécnico

Leia mais

Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental

Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental * Lei n.º 37/2007, de 14 de Agosto Direcção-Geral da Saúde com a colaboração do INSA Acompanhamento estatístico e epidemiológico

Leia mais

Como implementar os critérios de rateio dos recursos das transferências federais: critérios automáticos ou processo de programação?

Como implementar os critérios de rateio dos recursos das transferências federais: critérios automáticos ou processo de programação? CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão Especial destinada a discutir o Financiamento da Saúde Pública. Audiência Pública Como implementar os critérios de rateio dos recursos das transferências federais: critérios

Leia mais

Plano de melhoria (2013/14)

Plano de melhoria (2013/14) Plano de melhoria (2013/14) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel A ação, os resultados e o impacto da biblioteca escolar na prestação de serviços, no desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES ASSOCIADAS

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES ASSOCIADAS PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES ASSOCIADAS PROGRAMA OPERACIONAL ASSISTÊNCIA TÉCNICA FEDER PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE 1. Enquadramento

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Escola Nacional de Saúde Pública

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Escola Nacional de Saúde Pública UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Escola Nacional de Saúde Pública Estudo de Caso: Viabilidade Económico Financeira do Projecto da Unidade de Cuidados Continuados Integrados de Longa Duração e Manutenção da

Leia mais

Desafios para o Serviço de Apoio ao Domicilio para o Futuro. José Ignacio Martin

Desafios para o Serviço de Apoio ao Domicilio para o Futuro. José Ignacio Martin Desafios para o Serviço de Apoio ao Domicilio para o Futuro José Ignacio Martin Índice [A] Melhorar a Qualidade de Vida [B] Programas o Serviço de Apoio ao Domicilio [C] Analises de Cenários Financeiros

Leia mais

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo. Consolidando a eficiência do Sistema e a qualidade da atenção à saúde

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo. Consolidando a eficiência do Sistema e a qualidade da atenção à saúde I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo Consolidando a eficiência do Sistema e a qualidade da atenção à saúde Missão A OS -ACSC, imbuída de filosofia cristã, tem como missão

Leia mais

NAD PS Nagib Jorge Farah Jardim América Auditório Sala de Aula

NAD PS Nagib Jorge Farah Jardim América Auditório Sala de Aula NAD PS Nagib Jorge Farah Jardim América Auditório Sala de Aula NAD PS Alice Tibiriçá Irajá NAD PS Alice Tibiriçá Irajá Sala de Informática NAD Coordenação AP 3.2 Lins Sala de Aula NAD Coordenação AP 3.2

Leia mais

Cód. Objetivo Geral Estratégias Ações / instrumentos Indicadores Responsáveis /Intervenientes

Cód. Objetivo Geral Estratégias Ações / instrumentos Indicadores Responsáveis /Intervenientes Eixo 1 - Empreendedorismo e Empregabilidade E1_O1E1A1 E1_O2E1A1 E1_O2E2A1 Conhecer a realidade empresarial dos territórios abrangidos pela plataforma Construir coletivamente uma visão para a intervenção

Leia mais

Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Rede de pessoas e organizações voluntárias da nação brasileira, apartidária, ecumênica e plural, que visa o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do

Leia mais

WORKSHOP 1. Como reforçar o trabalho dos cuidados de saúde primários e das autarquias para mais ganhos em saúde?

WORKSHOP 1. Como reforçar o trabalho dos cuidados de saúde primários e das autarquias para mais ganhos em saúde? Como reforçar o trabalho dos cuidados de saúde primários e das autarquias para mais ganhos em GRUPO DE TRABALHO: Isabel Loureiro - ENSP Helena Cargaleiro - ACES Amadora Mª da Luz Pereira - ACES Seixal

Leia mais

Planejamento em Saúde na Atenção Básica. Rio de Janeiro, 30/07/2012 - Sala 07

Planejamento em Saúde na Atenção Básica. Rio de Janeiro, 30/07/2012 - Sala 07 Planejamento em Saúde na Atenção Básica Rio de Janeiro, 30/07/2012 - Sala 07 Planejamento da APS em Minas Gerais: O Plano Diretor da Atenção Primária à Saúde Wagner Fulgêncio Elias Secretaria de Estado

Leia mais

A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrado

A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrado A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrado Acompanhamento Familiar Construção do Meu ponto de Vista acerca do Protocolo e da Tipificação Quais as mudanças percebidas na gestão dos CRAS a partir da

Leia mais

ProtecSegur. Grupo. ProtecSegur. Mcs. Equipamentos, higiene e segurança, Lda.

ProtecSegur. Grupo. ProtecSegur. Mcs. Equipamentos, higiene e segurança, Lda. ProtecSegur Equipamentos, higiene e segurança, Lda. É uma empresa prestadora de serviços na área da Higiene e Segurança no Trabalho e Segurança Alimentar (HACCP). Iniciou a sua atividade em 2002, dispondo

Leia mais

CEF/0910/27301 Decisão de Apresentação de Pronúncia (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27301 Decisão de Apresentação de Pronúncia (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27301 Decisão de Apresentação de Pronúncia (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27301 Decisão de Apresentação de Pronúncia (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Decisão de

Leia mais

Chamada para Multiplicadores Eurodesk Portugal

Chamada para Multiplicadores Eurodesk Portugal Braga, 01 de Julho de 2016 Chamada para Multiplicadores Eurodesk Portugal Eurodesk, o que é? A Agência Erasmus + Juventude em Ação cumpre, para além da sua missão cumprir as responsabilidades delegadas

Leia mais

Plano de Aça o para 2015

Plano de Aça o para 2015 Lar Adventista para Pessoas Idosas Uma outra ideia da idade Plano de Aça o para 2015 O plano de ação aplica-se a todas as estruturas nacionais da ASA, onde existem respostas sociais para idosos, LapiSul,

Leia mais

O MP E A FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS

O MP E A FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS O MP E A FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Redesenho/Reestruturação Orgânica da Política de Assistência Social estão Estabelecidos em 4 Instrumentos Básicos: Política Nacional de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA INTEGRADA EXERCÍCIO 2015

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA INTEGRADA EXERCÍCIO 2015 01 Legislativa 12.481.878,92 455.614.427,68 468.096.306,60 01 031 Ação Legislativa 0,00 186.049.391,21 186.049.391,21 01 031 3282 ATUAÇÃO LEGISLATIVA 0,00 186.049.391,21 186.049.391,21 01 032 Controle

Leia mais

ALENQUER NO QUADRO DO PORTUGAL 2020. 7 de Setembro de 2015

ALENQUER NO QUADRO DO PORTUGAL 2020. 7 de Setembro de 2015 ALENQUER NO QUADRO DO PORTUGAL 2020 7 de Setembro de 2015 ALENQUER PORTUGAL 2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS ITI Instrumentos Territoriais Integrados (concretizáveis através de Pactos para o Desenvolvimento

Leia mais

DIAGNÓSTICO À SITUAÇÃO DO SISTEMA

DIAGNÓSTICO À SITUAÇÃO DO SISTEMA DIAGNÓSTICO À SITUAÇÃO DO SISTEMA DEARQUIVODASHSC Ana Clarisse Martins Cardoso Centro de Estudos de História Religiosa UCP 16 de Abril de 2013 PERGUNTA DE PARTIDA «Como se define uma estratégia de intervenção

Leia mais

1. Ingresso na Carreira Docente 1.1. Prova de Ingresso

1. Ingresso na Carreira Docente 1.1. Prova de Ingresso PROPOSTAS DO M.E. O Ministério da Educação (ME) tem vindo, no âmbito do processo negocial que se iniciou em Março, a apresentar um conjunto de propostas às organizações sindicais representativas dos docentes.

Leia mais

Resumo da Lei nº8080

Resumo da Lei nº8080 Resumo da Lei nº8080 Lei n. 8.080, 19 de setembro de 1990 Sancionada pelo Presidente da República, Sr. Fernando Collor, e decretada pelo Congresso Nacional, foi publicada no Diário Oficial da União em

Leia mais

Indicadores espacializados da crise: A crise de investimento

Indicadores espacializados da crise: A crise de investimento Indicadores espacializados da crise: A crise de investimento APDR, Mesa Redonda sobre crise e desenvolvimento regional Lisboa, 18.dezembro.2012 Duarte Rodrigues Coordenador-Adjunto 12,5% 10,0% 7,5% Taxa

Leia mais

PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento

PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento Jorge Abrahão de Castro Diretor de Temas Sociais da SPI/MPOG Brasília-DF, 26 de agosto de 2015 1 Inovações para o PPA 2016-2019 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS Balanço e próximos passos 1 de dezembro de 2015

CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS Balanço e próximos passos 1 de dezembro de 2015 1 de dezembro de 2015 1.Caraterísticas e objetivos dos CTeSP 2.Fases de registo de cursos 3.Ações de divulgação 4.Cursos registados em números 5.Próximos passos 1. Caraterísticas e objetivos Interação

Leia mais

AS COMISSÕES DE QUALIDADE E SEGURANÇA E O DEPARTAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE. J. Alexandre Diniz Anabela Coelho Filipa Homem Christo

AS COMISSÕES DE QUALIDADE E SEGURANÇA E O DEPARTAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE. J. Alexandre Diniz Anabela Coelho Filipa Homem Christo AS COMISSÕES DE QUALIDADE E SEGURANÇA E O DEPARTAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE J. Alexandre Diniz Anabela Coelho Filipa Homem Christo ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE DESPACHO N.º 14223/2009

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSO

REGULAMENTO DE CONCURSO Índice 1. Objetivos... 2 2. Entidades Beneficiárias... 2 3. Dotação Orçamental... 2 4. Financiamento... 2 5. Despesas elegíveis... 3 6. Condições de Acesso ao Concurso... 3 7. Metodologia de Seleção dos

Leia mais