Ministério da Educação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério da Educação"

Transcrição

1 Ministéri da Educaçã Direcçã-Geral da Invaçã e de Desenvlviment Curricular ENSINO RECORRENTE DE NÍVEL SECUNDÁRIO PROGRAMA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS A 12º An Curs Tecnlógic de Infrmática Autres Manuel Luís Silva Pint Paul Malheir Dias Sónia Mildred Jã (Crdenadra) Hmlgaçã 02/11/2006

2 ÍNDICE 1. Intrduçã Apresentaçã d prgrama Objectivs Visã Geral ds Cnteúds Sugestões metdlógicas gerais Cmpetências a desenvlver Avaliaçã Recurss Desenvlviment d prgrama MÓDULO 7: Planeament e iniciaçã à cnstruçã de um web site MÓDULO 8: Geraçã de scripts client-side e finalizaçã d web site MÓDULO 9: Cnclusã e apresentaçã de um web site, mdelaçã e simulaçã cmputacinal e intrduçã à inteligência artificial e sistemas periciais Bibligrafia

3 1. INTRODUÇÃO O 12º an da disciplina de Aplicações Infrmáticas A, d Curs Tecnlógic de infrmática, é an terminal desta disciplina n cntext curricular d curs, na sua versã para ensin secundári recrrente. Crrespnde essencialmente às duas cmpnentes terminais d prgrama de 11º An d ensin diurn, às quais se tiveram de aplicar ajustes temprais, que permitissem adequar a distribuiçã de cnteúds a uma estrutura mdular de temps definids. Nesse sentid, ptu-se pr distribuir a carga hrária pr um cnjunt estruturad de três móduls cm 22 unidades lectivas de 90 minuts (33 hras cada), dedicand-se primeir sbretud a Planeament de um web site, segund à sua cnstruçã e implementaçã e terceir à apresentaçã d web site, à mdelaçã e simulaçã cmputacinal e à intrduçã à Inteligência artificial. Cm se sabe de ans anterires, a disciplina Aplicações Infrmáticas A deverá ter uma articulaçã privilegiada cm as restantes disciplinas da cmpnente de frmaçã tecnlógica, bem cm cm a disciplina de Tecnlgias da Infrmaçã e Cmunicaçã da cmpnente de frmaçã geral e seguir, sempre que pssível, uma metdlgia de trabalh de prject. Desde lg imprta ter a nçã de que se trata, a lng de três ans, de uma disciplina cmplementar da disciplina de TIC, rientada para a especificidade e prfundidade necessárias as aluns de um curs tecnlógic de Infrmática, que pretende acrescentar mais valias significativas n dmíni da aplicabilidade da infrmática a cntext real d qutidian. Pr utr lad, nã se pde esquecer que se pretendem aluns cm capacidade de se inserirem em qualquer área desta tecnlgia cm prfissinais qualificads de nível 3. Sugere-se assim, cm se disse, que prgrama para este an incida sbre duas cmpnentes de aprfundament de saberes específics e uma de intrduçã a áreas que, send essenciais, pssuem níveis e especificidades diferentes e que, pr serem aplicacinais u de análise, nã se enquadram em nenhuma das utras disciplinas específicas u de frmaçã geral u pcinal. Quant às primeiras, falams da cncepçã de web sites e geraçã de scripts client-side que, pr razões óbvias, devem fazer parte da estrutura de cnteúds desta área d saber, mas cuja abrdagem ligeira feita na disciplina de TIC nã permite dtar s aluns deste curs ds saberes necessáris a uma cmpetência prfissinalizante. É esse aprfundament que aqui se prcura. A cmpnente invadra diz respeit à mdelaçã e simulaçã cmputacinal e intrduçã à inteligência artificial e sistemas periciais, incluind assim uma cmpnente de abertura a dmíni da investigaçã em ciências da cmputaçã cm um paradigma em mviment. Daí, recnheciment de aplicações de Inteligência Artificial (IA) cm prta de entrada para um nv mund de sluções de futur, a análise da simulaçã cmputacinal cm métd de bservaçã e de ensai experimental d nã bservável e da mdelaçã cmputacinal cm testagens sucessi- 3

4 vas da realidade prvável e da sua bservaçã antecipada. Ainda que apenas sb a frma de ligeiras intrduções, pretende-se cm este utr módul glbalizante, abrir prtas para um cnheciment que se pde vir a revelar extremamente imprtante e mesm necessári a um técnic d futur da infrmática. 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA 2.1. OBJECTIVOS Sã bjectivs da disciplina de Aplicações Infrmáticas A d 12º an: Prmver a utilizaçã alargada das tecnlgias de infrmaçã e cmunicaçã. Sensibilizar s aluns para questões cm a amigabilidade e a usabilidade de interfaces gráficas de prduts multimédia, em particular de web sites. Dtar s aluns de cnheciments sbre técnicas e tecnlgias básicas cm vista à cncepçã de web sites de cariz prfissinal. Permitir as aluns utilizar cnvenientemente as ptencialidades e características ds prgramas editres e animadres gráfics de criaçã de web sites. Prmver recnheciment de aplicações de simulaçã cmputacinal. Permitir a cmpreensã da imprtância da mdelaçã cmputacinal. Dtar s aluns d cnheciment genéric ds princípis básics da Inteligência artificial. Permitir as aluns recnheciment da imprtância quer da investigaçã quer das sluções em IA. Criar as cmpetências necessárias a recnheciment de um Sistema Pericial. Prmver a cmpreensã da imprtância ds Sistemas Periciais e da sua aplicabilidade. Desenvlver a capacidade de cmunicar, quer pels meis tradicinais, quer através das nvas tecnlgias de infrmaçã e cmunicaçã. Prmver interesse pela pesquisa, descberta e invaçã. Prmver a capacidade para trabalhar em equipa. Sensibilizar s aluns para a imprtância da segurança e privacidade de dads. Prmver as práticas inerentes à segurança e saúde n trabalh que estejam relacinadas cm s cndicinalisms das prfissões da área da infrmática, nmeadamente, a ergnmia e a saúde cular. 4

5 2.2. VISÃO GERAL DOS CONTEÚDOS 12 º ANO MÓDULOS Nº de Unidades Lectivas/Semanas Módul 7 Planeament e iniciaçã à cnstruçã de um web site 1ª Parte - Fundaments Fundaments d planeament de um web site Editres de páginas web 2ª Parte Cnstruçã de páginas web Intrduçã a HTML Intrduçã às Cascaded Style Sheets (CSS) 11 Semanas 3 unidades de 90 m 19 unidades de 90 m Módul 8 Geraçã de scripts client-side e cnclusã da cnstruçã d web site 1ª Parte Client-side scripting Geraçã de scripts client-side Intrduçã a Javascript 11 Semanas 18 unidades de 90 m 2ª Parte Finalizaçã d web site Teste, publicaçã e prmçã d web site 4 unidades de 90 m Módul 9 Cnclusã e apresentaçã de um web site, mdelaçã e simulaçã cmputacinal e intrduçã à inteligência artificial e sistemas periciais Melhria, cnclusã e apresentaçã d web site 11 Semanas 5 unidades de 90 m 1ª Parte Simulaçã e mdulaçã cmputacinal Mdelaçã e simulaçã cmputacinal 10 unidades de 90 m 2ª Parte Intrduçã à Inteligência Artificial Intrduçã à Inteligência Artificial, Sistemas Periciais e representaçã d cnheciment 7 unidades de 90 m TOTAL 33 semanas 66 unidades lectivas de 90 m 5

6 2.3. SUGESTÕES METODOLÓGICAS GERAIS O módul Planeament e iniciaçã à cnstruçã de um web site deverá ser peracinalizad numa perspectiva de aprendizagem activa, u seja, de investigaçã-acçã, nde alun, numa lógica de prfissinalizaçã pretendida, deverá prceder a planeament e cnstruçã de um web site que crrespnda a uma finalidade previamente determinada e que dê respsta a cnjunt de especificações que a enquadrem. Send ensin recrrente cndicinad a uma estrutura mdular, sugere-se que este módul pssa ser cm que dividid em duas cmpnentes sequenciais, uma inicial nde se acrescentem saberes e infrmações necessárias à prduçã d web site e uma segunda, que crrespnda à peracinalizaçã desses saberes, pela cnstruçã prpriamente dita. Sugere-se ainda que a avaliaçã seja centrada na relaçã especificações desenhadas prcediments realizads prdut btid. O módul Geraçã de scripts client-side e cnclusã d web site pderá estar subrdinad a uma lógica semelhante a descrit para anterir, cm particular ênfase para a clcaçã na web. O módul sbre Mdelaçã e simulaçã cmputacinal e intrduçã à inteligência artificial e sistemas periciais deve ser leccinad numa perspectiva de intrduçã generalista de cnceits que só serã bject de aprfundament em fase u cicl psterir de estuds. Tend esta disciplina um carácter predminantemente prátic e experimental, mesm na cmpnente mais teórica da abrdagem, sugere-se pr iss neste módul uma metdlgia que incida sbre a aplicaçã prática e cntextualizada ds cnteúds, a experimentaçã, a pesquisa e a resluçã de prblemas. Sugere-se também que se privilegie a participaçã ds aluns em pequens prjects de pesquisa e parcelares, embra cm pssível integraçã, de frma que se pssa simular, na medida d pssível, um cntext de prduçã autónma u empresarial que abrde temas de utras áreas disciplinares, u de sluções de carácter públic. Iss pde ser feit quer em terms individuais quer grupais, dependend d ritm e da cnsistência de saberes de cada sujeit da aprendizagem. Tal cm em ans anterires, faz-se apel à articulaçã de saberes das várias disciplinas, que deverá ser psta em prática através da realizaçã de pequens prjects cm se disse, que permitam a alun encarar a utilizaçã das aplicações infrmáticas nã cm um fim em si mesmas, mas cm uma ferramenta transversal que se enquadra cm td tip de saberes. É fundamental que dcente articule eficazmente cm cnjunt de prfessres da turma, privilegiand as áreas nde se pssam vir a desenvlver s prjects. 6

7 O prfessr deverá ainda adptar estratégias que mtivem alun a envlver-se na sua própria aprendizagem e lhe permitam desenvlver a sua autnmia e iniciativa. Prpms assim, em terms glbais, a adpçã de uma metdlgia rientada para a prática, para a experimentaçã e para a pesquisa, flexível e ajustável às diferentes situações e fases da aprendizagem: APRESENTAÇÃO DE CONCEITOS Deverá ser feita cm recurs a exempls reclhids em fntes de divulgaçã de sftware e cm suprte em ferramentas de trabalh, recrrend-se sempre que necessári à utilizaçã de equipament que permita quer apresentações electrónicas quer a visualizaçã cnjunta de sluções de sftware u de exempls para tda a turma. INTRODUÇÃO A UM NOVO SOFTWARE Deverá ser feita a partir de duas cmpnente diferentes. Uma primeira deverá crrespnder à intrduçã pel dcente de uma sluçã (de preferência freeware) de md a identificar e sistematizar prcediments própris e prcediments padrã, e uma segunda cmpnente, que crrespnderá a estud e análise em pequens grups de quatr u cinc sluções que serã psterirmente apresentadas a tda a turma. INTRODUÇÃO A UMA NOVA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO Actualmente, a cncepçã de web sites, muit em particular n que respeita às cmpetências ds técnics de Infrmática, passa brigatriamente pela cncepçã de aplicações. Esta cmpnente é abrdada nesta disciplina através da intrduçã às linguagens de scripting usand uma linguagem universal para criaçã de scripts client-side, uma das suas faces mais claras e simples. E é assim que ela deve ser ministrada, muit apiada em exempls cuj códig deve ser frnecid as aluns para que estes, experimentand- e editand-, pssam cmpreender e desenvlver. UTILIZAÇÃO DE APLICAÇÕES Deverá ser feita através de pequens prjects (necessariamente parcelares) cm sftware esclhid pels aluns, cm cmplement de uma metdlgia de descberta guiada que está inerente à intrduçã de nv sftware. O prfessr pderá prpr exercícis sb a frma de resultads a bter cm prdut, nde se discriminem as características d que se pretende e quais s passs essenciais para se bter esse desiderat. CONSOLIDAÇÃO E APROFUNDAMENTO DA UTILIZAÇÃO DE APLICAÇÕES Deverá seguir-se uma a metdlgia da resluçã de prblemas u uma metdlgia de prject. Quer num cas quer nutr, deverá sempre ter-se em linha de cnta que se pretende chegar a uma sluçã desejada a partir de uma ideia inicial e cm um prdut bem caracteri- 7

8 zad em terms finais. A diferença existe apenas pela necessidade de se diferenciarem s graus de prfundidade cm que se pdem abrdar determinadas cmpnentes ds cnteúds (pr exempl, a prduçã de um DVD), u md cm cada alun u grup de aluns pssa encarar cnteúd em apreç. Para aqueles que têm ideias de prduzir de frma autónma alg que esteja já interligad cm utrs cnteúds u cm cnteúds transdisciplinares, a metdlgia de prject é a mais adequada. Para aqueles que apenas pretendem desenvlver capacidades de manipulaçã da ferramenta sem a assciar a ideias u prjects mais abrangentes, será mais adequada uma metdlgia de resluçã de prblemas. Cm cmplement indicam-se cm cmpetências metdlógicas dcentes para serem aplicadas a cada unidade: Realizar em cada cas respectiv enquadrament teóric apiad na demnstraçã d funcinament de sftware; Exemplificar esse funcinament u s cnceits a ele assciads cm a ajuda de um sistema multimédia e eventualmente api de um videprjectr; Privilegiar as aulas práticas para que s aluns utilizem s sistemas, equilibrand de frma adequada s temps dedicads à análise, debate e intrduçã de cnceits e s temps dedicads à prática efectiva em pst de trabalh; Estimular trabalh de grup e trabalh de prject, prcurand que s aluns aprendam, de frma cada vez mais autónma, encrajand-s mesm a tentar encntrar ferramentas de carácter experimental e prceder a seu ensai; Prpr as aluns actividades de carácter experimental e de pesquisa que enquadrem de frma significativa s dis pnts anterires; Prpr as aluns a realizaçã de prduts, ns quais tenham de aplicar s cnheciments adquirids; Apresentar as aluns situações nvas em que tenham de aplicar as cmpetências desenvlvidas; Fmentar actividades de investigaçã tecnlógica u ligadas a prblemas reais d mei empresarial e da sua vida qutidiana. As cargas hrárias indicadas para cada temática deverã ser cnsideradas cm uma sugestã, que será ajustada às características e necessidades específicas de cada turma u alun. 8

9 2.4. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER N final d 12º an tds s aluns deverã ser capazes de: Criar e publicar páginas na Web, usand editres e ferramentas de cariz prfissinal. Criar e manter um web site pessal. Cnstruir páginas Web mbilizand s cnheciments e prática sbre a cdificaçã em HTML e a cdificaçã e us de Cascaded Style Sheets. Cnceber aplicações interactivas em páginas web. Identificar s cnceits de simulaçã e mdulaçã cmputacinal. Cmpreender a simulaçã nas ciências e n qutidian. Recnhecer a mdelaçã cm ferramenta. Cmpreender cnceit de IA. Cnhecer a estrutura glbal de um Sistema Pericial. Cnhecer as aplicações de sistemas periciais. Aprfundar s saberes sbre Tecnlgias da Infrmaçã e Cmunicaçã em tarefas de cnstruçã d cnheciment n cntext da sciedade d cnheciment. Cnhecer s prcesss fundamentais da infrmaçã digital. Adaptar-se a surgiment de nvas tecnlgias e equipaments. Utilizar as ptencialidades de pesquisa, cmunicaçã e investigaçã cperativa. Cperar em grup na realizaçã de tarefas. Realizar prjects interdisciplinares utilizand s prcediments da metdlgia de trabalh de prject. Cperar em grup na realizaçã de tarefas e na pesquisa de sluções para situaçõesprblema. 9

10 2.5. AVALIAÇÃO A metdlgia a adptar na avaliaçã centra-se naturalmente nas cmpnentes frmativa e sumativa que enquadram a generalidade ds mdels de avaliaçã. Apesar diss, devem ser estes prcediments articulads cm as duas vertentes fundamentais desta disciplina, cnceptuais e peracinais. Nesse sentid, devem definir-se desde lg papel ds prduts a cnstruir e ds prjects u prpstas de resluçã de prblemas n cômput final da apreciaçã a ser feita pel dcente, na medida em que é essa a melhr aferiçã que se pde fazer das aprendizagens realizadas, e sbretud, ds perfis de desempenh que cada alun demnstra n final das actividades lectivas. Deverã ser, prtant, prcediments de carácter eminentemente prátic e experimental, mesm quand para detecçã u análise de cmpnentes cnceptuais e de cnheciment e identificaçã de equipaments, prcesss u mdels. Sugere-se a realizaçã individual de tarefas ns prjects, cm tdas as características d mdel de avaliaçã a ele inerente pr um lad, u a prpsiçã de resluçã de prblemas peracinais, (a mdelagem de um sm pr exempl) definind as características d prdut pretendid. Para utras matérias, é aceitável a distribuiçã de realidades sites sbre realidade virtual, prduts multimédia, sites sbre equipaments, sluções digitais - em rede, em CD u DVD - cuja interactividade pssa ser analisada individualmente e individualmente identificads s elements que se entendam pder ser apreciads. Deve ser privilegiada ainda a bservaçã d trabalh desenvlvid pels aluns durante as aulas, utilizand para iss grelhas de bservaçã cm escalas bem dimensinadas (d tip das escalas Likert, pr exempl) que permitam registar seu desempenh nas situações que lhe sã prprcinadas, a sua evluçã a lng d an lectiv, interesse e a participaçã, a capacidade de desenvlver trabalh em grup, a capacidade de explrar, investigar e mbilizar cnceits em diferentes situações, a qualidade d trabalh realizad e a frma cm gere, rganiza e autavalia. A avaliaçã é cntínua, permitind-se mments de regist da evluçã d alun para além da apreciaçã aula a aula e a recuperaçã, em temp útil, de qualquer dificuldade. Estã prevists mments de avaliaçã sumativa, prcedend-se à realizaçã de prvas de carácter prátic u teóric-prátic que permitam avaliar da cnslidaçã ds cnheciments adquirids e das cmpetências desenvlvidas a lng d prcess de ensin/aprendizagem. Outra fnte de infrmaçã que pde dar um cntribut imprtante para a avaliaçã reside na cncepçã, na realizaçã, na apresentaçã e discussã em turma de um u váris prjects interdisciplinares, que permitem a mbilizaçã ds saberes adquirids na disciplina em funçã de prblemas u temas de pesquisa que pderã estar ligads a utras áreas d cnheciment. 10

11 2.6. RECURSOS A disciplina de Aplicações Infrmáticas A pressupõe a existência de um labratóri de infrmática equipad cm hardware ajustad às características e exigências d sftware mais recente, e que permita um máxim de dis aluns pr pst de trabalh, prmvend a frmaçã recíprca. É também desejável a existência de meis de prjecçã que permitam a cmunicaçã eficaz cm tda a turma. Deverã ainda ser cnsiderads utrs suprtes de infrmaçã, tais cm vídes, revistas e manuais técnics que sirvam de api as cnteúds leccinads e às necessidades de pesquisa e descberta pr parte ds aluns. 11

12 3. DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA 3.1. Módul 7 Planeament e iniciaçã à cnstruçã de um web site (22 Unidades lectivas) Apresentaçã Cm módul Planeament e iniciaçã à cnstruçã de um web site pretende-se frnecer as aluns cnheciments sbre a frma de cnstruir páginas web sem recurs a prgramas gráfics de web design, n sentid de lhes prprcinar cnheciments mais sólids sbre a cnstruçã de páginas enquant técnics de Infrmática que serã e nã cm web designers. Sã cnhecidas as vantagens da ediçã em HTML face às ferramentas WYSIWYG, nmeadamente a mair flexibilidade na criaçã e ediçã, assim cm a eficiência n carregament das páginas. Sugere-se a intrduçã e a apresentaçã das bases sbre HTML (e CSS cm ferramenta cmplementar da HTML) sempre apiada em exempls cuj códig deverá ser frnecid as aluns, para que estes pssam editar e testar e assim cmpreender da melhr frma a sua utilidade. Cmpetências esperadas O alun deve ser capaz de: Criar e publicar páginas na Web, usand editres e ferramentas de cariz prfissinal; Criar e manter um web site pessal; Utilizar cnvenientemente duas ferramentas essenciais para a cnstruçã de web sites: HTML e CSS; Cnstruir páginas Web mbilizand s cnheciments e prática sbre a cdificaçã em HTML e a cdificaçã e us de Cascaded Style Sheets. 12

13 Módul de Ensin/Aprendizagem 7 Planeament e iniciaçã à cnstruçã de um web site Objectivs - Obter nções elementares sbre a frma e cnteúd de web sites. - Cnhecer as semelhanças e diferenças existentes entre as platafrmas Windws e Linux, sbretud n que diz respeit à articulaçã entre s web servers existentes para essas platafrmas e as ferramentas de cncepçã de web sites. - Cnhecer as diferenças fundamentais entre s brwsers existentes n que respeita à cdificaçã das páginas web. 1ª Parte Fundaments Cnteúds Fundaments d planeament de um web site Regras para um web site eficaz Sbre cnteúd Categrizaçã ds cnteúds Cndensaçã Sbre a frma Cnsistência e previsibilidade Us racinal da tecnlgia Recurs a imagens Cmbinações de cres Us de frames Mdels de páginas Páginas de abertura Páginas iniciais FAQ Cntacts Mapa d site Livr de visitas Páginas de cnteúd Outrs mdels Planear web site Estabelecer s seus bjectivs Reflectir sbre a audiência Listar as características pretendidas para site Organizar a estrutura d site Desenhar esquema de navegaçã Definir a estrutura das páginas Sugestões Metdlógicas/ Situações de aprendizagem - O prfessr deverá dar rientações sbre a estruturaçã de web sites e das suas páginas, apiand-se em exempls de web sites bem e mal cncebids. Mesm para quem vai apenas escrever códig, é imprtante transmitir algumas nções elementares de web design. - O prfessr deverá chamar a atençã para as diferenças de suprte pr parte de algumas platafrmas de web servers, em particular na articulaçã cm ferramentas multimédia, de web design e linguagens de scripting, chamand a atençã para a extrema imprtância deste factr. - O prfessr deverá resumir as diferenças bjectivas entre s principais brwsers existentes n que respeita a suprte das nrmas de cdificaçã HTML e Cascaded Style Sheets (CSS). N.º aulas (90 min) Ttal:

14 Objectivs Cnteúds Sugestões Metdlógicas/ Situações de aprendizagem N.º aulas (90 min) - Analisar as vantagens e desvantagens d us de editres de text e WYSIWYG. Cnceber web sites para diferentes suprtes Servidres Linux e Windws Os diferentes brwsers Editres de páginas web Editres WYSIWYG Editres HTML 2ª Parte Cnstruçã de páginas web - O prfessr deverá cnsciencializar s aluns para as diferenças de fact entre editres WYSIWYG e editres de text, específics u nã. Pderá, naturalmente, sugerir um trabalh de pesquisa que pderá ser cmplementad mais tarde cm a própria experiência ds aluns Recnhecer as vantagens e limitações d HTML. - Cnhecer a estrutura básica de uma página web d pnt de vista da cdificaçã. - Cmpreender a estrutura e sintaxe glbal das tags d HTML. - Usar um Editr de HTML. - Cnhecer as instruções HTML e as técnicas para a clcaçã e frmataçã de elements em páginas web. - Obter cnheciments sólids sbre cdificaçã em HTML. Intrduçã a HTML Tags e elements Estrutura básica de uma página em HTML As tags HTML, HEAD, TITLE e BODY Definições de character entities Tags elementares Headings Parágrafs Quebras de linha Divisões Cmentáris Listas Ordenadas Desrdenadas De definições Definiçã d fund da página Text nas páginas em HTML Frmataçã: fntes, cres e tamanhs Páginas de códig Us das cres Códigs de cres Cres seguras Us de imagens Frmats de imagens - O prfessr deverá frnecer as aluns cnheciments e prática sbre a cdificaçã em HTML e a cdificaçã e us de Cascaded Style Sheets. - O prfessr deverá apresentar gradualmente as instruções de códig, acmpanhadas de exempls que s aluns pssam editar e experimentar antes de avançar para s exercícis e/u um trabalh de prject. - É altamente recmendável us de editres específics para a cdificaçã nestas linguagens, numa perspectiva de aprximaçã a trabalh ds prfissinais desta área. - Apresentar as tags básicas e seu us. - Apresentar a frma de criar listas de 14

15 Objectivs Cnteúds Ficheirs JPEG Ficheirs GIF Transparências Ficheirs PNG Inserçã de imagens Alinhament das imagens Atributs das imagens: altura e largura Alternativas em text ( atribut ALT) Clcaçã de um cntrn Hiperligações Hiperligações a partir de text e a partir de imagens Para dcuments externs a web site Para dcuments interns a web site Para secções internas a dcument Para endereçs de Image maps Definir as znas das imagens Criaçã de Server-side e client-side image-maps Cmbinaçã de ambs s tips Cmpatibilidades cm s váris brwsers Inserçã de elements multimédia GIFs animads Criaçã Optimizaçã Suprte pr parte ds brwsers Áudi Frmats de ficheirs de sns suprtads pels brwsers Ficheirs de sns embebids e ancrads Víde Frmats de ficheirs víde Ficheirs de víde embebids e ancrads Tabelas Sugestões Metdlógicas/ Situações de aprendizagem elements. - Explicar cm definir fund de páginas e as pções pssíveis. - Dar a cnhecer as bases sbre a frmataçã de caracteres e a definiçã de páginas de códig. - Explicar a frma de definir as cres em HTML e elucidar s aluns sbre us racinal de cres e para as platafrmas de 216 e de 16 milhões de cres. - Rever cnceits elementares sbre s frmats de ficheirs de imagens adequads a páginas web. - Explicar a cdificaçã necessária à inserçã de imagens em páginas web. - Explicar cm cdificar s váris tips de hiperligações existentes. - Dar a cnhecer a utilidade, as frmas de criaçã e de integraçã de image maps. - Mstrar cm criar GIFs transparentes e GIFs animads, elements muit cmuns em páginas web. - Frnecer as técnicas de cdificaçã N.º aulas (90 min) 15

16 Objectivs Cnteúds Estrutura básica das tabelas Atributs Limites Espaçaments Dimensões Alinhament Fusã de células Tabelas inseridas em tabelas Funds Frmuláris A tag FORM Os atributs ACTION, METHOD e ENCTYPE Os camps Dar nmes as camps Os camps de input Organizaçã ds camps n frmulári Mlduras (frames) Vantagens e desvantagens das mlduras Alternativas às mlduras Criaçã e frmataçã de mlduras As tags FRAMESET, FRAME, NOFRAMES e IFRAME Hiperligações cm mlduras Para utra mldura Para um a secçã de uma mldura Prmçã d web site Clcaçã de títul, palavras-chave e descriçã as tags HEAD e META Sugestões Metdlógicas/ Situações de aprendizagem HTML para inserçã de elements multimédia. - Rever a imprtância das tabelas em páginas web. - Explicar cm é feita a cdificaçã de tabelas. - Intrduzir a criaçã de frmuláris em páginas através da sua cdificaçã directa em HTML e d psicinament ds seus váris elements. - Elucidar s aluns sbre as vantagens e s incnvenientes d us de frames. - Criar páginas cm frames através da sua cdificaçã directa em HTML, assim cm us de hiperligações entre elas. - Mstrar as instruções HTML que permitem a prmçã d web site ns mtres de pesquisa. N.º aulas (90 min) - Cnhecer as vantagens d us de CSS. - Cnhecer as frmas de us de CSS. Intrduçã às Cascaded Style Sheets (CSS) Vantagens e desvantagens n us de flhas de estil Definiçã de estils Externamente (numa flha de estils externa) Internamente (numa flha de estils interna) - A leccinaçã da cdificaçã CSS, em particular, deve ser bastante apiada em exempls clars e avançar paulatinamente. Deve ser fmentada a 16

17 Objectivs - Cnhecer a sintaxe básica das instruções de frmataçã usada nas CSS. - Saber frmatar s elements de páginas mais cmuns usand CSS. Cnteúds Lcalmente (inline) Priridades Sintaxe usada nas flhas de estil Selectres Prpriedades Valres Cmentáris Identificadres e classes Identificadres Classes Quand usar uns u utrs Definições d fund de um element prpriedades da classe Backgrund Definições para a cr de fund Definições para a imagem de fund Frmataçã de text Cr d text Cr de fund d text Espaçament de caracteres Alinhament Decraçã d text Indentaçã Maiúsculas e minúsculas Fntes Definir a fnte a usar Tamanh Estil Variações Cndensaçã e expansã Espessura ds caracteres Limites Estils Cres Espessuras Sugestões Metdlógicas/ Situações de aprendizagem pesquisa de recurss na Internet, nmeadamente templates e análise de cass prátics realizads pr prfissinais. - Frnecer as instruções e as técnicas básicas para a cnstruçã e us de flhas de estil, assim cm as instruções de frmataçã ds elements mais cmuns em páginas web. N.º aulas (90 min) 17

18 Objectivs Cnteúds Margens Definições das margens de um element Espaçament nas tabelas Definições ds espaçaments dentr das células nas tabelas Listas Marcadres de text Marcadres cm imagens Psicinament ds marcadres Dimensinament de elements Dimensin Dimensinament de imagens Espaçament entre linhas Alinhament relativ de elements na página prpriedades de Classificatin Psicinament e frma de elements na página Psitining Definiçã da frma d cursr Sugestões Metdlógicas/ Situações de aprendizagem N.º aulas (90 min) 18

19 3.2. Módul 8 Intrduçã à geraçã de scripts client-side e cnclusã da cnstruçã d web site (22 Unidades lectivas) Apresentaçã Cm módul Geraçã de scripts client-side e finalizaçã d web site, pretendem-se atingir dis bjectivs. Primeir, dar uma intrduçã a uma linguagem de scripting, ferramenta essencial para um técnic de infrmática na actualidade, fazend-se a prática através da geraçã de scripts client-side, mais fáceis de criar e testar pels aluns. Segund, frnecer alguns métds de teste e de publicaçã de web sites. Tal cm n módul anterir, a prática assistida através de exempls que permitam learning by ding parece-ns ser a melhr frma de abrdagem para estas matérias. Cmpetências esperadas O alun deve ser capaz de: Criar aplicações client-side usand uma linguagem de scripting. Cmpreender a utilidade e saber usar s bjects d HTML DOM. Cnhecer métds de teste de web sites. Cnhecer e saber usar métds de publicaçã de web sites. 19

20 Módul de Ensin/Aprendizagem 8 Geraçã de scripts client-side e cnclusã da cnstruçã de um web site Objectivs - Adquirir cnheciments sbre geraçã e us de scripts em páginas usand a Javascript, tirand ainda partid d acess as bjects d HTML DOM. - Apreender s cnceits sbre Prgramaçã Orientada as Objects na perspectiva dum prgramadr iniciante nesta área. - Identificar códig escrit em Script. Cnteúds 1ª Parte Client-side scripting Geraçã de scripts client-side - Intrduçã a Javascript Intrduçã O sã linguagens de scripting Client-side e server-side scripting O que se pde fazer cm a Javascript Cmpatibilidade cm brwsers Nções elementares sbre prgramaçã pr bjects O cnceit Terminlgia Classes Métds Herança Objects Prpriedades Métds Prtótips Scripts e HTML As tags para inserçã de scripts SCRIPT NOSCRIPT Clcaçã ds scripts Na tag HEAD Na tag BODY Externamente à página Variáveis e tips de dads Tips de dads Numéric Text Blean Sugestões Metdlógicas/ Situações de aprendizagem - O prfessr deverá frnecer as aluns cnheciments sbre geraçã e us de scripts em páginas usand a Javascript, tirand ainda partid ds bjects d HTML DOM. - O prfessr deverá cmeçar pr explicar a utilidade ds scripts, explicitand as diferenças entre a utilizaçã de scripts client-side e server-side e a cmpatibilidade das linguagens de scripting cm s principais brwsers existentes. - Deverá depis avançar para uma breve intrduçã à Prgramaçã Orientada as Objects, fcand s aspects que sã necessáris à prgramaçã em Javascript. - Em seguida, deverá avançar para s métds de inclusã de scripts em páginas e só depis para a cdificaçã prpriamente dita. Aqui, deverá sempre apiar ensin na apresentaçã de sintaxes acmpanhadas de exempls que s aluns pderã editar e experimentar até entenderem. Sugerims a cnsulta ds websites indicads na Bibligrafia, muit em particular s da W3 Schls. N.º aulas (90 min) Ttal:

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministéri da Educaçã Direcçã-Geral de Invaçã e de Desenvlviment Curricular PROGRAMA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS A CURSO TECNOLÓGICO DE INFORMÁTICA 11º An Autres Manuel Luís Silva Pint Paul Malheir Dias

Leia mais

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aprximadamente 84 hras - aulas de 2 hras Primeira Parte Lógica de Prgramaçã 5 aulas 10 hras AULA 1 OBJETIVO 1. Cnceits básics: Algritm, Tips de Variáveis, Tips e Expressões

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas

Escola Básica e Secundária de Velas Escla Básica e Secundária de Velas Dcument Orientadr para a Implementaçã das TIC na Educaçã Pré-Esclar e Ensin Básic 1 As TIC na Educaçã Pré-Esclar e n Ensin Básic O presente Dcument de Orientações Metdlógicas

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º an Subdmíni Cmunicaçã e clabraçã CC8 Cnheciment e utilizaçã adequada e segura de diferentes tips de ferramentas de cmunicaçã,

Leia mais

Mestrado em Sistemas de Informação

Mestrado em Sistemas de Informação U n i v e r s i d a d e d M i n h Departament de Sistemas de Infrmaçã Mestrad em Sistemas de Infrmaçã 2003/2005 Tecnlgias de Streaming em Cntexts de Aprendizagem Sb a rientaçã d Prfessr Dutr Henrique Sants

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

Plano de Recuperação - Inglês

Plano de Recuperação - Inglês Escla: 9º 2005/2006 Prf. I- APOIO PEDAGÓGICO ACRESCIDO Plan de Recuperaçã - Inglês Existência de dis níveis diferenciads: Nível I aluns cm graves deficiências de base. N.º Nme Nível II aluns cm algumas

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 Inserir data e Hra 08/10/2012 N.º PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnic De Turism 2010/2013 DISCIPLINA: Operações Técnicas em Empresas Turísticas An: 3º N.º TOTAL

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Visão por Computador. http://gec.di.uminho.pt/lesi/vpc, http://gec.di.uminho.pt/mcc/vpc. LESI / LMCC 5º Ano. Introdução

Visão por Computador. http://gec.di.uminho.pt/lesi/vpc, http://gec.di.uminho.pt/mcc/vpc. LESI / LMCC 5º Ano. Introdução Visã pr Cmputadr http://gec.di.uminh.pt/lesi/vpc, http://gec.di.uminh.pt/mcc/vpc LESI / LMCC 5º An Intrduçã Jã Luís Ferreira Sbral Departament d Infrmática Universidade d Minh Setembr 2003 Prgrama Intrduçã

Leia mais

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS An 2-B Frmulári de preenchiment brigatóri,

Leia mais

FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE

FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE SOBRE A FRAMEWORK A Framewrk (www.frwtc.cm) atua diretamente cm prfissinais d segment de tecnlgia em busca de capacitaçã, atualizaçã e certificaçã, curss IN-COMPANY persnalizads

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos Prpsta de Frmaçã para us pedagógic e integrad d Tablet Educacinal Estuds Autônms Objetiv geral: OBJETIVOS Prmver a Frmaçã Cntinuada ds Prfessres, Crdenadres Pedagógics e Gestres Esclares, na mdalidade

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Critéris de Avaliaçã Direçã Reginal de Educaçã d Nrte Agrupament de Esclas AMADEO DE SOUZA-CARDOSO Telões - Amarante EDUCAÇÃO MUSICAL 2ºCICLO An Letiv 2014/2015 Dmíni Cgnitiv

Leia mais

FRWTC-300 DESENVOLVIMENTO C# E ORIENTAÇÃO POR OBJETOS

FRWTC-300 DESENVOLVIMENTO C# E ORIENTAÇÃO POR OBJETOS FRWTC-300 DESENVOLVIMENTO C# E ORIENTAÇÃO POR OBJETOS SOBRE A FRAMEWORK A Framewrk (www.frwtc.cm) atua diretamente cm prfissinais d segment de tecnlgia em busca de capacitaçã, atualizaçã e certificaçã,

Leia mais

Informática II INFORMÁTICA II

Informática II INFORMÁTICA II Jrge Alexandre jureir@di.estv.ipv.pt - gab. 30 Artur Susa ajas@di.estv.ipv.pt - gab. 27 1 INFORMÁTICA II Plan Parte I - Cmplementar cnheciment d Excel cm ferramenta de análise bases de dads tabelas dinâmicas

Leia mais

Manual de Apoio para Professores e Formadores

Manual de Apoio para Professores e Formadores Frmaçã de Frmadres em e-learning PT/05/B/F/PP-159147 Manual de Api para Prfessres e Frmadres O prject fi financiad cm api da Cmissã Eurpeia. Esta publicaçã reflecte apenas a visã ds autres, nã pdend a

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo,

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo, AVISO NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCESSOS EM FORMATO DIGITAL A Câmara Municipal de Viseu vai iniciar, n próxim dia 5 de Janeir de 2015, a implementaçã da tramitaçã eletrónica ds prcesss de licenciament/admissã

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO. Programa do Curso

CURSO DE INICIAÇÃO. Programa do Curso CURSO DE INICIAÇÃO Duraçã: 16 hras - 2 Dias Frmadr: Belinda Lureir u Sandra Gril u Daniel Seelw Prgrama d Curs - Filsfia e Cultura RE/MAX - Métds e Técnicas de Angariaçã - Métds e Técnicas de Psicinament

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Visão por Computador. WWW: gec.di.uminho.pt/lesi/vpc, gec.di.uminho.pt/mcc/vpc. LESI/LMCC - 5º Ano. Introdução

Visão por Computador. WWW: gec.di.uminho.pt/lesi/vpc, gec.di.uminho.pt/mcc/vpc. LESI/LMCC - 5º Ano. Introdução Visã pr Cmputadr WWW: gec.di.uminh.pt/lesi/vpc, gec.di.uminh.pt/mcc/vpc LESI/LMCC - 5º An Intrduçã Jã Luís Ferreira Sbral Departament d Infrmática Universidade d Minh Outubr 2002 Prgrama Intrduçã e bjectivs

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463 Mdel de Negócis Trabalh n âmbit da disciplina de Mdelaçã de dads. Criaçã de uma platafrma utilizand as tecnlgias SQL PHP e Javascript.. TRABALHO REALIZADO POR: Antni Gme- 2007009 // Jrge Teixeira - 2008463

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE Prject Rede de Unidades de Prmçä da Invaçä para desenvlviment da terceira missä das Universidades e a cperaçä institucinal através da Invaçän Aberta, prgrama

Leia mais

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito 0 Aplicações Clinicas Patlgia Clínica Luís Lit 1 Evluçã 1. 1993 - Infrmatizaçã parcial d Lab. de Química Clinica 2. 1996 - Inici da infrmatizaçã d Serviç de Patlgia Clínica Clinidata (sistema UNIX/COBOL

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Plano de Estudos do Curso de Licenciatura em Engenharia Electrotécnica Electrónica e Computadores; Ramo: Automação e Sistemas

Plano de Estudos do Curso de Licenciatura em Engenharia Electrotécnica Electrónica e Computadores; Ramo: Automação e Sistemas Área de Especializaçã: Autmaçã e Sistemas Licenciatura em Engenharia Electrtécnica Electrónica e Cmputadres; Ram: Autmaçã e Sistemas Cmpetências An / Semestre Interligaçã e Gestã de Redes Interligaçã e

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

TERAPIA MANUAL DESPORTIVA

TERAPIA MANUAL DESPORTIVA TERAPIA MANUAL DESPORTIVA 14, 15 e 16 de Nvembr de 2014 - LISBOA Resum A Terapia Manual é indiscutivelmente uma área incntrnável na intervençã d fisiterapeuta. N entant, este é um cnceit lat, cm diversas

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

Base de Dados 2013/2014 Trabalho prático Versão 1.0 (2013-11-17)

Base de Dados 2013/2014 Trabalho prático Versão 1.0 (2013-11-17) Base de Dads 2013/2014 Trabalh prátic Versã 1.0 (2013-11-17) Embra a cmpnente prática da disciplina crrespnda a sete valres na nta final, individualmente cada alun pde ter uma classificaçã diferente. Nas

Leia mais

Processador de Texto Funcionalidades Avançadas

Processador de Texto Funcionalidades Avançadas Prcessadr de Text Funcinalidades Avançadas ÍNDICE INTRODUÇÃO...4 MODELOS...4 Criar Mdels...5 MODELO NORMAL...6 Alterar mdel Nrmal.dtm...7 IMPRESSÃO EM SÉRIE MAILINGS...7 Cartas e mensagens de crrei electrónic...8

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

WWW.CLICK-MENTAL.COM

WWW.CLICK-MENTAL.COM Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes WWW.CLICK-MENTAL.COM Criad pr: Click Mental - Sistemas de Infrmaçã, Lda. Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes O que é? O Fidelity é um sftware

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Software Para Controle de Acesso e Ponto

Software Para Controle de Acesso e Ponto Sftware Para Cntrle de Acess e Pnt Características e Funcinalidades Versã 2.0 Inipass é marca registrada da Prjedata Infrmática Ltda. Tds s direits reservads à Prjedata Infrmática Ltda. Características

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado PROGRAMAS/PROJECTOS Prgrama /Prject Objectiv Resultad Indicadr de 1. Prgrama - Inserçã de Jvens na Vida Activa em particular s Candidats a Primeir Empreg Prmçã da inserçã de jvens n mercad de trabalh e

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

COLÉGIO MILITAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

COLÉGIO MILITAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COLÉGIO MILITAR INGLÊS 1º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2015 2016 Grup Disciplinar de Inglês/Alemã 08.09.2015 Preâmbul 1. Pretende-se que a avaliaçã em Língua Estrangeira valrize td percurs esclar d alun,

Leia mais

MS-PAINT. PAINT 1 (Windows7)

MS-PAINT. PAINT 1 (Windows7) PAINT 1 (Windws7) O Paint é uma funcinalidade n Windws 7 que pde ser utilizada para criar desenhs numa área de desenh em branc u em imagens existentes. Muitas das ferramentas utilizadas n Paint estã lcalizadas

Leia mais