O PAPEL DO DESIGNER INSTRUCIONAL NA ELABORAÇÃO DE CURSOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: EXERCITANDO CONHECIMENTOS E RELATANDO A EXPERIÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PAPEL DO DESIGNER INSTRUCIONAL NA ELABORAÇÃO DE CURSOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: EXERCITANDO CONHECIMENTOS E RELATANDO A EXPERIÊNCIA"

Transcrição

1 O PAPEL DO DESIGNER INSTRUCIONAL NA ELABORAÇÃO DE CURSOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: EXERCITANDO CONHECIMENTOS E RELATANDO A EXPERIÊNCIA Luciane Penteado Chaquime 1, Ana Paula Silva Figueiredo 2 1 Universidade Federal de Itajubá - 2 Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI/NEaD Núcleo de Educação a Distância, Resumo O contexto educacional contemporâneo apresenta, como uma de suas principais características, a grande expansão de cursos oferecidos na modalidade de Educação a Distância (EaD). Tais cursos possuem como especificidade o fato de exigirem o trabalho coletivo de uma equipe multidisciplinar de profissionais para seu planejamento e implementação. Dentre os profissionais que compõem essa equipe, destaca-se o designer instrucional, que é o responsável por pensar e propor metodologias e técnicas que facilitem o processo de ensino-aprendizagem. Desse modo, o artigo que ora se apresenta busca ressaltar a importância do designer instrucional na equipe multidisciplinar, enfatizando dois recursos que o auxiliam no desempenho de suas funções: o Mapa de Atividades e o Storyboard. Para tanto, apresentar-se-á a atuação desse profissional em diversas fases de elaboração do curso Literatura Africana: Um Olhar Pedagógico, o qual visa oferecer formação continuada a professores de História, Geografia, Arte e Língua Portuguesa que atuam nos Ensinos Fundamental e Médio das redes pública e particular. Palavras-chave: Designer instrucional; Educação a Distância; Formação continuada; Literatura Africana. Abstract The contemporary context presents, as one of its characteristics, the great expansion of the courses offered in Distance Education. Such courses demand the collective work from a multidisciplinary professional team in order of making their planning and implementation. Among the professionals which compose this team, the instructional designer is in the spotlight, the person responsible for thinking and proposing methodologies and techniques which will favor the teaching-learning process. Thus, the present article aims to offer evidence on the importance of the instructional designer in the multidisciplinary team, emphasizing two resources which help them in the fulfillment of their duties: the Activity Map and the Storyboard. Therefore, the performance of this professional will be presented in several stages of the elaboration of the course African Literature: A pedagogical approach, which seeks to offer continued formation to History, Geography, Arts and Portuguese Language teachers who work on the Elementary and Middle School courses of public and private schools. Keywords: Instructional designer; Distance Education; Continued formation; African Literature. 1

2 1. Introdução O cenário educacional contemporâneo tem como uma de suas características a grande expansão dos cursos oferecidos pela modalidade de Educação a Distância (EaD). Em virtude de sua flexibilidade espaço-temporal, a EaD permite aos indivíduos ter acesso a cursos de graduação, pós-graduação, capacitação e formação continuada sem sair de suas casas ou locais de trabalho. Dessa maneira, a EaD tem sido fomentada pela esfera governamental que, por meio de políticas públicas, incentiva propostas de curso nessa modalidade como forma de democratizar e ampliar o acesso à Educação. A elaboração e implementação de cursos nessa modalidade de ensino-aprendizagem têm como especificidade o trabalho conjunto de profissionais com formações variadas, os quais desempenham diferentes funções em cada etapa do processo. Dentre esses profissionais, ganha destaque o designer instrucional por seu papel de integrador da equipe multidisciplinar e de apoio pedagógico na escolha das soluções tecnológicas mais adequadas para a promoção de um processo educacional colaborativo, cooperativo, significativo e motivador ao aluno. Dito isto, o presente artigo tem por objetivo ressaltar a importância do trabalho do designer instrucional na equipe multidisciplinar responsável pela elaboração de cursos de EaD, bem como os recursos dos quais se vale para o desempenho de suas funções. Para tanto, inicia-se com algumas considerações acerca da EaD e da definição de designer instrucional. Com isso, busca-se contextualizar o leitor sobre características atuais do panorama educacional de nosso país, bem como das atribuições do profissional do design instrucional. Em seguida, será apresentado o design instrucional do curso Literatura Africana: Um Olhar Pedagógico para que o leitor conheça as etapas de elaboração percorridas para a construção da proposta, bem como a justificativa para implementá-la como um curso de formação continuada. A seção subsequente abordará dois recursos utilizados pelo designer instrucional em seu trabalho na equipe multidisciplinar: o Mapa de Atividades e o Storyboard. Os exemplos inseridos na explanação foram extraídos do design instrucional do curso Literatura Africana: Um Olhar Pedagógico para que o leitor compreenda como o profissional foco deste trabalho se vale de tais recursos para o desempenho de sua função. Como toda proposta de curso está sujeita a vulnerabilidades e riscos em seu processo de implementação e tendo em vista que esses aspectos devem ser considerados pelo designer instrucional, a seção seguinte tratará dessas questões. Por fim, serão tecidas algumas considerações acerca da temática desenvolvida ao longo do texto. 2. A Educação a Distância e o designer instrucional breves considerações O avanço alcançado pelas tecnologias de informação e comunicação (TICs) na atualidade, especialmente em virtude do desenvolvimento da informática, rompeu com todas as barreiras espaço-temporais, possibilitando a qualquer indivíduo, em qualquer parte do mundo, interagir com outros e construir conhecimento de forma colaborativa. Assim, hoje em dia, ensinar e 2

3 aprender tornou-se um processo sem fronteiras. A popularização dos computadores e do acesso à internet favoreceu o crescimento da Educação a Distância (EaD) que, em linhas gerais, pode ser compreendida como aquela em que aluno e professor, distantes física e espacialmente, utilizam algum tipo de tecnologia para mediar sua interação (BEHAR, 2009, p. 16). Em nosso país, a oferta de cursos nessa modalidade foi impulsionada pela promulgação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 1 (LDB). Isso porque, em seu artigo 80, estabelece que a EaD, em todos os níveis de ensino, inclusive na educação continuada, deveria receber incentivos governamentais para desenvolver-se. Dessa maneira, essa modalidade de ensino-aprendizagem passou a ser valorizada como uma opção viável para a democratização do acesso à Educação no Brasil. Uma das principais características da EaD refere-se à elaboração e ao desenvolvimento dos cursos. Para tanto, é necessário o trabalho conjunto de uma equipe multidisciplinar de profissionais (professores conteudistas, tutores virtuais, tutores presenciais, web designers, revisores, programadores, entre outros) que irá se organizar para atender às diferentes etapas do projeto, quais sejam: planejamento, produção, divulgação, implementação, avaliação, suporte e coordenação. Dentro dessa equipe multidisciplinar, encontra-se o designer instrucional que, segundo a Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), é o profissional responsável por aplicar metodologias e técnicas que facilitem o processo de ensino-aprendizagem (BRASIL, 2012). Dessa maneira, conforme destacam Kenski e Barbosa (2007) acerca desse profissional, suas funções são complexas e diversificadas. Em virtude disso, sua formação deve abarcar conhecimentos de diferentes áreas, como tecnologia, educação, gestão de pessoas, comunicação e produção de textos e hipertextos, dentre outras. Nesse sentido, compreendem o designer instrucional como sendo o profissional responsável pela coordenação e desenvolvimento dos trabalhos de planejamento, desenvolvimento e seleção de métodos e técnicas mais adequadas ao contexto em que será oferecido um curso a distância. Sua atuação também engloba a seleção de atividades, materiais, eventos e produtos educacionais de acordo com as situações específicas de cada oferta educacional, a fim de promover a melhor qualidade no processo de aprendizagem dos alunos em cursos ocorridos em ambientes virtuais. (KENSKY; BARBOSA, 2007, p. 3) Também para Moreira (2009), o profissional de design instrucional deve apresentar um perfil interdisciplinar, em especial nas áreas de educação, comunicação e tecnologia, articulando várias funções (MOREIRA, 2009, p. 373). Para esta autora, é de fundamental importância a formação abrangente desse profissional, uma vez que sua atuação ocorre desde o planejamento até as etapas finais de avaliação do projeto ou curso desenvolvido na modalidade EaD. Ainda a respeito dos conhecimentos necessários à atuação do designer instrucional dentro da equipe multidisciplinar, Mendoza et al. (2010), colocam que 1 Lei n 9.394, de 20 de dezembro de 1996, a qual estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 3

4 Em algumas situações, o designer instrucional também conhecido como projetista educacional, ou ainda, como projetista instrucional é visto como um técnico cuja função primordial é conhecer os recursos tecnológicos para apoiar o professor na elaboração de material didático para cursos online. (MENDOZA ET AL., 2010, p. 96) No entanto, a exemplo de Kenski e Barbosa (2007), citados anteriormente, Mendoza et al. (2010) deixam claro que a atuação do designer instrucional abrange muito mais do que o aspecto técnico e, assim, esse profissional deve ter algumas competências, dentre as quais: conhecer a EaD, bem como as tecnologias disponíveis e as que são emergentes; saber trabalhar em equipe; ter habilidade para identificar estratégias pedagógicas adequadas a cada conteúdo. Além disso, é fundamental que esse profissional conheça a proposta do curso e o perfil do aluno (MENDOZA ET AL., 2010, p ). Sendo assim, segundo os autores o designer instrucional deve atuar como um agente que apoie e participe ativamente do processo de planejamento, construção, avaliação e adequação de cursos oferecidos [...] auxiliar na produção de materiais e de atividades que valorizem e sustentem o processo de ensino-aprendizagem e se alinhem à proposta pedagógica do curso e aos seus objetivos. (MENDOZA ET AL., 2010, p. 97) Dessa maneira, o designer instrucional é o responsável por dar o apoio pedagógico, especialmente nas etapas de planejamento, desenvolvimento e avaliação, de modo que o conteúdo do curso seja motivador e propicie ao aluno a construção colaborativa do conhecimento mediado pelas tecnologias. Disso depreende-se que o designer instrucional desempenha um papel estratégico na equipe multidisciplinar no sentido em que cabe a ele gerenciar a comunicação entre todos os envolvidos em projetos de cursos de EaD. 3. O design instrucional do curso Literatura Africana: Um Olhar Pedagógico 3.1. Justificativa da proposta e etapas de elaboração do curso A partir da promulgação da lei nº , em 09 de janeiro de 2003, tornou-se obrigatório incluir a temática História e Cultura Afro-Brasileira no currículo oficial da Rede de Ensino da Educação Básica. Sendo assim, especialmente os professores das disciplinas de Arte, Língua Portuguesa e História devem abordar em suas aulas, considerando a referida lei, as contribuições dos povos africanos para a constituição da cultura brasileira. Contudo, o convívio diário no ambiente escolar, e a experiência dele resultante, chamam a atenção para as dificuldades enfrentadas pelos professores em relação ao cumprimento de algumas diretrizes educacionais, como a supracitada. Tais dificuldades resultam não apenas da árdua e estressante rotina que acaba por propiciar o desenvolvimento de aulas pautadas numa pedagogia transmissiva, mas, muitas vezes, são consequências do despreparo e da falta de subsídios teóricos para a abordagem, em sala de aula, de temáticas específicas. Em outras palavras, devido à falta de formação continuada para esses docentes, é frequente que reproduzam conteúdos já pertencentes ao currículo e que pouco valorizam a cultura e a história africanas, como o tráfico de escravos no período da colonização ou o 4

5 racismo em relação aos negros. Por desconhecimento e despreparo, os professores das referidas disciplinas, ao invés de contribuir para a valorização dessa vertente cultural da nação brasileira, acabam por reproduzir modelos e discursos de opressão e de supremacia da cultura branca ocidental. Considerando esse contexto, e de acordo com o que foi colocado anteriormente, a EaD mostra-se como uma alternativa viável para a oferta de formação continuada aos professores que buscam aprimorar-se em sua profissão. Conforme destaca Nunes (2009), Atualmente, mais de 80 países, nos cinco continentes, adotam a educação a distância em todos os níveis, em sistemas formais e não formais de ensino, atendendo a milhões de estudantes. A educação a distância tem sido largamente usada para treinamento e aperfeiçoamento de professores em serviço, como é o caso do México, Tanzânia, Nigéria, Angola e Moçambique. (NUNES, 2009, p. 3) Tendo como pressuposto essa potencialidade da EaD, assinalada por Nunes (2009), e uma vez constatado esse déficit na formação continuada de professores que atuam na Educação Básica elaborou-se o curso Literatura Africana: Um Olhar Pedagógico. Tal curso busca tratar o tema da História e Cultura Afro-Brasileira de forma a oferecer subsídios teóricos para o preparo de aulas mais dinâmicas, críticas, motivadoras e que efetivamente recuperem a herança cultural dos povos africanos, a qual influenciou na formação da cultura e do provo brasileiro. O primeiro passo dado para o desenvolvimento do design instrucional da proposta do curso foi a organização de um Checklist para diagnosticar, isto é, levantar dados que auxiliassem no planejamento. Nesse sentido, foram colhidas informações acerca do públicoalvo, administração, ou seja, recursos humanos e materiais necessários à implementação do curso, projeto pedagógico, programação, cronograma de execução das diversas etapas envolvidas no design instrucional, formas de avaliação da aprendizagem e da oferta do curso e possibilidade de inclusão de pessoas com necessidades especiais. Concluído o Checklist, procedeu-se à escolha da teoria pedagógica que fundamenta o design instrucional do curso, uma vez que tal escolha está atrelada aos objetivos gerais e específicos, bem como ao conteúdo abordado no curso e ao público-alvo ao qual se volta. No caso específico do design instrucional do curso Literatura Africana: Um Olhar Pedagógico, a teoria pedagógica que o fundamenta é a sócio-construtivista ou sóciointeracionista, a qual, em linhas gerais, compreende que o conhecimento é construído pelos indivíduos na interação entre si e com o meio em que estão inseridos (SCHLEMMER, 2001). Uma vez realizados esses passos, foi necessário eleger o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) no qual será implementado o curso. Quanto a isso, por oferecer ferramentas que permitem a interação entre os alunos e entre esses e seus professores na construção colaborativa do conhecimento e por atender à teoria pedagógica que fundamenta o curso, o TelEduc foi o AVA escolhido. Finalmente, a atenção voltou-se para a elaboração dos recursos que auxiliam o designer instrucional no desempenho de sua função dentro da equipe multidisciplinar. Assim, foi elaborado o Mapa de Atividades, no qual é possível ter uma visão geral do curso, duas Matrizes de DI, nas quais estão detalhadas orientações, procedimentos e critérios de avaliação 5

6 das atividades mais dinâmicas do curso e, ainda, o Storyboard, recurso que permite ao designer instrucional orientar a equipe de produção, de forma precisa, acerca das mídias que serão utilizadas no curso. A quarta seção deste artigo abordará apenas dois desses recursos, isto é, o Mapa de Atividade e o Storyboard, pois a Matriz de DI é um documento complementar ao Mapa de Atividades A contribuição da proposta para a formação continuada O curso Literatura Africana: Um Olhar Pedagógico possui uma carga horária total de 45 horas, divididas em 10 aulas e com previsão de dois meses de duração. A primeira e a segunda aulas têm por objetivo sensibilizar e inserir o aluno na temática geral do curso, isto é, a História e a Cultura Afro-Brasileira, resgatando aspectos históricos do continente africano antes da colonização e relacionando-os ao início da história do Brasil. As aulas de números 3 e 4 buscam promover a reflexão sobre como a temática do negro foi abordada pela educação brasileira ao longo dos anos e como esse processo mascarou o racismo e contribuiu para a formação do mito de que o Brasil vive uma democracia racial. Na quinta aula, a proposta é fazer uma análise das práticas pedagógicas existentes acerca do currículo multicultural, isto é, sobre como frequentemente são promovidas as atividades de ensino-aprendizagem que abordam a temática da contribuição da cultura africana para a formação do povo brasileiro. Nas aulas 6, 7 e 8 a literatura africana é apresentada como uma alternativa para que os professores de Arte, Língua Portuguesa, História e, também, Geografia, possam cumprir o que está colocado no texto da lei nº /03. As aulas 9 e 10 visam auxiliar o professor da Educação Básica a planejar atividades pedagógicas mais dinâmicas, motivadoras e que, ao mesmo tempo em que atendam às prerrogativas da lei nº /03, contribuam para a formação de uma consciência crítica diante das questões relacionadas à presença dos povos africanos e sua contribuição para a cultura brasileira. Como forma de atender aos diferentes estilos de aprendizagem dos alunos, as aulas virtuais contarão com recursos midiáticos diferenciados, tais como textos, vídeos e jogos interativos, e com atividades individuais e em grupo. No que diz respeito à avaliação, a presente proposta de curso parte do pressuposto de que deve promover uma aprendizagem contextualizada, significativa e colaborativa. Nesse sentido, a avaliação envolve três momentos, quais sejam: de diagnóstico, em que são identificados os conhecimentos que os alunos já possuem sobre determinado tema; momentos de formação, nos quais o aluno é levado a refletir, individual ou coletivamente, sobre os conhecimentos que está construindo acerca do assunto estudado e, ainda, momentos em que o aluno deve elaborar uma síntese sobre os conhecimentos adquiridos e propor um projeto no qual possa aplicá-los. Este terceiro momento é o da avaliação somativa. 6

7 4. Os recursos de design Segundo Filatro (2008), embora ainda haja muitas versões sobre a definição de design instrucional, é possível compreendê-lo a partir da disjunção dos termos. Desse modo, design refere-se ao resultado de um processo ou de uma atividade com objetivos claramente definidos, isto é, um produto, e instrução diz respeito a uma atividade de ensino que faz uso da comunicação para facilitar a aprendizagem. Nas palavras da autora: [...] definimos design instrucional como a ação intencional e sistemática de ensino que envolve o planejamento, o desenvolvimento e a aplicação de métodos, técnicas, atividades, materiais, eventos e produtos educacionais em situações didáticas específicas, a fim de promover, a partir dos princípios de aprendizagem e instrução como o processo (conjunto de atividades) de identificar um problema (uma necessidade) de aprendizagem e desenhar, implementar e avaliar uma solução para esse problema. (FILATRO, 2008, p. 3) Como recursos para auxiliá-lo na execução de sua função na equipe multiprofissional, o designer instrucional pode utilizar o Mapa de Atividades e o Storyboard O Mapa de Atividades É um recurso utilizado na fase de planejamento do curso. Contém a organização das aulas, bem como as atividades teóricas e práticas. No que diz respeito à sua forma, um Mapa de Atividades é organizado em um quadro com linhas e colunas, o qual visa apresentar um panorama geral da dinâmica do curso. O quadro 1 foi extraído do Mapa de Atividades do curso Literatura Africana: Um Olhar Pedagógico e apresenta a estrutura da segunda aula. Aula/Se mana (período) Aula nº 2 5h 7dias Quadro 1 Segunda aula do curso Literatura Africana: Um Olhar Pedagógico Unidade (Tema principal) Introdução à História da África Ecos africanos na América Latina Objetivos específicos - Descrever as características do tipo de colonização praticada pelos portugueses na América; - Analisar os aspectos da cultura africana que foram trazidos para a América Latina. Atividades teóricas e recursos/ferrame ntas de EaD Subunidades (Subtemas) Atividade 4: Leitura do Texto América Afro- Latina, Ferramenta: Leituras Recurso: arquivo PDF Atividade 5: Leitura da resenha América Afro- Latina Ferramenta: Leituras Recurso: arquivo PDF Atividades práticas e recursos/ferramentas de EaD Atividade 6: Formar grupos de 10 alunos. Ferramenta: Grupos Avaliativa: Não Duração: 1 dia Atividade 7: Os grupos deverão acessar o Fórum de Discussão e debater sobre a seguinte questão: Quais as principais consequências da colonização portuguesa para a formação da cultura brasileira? Ferramenta: Fóruns de discussão Avaliativa: Não Duração: 2 dias 7

8 Aula/Se mana (período) Unidade (Tema principal) Subunidades (Subtemas) Objetivos específicos 8 Atividades teóricas e recursos/ferrame ntas de EaD Atividades práticas e recursos/ferramentas de EaD Atividade 8: Após realizada a participação no fórum e com base na leitura dos textos propostos nas atividades 4 e 5, o grupo deverá elencar e analisar os diversos aspectos da cultura africana que podem ser identificados em nossa vida cotidiana na atualidade. A análise deverá ser apresentada pelo grupo em arquivo de Power Point que deverá conter uma capa com os nomes dos integrantes do grupo e, no máximo, 5slides. Ferramenta: Portfólio de Grupo Recurso: Arquivo PPT Avaliativa: Sim (SOMATIVA) Valor/Peso: 10 pontos Duração: 3 dias Como é possível verificar, a primeira coluna do Mapa de Atividades, denominada Aula/Semana (período), traz as informações sobre a quantidade de aulas que serão disponibilizadas no AVA, bem como a duração, isto é, a carga horária necessária para a realização da aula e o período, ou seja, o tempo disponível para que o aluno conclua e entregue as atividades para que sejam avaliadas. A segunda coluna apresenta as Unidades ou Temas Principais que serão desenvolvidos nas aulas. Já a terceira coluna especifica as Sub-unidades ou Sub-temas que nada mais são do que um desmembramento do tema principal. Os objetivos específicos estão presentes na quarta coluna do Mapa de Atividades e, segundo esclarecem Franco, Braga e Rodrigues (2010), os objetivos educacionais de cada aula e das atividades que serão planejadas no mapa [...] sempre devem ser definidos com foco na aprendizagem do aluno, ou seja, no que ele será capaz de realizar após a execução das tarefas propostas na aula. (FRANCO; BRAGA; RODRIGUES, 2010, p. 101, grifos das autoras) Assim sendo, os objetivos específicos contemplados na proposta do curso Literatura Africana: Um Olhar Pedagógico estão atrelados às atividades teóricas e práticas elaboradas e descritas na quinta e na sexta colunas do Mapa de Atividades, respectivamente. Além disso, tais objetivos foram definidos no contexto da teoria pedagógica que fundamenta o curso, qual seja, a sócio-construtivista ou sócio-interacionista. Essa teoria fundamenta-se nas pesquisas do psicólogo e filósofo bielo-russo Lev Vygotsky ( ) que, em seus estudos sobre o homem e o modo como constrói sua subjetividade, busca desfazer a oposição entre as determinações objetivas, isto é, da realidade,

9 e as subjetivas, ou seja, do próprio indivíduo. Pautando-se nos princípios do materialismo histórico-dialético, Vygotsky concebe o homem como ser ativo que, atuando na realidade ao seu redor, transforma-a e a si mesmo também. Sendo assim, para ele o homem distingue-se dos outros animais e torna-se humano na medida em que, pela mediação dos instrumentos físicos e simbólicos, relaciona-se com a natureza, produzindo a cultura. E esse processo se dá de modo dinâmico, pois gera mudanças na realidade e no próprio ser humano que está agindo nela, conforme esclarece Schlemmer (2001): Na concepção epistemológica interacionista/construtivista, o conhecimento é entendido como uma relação de interdependência entre o sujeito e seu meio. Tem um sentido de organização, estruturação e explicação a partir do experenciado. É construído a partir da ação do sujeito sobre o objeto de conhecimento, interagindo com ele, sendo as trocas sociais condições necessárias para o desenvolvimento do pensamento. (SCHLEMMER, 2001, p. 11) Das palavras da autora, depreende-se que a cultura resultante do processo de interação entre indivíduo e realidade é o que confere ao ser humano o seu caráter social. Desse modo, para que o sujeito se desenvolva enquanto tal, e também socialmente, é necessário que haja a internalização da cultura, o que se dá por meio do aprendizado. Nesse sentido, verifica-se a proposição de atividades dinâmicas que possibilitam a troca de saberes entre os aprendizes e a construção coletiva e cooperativa do conhecimento desde o início. Pode-se apontar como exemplos de atividades pautadas na concepção sócioconstrutivista ou sócio-interacionista, as de número 6, 7 e 8 (aula 2), as quais propõem a realização de debates e trabalhos em grupos, de forma a promover a interação entre os alunos e o aprendizado coletivo e colaborativo. Conforme argumenta Schlemmer (2001), novamente, O trabalho em grupo apresenta vantagens do ponto de vista da própria formação do pensamento, pois a atividade pessoal se desenvolve livremente, numa atmosfera de controle mútuo e de reciprocidade. Invenção e verificação, são os dois polos dessa atividade. (SCHLEMMER, 2001, p. 12) Vale ressaltar, também, que, além de ligarem-se aos objetivos, há um dinamismo entre as atividades teóricas e práticas, pois as teóricas consistem na apresentação do conteúdo principal da aula ao aluno e as atividades práticas referem-se àquelas que serão executadas pelo aluno e acompanhadas pelo professor ou tutor responsável pela turma. Faz-se necessário dizer, ainda, que as atividades no Mapa devem conter informações sobre a ferramenta do AVA que será utilizada, o recurso ou mídia que o aluno acessará para a realização da atividade e, no caso das atividades práticas (sexta coluna), deve apresentar orientações sobre avaliação ou não da atividade, qual o seu valor/peso e o prazo para ser executada O Storyboard Outro recurso bastante usado pelo designer instrucional é o Storyboard (SB). Trata-se de um roteiro desenhado em quadros que auxilia na resolução de dúvidas, na orientação e na tomada de decisão por parte dos profissionais que compõem a equipe multidisciplinar. 9

10 Acerca da relevância do SB enquanto recurso para o designer instrucional na comunicação com sua equipe, Filatro (2008) diz o seguinte: O importante, de fato, é comunicar à equipe de produção as ideias e a perspectiva visual sobre o produto final, deixando o mínimo de decisões para o acaso, e ter sempre em mente que o SB funciona como (1) documentação das decisões relacionadas ao design instrucional, (2) base para a gestão, o controle e a comunicação do projeto e (3) demonstração do produto final para os diversos interessados. (FILATRO, 2008, p. 61) Pelas palavras da autora, fica claro que, por meio desse recurso, o designer instrucional é capaz de simular ações nas fases de planejamento e desenvolvimento do curso, bem como antecipar problemas e esboçar caminhos e soluções. Para o curso Literatura Africana: Um Olhar Pedagógico desenvolveu-se um SB de conteúdo sobre a biografia dos dois autores africanos de língua portuguesa que são estudados. Para tanto, utilizou-se um template (figuras 1 e 2), isto é, um modelo de página, no qual detalhou-se os locais da tela em que deveriam ser inseridos o título, as imagens, o texto e os botões de navegação. Além disso, na lateral da tela principal, num espaço denominado Informações para a equipe de produção, descreveu-se minuciosamente as orientações a cada membro da equipe multidisciplinar que auxilia na produção da tela final, ou seja, o conteudista, o revisor, o designer gráfico e o programador. Vale destacar, ainda, a elaboração da tela final que será vista pelo aluno no AVA, a partir do desenvolvimento do SB (figura 3). Figura 1 Storyboard proposto 10

11 Figura 2 Continuação do storyboard proposto Figura 3 Tela Final produzida a partir do Storyboard das Figuras 1 e 2 5. As vulnerabilidades da proposta Em qualquer proposta de curso é preciso considerar os riscos implícitos nas etapas de elaboração e oferta. Em relação ao design instrucional do curso Literatura Africana: Um Olhar Pedagógico foram identificados alguns pontos limitadores. O primeiro deles diz respeito ao público-alvo, o qual pode não possuir experiência na utilização de tecnologias digitais, bem como na navegação em ambientes virtuais de aprendizagem. Outro ponto a ser considerado em relação ao público-alvo refere-se à motivação, pois os participantes podem ser levados ao curso pela obrigatoriedade em se trabalhar com a temática e não pela busca por qualificação profissional. Além desse aspecto, é necessário 11

12 destacar a possibilidade de, entre o público-alvo, haver pessoas com necessidades especiais, as quais deverão ser atendidas em suas necessidades por meio de softwares que permitam a acessibilidade aos conteúdos disponíveis no curso. Também é necessário considerar a infraestrutura da escola ou instituição que irá ofertar o curso, a qual deve estar equipada adequadamente com materiais, mobiliários, computadores com acesso à internet, rampas e outros recursos que atendam às necessidades dos alunos, sejam elas necessidades especiais ou não. Por fim, é necessário pensar-se na obsolescência da temática do curso, pois, após um determinado período de oferta, é possível haver a saturação da demanda por essa formação específica. Assim, os gastos com o planejamento, a produção de materiais e mídias e a implantação não mais cobrirão os custos, o que levará a uma inviabilização da oferta do curso. 6. Considerações finais Este artigo buscou enfocar a atuação do designer instrucional na equipe multidisciplinar envolvida na elaboração de cursos oferecidos na modalidade EaD. Configurando-se como o profissional que participa das etapas de planejamento, desenvolvimento, implantação e avaliação de projetos de cursos virtuais, cabe a ele conhecer e aplicar metodologias facilitadoras do processo de ensino-aprendizagem e a possibilidade de utilizar a EaD para capacitar profissionais em conteúdo exigido pela legislação. Em seu trabalho cotidiano, o designer instrucional conta com alguns recursos como o Mapa de Atividades e o Storyboard. Tais recursos facilitam o planejamento das atividades propostas para cada aula, atrelando-as às ferramentas disponíveis no ambiente virtual de aprendizagem escolhido, aos objetivos de aprendizagem e à teoria pedagógica que embasa a proposta do curso, bem como à comunicação entre os diferentes profissionais que compõem a equipe multidisciplinar. Além disso, cabe a esse profissional preocupar-se com as vulnerabilidades da proposta na qual está trabalhando, de forma a prever eventuais riscos e aprimorar futuras ofertas do curso. 7. Referências BEHAR, P. A. Modelos pedagógicos em educação a distância. Porto Alegre: Artmed, BRASIL. Lei n 9.394, de 20 de dezembro de Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 5ª ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação Edições Câmara, BRASIL. Lei n , de 9 de janeiro de Altera a Lei n 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática História e Cultura Afro- Brasileira, e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Classificação Brasileira de Ocupações CBO. Disponível em: Acesso em: 10 out KENSKI, V. M.; BARBOSA, A. C. L. S. Gestão de pós-graduação a distância: curso de 12

13 especialização em designer instrucional para educação on-line. In: CONGRESSO LUSO- BRASILEIRO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, Porto Alegre, Anais... Porto Alegre: Anpae, p. MENDOZA, B. A. P et al. Designer Instrucional: membro da polidocência na Educação a Distância. In: MILL, D., OLIVEIRA, M. R. G., RIBEIRO, L. R. C. (Org.) Polidocência na educação a distância: múltiplos enfoques. São Carlos: EDUFSCar, p MOREIRA, M. G. A composição e o funcionamento da equipe de produção. In: LITTO, F. M.; FORMIGA, M. M. M. (Org.). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, p NUNES, I. B. A história da EaD no mundo. In: LITTO, F. M.; FORMIGA, M. M. M. (Org.). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, p FILATRO, A. Design instrucional na prática. São Paulo: Pearson Education do Brasil, FRANCO, L. R. H. R.; BRAGA, D. B.; RODRIGUES, A. EaD virtual: entre teoria e prática. Itajubá: Premier, SCHLEMMER, E. Projetos de aprendizagem baseados em problemas: uma metodologia interacionista/construtivista para formação de comunidades em ambientes virtuais de aprendizagem. - Revista Digital da CVA, v. 1, n. 2, p , nov

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO Carlos Eduardo Rocha dos Santos Universidade Bandeirante Anhanguera carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

A AÇÃO DO DESIGNER INSTRUCIONAL E O EMPREENDEDORISMO EM TURMAS DO SEJA

A AÇÃO DO DESIGNER INSTRUCIONAL E O EMPREENDEDORISMO EM TURMAS DO SEJA 1 A AÇÃO DO DESIGNER INSTRUCIONAL E O EMPREENDEDORISMO EM TURMAS DO SEJA Salvador- BA - maio 2012 Categoria: F Setor Educacional: 5 Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: E / Meso: J / Micro:

Leia mais

MBA Executivo. Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça

MBA Executivo. Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça 1 O Instituto COPPEAD: O Instituto COPPEAD oferece o curso de especialização

Leia mais

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática.

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática. MATRIZ CURRICULAR* Disciplina CH Integração 20 Planejamento e Gestão em Educação a Distância 40 Cultura Virtual, Pensamento e Construção do Conhecimento na Educação a Distância 40 Noções de Gestão de Projetos

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE BACHARELADO EM BIBLIOTECONOMIA EM EaD

GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE BACHARELADO EM BIBLIOTECONOMIA EM EaD GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE BACHARELADO EM BIBLIOTECONOMIA EM EaD Ana Maria Ferreira Carvalho Mariza Russo Nadir Ferreira Alves Nysia Oliveira de Sá CBG/FACC/UFRJ

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web 2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web A eficiência da educação a distância (EAD) depende da contribuição de diversas disciplinas. É comum encontrarmos estudos nas áreas da ciência da computação,

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia.

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia. 1 O PAPEL DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: Um Estudo de Caso no pólo UNOPAR, Machadinho do Oeste - RO Izaqueu Chaves de Oliveira 1 RESUMO O presente artigo tem por objetivo compreender a importância

Leia mais

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região Objetivo geral Elaborar um projeto básico de curso on-line Objetivos específicos 1.Aplicar conceitos e fundamentos do DI na concepção

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DE UM PROJETO INSTRUCIONAL DE CURSO A DISTÂNCIA VIRTUAL

ANÁLISE CRÍTICA DE UM PROJETO INSTRUCIONAL DE CURSO A DISTÂNCIA VIRTUAL ANÁLISE CRÍTICA DE UM PROJETO INSTRUCIONAL DE CURSO A DISTÂNCIA VIRTUAL Resende-RJ, 04/2010 Miguel Carlos Damasco dos Santos Associação Educacional Dom Bosco - damasco@resenet.com.br Categoria: Métodos

Leia mais

DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT

DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2. CENÁRIO PROFISSIONAL 3. CONCEPÇÃO DA APRENDIZAGEM E METODOLOGIA 4. ESTRATÉGIAS

Leia mais

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS São Luís MA maio de 2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das áreas de pesquisa em EAD Macro: C / Meso: J /

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS São Paulo SP Maio 2012 Setor Educacional Educação Corporativa Classificação das Áreas

Leia mais

O DESIGNER INSTRUCIONAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

O DESIGNER INSTRUCIONAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Gramado RS De 29 de setembro a 2 de outubro de 2014 O DESIGNER INSTRUCIONAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Mariana Aparecida Schiavon Ferreira Universidade do Estado de Minas Gerais marischiavon@hotmail.com Leililene

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013)

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Questionamentos que devem ser enfrentados 1. Como você descreveria esse ambiente

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO

ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO CONCEPÇÃO DO CURSO O curso de Pós-graduação Lato Sensu Especialização em Propriedade Intelectual e Inovação faz parte do Programa de Capacitação dos

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

Palavras -chave: EAD, materiais didáticos, critérios de avaliação.

Palavras -chave: EAD, materiais didáticos, critérios de avaliação. OS CRITÉRIOS DE QUALIDADE NO MATERIAL DIDÁTICO IMPRESSO NA EAD Autora: Lucicleide da Silva (UNEAL/UFAL) lucicleide2004@ig.com.br Drª. Cleide Jane de Sá Araújo Costa (UFAL) cleidejanesa@gmail.com RESUMO:

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD 1 FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD Elisangela Lunas Soares UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar elisangela.soares@unicesumar.edu.br Alvaro Martins Fernandes Junior UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim

Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim Conselheira do Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Superior EAD NO BRASIL 1ª Fase: Década de 60 Ensino

Leia mais

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA Maio de 2008 Marina Caprio Faculdade Interativa COC marinacaprio@coc.com.br Karen Bortoloti Faculdade Interativa COC bortoloti@coc.com.br Categoria

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres Escola de Enfermagem Ensino de Enfermagem em Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Heloisa Helena Ciqueto Peres Maria Madalena Januário Leite Claudia Prado hhcperes@usp.br marimada@usp.br claupra@usp.br

Leia mais

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista:

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: A metodista é credenciada pelo MEC para o oferecimento de cursos a distância? Sim. A Universidade Metodista de São Paulo recebeu o credenciamento do

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO NÚCLEO INTERDISCIPLINAR DE ESTUDOS E PESQUISAS EM DIREITOS HUMANOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

DESIGN INSTRUCIONAL: APLICABILIDADE DOS DESENHOS PEDAGÓGICOS NA EAD ON-LINE BRASILIA-DF, MAIO, 2009

DESIGN INSTRUCIONAL: APLICABILIDADE DOS DESENHOS PEDAGÓGICOS NA EAD ON-LINE BRASILIA-DF, MAIO, 2009 1 DESIGN INSTRUCIONAL: APLICABILIDADE DOS DESENHOS PEDAGÓGICOS NA EAD ON-LINE BRASILIA-DF, MAIO, 2009 Karine Xavier Freire Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal karine.xavier@gmail.com Categoria

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA. Curitiba - PR - Outubro de 2014

DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA. Curitiba - PR - Outubro de 2014 1 DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA Curitiba - PR - Outubro de 2014 Fabio Maia - AVM Faculdade Integrada - fabiomaia.di@gmail.com Educação Superior Teorias e Modelos Inovação

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Formação em Gestão Acadêmica

Formação em Gestão Acadêmica PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAL COORDENAÇÃO DE ENSINO E INTEGRAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE FORMAÇÃO PARA DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Formação em Gestão Acadêmica Cruz das Almas-BA

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA Ms. Jeferson Fernando de Souza Wolff RESUMO O computador, como ferramenta pedagógica para ensino e aprendizagem

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD 1 Curso Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD Unidade I Material Instrucional - Texto 1. Introdução Qualquer que seja

Leia mais

Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância

Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância Maio 2007 na Lúcia Tinoco - UNICSUL ana.cabral@unicsul.br Carlos Fernando

Leia mais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais Brasília Empreendimentos Educacionais 3 Apresentação 4 A BEE 5 A Educação a Distância EaD 6 O curso 7 O Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA 10 Como estudar na modalidade a distância 2 Apresentação Este

Leia mais

EaD como estratégia de capacitação

EaD como estratégia de capacitação EaD como estratégia de capacitação A EaD no processo Ensino Aprendizagem O desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação (tics) deu novo impulso a EaD, colocando-a em evidência na última

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD!

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! MANUAL DO ALUNO MANUAL DO ALUNO Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! 1. APRESENTAÇÃO Preparado pela equipe da Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância (CEAD) da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS PARA OS POLOS DE APUCARANA E PARANAGUÁ - 64/2013 CIPEAD/PROGRAD/SEPT

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS PARA OS POLOS DE APUCARANA E PARANAGUÁ - 64/2013 CIPEAD/PROGRAD/SEPT EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS PARA OS POLOS DE APUCARANA E PARANAGUÁ - 64/2013 CIPEAD/PROGRAD/SEPT CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM MÍDIAS INTEGRADAS NA EDUCAÇÃO 2013 A Universidade

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

Resolução SE 21, de 28-4-2014. Institui o Programa Novas Tecnologias Novas Possibilidades

Resolução SE 21, de 28-4-2014. Institui o Programa Novas Tecnologias Novas Possibilidades Resolução SE 21, de 28-4-2014 Institui o Programa Novas Tecnologias Novas Possibilidades A Secretária Adjunta, Respondendo pelo Expediente da Secretaria da Educação, tendo em vista o disposto no inciso

Leia mais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS LEILA MARIA DE OLIVEIRA Mestre em Educação: Currículo pelo Programa de Pós Graduação da PUC-SP; professora de educação física; e integrante do Grupo

Leia mais

1. Apresentação. 2. Objetivos

1. Apresentação. 2. Objetivos 1. Apresentação Os cursos de atualização/capacitação de docentes do SENAI têm como função principal preparar profissionais para o exercício da docência na educação profissional e tecnológica, prevendo

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

1 - Dos componentes da metodologia do Curso de Pedagogia a Distância CEAD/UAB

1 - Dos componentes da metodologia do Curso de Pedagogia a Distância CEAD/UAB RESOLUÇÃO INTERNA CEAD Nº 001/2013-CONCENTRO (ALTERADA RES.05/2014) Sistema de Educação a Distância Do CEAD para a oferta do Curso de Pedagogia a Distância/UAB Dispõe sobre a metodologia do Curso de Pedagogia

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 03 DOCÊNCIA E TUTORIA NA EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Introdução A Educação a Distância, por meio dos inúmeros recursos didáticos e tecnológicos,

Leia mais

O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB)

O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB) O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB) 076-A3 05/2005 Sônia Regina de Andrade Universidade Regional de Blumenau,

Leia mais

Conhecendo e utilizando softwares de Edição de vídeos

Conhecendo e utilizando softwares de Edição de vídeos PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS 1 APRESENTAÇÃO: O objetivo desse curso é propiciar ao professor da educação Infantil, fundamental I, fundamental II e Ensino Médio, conhecimento de técnicas

Leia mais

IDENTIDADE DOCENTE NA TUTORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IDENTIDADE DOCENTE NA TUTORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA IDENTIDADE DOCENTE NA TUTORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA IINTRODUÇÃO Educação a distância (EaD) é uma modalidade de educação na qual aluno e professor estão separados fisicamente, pautada no pressuposto de

Leia mais

PROFESSOR TUTOR - DESAFIOS DE UMA NOVA PROFISSÃO NO CENÁRIO EDUCACIONAL

PROFESSOR TUTOR - DESAFIOS DE UMA NOVA PROFISSÃO NO CENÁRIO EDUCACIONAL PROFESSOR TUTOR - DESAFIOS DE UMA NOVA PROFISSÃO NO CENÁRIO EDUCACIONAL Postado em Jan 03, 2012 Postado por Francilene Duarte Santos PROFESSOR TUTOR DESAFIOS DE UMA NOVA PROFISSÃO NO CENÁRIO EDUCACIONAL

Leia mais

fundamentos teóricos e práticos necessários ao processo de inclusão do aluno com Deficiência Visual.

fundamentos teóricos e práticos necessários ao processo de inclusão do aluno com Deficiência Visual. A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg.

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg. CURSO DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS ON-LINE: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

O DESAFIO DE AVALIAR UM CURSO SUPERIOR A DISTÂNCIA INSTITUÍDO A PARTIR DE PARCERIAS ENTRE PAÍSES. 1

O DESAFIO DE AVALIAR UM CURSO SUPERIOR A DISTÂNCIA INSTITUÍDO A PARTIR DE PARCERIAS ENTRE PAÍSES. 1 O DESAFIO DE AVALIAR UM CURSO SUPERIOR A DISTÂNCIA INSTITUÍDO A PARTIR DE PARCERIAS ENTRE PAÍSES. 1 Jane aparecida Gonçalves de Souza 2 Universidade Católica de Petrópolis cidijane@gmail.com RESUMO Pensar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS

ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS Profa. Dra. Ivete Martins Pinto Secretária Geral de Educação a Distância Coordenadora UAB/FURG Presidente da Associação Universidade

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul ANEXO I MANUAL DE ALTERAÇÃO DE PPCs DE CURSOS SUPERIORES

Leia mais

Metodologias Utilizadas na Educação a Distância no Brasil

Metodologias Utilizadas na Educação a Distância no Brasil Metodologias Utilizadas na Educação a Distância no Brasil Resumo Autores: Bruno Antônio de Oliveira Yuri Cravo Fernandes Rodrigues de Oliveira O recente avanço das tecnologias de informação e comunicação

Leia mais

Introdução a EaD: Um guia de estudos

Introdução a EaD: Um guia de estudos MÓDULO BÁSICO PROFESSORES FERNANDO SPANHOL E MARCIO DE SOUZA Introdução a EaD: Um guia de estudos Realização: guia de estudo SUMÁRIO UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1.1 Entendendo a EaD 5

Leia mais

UNPBFPB CONHECENDO AS DIRETRIZES DAS DISCIPLINAS SEMIPRESENCIAIS 2012.1. Heloysa Helena Coordenação Pedagógica do NEaD

UNPBFPB CONHECENDO AS DIRETRIZES DAS DISCIPLINAS SEMIPRESENCIAIS 2012.1. Heloysa Helena Coordenação Pedagógica do NEaD CONHECENDO AS DIRETRIZES DAS DISCIPLINAS SEMIPRESENCIAIS 2012.1 Heloysa Helena Coordenação Pedagógica do NEaD João Pessoa/2012 PORQUE PRATICAR A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA? Modalidade educacional autorizada/recomendada

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES TUTORES PARA O ENSINO DE TEATRO À DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES TUTORES PARA O ENSINO DE TEATRO À DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES TUTORES PARA O ENSINO DE TEATRO À DISTÂNCIA Luzirene do Rego Leite, Kalina Lígia de Almeida Borba Universidade de Brasília luzirene@gmail.com; kalinaborba@gmail.com

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

GUIA DIDÁTICO GERAL CURSO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EDUCACIONAL SIGEDUCA MODALIDADE EAD

GUIA DIDÁTICO GERAL CURSO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EDUCACIONAL SIGEDUCA MODALIDADE EAD GUIA DIDÁTICO GERAL CURSO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EDUCACIONAL SIGEDUCA MODALIDADE EAD 1. APRESENTAÇÃO O Secretário de Estado de Educação tem o prazer de convidar-lhe a participar do Curso Sistema

Leia mais

Curso de Capacitação para Tutoria de Cursos a Distância (3ª Edição)

Curso de Capacitação para Tutoria de Cursos a Distância (3ª Edição) Curso de Capacitação para Tutoria de Cursos a Distância (3ª Edição) Proponente: Ricardo Lisboa Pegorini (rpegorini@gmail.com) Especialista em Metodologia da Educação a Distância; Gestor do Ambiente Virtual

Leia mais

Relatório da formação de tutores na EaD da Universidade Federal de Itajubá/MG. Itajubá, Maio/2009

Relatório da formação de tutores na EaD da Universidade Federal de Itajubá/MG. Itajubá, Maio/2009 Relatório da formação de tutores na EaD da Universidade Federal de Itajubá/MG Itajubá, Maio/2009 Luciana Mendonça Rodrigues Universidade Federal de Itajubá lucianarodrigues@unifei.edu.br Categoria: Pesquisa

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

REGULAMENTO DE PRÁTICA EDUCACIONAL Curso de Letras Português e Inglês - Licenciatura Currículo: 12172014LI

REGULAMENTO DE PRÁTICA EDUCACIONAL Curso de Letras Português e Inglês - Licenciatura Currículo: 12172014LI Fundamentação Legal REGULAMENTO DE PRÁTICA EDUCACIONAL PARECER CNE/CP 28/2001, DE 02 DE OUTUBRO DE 2001 - Dá nova redação ao Parecer CNE/CP 21/2001, que estabelece a duração e a carga horária dos cursos

Leia mais

Curso de Especialização Docente em Educação Ambiental (Lato Sensu)

Curso de Especialização Docente em Educação Ambiental (Lato Sensu) Curso de Especialização Docente em Educação Ambiental (Lato Sensu) O Curso de Especialização Docente em Educação Ambiental (Lato Sensu) é fruto de uma Dissertação desenvolvida no Programa de Pós-Graduação

Leia mais