AVALIAÇÃO DAS FERRAMENTAS DE SOCIABILIDADE WEB PARA GESTÃO: FACEBOOK, PINTEREST E TWITTER.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DAS FERRAMENTAS DE SOCIABILIDADE WEB PARA GESTÃO: FACEBOOK, PINTEREST E TWITTER."

Transcrição

1 ISSN AVALIAÇÃO DAS FERRAMENTAS DE SOCIABILIDADE WEB PARA GESTÃO: FACEBOOK, PINTEREST E TWITTER. Lucas Gordon (UDESC) Resumo Conhecida como mar de informações a World Wide Web (WWW), hoje faz parte, inevitável, do cotidiano urbano. Como que em comerciais televisivos, outdoors e demais anúncios, as pessoas se vêm atingidas por milhares de informações que não fazzem parte de suas vidas. Neste cenário o desperdício de tempo e foco assume tal relevância que as maneiras de filtrar aquilo que é de real valia e interesse para os usuários passa a fazer parte das teorias de usabilidade web. O intuito deste trabalho é demonstrar o surgimento de um novo tipo de redes sociais, não mais focada nas pessoas per se, mas no conteúdo que estas são capazes de gerar, e o resultado expresso na forma de motivação, inspiração e na propagação da informação, e não no hedonismo de outras redes sociais. Após uma explicação sobre como cada uma das mais conhecidas redes sociais da atualidade funcionam, o artigo ainda propõe a gestores, como e qual rede social escolher de acordo com a motivação e a reação esperada para determinada informação a propagar. Palavras-chaves: Rede Social, Curadoria Web, Filtro de conteúdo, www.

2 Introdução As redes sociais on-line, tornaram-se cada vez mais comuns nos últimos anos (Butler, 2001; Jones et al, 2004;. Ma e Agarwal, 2007), reunindo pessoas que desejam comunicar e interagir abertamente em espaços virtuais, isto é, procuram propósitos compartilhados. Cada rede possui seu conjunto de políticas e regras (de Souza e Preece, 2004; Preece, 2000) e possuem objetivos como: prestação de apoio emocional, entretenimento, compartilhamento de conhecimento e comércio. As redes sociais surtem um efeito de mediação entre os indivíduos e a sociedade no mundo virtual. Como tal, representam uma plataforma tecnológica natural para o marketing, ao proporcionar acesso à informação a um grande número de pessoas. Empresas em todos os setores estão começando a entender as possibilidades mercadológicas das redes sociais. As abordagens aos clientes têm evoluído, oferecendo possibilidades de contato ou ajuda em um nível pessoal, a qualquer momento, através de sites de redes sociais como Facebook, Twitter, Pinterest, etc. No entanto, como essas plataformas estão sendo usadas, quais são seus potenciais e como os consumidores interagem, permanece em grande parte desconhecido e ainda deve ser abordado a partir de diferentes perspectivas (Richter et al., 2011). No entanto, o conteúdo das plataformas de mídia social, utilizado para fins comerciais, difere do conteúdo da web tradicional por ser a representação de um diálogo entre empresas e indivíduos (Boyd e Ellison, 2008). Além disso, as plataformas de mídia social, como Facebook, Pinterest e Twitter deixam pouco espaço para personalização da interface. Por essa razão, webdesigners e profissionais começam a abordar usabilidade de mídia social a partir de uma perspectiva de valorização do conteúdo e atividades. Usabilidade e Usabilidade Web 2

3 A expressão usabilidade é derivada do anglosaxão usability, onde é entendida como a capacidade e possibilidade de utilização de determinado artefato ou interface. Popularizada nestas últimas décadas, a expressão passou por diversas definições, inclusive institucionais como a definição da International Organization for Standarization - ISO: Usabilidade é a medida pela qual um produto pode ser usado por usuários específicos para alcançar objetivos específicos com efetividade, eficiência e satisfação em um contexto de uso específico (ISO ) Segundo Nielsen, é um conceito de qualidade de uma aplicação sob uma perspectiva de uso, tradicionalmente relacionado a cinco atributos: facilidade de aprendizado, eficiência, facilidade de reter o conhecimento sobre a aplicação obtido em usos anteriores (memorização), baixo índice de erros, e satisfação dos usuários. Em comum com a ergonomia, a usabilidade também se refere à adaptação do trabalho ao homem, por meio de sistemas e dispositivos que estejam sincronizados à maneira como o usuário pensa e trabalha, para que consiga atingir plenamente seus objetivos com menos esforço e mais satisfação. Desde o seu surgimento nos anos 60, a indústria de software utilizou métodos de usabilidade para as interfaces de seus produtos. Mais tarde, na década de 90, com o fenômeno web, as teorias e métodos correntes transcenderam para serem aplicadas em sites e homepages, dando origem ao termo usabilidade web. Com a proliferação da rede mundial de computadores, aumentou drasticamente o número e a diversidade de usuários, assim como a necessidade de interfaces eficientes e resolutivas para todos eles: A usabilidade assumiu uma importância muito maior na economia da Internet do que no passado (NIELSEN, 2000, p. 10). Em pouco tempo, todos os tipos de negócios e indústrias iniciaram seus projetos de interface num cenário de competitividade e amadurecimento na web, exigindo novas definições do termo, já adaptadas à principal diferença entre usabilidade de software e usabilidade web: a comercialização, já que, enquanto na primeira o cliente compra para depois comprovar usabilidade, na segunda o cliente comprova usabilidade e, em função da mesma, compra ou consome (NIELSEN, 2001, p.6). Ainda, para Pinho, isto ocorre perfeitamente quando: 3

4 a combinação adequada entre a arquitetura da informação (a estrutura lógica) e a interface (significado visual) é determinante para a usabilidade do site. (PINHO, 2003, p.136) Também, segundo (Garzotto, 1998), usabilidade Web é a habilidade do usuário em utilizar sites e acessar o conteúdo deles do modo mais efetivo. Como consequência, tornou-se obrigatório prover tanto o critério de qualidade que os sites têm que satisfazer para ser utilizáveis, como os métodos sistemáticos para avaliar tal critério. Surge então a engenharia de usabilidade : o processo de projetar e avaliar a usabilidade de uma aplicação (NIELSEN, 1993). Existem duas maneiras de avaliar usabilidade: 1) aplicando testes com usuários que verificam de forma quantitativa o cumprimento de princípios de usabilidade: é o método de usabilidade mais fundamental e é praticamente insubstituível, pois provê informação direta sobre como as pessoas usam os computadores e quais são os problemas exatos dos usuários com a interface concreta que é testada (NIELSEN, 1997). Ou 2) mediante a inspeção por avaliadores especialistas que conferem se uma aplicação cumpre um conjunto predefinido de princípios de projeto de interface. A usabilidade, necessária para o uso de sites, é hoje amplamente reconhecida como um requisito importante para a aceitação por parte do usuário. Essa exigência, torna-se mais crítica para sites onde a concorrência é dura, como nas comunidades e redes sociais. Comunidade e Comunidade Web Não existe uma definição de "comunidade online" unânime, o termo significa coisas diferentes para pessoas diferentes (Preece, 2000). Buscando na sociologia também não há uma definição totalmente aceita de comunidade, os sociólogos têm definido e redefinido o conceito nos últimos 50 anos (Wellman, 1982), um entendimento relevante para o presente estudo é: Uma comunidade é um grupo de pessoas unidas por uma mesma cultura podendo viver em regiões diferentes. (Wellman e Gulia, 1999). 4

5 Inicialmente, comunidades foram caracterizadas principalmente por suas características físicas, como tamanho, localização e seus limites. Durante e após a revolução industrial, o barateamento do transporte tornou mais fácil para as pessoas mudarem de lugar e, características físicas, passaram a fornecer uma fonte menos confiável para definição de comunidade, dando lugar a definições baseadas nas relações entre as pessoas (Haythornthwaite & Wellman, 1998; Wellman, 1997). Dois tipos de relações foram identificados: relações de laços fortes satisfazem necessidades importantes como as. Em contraste relações laço fraco" ocorrem quando as pessoas não dependem uma da outra para sobreviver. O foco dessas relações de laços fracos é, muitas vezes, a troca de informações e interesses. Em termos de funcionalidade, Preece (2000, p. 10) propõe uma definição de comunidade online: As pessoas que interagem socialmente satisfazem as suas próprias necessidades, e desempenham papéis especiais; Um propósito compartilhado, interesse, necessidade, troca de informações de necessidade, ou serviço; Políticas que guiem as interações das pessoas, tais como suposições tácitas, rituais, protocolos, regras e leis; Sistemas de computador que apoiem, mediem as interações sociais e propiciem um sentimento de união; Faz-se necessário entender como a tecnologia e o design para a sociabilidade podem apoiar interações sociais. Essêncialmente, Três componentes principais contribuir para boa sociabilidade (Preece, 2000): Propósito. O foco no interesse compartilhado por uma comunidade, necessidade, informação, serviço, ou de apoio, que fornece uma razão para os membros pertencerem à comunidade; Pessoas. Que interagem umas com as outras na comunidade e que têm necessidades sociais e de organização. Algumas dessas pessoas podem assumir diferentes papéis na comunidade, como líderes, protagonistas, comediantes, moderadores, etc; Regras. A linguagem e os protocolos que guiam as interações das pessoas a contribuirem para o desenvolvimento de folclore e rituais que trazem um senso de história e aceitação das normas sociais, cultura. 5

6 Alguns pesquisadores veem no propósito o mais importante aspecto a ser considerado para o sucesso de uma comunidade (Kim, 2000; Preece, 2000; Abras et al., 2003). Powazek (2002) considera o conteúdo mais importante para o sucesso de uma comunidade online, já que ele leva pessoas ao site e as faz voltarem com maior frequência. Complementando, Andrews afirma: o conteúdo deve ser focado para atrair e manter à audiência (Andrews, 2002). Método Os testes de usabilidade clássicos em que um participante usa um protótipo fictício, dados estáticos em um laboratório isolado e controlado - são bastante limitados quando aplicados a mídia social, principalmente, quando se quer avaliar a sociabilidade da mesma. Desta forma, o estudo realizará uma análise estritamente funcional das ferramentas específicas de compartilhamento em três redes sociais: Facebook, Pinterest e Twitter, de modo a avaliar qual destes possui uma capacidade e eficácia maiores na propagação de conteúdo. Resultados e Discussão Ao contrario das analises de usabilidade web convencionais que, após a avaliação dos resultados oferecem feedback para aprimoramento e melhoria do site analisado, este é o caso de identificar e teorizar o que poderia ser chamado de filtro de conteúdo através de comunidades online, uma nova orientação dentro do cenário de web community que definiria quando um site é orientado exclusivamente à servir como filtro para distribuição e propagação de conteúdo e, não mais, orientado ao usuário, mas ao próprio contexto e conteúdo informacional, à própria comunidade. Facebook A maior rede social da atualidade, tem como propósito as pessoas e sua interação, o que resultou em uma base de mais de um bilhão de usuários. Sua missão é dar as pessoas o poder de compartilhar e fazer o mundo mais aberto e conectado. Suas ferramentas de 6

7 sociabilidade estão entre suas marcas registradas e amplamente conhecidas, o Curtir (like), Compartilhar (share), Comentar, bate papo e mensagens. A interação entre usuários ocorre através de uma linha de tempo vertical de rolagem infinita, onde qualquer tipo de informação é inserido ou compartilhado, não havendo nenhum tipo de filtro ou ordem relacionado estritamente ao conteúdo da informação. É possível escolher de quem receber alguns tipos de informações e de quem não, em uma tentativa de orientação ao que de fato é do interesse do usuário. Recentemente o tipo de informação como: Eventos da vida (life events); atualizações de status, jogos, imagens, comentários e opções curtir, músicas e vídeos e outras atividades, recebida de outras pessoas pôde ser filtrado, como demonstra a figura abaixo: 7

8 É um sistema aparentemente funcional, porém, exige um cuidado singular de cada amizade para cada tipo de compartilhamento para funcionar adequadamente como um filtro de conteúdo. É uma rede que deseja comunicar e conectar uns aos outros ao máximo, deixando de lado a relevância dos assuntos em prol da propagação livre e indiscriminada. Twitter É uma rede social e servidor para microblogging (forma de publicação de blog que permite aos usuários que façam atualizações breves de texto), que permite aos usuários enviar e receber atualizações pessoais de outros contatos (em textos de até 140 caracteres, conhecidos como "tweets"). Sua missão é Conectar instantaneamente as pessoas em qualquer lugar com aquilo que é mais importante para elas. As atualizações são exibidas em uma linha de tempo no perfil de um usuário em tempo real e enviadas a outros usuários seguidores que tenham assinado para recebê-las, desta forma, não ocorre um filtro de conteúdo, somente de usuários a seguir ou não. Em termos de socialização do conhecimento, o seguidor pode responder (reply) a uma mensagem ou fazer um retweet, que é uma função do Twitter e consiste em replicar uma determinada mensagem de um usuário para a sua lista de seguidores, dando crédito a seu 8

9 autor original. Na página de início do site existe um botão chamado retwittar, que faz o envio automático da mensagem para todos seguidores da pessoa: Similar ao Facebook, esta plataforma não filtra conteúdos, filtra usuários e sem nenhum tipo de seleção de assuntos ou formatos. Pinterest Criado em março de 2009, o site Pinterest é um "catálogo virtual" onde as pessoas podem coletar, organizar e compartilhar conteúdos que descobrem na web. A empresa tem como missão: "Conectar todos no mundo através das coisas que acharem interessantes." Os usuários de Pinterest organizam seus achados (pins) em categorias criadas por eles mesmos, por exemplo, um usuário poderia ter um catálogo de pins chamado "moda", ou "humor", ou ainda Livros que valem a pena, etc. Segundo dados de 2011 da comscore (empresa líder mundial em métricas para marketing digital), Pinterest é o site que mais cresce na história: em junho de 2011, a plataforma teve cerca de 400 mil usuários, em dezembro de 2011 superava os 10 milhões. Usuários podem carregar, guardar, classificar e gerenciar imagens, conhecidas como pins, e outros conteúdos de mídia (vídeos, por exemplo) através de coleções conhecidas como painéis. Estes são, geralmente, temáticos, de modo que os pins podem ser facilmente organizados, categorizados e descobertos por outros usuários. Pinterest atua como uma plataforma de mídia personalizada, em que o seu próprio conteúdo, bem como de qualquer outra pessoa, pode ser pesquisado na página principal. Os usuários podem então salvar seus pins favoritos para um dos seus próprios painéis usando o botão "Pin. O conteúdo também 9

10 pode ser trazido de fora do Pinterest e da mesma forma enviados para ele através do "Pin" que pode, inclusive, ser baixado para a barra de favoritos de um navegador web. Na imagem abaixo podemos observar uma série de painéis (boards), que, independente do usuário, podem ser seguidos de acordo com a relevância do assunto proposto, isto é, do usuário abaixo poderíamos seguir o painel referente a ilustrações por exemplo. Na imagem abaixo observamos os mecanismos de Pin, Repin e Like (curtir): Conclusões Atualmente, há uma série de fatores que estão convergindo, ao mesmo tempo para o sucesso de Pinterest. Por um lado as vidas das pessoas têm uma fluidez compartilhada, que 10

11 leva a falar e comunicar coisas novas - como férias, o nascimento de uma criança, casamentos, reformas, etc. Por outro estão ocorrendo fenômenos de confluência de tendências digitais, como o volume e disponibilidade de conteúdos, o surgimento de comunidades de nicho e o crescimento e interesse em curadoria e distribuição. O site se tornou rapidamente uma solução que oferece às pessoas uma maneira de estar e participar em tudo isso, sem dificuldade. "A natureza viral de Pinterest presta-se a amplificação de tráfego. Facebook e Twitter têm esses mecanismos em vigor ( Compartilhar e Retweetar, respectivamente), mas as suas plataformas não são construídas em torno deles. É por isso que Pinterest é mais viral. " (SIELLER, 2012) O comportamento do usuário e seus padrões de conteúdo estão refletindo uma mudança na forma como o conteúdo é compartilhado e consumido. É uma rede social especializada no compartilhamento de interesses visuais e não na amizade e notícias. Isto leva a busca por estratégias de seleção e filtro prévio de dados que sejam instantaneamente informação. Assim, é possível identificar uma mudança de foco do user centered experience para um novo social centered experience a partir do site Pinterest. Matriz de uso por finalidade Mensagem/Finalidade Facebook Twitter Pinterest Promoção de Preço X X Peças Visuais X Mensagens escritas X X Viralização/Buzz Indiscriminados X X Posicionamento por classe social X Infografia X Texto X Produtos de moda X Arte X Comerciais e videos X X Mobile X X REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS CYBIS, Walter de Abreu. Engenharia de Usabilidade: Uma abordagem Ergonômica. Labiutil: Florianópolis, Disponível em: 11

12 DIAZ, A., Isakiwitz, T., Maiorana, V. e Gilabert, G. RMC: A Tool to Design WWW Applications. In: Proc. Fourth Int. WWW Conf. Boston, pp GARZOTTO, F., Modeling-by-Patterns of Web Applications. In: Proc. International Workshop on the World Wide Web and Conceptual Modeling, WWW CM'99, Paris, Novembro, ISO (1997). ISO : Ergonomic requirements for office work with visual display terminals (VDTs). Part 11 Guidelines for specifying and measuring usability. Gènève: International Organisation for Standardisation. KRUG, Steve. Não me Faça Pensar. São Paulo: Market Books, LIMEIRA, Tania M. Vidigal. E-Marketing. O marketing na Internet com casos brasileiros. São Paulo: Saraiva, NIELSEN, J., Usability Engineering, Academic Press, New York, NIELSEN, J.: Usability Testing. Salvendy, G. (ed.): Handbook of Human Factors and Ergonomics. 2nd edition. New York, NY: John Wiley & Sons NIELSEN, J.: Test With 5 Users. Alertbox, March 19, 2000 NIELSEN, Jackob. Projetando Websites. Designing Web Usability. Rio de Janeiro: Campus, PINHO, J.B. Jornalismo na Internet: planejamento e produção da informação on line. São Paulo: Summus, PRESSMAN, Roger S. Engenharia de Software. São Paulo: Makron Books,

13 SCHWABE, D.; ROSSI, G.:, An Object Oriented Approach to Web-Based Application Design, Theory and Practice of Object Systems 4(4), Wiley and Sons, New York. SCHWABE, D.; PONTES, R. A.; Moura, I.; OOHDM-Web: An Environment for Implementation of Hypermedia Applications in the WWW, SigWEB Newsletter, Vol. 8, #2, Junho de GORDHAMER, S.: 4 Ways social media is changing business. Mashable.com, (2009) 13

Mídias Sociais. Fatos e Dicas para 2013. Esteja preparado para um ano digital, social e interativo

Mídias Sociais. Fatos e Dicas para 2013. Esteja preparado para um ano digital, social e interativo Mídias Sociais Fatos e Dicas para 2013 Esteja preparado para um ano digital, social e interativo NESTE E-BOOK VOCÊ VAI ENCONTRAR: 1 - Porque as mídias sociais crescem em tamanho e em importância para o

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO INTRODUÇÃO: As mídias sociais estão cada vez mais presentes no dia-a-dia das pessoas, oferecendo soluções e transformando as relações pessoais e comerciais.

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO Caio Cesar Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Comunicação online Marketing Design de Interação www.caiocesar.cc Tema de hoje Design Centrado no Usuário O quê? Por quê?

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Usabilidade na Web. Dinara P. Lima. Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Departamento de Ciências da Computação Joinville, SC, Brasil

Usabilidade na Web. Dinara P. Lima. Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Departamento de Ciências da Computação Joinville, SC, Brasil Usabilidade na Web Dinara P. Lima Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Departamento de Ciências da Computação Joinville, SC, Brasil dinara.lima@gmail.com Abstract. This article presents an overview

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PRÓXIMA AULA: APRESENTAÇÃO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO E O FILME DO YOUTUBE? AULA 12 A. EMAIL MARKETING - Objectivos e problemas - Ideias - Vantagens

Leia mais

social media para bares, restaurantes e afins

social media para bares, restaurantes e afins BARTIPS social media para bares, restaurantes e afins O que buscamos? Divulgar seu estabelecimento para milhares de potenciais consumidores. Fazer você ser parte do dia-a-dia de seu cliente Ter suas novidades,

Leia mais

Redes sociais vários canais e muitas possibilidades de engajamento

Redes sociais vários canais e muitas possibilidades de engajamento Redes sociais vários canais e muitas possibilidades de engajamento O desafio é saber como, com qual conteúdo e onde as pessoas querem ser abordadas, de forma a direcionar a comunicação nos variados canais

Leia mais

5 Coisas que você deve saber sobre a ExactTarget Marketing Cloud

5 Coisas que você deve saber sobre a ExactTarget Marketing Cloud 5 Coisas que você deve saber sobre a ExactTarget Marketing Cloud Aprimore a jornada de seus clientes com a plataforma de marketing digital 1:1 líder de mercado 5 Coisas que você deve saber sobre a ExactTarget

Leia mais

CONTEÚDOS. Blog REDES SOCIAIS VIDEOS ONLINE PARTILHA DE FOTOGRAFIAS PARTILHA DE APRESENTAÇÕES

CONTEÚDOS. Blog REDES SOCIAIS VIDEOS ONLINE PARTILHA DE FOTOGRAFIAS PARTILHA DE APRESENTAÇÕES CONTEÚDOS ANTES DE INICIAR A SUA AVENTURA NAS REDES, TENHA EM CONTA AS SEGUINTES DICAS: Atribua a administração de cada canal e/ou estratégia a alguém que faça parte da sua empresa; Dê formação à sua equipa

Leia mais

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000)

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Usabilidade e Ergonomia Usabilidade de Software INF01043 Interação Homem-Computador 2006/2 Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Ergonomics (or human factors) is the scientific discipline

Leia mais

Relatório de Consumo de Conteúdo Profissional 2014

Relatório de Consumo de Conteúdo Profissional 2014 Relatório de Consumo de Conteúdo Profissional 2014 A ascensão dos Revolucionários de Conteúdo: uma análise minuciosa sobre os principais usuários que consomem conteúdo no LinkedIn e como os profissionais

Leia mais

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR josuevitor16@gmail.com @josuevitor Marketing Digital Como usar a internet

Leia mais

Uma solução completa para sua estrátegia de SOCIAL MEDIA HELLO WORLD!

Uma solução completa para sua estrátegia de SOCIAL MEDIA HELLO WORLD! Uma solução completa para sua estrátegia de SOCIAL MEDIA HELLO WORLD! SocialSuite Rua Claudio Soares, 72-16 andar +55 11 3032 1982 São Paulo - SP Brasil Introdução Esse material foi desenvolvido pela equipe

Leia mais

Usabilidade e os problemas do Moodle: o caso da Educação Universitária

Usabilidade e os problemas do Moodle: o caso da Educação Universitária Usabilidade e os problemas do Moodle: o caso da Educação Universitária Maceió AL Maio 2011 2.3.1. Educação Universitária 2.3.2.1. Sistemas e Instituições de EAD 2.3.3. Descrição de Projeto em Andamento

Leia mais

Interação Humano Computador IHC

Interação Humano Computador IHC Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação IHC Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univast.edu.br www.twitter.com/jorgecav Informações Gerais da Disciplina

Leia mais

Novas Mídias e Relações Sociais.

Novas Mídias e Relações Sociais. Novas Mídias e Relações Sociais. Eduardo Foster 1 1 Caiena Soluções em Gestão do Conhecimento, Av. 34-578, CEP 13504-110 Rio Claro, Brasil foster@caiena.net Resumo. A comunicação é uma disciplina que acompanha

Leia mais

MONITORAMENTO E GOOGLE PLUS. Leonardo Alvez Letícia Chibior Patrick Miguel Ruth Derevecki Samara Bark / / 4MA

MONITORAMENTO E GOOGLE PLUS. Leonardo Alvez Letícia Chibior Patrick Miguel Ruth Derevecki Samara Bark / / 4MA MONITORAMENTO E GOOGLE PLUS Leonardo Alvez Letícia Chibior Patrick Miguel Ruth Derevecki Samara Bark / / 4MA MONITORAMENTO As empresas sabem que o planejamento digital, gestão de conteúdo, anúncios, campanhas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INTERFACES DE FERRAMENTAS CASE PARA ELABORAÇÃO DE DIAGRAMAS DA UML RESUMO

AVALIAÇÃO DE INTERFACES DE FERRAMENTAS CASE PARA ELABORAÇÃO DE DIAGRAMAS DA UML RESUMO AVALIAÇÃO DE INTERFACES DE FERRAMENTAS CASE PARA ELABORAÇÃO DE DIAGRAMAS DA UML Fábio Junior Alves Ernani Vinícius Damasceno Leandro Pinheiro Bevenuto RESUMO Um dos benefícios oferecidos pelas ferramentas

Leia mais

BLOG: GRUPO DE DISCUSSÃO: PODCAST:

BLOG: GRUPO DE DISCUSSÃO: PODCAST: O MUNDO ONLINE Uma das marcas dessa nova era são as redes sociais. Comunidades online como o Facebook, Twitter, Fousquare, Youtube e outras, possibilitam a comunicação entre as pessoas, ao mesmo tempo,

Leia mais

REDES SOCIAIS. Profº Thiago Arantes

REDES SOCIAIS. Profº Thiago Arantes REDES SOCIAIS Profº Thiago Arantes Todos os direitos reservados - IAB 2014 - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais SDL Campaign Management & Analytics Introdução Prezado profissional de marketing, A ideia de

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net APRESENTAÇÃO COMERCIAL www.docpix.net QUEM SOMOS Somos uma agência digital full service, especializada em desenvolvimento web, de softwares e marketing online. A Docpix existe desde 2010 e foi criada com

Leia mais

SISTEMAS HIPERMÍDIA E MULTIMÍDIA

SISTEMAS HIPERMÍDIA E MULTIMÍDIA SISTEMAS HIPERMÍDIA E MULTIMÍDIA Prof. Dr. Juliano Schimiguel Tutor. Msd. Rolfi C. Gomes Unidade V Engenharia de Software x Engenharia Web Propósitos de Websites Atividades da EW Categorias de Aplicações

Leia mais

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer ESTRATÉGIA DIGITAL Prof. Luli Radfahrer - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais.

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais. The New Conversation: Taking Social Media from Talk to Action A Nova Conversação: Levando a Mídia Social da Conversa para a Ação By: Harvard Business Review A sabedoria convencional do marketing por muito

Leia mais

Integração com a Mídia Social

Integração com a Mídia Social Guia rápido sobre... Integração com a Mídia Social Neste guia... Vamos mostrar como integrar seu marketing com as mídias sociais para você tirar o maior proveito de todo esse burburinho online! Nós ajudamos

Leia mais

Redes Sociais. Engajamento do Cliente Porque devo investir um tempo do meu dia em minhas redes sociais. Redes Sociais 2015.

Redes Sociais. Engajamento do Cliente Porque devo investir um tempo do meu dia em minhas redes sociais. Redes Sociais 2015. Redes Sociais Engajamento do Cliente Porque devo investir um tempo do meu dia em minhas redes sociais. Redes Sociais 2015. REDES SOCIAIS Criar uma presença online é um passo obrigatório para qualquer negócio

Leia mais

Avaliação da qualidade dos sites de governo eletrônico - baseada na satisfação dos usuários

Avaliação da qualidade dos sites de governo eletrônico - baseada na satisfação dos usuários Avaliação da qualidade dos sites de governo eletrônico - baseada na satisfação dos usuários Simone Vasconcelos Silva (CEFETCAMPOS) simonevs@cefetcampos.br Luciana Rocha (UENF) lurochas@yahoo.com.br Resumo:

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS. Manual de Conduta

MÍDIAS SOCIAIS. Manual de Conduta MÍDIAS SOCIAIS Manual de Conduta Apresentação O Sistema Ocemg, atento às mudanças de mercado e preocupado em estar sempre próximo de seus públicos de interesse, assume o desafio de se posicionar também

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Twitter. São Paulo (11) 4063 0165 Porto Alegre (51) 3092 0102 Recife (81) 4062 9373

Twitter. São Paulo (11) 4063 0165 Porto Alegre (51) 3092 0102 Recife (81) 4062 9373 Twitter Foque seus tweets no nicho de sua empresa. RELEVÂNCIA Poste fotos, links interessantes, RT de usuários Design do Avatar e do plano de fundo, fazem a diferença sim! Crie hashtags para as campanhas

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Unidade: Sistemas Hipermidia Multimidia. Unidade I:

Unidade: Sistemas Hipermidia Multimidia. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: Sistemas Hipermidia Multimidia Engenharia de Websites Por que realizar uma Engenharia de websites: Devemos seguir Princípios básicos de Engenharia (passos bem definidos); Websites

Leia mais

Usabilidade métodos & boas práticas Fábio Fernandes

Usabilidade métodos & boas práticas Fábio Fernandes Usabilidade métodos & boas práticas Fábio Fernandes Usabilidade vem tornando-se cada vez mais predominante no mercado de desenvolvimento de web sites, seja qual for o tipo de site: corporativo, e-commerce,

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO SOBRE A ADOÇÃO DO MARKETING DIGITAL PELAS EMPRESAS LÍDERES DO SEGMENTO DE FAST FOOD MUNDIAIS ATUANTES NO BRASIL

TÍTULO: ESTUDO SOBRE A ADOÇÃO DO MARKETING DIGITAL PELAS EMPRESAS LÍDERES DO SEGMENTO DE FAST FOOD MUNDIAIS ATUANTES NO BRASIL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ESTUDO SOBRE A ADOÇÃO DO MARKETING DIGITAL PELAS EMPRESAS LÍDERES DO SEGMENTO DE FAST FOOD MUNDIAIS

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL INTRODUÇÃO Já imaginou ter acesso a dados e estatísticas do website do concorrente? Com alguns aplicativos e ferramentas, isso já é possível. Com ajuda deles, você

Leia mais

Vamos, juntos. Equipe de Atendimento.

Vamos, juntos. Equipe de Atendimento. Vamos, juntos Somos agência de publicidade e consultoria em marketing digital com a missão de atender as necessidades de comunicação da sua empresa, com serviços que abrangem desde campanhas integradas

Leia mais

Tabela de Preços Sugeridos

Tabela de Preços Sugeridos WEBSITE Estrutura básica Área institucional Área estática: quem somos, o que fazemos, onde estamos etc. Área de contato E-mail, telefone, formulário etc. Área core Gerenciador de conteúdo para cadastro

Leia mais

Usabilidade, Acessibilidade e Educação a Distância

Usabilidade, Acessibilidade e Educação a Distância 1 Usabilidade, Acessibilidade e Educação a Distância Brasília DF, 03/2011 Jonathan Rosa Moreira Universidade Católica de Brasília, jonathanmoreira@gmail.com, +55(61)8633-6622 3 Educação Continuada em Geral

Leia mais

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal?

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal? Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL O que é Marketing Multicanal? Uma campanha MultiCanal integra email, SMS, torpedo de voz, sms, fax, chat online, formulários, por

Leia mais

Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS

Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS TEMAS o O que são mídias sociais (conceito, apresentação dos diversos canais das redes sociais, gestão dos canais) o Moda ou

Leia mais

Sumário Executivo. Objetivos

Sumário Executivo. Objetivos Brasil Sumário Executivo As mídias sociais estão se tornando uma parte central de como os consumidores descobrem e avaliam informações. Quando os Mass Affluent se relacionam com instituições financeiras

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação REDES SOCIAIS: DETERMINANDO UMA ORDEM PARCIAL DE INFORMAÇÕES RELEVANTES ATRAVÉS DE UM TWEET

9º Congresso de Pós-Graduação REDES SOCIAIS: DETERMINANDO UMA ORDEM PARCIAL DE INFORMAÇÕES RELEVANTES ATRAVÉS DE UM TWEET 9º Congresso de Pós-Graduação REDES SOCIAIS: DETERMINANDO UMA ORDEM PARCIAL DE INFORMAÇÕES RELEVANTES ATRAVÉS DE UM TWEET Autor(es) MARCOS ANTONIO DOS ANJOS Co-Autor(es) HAMILTON MACHITI DA COSTA PLÍNIO

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

REDES SOCIAIS. Prof. Thiago Arantes

REDES SOCIAIS. Prof. Thiago Arantes REDES SOCIAIS Prof. Thiago Arantes - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS

CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS CARGA HORÁRIA: 60 horas I - Ementa Modelagem de Processos

Leia mais

agente deve continuar funcionando mesmo depois que seu agenciador não está mais presente

agente deve continuar funcionando mesmo depois que seu agenciador não está mais presente Atributos Importantes Independência agente deve continuar funcionando mesmo depois que seu agenciador não está mais presente Adaptabilidade agente deve poder se adaptar a múltiplos ambientes, envolvendo

Leia mais

Índice AGORA O MARKETING É DIGITAL. Introdução 15. Capítulo 1

Índice AGORA O MARKETING É DIGITAL. Introdução 15. Capítulo 1 Índice Introdução 15 Capítulo 1 AGORA O MARKETING É DIGITAL Internet e web é a mesma coisa? 19 Enquadramento 19 A Internet 19 A web 20 Então a web é um dos serviços da Internet? 20 A história é interessante,

Leia mais

COMO ATRAIR VISITANTES PARA SEU WEBSITE

COMO ATRAIR VISITANTES PARA SEU WEBSITE GUIA Inbound Marketing COMO ATRAIR VISITANTES PARA SEU WEBSITE E-BOOK GRÁTIS WWW.FABIODONASCIMENTO.ME Tabela de Conteúdos Introdução... 3 Capítulo 1: Formas de obter Tráfego... 4 Capítulo 2: Como aumentar

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

Manual de uso - Redes Sociais Clube Turismo. Fevereiro/2013

Manual de uso - Redes Sociais Clube Turismo. Fevereiro/2013 Fevereiro/2013 Manual de uso - Redes Sociais Clube Turismo Clube Turismo Matriz Av. Pres. Epitácio Pessoa, 724, Torre CEP 58040-000 João Pessoa / PB www.clubeturismo.com.br 2 2. Breve cenário: O brasileiro

Leia mais

CRIAÇÃO DE SITES (AULA 1)

CRIAÇÃO DE SITES (AULA 1) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br CRIAÇÃO DE SITES (AULA 1) Internet É um conglomerado deredesem escala mundial de milhões de computadores

Leia mais

MARKETING DIGITAL MOSTRANDO SUA IDENTIDADE

MARKETING DIGITAL MOSTRANDO SUA IDENTIDADE MARKETING DIGITAL MOSTRANDO SUA IDENTIDADE Por que mostrar sua identidade Atualmente, são 52,5 milhões* de usuários de internet ativos no Brasil. A previsão de investimentos em anúncios online no Brasil

Leia mais

Centro Digital Aula 1

Centro Digital Aula 1 Centro Digital Aula 1 A oficina de Criação de website visa capacitar o aluno a criar e hospedar uma página simples na internet, com moldes predeterminados para divulgação de seu negócio. A internet surgiu

Leia mais

Laboratório de Mídias Sociais

Laboratório de Mídias Sociais Laboratório de Mídias Sociais Aula 02 Análise Textual de Mídias Sociais parte I Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Universidade Federal de Goiás O que é Análise Textual? Análise

Leia mais

C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S

C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S A MELHOR OPORTUNIDADE PARA O SEU NEGÓCIO ESTÁ AO SEU ALCANCE NAS REDES SOCIAIS... O MUNDO É FEITO DE REDES SOCIAIS

Leia mais

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Curso de Marketing Disciplina: Web Marketing Professor: Roberto Marcello Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Web Marketing Web Marketing é qualquer esforço promocional realizado

Leia mais

Eixo Tecnológico: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL

Eixo Tecnológico: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL Administração Central Unidade do Ensino Médio e Técnico GFAC Grupo de Formulação e Análises Curriculares Eixo Tecnológico: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL CAPÍTULO 3 PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO

Leia mais

O que são Comunidades Online

O que são Comunidades Online O que são Comunidades Online e quais são as oportunidades para Pesquisa de Mercado No mundo atual, os consumidores estão mais empoderados para tomar as suas decisões em sua jornada para satisfazer seus

Leia mais

Mídias Sociais e o Comércio Eletrônico

Mídias Sociais e o Comércio Eletrônico Mídias Sociais e o Comércio Eletrônico 2 Índice: Introdução Fim do email? Porque as mídias sociais são importantes No Brasil Como usar O lado prá=co 3 4 5 6 7 9 3 Introdução O uso das mídias sociais como

Leia mais

Política de privacidade do Movimento Certo Ginástica Laboral Online Última atualização: 17 de março de 2015

Política de privacidade do Movimento Certo Ginástica Laboral Online Última atualização: 17 de março de 2015 Política de privacidade do Movimento Certo Ginástica Laboral Online Última atualização: 17 de março de 2015 Esta Política de privacidade estabelece nossas políticas e procedimentos para coletar, usar e

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA

SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA Paula Junqueira 7º CONGRESSO RIO DE EDUCAÇÃO CONSTRUINDO A SUA MARCA A marca é o ativo mais importante, independente do tamanho de sua empresa. As mídias sociais são

Leia mais

Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Twitter @MarcelAyres Linkedin Meadiciona Renata Cerqueira Diretora de Monitoramento Online. Twitter @renatacbc

Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Twitter @MarcelAyres Linkedin Meadiciona Renata Cerqueira Diretora de Monitoramento Online. Twitter @renatacbc Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Também faz parte, como pesquisador, do Grupo de Pesquisa em Interações, Tecnologias Digitais e Sociedade. Desenvolve pesquisas sobre Realidade Aumentada, Mídias Digitais

Leia mais

MARKETING NAS REDES SOCIAIS. Carlos Henrique Cangussu (Discente do 2º ano do curso de Administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS)

MARKETING NAS REDES SOCIAIS. Carlos Henrique Cangussu (Discente do 2º ano do curso de Administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) 1 MARKETING NAS REDES SOCIAIS Angela de Souza Brasil (Docente Esp. Faculdades Integradas de Três Carlos Henrique Cangussu Daniel Barbosa Maia Elisandra Inês Peirot Schneider Marcelo Da Silva Sivestre Tiago

Leia mais

Intranets e Capital Intelectual

Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual As mídias sociais ultrapassaram os limites da vida privada. Os profissionais são 2.0 antes, durante e depois do expediente. É possível estabelecer

Leia mais

Guia de Mídias Sociais. para JORNALISTAS

Guia de Mídias Sociais. para JORNALISTAS Guia de Mídias Sociais para JORNALISTAS sumário >> Introdução... 3 >> Planeje o posicionamento de sua marca nas Mídias Sociais... 6 >> Defina o seu público-alvo... 8 >> Decida em qual mídia social entrar...

Leia mais

Criando presença com as páginas do Facebook

Criando presença com as páginas do Facebook Páginas do 1 Criando presença com as páginas do Sua Página Todos os dias, milhões de pessoas em todo o mundo acessam o para se conectar com amigos e compartilhar coisas que gostam. Este guia foi desenvolvido

Leia mais

Sistemas Hipermédia. sh@di.fc.ul.pt 2011/2012 FCUL Departamento de Informática Carlos Duarte. Horários, Corpo docente

Sistemas Hipermédia. sh@di.fc.ul.pt 2011/2012 FCUL Departamento de Informática Carlos Duarte. Horários, Corpo docente Sistemas Hipermédia sh@di.fc.ul.pt 2011/2012 FCUL Departamento de Informática Carlos Duarte Horários, Corpo docente T 5ª-feira, 16h30-1830, sala 6.2.49 TP1 5ª-feira, 18h30-20h00, sala 6.2.49 TP2 6ª-feira,

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

Web 2.0. Amanda Ponce Armelin RA 052202

Web 2.0. Amanda Ponce Armelin RA 052202 Amanda Ponce Armelin RA 052202 Americana, 2007 Tópicos Introdução Web 1.0 Definição Comparativo Web1.0 x Web2.0 Web 3.0 Definição Conclusão Definição Principais características Discórdia Termos Essenciais

Leia mais

... MERCADO DE GAMES NO BRASIL EM FASE DE CONSTRUÇÃO! MUITOS CAMPOS ABERTOS, PORÉM SEM A ESPECIALIZAÇÃO NECESSÁRIA. Precisa-se de mão de obra para:

... MERCADO DE GAMES NO BRASIL EM FASE DE CONSTRUÇÃO! MUITOS CAMPOS ABERTOS, PORÉM SEM A ESPECIALIZAÇÃO NECESSÁRIA. Precisa-se de mão de obra para: MERCADO DE GAMES NO BRASIL EM FASE DE CONSTRUÇÃO! Precisa-se de mão de obra para: Marketing Vendas Distribuição Finanças Localização Desenvolvimento de novos negócios Programação... MUITOS CAMPOS ABERTOS,

Leia mais

redes sociais comportamento

redes sociais comportamento comportamento redes sociais Ao mesmo tempo em que as redes sociais aproximam as pessoas que estão distantes uma das outras, elas são capazes de distanciar aquelas que estão ao nosso lado. Quem nunca se

Leia mais

TIRE SEU PROJETO- DAGAVETA. kinghost.com.br 2

TIRE SEU PROJETO- DAGAVETA. kinghost.com.br 2 TIRE SEU PROJETO- DAGAVETA 2 #2 Como minha empresa pode explorar as redes sociais Muitas empresas identificam nas redes sociais um caminho mais curto e rápido para divulgar uma promoção de produtos e serviços,

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Especialização em Marketing Digital - NOVO

Especialização em Marketing Digital - NOVO Especialização em Marketing Digital - NOVO Apresentação Previsão de Início Agosto/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O ambiente de negócios tem sido modificado pelas Novas Tecnologias da

Leia mais

1 BENCHMARKS DE INBOUND MARKETING. Benchmarks de Inbound Marketing

1 BENCHMARKS DE INBOUND MARKETING. Benchmarks de Inbound Marketing 1 BENCHMARKS DE INBOUND MARKETING Benchmarks de Inbound Marketing 2 BENCHMARKS DE INBOUND MARKETING INTRODUÇÃO O mundo evoluiu e o comportamento das pessoas mudou. Seja na hora de buscar informações, pesquisar

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE Luciara Wanglon Afonso 1 Daniele Pinto Andres 2 RESUMO Este artigo tem por objetivo apresentar algumas questões

Leia mais

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Instituto Federal do Sertão-PE Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Prof. Felipe Correia Conteúdo Por que estudar Design de Interfaces e Usabilidade?! Conceitos básicos sobre Design! Primeira

Leia mais

Uso estratégico do Twitter: como usar o microblogging a favor da sua empresa. www.talk2.com.br

Uso estratégico do Twitter: como usar o microblogging a favor da sua empresa. www.talk2.com.br Uso estratégico do Twitter: como usar o microblogging a favor da sua empresa www.talk2.com.br 04 Introdução 4 05 08 10 16 Por que as pessoas seguem uma conta 5 O que você precisa ter e saber antes de criar

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Prototipação. Clarindo Pádua 2. Referências. Prototipação. Introdução. Tipos de protótipos. Vantagens. Riscos. Ferramentas de prototipação

Prototipação. Clarindo Pádua 2. Referências. Prototipação. Introdução. Tipos de protótipos. Vantagens. Riscos. Ferramentas de prototipação Engenharia de Usabilidade Prof.: Clarindo Isaías Pereira da Silva e Pádua Synergia / Gestus Departamento de Ciência da Computação - UFMG Clarindo Pádua 2 Referências Hix, D.; Hartson, H. R. Developing

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail...

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... FACEBOOK Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... 8 Características do Facebook... 10 Postagens... 11

Leia mais

Maximize sua Participação na Bienal do Livro de São Paulo com as Ferramentas de Merchandising

Maximize sua Participação na Bienal do Livro de São Paulo com as Ferramentas de Merchandising Maximize sua Participação na Bienal do Livro de São Paulo com as Ferramentas de Merchandising Prezado Expositor, Conheça os principais benefícios de utilizar as Ferramentas Online* disponíveis para a Bienal

Leia mais

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR CONTEÚDO 1 2 3 4 5 6 Por que as empresas precisam estar conectadas ao mundo mobile Como os aplicativos mobile podem atrair mais clientes. Como os aplicativos

Leia mais

T E C N O L O G I A S D E I N F O R M A Ç Ã O E C O M U N I C A Ç Ã O

T E C N O L O G I A S D E I N F O R M A Ç Ã O E C O M U N I C A Ç Ã O T E C N O L O G I A S D E I N F O R M A Ç Ã O E C O M U N I C A Ç Ã O USAR O FACEBOOK E OUTRAS REDES SOCIAIS PARA DIVULGAR/PROMOVER Facebook é uma rede social, criada em 2004. Os utilizadores registados

Leia mais

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS O QUE FAZEMOS Provemos consultoria nas áreas de comunicação online, especializados em sites focados na gestão de conteúdo, sincronização de documentos, planilhas e contatos online, sempre integrados com

Leia mais

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda.

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo Copyright 2015 Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Todos os direitos reservados. Pode ser compartilhado com conteúdo,

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais