A acessibilidade da web frente às necessidades dos usuários que não podem visualizar o seu conteúdo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A acessibilidade da web frente às necessidades dos usuários que não podem visualizar o seu conteúdo"

Transcrição

1 A acessibilidade da web frente às necessidades dos usuários que não podem visualizar o seu conteúdo Danielle de Souza Santos 1 Marcelo Franco Porto 2 Resumo. Este trabalho é uma pesquisa sobre o desenvolvimento de aplicações via web mais acessíveis para pessoas com necessidades educacionais especiais, decorrentes de limitações sensoriais, cegos. O objetivo principal é desenvolver dois protótipos de um formulário de cadastro de dados pessoais, o protótipo I sem as diretrizes de acessibilidade da web e o protótipo II com as diretrizes. Logo depois submetê-los a testes de usabilidade com usuários cegos e não cegos e verificar o quanto são acessíveis e fáceis de utilizar. Abstract. This work is a research on the development of accessible applications saw Web for people with educational, decurrent special necessities of sensorial, blind limitations. The main objective is to develop two archetypes of a form of registers in cadastre of personal datas, archetype I without the lines of direction of accessibility of the Web and archetype II with the lines of direction. Soon later submitting them it tests of usability with blind and not blind users and verifying how much they are accessible and easy to use. 1. Introdução A sociedade moderna está imersa em um grande universo chamado de Sociedade da Informação, onde a ciência e a tecnologia possuem uma presença marcante na vida do ser humano. Diante de tantas novidades e inovações, é importante observar o quanto estes recursos tecnológicos se encontram acessíveis frente às necessidades humanas. Em todo lugar do mundo, existem pessoas com certo tipo de necessidade [Rodrigues et al. 2001]. Portanto, sem uma tecnologia de acesso adequada, as pessoas ficam limitadas quanto à quantidade e a qualidade das informações, o que até mesmo impossibilita de utilizarem plenamente as potencialidades dos importantes meios de disseminação da informação [Rodrigues et al. 2001]. A internet hoje tem um papel muito importante a desempenhar na Sociedade da Informação. Ela tem como principal objetivo romper as barreiras de acesso existentes e possibilitar maior interação com este meio e torná-lo cada vez mais acessível e fácil de utilizar. 1 Artigo baseado no trabalho de conclusão do curso de Sistemas de Informação - PUC Minas. de contato: 2 Professor da PUC Minas e orientador do trabalho de conclusão de curso. de contato:

2 2. Era da Informação A humanidade se encontra diante da Era da Informação [Baggio 2000], onde as barreiras arquitetônicas deixaram de ser o maior obstáculo encontrado principalmente pelas pessoas com necessidades educacionais especiais decorrentes de limitações sensoriais, cegos. Hoje, um grande obstáculo encontrado é o acesso à informação [Torres 2002]. Infelizmente os poderosos meios de comunicação conhecidos e utilizados pela sociedade ainda não estão acessíveis a todos. Em todo lugar do mundo, existem pessoas com necessidades diversas e com restrições diante do acesso à informação [Rodrigues et al. 2001]. A internet é considerada como um desses meios de disseminação da informação, que veio para ficar e já começou a alterar o comportamento da sociedade [Baggio 2000]. E principalmente fazer com as diferenças deixe de ser barreiras existentes na sociedade inclusiva. O conceito de sociedade inclusiva é algo recente em nosso cotidiano, e surgiu a fim de aplicar essas tecnologias a processos diversos que irão contribuir para o fortalecimento de atividades econômicas, crescimento do nível educacional, interação entre grupos dentro de um contexto social, visando à disponibilidade da informação a todos e permitindo uma maior interação entre o meio que a torna disponível e o ser humano que possui o direito de adquiri-la [Cruz 2004]. Além disso, a sociedade inclusiva visa fortalecer as atitudes de aceitação das diferenças individuais e de valorização da diversidade humana [Sassaki 2003]. Existem também outros órgãos, visando à construção de uma sociedade da informação mais acessível, como por exemplo, o W3C (Web Content Accessibility Guidelines). O W3C é o órgão responsável por guias mundiais relacionados com a Web. Em 5 de Maio de 1999 foi publicado o seu primeiro documento, material de referência internacional para a Acessibilidade na Internet. O documento tem o nome de "Diretrizes para a acessibilidade do conteúdo da Web 1.0" (Web Content Accessibility Guidelines 1.0) e pretende explicar como tornar o conteúdo da web acessível às pessoas com necessidades especiais. 3. A internet e a sociedade A Internet é formada por um conjunto de computadores interligados com protocolos e serviços em comum, propiciando aos usuários uma conexão e disponibilizando serviços de informação e comunicação [Cyclades Brasil 2001]. No Brasil, a internet chegou em 1988 através da FAPES (Fundação de Amparo à Pesquisa), UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e pelo LNCC (Laboratório Nacional de Computação Científica) [Cyclades Brasil 2001]. O Brasil é considerado como um dos países com as maiores taxas de crescimento de uso da internet, possui um mercado de tecnologia da informação girando em torno de 15 bilhões de dólares por ano, sendo considerado um dos dez maiores mercados em termos globais. [Ministério da Ciência e Tecnologia apud Ferreira et al. 2003]. Hoje grande parte da população possui acesso aos poderosos meios de disseminação da informação, que produz informação on-line a todo o momento.

3 A internet inicialmente possuía um ambiente baseado somente em texto e não em um ambiente visual como é utilizado hoje. Atualmente ela se dispõe de vários tipos de mídia como Flash, Gifs, Real Áudio e outros [Holzchlag 2005]. O que antes era considerado uma limitação, ou seja, um ambiente somente em texto, hoje podemos considerar um ambiente acessível, permitindo aos leitores de tela transmitir facilmente todo o conteúdo textual em informações sonoras, e já a internet atual, com os diversos tipos de mídia disponíveis dificulta cada vez mais, ou até mesmo, limita a acessibilidade do seu conteúdo [Holzchlag 2005]. O JAWS (Job Access with Sound Acesso a tarefas com som) é considerado um dos leitores de telas líderes do mercado e foi criado para auxiliar na interação dos usuários com a tecnologia [Deitel 2003 ]. Oferece uma tecnologia de voz sintetizada em ambiente Windows para acessar software, aplicativos e recursos na internet. É considerado como um sintetizador de voz integrado ao software, que utiliza a placa e as caixas de som do computador para fornecer as informações exibidas no monitor. Segundo [Queiroz 2003], o JAWS é muito utilizado por cegos e até o momento, é o software que propicia melhor acesso à boa navegação das páginas da internet. 5. Acessibilidade e Usabilidade Tornar o conteúdo da internet mais acessível pode ser considerado como, utilizar a linguagem de marcação HTML de forma a codificar significado no lugar de aparência, ou seja, fazer com que o conteúdo da página seja apresentado e compreendido por todos, principalmente quando se trata da utilização de leitores de tela para transmitir as informações textuais [Nielsen 2000] e com isso, aumentar a facilidade de acesso às informações. A acessibilidade significa a qualidade de ser acessível e acessível é tudo aquilo que se pode chegar facilmente, fácil de se alcançar. Um website acessível se diferencia dos demais, devido à aplicação de algumas normas, regras de acessibilidade e uma correta utilização da linguagem de marcação HTML. Medir o nível de facilidade de uso de uma página da web é muito importante, tanto para os desenvolvedores, afim de avaliar o conteúdo desenvolvido, quanto para os usuários finais. É possível avaliar o quanto o conteúdo é fácil de usar, verificar se as operações podem ou não serem realizadas em um tempo hábil e fornecer um retorno aos desenvolvedores para promover melhorias contínuas. Se uma página da web é fácil de usar e acessível, significa que o usuário poderá navegar e consultar o conteúdo exposto com aprendizado rápido, memorização fácil e cometer menos erros durante as operações. É muito importante que o desenvolvimento de um website seja centrado no usuário e a aplicação atenda as suas reais necessidades [Norman apud Ferreira et al. 2003] Diretrizes de acessibilidade O material de referência do órgão W3C (Web Content Acessibility guidelines), é um documento que possui diretrizes para tornar o conteúdo da web mais acessível para pessoas com necessidades especiais. As diretrizes de acessibilidade visam assegurar uma transformação harmoniosa do conteúdo e torná-lo compreensível e navegável.

4 Diretriz 1 :Tornar as imagens acessíveis através da disponibilidade de um texto que transmita a finalidade da imagem utilizando o atributo alt [SOARES [19..][Documentos W3C]. O atributo alt é utilizado para fazer descrições das imagens, permitindo através do leitor de tela a transmissão do significado para os usuários que não podem enxergá-la [Holzchlag 2005]. Exemplo 1: Trecho do código em HTML sem texto explicativo <img src= acessibilidade.gif > Exemplo 2: Trecho do código com texto aplicativo <img src = acessibilidade.gif alt= Símbolo da acessibilidade BRASIL > Se a imagem for apenas decorativa e não tiver nenhum significado importante é conveniente utilizar o atributo alt da seguinte forma: Exemplo 3: <img src = agenda.gif alt= > Dessa forma, a seqüência de caracteres vazia indicará ao leitor de telas a pular a imagem [Nielsen 2000]. Diretriz 2 : Não utilizar apenas o recurso da cor para transmitir informações. A diferenciação da informação somente através das cores é algo restrito e não permite aos leitores de tela transformá-la em informações sonoras [Documentos W3C]. Sendo assim, buscando uma maior facilidade de compreensão do conteúdo da página, é viável criar textos e gráficos que podem ser compreendidos mesmo quando não visualizados [Documentos W3C]. Diretriz 3:Tornar a apresentação do conteúdo mais clara. Para tornar o conteúdo mais acessível é necessário codificar significado ao invés de aparência, ou seja, possibilitar que o browser apresente significado de forma otimizada à capacidade dos usuários [Nielsen 2000]. Segundo [Nielsen 2000],os textos são mais fáceis de acessar e lidos pelos leitores de tela se forem dispostos em HTML da seguinte forma: Exemplo 1: <H1> Para o cabeçalho superior. <H2> Para as principais partes da informação dentro de <H1>. <H3> Para divisões mais sutis da informação. Diretriz 4:Utilização do atributo title em links. O atributo title permite adicionar títulos aos links com o propósito de transmitir mais textos explicativos ao usuário [Holzchlag 2005]. Exemplo 1: <a href = acessibilidade.html title= Diretrizes de acessibilidade > Diretriz 5: Utilização do atributo acceskey para facilitar a navegação através do teclado.

5 Este atributo permite combinações do teclado que ao serem acionados executarão a operação sem a utilização do mouse. O acceskey pode ser usado com elementos do tipo: a, área, input, button, textarea, label, legend e caption [Holzchlag 2005]. Exemplo1: <p><a href = acceskey = A >Acessibilidade (ALT + A) ></a></p> Neste caso o link poderá ser acessado através das teclas ALT + A. Diretriz 6: Utilização do atributo tabindex O atributo tabindex permite adicionar uma ordem específica para o controle de links e formulários, caso não estejam em uma seqüência natural [Holzschlag 2005]. Também é um importante atributo usado para proporcionar um acesso mais rápido às áreas mais importantes da página. Exemplo 1: Link < a href = acessibilidade.html tabindex = 2 >Acessibilidade</a> Exemplo 2: Formulários <input type= Submit name = Salvar tabindex = 1 /> Deseja salvar as informações? Diretriz 7: Fornecer a tabela de dados um resumo e uma legenda. O elemento caption é usado para descrever o objetivo da tabela, e o atributo summary é usado dentro da tabela, com o objetivo de fornecer um resumo sobre a sua estrutura e finalidade [Holzchlag 2005]. Exemplo 1: <table summary= Formulário de cadastramento de dados pessoais > <caption>cadastro</caption> O documento do W3C possui além das diretrizes citadas, diversas normas, especificações e outras diretrizes a serem aplicadas no conteúdo da web, a fim de tornálo mais acessível e fácil de utilizar. 6. Experimento e resultados 6.1 Objetivo A pesquisa é baseada no desenvolvimento de dois protótipos, Protótipo I e Protótipo II de um formulário de cadastro de dados pessoais, chamado então de AgendaWeb. Para coletar os dados e alcançar resultados, se faz necessário, um estudo sobre a cegueira, as diretrizes de acessibilidade do conteúdo da web, a linguagem de marcação HTML, as implementações via web, os meios de disseminação da informação, a internet, o papel e a responsabilidade da sociedade chamada de inclusiva. Os dados são obtidos através de aplicações de testes de usabilidade, verificando se os protótipos desenvolvidos atendem ou não às necessidades dos usuários, e também avaliando e validando a facilidade de utilização. 6.2 Protótipo I e II A primeira etapa de desenvolvimento do formulário constitui na criação do protótipo I, sem utilizar as diretrizes de acessibilidade.

6 O Protótipo I possui algumas características que o torna inacessível, quando é necessário utilizar apenas o leitor de telas para acessá-lo. A segunda etapa se baseia na criação do Protótipo II aplicando as diretrizes de acessibilidade. Já o Protótipo II possui algumas características que o torna mais acessível em relação ao Protótipo I, e principalmente quando é acessado utilizando apenas o leitor de telas. Interface do protótipo I Características do Protótipo I: - A página não possui título e informações iniciais sobre o seu conteúdo, de forma q possa ser transmitido ao usuário; - As abreviações não possuem textos explicativos; - O formato da data não é apresentado ao usuário; - Os botões não possuem acesso via teclado através de atalhos; - Utiliza recursos de cores para transmitir a informação. Interface do protótipo II Características do Protótipo II: - A página possui título e informações iniciais sobre o seu conteúdo; - O cadastro é dividido em módulos para facilitar a navegação; - As abreviações possuem textos explicativos; - O formato da data é apresentado ao usuário; - Os botões possuem acesso via teclado através de atalhos; - Não utiliza apenas recursos de cores para transmitir informação. Figure 1. (a) Interface do protótipo I, (b) Interface do protótipo II Logo depois, durante a terceira fase, os testes de usabilidade foram aplicados com usuários com perfis diferentes: - Usuário 1 : Pessoa cega, utilizando apenas o teclado para a navegação e o leitor de telas. - Usuário 2 : Pessoa cega, utilizando apenas o teclado para a navegação e o leitor de telas. - Usuário 3 : Pessoa não cega, utilizando apenas o teclado para a navegação, o leitor de telas e o monitor desligado.

7 Os leitores de tela JAWS e Virtual Vision realizam a interação entre o usuário e o computador, pois percorrem todos os campos do formulário apresentados via browser e transformam as informações textuais em informações sonoras. 6.3 Aplicação dos testes Os testes de usabilidade se baseiam na observação dos usuários, enquanto elesinteragemcom a interface desenvolvida. Estes testes irão medir a facilidade de uso do protótipo I e II do formulário de cadastro de dados pessoais desenvolvido. É fundamental que os próprios usuários realizem os testes, para que os desenvolvedores possam obter informações de como eles se interagem com o sistema e o quanto é fácil de ser utilizado [Nielsen 1993]. Os testes são baseados em dois cenários diferentes, com questionários de teste idênticos: - O questionário de teste I é aplicado com o Protótipo I. O Protótipo I não possui nenhuma diretriz de acessibilidade, mas pode se acessado, porém possui um número menor de informações textuais e recursos que facilitam a navegação. - O questionário de teste II é aplicado com o Protótipo II. O Protótipo II é o Protótipo I alterado, com a aplicação das diretrizes de acessibilidade. Durante a realização dos testes, foi utilizado um questionário com algumas perguntas objetivas sobre a navegação, sendo aplicado um questionário para cada protótipo. A coleta dos dados ocorreu através do preenchimento manual dos questionários, onde os usuários foram respondendo a perguntas citadas no quadro abaixo e o avaliador marcando as respostas. Os questionários podem ser considerados como um recurso barato e rápido para avaliação e também possibilitam atingir um grande número de usuários [Preece 2005]. Os testes com os usuários permitem a avaliação do desempenho dos mesmos, durante a utilização do protótipo e também constituem um importante aspecto do design de interação [Preece 2005]. Algumas variáveis foram analisadas durante a aplicação dos testes e estão apresentadas no quadro abaixo: Quesitos analisados 1. A página possui um título? 2. A página possui informações iniciais ou introdutórias sobre o seu conteúdo? 3. Existem textos explicativos que auxiliam a navegação? 4. As abreviações possuem textos explicativos? 5. Foi possível compreender o conteúdo da página utilizando o leitor de tela? 6. As informações foram transmitidas facilmente? 7. A tarefa foi realizada com sucesso? 9. O usuário solicitou algum tipo de ajuda? Quadro 1. Quesitos analisados

8 6.4 Análise dos resultados A avaliação dos protótipos desenvolvidos é um requisito importante, a fim de medir o nível de acessibilidade de um website, saber como às informações estão dispostas para serem repassadas a um grande número de usuários, de forma igualitária e de maneira que todos possam acessar e absorver um conteúdo disponível. O perfil dos usuários pesquisados foi também uma importante variável analisada durante a pesquisa, pois foi possível observar que quanto maior a freqüência de utilização da internet e do leitor de telas, maior é a facilidade de navegação. Perfil dos Usuários Usuários Cegos Não Cego Sexo Masculino Masculino Feminino Nível de escolaridade Superior Superior Superior Completo Completo Completo Local onde acessa internet Casa Casa Casa e Trabalho Utilização da internet Alta Baixa Alta Frequência de utilização do leitor de telas Alta Alta Nunca utilizou Leitor de telas usado nos testes Jaws 6.10 Virtual Vision Jaws 6.10 Quadro 2. Perfil dos usuários A tabela abaixo, apresenta os dados obtidos através dos questionários de testes I e II, a fim de obter informações com relação ao nível de acessibilidade referentes aos Protótipos I e II desenvolvidos durante a pesquisa. Tabela 1. Questionário de teste de usabilidade Usuários Cegos Usuário Não Cego Quesitos Analisados Protótipo Protótipo Protótipo I Protótipo II I II Usuário Usuário Usuário Usuário Usuário Usuário 3 Título Informações iniciais Textos explicativos auxiliares Textos explicativos das abreviações Compreensão do conteúdo da página Informações transmitidas facilmente Tarefa realizada com sucesso Ajuda ao usuário = Não 2 = Sim Foi possível observar durante os testes de usabilidade com o Protótipo I, que o nível de informações textuais referentes ao conteúdo da página é muito baixo, por isso a navegação se tornou mais difícil e com maior nível de erros. Os campos com abreviações sem textos explicativos, como ocorre no Protótipo I, provocaram o maior número de erros, pois o usuário não consegue identificar o que é

9 necessário inserir neste campo. Por exemplo, o campo da Unidade Federativa representado apenas pela sigla UF. Teste de Usabilidade - PRO TÓ TIPO I 2 1,5 1 0,5 0 1 = Não 2 = Sim Usuário 1 Usuário 2 Usuário 3 Figura 2. Teste de usabilidade Protótipo I O Protótipo I possui informações importantes que são representadas apenas por cores, como por exemplo Os campos em azul são obrigatórios. Esta informação não permite ao usuário identificar quais são os campos obrigatórios. Pode se observar através do gráfico, que o Protótipo II, devido à aplicação das diretrizes de acessibilidade, possui o conteúdo mais acessível do que o Protótipo I, contendo um maior número de informações textuais e maior facilidade de navegação.

10 Teste de Usabilidade - PRO TÓ TIPO II 2 1,5 1 0,5 0 1 = Não 2 = Sim Usuário 1 Usuário 2 Usuário 3 Figura 3. Teste de usabilidade Protótipo II O campo menu de lista, como por exemplo Estado civil, também necessita de uma informação adicional como Selecione a opção para informar ao usuário que neste local existe uma lista de opções a serem selecionadas, como ocorre no Protótipo II. Em resumo, foi possível observar através dos testes de usabilidade realizados com os usuários, que o Protótipo II com as diretrizes de acessibilidade da web fornece maior facilidade de navegação, maior compreensão, menor número de erros e maior facilidade de utilização, comparado com o Protótipo I, sem a aplicação das diretrizes. Nível de acessibilidade dos Protótipos I e II Acessibilidade 3 = Baixa 4 = Média 5 = Alta 5 4,5 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0, Usuários Protótipo I Protótipo II Figura 4. Teste de usabilidade Protótipo II

11 7. Conclusão Estar diante de uma sociedade cada vez mais exclusiva e personalizada é um fato, e, possibilitar a evolução do processo, tornando-a mais justa e inclusiva é algo almejado por muitos. Portanto, reestruturar soluções tecnológicas e possibilitar a utilização de forma mais igualitária é uma maneira de contribuir para a evolução deste processo. Através da pesquisa, foi possível notar o quanto é importante a forma de apresentação do conteúdo da web, tornando as informações mais acessíveis, fáceis de serem utilizadas, principalmente quando não é possível visualizá-las, mas que podem ser perfeitamente absorvidas e usadas por todos. Segundo [Baranauskas et al. 2006] a computação está diante de um grande desafio: possibilitar uma cultura digital considerando as diferenças humanas frente à realidade brasileira. A aplicação de diretrizes de acessibilidade da web é uma forma de aplicação de padrões que, acrescentados ao seu conteúdo, promovem maior facilidade de uso por aqueles que não podem visualizar o seu conteúdo e sem alterar em nada para aqueles que podem visualizar. Em outras palavras, como pode ser mostrado na pesquisa, a acessibilidade da web depende de como o seu conteúdo foi programado para ser apresentado e existem formas de se fazer, de maneira que o mesmo possa ser compreendido, apresentado e utilizado mais facilmente. A idéia também de tornar o conteúdo da web mais acessível é uma forma de aumentar o número de usuários que ainda não conseguem acessar o seu conteúdo, pois inúmeras são as barreiras às quais os impossibilitam de estarem conectados à grande rede de informações e de utilizarem para a formação educacional, trabalho, lazer e entretenimento. Os recursos tecnológicos existentes possuem a capacidade de disponibilizar a informação a todos, permitindo uma maior interação entre a informação, o ser humano, que possui o direito de adquiri-la e o contexto onde está inserido, a sociedade. 8. Referências Baggio, Rodrigo. A sociedade da informação e a infoexclusão. Ciência da Informação. Brasília, v.29, n.2, p.16-21, maio/ago Baranauskas, M.Cecília C. et al. Acesso participativo e universal do cidadão brasileiro ao conhecimento. Computação Brasil, Porto Alegre, n. 23, p.7, Cruz, Renato; Instituto Ethos de empresas e responsabilidade social. O que as empresas podem fazer pela inclusão digital. São Paulo: ETHOS, p.10. Deitel, Harvey M. C#, como programar. São Paulo: Pearson Education, p Ferreira; Leite, Simone Bacellar Leal; Leite, Júlio César Sampaio do Prado. Avaliação da usabilidade em sistemas de informação: o caso do sistema Submarino. Revista de Administração Contemporânea, Rio de janeiro, v. 7, n. 2, p , abr./jun Holzschlag, Molly E. 250 segredos para web designers. Rio de Janeiro: Campus, c2005. p : :298. Nielsen, Jakob. Usability Engineering.San Diego: Academic Press,c1993.p.165.

12 Nielsen, Jakob. Projetando Websites. Rio de Janeiro: Elsevier: Campus, p. Cap.6, p Preece, Jennifer. Design de interação: além da interação homem-computador. Pôrto Alegre: Bookman, p.446:451. Queiroz, Marco Antonio de. Como Fazer Acessibilidade nas páginas da WEB. I Seminário de Acessibilidade Serpro, Disponível em: <http://www.bengalalegal.com/acesso.php>. Acesso em: 28 ago Rodrigues, Andréa dos Santos; Souza Filho, Guido Lemos; Borges, José Antônio. Acessibilidade na internet para deficientes visuais. In: Workshop sobre fatores humanos em sistemas computacionais, 4, 2001, Florianópolis: UFSC, SBC, 2001.p Sassaki, Romeu Kazumi. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 5. ed. Rio de Janeiro: WVA, p.164. Torres, Elisabeth Fátima; Mazzoni, Alberto Angel; Alves, João Bosco da Mota. A acessibilidade à informação no espaço digital. Ciência da Informação, Brasília, v.31, n.3, p.83-91, set./dez.2002.

ENGENHARIA DE USABILIDADE Unidade V Acessibilidade à Web. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

ENGENHARIA DE USABILIDADE Unidade V Acessibilidade à Web. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático Conceitos e Importância Projeto e desenvolvimento de Web acessível Acessibilidade É o processo e as técnicas usadas para criar

Leia mais

SIEP / RENAPI. Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento. de um Site/Portal Acessível

SIEP / RENAPI. Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento. de um Site/Portal Acessível SIEP / RENAPI Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento de um Site/Portal Acessível Setembro de 2009 Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento de um Site/Portal Acessível Cuidados em geral Separar adequadamente

Leia mais

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD Objetivos: Apresentar os principais problemas de acessibilidade na Internet. Apresentar as principais deficiências e as tecnologias de apoio.

Leia mais

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Gláucio Brandão de MATOS 1 ; Alisson RIBEIRO 2 ; Gabriel da SILVA 2 1 Ex-aluno do Curso Superior

Leia mais

Monday, January 23, 12. Introdução sobre Acessibilidade na web

Monday, January 23, 12. Introdução sobre Acessibilidade na web Introdução sobre Acessibilidade na web Acessibilidade na web é o consumo da informação por qualquer pessoa por qualquer tipo de meio de acesso. Para que serve a web? A web serve para compartilhar informação.

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

Acessibilidade nos sites das Instituições da Rede Federal de EPT

Acessibilidade nos sites das Instituições da Rede Federal de EPT Acessibilidade nos sites das Instituições da Rede Federal de EPT Maurício Covolan Rosito Gerente do Núcleo de Bento Gonçalves do projeto de Acessibilidade Virtual da RENAPI Everaldo Carniel Pesquisador

Leia mais

DICAS PARA DESENVOLVER SITE ACESSÍVEL

DICAS PARA DESENVOLVER SITE ACESSÍVEL DICAS PARA DESENVOLVER SITE ACESSÍVEL Este arquivo contém dicas para o desenvolvimento de uma página acessível e de acordo com as normas W3C (World Wide Web). Para uma boa compreensão destas dicas é necessário

Leia mais

e-mag Checklist de Acessibilidade Manual para Deficientes Visuais

e-mag Checklist de Acessibilidade Manual para Deficientes Visuais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Governo Eletrônico Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

Oficina: ASES 2.0 Beta 6.0

Oficina: ASES 2.0 Beta 6.0 Oficina: ASES 2.0 Beta 6.0 André Luiz Andrade Rezende ¹ ¹Rede de Pesquisa e Inovação em Tecnologias Digitais (RENAPI) Doutorando em Educação e Contemporaneidade (UNEB) Estes slides são concedidos sob uma

Leia mais

Acessibilidade no SIEP (Sistema de Informações da Educação Profissional e Tecnológica) Módulo de Acessibilidade Virtual CEFET Bento Gonçalves RS Maio 2008 ACESSIBILIDADE À WEB De acordo com Cifuentes (2000),

Leia mais

Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG

Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG Adoniran Dias Ribeiro Andrade, Renato de Freitas Bulcão Neto Instituto de Informática Universidade Federal

Leia mais

Barreiras tecnológicas de acesso aos museus on-line brasileiros

Barreiras tecnológicas de acesso aos museus on-line brasileiros Barreiras tecnológicas de acesso aos museus on-line brasileiros Carla da Silva Flor, Mestranda - Universidade Federal de Santa Catarina carla.flor@gmail.com Tarcísio Vanzin, Dr. - Universidade Federal

Leia mais

Tecnologias de Informação voltadas para pessoas com deficiência visual

Tecnologias de Informação voltadas para pessoas com deficiência visual Tecnologias de Informação voltadas para pessoas com deficiência visual (Technologies of Information destined to peoples with visual deficiency) Daniela Ragazzi dos Santos 1 ; Sérgio Ricardo Borges 2 1

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO OBJETO DE APRENDIZAGEM RECURSOS EXPRESSIVOS - ESTUDO DIRIGIDO Nº 2 : DESIGNS INSTRUCIONAL, VISUAL E DE INTERAÇÃO

A CONSTRUÇÃO DO OBJETO DE APRENDIZAGEM RECURSOS EXPRESSIVOS - ESTUDO DIRIGIDO Nº 2 : DESIGNS INSTRUCIONAL, VISUAL E DE INTERAÇÃO 1 A CONSTRUÇÃO DO OBJETO DE APRENDIZAGEM RECURSOS EXPRESSIVOS - ESTUDO DIRIGIDO Nº 2 : DESIGNS INSTRUCIONAL, VISUAL E DE INTERAÇÃO Belo Horizonte MG Abril 2012 Categoria: C - Método e Tecnologias Setor

Leia mais

Acessibilidade na Web

Acessibilidade na Web Acessibilidade na Web Departamento de Computação - UFS Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Lucas Augusto Carvalho lucasamcc@dcomp.ufs.br Prof. Rogério Vídeo Custo ou Benefício? http://acessodigital.net/video.html

Leia mais

ACESSIBILIDADE WEB: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DO CONHECIMENTO DO DESENVOLVEDOR WEB BRASILEIRO

ACESSIBILIDADE WEB: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DO CONHECIMENTO DO DESENVOLVEDOR WEB BRASILEIRO ACESSIBILIDADE WEB: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DO CONHECIMENTO DO DESENVOLVEDOR WEB BRASILEIRO Timóteo Moreira Tangarife, Cláudia Mont Alvão Laboratório de Ergonomia e Usabilidade de Interfaces LEUI Programa

Leia mais

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo Introdução Recursos de acessibilidade principais Navegação usando

Leia mais

Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES

Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES Quase todos nós vamos precisar de óculos um dia (a menos que a tecnologia médica promova a substituição deste artefato por alguma outra coisa tecnológica,

Leia mais

FORMULÁRIOS ACESSÍVEIS

FORMULÁRIOS ACESSÍVEIS Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul NAV Núcleo de Acessibilidade Virtual FORMULÁRIOS ACESSÍVEIS

Leia mais

Acessibilidade na web O caminho das pedras para construir sítios acessíveis. SECOP 2011 2 de setembro de 2011 Reinaldo Ferraz W3C.

Acessibilidade na web O caminho das pedras para construir sítios acessíveis. SECOP 2011 2 de setembro de 2011 Reinaldo Ferraz W3C. Acessibilidade na web O caminho das pedras para construir sítios acessíveis SECOP 2011 2 de setembro de 2011 Reinaldo Ferraz W3C.br Um pouco do W3C É um consórcio internacional, criado em 1994 por Tim

Leia mais

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Arte X Engenharia Desenvolver Sistema Web é arte? A Web oferece espaço para arte...... mas os usuários também desejam

Leia mais

Acessibilidade Web na Universidade O que é? Por quê? Como Fazer? Amanda Meincke Melo amanda.melo@unipampa.edu.br http://ammelobr.blogspot.

Acessibilidade Web na Universidade O que é? Por quê? Como Fazer? Amanda Meincke Melo amanda.melo@unipampa.edu.br http://ammelobr.blogspot. Acessibilidade Web na Universidade O que é? Por quê? Como Fazer? Amanda Meincke Melo amanda.melo@unipampa.edu.br http://ammelobr.blogspot.com/ 2 Agenda Conceitos Acessibilidade Web Cenários Estudos de

Leia mais

Procedimentos para a análise de acessibilidade de sites

Procedimentos para a análise de acessibilidade de sites Procedimentos para a análise de acessibilidade de sites Agebson Rocha Façanha, Renato Busatto Figueiredo, Phyllipe do Carmo Félix Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) Campus

Leia mais

INTRODUÇÃO Orientador: Turma 64:

INTRODUÇÃO Orientador: Turma 64: INTRODUÇÃO Orientador: Prof. Dr. Fernando Auil Turma 64: André Cavalcante dos Santos Bruno Croci de Oliveira Caio César Lemes Bastos Dan Shinkai Daniel Bissoli Moriera Daniel Pinheiro Barreto TEMA Conhecimento

Leia mais

Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual

Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual Aula 15 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE.

Leia mais

Acessibilidade na Internet para Deficientes Visuais

Acessibilidade na Internet para Deficientes Visuais Resumo: Acessibilidade na Internet para Deficientes Visuais Andréa dos Santos Rodrigues andrea_santos@bol.com.br FARN- Faculdade para o Denvolvimento do Rio Grande do Norte Guido Lemos de Souza Filho guido@dimap.ufrn.br

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS SOFTWARES LEITORES DE TELA UTILIZANDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE

ANÁLISE COMPARATIVA DOS SOFTWARES LEITORES DE TELA UTILIZANDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE 1 ANÁLISE COMPARATIVA DOS SOFTWARES LEITORES DE TELA UTILIZANDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE Porto Alegre RS - maio de 2012. Clóvis da Silveira PUCRS csclovis@gmail.com Adriana Beiler PUCRS

Leia mais

Humano-Computador (IHC)

Humano-Computador (IHC) 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WA Professora: Clarisse Sieckenius de Souza Acessibilidade: Uma questão de lei e direitos humanos 15/Mar/2010 Stephen Hawking um dos maiores

Leia mais

Thiago Corrêa da Silva Eduardo Stuhler Neves

Thiago Corrêa da Silva Eduardo Stuhler Neves Avaliação de Acessibilidade e adequação da interface do Repositório de Objetos de Aprendizagem para a Área de informática da UDESC com foco da Deficiência Visual Thiago Corrêa da Silva Eduardo Stuhler

Leia mais

UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Sérgio M. Baú Júnior* e Marco A. Barbosa* *Departamento de Informática

Leia mais

Análise do formato semanal do AVEA Moodle utilizando o padrão WCAG 2.0 para alunos cegos

Análise do formato semanal do AVEA Moodle utilizando o padrão WCAG 2.0 para alunos cegos 10 Edição-2015 Análise do formato semanal do AVEA Moodle utilizando o padrão WCAG 2.0 para alunos cegos Eduardo Dalcin¹, Ana Cláudia Pavão Siluk² ¹Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha

Leia mais

Inclusão digital de deficientes visuais através de Projeto Comunitário, Santana do Livramento (2013)

Inclusão digital de deficientes visuais através de Projeto Comunitário, Santana do Livramento (2013) Inclusão digital de deficientes visuais através de Projeto Comunitário, Santana do Livramento (2013) Eduardo Bueno Simões Pires 1, Aline da Cunha Simões Pires 2 1 Instituto de Informática Universidade

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

A ACESSIBILIDADE NA WEB PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO VIRTUAL

A ACESSIBILIDADE NA WEB PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO VIRTUAL A ACESSIBILIDADE NA WEB PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO VIRTUAL Gabrielle Natacha Almeida Resende Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Departamento

Leia mais

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Instituto Federal do Sertão-PE Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Prof. Felipe Correia Conteúdo Por que estudar Design de Interfaces e Usabilidade?! Conceitos básicos sobre Design! Primeira

Leia mais

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST E-DOC Peticionamento APRESENTAÇÃO O sistema E-DOC substituirá o atual sistema existente. Este sistema permitirá o controle de petições que utiliza certificado digital para autenticação de carga de documentos.

Leia mais

1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais. Acessibilidade. Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007

1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais. Acessibilidade. Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007 1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais Acessibilidade Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007 Entendendo o problema: Porque desenvolver sistemas que permitam o acesso a pessoas

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Configurações do Windows para Leitores de Tela

Configurações do Windows para Leitores de Tela MÓDULO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL - CEFET BG SIEP (SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA) Configurações do Windows para Leitores de Tela Desenvolvido por Celio Marcos Dal Pizzol e

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

Mais sobre uso de formulários Site sem Ajax

Mais sobre uso de formulários Site sem Ajax Mais sobre uso de formulários Site sem Ajax Página com busca padrão 1 Página com o resultado da busca carregada no local da anterior (o formulário está vazio) Site com Ajax 2 Site usando Ajax para preencher

Leia mais

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL Núcleo IFRS Manual do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 3 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 3 Procedimentos para Download

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO ACESSÍVEL PARA DEFICIENTES VISUAIS ¹

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO ACESSÍVEL PARA DEFICIENTES VISUAIS ¹ DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO ACESSÍVEL PARA DEFICIENTES VISUAIS ¹ Ernaque Viana Malta 1 ; Ronivaldo Roriz dos Santos 1 ; Woquiton Lima Fernandes 2 1 Estudante da 3ª série

Leia mais

Acessibilidade. Profa. Renata Pontin de Mattos Fortes

Acessibilidade. Profa. Renata Pontin de Mattos Fortes Acessibilidade Profa. Renata Pontin de Mattos Fortes 1 Acessibilidade 2 Roteiro Acessibilidade Acessibilidade na Informática Inclusão Digital Design da Interação e Acessibilidade 3 Acessibilidade Definição

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

TECNOLOGIAS WEB. Unidade 2 Introdução a Construção de Páginas Estáticas. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://luizleao.com

TECNOLOGIAS WEB. Unidade 2 Introdução a Construção de Páginas Estáticas. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://luizleao.com Luiz Leão luizleao@gmail.com http://luizleao.com CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DESTA UNIDADE HTML TAG S HTML LINGUAGEM HTML Hypertext Markup Language Interpretada pelo navegador Não linearidade da informação Formatação

Leia mais

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 1 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 1 Procedimentos para Download e Instalação do NVDA... 2 Iniciando

Leia mais

Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade. Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3

Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade. Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3 Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3 1 Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI janaegm@univali.br

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

Desenvolvimento de um Objetos e Aprendizagem para Portadores de visão subnormal a partir do uso de conceitos e técnicas de acessibilidade

Desenvolvimento de um Objetos e Aprendizagem para Portadores de visão subnormal a partir do uso de conceitos e técnicas de acessibilidade Desenvolvimento de um Objetos e Aprendizagem para Portadores de visão subnormal a partir do uso de conceitos e técnicas de acessibilidade Cristina Silveira Otto, Patrícia Mariotto Mozzaquatro Universidade

Leia mais

Buscando Acessibilidade em Ambientes de EAD. Andréa Poletto Sonza e Daniela Menegotto CEFET Bento Gonçalves RS Junho 2008

Buscando Acessibilidade em Ambientes de EAD. Andréa Poletto Sonza e Daniela Menegotto CEFET Bento Gonçalves RS Junho 2008 Buscando Acessibilidade em Ambientes de EAD Andréa Poletto Sonza e Daniela Menegotto CEFET Bento Gonçalves RS Junho 2008 Tecnologia Assistiva CONCEITO: conjunto de artefatos disponibilizados às PNEs, que

Leia mais

e-mag 3.0 Modelo de Acessibilidade em Governo Eletrônico Projeto de Acessibilidade Virtual da RENAPI SETEC/MEC Andréa Poletto Sonza

e-mag 3.0 Modelo de Acessibilidade em Governo Eletrônico Projeto de Acessibilidade Virtual da RENAPI SETEC/MEC Andréa Poletto Sonza e-mag 3.0 Modelo de Acessibilidade em Governo Eletrônico SETEC/MEC Andréa Poletto Sonza Brasília, 21 de Setembro de 2011 e-mag Acessibilidade Conceitos Por que acessibilidade? e-mag Histórico Versão 3.0

Leia mais

Acessibilidade na Web Cesár Bomfim Brasília 15 de Março

Acessibilidade na Web Cesár Bomfim Brasília 15 de Março Acessibilidade na Web Cesár Bomfim Brasília 15 de Março Avaliação Passos para Site Acessível -Seguir padrões Web; -Seguir as diretrizes e recomendações de acessibilidade; -Realizar avaliação de acessibilidade.

Leia mais

ESCRITÓRIO DIGITAL. Guia do Sistema. Conselho Nacional de Justiça - Brasília, maio de 2015 http://wwwh.cnj.jus.br/escritoriodigital

ESCRITÓRIO DIGITAL. Guia do Sistema. Conselho Nacional de Justiça - Brasília, maio de 2015 http://wwwh.cnj.jus.br/escritoriodigital ESCRITÓRIO DIGITAL Guia do Sistema Conselho Nacional de Justiça - Brasília, maio de 2015 http://wwwh.cnj.jus.br/escritoriodigital Introdução sobre a nova ferramenta digital Com as diversas soluções tecnológicas

Leia mais

Título do trabalho: Entre ledores humanos e leitores digitais

Título do trabalho: Entre ledores humanos e leitores digitais Temática(s):Acessibilidade em Cultura e Educação Tipo de Trabalho: Relatos de Experiências Título do trabalho: Entre ledores humanos e leitores digitais Autores e Filiações: Arnais, Magali Ap. Oliveira

Leia mais

Acessibilidade Introdução. M. Cecília C. Baranauskas Instituto de Computação

Acessibilidade Introdução. M. Cecília C. Baranauskas Instituto de Computação Acessibilidade Introdução M. Cecília C. Baranauskas Instituto de Computação Acessibilidade - Demo Esta parte é baseada no video em http://www.doit.wisc.edu/accessibility/video Liste os principais problemas

Leia mais

OS RECURSOS COMPUTACIONAIS AUXILIANDO OS DEFICIENTES VISUAIS

OS RECURSOS COMPUTACIONAIS AUXILIANDO OS DEFICIENTES VISUAIS OS RECURSOS COMPUTACIONAIS AUXILIANDO OS DEFICIENTES VISUAIS 2011 Fabíola Magda Andrade Ventavoli Bacharel em Ciências da Computação, Licenciada em Matemática e Computação. Pós-graduada em Psicopedagogia

Leia mais

Acessibilidade nos Museus Virtuais 1. Accessibility to Virtual Museums

Acessibilidade nos Museus Virtuais 1. Accessibility to Virtual Museums 1 Acessibilidade nos Museus Virtuais 1 Accessibility to Virtual Museums FLOR, Carla S. 2 Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina VANZIN, Tarcisio Dr. 3 Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência Produto IV: ATU SAAP Manual de Referência Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988 Brasília, 30 de outubro de 2008 1 Sistema de Apoio à Ativideade Parlamentar SAAP

Leia mais

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário Portal Ypadê Montes Claros, 16 de Julho de 2011 Revisão 3 Sumário 1. Apresentação do portal e escopo deste documento... 2 2. Acessando o Portal Ypadê...

Leia mais

Análise de Acessibilidade Aplicada ao Website da Universidade Federal de Santa Maria

Análise de Acessibilidade Aplicada ao Website da Universidade Federal de Santa Maria 168 Análise de Acessibilidade Aplicada ao Website da Universidade Federal de Santa Maria Janaína Gomes 1, Paulo Henrique Vianna 1, Diego Carvalho 1, Sara Spolti Pazuch 1, Aline Lorini 1, Diego Carvalho

Leia mais

QUEM SOU? ( IFPB ) Formado em Sistemas para Internet. Analista de Sistemas, Dynavideo. Pesquisador, NAV - IFPB

QUEM SOU? ( IFPB ) Formado em Sistemas para Internet. Analista de Sistemas, Dynavideo. Pesquisador, NAV - IFPB QUEM SOU? ( IFPB ) Formado em Sistemas para Internet Analista de Sistemas, Dynavideo Projeto Intercâmbio para Conteúdo de TV Pública Pesquisador, NAV - IFPB Produção e acessibilização de aplicações educacionais.

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 2 conhecendo a interface do Adobe Flash professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O layout do programa A barra de ferramentas (tools) Contém as ferramentas necessárias para desenhar,

Leia mais

A importância dos protótipos para o desenvolvimento do site do Grupo de Pesquisa em Engenharia de Software

A importância dos protótipos para o desenvolvimento do site do Grupo de Pesquisa em Engenharia de Software A importância dos protótipos para o desenvolvimento do site do Grupo de Pesquisa em Engenharia de Software Daniela Gibertoni¹, Mariana Trevisoli Gervino¹, Júlio C. C. Colombo¹, Fabian Venturini Cabau¹,

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 1.2 - Dados Governamentais Abertos Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Introdução Nesta sexta e penúltima edição da Coletânea de Análises de Email Marketing em Clientes de Email, apresentamos os estudos dos clientes

Leia mais

Realidade Virtual Aplicada à Educação

Realidade Virtual Aplicada à Educação Realidade Virtual Aplicada à Educação Sandra Dutra Piovesan 1, Camila Balestrin 2, Adriana Soares Pereira 2, Antonio Rodrigo Delepiane de Vit 2, Joel da Silva 2, Roberto Franciscatto 2 1 Mestrado em Informática

Leia mais

Principais Característic

Principais Característic Principais Característic Características as Software para agendamento e controle de consultas e cadastros de pacientes. Oferece ainda, geração de etiquetas, modelos de correspondência e de cartões. Quando

Leia mais

SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS

SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS Formulário para submissão de projeto Dados do Projeto e do (a) Orientador (a) do Projeto Título do Projeto: Um aplicativo

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

IHM Interface Humano-Máquina

IHM Interface Humano-Máquina A IHM Interface Humano-Máquina Prof. Dra. Sílvia Dotta Aula 1 - Introdução Roteirodaaula Apresentação da disciplina Motivação, Objetivos Metodologia de ensino Introdução e conceituação de IHM Histórico

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da Terceira Região

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da Terceira Região Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da Terceira Região DIMI - Divisão de Microinformática e Redes Índice: O que é a Internet? 3 O que são Intranets? 3 Sobre o Nestcape Navigator 3 Para iniciar o

Leia mais

Governo Eletrônico no Brasil

Governo Eletrônico no Brasil Governo Eletrônico no Brasil João Batista Ferri de Oliveira Natal, 18 de Setembro de 2009 II Simpósio de Ciência e Tecnologia de Natal Estrutura da apresentação Estrutura organizacional Diretrizes Principais

Leia mais

Documentos Digitais Acessíveis. Bruna Salton Projeto de Acessibilidade Virtual Pró-Reitoria de Extensão

Documentos Digitais Acessíveis. Bruna Salton Projeto de Acessibilidade Virtual Pró-Reitoria de Extensão Documentos Digitais Acessíveis Bruna Salton Projeto de Acessibilidade Virtual Pró-Reitoria de Extensão Como as pessoas com deficiência utilizam o computador e a Web? Vídeo: Como as pessoas com deficiência

Leia mais

O SITE DA MINHA EMPRESA por Ivan F. Cesar

O SITE DA MINHA EMPRESA por Ivan F. Cesar O SITE DA MINHA EMPRESA por Ivan F. Cesar Muitos empresários e profissionais liberais gostariam de estar na Internet, mas, na maioria dos casos, não sabem muito bem por que e nem mesmo sabem a diferença

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

WebDesign. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br. Escola CDI de Videira

WebDesign. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br. Escola CDI de Videira WebDesign Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira Entendendo Alguns Conceitos Antes de prosseguirmos é importante ter em mente o motivo pelo

Leia mais

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 AULA 20 PROBLEMAS DE INTERFACE 12.maio.2006 FAVOR DESLIGAR OS CELULARES usabilidade compreende a habilidade do software em permitir que o

Leia mais

Deficiências. Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla. Tem dificuldade para:

Deficiências. Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla. Tem dificuldade para: Deficiências Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla Tem dificuldade para: ver a tela usar o mouse usar o teclado ler um texto ouvir um som navegar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA. Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenadoria de Educação a Distância MCONF

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA. Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenadoria de Educação a Distância MCONF UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenadoria de Educação a Distância MCONF RESULTADOS DO EXPERIMENTO 5 Endereço da Sala: http://mconf.rnp.br/webconf/unipampa.

Leia mais

Projeto Inclusivo de Sítios: Por quê? Para quem?

Projeto Inclusivo de Sítios: Por quê? Para quem? 1 Projeto Inclusivo de Sítios: Por quê? Para quem? 05/2008 Ana Isabel Bruzzi Bezerra Paraguay Faculdade de Saúde Pública / USP anaparaguay@gmail.com Miriam Hitomi Simofusa SERPRO - miriamhs@gmail.com Augusto

Leia mais

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Divane Marcon Fundação Universidade Federal do Pampa divanemarcon@unipampa.edu.br Fabiane C. Höpner

Leia mais

4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC

4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC 45 4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC A tecnologia ligada à acessibilidade ajuda a minimizar as dificuldades encontradas entre pessoas com deficiências ao acesso a diversos formatos de informação. Do

Leia mais

Modelo de interação humano-computador para analfabetos e pessoas com deficiência. Campinas, 26 de março de 2009

Modelo de interação humano-computador para analfabetos e pessoas com deficiência. Campinas, 26 de março de 2009 Modelo de interação humano-computador para analfabetos e pessoas com deficiência Campinas, 26 de março de 2009 Modelo de Interação Guia para projetistas de interfaces de usuários e desenvolvedores de sistemas

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Design de Interação para WEB com ênfase em Pessoas com Deficiência

Design de Interação para WEB com ênfase em Pessoas com Deficiência 1 Design de Interação para WEB com ênfase em Pessoas com Deficiência Maio/2009 Paulo Guilherme Bites Universidade de Brasilia - CEAD - paulobites@bittes.com.br Onilia Cristina de Souza de Almeida Universidade

Leia mais

Versão: 08/04/2013 Atualizado em: 10/07/2013

Versão: 08/04/2013 Atualizado em: 10/07/2013 Versão: 08/04/2013 Atualizado em: 10/07/2013 NoMe - Novo Mercado CETIP Conteúdo Introdução ao NoMe... 1 Conhecendo o Produto... 2 Acesso ao NoMe... 3 Como acessar o NoMe... 4 Atualização de Senha e Código

Leia mais

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1,Tiago Bonetti Piperno 1, Ricardo Germano 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR- Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

Desenvolvimento Web XHTML Formulários. Prof. Bruno E. G. Gomes

Desenvolvimento Web XHTML Formulários. Prof. Bruno E. G. Gomes Desenvolvimento Web XHTML Formulários Prof. Bruno E. G. Gomes 2014 Introdução Um recurso bastante utilizado no desenvolvimento Web é o envio de dados de uma página para o servidor quando fornecemos informações,

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO

SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 1 1.1. ACESSO AO SISTEMA... 1 1.2. TELA INICIAL

Leia mais

Mini-curso de PHP. Aulas ministradas por: André Luis de Paula Arthur Kalsing Diego Silva

Mini-curso de PHP. Aulas ministradas por: André Luis de Paula Arthur Kalsing Diego Silva Mini-curso de PHP Aulas ministradas por: André Luis de Paula Arthur Kalsing Diego Silva Aula 1 Breve introdução de HTML, Conceitos básicos de PHP, Sintaxe, Separador de instruções e Comentários (Cap 1

Leia mais