PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES NOTA FISCAL ELETRÔNICA (Atualização em atualização das respostas 50 e 51)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES NOTA FISCAL ELETRÔNICA (Atualização em 17-08-2011 atualização das respostas 50 e 51)"

Transcrição

1 PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES NOTA FISCAL ELETRÔNICA (Atualizaçã em atualizaçã das respstas 50 e 51) (Clique sbre a pergunta para visualizar a respsta u utilize a busca pr palavra pressinand simultaneamente as teclas CTRL e L ) Atençã: Para bter mais infrmações acerca da Nta Fiscal Eletrônica NF-e clique n link: https://dec.fazenda.df.gv.br. 107 Perguntas Legislaçã Ajuste SINIEF 07/2005 (e alterações) instituiu nacinalmente a Nta Fiscal Eletrônica e Dcument Auxiliar da Nta Fiscal Eletrônica DANFE; At COTEPE 14/2007 dispõe sbre as especificações técnicas da NF-e. Este At COTEPE cntempla Manual de Integraçã d Cntribuinte, que cntém td detalhament técnic da Nta Fiscal Eletrônica e d DANFE; Prtcl ICMS 10/07 dispõe sbre a brigatriedade de emissã de NF-e. Dec /06 intrduziu art. 170-A n RICMS (Dec /97), que trata, entre utras assunts, da substituiçã das Ntas Fiscais mdels 1 e 1-A pela Nta Fiscal Eletrônica - NFe, instituída pel Ajuste SINIEF 07/05; Dec /07 alteru art. 170-A d RICMS; Dec /07 Delega cmpetência a Secretári de Estad de Fazenda a celebrar Cnvêni/SE/MF nº 09/07 cm a Uniã, bjetivand a viabilizaçã de infra-estrutura para implantaçã d prjet nacinal da nta fiscal eletrônica (NF-e); Prtaria 49/ Estabelece a brigatriedade de utilizaçã da Nta Fiscal Eletrônica (NF-e), prevista n Ajuste SINIEF 07/05; Prtaria 403/10 - Dispõe sbre a Nta Fiscal Eletrônica NF-e e Dcument Auxiliar da Nta Fiscal Eletrônica DANFE e dá utras prvidências. Prtaria 72/11 Dispõe sbre cncessã de regime especial nas perações e prestações que envlvam revistas e periódics e dá utras prvidências. I. CONCEITO, USO E OBRIGATORIEDADE DA NF-E O que é a Nta Fiscal Eletrônica NF-e? Já existe legislaçã aprvada sbre a NF-e? Quais sã as vantagens da NF-e? Quais s tips de dcuments fiscais em papel que a NF-e substitui? Para quais tips de perações (ex: entrada, saída, imprtaçã, exprtaçã, simples remessa) a NF-e pde ser utilizada? Quem está brigad a emitir Nta Fiscal Eletrônica? Qual crngrama de implantaçã da brigatriedade de emissã da NF-e? Micrempreendedr Individual e prdutr rural estã brigads a emitir a NFe? Cm saber se minha empresa está brigada a emitir NF-e? O que muda para meu cliente se minha empresa passar a utilizar NF-e em suas perações? O destinatári da mercadria pderá exigir receber a Nta Fiscal em papel mdel 1 u 1A a invés da Nta Fiscal Eletrônica? Qual primeir pass para minha empresa ser emissra de NF-e? Os cntribuintes brigads a emitir NF-e pderã antecipar iníci desta emissã? Uma empresa credenciada a emitir NF-e deve substituir 100% de suas Ntas Fiscais em papel pela Nta Fiscal Eletrônica? As médias e pequenas empresas também pdem emitir NF-e? Se meu sistema nã ficar prnt até a data de iníci da minha brigatriedade, pss emitir Nta Fiscal Mdel 1 u 1-A? Exerç uma das atividades listadas cm brigatórias na legislaçã, prém essa atividade nã é minha atividade principal. Su brigad a emitir NF-e? O códig de atividade ecnômica da minha empresa cnstante n Cadastr Fiscal d DF (CF/DF) é que define se su u nã brigad a emitir NF-e? O meu códig CNAE-Fiscal cnstante n CF/DF é uma das atividades brigadas a emitir, mas eu nã exerç essa atividade. Serei brigad a emitir NF-e?... 11

2 20. O Prtcl 42/2009, que estabeleceu várias brigatriedades para 1º de abril de 2010, prrrgu praz de alguma brigatriedade prevista n Prtcl 10/07? Estu brigad a emitir NF-e, mas su cntribuinte d ICMS e d ISS. Cm dev fazer? Pderei emitir NFe cnjugada? Há necessidade de cnvêni? Nã estu brigad a emitir NF-e, mas tenh esse interesse. Pss emitir NF-e vluntariamente? Serei brigad a emitir a NF-e a partir d mment que faç credenciament? Nã su brigad a emitir NF-e, mas su emissr. Pss parar de emitir a qualquer temp? Su representante cmercial e tenh registrad n CF/DF tant atividade de ICMS quant de ISS. A atividade de ICMS nã está brigada à emissã da NF-e, mas a atividade relativa a ISS está. Dev emitir NF-e? II. CREDENCIAMENTO Já cnheç prjet. Que etapas dev seguir para ser um emissr de NF-e? Cm fazer credenciament n ambiente de hmlgaçã? O Credenciament n ambiente de hmlgaçã é brigatóri? E s testes? Cm fazer credenciament n ambiente de Prduçã? Quais as atuais relações de webservices d ambiente de prduçã e hmlgaçã? III. OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS Cm a NF-e cntinua necessári bter-se previamente a AIDF (autrizaçã de impressã de dcument fiscal)? Cm a NF-e cntinua necessári gerar RIEX, SINTEGRA, GIA, livrs fiscais, etc? Haverá integraçã ds sistemas de NF-e cm s sftwares destas declarações? Cnsiderand que a Secretaria da Fazenda já recebe a NF-e, seria crret afirmar que as infrmações da NFe nã precisarã ser mais frnecidas a Fisc na entrega de arquivs de escrituraçã eletrônica? É crret afirmar que, cm a Secretaria da Fazenda já recebe a NF-e, a empresa emitente nã mais precisa guardar a NF-e? As empresas (emitentes e destinatárias) deverã guardar algum tip de dcument (NF-e u DANFE)? Em cas de sinistr u perda d arquiv eletrônic das NF-e, seriam estas dispnibilizadas para recuperaçã pr parte da SEFAZ u SRF? Cm fica a emissã da declaraçã de ingress das NF-es emitidas para a Zna Franca de Manaus - ficará dispnível autmaticamente assim que a mercadria adentrar Estad de destin? IV. MODELO OPERACIONAL Cm funcina mdel peracinal da NF-e? Quais sã as validações realizadas pela Secretaria da Fazenda na autrizaçã de uma NF-e? Quant temp demra a autrizaçã de NF-e pela Secretaria da Fazenda? Cm deve ser a numeraçã / séries da NF-e em relaçã à Nta Fiscal em papel? Qual limite de prduts (itens) em uma única NF-e? Em que estabeleciment deve ser emitida a NF-e? A NF-e pde ser emitida antes d carregament da mercadria? E DANFE? É pssível envi pr lte de NF-e u a emissã deve ser feita nta a nta? Se alguma NF-e fr rejeitada, td lte será rejeitad também? A NF-e pde ser emitida também pela digitaçã n site na Internet da Secretaria da Fazenda? É pssível alterar uma nta fiscal eletrônica emitida? Quais sã as cndições e prazs para cancelament de uma NF-e? Cm fica a chamada carta de crreçã n cas de utilizaçã da NF-e? Cm serã slucinads s cass de errs cmetids na emissã de NF-e (há previsã de NF-e cmplementar)? E errs mais simples cm nme d cliente, err n endereç, err n CFOP - cm alterar dad que ficu registrad na base da SEFAZ? O que é a inutilizaçã de númer de NF-e? Qual a frma estabelecida para a entrega da NF-e a meu cliente? Esta entrega é brigatória u basta entregar DANF-e? O que acmpanhará trânsit da mercadria dcumentada pr NF-e? A NF-e será aceita em utrs Estads e pela Receita Federal? Cm fica a cnfirmaçã de entrega da mercadria cm a NF-e? Cm prceder ns cass de recusa d recebiment da mercadria em peraçã dcumentada pr NF-e? A cnsulta da validade, existência e autrizaçã de uma NF-e é brigatória u facultativa? Cm funcina a cnsulta da NF-e na Internet? Cm prceder quand a Nta Fiscal Eletrônica cnstar cm inexistente n Ambiente Nacinal da NF-e (www.nfe.fazenda.gv.br)? Pr quant temp a NF-e pderá ser cnsultada? Existe alguma frma de se cnsultar n sistema da Secretaria da Fazenda status de várias ntas fiscais eletrônicas de uma única vez? As empresas que ainda nã emitem NF-e pderã escriturar DANFE sem a cnsulta da NF-e?... 25

3 64. Se minha empresa fr autrizada a emitir NF-e ela deverá, brigatriamente, estar preparada para receber e escriturar NF-e na entrada de mercadrias? Cm s cntabilistas terã acess às NF-e de seus clientes? Cm s cntabilistas pderã escriturar uma NF-e recebida pr uma empresa? Cm efetuar a escrituraçã de 6 caracteres ns arquivs SINTEGRA se a NF-e permite 9 caracteres? Cm prceder n cas de prblemas cm a emissã da NF-e? Cm fica a numeraçã das Ntas Fiscais emitidas em cntingência? As Pessas Físicas também receberã a NF-e? V. PROGRAMA EMISSOR DE NF-E A Secretaria de Fazenda d DF indica algum aplicativ de emissã da NF-e? Para que serve Prgrama Emissr Gratuit de Nta Fiscal Eletrônica? Cm faç para utilizar aplicativ EMISSOR GRATUITO dispnibilizad pela Secretaria de Fazenda de Sã Paul? Tenh dúvidas em cm utilizar aplicativ EMISSOR GRATUITO da SEFAZ Sã Paul. A quem dev recrrer? O que é necessári para a instalaçã d Emissr de Nta Fiscal Eletrônica Quais s requisits mínims para instalaçã e us d Emissr de NF-e? Cm emitir uma NF-e cm Prgrama Emissr de NF-e? Se eu tiver prblemas e nã cnseguir transmitir a NF-e, que dev fazer? VI. DANFE O que é e para que serve DANFE? Qual a finalidade d códig de barras unidimensinal impress n DANFE? Quem pde imprimir DANFE e em que mment ele deve ser impress? A emissã d DANFE é feita pr um sistema individual? Cm emitir DANFE? O DANFE pde ser impress em papel cmum? Neste cas cm fica a questã da segurança d DANFE? É pssível a impressã ds prduts em mais de um DANFE? Neste cas, cm fica a cnsulta da NF-e? Ns cass de perações interestaduais e de exprtaçã dcument que irá acmpanhar as mercadrias pderá ser DANFE? Há brigatriedade da guarda d DANFE (emitente e destinatári)? Se huver extravi d DANFE durante transprte da mercadria pela transprtadra, cm cntribuinte emitente deve prceder? N cas de vendas para pessa física, qual dcument será entregue DANFE? A Nta Fiscal Eletrônica e seu dcument auxiliar DANFE - pdem ser utilizads para dcumentar vendas de mercadrias a Órgãs Públics (Administraçã Direta u Indireta) e empresas públicas? Cm adquirir Frmulári de Segurança para impressã d DANFE? Li n Manual de Cntingência pss utilizar Frmulári de Segurança quand eu nã cnseguir transmitir NF-e. Cm faç para adquirir esse frmulári? A aquisiçã de Frmulári de Segurança (FS) pderá ser feita a qualquer temp? Se eu nã vu pder mais adquirir Frmulári de Segurança, cm faç para adquirir FS-DA? VII. CERTIFICAÇÃO DIGITAL Cm é garantida a validade jurídica de uma NF-e? Assinatura digital é a mesma cisa que senha web? Cm adquirir uma assinatura digital? Que tip de certificad digital minha empresa deverá adquirir para assinar as ntas fiscais eletrônicas? Cas minha empresa pssua váris estabeleciments que irã emitir NF-e, será necessári adquirir um certificad digital para cada estabeleciment? Para certificad ICP Brasil, há pssibilidade de delegaçã pel representante legal da empresa? Em que etapas da geraçã da NF-e é necessária a utilizaçã de certificad digital? É necessári envi da Chave Pública ds Certificads Digitais para a Secretaria da Fazenda? VIII. NOTA FISCAL DE SERVIÇOS E NOTA FISCAL CONJUGADA Cm fica a emissã da nta cnjugada cm ISS n cas da utilizaçã da NF-e? A nta fiscal eletrônica de serviçs das prefeituras seguem mesm mdel da NF-e ds estads? Su cntribuinte EXCLUSIVAMENTE DO ISS. Pss emitir NF-e? IX. OUTRAS INFORMAÇÕES Onde bter a dcumentaçã técnica para emitir NF-e? Quais s canais de cmunicaçã das empresas cm a SEFAZ? Se uma nta fiscal eletrônica que eu emiti nã cnsta na SUFRAMA u na UF d destinatári da mercadria, que dev fazer? O que é uma SEFAZ Virtual? É necessária a emissã de NF-e nas remessas de revistas e periódics destinads a assinantes? Qual códig de municípi de Brasília?... 38

4 O que vcê achu deste serviç? Clabre e mande-ns a sua avaliaçã. (sugestões / reclamações / elgis / avaliações para 0 a 3 Ruim / 4 a 5 Regular / 6 a 8 Bm / 9 e 10 Ótim. I. CONCEITO, USO E OBRIGATORIEDADE DA NF-E 1. O que é a Nta Fiscal Eletrônica NF-e? R. Pdems cnceituar a Nta Fiscal Eletrônica cm send um dcument de existência apenas digital, emitid e armazenad eletrnicamente, cm intuit de dcumentar, para fins fiscais, uma peraçã de circulaçã de mercadrias u uma prestaçã de serviçs, crrida entre as partes. Sua validade jurídica é garantida pela assinatura digital d remetente (garantia de autria e de integridade) e pela recepçã, pel Fisc, d dcument eletrônic, antes da crrência d Fat Geradr. 2. Já existe legislaçã aprvada sbre a NF-e? R. A Nta Fiscal Eletrônica tem validade em tds s Estads da Federaçã e já é uma realidade na legislaçã brasileira desde utubr de Fram aprvads: Legislaçã Nacinal O Ajuste SINIEF 07/2005 instituiu nacinalmente a Nta Fiscal Eletrônica e Dcument Auxiliar da Nta Fiscal Eletrônica - DANFE; O At COTEPE 14/2007 dispõe sbre as especificações técnicas da NF-e. Este At COTEPE cntempla Manual de Integraçã d Cntribuinte, que cntém td detalhament técnic da Nta Fiscal Eletrônica e d DANFE. O Prtcl ICMS 10/07 e Prtcl ICMS 42/09 dispõem sbre a brigatriedade de emissã de NF-e Legislaçã Distrital Dec /06 intrduziu art. 170-A n RICMS (Dec /97), que trata, entre utrs assunts, da substituiçã das Ntas Fiscais mdels 1 e 1-A pela Nta Fiscal Eletrônica - NFe, instituída pel Ajuste SINIEF 07/05; Dec /07 alteru art. 170-A d RICMS; Dec /07 Delega cmpetência a Secretári de Estad de Fazenda a celebrar Cnvêni/SE/MF nº 09/07 cm a Uniã, bjetivand a viabilizaçã de infra-estrutura para implantaçã d prjet nacinal da nta fiscal eletrônica (NF-e); Decret 31347/10 permite a utilizaçã da NF-e exclusivamente para ISS em nta cnjugada e utras; Prtaria 403/09 Dispõe sbre a Nta Fiscal Eletrônica NF-e e Dcument Auxiliar da Nta Fiscal Eletrônica DANFE e dá utras prvidências. 3. Quais sã as vantagens da NF-e? R. A Nta Fiscal Eletrônica prprcina benefícis a tds s envlvids em uma transaçã cmercial. Para s emitentes da Nta Fiscal Eletrônica (vendedres) pdems citar s seguintes benefícis:

5 Reduçã de custs de impressã d dcument fiscal, uma vez que dcument é emitid eletrnicamente. O mdel da NF-e cntempla a impressã de um dcument em papel, chamad de Dcument Auxiliar da Nta Fiscal Eletrônica (DANFE), cuja funçã é acmpanhar trânsit das mercadrias u facilitar a cnsulta da respectiva NF-e na internet. Apesar de ainda haver, prtant, a impressã de um dcument em papel, devese ntar que este pde ser impress em papel cmum A4 (excet papel jrnal), geralmente em apenas uma via; Reduçã de custs de aquisiçã de papel, pels mesms mtivs expsts acima; Reduçã de custs de armazenagem de dcuments fiscais. Atualmente s dcuments fiscais em papel devem ser guardads pels cntribuintes, para apresentaçã a fisc pel praz decadencial. A reduçã de cust abrange nã apenas espaç físic necessári para adequada guarda de dcuments fiscais cm também tda a lgística que se faz necessária para sua recuperaçã. Um cntribuinte que emita, hipteticamente, 100 Ntas Fiscais pr dia, cntará cm aprximadamente ntas pr mês, acumuland cerca de a final de 5 ans. A emitir s dcuments apenas eletrnicamente a guarda d dcument eletrônic cntinua sb respnsabilidade d cntribuinte, mas cust d arquivament digital é muit menr d que cust d arquivament físic; GED - Gerenciament Eletrônic de Dcuments: a NF-e é um dcument eletrônic e nã requer a digitalizaçã d riginal em papel, que permite a timizaçã ds prcesss de rganizaçã, guarda e gerenciament de dcuments eletrônics, facilitand a recuperaçã e intercâmbi das infrmações; Simplificaçã de brigações acessórias. Inicialmente a NF-e prevê dispensa de Autrizaçã de Impressã de Dcuments Fiscais AIDF. N futur utras brigações acessórias pderã ser simplificadas u eliminadas cm a adçã da NF-e; Reduçã de temp de parada de caminhões em Psts Fiscais de Frnteira. Cm a NF-e, s prcesss de fiscalizaçã realizads ns psts fiscais de fiscalizaçã de mercadrias em trânsit serã simplificads, reduzind temp de parada ds veículs de cargas nestas unidades de fiscalizaçã; Incentiv a us de relacinaments eletrônics cm clientes (B2B). O B2B (business-tbusiness) é uma das frmas de cmérci eletrônic existentes e envlve as empresas (relaçã empresa - à - empresa ). Cm advent da NF-e, espera-se que tal relacinament seja efetivamente impulsinad pela utilizaçã de padrões aberts de cmunicaçã pela Internet e pela segurança trazida pela certificaçã digital. Para as empresas destinatárias de Ntas Fiscais (cmpradras), pdems citar s seguintes benefícis: Eliminaçã de digitaçã de ntas fiscais na recepçã de mercadrias, uma vez que pderá adaptar seus sistemas para extrair as infrmações, já digitais, d dcument eletrônic recebid. Iss pde representar reduçã de custs de mã-de-bra para efetuar a digitaçã, bem cm a reduçã de pssíveis errs de digitaçã de infrmações; Planejament de lgística de recepçã de mercadrias pel cnheciment antecipad da infrmaçã da NF-e, pis a previsibilidade das mercadrias a caminh permitirá prévia cnferência da Nta Fiscal cm pedid, quantidade e preç, permitind, além de utrs benefícis, us racinal de dcas e áreas de estacinament para caminhões; Reduçã de errs de escrituraçã devid à eliminaçã de errs de digitaçã de ntas fiscais; GED - Gerenciament Eletrônic de Dcuments, cnfrme s mtivs expsts ns benefícis das empresas emitentes;

6 Incentiv a us de relacinaments eletrônics cm frnecedres (B2B), pels mtivs já expsts anterirmente. Benefícis para a Sciedade: Reduçã d cnsum de papel, cm impact psitiv em terms eclógics; Incentiv a cmérci eletrônic e a us de nvas tecnlgias; Padrnizaçã ds relacinaments eletrônics entre empresas; Surgiment de prtunidades de negócis e empregs na prestaçã de serviçs ligads a NF-e. Benefícis para s Cntabilistas: Facilitaçã e simplificaçã da Escrituraçã Fiscal e cntábil; GED - Gerenciament Eletrônic de Dcuments, cnfrme s mtivs expsts ns benefícis das empresas emitentes; Oprtunidades de serviçs e cnsultria ligads à NF-e. Benefícis para Fisc: Aument na cnfiabilidade da Nta Fiscal; Melhria n prcess de cntrle fiscal, pssibilitand um melhr intercâmbi e cmpartilhament de infrmações entre s fiscs; Reduçã de custs n prcess de cntrle das ntas fiscais capturadas pela fiscalizaçã de mercadrias em trânsit; Diminuiçã da snegaçã e aument da arrecadaçã sem aument de carga tributária; GED - Gerenciament Eletrônic de Dcuments, cnfrme s mtivs expsts ns benefícis das empresas emitentes; Suprte as prjets de escrituraçã eletrônica cntábil e fiscal da Secretaria da Receita Federal e demais Secretarias de Fazendas Estaduais (Sistema Públic de Escrituraçã Digital SPED). 4. Quais s tips de dcuments fiscais em papel que a NF-e substitui? R. A NF-e substitui apenas a chamada nta fiscal mdel 1 / 1A, que é utilizada, em regra, para dcumentar transações cmerciais cm mercadrias entre pessas jurídicas. Nã se destina a substituir s utrs mdels de dcuments fiscais existentes na legislaçã cm, pr exempl, a Nta Fiscal a Cnsumidr (mdel 2) u Cupm Fiscal. Os dcuments que nã fram substituíds pela NF-e devem cntinuar a ser emitids de acrd cm a legislaçã em vigr. 5. Para quais tips de perações (ex: entrada, saída, imprtaçã, exprtaçã, simples remessa) a NF-e pde ser utilizada?

7 R. A NF-e pde ser utilizada em tdas as hipóteses previstas na legislaçã em que estes dcuments pssam ser utilizads. Iss inclui, pr exempl: a Nta Fiscal de entrada, perações de imprtaçã, perações de exprtaçã, perações interestaduais u ainda perações de simples remessa. 6. Quem está brigad a emitir Nta Fiscal Eletrônica? R. Estã brigads a emitir NF-e s cntribuintes que exercem as atividades previstas ns Prtcls ICMS 10/07 e 42/2009. Esses dis prtcls estã dispníveis n Prtal Nacinal, n endereç 7. Qual crngrama de implantaçã da brigatriedade de emissã da NF-e? R. A implantaçã da brigatriedade da NF-e fi dividida da seguinte frma: a) Em 1º de abril de 2008 s cntribuintes que exercem as atividades previstas ns inciss I a V da Cláusula primeira d Prtcl ICMS 10/07; b) Em 1º de dezembr de 2008 s cntribuintes que exercem as atividades previstas ns inciss VI a XIV da Cláusula primeira d Prtcl ICMS 10/07; c) Em 1º de abril de s cntribuintes que exercem as atividades previstas ns inciss XV a XXXIX da Cláusula primeira d Prtcl ICMS 10/07; d) Em 1º de setembr de s cntribuintes que exercem as atividades previstas ns inciss XL a XCIII da Cláusula primeira d Prtcl ICMS 10/07; e) Em 1º de abril de 2010 s cntribuintes classificads nas CNAE-Fiscal cnstantes n Prtcl 42/09; f) Em 1º de julh de 2010 s cntribuintes classificads nas CNAE-Fiscal cnstantes n Prtcl 42/09; g) Em 1º de utubr de 2010 s cntribuintes classificads nas CNAE-Fiscal cnstantes n Prtcl 42/09; h) Em 1º de dezembr de 2010 s cntribuintes classificads nas CNAE-Fiscal cnstantes n Prtcl 42/09; i) Em 1º de dezembr de cnfrme Prtcl 42/09, s cntribuintes que realizarem: perações destinadas à Administraçã Pública direta u indireta, inclusive empresa pública e sciedade de ecnômica mista (smente nas perações interestaduais, UF relacinadas n Prtcl 196/10);

8 perações interestaduais (exceções previstas n Incis II, 1º da cláusula segunda); de cmérci exterir. j) Em 1º de març de s cntribuintes classificads nas CNAE-Fiscal cnstantes n Prtcl 194/10 (inclusive nas perações previstas item i acima): k) Em 1º de abril de cnfrme Prtcl 193/10, s cntribuintes que realizarem: perações destinadas à Administraçã Pública direta u indireta, inclusive empresa pública e sciedade de ecnômica (perações internas); l) Em de 1º de julh de s cntribuintes classificads nas CNAE-Fiscal cnstantes n Prtcl 195/10, alterad pel Prtcl 7/11 (excet nas perações previstas item i acima); m) Em 1º de agst de cnfrme Prtcl 19/11, s cntribuintes que realizarem: perações destinadas à Empresa Brasileira de Crreis e Telégrafs (perações internas); n) Em 1º de utubr de cnfrme Prtcl 19/11, s cntribuintes que realizarem: perações destinadas à Administraçã Pública direta u indireta, inclusive empresa pública e sciedade de ecnômica (perações internas); ) Em de 1º de utubr de s cntribuintes classificads nas CNAE-Fiscal cnstantes n Prtcl 191/10, alterad pel Prtcl 7/11 (inclusive nas perações previstas item i acima); 8 - Micrempreendedr Individual e prdutr rural estã brigads a emitir a NFe? R: Tds cntribuintes enquadrads na cndiçã de MEI - micrempreendedr individual (art. 18-A da LC 123/06) estã desbrigads da emissã da NFe. Já em relaçã as prdutres rurais, fram desbrigads apenas s nã inscrits n CNPJ - Cadastr Nacinal de Pessa Jurídica. (Cláusula quarta d Prtcl 42/2009) 9. Cm saber se minha empresa está brigada a emitir NF-e?

9 Verificar se está enquadrad em alguma das cndições previstas ns Prtcls ICMS, cnfrme questões acima. Observações: se cntribuinte de ICMS pssuir em seu cadastr fiscal alguma atividade prevista em Prtcl estará brigad a emitir NF-e, ainda que nã exerça essa atividade. Se quiser sair da brigatriedade, cas esteja nessa situaçã, deverá prvidenciar a exclusã da atividade tant de seus ats cnstitutivs cm também d Cadastr Fiscal; mesm nã pssuind a atividade em seu Cadastr Fiscal, se cntribuinte de ICMS exercer qualquer das atividades previstas em Prtcl, estará brigad a emitir NF-e. 10. O que muda para meu cliente se minha empresa passar a utilizar NF-e em suas perações? R. A principal mudança para s destinatáris da NF-e, seja ele emissr u nã deste dcument, é a brigaçã de verificar a validade da assinatura digital e a autenticidade d arquiv digital, bem cm a cncessã da Autrizaçã de Us da NF-e mediante cnsulta eletrônica ns sites das Secretarias de Fazenda,n Prtal Nacinal da Nta Fiscal Eletrônica (www.nfe.fazenda.gv.br) u na Sefaz Virtual d Ri Grande d Sul (http://www.sefaz.rs.gv.br/nfe/nfe-com.aspx). Para verificar a validade da assinatura e autenticidade d arquiv digital destinatári tem à dispsiçã aplicativ visualizadr, desenvlvid pela Receita Federal d Brasil - dispnível na pçã dwnlad d Prtal Nacinal da NF-e. O emitente e destinatári da NF-e deverã cnservar a NF-e em arquiv digital pel praz previst na legislaçã, para apresentaçã a fisc quand slicitad, e utilizar códig 55 na escrituraçã da NF-e para identificar mdel. Cas cliente nã seja credenciad a emitir NF-e, alternativamente à cnservaçã d arquiv digital já mencinada, ele pderá cnservar DANFE relativ à NF-e e efetuar a escrituraçã da NF-e cm base nas infrmações cntidas n DANFE, desde que feitas as verificações citadas acima. Atençã: Relativamente às perações em que seja brigatória a emissã da NF-e, destinatári deverá exigir a sua emissã, send vedada a recepçã de mercadria cuj transprte tenha sid acmpanhad pr utr dcument fiscal, ressalvada a hipótese prevista na emissã de DANFE em frmulári de segurança devid a prblemas técnics na emissã da NF-e, bem cm ns cass de excepcinalidades definidas n Prtcl ICMS 88/ O destinatári da mercadria pderá exigir receber a Nta Fiscal em papel mdel 1 u 1A a invés da Nta Fiscal Eletrônica? R. Nã, esta exigência nã pderá ser feita pels destinatáris. Ns cass em que emitente fr brigad a us da NF-e, a brigatriedade de emissã de NF-e aplica-se a tdas as perações praticadas em tds s estabeleciments, send vedada a emissã de Nta Fiscal, mdel 1 u 1-A. Atençã: Relativamente às perações em que seja brigatória a emissã da NF-e, destinatári deverá exigir a sua emissã, send vedada a recepçã de mercadria cuj transprte tenha sid acmpanhad pr utr dcument fiscal, ressalvada a hipótese prevista na emissã de DANFE em frmulári de segurança devid à prblemas técnics na emissã da NF-e, bem cm ns cass de excepcinalidades definidas n Prtcl ICMS 88/07.

10 12. Qual primeir pass para minha empresa ser emissra de NF-e? Recmendams acessar Prtal Nacinal da NF-e (www.nfe.fazenda.gv.br) e tmar cnheciment de td prjet: s cnceits básics, as frmas de transmissã, s sistemas de cntingência, as brigatriedades, manual de integraçã, manual de cntingência, as frmas de cnsulta etc. 13. Os cntribuintes brigads a emitir NF-e pderã antecipar iníci desta emissã? R. Sim, tds s cntribuintes que estiverem brigads a emitir NF-e pderã antecipar us da NF-e pr mei d sistema de credenciament dispnível n link: 14. Uma empresa credenciada a emitir NF-e deve substituir 100% de suas Ntas Fiscais em papel pela Nta Fiscal Eletrônica? R. O estabeleciment credenciad a emitir NF-e, que nã seja brigad à sua emissã, pderá emitir a NF-e u a Nta Fiscal em papel, mdel 1 u 1-A. N cas ds estabeleciments brigads a emitir NF-e, após iníci da brigatriedade prevista na legislaçã, devem emitir NF-e em tdas as suas perações, send vedada a emissã de Nta Fiscal mdel 1 u 1 A, salv as exceções para períds específics, determinads na legislaçã. 15. As médias e pequenas empresas também pdem emitir NF-e? R. Nã há nenhuma restriçã quant a prte das empresas emissras de NF-e. Empresas vluntárias de micr e pequen prte e até micrempreendedres individuais pderã slicitar credenciament para emiti-la. 16. Se meu sistema nã ficar prnt até a data de iníci da minha brigatriedade, pss emitir Nta Fiscal Mdel 1 u 1-A? Nã. A partir d iníci da brigatriedade, as empresas alcançadas pela legislaçã deverã, brigatriamente, utilizar Nta Fiscal Eletrônica, excet nas situações específicas previstas na legislaçã. Cas a empresa cntinue emitind Nta Mdel 1/1A, pderá sfrer penalidades e autuações, pr estar cmercializand mercadrias cm dcument fiscal inadequad. IMPORTANTE: A NF-e é brigatória EM SUBSTITUIÇÃO à nta mdel 1/1-A. Nã é necessári utilizar a NF-e em perações em que nã se usava Nta Mdel 1/1-A (Exempl: venda n cmérci varejista, em que se emite cupm fiscal u Nta de Venda a Cnsumidr).

11 17. Exerç uma das atividades listadas cm brigatórias na legislaçã, prém essa atividade nã é minha atividade principal. Su brigad a emitir NF-e? Sim. Cnfrme s Prtcls ICMS 10/07 e 42/09, é irrelevante se a atividade d cntribuinte é principal u secundária: exercend a atividade, cntribuinte de ICMS estará brigad a emitir NF-e, salv as exceções expressamente previstas ns respectivs prtcls. 18. O códig de atividade ecnômica da minha empresa cnstante n Cadastr Fiscal d DF (CF/DF) é que define se su u nã brigad a emitir NF-e? Depende. - Cnstand códig, cntribuinte de ICMS estará brigad a emitir a NF-e, ainda que nã exerça aquela atividade. Se quiser ser desbrigad, deverá apresentar FAC alterand seus códigs n CF/DF. Prém, antes de apresentar a FAC, cas a atividade cnste n Objet Scial da empresa, respnsável pr essa deverá registrar alteraçã cntratual na Junta Cmercial, retirand a atividade; - Na hipótese de a empresa exercer de fat uma das atividades listadas ns Prtcls citats, ainda que nã inserida ns ats cnstitutivs u n Cadastr Fiscal, deverá emitir NF-e. 19. O meu códig CNAE-Fiscal cnstante n CF/DF é uma das atividades brigadas a emitir, mas eu nã exerç essa atividade. Serei brigad a emitir NF-e? Cnfrme já explicad, cnstand códig n cadastr, a empresa estará brigada a emitir NFe. A empresa estará brigada da mesma frma se exercer a atividade, ainda que códig nã cnste n cadastr fiscal. 20. O Prtcl 42/2009, que estabeleceu várias brigatriedades para 1º de abril de 2010, prrrgu praz de alguma brigatriedade prevista n Prtcl 10/07? Nã. O prtcl 42/2009 apenas listu códigs de atividade ecnômica que estarã brigads a partir de 01/04/2010, mas fez a ressalva, em sua cláusula quinta, que tdas as brigatriedades previstas n prtcl 10/2007 ficam mantidas, cnfrme abaix. Cláusula quinta Ficam mantidas as brigatriedades e prazs estabelecids n Prtcl ICMS 10/07, de 18 de abril de Desta frma, cntribuintes que exerçam atividades previstas n Prtcl 10/2007 deverã, brigatriamente, emitir Nta Fiscal Eletrônica, independente de atividades similares estarem relacinadas n Prtcl 42/ Estu brigad a emitir NF-e, mas su cntribuinte d ICMS e d ISS. Cm dev fazer? Pderei emitir NF-e cnjugada? Há necessidade de cnvêni? Cm Distrit Federal pssui as cmpetências de estad e municípi, nã há necessidade de adtarms cnvêni para a utilizaçã da NF-e cnjugada. Fi publicad n dia 26/02/2010, Decret /2010, que permitiu expressamente as cntribuintes d ICMS emitir NF-e para suas perações de serviç, mesm que em perações exclusivas de ISS. Assim, para acbertar suas perações de serviçs, cntribuinte de ICMS emissr de NF-e pderá: - emitir NF-e exclusivamente de serviçs, bastand preencher crretamente s camps relativs a ISS. É necessári, também, infrmar na tag <IM> númer da inscriçã estadual (CF/DF) de sua empresa; u - emitir NF-e cnjugada, n cas de perações que cntenham tant mercadrias quant serviçs; u

12 - emitir Nta Fiscal específica de serviçs Mdel 3 u Mdel 3A; 22. Nã estu brigad a emitir NF-e, mas tenh esse interesse. Pss emitir NF-e vluntariamente? SIM. Mesm nã estand brigad, cntribuinte pde ptar pr emitir NF-e, desde que seja cntribuinte d ICMS. Cntribuinte exclusiv de ISS nã pde emitir NF-e. 23. Serei brigad a emitir a NF-e a partir d mment que faç credenciament? NÃO. A brigatriedade da NF-e inicia-se cm s prazs prevists ns Prtcls 10/07 e 42/09. Cas esse praz nã tenha se iniciad, cntribuinte nã é brigad a emitir NF-e, mesm que já tenha se credenciad u, até mesm, já tenha emitid NF-e. Ou seja, cntribuinte nã brigad pde emitir NF-e quand desejar e pde parar de emitir também quand desejar. Veja também art. 4º da Prtaria 403/09. Art. 4º - O cntribuinte credenciad vluntariamente fica autrizad a emitir ntas fiscais mdels 1 u 1-A, salv nas perações em que é brigatóri us da NF-e. 24. Nã su brigad a emitir NF-e, mas su emissr. Pss parar de emitir a qualquer temp? SIM. O cntribuinte nã brigad a emitir NF-e pde parar de emitir NF-e assim que desejar. Art. 3 da Prtaria 403/ Su representante cmercial e tenh registrad n CF/DF tant atividade de ICMS quant de ISS. A atividade de ICMS nã está brigada à emissã da NF-e, mas a atividade relativa a ISS está. Dev emitir NF-e? SIM. A NF-e será brigatória em substituiçã à nta 1/1A, nã pdend cntribuinte utilizar mais esse mdel. Cm a empresa exerce uma atividade cuja brigatriedade está prevista n Prtcl, nã pderá mais fazer us da Nta Fiscal Mdel 1/1-A, devend utilizar a NF-e. N entant, para perações em que nã é exigid us da NF 1/1-A, cntribuinte pderá cntinuar utilizar as ntas fiscais específicas (Ex: ntas mdel 3 u 3-A para perações de ISS u nta de venda a cnsumidr para as perações n varej). II. CREDENCIAMENTO 26. Já cnheç prjet. Que etapas dev seguir para ser um emissr de NF-e? As etapas sã as seguintes: a. Adquirir um certificad digital padrã ICP/Brasil de quaisquer de seus estabeleciments (matriz u filiais). Para emissã de NF-e, nã é permitida a utilizaçã de certificad de prcuradres u cntabilistas. O certificad deve ser, brigatriamente, da própria empresa;

13 b. Fazer credenciament n ambiente de hmlgaçã da SEF n site (http://dec.fazenda.gv.br) pr mei de certificad digital; c. Utilizar aplicativ específic para gerar a NF-e. Muitas empresas adaptaram seus própris sistemas para que ele seja capaz de emitir NF-e. Cas a empresa nã pssua aplicativ u a adaptaçã nã tenha sid feita, pderá, alternativamente, utilizar EMISSOR GRATUITO DE NF-E desenvlvid pela Secretaria de Fazenda de Sã Paul dispnível n site (www.nfe.fazenda.gv.br). Esse aplicativ tem sid utilizad em td país pr cerca de 50% ds emissres de NF-e; d. Efetuar s testes, a fim de cnhecer sistema, suas regras, funcinalidades, frmas de transmissã; e. Após a fase de testes, cntribuinte deve fazer seu credenciament n ambiente de prduçã da SEF (http://dec.fazenda.gv.br), também pr certificaçã digital; f. Cmeçar a emitir a NF-e. 27. Cm fazer credenciament n ambiente de hmlgaçã? a. Acesse site b. Na barra verde hrizntal, na parte superir da tela, clique na pçã Credenciament; c. Na pçã CREDENCIAMENTO EM HOMOLOGAÇÃO, siga as instruções da tela, instaland certificad digital de hmlgaçã da SEF/DF; d. Clique n link para fazer iniciar prcess de Credenciament; e. Será slicitada a senha d seu certificad digital. Digite-a crretamente; f. Na tela seguinte, vcê irá efetuar credenciament, selecinand s estabeleciments a serem credenciads. N cas de haver filiais, cntribuinte pde ptar pr credenciar apenas um u tds s estabeleciments; g. Infrme, também, s dads de Cntat (telefne, nme e ); h. Após preenchiment, basta cnfirmar credenciament; i. Vcê pderá cmeçar a emitir NF-e n ambiente de hmlgaçã 1 (um) dia útil após esse credenciament. 28. O Credenciament n ambiente de hmlgaçã é brigatóri? E s testes? Os testes n ambiente de hmlgaçã também nã sã brigatóris. Mesm assim, acnselhams que sejam feits váris testes prque é nesse mment que cntribuinte pderá cnhecer bem prcess de autrizaçã de NF-e, saber se seu sistema está apt a emitir NF-e. Imprtante bservar que credenciament em prduçã serve tant para a empresa emitir ntas n ambiente de hmlgaçã quant n ambiente de prduçã. Ou seja, fazend credenciament diretamente em PRODUÇÃO, cntribuinte está dispensad de fazer credenciament em hmlgaçã. 29. Cm fazer credenciament n ambiente de Prduçã? a. Acesse site b. Na barra verde hrizntal, n parte superir da tela, clique na pçã Credenciament; c. Na pçã CREDENCIAMENTO EM PRODUÇÃO, siga as instruções da tela; d. Clique n link para fazer iniciar prcess de Credenciament; e. Será slicitada a senha d seu certificad digital. Digite-a crretamente; f. Cas tenha prblemas em recnhecer nss site cm segur, instale as cadeias abaix: I. ICP ICP Brasil V1 II. AC Certisign G3 III. AC Certisign Múltipla G3

14 g. Na tela seguinte, vcê irá efetuar credenciament, selecinand s estabeleciments a serem credenciads. N cas de haver filiais, cntribuinte pde ptar pr credenciar apenas um u tds s estabeleciments; h. Infrme, também, s dads de Cntat (telefne, nme e ); i. Após preenchiment, basta cnfirmar credenciament; j. Vcê pderá cmeçar a emitir NF-e n ambiente de prduçã 1 (um) dia útil após esse credenciament. 30. Quais as atuais relações de webservices d ambiente de prduçã e hmlgaçã? R. 1) Credenciament O credenciament para a emissã da NF-e deve ser feit utilizand-se certificad digital da empresa pr mei da pçã Credenciament n seguinte endereç: O usuári deverá clicar na pçã Credenciament e esclher ambiente em que deseja credenciar-se (Hmlgaçã u Prduçã). 2) Relaçã de Webservices Os nvs endereçs de WebServices sã: AMBIENTE DE PRODUÇÃO https://nfe.sefazvirtual.rs.gv.br/ws/nferecepca/nferecepca.asmx https://nfe.sefazvirtual.rs.gv.br/ws/nferetrecepca/nferetrecepca.asmx https://nfe.sefazvirtual.rs.gv.br/ws/nfecancelament/nfecancelament.asmx https://nfe.sefazvirtual.rs.gv.br/ws/nfeinutilizaca/nfeinutilizaca.asmx https://nfe.sefazvirtual.rs.gv.br/ws/nfecnsulta/nfecnsulta.asmx https://nfe.sefazvirtual.rs.gv.br/ws/nfestatusservic/nfestatusservic.asmx AMBIENTE DE HOMOLOGAÇÃO/TESTES https://hmlgaca.nfe.sefazvirtual.rs.gv.br/ws/nferecepca/nferecepca.asmx https://hmlgaca.nfe.sefazvirtual.rs.gv.br/ws/nferetrecepca/nferetrecepca.asmx https://hmlgaca.nfe.sefazvirtual.rs.gv.br/ws/nfecancelament/nfecancelament.asmx https://hmlgaca.nfe.sefazvirtual.rs.gv.br/ws/nfeinutilizaca/nfeinutilizaca.asmx https://hmlgaca.nfe.sefazvirtual.rs.gv.br/ws/nfecnsulta/nfecnsulta.asmx https://hmlgaca.nfe.sefazvirtual.rs.gv.br/ws/nfestatusservic/nfestatusservic.asmx III. OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 31. Cm a NF-e cntinua necessári bter-se previamente a AIDF (autrizaçã de impressã de dcument fiscal)? R. Para a NF-e nã existe mais a figura da AIDF, uma vez que nã há mais a impressã gráfica de dcument fiscal. O prcediment de autrizaçã d dcument fiscal passa a ser autmátic e executad para cada Nta Fiscal emitida, que pderá ser autrizada u nã pela Secretaria da Fazenda. Vide a questã sbre as validações realizadas pela Secretaria da Fazenda, na seçã Mdel Operacinal Emissã e autrizaçã da NF-e para infrmações sbre as hipóteses de rejeiçã da NF-e. N entant, há situações em que a empresa pderá emitir dcument manual e prtant será necessária a AIDF ( 2º d Cláusula Primeira d Prtcl 10/07). Ex:

15 nas perações realizadas fra d estabeleciment, relativas às saídas de mercadrias remetidas sem destinatári cert, desde que s dcuments fiscais relativs à remessa e a retrn sejam NF-e; na entrada de sucata de metal, cm pes inferir a 200 Kg (duzents quilgramas), adquirida de particulares, inclusive catadres, desde que, a fim d dia, seja emitida NF-e englband ttal das entradas crridas. OBS: nesses cass a AIDF deverá ser slicitada em uma das agências da receita. 32. Cm a NF-e cntinua necessári gerar RIEX, SINTEGRA, GIA, livrs fiscais, etc? Haverá integraçã ds sistemas de NF-e cm s sftwares destas declarações? R. Neste mment, ficam mantidas tdas as brigações acessórias a que s cntribuintes estã sujeits atualmente. Smente fica dispensada a AIDF para a emissã de Nta Fiscal Eletrônica. Cm a implantaçã prgressiva da NF-e, bem cm s demais subprjets d Sistema Públics de Escrituraçã Digital (SPED) Escrituraçã fiscal e Escrituraçã Cntábil digital a tendência é que, futuramente, diversas brigações acessórias, cm as citadas, sejam paulatinamente substituídas u dispensadas. N cas d Distrit Federal, livr eletrônic, estabelecid n Dec /06 e Prtaria 210/06, já substituiu parte das brigações citadas. 33. Cnsiderand que a Secretaria da Fazenda já recebe a NF-e, seria crret afirmar que as infrmações da NF-e nã precisarã ser mais frnecidas a Fisc na entrega de arquivs de escrituraçã eletrônica? R. Nã. As brigações acessórias a que s cntribuintes estã sujeits deverã cntemplar também as infrmações já transmitidas pr mei da Nta Fiscal Eletrônica. Cm a implantaçã prgressiva da NF-e, bem cm s demais subprjets d Sistema Públics de Escrituraçã Digital (SPED) Escrituraçã fiscal e Escrituraçã Cntábil digital a tendência é que, futuramente, estas infrmações já estejam tdas cntempladas ns diverss móduls d sistema. Até a efetiva implantaçã destes móduls, as infrmações cntinuam devend ser frnecidas a Fisc cnfrme legislaçã em vigr, incluind livr eletrônic (Dec /06). 34. É crret afirmar que, cm a Secretaria da Fazenda já recebe a NF-e, a empresa emitente nã mais precisa guardar a NF-e? R. Nã. O emitente e destinatári emissr de NF-e deverã manter em arquiv digital as NF-e s pel praz estabelecid na legislaçã tributária para a guarda ds dcuments fiscais. Quand slicitad, deverã apresentar s arquivs digitais à administraçã tributária. Art. 163 d Dec /97. Os livrs e dcuments fiscais, as faturas, duplicatas, guias, recibs, arquivs magnétics e demais livrs, registrs e dcuments relacinads cm impst, emitids, escriturads u arquivads pr quaisquer meis, ficarã à dispsiçã d Fisc pel praz de cinc ans cntads a partir d primeir dia d exercíci subseqüente a da crrência d fat geradr[...] Cas destinatári (cmpradr) nã seja emissr de NF-e deverá armazenar smente DANFE pel praz estabelecid pela legislaçã. 35. As empresas (emitentes e destinatárias) deverã guardar algum tip de dcument (NF-e u DANFE)? R. A regra geral é que emitente e destinatári emissr de NF-e deverã manter em arquiv digital as NF-es pel praz estabelecid na legislaçã tributária para a guarda ds dcuments fiscais, devend ser apresentadas à administraçã tributária, quand slicitad. Assim, emitente deve armazenar apenas arquiv digital.

16 Art. 163 d Dec /97. Os livrs e dcuments fiscais, as faturas, duplicatas, guias, recibs, arquivs magnétics e demais livrs, registrs e dcuments relacinads cm impst, emitids, escriturads u arquivads pr quaisquer meis, ficarã à dispsiçã d Fisc pel praz de cinc ans cntads a partir d primeir dia d exercíci subseqüente a da crrência d fat geradr[...] N cas da empresa destinatária das mercadrias e da NF-e, e que seja emitente de NF-e, ela também nã precisará guardar DANFE, mas apenas arquiv digital recebid. Cas destinatári (cmpradr) nã seja emissr de NF-e deverá armazenar smente DANFE pel praz estabelecid pela legislaçã. Refrçams que destinatári sempre deverá verificar a validade e autenticidade da NF-e e a existência de Autrizaçã de Us da NF-e, tenha ele recebid arquiv digital da NF-e u DANFE acmpanhand a mercadria. 36. Em cas de sinistr u perda d arquiv eletrônic das NF-e, seriam estas dispnibilizadas para recuperaçã pr parte da SEFAZ u SRF? R. Nã. Da mesma frma que a guarda das Ntas Fiscais em papel fica a carg ds cntribuintes, também será respnsabilidade desses a guarda ds dcuments eletrônics. Ressalte-se que s recurss necessáris para a guarda d dcument digital, incluind backup, têm um cust muit inferir d que a guarda ds dcuments físics, permitind ainda a rápida recuperaçã d arquiv e suas infrmações. 37. Cm fica a emissã da declaraçã de ingress das NF-es emitidas para a Zna Franca de Manaus - ficará dispnível autmaticamente assim que a mercadria adentrar Estad de destin? R. A SUFRAMA desenvlveu uma versã d Sistema de Internament de Mercadria Nacinal - SINAL cmpatível cm a NF-e que facilita prcess de envi da dcumentaçã fiscal, registr e vistria das mercadrias destinadas à área incentivada administrada pela SUFRAMA. O nv prcess prevê um mair cntrle d prcess de internament de mercadrias pels emissres de NF-e, resultand na simplificaçã e mair agilidade n prcess de cmprvaçã d internament de mercadrias destinadas à área incentivada administrada pela SUFRAMA. Cnsulte site da SUFRAMA para maires infrmações: IV. MODELO OPERACIONAL 38. Cm funcina mdel peracinal da NF-e? R. De maneira simplificada, a empresa emissra de NF-e gerará um arquiv eletrônic que deverá cnter as infrmações fiscais da peraçã cmercial e também ser assinad digitalmente pel emitente para garantir a integridade ds dads e a autria d emissr. Este arquiv eletrônic, que crrespnde a Nta Fiscal Eletrônica (NF-e), será entã transmitid pela Internet para a Secretaria da Fazenda que fará uma pré-validaçã d arquiv e devlverá uma Autrizaçã de Us, sem a qual nã pderá haver trânsit da mercadria. Após a autrizaçã da NF-e, a Secretaria da Fazenda dispnibilizará cnsulta, na Internet, para destinatári e utrs legítims interessads que detenham a chave de acess d dcument eletrônic.

17 Este mesm arquiv da NF-e será ainda transmitid, pela Secretaria de Fazenda, para a Receita Federal, que será repsitóri de tdas as NF-e emitidas (Ambiente Nacinal) e, n cas de uma peraçã interestadual, para a Secretaria de Fazenda de destin da peraçã. Para acmpanhar trânsit da mercadria será impressa uma representaçã gráfica simplificada da Nta Fiscal Eletrônica, intitulad DANFE (Dcument Auxiliar da Nta Fiscal Eletrônica), em papel cmum, e única via, que cnterá impressa, em destaque, a chave de acess para cnsulta da NF-e na Internet e um códig de barras unidimensinal que facilitará a captura e a cnfirmaçã de infrmações da NF-e pels Psts Fiscais de Frnteira ds demais Estads. Nas questões abaix, fram relacinadas as principais dúvidas das principais etapas d prcess de emissã de uma NF-e. Emissã e autrizaçã da NF-e 39. Quais sã as validações realizadas pela Secretaria da Fazenda na autrizaçã de uma NF-e? R. Na recepçã de cada NF-e pela Secretaria da Fazenda, para fins de autrizaçã de us, é feita uma validaçã de frma, send validads: Assinatura digital para garantir a autridade da NF-e e sua integridade; Frmat de camps para garantir que nã crram errs de preenchiment ds camps da NF-e (pr exempl, um camp valr preenchid cm letras); Numeraçã da NF-e para garantir que a mesma NF-e nã seja recebida mais d que uma vez; Emitente autrizad se a empresa emitente da NF-e está credenciada e autrizada a emitir NF-e na Secretaria da Fazenda; Dessa frma, uma NF-e estar cm seu us autrizad pela Secretaria da Fazenda (SEFAZ) significa simplesmente que a SEFAZ recebeu uma declaraçã da realizaçã de uma determinada peraçã cmercial a partir de determinada data e que verificu previamente determinads aspects frmais (autria, frmat e autrizaçã d emitente) daquela declaraçã, nã se respnsabilizand, em nenhuma hipótese, pel aspect de mérit da mesma que é de inteira respnsabilidade d emitente d dcument fiscal. Cas na validaçã sejam detectads errs u prblemas cm assinatura digital, frmat de camps u numeraçã, a NF-e será rejeitada, nã send, neste cas, gravada n Banc de Dads da SEFAZ. Imprtante: a rejeitar uma NF-e, a SEFAZ sempre indicará mtiv da rejeiçã na frma de códigs de errs e a respectiva mensagem de err. Esses códigs pdem ser cnsultads n Manual de Integraçã d Cntribuinte, dispnível n Prtal Nacinal da NF-e, seçã Dcuments. A SEFAZ pderá, ainda, denegar uma NF-e cas emitente nã esteja mais autrizad a emitir NF-e. Neste cas, aquela NF-e será gravada na SEFAZ cm status Denegad us e cntribuinte nã pderá utilizá-la. Em utras palavras, númer da NF-e denegada nã pderá mais ser utilizad, cancelad u inutilizad. 40. Quant temp demra a autrizaçã de NF-e pela Secretaria da Fazenda?

18 R. A infra-estrutura de recepçã das NF-e é dimensinada para que um lte de Ntas Eletrônicas seja autrizad em pucs segunds. O temp máxim de autrizaçã pr lte é dimensinad em até 1 (um) minut. 41. Cm deve ser a numeraçã / séries da NF-e em relaçã à Nta Fiscal em papel? R. A numeraçã utilizada pela NF-e será distinta e independente da numeraçã utilizada pela Nta Fiscal em papel. Ressalte-se que a NF-e é uma nva espécie de dcument fiscal: mdel da NF-e é 55 e s mdels das Ntas Fiscais em papel crrespndentes sã 1 u 1A. Independentemente d tip de peraçã, a numeraçã da NF-e será seqüencial de 1 a , pr estabeleciment e pr série, devend ser reiniciada quand atingid este limite. O cntribuinte pderá adtar séries distintas para a emissã da NF-e, mediante lavratura de term n livr Registr de Utilizaçã de Dcuments Fiscais e Terms de Ocrrência RUDFTO (mdel 6). 42. Qual limite de prduts (itens) em uma única NF-e? R. Uma NF-e aceita até 990 itens de prdut. Há também um limite de tamanh d arquiv que deve ser transmitid à SEFAZ para se bter a autrizaçã de us: s arquivs XML nã pderã exceder a 500 Kbytes. Cm relaçã a DANFE, este pderá ser emitid em mais de uma flha, u seja, um DANFE pderá ter tantas flhas quantas frem necessárias para discriminaçã das mercadrias. O cntribuinte pderá utilizar também até 50% da área dispnível n vers d DANFE. Imprtante: Cada NF-e pssui apenas um DANFE crrespndente, que pde ter uma u mais flhas; A Chave de Acess deve cnstar em tdas as flhas d DANFE. 43. Em que estabeleciment deve ser emitida a NF-e? R. A legislaçã d ICMS cnsidera cada estabeleciment d cntribuinte um estabeleciment autônm para efeit de cumpriment de brigaçã acessória. Assim, cada estabeleciment d cntribuinte deverá estar inscrit n cadastr de cntribuintes d ICMS e emitir s dcuments fiscais prevists na legislaçã. A emissã da NF-e depende de prévi credenciament d cntribuinte junt à SEFAZ de circunscriçã d estabeleciment interessad. O prcess de geraçã e transmissã da NF-e é um prcess eletrônic e pde ser realizad em qualquer lcal, desde que a NF-e seja emitida pr um emissr credenciad e assinada digitalmente cm certificad digital d estabeleciment emissr credenciad u d estabeleciment matriz d emissr credenciad.

19 44. A NF-e pde ser emitida antes d carregament da mercadria? E DANFE? R. N cas de uma peraçã dcumentada pr NF-e, a mercadria smente pderá circular quand huver autrizaçã de us da NF-e e DANFE crrespndente a estiver acmpanhand. Desta frma, a NF-e deverá ser emitida e autrizada pela SEFAZ antes da circulaçã da mercadria, cabend à empresa avaliar melhr mment para emissã e autrizaçã da NF-e. Em relaçã a DANFE é indiferente para a SEFAZ mment de sua impressã dentr da rtina peracinal interna, que pderá ser psterir u nã a carregament da mercadria, desde que DANFE crrespndente à NF-e que acberta a peraçã sempre acmpanhe a mercadria. 45. É pssível envi pr lte de NF-e u a emissã deve ser feita nta a nta? R. A NF-e é um dcument autônm e a sua emissã deve ser feita nta a nta, send que cada NF-e deve ter a sua assinatura digital individual. O prcess de transmissã da NF-e, n entant, deve ser realizad em ltes. O lte de NF-e pde cnter até 50 NF-e (u seja, pde cnter até mesm uma única NF-e), nã devend, entretant, exceder tamanh máxim de 500 Kbytes. 46. Se alguma NF-e fr rejeitada, td lte será rejeitad também? R. Nã. As NF-e pdem ser transmitidas em lte, mas a validaçã é sempre individual, nta a nta. Desta frma, se num lte de 50 NF-e s 3 frem rejeitadas, a SEFAZ retrnará a autrizaçã de us de 47 NF-e s e a rejeiçã de A NF-e pde ser emitida também pela digitaçã n site na Internet da Secretaria da Fazenda? R. Nã, mdel nacinal da nta fiscal eletrônica pressupõe a existência de arquiv eletrônic autônm cm assinatura digital gerad pel cntribuinte a partir de seus sistemas, a partir de sistema adquirid de terceirs u a partir d prgrama emissr de NF-e, dispnibilizad para us pelas micrs e pequenas empresas. Crreçã, cancelament e inutilizaçã de NF-e 48. É pssível alterar uma nta fiscal eletrônica emitida? R. Após ter seu us autrizad pela SEFAZ, uma NF-e nã pderá sfrer qualquer alteraçã, pis qualquer mdificaçã n seu cnteúd invalida a sua assinatura digital.

20 O emitente pderá: dentr de certas cndições, cancelar a NF-e, pr mei da geraçã de um arquiv XML específic para iss. Da mesma frma que a emissã de uma NF-e de circulaçã de mercadrias, pedid de cancelament de NF-e também deverá ser autrizad pela SEFAZ. O Layut d arquiv de slicitaçã de cancelament pderá ser cnsultad n Manual de Integraçã d Cntribuinte. dentr de certas cndições, emitir uma Nta Fiscal Eletrônica cmplementar. 49. Quais sã as cndições e prazs para cancelament de uma NF-e? R. Smente pderá ser cancelada uma NF-e cuj us tenha sid previamente autrizad pel Fisc (prtcl "Autrizaçã de Us") e desde que nã tenha ainda crrid fat geradr, u seja, em regra, ainda nã tenha crrid a saída da mercadria d estabeleciment. Atualmente praz máxim para cancelament de uma NF-e é de 168 hras (7 dias) a partir da autrizaçã de us. Para prceder a cancelament, emitente deverá fazer um pedid específic gerand um arquiv XML para iss. Da mesma frma que a emissã de uma NF-e de circulaçã de mercadrias, pedid de cancelament também deverá ser autrizad pela SEFAZ. O leiaute d arquiv de slicitaçã de cancelament pderá ser cnsultad n Manual de Integraçã d Cntribuinte. O status de uma NF-e (autrizada, cancelada, etc) sempre pderá ser cnsultada n site da Secretaria da Fazenda d Estad da empresa emitente u n site nacinal da Nta Fiscal Eletrônica (www.nfe.fazenda.gv.br). Prtant, cancelament da NFe nã é pssível após decrridas 168 hras (7 dias) da autrizaçã de us. Sugerims que cas restem dúvidas quant as prcediments infrmads, frmule "Cnsulta Tributária" à Diretria de Tributaçã da Subsecretaria da Receita, ns terms d art. 44 da Lei nº 657, de 25/01/94, regulamentada pel art. 42 d Decret N.º , de 30/11/ Cm fica a chamada carta de crreçã n cas de utilizaçã da NF-e? R. Alguns dads da NF-e pdem ser crrigids pr mei da Carta de Crreçã Eletrônica - CC-e, cnfrme leiaute previst nas Ntas Técnicas 2010/008 e 2011/003. A CC-e smente pde ser utilizada para crrigir NF-e autrizada há mens de 30 dias. É imprtante bservar que a CC-e NÃO pde ser utilizada para crrigir errs relacinads cm: I - as variáveis que determinam valr d impst tais cm: base de cálcul, alíquta, diferença de preç, quantidade, valr da peraçã u da prestaçã; II - a crreçã de dads cadastrais que implique mudança d remetente u d destinatári; III - a data de emissã u de saída

1) Abaixo segue um passo a passo com telas de como emitir o mdf-e no software gratuito e salvar o xml exportando ele do software para o

1) Abaixo segue um passo a passo com telas de como emitir o mdf-e no software gratuito e salvar o xml exportando ele do software para o 1) Abaix segue um pass a pass cm telas de cm emitir mdf-e n sftware gratuit e salvar xml exprtand ele d sftware para cmputadr:... 2 1º) Após preenchid MDF-e clicar na pçã Salvar d Emissr:... 2 2º) Após

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

Perguntas Freqüentes NF-e Atualizado em 24/03/09

Perguntas Freqüentes NF-e Atualizado em 24/03/09 Perguntas Freqüentes NF-e Atualizad em 24/03/09 ÍNDICE POR ASSUNTOS AGRUPADOS I. Cnceit, us e brigatriedade da NF-e (29 questões) II. Obrigações acessórias (8 questões) III. Mdel Operacinal (1 questã)

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

Manual. Autorizador da UNIMED

Manual. Autorizador da UNIMED Manual Prtal Autrizadr da UNIMED Pass a Pass para um jeit simples de trabalhar cm Nv Prtal Unimed 1. Períd de Atualizaçã Prezads Cperads e Rede Credenciada, A Unimed Sul Capixaba irá atualizar seu sistema

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário CRC-MG Central de Registr Civil de Minas Gerais Certidã Online - Serventia Manual d usuári Prefáci Data: 30/01/2015 Versã dcument: 1.0 1. COMO ACESSAR O MÓDULO DA CERTIDÃO ONLINE... 04 2. OPÇÕES DE PEDIDOS

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM Sluçã de Gestã Eletrônica de Dcuments Acadêmics OBJETIVOS DA SOLUÇÃO BENEFÍCIOS GERAIS A Sluçã ECMDOC de Gestã de Dcuments Acadêmics, tem cm principais

Leia mais

Contabilidade Martins

Contabilidade Martins DOCUMENTOS PARA CONTABILIDADE Visand melhrar nss intercâmbi administrativ e s serviçs prestads pr este escritóri, remetems instruções cm relaçã a sua mvimentaçã mensal, dand ênfase a cntrle de arquivs,

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

Roteiro de Implantação Estoque

Roteiro de Implantação Estoque Rteir de Implantaçã Estque Revisã: 23/07/2004 Abrangência Versã 7.10 Cadastrs Básics Dicas: Explique a necessidade d preenchiment ds brigatóris (camps na cr azul). Verifique se cliente necessita que mais

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA 2015 Orientações para a Escrituraçã Cntábil Digital (Sped Cntábil) Versã 14.01 Sluções SPDATA Equipe SAT Análise Desenvlviment e Qualidade de Sftware 07/04/2015 Sumári Objetiv... 3 Cnsiderações gerais...

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS Etapa 3 Cadastr d Prcess Seletiv O Presidente da CRM cadastra s dads d prcess n sistema. O prcess seletiv é a espinha drsal d sistema, vist que pr mei dele regem-se tdas as demais

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO SIGIO Sistema Integrad de Gestã de Imprensa Oficial MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO S I G I O M A N U A L D O U S U Á R I O P á g i n a 2 Cnteúd 1 Intrduçã... 3 2 Acess restrit a sistema... 4 2.1 Tips de

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

Sistema: Jera Store & Service Versão : 2.5 Release: 2.5.1.928 Banco de Dados: Firebird - Versão: 2.5.3 Data: 05/04/2015

Sistema: Jera Store & Service Versão : 2.5 Release: 2.5.1.928 Banco de Dados: Firebird - Versão: 2.5.3 Data: 05/04/2015 Sistema: Jera Stre & Service Versã : 2.5 Release: 2.5.1.928 Banc de Dads: Firebird - Versã: 2.5.3 Data: 05/04/2015 O sistema cntempla s móduls abaix. Os móduls adicinais (cmercializads a parte) estã destacads:

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

Emissão e autorização da NF-e 2. Quais são as validações realizadas pela Secretaria de Fazenda na autorização de uma NF-e?

Emissão e autorização da NF-e 2. Quais são as validações realizadas pela Secretaria de Fazenda na autorização de uma NF-e? O QUE MUDA COM A NF-e 1. Como funciona o modelo operacional da NF-e? De maneira simplificada, a empresa emissora de NF-e, previamente credenciada segundo as normas ditadas pela Secretaria de Fazenda de

Leia mais

Manual de Operação WEB SisAmil - Gestão

Manual de Operação WEB SisAmil - Gestão Manual de Operaçã WEB SisAmil - Gestã Credenciads Médics 1 Índice 1. Acess Gestã SisAmil...01 2. Autrizaçã a. Inclusã de Pedid...01 b. Alteraçã de Pedid...10 c. Cancelament de Pedid...11 d. Anexs d Pedid...12

Leia mais

Secretaria Municipal de Finanças Secretaria Municipal Adjunta de Arrecadações Gerência de Tributos Mobiliários Prefeitura de Belo Horizonte

Secretaria Municipal de Finanças Secretaria Municipal Adjunta de Arrecadações Gerência de Tributos Mobiliários Prefeitura de Belo Horizonte Versã 1.01 Página 2 de 68 BHISS Digital - Manual de prcediments... 4 1 Cadastrament de usuári... 4 1.1 Cadastrament presencial... 4 1.2 Cadastrament pela web... 5 2 Credenciament... 6 2.1 Ccredenciament

Leia mais

Conhecimento de Transporte Eletrônico - CT-e

Conhecimento de Transporte Eletrônico - CT-e Conhecimento de Transporte Eletrônico - CT-e O que é O Conhecimento de Transporte eletrônico (CT-e) é o novo modelo de documento fiscal eletrônico, instituído pelo AJUSTE SINIEF 09/07, de 25/10/2007, que

Leia mais

Nota Fiscal eletrônica nacional NF-e. Perguntas e respostas. Versão 2.0 30/05/2008

Nota Fiscal eletrônica nacional NF-e. Perguntas e respostas. Versão 2.0 30/05/2008 Nota Fiscal eletrônica nacional NF-e Perguntas e respostas Versão 2.0 30/05/2008 ATENÇÃO: o presente texto Nota Fiscal eletrônica nacional Perguntas e respostas é uma adaptação do texto Perguntas Freqüentes

Leia mais

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física)

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física) Lista de Dcuments Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de aliments Dcuments para estabeleciments cmerciais (pessa física) 1) Ficha de Inscriçã Cadastral, preenchida na própria VISA; 2) Cópia

Leia mais

Respostas - Perguntas Frequentes - versão 02/2009

Respostas - Perguntas Frequentes - versão 02/2009 Conhecimento de Transporte Eletrônico CTe Respostas Perguntas Frequentes versão 02/2009 I. Conceito, uso e obrigatoriedade da CTe 1. O que é o Conhecimento de Transporte Eletrônico CTe? Podemos conceituar

Leia mais

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação Guia Sphinx: Instalaçã, Repsiçã e Renvaçã V 5.1.0.8 Instalaçã Antes de instalar Sphinx Se vcê pssuir uma versã anterir d Sphinx (versões 1.x, 2.x, 3.x, 4.x, 5.0, 5.1.0.X) u entã a versã de Demnstraçã d

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos Guia Prátic d Estági Seu Estági em 5 Passs O que é Estági? A atividade de estági é um fatr significativ na frmaçã d prfissinal, pr prprcinar a interaçã d alun cm a realidade da prfissã e a cmplementaçã

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

NFe Nota Fiscal Eletrônica. Helder da Silva Andrade

NFe Nota Fiscal Eletrônica. Helder da Silva Andrade Nota Fiscal Eletrônica Helder da Silva Andrade 23/08/2010 SPED SUBSISTEMAS Escrituração Contábil Digital EFD ECD Escrituração Fiscal Digital Nota Fiscal Eletrônica CTe Conhecimento Transporte Eletrônico

Leia mais

A Nota Fiscal Eletrônica proporciona benefícios a todos os envolvidos em uma transação comercial.

A Nota Fiscal Eletrônica proporciona benefícios a todos os envolvidos em uma transação comercial. O QUE É A NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E? Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência apenas digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar,

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011

ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011 ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011 ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS COM RELAÇÃO ÀS DISPOSIÇÕES PREVISTAS PELA PORTARIA CAT 162/08 A RESPEITO DA OBRIGATORIEDADE DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA. ÍNDICE

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

1. Como funciona o modelo operacional da NF-e? (atualizado em 31/12/08)

1. Como funciona o modelo operacional da NF-e? (atualizado em 31/12/08) III. Modelo Operacional (o que muda com a NF-e) - Modelo 55 1. Como funciona o modelo operacional da NF-e? (atualizado em 31/12/08) De maneira simplificada, a empresa emissora de NF-e gerará um arquivo

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

REGRAS PARA USO DE RECURSOS PROAP/CAP

REGRAS PARA USO DE RECURSOS PROAP/CAP REGRAS PARA USO DE RECURSOS PROAP/CAP I - AJUDA DE CUSTO A ALUNOS DE DOUTORADO DA CAP, PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS INTERNACIONAIS FORA DO PAÍS Eligibilidade Aluns de dutrad da CAP que preencham,

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 158 DE 05 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

AJUSTE SINIEF 07/05 A J U S T E

AJUSTE SINIEF 07/05 A J U S T E AJUSTE SINIEF 07/05 Publicado no DOU de 05.10.05. Republicado no DOU de 07.12.05. Alterado pelos Ajustes 11/05, 02/06, 04/06. Ato Cotepe 72/05 dispõe sobre as especificações técnicas da NF-e e do DANFE.

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica/SC. Perguntas e Respostas

Nota Fiscal Eletrônica/SC. Perguntas e Respostas Nota Fiscal Eletrônica/SC Perguntas e Respostas I. Conceito, uso e obrigatoriedade da NF-e 1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica NF-e? 2. Já existe legislação aprovada sobre a NF-e? 3. Quais são as vantagens

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

SPED NOTA FISCAL ELETRÔNICA. Maio/ 2009

SPED NOTA FISCAL ELETRÔNICA. Maio/ 2009 SPED NOTA FISCAL ELETRÔNICA Maio/ 2009 NFe - Objetivo Alteração da sistemática atual de emissão da nota fiscal em papel, por nota fiscal de existência apenas eletrônica. NFs Modelos 1 e 1A NFe - Conceito

Leia mais

Introdução. Benefícios para todos

Introdução. Benefícios para todos Introdução Esta cartilha tem a finalidade de guiar as empresas na implantação da Nota Fiscal Eletrônica e demonstrar as facilidades e vantagens do sistema para o contribuinte e para a sociedade A Nota

Leia mais

Orientação Módulo: Consulta e Resposta à Notificação

Orientação Módulo: Consulta e Resposta à Notificação Ministéri d Trabalh e Previdência Scial Secretaria de Plíticas de Previdência Scial Departament ds Regimes de Previdência n Serviç Públic Crdenaçã-Geral de Atuária Cntabilidade e Investiments Orientaçã

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7 Mdel de Cmunicaçã Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica.

Leia mais

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Adesã à CCEE Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã Text tachad refere-se à exclusã de redaçã. Alterações

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO Prezad(a) Alun(a) A mbilidade acadêmica internacinal é uma prtunidade valisa para seu cresciment individual, acadêmic e prfissinal. Nã permita que a falta de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

NFS-e. Nota Fiscal de Serviços Eletrônica. Manual Operacional do Prestador de Serviços

NFS-e. Nota Fiscal de Serviços Eletrônica. Manual Operacional do Prestador de Serviços te 2012 NFS-e Nta Fiscal de Serviçs Eletrônica Manual Operacinal d Prestadr de Serviçs Este manual tem cm bjetiv rientar s usuáris, sbre s prcediments relativs a crret manusei de td sistema, detalhand

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS INDICE Descriçã básica...3 A. Quem pde acessar módul?... 3 Relações Ministeriais, Prcess...4 B. Etapas e Agentes... 4 C. Duraçã d prcess... 4 Atividades Permitidas as Usuáris d

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica/RS. Perguntas e Respostas

Nota Fiscal Eletrônica/RS. Perguntas e Respostas Nota Fiscal Eletrônica/RS Perguntas e Respostas 1. OBJETIVO, CONCEITO, USO E OBRIGATORIEDADE 2. OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 3. MODELO OPERACIONAL 4. DANFE (Documento Auxiliar da NF-e) 5. CERTIFICAÇÃO DIGITAL

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Diretoria de Tecnologia da Informação

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Diretoria de Tecnologia da Informação 1.1.1.1 Cas de us Descmpactar e Cnverter arquivs d módul de Instruments de Planejament 1.1.1.1.1 Precndições 1. O cas de us de envi deve ter sid cncluíd cm sucess 1.1.1.1.2 Flux principal 1. O SICOM descmpacta

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014 EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA Seleçã de Blsistas para Prgrama de Blsa Sciecnômica para períd de 2014 O Reitr d Centr Universitári Tled Unitled, ns terms d Regulament aprvad pel CONSEPE, cm vistas à seleçã

Leia mais

Tutorial Sistema Porto Sem Papel

Tutorial Sistema Porto Sem Papel Tutrial Sistema Prt Sem Papel 8 ESTADIA CONVENCIONAL: A estadia cnvencinal é aquela em que a embarcaçã deseja executar uma peraçã de carga, descarga, carga/descarga, embarque/desembarque de passageirs

Leia mais

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet INTEGRAÇÃO Gestã de Frete Embarcadr x Datasul 11.5.3 PLANO DO PROJETO 24/01/2013 Respnsável pel dcument: Jã Victr Fidelix TOTVS - 1 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet ÍNDICE

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 005/2014 DE 07 DE ABRIL DE 2014 PROCESSO SELETIVO O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP.: 64.073-505,

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

Manual de Configuração

Manual de Configuração Manual de Cnfiguraçã Pnt de Venda (PDV) Versã: 1.1 Índice 1 EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.1 INSTALANDO O TERMINAL EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.2 CAPTURANDO O NÚMERO DE SÉRIE E O GT DO

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

119ª CONFAZ Manaus, AM, 30.09.05 P. AJ. 07/05

119ª CONFAZ Manaus, AM, 30.09.05 P. AJ. 07/05 119ª CONFAZ Manaus, AM, 30.09.05 P. AJ. 07/05 AJUSTE SINIEF /05 Institui a Nota Fiscal Eletrônica e o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. O Conselho Nacional de Política Fazendária CONFAZ e o

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

DECRETO Nº 29.041, DE 26 DE OUTUBRO DE 2007

DECRETO Nº 29.041, DE 26 DE OUTUBRO DE 2007 DECRETO Nº 29.041, DE 26 DE OUTUBRO DE 2007 * Publicado no DOE em 31/10/2007. Acresce dispositivos ao Decreto nº 24.569, de 31 de julho de 1997, que regulamenta e consolida a legislação do Imposto sobre

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2010/2011, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

MANUAL DOS GESTORES DAA

MANUAL DOS GESTORES DAA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - NTI MANUAL DOS GESTORES DAA MÓDULOS: M atrícula e P rgramas e C DP [Digite resum d dcument aqui. Em geral, um resum é um apanhad

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 5: Certificado Digital e Nota

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica de Medicaments Revisã 2 Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Prescriçã Eletrónica de Medicaments

Leia mais

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP Dissídi Retrativ Cálculs INSS, FGTS e geraçã da SEFIP A rtina de Cálcul de Dissídi Retrativ fi reestruturada para atender a legislaçã da Previdência Scial. A rtina de Aument Salarial (GPER200) deve ser

Leia mais