CARACTERIZAÇÃO DA GERAÇÃO, DESTINAÇÃO FINAL E DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE PALMAS TO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARACTERIZAÇÃO DA GERAÇÃO, DESTINAÇÃO FINAL E DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE PALMAS TO."

Transcrição

1 CARACTERIZAÇÃO DA GERAÇÃO, DESTINAÇÃO FINAL E DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE PALMAS TO. Characterization of generation, final destination and of the management of the residues of the civil construction in the city of Palmas TO. Iulla Galdino Segato 1 Graduando em Tecnologia em Gestão Ambiental pela Faculdade Católica do Tocantins (FACTO) Msc. José Lopes Soares Neto Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade do Tocantins (Unitins), Mestre em Ciências do Ambiente pela Universidade Federal do Tocantins (UFT) e Professor Titular na Faculdade Católica do Tocantins (FACTO) Endereço (1): 804 Sul, Alameda 12 e Lote 24 Palmas - TO CEP: Tel.: (63) RESUMO A construção civil é reconhecida como uma das mais importantes atividades para o desenvolvimento econômico e social. Contudo, comporta-se, ainda, como grande geradora de impactos ambientais, quer seja pelo consumo de recursos naturais, pela modificação da paisagem ou pela geração de resíduos. O objetivo desse trabalho é diagnosticar a situação atual do Município de Palmas - TO com relação ao gerenciamento e destinação final dos Resíduos da Construção Civil, bem como dar subsídios para adequação aos padrões estabelecidos pela resolução 307 do CONAMA. Dessa forma, pode ser verificada a situação atual do município, com relação ao gerenciamento e destinação final dos Resíduos da Construção Civil, que com os resultados alcançados podemos observar como ainda é incorreto o gerenciamento desse tipo de resíduo no município, sendo necessário à implantação de Plano Integrado de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil bem como sua adequação aos padrões estabelecidos pelo CONAMA. PALAVRAS-CHAVES: Construção Civil, Resíduos, Reciclagem. 2. ABSTRACT The civil construction is recognized as one of the most important activities for the economic and social development. However, one behaves, still, as great generating of ambient impacts, wants either for the consumption of natural resources, the modification of the landscape or the generation of residues. The objective of this work is to diagnosis the current situation of the City of Palmas TO with regard to the management and the final destination of the Residues of the Civil Construction, as well as giving subsidies for adequacy to the standards established for resolution 307 of the CONAMA. Of this form, the current situation of the city can be verified, with regard to the management and final destination of the Residues of the Civil Construction, that with the reached results we can observe as still the management of this type of residue in the city is incorrect, being necessary to the implantation immediate Integrated of Management of the Residues of the Civil Construction as well as its adequacy to the standards established for the CONAMA. KEY-WORDS: Civil Construction, Residues, Recycling. 1

2 3. INTRODUÇÃO Nos últimos tempos vem crescendo a preocupação com os impactos ambientais gerados pelos resíduos da construção civil, preocupação essa relativamente recente no Brasil, década de 70 e 80, e se falado muito mais quanto à reciclagem desses resíduos. Isso pode ser notado graças às publicações, os seminários e a legislação própria (RESOLUÇÃO CONAMA Nº. 307/2002), relacionada aos resíduos gerados por esse setor que estabelece a responsabilidade pela geração ao que era antes conhecido apenas por entulho ou bota-fora de obra. Por outro lado, com o desenvolvimento da consciência do setor em relação aos problemas ambientais que o cercam, tem-se hoje uma visão da necessidade do desenvolvimento de materiais e processos construtivos que não causem danos ao homem e ao meio ambiente. Neste contexto, segundo JOHN (2000), a reciclagem de resíduos da construção civil encontra-se em estágio relativamente avançado no país. Existe atualmente um forte grupo na universidade brasileira, muito ativo no estudo dos resíduos da construção, seja no aspecto de redução de sua geração durante a atividade de construção, políticas públicas para o manuseio dos resíduos e ainda tecnologias para a reciclagem. Diversos municípios brasileiros já operam com sucesso centrais de reciclagem do resíduo da construção civil, produzindo agregados utilizados predominantemente como sub-base de pavimentação. Com o atual problema dos resíduos da construção civil no município de Palmas TO, gerando pela falta de lugar adequado e correto para a disposição final dos mesmos, ocasionando depósito em terrenos clandestinos, este trabalho justifica-se, pois pretende trazer subsídios para a elaboração de um Plano Integrado de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil, plano este muito importante, pois irá trazer medidas de destinação e disposição final corretas dos resíduos, bem como estratégias e medidas para a minimização dos impactos socioambientais gerados pelo mesmo. Este artigo tem por objetivo expor a necessidade do correto gerenciamento e dar subsídios a partir de dados quantitativos e qualitativos sobre os resíduos da construção civil, dados sobre a destinação final e atual desses resíduos no município, subsídios esses que servirão para o futuro Plano Integrado de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil do Município de Palmas TO, bem como proporcionar embasamento teórico para outros artigos com essa temática. 2

3 E ainda como objetivos específicos: Expor à atual situação do município quanto ao gerenciamento dos resíduos da Construção Civil; Entregar dados quantitativos e qualitativos dos resíduos da construção civil no município; Caracterizar a destinação final, o gerenciamento e a geração dos resíduos no município; e Propor melhorias no sistema atual. 4. REFERENCIAL TÉORICO A geração e destinação de Resíduos da Construção Civil no Brasil têm características associadas ao tipo de obra que os origina, sendo as provenientes das chamadas construções formais (realizadas por meio de construtoras em obras de empreitada ou de incorporação) totalmente distintas daquelas oriundas das obras ditas informais (pequenas obras de ampliação e reforma de imóveis realizadas por pequenos prestadores de serviço legais ou mesmo autônomos). São esses tipos de obras que mais propiciam impactos com a destinação desordenada em terrenos clandestinos não licenciados pela prefeitura nos centros urbanos, exercendo forte pressão ao meio ambiente e aos serviços municipais. Segundo a Resolução CONAMA Nº. 307 de 05 de Julho de 2002, art. 4º 1º - Os resíduos da construção civil não poderão ser dispostos em aterros de resíduos domiciliares, áreas de bota-fora, em encostas, corpos d água, lotes vagos e em áreas protegidas por Lei, obedecidos os prazos definidos nesta Resolução. Art. 6º - Deverão constar no Plano de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil: Inciso II O cadastramento de áreas, públicas ou privadas, aptas pra o recebimento, triagem e armazenamento temporário de pequenos volumes, em conformidade com o porte da área urbana municipal, possibilitando a destinação posterior dos resíduos oriundos de pequenos geradores às áreas de beneficiamento; Inciso IV A proibição da disposição dos resíduos da construção em áreas não licenciadas. E ainda, conforme artigo 3º esta Resolução cita os tipos de resíduos que devem ou não ser armazenados neste tipo de aterro, segundo as diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil: 3

4 - Classe A: resíduos reutilizáveis ou recicláveis como agregados, tais como: de construção, demolição, reformas e reparos de pavimentação e de outras obras de infraestrutura, inclusive solos provenientes de terraplanagem; de construção, demolição, reformas e reparos de edificações como componentes cerâmicos, argamassa e concreto; e de processo de fabricação e/ou demolição de peças pré-moldadas em concreto produzidas nos canteiros de obras; - Classe B: resíduos recicláveis para outras destinações, tais como: plásticos, papel/papelão, metais, vidros, madeiras e outros; - Classe C: resíduos para os quais não foram desenvolvidas tecnologias ou aplicações economicamente viáveis que permitam a sua reciclagem/recuperação, tais como os produtos oriundos do gesso; - Classe D: resíduos perigosos oriundos do processo de construção, tais como: tintas, solventes, óleos e outros, ou aqueles contaminados oriundos de demolições, reformas e reparos de clínicas radiológicas, instalações industriais e outros. CARDOSO et al. (2006) apontam a grande diversidade de impactos que a construção civil causa ao meio ambiente estabelecendo matrizes que relacionam três fases distintas, implantação e operação do canteiro de obras, consumo de recursos e por fim incômodos e poluições nos meios físico (solo, ar e água), biótico e antrópico (trabalhador, vizinhança e sociedade), isto sem considerar os impactos causados pela geração de resíduos de construção, que não foram tratados pelos autores no estudo em questão. Estes autores relacionaram 29 tipos de impactos ambientais (esgotamento de reservas minerais, interferências na fauna e flora locais, danos a bens edificados, etc.) com 28 atividades executadas nos canteiros (remoção de edificações, armazenamento de materiais, lançamento de fragmentos, etc.) identificando assim 293 diferentes ocorrências desses impactos, sem, entretanto mensurar a sua magnitude. Complementarmente, BLUMENSCHEIN (2004), inclui como relevantes não apenas os impactos ambientais da cadeia da construção civil quer sejam no solo ou lençol freático, no ar, sobre a fauna, flora e paisagem, e também sobre o clima, como também os impactos não ambientais, quais sejam aqueles que afetam o emprego, renda e inclusão, acessibilidade e mesmo segurança e saúde, entre outros. MOTA (1999) aponta a importância da avaliação prévia dos impactos ambientais como um meio eficaz de identificar as conseqüências de um empreendimento sobre o meio ambiente, destacando como um dos seus principais objetivos a proposição de medidas mitigadoras aos possíveis impactos negativos. 4

5 Do ponto de vista ambiental, o problema principal com este tipo de resíduo está relacionado à sua deposição irregular e aos grandes volumes produzidos. A deposição irregular do resíduo é muito comum em todo o mundo. No Brasil, os números estimados por PINTO (1999) para cinco cidades médias variam entre 10 e 47% do total gerado. Estes resíduos depositados irregularmente causam enchentes, proliferação de vetores nocivos à saúde, interdição parcial de vias e degradação do ambiente urbano. Às vezes estes resíduos são aceitos por proprietários de imóveis que os empregam como aterro, normalmente sem maiores preocupações com o controle técnico do processo. Esta prática pode levar a problemas futuros nas construções erigidas nestas áreas, quando não ocasionam acidentes piores, como o caso da Favela Nova República em São Paulo SP, onde o desabamento de um aterro com resíduo de construção causou a morte por soterramento de várias pessoas. Por força dos organismos nacionais e internacionais de controle do meio ambiente, que ganharam grande importância com a Norma ISO 14000, a questão da reciclagem e do reaproveitamento de resíduos passou a ser estratégica em termos das políticas econômica e industrial. Estão sendo igualmente cada vez mais procuradas formas diversas e oportunidades de valorização de resíduos dos materiais e componentes da construção civil. A implantação de modelos de produção mais limpa em processos industriais tem sido também importante elemento na minimização dos resíduos gerados, como também tem tornado possível uma intervenção dos centros de pesquisa na solução do problema e na identificação de matérias-primas secundárias para o desenvolvimento de materiais. Então, segundo CARVALHO & FILHO (2009), um sistema de gestão dos Resíduos da Construção Civil de um município deve necessariamente estar de acordo com a principal referência normativa a este respeito, a Resolução do CONAMA Nº. 307/2002, e ser capaz de planejar, atribuir responsabilidades, práticas, procedimentos e recursos tanto para desenvolver como para implementar as ações necessárias ao cumprimento das etapas previstas em programas e planos de gerenciamento destes resíduos. O modelo de sistema de gestão dos Resíduos da Construção Civil deve ser precedido de um diagnóstico da situação local com relação ao quantitativo de resíduos gerados, a identificação e caracterização dos geradores, transportadores e recebimento final dos resíduos, os fluxos dos resíduos na malha urbana e os impactos ambientais e econômicos causados pelas atividades relacionadas. Deve ser estruturado tomando como referência a necessidade de se obter soluções distintas para os pequenos e para os grandes geradores. 5

6 5. METODOLOGIA Inicialmente foi realizado o levantamento bibliográfico de todo o material existente com relação aos resíduos da construção civil, através de pesquisas nos meios de comunicação (internet artigos; jornais, livros e revistas reportagens). Em seguida foi realizado o contato e posterior entrevista com a Agência de Serviços Públicos (AGESP) e com as empresas privadas responsáveis pela coleta desses resíduos no âmbito particular no município de Palmas TO Draga Minas, Locatins, Locoel e Disk Entulho RV, para a obtenção de dados estimativos quanto à quantidade e destinação final desses resíduos por parte delas. Após as entrevistas, foi realizado contato com o setor de Licenciamento dos terrenos para a destinação desses resíduos e licenciador também das empresas que fazem o recolhimento desses resíduos, através de questionário aberto aplicado e pesquisa bibliográfica nos processos pertinentes ao assunto na Secretaria de Desenvolvimento Urbano, Meio Ambiente e Habitação (SEDUMAH), para verificar a atual situação das empresas que prestam esses serviços e dos terrenos que recebem esse resíduo, quanto à parte de licenciamento. A próxima etapa foi a coleta de dados em campo através da captação de imagens dos terrenos regulares e irregulares presentes no município. Por fim, depois de realizado todo o levantamento bibliográfico, a coleta de todos os dados quantitativos e qualitativos e a captação de imagens pertinentes ao assunto, a junção dos mesmos resultou na proposição dos subsídios para a realização do Plano Integrado de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil do Município de Palmas TO, através deste artigo. Excluído: o engenheiro responsável pelo Aterro Sanitário do município, Sr. João Marques Soares Excluído: responsável pelo Excluído: o Engenheiro Ambiental, Sr. Suarton Fernandes, 6. RESULTADOS E DISCUSSÕES 6.1 RESULTADOS Após coletados todos os dados qualitativos e quantitativos, obtidos através de entrevista com responsável pelo setor de Licenciamento da Secretária de Desenvolvimento, Meio Ambiente e Habitação SEDUMAH, com o responsável pelo Aterro Sanitário do Município na Agência de Serviços Públicos AGESP, posterior 6

7 coleta de dados também na SEDUMAH e coleta de dados em campo foram encontrados os seguintes resultados: Em termos quantitativos a nível nacional, o resíduo da Construção Civil corresponde a algo em torno de 50% da quantidade em peso de resíduos sólidos urbanos coletados em cidades com mais de 500 mil habitantes de diferentes países, inclusive o Brasil. Os principais responsáveis a nível nacional pela geração de volumes significativos de resíduos que devem ser considerados são (figura 01): 1. Executores de reformas, ampliações e demolições que, no conjunto, consistem na fonte principal desses resíduos; 2. Construtores de edificações novas, térreas ou com múltiplos pavimentos com áreas de construção superiores a 300m², cujas atividades quase sempre são formalizadas; 3. Construtores de novas residências, tanto aqueles de maior porte, em geral formalizadas, quanto às pequenas residências de periferia, quase sempre autoconstruídas e informais. E dificações Novas (acima de 300m²) 21% Origem do RCC Reformas, Ampliações e Demolições 59% R esidências Novas 20% Figura 01 - Origem do Resíduo da Construção Civil. O licenciamento das empresas que realizam o serviço de coleta, transporte e deposição de resíduos da construção civil no município se faz mediante pedido de Licença de Operação (LO) da atividade junto à SEDUMAH, a mesma exige da empresa para a instalação da sede um Projeto Ambiental. Para a expedição da licença dos locais onde serão dispostos os resíduos são feito adendos ao processo de Licenciamento (autorizações) para a armazenagem desse resíduo. 7

8 A nível municipal as quatro empresas existentes, responsáveis pela coleta, transporte e disposição do resíduo da construção civil no município de Palmas TO - Draga Minas, Locatins, Locoel e Disk Entulho RV, estão com suas atividades licenciadas junto à SEDUMAH, bem como o Aterro Sanitário; os mesmos se encontram em pleno funcionamento e com sua Licença de Operação (LO) expedida; Quanto às empresas, o entulho é coletado por solicitação do interessado, através de caminhões com carroceria mecânica operacional. O próprio interessado acondiciona os resíduos (entulho) em caçambas containers de 5m³ de capacidade (medida padrão para todos os containers), que permanecem 07 dias na obra por determinação das empresas; Com base nos dados coletados, foi realizada a construção de tabela (Tabela 01), que expõe a quantidade mensal de resíduos coletados no município, bem como a forma de disposição deles, se a área é autorizada pela SEDUMAH e se as empresas em questão realizam ou não a triagem dos resíduos coletados por elas; 8

9 EMPRESA QUANTIDADE MENSAL COLETADA (m³) QUANTIDADE MENSAL DE CONTAINERS LOCAL DE DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DRAGA MINAS 400m³ 80 Aterro Sanitário de Palmas TO. LOCATINS 400m³ 80 Encaminhados para área (bota-fora) licenciada. LOCOEL 1000m³ 180 à 200 Área particular da empresa (bota-fora) licenciada. DISK ENTULHO RV 1250m³ 250 Área particular da empresa (bota-fora) licenciada. AUTORIZADO PELA SEDUMAH SIM SIM SIM SIM REALIZA TRIAGEM DOS RESÍDUOS NÃO NÃO SIM NÃO Tabela 01 - Disposição dos Resíduos da Construção Civil no Município de Palmas TO 9

10 Foi constatado também que das empresas coletoras uma apenas LOCOEL realiza a triagem e o reaproveitamento dos resíduos que chegam à sua área de disposição, enquanto a maioria não realiza a triagem, nem o reaproveitamento desses resíduos, somente o dispõe em local previamente definido e licenciado, e que por vezes este resíduo é disposto de forma irregular (Figura 02); Figura 02 - Disposição irregular dos resíduos em terreno licenciado pela Prefeitura. Foram localizados no município 03 locais (chácaras) licenciados pela Secretaria de Desenvolvimento, Meio Ambiente e Habitação SEDUMAH que estão autorizadas para receberem esses resíduos. O Aterro Sanitário do município de Palmas TO, recebe segundo dados obtidos junto à AGESP uma quantidade de 100 ton/mês de resíduos da construção civil, que após disposto são colocados em local específico e depois usados para o aterramento de outros resíduos no Aterro Sanitário, ou na construção e pavimentação de estradas vicinais do município. O transporte desses resíduos é feito geralmente por empresas terceirizadas à serviço da prefeitura e a maioria dos resíduos depositados são advindos de obras públicas; 10

11 Após depositado o resíduo no Aterro Sanitário, o mesmo é disposto em local previamente definido e posteriormente é usado para o aterramento dos outros resíduos no próprio Aterro Sanitário (Figura 03); Figura 03 - Disposição do resíduo no Aterro Sanitário. Estima-se que os resíduos da Construção Civil correspondem no Aterro Sanitário a cerca de 0,30% de todo o lixo recolhido mensalmente no município e que 60% dos resíduos não sejam encaminhados para o aterro, ao invés disso uma grande maioria é depositada clandestinamente em terrenos baldios e beiras de estradas, pois as outras áreas licenciadas pela prefeitura para disposição desse resíduo são de empresas particulares e com isso, o serviço passa a ser cobrado; A dificuldade na aquisição de informações por parte dos sindicatos, a falta de informações em sites relacionados sobre o exercício da atividade no Município foram agravantes na elaboração do estudo, por isso o fato de não se citar nenhum desses órgãos no artigo. 6.2 DISCUSSÃO O Município de Palmas foi fundado em 20 de maio de 1989, fica localizado no estado do Tocantins na região Norte do país, com uma população estimativa de

12 habitantes (IBGE, 2008), o mesmo está situado na região central do estado, localização essa estrategicamente traçada para o maior e melhor escoamento de seus produtos e matérias-primas aos outros estados das regiões brasileiras. A Construção Civil no município se encontra como uma das principais atividades econômicas e modificadoras do meio ambiente, pois como se trata de uma capital ainda jovem, a cidade se encontra em constante processo de modificação e construção de seus espaços públicos e privados. A vinda de novos empreendimentos ao município ajuda na geração de renda e empregos à população, mas também em conseqüência desse processo de construção da capital, ocorrem o descarte e o acúmulo de resíduos da construção civil em locais inadequados para os mesmos, esse fato ocorre porque o município ainda não possui um Plano Integrado de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil, onde constariam a implementação de Aterros próprios para esses resíduos, fato, mas uma vez ressaltado que tem contribuído para o descarte indiscriminado de entulho em áreas impróprias, provocando diversos problemas à população. A prática observada muitas vezes quanto à destinação dos Resíduos da Construção Civil no município é a de não segregação, seguida na maioria das vezes da destinação informal e aleatória, ficando a decisão sobre a localização do destino final a cargo do transportador. No município a disposição dos resíduos é realizada de 03 formas: 1. Disposição irregular e em bota-foras clandestinos; 2. Em locais (chácaras) licenciadas pela prefeitura SEDUMAH; e 3. Encaminhados para o Aterro Sanitário Municipal. A Secretaria de Desenvolvimento, Meio Ambiente e Habitação fica a cargo de fiscalizar as áreas já licenciadas e nos locais onde o resíduo está sendo disposto incorretamente, descoberto, as mesmas tem sua licença cancelada, tendo de procurar outro local para deposição deste resíduo e constatado na fiscalização o degrado da área é exigido do proprietário a recuperação através da elaboração de Plano de Recuperação de Área Degradada PRAD. No caso de descoberto depósito irregular em terrenos baldios e beira de estradas, os resíduos são recolhidos pela prefeitura e encaminhados para o Aterro Sanitário, onde serão dispostos em local adequado. Apesar das determinações da Resolução 307 do CONAMA de 2002, o município de Palmas - TO não dispõe de infra-estrutura totalmente adequada para fiscalizar e fazer cumprir a legislação vigente, o que lamentavelmente favorece o não reaproveitamento 12

13 correto da maioria dos Resíduos da Construção Civil gerados e sua disposição final inadequada. Conforme a resolução vigente sobre os resíduos da construção civil, fica estabelecido que o mesmo tenha sempre destino correto, adequado e seguro conforme a classe em que esteja enquadrado, não sendo permitido que seja simplesmente lançado no meio ambiente, sem qualquer tipo de controle, como acontece sistematicamente em todo o Brasil. (PINTO E GONZÁLES, 2005). Parte desses resíduos no município é gerada pela população de baixa renda, que não consegue recorrer aos coletores, pois, o serviço é cobrado que acabam por fazer os descartes em pontos avulsos as deposições irregulares o que exige ação corretiva por parte das municipalidades. Muitas dessas áreas recebem também, descargas dos agentes coletores, principalmente os de pequeno porte. A maior parte dos resíduos produzidos pelos grandes geradores é descartada em bota-foras como são chamadas as áreas públicas ou privadas de maior dimensão utilizadas para atividades de aterro na maioria das vezes realizadas sem nenhum controle técnico. Essas áreas quase sempre são oferecidas pelos interessados com fins de aterramento para correção de sua topografia, e, comumente se esgotam com rapidez. Por isso, no município é comum encontrar diversas delas operando simultaneamente, muitas clandestinas. Tendo em vista a diversidade das características dos agentes envolvidos na geração, no manejo e na destinação dos resíduos da construção civil, a Resolução CONAMA nº. 307/2002, define diretrizes para que os municípios e o Distrito Federal desenvolvam e implementem políticas estruturadas e dimensionadas a partir de cada realidade local. Essas políticas devem assumir a forma de um Plano Integrado de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil, esse disciplinador do conjunto dos agentes incorporando necessariamente: Programa Municipal de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil, com diretrizes técnicas e procedimentos para o exercício das responsabilidades dos pequenos geradores e transportadores; e Projetos de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil que orientem, disciplinem e expressem o compromisso de ação correta dos grandes gerados de resíduos tanto públicos quanto privados. 13

14 6.2.1 Recomendações Englobando as ações do Programa Municipal de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil, o serviço público de coleta prestado para a captação dos pequenos volumes necessita ser organizado de forma a atender a toda área urbanizada, com a instalação de pontos de entrega voluntária nos bairros, estabelecidos de acordo com as bacias de captação, zonas homogêneas que atraiam a maior parcela possível de Resíduos da Construção Civil gerado em sua área de abrangência. Os pontos de entrega voluntária devem ser divulgados entre a população da redondeza (geradora potencial do Resíduo da Construção Civil), bem como aos coletores desses resíduos que recolhem pequenos volumes, como instalação permanente (ou duradoura) e adequada para o descarte de resíduos. A concentração de pequenos volumes nos pontos de entrega permite maior eficiência à sua remoção adequada, com o estabelecimento de circuitos de coleta pela administração pública. A implantação dos pontos de entrega deve ocorrer de forma gradativa, com vistas à alteração da cultura e adesão de todos ao compromisso com o correto descarte e destinação dos resíduos. Já a ação privada regulamentada estabelecida para os Projetos de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil e sugerida para solucionar o problema dos grandes volumes de resíduos, recolhidos e transportados por coletores que utilizam veículos de maior capacidade volumétrica e de carga (caminhões-caçamba e containers), elimina os impactantes bota-foras existentes, que acabam sendo substituídos por um número menor de áreas mais adequadas e duradouras, projetadas para triagem do conjunto dos resíduos da construção civil gerados no município, reciclagem da maior parcela possível e viável e o trasbordo da fração não reaproveitável para outras instalações, onde possa receber destino adequado. O destino a ser dado aos resíduos da construção civil deve priorizar as soluções de reutilização e reciclagem ou, quando inevitável, adotar a alternativa do Aterro de Resíduos da Construção Civil indicado na Resolução CONAMA nº. 307/2002 e normatizado pela Norma Brasileira ABNT NBR 15113:2004. Esse novo tipo de aterro poderá ser executado em duas hipóteses: ou para a correção do nível de terreno, para uma ocupação futura dos mesmos (disposição definitiva); ou para a reservação (disposição temporária) dos resíduos de concretos, alvenarias, argamassas, asfalto de pavimentação e de solos limpos, visando seu reaproveitamento. (PINTO E GONZALÉS, 2005). A Figura 04 apresenta modelo de Esquema de Ações para a Implantação do Sistema de Gestão no Município dos Resíduos da Construção Civil. 14

15 SISTEMA DE GESTÃO PARA RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL FACILITAR DISCIPLINAR INCENTIVAR descarte atores e redução, segregação correto fluxos e reciclagem AÇÃO 1 REDE PARA GESTÃO DE PEQUENOS VOLUMES (Pontos de entrega distribuídos pela zona urbana) (serviço público de coleta) AÇÃO 2 REDE PARA GESTÃO DE GRANDES VOLUMES (Áreas de triagem e transbordo, áreas de reciclagem, aterros permanentes de RCC). (propriedade da ação privada regulamentada) AÇÃO 3 PROGAMA DE INFORMAÇÃO AMBIENTAL AÇÃO 4 PROGAMA DE FISCALIZAÇÃO Fonte: PINTO E GONZALÉS (2005), adaptado por SEGATO, Figura 04 - Esquema de Ações para Gestão dos Resíduos da Construção Civil. 15

16 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS Com base no trabalho realizado, conclui-se que: O município em questão, encontra-se com sua gestão quanto aos resíduos da Construção Civil em fase de iniciação, pois seu Plano Integrado de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil ainda se encontra em fase de elaboração e não há nenhuma previsão de data de entrega. Sendo assim, a administração pública e o poder privado, tem como compromisso realizar parcerias para a implantação dos esquemas de reuso, reutilização e armazenagem adequados a este tipo de resíduo, que se fazem tão presentes em nossa realidade local e que ainda não possuem uma gestão correta e de acordo com a legislação vigente. Como proposição ao Plano, pretende-se indicar a construção das áreas de entrega de pequenos volumes no município para a resolução do problema quanto aos pequenos geradores e coletores e, na condição dos grandes volumes gerados pelas obras públicas e comerciais no município uma área de triagem, reciclagem e posterior encaminhamento as obras para sua reutilização. Os resíduos que não se enquadram nas Classes A e B, que não podem ser reutilizados devem ser armazenados na mesma área, mas em local com cobertura, para evitar a contaminação do solo e do ar pela ação das chuvas, serem transportados e receberem a destinação adequada em conformidade com a Norma Brasileira ABNT NBR 15112:2004, e então a posterior construção do Aterro de Resíduos da Construção Civil do município para a disposição final desses resíduos das Classes A e B, que não podem ser reutilizados ou estiverem aguardando reutilização, área essa que como também já citado pode ser definitiva (correção de topografia) ou para reservação (futura utilização desses resíduos). Percebe - se então, que várias cidades brasileiras já operam Centrais de Reciclagem dos Resíduos da Construção Civil, produzindo agregados utilizados basicamente em obras de pavimentação, verificando se assim a viabilidade dessa idéia. O desafio do próximo período será trazer essa prática para a nossa realidade local e para que essa meta seja atingida é basicamente necessário o atendimento das políticas públicas existentes, abrangendo as áreas de pesquisa, legislação e educação ambiental. 16

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico.

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico. CONTROLE DE REVISÃO Código do Documento: Nome do Documento: ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Responsável pela Elaboração: Gerente de Segurança e Meio NE/SE Responsável

Leia mais

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005.

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS.

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. Ana Cláudia Santos da Silva Graduanda em Engenharia Ambiental e Sanitária Faculdades Integradas de Três Lagoas - AEMS

Leia mais

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012.

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012. PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA 1 São José, dezembro de 2012. CONSIDERAÇÕES INICIAIS: Atendendo às determinações do Contrato 697/2012, as informações

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO Problema transformado em oportunidade Hewerton Bartoli Presidente hewerton@abrecon.org.br Panorama da apresentação O que é RCC Legislação

Leia mais

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010.

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. Institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil do Município de Porto Alegre, estabelece as diretrizes, os critérios e os procedimentos

Leia mais

DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Claudiceia Silva Mendes 1 Resumo: A construção civil é reconhecida como uma das mais importantes

Leia mais

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente - SEPesq Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente Micheli Gonçalves Zamarchi Arquiteta e Urbanista Centro Universitário Metodista - IPA arquiteta.mz@gmail.com

Leia mais

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil.

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. RESÍDUOS SÓLIDOSS 1 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. 2 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005.

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - CONSEMA RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. "Estabelece diretrizes para elaboração do Plano Integrado

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE APUCARANA

CÂMARA MUNICIPAL DE APUCARANA www.apucarana.pr.leg.br - Centro Cívico José de Oliveira Rosa, ~5A - 86800-235 - Fone (43) 3420-7000 ESTADO DO PARANA SÚMULA - Institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil

Leia mais

MANEJO E GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD) Ministério das Cidades Secretaria de Saneamento Ambiental

MANEJO E GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD) Ministério das Cidades Secretaria de Saneamento Ambiental MANEJO E GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD) RESOLUÇÃO CONAMA 307 Art. 3 o Os resíduos da construção civil deverão ser classificados, para efeito desta Resolução, da seguinte forma: I-Classe

Leia mais

Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil. Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151

Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil. Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151 Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151 PROBLEMATIZAÇÃO Coleta do RCD: um problema logístico Uma empresa de coleta

Leia mais

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 1. Marcos legais no município 2. Resoluções Conselho Nacional do Meio Ambiente 3. Classificação dos resíduos de construção civil 4. Plano Integrado de Gerenciamento de

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. 1/11 LEI Nº 3645, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012. (Regulamentada pelo Decreto nº 6101/2015) ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina AVALIAÇÃO DO POTENCIAL QUANTITATIVO DO ENTULHO DE CONSTRUÇÃO

Leia mais

DESAFIOS DA GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RCC CASE GR2 SANTA MARIA

DESAFIOS DA GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RCC CASE GR2 SANTA MARIA DESAFIOS DA GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RCC CASE GR2 SANTA MARIA PALESTRANTES GILSON TADEU AMARAL PIOVEZAN JUNIOR Engenheiro Civil - UFSM Especialista em Gestão de Recursos Hídricos - UFSM

Leia mais

RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM

RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM Produção: Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall. Apoio Institucional: Sindicato da Indústria

Leia mais

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO)

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão e aproveitamento dos resíduos da construção civil e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Art. 1 Para efeito do disposto nesta lei, ficam estabelecidas as seguintes definições:

Art. 1 Para efeito do disposto nesta lei, ficam estabelecidas as seguintes definições: Página 1 de 9 Lei Ordinária nº 5159/2004 de 24/12/2004 Ementa Institui o Sistema para a Gestão Sustentável de Resíduos da Construção Civil e Resíduos Volumosos no Município de Joinville e dá outras providências.

Leia mais

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Rosa do Carmo de Oliveira Lima¹ (Orientadora) - Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

Caracterização dos resíduos de construção e demolição na unidade de recebimento de resíduos sólidos no município de Campo Mourão PR

Caracterização dos resíduos de construção e demolição na unidade de recebimento de resíduos sólidos no município de Campo Mourão PR Maria Cristina Rodrigues Halmeman 1 ; Paula Cristina de Souza 2 ; André Nascimento Casarin 3 1 Professora Mestre, Universidade Tecnológica Federal Campo Mourão, Departamento de Engenharia de Produção Civil.

Leia mais

Endereço: Rua Max de Vasconcelos, n 270, Parque Leopoldina Campos dos Goytacazes RJ Telefone: (22) 9829-6934 mail: ramonfisicacefet@yahoo.com.

Endereço: Rua Max de Vasconcelos, n 270, Parque Leopoldina Campos dos Goytacazes RJ Telefone: (22) 9829-6934 mail: ramonfisicacefet@yahoo.com. IDENTIFICAÇÃO DOS PONTOS DE ACÚMULO DE RDC (RESÍDUO DE DEMOLIÇÃO E CONSTRUÇÃO) EM ÁREAS DE RISCO AMBIENTAL NA CIDADE DE CAMPOS DOS GOYTACAZES: AVALIAÇÃO DOS RISCOS E PROPOSIÇÃO DE MEDIDAS MITIGADORAS.

Leia mais

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL Decreto / Norma Emissor Assunto Diretrizes e procedimentos / Resíduos da Construção Civil. Define a tipologia de resíduos da construção civil Artigo2º, tem I: Resíduos da construção civil: São os provenientes

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC 1.0 DADOS DO GERADOR/CONSTRUTOR (folha de 8 itens) PROCESSO Nº: CAD Nº: 1.1. Razão Social: 1.2 Endereço: 1.3 Fone: Fax: 1.4 E-mail: 1.5 CPF:

Leia mais

Gestão, Arquitetura e Urbanismo

Gestão, Arquitetura e Urbanismo CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) CIVIL JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: CIVIL Gestão, Arquitetura e Urbanismo Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO Produzido por Exatas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Prefeitura Municipal de Fortaleza Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente - SEUMA Coordenadoria

Leia mais

REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS

REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS Evanisa F. R. Q. Melo (1); Rubens M. Astolfi (2); Leunir Freitas (3); Ricardo Henryque Reginato Quevedo

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

Situação Atual do Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil (RCC) no Município de Toledo-PR

Situação Atual do Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil (RCC) no Município de Toledo-PR Situação Atual do Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil (RCC) no Município de Toledo-PR Débora de Oliveira Fernandes Geotécnica, Paraná, Brasil Daniela Fabiane Ely Bióloga, Toledo, Paraná, Brasil.

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NOS CENTROS URBANOS - UMA AMEAÇA À SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NOS CENTROS URBANOS - UMA AMEAÇA À SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NOS CENTROS URBANOS - UMA AMEAÇA À SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Maria Bernadete Fernandes Vieira de Melo (UFPB) beta@ct.ufpb.br

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2.336, DE 22 DE JUNHO DE 2004 PROJETO DE LEI N 030/2004. (nº 019/2004, na origem) INSTITUI O SISTEMA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DE

LEI MUNICIPAL Nº 2.336, DE 22 DE JUNHO DE 2004 PROJETO DE LEI N 030/2004. (nº 019/2004, na origem) INSTITUI O SISTEMA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DE LEI MUNICIPAL Nº 2.336, DE 22 DE JUNHO DE 2004 PROJETO DE LEI N 030/2004. (nº 019/2004, na origem) INSTITUI O SISTEMA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e dá outras providências. JOSÉ DE FILIPPI

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

LEI Nº 14.803, DE 26 DE JUNHO DE 2008

LEI Nº 14.803, DE 26 DE JUNHO DE 2008 LEI Nº 14.803, DE 26 DE JUNHO DE 2008 (Projeto de Lei nº 136/08, do Vereador Chico Macena - PT) Dispõe sobre o Plano Integrado de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil e Resíduos Volumosos e seus

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA 614 LEVANTAMENTO E ANÁLISE COMPARATIVA DA CONSTITUIÇÃO DO RCD DE OBRAS DE REFORMA E DEMOLIÇÃO NA CIDADE DE LONDRINA-PR MENDES, Thiago Melanda 1 & MORALES, Gilson 2 1.Aluno de Iniciação Científica e bolsista

Leia mais

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA - (17) 3463-9014 TEL. (17) 3463-1495 O CER também comercializa materiais reciclados para obra de ótima qualidade como areia,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NOVA LEGISLAÇÃO PERMITE RÁ- PIDO AVANÇO PARA NORMAS TÉCNICAS E NOVAS SOLUÇÕES.

RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NOVA LEGISLAÇÃO PERMITE RÁ- PIDO AVANÇO PARA NORMAS TÉCNICAS E NOVAS SOLUÇÕES. RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NOVA LEGISLAÇÃO PERMITE RÁ- PIDO AVANÇO PARA NORMAS TÉCNICAS E NOVAS SOLUÇÕES. Arq. Tarcísio de Paula Pinto Mestre e Doutor pela USP Diretor da I&T Informações e Técnicas O

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

I-074 - GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL ESTUDO DE CASO PROJETO PILOTO REFERENCIAL PARA CASAS SUSTENTÁVEIS

I-074 - GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL ESTUDO DE CASO PROJETO PILOTO REFERENCIAL PARA CASAS SUSTENTÁVEIS I-074 - GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL ESTUDO DE CASO PROJETO PILOTO REFERENCIAL PARA CASAS SUSTENTÁVEIS Liane de Moura Fernandes Costa (1) Engenheira Ambiental pela Universidade Federal

Leia mais

Seminário CBCS Inauguração do Comitê Temático Gerenciamento de Riscos Ambientais Estratégias para a gestão de RCD em pequenos e grandes municípios Sérgio Angulo Prof. Dr., Poli USP Fluxo do RCD Gerador

Leia mais

Prefeitura de Mogi Guaçu PROGRAMA MUNICIPAL DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS

Prefeitura de Mogi Guaçu PROGRAMA MUNICIPAL DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS Objetivo Geral: Oferecer metodologias adequadas para gestão de resíduos da construção civil, demolição e volumosos, originados de atividades diversas no município de Mogi Guaçu. Objetivos Específicos:

Leia mais

1.2 Número de cursos sobre resíduos da construção civil realizados 5 1.3. Número de intervenções realizadas em canteiros de obras de construção civil

1.2 Número de cursos sobre resíduos da construção civil realizados 5 1.3. Número de intervenções realizadas em canteiros de obras de construção civil SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Sensibilização para o Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil Edvaldo Sabino 04/06/2013 + = TERMO DE PARCERIA 022/2008 Sensibiliz. para

Leia mais

LEI Nº 6.126, DE 27 DE ABRIL DE 2006.

LEI Nº 6.126, DE 27 DE ABRIL DE 2006. LEI Nº 6.126, DE 27 DE ABRIL DE 2006. Autoria: Prefeito Municipal. INSTITUI O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS E DÁ PROVIDÊNCIAS CORRELATAS. O Prefeito do Município

Leia mais

Gerenciamento dos Resíduos da Construção

Gerenciamento dos Resíduos da Construção Gerenciamento dos Resíduos da Construção Resíduos da Construção e Demolição Engenheiro Civil e Doutor em Engenharia Ambiental Joácio Morais Júnior João Pessoa - 2013 Problemática 2 ANÁLISE DO CICLO DE

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRECIONADA AO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM EMPRESA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRECIONADA AO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM EMPRESA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRECIONADA AO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM EMPRESA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Victor Pontes Brasil; Verônica Evangelista de Lima; Antonio Augusto Pereira de Sousa; Cecília Elisa

Leia mais

LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012

LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012 LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012 (Publicação DOM 08/10/2012: 03) INSTITUI O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal aprovou e

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-194 - PROPOSTA DE PROGRAMA DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS ORIUNDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA A GRANDE JOÃO PESSOA PB: UM ESTUDO PRELIMINAR QUANTO À VIABILIDADE Nelma Mirian Chagas de Araújo (1) Engenheira

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 7.146, DE

LEI MUNICIPAL Nº 7.146, DE LEI MUNICIPAL Nº 7.146, DE 31/07/2006 - Pub. BM nº 1.739, de 29/08/2006 Institui o Plano Integrado de Gerenciamento e o Sistema de Gestão Sustentável de Resíduos da Construção Civil e Resíduos Volumosos,

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente. RESOLUÇÃO SMAC Nº 604 de 23 de novembro de 2015

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente. RESOLUÇÃO SMAC Nº 604 de 23 de novembro de 2015 PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente RESOLUÇÃO SMAC Nº 604 de 23 de novembro de 2015 Disciplina a apresentação de Planos de Gerenciamento de Resíduos da Construção

Leia mais

Página 1 de 18 Endereço desta legislação http://leismunicipa.is/trmac O texto abaixo é a versão original desta Lei Ordinária, ou seja, não contém alterações posteriores, caso tenha ocorrido. LEI Nº 1585,

Leia mais

III - Pontos de Entrega (Pequenos Volumes) - os equipamentos públicos destinados ao recebimento de resíduos da construção civil e resíduos volumosos

III - Pontos de Entrega (Pequenos Volumes) - os equipamentos públicos destinados ao recebimento de resíduos da construção civil e resíduos volumosos Ano 47 - Número 134 - São Paulo, sexta-feira, 19 de julho de 2002 DECRETO Nº 42.217, DE 24 DE JULHO DE 2002 Regulamenta a Lei nº 10.315, de 30 de abril de 1987, no que se refere ao uso de áreas destinadas

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO Cinthia Martins dos SANTOS Programa de Pós Graduação em Engenharia do Meio Ambiente, Escola de Engenharia,

Leia mais

Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade. Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA

Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade. Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA Impacto dos Resíduos de Construção Resíduos nas obras Impacto dos Resíduos de Construção Resíduos

Leia mais

PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL

PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL Nelma Miriam Chagas de Araújo (1); Tânia Maria Gomes Voronkoff Carnaúba (2); (1) Instituto Federal de Educação, Ciências

Leia mais

Estudo para a Implantação de Pontos de Entrega Voluntária de Resíduos de Construção Civil no Município de Jahu/SP

Estudo para a Implantação de Pontos de Entrega Voluntária de Resíduos de Construção Civil no Município de Jahu/SP Estudo para a Implantação de Pontos de Entrega Voluntária de Resíduos de Construção Civil no Município de Jahu/SP William Douglas Graciolla 1 Marina Carboni 2 Tânia Leme de Almeida 3 Resumo A instalação

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Inerente a Gestão de Resíduos da Construção Civil na Cidade de Toledo-PR

Diagnóstico Ambiental Inerente a Gestão de Resíduos da Construção Civil na Cidade de Toledo-PR Diagnóstico Ambiental Inerente a Gestão de Resíduos da Construção Civil na Cidade de Toledo-PR MOREJON, C. M. F.,a, BIANCO, T. S. D b, LIMA, J. F.. c, PLEC, O. d a. Universidade Estadual do Oeste do Paraná,

Leia mais

RECICLAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

RECICLAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RECICLAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Antonio Marcel Nascimento Gradin 1 Paulo Sérgio Nunes Costa 2 Resumo: A produção e disposição de Resíduos da Construção e Demolição - RCD na Construção

Leia mais

GESTÃO DE REJEITOS DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: Impactos no Empreendimento Way Pampulha

GESTÃO DE REJEITOS DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: Impactos no Empreendimento Way Pampulha GESTÃO DE REJEITOS DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: Impactos no Empreendimento Way Pampulha Andrew Motta Daher 1 Érika Silva Fabr2 RESUMO: A geração de rejeitos oriundos da construção civil promove severos

Leia mais

Resíduos de Construção e. Vanderley M. John Dr.Eng., Prof. Associado Depto. Eng. Construção Civil Escola Politécnica da USP

Resíduos de Construção e. Vanderley M. John Dr.Eng., Prof. Associado Depto. Eng. Construção Civil Escola Politécnica da USP Resíduos de Construção e Demolição Vanderley M. John Dr.Eng., Prof. Associado Depto. Eng. Construção Civil Escola Politécnica da USP Roteiro Desenvolvimento sustentável Resíduos e desenvolvimento sustentável

Leia mais

Ismeralda Maria Castelo Branco do Nascimento Barreto

Ismeralda Maria Castelo Branco do Nascimento Barreto GESTÃO DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Ismeralda Maria Castelo Branco do Nascimento Barreto Aracaju - 2005 GESTÃO DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Confederação Nacional da Indústria CNI e Conselho Nacional

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

Planejamento de obras e urbanismo

Planejamento de obras e urbanismo Conteúdo da Aula 1ª parte Planejamento de obras e urbanismo Construção sustentável e Gestão de resíduos 1ª parte 1. Construção de uma sociedade sustentável 2. Agenda 21 on Sustainable Construction 3. Conceitos/fundamentos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DA CIDADE DE CRICIÚMA/SC

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DA CIDADE DE CRICIÚMA/SC 1 CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DA CIDADE DE CRICIÚMA/SC Tatiane Gomes Nazário: tatinazario@gmail.com Ednilson Viana: ednilson.viana@gmail.com Teresinha Maria Gonçalves: tmg@unesc.net

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG Diagnóstico da Infraestrutura do Sistema de Coleta e Tratamento de Resíduos Sólidos no Setor de Mobilização 2, bairros Vargem Alegre, Serra Verde, Rio

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Eng. Antonio Henrique Candeias

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Eng. Antonio Henrique Candeias GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Antonio Henrique Candeias Historia da Limpeza Urbana ( site COMLURB ) Em ROMA ano 736 AC placas não jogue lixo aqui Londres ano 1354 Lei obrigava o lixo

Leia mais

RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NOVA LEGISLAÇÃO PERMITE RÁPIDO AVANÇO PARA NORMAS TÉCNICAS E NOVAS SOLUÇÕES.

RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NOVA LEGISLAÇÃO PERMITE RÁPIDO AVANÇO PARA NORMAS TÉCNICAS E NOVAS SOLUÇÕES. RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NOVA LEGISLAÇÃO PERMITE RÁPIDO AVANÇO PARA NORMAS TÉCNICAS E NOVAS SOLUÇÕES. Arq. Tarcísio de Paula Pinto Mestre e Doutor pela USP Diretor da I &T Informações e Técnicas -

Leia mais

III-100 PROPOSTA DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL MO MUNICÍPIO DE FORTALEZA.

III-100 PROPOSTA DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL MO MUNICÍPIO DE FORTALEZA. III-100 PROPOSTA DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL MO MUNICÍPIO DE FORTALEZA. Viviane de Sena Barros Mestre em Engenharia Civil, área de concentração em Saneamento Ambiental,

Leia mais

RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: IMPACTOS E BENEFÍCIOS GERADOS PELOS RCC E SUA RECICLAGEM

RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: IMPACTOS E BENEFÍCIOS GERADOS PELOS RCC E SUA RECICLAGEM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: IMPACTOS E BENEFÍCIOS GERADOS PELOS RCC E SUA RECICLAGEM Marcelo Antonio De Conti decontimarcelo@gmail.com Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO ENTRE A EEEFM DR. ULYSSES GUIMARAES E A FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DA UFPA: DIAGNÓSTICO DE RCC (s).

PROJETO DE COOPERAÇÃO ENTRE A EEEFM DR. ULYSSES GUIMARAES E A FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DA UFPA: DIAGNÓSTICO DE RCC (s). PROJETO DE COOPERAÇÃO ENTRE A EEEFM DR. ULYSSES GUIMARAES E A FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DA UFPA: DIAGNÓSTICO DE RCC (s). 1 Laura Maria Costa CORRÊA; 1 Roana Silva Ataíde; 1 Ana Paula Saraiva dos

Leia mais

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 NOME: AVALIAÇÃO DO USO DE AGREGADO MIÚDO OBTIDO ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE ENTULHOS EM CONCRETO DE CIMENTO

Leia mais

Realização e Organização. Patrocínio. Apoio

Realização e Organização. Patrocínio. Apoio Realização e Organização Patrocínio Apoio Apresentação A parcela que o entulho representa no total de Resíduos Sólidos Urbanos gerados diariamente nas áreas urbanas existentes em todo o planeta, torna

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.2 Plano Ambiental de Construção

Leia mais

O REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SÓCIOAMBIENTAL NA CIDADE DE MONTES CLAROS-MG

O REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SÓCIOAMBIENTAL NA CIDADE DE MONTES CLAROS-MG O REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SÓCIOAMBIENTAL NA CIDADE DE MONTES CLAROS-MG Warley Barroso Silva Acadêmico do 2 Período do Curso de Engenharia Civil das

Leia mais

2.0 Objetivos 2.1 Geral. 2.2 Específicos

2.0 Objetivos 2.1 Geral. 2.2 Específicos 1. INTRODUÇÃO O lixo é um problema crônico que vem afetando comunidades no mundo inteiro. No Brasil, a geração de lixo per capita varia de acordo com o porte populacional do município. Segundo dados da

Leia mais

ANÁLISE SOBRE A COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DESCARTADOS EM CAÇAMBAS ESTACIONÁRIAS

ANÁLISE SOBRE A COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DESCARTADOS EM CAÇAMBAS ESTACIONÁRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS ADM 01194 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Alexandre Lopes Silva ANÁLISE SOBRE A COLETA DE RESÍDUOS

Leia mais

Os resíduos de construção civil (RCC) e resíduos

Os resíduos de construção civil (RCC) e resíduos artigo técnico Por Clóvis Benvenuto e Felipe Kazuo Shimizu Suzuki Plano integrado de gerenciamento regional de resíduos de construção civil e volumosos Ferraz de Vasconcelos, Poá e Suzano Resumo Clóvis

Leia mais

REAPROVEITAMENTO DOS ENTULHOS DE CONCRETO NA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES

REAPROVEITAMENTO DOS ENTULHOS DE CONCRETO NA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES REAPROVEITAMENTO DOS ENTULHOS DE CONCRETO NA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES Maria Edelma Henrique de Carvalho Porto (ISECENSA) maria_edelma@hotmail.com Simone Vasconcelos Silva (ISECENSA) simonevsinfo@yahoo.com.br

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADO PELO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL (CONSTRUTORAS) EM ARACAJU

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADO PELO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL (CONSTRUTORAS) EM ARACAJU GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADO PELO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL (CONSTRUTORAS) EM ARACAJU Andrezza Santana da Silva 1 Danilo Santana Barbosa 2 Igor Guimarães Sacramento 3 Thácylla Jamille Mecenas de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA CONSTRUÇÃO CIVIL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA CONSTRUÇÃO CIVIL UNIVERSIDADE: Universidade Estadual de Campinas UNICAMP TÍTULO DO TRABALHO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA CONSTRUÇÃO CIVIL AUTORES: Paulo Sérgio Bardella; Gladis Camarini E-MAIL DOS AUTORES: pbardela@uol.com.br

Leia mais

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências.

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

FORTALEZA (AMARA MUNICIPAL DE

FORTALEZA (AMARA MUNICIPAL DE (AMARA MUNICIPAL DE FORTALEZA Dispõe sobre a obrigatoriedade de utilização, pelo Município de Fortaleza, de material agregado reciclado nas obras municipais., Art. 1 Fica instituída a obrigatoriedade da

Leia mais

GERAÇÃO DO RCC COM CNPJ (CONSTRUTORAS FORMAIS) => 25% SEM CNPJ (MERCADO INFORMAL) => 25% COM CPF (AUTÔNOMOS) => 15% SEM CPF (LIMPEZA PÚBLICA) => 35%

GERAÇÃO DO RCC COM CNPJ (CONSTRUTORAS FORMAIS) => 25% SEM CNPJ (MERCADO INFORMAL) => 25% COM CPF (AUTÔNOMOS) => 15% SEM CPF (LIMPEZA PÚBLICA) => 35% GERAÇÃO DO RCC COM CNPJ (CONSTRUTORAS FORMAIS) => 25% SEM CNPJ (MERCADO INFORMAL) => 25% COM CPF (AUTÔNOMOS) => 15% SEM CPF (LIMPEZA PÚBLICA) => 35% LEGISLAÇÃO PERTINENTE - Resolução CONAMA n 307/2002

Leia mais

LEI Nº 11.176, DE 10 DE OUTUBRO DE 2007.

LEI Nº 11.176, DE 10 DE OUTUBRO DE 2007. LEI Nº 11.176, DE 10 DE OUTUBRO DE 2007. INSTITUI O SISTEMA DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO E O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO

Leia mais

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL.

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PASSO FUNDO Aviso de licitação Modalidade: TOMADA DE PREÇOS nº 74/2014. Tipo: MENOR PREÇO GLOBAL. Objeto: Execução de obras

PREFEITURA MUNICIPAL DE PASSO FUNDO Aviso de licitação Modalidade: TOMADA DE PREÇOS nº 74/2014. Tipo: MENOR PREÇO GLOBAL. Objeto: Execução de obras PREFEITURA MUNICIPAL DE PASSO FUNDO Aviso de licitação Modalidade: TOMADA DE PREÇOS nº 74/2014. Tipo: MENOR PREÇO GLOBAL. Objeto: Execução de obras complementares em cinco escolas municipais, com o fornecimento

Leia mais

RECICLAGEM DE RESIDUOS SOLIDOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NO MUNICIPIO DE GOIANIA BENEFICIOS AMBIENTAIS

RECICLAGEM DE RESIDUOS SOLIDOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NO MUNICIPIO DE GOIANIA BENEFICIOS AMBIENTAIS RECICLAGEM DE RESIDUOS SOLIDOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NO MUNICIPIO DE GOIANIA BENEFICIOS AMBIENTAIS Francyana Pereira Lima(*) Acadêmica do curso de Engenharia Ambiental da Unversidade Católica de Goiás

Leia mais